Triagem para o câncer colorretal por meio da pesquisa de sangue oculto nas fezes: Quando indicar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Triagem para o câncer colorretal por meio da pesquisa de sangue oculto nas fezes: Quando indicar?"

Transcrição

1 Triagem para o câncer colorretal por meio da pesquisa de sangue oculto nas fezes: Quando indicar? Sessões Clínicas em Rede nº 05 10/09/ Epidemiologia do câncer colorretal 2. Patogênese do câncer colorretal 3. Fatores de risco 4. Triagem para o câncer colorretal em pessoas sem fatores de risco 5. Conclusão 6. Bibliografia 1. EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER COLORRETAL O câncer colorretal (CCR) é uma doença comum e letal. No mundo, é o segundo mais comum na mulher e o terceiro no homem, tendo provocado cerca de mortes em Aproximadamente uma em cada três pessoas que desenvolvem a doença morrem em sua consequência. 2 O câncer colorretal é infrequente antes dos 40 anos e sua incidência aumenta progressivamente após essa idade, sendo que 90% dos casos ocorrem após os 50 anos de idade. 3 No Brasil, os tumores de cólon e reto estão entre as cinco localizações anatômicas mais prevalentes em termos de mortalidade para ambos os sexos. As maiores taxas de mortalidade por câncer de cólon/reto são observadas nas regiões Sul e Sudeste. Nos últimos anos, tem-se observado aumento na incidência de casos entre 40 e 60 anos. Estima-se que em 2012 haverá 30 mil casos novos desse tipo de câncer, estando entre os mais prevalentes, tanto no sexo masculino, quanto no feminino. 4

2 TABELA 1 - Distribuição proporcional dos dez tipos de câncer mais incidentes estimados para 2012, exceto pele não melanoma Localização primária Casos novos Percentual Localização primária Casos novos Percentual Próstata ,8% Mama Feminina ,9% Traquéia, Brônquio e Pulmão ,8% Colo do Útero ,3% Cólon e Reto ,3% Cólon e Reto ,4% Estômago ,5% Cavidade Oral ,1% Esôfago ,0% Glândula Tireoide Traqueia, Brônquio Pulmão e ,6% ,3% Estômago ,9% Bexiga ,2% Ovário ,3% Laringe ,1% Corpo do Útero ,4% Linfoma Hodgkin não Sistema Nervoso Central ,7% ,5% Sistema Nervoso Central Linfoma Hodgkin não ,4% ,4% Fonte: 2. PATOGÊNESE DO CÂNCER COLORRETAL A maioria dos cânceres colorretais origina-se a partir de um pólipo adenomatoso, sendo as mudanças neoplásicas resultantes tanto de alterações genéticas como adquiridas. 5 Os pólipos adenomatosos são encontrados em cerca de 25% dos homens e 15% das mulheres e a prevalência aumenta com a idade. 6 A progressão de adenoma para carcinoma, quando ocorre, leva em média, pelo menos 10 anos. 7 A retirada dos pólipos diminui o risco de câncer. O National Polyp Study Work Group acompanhou 1418 pacientes nos quais a colonoscopia levou à retirada de um ou mais pólipos. Durante a mediana de seguimento de seis anos, a incidência de câncer colorretal foi 88% a 90% menor do que em pacientes de outros estudos cujos pólipos não foram removidos e inferior 76% à incidência observada na população geral. 8

3 PÓLIPOS ADENOMATOSO DISPLASIA CÂNCER HIPERPLÁSICOS 1- FATORES DE RISCO CÂNCER COLORRETAL Em geral, não progridem para câncer 3. FATORES DE RISCO O risco de desenvolver CCR é influenciado por fatores ambientais e genéticos. Apesar de a susceptibilidade herdada resultar no aumento do risco, a maioria dos CCR são esporádicos. 9 Os principais fatores que aumentam o risco de CCR são hereditariedade, idade, história pessoal ou familiar positiva para este tipo de tumor e doença inflamatória intestinal. A polipose adenomatosa familiar e a Síndrome de Lynch (câncer colorretal hereditário não poliposo) são as síndromes mais comuns de CCR familiares, mas juntas representam apenas 5% dos casos de CCR. A idade é o maior fator de risco para o CCR esporádico, que é incomum antes dos 40 anos de idade e a incidência aumenta progressivamente com o envelhecimento TRIAGEM PARA O CÂNCER COLORRETAL EM PESSOAS SEM FATORES DE RISCO 4.1 Panorama da triagem A triagem para o câncer colorretal tem como objetivo detectar esta neoplasia em um estágio inicial em pessoas que ainda não apresentam sintomas, quando o tratamento tem maior chance de ser efetivo. Essa triagem é recomendada de diferentes maneiras dependendo do país analisado.

