Plano Municipal de Políticas para as Mulheres

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano Municipal de Políticas para as Mulheres"

Transcrição

1 PARA MULHERES- Plano Municipal de Políticas para as Mulheres Paço do Lumiar MA 2013

2 PARA MULHERES- Plano Municipal de Políticas para as Mulheres Prefeito Municipal de Paço do Lumiar Josemar Sobreiro Oliveira Vice-Prefeito Marconi Dias Lopes Neto Secretária Municipal Extraordinária de Políticas para as Mulheres Carla Patrícia Alfredo de Oliveira Sousa Assessoramento Técnico da Secretaria de Estado da Mulher Lêda Rêgo (Ouvidora da Mulher) Maria Helena Veiga (Chefe de Dep. de Gestão e Articulação) Paço do Lumiar MA 2013

3 PARA MULHERES- A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as mulheres CONVÊNIO Nº 098/2010 SPM/PR.

4 PARA MULHERES- IDENTIFICAÇÃO: Município Paço do Lumiar /MA Gestor Municipal Josemar Sobreiro Oliveira Gestora de Políticas para as Carla Patrícia Alfredo de Oliveira Sousa Mulheres Endereço Av. 13, Rua 53, Quadra 146, N. 13, Maiobão Bairro Maiobão CEP Telefones (98)

5 PARA MULHERES- ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO PERFIL INSTITUCIONAL COMPETÊNCIAS DIAGNÓSTICO MUNICIPAL DIAGNÓSTICO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE PAÇO DO LUMIAR DIAGNÓSTICO MUNICIPAL RELACIONADO ÀS MULHERES LUMINENSES OBJETIVOS AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS E METAS A ALCANÇAR Igualdade no mundo do trabalho e autonomia econômica Educação para igualdade e cidadania Saúde Integral das Mulheres, direitos sexuais e direitos reprodutivos Enfretamento de todas as formas de violência contra as Mulheres Fortalecimento e participação das mulheres nos espaços de poder e decisão Desenvolvimento Sustentável com Igualdade econômica e social Direito à Terra com igualdade para as mulheres do campo e da floresta Cultura, esporte, comunicação e mídia Enfrentamento ao racismo, sexismo e lesbofobia Igualdade para mulheres jovens, idosas e mulheres com deficiência AÇÕES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...27

6 PARA MULHERES- APRESENTAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES DE PAÇO DO LUMIAR-MA O I Plano Municipal de Políticas para as mulheres do município de Paço do Lumiar - MA pretende garantir direitos básicos às mulheres luminenses, através de cumprimento e intensificação de direitos básicos, mediante a oferta de serviços, projetos, programas e benefícios articulada com as diferentes políticas públicas existentes neste município, apresentando as ações a serem desenvolvidas no âmbito municipal para o triênio 2013, 2014 e O processo de preparação e realização do I Plano Municipal de Políticas para as mulheres do município de Paço do Lumiar MA, constituiu-se em um processo enriquecedor para a elaboração de políticas públicas na área de gênero, pois, a elaboração contou com a mobilização e participação de todas as secretarias municipais e representantes da sociedade civil; Foram diversificadas as propostas que embasaram as nossas contribuições para a elaboração deste plano. O rico debate de estratégias buscou objetivar a melhor forma de atingir a igualdade e o fortalecimento da autonomia econômica, social, cultural e política das mulheres luminenses. O grande legado desse processo é possibilitar o desenvolvimento de programas e ações para o enfrentamento da violência contra a mulher e para o exercício pleno da cidadania das mulheres de Paço do Lumiar. O desenvolvimento das atividades e os serviços voltados às mulheres do município estarão respaldados dentro das ações e das metas a serem alcançadas por esta secretaria, em parceria com as demais políticas, visando a busca de estratégias de consolidação de direitos e consequentemente a melhoria da qualidade de vida das mulheres luminenses. A elaboração deste referido plano, contou com três dias de trabalho, 13, 14 e 15 de Maio de O I Plano Municipal de Políticas para as mulheres do município de Paço do Lumiar MA, vem expressar a vontade e o compromisso da Prefeitura de Paço do Lumiar em atender as mulheres luminenses e atuar com comprometimento para que as desigualdades de gênero sejam rompidas e estabeleça o fortalecimento das políticas púbicas voltadas às mulheres. Este plano é um conjunto de programas, projetos, serviços e ações que servirão de subsídio para a melhoria do cotidiano das mulheres e beneficiar a toda sociedade luminense.

7 PARA MULHERES- 2. Perfil Institucional Criada pela Lei n. 481, de 20 de março de 2013, publicada no Diário Oficial de 27 de Março de Instalada na Avenida 13, Rua 53, Quadra 146, nº 13, Maiobão- Paço do Lumiar- MA. É responsável pelo desenvolvimento de políticas públicas, programas, projetos e ações nas áreas da saúde, segurança, emprego, salário, moradia, educação, agricultura, raça, etnia, comunicação, participação política e outras. Portanto, é um importante meio de interlocução entre as Secretarias, Conselhos Municipais, Movimentos de Mulheres e Organizações não- Governamentais com a finalidade de construir uma sociedade mais justa, onde homens e mulheres tenham igualdade de direitos e a diversidade seja respeitada. Além das competências estabelecidas em lei a secretaria tem suas ações orientadas pelas diretrizes do II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. 3. Competências I - dar assessoramento às ações políticas relativas à condição de vida da mulher e ao combate aos mecanismos de subordinação e exclusão que sustentam a sociedade discriminatória, visando buscar a promoção da cidadania feminina e da igualdade entre os gêneros; II - prestar apoio e assistência ao diálogo e à discussão com a sociedade e os movimentos sociais no município, constituindo fóruns municipais para articulação de ações e recursos em políticas de gênero e, ainda, participar de fóruns, encontros, reuniões, seminários e outros que abordem questões relativas à mulher; III - efetuar assessoramento ou assistência à reestruturação ou a alteração estrutural do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher; IV - dar assessoramento a diferentes órgãos do governo e articular programas dirigidos à mulher em assuntos do seu interesse que envolvam saúde, segurança, emprego, salário, moradia, educação, agricultura, raça, etnia, comunicação, participação política e outros; V - prestar assistência aos programas de capacitação, formação e de conscientização da comunidade, especialmente do funcionamento municipal; VI - prestar assessoramento ao Prefeito do município de Paço do Lumiar em questões que digam respeito aos direitos da mulher;

8 PARA MULHERES- VII - acompanhar o cumprimento da legislação que assegura os direitos da mulher e orientar o encaminhamento de denúncias relativas à discriminação da mulher; VIII - promover a realização de estudos, de pesquisas, formando um banco de dados ou de debates sobre a situação da mulher e sobre as políticas públicas do gênero; IX - efetuar intercâmbio com instituições públicas, privadas, estaduais, nacionais e estrangeiras envolvidas com o assunto mulher, visando à busca de informações para qualificar as políticas públicas a serem implantadas; X - executar outras atividades correlatas ou que lhe venham a ser designadas pela autoridade superior; XI - constituir em um banco de dados, através de um sistema informatizado, contendo dados estatísticos, relatórios de pesquisas, gráficos com dados relativos à realidade da mulher luminense, programas e projetos que contemplem a equidade de gênero e/ou aqueles desenvolvidos com mulheres visando ao empoderamento, a ser disponibilizado para consultas; XII - constituir-se em um centro de documentação e informações, disponibilizando bibliografia e documentários com caráter educativo sobre as temáticas que envolvam as relações de gênero, violência de gênero e outros; XIII - assessorar na elaboração de projetos de pesquisa para subsidiar estudos e definir prioridade em relação às demandas e necessidades básicas das mulheres de Paço do Lumiar; XIV - disponibilizar uma lista de instituições de fomento governamentais e não governamentais, em âmbito nacional e internacional para serem contatadas, mediante envio de projetos na perspectiva de gênero visando solicitação de financiamento; XV - articular na perspectiva de redes, ONGs, movimentos sociais, fóruns de mulheres, subsídios para o Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, visando a elaboração e execução de políticas públicas que contemplem a equidade de gênero; XVI - com base em dados de pesquisa, a partir das demandas postas por mulheres, principalmente as excluídas dos direitos mínimos, definir prioridades em relação a políticas específicas, referentemente à raça/etnia, a diferentes orientações e expressões sexuais, geracional, às artesãs, às pescadoras, às marisqueiras e às agricultoras, para as mulheres que habitam em Paço do Lumiar.

9 PARA MULHERES- 4. DIAGNÓSTICO MUNICIPAL Paço do Lumiar é um município brasileiro do estado do Maranhão e pertence à Região Metropolitana de São Luís. O município de Paço possui uma população de habitantes (cento e quatro mil e oitocentos e oitenta e um) e uma extensão territorial de aproximadamente 123 Km², segundo Censo do IBGE em A cidade foi fundada em 1625, pelo Padre Luís Figueira e entrou para história como uma das mais antigas localidades do Maranhão. Paço do Lumiar é um município dentro da ilha de São Luís onde foi instalada uma das primeiras missões da Companhia de Jesus. A cidade, antiga Anindiba dos indígenas, na qual teve sua ocupação iniciada em 22 de maio de 1625, quando chegou à capital da província do Maranhão, o governador Francisco Coelho de Carvalho, o jesuíta Luís Figueira já possuía uma légua de terra no sítio Anindiba que, por escritura pública, lhe fora doada por Pedro Dias e sua mulher Apolônia Bustamante. Em virtude da Carta Régia de 11 de junho de 1761, o Governador Joaquim de Melo e Póvoas deslocou-se, no ano seguinte, para aquela povoação e elevou-a à categoria de Vila, como a denominação de Paço do Lumiar, em razão de sua semelhança como uma localidade de idêntica denominação existente na freguesia do Lumiar, nos arrabaldes de Lisboa, Portugal. No século XX, Paço do Lumiar foi distrito de São Luís, passando logo para o distrito de São José de Ribamar. Paço do Lumiar teve sua emancipação pela lei n 1890, de 7 de dezembro de Instalado em 14 de janeiro de 1961, teve como seu primeiro prefeito, o Sr. Pedro Ferreira da Cruz.. Foi criado a partir do desmembramento do município de São José de Ribamar. São alguns bairros do município: Maiobão, Vila São José, Vila Cafeteira, Vila Nazaré, Paranã, Sede, Pindoba, Mojó, Pau Deitado, Maioba, Mocajituba, Iguaíba dentre outros. Como é cercado de rios e cursos d'aguas, muitos com influencia dos mares, ocorre a presença dos mangues que são fontes de renda para parte de sua população, a economia baseia-se atraves do extrativismo, vegetal, pesca e comércio, bem como a prestação de serviços a orgãos públicos como CAEMA, PREFEITURA, BANCO DO BRASIL,

10 PARA MULHERES- BRADESCO, CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, BANCO ITAÚ, CORREIOS E CASAS LOTÉRICAS Diagnóstico Social do Município de Paço do Lumiar O diagnóstico social é de fundamental importância para a construção dos planos municipais, visto que descrevem através dos dados, as principais problemáricas do município, no tocante à educação, saúde, social, cultura, transporte entre outros. De modo que o conhecimento de tais informações sobre o município é de suma importância para orientar este plano, o qual visa também o desenvolvimento da política de Assistência Social no município e a operacionalização desse direito. As informações abaixo a respeito da realidade de Paço do Lumiar estão respaldadas nos dados dispostos pelo site do IBGE que estão convertidos em gráficos. Com uma população de habitantes, sendo mulheres, tem uma estimativa de crescimento populacional para 2012 de habitantes, com um crescimento anual da população de 3,25%, a densidade demográfica é de 842, 63 hab/km². O número populacional cresceu bastante, do ano de 2000 ao ano de 2010 o crescimento foi de mais de 30%. O gráfico abaixo apresenta esses dados:

11 PARA MULHERES- A pirâmide etária abaixo apresenta o número de mulheres em relação ao número de homens, que se observando com cuidado, é notável um número maior de mulheres em relação ao número de homens. A Taxa de natalidade é de nascidos vivos. Quanto ao produto interno bruto, a maior geração de renda está voltada para os serviços prestados, seguido da indústria, agropecuária e demais atividades que não estão representadas no gráfico a seguir.

12 PARA MULHERES- No quesito educação, o número de escolas de nível fundamental no município de Paço do Lumiar é muito positivo, são 68 (sessenta e oito) ao todo, seguido das pré-escolas que somam 51 (cinquenta e um) unidades e por fim, as escolas de nível médio que totalizam 5 (cinco). O número de docentes também é maior no nível fundamental, são 734 (setecentos e trinta e quatro) ao todo, seguidos pelo de nível médio, que apesar do menor número de unidades escolares é o que apresenta o maior número de docentes depois do nível fundamental, são 209 (duzentos e nove) seguidos dos docentes de nível fundamental, que são 171 (cento e setenta e um). Abaixo é possível observar esses números em porcentagem. O número de matrículas por série acompanha o índice de docentes dentro de cada nível. O maior de número de matriculados é no nível fundamental, são (dezesseis mil cento e trinta e quatro). No nível médio são (três mil setecentos e oitenta e três) matriculados, seguido do nível fundamental que são (três mil duzentos e onzes). No item saúde, o município apresenta quanto ao número de estabelecimentos que ofertam serviços de saúde, um número pequeno de estabelecimentos privados, são apenas dois. Já o município apesenta seis estabelecimentos.

13 PARA MULHERES- Na tabela abaixo é possível visualizar esses dados em porcentagem e fazer um comparativo a nível estadual e federal. Quanto à urbanização a taxa é de 75,08% em E, para finalizar, no tocante à questão da frota de veículos, destaca-se no quadro abaixo o grande número de automóveis. São quase 8 mil carros dentro do Município de Paço do Lumiar.

14 PARA MULHERES Diagnóstico Municipal relacionado às Mulheres Luminenses Segundo dados do portal ODM Acompanhamento Municipal dos objetivos de Desenvolvimento do Milênio foi possível observar que em Paço do Lumiar no que diz respeito ao percentual de rendimento escolar das mulheres em relação aos homens era de 111,1% em 2011, independentemente da escolaridade. Entre os de nível superior o percentual passa para 77,1%. E a participação da mulher no mercado de trabalho formal era de 36,4% em No tocante à participação da mulher nos espaços políticos, a proporção de mulheres eleitas para a Câmara de Vereadores no município foi de 20,0%. A participação feminina na política é muito restrita; nas eleições de 2012, apenas 18,5% de vereadoras foram eleitas no Estado. Quanto à taxa de mortalidade infantil de 1995 a 2010 de crianças com até 1 ano de idade foi de 321. A taxa de mortalidade de menores de um ano para o município, estimada a partir dos dados do Censo 2010, é de 11,1 a cada crianças menores de um ano. Das crianças de até 1 ano de idade, em 2010, 14,6% não tinham registro de nascimento em cartório. Este percentual cai para 9,9% entre as crianças até 10 anos. O número de óbitos de crianças de até um ano informados no Estado representa 61,6% dos casos estimados para o local no ano de 2008.Em 2012, 93,4% das crianças menores de 1 ano estavam com a carteira de vacinação em dia. A taxa de mortalidade materna máxima recomendada pela Organização Panamericana de Saúde - OPAS é de 20 casos a cada 100 mil nascidos vivos. O número de óbitos no município, de 1997 a 2010, foi 22.A proporção de gestantes sem acompanhamento pré-natal, em 2010 foi de 1,9%. As gestantes com 7ou mais consultas foram 34,6%. Em 2010, no Município, 99,3% dos nascidos vivos tiveram seus partos assistidos por profissionais qualificados de saúde. O percentual de mães com idades inferiores a 20 anos é preocupante. Na maioria dos casos, as meninas passam a enfrentar problemas e a assumir responsabilidades para as quais não estão preparadas, com graves consequências para elas mesmas e para a sociedade. O Município teve de 1992 a 2012, 178 casos de AIDS diagnosticados. (Dados consolidados até 30/06/2012). No Estado, a taxa de incidência em 2011 era de 17,1 de casos e a mortalidade em 2010, 4,4 a cada 100 mil habitantes. Em 2011, a proporção de mulheres infectadas foi de 40,2%, enquanto entre jovens de 15 a 24 anos foi de 11,2%.

15 PARA MULHERES- 5. OBJETIVOS DO PLANO Combater todas as formas de discriminação contra a Mulher; Promover políticas públicas direcionadas à garantia de direitos das mulheres; Propiciar meios de emancipação e autonomia econômica, política e financeira para as mulheres; Ampliar o exercício da cidadania das mulheres; Ampliar o acesso das mulheres à educação, esporte e mercado de trabalho; Promover a garantia de saúde das mulheres, promovendo direitos e Reduzir os índices de violência contra as mulheres 6. AÇÕES A SEREM DESENVOLVIDAS E METAS A ALCANÇAR 6.1. Igualdade no mundo do trabalho e autonomia econômica Ações Parceiros Metas - Ofertar cursos, seminários e palestras articulados com o aumento da escolaridade. -Incentivar a formação de cooperativas para produtoras rurais, agrícolas, marisqueiras e outras no mundo do trabalho. - Promoções de palestras motivacionais que contribuam para o melhor aproveitamento de tempo no cotidiano da mulher. - Promover cursos de capacitação profissional SEMU, SEMED, MP e Universidades. SEMU, Associações de marisqueiras, associações de produtores rurais/sec. de Agricultura SEMU, Universidades e empresas privadas/cras Universidade/ SEMDES/SEMU Até 2015 Contribuir 50% para a profissionaliza ção e inserção das mulheres no mercado de trabalho até 2015; Anualmente Anualmente Órgão Responsável e Secretaria de Educação.

16 PARA MULHERES- - Palestras jurídicas que tratam dos novos direitos das empregadas domésticas -Palestras especializadas sobre seguridade social - Estruturar o Conselho Municipal da Mulher de Paço do Lumiar com apoio e estrutura para funcionamento - órgão consultivo e fiscalizador da implementação das Políticas Publicas em Paço do Lumiar. - Proporcionar formas de geração de renda, aproveitamento e comercialização de produtos produzidos e beneficiados pelos produtores; - Discutir e fortalecer a atuação das mulheres no âmbito profissional em que estão inseridas. SEMU/MP/ Defensoria Pública 80% das trabalhadoras domésticas informadas sobre lei do âmbito do trabalho doméstico; SEMDES/SEMU/CRAS/INSS Anualmente SPM/SEMU/CEM Até 2015 SEMU/SPM/Secretaria de Agricultura Até 2015 SEMU/SETRES/ SEDES Anualmente - Priorizar a intermediação de mão-de-obra feminina nas ações do Sistema Nacional e Emprego SINE/ MA. Realizar ações de geração de emprego e renda garantindo o recorte de gênero em programas de Secretaria de Estado do Trabalho/Min. Trabalho/SEMDES Sec. da Mulher, Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres, Secretaria de Estado do Trabalho. Anualmente Até 2015

17 PARA MULHERES- emprego e trabalho; -Formalizar parcerias a fim de emitir documentos civil e jurídicos com gratuidade. Ministério Público/Defensoria Pública/Viva Cidadão Até Provocar e intervir em ações que visem o desenvolvimento sustentável, com base no corte de gênero e no conceito de justiça ambiental; SEMU/Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres e Secretaria de Agricultura Até Contribuir para o aumento da produção da mulher no âmbito profissional; - Promover o enfrentamento e combater as discriminações e os preconceitos contra as mulheres no mundo do trabalho através de Palestras educativas. - Criar cursos municipais para mulheres em situação de vulnerabilidade social, incluindo as com deficiências, como trabalhos manuais, artesanais, mecânicas, carpintarias, tecnologias da informação e comunicação com organização de pequenas empresas que absorvam essa mão de obra; Secretaria Estadual de Políticas para Mulheres/ Secretaria de Estado do Trabalho SEMU/ SPM/ Secretaria de Estado do Trabalho SEMU/ SPM/ Secretaria de Estado do Trabalho/SEMDES Até 2015 Até 2015 Até 2015 Palestras que tratam dos novos direitos das empregadas domésticas e seguridade social SEMU/INSS/DPE/MP Anualmente

18 PARA MULHERES- 6.2 Educação para igualdade e cidadania Ações Parceiros Metas Órgão Responsável Promover Palestras e oficinas com alunas para a abordagem dos devidos temas: enfrentamento de todas as formas de violência, discriminação e preconceito contra as mulheres, considerando as dimensões raciais, étnicas, de origem, de classe social, de idade, de orientação sexual, de identidade de gênero e as mulheres com deficiência. SEMU/ MPE/ DPE e Universidades. Promover o debate e 80% das escolas - Elaborar plano de formações inicial e continuada para capacitar os diretores escolares, coordenadores da SEMED, supervisores de escola e professores da rede municipal de ensino sobre temas voltados ao estudo e problematização da violência, descriminação e preconceito contra as mulheres, considerando as dimensões raciais, étnicas, de origem, de classe, geracional, de orientação sexual, de identidade de gênero e as mulheres com deficiência. SEMED/SEDUC Até % da rede escolar capacitada.

19 PARA MULHERES- Promover grupos de estudos de combate ao racismo, sexismo e a homofobia para professores e assessores da SEMED. SEMED/SEMU/ SEMDES Promover a valorização de 50% da cultura negra; combate a homofobia no ambiente educacional em todos os âmbitos da sociedade luminense Promoções de Educação Digital para mulheres, com introdução á informática, sistemas operacionais e pacote office. - Estimular o desenvolvimento de campanhas do enfrentamento da lesbofobia, do racismo e sexismo. SEMED/SEMU SEMED/SEMU Promover contato direto de 50% das mulheres de Paço do Lumiar com as principais ferramentas digitais; Campanha realizada até Fortalecimento da rede de educação para a ampliação da EJA. - Elaborar projetos, cursos de capacitação, para a educação de mulheres jovens e adultas, SEMED/SEMU Até 2015 SEMED/SEMU Até Promover e valorizar a participação das mulheres nos espaços públicos de poder, nas diversas instâncias legislativas e nos cargos executivos. SPM/SEMU Até % das Mulheres de Paço em espaços de Poder

20 PARA MULHERES Saúde Integral das Mulheres, direitos sexuais e direitos reprodutivos Ações Parceiros Metas - Pactuação entre os Municípios de Paço do Lumiar e São Luís para atendimento as gestantes de baixo e alto risco - Promover mecanismo de informar as mulheres lésbicas sobre a realização do preventivo do colo uterino. SEMUS/SES/ Ministério da Saúde SEMU/SPM/FORUM DE ONG LGBT DO MA/SES/Ministério da Saúde Até 2015 pactuação feita Anualmente - Promover palestras sobre o uso de álcool e outras drogas SES/SEMU/M. Saúde Anualmente Órgão Responsável /Prefei tura Municipal de Paço do Lumiar - Promover capacitações permanentes de educação em saúde das mulheres para profissionais de saúde - Realizar ações educativas focadas na prevenção da violência domestica e familiar contra as meninas/mulheres jovens e adultas junto as escolas e comunidade de Paço do Lumiar - Realizar campanhas com CRAS E CREAS de prevenção á violência domestica contra a mulher Secretaria da Mulher e Secretaria de Saúde SEMUS/CMDCA/DPE/ SEMED SEMDES/ MDS/SES Anualmente Anualmente Fortalecer a participação e a mobilização social de pelo menos 50% das mulheres, em defesa da Politica Nacional de Violência contra a

21 PARA MULHERES- - Promoção de ação e ampliação de acesso à informação sobre prevenção, tratamento e controle das doenças sexualmente transmissíveis, HIV/AIDS e hepatites virais SEMUS/FORUM DE ONG AIS DO MA Mulher Anualmente 6.4. Enfretamento de todas as formas de violência contra as Mulheres Ações Parceiros Metas - Realização de reunião mensal para conhecimento e intersetorialidade dos serviços em rede. - Realização de palestras seminários e fóruns para a divulgação da lei Maria da Penha - Promover a campanha 16 dias de ativismo pelo fim da violência domestica e familiar. - Realização de atividades para a mobilização da sociedade, no que se refere a exploração sexual e tráfico de mulheres (passeatas, panfletagens, campanhas nos meios de comunicação) - Promover a capacitação ao atendimento integral e humanizado a mulher em situação de vulnerabilidade. CRAS\CREAS\Casa do Trabalhador\ CMDCA\Conselho Tutelar\Conselho do Idoso\\SEMED \SEMUS/SEMDES CRAS\CREAS\Casa do Trabalhador\Promotori a\delegacia\cmdca\ Conselho Tutelar\ Conselho do Idoso/SEMU/ Anualmente Anualmente Órgão Responsável SEMU/SPM Anualmente CRAS\CREAS\CMDC A\Conselho do Idoso\Conselho Tutelar\Delegacia\Pro motoria\semede/sem U/SEDIHC SEMU/SPM/SEDIHC/ SEMDES Até atividades realizadas Até % da rede capacitada

22 PARA MULHERES- - Promover ações de prevenção a todas as formas de violência contra a mulher nos espaços públicos e privado CRAS\CREAS\ CMDCA\Conselho Tutelar\\ Delegacia\Promotoria\ SEMU/SPM/DPE Até Fortalecimento e participação das mulheres nos espaços de poder e decisão. Ações Parceiros Metas - Inserir na grade escolar de orientação, as questões SEMU, SEMED e políticas voltadas à Sociedade Civil. Até 2015 realidade das mulheres; Órgão Responsável - Estimular a ampliação da participação de mulheres em cargos de lideranças políticas e de decisão, no âmbito de representação dos movimentos sociais, Conselhos e onde estas SEMU, demais secretarias e Sociedade Civil/CEM Até % das mulheres estimuladas mudanças se façam necessárias (através de seminários) Desenvolvimento Sustentável com Igualdade econômica e social Ações Parceiros Metas - Proporcionar programas voltados para as marisqueiras, ampliando o sistema de multicultura. /SEDES/ SEMAPA Secretaria de Estado da Pesca/ UFMA/ UEMA/ IFMA Até % do programa implantado Órgão Responsável

23 PARA MULHERES- ATÉ 2015 Inclusão de mulheres no Programa Nacional de habitação Rural. /Associações AGERP/ Sindicato/ SEMAPA 75%das Mulheres incluídas Programa PAA/ PNAE SEMED/ SEC. de Agricultura Até 2015 Escoamento de 50% á mais da produção do município 6.7. Direito à Terra com igualdade para as mulheres do campo e da floresta Ações Parceiros Metas - Fortalecer o programa PRONAF Mulher Secretaria de Agricultura/ Sindicato das trabalhadoras rurais Aumento de escoamento da produção do município em até 30 %; Órgão Responsável - Feiras Livres PAA/ PNAE SEMED/ Secretaria de Agricultura Melhorar a vida das mulheres que tem atividades relacionadas coma ação em até 40%; Incentivar ações integradas entre governo Estadual e Municipal que promova o acesso das mulheres á infra estrutura bens e serviços públicos. SINFRA/ SEMU/SPM Até 2015 ações pactuadas

24 PARA MULHERES Cultura, esporte, comunicação e mídia Ações Parceiros Metas - Divulgar a lei Maria da Penha e outros temas relacionados a mulher na mídia local /Rádio comunitária/ Sociedade civil Anualmente Órgão Responsável - Realizar Campanhas de incentivo à prática esportiva pelas mulheres SEMU/ Secretaria de Cultura Esporte e Lazer Anualmente - Promover eventos de exposição e comercialização dos artesanatos das mulheres artesãs Secretaria de Cultura Esporte e Lazer Anualmente / Secretaria de Cultura Esporte e Lazer - Atuar junto aos grupos esportivos com palestras educativas divulgando a Lei Maria da Penha SEMU/MP/ e Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer Até % dos grupos atingidos 6.9. Enfrentamento ao racismo, sexismo e lesbofobia Ações Parceiros Metas - Promoção de palestras e seminários para ampliar o conhecimento sobre a dimensão ideológica do racismo,sexismo e lesbofobia - Fortalecer as políticas de enfrentamento da discriminação contra mulheres que são atingidas pelo, sexismo, racismo, SEMU, /SPM/DPE e Entidades Representativas (LGBT) SEMU, Rede de Religiões Afro e Saúde/ Empresas privadas e Secretaria de Cultura. Anualmente Até 2015 Órgão Responsável

25 PARA MULHERES- lesbofobia, deficiência, intolerância religiosa fatores geracionais e outras formas de discriminação. - Promoção de cursos de capacitação profissional para as mulheres negras, lésbicas, bissexuais e transexuais. / Empresas privadas e/secretaria de Cultura/MDS/SEMU Anualmente -Incentivar produções científicas nessa área relacionada a raça etnia, orientação sexual, identidade de gênero e geração. / UNIVERSIDADES Até % de produções cientificas neste tema em Paço do Lumiar Igualdade para mulheres jovens, idosas e mulheres com deficiência Ações Parceiros Metas Órgão responsável Palestras de esclarecimento e divulgação de direitos, deveres e suas respectivas legislações (ECA, Estatuto do Idoso e da Pessoa com Deficiência, etc.) e Coord. de Juventude Sec. Da Educação/ MP/Sec. De Orçamento e Gestão/ SEMUS/Conselhos de Direitos Anualmente / DPE Ampliação das mulheres jovens na educação formal, evitando a evasão escolar em especial para as negras lésbicas e deficientes. SEMED/ ATÉ 2015 Ação implementada / SEDUC Apoiar a implementação do estatuto do Idoso e da Criança e do Adolescente Através de palestras educativas. Conselho dos direitos da pessoa idosa/ CMDCA/ CRAS ATÉ 2015

26 PARA MULHERES- 7. AÇÕES DE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO O Monitoramento e a Avaliação será uma constante no processo, uma vez que bimestralmente todos os setores envolvidos no Plano Municipal de Políticas para as Mulheres garantirão a eficácia do mesmo e a credibilidade no que foi proposto, vislumbrando a permanência, a eficácia e a qualidade das atividades oferecidas, partindo dos seguintes critérios: a- Criação do grupo de monitoramento até 2014 b- Ações programadas e resultados obtidos; c-meta previstas e as alcançadas; d- Os recursos previstos, liberados e os aplicados; e- A relação entre as estruturas orçamentárias e programáticas; f- A demanda da Secretaria da Mulher

27 PARA MULHERES- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ÁVILA, L. (2002). Mulher e politica: o mito da igualdade n.2, ano 1, Social Democracia Brasileira, ano 2, n.2, mar BRASIL. Presidência da República. Política Nacional de Enfrentamento á Violência contra as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, Mimeografado BRASIL. Presidência da República. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2008 COLEÇÃO POLÍTICA NACIONAL DE ENFRENTAMENTO Á VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES. Secretaria de políticas para as Mulheres. Presidência da República. Governo Federal. Brasília: 2011 ENGELS,F. (1974). A origem da família, da propriedade privada e do Estado, Ed. Civilização Brasileira, RJ, FARAH, Martha. ( 2004), Gênero e Políticas Públicas. Revista Estudo Feminista, Florianópolis, 12 (1): 47-71, Janeiro-Abril/2004 SAFFIOTI, H. (1979). A mulher na sociedade de classes: mitos e realidade. Rio de Janeiro: rocco. SAFFIOTI, H. (2001). Contribuição feminista para o estudo da violência de gênero. Revista Cadernos Pagu, 16,

28 PARA MULHERES- ANEXOS

29 PARA MULHERES- ANEXO I A Prefeitura Municipal de Paço do Lumiar teve publicado no Diário Oficial (Ano XXXVII Nº 060 SÃO LUÍS, quarta-feira, 27 de Março de 2013) as Leis Nº 481 e 482, na qual a Lei de nª 481 em seu segundo capítulo que trata da Estrutura Administrativa do Município, no âmbito do Poder Executivo, na qual foi criada a Secretaria Municipal Extraordinária de Políticas para as Mulheres, fazendo parte dos Órgãos de Políticas de Inclusão do Município de Paço do Lumiar.

30 PARA MULHERES- ANEXO II

31 PARA MULHERES-

32 PARA MULHERES- ANEXO III

PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES

PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES PLANO MUNICPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES Rosário -2013/2015 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão

PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017. RuaDr. Paulo Ramos nº 78- Centro Presidente Dutra-Maranhão PLANO MUNICIPAL DE POLITICAS PARA AS MULHERES GESTÃO 2014/2017 Juran Carvalho de Sousa Prefeito Orlando Pinto Gomes Vice-Prefeito Maria de Fátima Sodré Carvalho Secretária Municipal da Mulher Assessoramento

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES ICATÚ 2013-2015 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 CONSIDERAÇÕES DA SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES SPM...5 1. PRINCÍPIOS DA POLÍTICA NACIONAL PARA AS

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as

projeto fortalecendo as políticas de gênero nos municípios maranhenses: estadualização do plano nacional de políticas para as PLANO MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES 2013-2015 1 A construção deste plano teve o assessoramento técnico realizado pela Secretaria de Estado da Mulher, através do projeto fortalecendo as políticas

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009

PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 COORDENADORIA DE PROMOÇÃO E PROTEÇÃO À SAÚDE - COPROM NÚCLEO DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS NUPREV PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTOÀ FEMINIZAÇÃO DA AIDS NO CEARÁ - 2009 Responsáveis pela elaboração:

Leia mais

Agendas Transversais

Agendas Transversais Reunião do Conselho Nacional de Direitos da Mulher - CNDM Agendas Transversais Maria do Rosário Cardoso Andrea Ricciardi 02/10/2013 Ministério do Planejamento 1 AGENDAS TRANSVERSAIS Igualdade Racial, Comunidades

Leia mais

Plano Porto Alegre das Mulheres

Plano Porto Alegre das Mulheres Gabinete da Primeira Dama Gabinete de Planejamento Estratégico Coordenação das Mulheres Plano Porto Alegre das Mulheres Mapa de Políticas por Diretriz 1 Novembro/2011 Plano Porto Alegre das Mulheres ROTEIRO

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos

Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos Elaboração de Projetos Sociais e Capitação de Recursos MARINA MONTEIRO DE QUEIROZ RAVAZZI Coordenadora de Políticas para as Mulheres de Marília/SP Elaboração de Projetos Sociais INSTITUIÇÃO PROPONENTE:

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1. Assegurar, em regime de colaboração, recursos necessários para a implementação de políticas de valorização

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1

EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS UNIÃO 1 EIXO II EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: JUSTIÇA SOCIAL, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS Tendo em vista a construção do PNE e do SNE como política de Estado, são apresentadas, a seguir, proposições e estratégias, indicando

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA

3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA 3801 - SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS E SEGURANÇA CIDADÃ - ADMINISTRAÇÃO DIRETA Legislação: Lei nº 17.108, de 27 de julho de 2005. DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE TRABALHO PROGRAMAS ESPECÍFICOS VOLTADOS PARA

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2016 - Política para as Mulheres: Promoção da Autonomia e Enfrentamento à Violência 20O0 - Políticas Culturais de Incentivo à Igualdade de Gênero Número de Ações 13 Esfera: 10 - Orçamento Fiscal

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

RELATÓRIO. Atividades Desenvolvidas pela Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres 2009

RELATÓRIO. Atividades Desenvolvidas pela Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres 2009 RELATÓRIO Atividades Desenvolvidas pela Coordenadoria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres 2009 1 Sumário 1 Identificação... 3 2 Apresentação... 4 3 Competências... 5 4 Objetivo... 7 5 Metas

Leia mais

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas

Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Eixos do Plano de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes do Município de Palmas Período de execução 2015/2019 EIXO PREVENÇÃO EIXO - PREVENÇÃO Objetivo: Assegurar ações preventivas

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE

ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2008 CAMPANHA * COMPROMISSO PELA CRIANÇA E PELO ADOLESCENTE Carta Aberta aos candidatos e candidatas às Prefeituras e Câmaras Municipais: Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos,

Leia mais

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015

Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o PPA 2012-2015 Bogotá, junho de 2013 Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes e o Plano Mais Brasil PPA 2012-2015 Dimensão Estratégica do Desenvolvimento

Leia mais

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal

II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal II Seminário Estadual de Educação em Direitos Humanos Construindo o Plano Estadual de Educação em Direitos Humanos - Eixo Educação Não-Formal Data: 10 e 11 de dezembro de 2010 Local: UFPR Praça Santos

Leia mais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais

PROGRAMA. Brasil, Gênero e Raça. Orientações Gerais PROGRAMA Brasil, Gênero e Raça Orientações Gerais Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Trabalho e Emprego Luiz Marinho Secretário-Executivo Marco Antonio de Oliveira Secretário

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum

Prefeitura Municipal de Nova Mutum LEI Nº 1.854, DE 20 DE ABRIL DE 2015. Dispõe sobre a Política Municipal dos Direito da Pessoa Idosa e cria o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa e dá outras providências. O Sr. Leandro Félix

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento

LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento PNE PME LEI Diretrizes Regime de colaboração articulação interfederativa Participação Fórum das Entidades Garantia do acesso Indicadores de acompanhamento locais e nacionais (prova Brasil e IDEB) 10% do

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL.

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. DOCUMENTO BASE: 1 - A comissão organizadora propõe aos delegados das pré conferências a aprovação das seguintes propostas de políticas e ações

Leia mais

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009

PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 PORTARIA Nº 1.944, DE 27 DE AGOSTO DE 2009 Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PARÁ Objetivo 1 - Garantir ações de enfrentamento do HIV/DST/aids para gays, outros HSH e travestis, do ponto

Leia mais

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM

APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM PROEX N º 05/2015/PROEX APOIO AO PROGRAMA MULHERES SIM EXECUÇÃO: 10 JULHO DE 2015 A 10 DE DEZEMBRO DE 2015. 1 PROEX Nº 05/2015 EDITAL PROGRAMA MULHERES SIM A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina,

Leia mais

Nossa Missão, Visão e Valores

Nossa Missão, Visão e Valores Nossa Missão, Visão e Valores Missão Acolher e mobilizar os imigrantes na luta por direitos, cidadania e empoderamento social e político; Combater o trabalho escravo, a xenofobia, o tráfico de pessoas

Leia mais

V Plenária Nacional de Economia Solidária

V Plenária Nacional de Economia Solidária V Plenária Nacional de Economia Solidária Relatório para Plenárias Locais e Estadual de Economia Solidária Escreva abaixo de cada tópico. Nome da Atividade V Plenária de Economia Solidária do Estado da

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza

FOME ZERO. O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza FOME ZERO O papel do Brasil na luta global contra a fome e a pobreza Seminário Internacional sobre Seguro de Emergência e Seguro Agrícola Porto Alegre, RS -- Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 Alguns

Leia mais

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo.

REGIÃO SUL. Grupo 1 EXPLORAÇÃO SEXUAL Políticas Envolvidas. Assistência Social. Saúde. Segurança pública. Sistema de justiça. Turismo. REGIÃO SUL Eixos de Atuação 1. Informação e Mobilização Planejamento das Ações Intersetoriais 1.1 Realizar campanhas articuladas entre as políticas para prevenção do turismo sexual (agentes de saúde, professores

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal.

e construção do conhecimento em educação popular e o processo de participação em ações coletivas, tendo a cidadania como objetivo principal. Educação Não-Formal Todos os cidadãos estão em permanente processo de reflexão e aprendizado. Este ocorre durante toda a vida, pois a aquisição de conhecimento não acontece somente nas escolas e universidades,

Leia mais

Cultura Oficina Litoral Sustentável

Cultura Oficina Litoral Sustentável Cultura Oficina Litoral Sustentável 1 ESTRUTURA DA AGENDA REGIONAL E MUNICIPAIS 1. Princípios 2. Eixos 3. Diretrizes 4. Ações 4.1 Natureza das ações (planos, projetos, avaliação) 4.2 Mapeamento de Atores

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo

Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA DEPARTAMENTO DE APOIO À GESTÃO PARTICPATIVA Política Nacional de Saúde Integral da População Negra Plano Operativo Brasília - DF Abril

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS

FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS FORMAÇÃO DA CIDADANIA OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a participação juvenil na elaboração e acompanhamento das políticas públicas na área de cidadania, em nível municipal, estadual e nacional, promovendo

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

Consulta Pública ESTRATÉGIAS

Consulta Pública ESTRATÉGIAS Plano Municipal de Educação PME Secretaria Municipal de Educação São Francisco do Sul Fórum Municipal de Educação Consulta Pública META 3: Universalizar, até 2016, o atendimento escolar para toda a população

Leia mais

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS

JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS JOVEM ÍNDIO E JOVEM AFRODESCENDENTE/JOVEM CIGANO E OUTRAS ETNIAS OBJETIVOS E METAS 1. Assegurar com políticas públicas e programas de financiamento o direito dos jovens índios, afrodescendentes, camponeses

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1

AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 AUDIÊNCIA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO jun/15 GRUPO I META 1 Universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de 4 (quatro) a 5 (cinco) anos de idade e ampliar a oferta

Leia mais

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA

SEDE NACIONAL DA CAMPANHA Campanha Ponto Final na Violência contra as Mulheres e Meninas SEDE NACIONAL DA CAMPANHA REDE NACIONAL FEMINSTA DE SAÚDE, DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS Avenida Salgado Filho, 28, cj 601. Porto

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 6. GERÊNCIA DE

Leia mais

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República

Participação Social como Método de Governo. Secretaria-Geral da Presidência da República Participação Social como Método de Governo Secretaria-Geral da Presidência da República ... é importante lembrar que o destino de um país não se resume à ação de seu governo. Ele é o resultado do trabalho

Leia mais

Projeto. Amigos da Rede

Projeto. Amigos da Rede PREFEITURA MUNICIPAL DE MAUÁ e Ribeirão Pires Projeto Amigos da Rede Mauá Dez/2009. 1. APRESENTAÇÃO O município de Mauá, que integra a Região metropolitana de São Paulo, realizou sua emancipação a partir

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE GOVERNO POR UM CEARÁ MELHOR PRA TODOS A COLIGAÇÃO POR UM CEARA MELHOR PRA TODOS, com o objetivo de atender à Legislação Eleitoral e de expressar os compromissos

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS

GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS GUIA PARA LEVANTAMENTO DE DADOS PELAS SEDUCS VISANDO A ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO EM E PARA OS DIREITOS HUMANOS I. PERFIL DO/A INTERLOCUTOR/A DESIGNADO PELA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO 1.Nome 2.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE COREMAS-PB GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE COREMAS-PB GABINETE DO PREFEITO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE COREMAS-PB GABINETE DO PREFEITO Lei complementar nº 109/2014 Coremas-PB, 10 de dezembro de 2014. Altera a Lei nº 74/2013, desmembrando a Secretaria de Juventude

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016

PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016 PROGRAMA DE GOVERNO DUQUE BACELAR 2013/2016 UM DUQUE PARA TODOS SAÚDE Proposta de ação: - Estabelecer parceria com as redes de hospitais do SUS, para melhor atendimento da população Bacelarense. - Ampliar

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis.

Objetivo 2 Ampliar e qualificar o acesso integral e universal à prevenção das DST/HIV/aids para Gays, outros HSH e Travestis. Histórico 1º semestre de 2008 Elaboração do Plano Nacional de Enfrentamento da Epidemia de Aids e das DST entre gays, hsh e travestis Agos/08 Oficina Macro Sudeste para apresentação do Plano Nacional Set/08

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010

PLANO ESTADUAL DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL E PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / 2010 PROTEÇÃO DO TRABALHADOR ADOLESCENTE NO CEARÁ - 2007 / Eixo Programático nº 01: INTEGRAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DOS DADOS Eixo Programático 01: Integração e Sistematização dos Dados Objetivo específico: Identificar

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social

Objetivos Consolidar uma política garantidora de direitos Reduzir ainda mais a desigualdade social AGENDA SOCIAL AGENDA SOCIAL Estamos lutando por um Brasil sem pobreza, sem privilégios, sem discriminações. Um país de oportunidades para todos. A melhor forma para um país crescer é fazer que cada vez

Leia mais

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor.

Incluir no pagamento por performance o preenchimento da variável raça/cor. PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO PRIMÁRIA E VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DE

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS)

PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) PROJETO DE LEI 01-00147/2013 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB) e Laércio Benko (PHS) Estabelece diretrizes para a Política Municipal de Promoção da Cidadania LGBT e Enfrentamento da Homofobia, e dá

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

1. Garantir a educação de qualidade

1. Garantir a educação de qualidade 1 Histórico O Pacto pela Juventude é uma proposição das organizações da sociedade civil, que compõem o Conselho Nacional de Juventude, para que os governos federal, estaduais e municipais se comprometam

Leia mais

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente

ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente ANEXO I CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA CAPACITAÇÃO I ÁREAS DE INTERESSE Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente a) Capacitação para implantação dos planos estaduais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Agenda de Compromissos Governo Federal e Municípios 1. Erradicar a extrema pobreza e a fome 2. Educação básica de qualidade para todos 3. Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Leia mais

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação

4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA. 4.1. Apresentação 4. CURSO DE EDUCAÇÃO NA DIVERSIDADE E CIDADANIA 4.1. Apresentação O Curso de Educação na Diversidade e Cidadania é um curso de formação continuada de professores de educação básica, com carga horária de

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS PERNAMBUCO OBJETIVO GERAL DO PLANO ESTADUAL Enfrentar a epidemia do HIV/aids e das DST entre gays, outros HSH

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais