CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADES CEARENSES- FaC CURSO DE PEDAGOGIA ELANE CRISTINA FIGUEIREDO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADES CEARENSES- FaC CURSO DE PEDAGOGIA ELANE CRISTINA FIGUEIREDO"

Transcrição

1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO CEARÁ FACULDADES CEARENSES- FaC CURSO DE PEDAGOGIA ELANE CRISTINA FIGUEIREDO O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ORIENTADOR: Profa. MS Luiza Lúlia Feitosa Simões Data da defesa: 10/01/2013 FORTALEZA

2

3 ELANE CRISTINA FIGUEIREDO O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia submetida à aprovação da Coordenação do Curso de Pedagogia do Centro Superior do Ceará, como requisito parcial para obtenção do grau de Licenciatura em Pedagogia. FORTALEZA 2012

4 ELANE CRISTINA FIGUEIREDO O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Monografia como pré-requisito para Obtenção do título de Licenciatura em Pedagogia, outorgado pela Faculdade Cearense FaC, tendo sido aprovada pela banca examinadora composta pelos professores. Data de aprovação: / / BANCA EXAMINADORA Professora Ms. Luiza Lúlia Feitosa Simões Professora Ms. Patricia Campelo Amaral Façanha Professor Esp....

5 A Deus, aos meus pais, e a meu tio Edson.

6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por estar sempre presente em minha vida e por me fazer andar em caminhos certos, por ser minha fonte de fé, por me fazer pensar positivo nos momentos difíceis, porque eu creio nele e em troca ele me fortalece a cada dia. Obrigada SENHOR! Aos meus pais que se orgulham de mim, por eu estar alcançando um nível de educação que eles não puderam ter, podendo assim ter a possibilidade de alcançar um futuro melhor. E principalmente minha mãe, que mesmo longe, continua a guiarme por toda a estrada da vida. Agradeço a minha orientadora Profa. Ms. Luiza Simões, pela sua dedicação e empenho, pela grande ajuda nas orientações que me deu, por clarear minhas ideias, quando tudo parecia estar escuro no decorrer da escrita para conclusão desta monografia. Ao meu namorado Gledson Batista, por sempre escutar e entender minhas preocupações, dando-me apoio nas horas difíceis. Agradeço a ele por me motivar e tentar me convencer de que tudo dará certo, mas, no momento e na hora certa. Obrigada Gledson, por estar ao meu lado hoje e nos momentos mais importantes que virão, como em minha formatura. E, finalmente, a todos os amigos e amigas que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho árduo, que é o percurso da escrita.

7 A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo (Nelson Mandela)

8 RESUMO A presente monografia tem como objetivo estudar como as crianças adquirem ao longo do tempo a linguagem escrita, relata as etapas do processo de aquisição da escrita pela criança. A metodologia utilizada foi através de levantamento bibliográfico na literatura existente sobre o tema. Apresenta inicialmente uma sucinta e breve história da escrita. Descreve o desenvolvimento do processo cognitivo na criança, abordando, segundo Jean Piaget, as etapas desse processo cognitivo. Neste contexto, são descritos os processos de aquisição da escrita baseados nos cinco níveis de hipóteses: pré-silábica, intermediário, hipótese silábica, hipótese silábicoalfabética e hipótese alfabética que foram propostos pelas autoras Emília Ferreiro e Ana Teberosky. Fala sobre a teoria construtivista de Vygotsky, na qual este sugere que o desenvolvimento cognitivo depende muito mais das interações com as pessoas pertencentes ao mundo das criança e das ferramentas que a cultura proporciona para promover o pensamento. Apresenta também às contribuições de das autoras supracitadas, elas compreendem que o conhecimento não está nem no sujeito (racionalismo) e nem no objeto (empirismo), pelo contrário, dá-se pela interação ou pelas trocas do sujeito com objeto (interacionismo), onde ambos se transformam. Aborda ainda o papel do professor no desenvolvimento da escrita crianças e alguns distúrbios relacionados a linguagem escrita. Finalmente apresenta as considerações finais do estudo a cerca do tema abordado. Palavras- chave: Escrita. Linguagem. Cognição. Criança

9 ABSTRACT This monograph aims to study how children acquire over time written language, describes the stages of the acquisition process of writing for children. The methodology used was through literature in the existing literature on the subject. It first presents a succinct and brief history of writing. Describes the development of the cognitive process in children, addressing, according to Jean Piaget's stages of cognitive process. In this context, describes the acquisition process of writing based on five levels of hypotheses: pre-syllabic, intermediate, syllabic hypothesis, hypothesis syllabic-alphabetic and alphabetic hypothesis that was proposed by the authors, and Ana Emilia Ferreiro Teberosky. Talking about the constructivist theory of Vygotsky, in which he suggests that cognitive development depends much more on interactions with people belonging to the world of children and the tools that the culture provides to promote thought. It also presents the contributions of the authors mentioned above, they understand that knowledge is neither the subject (rationalism) nor the object (empiricism), by contrast, occurs through the interaction or exchange of subject and object (interactionism), where both are transformed. Also addresses the role of the teacher in the development of writing children and some related disorders written language. Finally presents the final considerations about the study of the subject. Keywords: Writing. Language. Cognition. Child.

10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO METODOLOGIA BREVE HISTÓRIA DA ESCRITA A CRIANÇA E SEU DESENVOLVIMENTO COGNITIVO A teoria construtivista de Vygotsky EVOLUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E AS CONTRIBUIÇÕES DE EMILIA FERREIRO & ANA TEBEROSKY NA EVOLUÇÃO DA ESCRITA INFANTIL O PAPEL DO PROFESSOR NO DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA E OS DISTÚRBIOS DA LINGUAGEM ESCRITA Distúrbios da linguagem escrita CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 45

11 1 INTRODUÇÃO A escrita é um importante instrumento de reconstrução da sociedade. É um objeto cultural por excelência, a sua apropriação pela criança acontece através de um longo período que começa muito antes de sua entrada na escola. Sendo a escrita um sistema de representação, a criança percebe suas potencialidades neste processo que lhe permite compreender e produzir signos, a partir das hipóteses que formula. A criança passa a conhecer a escrita formalmente a escrita quando entra na escola, neste contexto o papel do educador é muito importante, pois, ele deverá facilitar o aprendizado e estimular os pequenos com um ambiente rico e variado que favoreça o desenvolvimento desse processo. Segundo o pensamento construtivista 1 aprender a ler e escrever não é uma questão mecânica de decodificação de sons e letras mas, algo muito mais significativo. De acordo com Ferreiro (1991) a escrita infantil não é avaliada apenas do ponto de vista gráfico, mas também, no seu aspecto construtivo, procurando saber o que a criança quis representar e quais os meios utilizados por ela para estabelecer as diferenças entres as apresentações. O interesse pelo tema abordado tem raízes no âmbito acadêmico e profissional, pois como educadora do ensino infantil, sempre chamou- me muita atenção à questão da aquisição da escrita nas crianças. Passei então a observar com afinco as etapas desta aquisição, com isto, pude fazer as intervenções corretas e orientar as crianças para que aprendam com prazer, trazendo por fim um sentimento de dever cumprido. O presente trabalho também se justifica principalmente por motivos que surgiram desde o início do curso superior. Na pedagogia identifiquei- me desde cedo com o universo infantil, e mais ainda quando comecei a exercer funções de estagiaria lindando diretamente com o publico infantil. 1 Construtivismo significa isto: a ideia de que nada, a rigor, está pronto, acabado, e de que, especificamente, o conhecimento não é dado, em nenhuma instância, como algo terminado [ ]. O que é construtivismo. Disponível em: Acesso em: 20. Fev

12 O trabalho direto com a educação infantil instigou a vontade de pesquisar como acontece o aprendizado da escrita durante este período. Podemos afirmar que seja um tema já bastante estudado na literatura, todavia, esta pesquisa me fez aprender e refletir sobre as etapas existentes o que veio a contribuir ainda mais, para meu desenvolvimento profissional. Foi também pela relação entre a teoria vista em sala de aula com a pratica que surgiu esta vontade de pesquisar sobre o presente tema, logo, aprofundar meus conhecimentos sobre o processo de aquisição da escrita na educação infantil. No presente trabalho é feito uma pesquisa inicial que aborda a aquisição da escrita na educação infantil e observa os níveis que a criança percorre em cada etapa de aprendizado e desenvolvimento da escrita. E neste percurso recorremos às teorias cognitivas de Vygotsky, para este autor os gestos da criança estão ligados à origem dos signos escritos, os rabiscos e desenhos das mesmas são vistos mais como gestos do que como desenhos em sua essência onde são impressas nesses desenhos as qualidades gerais do objeto ilustrado. Buscou- se ainda estudar o trabalho do educador para garantir o aprendizado da linguagem escrita e quais possíveis distúrbios relacionados à escrita. O objetivo geral desta pesquisa é estudar como acontece a aquisição da linguagem escrita na educação infantil. Os objetivos específicos são: Averiguar as etapas do desenvolvimento cognitivo na criança, Investigar o papel do professor neste processo de desenvolvimento da escrita, observar quais são os possíveis distúrbios da linguagem escrita para que os profissionais estejam preparados a identifica- los. Apresentamos neste capítulo introdutório à justificativa, seus objetivos e alguns dos principais autores que apoiaram teoricamente o estudo. Tais como: Emília Ferreiro e Ana Teberosky 2. Informamos ainda a síntese de cada capítulo. No capítulo dois apresenta a metodologia utilizada para o desenvolvimento desta monografia, caracterizando seu método, o tipo de pesquisa e técnica empregada na mesma. 2 Emília Ferreiro é psicolinguística argentina, estuda os mecanismos pelos quais as crianças aprendem a ler e escrever, ao invés de perguntar como se ensina a ler e escrever, perguntou como alguém aprende a ler e escrever independente do ensino. A partir daí desenvolveu teorias que deixam de fundamentar-se em concepções mecanicistas/interacionistas fundamentando-se em Vygotsky e Piaget.

13 No capítulo três adentramos brevemente na questão da escrita abordando sua perspectiva histórica. No capítulo quatro falamos sobre a criança e seu desenvolvimento, relacionando, segundo Jean Piaget, as etapas do desenvolvimento cognitivo na criança. No quinto capítulo abordamos a evolução e o desenvolvimento da escrita na criança. Observamos a evolução da escrita infantil sob a ótica das autoras Emília Ferreiro e Ana Teberosky. No capitulo seis focaliza-se o papel do professor no desenvolvimento da escrita infantil e apresentamos alguns distúrbios da linguagem escrita. E finalmente, no capitulo sete apresentam-se as considerações finais que são seguidas da bibliografia consultada.

14 2 METODOLOGIA A metodologia é o estudo de métodos, ou então, as etapas a se seguir em um determinado processo, tem como finalidade captar e analisar as características dos vários métodos disponíveis, avaliar suas capacidades, potencialidades, limitações ou distorções e criticar os pressupostos ou as implicações de sua utilização. O presente estudo trata se de uma análise exploratória, cujo universo estudado são as crianças da educação infantil. O objetivo da pesquisa é exploratório, pois busca ampliar o conhecimento do pesquisador sobre o assunto da sua pesquisa, ou seja, busca desenvolver hipóteses, esclarecer e modificar conceitos pré- estabelecidos, visando à formulação de problemas mais precisos ou ainda levantar hipóteses para estudos futuros. (TRIVINOS, 1987, p. 109). Na perspectiva de Gil (1999, p. 43) a pesquisa exploratória tem como principal finalidade desenvolver, esclarecer e modificar conceitos e ideias, tendo em vista a formulação de problemas mais precisos ou hipóteses pesquisáveis para estudos posteriores. Para Santos (2002, p. 26) a pesquisa exploratória define - se como: Explorar é tipicamente a primeira aproximação de um tema e visa criar maior familiaridade em relação a um fato ou fenômeno. Quase sempre busca-se essa familiaridade pela prospecção de materiais que passaram informar ao pesquisador a real importância do problema, o estágio em que se respeito do assunto, e até mesmo, revelar ao pesquisador novas fontes de informação. Ainda conforme Cervo (2007, p. 63) a Pesquisa exploratória é: Designada por alguns como pesquisa quase cientifica ou não cientifica, é normalmente o passo inicial do processo de pesquisa pela experiência e um auxilio que trás a formulação de hipóteses para posteriores pesquisas. A pesquisa exploratória não requer a elaboração de hipóteses a serem testadas no trabalho, restringindo-se a definir objetivos e buscar mais informações sobre determinado assunto de estudos. Tais estudos tem por objetivo familiarizar-se com o fenômeno ou obter uma nova percepção dele e descobrir novas ideias Para alcançar os objetivos da pesquisa exploratória optou- se pela pesquisa bibliográfica, que com a revisão de literatura, podemos construir as teorias de base. É importante salientar que a revisão de literatura foi desenvolvida a partir

15 de material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Estudos exploratórios, pesquisas sobre ideologias, análise de diversas posições acerca de um problema são pesquisas que costumam ser realizadas quase que exclusivamente a partir de fontes bibliográficas. A etapa de revisão de literatura é importante para a fundamentação do arcabouço teórico, Conforme (Boente, 2004, p 12) [...] o ponto de partida de toda a pesquisa é o levantamento de informações feito a partir de material coletado em livros, revistas, jornais, artigos, sites de internet e outras fontes escritas devidamente publicadas. A pesquisa é também bibliográfica, pois utiliza documentos que nos remetem a fatos históricos que contribuem para o seu desenvolvimento. Segundo (Boente, 2004, p.12) pesquisa documental é a que, se desenvolve a partir da consulta a documentos e registros que confirmam determinado conhecimento. Para Cervo (2007, p. 61) a pesquisa bibliográfica é meio de formação por excelência e constitui o procedimento básico para os estudos monográficos, pelos quais se busca o domínio do estado da arte sobre determinado tema. Quanto ao seu delineamento a pesquisa é caracterizada como do tipo qualitativa, pois, estimula o individuo a pensar livremente sobre algum tema, objeto ou conceito. Ela faz emergir aspectos subjetivos e atinge motivação não explicitas, ou mesmo conscientes de maneira espontânea. Boente (2004, p.12) nos diz que é muito comum nas ciências sociais e humanas estabelecem qualidades a serem medida. São consideradas questões da pesquisa. A pesquisa qualitativa busca a compreensão detalhada dos significados e características situacionais apresentadas pelo objeto de pesquisa em questão, através de uma análise contrastiva entre as teorias já discutidas e as observações realizadas. As fontes pesquisadas serão analisadas cumprindo o objetivo de apresentar, compreender e analisar as etapas de desenvolvimento da escrita dando ênfase à educação infantil.