4 No Reino Unido há um programa específico para a triagem do câncer colorretal que foi iniciado em 2006 e atingiu cobertura nacional em 2010: O NHS Bowel Cancer Screening Programme oferece a triagem a cada dois anos para homens e mulheres com idade entre 60 e 75 anos. Essas pessoas são contatadas por centrais do programa e recebem em casa um kit com instruções para a pesquisa de sangue oculto nas fezes em três amostras. O kit é enviado de volta após a coleta e, em caso de exame positivo, a pessoa é comunicada e encaminhada para centros de triagem. Nesses, são submetidas aos exames endoscópicos necessários e, caso seja indicado, são referenciadas ao hospital local visando o cuidado multidisciplinar. Além da pesquisa de sangue oculto nas fezes, o NHS também introduziu a triagem através da sigmoidoscopia flexível para todos os homens e mulheres aos 55 anos, que podem requisitar esse exame até o seu 60º aniversário. A partir dos sessenta anos é oferecida a pesquisa de sangue oculto nas fezes como explicitado anteriormente. 10 A introdução da sigmoidoscopia flexível foi ensejada por um estudo fase III, multicêntrico, que mostrou que a sigmoidoscopia flexível é um exame seguro e prático quando oferecido como triagem para um grupo etário apropriado conferindo benefício substancial e duradouro. 11 Nos Estados Unidos, a United State Preventive Service Task Force (USPSTF) recomenda a triagem para o câncer colorretal usando a pesquisa de sangue oculto nas fezes, a sigmoidoscopia ou a colonoscopia em adultos a partir dos cinquenta anos até a idade de 75 anos e não recomenda a triagem após essa idade. 12 A Associação Canadense de Gastroenterologia faz as seguintes recomendações para a triagem de câncer colorretal nos pacientes com risco usual: a triagem deve ser realizada em pessoas com mais de cinqüenta anos de idade, por meio da pesquisa (anual ou bianual) de sangue oculto nas fezes, de preferência pelo método imunoquímico. A sigmoidoscopia flexível é disponibilizada e o intervalo entre as sigmoidoscopias normais deve ser de dez anos ou mais. A colonoscopia, a colonografia computadorizada e o DNA fecal não são recomendados para a triagem. 13

5 No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) recomenda que as pessoas com mais de 50 anos se submetam anualmente à pesquisa de sangue oculto nas fezes e, caso o resultado seja positivo, façam a colonoscopia Testes utilizados para triagem do câncer colorretal Os testes para a triagem do câncer colorretal que têm sido mais comumente utilizados são a pesquisa de sangue oculto nas fezes, a sigmoidoscopia flexível e a colonoscopia. Há testes desenvolvidos mais recentemente, como os testes imunoquímicos para as fezes, a colonografia tomográfica e o teste para DNA fecal. Esses dois últimos não são indicados pelas principais recomendações/guidelines para triagem em diversos países Pesquisa de sangue oculto nas fezes Tipos de testes para a pesquisa de câncer oculto nas fezes A pesquisa de sangue oculto nas fezes consiste na identificação de hemoglobina e pode ser realizada por dois métodos: o teste guaiaco (tradicional) ou o teste imunológico. Teste guaiaco Também denominado teste da o-tolidina, baseia-se na atividade da pseudoperoxidade que a porção da hemoglobina exerce, causando a oxidação de um composto fenólico (ácido alfa-guaicônico) pela ação do peróxido de hidrogênio da solução, formando uma estrutura quinona. Esta reação química torna-se visível pelo aparecimento da cor azul ou azul esverdeada, dentro de 30 segundos, se o sangue estiver presente nas fezes. No Brasil, muitos laboratórios utilizam o reativo de Meyer para o processo descrito acima. Essa mistura, quando acrescida de água oxigenada, adquire coloração avermelhada na presença de hemoglobina. As diferentes variações da coloração avermelhada são classificadas como positivas em graduação de uma a quatro cruzes. 16 A utilização de certos alimentos, drogas, vitaminas e outras substâncias durante o período de coleta altera o resultado do exame. Entretanto, uma revisão sistemática mostrou que a adoção de uma dieta restritiva não reduziu a positividade do exame, mas diminuiu a adesão dos pacientes. 17 Não é necessário evitar suplementos orais de

6 ferro Já a utilização da vitamina C interfere no teste e sua ingestão deve ser restrita a menos de 250 mg/dia. Esta dose é menor que aquela habitualmente encontrada em polivitamínicos comuns. O seu uso deverá ser suspenso por pelo menos três dias antes da coleta do exame. 21 A sensibilidade de uma única coleta desse exame para diagnóstico do câncer colorretal, usando o teste tradicional (guaiaco), está em torno de apenas 30% 22. Um programa de coleta repetida aumenta essa sensibilidade para cerca de 80 a 92%. 23 Assim, recomenda-se que a triagem para câncer colorretal seja realizada com três espécimes consecutivas de fezes. O teste denominado Hemoccult SENSA (teste também baseado no guaiaco) é mais sensível que o guaiaco tradicional, denominado Hemoccult II, mas tem menor especificidade. Em uma comparação direta ( head to head ), a sensibilidade do Hemoccult SENSA para o câncer colorretal foi de 64% a 80% comparada com 25% a 38% do Hemoccult II; a especificidade foi de 87% a 90% para o Hemoccult SENSA e de 98% a 99% para o Hemoccult II. 24 Testes imunoquímicos Os testes imunoquímicos detectam especificamente a hemoglobina humana e não detectam sangramento gastrointestinal alto, pois a hemoglobina passa pelo processo de digestão ou por alimentos com atividade de peroxidase. Há uma variedade de testes comercializados no mundo, alguns fornecem resultados qualitativos e outros quantitativos. Os maiores laboratórios de Belo Horizonte fazem a pesquisa de sangue oculto nas fezes através do anticorpo monoclonal anti-hemoglobina humana. 25 A sensibilidade do teste imunoquímico diminui com a demora no processamento da amostra, devido à degradação da hemoglobina com o tempo. 26 Ele requer menos amostras de fezes que o teste guaiaco (uma ou duas, comparadas com três) e o processo de análise é automatizado. É um teste mais caro, mas, por ser mais específico, pode ser custo efetivo considerando que muitas colonoscopias desnecessárias serão evitadas.

7 Desempenho dos testes para detecção de sangue oculto nas fezes nos ensaios clínicos O uso da pesquisa de sangue oculto nas fezes, pelo método guaiaco ou imunoquímico, para a triagem de CCR foi avaliado por meio de uma revisão sistemática da Cochrane que incluiu estudos randomizados controlados que compararam a triagem utilizando um desses métodos com nenhuma triagem, e tiveram como desfecho a mortalidade por CCR. Foram encontrados quatro estudos que mostraram que a pesquisa de sangue oculto nas fezes reduziu em 16% o risco relativo de morte por CCR (RR 0,84; IC: 0,78-0,90). Dois desses estudos avaliaram pessoas entre 45 e 75 anos, um avaliou de 50 a 80 anos e o quarto de 60 a 64 anos. Três dos estudos analisados fizeram a triagem a cada dois anos, o que resultou em diminuição do risco relativo de morte por câncer colorretal, não muito diferente daquele observado na triagem anual com diminuição do risco em 15% (RR 0,85%, IC 0,78-0,92). Um fator que influencia a acurácia do teste é o grau de hidratação da amostra. Na tabela 5, encontram-se os valores para os estudos de acordo com a reidratação da amostra. A hidratação aumenta a sensibilidade levando a mais resultados falso positivos. 27 Tabela 5 - Acurácia dos testes nos ensaios clínicos randomizados 27 ECR Reidratação Porcentagem de positividade Sensibilidade Valor preditivo positivo (CCR) Valor preditivo positivo (adenoma) Nottingham Não 1,2-2,7% 57,2% 9,9-17,1% 42,8-54.5% Funen Não 0,8-3,8% 55% 5,2-18,7% 14,6-38,3% Goteborg Sim 1,7-14,3% 82% 4,8% 14% Não 1.9% NR NR NR Minnesota Sim 3,9-15,4% 92,2% 0,9-6,1% 6,0-11% Não 1,4-5,3% 80,8% 5,6% NR ECR: ensaio clínico controlado; CCR: Câncer colorretal

8 Os autores dos estudos utilizados na revisão sistemática da Cochrane concluíram que a triagem resulta em modesta redução na mortalidade por CCR, diminuição na incidência de câncer devido a da detecção e remoção dos adenomas colorretais e a cirurgias menos invasivas para os cânceres diagnosticados precocemente. Já os efeitos indesejados da triagem incluem consequências psicossociais ao receber um resultado falso positivo, as complicações potenciais da colonoscopia, a possibilidade de diagnóstico equivocado com propedêutica complementar e tratamentos desnecessários e complicações associadas ao tratamento. 27 Outra revisão sistemática, que resultou em metanálise, comparou os testes guaiaco (ou baseados nesse) e teste imunoquímico para a triagem do câncer colorretal avançado. A Cochrane fez uma avaliação dessa análise: 16 estudos preencheram os critérios de inclusão (estudos randomizados controlados ou coortes comparando os dois métodos em adultos), cinco ensaios clínicos randomizados e onze estudos de coorte (quatro em pacientes com risco habitual, cinco em pacientes com suspeita ou sabidamente com câncer colorretal e dois com ambas as populações). Nos ensaios clínicos randomizados a porcentagem de detecção do câncer CCR foi maior no teste imunoquímico que no teste guaiaco, mas a diferença não foi significativa (OR 1,5% IC 95% 0,94 a 2,39). Nos estudos de coorte, combinando-se os dados da população em risco usual e com a de maior risco, o teste imunoquímico detectou mais frequentemente o câncer colorretal avançado (OR 1,77; IC 1,31 a 2,39). A superioridade do teste imunoquímico foi observada também na população em risco (OR 1.27, CI 95% 1.01 a 1.60) e com risco usual (OR 2.90, IC95% 2.50 a 3.36) avaliadas isoladamente. Entre todos os estudos de coorte, o valor preditivo positivo dos testes variou de 2% a 50%. Houve substancial heterogeneidade clínica nos estudos em termos dos testes avaliados e das populações estudadas. O agrupamento desses estudos pode não ter sido apropriado, sendo difícil generalizar os resultados do mesmo para a prática clínica. A maioria dos estudos mostrou um benefício do teste imunoquímico sobre o teste guaiaco, mas a magnitude variou muito e foi diferente de acordo com a população estudada. O valor preditivo positivo estimado, a sensibilidade e a especificidade foi, em geral, baixa para ambos os testes. 28

9 5. CONCLUSÃO O CCR é uma neoplasia maligna comum no Brasil, potencialmente fatal. O diagnóstico em um estágio inicial pode permitir o tratamento mais eficaz, evitando a morte pela doença. Assim, a triagem para a sua detecção precoce tem sido recomendada em diversos países, inclusive no Brasil, geralmente após os 50 anos. A pesquisa de sangue oculto nas fezes é o método mais utilizado para a triagem de pessoas com o risco usual. É um teste barato, portanto, acessível à população. O teste imunoquímico parece ser superior ao teste guaiaco tradicional. Ambos mostraram diminuir marginalmente, em ensaios clínicos fase III, a mortalidade por câncer colorretal. Entretanto os testes têm limitações: o seu valor preditivo, sua sensibilidade e especificidade para CCR são baixos. Há muitos falso-positivos que podem levar a propedêutica desnecessária e elevação de custos para os sistemas de saúde. Assim, é importante que a triagem para o CCR, através da pesquisa anual de sangue oculto nas fezes, seja oferecida às pessoas a partir dos cinqüenta anos, com o uso de exames com melhor desempenho nos estudos, com o conhecimento das limitações desses testes e com estrutura adequada para o manejo dos pacientes que apresentarem exame positivo.

10 6. REFERÊNCIAS 1. Jemal A, Bray F, Center MM, Ferlay J, Ward E, Forman D. Global câncer statistics. CA Cancer J Clin. 2011; 61 (2): Siegel R, Ward E, Brawley O, Jemal A. Cancer statistics, 2011: the impact of eliminating socioeconomic and racial disparities on premature cancer deaths. CA Cancer J Clin. 2011; 61(4): National Cancer Institute. Surveillance Epidemiology and End Results. SEER Stat Fact Sheet; colon and rectum. [Acesso em 23 ago. 2012]. Disponível em: 4. Instituto Nacional do Cancer - INCA. Estimativa [Acesso em 14 ago. 2012]. Disponível em: 5. Fearon ER, Vogelstein B. A genetic model for colorectal tumorigenesis. Cell 1990; 61: Ferlitsch M, Reinhart K, Pramhas S, Wiener C, Gal O, Bannert C, et al. Sexspecific prevalence of adenomas, advanced adenomas, and colorectal cancer in individuals undergoing screening colonoscopy. JAMA. 2011; 306 (12): Winawer SJ, Fletcher RH, Miller L, Godlee F, Stolar MH, Mulrow CD, et al. Colorectal cancer screening: clinical guidelines and rationale. Gastroenterology. 1997; 112(2): Winawer SJ, Zauber AG, Ho MN, O'Brien MJ, Gottlieb LS, Sternberg SS, et al. Prevention of colorectal cancer by colonoscopic polypectomy. The National Polyp Study Workgroup. N Engl J Med. 1993; 329(27):1977.

11 9. Ahnen D, Macrae FA, Goldberg RM, Lipman TO. Colorectal cancer: epidemiology, risk factors, and protective factors. [Last literature review: jul. 2012]. [Acesso em 23 ago. 2012]. Disponível em: 10. National Health Services - NHS. Cancer screning programmes. NHS Bowel Cancer Screening Programme. [Acesso em 23 ago. 2012]. Disponível em: em 14/08/ Atkin WS, Edwards R, Kralj-Hans I, Wooldrage K, Hart AR, Northover JM. Once-only flexible sigmoidoscopy screening in prevention of colorectal cancer: a multicentre randomised controlled trial. The Lancet. 2010; 375(9726): U. S. Preventive Services Task Force. Screening for Colorectal Cancer. [Acesso em 14 ago. 2012]. Disponível em: ahttp://www.uspreventiveservicestaskforce.org/uspstf/uspscolo.htm 13. Ledden JD, Enns R, Hilsden R, Ploud V, Rabeneck KL, Sadowski DC, et al. Canadian Association of Gastroenterology position statement on screening individuals at average risk for developing corectal cancer Can J Gastroenterol 2010; 24( 12): Instituto Nacional do Cancer - INCA. Colorretal: detecção precoce. [Acesso em 15 ago. 2012]. Disponível em: eteccao_precoce 15. Fletcher RH. Tests for screening for colorectal cancer: stool tests, radiologic imaging an endoscopy. [Last literature review: jun. 2012]. [Acesso em 23 ago. 2012]. Disponível em: 16. Altenburg FL, Biondo-Simões MLP, Santiago A. Pesquisa de sangue oculto nas fezes e correlação com alterações nas colonoscopias. Rev bras coloproct 2007; 27(3):

12 17. Pignone M, Campbell MK, Carr C, Phillips C. Meta-analysis of dietary restriction during fecal occult blood testing. Eff Clin Pract 2001; 4: Coles EF, Starnes EC. Use of HemoQuant assays to assess the effect of oral iron preparations on stool hemoccult tests. Am J Gastroenterol 1991; 86: Anderson GD, Yuellig TR, Krone RE Jr. An investigation into the effects of oral iron supplementation on in vivo Hemoccult stool testing. Am J Gastroenterol 1990; 85: McDonnell WM, Ryan JA, Seeger DM, Elta GH. Effect of iron on the guaiac reaction. Gastroenterology 1989; 96: Duffy MJ, van Rossum LG, van Turenhout ST, Malminiemi O, Sturgeon C, Lamerz R. Use of faecal markers in screening for colorectal neoplasia: a European group on tumor markers position paper. Int J Cancer. 2011; 128(1): Winawer SJ, Flehinger BJ, Schottenfeld D, Miller DG. Screening for colorectal cancer with fecal occult blood testing and sigmoidoscopy. J Natl Cancer Inst 1993; 85: Vijan S, Hwang I, Inadomi J, Wong RK, Choi JR, Napierkowski J, et al. The cost-effectiveness of CT colonography in screening for colorectal neoplasia. Am J Gastroenterol. 2007;102(2): Allison JE, Sakoda LC, Levin TR, Tucker JP, Tekawa IS, Cuff T, et al. Screening for colorectal neoplasms with new fecal occult blood tests: update on performance characteristics. J Natl Cancer Inst 2007; 99: Hermes Pardini. Hermes. Análises Clínicas. [Acesso em 15 ago. 2012]. Disponível em:

13 26. Van Rossum LG, van Rijn AF, van Oijen MG, Fockens P, Laheij RJ, Verbeek AL, et al. False negative fecal occult blood testing due to delayed sample return in colorectal cancer screening. Int J cancer 2009; 125: Hewitson P, Glasziou P, Irwig L, Towler B, Watson E. Screening for colorectal cancer using the faecal occult blood test, Hemoccult. (Cochrane Database of Systematic Reviews.) In: The Cochrane Library, n.7, Oxford: Update Software. CD ZhuMM, XuXT, NieF, TongJL, XiaoSD, RanZH,. Comparison of immunochemical and guaiac-based fecal occult blood test in screening and surveillance for advanced colorectal neoplasms: a meta-analysis. J Dig Dis. 2010; 11(3):

5.º Ano 2014 Campanha de Prevenção do Câncer de Intestino Grosso 2016 O que é o intestino grosso? 1,5 m de comprimento 6,5 cm de diâmetro COLON SIGMÓIDE CECO ÂNUS Câncer de Intestino Grosso Surge, em 90%

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP- 42883 Renata Loretti Ribeiro 2 Introdução O câncer representa uma causa importante de morbidez e mortalidade, gerador de efeitos que

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER Distribuição das neoplasias em populações humanas Etiologia/Fatores de risco Prevenção/Detecção precoce Prognóstico Tratamento IMPORTÂNCIA DAS NEOPLASIAS

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais

Prevenção ao Câncer Colorretal Senado Federal. Dra. Marlise M. Cerato Presidente da AGCP 2014/15 mcerato@hotmail.com

Prevenção ao Câncer Colorretal Senado Federal. Dra. Marlise M. Cerato Presidente da AGCP 2014/15 mcerato@hotmail.com Prevenção ao Câncer Colorretal Senado Federal Dra. Marlise M. Cerato Presidente da AGCP 2014/15 mcerato@hotmail.com Incidência de Ca Colorretal Menor - África, Ásia e América do Sul Maior - Europa e América

Leia mais

II Curso de Atualização em Coloproctologia

II Curso de Atualização em Coloproctologia II Curso de Atualização em Coloproctologia Estratégias de Prevenção de Câncer nas Doenças Inflamatórias Intestinais Dr. Marco Zerôncio LIGA NRCC Considerações Iniciais As DII (RCUI e colite por Crohn)

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

World Gastroenterology Organisation/International Digestive Cancer Alliance Practice Guidelines: Triagem do câncer colorretal

World Gastroenterology Organisation/International Digestive Cancer Alliance Practice Guidelines: Triagem do câncer colorretal WGO Practice Guidelines: Triagem do câncer colorretal 1 World Gastroenterology Organisation/International Digestive Cancer Alliance Practice Guidelines: Triagem do câncer colorretal Equipe de revisão Prof.

Leia mais

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU

CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais CANCER INCIDENCE IN THE MINAS GERAIS STATE WITH EMPHASIS IN THE REGION OF POÇOS DE CALDAS PLATEAU Berenice Navarro Antoniazzi Epidemiologista Coordenadora

Leia mais

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr American Urological Association (guideline 2013) 1. Nunca rastrear < 40 anos 2. Não rastrear de rotina

Leia mais

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública

IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização em Saúde Coletiva Modalidade Residência Disciplina: Epidemiologia e Saúde Pública Avaliação de Programas de Rastreamento: história natural da doença, padrão de progressão da doença, desenhos de estudo, validade e análise de custo-benefício. IESC/UFRJ Mestrado em Saúde Coletiva Especialização

Leia mais

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino

Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino 1 www.bowelscreeningwales.org.uk Explicação sobre o processo de rastreio do cancro do intestino Este folheto dá-lhe informações sobre o rastreio

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center

como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Esôfago de Barrett: quando acompanhar e como intervir Héber Salvador de Castro Ribeiro Departamento de Cirurgia Abdominal A.C. Camargo Cancer Center Não possuo conflitos de interesse; Esôfago de Barrett

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

FACULDADES PROMOVE DE BRASÍLIA O USO CONTINUO DE FARMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS E O RISCO DE CÂNCER COLORRETAL. Maria Astéria de Sousa Almeida

FACULDADES PROMOVE DE BRASÍLIA O USO CONTINUO DE FARMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS E O RISCO DE CÂNCER COLORRETAL. Maria Astéria de Sousa Almeida FACULDADES PROMOVE DE BRASÍLIA O USO CONTINUO DE FARMACOS ANTI-HIPERTENSIVOS E O RISCO DE CÂNCER COLORRETAL Maria Astéria de Sousa Almeida ABRIL/2014 Águas Claras DF Maria Astéria de Sousa Almeida Projeto

Leia mais

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário?

Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? UNICAMP Citologia ou teste de HPV no rastreio primário? Luiz Carlos Zeferino Professor Titular em Ginecologia Departamento de Tocoginecologia Faculdade de Ciências Médicas CAISM - UNICAMP Clique para editar

Leia mais

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013

Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Governo de Alagoas Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Análise da Situação de Saúde Atlas de Mortalidade por Câncer em Alagoas 1996 a 2013 Maceió AL 2014

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

Magnitude do problema

Magnitude do problema Magnitude do problema CÂNCER NO MUNDO Ano No. de casos mortes vivos 2014 14 milhões 8,2 milhões 2030 27 milhões 17 milhões 75 milhões CÂNCER NO BRASIL Ano No. de casos mortes 2013 518 mil 184.073 2014

Leia mais

Vigilância do câncer no Canadá

Vigilância do câncer no Canadá 1 Vigilância do câncer no Canadá Apresentado por Howard Morrison, PhD Centro de Prevenção e Controle de Doenças Crônicas Agência de Saúde Pública do Canadá O contexto canadense 2 Indivíduos 4% das mulheres

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

Câncer Colorretal Hereditário

Câncer Colorretal Hereditário Câncer Colorretal Hereditário Critérios Diagnósticos João Gomes Netinho jgnetinho@riopreto.com.br Câncer Colorretal Incidência no mundo - 3ª causa mais comum em ambos os sexos - 2ª nos paises desenvolvidos

Leia mais

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus

Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Dia Mundial da diabetes 14 de novembro 1983-2013 EMBARGO ATTÉ 13 DE NOVEMBRO DE 2014,, ÀS 11 HORAS Em 2013 perderam-se 4 683 anos potenciais de vida devido à diabetes mellitus Em 2013, as doenças endócrinas,

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Estudo comparativo entre pólipos hiperplásicos e adenomas colorretais em pacientes submetidos à colonoscopia

Estudo comparativo entre pólipos hiperplásicos e adenomas colorretais em pacientes submetidos à colonoscopia ESTUDO ARTIGOS COMPARATIVO ORIGINAIS ENTRE PÓLIPOS HIPERPLÁSICOS... Cereser et al. Estudo comparativo entre pólipos hiperplásicos e adenomas colorretais em pacientes submetidos à colonoscopia A comparative

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

A Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes Associada a um Questionário de Sinais e Sintomas na Prevenção do Câncer Colo Retal

A Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes Associada a um Questionário de Sinais e Sintomas na Prevenção do Câncer Colo Retal A Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes Associada a um Questionário de Sinais e Sintomas na Prevenção do Câncer Colo Retal Faecal Occult Blood (FOB) Test Associated with a Questionaire of Signs and Symptoms

Leia mais

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório

Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Melhorar sua vida, nosso compromisso Redução da Espera: tratar câncer em 60 dias é obrigatório Maio de 2013 Magnitude do Câncer no Brasil 518 mil novos casos em 2013 Câncer de pele não melanoma deve responder

Leia mais

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama

Arn Migowski. Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Diretrizes Nacionais para a Detecção Precoce do Câncer de Mama Arn Migowski Médico sanitarista e epidemiologista Divisão de Detecção Precoce Instituto Nacional de Câncer INCA, 09 de outubro de 2015 Declaro

Leia mais

CÂNCER COLORRETAL. Previna-se. Dia Nacional do Combate ao Câncer. Prevenção do Câncer Colorretal: rastreamento,vigilância e detecção precoce: contra o

CÂNCER COLORRETAL. Previna-se. Dia Nacional do Combate ao Câncer. Prevenção do Câncer Colorretal: rastreamento,vigilância e detecção precoce: contra o Prevenção do Câncer Colorretal: rastreamento,vigilância e detecção precoce: 27 de Novembro Dia Nacional do Combate ao Câncer Previna-se contra o CÂNCER COLORRETAL 1- INTRODUÇÃO: Os fatores que determinam

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata.

Azul. Novembro. cosbem. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR Novembro Azul Mês de Conscientização, Preveção e Combate ao Câncer De Próstata. Mergulhe nessa onda! A cor da coragem é azul. NOVEMBRO AZUL Mês de Conscientização,

Leia mais

Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes e Achado Colonoscópico em 60 Pacientes

Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes e Achado Colonoscópico em 60 Pacientes Fecal Occult Blood Test and Colonoscopy Diagnosis in 60 Patients MIRIAM PIRATININGA JATOBÁ 1 ; PAULO AZEREDO PASSOS CANDELÁRIA 2 ; WILMAR ARTUR KLUG 3 ; CHIA BIN FANG 4 ; PERETZ CAPELHUCHNIK 5 1 Estagiária

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P.

RASTREIO DO CANCRO E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. RASTREIO DO CANCRO DO CÓLON C E RECTO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO CENTRO,I.P. COR Grupo de trabalho do RCCR 12 Janeiro 2009 Segundo a OMS, o cancro do cólon e do recto, constitui a nível mundial

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

Câncer Colorretal Rastreamento, prevenção e controle. Re s u m o. Ab s t r a c t. HU rev, Juiz de Fora, v.33, n.4, p.125-131, out./dez.

Câncer Colorretal Rastreamento, prevenção e controle. Re s u m o. Ab s t r a c t. HU rev, Juiz de Fora, v.33, n.4, p.125-131, out./dez. HU rev, Juiz de Fora, v.33, n.4, p.125-131, out./dez. 2007 Câncer Colorretal Rastreamento, prevenção e controle Colorretal cancer-screening, prevention and control Ana Paula Telles Pires Dias 1 Angela

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

A situação do câncer no Brasil. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva A situação do câncer no Brasil Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva O Brasil no Cenário do Câncer no Mundo Principais fatores determinantes Situação do Câncer no Brasil 1 Urbanização

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008

UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 UNIMED-BH COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA GRUPO DE AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EM SAÚDE - GATS UTILIZAÇÃO DA OXALIPLATINA NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CÂNCER DE COLON (FOLFOX, FLOX) 06/2008 Belo Horizonte

Leia mais

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção

Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção Projeto Indicadores Assistenciais e de Produção FICHAS TÉCNICA DOS INDICADORES DE CLINICA MÉDICA VERSÃO PRELIMINAR Aprovada pelo Comitê de Clínica Médica em 11 de Março e 08 de Abril e de 2015 (: as inclusões

Leia mais

Avaliação da sobrevida dos pacientes com câncer colorretal tratado em hospital oncológico terciário

Avaliação da sobrevida dos pacientes com câncer colorretal tratado em hospital oncológico terciário Avaliação da sobrevida dos pacientes com câncer colorretal tratado em hospital oncológico terciário Aichinger, L.A. 1, Kool, R. 1, Mauro, F.H.O. 1, Preti, V. 1 1 Hospital Erasto Gaertner, Curitiba, Paraná.

Leia mais

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil

Estimativa 2014. Incidência de Câncer no Brasil Estimativa 2014 Incidência de Câncer no Brasil Para que servem as Estimativas? Conhecer a magnitude dos principais tipos de câncer; Planejamento de ações e programas de controle; Definição de políticas

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE agosto/2011 ano 3 nº 7 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial O controle da doença oncológica sofre influência dos diferentes níveis de atenção à saúde, começando

Leia mais

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE

BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE GAI informa junho/2009 ano 1 nº2 BOLETIM ELETRÔNICO DO GRUPO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO E INFORMAÇÕES DE SAÚDE Editorial Neste segundo número do Boletim Gais Informa apresenta-se um resumo das principais discussões

Leia mais

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS

TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS TENDÊNCIA TEMPORAL DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA FEMININO NAS REGIÕES BRASILEIRAS Carolina Maciel Reis GONZAGA 1, Ruffo FREITAS-JR 1,2, Nilceana Maya Aires FREITAS 2, Edesio MARTINS 2, Rita DARDES

Leia mais

RASTREIO DE CANCRO COLO-RETAL E VIGILÂNCIA DE LESÕES PRECURSORAS PROTOCOLO HOSPITALAR

RASTREIO DE CANCRO COLO-RETAL E VIGILÂNCIA DE LESÕES PRECURSORAS PROTOCOLO HOSPITALAR Serviço de Gastrenterologia Diretor: Dr. João Ramos de Deus RASTREIO DE CANCRO COLO-RETAL E VIGILÂNCIA DE LESÕES PRECURSORAS PROTOCOLO HOSPITALAR Ana Maria Oliveira; Luís Lourenço João Ramos de Deus Amadora,

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO RASTREAMENTO ORGANIZADO DO CÂNCER DE CÓLON E RETO EM UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RURAL DO OESTE DO PARANÁ

IMPLANTAÇÃO DO RASTREAMENTO ORGANIZADO DO CÂNCER DE CÓLON E RETO EM UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RURAL DO OESTE DO PARANÁ IMPLANTAÇÃO DO RASTREAMENTO ORGANIZADO DO CÂNCER DE CÓLON E RETO EM UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA RURAL DO OESTE DO PARANÁ RESUMO BOLSON, Mayara Angélica 1 FRONZA, Dilson 2 FRONZA, Lisete 3 Objetivo: Avaliar

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

NAIARA CRISTINA BIANCHINI NATHALIA LARISSA ANELLO CITTA

NAIARA CRISTINA BIANCHINI NATHALIA LARISSA ANELLO CITTA 1 PROGRAMA DE APRIMORAMENTO PROFISSIONAL SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS FUNDAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ADMINISTRATIVO FUNDAP NAIARA CRISTINA BIANCHINI NATHALIA LARISSA ANELLO

Leia mais

Causas de morte 2013

Causas de morte 2013 Causas de morte 2013 26 de maio de 2015 Causas de morte 2013 Os tumores malignos e as doenças do aparelho circulatório estiveram na origem de mais de metade dos óbitos ocorridos no país em 2013, representando

Leia mais

Informações e Instruções de Uso

Informações e Instruções de Uso Informações e Instruções de Uso Teste Guaiaco modificado por Greegor 1 É o teste de referência de pesquisa de sangue oculto nas fezes para o exame preventivo 2 Generalidades O teste Haemoccult é um método

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Cadernos da Escola de Saúde

Cadernos da Escola de Saúde ANÁLISE DOS MÉTODOS NA PESQUISA DE SANGUE OCULTO NAS FEZES ANALYSIS OF METHODS IN THE FECAL OCCULT-BLOOD TESTING Jefferson Celli Honório 1 Maria Regina Pinheiro Tizzot 2 Biografia 1 Acadêmico do oitavo

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

RASTREAMENTO (Screening)

RASTREAMENTO (Screening) alberto.velazquez@hospitalitaliano.org.ar Prevenção RASTREAMENTO (Screening) Alberto Velazquez Sádio Doente Assintomático Sintomático Rastreamento Definição plicação de um teste para detectar ma condição,doença

Leia mais

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1

TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA. Tânia Aparecida Correia Furquim 1 TEXTO 2 SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DO CÂNCER DE MAMA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 A prevenção, a detecção e o tratamento do câncer de mama (CM) formam hoje o grande objetivo para a melhoria da saúde

Leia mais

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância

20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça. Coordenação de Prevenção e Vigilância Seminário de 20 e 21 de outubro de 2005 Gulnar Azevedo S. Mendonça Coordenação de Prevenção e Vigilância Magnitude do problema Câncer é a segunda causa de morte no Brasil. Mortalidade por câncer vem aumentando,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal.

PALAVRAS-CHAVE Projetos de pesquisa. Patologia. Epidemiologia. Trato gastrointestinal. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal. André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano

Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal. André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano Síndromes Hereditários de Cancro Coloretal André Goulart Interno Cirurgia Geral 4º ano Introdução Epidemiologia CCR 2ª causa de morte Risco desenvolver CCR 6% 90% CCR após os 50 anos Incidência aumentou

Leia mais

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca:

atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: atitudeé prevenir-se Moradores da Mooca: Nós temos atitude, e você? O Câncer do Intestino pode ser prevenido com um teste simples e indolor que pode ser realizado em sua casa. O teste é GRATUITO oferecido

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO

Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER DO APARELHO DIGESTIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO DE ESTATÍSTICA Bastian Ignacio Olivares Flores ANÁLISE DE SOBREVIDA DE PACIENTES COM CÂNCER

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

Check-Up Fleury. 1 Fórum LISTER de Saúde e Segurança do Trabalho. Nelson Carvalhaes Neto 18 de novembro de 2010

Check-Up Fleury. 1 Fórum LISTER de Saúde e Segurança do Trabalho. Nelson Carvalhaes Neto 18 de novembro de 2010 Check-Up Fleury 1 Fórum LISTER de Saúde e Segurança do Trabalho Nelson Carvalhaes Neto 18 de novembro de 2010 Por que solicitamos testes diagnósticos? 1) Esclarecimento de uma suspeita clínica 2) Diagnóstico

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER

RASTREAMENTO EM CÂNCER RASTREAMENTO EM CÂNCER RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo: reduzir a morbidade/mortalidade da

Leia mais

4. Câncer no Estado do Paraná

4. Câncer no Estado do Paraná 4. Câncer no Estado do Paraná Situação Epidemiológica do Câncer Doenças e Agravos Não Transmissíveis no Estado do Paraná Uma das principais causas de morte nos dias atuais, o câncer é um nome genérico

Leia mais

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG

Partes: CÉLIO FERREIRA DA CUNHA MUNICÍPIO DE COROMANDEL-MG RESPOSTA RÁPIDA 208/2014 Assunto: Azacitidina para tratamento de mielodisplasia SOLICITANTE Juiz de Direito da comarca de Coromandeu NÚMERO DO PROCESSO 0193.14.001135-7 DATA 16/04/2014 Coromandel, 14/04/2014

Leia mais

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil

c Taxas por milhão, ajustadas pela população padrão mundial, 1966 146 Câncer na Criança e no Adolescente no Brasil As taxas médias de incidência de câncer por 1.000.000 de crianças e adolescentes (0 a 18 anos), segundo sexo, faixa etária e período disponível das informações para os 20 RCBP brasileiros, são apresentadas

Leia mais

Câncer de Próstata. Estimativa de novos casos: 52.350 (2010) Número de mortes: 11.955 (2008)

Câncer de Próstata. Estimativa de novos casos: 52.350 (2010) Número de mortes: 11.955 (2008) Câncer de Próstata No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais

Leia mais

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO

ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO ANEXO 2 VALIDADE DE INSTRUMENTOS DE DIAGNÓSTICO 207 ANEXO 2 Em vigilância e em investigações de surtos, como em várias outras aplicações da epidemiologia, é importante conhecer os conceitos e aplicações

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

Anemia: Conteúdo. Definições

Anemia: Conteúdo. Definições Anemia Resumo de diretriz NHG M76 (março 2003) Van Wijk MAM, Mel M, Muller PA, Silverentand WGJ, Pijnenborg L, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA COMBATE E PREVENÇÃO AO ÍNDICE 03 04 07 12 19 24 Introdução Novembro Azul O câncer Você precisa se importar! Prevenção: Vencendo o preconceito Bons hábitos e Diagnóstico precoce são a melhor prevenção 27

Leia mais

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO

XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO XVI TROCANDO IDÉIAS CÂNCER DO COLO UTERINO ESTRATÉGIAS DE RASTREIO Gutemberg Almeida Instituto de Ginecologia da UFRJ OBJETIVO DO RASTREAMENTO Além de detectar o câncer cervical em um estágio inicial,

Leia mais

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua

COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Dr. José Luiz B. Bevilacqua DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE Nenhum conflito de interesse COMO SEGUIR AS PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA? Como fazer o acompanhamento

Leia mais

Trocando Idéias XVII 29 de agosto de 2012

Trocando Idéias XVII 29 de agosto de 2012 Trocando Idéias XVII 29 de agosto de 2012 Infecção extragenital por HPV Câncer Oral Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Flávia de Miranda Corrêa Divisão de Epidemiologia Coordenação Geral de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material

BENDAMUSTINA PARA LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA. Data: 31/01/2013. Medicamento. Nota Técnica 07/ 2013. Material Data: 31/01/2013 Nota Técnica 07/ 2013 Número do processo: MANDADO DE SEGURANÇA nº 145120844231, impetrado por Luiz Ernesto Bernardino Alves Filho contra ato do Secretário de Saúde de Juiz de Fora Medicamento

Leia mais

VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta

VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta VI Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia 2012 Pólipos de Vesícula Biliar Diagnóstico e Conduta Júlio Coelho Universidade Federal do Paraná Pólipo de Vesícula Biliar Estudos Científicos Ausência

Leia mais

EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL

EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL Diego Rodrigues Mendonça e SILVA; Maria Paula CURADO; José Carlos de OLIVEIRA; Anderson Gomes de OLIVEIRA;

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais