TEMPOS PÓS-MODERNOS E A REINVENÇÃO DA ESCOLA: Contextualizando Saberes, Ressignificando Práticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TEMPOS PÓS-MODERNOS E A REINVENÇÃO DA ESCOLA: Contextualizando Saberes, Ressignificando Práticas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO CAMPUS I CURSO DE PEDAGOGIA Paula Cristina Grejianin TEMPOS PÓS-MODERNOS E A REINVENÇÃO DA ESCOLA: Contextualizando Saberes, Ressignificando Práticas Salvador 2009

2 PAULA CRISTINA GREJIANIN TEMPOS PÓS-MODERNOS E A REINVENÇÃO DA ESCOLA Contextualizando Saberes, Ressignificando Práticas Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção da graduação em Pedagogia com Habilitação em Gestão e Coordenação do Trabalho Escolar do Departamento de Educação Campus I, da Universidade do Estado da Bahia, sob orientação da Professora Maria Alba Guedes Machado Mello. SALVADOR/BA 2009

3 FICHA CATALOGRÁFICA Biblioteca Central da UNEB Bibliotecária: Jacira Almeida Mendes CRB: 5/592 Grejianin, Paula Cristina Tempos pós-modernos e a reinvenção da escola: contextualizando saberes, ressignificando práticas / Paula Cristina Grejianin. Salvador, f. Orientadora: Maria Alba Guedes Machado Mello. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Educação. Colegiado de Pedagogia. Campus I Contém referências. 1. Escolas - Aspectos sociais. 2. Pós-modernismo e educação. 3. Pós-modernismo. 4. Identidade social. I. Mello, Maria Alba Guedes Machado. II. Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação. CDD: 303.4

4 PAULA CRISTINA GREJIANIN TEMPOS PÓS-MODERNOS E A REINVENÇÃO DA ESCOLA Contextualizando Saberes, Ressignificando Práticas Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção da graduação em Pedagogia com Habilitação em Gestão e Coordenação do Trabalho Escolar do Departamento de Educação Campus I, da Universidade do Estado da Bahia, sob orientação da Professora Maria Alba Guedes Machado Mello. Salvador, 15 de setembro de 2009 Eduardo José Nunes Sandra R. Magalhães de Araújo Maria Alba Guedes M. Mello

5 Dedico este trabalho: Ao meu pai que me ensinou pelo exemplo a dar o melhor de mim sempre. À minha mãe (in memorian) pelo seu amor e sua doçura que ainda me acalentam nos momentos mais difíceis. Ao meu irmão, minha força, meu refúgio, meu elo comigo mesma.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos que direta ou indiretamente me auxiliaram nesta caminhada, em especial: Às professoras do Jardim, do Pré-escolar e da Escola Básica Prof. Elza Mancelos de Moura, Guarujá do Sul-SC, que me ensinaram a escrever e a ler as primeiras palavras. Aos professores do Colégio Cedrense, São José do Cedro-SC. Aos professores do CEFET-PR, Pato Branco-PR. Aos professores da Universidade do Estado da Bahia, Departamento de Educação, Campus I. Sem querer ser injusta com os demais, sinto-me na obrigação citar o nome dos professores que pela sua competência, sua seriedade e seu comprometimento, contribuíram de maneira mais marcante. Assim, destaco: Professoras Luciene, Lucinete, Jaciete, Maria Antônia, Solange, Verbena, Professores Maurício Mogilka e Otoniel. A todas as pessoas que, em diferentes momentos, de diversas formas, ajudaramme, apoiaram-me e incentivaram-me a seguir em frente na minha caminhada. Em especial a: Ivan e família, Carla Galo e Carlos Zeferino, Maria Rodrigues Dias, Vivaldo Alves Dias Filho, Vilma e Hamilton Paranhos, Dagmar Ferreira da Cunha, Joana D Arc, Manuela Leal, Paulino de Oliveira Gonçalves. Aos todos os meus amigos, em especial a: Gilmara, Karina, Siluandra, Deise, Marcele, Káthia, Eric, Dalila, Daniela, Lucciane, Érica, Caio, Sheila, Satie, Ana Carla, Moara, Matheus, Egon, Samuel, Hamilton e Gessé. Agradecimentos mais que especiais Professora e orientadora de monitoria de pesquisa e extensão Phd. Narcimária Correia do Patrocínio Luz, graças a quem tenho amadurecido muito academicamente e pessoalmente também, claro. Professora e orientadora do TCC Maria Alba Guedes Mello, que me acolheu como orientanda num momento de total desorientação.

7 "Além de um ato de conhecimento, a educação é também um ato político. É por isso que não há pedagogia neutra." Paulo Freire

8 RESUMO Este trabalho traz uma breve análise dos principais aspectos da sociedade contemporânea, as constantes transformações, a globalização, o capitalismo, a ideologia neoliberal para refletir sobre a função social da escola. Assim, são trazidas para a discussão as teorias críticas da escola como Aparelho Ideológico do Estado e como reprodutora da cultura da classe dominante e das diferenças sociais. Propõese uma nova escola para atender às demandas da nova sociedade, considerando-se a escola como um dos espaços onde deve ser gestada a transformação social, como locus prioritário para a socialização do saber historicamente construído e onde se aprendem e se praticam as relações sociais. Destacou-se as seguintes características para a construção de uma nova escola: a função da escola na formação do cidadão para a transformação social; a gestão escolar democrática, com a efetiva participação dos educandos e da comunidade na tomada das decisões; conteúdos contextualizados no sentido de serem úteis para que os educandos possam intervir na sua realidade social; adotar novas práticas que coloquem os educandos como protagonistas do processo de ensino-aprendizagem; não só acolher e respeitar, mas promover e garantir o direito à diversidade. Palavras-chave: Pós-Modernidade; Educação; Transformação Social.

9 COMPENDIO Questa ricerca fa una sucinta analisi della società dei giorni nostri, le trasformazione, la globalizazione, il capitalismo, l ideologia neoliberale per uma riflessione sulla funzione sociale della sculoa. Cosi sono messi in discussione le teorie critiche della scuola como Aparechio Ideologico dello Stato, como riprodutora culturale e delle diferenze sociale. Cercasi proporre una nuova scuola per assistere le richieste della nuova società, giudicando la scuola come luogo della produzione della transformazzione sociale, come lócus principale della socializazione del sapere e dove se insegna e sono messe em pratica le relazione sociale. Sono appuntatti i fatori per la construzione de uma nuova scuola: la funzione della scuola nella formazione delle persone per la transformazione sociale; una gestione della scuola democratica nelle deciosione, com la participacione degli studenti e della comunitá; i cursi utile per gli studenti intervenire nella loro realtá sociale; abracciare le pratiche che metano gli studenti como protagonisti della loro peparazione; acogliere, rispettare e anche promuovere e assicurare il diritto alla diversità. Parole-chiave: Pos-modernitá; Educazione; Transformazione Sociale.

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO A CONTEMPORANEIDADE PÓS-MODERNISMO PÓS-MODERNIDADE O NEOLIBERALISMO E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DO ESTADO A ESCOLA E A REPRODUÇÃO HÁ MAIS COISAS ENTRE A REPRODUÇÃO E A PRODUÇÃO A ESCOLA BRASILEIRA NA PÓS-MODERNIDADE A ESCOLA E A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL A GESTÃO DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA CONTEXTUALIZANDO SABERES E RESSIGNIFICAÇÃO DAS PRÁTICAS A ESCOLA INCLUSIVA CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 50

11 10 1 INTRODUÇÃO A definição do tema e do enfoque do Trabalho de Conclusão de Curso TCC, é sempre um exercício trabalhoso, menos para uns, mais para outros. Para a autora deste trabalho foi uma das tarefas mais complicadas da vida acadêmica. Talvez por apresentar-se como um gran finale, uma forma de registrar tudo o que foi apreendido, o que de mais importante ficou, é também de certa forma uma resposta. Chega-se ao fim de uma etapa. Está formada uma profissional. O que de importante esta profissional tem para oferecer à sociedade? O TCC seria assim além de gran finale, um prenúncio do que vem após a conclusão desta etapa. Como o momento da escrita deste Trabalho de Conclusão de Curso é também um momento de amadurecimento acadêmico, a este trabalho precedeu-se um retrospecto na busca da descoberta da essência do que realmente se acredita, pelo que se quer dedicar a vida acadêmica, a vida profissional e a vida pessoal. Esteve sempre presente no trajeto um pai zeloso que dizia se você quer ser alguém na vida, estude. Por mais que a sociedade tenha mudado, o mundo, as exigências, as necessidades, mesmo que a escola sirva também como um Aparelho Ideológico do Estado e funcione como reprodutora do sistema, a educação escolar ainda é no mundo contemporâneo a única possibilidade que as famílias pobres veem para que seus filhos tenham melhores condições de vida. Mas, que respostas a escola tem dado a essa demanda? É neste sentido que definiu-se o tema orientador do estudo: a função social da escola. Dentro deste tema, buscou-se pesquisar o que a escola e o que a educação escolar podem fazer para combater as desigualdades sociais e demais problemas que afligem a humanidade na contemporaneidade: violência, intolerância, ganância desmedida que têm gerado guerras, explorações de toda espécie, destruição da natureza. Os debates referentes à função social da escola não são específicos da pósmodernidade, mas muitos problemas são, ou a gravidade e extensão deles. Os tempos são novos, os educandos têm um novo perfil e apresentam novas

12 demandas. E a escola? A escola é velha, suas práticas são velhas e não tem acompanhado a nova configuração da sociedade. 11 Definiu-se então o problema de pesquisa assim: o que pode fazer a escola para preparar cidadãos capazes de compreender e transformar a sociedade? Toma-se como objetivo geral compreender os principais aspectos da contemporaneidade, essa sociedade do conhecimento, das novas tecnologias da informação e comunicação, das novas configurações de poder e controle que tem sido denominada de pós-modernidade e suas implicações para a educação. Como objetivos específicos procurou-se compreender como se configura a sociedade contemporânea que tem sido chamada de pós-moderna ; compreender como a expansão da globalização, do capitalismo e do ideário neoliberal reflete na sociedade e na vida das pessoas; entender qual a função social da escola dentro deste novo contexto e como a escola pode contribuir para a construção de uma nova sociedade. Assim, no primeiro capítulo faz-se uma breve descrição das principais características destes novos tempos : as transformações constantes, a expansão da globalização e do capitalismo, o império das idéias neoliberais da lei do mercado onde o aspecto econômico é o que prevalece, a individualização e o desinteresse pelo coletivo, o aumento das desigualdades sociais, os valores em crise, as novas tecnologias da informação e comunicação, as novas configurações de poder. No segundo capítulo, traz-se a reflexão sobre a função da escola e analisam-se as teorias clássicas da Escola como Aparelho Ideológico, de Louis Althusser e da Escola como Reprodutora de Bourdieu e Passeron no livro Reprodução, do currículo oculto, além das análises das políticas públicas para a educação sob influência da ideologia neoliberal. Como o estudo já parte do a priori que a escola não está respondendo aos anseios das populações mais pobres como instrumento de transformação e que a escola está velha para esses novos tempos, procurou-se propor a Reinvenção da Escola ; não que estes termos e idéias em si sejam novos, mas foram colocados como centrais neste Trabalho de Conclusão de Curso.

13 12 Nesta linha de compreensão, procurou-se propor que a escola deve contemplar a diversidade e a pluralidade cultural tão marcantes no nosso país e cada vez mais característica da sociedade mundial. Defendeu-se que a educação escolar deva, sim, visar à transformação social e para tal não pode prescindir de uma abordagem contextualizada e interdisciplinar dos conteúdos, e de uma nova prática educacional; que contemple a participação da comunidade e dos educandos, que devem ser os protagonistas da sua formação. Este trabalho de reflexão teve como base metodológica a pesquisa bibliográfica, a partir das indicações da orientadora, após a definição do tema. Complementarmente seguiram-se pesquisas bibliográficas no sentido de responder os questionamentos, as dúvidas, as problematizações que surgiram no decorrer da própria pesquisa, além de reflexões sobre a experiência e a prática. Procurou-se uma abordagem que não fosse nem estruturalista, nem maniqueísta ou dicotômica, buscando levar-se em consideração o maior número de aspectos possíveis e suas interrelações infinitamente complexas.

14 13 2 A CONTEMPORANEIDADE Interrupção, incoerência, surpresa são condições comuns de nossa vida. Elas se tornaram mesmo necessidades reais para muitas pessoas, cujas mentes deixaram de ser alimentadas... por outra coisa que não mudanças repentinas e estímulos constantemente renovados... Não podemos mais tolerar o que dura... Assim, toda a questão se reduz a isto: pode a mente humana dominar o que a mente humana criou? (Paul Valery, apud BAUMAN, 2001, p. 7) Em um diálogo informal na universidade ouve-se diga quais são as três palavras que não podem faltar numa explanação sobre os problemas educacionais atuais? Resposta com um tom de brincadeira: globalização, capitalismo e neoliberalismo. De fato, não se pode falar de educação na contemporaneidade sem uma análise destes fenômenos que provocaram imensuráveis transformações na sociedade mundial e local. Talvez o que mais chame a atenção seja a velocidade com que estas transformações vêm ocorrendo e a abrangência das mesmas. Sabe-se que a globalização não é um fenômeno recente, mas a proporção que tem atingido e seu caráter de irreversibilidade, de inesgotável capacidade de expansão e transformação é um fenômeno atual que requer atenção e análise cuidadosa das suas implicações na economia, nas relações sociais e na educação. Da mesma forma, o capitalismo e a ideologia neoliberal, que o sustenta, são fenômenos que, ao mesmo tempo que são complexos para terem sua análise esgotada em discursos simplistas e dicotômicos, não podem deixar de ser levados em consideração quando se fala de educação, de globalização, de contemporaneidade. A preocupação é que a utilização indiscriminada destes termos esvazie-os de sentido e suas ações e consequências passem a ser tratadas como algo natural, o único caminho possível ; que é o que está na base de sustentação da ideologia neoliberal. Veiga-Neto (2007) refere-se à globalização como uma dessas palavras mágicas e perigosas, mágicas porque ao serem pronunciadas dão tom de seriedade e de importância ao discurso e perigosas porque não sendo cuidadosamente delimitadas e definidas caem num discurso vazio. O autor destaca ainda que falar de globalização é andar por um caminho cheio de armadilhas, decorrentes de sua forte polissemia. A globalização, segundo ele, tem-se tornado um ponto de convergência de várias teorias, que oscilando entre pólos opostos, elaboram discursos que ficam

15 14 presos na lógica excludente do ou isso, ou aquilo, sem levar em consideração que o caráter ambivalente da linguagem, e do próprio pensamento, não só é necessário como facilita e incrementa a análise, permitindo que se observe as nuances de um mundo infinitamente policromático. Hardt e Negri (2003, apud Veiga-Neto, 2007) destacam que a globalização bem mais que um sistema econômico que se tornou hegemônico, significa a existência de uma nova ordem mundial, onde o político e o cultural colocam-se a serviço do econômico e as noções modernas de Estado-Nação, povo, fronteiras territoriais, espaço e tempo estão sofrendo profundas ressignificações. O que se pode dizer que há de novo nesta sociedade contemporânea, que tem sido definida como a era do conhecimento, a era da informação, sociedade global etc. é que, além da aceleração de todos os fenômenos que acompanham a globalização e o desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação, observa-se uma inesgotável e incessante capacidade e (poder-se-ia dizer também) necessidade de mudança. Uma sensação de desmonte 1 contínuo que se justifica por si só. Tantas mudanças, ressignificações, reconfigurações sociais, políticas, econômicas, nas relações espaço/tempo, têm levado muitos autores a falar em pósmodernidade e ao surgimento de teorias e teóricos pós-modernistas. Termos esses que às vezes têm sido usados indistintamente. Mas, segundo Bauman (2004, p. 321), é necessário esclarecer que pós-modernidade significa uma sociedade, ou um tipo de condição humana; enquanto pós-modernismo refere-se a uma visão de mundo. Ser teórico da pós-modernidade, como ele se identifica, é diferente de ser um teórico pós-modernista, que significa ter uma ideologia, uma percepção de mundo que, entre outras coisas, descarta a idéia de um tipo de regulamentação normativa da comunidade humana, que se recusa fazer qualquer julgamento e a debater seriamente questões relativas a modos de vida viciosos, pois, no limite, acredita que não há nada a ser debatido. 1 Termo utilizado por Bauman (2004, p. 231).

16 PÓS-MODERNISMO Segundo Silva (2005), o pós-modernismo, enquanto teoria, representa um conjunto variado de perspectivas, que, em termos sociais e políticos, pode-se dizer que toma como referência uma oposição ou transição entre, de um lado, a Modernidade, iniciada com a Renascença e consolidada com o Iluminismo e, de outro, a Pós- Modernidade, iniciada em algum ponto do século XX (SILVA, 2005, p. 111). Quanto à educação, como a conhecemos hoje, segundo o autor, é a instituição moderna por excelência, cujo objetivo é transmitir o conhecimento científico, formar um sujeito racional, autônomo e democrático, para assim chegar ao ideal moderno de uma sociedade racional, progressista e democrática. (SILVA, 2005, p ). O autor destaca que o pós-modernismo questiona as noções de razão, de racionalidade e de progresso da perspectiva iluminista da Modernidade, pois em nome destes freqüentemente se instituíram sistemas cruéis de opressão e exploração. (SILVA, 2005, p. 112) Um dos principais ataques do pós-modernismo, ainda segundo Silva (2005), é o sujeito livre e autônomo que está soberanamente no controle de suas ações. Apoiada nas análises sociais contemporâneas, na psicanálise e nos insights pósestruturalistas, a perspectiva pós-modernista não admite o sujeito como o centro da ação social: ele não pensa, fala e produz: ele é pensado, falado e produzido. Ele é dirigido a partir do exterior: pelas estruturas, pelas instituições, pelo discurso. (SILVA, 2005, p ). De acordo com Silva (2005, p. 115), pode-se dizer que o pós-modernismo inclina-se para a incerteza e a dúvida, desconfiando profundamente da certeza e das afirmações categóricas, pois o cenário é claramente de incerteza, dúvida e indeterminação. A cena contemporânea é em termos políticos, sociais, culturais e epistemológicos nitidamente descentrada, ou seja, pós-moderna. Este Trabalho de Conclusão de Curso, apesar de compartilhar da postura de questionamento e desconfiança das teorias pós-modernistas, não se estenderá nesta análise. O objeto de estudo deste trabalho requer uma tentativa de apreender,

17 16 ou pelo menos de diagnosticar, a contemporaneidade, numa tentativa de compor um pano de fundo para a análise da função social da escola na assim chamada pós-modernidade. 2.2 PÓS-MODERNIDADE Bauman (2004) destaca que seu interesse é na sociologia da pós-modernidade, e que passou a utilizar o termo Modernidade Líquida para, ao mesmo tempo que diferencia a sociedade atual da anterior que denominou de Modernidade Sólida, evitar a confusão entre teoria da pós-modernidade e teorias pós-modernistas. A respeito deste tipo curioso e em muitos sentidos misterioso de sociedade, que tem dedicado-se a compreender, Bauman esclarece: Diferentemente da sociedade moderna anterior, que chamo de modernidade sólida, que também tratava sempre de desmontar a realidade herdada, a de agora não o faz com uma perspectiva de longa duração, com a intenção de torná-la melhor e novamente sólida. Tudo está agora sendo permanentemente desmontado mas sem perspectiva de alguma permanência (...) Tudo é temporário. É por isso que sugeri a metáfora da liquidez para caracterizar o estado da sociedade moderna: como os líquidos, ela caracteriza-se pela incapacidade de manter a forma. Nossas instituições, quadros de referência, estilos de vida, crenças e convicções mudam antes que tenham tempo de se solidificar em costumes, hábitos e verdades auto-evidentes. (BAUMAN, 2004, p ) Em relação à sua metáfora entre sólidos e líquidos, Bauman (2001) define: [...] os líquidos, diferentemente dos sólidos, não mantém sua forma com facilidade. Os fluidos, por assim dizer, não fixam o espaço nem prendem o tempo. Enquanto os sólidos têm dimensões espaciais claras, mas neutralizam o impacto e, portanto, diminuem a significação do tempo (resistem efetivamente a seu fluxo ou o tornam irrelevante), os fluidos não se atêm muito a qualquer forma e estão constantemente prontos (e propensos) a mudá-la. [...] Em certo sentido, os sólidos suprimem o tempo; para os líquidos, ao contrário, o tempo é o que importa. Ao descrever os sólidos podemos ignorar o tempo; ao descrever os fluídos, deixar o tempo de fora seria um grave erro. Descrições de líquidos são fotos instantâneas, que precisam ser datadas. (BAUMAN, 2001, p. 8).

18 17 Outra marca característica da pós-modernidade é a nova configuração do poder, que tanto mais controla quanto menos visível e mais sutil se torna, o micro poder, o poder capilar, em termos foucaultianos 2. Bauman (2001) embasa sua exemplificação da mudança nas formas de exercício de poder e controle, observável no processo de liquefação da modernidade sólida, a arquimetárofa do poder moderno utilizada por Michel Foucalt do Panopticon de Jeremy Bentham. Nessa análise Bauman (2001, p.16) descreve que o panóptico foi projetado para controle total dos internos, que estavam presos a um determinado lugar e impedidos de qualquer movimento; encontravam-se sob vigilância; a garantia da dominação era o fato de que os vigilantes tinham liberdade para moverem-se. O domínio do tempo era o segredo do poder dos administradores e imobilizar os subordinados no espaço, negando-lhes o direito ao movimento era a principal estratégia em seu exercício de poder. (BAUMAN, 2001, p. 17). O que esse autor nos chama à atenção nesse exemplo é que o Panóptico era um modelo de engajamento e confrontação, os rotinizadores não eram verdadeiramente livres para se mover: a opção ausente estava fora de questão em termos práticos. Além disso, a conquista do espaço e sua manutenção, assim como a manutenção dos internos no espaço vigiado, demandava ampla gama de tarefas administrativas custosas e complicadas, implicava responsabilizar-se pelo bem estar geral do local e isto requer presença, e engajamento. (BAUMAN, 2001, p. 17) Bauman (2001) destaca: o que muda na pós-modernidade é a luta contra o tempo que chegou ao fim, a velocidade do movimento chegou a seu limite natural e o poder pode se mover com a velocidade do sinal eletrônico. Assim, quem controla não está mais preso ao local e os detentores do poder podem livrar-se dos aspectos irritantes e atrasados da técnica de poder do Panóptico. Baseado nessa análise, Bauman (2001, p 18) define: o que quer que a história da modernidade seja no estágio presente, ela é também e talvez acima de tudo, pós-panóptica. Agora as técnicas do poder são o desvio, a evitação, a invisibilidade, a leveza, a liquidez, a 2 micro poder e poder capilar são utilizados por Michel Foucault no seu livro Vigiar e Punir (1987)

19 fluidez, evitando o confronto e qualquer confinamento territorial, que implicam em custos e trazem responsabilidades. 18 Veiga-Neto (2007) destaca que para melhor entendermos a sociedade contemporânea temos que entender que os fenômenos estão em uma relação de causalidade imanente 3, ou seja, que há uma relação de inseparabilidade entre os componentes e não é possível determinar o elemento precedente. E essa é uma característica essencial dos fenômenos e acontecimentos sociais que guardam entre si complexas relações de (inter)dependência, sendo cada um, ao mesmo tempo, causa e conseqüência dos demais e, de certo modo, causa e conseqüência de si mesmo. O autor destaca que o conceito de causalidade imanente permite que se ultrapasse a tendência à análises e entendimentos mecânicos e lineares e permite que se compreendam as relações entre globalização, capitalismo, neoliberalismo como um conjunto de fenômenos bastante complexo, para além das análise dicotômicas do bem e do mal. É ancorado no conceito de causalidade imanente que se procura aqui analisar os fenômenos da pós-modernidade, a expansão da globalização, do capitalismo, da ideologia neoliberal, das transformações nas relações de poder, a intensificação dos processos de individualização e desintegração social, que se apresentam ao mesmo tempo como causa e consequência um do outro. Assim, pode-se observar também a relação entre as novas técnicas de poder e a individualização característica da sociedade atual: A desintegração da rede social, a derrocada das agências efetivas de ação coletiva, é recebida muitas vezes com grande ansiedade e lamentada como efeito colateral (...) Mas a desintegração social é tanto uma condição quanto um resultado da nova técnica do poder. (BAUMAN, 2001, p ). Desintegração social e individualização também são fenômenos que aprsentam relações de causalidade imanente. Bauman (2001, p. 12) alerta: os sólidos que estão derretendo no momento são os elos que entrelaçam as escolhas individuais 3 Expressão retirada do texto de Veiga-Neto (2007), mas, conforme destacado pelo autor, o conceito é de Gilles Deleuze (1991, p. 46), para o qual a causa imanente é aquela que se atualiza em seu efeito, que se integra em seu efeito, que se diferencia em seu efeito. Ou melhor, a causa imanente é aquela cujo efeito a atualiza, integra e diferencia.

20 19 em projetos e ações coletivas. Ele destaca ainda que individualização é transformar a identidade humana de um dado em uma tarefa e encarregar os atores da responsabilidade de realizar essa tarefa e das conseqüências (assim como dos efeitos colaterais) de sua realização. (BAUMAN, 2001, p. 40). Assim, os indivíduos são levados a crer que se não foram bem sucedidos nos estudos, se estão desempregados, ou se o salário não é o suficiente para o sustento da família, é porque eles os indivíduos não se esforçaram o bastante, não procuraram o suficiente, não se preparam como deviam: como Beck adequada e pungentemente diz, a maneira como se vive torna-se uma solução biográfica das contradições sistêmicas 4. (Beck, p. 137, apud BAUMAN, 2001, p. 43). Bauman (2001) ao dizer que os indivíduos são levados a crer não menciona quem ou o que os leva a crer. Nesse sentido, os teóricos que se dedicam aos estudos da ideologia neoliberal e de seus efeitos na globalização, na economia, na educação, são bem categóricos: quem leva a crer que a responsabilidade sobre o sucesso ou fracasso de cada um é responsabilidade exclusivamente sua, pois a lei do livre mercado é justa e a única saída possível, são as potências mundiais, os donos do capital, que operam através dos organismos multilaterais como o Banco Mundial e o FMI e sustentam sua política econômica através da inculcação da ideologia neoliberal. Ianni (1996, p. 8) referindo-se a isso, afirma que a rigor, o neoliberalismo articula prática e ideologicamente os interesses dos grupos, classes e blocos de poder organizados em âmbito mundial e que os principais guardiões dos ideais e das práticas neoliberais são o Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial ou Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) e a Organização Mundial do Comércio (OMC). A expressão neoliberalismo, segundo Moraes (1997, p. 1), apela para a novidade ao adotar o prefixo neo, ao mesmo tempo que retoma uma tradição, o liberalismo 5 clássico, que tem como referência principal o livro A riqueza das Nações, de Adam Smith (1776). Na doutrina liberal o mercado é afirmado como o melhor dos caminhos por gerar Eficiência, Justiça e Riqueza (MORAES, 1997, p. 5), 4 Beck, Risk Society, p. 137 (apud Bauman) 5 Segundo Bianchetti (1997, p. 44) o termo liberalismo é utilizado em três sentidos: como concepção do mundo ou filosofia centrada no indivíduo; como teoria que se preocupa com as origens e a natureza do poder; como teoria econômica organizada sobre as leis do mercado e que fundamenta as relações de produção capitalista.