16 3 BREVE HISTÓRIA DA ESCRITA A natureza humana traz consigo a necessidade individual de se expressar e uma necessidade social de se comunicar. O desenho do homem primitivo criado sobre a superfície de algum objeto tinha para ele, de inicio, a função de expressar duas ideias visualmente, enquanto a fala era sua expressão auditiva. Com o passar do tempo, a expressão visual desenvolve- se em duas direções distintas: o desenho como arte e o sistema pictográfico na comunicação.(kato, 2000, p.13) A evolução da escrita, temos que, a mesma assumiu algumas classificações como, a escrita cuneiforme foi uma das formas mais antigas de escrita, foi inventada pelos Sumérios. A escrita hieroglífica, a segunda escrita mais antiga da Humanidade, foram inventada pelos egípcios, seus sinais eram os hieróglifos. A escrita hieroglífica deu origem a duas formas de escrita mais simplificadas, devido à necessidade de escrever de uma forma mais rápida, a escrita hierática e a demótica. Depois, apareceu uma escrita muito mais simples, com um número reduzido de sinais, vinte e duas consoantes, como era inicialmente quando foi introduzido pelos Fenícios, até que os gregos adicionaram cinco vogais e até hoje, é considerado uma das escritas mais simples da Humanidade. Os sistemas de escritas começaram com caracteres na forma de desenhos de objetos que representavam palavras, mas esse sistema logo se esgotou diante da necessidade das pessoas se expressarem. Diante das necessidades de representação gráfica humanas, os sistemas de escrita começaram a representar os sons das palavras e não mais as ideias. Segundo Cagliari (2004), a história da escrita vista em sua plenitude, sem seguir certa teoria de evolução ao longo do tempo, caracterizava-se em três fases distintas: a pictórica a ideográfica e a alfabética. Conforme (KATO, 2000, p.13), a história da escrita apresenta as seguintes etapas evolutivas: inexistência da escrita; percussores da escrita: fase semasiográfica; sistema pictográfico 3 ; recursos de identificação mnemônica; escrita 3 A fase pictográfica se distingue da escrita, porque era expressa através de desenhos ou pictogramas, os quais apareciam em inscrições antigas. Por isso, encontramos formas de escrita muito mais sofisticadas nos cantos de Ojibwa da América do Norte, na escrita Asteca, principalmente,

17 plena: fase fonográfica;lexical- silábica;silábica e alfabética. Os pictogramas estão associados a uma imagem do que se quer representar e não ao som, dessa forma, consistem em representações gráficas menos elaboradas dos objetos, cuja função seria representar a realidade. A fase ideográfica caracteriza-se pela escrita representada através de desenhos especiais chamados ideogramas. Dentre as principais escritas ideográficas, as mais importantes são a egípcia, conhecida também com o nome de hieróglifo, a escrita mesopotâmia, da suméria, as escritas do Mar Egeu; por exemplo; a cretense e a chinesa que provêm da japonesa. Por isso, o uso de letras vem caracterizar a fase alfabética que se originou dos ideogramas e perderam seus valores ideográficos, assumindo nova função na escrita; a função fonográfica. O ideograma perde o valor pictórico e passa a ser uma representação fonética. Dentre os mais importantes estão o indiano e o greco-latino. Segundo Cagliari (1995) 4 o sistema alfabético passou por inúmeras transformações até se tornar o que conhecemos hoje. Nesse sentido, os fenícios aproveitaram os sinais da escrita egípcia e realizaram um inventário de caracteres, cada inventário descrevia um som consonantal; as vogais não tinham importância, cada palavra era facilmente reconhecida somente pelas consoantes, por isso, até hoje, essas características permanecem no sistema de escrita do árabe e do hebraico. Já os gregos usaram o sistema de escrita dos fenícios e fizeram uma adaptação, a ele, adicionaram as vogais, relevantes na formação e no uso do reconhecimento das palavras. Nesse aspecto, aos gregos devemos o privilégio da invenção da escrita alfabética, contendo; nesse sistema, vogais e consoantes. Dessa forma, a escrita alfabética possui menor número de símbolos e, por isso, favorece maior possibilidade combinatória de caracteres gráficos. Nesse contexto, a escrita grega também foi incorporada e adaptada pelos no catecismo, e atualmente nas histórias em quadrinhos. 4 CAGLIARI, Luis Carlos. Alfabetização e Linguística. 6 ed. São Paulo, Scipione: Disponível em:http://artigos.netsaber.com.br/resumo_artigo_29993/artigo_sobre_breve_hist%c3%93ria_da_l eitura_e_da_escrita. Acesso em 15.an

18 romanos, sofrendo variações, dessa forma, formou o sistema greco-latino, originando, assim, o nosso alfabeto. Dessa forma, o sistema de escrita apresenta algumas formalizações: escrevemos de cima para baixo e da esquerda para a direita. Portanto, a necessidade de sobrevivência do indivíduo foi responsável pelas primeiras formas de comunicação escrita. Esta, por sua vez, não surgiu de repente, sua construção aconteceu pouco a pouco de acordo com os interesses do homem e das condições existentes no meio, pois desde os tempos pré-históricos, já se usava a escrita em forma de desenho para contar fatos e acontecimentos. E, de acordo com a necessidade humana, o homem foi aperfeiçoando a escrita como meio para a sua própria sobrevivência. Portanto, a escrita é uma ferramenta necessária e imprescindível para a evolução de conhecimento e comunicação com o mundo. A escrita é um código e representa o que se pensa ou se fala. Ela foi evoluindo paulatinamente através da necessidade de cada povo em querer desvendar e interpretar sua forma de comunicação, sendo esta necessária para o conhecimento humano, passando a ser um marco histórico da passagem entre a Pré-História e a História. Com o desenvolvimento das sociedades a escrita passou a ser utilizada nas praticas sociais dos indivíduos e o domínio desta habilidade passou a desempenhar extrema importância para a vida de qualquer individuo. No século XX a dicotomia (leitura e escrita) torna- se relevante no mundo todo.

19 4 A CRIANÇA E SEU DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Desde cedo, cientistas e psicólogos tentam conhecer os fundamentos do desenvolvimento de nossa cognição, ou seja, de nossa inteligência. Estamos em constante evolução, desde o nosso nascimento são evidentes e notórias limitações em termos de capacidades cognitivas. O conhecimento e desenvolvimento cognitivo da criança, sempre foi, uma temática que atraiu a atenção de muitos investigadores, psicólogos e educadores. As preocupações com o domínio e manipulação de símbolos, conceitos e princípios, são conhecidas, como determinantes nesta caminhada. Apesar de existirem outras correntes as teses de Jean Piaget5, continuam a fazer a diferença, na esfera do conhecimento do nosso desenvolvimento cognitivo. Por isso, seus estudos continuam sendo uma referência respeitável neste domínio do conhecimento. A teoria de Piaget permite introduzir a escrita enquanto objeto de conhecimento, e o sujeito da aprendizagem, enquanto sujeito cognoscente. O estudo teórico do desenvolvimento infantil é tarefa primordial na ação metodológica educativa. (FERREIRO, 1991, p. 56). A criança atravessa seu desenvolvimento com aquisições contínuas de conhecimentos, que se efetivam em sua constante relação com o meio ambiente. Sua primeira forma de relação com o meio é puramente perceptiva e motora e esta vai gradativamente constituindo a função simbólica, isto é, será capaz de reconhecer no símbolo o significado que ele representa. Obedecendo a uma sequência natural no processo de seu desenvolvimento. Segundo Oliveira (1992) a brincadeira simbólica tem grande importância na vida da criança. Através dela a criança exercita sua imaginação, trabalha sua memória, criando situações novas, combinando suas lembranças, desejos e medos á situação atual. A brincadeira a faz sentir-se atualmente frente a diversas situações, 5 Um dos mais importantes pesquisadores de educação e pedagogia, Jean Piaget nasceu na cidade de Neuchâtel (Suíça) em 9/08/1896 e morreu em 17/9/1980. Especializou-se em psicologia evolutiva e também no estudo de epistemologia genética. Seus estudos sobre pedagogia revolucionaram a educação, pois derrubou várias visões e teorias tradicionais relacionadas à aprendizagem. Jean Piaget. Disponível em:http://www.suapesquisa.com/piaget/. Acesso em 18 jan

20 e não dominada por ela. A brincadeira simbólica dá a criança possibilidade de ir ao outro, experimentar ser como se fosse o outro e voltar a si mesma. Esse caminho préreversível simbolicamente é tanto formador da reversibilidade operatória-formal, aspecto lógico da estruturação mental, como formador de identidade pessoal, sob o aspecto estrutural, biológico, orgânico, histórico e pessoal. O momento educativo não pode, portanto, transformar-se num trabalho chato, exaustivo. Deve ser rico em atividades lúdicas e simbólicas, pois são com estas brincadeiras que utiliza-se o esquema próprio de assimilação infantil. As atividades que estimulam naturalmente as necessidades de assimilar a leitura provocará o despertar de seus interesses confrontados com situações de conflito que disporão seus esquemas anteriores a novos questionamentos, a níveis mais elaborados. Para se assumir um papel construtivista não devemos nos restringir apenas as atividades de leitura e escrita, o educador precisará considerar os mesmos princípios construtivistas em todas as suas atividades e no desenvolvimento das demais disciplinas. A inteligência não principia, pois pelo conhecimento do eu nem pelo conhecimento das coisas como tais, mas pelo conhecimento da sua interação e é orientando-se simultaneamente para os dois polos dessa interação que a inteligência organiza o mundo organizando-se a si própria. Favorecer as mais diversas interações entre a criança e os objetos cognoscíveis é de fundamental importância para o desenvolvimento de esquemas cognitivos que estarão á disposição da criança na sua compreensão do sistema escrito. (PIAGET 1975, 73). As formas de representação do mundo devem ser instigadas pelo professor, onde ele deve estimular contato com a musica, desenho, teatro, pintura, literatura, permitindo o domínio das mais diversas formas de expressão onde lhe ampliará sua leitura, interpretação e significado. Com os estudos de Piaget verificamos que existem várias formas da criança interagir com seu ambiente. Piaget classificou-as em estágios ou períodos, por faixa etária aproximada, as diversas maneiras da criança pensar, sentir e interagir com o mundo que a cerca. E assim a criança, a partir da idade e das estimulações ambientais, vai contribuindo e ultrapassando os vários estágios do seu desenvolvimento. Na mudança de um estágio para outro, leva-se em conta alguns

21 aspectos considerados relevantes no processo, como a maturidade do sistema nervoso, a interação social, a experiência física e a equilibrarão. Piaget, quando descreve a aprendizagem, tem um enfoque diferente do que normalmente se atribui a esta palavra. Piaget separa o processo cognitivo inteligente em duas palavras: aprendizagem e desenvolvimento. Para Piaget, a aprendizagem refere-se à aquisição de uma resposta particular, aprendida em função da experiência, obtida de forma sistemática ou não. Enquanto que o desenvolvimento seria uma aprendizagem de fato, sendo este o responsável pela formação dos conhecimentos. Outra contribuição de Piaget, a este respeito, é a caracterização dos estágios do desenvolvimento, o primeiro período é o Sensório-motor que se estende desde o nascimento até o aparecimento da linguagem. Nesse período a criança conquista através da percepção e dos movimentos, todo o universo que a cerca. (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 1999, p. 84). Inicialmente há uma exploração tátil que começa pela sucção e preensão dos objetos. Depois a criança já consegue pegar e manipular tais objetos. (RAPPAPORT, 1981). Sobre o período Sensório-Motor (GROSSI, 1993, p. 42) nos diz que: As primeiras manifestações de inteligência do bebê aparecem em suas percepções sensoriais e em suas atividades motoras. Sem consciência do mundo ao seu redor, percebem apenas o seu ser como centro de um pequeno universo, escravo que é de seu egocentrismo, a criança não tem ideia de nada além de si mesma. Na fase sensório-motora a criança desenvolve a noção de espaço. Assim, ela consegue uma maior coordenação de suas atividades, podendo pegar um objeto que deixou cair, reiniciar uma atividade interrompida, antecipar o desloca mento de um objeto escondido atrás de um móvel e diferenciar os objetos que estão em sua volta dos que não estão. (GALVEZ, 2001). Essa etapa caracteriza-se pelo egocentrismo do bebê, ou seja, não existe nenhuma diferenciação entre o eu e o mundo exterior. As impressões vividas não são relacionadas nem à consciência pessoal nem a objetos concebidos como exteriores. (PIAGET, 1964). Nesse sentido a criança não é capaz de considerar qualquer outro elemento que não o seu próprio corpo. Só aos poucos ela vai tomando consciência de seu descolamento no espaço. (BRASIL, 1997). Portanto, para Piaget (1964, p. 19): [...] a consciência começa por um egocentrismo inconsciente e

22 integral até que os progressos da inteligência sensório-motora levem à construção de um universo objetivo, onde o próprio corpo aparece como elemento entre os outros e, ao qual se opõe a vida interior, localizada neste corpo. Essa capacidade de perceber o espaço de diferentes maneiras são condições necessárias para a coordenação espacial que originará as noções de direção, sentido, distância e outras essenciais à construção do pensamento geométrico. (BRASIL, 1997). A criança começa a aprender já nesse período através das coordenadas do seu próprio corpo. Segundo Piaget (1993), as noções espaciais são intuídas antes mesmo do aparecimento da linguagem, pois os significantes simbólicos visuais são da mesma natureza do seu significado. Por exemplo, a imagem de um círculo é um círculo, contudo, nem sempre a criança corresponde à palavra círculo pela forma geométrica representada. Denominação é um conhecimento social ao qual o acesso é feito através da informação. Assim, num curto espaço de tempo deste período a criança passa de uma atitude passiva em relação ao meio para uma atitude ativa e participativa.(bock; FURTADO; TEIXEIRA, 1999). Segundo Rappaport (1981, p. 76): [...] embora a criança permaneça bastante egocêntrica,autocentralidade em seu entendimento da realidade, já terá realizado uma boa caminhada no sentido de conhecimento e adaptação à realidade, embora permaneça bastante limitada em suas possibilidades intelectuais. Terá conseguido atingir uma forma de equilíbrio, isto é, terá desenvolvido recursos pessoais para resolver uma série de situações através de uma inteligência explícita, ou sensóriomotora. Ao final de 24 meses surge o período Pré-operacional. Neste período, o aparecimento da linguagem é o acontecimento mais importante e irá modificar os aspectos intelectuais, afetivo e social da criança. Além da interação entre os indivíduos, a palavra desenvolverá a exteriorização da vida interior, possibilitando também a correção de ações futuras. Portanto, a criança já pode antecipar o que vai fazer. (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 1999). Além disso, a criança inicia a capacidade de representar uma coisa por outra, ou seja, formar esquemas simbólicos. Evidentemente o alcance do pensamento será maior, no entanto, a criança continuará presa a determinadas ações de egocentrismo. Por causa da ausência de esquemas conceituais o pensamento será caracterizado por uma mistura de realidade com fantasia. A criança a nível comportamental, atua de modo lógico e coerente, devido aos esquemas sensoriais motores adquiridos na fase anterior, enquanto em nível de entendimento da realidade está em desequilíbrio. (RAPPAPORT, 1981).

23 A partir da ampliação do domínio do mundo, o interesse da criança pelas diferentes atividades e objetos se multiplica, diferenciam e regularizam, isto é, tornam-se estáveis, sendo que, por meio desses interesses, surge uma escala de valores própria da criança. (RAPPAPORT, 1981, p ). Nessa fase as relações de espaço são de origem topológica e o desenho infantil leva em conta somente as ligações de vizinhança, separações, envolvimento, fechamento, ignorando as relações métricas. Somente a partir dos quatro anos de idade a criança consegue visualizar o desenho aproximado do quadrado. (BONON, 1987). Ela também consegue reproduzir adequadamente a figura de um círculo com um círculo menor dentro ou fora dele, ou ligado a ele. Isto é possível em virtude da capacidade que a criança tem para distinguir figuras fechadas e abertas, região interna e externa (LUJAN, 1997). Já no final desse período, por volta de sete anos de idade, a criança desenvolve as primeiras intuições projetivas. A partir daí a criança estará pronta para iniciar o processo de aprendizagem sistemática. Isso ocorrerá no estágio das operações concretas. Este período é caracterizado pelo ingresso da criança na escola primária, ou séries iniciais, e pelas grandes aquisições intelectuais. O desenvolvimento mental caracterizado no período anterior pelo egocentrismo intelectual e social é superado, neste período, pelo inicio da construção lógica, isto é, a capacidade da criança de estabelecer relações que permitam a coordenação de pontos de vista diferentes. (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 1999, p. 87). Ainda nessa fase a criança torna-se capaz de diferenciar objetos pelo gênero e pela diferença específica. Ocorre a coordenação entre compreensão e extensão da classe, classificando os objetos, graças à apreensão de inclusão por meio da transitividade. A criança reconstrói e ressignifica com o apoio da ação sobre os objetos, apresentando curtos períodos de concentração e de atenção para comunicados auditivos. (RAPPAPORT, 1981). Em nível de pensamento, segundo Bock, Furtado e Teixeira (1999), acriança consegue estabelecer corretamente as relações de causa e efeito demeio e fim, sequenciar ideias ou eventos, trabalhar sob dois pontos de vista de modo simultâneo e formar o conceito de número. Neste início, porém, a noção de número está vinculada a uma correspondência com o objeto concreto. Segundo Piaget (1990), no período operatório surge à intuição propriamente geométrica diferente da intuição ingênua dos níveis anteriores. A

24 intuição geométrica é caracterizada pela reversibilidade inteira atingida pelo pensamento. Este estágio refere-se à capacidade do indivíduo raciocinar sobre o espaço interagindo harmonicamente quanto ao emprego das capacidades sensível e operatório. A diferença entre a intuição espacial ingênua do nível pré-operatório e a intuição propriamente geométrica é que a primeira substitui o raciocínio ou pelo menos determina, enquanto que a segunda acompanha simplesmente o raciocínio operatório até onde pode, e fica subordinada a ele. (PIAGET, 1990). A criança entre 8 e 9 anos de idade é capaz, através do desenho, de antecipar a forma de um objeto, sendo que este será desenhado como visto por um observador colocado à sua direita ou à sua frente. A partir de 9 10 anos, os progressos são imensos a cerca do desenho geométrico: a construção da reta vetorial (conservação de direção), o grupo representativo dos descolamentos, a medida, semelhanças e proporções, o arremate de duas a três dimensões, e,o traçado do nível horizontal e vertical por antecipação do acontecimento (diferentes níveis de água devido à inclinação do frasco e o desenho do mastro de um navio sobre estas inclinações).(bonon, 1987, p. 37) O ultimo período definido por Piaget é o das Operações Concretas. A partir dos 12 anos de idade aparece o pensamento formal. Assim, o adolescente realiza as operações no plano das ideias, sem a necessidade de manipulação ou referências concretas como no período anterior. Há uma progressão na capacidade de abstrair e generalizar, possibilitando ao indivíduo criar teorias sobre o mundo, principalmente sobre aspectos que gostaria de reformular (BOCK; FURTADO; TEIXEIRA, 1999).Ao chegar nessa fase o indivíduo alcançará o padrão intelectual que seguirá durante toda vida adulta. Isso não quer dizer que ocorra uma estagnação das funções cognitivas a partir desse ápice. Rappaport (1981) enfatiza que esta será a maneira predominante de raciocínio utilizada pelo adulto. Seu desenvolvimento posterior consistirá numa ampliação de conhecimentos, mas''não na aquisição de novos modos de funcionamento mental. Sobre os 4 estados, que Piaget chama de fases de transição essas 4 fases são o Sensório-motor (0 2 anos), o Pré-operatória (2 7 anos), o Operações concretas (7 12 anos) e o estádio das operações concretas, vemos ainda que a adaptação, quando definida por Piaget, como o próprio desenvolvimento da inteligência, ocorre através da assimilação e acomodação. Os esquemas de

25 assimilação vão se modificando, configurando os estádios de desenvolvimento. Considera ainda que o processo de desenvolvimento é influenciado por fatores como: maturação (crescimento biológico dos órgãos), exercitação (funcionamento dos esquemas e órgãos que implica na formação de hábitos), aprendizagem social (aquisição de valores, linguagem, costumes e padrões culturais e sociais) e equilibrarão (processo de auto regulação interna do organismo, que se constitui na busca sucessiva de reequilíbrio após cada desequilíbrio sofrido). Piaget dividiu os estágios do desenvolvimento humano em quatro, são eles: o Período sensório-motor (0 a 2 anos, aproximadamente), o período préoperatório (0 a 7 anos, aproximadamente), o período operatório concerto (7 a 11 anos, aproximadamente) e o período das operações formais (a partir de 11 anos). Sobre o período Sensório-Motor 6 (GROSSI, 1993, p. 42) nos diz que: As primeiras manifestações de inteligência do bebê aparecem em suas percepções sensoriais e em suas atividades motoras. Sem consciência do mundo ao seu redor, percebem apenas o seu ser como centro de um pequeno universo, escravo que é de seu egocentrismo, a criança não tem ideia de nada além de si mesma. Este período representa a conquista, através da percepção e dos movimentos, de todo universo prático que cerca a criança. Isto é, a formação dos esquemas sensori-motores irá permitir ao bebê a organização inicial dos estímulos ambientais. Uma das funções da inteligência será, portanto, nesta fase, a diferenciação entre os objetos externos e o próprio corpo. Ao final deste período, a criança terá conseguido atingir uma forma de equilíbrio, isto é, terá desenvolvido recursos pessoais para resolver uma série de situações através de uma inteligência explícita, ou sensório-motora. Perto dos 24 meses a criança estará desenvolvendo ativamente a linguagem o que lhe dará possibilidades de, além de se utilizar da inteligência prática decorrente dos esquemas sensoriais-motores formados na fase anterior, iniciar a capacidade de representar uma coisa por outra, ou seja, formar esquemas simbólicos. Isto será conseguido tanto a partir do uso de um objeto como se fosse outro, de uma situação por outra ou ainda de um objeto, pessoa ou situação por uma 6 No estágio sensório-motor, que dura do nascimento até aproximadamente o segundo ano de vida, a criança busca adquirir controle motor e aprender sobre os objetos que a rodeiam. Esse estágio é chamado sensório-motor, pois o bebê adquire o conhecimento por meio de suas próprias ações que são controladas por informações sensoriais imediatas. Neste período o desenvolvimento físico acelerado é o suporte para o aparecimento de novas habilidades, como sentar, andar, o que propiciara um domínio maior do ambiente. TEORIA COGNITIVA. WIKIKÉDIA. Disponível em:. Acesso em 20 Jan

26 palavra. O alcance do pensamento irá aumentar de forma lenta e gradualmente. Piaget realizou inúmeras provas que demonstraram empiricamente a ausência do pensamento conceitual e das noções de conservação e de invariância na criança em idade pré-escolar. Estas provas têm sido repetidas por pesquisadores, psicólogos e professores em vários locais do mundo e os resultados têm confirmado aqueles obtidos por Piaget na Suíça. O que varia algumas vezes é a idade em que os conceitos são adquiridos pelas crianças e esta variação pode ser explicada por uma estimulação social e educacional mais rica e mais adequada. No que se refere à linguagem, vemos a presença desta, de forma socializada, ou seja, um diálogo verdadeiro, com intenção de comunicação, e de linguagem egocêntrica, aquela que não necessita necessariamente de um interlocutor, não tem função de comunicação. O pensamento pré-operatório caracteriza-se em: egocentrismo, concentração, incapacidade de classificar, irreversibilidade, falta de domínio na noção de conservação. A criança deste estágio: é egocêntrica, centrada em si mesma, e não consegue se colocar abstratamente, no lugar do outro, não aceita a ideia do acaso e tudo deve ter uma explicação, já pode agir por simulação, "como se", possui percepção global sem discriminar detalhes e deixa-se levar pela aparência sem relacionar fatos. Podemos dizer que a criança e egocentrista da sua maneira, ou seja, implica a ausência da necessidade, por parte da criança, de explicar aquilo que diz, por ter certeza de estar sendo compreendida. Os desejos, as motivações e todas as características conscientes, morais e afetivas são atribuídas às coisas (animismo). O período das operações concretas corresponde praticamente à idade em que se inicia a frequência à escola e será marcado por grandes aquisições intelectuais de acordo com as proposições piagetianas. Observa-se neste período um marcante declínio do egocentrismo intelectual e um crescente incremento do pensamento lógico formal. A criança terá um conhecimento real, correto e adequado de objetos e situações da realidade externa, e poderá trabalhar com eles de modo lógico. As ações físicas, típicas da inteligência sensorial-motora e ainda necessárias na fase pré-operacional, passam a ser internalizadas, passam a ocorrer mentalmente. Daí o nome dado à fase:

27 operações concretas. Estas operações mentais consistem em transformações reversíveis, toda operação pode ser invertida, e que implicam na aquisição da noção de conservação ou invariância, objetos continuam sendo iguais a si mesmos, apesar das mudanças aparentes. O julgamento deixa de ser dependente da percepção e se torna conceitual. Se no período das operações concretas, a inteligência da criança manifesta progressos notáveis, apresenta, por outro lado, ainda algumas limitações. Talvez a principal delas, que está implícita no próprio nome, relaciona-se ao fato de que tanto os esquemas conceituais como as operações mentais realizadas se referem a objetos ou situações que existem concretamente na realidade. Na adolescência, esta limitação deixa de existir, e o sujeito será então capaz de formar esquemas conceituais abstratos, conceituar termos como amor, fantasia, justiça, esquema, democracia etc., e realizar com eles operações mentais que seguem os princípios da lógica formal, o que lhe dará, sem dúvida, uma riqueza imensa em termos de conteúdo e de flexibilidade de pensamento. Com isso adquire capacidade para criticar os sistemas sociais e propor novos códigos de conduta; discute os valores morais de seus pais e constrói os seus próprios. Faz sucessão de hipóteses procura propriedades gerais que permitam dar definições exaustivas, declarar leis gerais. Com isto, torna-se consciente de seu próprio pensamento. Entre outras aquisições típicas do pensamento lógico-formal, figura a possibilidade tanto de conceber como de entender doutrinas filosóficas ou teorias científicas. Para Rappaport (1981, p.63) "esta será a forma predominante de raciocínio utilizada pelo adulto. Seu desenvolvimento posterior consistirá numa ampliação de conhecimentos tanto em extensão como em profundidade, mas não na aquisição de novos modos de funcionamento mental". Assim, chega-se ao nível mais elevado da espiral do saber construída continuamente pelo sujeito em relação com o mundo. Cada nível erigiu-se a partir dos anteriores e contribui para os seus consequentes, numa abrangência cada vez maior.

28 4.1 A teoria sócio interacionista de Vygotsky O impacto de Vygotsky nos meios educacionais ocidentais foi tremendo e talvez só seja comparável à influência e popularidade de Jean Piaget. Juntamente com Jean Piaget, Lawrence Kohlberg e Paulo Freire, Lev Vygotsky foi um grande pensador educacional com enorme aceitação nas escolas de educação. Sua obra influenciou bastante as políticas e orientações educativas, na Europa Ocidental, nas últimas três décadas do século passado. Vygotsky (1998) defende que a criança aprende melhor quando é confrontada com tarefas que impliquem um desafio cognitivo não muito discrepante, ou seja, que se situem naquilo a que o psicólogo soviético chama de zona de desenvolvimento proximal. Para Moreira (2009), a teoria do pesquisador Vygotsky, propõe que o desenvolvimento cognitivo se da por meio da interação social, em que, no mínimo, duas pessoas estão envolvidas ativamente trocando experiência e ideias, gerando novas experiências e conhecimento. Araújo (2009), analisando a teoria criada pelo autor Vygotsky, diz que a aprendizagem na sala de aula é resultado de atividades que proporcionam interação, cooperação social, atividades instrumentais e práticas. Filatro (2008) enfoca que as atividades em sala de aula devam ser colaborativas, possibilitando que o aluno vá além do que seria capaz sozinho. Esta teoria tem implicações importantes no processo de instrução: o professor deve proporcionar aos alunos a oportunidade de aumentarem as suas competências e conhecimento, partindo daquilo que eles já sabem, levando-os aprendizagem cooperativa. A interagir com outros alunos em processos de aprendizagem coletiva. Provavelmente, a maior originalidade da teoria de Vygotsky reside na ênfase que ele dá as interações sociais e comunicativas. Para Vygotsky, a aprendizagem da criança antecede a entrada na escola e que o aprendizado escolar produz algo novo no desenvolvimento infantil, evidenciando as relações interpessoais. A aprendizagem acontece em todo lugar. O processo de formação de pensamento é despertado e acentuado pela vida social e pela constante

29 comunicação que se estabelece entre crianças e adultos, a qual permite a assimilação da experiência de muitas gerações. A linguagem intervém no processo de desenvolvimento intelectual da criança desde o nascimento. Quando os adultos nomeiam objetos, indicando para a criança as várias relações que estes mantém entre si, ela constrói formas mais complexas e sofisticadas de conceber a realidade. Sozinha, não seria capaz de adquirir aquilo que obtém por intermédio de sua interação com os adultos e com as outras crianças, num processo que a linguagem é fundamental. Vygotsky (1998) apresenta a noção de que o bom aprendizado é aquele que se adianta da criança, isto é, aquele que considera o nível de desenvolvimento potencial ou proximal. Para Vygotsky (1998), a zona de desenvolvimento proximal representa o espaço entre o nível de desenvolvimento real, ou seja, aquele momento, onde a criança era apta a resolver um problema sozinha, e o nível de desenvolvimento potencial, a criança o fazia com colaboração de um adulto ou um companheiro. Segundo Vygotsky (1987), a aprendizagem acelera processos superiores internos que são capazes de atuar quando a criança encontra interagida com o meio ambiente e com outras pessoas. O autor ressalta a importância de que esses processos sejam internalizados pela criança. Na construção social, Vygotsky considera as crianças como sujeitos sociais que constroem o conhecimento socialmente produzido. O desenvolvimento é a apropriação ativa do conhecimento disponível na sociedade em que a criança nasceu. Esse processo de desenvolvimento na fase escolar deve ser provocado de fora para dentro pelo professor, que é uma figura fundamental no processo de preparação do aluno.

30 5 EVOLUÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA NA CRIANÇA E AS CONTRIBUIÇÕES DE EMILIA FERREIRO & ANA TEBEROSKY NA EVOLUÇÃO DA ESCRITA INFANTIL Corroborando o pensamento de Luria (1998) a história da escrita na criança começa antes da primeira vez em que o professor coloca um lápis em sua mão e lhe mostra como formar letras. O primeiro estágio de desenvolvimento da escrita não é apenas no momento que a criança escrever suas atividades escolares no caderno. O momento em que uma criança começa a escrever seus primeiros exercícios escolares em seu caderno de anotações, não é na realidade, o primeiro estágio de desenvolvimento da escrita. A origem deste processo é bem anterior podemos até dizer que quando uma criança entra na escola, ela já trás consigo uma variedade de habilidades e destrezas que a habilitará a aprender a escrever em um tempo relativamente curto. É antes de atingir a idade escolar, que a criança já tem aprendido e assimilado certo número de técnicas que prepara seu caminho para a escrita, técnicas que capacitam e que tornam incomensuravelmente mais fácil aprender o conceito e a execução da escrita. Mesmo antes que a criança atinja a idade escolar, podemos assim dizer, esta pré-história individual, a criança já tem desenvolvido, por si mesma, um certo número de técnicas primitivas, semelhantes aquilo que se costuma chamar escrita, e capaz de desempenhar funções semelhantes, mas que são perdidas, logo, a escola proporciona à mesma um sistema de signos padronizados, culturalmente elaborado. Estas técnicas primitivas, porém, servem de base ao longo do caminho. Para uma criança ser capaz de escrever ou anotar alguma coisa duas condições devem ser preenchidas. Em primeiro lugar á relação da criança com os objetos ao seu redor, segundo VYGOTSKY, LURIA, LEONTIEV (1998, p.145): O grupo onde a criança encontre algum objeto que represente seu interesses em brincar. E o grupo onde ela tenha objetos instrumentais, isto é, desempenham apenas um papel instrumental ou utilitário, que só terá sentido enquanto auxílio para a aquisição de algum outro objeto e, por isso, possuem apenas um significado funcional para ela. Em segundo lugar, a criança deve ser capaz de controlar seu próprio comportamento por meio desses subsídios, é nesse caso que eles já funcionam como sugestões que ela mesma invoca.

31 Em certos estágios da evolução, os atos externos, aqueles em que são manipulados objetos do mundo exterior, e os atos internos, isto é, a utilização das funções psicológicas que em etrito senso, começam a tomar formar indiretamente. Surgem os primeiros sinais de aparecimento de uma relação funcional das linhas e rabisco na criança, o primeiro uso que ela faz das mesmas. Para expressar significados, ao fazer isso, espera-se ser capaz de projetar alguma luz sobre pré-história da escrita humana, que só poderá ser estudada, na criança, de forma experimental. O sujeito desse estudo deve ser uma criança que ainda não aprendeu a escrever e que deverá ser posta em uma situação que lhe exija a utilização de certas operações manuais externas semelhantes á operação de escrever para relatar ou relembrar um objeto, em tal situação, seremos capazes de determinar se ela adquiriu habilidade para relatar a partir de algum expediente que foi dado como um signo ou se sua relação com este ainda permanece absoluta, sendo uma mediação, e neste caso, será incapaz de descobrir e usar seu aspecto funcional auxiliar. Baseado no estudo sobre o desenvolvimento da escrita na criança foi verificado que as crianças de quatro e cinco anos são totalmente incapazes de compreender como fixar linha divisória definitiva, não são capazes de encarar a escrita como um instrumento ou meio. Aprendiam a forma externa da escrita e percebiam como os adultos a executavam; eram mesmo capazes de imitar os adultos, mas era completamente incapaz de compreender os atributos psicológicos específicos que qualquer ato deve ter, caso venha a ser usado como instrumento com alguma finalidade. Para compreender melhor como funciona o percurso na pré-história da escrita, Luria (1998), delineou a partir da observação da produção de diversas crianças o seguinte: elas inicialmente imitavam o formato da escrita do adulto, produzindo apenas rabiscos mecânicos, sem nenhuma função instrumental, isto é, nenhuma relação com os conteúdos a serem representados. Obviamente esse tipo de grafismo não ajudava a criança em seu processo de memorização. Ela não era capaz de utilizar sua produção escrita como suporte para a recuperação da informação a ser lembrada. Para Ferreiro & Teberosky (1991), escrever é reproduzir os traços típicos da escrita que a criança identifica como forma básica da mesma. Se a forma básica

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo

12 Teoria de Vigotsky - Conteúdo Introdução Funções psicológicas superiores Pilares da teoria de Vigotsky Mediação Desenvolvimento e aprendizagem Processo de internalização Níveis de desenvolvimento Esquema da aprendizagem na teoria de

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR

CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR 1 CONTRIBUIÇÕES DE JEAN PIAGET E DE LEV. S. VYGOTSKY PARA A PSICOLOGIA EDUCACIONAL E PARA O PROFESSOR Paulo Gomes Lima Prof. Adjunto da FAED/UFGD MS. Área Fundamentos da Educação A Psicologia Educacional,

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY

O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY O DESENVOLVIMENTO E O APRENDIZADO EM VIGOTSKY Kassius Otoni Vieira Kassius Otoni@yahoo.com.br Rodrigo Luciano Reis da Silva prrodrigoluciano@yahoo.com.br Harley Juliano Mantovani Faculdade Católica de

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

Desenvolvimento Cognitivo

Desenvolvimento Cognitivo Desenvolvimento Cognitivo Psicologia do Desenvolvimento Jean Piaget elaborou uma teoria do desenvolvimento a partir do estudo da inteligência da criança e do adolescente. A sua teoria permitiu que se acabasse

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2

O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1099 O JOGO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Valéria Cristina Giacometti 1, Rosiclaire Barcelos 1, Carmen Lúcia Dias 2 1 Discente do Mestrado em Educação da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Docente

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

ABORDAGEM INTERACIONISTA COGNITIVISTA: A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE PIAGET

ABORDAGEM INTERACIONISTA COGNITIVISTA: A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE PIAGET ABORDAGEM INTERACIONISTA COGNITIVISTA: A EPISTEMOLOGIA GENÉTICA DE PIAGET 1- QUEM FOI JEAN PIAGET? Piaget nasceu em 9 de agosto de 1896, na Suíça. Foi psicólogo do desenvolvimento e, anteriormente, biólogo.

Leia mais

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa

Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO. Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade II ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa Propostas para aquisição da língua escrita. Oralidade e comunicação. A escola e o desenvolvimento da linguagem. O ensino da escrita.

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves

Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves Carolina Fernanda Nunes Paiva Monique Alves Felix Tayná Pinheiro Alves O desenvolvimento do desenho na criança de acordo com Jean Piaget Trabalho apresentado na disciplina Psicologia da Educação III, ministrada

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Alfabetização e Letramento

Alfabetização e Letramento Alfabetização e Letramento Material Teórico A Escrita no Processo de Alfabetização Responsável pelo Conteúdo e Revisor Textual: Profª. Ms Denise Jarcovis Pianheri Unidade A Escrita no Processo de Alfabetização

Leia mais

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO.

O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO DA CRIANÇA SEGUNDO EMILIA FERREIRO. Duarte, Karina. Rossi, Karla. Discentes da faculdade de ciências Humanas/FAHU. Rodrigues, Fabiana. Docente da faculdade de ciências Humanas/FAHU.

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

7 Estágios do desenvolvimento segundo Piaget - Conteúdo

7 Estágios do desenvolvimento segundo Piaget - Conteúdo Introdução Estágio sensório-motor Estágio pré-operatório Estágio operatório concreto Estágio operatório formal Operação mental Tipos de abstrações Método Clínico Conclusão 2 Introdução Para Piaget, a construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras chave: Brinquedo. Brincar. Ambiente escolar. Criança. INTRODUÇÃO A FUNÇÃO DO BRINQUEDO E OS DIVERSOS OLHARES Érica Cristina Marques de Oliveira- erikacmo06@hotmail.com Rafaela Brito de Souza - rafa_pdgg@hotmail.com.br Raquel Cardoso de Araújo- raquelins1@hotmail.com

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 175 ANAIS III FÓRUM DE PESQUISA CIENTÍFICA EM ARTE Escola de Música e Belas Artes do Paraná. Curitiba, 2005 DESENVOLVIMENTO COGNITIVO MUSICAL ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Marta Deckert * RESUMO: Como

Leia mais

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA

O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA Nome: Dilma Célia Mallard Scaldaferri GT do Ensino de História e Educação Área temática: Teoria, historiografia e metodologia - Simpósio 37 O CONCEITO DE TEMPO: DA ABORDAGEM COGNITIVA À PERSPECTIVA SÓCIO-INTERACIONISTA...

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget

Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget Lino de Macedo* A Perspectiva de Jean Piaget Considerar a aprendizagem da criança pré-escolar em uma perspectiva de Piaget implica, de imediato, ter em conta que este autor escreveu sobre o desenvolvimento

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO REGULAR Luciana Barros Farias Lima e Claudia Regina Pinheiro Machado Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO lucpeda@gmail.com

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

Cognição: Piaget e Vygotsky

Cognição: Piaget e Vygotsky Cognição: Piaget e Vygotsky - 1 - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DISCIPLINA - ERGONOMIA COGNITIVA Cognição: Piaget e Vygotsky Professor: Francisco Antônio

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013

A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1. Fevereiro de 2013 A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA UNIDADE 3 ANO 1 Fevereiro de 2013 SUMÁRIO / PAUTA DO ENCONTRO A APRENDIZAGEM DO SISTEMA DE ESCRITA ALFABÉTICA Iniciando a conversa (pág.5) Aprofundando o

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p.

RESENHAS. BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Linguagem & Ensino, Vol. 8, Nº 2, 2005 (275-285) RESENHAS BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003, 116 p. Resenhado por Márcia Cristina Greco OHUSCHI

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra

COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS. Texto na íntegra COMPREENSÃO DA ESCRITA ENTRE CRIANÇAS PEQUENAS TOLEDO, Daniela Maria de (Mestranda) RODRIGUES, Maria Alice de Campos (Orientadora); UNESP FCLAr Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar CAPES Texto

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL

INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA E OPERATÓRIA FORMAL Prof. Dr. Wilson da Silva 1 A INTELIGÊNCIA OPERATÓRIA CONCRETA (± de 7 a 11/12 anos) Por volta dos sete anos ocorre um fato decisivo no desenvolvimento

Leia mais

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira

unesp Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Ciências e Letras Campus de Araraquara - SP Idalires da Silva Almeida Márcia Raquel Camani Mayara Ferreira PSICOLOGIIA DA EDUCAÇÃO

Leia mais

AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE

AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE AS SEMELHANÇAS, DIFERENÇAS E CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VYGOTSKY PARA FORMAÇÃO DOCENTE 2010 Michael de Oliveira Lemos Diplomado pela Faculdade Anhanguera de São Caetano(Brasil) Orientadora: Professora Heloisa

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

segundo Piaget Segundo Piaget, o desenvolvimento do raciocínio se expressa nas seguintes etapas:

segundo Piaget Segundo Piaget, o desenvolvimento do raciocínio se expressa nas seguintes etapas: Etapas do desenvolvimento do raciocínio segundo Piaget Segundo Piaget, o desenvolvimento do raciocínio se expressa nas seguintes etapas: Sensório - motora Pré - operacional Operatória - concreta Operatória

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E A INTERVENÇÃO DA PSICOMOTRICIDADE NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM CAROLINE SILVA DE OLIVEIRA Discente do Curso de Licenciatura Plena do Curso de Educação Física das Faculdades Integradas

Leia mais

A APRENDIZAGEM DA ESCRITA I. META Apresentar a teoria construtivista acerca da aprendizagem da escrita

A APRENDIZAGEM DA ESCRITA I. META Apresentar a teoria construtivista acerca da aprendizagem da escrita A APRENDIZAGEM DA ESCRITA I Aula 5 META Apresentar a teoria construtivista acerca da aprendizagem da escrita OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: ter conhecimento das fases de construção por

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * )

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) José Carlos Libâneo Raquel A. M. da Madeira Freitas http://professor.ucg.br/sitedocente/home/disciplina.asp?key=5146&id=3552

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de

PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO. AGUIAR, Oscar Xavier de PSICOMOTRICIDADE E SUA RELAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA E A EMOÇÃO AGUIAR, Oscar Xavier de Docente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: oscarxa@bol.com.br

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 5 Emilia Ferreiro, psicóloga e pesquisadora argentina, radicada no México, fez seu doutorado na Universidade de Genebra, sob a orientação de Jean Piaget e, ao contrário de outros grandes pensadores

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. OBJETIVO Abordar mapas conceituais essencialmente como

Leia mais

Validório, Valéria Cristiane 1

Validório, Valéria Cristiane 1 A INTERAÇÃO NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM: uma perspectiva sociocultural Validório, Valéria Cristiane 1 RESUMO As relações sociais entre o indivíduo e o mundo exterior desenvolvem-se por meio de um processo

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática

As habilidades na Solução de Problemas em Matemática As habilidades na Solução de Problemas em Matemática Érica Valeria Alves O que diferencia a espécie humana das demais espécies do reino animal é a capacidade de pensar, raciocinar, formular hipóteses,

Leia mais

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010

7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 7ª Semana de Licenciatura Educação Científica e Tecnológica: Formação, Pesquisa e Carreira De 08 a 11 de junho de 2010 A IMPORTÂNCIA DO BRINQUEDO NO PROCESSO EDUCATIVO DA CRIANÇA Eder Mariano Paiva Filho

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática

Pedagogia. Comunicação matemática e resolução de problemas. PCNs, RCNEI e a resolução de problemas. Comunicação matemática Pedagogia Profa. Luciana Miyuki Sado Utsumi Comunicação matemática e resolução de problemas PCNs, RCNEI e a resolução de problemas Consideram aspectos fundamentais, como: As preocupações acerca do ensino

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS?

QUE ESCOLA QUEREMOS PARA AS NOSSAS CRIANÇAS? SEMINÁRIO DE PESQUISA OBJETIVO DEBATER E PROBLEMATIZAR QUESTÕES RELACIONADAS ÀS PRÁTICAS DOCENTES NA EDUCAÇÃO INAFANTIL, BEM COMO ESTABELECER DIÁLOGO COM TEÓRICOS DA PEDAGOGIA, DA EDUCAÇÃO INFANTIL E DAS

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais