1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL"

Transcrição

1 1. O CIMENTO NO UNIVERSO SECIL 1.1 O UNIVERSO SECIL A Secil teve a sua origem na Companhia de Cimentos de Portugal, fundada em 1904, que instalou uma fábrica de cimento no Outão, junto à foz do Sado. Essas instalações e terrenos anexos foram adquiridos em 1918, pela Companhia Geral de Cal e Cimento que, em 1925, veio a arrendá-los à Sociedade de Empreendimentos Comerciais e Industriais, Lda. O nome SECIL provém exactamente da designação desta última empresa. A fusão das duas Sociedades, ocorrida em 1930, logo seguida da participação das firmas dinamarquesas F.L. Smidth & Co. e Hojgaard e Schultz A/S, deu lugar à sociedade com a designação actual: SECIL Companhia Geral de Cal e Cimento, S.A. Hoje os accionistas da Secil são a SEMAPA, S.A., que detém a maioria do capital, e a FLSHH, SGPS, Lda., holding que agrupa as participações dos accionistas dinamarqueses. A SEMAPA é uma holding cotada na Bolsa de Valores de Lisboa, constituída com o objectivo de gerir a participação maioritária na Secil, tendo como accionista maioritário a família Queiroz Pereira, com fortes tradições nas actividades industrial e financeira portuguesas. A FLSHH, SGPS, Lda. é uma holding que integra as participações da FLS Industries A/S (ramo industrial do Grupo FLS, criado em 1882, é o maior grupo industrial na Dinamarca, tradicionalmente especializado no fabrico e montagem de equipamento de produção de cimento) e da Hojgaard Holding A/S (principal accionista da Hojgaard & Schultz, grande empreiteiro internacional de obras públicas, especializado em obras marítimas). Mantendo o núcleo da sua actividade na produção de cimento, a Secil integra hoje um conjunto de cerca de 30 Empresas O Universo Secil que operam em áreas complementares, desde as pedreiras aos produtos para bricolagem, passando pelo betão e prefabricados dele derivados, cal hidráulica, rebocos e revestimentos vários, fibrocimento, madeira-cimento, etc. A produção e comercialização de cimento cinzento e branco são feitas pela Secil através de uma estrutura orgânica e funcionalmente integrada, que engloba a própria Secil e uma empresa por ela detida 100% - a CMP, Cimentos Maceira e Patais, S.A., garantindo assim padrões homogéneos de qualidade dos produtos saídos das suas três fábricas que operam em Portugal, bem como unidade do Serviço de Apoio a Clientes e no Sistema de Distribuição de Cimento. A responsabilidade individualizada de cada centro de produção e uma completa solidariedade institucional perante os Clientes são aspectos essenciais da filosofia da Secil, constituindo um exemplo de Qualidade, Tradição e Inovação na Indústria Portuguesa. Qualidade, Tradição e Inovação a pensar nos seus Clientes, nos Trabalhadores que a integram, nos Accionistas que nela investiram, nos Fornecedores que a alimentam e nas Comunidades locais onde se insere. A qualidade afirma-se nos produtos e no serviço prestado, no rigor com que se cumprem os compromissos assumidos, na flexibilidade para responder a situações imprevistas, na disponibilidade para procurar soluções em conjunto com os seus Clientes e na prestação da informação necessária na altura certa. A Tradição sente-se no brio profissional que conduz à permanente procura de superação da qualidade conseguida e no estrito cumprimento de normas muito exigentes. A Tradição revê-se no respeito pela longa história das suas unidades fabris, cujas marcas Secil, Maceira-Liz e Cibra permanecem na memória de quem viveu o tempo em que elas eram já um símbolo de progresso na Indústria Portuguesa. Tradição a que se junta uma decidida capacidade inovadora, concretizada em produtos e processo produtivos, resultantes de uma investigação continuada. Inovação bem patente no lançamento de novos produtos, com relevo para os painéis de madeira-cimento e o reboco projectável, fabricados por empresas em que a Secil detém uma importante participação. Inovação quando, ao participar na fundação da Ecoresíduos, procura ir mais adiante nos seus próprios avanços no campo da poupança de energia e na pesquisa de fontes energéticas alternativas, com base no aproveitamento de resíduos de outras indústrias. Tradição e Inovação que justificam ainda o cuidado com que a Secil selecciona as áreas de actividade por onde decide prosseguir o seu caminho e também os sócios que escolhe para com eles compartilhar conhecimentos, experiência e responsabilidade. Qualidade, Tradição e Inovação que procura simbolizar na instituição de Prémios que recompensem e façam permanecer na memória colectiva Obras feitas com os materiais que são fruto do seu trabalho.

2 1.2. O GRUPO CIMENTEIRO FÁBRICA SECIL-OUTÃO O Complexo fabril do Outão integra uma das maiores fábricas de cimento existentes em Portugal. Já na década de 70, dispunha de seis fornos em laboração, com uma produção diária de toneladas de cimento Portland. Actualmente, com uma produção superior a toneladas/ano dos vários tipos de cimento cinzento, todo o processo de fabrico no Outão é feito por via seca, o que, aliado à possibilidade das suas linhas de fabrico poderem queimar carvão, fuelóleo, gás e coque de petróleo, lhe dá grande flexibilidade, permitindo a optimização do consumo energético e a obtenção de excelentes índices de consumo de combustíveis por tonelada de cimento produzida. Caracterização da Fábrica Secil-Outão Localização: Outão, junto a Setúbal. Dispõe de porto próprio para expedição de cimento. Capacidade de produção efectiva de Clínquer: t/ano. Capacidade de produção de cimento: t/ano. Tecnologia de fabrico: Via seca. Combustível utilizado: Carvão e coque de petróleo, fuel para os acendimentos dos fornos. Britagem: Britador de martelos EV 200/300 FLS de t/h. Pré-homogeneização: Circular FLS, tipo CHO para t. Moinhos de cru: 1 moinho vertical Pfeiffer MPS de 185 t/h. 1 moinho vertical Atox 50 FLS de 280 t/h. Fornos: Forno 8 FLS Ø5m x 80m com pré-aquecedor de 4 etapas e arrefecedor planetário (10 satélites) de t/d. Forno 9 FLS Ø5,25m x 83m com pré-aquecedor de 4 etapas e arrefecedor planetário (9 satélites) de t/d. Moinhos de cimento: Moinho 1 Unidan FLS de 3 câmaras com Ø2,9m x 10,4m de C.V., circuito aberto e 30 t/h de capacidade. Moinho 4 Combidan FLS de 2 câmaras com Ø3,8m x 12m de C.V., circuito fechado com Separador SEPAX e 99 t/h de capacidade. Moinho 5 Combidan FLS de 2 câmaras com Ø4,2m x 14m de C.V., circuito fechado com Separador SEPAX e 150 t/h de capacidade. Moinho 6 Combidan FLS de 2 câmaras com Ø3,2m x 11m de C.V., circuito fechado com Separador SEPAX e 53 t/h de capacidade. Embalagem e expedição: 2 Ensacadoras rotativas Haver&Boecker de 6 bicos 2 x sacos/h. 2 Ensacadoras rotativas FLS de 12 bicos 2 x sacos/h. 1 Paletizadora/empacotadora com plástico retráctil Möller de 66 t/h. 1 Paletizadora/empacotadora com plástico retráctil Möller de 100 t/h. 7 pontos de carga de cimento a granel com báscula automática. 1 sistema de carga de navios a granel com a capacidade de 600 t/h. Tipos de cimento fabricado: Segundo a Norma NP EN 197-1: CEM I 42,5R, CEM I 52,5R, CEM II/B-L 32,5N, CEM II/A-L 42,5R e CEM IV/A(V) 32,5R. Marca comercial: Secil Sempre na procura da inovação e garantia da qualidade, a Secil introduziu também no Outão, logo a partir da década de 70, sistemas automáticos de controlo analítico e do processo de fabrico que asseguram a uniformidade de condições de exploração durante as 24h/dia de laboração contínua da fábrica. A localização privilegiada da fábrica do Outão permite que a Secil tenha aí dois cais acostáveis, dotados de meios autónomos de carga e descarga simultâneas. No domínio da embalagem, dispõe de modernos sistemas de ensacamento e de empacotamento plastificado de sacos (no que foi pioneira em Portugal), estando equipada para efectuar a paletização automática e o carregamento sobre camião ou barco. Também a inauguração, em 1995, do novo terminal ferroviário de Praias do Sado, servido de bons acessos por estrada e dispondo de amplos espaços de parqueamento e movimentação, veio assegurar uma melhor programação do transporte dos produtos, bem como uma efectiva complementarização dos transportes marítimo, rodoviário e ferroviário. No início de 1999, a Certificação Ambiental pela norma ISO 14001, sendo uma das dez primeiras entre as 330 fábricas de cimento a laborar em toda a Europa, constitui novo marco na história da Secil e desta unidade fabril. Em 2001 foram instalados novos filtros de mangas nos fornos, em paralelo com os electrofiltros existentes, permitindo aumentar a garantia do nível de despoeiramento de excelência.

3 1.2.2 FÁBRICA MACEIRA-LIZ A 4 de Julho de 1920, na Gândara (próximo de Leiria), era colocada a primeira pedra da futura fábrica de cimentos Maceira- -Liz, que a 3 de Maio de 1923 foi inaugurada oficialmente com o início de laboração do seu primeiro forno. Com o arranque da primeira linha de produção, lançou-se no mercado a marca de cimento Liz, um cimento do tipo Portland, rapidamente absorvido pelo consumo interno, que, reconhecendo a sua qualidade, justificou, cinco anos depois, a instalação de uma segunda linha de fabrico. A composição química dos calcários e margas das pedreiras adstritas à fábrica, ao revelar-se a mais indicada para o processo de fabrico por via seca, deu origem a que esse processo fosse usado pela primeira vez no nosso País. Entre 1968 e 1970 entraram em funcionamento duas novas linhas de produção, apresentando como inovação, em Portugal, os fornos curtos com torres de pré-aquecimento e o comando centralizado de todo o processo fabril. Linhas essas que, após remodelação em 1986, são hoje responsáveis pela produção de mais de um milhão de tolenadas/ano. Caracterização da Fábrica Maceira-Liz Localização: Situada a 13 km de Leiria, Dispõe de ramal ferroviário próprio de 5km, ligado à linha do Oeste da Martingança. Moinhos de cru: 2 Moinhos FCB, de duplo rotor Ø3,2m x 10,75m, acoplados a um britador-secador Hazemag, de 2 x 100 t/h. Capacidade de produção efectiva de Clínquer: t/ano. Capacidade de produção de cimento: t/ano. Tecnologia de fabrico: Via seca. Combustível utilizado: Carvão, coque de petróleo e pneus usados, fuel para os acendimentos dos fornos. Fornos: 2 Fornos FCB de Ø4m x 64m com torre de ciclones Prerof de 4 etapas e arrefecedor de grelhas horizontal Fuller, de 2 x t/d de clínquer. Instalação de queima de pneus inteiros usados Stolberger com capacidade máxima de 3t/h. Moinhos de cimento: 1 Prensa de Rolos Polycom 14/6 de 200 t/h para pré-moagem do clínquer. 3 Moinhos Polysius de Ø3,4m x 12,57m, em círculo fechado, tendo um deles um separador dinâmico O-SEPA N 1500, Embalagem e expedição: 3 Ensacadoras rotativas Haver&Boecker de 8 bicos 3 x sacos/h. Britagem: Britador O&K com crivo Dragon de 200cm x 550cm em linha, de 600 t/h. Pré-homogeneização: Parque coberto de 2 x t, com alimentação e retoma Delattre Levevier. 1 Paletizadora Beumer. 1 Paletizadora/empacotadora com plástico retráctil Beumer. 4 pontos de carga de cimento a granel, dois dos quais destinados a carga de camiões-cisternas em regime de self-service e outros dois para carga de cisternas ferroviárias. Tipos de cimento fabricado: Segundo a Norma NP EN 197-1: CEM I 42,5R, CEM I 52,5R, CEM II/B-L 32,5N. Marca comercial: Maceira-Liz. Em todo o processo de fabrico são utilizados avançados meios tecnológicos, introduzidos pela primeira vez em Portugal, como sejam a prensa de rolos na moagem do clínquer e o sistema de carregamento rodoviário de cimento a granel em regime de selfservice. A ensilagem do cimento e o cais de carga foram dotados dos equipamentos mais modernos, permitindo grande fluidez no abastecimento dos camiões e dos vagões de caminho de ferro que transportam o cimento a granel e o cimento ensacado, quer sob a forma de paletes pré-formadas, quer sob a forma de pacotões plastificados. Foi também ali que se deu início a um processo de aproveitamento de pneus usados como fonte energética para a produção, representando actualmente 10 a 13% da energia necessária para os fornos. Outro dos domínios de inovação em que a Maceira-Liz se distingui foi na produção de embalagens, existindo no seu perímetro industrial, há mais de 50 anos, uma fábrica de sacos de papel com uma capacidade de produção de 45 milhões de unidades/ano, parte da qual é vendida a outras indústrias, particularmente rações.

4 No ano 2000 foram montados novos filtros de mangas, na exaustão dos fornos e arrefecedores, permitindo alcançar um novo patamar de eficácia que, podemos afirmá-lo, corresponde a um nível de excelência no domínio do despoeiramento. Maceira-Liz é, pois, uma fábrica com uma longa história, bem documentada num original museu, onde o público pode apreciar peças valiosas ligadas aos primórdios da indústria e que estão catalogadas no estrangeiro como exemplares raros FÁBRICA CIBRA-PATAIAS Em 1944, numa época em que a produção de cimento era manifestamente insuficiente para as necessidades existentes e as indústrias de mosaico hidráulico eram obrigadas a importar do estrangeiro o cimento branco de que necessitavam, nasce e CIBRA Companhia Portuguesa de Cimentos Brancos, S.A.R.L. A Cibra instala-se em Pataias decidida a tirar partido das vantagens naturais da região, cuja pedra e areias apresentavam a qualidade necessária ao fabrico daquele tipo de cimento e já tinha justificado a fabricação, na zona, do único ligante utilizado na construção da Abadia de Alcobaça. Inaugurada em 5 de Fevereiro de 1950, a primeira linha de fabrico de cimento branco era constituída por um forno rotativo e pelos demais equipamentos complementares necessários ao fabrico daquele tipo de cimento. A produção de cimento branco é um processo complexo e extremamente exigente ao nível da selecção e controlo da qualidade das matérias-primas, bem como de todo o processo de fabrico. O óxido de cálcio é fornecido pelo calcário das pedreiras da Cibra, um calcário de grande pureza, ideal para o fabrico daquele produto. O processo de fabrico encontra-se em aperfeiçoamento contínuo em resultado de aturado trabalho laboratorial e de uma atitude de permanente desafio de superação profissional. Assumindo as mais variadas texturas e cores, depois de pigmentado, o cimento branco pode contribuir significativamente para estética da obra arquitectónica, de que são exemplos a Torre do Tombo ou o Pavilhão do Conhecimento dos Mares. Dispondo de laboratórios e serviços técnicos especializados na aplicação e utilização daquele produto, a Cibra está em condições de fornecer todas as orientações e informações que lhe sejam pedidas pelos seus Clientes, com vista à obtenção dos melhores resultados e à prestação de um serviço completo de qualidade. Por outro lado, a Cibra fabrica também cimento cinzento, tendo actualmente uma capacidade anual de produção superior a toneladas dos dois tipos de cimento. Caracterização da Fábrica Cibra-Pataias Localização: Situada a 22km de Leiria. Dispõe de ligação ferroviária à linha do Oeste. Capacidade de produção efectiva de Clínquer: t/ano de clínquer cinzento t/ano de clínquer branco. Capacidade de produção de cimento: t/ano de cimento cinzento e t/ano de cimento branco.. Tecnologia de fabrico: Via seca para o clínquer cinzento e via sem-húmida para o clínquer branco. Combustível utilizado: Carvão e coque de petróleo para o clínquer cinzento e coque de petróleo para o clínquer branco. Britagem: 1 Britador de martelos Cometna de 350 t/h. 1 Brittador Nery de 60 t/h. Pré-homogeneização: Circular FLS, tipo CHO para t. Moinhos de cru: 1 moinho Humboldt de Ø4m x 6,5m de 100 t/h na linha de cimento cinzento. 1 moinho Polysius de Ø3,7m x 7m de 35 t/h na linha de cimento branco. Fornos: 1 forno Polysius Dopol de Ø3,6m x 54m, com uma torre de ciclones de 4 etapas, com um arrefecedor Recupol, de t/d de clínquer cinzento. 1 forno Polysius Lepol de Ø3,1m x 36m, com arrefecedor rotativo em meio redutor, de 250 t/d de clínquer branco. Moinhos de cimento: 1 Moinho FLS de Ø2,9m x 9,6m em circuito fechado, com separador dinâmico Sepol SV 140/0, com 45 t/h de capacidade de produção de cimento cinzento. 1 Moinho FLS de Ø2,96m x 15m em circuito fechado, com 22 t/h de capacidade de produção de cimento branco. Embalagem e expedição: 1 Ensacadora rotativa Haver&Boecker de 8 bicos sacos/h para cimento cinzento. 1 Ensacadora rotativa Haver&Boecker de 4 bicos em linha de 800 sacos/h para cimento branco. 1 Paletizadora Ventomatic de sacos/h comum para os dois tipos de cimento. Pontos de carga a granel de cimento cinzento e cimento branco, para camiões e cisternas ferroviárias, de 100t/h. Tipos de cimento fabricado: Segundo a Norma NP EN 197-1: CEM II/B-L 32,5N Segundo a Norma CEM I52, 5N(br), CEM II/A-L42,5R(br), CEMII/B-L32,5R(br). Marca comercial: Cibra e Cibra-branco.

5 1.2.4 FÁBRICA SECIL-GABÈS A Sociedade de Cimentos Gabès foi criada em Novembro de 1973 com o objectivo de construir e explorar uma cimenteira com capacidade de produção anual de toneladas de clínquer. Sendo a fábrica mais meridional do país, satisfaz as necessidades dos mercados das regiões do Sul, que se tornaram assim, privilegiadas. A Fábrica de Gabès arrancou em Junho de 1977, e, pela primeira vez na Tunísia, entraram em funcionamento dois fornos rotativos, cada um com uma capacidade toneladas por dia, duas torres de ciclones de pré-aquecimento com quatro andares cada e dois arrefecedores de grelha, em ligação com uma sala de comando e de controlo centralizado. Preparação, transporte, armazenagem e pré-homegeneização O material, após extracção, apresenta-se em grandes blocos (até cerca de 1m3), pelo que se torna necessário reduzir o seu tamanho a uma granulometria compatível com o transporte, armazenagem e alimentação das fases seguintes de fabrico, operação que é feita em britadores. A armazenagem da matéria-prima, sempre em grandes quantidades, é efectuada de modo a conseguir-se uma primeira homogeneização. Obtenção do Cru A empresa conheceu um processo de evolução relativamente rápido. Com efeito, no ano de 1984, veria os seus valores nominais de produção de clínquer ultrapassados e os anos 90 consagraram o esforço de desenvolvimento da actividade, atingindo-se recordes históricos em todos os domínios. Uma renovação integral do sistema de ensacagem e expedição, utilizando os equipamentos e tecnologias de melhor performance, permitiu o culminar das vendas num recorde de 950 mil toneladas de produtos. Deste modo, a quota de mercado nacional subiu para 17%. Este salto em frente é hoje sustentado por um ambiente industrial adequado, uma prestação de serviços qualificada e a disponibilidade de uma estrutura portuária consequente. Atributos que estão em consonância com a visão e posicionamento da Secil, que ao adquirir a Sociedade de Cimentos de Gabès, em Janeiro de 2000, iniciou assim, o seu processo de internacionalização. As matérias-primas seleccionadas (calcário, marga, argila e materiais de correcção como a areia e óxido de ferro) são dosificadas tendo em consideração a qualidade do produto a obter, operação controlada por computadores de processo. São então finalmente moídas em moinhos tubulares, contendo corpos moentes, ou em moinhos verticais de mós, obtendo-se o produto designado por cru, que é armazenado e homogeneizado em silos próprios. Cozedura O cru é extraído dos silos de armazenagem e introduzido no sistema de pré-aquecimento (torre de ciclones), onde é aquecido pelos gases de escape resultantes da queima do combustível. O material entra então no forno, deslocandose ao longo deste devido à sua rotação e ligeira inclinação, prosseguindo o aquecimento e desenrolando-se as reacções físico-químicas do processo da clinquerização, obtendo-se o produto clínquer FÁBRICA TECNOSECIL-LOBITO Fábrica situada em Angola, explorada com base no contrato de cessão de exploração pela ENCIME Unidade Económica do Estado à TecnoSecil, sociedade em que a Secil detém 70% do capital. A capacidade de produção de cimento, após reabilitação, será de toneladas por ano. 1.3 O PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO Extracção das matérias-primas nas pedreiras A partir dos 1450ºC, inicia-se o arrefecimento do clínquer ainda dentro do forno, sendo completado nos arrefecedores de satélites ou grelha, onde é introduzido ar em contracorrente com o clínquer, aproveitando-se este ar aquecido para uma boa queima de combustível (carvão ou coque de petróleo pulverizados, fuelóleo ou outros combustíveis secundários, como os pneus usados na fábrica Maceira-Liz). Moagem de clínquer e armazenagem de cimento As matérias-primas mais significativas na produção de cimento são o calcário, a marga e a argila, extraídos de pedreiras. A exploração destas é feita a céu aberto, em patamares, sendo o desmonte efectuado com explosivos, os quais são introduzidos em furos abertos por máquinas perfuradoras. O cimento é obtido a partir da moagem do clínquer, com introdução de aditivos em proporções bem definidas, de acordo com o plano de qualidade, obtendo-se os diferentes tipos de cimento, com características específicas e adequadas à sua utilização, os quais são armazenados em silos devidamente identificados.

6 Expedição A comercialização do cimento é feita a granel (transportado em cisternas ferroviárias e rodoviárias ou em navios), em sacos, sobre paletes de madeira e em pacotões plastificados de sacos, embalados em linhas de ensacamento e paletização automatizadas. DIAGRAMA DO FABRICO DE CIMENTO PEDREIRAS PERFURAÇÃO TRANSPORTE BRITAGEM PRÉ-HOMOGENEIZAÇÃO CARVÃO MOAGEM DE CARVÃO TORRES DE CICLONES CALCÁRIO + MISTURA ADITIVOS MOAGEM DE CRU ARREFECIMENTO HOMOGENEIZAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE CRU CLÍNQUER GESSO CLÍNQUER ADITIVOS ENSILAGEM DE CIMENTO MOAGEM DE CLÍNQUER ENSACAGEM E EXPEDIÇÃO EXPEDIÇÃO EM GRANEL EXPEDIÇÃO EM SACOS (PALETES/PACOTÕES)

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO

PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO Índice Introdução. 2 1 Pedreiras... 3 2 - Furação e rebentamento.. 4 3 - Britagem... 5 4 - Transporte do material britado. 6 5 - Ensilagem e pré-homogeneização 7 6 - Moagem

Leia mais

Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 Declaração Ambiental l Fábrica Maceira l Liz l 2010

Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 Declaração Ambiental l Fábrica Maceira l Liz l 2010 Declaração Ambiental Fábrica Maceira l Liz 2010 CMP Cimentos Maceira e Pataias, S.A. Capital: 85 375 000 Euros Sede: Maceira-Liz, 2405-019 MACEIRA LRA Contribuinte nº 502 802 995 Matric. Conservatória

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006

DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006 DECLARAÇÃO AMBIENTAL INTERCALAR FÁBRICA MACEIRA-LIZ 2006 CMP Cimentos Maceira e Pataias, S.A. Capital: 85 375 000 Euros Sede: Maceira-Liz, 2405-019 MACEIRA LRA Contribuinte nº 502 802 995 Matric. Conservatória

Leia mais

Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas

Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas Cimento: Uma matéria-prima essencial no fabrico de argamassas Noel Varela Secil, SA Portugal nvarela@secil.pt Fernando Sales Vieira Secil, SA Portugal sales@secil.pt Sumário: A actual tendência para a

Leia mais

CIMPOR Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 2012 CENTRO DE PRODUÇÃO DE. Alhandra DECLARAÇÃO AMBIENTAL PÁG. 1

CIMPOR Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 2012 CENTRO DE PRODUÇÃO DE. Alhandra DECLARAÇÃO AMBIENTAL PÁG. 1 CENTRO DE PRODUÇÃO DE Alhandra CIMPOR DECLARAÇÃO AMBIENTAL 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 3. O CENTRO DE PRODUÇÃO DE ALHANDRA 3.1. Evolução Histórica 3.2. Produtos 4. POLÍTICA DO AMBIENTE

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Centro de Produção de. Alhandra. Declaração Ambiental

Centro de Produção de. Alhandra. Declaração Ambiental Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 26 Centro de Produção de Alhandra Declaração Ambiental 26 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES 3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 4. O CENTRO DE PRODUÇÃO

Leia mais

Intervenções de Manutenção na Linha de Fabrico de Cimento Branco OPTIMIZAÇÃO DO BRITADOR DE CLÍNQUER

Intervenções de Manutenção na Linha de Fabrico de Cimento Branco OPTIMIZAÇÃO DO BRITADOR DE CLÍNQUER Instituto Politécnico de Coimbra Instituto Superior de Engenharia Intervenções de Manutenção na Linha de Fabrico de Cimento Branco OPTIMIZAÇÃO DO BRITADOR DE CLÍNQUER Luís Miguel Agostinho Henriques Relatório

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes.

CIMENTO PORTLAND. A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Histórico A procura por segurança e durabilidade para as edificações conduziu o homem à experimentação de diversos materiais aglomerantes. Os romanos chamavam e sse s materiais de " caeme ntu m", termo

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.174.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A.

REACH na Indústria Cimenteira. Cláudia Neto Secil, S.A. REACH na Indústria Cimenteira Cláudia Neto Secil, S.A. Principais desafios para a indústria Identificar e Caracterizar as substâncias; Documentar o uso dessas substâncias (CSR-Relatório de Segurança dos

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

b) Forno: equipamento utilizado para produção do clinker.

b) Forno: equipamento utilizado para produção do clinker. REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E COMÉRCIO E DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO REGULAMENTO DE PRODUÇÃO, COMERCIALIZACAO E GARANTIA DA QUALIDADE DE CIMENTO CORRENTE CAPÍTULO I Disposições gerais

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.173.02 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Centro de Produção de. Souselas. Declaração Ambiental

Centro de Produção de. Souselas. Declaração Ambiental Centro de Produção de Souselas Declaração Ambiental 2006 Centro de Produção de Souselas Declaração Ambiental 2006 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES 3. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 4. O CENTRO DE

Leia mais

UVW 3. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1.1. ENQUADRAMENTO 3.1.1.1. FABRICAÇÃO DE CIMENTO

UVW 3. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1.1. ENQUADRAMENTO 3.1.1.1. FABRICAÇÃO DE CIMENTO 3. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1. DESCRIÇÃO DO PROJECTO 3.1.1. ENQUADRAMENTO O projecto em estudo consiste na operação de uma instalação de valorização energética de Resíduos Industriais Perigosos (RIP), nos

Leia mais

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento

Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento Despoeiramento industrial Ventilação Ecologia Recuperação de energia Pintura e Acabamento A Empresa Sediada na Trofa há mais de 25 anos, somos uma empresa dinâmica que oferece uma gama de soluções que

Leia mais

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA

IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA IBEROL SOCIEDADE IBÉRICA DE BIOCOMBUSTÍVEIS E OLEAGINOSAS, SA APRESENTAÇÃO A IBEROL foi constituída em 1967, na altura com a denominação social de IBEROL Sociedade Ibérica de Oleaginosas, SARL. Tinha por

Leia mais

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO

TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO TECNOLOGIA PARA BENEFICIAMENTO de Matérias-Primas na Indústria Siderúrgica Tecnologia confiável Disponibilidade elevada 60 anos de experiência As melhores referências CARVÃO COQUE ArcelorMittal Tubarão,

Leia mais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais

Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Produção Mais Limpa: Melhores Técnicas de Destinação de Resíduos Industriais Legislação Classificação dos Resíduos NORMA ABNT 10.004 CLASSE I - PERIGOSOS CLASSE II - NÃO PERIGOSOS classe II A não inertes

Leia mais

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA Certificação ISO 9001:2008 ACTIVIDADE E SERVIÇOS Engenharia, construção e instalação de equipamentos industriais, destacando-se: - Tratamento de efluentes

Leia mais

O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas

O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas O exemplo das MTD na indústria do cimento Seminário da Qualidade do Ar Centro de Produção Souselas O Dias exemplo Gomes das / Telma MTD Rocha na indústria 29/11/2011 do cimento Dias Gomes / Telma Rocha

Leia mais

Fábrica Secil-Outão. Declaração Ambiental

Fábrica Secil-Outão. Declaração Ambiental Fábrica Secil-Outão Declaração Ambiental 2002 2006 SECIL Companhia Geral de Cal e Cimento, S.A. Capital: 264 600 000 Euros Sede: Outão SETÚBAL Contribuinte nº 500 243 590 Matric. Conservatória Registo

Leia mais

Ir mais longe até onde for o futuro!

Ir mais longe até onde for o futuro! Ir mais longe até onde for o futuro! DOSSIER DE IMPRENSA 2010 Luís Simões A Luís Simões (LS) é composta por 10 empresas juridicamente autónomas e agrupadas em 3 unidades de negócio: transporte, logística

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490-115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@topeca.pt www.topeca.pt topeca dinamit Pág. 2 utilização Topeca

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais

Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais VII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí VII Jornada Científica 21 a 23 de outubro de 2014 Análise de indústrias cimenteiras e seus impactos socioambientais Warley Alves Coutinho CHAVES

Leia mais

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria

Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO. www.rehau.pt. Construção Automóvel Indústria Soluções REHAU PARA A REABILITAÇÃO Uma APLICAÇÃO PARA CADA NECESSIDADE www.rehau.pt Construção Automóvel Indústria A REABILITAÇÃO, UMA SOLUÇÃO COM SISTEMAS PARA O AQUECIMENTO E O ARREFECIMENTO POR SUPERFÍCIES

Leia mais

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE...

.2.3 HISTÓRICO... 05. MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... HISTÓRICO... 05 MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLíTICA DE QUALIDADE... 06 OPERAÇÃO PORTUÁRIA... 08 ATIVIDADES... 08 QUALIDADE... 10 EVOLUIR SEMPRE... 12 ALTA TECNOLOGIA PARA GRANDES RESULTADOS... 15 EQUIPAMENTOS...

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Cimento A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

A Indústria de Cimento no Brasil

A Indústria de Cimento no Brasil A Indústria de Cimento no Brasil História e desenvolvimento Perspectivas de médio prazo Posicionamento atual e tecnologia Álvaro Lorenz 17 de Outubro de 2.012 A Indústria de Cimento no Brasil História

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

Tecnologia de sistemas.

Tecnologia de sistemas. Tecnologia de sistemas. HYDAC Dinamarca HYDAC Polônia HYDAC Brasil HYDAC Índia HYDAC China HYDAC França HYDAC Alemanha Seu parceiro profissional para a tecnologia de sistemas. Com mais de 7.500 colaboradores

Leia mais

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria

Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Casos de estudo de técnicas adoptadas pela indústria Marisa Almeida / Pedro Frade Unidade de Ambiente e Sustentabilidade 29-11-2011 Seminário Qualidade do Ar Coimbra 29.Novembro.2011 1 Conteúdo Documentos

Leia mais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais

A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Infraestrutura no Brasil e a Expansão da Produção dos Bens Minerais A Visão da Indústria do Cimento Sergio Maçães Integração de atividades minerais e industriais Mineração: calcário matéria prima básica

Leia mais

REFERÊNCIAS RELACIONADAS A PLANTAS DE CIMENTO

REFERÊNCIAS RELACIONADAS A PLANTAS DE CIMENTO Rio Branco do Sul - PR Fornos / Instalações Afins Projeto Executivo: Engenharia de integração de projetos e detalhamento para uma nova planta de cimento com capacidade de 5.000 tpd. Primavera - PA Fornos

Leia mais

INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND

INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND Raquel Ramos Pereira INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO PORTLAND Lisboa 2010 INCORPORAÇÃO DO FOSFOGESSO COMO SUBSTITUTO DO GESSO NATURAL NO PROCESSO

Leia mais

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade:

Tecnol. Mecânica: Produção do Gusa Introdução: conhecimentos tecnológicos que faltavam ao homem da antiguidade: Introdução Você já parou para imaginar um mundo sem coisas simples como facas, agulhas de costura, chaves, fechaduras, alfinetes lâminas de barbear? Pois é, não faz muito tempo, na verdade cerca de 500

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA. 3. O CENTRO DE PRODUÇÃO DE SOUSELAS 3.1 Evolução Histórica 3.2 Produtos 5. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA. 3. O CENTRO DE PRODUÇÃO DE SOUSELAS 3.1 Evolução Histórica 3.2 Produtos 5. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL Índice 1. INTRODUÇÃO 2. DESCRIÇÃO DA EMPRESA 3. O CENTRO DE PRODUÇÃO DE SOUSELAS 3.1 Evolução Histórica 3.2 Produtos 4. POLÍTICA DO AMBIENTE 5. SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 6. PROCESSO DE FABRICO DE CIMENTO

Leia mais

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura

Sistemas de mecanização. Engª Elza Nakakura Sistemas de mecanização Engª Elza Nakakura Etapas de serviços de revestimento Etapas Convencional Projetado Recebimento/armazenagem Dosagem da argamassa 3 produtos Baias Peneirar areia Quantificação dos

Leia mais

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland

ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade. Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland ECOEFICIÊNCIA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CIMENTO: Gestão de carbono para a sustentabilidade Yushiro Kihara Associação Brasileira de Cimento Portland Sumário Introdução Desafios da mitigação de Gases de

Leia mais

4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO

4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO 4. ASPECTOS OPERACIONAIS ASSOCIADOS À FÁBRICA DA SECIL- OUTÃO 4.1. MATERIAIS UTILIZADOS E PRODUZIDOS Nos quadros seguintes apresenta-se as quantidades das principais entradas (matérias primas primárias

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BRITADOR IMPACTO DE EIXO VERTICAL (VSI) ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. Os Britadores de eixo vertical VSI, projetado pela ZL Equipamentos, são confeccionados aqui no Brasil, ou

Leia mais

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio:

Yushiro Kihara. Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP. O grande desafio: Concreteshow 2012 1 Mudanças Climáticas e Sustentabilidade Cenário e Desafios da Indústria Brasileira de Cimento Yushiro Kihara Prof Dep. Geociëncia USP Gerente de Tecnologia ABCP DESAFIOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015

CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 CONTRIBUTO DAS ARGAMASSAS NA SUSTENTABILIDADE LISBOA 15.05.2015 ÍNDICE SOLUÇÕES EM ARGAMASSAS PARA A REABILITAÇÃO ENERGÉTICA Sobre a Secil Argamassas Perspectiva de melhoramento do conforto André Correia

Leia mais

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010.

Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Linha LATINGALVA, Cartagena, Colômbia, setembro de 2010. Sustentabilidade da galvanização aplicada à administração interna de resíduos de cinzas e escória na galvanização geral por imersão a quente e da

Leia mais

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt

01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA. MOMSteelPor, S.A. www.momsteel.com.pt MOMSTEELPOR, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A, (MOMSteelPor) é uma empresa especializada na conceção, desenvolvimento e produção de projetos e estruturas metálicas, sediada

Leia mais

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental)

Lista Classificativa de Projectos de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) Lista Classificativa de de Construção que Precisam de se Sujeitar à Avaliação de Impacto Ambiental (experimental) 1. Objectivo Para acelerar as acções referente ao estabelecimento do regime da avaliação

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África.

Visão Ser o porto de referência para as cadeias logísticas da costa leste de África. Corredor de Nacala Engloba : O Porto de Nacala, elemento central do Corredor; O Sistema ferroviário do Norte de Moçambique O Sistema ferroviário do Malawi; e O troço ferroviário Mchinji/Chipata, que permite

Leia mais

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto.

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto. Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.209 Versão nº 1 SikaFuko Eco-1 Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição do produto Tubo de

Leia mais

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE

REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE REDE DE MERCADORIAS E ALTA VELOCIDADE Com a criação da CEE, as trocas comerciais entre membros sofreram enormes aumentos de tráfego, tendo as empresas a oportunidade de aceder a um mercado muito mais vasto.

Leia mais

Parcerias com selo de excelência

Parcerias com selo de excelência Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo Promor II. Rações III. Produção Animal IV. Indústria de Carnes V. Selecção Genética Parcerias com selo de excelência I. Apresentação do Grupo

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro

EDP - Gestão da Produção de Energia, S.A. Central Termoelétrica de Sines. Produção de Energia Elétrica e Deposição de resíduos não perigosos em aterro 2.º ADITAMENTO À LICENÇA AMBIENTAL nº 300/2009 Nos termos da legislação relativa à Prevenção e Controlo Integrados da Poluição (PCIP), é emitido o 2.º Aditamento à Licença Ambiental do operador EDP - Gestão

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos. Colóquio

Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos. Colóquio Conselho da Cidade de Coimbra Organização Cívica de Cidadãos Colóquio Saúde e Gestão Resíduos 30 de Março de 2006, Faculdade de Economia da UC, Coimbra 1 1 Índice Estratégia da SECIL Processo Fabrico de

Leia mais

Seminário "Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011

Seminário Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011 Seminário "Valorização de Resíduos, o Caminho para o Futuro 22 de Junho de 2011 A Delta tem assumido como preocupação permanente construir um modelo de negócio sustentado na justiça social, ambiental e

Leia mais

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS.

- FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. - FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS PARA INDÚSTRIA DE RAÇÃO E DERIVADOS; - FABRICAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS. Máquinas Para Agroindústrias METALÚRGICA LTDA ME A empresa Metalúrgica Maggisan foi fundada no ano de

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Atlas Copco Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Uma gama de arrefecedores finais efectivos e de separadores de água em conformidade

Leia mais

ISEL. Sérgio Faias. Engenheiro Electromecânico. Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005

ISEL. Sérgio Faias. Engenheiro Electromecânico. Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005 ISEL Sérgio Faias Engenheiro Electromecânico Seminário O Futuro do Engenheiro Electromecânico 18 Maio 2005 1 Curriculum Vitae Escola Profissional de Setúbal Técnico Manutenção Electromecânica Estágios

Leia mais

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal:

São os seguintes os produtos previstos para serem movimentados nas instalações do Terminal: PORTO DE PECEM. Trata-se de um terminal marítimo concebido para propiciar operações portuárias eficientes, tornando-o altamente competitivo com acessos rodoviários e ferroviários livres e independentes

Leia mais

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE

FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE CERÂMICA CIC Feito em Angola FOMENTAR O QUE É NACIONAL E FORTALECER A ECONOMIA ANGOLANA APOIO AO CLIENTE +244 933 055 981 CERÂMICA CIC MARCA DE QUALIDADE FEITO EM ANGOLA DESCRIÇÃO A Unidade Industrial

Leia mais

Central de Biomassa de Portalegre

Central de Biomassa de Portalegre Central de Biomassa de Portalegre Paulo Preto dos Santos, Sobioen Soluções de Bioenergia, SA (Março 2008) Biomassa e Energia O aproveitamento energético da biomassa é cada vez mais relevante Aproxima-se

Leia mais

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015

DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015 DECLARAÇÃO AMBIENTAL DE PRODUTO Auto declaração 2015 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DESCRIÇÃO DO CICLO DE VIDA DO PRODUTO Os dados apresentados nesta Declaração Ambiental de Produto são referentes à produção

Leia mais

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia

40 Anos de Internacionalização A Experiência de uma Empresa de Engenharia A Experiência de uma Empresa de Engenharia Victor Carneiro Presidente da Comissão Executiva da COBA www.coba.pt Fundada em 1962, a COBA, S.A0 é hoje uma das maiores empresas de Consultores de Engenharia

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.045.03 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

A empresa. Estamos sempre à procura de novas ideias.

A empresa. Estamos sempre à procura de novas ideias. A empresa. Projectamos e construímos plantas para a produção de concreto e asfalto. O nosso objectivo é criar novas ideias para conseguir máquinas versáteis, eficientes, fortes e duráveis. Independentemente

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions

Software Registado e Certificado pela AT GESTÃO DE LAVANDARIAS. mercado exigente! Certificado. Retail Solutions Certificado Eficiência Eficiência para para vencer... vencer... Num Num mercado mercado exigente! exigente! Software Registado e Certificado pela AT LAVA i Índice Introdução Apresentação da Empresa Pág.

Leia mais

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland?

CIMENTO PORTLAND. O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND O que é cimento Portland? CIMENTO PORTLAND 1. HISTÓRICO 2. PRODUTO 3. FABRICAÇÃO 4. TIPOS 5. APLICAÇÕES 6. QUALIDADE 7. ITAMBÉ HISTÓRIA DO CIMENTO MURALHA DA CHINA PANTEON COLISEU ROMANO

Leia mais

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais:

Na sua experiência profissional, salienta-se uma longa lista de obras realizadas, entre as quais: 1. A EMPRESA retende-se com o presente capítulo efectuar a apresentação da Tomás de Oliveira, do seu compromisso em relação à qualidade e da organização que disponibiliza para alcançar esse objectivo.

Leia mais

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA

Estudo de Impacto Ambiental da Extração de Sedimentos Biodetritícos Marinhos na Plataforma Continental do Estado do Maranhão - MA 1/7 4. METODOLOGIA Esta seção do EIA/RIMA visa apresentar um esquema geral das diversas metodologias disponíveis para utilização por parte da DRAGAMAR LTDA. Estas são apresentadas com o objetivo de ilustrar

Leia mais

Würth O Parceiro da indústria. O nosso serviço & know-how a sua segurança!

Würth O Parceiro da indústria. O nosso serviço & know-how a sua segurança! Würth O Parceiro da indústria O nosso serviço & know-how a sua segurança! Würth industry service Comece pela nossa gama de produtos standard e integre os seus artigos especiais Elementos de Fixação de

Leia mais

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA

EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA EMPRESA DE ELECTRICIDADE DA MADEIRA SA CENTRAL TÉRMICA DO PORTO SANTO EEM/DSP 1 16 MWe Central Térmica do Porto Santo 1 Descrição Geral A Central Térmica do Porto Santo entrou em funcionamento em 1992,

Leia mais

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira

Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008. Recursos Naturais. Melissa Albuquerque 8º C. Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Escola Secundária c/ 3º Ciclo de Azambuja Abril/2008 Recursos Naturais Ciências Físico-Químicas Profª Isabel Oliveira Melissa Albuquerque 8º C INTRODUÇÃO Recursos Naturais, foi o tema escolhido por nós.

Leia mais

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

Indústrias. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Indústrias 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função:

Leia mais

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX

MOINHOS PENDULARES MOLOMAX MOINHOS PENDULARES MOLOMAX Web: http://www.manfredinieschianchi.com - Email: sales@ms-plants.it 1/14 Os Moinhos Pendulares MOLOMAX são empregados para a moenda de matérias-primas de vários tipos, peso

Leia mais

Usinas de Asfalto LINTEC-IXON, soluções completas para seu negócio.

Usinas de Asfalto LINTEC-IXON, soluções completas para seu negócio. USINAS DE ASFALTO Usinas de Asfalto LINTEC-IXON, soluções completas para seu negócio. Lintec-Ixon Ind. e Com. de Máquinas e Equipamentos Ltda Santa Rosa - RS +55 55 3511 9700 comercial@lintec-ixon.com.br

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

Apresentação da Empresa

Apresentação da Empresa O2a Apresentação da Empresa Objectivo Ser uma empresa de referencia do sector a nível europeu em 2012 Missão Expandir o uso dos nossos produtos oferecendo sempre as melhores e mais apropriadas soluções

Leia mais

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido

Presa. Difícil de determinar o instante em que se dá a passagem do estado líquido ao estado sólido LIGANTES HIDRÓFILOS CIMENTOS Propriedades físicas e mecânicas do cimento Presa Métodos de definição do início de presa: condutibilidade eléctrica viscosidade desenvolvimento de calor, etc. Difícil de determinar

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

Relatório. Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9. SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal

Relatório. Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9. SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal Relatório Caracterização das Emissões Gasosas dos Fornos 8 e 9 SECIL, Companhia de Cal e Cimento, S.A. Fábrica SECIL Outão, Portugal Testes de Coincineração com diferentes combustíveis alternativos Sumário

Leia mais

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana

Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Estratégia para um Desenvolvimento Sustentável para a Cidade de Águeda Centro Urbano do Futuro Parcerias para a regeneração urbana Águeda, 27/04/2011 V.M. Ferreira O projecto: Este projecto visou reflectir

Leia mais

Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente!

Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente! Uma equipa Comprometida com o Sucesso do Cliente! 1986 Fabrico das 1ª (primeiras) Balanças totalmente eletrónicas 1996 Desenvolvimento do 1º Software - AdegaGest 2010 Criação de Departamento Informático

Leia mais

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013

Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 Encontro Investigação, Desenvolvimento e Inovação Lisboa, 07de Outubro de 2013 1 PROBLEMA Como responder às crescentes exigências económicas e ambientais, às alterações permanentes e aos diversos estilos

Leia mais

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção

Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção Os sistemas de despoeiramento, presentes em todas as usinas do Grupo Gerdau, captam e filtram gases e partículas sólidas gerados na produção siderúrgica. Ontário Canadá GESTÃO AMBIENTAL Sistema de gestão

Leia mais

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO COM A EN 118 RECICLADO SEMI - QUENTE COM EMULSÃO BETUMINOSA 1. Definição Define-se como reciclado semi-quente

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Art. 30º (Decreto-Lei n.º 150/2005)

Art. 30º (Decreto-Lei n.º 150/2005) CMP Informação nformação a comunicar ao público no âmbito da Diretiva iretiva - SEVESO Maceira, 1 de Março de 2016 Art. 30º (Decreto-Lei n.º 150/2005) Cimentos Maceira e Pataias,, S.A. CTEC ÍNDICE OBJETIVO

Leia mais