21 elogia-se a virtuosa mão invisível do mercado contra a viciosa mão invisível do poder político (MORAES, 1997, p. 7). 20 Os ataques do pensamento liberal são dirigidos ao sistema mercantilista que tinha o Estado como regulador; segundo Moraes (1997, p. 12), é fundamental na tradição liberal a convicção de que se deve limitar a intervenção do poder político para que os indivíduos vivam como desejarem, defendendo as liberdades individuais, criticando a intervenção estatal e elogiando as virtudes reguladoras do mercado. Para a intervenção estatal reservavam um papel bem definido: [...] primeiro, o dever de proteger a sociedade contra a violência e a invasão de outros países independentes; segundo, o dever de proteger, na medida do possível, cada membro da sociedade contra a injustiça e a opressão de qualquer outro membro da mesma, ou seja, o dever de implantar uma administração judicial exata; e, terceiro, o dever de criar e manter certas obras e instituições públicas que jamais algum indivíduo ou um pequeno contingente de indivíduos poderão ter interesse em criar e manter. (SMITH, 1776, p. 47, apud MORAES, 1997, p. 14) O neoliberalismo tem como referência o livro O Caminho da Servidão, de Friedreich von Hayek, (1944) e a Conferência que dá origem à Sociedade Mont Pélerin, na Suíça, em Segundo Moraes (1997, p. 16), se o liberalismo restringia as funções do Estado, o neoliberalismo de Hayek, e posteriormente de Friedman, com o livro Liberdade e Capitalismo, praticamente os extingue, Hayek insiste na necessidade de guardar intactos os princípios da sociedade aberta, centrados numa implacável crítica do Estado-Providência, tido como destruidor da liberdade dos cidadãos e da competição criadora, bases da prosperidade humana. Em tempos de consenso keynesiano, do New Deal norte-americano e do Estado de Bem Estar europeu, essas idéias não encontraram ressonância. É somente a partir da grande crise do modelo econômico do pós-guerra (um período denominado por muitos autores de estagflação, pois foi marcado por estagnação econômica e alta inflação) que as idéias neoliberais começam a ganhar força, adeptos e seguidores.

22 21 Ianni (1996) destaca que é no contexto do que ele chama de globalismo que o liberalismo se transfigura em neoliberalismo. Para ele são muitas e evidentes as interpretações, as propostas e as reivindicações da ideologia neoliberal : [...] reforma do Estado, desestatização da economia, privatização das empresas produtivas e lucrativas governamentais, aberturas de mercados, redução de encargos sociais relativos aos assalariados por parte do poder público e das empresas ou corporações privada, informatização de processos decisórios, produtivos, de comercialização e outros, busca da qualidade total, intensificação da produtividade e da lucratividade da empresa ou corporação transnacional. (IANNI, 1996, p. 7). Dentro das proposições de da reforma do Estado, os organismos multilaterais como Banco Mundial e FMI têm centrado seu fogo nas reformas econômicas e educacionais nos países em desenvolvimento. Estas reformas têm-se se dado prioritariamente, segundo Coraggio (2003), através das condições impostas para os financiamentos, como a redução de custos, descentralização e seu trabalho de assessoria para a implementação das reformas e das novas políticas educacionais. 2.3 O NEOLIBERALISMO E AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO Dentro da reforma do Estado proposta pelo neoliberalismo pode-se destacar dois aspectos que determinam diretamente a Reforma Educacional : por um lado, tida como uma política social, a educação é alvo das políticas de privatização, pois é considerada um custo dispendioso ao Estado; por outro, vista como mercadoria, deve obedecer às leis de mercado de qualidade e eficiência: É na perspectiva da mercantilização que se verificam as propostas neoliberais para a educação, onde se alargaria a esfera privada em detrimento da esfera pública, com base na tese da ineficiência do Estado, em contraposição à propagada eficiência do mercado. Justifica-se ainda com a redução de custos, maior controle sobre o produto e, conseqüentemente, aumento da eficiência, qualidade e eqüidade. (SILVA, 2001, p. 166)

23 22 Coraggio (2003) também destaca que a análise econômica transformou-se na metodologia principal para a definição das políticas educativas, enfoque que leva a assemelhar a escola à empresa, a ver os fatores do processo educativo como insumos e a eficiência e as taxas de retorno como critérios fundamentais de decisão. (CORAGGIO, 2003, p ). Boneti (2001) ao falar das dificuldades para que a escola cumpra sua função social como instituição do resgate da cidadania destaca que é necessário considerar que a escola está inserida num contexto global, financiada com a perspectiva de atender um projeto político econômico. (BONETI, 2001, p. 224). Segundo o autor, não é mais possível falar apenas de luta ou de interesse de classes, pois já não é mais possível delimitá-los. Os interesses que entram em jogo na definição das políticas públicas são individuais, de partidos políticos, de organizações sociais. O mais conveniente seria utilizar o conceito de elites dominantes. Da mesma forma, os interesses não se definem mais como locais, ou regionais, mas globais, consideramos as elites como agentes que participam fortemente na definição das políticas públicas, atendendo os interesses do capitalismo global. (BONETI, 2001, p. 232). O autor destaca ainda que o mercado de trabalho busca a excelência fundamentada sobre um padrão homogêneo, uma convenção que instituiu um tipo ideal de sujeito social dotado de um padrão específico de conhecimento técnico e de comportamento social afinado com o paradigma da utilidade (BONETI, 2001, p. 233). Segundo esse autor, a formação do sujeito útil aparece nas determinações do Banco Mundial, respaldadas pela política educacional nacional, de se fazer chegar um conteúdo mínimo e homogêneo para toda a população. No que se refere à racionalização dos recursos aplicados à educação, as prioridades educacionais são: investimento no jovem, priorizando a educação básica, investimento em livros didáticos e formação continuada de professores, obedecendo à lógica econômica da relação custo x benefício.

24 23 Silva (2001, p. 159) destaca que a ideologia neoliberal considera as desigualdades sociais como resultante dos reveses da sorte : os indivíduos, assim como herdam bens materiais, herdam também capacidade e talento. Depende da sorte de cada um. Além disso, considera também que cada um é responsável pelo seu sucesso ou fracasso, pois as oportunidades seriam iguais para todos, estimulando o individualismo e a competitividade. Ianni (1996, p. 10) diz que são elementos essenciais do discurso ideológico neoliberal o trabalho subordinado ao capital, o trabalhador à máquina ou ao computador, o consumidor à mercadoria, o bem-estar à eficácia, a qualidade à quantidade, a coletividade à lucratividade. O incentivo à competitividade, ao cada um por si, e que vença o melhor, reforça a individualidade enfraquece a coletividade. Também Bauman (2001) destaca o processo de individualização como uma marca da pós-modernidade, que tem como conseqüência a desintegração da rede social. Quem sabe se, caso os poderes individuais tão frágeis e impotentes isoladamente, fossem condensados em posições e ações coletivas, poderíamos talvez realizar em conjunto o que ninguém poderia realizar sozinho? Quem sabe... O problema é, porém, que essa convergência e condensação de queixas individuais em interesses compartilhados, e depois em ação conjunta, é uma tarefa assustadora, dado que as aflições mais comuns dos indivíduos por fatalidade nos dias de hoje são não-aditivas, não podem ser somadas numa causa comum. Podem ser postas lado a lado, mas não se fundirão. Pode-se dizer que desde o começo são moldadas de tal maneira que lhes faltam interfaces para combinar-se com os demais problemas das demais pessoas. (BAUMAN, 2001, p. 44). O outro lado da individualização, continua Bauman (2001, p. 46), parece ser a corrosão e a lenta desintegração da cidadania e os principais obstáculos a serem examinado urgentemente, estão ligados às crescentes dificuldades de traduzir os problemas privados em questões públicas (BAUMAN, 2001, p. 62). Em outro momento, em entrevista à revista Tempo Social - USP ele diz: infelizmente, o que se ouve agora, como homilias insistentes, é que devemos buscar soluções individuais para problemas produzidos socialmente e sofridos coletivamente. (BAUMAN, 2004, p. 304).

25 24 Dentro deste contexto de intensificação da globalização, de expansão do capitalismo e do ideário neoliberal, de mudanças constantes, de novas configurações de poder, de informações instantâneas, de declínio da coletividade e predomínio da competitividade e do individualismo, que demandas são colocadas à escola e quais ela tem respondido?

26 25 3 A FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA A escola é a instituição eleita pela classe popular como alternativa para buscar um caminho diferente. É por meio da escolaridade que se espera conseguir as ferramentas para sobreviver numa sociedade, cujas regras são criadas considerando que todos tenham o que ela não dá - condições para competir de igual para igual. Segundo Penin e Vieria (2002), a função social da escola tem sido um dos temas mais frequentes nos debates contemporâneos sobre educação, pois na chamada era do conhecimento ou era da informação, afinal nunca se teve tanto acesso às informações, mas o conhecimento, em si, continua restrito à elite e tem ocupado cada vez mais um papel central na organização social e econômica. Esses debates, segundo as autoras, tendem a redefinir a centralidade da instituição social, pois, sempre que a sociedade depara-se com mudanças significativas, novas exigências são atribuídas à escola e sua função social tende a ser revista; seus limites e possibilidades questionados. (PENIN & VIEIRA, 2002, p. 13) Boneti (2001) também destaca a centralidade da função social da escola nos debates atuais sobre a exclusão social, suas causas e seus efeitos. Nesse sentido, segundo o autor, a escola é sempre lembrada como uma instituição encarregada da promoção da inclusão ou da diminuição da exclusão (BONETI, 2001, p. 213). Penin e Vieira (2002) pontuam que a escola historicamente cumpriu uma função social excludente, a preocupação com a educação das camadas privilegiadas da população já esteve presente nas primeiras formas de escolarização de Roma e da Grécia antiga, porém somente há cerca de 200 anos, a partir da Revolução francesa e da Independência dos Estados Unidos é que se começa a buscar uma escola à qual não tivessem acesso apenas os filhos das elites, como também as massas trabalhadoras. (PENIN & VIEIRA, 2002, p )

27 26 Para Gómez (1998, p. 13) a educação, num sentido amplo, cumpre uma iniludível função de socialização, segundo ele, a ação educativa é própria da espécie humana para transmitir às novas gerações, as suas conquistas históricas através de mecanismos e sistemas externos, já que as aquisições adaptativas da espécie às peculiaridades do meio não se fixam biologicamente. É assim que, segundo esse autor, a função da escola aparece puramente conservadora: garantir a reprodução social e cultural como requisito para a sobrevivência mesma da sociedade. (GÓMEZ, 1998, p. 14). Apesar de não ser a única instância a cumprir a função reprodutora (exercem-na também a família, os grupos sociais, os meios de comunicação), a escola cumpre-a de forma delegada e de modo cada vez mais complexo e sutil. Segundo Gómez (1998, p. 15), seria consenso entre as várias correntes teóricas da sociologia e da educação que o objetivo básico e prioritário da socialização dos alunos/as na escola é prepará-los para sua incorporação no mundo do trabalho, e a segunda função a formação do cidadão/ã para a sua intervenção na vida pública. Assim, segundo esse autor, impõem-se exigências contraditórias aos processos de socialização na escola, o um mundo da economia demanda o sujeito produtor-consumidor apático e subserviente, diferente do conceito de cidadão que demanda a esfera política numa sociedade formalmente democrática: Ao menos em aparência e no terreno teórico, se manifesta uma grande contradição entre a sociedade que requer para seu funcionamento político e social a participação ativa e responsável de todos os cidadãos considerados por direito como iguais, e essa mesma sociedade que na esfera econômica, ao menos para a maioria da população, induz à submissão disciplinada e à aceitação de escandalosas diferenças de fato. (GÓMEZ, 1998, p. 20). Mas Gómez (1998) alerta que essa contradição é apenas aparente, na realidade ela é mais uma estratégia para a manutenção do status quo com a naturalização das relações hierárquicas e da desigualdade social:

28 A contradição evidenciada entre as exigências das diferentes esferas da sociedade dissolve-se em grande parte, quando se comprova que também na prática a esfera política e o âmbito civil requerem apenas a aparência de comportamentos democráticos ou, em outras palavras, quando os mecanismos formais de participação, independente da eficácia e honestidade de seu funcionamento, são garantia suficiente para manter o equilíbrio instável de uma comunidade social assolada pela desigualdade e pela injustiça. (GÓMEZ, 1998, p. 20). 27 Faz parte, portanto, segundo Gómez (1998), do processo de socialização escolar a aceitação da contradição entre as aparências formais e as realidades factuais. E a orientação homogeneizadora da escola confirma e legitima as diferenças sociais, transformando-as em outras de caráter individual, assim as diferenças de origem consagram-se como diferenças de saída, a origem social transforma-se em responsabilidade individual. (GÓMEZ, 1998, p. 21) Será possível então que a escola atenda às demandas das classes trabalhadoras de servir como espaço de construção do conhecimento como forma de acesso à cidadania e possibilidade de transformação da sua realidade social ou será unicamente legitimadora e reprodutora das diferenças sociais? 3.1 A ESCOLA COMO APARELHO IDEOLÓGICO DO ESTADO Louis Althusser, um dos principais nomes da teoria reprodutivista, em seu livro Ideologia e Aparelhos ideológicos de Estado (1980) destaca a escola como um dos Aparelhos Ideológicos do Estado, através do qual a classe dominante para existir produz as forças produtivas e as relações de produção. Analisando as relações de produção trabalhistas dentro do regime capitalista, ele destaca que: [...] a reprodução da força de trabalho exige não só uma reprodução qualificada desta, mas, ao mesmo tempo, uma reprodução da submissão desta às regras da ordem estabelecida, isto é, uma reprodução da submissão desta à ideologia dominante para os operários e uma reprodução da capacidade para manejar bem a

29 ideologia dominante para os agentes da exploração e da repressão, a fim de que possam assegurar também «pela palavra», a dominação da classe dominante. (ALTHUSSER, 1980, p ) 28 É assim que a Escola e também outros Aparelhos Ideológicos de Estado e os Aparelhos do Estado ensinam «saberes práticos» em moldes que asseguram a sujeição à ideologia dominante ou o manejo da «prática» desta. (ALTHUSSER, 1980, p. 22). A diferença entre o Aparelho (repressivo) do Estado, que se configura, por exemplo, no Governo, no Exército, na Polícia, nos Tribunais e os Aparelhos Ideológicos de Estado - entre os quais Althusser (1980) cita: o religioso, o escolar, o familiar, o jurídico, o político, o sindical, o da informação e o cultural - é que os primeiros funcionam, de maneira prevalente pela violência e os segundos prevalentemente «pela ideologia». (ALTHUSSER, 1980, p ). Mas, autor destaca ainda que, nenhum é puramente ideológico, nem puramente repressivo; o Exército e a Polícia, que são aparelhos repressivos, atuam também pela ideologia para assegurar a sua coesão e pelos valores que projetam e os Aparelhos Ideológicos de Estado, como a Escola e as Igrejas, «educam» por métodos apropriados de sanções, de exclusões, de seleção, etc. (ALTHUSSER, 1980, p. 47). Em relação à Escola, Althusser (1980, p. 66) destaca que nenhum aparelho ideológico de Estado dispõe durante tanto tempo de uma audiência obrigatória, e: É através da aprendizagem de alguns saberes práticos (savoir-faire) envolvidos na inculcação massiva da ideologia da classe dominante que são em grande parte reproduzidas as relações de produção de uma formação social capitalista, isto é, as relações de explorados com exploradores e de exploradores com explorados. Os mecanismos que reproduzem este resultado vital para o regime capitalista são envolvidos e dissimulados por uma ideologia da Escola universalmente reinante, visto que é uma das formas essenciais da ideologia burguesa dominante: uma ideologia que representa a Escola como um meio neutro, desprovido de ideologia (visto que... laico). (ALTHUSSER, 1980, p ) Esse autor enfatiza também que a reprodução das relações de produção só pode ser um empreendimento de classe, o Estado e seus Aparelhos são aparelhos de

30 luta das classes, assegurando a opressão de classe e garantindo as condições de reprodução desta. (ALTHUSSER, 1980, p ). 29 Apreende-se assim, que para este autor a escola é um instrumento para que a classe dominante legitime e perpetue as relações de exploração das classes trabalhadoras. 3.2 A ESCOLA E A REPRODUÇÃO Para Bourdieu e Passeron (1992), toda a ação pedagógica (AP) é uma violência simbólica por tratar-se da imposição por um poder arbitrário, de um arbitrário cultural. (BOURDIEU & PASSERON, 1992, p. 22). Nesse sentido, os autores destacam que o exercício ação pedagógica dispõe de uma autoridade pedagógica (AuP), assim os emissores pedagógicos são designados como dignos de transmitir o que transmitem, e por conseguinte autorizados a impor a recepção (BOURDIEU & PASSERON, 1992, p. 32) Segundo esses autores, a ação pedagógica implica o trabalho pedagógico que: [...] como trabalho de inculcação que deve durar o bastante para produzir uma formação durável; isto é, um habitus como produto da interiorização dos princípios de um arbitrário cultural capaz de perpetuar-se após a cessação da AP e por isso de perpetuar nas práticas os princípios do arbitrário interiorizado. (BOURDIEU & PASSERON, 1992, p ) Assim, a ação pedagógica implicaria a escolha do conteúdo a ser inculcado, da forma de inculcação, do tempo necessário à inculcação para que o trabalho pedagógico reproduza a forma realizada do habitus, isto é, o grau de realização cultural (grau de competência legítima) pelo qual um grupo ou classe reconhece o homem realizado. (BOURDIEU & PASSERON, 1992, p. 46). Sobre o arbitrário cultural, estes autores destacam que a ação pedagógica dominante tende a impor aos grupos dominados ao mesmo tempo o

31 reconhecimento da legitimidade da cultura dominante e da ilegitimidade de seu arbitrário cultural. (BOURDIEU & PASSERON, 1992, p. 52). 30 A teorização de Bourdieu e Passeron (1992) apesar de apresentar um caráter de imutabilidade, dialoga de certa forma com as teorizações mais recentes, classificadas como pós-críticas: as teorias pós-coloniais, pós-modernistas e pósestruturalistas, que têm denunciado que a definição do que é conhecimento válido e é digno, pode ou deve ser transmitido, ou socializado, está carregada de ideologia e permeada por relações de poder. Nesse sentido, Silva (2005) destaca a perspectiva pós-estruturalista, segundo a qual, pode-se dizer que currículo é uma questão de poder, pois: Selecionar é uma operação de poder. Privilegiar um tipo de conhecimento é uma operação de poder. Destacar, entre as múltiplas possibilidades, uma identidade ou subjetividade como sendo a ideal é uma operação de poder. (SILVA, 2005, p. 16). Boneti (2001) destaca a imposição do arbitrário cultural através do caráter ideológico da ciência e da técnica da concepção do conhecimento adotada pelas escolas brasileiras, onde o conhecimento técnico é tido como superior, como o conhecimento válido, original da ciência, em contraposição a qualquer outro tipo de conhecimento, não-válido. (BONETI, 2001, p ). Contribuem também para a análise da função social da escola e das relações de poder as teorizações sobre o currículo oculto. Segundo Silva (2005) nelas o que está presente é que as características estruturais da sala de aula e da situação de ensino, mais do que seu conteúdo explícito, ensinam os padrões de comportamento desejáveis. Assim, segundo o autor, o currículo oculto é constituído por todos aqueles aspectos do ambiente escolar que, sem fazer parte do currículo oficial, explicito, contribuem, de forma implícita, para aprendizagens sociais relevantes. (SILVA, 2005, p. 78) A partir das contribuições dos estudos de gênero, sexualidade e raça, denuncia-se que nas relações sociais da escola e na organização do espaço escolar, aprende-se

32 como ser homem ou mulher, como ser heterossexual ou homossexual, o que é ser branco, ou o que é ser negro. (SILVA, 2005, p. 79) 31 Segundo esse autor é importante saber o que fazer quando se conseguir desocultar o currículo oculto, pois se sua eficácia reside na sua natureza oculta, apreende-se disto que se for possível desocultá-lo, ele se tornará menos eficaz. Porém o autor destaca que também que, neste momento em que a ideologia neoliberal busca explicitamente afirmar os valores capitalistas, não existe mais muita coisa oculta no currículo, pois com a ascensão neoliberal, o currículo tornou-se assumidamente capitalista. (SILVA, 2005, p ). Retoma-se aqui o questionamento anteriormente apresentado: será possível que a escola atenda às demandas das classes trabalhadoras ou será unicamente legitimadora e reprodutora das diferenças sociais? 3.3 HÁ MAIS COISAS ENTRE A REPRODUÇÃO E A PRODUÇÃO Os estudos mais recentes referentes à educação, escola e currículo, têm-se concentrado nas conexões entre poder, saber e identidade e têm levado em consideração aspecto dialético da luta pela imposição da cultura dominante dos processos de resistência das classes dominadas e dos grupos subjugados. Podemos destacar entre as teorias pós-críticas: pós-colonialistas, pós-modernistas e pós-estruturalistas, os Estudos Culturais 6, de raça e etnia e de gênero. Em relação aos Estudos Culturais, Silva (2005, p ) destaca que concebem a cultura como um campo de produção de significados no qual os diferentes grupos sociais [...] lutam pela imposição de seus significados à sociedade mais ampla. 6 Segundo Silva (2005, p. 131) o campo de teorização e investigação conhecido como Estudos Culturais tem sua origem na fundação, em 1964, do Centro de Estudos Culturais Contemporâneos, na Universidade de Birmingham, Inglaterra. Contrapõe-se à visão elitista da cultura como as grandes obras literárias e das artes em geral e propõe que a cultura deve ser entendida como um modo de vida global de uma sociedade, como a experiência vivida de qualquer sociedade. Obras centrais: Culture and Society, Raymond Williams (1958); Uses of Literacy, Richard Hoggart (1957); The making fo the English working class, E. P. Thompson (1963).

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO

GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO RESUMO Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia - N. 6, JAN/JUN 2009 GESTÃO ESCOLAR DEMOCRÁTICA: UM INSTRUMENTO DA INCLUSÃO Beanilde Toledo

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA

A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES SOCIAIS CONTEMPORÂNEA CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X A TEORIA DO PODER SIMBÓLICO NA COMPREENSÃO DAS RELAÇÕES

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 1 CONCEPÇÕES DE CURRÍCULO e-mail: simoneperes2@yahoo.com.br 2 CONVERSANDO SOBRE CURRÍCULO Diferentes concepções Conteúdos e competências Sobre aprendizagens Projetos alternativos

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X

CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X DA INVISIBILIDADE AFROBRASILEIRA À VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE

Leia mais

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo

Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA. Profa. Viviane Araujo Unidade I ESCOLA, CURRÍCULO E CULTURA Profa. Viviane Araujo Definindo alguns conceitos Escola podemos pensar uma série de questões quando tratamos do termo escola: lugar; espaço físico; organização; relações

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO

PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO PRESSUPOSTOS EPISTEMOLÓGICOS DA EDUCAÇÃO Toda teoria pedagógica pressupõe uma teoria epistemológica, da qual o professor faz uso, mesmo que ele não tenha consciência disso. Ou seja, mesmo que o professor

Leia mais

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG

EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA. Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA CRÍTICO-REPRODUTIVISTA Profª Drª Gisele Masson Departamento de Educação Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG Pierre Bourdieu 1930-2002 França Jean-Claude Passeron 1930 França

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita;

MÉTODO CIENTÍFICO. BENEFÍCIOS DO MÉTODO: execução de atividade de forma mais segura, mais econômica e mais perfeita; MÉTODO CIENTÍFICO CONCEITO: palavra de origem grega, significa o conjunto de etapas e processos a serem vencidos ordenadamente na investigação da verdade; IMPORTÃNCIA DO MÉTODO: pode validar ou invalidar

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA

Núcleo de educação a distância - NEAD/UNIFRAN UNIVERSIDADE DE FRANCA Educação conceito permeado por valores e finalidades Educação e Sociedade:algumas visões no século XX Universidade de Franca Pedagogia EAD Sociologia Geral e da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS

APRESENTAÇÃO DOS ANAIS APRESENTAÇÃO DOS ANAIS ARANHA, M.S.F.. Apresentação dos Anais. In: III Congresso Brasileiro Multidisciplinar de Educação Especial, 2002, Londrina (PR). CD-ROM do III Congresso Brasileiro Multidisciplinar

Leia mais

Gestão Democrática da Educação

Gestão Democrática da Educação Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Departamento de Articulação e Desenvolvimento dos Sistemas de Ensino Coordenação Geral de Articulação e Fortalecimento Institucional dos Sistemas de

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada

Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à Alimentação Adequada I Seminário Estadual da Rede-SANS Desafios e estratégias para a promoção da alimentação saudável adequada e solidária no Estado de São Paulo Estratégias e programas para a garantia do Direito Humano à

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005

Qualificação. Horizontes. BSB, 22 de novembro. de 2005 Qualificação Horizontes BSB, 22 de novembro de 2005 Campo Qualificação Conceito: espaço social específico com autonomia relativa onde os sujeitos sociais atuam refletindo sua ação mais geral na sociedade

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo

A Educação para e na Diversidade. 28 de abril 2009 São Paulo A Educação para e na Diversidade 28 de abril 2009 São Paulo NOSSA MISSÃO Construir, articular, promover e implementar práticas e políticas inclusivas, com os diversos setores da sociedade, para garantir

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA

DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA DISCURSO DE POSSE DA VICE-REITORA DA UNEB, ADRIANA DOS SANTOS MARMORI LIMA Familiares, amigos, técnicos administrativos, estudantes, professores, grupo gestor da UNEB, autoridades civis, militares, políticas

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais