A INSERÇÃO DAS TICS NA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOÇAMBIQUE 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INSERÇÃO DAS TICS NA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE MOÇAMBIQUE 1"

Transcrição

1 A INSERÇÃO DAS TICS NA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE 1 Resumo Trata se de um estudo realizado a partir do Programa de Pró Mobilidade Internacional, da CAPES AULP entre Brasil Moçambique. Enfatiza se o diagnóstico institucional realizado sobre a utilização das mídias digitais na Faculdade de Educação da Universidade Eduardo Mondlane (FACED/UEM) em Maputo, Moçambique. Objetiva se, apresentar alguns relatos sobre a inserção das Tecnologias de Informação e Comunicação em situações de ensino e aprendizagem na UEM. Como procedimentos metodológicos utilizamos entrevistas semi estruturadas com professores da UEM e representantes do Ministério da Ciência e Tecnologia de Moçambique. As análises indicam desconhecimento sobre as potencialidades das TIC em situações de ensino e de aprendizagem por parte dos docentes da UEM; implicando na pouca utilização destes recursos. Este trabalho subdivide se em quatro partes: Contextualizando Moçambique e a relação com a Tecnologia de Informação, TIC na Educação Superior: FACED UEM em Maputo, Considerações finais. Katia Denise Costa Berni Programa de Pós Graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Pelotas Rosária Ilgenfritz Sperotto Universidade Federal de Pelotas Palavras chave: Pró mobilidade; Moçambique; Tecnologia de Informação e Comunicação, Aprendizagem, Educação. 1 Agência Financiadora: CAPES X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 CONTEXTUALIZANDO E A RELAÇÃO COM A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O uso de TIC tem sido objeto de estudos entre professores e pesquisadores e instituições educacionais em nível nacional e internacional, visando aproximar as linguagens e potencialidades educativas provenientes das TIC, familiares aos alunos ditos nativos digitais 2 Prensky (2001). Este artigo intenciona mapear alguns aspectos da cultura moçambicana entreameada pelas TIC 3, em relação as suas aplicações no ensino superior, bem como sinalizar alguns aspectos de sua articulação no contexto de Moçambique direcionando o foco para a Universidade Eduardo Mondlane (UEM), situada em Maputo. A investigação decorre de alguns resultados parciais do Programa de Prómobilidade Internacional, CAPES/AULP, em apoio aos países de língua portuguesa no continente Africano e Asiático. Desta forma, A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e a Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP) aprovou um Programa de Pró mobilidade Internacional entre a Universidade Federal de Pelotas (FaE/UFPel) e a Universidade Eduardo Mondlane (FACED/UEM), tendo como prioridade estabelecer ações que direcionem a otimização da inserção das Tecnologias Educacionais Digitais (TED) como dispositivos que integrem a formação de professores e suas práticas nos cursos de Licenciatura da FACED/UEM. Frente à demanda supracitada iniciou se o primeiro ano da missão de estudos e de pesquisas através de mobilidade estudantil sanduíche em nível de graduação e doutorado e estágio de docente sanduíche na FACED/UEM. O grupo composto por uma professora orientadora da FaE/UFPel, uma aluna do Programa de Pós Graduação em Educação (PPGE) FaE/UFPel, doutorado e três alunas da Faculdade de Jornalismo da UFPel. Organizado desta forma o grupo partiu para o continente Africano permanecendo em 2 O conceito de nativos digitais, não segue a lógica das gerações e Prensky (2001) não se preocupa em definir idade e sim o perfil de crianças e jovens. São alunos que nasceram após utilizam regularmente o SRS, usam equipamentos tecnológicos e a maioria conecta se a internet por Notebook, mas a tendência à utilização dos dispositivos móveis. 3 Sempre que aparecer no texto Tecnologias de Informação e Comunicação, será indicada pela sigla TIC. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 missão de estudos e de pesquisa por um período de três meses. Problematiza se o uso da tecnologia na educação em específico na FACED/UEM. Para a coleta de dados, deste trabalho, realizou se entrevistas semiestruturadas com professores da UEM e com representantes do Ministério das Ciências Tecnologia de Moçambique, o material foi coletado por entrevista semi estruturadas áudio gravado e transcritos com depoimentos dos professores da UEM e dos representantes do Ministério da Ciência e Tecnologia. A ênfase das entrevistas sobre os processos vividos, seus entendimentos e motivações se solidificou em um excelente material de análise. O grupo de estudantes após instalar se em Maputo, conhecer a UEM e planificar ações junto aos professores coordenadores do projeto Brasil Moçambique, passaram a frequentar aulas e a realizar o estudo que visou à obtenção dos diagnósticos sobre o currículo, estruturas, instalações e formação docente da FACED/UEM. Desta forma realiza se entrevistas com os chefes de departamento desta unidade de ensino. Porém com o desenvolvimento do trabalho, percebeu se a necessidade de entrevistar o professor responsável pelo Centro de Informática da Universidade Eduardo Mondlane (CIUEM) e o professor que ministra aulas sobre o uso de tecnologias aplicadas a educação. Após estas entrevistas o grupo foi indicado a entrevistar dois representantes do governo de Moçambique. Por questões éticas os entrevistados serão assim identificados professores P1 e P2, os representantes do governo como G1 e G2. As entrevistas foram gravadas e transcritas pela pesquisadora. Observou se que os habitantes desta cidade apresentam se de forma analógica/digital. Utiliza se este conceito como referência a um povo que cultiva suas raízes, que a globalização invadiu o país, mas não atingiu a todos. Nas palavras de Couto 4 (2001) um olhar sobre a exclusão digital do povo. Não é verdade que nos tenhamos tornando numa aldeia global. O facto de alguns aborígenes da Austrália possuírem telemóvel não os integra no espaço onde se troca a modernidade. Eles apenas se converteram em consumidores de tecnologia. São números de um universo chamado mercado. Em tudo o resto, eles vivem fora da aldeia global pessoal. Não é preciso eleger um caso tão 4 Mia Couto escritor moçambicano nasceu na Beira no ano de 1955, e em 2000 foi eleito membro correspondente da Academia Brasileira de Letras. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 extremo como o do australiano originário. Todos nós, os das periferias, vivemos essa mesma condição de exclusão. Quando muito, somos mercado. COUTO (2001) O exemplo que o autor utiliza, em especifico no caso de Maputo, pois convivem lado a lado aqueles que têm acesso à tecnologia (consumidores digitais), os que dominam os dispositivos e os que desconhecem completamente seu funcionamento, Afirmações embasadas no Moçambique (2010). O país de Moçambique está localizado no continente africano, que conforme dados do III Recenseamento Moçambique (2010), possuía habitantes, e ocupa uma extensão territorial de Km². Sendo considerada a mais populosa colônia portuguesa da África. A agricultura é à base da economia. Mais de 70% da população vive em áreas rurais, dedicando se principalmente à agricultura, silvicultura e pesca, Brito (2010). Conforme Moçambique (2010) pode se considerar que é um país jovem, pois mais que 50% da população na faixa etária de 6 24 anos. As estatísticas da educação revelam que a população na sua maioria é do sexo feminino, porém, é a maioria masculina que conclui o ensino superior, chegando a 0,14% de sua totalidade, enquanto que 0,04% são femininas, Moçambique (2010 p.43). As estatísticas indicam que alunos do sexo masculino ocupam 3,5 vezes mais matrículas no ensino superior. Porém para entender um pouco do sistema educacional moçambicano, embora que em uma análise superficial, pois não é o foco deste estudo, mas apontar alguns elementos que se atribui serem importantes e observados, para a compreensão dos índices educacionais. A língua oficial é o português, mas o censo realizado em 2007 e publicado em 2010, lista mais seis línguas maternas que são eles: emakhuwa, xichangana, elomwe, cisena, echuwabo e entre outras línguas moçambicanas, nas mais diversas províncias. Em Maputo fala se portugês e o dialeto mais popular é o xichangana. Para Couto (2012) o qual diz Neste momento deve ter entre 40% da população fala português na capital, quando o país se emancipou 90% da população era analfabeta. Em Moçambique tem mais de 25 dialetos, é um país de oralidade, a separação da colônia de Portugal ocorreu no ano de 1975, a recente emancipação, o número de dialetos entre outros problemas são X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 fatores que ajudam a esclarecer o porquê dos habitantes somente (25%) frequentam ou frequentaram a instituição escolar. Com estes índices na educação básica justificam os 0,18% que concluem o ensino superior. Ao buscar indicadores para compreensão do uso da Tecnologia da Informação (TI) 5, alguns identificadores mostram que ocorreu um acréscimo no consumo. Porém mesmo em crescimento muitos alunos não tem acesso aos dispositivos tecnológicos, na educação básica e no ensino secundário. No ensino superior já existem algumas políticas que beneficiam os alunos e aproximam das TIC. Outros índices sobre a TI, 1,29% declaram ter computador em casa, e 0,72% assumem ter acesso à internet, Moçambique (2010 p.119). Porém dados mais atuais conforme o Mozambique Profile Latest data available (2013) revelam que a quantidade do uso de computadores em sete anos passou de 1,29% para 5,9%, representando um aumento de mais que 400%. Estatística sobre o uso de computadores e internet Indicativos Percentual (%) As famílias com um computador 5,9 Domicílios com acesso à Internet em casa 4,6 Os indivíduos que usam a Internet 4,8 Fonte: Internacional Telecommunication Union (2013) Estatística de como acesso à internet Disposição de internet por 100 habitantes Telefonia fixa 0,3 Móveis celulares 50,3 Telefone Fixo (com fio) em banda larga 0,1 Banda larga móvel por 100 habitantes 1,8 Fonte: Internacional Telecommunication Union (2013) A tabela demonstra que o acesso para mais da metade dos usuários é realizado pelo celular, caracterizando se como cultura mobile segundo Castro (2014) refere se às sociabilidades presentes entre os usuários de dispositivos móveis. 5 Tecnologia da informação (TI) é uma área que utiliza a computação como um meio para produzir, transmitir, armazenar, aceder e usar diversas informações. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR FACED UEM EM MAPUTO Dentre as atividades e estudos realizados em Maputo 6, uma estava relacionada ao frequentar a disciplina de TIC na educação na FACED/UEM, neste espaço a pesquisadora conviveu com alunos do mestrado, o qual alguns são professores na educação básica, e a cada aula suas exposições sobre a realidade e as inúmeras dificuldades referentes ao uso de TIC encantava e aproximavam a estudante da realidade. Cidade de Maputo/ Moçambique acesso em 31 de março de A referida disciplina abordou temas que envolveram educação e as TIC, cujo objetivo era problematizar os dispositivos tecnológicos aplicados à educação, demostrando aos alunos possibilidades de uso no processo de ensino e aprendizagem nas escolas desde a educação básica até o ensino superior. A escola, de certa forma é afetada pelas mídias digitais, que mudaram a comunicação, as relações, encurtou o tempo e o espaço. Cada vez mais rápidas, acessíveis e com potencial para transferir, armazenar e ou compartilhar quantidades de informações, Agamben (2009). Com o avanço das TIC, as instituições de ensino tendem a deixaram de ser apenas físicas e passaram também a ser virtuais de acordo com Sibilia (2012). E os serviços são 6 Maputo é a capital e a maior cidade de Moçambique. É também o principal centro financeiro, corporativo e mercantil do país. Localiza se na margem ocidental da Baía de Maputo, no extremo sul do país, perto da fronteira com a África do Sul e, da fronteira com a Suazilândia e, por conseguinte, da tripla fronteira dos três países. Até 13 de março de 1976 a cidade era denominada "Lourenço Marques". X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

7 disponibilizados por acessos através de computadores e/ou dispositivos móveis (tablets e smartphones). Nos países desenvolvidos, a TI está cada vez mais imersa na educação. Este avanço tecnológico atual influi diretamente nas relações que se estabelecem na sociedade. Para Agambem (2009) o homem contemporâneo, é aquele que vive a frente do seu tempo, que tem uma aproximidade e um distânciamento dos acontecimentos atuais, é um homem que não se contenta com as situações é uma mente inquieta. Conforme citação abaixo: A contemporaneidade, portanto, é uma singular relação com o próprio tempo que adere a este e ao tempo dele toma distância, mais precisamente, essa é a relação com o tempo que a este adere através de uma dissociação e um anacronismo. (AGAMBEN, 2009) Para homens contemporâneos, criadores das ferramentas que impulsionam o mundo, é possível afirmar que muitas sociedades evoluíram em decorrência destas, adaptando se e utilizando as como instrumento facilitador das tarefas cotidianas. Pode ser que em Moçambique o desenvolvimento econômico não tenha uma velocidade constante e crescente, possui uma história de independência recente década de 70, e a população sofre com conflitos internos de disputa de poder entre os partidos políticos. Em Maputo, percebe um tempo diferente, embora uma cidade com quase habitantes de acordo com Moçambique (2010), na percepção desta autora, a vida não apresenta a velocidade de uma cidade grande, desenvolvida, tomando como referência as cidades do Brasil com a mesma média de habitantes. Não se quer comparar, mas descrever aos leitores deste artigo, a cidade sob as lentes curiosa de pesquisadora, que permaneceu imersa três meses naquela comunidade, viveu diferentes situações, e enquanto o mundo conecta se, Maputo Moçambique utiliza as Safety Management System (SMS) mensagens de celulares. Em entrevista realizada pela autora, Couto, um moçambicano de origem portuguesa, relata sua percepção sobre o uso de tecnologia pelo povo moçambicano descrito abaixo: Então, hoje as pessoas usam o celular como se fosse uma espécie de prolongamento do tambor, um tambor antigo que fazia convocatória pra X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.7

8 tribo do lado, a SMS ficou estilo uma internet popular, que criam seus laços e vinculações a outras pessoas, no ponto de vista social, são as cidades que afastam as pessoas. [...] a tecnologia deve ser pensada como uma coisa que temos que escravizar, isso vai ser um escravo, e temos que saber, por exemplo, tem um menino que acha que conhece Moçambique porque tem acesso ao GPS, o mundo é amplo, e ele nunca viu esse outro lado. Digamos que a tecnologia emagreceu o tempo. (COUTO, 2013) A partir das palavras de Couto, que nos remete ao pensamento do uso das mídias digitas a nosso favor, como nossos escravos, auxiliando na comunicação diária e encurtando distâncias. Na educação não é diferente, as informações emagrecem o tempo de explanação de conteúdos pelos professores e potencializam o ensino e aprendizagem. Desta forma enfrenta mudanças constantes, ontem eram simplesmente os editores de texto, as planilhas eletrônicas e alguns outros raros softwares 7. Atualmente os softwares contemplam a educação, alguns são produzidos e pensados com foco educacional. Segundo Zippin (2001)...surge à necessidade de repensar à prática na escola, promover situações de aprendizados que desenvolvam habilidades e competências específicas perpassando pelo uso da tecnologia, preparando assim os alunos para a vida. A educação faz parte deste tecido social e sua participação no contexto da sociedade é de grande relevância, não só pela formação dos indivíduos que atuam nesta sociedade, mas, e principalmente, pelo potencial criativo que ao homem está destinado no seu próprio processo de desenvolvimento. (ZIPPIN, 2001). No contexto moçambicano em especial em Maputo, ainda quem tenha acesso às novas tecnologias, no relatório sobre o uso das TIC em Moçambique, fica expresso que para avançar nestas questões no país torna se necessário planejamento e ações específicas que na área educacional. Percebe se que ocorrem dificuldades de implantação das TIC na universidade, para a solidificação do uso das tecnologias, existe à necessidade de um olhar do governo para 7 Conceitos de Software Conjugado de algoritmos, fornecidas ao hardware para a execução de procedimentos que buscam de tarefas no processamento de dados. 7 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.8

9 políticas públicas que contemplem a infraestrutura básica para uma logística entre ensino, pesquisa e aprendizagem. Uma das bases para o desenvolvimento da educação está em proporcionar a população acesso à telecomunicação de qualidade, e com preços acessíveis ao bolso do trabalhador. As políticas públicas do governo de Moçambique chamada de planos para a inserção tecnológica devem contemplar a qualidade e velocidade da internet e o domínio de equipamentos tecnológicos. Aqui se aborda duas vertentes, o acesso livre e a capacitação para o uso das TIC como ajuda nas tarefas cotidianas para a educação. Em entrevista para o Projeto Tecnologia na Educação TEDUCA 8 G1 relata sobre o uso das TIC e políticas do governo para atenuar o fosso digital. O Ministério de Ciência e Tecnologia junto como Ministério da Educação desenhou o currículo escolar para os três últimos anos para o acesso das tecnologias, pois era importante que os alunos tivessem acesso, mas ainda não adianta ter a escola e não ter em casa. Nas zonas rurais o governo além de acordo com as empresas de telecomunicação para internet para as escolas e nos Centros de Multimídias Comunitária (CMC), tem internet, rádio, TV, computadores, cursos de informática, tudo gratuito para a comunidade. É um lugar onde as pessoas podem enviar e mail, participar de rádio, ver TV, e tudo mais que desejar realizar neste espaço. (G1, novembro de 2013). Percebe se no relato acima que a preocupação do governo de Moçambique em implantar política de acesso à tecnologia desde o ano de 1998 ainda permanece, como exemplo cita se o acesso à internet com uma conexão mais rápida e de qualidade, uma conexão demorada acaba por desmotivar o processo de transição do analógico para o digital. Assim muitas pessoas preferem o uso de papel. Para G1 existe a necessidade de criar leis que apoiem e validem documentos tramitados pela internet, acredita que é um grande passo que o país dará rumo à informatização e ao uso das TIC. Sobre a política governamental para a educação G1 diz: 8 Programa Internacional de Apoio à Pesquisa e ao Ensino por meio da Mobilidade Docente e Discente Internacional Pró Mobilidade Internacional (Capes/AULP) Edital Capes nº 33/ X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.9

10 A colocação da internet nas escolas é quase exclusividade do governo, ele que procura as instituições para programar um sistema chamado MORONET um programa do governo (que se preocupa com professores e estudante tendo acesso à pesquisa). As universidades recebem laboratórios tanto para as públicas e privadas. O primeiro centro que introduziu a informática nas universidades foi na UEM o CIUEM, e o idealizador deste trabalho (professor da UEM) depois foi o primeiro Ministro das Ciências e Tecnologias de Moçambique. (G1, novembro de 2013). Os alunos chegam ao ensino superior sem conhecer o mínimo sobre informática, não sabem mandar e mails e nem utilizar computadores para seus auxiliar em seus estudos conforme relata G1. Mesmo que o país possua acordo com os bancos para políticas de financiamentos para aquisição de computadores para alunos universitários, e política de Wi Fi livre na UEM, estas são vistas como o início da inclusão e diminuição do fosso digital. [...] porém há escolas aqui em Maputo que não conseguem que seus alunos aprendam, ele tem que fazer e apreender paralelamente, quando eu era Reitor tive que criar um curso somente para os meus estudantes, eu tive que comprar um laboratório para dar cursos específicos aos alunos para que eles aprendessem a pesquisar, fazer seus trabalhos acadêmicos para que todos estivessem falando a mesma linguagem, muitos entravam pela primeira vez.(g1, novembro de 2013). Em entrevista à autora P1, enfatiza que a falta de ambientes próprios para uso da informática na escola de educação básica, assim como a dificuldade das famílias para aquisição de equipamentos tecnológicos atuais como computadores, notebooks, tablets entre outros, ocasiona desconhecimento por parte dos alunos que ingressam no ensino superior em específico na UEM, portanto estes têm dificuldades para utilizar as TIC, conforme citação abaixo: [...] muitos vem do ensino secundário sem saber utilizar e mail e nem usar o computador, uma das coisas que a gente faz nas primeiras aulas é ensinar aos estudantes a abrir e mail, como utilizar o e mail, para facilitar a nossa vida onde um e mail da turma para atingir 30 a 40 estudantes, as informações são enviadas aos estudantes por este e mail da turma, mas é um pouco difícil de trabalhar desta maneira porque os estudantes tem o password do e mail, então uns entram apanham as informações e apagam X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.10

11 outros não tem acesso isso dificulta um pouco, outra coisa que eu tenho tentado fazer e ter um sistema de gestão de aprendizagem [...]. (P1, dezembro de 2013). Pensando em qualificar o ensino e avançar nas questões sobre as mídias digitais de comunicação 9 os professores idealizaram o CIUEM, no projeto buscou se atender a UEM e a comunidade em geral, justificada pela carência de recursos humano especializados. Desta forma conforme relatos de G2 em 1994 cria se o plano de estratégia da inserção das TIC no CIUEM com dois grandes parceiros a Electricidade de Moçambique (EDM) 10 e a Telecomunicações de Moçambique (TDM) (responsável pela telecomunicação e distribuição de internet por fibra óptica), sem esses dois parceiros o projeto não teria forças. Assim começa a desenhar se a inserção da TIC na UEM, o qual se pensou em atender quatro categorias que eram Ensino, Pesquisa, Extensão e Administrativo. Sendo que para G2 onde mais se avançou no uso da tecnologia foi à área administrativa. Basicamente o CIUEM funcionava como o esquema abaixo: Gráfico sobre a estrutura de funcionamento da CIUEM Criação da autora 9 Entende se por mídias digitais de comunicação, todas as formas de comunicação entre dispositivos tecnológicos digitais interativos 10 Fornecedora de energia 10 X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.11

12 O gráfico acima explica como funcionava a organização do CIUEM, o qual além de alimentar dados dentro de sistemas da UEM, atuar na recuperação tanto em Hardware como de Software, o centro atendia clientes nas pessoas físicas e jurídicas. Esta abrangência de ações do centro demonstra a carência de serviços na área tecnológica. Outra atribuição do centro era o desafio de capacitar professores da UEM para o uso das TIC. E para P2 CIUEM, sobre as TIC no ensino superior (em específico na UEM) e as capacitações para professores destaca que: [...] reclamam da qualidade da internet, mas de uns anos para cá houve um salto na largura de banda de 20 megabits por segundo(mbps) e há uns 3 anos fez se uma atualização para 155 MBps, então foi um salto muito grande. Então quando se faz um anúncio sobre uma formação grátis de uso de blogs, wiki, apenas aparece uma meia dúzia de pessoas. (P2, novembro de 2013). Mesmo com dificuldades de acesso a computadores em laboratórios de informática, existem na UEM, através do CIUEM, diretrizes, estratégias e políticas de inserção para capacitação em TIC para docentes com o objetivo de diminuir o fosso digital, assim nas palavras de P2, tem havido pouca aderência no que tange a participação em iniciativas de qualificação para o uso das TIC. Assim relata ao projeto TEDUCA: Mas a realidade é essa, há um nível baixo de literacia digital dos professores, isso pode ser estratificado por faixas etárias, sendo os mais novos nativos digitais ou podem até não serem nativos digitais, mas um pouco mais sensíveis. Na realidade é que há vários argumentos, do tipo que se leva mais tempo para puder usar uma plataforma para disseminar o ensino do que quando se usa o método antigo, fotocopia é mais fácil, mas o que eu tenho pensado e compartilhado às vezes é que as resistências são para não mostrar certas fragilidades, como a falta de actualização dos seus conteúdos educativos durantes anos... questão da propriedade intelectual (quando os conteúdos estão em plataformas abertas), "porque vou pôr meus conteúdos se alguém pode pegar e levar para outras faculdades" argumentam, mas eu não acredito muito que seja apenas isso. (P2, novembro de 2013). Existem cursos de capacitações para professores, mas a UEM quando avalia (a cada final de ano seus professores) não atribui nota para quem utiliza TIC, então não há vantagens ao uso das TIC em suas aulas, comenta P1. X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.12

13 Isso é relativo, pois porque nós fizemos muito esforço para os professores utilizarem as TIC, oferecemos vários cursos, mas a própria UEM apesar de ter as TIC como uma ferramenta importante para o ensino e aprendizagem como plano estratégico e na visão da UEM não há nada que obrigue os professores, então eles não usam, não muda nada na vida do professor se ele não utilizar, um exemplo disso é o instrumento de avaliação do recurso humanos que avaliam os professores, no fim do ano, os professores, os estudantes e os chefes de departamentos preenchem fichas de avaliação dos professores, que não há nada que fale sobre o uso das TIC. (P1, dezembro de 2013). Considerações finais A partir das entrevistas com os representantes do governo, responsáveis por projetos que visam à implantação das tecnologias em Moçambique, pode se compreender as dificuldades econômicas que inviabilizam as ações, para efetivar o uso da tecnologia na UEM. Para os educadores, como base nas entrevistas acima mencionadas, falta para os professores da UEM motivação para capacitar se e o entendimento que as ferramentas tecnológicas podem se transformar em meios para construir e difundir conhecimentos sem com isso desumanizar o processo de ensino aprendizagem. As mídias sociais podem também serem utilizadas para gerar conhecimento através de pesquisas. Professores pesquisadores apontam que muitos alunos apresentam dificuldades em utilizar a tecnologia para ampliar seus estudos. Desta forma quando ingressam na universidade são estimulados ao uso das mídias digitais, a fim de realizar pesquisas e aprimorar seus conhecimentos. Porém algumas situações são problematizadas pelos professores da UEM, e assinaladas como dificuldade de administrar, o qual se trata do plágio, pois muitos alunos apenas copiam textos prontos da internet e não sabem a fonte e não informam os direitos autorais. Com o avanço da tecnologia se faz necessário equipar as instituições de ensino e capacitar professores para que se apropriem das diversas possibilidades existentes nestes dispositivos tecnológicos de informação e comunicação. Cabe aos professores X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.13

14 repensar os aspectos teóricos e metodológicos e integrar as suas práticas essa nova forma de linguagem do aluno na sociedade. Para alinhar conhecimentos produzidos entre professores e alunos, entende se que a universidade precisa repensar ações que contemple o movimento do mundo conectado. Busca se entender a educação atual, trata se quem sabe de uma quebra do paradigma tradicional, mas com base sólidas em teorias que sustentem o aprendizado e o professor entenda como utilizar esses recursos e descobrir suas potencialidades pedagógicas. Bibliografia AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo e outros ensaios; tradutor Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, BRITO, Carlos Estrela. Educação a Distância (EaD) no Ensino Superior de Moçambique: UAM Tese (Doutorado Interdisciplinar em Engenharia e Gestão do Conhecimento) 2010, 246 f. Disponível em acesso em 17 de abril de CASTRO, Rodrigo. Instagram: produção de imagens, cultura mobile e seus possíveis reflexos nas práticas educativas f. Dissertação (Mestrado em Educação) Faculdade de Educação, Universidade Federal de Pelotas, UFPEL, Pelotas, COUTO,Mia. SCLIAR, Moacyr; SILVA, Alberto da Costa Pensando igual; Maputo, MZ: Moçambique editora, COUTO, Mia. Vídeo Escritor moçambicano vem ao Roda Viva falar sobre sua vida e obra. Publicado em 13/11/2012. (6 16 ) Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=6p5b3 SV6JI acesso em 17 de abril de (31 36 ). III Recenseamento geral da população e habilitação. Maputo: Instituto Nacional de Estatística, Junho de PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. Disponível em: Acesso em: 5 Abril de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.14

15 SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. 1.ed. Rio de Janeiro: Contraponto, Zippin, M. P. S. (2001). Educação Tecnológica: desafios e perspectivas. Impresso Iio Brasil. acesso em 31 de março de D/icteye/DisplayCountry.aspx?code=MOZ acesso em 25 de março de d/icteye/ acesso em 25 de março de da informacao/ acesso em 03 de abril de https://www.facebook.com/teducacapes acesso em 10 de abril de d/.../countryprofilereport.aspx acesso em 18 de março de https://www.google.com.br/search?q=mapa+de+maputo&oq=mapa+de+maputo&aqs=ch rome.69i j0j8&sourceid=chrome&es_sm=122&ie=utf 8 acesso em 13 de abril de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.15

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF)

TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) TREINAMENTO ONLINE PARA O SISTEMA DE APOIO À GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA FEDERAL (SAGARF) Maio de 2007 Maria Rachel Barbosa Fundação Trompovsky (Apoio ao NEAD CENTRAN) rachel@centran.eb.br Vanessa Maria

Leia mais

Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga

Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga Avanços importantes na Educação com o advento da Banda Larga Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Camara dos Deputados Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância - MEC Em 16

Leia mais

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem

Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras. Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Cenário sobre a integração das tecnologias às escolas brasileiras Diretrizes para o desenvolvimento do uso das tecnologias no ensino-aprendizagem Maio, 2014 1 Índice 1. Introdução 3 2. Cenário do acesso

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br

Programa de Pós Graduação em Educação da FCT/UNESP, Presidente Prudente, SP. depenna05@yahoo.com.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 799 INTERVENÇÃO EM ARTE COM O AUXÍLIO DO SOFTWARE PHOTOSHOP Denise Penna Quintanilha Programa de Pós Graduação em

Leia mais

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO

ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO ANEXO 1 - QUESTIONÁRIO 1. DIMENSÃO PEDAGÓGICA 1.a) ACESSIBILIDADE SEMPRE ÀS VEZES NUNCA Computadores, laptops e/ou tablets são recursos que estão inseridos na rotina de aprendizagem dos alunos, sendo possível

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO

USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO USO DE NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO BREJO PARAIBANO MIRANDA 1, Márcia Verônica Costa; SILVA 2, Gilmar Batista da 1 Professora Orientadora

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Educação além dos limites da sala de aula

Educação além dos limites da sala de aula Educação além dos limites da sala de aula Como a Brightspace passou a fazer parte da vida de 20.000 alunos da Universidade Tiradentes Visão Geral Com mais de 50 anos de tradição e reconhecido pioneirismo

Leia mais

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006

Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas. Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Universidade Comunitária da Região de Chapecó Área de Ciências Humanas e Jurídicas Curso de Licenciatura em Pedagogia Disciplina: 7081006 Tecnologias da Comunicação e Informação na Educação Professora:

Leia mais

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA

1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA 1.1) PLANO DE APLICAÇÃO DE RECURSOS (EM ANEXO) 1.2) PROJETO DE VIRTUALIZAÇÃO DE COMPUTADORES DE MESA INTRODUÇÃO O curso de engenharia florestal possui 4395 horas de aulas em disciplinas obrigatórias e

Leia mais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais

Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Inovações na sala de aula e as Redes Sociais Painel: Inovando nas estruturas acadêmicas e administrativas Profa. Dra. Marta de Campos Maia Marta.maia@fgv.br Agenda As Tecnologias Educacionais e os Nativos

Leia mais

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução

Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Introdução Educação a Distância: uma alternativa para a UFBA? Nicia Cristina Rocha Riccio nicia@ufba.br Introdução Com o advento das tecnologias de informação e comunicação (TICs) a Educação a Distância (EAD) ganha

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO

UNIVATES. Case Cisco CLIENTE SEGMENTO DESAFIOS SOLUÇÕES RESULTADOS CASES DE EDUCAÇÃO CASES DE EDUCAÇÃO Case Cisco UNIVATES CLIENTE - Centro Universitário Univates - Número total de alunos: 13.235 - Número total de professores contratados: 537 SEGMENTO - Educação privada superior e profissionalizante

Leia mais

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim

Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Educação a Distância: Opção Estratégica para Expansão do Ensino Superior Anaci Bispo Paim Conselheira do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior EAD NO BRASIL 1ª Fase: Década de 60 Ensino

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

As práticas de letramento digital na formação de professores

As práticas de letramento digital na formação de professores As práticas de letramento digital na formação de professores Nádie Christina Machado Spence 1 1 Programa de Pós-Graduação em Informática na Educação Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) 90040-060

Leia mais

RESUMO. 140 Saber Digital. Gabriela do Carmo Fernandes gabihfernandes.gcf@gmail.com Discente da FAETERJ Paracambi

RESUMO. 140 Saber Digital. Gabriela do Carmo Fernandes gabihfernandes.gcf@gmail.com Discente da FAETERJ Paracambi 140 Saber Digital O USO DA TECNOLOGIA EM PROL DA EDUCAÇÃO: IMPORTÂNCIA, BENEFÍCIOS E DIFICULDADES ENCONTRADAS POR INSTITUIÇÕES DE ENSINO E DOCENTES COM A INTEGRAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS À EDUCAÇÃO. Gabriela

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA GONÇALVES, Claudia Cristine Souza Appel UFPR clauealex@yahoo.com.br BRITO, Glaucia da Silva UFPR glaucia@ufpr.br Eixo Temático:

Leia mais

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA

I CIPPEB - CONGRESSO INTERNACIONAL DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RELATO DE EXPERIÊNCIA RELATO DE EXPERIÊNCIA SEMANA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO: UMA PRÁTICA PEDAGÓGICA Mestranda Rita Aparecida Nunes de Souza da Luz PROGEPE UNINOVE Resumo O objetivo desse trabalho é relatar a experiência

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57

Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas. Sonhar Orçar Poupar. FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Programa DSOP de Educação Financeira nas Escolas Diagnosticar Sonhar Orçar Poupar FOLDERESCOLAS_EDUCAÇAOFINANCEIRA.indd 1 24/07/14 14:57 Por que incluir a educação financeira na sua escola? Dados recentes

Leia mais

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). DOCENTE PROFESSOR CELSO CANDIDO Formação: o Bacharel em Sistemas de Informações (SI); o MBA em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC). Conhecimentos: o Web Designer; o Arquitetura de Máquina; o Implementação

Leia mais

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007)

softwares que cumprem a função de mediar o ensino a distância veiculado através da internet ou espaço virtual. PEREIRA (2007) 1 Introdução Em todo mundo, a Educação a Distância (EAD) passa por um processo evolutivo principalmente após a criação da internet. Os recursos tecnológicos oferecidos pela web permitem a EAD ferramentas

Leia mais

Resultados da atividade em grupo: Indicadores prioritários para medição das TIC em Moçambique Maputo, Moçambique 8 de Julho de 2015

Resultados da atividade em grupo: Indicadores prioritários para medição das TIC em Moçambique Maputo, Moçambique 8 de Julho de 2015 Resultados da atividade em grupo: Indicadores prioritários para medição das TIC em Moçambique Maputo, Moçambique 8 de Julho de 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Questões prioritárias Categorias prioritárias

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Sistema de Gestão de Aulas

Sistema de Gestão de Aulas Sistema de Gestão de Aulas criando cultura para o Ensino a Distância e melhorando o processo ensino-aprendizagem pela internet RICARDO CREPALDE* RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a experiência

Leia mais

Portal de conteúdos Linha Direta

Portal de conteúdos Linha Direta Portal de conteúdos Linha Direta Tecnologias Educacionais PROMOVEM SÃO Ferramentas Recursos USADAS EM SALA DE AULA PARA APRENDIZADO SÃO: Facilitadoras Incentivadoras SERVEM Necessárias Pesquisa Facilitar

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula

Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth de Almeida fala sobre tecnologia na sala de aula Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida alerta que o currículo escolar não pode continuar dissociado das novas possibilidades tecnológicas

Leia mais

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015

Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 Medição das TIC no contexto nacional: o caso do Brasil Maputo, Moçambique 7 de Julho de 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Dimensões das TIC e Políticas Públicas Apresentação de indicadores sobre os seguintes

Leia mais

Comissão Própria de Avaliação - CPA

Comissão Própria de Avaliação - CPA AVALIAÇÃO DO CEFET-RJ PELOS DISCENTES -2010/2 A avaliação das Instituições de Educação Superior tem caráter formativo e visa o aperfeiçoamento dos agentes da comunidade acadêmica e da Instituição como

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance

Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance Universidade Ubíqua: a UFPB Virtual ao seu alcance SEVERO¹, Ana Beatrice Santana SILVA², Danielle Rousy Dias da ANJOS 3, Eudisley Gomes dos PRESTES 4, Mateus Augusto Santos FERNANDES 5, Raul Felipe de

Leia mais

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO

UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESUMO UMA AÇÃO DE EXTENSÃO PARA CONTRIBUIR COM A INCLUSÃO DIGITAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Dayana da Silva Souza 1 ; Luana de Oliveira F. Crivelli 1 ; Kerly Soares Castro 1 ; Eduardo Machado Real 2 ; André

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde

eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde eportuguêse eportuguêse Estratégia da OMS para o acesso à informação em saúde II Reunião de Coordenação da rede BVS eportuguêse Maputo 17 a 20 de novembro de 2009 Rede eportuguêse Plataforma para fortalecer

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de símbolos, logotipos e logomarcas com Software Livre MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba

Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Realização: Apoio Técnico e Institucional Secretaria do Estado da Educação Dias 12 e 13 de fevereiro de 2014 João Pessoa - Paraíba Dia 12 de fevereiro de 2014 15h Novas e antigas tecnologias devem se combinar

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA

A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA A LINGUAGEM E A AQUISIÇÃO DO PORTUGUÊS COMO LÍNGUA MATERNA Flávia Santos Silva * José Mozart de Góis * Isa Ursole Brito** Luiz José da Silva*** Sergio Luiz Malta de Azevedo**** INTRODUÇÃO Constituindo-se

Leia mais

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ENSINO DA DISCIPLINA DE GEOMETRIA ANALÍTICA PARA ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA Divane Marcon Fundação Universidade Federal do Pampa divanemarcon@unipampa.edu.br Fabiane C. Höpner

Leia mais

Observatórios Virtuais

Observatórios Virtuais UNIVASF: UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE SÃO FRANCISCO TRABALHO DE ASTROFÍSICA ALUNO: PEDRO DAVID PEDROSA PROFESSOR: MILITÃO CURSO: MESTRADO NACIONAL PROFISSIONAL EM ENSINO DE FÍSICA Observatórios Virtuais

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição

Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição TIC DOMICÍLIOS 2007 Uso e Posse de Computador e Internet, Barreiras de Acesso, Uso do Celular, Intenção de Aquisição PESQUISA SOBRE O USO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NO BRASIL 2008 NIC.BR

Leia mais

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa

Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR. Assessoria da Área de Informática Educativa Conecta Positivo 2014 MANTER E INOVAR Assessoria da Área de Informática Educativa http://tinyurl.com/avaliacao-spe Assessoria da Área de Informática Educativa Marileusa G. de Souza mgsouza@positivo.com.br

Leia mais

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha

Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha Como adquirir os materiais didáticos do Moderna.Compartilha MODERNA.COMPARTILHA: INTEGRAR TECNOLOGIA E CONTEÚDOS A FAVOR DO APRENDIZADO. Os alunos deste século estão conectados com novas ideias, novas

Leia mais

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO

EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA PROFHISTÓRIA CHAMADA A PROPOSTAS DE ADESÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA EDITAL N o EXPANSÃO DA REDE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM HISTÓRIA

Leia mais

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática.

* As disciplinas por ocasião do curso, serão ofertadas aos alunos em uma sequência didática. MATRIZ CURRICULAR* Disciplina CH Integração 20 Planejamento e Gestão em Educação a Distância 40 Cultura Virtual, Pensamento e Construção do Conhecimento na Educação a Distância 40 Noções de Gestão de Projetos

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância

DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância DIÁLOGO VIRTUAL COM A SAÚDE : um projeto piloto de extensão a distância 128-TC-B5 Maio/2005 Marcio Vieira de Souza, Dr. Universidade do Vale do Itajai-UNIVALI-SC e-mail: mvsouza@univali.br Fernando Spanhol,

Leia mais

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli

Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Projeto de Implantação do Núcleo Tecnológico de Educação Aberta - NTEA Prof. Me. Gilson Aparecido Castadelli Ourinhos - 2012 2 1- DADOS GERAIS 1.1 UNIDADE EXECUTORA FIO - FACULDADES INTEGRADAS DE OURINHOS

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012

Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 Sociedade da Informação e do Conhecimento Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação pelas Famílias 2012 06 de novembro de 2012 60% das pessoas dos 16 aos 74 anos utilizam Internet

Leia mais

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet

TIC Domicílios 2007 Habilidades com o Computador e a Internet TIC Domicílios 007 Habilidades com o Computador e a Internet DESTAQUES 007 O estudo sobre Habilidades com o Computador e a Internet da TIC Domicílios 007 apontou que: Praticamente metade da população brasileira

Leia mais

Formação, desafios e perspectivas do professor de música

Formação, desafios e perspectivas do professor de música Formação, desafios e perspectivas do professor de música João Alderlei Leite da Silva email: joaoderlei17@hotmail.com Lucas Roberto Guedes email: lucasrobertoguedes@gmail.com Verônica Agnelli Chiarelli

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA

MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA MÍDIAS SOCIAIS COMO FERRAMENTA EDUCACIONAL REGRAS ABERTAS PARA UMA PARTICIPAÇÃO EFETIVA Mário Taveira Martins 1 (IF-SERTÃO PE) Lucas Samir Silva de Matos 2 (IF-SERTÃO PE) Resumo: Este artigo foi elaborado

Leia mais

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO

DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 DA EDUCAÇÃO TRADICIONAL ÀS NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO Natália Aguiar de Menezes 1 RESUMO: Observa-se que com o passar dos anos o ensino superior

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU AS TIC COMO ESTRATÉGIA DE AMPLIAÇÃO DA INTERNACIONALIZAÇÃO ACADÊMICA DA PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Santa Cruz do Sul RS Maio/2013 LANZARINI, Joice Nunes - UNISC - joice@unisc.br OLIVEIRA, Cláudio J.

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down

O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down O USO DE SOFTWARES EDUCATIVOS: E as suas contribuições no processo de ensino e aprendizagem de uma aluna com Síndrome de Down Ana Paula de Oliveira Schmädecke 1 Andreia dos Santos Dias 2 Resumo: Este trabalho

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

TÍTULO: NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E SEU USO EM SALA NAS SÉRIES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E SEU USO EM SALA NAS SÉRIES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E SEU USO EM SALA NAS SÉRIES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE JOINVILLE AUTOR(ES):

Leia mais

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook.

INTRODUÇÃO. Palavras-chave: Alfabetização, EJA, Inclusão, Facebook. A INCLUSÃO DIGITAL E O FACEBOOK NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS EJA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NA ESCOLA MUNICIPAL FRANCISCO JOSÉ DE SANTANA POMBAL PB Autor (1) Amélia Maria

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. A Revolução do Ensino a Distância SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ A Revolução do Ensino a Distância Enir da Silva Fonseca Coordenador de Pólo EAD Campus Guarujá UNAERP - Universidade de Ribeirão Preto

Leia mais

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País

As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Audiência Pública As potencialidades da Educação a Distância na escolarização e profissionalização da pessoa com deficiência no País Carlos Bielschowsky Secretário de Educação a Distância Dados globais

Leia mais

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO

A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² RESUMO 1 A Utilização de Softwares Livres no Desenvolvimento de Cursos de Educação a Distância (EAD) nas Universidades e a Inclusão Digital² Bruna Barçante¹ Aylla Barbosa Ribeiro¹ Fernanda Teixeira Ferreira Leite¹

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza

Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I. Prof. Hugo Souza Novas Tecnologias Aplicadas à Educação O Ensino e as Novas Tecnologias I Prof. Hugo Souza Continuando nossas aulas, após verificarmos toda a integração histórica da informática para a educação, veremos

Leia mais

Universidade: Universo desigual

Universidade: Universo desigual 1 POLÍTICAS AFIRMATIVAS EM MATO GROSSO: EM QUESTÃO O PROJETO POLÍTICAS DA COR NA UFMT SOUZA, Elaine Martins da Silva UFMT ses_martins@yahoo.com.br GT-21: Afro-Brasileiros e Educação Agência Financiadora:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS

LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS 1 LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS Autora Prof.ª Ms.Maria do Socorro de Lucena Silva Faculdades Integradas de Patos maryhelpbrim@bol.com.br Coautor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Duplo-Diploma na Área das Engenharias

Duplo-Diploma na Área das Engenharias Duplo-Diploma na Área das Engenharias Prof. Dr. Ricardo M. Naveiro Coordenador de Relações Internacionais Escola Politécnica da UFRJ Memórias do passado Sumário Cenário econômico mundial Histórico dos

Leia mais