A EDUCAÇÃO DOS IMIGRANTES CHINESES NA CIDADE DE CASCAVEL. O Brasil é um país formado pela junção de diversas etnias.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EDUCAÇÃO DOS IMIGRANTES CHINESES NA CIDADE DE CASCAVEL. O Brasil é um país formado pela junção de diversas etnias."

Transcrição

1 A EDUCAÇÃO DOS IMIGRANTES CHINESES NA CIDADE DE CASCAVEL Miao Shen Chen 1 Vilmar Malacarne 2 Introdução O Brasil é um país formado pela junção de diversas etnias. Com a introdução da plantação do chá no Brasil no século XIX, os chineses irão se somar aos demais grupos de imigrantes que formarão, e continuam a formar, a nação brasileira (TEIXEIRA, 1995, p.234). Tal imigração foi sempre relativamente tímida, a tal ponto de que até hoje o número dos imigrantes chineses é incluído na parte de outras nacionalidades, pois o percentual é pequeno para ser considerado como um dos principais grupos de imigrante do Brasil. Mesmo com a mudança da política do governo da China, com uma economia crescendo a uma taxa anual superior a 9%, o desenvolvimento e o fortalecimento da economia no Brasil, somadas as boas relações entre os dois países, estão estimulando mais chineses a imigrarem para o Brasil, mesmo que agora por motivos bastante diferentes daqueles que inicialmente os trouxeram para o país. Para entender a realidade da vida dos imigrantes chineses no Brasil, principalmente no aspecto educacional, esta pesquisa dialogou com os chineses, seus 1 Licenciada em Pedagogia e Especialista em História da Educação Brasileira pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE/Cascavel, PR. 2 Doutor de Educação. Professor do CECA-UNIOESTE/Cascavel, PR Membro do Grupo de pesquisa Formação de Professores de Ciências e Matemática.

2 descendentes e os professores dos filhos destes imigrantes, principalmente daqueles que vivem no Paraná e mais especificamente na cidade de Cascavel, com objetivo de compreendermos a cultura chinesa e a prática educacional destas famílias. Na perspectiva da pesquisa, buscamos elucidar os seguintes questionamentos: Quais os motivos que estimularam os chineses a sair da terra natal? Como chegaram ao Brasil? Depois de chegar ao Brasil, quais foram as dificuldades que encontraram e como enfrentaram tais dificuldades para melhorar sua condição? Na área da educação, como se adaptaram ao modelo brasileiro de educar os filhos? Como as famílias de imigrantes planejam a educação dos seus filhos? Há conflitos no processo da educação na família e a escola? Os chineses se adaptaram à cultura brasileira? Encontraram dificuldades nesse processo? Como os chineses orientam seus filhos para conviver na sociedade brasileira? Espera-se com esta pesquisa apontar alguns elementos que possam melhorar tal processo de adaptação para as próximas gerações de imigrantes, quer sejam chineses ou de outras nacionalidade, e que tendem a passar por situações semelhantes daquelas apresentadas neste trabalho. Os imigrantes chineses em Cascavel Cascavel é considerado um município novo no estado do Paraná. Sua emancipação política se deu em A cidade possui aproximadamente habitantes. Os, amarelos, chineses correspondem a apenas 0,016%; são apenas 13 famílias. Por ser uma cidade de porte mediano e de forte apelo agrícola, os imigrantes chineses relatam que encontram muitas dificuldades para se estabelecer e conseguir uma vida financeira tranqüila. Os dados coletados para esta pesquisa apontam que a maioria destes é nascida em Taiwan.

3 Segundo dados levantados por esta pesquisa, há 47 imigrantes chineses em Cascavel. O senhor Hui, nascido em Xangai, ex-dono de um restaurante, teria sido o primeiro a chegar. Durante a Segunda Guerra mundial, o senhor Hui tinha 18 anos, chegou ao Brasil em 1944, para buscar melhores condições de vida. Depois que chegou ao Brasil, se casou com uma imigrante japonesa, aproximadamente em Nos primeiros períodos, morou no estado de São Paulo, trabalhando em restaurante como cozinheiro e mais tarde, em 1975, mudou-se para Cascavel. Segundo relato do filho de Hui, o pai foi ajudado pelos amigos e comprou o restaurante atual com o objetivo de ter uma melhor condição de renda. O segundo imigrante a chegar seria o seu sobrinho, Xui, em 1982, também dono de um restaurante, que foi estimulado à imigração pelo próprio tio, Hui. Ele, então, veio para Cascavel diretamente. Ele também começou da mesma forma que muitos outros imigrantes chineses no Brasil: num restaurante, sendo que quando chegou ao Brasil, foi empregado no restaurante do tio e atualmente é dono do próprio negócio em um restaurante de comidas típicas chinesas. Outros chegaram a Cascavel ainda no final do século XX, de 1996 a 2000, são taiwaneses, que vieram da Republica da china, Taiwan. Uma família chegou em 1996, na cidade de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, mas veio para Cascavel, em 2003, onde reside até hoje. Uma chegou em 1997, em São Paulo, e em 1999 se mudou para Cascavel. Cincos chegaram em 1998, diretamente para Cascavel. Três dessas cinco famílias entraram pela fronteira da Argentina, as outras duas famílias por São Paulo. A outra família chegou em 2000 e também reside na cidade Cascavel. As profissões desses imigrantes em sua terra natal eram: três comerciantes, três professores, dois farmacêuticos, dois cozinheiros, um funcionário público, três engenheiros e um contador. Quando chegaram ao Brasil, eles eram: sete feirantes, dois

4 vendedores ambulantes, dois cozinheiros, dois professores e um comerciante. Executavam tais trabalhos principalmente devido às condições financeiras. Dois destes não trabalhavam, apenas observavam porque ainda não se sentiam à vontade com a nova realidade e assim eram ajudados pelos outros. Atualmente, as profissões dos entrevistados são: 9 comerciantes, 13 feirantes, 2 professores, 20 estudantes, 1 secretária, 1 contador e 1 aposentado. O grande número de estudante se dá pelo fato dos filhos ainda estarem em idade escolar (o número de filhos dos imigrantes chineses de Cascavel é, em média, de três filhos por família). Também segundo eles, a renda média das famílias é de aproximadamente quatro salários mínimos. Quanto à idade destes imigrantes, com idade acima de 81, há uma pessoa, com idade entre 51 até 60, há sete pessoas (15%), com idade entre 41 até 50, há 13 indivíduos (28%), com idade entre 31até 40, há uma pessoa, entre 21 até 30, há 10 pessoas (21%), entre 11 até 20, há 13 pessoas (28%) e abaixo de 10 anos há 2 pessoas. Tais dados indicam que os pais possuem mais de 41 anos de idade. Os filhos estão no processo de vida escolar, na idade entre 1 e 40. Quanto ao número de gerações, a primeira geração de imigrantes chineses tem 34 pessoas, a segunda geração tem 11 pessoas e a terceira e a quarta gerações têm apenas uma pessoa em cada. A quantidade de homens chineses é de 18 (38%) indivíduos e de 29 (62%) mulheres em Cascavel. Os pioneiros imigrantes chineses estavam buscando uma vida de paz. Já para os recém chegados, a situação é diferente, o que buscam é principalmente melhores condições de vida, mas como chegam com poucos recursos e os diplomas de formação da terra natal não garantem uma renda suficiente, a maioria deste grupo está trabalhando na feira do pequeno produtor: quatro famílias estão produzindo alimentos típicos orientais ou plantando e vendendo flores. Outra família montou uma loja de

5 informática, vende peças de computador e também faz manutenção e uma família possui restaurante. A realidade da educação dos imigrantes chineses em Cascavel A pesquisa mostrou que os imigrantes chineses têm muita preocupação com a educação. Em Cascavel, quanto à escolarização dos imigrantes chineses e seus descendentes, dois estão cursando pós-graduação, 12 têm a graduação completa (26%), 8 estão se graduando (17%), 10 são formados no ensino médio completo (21%), 4 possuem ensino médio incompleto (9%), 10 estão estudando no ensino fundamental (21%) e um é analfabeto ( por ter sofrido influencia da Segunda Guerra Mundial). Sobre a educação dos imigrantes chineses na cidade Cascavel, no que se refere à educação regular (formal), se as condições financeiras das famílias possibilitam, os pais optam por colocar seus filhos em escolas particulares. Mas, segundo os dados da pesquisa do ano de 2010, em decorrência das atuais condições financeiras, dentre os filhos destes chineses, 12 pessoas estão estudando em escolas públicas, o que representa 70%. Apenas 5 pessoas (30%) estudam em escolas particulares. Apesar disso, há estímulos para a busca de mais conhecimento. Os imigrantes procuram, na educação informal, maneiras de complementar a educação formal. Os pais pensam que permitir que os filhos aprendam a língua chinesa garante a presença da própria cultura, a língua inglesa, outra língua estudada, serviria para completar a base de conhecimento e aprender a tocar um instrumento musical, hábito freqüente entre estes, auxiliaria na qualidade de vida. Como a cultura chinesa valoriza muito a educação e incentiva o esforço na aprendizagem e nos estudos, eles acham que a qualidade da escola brasileira não estimula o interesse das crianças. Sendo assim, os pais procuram acompanhar o estudo

