UMA PERSPECTIVA SOCIOLINGUÍSTICA NO TRABALHO ESCOLAR COM A LÍNGUA MATERNA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UMA PERSPECTIVA SOCIOLINGUÍSTICA NO TRABALHO ESCOLAR COM A LÍNGUA MATERNA"

Transcrição

1 Capítulo publicado no livro MIRANDA Sonia Regina PACHECO, Luciana Marques. (org) Investigações: experiências de pesquisa em educação. Juiz de Fora: EDUFJF, p UMA PERSPECTIVA SOCIOLINGUÍSTICA NO TRABALHO ESCOLAR COM A LÍNGUA MATERNA Profª Drª Lucia F. Mendonça Cyranka UFJF/FAPEMIG 1 Introdução O título deste trabalho pode ser também A linguagem na escola: como transpor esse obstáculo? Isso não é uma provocação. Ao contrário, pretendemos, com ele, somar esforços aos muitos cientistas da linguagem, pesquisadores e educadores das últimas décadas, no sentido de desestabilizar perigosas e nocivas crenças construídas através da história do ensino escolar da disciplina Português, ou Língua Portuguesa no Brasil. De fato, desde que a Linguística se constituiu como ciência e a Sociolinguística, na década de 60, como desenvolvimento da investigação das relações entre língua e sociedade, um olhar sobre a escola como instituição formadora de cidadãos competentes no uso da língua pátria se tornou constante. Já Labov (1964/1974), investigando os estágios na aquisição do inglês standard, chama a atenção para o papel do professor e da escola nesse processo. No Brasil, essa discussão ganhou corpo a partir, principalmente, das reflexões de Soares (1986) sobre as causas do fracasso escolar ligadas ao desprestígio da variedade linguística dos alunos das escolas públicas brasileiras. Nas suas reflexões, ela retoma Bourdieu ( ) que, ao tratar a língua como um bem simbólico do capital cultural, assinala as sanções do mercado escolar que se exercem sobre os alunos, com todas as aparências de legitimidade, e suas consequências. Gnerre (1994, p. 25) entrevê aí uma questão ideológica, afirmando: A única brecha deixada aberta [pelos princípios democráticos] para a discriminação é aquela que se baseia nos critérios da linguagem e da educação. 1 Este artigo é fruto do Projeto de Pesquisa Os dialetos populares no trabalho escolar com a língua materna (modalidade UFJF/BIC/PROVOQUE/julho de 2008/agosto de 2009). Nela colaboraram, como voluntários, os seguintes alunos do Curso de Letras da UFJF: Moema Rosa Feital, Nathalia Félix de Oliveira, Rafael Costa Marques e Patrícia Rafaela Otoni. Em 2009, o trabalho se expandiu com o projeto Laboratório de Alfabetização: aprendizagem da leitura e da escrita na escola pública, financiado pela FAPEMIG, para o biênio 2009/2010, tendo como alunos bolsistas, do Curso de Letras da UFJF: Marcus Vitor Dias Leoni, Rafael Costa Marques e Simone Rodrigues Peron.

2 Muitos outros sociolinguistas ligados à educação vêm se empenhando no estudo das relações entre o trabalho escolar com a língua materna e o sucesso/insucesso dos alunos no desenvolvimento de competências na oralidade e na escrita. Para isso, têm-se voltado para as ações que acontecem dentro das salas de aula, procurando observar o que se passa nesse cenário, espaço de construção de crenças, muitas vezes extremamente equivocadas sobre o falar e o escrever certo/errado. Um bom exemplo foi a pesquisa-ação empreendida por Eglê Franchi (1984) em sua própria sala de aula, procurando caminhar na direção oposta da tradição, no tratamento das experiências linguísticas levadas para a escola por seus alunos. Obteve, como resultado, a autoconfiança adquirida por aqueles falantes de variedades linguísticas desprestigiadas, construindo abertura para a extensão de suas competências em direção às variedades prestigiadas em seu meio social. Também Mollica (2000, 2007) tem chamado a atenção dos professores para a necessidade de se trabalhar eficientemente a heterogeneidade da língua, desconstruindo preconceitos a partir do que ela denomina metodologia pedagógica para transformar em recursos didáticos itens em processo de variação e/ou mudança, já apontados por especialistas da área. É justamente no trabalho desses sociolinguistas que se tem buscado os fundamentos para a discussão sobre a incongruência entre o que se considera como fenômeno de linguagem, legitimado, portanto, por sua própria natureza, e a já tradicional imposição, pela escola, de apenas um modelo de língua a ser adotado, a língua padrão. Ela, sabe-se hoje, sequer coincide com o que se conhece como variedade culta, ou língua culta, esta sim, contemporânea, flexível, compreendendo diferentes lugares num contínuo de estilos monitorados. O projeto NURC (Norma Urbana Culta), pesquisando o moderno conceito de língua culta falada no Brasil, concluiu (PRETTI, 1997) que ele corresponde a um dialeto que é comum tanto ao chamado falante culto, quanto aos falantes que têm menor grau de escolaridade, um dialeto social dividido entre as influências de uma linguagem tensa, marcada pela preocupação com as regras de gramática tradicional, e uma linguagem popular, espontânea, distensa. Carece de base científica, portanto, a prática de desqualificação da linguagem dos alunos, a negação de sua fala espontânea como sendo correta. O critério de certo e errado em linguagem não é absoluto, e isso deve ser reconhecido e adotado pela escola, para evitar a rejeição, pelos alunos, justamente daquela variedade que ela pretende ensinar. Também Matos e Silva (2004) discute essa questão da adequação devida à escola e, principalmente, ao professor da disciplina Português, do que seja lícito ensinar, tendo em vista a variação da sintaxe, definindo o que seria uso linguístico socialmente aceitável.

3 Assim, [ela acrescenta] entre as variantes sintáticas em convívio nas falas brasileiras, o professor terá de distinguir, pelo menos, as estruturalmente mais salientes e socialmente mais estigmatizadas, para, sem desprestigiar as segundas, selecionar ambas, a fim de treinar o uso formal falado e os usos escritos de seus alunos. Aí está a grande contribuição que a sociolinguística sobre o português brasileiro poderá dar para uma efetiva virada no ensino da língua portuguesa no Brasil (p ). Nessa mesma direção, Bortoni-Ricardo (2004, 2005, 2008) tem realizado trabalho consistente de construção de saber crítico na formação inicial e continuada de professores de Português. Para ela, a formação do professor, em todos os níveis, não pode carecer de boa formação sociolinguística, de modo a se tornar sensível aos padrões culturais levados à escola pelos alunos de seus círculos familiares, nem sempre coincidentes com os da cultura escolar letrada, mas nem por isso menos valiosos. Há necessidade, portanto, ela conclui, de uma pedagogia culturalmente sensível, para que o trabalho de sala de aula, que implica numa interação assimétrica entre professor e alunos, seja realizado sem prejuízo de seus valores culturais. E explica (2005, p. 128): É objetivo da pedagogia culturalmente sensível criar em sala de aula ambientes de aprendizagem onde se desenvolvam padrões de participação social, modos de falar e rotinas comunicativas presentes na cultura dos alunos. Tal ajustamento nos processos interacionais é facilitador da transmissão de conhecimento, na medida em que se ativam nos educandos processos cognitivos associados aos processos sociais que lhes são familiares. Lembramos aqui o que afirmam Leite e Callou (2004, p. 16): Cumpriria a uma educação realmente democrática e igualitária reconhecer a diversidade e com ela trabalhar, no sentido de possibilitar a todos os usuários da língua o acesso às normas prestigiadas e às mesmas oportunidades. Enquanto a escola não reconhecer a legitimidade dos diferentes usos linguísticos, desde que adequados às situações de produção; enquanto não se eliminar o policiamento obsessivo em favor de uma variedade linguística que nem o próprio professor é capaz de sustentar em todos os momentos de sua aula; enquanto os princípios da Sociolinguística não se tornarem o fundamento de uma educação linguística na escola, o Brasil continuará, sem dúvida, amargando resultados tão ruins nas avaliações não apenas das próprias escolas, como também nas institucionais como SAEB, Prova Brasil, PISA, etc., no que diz respeito ao reconhecimento, por parte dos alunos, da variedade culta da língua portuguesa e à capacidade de utilizá-la para ler e escrever.

4 1. A SOCIOLINGUÍSTICA NA SALA DE AULA Os resultados acima referidos têm, obviamente, preocupado a todos os agentes da educação escolar, especialmente os diretamente responsáveis pelo trabalho com a nossa língua materna. Muitos são os fatores ligados ao fracasso dos alunos no desenvolvimento de suas competências de leitura e escrita. Dentre eles, destacamos a grave distorção, geralmente praticada nas escolas, relativamente à seleção dos aspectos do trabalho com a linguagem a serem enfocados. Sabe-se que a insistência na taxionomia, nas classificações, nas descrições teóricas e nos aspectos normativos da língua a partir de usos literários, desvinculados das práticas linguísticas contemporâneas são, sem dúvida, os mais importantes. Na base dessa seleção, no entanto, está a compreensão distorcida do que seja certo/errado em relação aos usos linguísticos. Na discussão que apresentamos no presente artigo, partimos dessa questão: a desvinculação da proposta escolar no trabalho com a linguagem relativamente às experiências linguísticas levadas pelos alunos como componentes de seu mundo cultural. Em pesquisa empreendida em quatro escolas públicas e uma particular do município de Juiz de Fora (MG), Cyranka (2007) investigou as atitudes linguísticas de alunos de nono ano do ensino fundamental em relação a três diferentes variedades utilizadas no português do Brasil, entre elas a culta. A metodologia utilizada foi quantitativa e qualitativa. A partir de ambas, constatou a identificação de todos os sujeitos do universo testado com uma variedade que faz parte de seu repertório linguístico utilizado nas suas relações pessoais, uma variedade marcada por episódios de desvio das regras de concordância, por exemplo, ao lado de construções em perfeito acordo com as regras de gramática. Em relação à variedade culta, no entanto, mostraram-se desinteressados, desanimados, descrentes de sua capacidade de dominar recursos para utilizá-la com eficiência. A pesquisa constatou também a presença do prestígio encoberto, noção proposta por Labov (1972) para explicar o desejo do falante de manter sua identidade no interior de seu grupo social. Nesse caso, os alunos rejeitam adotar a variedade proposta pela escola se, para isso, a condição for o abandono de seu vernáculo. Interessante constatar que esse fenômeno está presente tanto nos falantes da zona rural quanto nos da zona urbana, sejam eles provenientes de meios socioeconômicos mais abastados ou menos. Uma terceira constatação: há evidências da correlação entre as crenças dos professores sobre o que sejam língua, linguagem, variação e aprendizagem linguística e as crenças e atitudes dos alunos sobre sua própria variedade dialetal.

5 Tendo isso em vista, podemos concluir que é preciso construir caminhos para que uma educação linguística seja efetivada na escola de tal modo que propicie a todos os alunos o acesso à variedade culta da língua sem que isso implique na necessidade de abandonar sua variedade vernacular. A partir dessa constatação, desenvolvemos um projeto de pesquisa em salas de aula de uma escola pública do município de Juiz de Fora (MG), procurando investigar mais de perto essa problemática. 2.1 A pesquisa-ação Segundo orienta Bortoni-Ricardo (2008 p. 79), a vertente etnográfica de estudos sociolinguísticos educacionais propõe uma teoria da aprendizagem baseada na interação verbal em sala de aula. Na nossa investigação, propusemo-nos justamente um trabalho diretamente com os alunos, de tal modo que pudéssemos, ao mesmo tempo, observar e atuar no processo de ensino/aprendizagem da variedade culta língua, procurando verificar a possibilidade de promover mudanças nas suas atitudes e crenças em relação a ela. Propusemos, assim, uma pesquisa de base etnográfica, sociolinguisticamente orientada. Enquadrando-se no parâmetro da pesquisa qualitativa interpretativista, a pesquisa-ação, segundo propuseram Kemmis & Mc Taggart (1988), se identifica por três características: é desenvolvida pelos próprios participantes envolvidos no processo, não por pesquisadores externos a ele; é colaborativa; propõe mudanças. Para esses autores, o principal objetivo desse tipo de pesquisa é mudar o sistema. Por isso, uma pesquisa que tenha só o objetivo de descrever e compreender o fenômeno não é pesquisa-ação. Essa interpretação está de acordo com Bortoni-Ricardo, que explica (2008, p. 42): [...] é tarefa da pesquisa qualitativa de sala de aula construir e aperfeiçoar teorias sobre a organização social e cognitiva da vida em sala de aula, que é o contexto por excelência para a aprendizagem dos educandos Em nossa pesquisa-ação, perguntamos: Até que ponto o distanciamento entre a variedade linguística do aluno e a que a escola lhe apresenta como a única legítima e recomendável pode afetar suas crenças em relação a sua competência de aprendizagem dessa variedade que lhe é estranha?; Em que momento do processo de aprendizagem escolar o aluno toma consciência dessa diferença?;

6 Quais os primeiros sinais indicadores desse fenômeno? Propusemos desenvolver estratégias pedagógicas que levem os alunos ao desenvolvimento de competências de uso da língua materna, sem alterar suas atitudes e crenças sobre seu próprio vernáculo, isto é, torná-los bidialetais e, desse modo, observar se os resultados apontam para as respostas que procuramos. O projeto propôs, então, um estudo longitudinal a se realizar durante dois anos letivos, a partir de 2009, tendo sido aprovado pelo programa FAPEMIG em novembro de De início, realizamos um trabalho piloto, nos meses de outubro/novembro de 2008, ação que é tema do presente trabalho. Sendo um de nossos objetivos investigar em que momento do processo de aprendizagem escolar as atitudes e as crenças dos alunos em relação a seu vernáculo começam a ser afetadas negativamente, decidimos trabalhar com alunos de dois diferentes momentos do processo, mas contíguos: uma turma de 5º e outra de 6º ano 2. Para nos integrarmos na rotina de sala de aula, obtivemos, da direção da escola e das professoras regentes, um horário semanal pré-determinado (cinquenta minutos, às quartas-feiras), momentos nos quais assumíamos inteiramente a direção da sala de aula. Condição básica de nosso estudo foi desenvolver, em ambas as turmas, o mesmo plano de aula, de modo que pudéssemos observar as eventuais diferenças nas atitudes e nas crenças dos alunos em relação ao que proporíamos. O dia da semana era o mesmo e as aulas, subsequentes, de modo a garantir o ineditismo das ações em ambas as salas. É necessário acrescentar que essa ação se realizou com a participação de quatro estudantes do curso de Letras da UFJF. Todas as sessões contavam com a presença de, pelo menos, dois deles como observadores, fazendo anotações de campo, que eram, posteriormente, analisadas pela equipe. Houve momentos em que havia troca de posição, sendo algumas sessões desenvolvidas por um dos observadores, passando o pesquisador a observador. A posição de observadores, no entanto, não impedia que, em determinados momentos do desenvolvimento das ações, colaborassem na organização das atividades, o que propiciou a criação de vínculos afetivos que muito beneficiaram a 2 Utilizamos aqui a nomenclatura vigente, que considera o ensino fundamental de nove anos.

7 realização desta pesquisa, já que todos eles acabaram se integrando aos dois grupos de alunos e professores. 2.2 Ação e resultados Conforme anteriormente anunciado, nossa proposta de ação está centrada nos parâmetros da Sociolinguística Educacional. Segundo advoga ela, uma educação linguística bem orientada e sistemática é condição imprescindível na formação do aluno competente no uso das variedades prestigiadas de sua língua materna. Abaixo, selecionamos alguns itens e resultados da ação desenvolvida que nos possibilitaram algumas conclusões Sobre a consciência da legitimidade das variedades dialetais Nossa ação se iniciou, então, com uma entrevista semi-estruturada da qual participaram todos os alunos. O tema, a língua que falamos, permitiu-nos construir as seguintes categorias para análise: Categorias de análise Alunos do 5º ano Alunos do 6º ano Consciência do falante sobre a identidade de sua língua. Consciência da existência de outras línguas. Consciência sobre a existência de dialetos do português brasileiro e da presença de falantes de outras línguas no Brasil. Crenças positivas do falante em relação à sua própria competência de uso da língua. Utilidade da disciplina Português na escola. Existente na totalidade dos alunos. Existente na totalidade dos alunos. Desconhecimento da existência das línguas indígenas no Brasil. Existente na totalidade dos alunos. Para aprenderem o que é diferente e a escrever. Idem. Idem Idem Pouco existente. Consideram que não falam corretamente a língua portuguesa. Para aprenderem a falar e a escrever direito.

8 Quadro 1: Categorias de análise de crenças dos alunos de 5º e 6º anos sobre sua competência de falantes da língua materna. A análise do quadro acima nos leva a identificar, já no intervalo de um ano letivo que medeia a vida escolar dos alunos do 5º e do 6º anos, diferença alarmante no que diz respeito à construção de suas crenças sobre sua competência como falantes nativos da língua portuguesa. Enquanto os alunos do 5ª ano ainda se conservam autoconfiantes, competentes usuários de seu idioma pátrio, os do 6º já revelam abalado seu sistema de crenças positivas nesse sentido. Essa diferença se pôde perceber nitidamente nas notas de campo do pesquisador-aluno da Universidade, relativamente ao 5º ano: Conclusão: Parece que, no 5º ano, os alunos não se sentem tão pressionados e preconceituosos quanto ao uso de uma variante não culta. Muito significativos foram também os resultados dessa primeira ação que, como todas as outras, para se manter dentro dos parâmetros da pesquisa-ação, propôs promover mudanças. Sobre isso também se lê numa das notas de campo referindo-se à ação na sala do 5º ano: É importante mencionar que um dos alunos da turma, o Geraldo 3, utiliza a variante rural e alguns colegas mencionaram o jeito dele falar. No final da aula, ele falou para uma das colegas que esta pesquisadora falava carioca. A colega o corrigiu dizendo: - Ela fala português, mas o jeito dela falar é carioca. Ele respondeu que era isso que ele queria dizer. Essa pequena conversa deixa entrever um efeito positivo da interação acontecida naquela aula, tendo em vista a variedade rural utilizada pelo Geraldo. Percebe-se que uma orientação sociolinguística já começa a construir uma crença positiva em relação à diversidade dialetal, o que poderá, se sustentado por uma educação linguística consistente, por um lado, fortalecer esse pequeno falante contra as pressões do preconceito linguístico; por outro, quem sabe, contribuir para a desconstrução desse preconceito. 3 Os nomes utilizados aqui e nas citações subsequentes são fictícios.

9 2.2.2 Sobre o conhecimento/reconhecimento de variantes dialetais nas dimensões de sexo, idade e cortesia Para o trabalho com variantes dialetais nas dimensões de sexo, idade e cortesia, os alunos procuraram reconhecer a identidade dos falantes de diferentes enunciados, bem como identificar os modalizadores disponíveis no seu repertório linguístico e ampliá-los, tendo em vista o desenvolvimento de competências. O quadro abaixo ilustra esses resultados. Categorias de análise Alunos do 5º ano Alunos do 6º ano Presença de 88,8% 95,8% reconhecimento das variantes de sexo e idade. Ausência de 35% 33% recursos para variantes de polidez. Quadro 2 Categoria de análise para identificação do reconhecimento dos alunos de variantes de sexo, idade e polidez. Com relação às categorias acima descritas, verificou-se que, se por um lado, os alunos reconhecem muito bem variantes de sexo e idade, a ponto de identificarem o enunciador de pequenas falas, por outro, no que se refere à dimensão de polidez, dispõem de poucos recursos. Nenhum deles, por exemplo, está familiarizado com a expressão por obséquio, manifestando mesmo estranhamento em relação a ela. Curiosa foi a dificuldade de todos eles de transformarem em polida a expressão Desembucha logo! Muitos deles apenas acrescentaram, ao final do enunciado, a expressão por favor, do que resultou Desembucha logo, por favor. Na direção oposta, entretanto, quando solicitados a adequarem a fala polida de uma mulher que acabara de ser assaltada à situação de estresse e revolta em que se encontrava (Na frase-estímulo, ela dizia: Por favor, senhor ladrão, queira fazer o obséquio de devolver minha bolsa!) todos eles o fizeram muito bem. Pensamos que esse pode ser um indício interessante de diferenças culturais, já que, na sociedade de cultura escolar letrada, são mais comumente utilizados os recursos de salvar a face. Nas notas de campo, encontramos o seguinte comentário:

10 Em relação à questão três, podemos dizer que os alunos captaram a intenção do exercício e a situação colocada em questão. Assim sendo, adequaram a fala da mulher que pedia ajuda. Ressalto a facilidade dos alunos para tornarem a fala cordial em menos cordial, mas a dificuldade de realizar o contrário, principalmente por não terem tantos recursos. Visto por outro olhar, em outra nota de campo: Parece-nos que as crianças do sexto ano reconhecem a existência da variação linguística, e aqui foco na adequabilidade, na cortesia, mas não a usam em seu dia a dia. É como se os padrões fossem outros: o que eles usam como mais educado é diferente do que imaginamos. De qualquer modo, concluímos, relativamente a essa categoria, a necessidade de ampliar competências dos alunos em ambas as séries, principalmente no que se refere aos modalizadores de todos os tipos. Atividades nesse sentido foram oferecidas nas sessões subsequentes, sempre procurando preservar o reconhecimento da legitimidade dos diferentes padrões culturais e linguísticos, mas apontando para a vantagem da ampliação de competências. Antes de encerrar essa seção, transcrevemos dois trechos de nota de campo referentes ao 5º e ao 6º anos respectivamente, apontando, para o contraponto que já se havia percebido entre as duas salas pesquisadas: Em relação a essa turma [5º ano], podemos dizer que ainda não desmereceram, nem deixaram de acreditar no poder da adequação e apresentam muita vontade de aprender a se adequar. E mais à frente, nas notas do 6º ano: Percebemos que a turma em questão não acredita mais na força da educação, da polidez, dos recursos de adequação da fala do falante. Percebemos que, de tão marcados pela escola e pela vida, já não veem mais a adequação linguística como recurso relevante. 2. CONCLUSÕES A efetivação dessa parte da pesquisa que ora apresentamos permitiu-nos algumas conclusões parciais, apontando para a importância da continuação deste trabalho. a) Os alunos da sala de 5º ano em que se desenvolveram as sessões da pesquisa-ação mostraram-se seguros de sua competência linguística, mesmo havendo entre eles um falante da variedade rural; em contraposição, os alunos do 6º ano já declaram que

11 falam errado e que a disciplina Português na escola serve para ensiná-los a falar direito, sugerindo a presença da pressão escolar na construção do preconceito linguístico. b) É possível que esse momento em que se dá a passagem do segundo para o terceiro segmento do ensino fundamental no Brasil, com as alterações na rotina escolar seja, por razões que devem ainda ser investigadas, aquele em que se inicia, no aluno, o processo de construção de crenças negativas sobre sua variedade vernacular. c) Quanto aos primeiros sinais indicadores desse fenômeno, acreditamos tê-los entrevisto na expressão espontânea dos alunos sobre suas crenças em relação à sua representação como falantes competentes/incompetentes da língua portuguesa. d) As estratégias pedagógicas propostas aos alunos, segundo os princípios da Sociolinguística, de acordo com os quais a língua é heterogênea e, portanto, todas as variantes são legítimas, tiveram, ao que tudo indica, efeito positivo, tanto nos alunos do 5º ano quanto nos do 6º, sugerindo, que a vertente etnográfica dos estudos sociolinguísticos fornece parâmetros adequados para o trabalho escolar com a língua materna. A continuação da pesquisa, obviamente, fornecerá subsídios mais seguros para essa conclusão. e) Os dados da pesquisa sugerem também que é possível desenvolver, na escola, estratégias pedagógicas para a educação linguística dos alunos, familiarizando-os com a variedade culta da língua, sem que isso implique na desqualificação da cultura vivenciada em seu meio social, ainda que diferente da cultura escolar letrada. Desse modo, seria possível praticar na escola o bidialetalismo, segundo sugerem os especialistas da sociolinguística educacional (BORTONI-RICARDO, 1992). Essas conclusões levam-nos a ressaltar a importância de se praticar, na escola, uma pedagogia culturalmente sensível, que parta das experiências culturais e linguísticas dos alunos, preservandoas, ao mesmo tempo em que os capacita a monitorarem seu estilo, adequando-o às condições de produção. Acreditamos que, dessa forma, o contato dos alunos com o trabalho formal com sua língua materna, que acontece na escola, deixará de ser uma experiência dolorosa e desanimadora. Esta afirmação não se aplica apenas aos alunos das escolas públicas, provenientes, em geral, de comunidades de falantes de variedades linguísticas menos prestigiadas socialmente. Também os alunos que pertencem a grupos sociais usuários de dialetos que mais se aproximam da variedade

12 culta sofrem preconceito, quando são avaliados em sua fala espontânea, naturalmente caracterizada por um léxico particular e uma sintaxe não totalmente casada com as normas escolares tradicionais. Também nesse caso, há que se utilizar uma pedagogia culturalmente sensível que reconheça a legitimidade desse uso espontâneo da língua, tanto na modalidade oral quanto na escrita. Somente a partir daí fará sentido o processo de expansão de competência, levando o aluno a ser capaz de transitar pelo contínuo de variações, compreendendo a especificidade dos usos orais e escritos, dos estilos mais ou menos monitorados e das variedades rural/rurbana/urbana, segundo já ficou esclarecido nos estudos da Sociolinguística relativos ao português do Brasil (BORTONI- RICARDO, 2004, 2005). Consideramos que a educação bidialetal, garantindo a autonomia do sujeito como falante de sua língua materna, opera também o reconhecimento das diferentes culturas de letramento que enriquecem a comunidade escolar. É função da escola, como esclarece Rojo (2009, p. 52), [...] estabelecer a relação, a permeabilidade entre as culturas e letramentos locais/globais dos alunos e a cultura valorizada que nela circula ou pode vir a circular. Esse talvez seja, inclusive, um caminho para a superação do insucesso escolar e da exclusão social. Acreditamos ainda que preservar, na consciência do aluno, a legitimidade dos usos linguísticos de sua comunidade familiar, social, de grupo, lhe garante também a possibilidade de sua realização não como um ser isolado, mas como sujeito pleno, integrado em valores ideológicos que podem não ser os da escola, mas devem ser respeitados. Se a palavra, como diz Bakhtin (1979, p. 17), veicula, de maneira privilegiada, a ideologia, na qual se refletem as transformações sociais, ela serve como indicador das mudanças. A língua, expressando, portanto, as lutas sociais tem que ser tratada como expressão legítima dos sujeitos. Esse parece ser o sentido do que diz SILVA (2008, p. 63): A linguagem, na concepção bakhtiniana, é plural. Tal característica da linguagem ser plural descarta qualquer possibilidade de hegemonia de uma linguagem única, poderosa, dona da verdade, em detrimento de outras variedades. Ela rejeita o engessamento do pensamento e, consequentemente, da linguagem e da língua cujo centro de gravidade não reside na conformidade de uma norma ou subjetividade. Ao iniciarmos este artigo, indicamos outro título possível para ele: A linguagem na escola: como vencer esse obstáculo? Acreditamos que a perspectiva sociolinguística no tratamento escolar da língua materna possa contribuir para que o trabalho com a linguagem deixe de ser uma

13 obrigação dolorosa e pouco rentável, transformando-se numa aventura desafiadora e extremamente produtiva. REFERÊNCIAS BAGNO, Marcos. Português ou brasileiro? : um convite à pesquisa São Paulo : Parábola, Preconceito linguístico. São Paulo : Loyola, BAKHTIN, Mikhail (VOLOCHINOV, V. N.). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação bidialetal: O que é? É possível? Revista Internacional de Língua Portuguesa, n.7, p , jul Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula. São Paulo: Parábola, Nós cheguemu na escola, e agora? São Paulo: Parábola, O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola, BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. 6 ed. São Paulo: Perspectiva, (A primeira edição é de 1930). CYRANKA, Lúcia Furtado de Mendonça. Atitudes linguísticas de alunos de escolas públicas de Juiz de Fora-MG Tese (Doutorado em Linguística)_Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, Niterói, Orientadora: Cláudia Roncarati. FRANCHI, Eglê. Redação na escola: E as crianças eram difíceis. São Paulo: Martins Fontes, GNERRE, Maurizio. Linguagem, escrita e poder. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, KEMMIS, S.; MC TAGGART, R. (Eds.). The Action Research Planner. Melbourne: Deakin University, LABOV, William. Language in the inner city. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, Estágios na aquisição do inglês standard. Trad. Luiza Leite Bruno Lobo. In: FONSECA, Maria STELLA. V.; NEVES, Moema F. (Org.). Sociolinguística. Rio de Janeiro, Eldorado, p LEITE, Yonne; CALLOU, Dinah. Como falam os brasileiros. Rio de Janeiro: Zahar, MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola, MOLLICA, Maria Cecília. Influência da fala na alfabetização. 2. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.

14 . Fala, letramento e inclusão social. São Paulo: Contexto, PRETI, Dino. A propósito do conceito de discurso urbano oral culto: a língua e as transformações sociais. In:. (Org.). O discurso oral culto. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, p ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, SILVA, Vanessa Souza da. A proposta curricular para o ensino de língua portuguesa no Estado do Rio de Janeiro do início do século XXI: uma orquestra de vozes. Dissertação (Mestrado em Educação)_ Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, Niterói, Orientadora: Maria Cecília Goulart. SOARES, Magda Becker. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 7. ed. São Paulo: Ática, STUBBS, Michael. A língua na educação. In: BAGNO, Marcos; STUBBS, Michael; GAGNÉ, Gilles. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

ANAIS DO XV CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A SOCIOLINGUÍSTICA COMO ATIVIDADE NO CURRICULO ESCOLAR DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia Furtado de Mendonça Cyranka (UFJF) lucia.cyranka@uol.com.br Lívia Nascimento Arcanjo (UFJF) Simone Rodrigues Peron (UFJF)

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco

Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) II Bloco Curso: Letras Português ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Filosofia da Educação 60 horas Metodologia Científica 60 horas Iniciação à Leitura e Produção de Textos Acadêmicos 60 horas Introdução à filosofia e

Leia mais

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução

Palavras-chave: Leitura. Oralidade. (Re)escrita. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA OS TEXTOS

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA.

VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. VARIAÇÃO LINGÜÍSTICA, ORALIDADE E LETRAMENTO EM UMA TURMA DE PRÉ-ESCOLAR (CRECHE), EM TERESINA. Maria de Fátima Silva Araújo (bolsista do PIBIC/ UFPI), Catarina de Sena Sirqueira Mendes da Costa (Orientadora,

Leia mais

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO

PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO PIBID: UMA PONTE INTERDISCIPLINAR ENTRE O ENSINO SUPERIOR E O ENSINO MÉDIO Extensão, docência e investigação. Danielle Gomes Mendes Theciana Silva Silveira Orientadora: Prof.ª Dr.ª Marize Barros Rocha

Leia mais

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS

LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS LINGUAGEM: O COMPLEXO JOGO DAS MUDANÇAS SOCIAIS Aline Almeida de Araújo 1 RESUMO A sociolinguística estuda as variações do meio social, procura entender e explicar as várias maneiras de expressão dos falantes.

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207

RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1201 RESUMOS DE PROJETOS... 1202 RELATOS DE EXPERIÊNCIA... 1205 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 1207 1202 RESUMOS DE PROJETOS ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM LETRAS: IDENTIDADES E CRENÇAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA COM ÊNFASE EM MULTILETRAMENTOS O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA E OS GÊNEROS TEXTUAIS Monissa Mattos - 2 Ten CMPA LETRAMENTO letrar é mais do que alfabetizar,

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS

EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS EMENTÁRIO LETRAS EaD INGLÊS 1ª FASE LLE 931 Introdução aos Estudos da Linguagem Total h/a Introdução aos conceitos de língua e língua(gem); características da língua(gem) humana; a complexidade da língua(gem)

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA

APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA APRENDER A LER PROBLEMAS EM MATEMÁTICA Maria Ignez de Souza Vieira Diniz ignez@mathema.com.br Cristiane Akemi Ishihara crisakemi@mathema.com.br Cristiane Henriques Rodrigues Chica crischica@mathema.com.br

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA

COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA COMO ABORDAR O TEMA ACESSIBILIDADE EM SALA DE AULA Fabiane Caron Novaes 1 Roberta Aparecida Diadio 2 Resumo: Considerando as recomendações contidas no referencial teórico dos Parâmetros Curriculares Nacionais

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Março 2015 REFLEXÕES ACERCA DO ENSINO DE LÍNGUA

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012

SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. 2º Semestre de 2012 SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 2º Semestre de 2012 COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenadoria Geral de Estágios Prof. Ricardo Constante Martins Coordenador

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

A Prática Educativa na EAD

A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD A Prática Educativa na EAD Experiências na tutoria em EAD Disciplina de Informática Educativa do curso de Pedagogia da Ufal nos pólos de Xingó, Viçosa e São José da Laje (2002-2004).

Leia mais

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES

AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES AS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: (AINDA) ALGUMAS REFLEXÕES RESUMO Cleuma Regina Ribeiro da Rocha Lins (UEPB) cleumaribeiro@yahoo.com.br Orientador: Prof. Dr. Juarez Nogueira

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOCUMENTOS OFICIAIS DO GOVERNO - SUBSÍDIOS PARA A PRÁTICA DOCENTE DO PROFESSOR DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Alciene Ribeiro Feitoza da SILVA 1 Módulo Centro Universitário Ao atuar na formação de professores de

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA

PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA 500 PRÁTICAS DE PRODUÇÃO ESCRITA EM ESPANHOL NO CURSO DE LETRAS PARA A PROGRESSÃO DE NÍVEIS DE REFERÊNCIA Renata Aparecida de Freitas 1 FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Lorena - SP Este trabalho

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio.

Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Os gêneros presentes nas propostas de produção escrita de livros didáticos do Ensino Médio. Dalva Aparecida do Carmo Constantino, UFMT, Faculdades Integradas de Rondonópolis (FAIR/UNIR). Este trabalho

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: ALUNOS DE MEDICINA CAPACITAM AGENTES COMUNITÁRIOS NO OBAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE CIDADE DE SÃO PAULO AUTOR(ES): THAIS

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia

Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia PAOLA GENTILE Ensinar a ler em História, Ciências, Matemática, Geografia A forma como se lê um texto varia mais de acordo com o objetivo proposto do que com o gênero, mas você pode ajudar o aluno a entender

Leia mais

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos

A realidade dos alunos trazida para a sala de aula. Ao ser perguntado Que possibilidade(s) de escrita(s) os seus alunos INTERAÇÕES EM SALA DE AULA Autor: CARDON, Felipe Raskin Felipe Raskin Cardon 1 Resumo: Neste Estudo Piloto, relacionar-se-ão algumas citações do artigo A construção social da linguagem escrita na criança,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental

O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental O letramento a partir da oralidade e do uso de gêneros textuais no Ensino Fundamental Rosangela Balmant; Universidade do Sagrado Coração de Jesus- Bauru-SP. rosangelabalmant@hotmail.com Gislaine Rossler

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM

AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM AS NOVAS DIRETRIZES PARA O ENSINO MÉDIO E SUA RELAÇÃO COM O CURRÍCULO E COM O ENEM MARÇO/ABRIL/2012 Considerações sobre as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio Resolução CNE/CEB

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico

PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico PROJETO TREZE HORAS: Uma Proposta Para o Ensino Médio Integrado ao Ensino Técnico Vanessa Lopes da Silva 1 Leandro Marcon Frigo 2 Resumo A partir do problema dicotômico vivenciado pelo Ensino Técnico Integrado,

Leia mais

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás

Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás Critérios de seleção e utilização do livro didático de inglês na rede estadual de ensino de Goiás COSTA, Bianca Ribeiro Morais OLIVEIRA, Eliane Carolina de Universidade Federal de Goiás- UFG Programa de

Leia mais

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2

Formação e Gestão em Processos Educativos. Josiane da Silveira dos Santos 1 Ricardo Luiz de Bittencourt 2 1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE PEDAGOGIA NA MODALIDADE EAD E A FORMAÇÃO COMPLEMENTAR NO CURSO DE MAGISTÉRIO PRESENCIAL: AS PERCEPÇÕES DOS ESTUDANTES Formação e Gestão em Processos Educativos Josiane

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais EDUCAÇÃO INCLUSIVA: Atendimento e o Currículo para o Trabalho com Pessoas com Necessidades Educativas Especiais Edilson José de Carvalho¹ Jarbas de Holanda Beltrão² 1 Pedagogo e Especialista em Educação

Leia mais

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 DISCURSOS SOBRE ALFABETIZAÇÃO DENTRO DO CONTEXTO DO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA Lilian Simone Leal Machado URZEDO 1, Rosely Ribeiro LIMA 2 (UFG/CAJ) lilianmachadoinove@hotmail.com

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online

Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Revisitando os Desafios da Web: Como Avaliar Alunos Online Neide Santos neide@ime.uerj.br 2º Seminário de Pesquisa em EAD Experiências e reflexões sobre as relações entre o ensino presencial e a distância

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM SAÚDE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL Diretor Geral Prof. Adalberto Miranda Distassi Coordenador Geral de Estágio: Prof. Ricardo Constante Martins

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais

Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais "LETRAR É MAIS QUE ALFABETIZAR" Entrevista com Magda Becker Soares Prof. Universidade Federal de Minas Gerais Nos dias de hoje, em que as sociedades do mundo inteiro estão cada vez mais centradas na escrita,

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA 1 VARIAÇÃO LINGUÍSTICA E ENSINO: CONTRIBUIÇÕES DA SOCIOLINGUÍSTICA PARA A SALA DE AULA INTRODUÇÃO Ariosvaldo Leal de Jesus (FSLF) 1 Considerando que não é mais possível pensar o ensino de uma língua, hoje,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA

O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA 03070 O TRABALHO COM TEXTOS MULTIMODAIS COMO MOTIVAÇÃO PARA APRENDER LE: UM ESTUDO DE CASO NA REDE ESTADUAL PAULISTA Resumo Autor: Marcelo Ganzela Martins de Castro Instituições: UNINOVE/Instituto Singularidades/E.

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015

AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015 AVALIAÇÃO ECONÔMICA DO PROGRAMA ESCOLAS EM TEMPO INTEGRAL RIO DE JANEIRO Junho de 2015 Ampliação da carga horária diária para 7 horas Três eixos de organização: excelência acadêmica, autonomia e educação

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007)

LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) LETRAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA Angela Kleiman (2007) Disciplina: Seminário de Leituras Orientadas em Linguística Aplicada Professoras: Graciela Hendges e Désirée Motta-Roth

Leia mais