6 dos filhos para entender melhor o processo de aprendizagem dos filhos, participando também da vida escolar através das reuniões nas escolas. Normalmente, os imigrantes chineses falam a língua materna em casa, o dialeto (taiwanesa) ou mandarim (uma língua oficial da China). As primeiras dificuldades relatadas, e que foram encontradas no Brasil, são aquelas atinentes a língua portuguesa, além das ligadas ao trabalho. Os dados mostraram que a maior parte das famílias de imigrantes chineses de Cascavel ainda está em fase de adaptação à cultura brasileira. Eles também relatam que gostam das duas culturas, pois consideram que ambas tem qualidades positivas. Os entrevistados, contudo, disseram que preferem morar no Brasil, pois estão acostumados e adaptados ao ritmo de vida brasileira. Na educação da língua chinesa, os imigrantes chineses ainda realizam o mesmo tipo de educação gratuita e laica. As crianças chinesas na idade dos 6 à 17 anos frequêntam as aulas na casa de um professor. As aulas são semanais, de três horas e as famílias se revezam para oferecer lanche às crianças. Os professores com experiência profissional são formados no curso de Pedagogia em Taiwan e em Cascavel e trabalham voluntariamente. Este sistema de educação foi usado nos grupos de várias associações de imigrantes chineses no Brasil durante a década de 60, até final de século XX, incluindo a cidade de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Brasília, Recife e Curitiba. As principais diferenças culturais entre chineses e brasileiros se referem aos valores e à religião. Os chineses, na sua maioria são budistas, seguem os preceitos do Confucionismo e Taoísmo, acreditam na reencarnação, tem conceitos de um mundo sagrado e espiritual fundamentados em Deus. Os diálogos com os entrevistados - os pais chineses, os filhos e os professores

7 A pesquisa foi realizada com o grupo da comunidade de imigrantes chineses e nas escolas dos seus filhos na cidade de Cascavel, no Paraná, incluindo os líderes das 10 famílias (os pais), 22 filhos chineses e 16 professores de Colégio Estadual Eleodoro Ébano Pereira, Colégio Ideal, Colégio Marista de Cascavel, Colégio Pacaembu e Escola Municipal Emília Galafassi. Os pais entrevistados relatam que as principais dificuldades encontradas no Brasil, a língua portuguesa e o trabalho, estão relacionados a importância destes dois aspectos nas suas vidas. Com relação à educação, os pais entrevistados apesar das restrições à escola brasileira, aprovam a forma da educação dos filhos, porém gostariam que as escolas melhorassem a qualidade dos professores, buscando um maior cuidado em relação ao conteúdo das aulas e ao relacionamento com os alunos. Entre as sugestões apresentados por eles para a melhoria destas escolas, estão que a escola deveria aumentar às horas de sala de aula, transformando-as em tempo integral, com objetivo de deixar as crianças aprenderem mais conteúdos proporcionando também uma boa orientação no caminho da aprendizagem cidadã. Para os pais chineses, as principais qualidades da educação formal brasileira são a educação gratuita, que proporcionaria uma educação universal, e o diversificado método de ensino, que permite liberdade de pensamento dos alunos. Já sobre os defeitos, os pais chineses pensam que o principal é a pouca pressão e o pouco incentivo aos estudos que, assim, não estimularia as crianças a crescer no processo de aprendizagem. A respeito da aprendizagem na escola dos filhos dos imigrantes chineses, os entrevistados disseram que a língua portuguesa é a matéria mais difícil para os filhos e a matemática a mais fácil. Para tentar superar as dificuldades escolares dos filhos, os pais gostariam de ajudar nas tarefas escolares do cotidiano, mas ficam limitados pela própria

8 dificuldade da língua portuguesa. Assim, eles ajudam na forma de apoio e de carinho, orientando no método de estudar, pois, para eles, resolver juntos traz melhores resultados; é comum o filho mais velho ensinar o mais novo. Também orientaram os filhos a questionar os professores como forma de resolver as dificuldades na escola. A maioria dos filhos chineses gosta de estudar e ir para a aula, pois, para eles, é a forma mais efetiva de adquirir conhecimento, poder aprender mais e garantir um diploma e um trabalho no futuro, além de poder fazer mais amigos, poder conhecer e interagir socialmente com outras pessoas. Segundo eles, ir para a aula e estudar é um processo da vida pelo qual todos devem passar. Segundo informações dos entrevistados, os filhos de imigrantes chineses têm um bom relacionamento com colegas e professores. A maioria dos filhos chineses relata que não tem problemas de acompanhamento das atividades com seus amigos. Só alguns afirmaram que os amigos não os acompanham quando fazem leituras, tarefas, trabalho da escola, pois os colegas não gostam de ler, também pelo fato de os colegas preferirem coisas mais animadoras como festas. Porém eles gostam de conversar com os amigos para entender melhor a cultura brasileira. Os alunos chineses relatam que recebem informações sobre a China pela TV, Internet, escola e a própria família. Na sua maioria, eles sabem falar, ler e escrever bem a língua chinesa, em decorrência da aprendizagem na comunidade chinesa. Para eles, a China é um país do Oriente, comunista, com muitas histórias e cultura fortes. Os filhos chineses também consideram que há muitas diferenças entre os ensinamentos recebidos dos pais e aqueles da escola, em sua maioria aqueles ligados a cultura, aos valores e a religião. Quando questionados sobre a influencia da cultura brasileira em suas vidas, a maioria dos filhos de imigrantes chineses, principalmente os mais velhos, ainda se acha mais influenciado pela cultura chinesa, principalmente devido ao fato de terem chegado

9 ao Brasil há pouco tempo e já com alguma vivência em seu país de origem e/ou por sofrerem influencias da cultura da família. Alguns entrevistados se acham mais parecidos com os brasileiros, porque são nascidos e estão crescendo no Brasil, ou pelo fato de a família não ligar muito para a própria cultura. Mas, na realidade, o que pode se observar é que os filhos chineses estão, em sua totalidade, ligados a ambas as culturas, pois convivem com as duas culturas, as duas formas de pensar. Também segundo relatos dos filhos chineses, eles gostam das duas culturas, pois ambas têm suas qualidades positivas, porém, os entrevistados disseram que preferem morar no Brasil, pois estão acostumados e adaptados ao ritmo de vida brasileira. Eles acham que o Brasil pode proporcionar um bom futuro para eles mesmo porquê a maioria está vivendo no Brasil e nunca mais foi (ou sequer conhece) para China. Quando conversado com os professores destes descendentes de chineses, estes disseram que já tiveram diversos estrangeiros em suas salas de aula. Segundo relatos dos professores, os alunos chineses não têm dificuldade na aprendizagem escolar, pois dominam bem a língua portuguesa, apesar de geralmente serem tímidos e mais recatados que os demais alunos, mas tal situação não chega a ponto de atrapalhar seus rendimentos. Alguns professores acreditam que as dificuldades dos alunos estrangeiros mais comuns (também os chineses) ocorrem nas primeiras séries do Ensino Fundamental, principalmente com a linguagem escrita e a fala, na ordenação e na estrutura frasal e com os conhecimentos sobre o costume local, porém, logo se adaptam. Quando na relação das matérias da escola, os professores acham que os alunos chineses têm maiores facilidades nas disciplinas da área de exatas, como matemática e física, e com o inglês. As maiores dificuldades estão na área das humanas, como português, história e geografia, pois envolvem a linguagem escrita e a interpretação. Alguns professores disseram que tanto a facilidade quanto dificuldade depende do

10 desempenho do aluno, e acreditam que os alunos têm dificuldades de interpretação apenas em alguns assuntos, e não em outras disciplinas. Os professores expuseram que os alunos estrangeiros não deram a perceber nenhum entrave cultural, pois eles se relacionam bem com os colegas da sala de aula, estão muito bem integrados e a escola trata a todos igualmente, independente da cultura de cada um. Comentaram também que os relatos detalhados da cultura chinesa são bem interessantes para os demais alunos. Alguns professores entrevistados disseram que o maior entrave cultural é a adaptação destes alunos com a cultura e com os costumes (horário, gastronomia, etc). Para os professores, os alunos estrangeiros não mostram diferenças nas relações com a ciência e a religião na escola, pois a sala de aula tem a característica heterogênea no que diz respeito à religião, as diferenças e crenças são respeitadas, cada um crê a sua maneira; a própria timidez destes alunos elimina possíveis desavenças. Os entrevistados disseram que a maioria dos alunos chineses não tem nenhuma dificuldade de fazer amizade com os colegas, inclusive os nativos gostam de tê-los nas atividades para aprender e estes são bastante receptivos. Eles também relatam que alguns alunos chineses são mais cuidadosos em suas relações inter-pessoais, sendo mais seletivos e mais reservados. Alguns têm dificuldade de fazer amizade com os colegas pelo preconceito das outras pessoas e pela dificuldade de comunicação, ou pelo fato de que eles são muito fechados, introvertidos, quietos e não se manifestam. De forma geral, os alunos chineses têm certa dificuldade no início, mas depois o relacionamento se torna normal. Os professores disseram que os pais são sempre solicitados a comparecem na escola e participam acompanhando o estudo dos filhos, às reuniões dos pais e eventos da escola. Eles também buscam ajuda extra com aulas particulares ou de reforço em

11 casa. Com freqüência, ocorrem encontros da escola com as famílias para melhorar a adaptação. Segundo os relatos dos professores, os pais destes alunos dificilmente apresentam alguma queixa para a escola provavelmente pelo caráter cultural de timidez e de introspecção, ou seja, cobram mais de si do que reclamam do outro. Considerações Finais A Educação é um ato de poder ensinar e aprender, que tem o papel de vitalidade, na humanização do ser humano e na transformação da sociedade. Segundo Delors ( 2001, p.82-90), a educação é o processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral do ser humano. Para ele, o objetivo da educação é cada individuo compreender-se melhor a si mesmo e aos outros, também é para aprender a fazer, a viver juntos e a ser um humano. O investimento na educação é muito importante para os chineses. No pensamento dos pais, a educação dos filhos é essencial para que tracem objetivos e estabeleçam as bases para a vida. Eles também acreditam que a função da educação para a pessoa é de transformá-la em uma pessoa fiel. Com a influencia das idéias do filósofo Confúcio, a pessoa pode ser aperfeiçoada pelos esforços da educação, e pode levar os estudantes ao caminho certo (DELORS, 2001, p.258). Nesta direção é comum a crença das mães asiáticas de que a educação acabaria por poupar os seus filhos da pobreza de que elas próprias tinham sido vítimas, assim, os pais chineses apóiam de forma contundente o estudo dos filhos, quer seja ele formal ou informal, sendo a família o local de onde partem os maiores incentivos para os imigrantes chineses enfrentarem as dificuldades próprias da vida em um país desconhecido. Os pais esperam que os filhos fortaleçam suas capacidades de viver e de se adaptar ao mundo, com as quais possam contribuir com a sociedade e com os outros. Os pais também valorizam a educação moral e ética das famílias, com a intenção de

12 continuar a educação do confucionismo e da própria cultura chinesa. Para os chineses, o moral e a ética são os valores mais respeitados na família. A idéia dos pais chineses corresponde ao relato de Fairbank, que diz que a função da família é de criar seus filhos para se tornarem leais servidores. (FAIRBANK e MERLE, 2006, p ). Porém, para estes pais a escola brasileira não valoriza muito estes aspectos, estando aí um de seus maiores defeitos. Os filhos de imigrantes chineses relataram que os amigos não os acompanham em algumas atividades, como leitura, tarefas, trabalho da escola, entre outros, pelo fato de não gostarem de ler, estudar, e preferirem festas aos estudos. Isso, na perspectiva da lógica da cultura chinesa, nos faz questionar o porquê de os jovens não gostarem de estudar e preferirem mais as festas ao estudo. Se o motivo da atração é que as festas são mais divertidas, por que não realizar atividades mais interessantes no âmbito da educação e no espaço da escola? E mais, que tipo de cidadão e qual tipo de sociedade serão formados com esta ausência de incentivo aos estudas? Delors (2001, p. 12) indica que deve-se deixar os jovens compreender que é essencial ter a própria responsabilidade, saber da importância da vida, dos estudos, da sabedoria etc., pois eles são à base de um país e o futuro do homem e de um futuro promissor. Os filhos de imigrantes chineses, do grupo daqueles nascidos em Taiwan ou na própria China, disseram que gostam e conversam mais com pessoas da cultura chinesa, ao contrário do outro grupo, dos nascidos no Brasil, que disseram que preferem a cultura brasileira pelo fato de estarem crescendo no Brasil. Tal resultado mostra que a educação e a cultura local influenciam mais nas crianças menores. As opiniões de todos os descendentes chineses demonstraram que eles preferem viver no Brasil, pois é um país que permite às pessoas ter uma vida mais livre e com uma perspectiva maior de futuro.

13 Para os professores dos filhos de imigrantes chineses, apesar destes possuírem um caráter tímido e conservarem a própria cultura, não há dificuldade em sua adaptação à cultura brasileira, seus rendimentos de aprendizagem e o relacionamento com os colegas e os professores da escola são perfeitamente normais, passado o processo inicial de adaptação. Na opinião dos pais, dos filhos e dos professores, a educação é muito importante tanto para o aluno brasileiro, quanto para o aluno estrangeiro. Mas, a atual conjuntura educacional estruturada em Cascavel permite que tais alunos possam ter êxito em sua formação? Os professores que hoje atuam nas escolas que estão preparados para lidar com este tipo de diversidade cultural resguardando cada indivíduo em suas crenças? As escolas públicas brasileiras possuem muitos professores de boa qualidade pedagógica, mas, por que ainda existe pais chineses (ou mesmo brasileiros) que preferem buscar uma escola privada? Por que os pais e os alunos buscam as aulas extras além da aula regular da escola? Na verdade, a estrutura da educação brasileira ainda tem um espaço para melhorar a qualidade do professor e o sistema da educação nacional. A lição mais importante é que os pais, os professores e os filhos busquem estimular e ampliar os interesses em aprender, ou como diria Delors colocar a educação ao longo de toda a vida no coração da sociedade (2001, p ), pois a aprendizagem fortalece a capacidade da pessoa de viver no mundo, também é uma via de cultivação à própria base de desenvolvimento, tanto espiritual quanto material. De forma geral o que se pode apontar com este trabalho é que o processo de adaptação do imigrante chinês na cidade de Cascavel ainda é bastante tímido, tendo na pequena expressividade da etnia seu principal ponto. Apesar desta situação, os filhos destes imigrantes já se inseriram na cultura local e se adaptaram de forma concreta ao

14 processo educacional brasileiro, tendo nos pais e na escola o apoio para superar as distancias culturais de povos tão diferentes. Resta a comunidade chinesa local o incentivo na divulgação de sua própria cultura e à cidade de Cascavel a tarefa de recebelos, incentivar sua adaptação e proporcionar a este ou a qualquer outro povo condições de se sentirem cascavelenses, mesmo que conservem, pratiquem e divulguem suas próprias crenças e hábitos. Referências Bibliográficas DELORS, J. (Org.) Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, FAIRBANK, J. K. e MERLE, G. China uma nova história. Porto Alegre: L&M, TEIXEIRA, J. R. L. A China no Brasil: influências, marcas, ecos e sobrevivência: chineses na sociedade e na arte brasileiras. Campinas: Ed. da Unicamp, 1995.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações.

CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE. Palavras-chave: Curso Normal Superior (CNS), perfil, pretensões e motivações. 24 CNS - ISERJ: RETRATOS DA RESISTÊNCIA DISCENTE Profª Ms Angela Maria Venturini Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro/ISERJ RESUMO O Curso Normal Superior (CNS) do Instituto Superior de Educação

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação

Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Intercâmbio tem relatos de boas experiências e muita superação Professora Áurea Santos, com o grupo de estudantes do Instituto Federal do Piauí pioneiro no intercâmbio com Espanha e a Portugal: A experiência

Leia mais

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes

> Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes > Folha Dirigida, 18/08/2011 Rio de Janeiro RJ Enem começa a mudar as escolas Thiago Lopes Criado em 1998, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), inicialmente, tinha como objetivo avaliar o desempenho

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA

PADRÃO DE RESPOSTA REDAÇÃO CONCURSO PÚBLICO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PREFEITURA DE DUQUE DE CAXIAS/RJ PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA PROFESSOR DE INFORMÁTICA EDUCATIVA 3. O tema: Capacitação e formação continuada como ingredientes indispensáveis ao sucesso do profissional da educação. A exposição e a defesa das ideias do autor do texto

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO

PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO ISSN 2316-7785 PROFESSOR DE MATEMÁTICA E EDUCADOR ESPECIAL: UM PASSO PARA INCLUSÃO RESUMO Karen Rodrigues Copello Universidade Federal de Santa Maria karen_keruso@hotmail.com Debora Silvana Soares Universidade

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

TRABALHANDO COM CÍRCULO E EIXO TRABALHADO: MATEMÁTICA

TRABALHANDO COM CÍRCULO E EIXO TRABALHADO: MATEMÁTICA BOLETIM INFORMATIVO ABRIL/2013 INFANTIL 5 B TRABALHANDO COM CÍRCULO E EIXO TRABALHADO: MATEMÁTICA Ensinar noções básicas de Matemática e Geometria fica muito mais fácil quando se aproveita a curiosidade

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA

A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA A INCLUSÃO ESCOLAR DE UM ALUNO SURDO: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO CARIRI ORIENTAL DA PARAÍBA 1.0 INTRODUÇÃO JUSCIARA LOURENÇO DA SILVA (UEPB) VIVIANA DE SOUZA RAMOS (UEPB) PROFESSOR ORIENTADOR: EDUARDO

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL

BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NOS ANOS INICIAIS: UMA PERSPECTIVA INTERGERACIONAL RESUMO Luana da Mata (UEPB) 1 Patrícia Cristina de Aragão Araújo (UEPB) 2 Este artigo tem como objetivo refletir como as brincadeiras

Leia mais

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA

JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Valinhos, setembro de 2014 1 JOSANE BATALHA SOBREIRA DA SILVA APROXIMANDO CULTURAS POR MEIO DA TECNOLOGIA Relato do Projeto

Leia mais

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1

O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 O PIBID E A FORMAÇÃO DE ALUNOS DA EJA: UMA EXPERIÊNCIA COM EDUCAÇÃO FINANCEIRA 1 Resumo: Delane Santos de Macedo 2 Universidade Federal do Recôncavo da Bahia delayne_ba@hotmail.coml Gilson Bispo de Jesus

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais

Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Diversidade e Inclusão na Escola: Necessidades Especiais Ex ore parvulorum veritas A A verdade sai da boca das crianças as. Ditado Latino Inclusão a qualquer custo? Má Inclusão Inferiorização + Aprendizado

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série).

Primeiro Segmento equivalente à alfabetização e às quatro primeiras séries do Ensino Fundamental (1ª à 4ª série). INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EJA 1- Você se matriculou em um CURSO DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA). Esse curso tem a equivalência do Ensino Fundamental. As pessoas que estudam na EJA procuram um curso

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹

PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PRÁTICA DOCENTE EM TURMA REGULAR E ESPECIAL DE ENSINO: A PERCEPÇÃO DE PROFESSORES SOBRE A INCLUSÃO¹ PEDROTTI, Ana Paula Floss²; GRASSI, Marília Guedes²; FERREIRA, Marilise²; MOREIRA, Nathana Coelho²; NOAL,

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos.

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. Caso seus filhos estejam com alguma dificuldade na escola, peçam orientação

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 324, Toledo PR Fone: 3277-850 PLANEJAMENTO ANUAL NATUREZA E SOCIEDADE SÉRIE: PRÉ I PROFESSOR:

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL EM ENSINO RELIGIOSO. Ma. Simone Riske Koch FURB/FONAPER srkoch@terra.com.br

FORMAÇÃO INICIAL EM ENSINO RELIGIOSO. Ma. Simone Riske Koch FURB/FONAPER srkoch@terra.com.br FORMAÇÃO INICIAL EM ENSINO RELIGIOSO Ma. Simone Riske Koch FURB/FONAPER srkoch@terra.com.br Sou sobrevivente de um campo de concentração. Meus olhos viram o que nenhum homem poderia ver: câmaras de gás

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Perguntem como seus filhos estão nos estudos.

Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. 2 1 2 3 Visitem a escola de seus filhos sempre que puderem. Conversem com os professores. Perguntem como seus filhos estão nos estudos. 4 Caso seus filhos estejam com alguma dificuldade na escola, peçam

Leia mais

Identificação do projeto

Identificação do projeto Seção 1 Identificação do projeto ESTUDO BÍBLICO Respondendo a uma necessidade Leia Neemias 1 Neemias era um judeu exilado em uma terra alheia. Alguns dos judeus haviam regressado para Judá depois que os

Leia mais

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL

UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Título do artigo: UMA BREVE REFLEXÃO SOBRE AS SITUAÇÕES DE ESCRITA EM CONTEXTOS COMUNICATIVOS NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO INICIAL Disciplina: Alfabetização Selecionadora: Beatriz Gouveia 16ª Edição do

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

PROGRAMAs de. estudantil

PROGRAMAs de. estudantil PROGRAMAs de empreendedorismo e protagonismo estudantil Ciclo de Palestras MAGNUM Vale do Silício App Store Contatos Calendário Fotos Safari Cumprindo sua missão de oferecer uma educação inovadora e de

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 A língua, a ciência e a produção de efeitos de verdade Programa Hora de Debate. Campanhas de prevenção contra DST: Linguagem em alerta SOM: abertura (Vinheta de abertura do

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS

A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS A IMPORTÂNCIA DOS FUNCIONÁRIOS NO PROCESSO EDUCATIVO NAS ESCOLAS Carine Ferreira Machado Virago 1 Carla Cristiane Costa 2 Resumo: A nova conjuntura educacional, voltada especialmente a uma educação integral

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 2 Liderança e Comunidade Organizando Voluntariado na Escola Aula 2 Liderança e Comunidade Objetivos 1 Entender o que é liderança. 2 Conhecer quais as características de um líder. 3 Compreender os conceitos de comunidade. 4 Aprender

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento

O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento O interesse por atividades práticas contribuindo na alfabetização através do letramento A contribuição do interesse e da curiosidade por atividades práticas em ciências, para melhorar a alfabetização de

Leia mais

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA

TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA 140 TRABALHO VOLUNTÁRIO VISITA AO LAR DA TERCEIRA IDADE DONA VILMA Lucas Moreira Professor Almiro Ferreira RESUMO Através deste trabalho será desenvolvido o conceito de responsabilidade social, onde para

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ

PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ PREFEITURA DE ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO ROQUE - SP DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES EDUCAÇÃO PARA A PAZ TEMA PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES Educação para a Paz Aplicadores:

Leia mais

Investimento para Mulheres

Investimento para Mulheres Investimento para Mulheres Sophia Mind A Sophia Mind Pesquisa e Inteligência de Mercado é a empresa do grupo de comunicação feminina Bolsa de Mulher voltada para pesquisa e inteligência de mercado. Cem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV VIII Jornada de Estágio de Serviço Social ASSOCIAÇÃO REVIVER DE ASSISTÊNCIA AO PORTADOR DO VÍRUS HIV HEY, Claudia Maria 1 BONOMETO, Tatiane Caroline 2 TRENTINI, Fabiana Vosgerau 3 Apresentador (es): Claudia

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1

CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 1 CartilhaEscola_Final.qxp:escola 9/16/08 6:23 PM Page 2 1 2 3 VISITEM A ESCOLA DE SEUS FILHOS SEMPRE QUE PUDEREM. CONVERSEM COM OS PROFESSORES. PERGUNTEM

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica

RESUMO. Palavras-chave: Educação matemática, Matemática financeira, Pedagogia Histórico-Crítica POSSIBILIDADES DIDATICO-PEDAGÓGICAS NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA: UMA PROPOSTA ENTRE DOMÍNIOS DE CONHECIMENTOS NA ESCOLA ESTADUAL INDIGENA CENTRAL EDUCAÇÃO BÁSICA KĨSÊDJÊ Rosimeyre Gomes da Silva

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM

USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Introdução USANDO A REDE SOCIAL (FACEBOOK) COMO FERRAMENTA DE APRENDIZAGEM Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho EEEFM Agenor Clemente dos Santos paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS COLÉGIO J. OLIVEIRA PROJETO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 01. JUSTIFICATIVA: Entendemos que a Educação de Jovens e Adultos foi concebida para resgatar aqueles que por vários motivos tenham

Leia mais

Projeto Ludoteca do Turismo: atuação em escolas de Pelotas

Projeto Ludoteca do Turismo: atuação em escolas de Pelotas Projeto Ludoteca do Turismo: atuação em escolas de Pelotas Carmen Maria Nunes da Rosa 1. Universidade Federal de Pelotas Resumo: O presente trabalho trata das atividades, desenvolvidas pelo projeto Elaboração

Leia mais

EMTI JARDIM NOVO MUNDO Goiânia, 14 de junho de 2013 Tabulação do questionário Assembleia do Estudantes

EMTI JARDIM NOVO MUNDO Goiânia, 14 de junho de 2013 Tabulação do questionário Assembleia do Estudantes EMTI JARDIM NOVO MUNDO Goiânia, 14 de junho de 2013 Tabulação do questionário Assembleia do Estudantes Sim (32) Não (00) Sim (12) Nulo (20) 01 Está gostando das aulas? Estão atendendo suas expectativas?

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais