Cozinhas Comunitárias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cozinhas Comunitárias"

Transcrição

1 Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Desenvolvimento Econômico Instituto de Assistência Social e Cidadania Cozinhas Comunitárias UMA EXPERIÊNCIA POPULAR EM SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL Recife, 2003

2 Toda pessoa tem direito a um nível de vida adequada, que lhe assegure, assim como à sua família, a saúde e o bem-estar,e, de modo especial a alimentação, o vestuário, a habitação, a assistência médica e os serviços sociais necessários. (Declaração Universal dos Direitos Humanos Artigo 25).

3 Sumário Apresentação Objetivo Beneficiários Diagnóstico Horizonte Temporal Quantidades, Custos e Viabilidade Estratégias de Ação Coordenação Controle social Acompanhamento e Avaliação Cronograma Físico /Financeiro Contrapartida do Município Anexo: Plano de Trabalho

4 Apresentação A Prefeitura do Recife, através do Instituto de Assistência Social e Cidadania IASC, Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Secretaria de Saúde, Secretaria de Política de Assistência Social e, em parceria como o Programa FOME ZERO / Recife, desenvolveu o Projeto Cozinhas Comunitárias, que visa promover a melhoria das condições de nutrição e acesso à alimentação de qualidade a populações de baixa renda. Esta iniciativa que surgiu na década de 70 em alguns países pobres da América latina, é reeditada no Nordeste do Brasil especificamente, na Cidade do Recife, como uma experiência que segue os caminhos da gestão compartilhada, participativa e solidária promovendo a inclusão social dos setores mais vulneráveis da sociedade. Ela permite, a partir de uma contrapartida compartilhada entre os diferentes atores envolvidos (comunidade, empresariado local e poder público municipal) a implantação de Cozinhas Comunitárias em áreas de grande índice de exclusão social. No entanto, é de fundamental importância e porque não afirmar, estratégico o envolvimento de todos desde a concepção da proposta até a implantação, monitoramento e gerenciamento do Projeto. A Equipe Técnica do IASC, juntamente com a comunidade continua discutindo e concebendo a proposta, até mesmo por considerar que entender esta ação é um processo coletivo e constante de todos os envolvidos.

5 Objetivos Captar recursos financeiros para apoiar a instalação de 35 Cozinhas Comunitárias, visando propiciar condições adequadas de preparo e oferta de refeições de baixo custo, nutricionalmente balanceadas e preparadas de acordo com as normas sanitárias vigentes para públicos-alvo específicos que consomem refeições prontas fora do local de domicílio como forma de complementar sua dieta. Tais Cozinhas constituirão espaços de convivência social devendo a comunidade ser necessariamente envolvida na sua gestão. Atuar junto a grupos populacionais específicos (crianças de 01 a 07 anos, gestantes, nutrizes e idosos) com o propósito de enfrentar carências alimentares e nutricionais, fornecer uma alimentação adequada e gratuita aos que não conseguem suprir por meios próprios suas necessidades alimentares e nutricionais. Promover formas de produção de alimentos de qualidade que sejam socialmente eqüitativas e inclusivas, quanto às formas mais adequadas de utilização e de conservação dos alimentos em domicílios, implicando problemas tanto de saúde quanto de desperdício. Fornecer refeições diárias (almoço e jantar) que atinjam a IDR(ingestão diária recomendada de acordo com a FAO/OMS), a preço baixo, aos trabalhadores locais e população de baixa renda da região. diminuir o índice de desnutrição de crianças, gestantes, nutrizes e idosos das microrregiões do Recife; incentivar o aleitamento materno, por meio de ações educativas realizadas no espaço das cozinhas; Cadastrar cerca de 50 famílias, por microrregião, realizando atendimento/acompanhamento nutricional, para garantir a disponibilidade e o acesso à alimentação sadia, diversificada e que respeite a diversidade das culturas e hábitos alimentares; Beneficiários Comunidades ou grupos populacionais específicos que consomem refeições prontas fora do domicílio como forma de complementação de sua dieta (crianças de 01 a 07 anos de idade, gestantes, nutrizes e idosos e trabalhadores locais e população de baixa renda). Diagnóstico O problema da insegurança alimentar que atinge parcela considerável da população brasileira e vem se agravando, em função do crescimento dos níveis de pobreza, do desemprego e dos baixos níveis

6 salariais, nas grandes cidades traduz-se no aumento da população que consome refeições prontas fora do domicílio para complementação da dieta. 2. A cidade do Recife com uma população composta de 2/3 das pessoas em situação de pobreza e miséria possui, certamente, um grau de insegurança alimentar acima da média nacional agregada aos problemas típicos de grandes centros urbanos que enfrentam problemas históricos de carência de infra-estrutura adequada às necessidades da população e grande número de desempregados (as cidades com mais de 300 mil habitantes concentram um terço da população e 41% dos desempregados do Brasil). Diante deste quadro a garantia de segurança alimentar deve oferecer a capacidade de articular políticas de abastecimento e geração de ocupação e renda e as Cozinhas Comunitárias podem cumprir este papel. 3.O Recife tem uma área de 220 km 2, e, segundo os dados do mais recente censo demográfico ], uma população de habitantes, o que corresponde a uma densidade demográfica de aproximadamente 6,5 mil habitantes/ km 2, que vivem praticamente (99%) nas zonas urbanas do município. Do total da população da cidade, segundo o censo 2000, 53,5% são do sexo feminino, cerca de 28% possuem menos de 15 anos de idade e 18% se encontram na faixa de 16 a 24 anos, desvendando-se, portanto, a existência de uma população significativa de jovens. A taxa de desemprego do Recife e em média de 19,3 %, o que corresponde a uma população de desempregados da ordem de 125 mil pessoas. Desse contingente, cerca de 47 mil pessoas (37,2%) encontravam-se na faixa etária dos 18 aos 24 anos. 4. Para promover o fornecimento de refeições nutricionalmente balanceadas e de qualidade a baixo custo para comunidades ou grupos populacionais específicos que consomem refeições prontas fora do domicílio como complemento de sua dieta, o Gabinete do Ministro Extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome MESA desenvolveu o Programa Rede Solidária de Restaurantes Populares na modalidade Pequenas Unidades de Produção e Comercialização Cozinhas Comunitárias. 5. Trata-se de apoiar a implantação de 35 Cozinhas Comunitárias cujo objetivo é propiciar condições adequadas de preparo e oferta diária de 200 refeições de baixo custo, nutricionalmente balanceadas e preparadas de acordo com as normas sanitárias vigentes para públicos-alvo específicos que consomem refeições prontas fora do local de domicílio como forma de complementar sua dieta. 6. A Cozinha Comunitária, além de fazer parte do fluxo de etapas que possibilita o acesso aos alimentos constituirão espaços de convivência social para a realização de atividades de educação alimentar, nutricional e para o consumo devendo a comunidade ser necessariamente envolvida na sua gestão. Suas instalações também poderão servir para a capacitação de mão de obra para o setor de produção de alimentos em articulação com programas de geração de emprego e renda. Este programa pretende oferecer a preços acessíveis refeições de qualidade, ao mesmo tempo em que, oportuniza a inserção produtiva de famílias residentes em áreas de ocupação subnormal. Para atender a estes propósitos o programa equipará e dotará de condições operacionais os centros comunitários ou centros sociais urbanos para que ali sejam instaladas unidades de produção de refeições seguras dos pontos de vista nutricional e sanitário e de baixo custo. 7. Secundariamente ao problema da fome, há o problema do uso inadequado dos alimentos. Compreende-se como uso inadequado dos alimentos o preparo ou manipulação inadequada onde se destacam a falta de higiene, alimentos impróprios para o consumo humano e o desperdício; o consumo aleatório dos alimentos sem que haja um balanceamento nutricional é outro fator a ser considerado. Este problema afeta praticamente a totalidade dos domicílios de baixa renda e dos estabelecimentos que comercializam refeições a preços populares, devido à ausência de acompanhamento de profissionais, em particular nutricionistas. Embora não se tenha uma pesquisa ou um banco de dados que se refiram especificamente à situação nutricional da população do município do Recife, com base nos indicadores de desenvolvimento

7 humano, é possível aferir que em função da renda (31,51% da população possui uma renda per capita abaixo de R$ 75,00, em números do ano de 2000), e da taxa de desemprego (19% no ano de 2000, segundo dados do DIEESE) há um número significativo da população com carência alimentar que seria beneficiária deste projeto. Atlas de Desenvolvimento Humano do Brasil (PNUD, IPEA, FJP. 2003) Dados referentes ao ano de Percentual de Percentual de Percentual de crianças em pessoas com pessoas com Intensidade da Intensidade da domicílios Município renda per renda per indigência pobreza com renda per capita abaixo capita abaixo capita menor de R$ 37,75 de R$ 75,50 que R$ 75,50 Recife - PE 49,38 44,77 45,10 13,56 31,51 8- As ações propostas pelo Projeto, além do seu caráter essencial de suprir as carências alimentares e nutricionais apresentam três princípios que o tornam inovador: educativo, em relação aos hábitos e práticas alimentares; organizativo, porque defende os direitos da cidadania; e, emancipativo, porque visa promover a autonomia e não a dependência dos beneficiários. O Projeto Cozinhas Comunitárias, como os outros projetos formulados para o desenvolvimento da Política Municipal de Segurança Alimentar do Recife, requer uma atenção especial para assegurar sua universalidade e regularidade, que poderá ser obtida através da promoção de hábitos alimentares saudáveis e diversificados; a representatividade e participação dos Conselhos locais. Também se constitui num importante instrumento de estímulo à produção local de alimentos por meio de redirecionamento das compras de modo a incluir produtos típicos da região e favorecer a participação de pequenos e médios fornecedores locais, devido ao seu potencial aglutinador. Horizonte Temporal O Projeto terá vigência de 1ano, com início em dezembro de 2003 e término em dezembro de Com o valor global de R$ ,80 ( seiscentos e quarenta e quatro mil, seiscentos e trinta e nove reais e oitenta centavos). Quantidades, Custos e Viabilidade Serão instaladas 35 Cozinhas Comunitárias. Cada cozinha produzirá 200 refeições / padrão popular, correspondendo a refeições diárias. Serão doadas diariamente 50 refeições, cuja matéria prima será custeada com recursos oriundos do Tesouro Municipal, alimentos coletados através do Banco de Alimentos e Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar, em convênio com o MESA/CONAB. As 150 refeições que serão postas à venda, seguirão estudo de viabilidade econômica e serão vendidas a preços baixos.

8 Estratégias de Ação A Cozinha Comunitária prevê um atendimento diário com atividades voltadas para abastecimento alimentar (almoço e jantar) a grupos vulneráveis à fome e sob carência nutricional onde, a partir de um cardápio devidamente orientado por nutricionistas, serão acompanhados periodicamente até atingirem níveis satisfatórios de nutrição. As ações de acompanhamentos serão feitas parcerias com os agentes comunitários de saúde (AGS), sob a atenção do Posto de Saúde da Família (PSF) local. Junto a esta ação, outras políticas sociais serão articuladas, no sentido de garantir a atenção básica aos grupos assistidos. As indicações dos grupos a serem assistidos, também serão sugeridas pelo PSF da região. Na Cozinha comunitária também serão desenvolvidas, periodicamente, atividades formativas (palestras, capacitações, oficinas e cursos) sobre temas relacionados a processamento, manipulação, aproveitamento de alimentos, assim como saúde, nutrição e higiene pessoal. Esta estratégia de projeto, prevê ainda uma articulação com os setores organizados das comunidades envolvidas, até mesmo, no sentido de fortalecer as ações locais, garantindo sua legitimidade. A Unidade Produtiva de preparação de alimentos será concebida como uma iniciativa criada para garantir o fornecimento de alimentos a preços populares à população de baixa renda, sobretudo aos trabalhadores assalariados da região. Funcionará diariamente (exceto nos feriados e finais de semana), a partir de um cardápio elaborado sob a orientação de nutricionistas. A sua capacidade de fornecimento de pratos (quentinhas) acompanhará a demanda local, no entanto, os alimentos preparados pela Cozinha Comunitária serão os mesmos para os dois públicos atendidos, havendo leve mudança no cardápio para casos de atenção especial.

9 Coordenação O Projeto será coordenado será coordenado por uma Comissão Gestora composta por representantes da Prefeitura do Recife/IASC Posto de Saúde Familiar (PSF) e da sociedade civil. A administração da Cozinha ficará a cargo de um coordenador geral que conduzirá e orientará os trabalhos da equipe interdisciplinar, bem como as atividades de natureza administrativa. A Comissão gestora atuará basicamente na dimensão político-estratégica do projeto, visto que a dimensão operacional será exercida pelo coordenador, cabendo aquela instância a ação de monitoramento. Toda equipe executora estará submetida a processos de capacitação, formação e qualificação, além das reuniões sistemáticas de avaliação do projeto. Esquema Lógico do Modelo de Gestão COMISSÃO GESTORA Representação Local e Prefeitura do Recife COORDENAÇÃO EXECUTIVA Coordenação e Equipe Técnica Monitoramento Informação GRUPOS DE GESTÃO das Unidades Produtivas Ação Avaliação PÚBLICO ALVO Famílias com carência nutricional; População de baixa renda Controle Social A Cozinha Comunitária é uma iniciativa de parcerias entre comunidade, empresariado local e poder público municipal. Na sua concepção, o empreendimento obedece aos princípios da gestão compartilhada, participativa, solidária e persegue os caminhos da sustentabilidade, na medida que encontra formas de gestão e captação de recursos próprios geração de trabalho e renda. Outro principio de grande relevância, diz respeito à integralidade das ações, ou seja, a Cozinha Comunitária consegue articular ações de combate à fome e à desnutrição conjugando ações de diferentes políticas sociais, tais como: assistência social, saúde, educação, geração de renda e abastecimento alimentar (ver esquema lógico). No entanto, é de fundamental importância o

10 envolvimento de todos desde a concepção da proposta até o gerenciamento do projeto, atentando para os seguintes princípios: conhecimento da realidade concebido a partir de um diagnóstico local onde considere elementos socioeconômicos, populacionais, gênero, raça e outros dados relevantes; conceber o projeto de forma participativa- envolvendo os principais atores na concepção, formulação, execução e monitoramento da ação; criar uma comissão gestora do projeto (comunidade, empresários e governo), como forma de garantir a ação compartilhada e sustentável e de controle social; criar mecanismos de avaliação e monitoramento, envolvendo a todos na sua formulação e controle das ações; registrar de forma sistemática a experiência prevendo a memória, visibilidade e publicização; manter de forma articulada as áreas de atenção básicas: apontados pelo projeto saúde, abastecimento, assistência social, geração de trabalho e renda. Acompanhamento e Avaliação O processo de avaliação do projeto será realizado de duas maneiras: sistemática e assistematicamente. Ambas têm como princípio a melhoria da qualidade do atendimento da Rede. A avaliação sistemática será realizada trimestralmente, através dos seguintes procedimentos: encontros, reuniões técnicas e entrevistas, ampliando-se a participação para incluir pessoas diretas ou indiretamente envolvidas nas ações. Os dados coletados e analisados servirão para a retroalimentação da tomada de decisões, correção de rumos e aperfeiçoamento das ações propostas para o Projeto. A avaliação assistemática ocorrerá mensalmente, quando técnicos e produtores deverão avaliar o desenvolvimento das ações com os vários eixos trabalhados, objetivando o fortalecimento da autoconfiança, de cada produtor e da equipe como um todo. O acompanhamento será feito através de observação participativa com a utilização de visitas, reuniões técnicas, encontros de integração para relatos, troca de experiências e construção de novos caminhos de auto-gestão. A observação participativa constitui-se numa forma mais efetiva de revisão e correção imediata de possíveis desvios de rota do planejamento do Projeto. A avaliação de impacto será utilizada como forma de aferir a ocorrência de mudanças decorrentes da atuação do Projeto no que se refere ao seu público e às microrregiões a que se destina, com base nos seguintes indicadores até que ponto o público beneficiário está sendo atingido pelo projeto e até que ponto a área de atuação está sendo coberta;

11 se os instrumentos planejados para a implementação são necessários, suficientes, idôneos, potentes e eficazes; se a organização, em seus aspectos internos, favorece ou dificulta o andamento do projeto; se os profissionais envolvidos na implementação possuem habilidades e atitudes que favoreçam o desempenho das tarefas; se são capazes de aplicar seus conhecimentos e de sistematizar a própria experiência, assim como de organizar o trabalho e solucionar problemas concretos; e, até que ponto os resultados previstos estão sendo alcançados e se estes são pertinentes. Esquema Conceitual de Segurança Alimentar e Nutricional das Famílias ESTADO NUTRICIONA L INGESTÃO DE ALIMENTO ESTADO DE SAÚDE DISPONIBILIDAD E ALIMENTAR CAPACIDAD E AQUISITIVA CUIDADO S SERVIÇOS DE SAÚDE CONDIÇÕES AMBIENTAI S ESTABILIDADE Entorno Socioeconômico e Político Quanto ao acompanhamento especifico às famílias será descrito como indicador básico a taxa de famílias beneficiadas de acordo com os seguintes atributos: Indicador: taxa de famílias beneficiadas Nº de famílias efetivamente beneficiadas x 100 Nº de famílias potenciais

12 Descrição: consideramos um padrão de 1/3 famílias multiplicado por 35 Unidades Produtivas o que equivale a 75 famílias x 3 = 225 famílias x 35 UP = famílias potenciais. Índice de referência: 0 (0/7.825) O Nordeste é a região mais pobre do país: 50,12% da população nordestina tem renda familiar de meio salário mínimo. Os nove estados do Nordeste lideram as maiores taxas de mortalidade infantil do país. De acordo com levantamento do Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) divulgado em 1999, as 150 cidades com maior taxa de desnutrição do país estão no Nordeste. Nelas, 33,66% das crianças menores de 5 anos são desnutridas. A expectativa de vida nesta região é a menor do país: 65,1 anos. Sua densidade demográfica é de 28,73 habitantes por km2 e a maior parte da população concentra-se na zona urbana (60,6%). Previsão para o índice: 1 (7.825/7.825) No desenho do Projeto, as Cozinhas Comunitárias terão como principais resultados a promoção de: o vigilância alimentar-nutricional para determinar as mudanças em um tempo determinado de certas variáveis nos grupos: indicadores alimentares; indicadores do estado de saúde; indicadores nutricionais; o entrevistas rápidas com o fim de estudar e medir a forma em que as pessoas percebem a insegurança alimentar e a fome; Fonte: Prefeitura Municipal de Recife Os dados serão coletados por profissionais da Secretaria de Saúde. A geração destes dados relativos à situação nutricional da população atendida, pelas 35 unidades operacionais passará a subsidiar intervenções, tanto no que se refere às necessidades individuais quanto às coletivas. Desenvolvimento de ações a partir de novos modelos para alimentação, garantido, por um lado, a segurança alimentar da população e, por outro, favorecendo a criação de empregos e o escoamento da produção local. Periodicidade: trimestral (indicador) e semanal (demais). Contrapartida do Município Disponibilização dos locais com instalações adequadas, recursos humanos, materiais e outros para a implantação e operação das Cozinhas Comunitárias. Realização regular de atividades de educação alimentar, nutricional e para o consumo. Constituição do mecanismo previsto de Controle Social (implantação do Conselho Municipal de segurança Alimentar). Criação de mecanismo que garanta a participação da comunidade na gestão da cozinha

13

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca

Pacto de Milão. Desafio para as Autarquias. Lucinda Fonseca Pacto de Milão Desafio para as Autarquias Lucinda Fonseca Caracterização CARACTERIZAÇÃO PACTO DE MILÃO /03 Freguesias: 26 Área: 302,33 km 2 População residente: 56 264 Densidade populacional: 185,9 hab/

Leia mais

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra de Projetos 2011 Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: Projetos Finalizados Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Paranavaí - Secretaria

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

Quadro das Dotações Por Órgãos de Governo e Administração (Consolidado) Código Especificação Desp. Correntes Desp.

Quadro das Dotações Por Órgãos de Governo e Administração (Consolidado) Código Especificação Desp. Correntes Desp. Artigo 2º Parágrafo 1º - Item IV da Lei 4.320/64 - (Detalhamento do Programa de Trabalho) Pág. 1 Órgão: 1 - Câmara Municipal de Seritinga Unidade: 01 - Corpo Legislativo Sub-Unidade: - Corpo Legislativo

Leia mais

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs

-PNAN - Portaria Estatuto da criança e do adolescente -PCNs -PNAN - Portaria 1.010 - Estatuto da criança e do adolescente -PCNs Alimentação Escolar Aline Guimarães Nutricionista - CECANE UnB PNAN Política Nacional de Alimentação e Nutrição Alimentação escolar PNAN

Leia mais

Nota Técnica nº 004 /2013 CGPAE/DIRAE/FNDE. Brasília, 11 de julho de Assunto: Inclusão de pescado na alimentação escolar

Nota Técnica nº 004 /2013 CGPAE/DIRAE/FNDE. Brasília, 11 de julho de Assunto: Inclusão de pescado na alimentação escolar Nota Técnica nº 004 /2013 CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Inclusão de pescado na alimentação escolar Brasília, 11 de julho de 2013. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN, no cumprimento de

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012.

Definição da Classe Média no Brasil. São Paulo, junho de 2012. Definição da Classe Média no Brasil São Paulo, junho de 2012. Evidência sobre o surgimento de uma Nova Classe Média Porcentagem de pobres (%) Evolução da pobreza - Brasil: 1999-2009 50 48 46 44 42 40 38

Leia mais

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Edição nº 81 de 28/04/2006 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N 148, DE 27 DE ABRIL DE 2006 Estabelece normas, critérios e procedimentos para o apoio à

Leia mais

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD História Anos 50: Era das proteínas Anos 70: Fiasco da proteínas Natureza multifatorial Descrição Desnutrição Energético- Proteico Definição Causas Ingestão insuficiente

Leia mais

1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº 01/2014

1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº 01/2014 1ª Retificação - Edital de Abertura de Processo Seletivo Nº /24 1ª Retificação Processo Seletivo - Edital nº /24 A Prefeitura Municipal de Guarda-Mor/MG no uso de suas atribuições legais torna público

Leia mais

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família

Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários do Programa Bolsa Família Secretaria Municipal de Saúde Diretoria de Atenção à Saúde Área Técnica de Saúde da Criança e Adolescente Avanços do Programa bolsa Família em João Pessoa: Uma Questão de Acesso à Saúde para Beneficiários

Leia mais

Indicadores de Políticas Públicas

Indicadores de Políticas Públicas Indicadores de Políticas Públicas Aula Conceito de Indicadores Indicadores de Políticas Públicas: Conceitos Conceito de Indicadores São expressões numéricas que refletem diferentes aspectos da ação e da

Leia mais

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014 Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 2 de abril de 2014 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão? Qual o desenho básico do programa? Que desafios

Leia mais

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN

Oficina Base. A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Oficina Base A Segurança Alimentar e Nutricional e o Sistema de SAN Programação da Oficina 10h Histórico da SAN no Brasil 10h40 Intervalo 11h Construindo o conceito de SAN 12h Almoço 14h Check-in da tarde

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DA VIGILÂNCIA ALIMENTAR E NUTRICIONAL NA ATENÇÃO BÁSICA PERFIL DA GESTÃO DA UNIDADE DE SAÚDE IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO (ID) [ ] ( ) Questionário [ ] ( ) Entrevistador (bolsista)

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE Objetivo do Programa OFERTA DE REFEIÇÕES SAUDÁVEIS EDUCAÇÃO ALIMENTAR E NUTRICIONAL PNAE - Crescimento; - Aprendizagem; - Desenvolvimento biopsicossocial;

Leia mais

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de leite: Distribuídos 24.420 litros de leite de Jan a Nov/2011 Custo: R$ 34 mil, beneficiando 148 famílias carentes,

Leia mais

Ações executadas em 2013 e previsões para 2014

Ações executadas em 2013 e previsões para 2014 Ações executadas em 2013 e previsões para 2014 61 CRAS JÁ LICITADOS E CONTRATADOS EM 2013 Centro de Referência de Assistência Social 18% DE INCREMENTO DE TODA A REDE EXISTENTE INVESTIMENTO DE R$ 23,8 MILHÕES

Leia mais

PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE SALTO DO ITARARE

PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE SALTO DO ITARARE Página 1 Órgão: 02 - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Unidade Orçamentária: 01 - GABINETE DO PREFEITO 04 Administração 206.479,37 206.479,37 04.122 Administração Geral 206.479,37 206.479,37 04.122.0002 APOIO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS

A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS GESTÃO DA INFORMAÇÃO A CONSTRUÇÃO DO MAPA DA POBREZA E DO MAPA DE OPORTUNIDADES E DE SERVIÇOS PÚBLICOS Contextualização: o Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria (BSM) é um grande esforço

Leia mais

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto

Caracterização. dos Territórios de Identidade. da Bahia. LidaS. Território 26 - Região Metropolitana de Salvador. instituto Caracterização dos Territórios de Identidade da Bahia Território 26 - Região Metropolitana de Salvador instituto LidaS Caracterização dos Territórios de Identidade Território 26 - Metropolitana de Salvador

Leia mais

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado

I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Patrícia Maria de Oliveira Machado I PLANO ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE SANTA CATARINA E A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Patrícia Maria de Oliveira Machado Florianópolis, 2015 Histórico do processo e marcos legais ESTADUAL 2011

Leia mais

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Secretaria Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Captação de Água de Chuva: Soluções que unem Governo e Sociedade para a Convivência com o Semi-Árido rido Brasília Agosto de 2008 1.133 municípios

Leia mais

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO:

DE INÍCIO: MÊS/ANO DE TÉRMINO: Página 1 PROGRAMA: QUALIDADE DO ENSINO FUNDAMENTAL OBJETIVO: Assegurar a igualdade nas condições de acesso, permanência e êxito dos alunos matriculados no Ensino Fundamental. PUBLICO ALVO: Alunos do Ensino

Leia mais

LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE Marcos Roberto Fernandes Corrêa, Prefeito

LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE Marcos Roberto Fernandes Corrêa, Prefeito LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2010. ALTERA OS ANEXOS V E VI DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIA DE 2010 E AUTORIZA A ABERTURA DE CRÉDITOS ADICIONAIS ESPECIAIS NO ORÇAMENTO MUNICIPAL Marcos Roberto Fernandes

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS MUNICÍPIO DE MANAQUIRI

ESTADO DO AMAZONAS MUNICÍPIO DE MANAQUIRI ESTADO DO AMAZONAS MUNICÍPIO DE MANAQUIRI SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO LEI MUNICIPAL N.º 553 DE 23 DE JUNHO DE 2015 Regula a Concessão de Benefícios Eventuais da Política da Assistência Social

Leia mais

REFORMA PREVIDENCIÁRIA GRANDES MUDANÇAS PARA OS RURAIS. Brasília, 18/02/2017

REFORMA PREVIDENCIÁRIA GRANDES MUDANÇAS PARA OS RURAIS. Brasília, 18/02/2017 REFORMA PREVIDENCIÁRIA GRANDES MUDANÇAS PARA OS RURAIS Brasília, 18/02/2017 CONTRIBUIÇÃO O segurado especial passaria a efetuar uma contribuição individual, a ser instituída em lei posteriormente (no prazo

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2012 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

PROJECTO PPÁGUA RESPOSTAS PÚBLICAS E PRIVADAS À FALTA DE PAGAMENTO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: O CASO PORTUGUÊS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

PROJECTO PPÁGUA RESPOSTAS PÚBLICAS E PRIVADAS À FALTA DE PAGAMENTO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA: O CASO PORTUGUÊS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS Projeto PPÁgua: Respostas públicas e privadas à falta de pagamento dos serviços de abastecimento de água: o caso português (EXPL/IVC-CPO/1094/2013 FCOMP-01-0124-FEDER-041144)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas publica:

Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas publica: Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas 1 Quarta-feira Ano VI Nº 1390 Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas publica: Decretos de 0. Resolução Nº. 41 de 29 de Dezembro de 2011 - Aprova Redistribuição

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 9 13.766,67 261.941

Leia mais

Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência. Programa de Redução da Mortalidade Infantil Neonatal no Rio Grande do Sul

Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência. Programa de Redução da Mortalidade Infantil Neonatal no Rio Grande do Sul Avaliação de Impacto: Transformando Promessas em Evidência Programa de Redução da Mortalidade Infantil Neonatal no Rio Grande do Sul Carla Giane Cunha (SEPLAG) Juliana Hoffmann (SEPLAG) Julio Brunet (SEPLAG)

Leia mais

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013

GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS GESTÃO E OPERACIONALIZAÇÃO DO SUAS NOS MUNICÍPIOS REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE/GO, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único para Programas Sociais Definição Instrumento de identificação

Leia mais

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann

Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Bolsa Família na ótica dos direitos humanos. Clóvis Roberto Zimmermann Universidade Federal do Recôncavo da Bahia Bolsa Família na ótica dos direitos humanos Clóvis Roberto Zimmermann Políticas Sociais e os direitos Euzéby (2004) assim como Kaufmann (2003), Abramovich (2005)

Leia mais

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação

Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Pobreza multidimensional: Um proposta instrumental para desenho e avaliação de políticas para sua superação Paulo Jannuzzi Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação SAGI/MDS www.mds.gov.br/sagi www.mds.gov.br/sagi

Leia mais

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG

Município: GOVERNADOR VALADARES / MG O Plano Brasil Sem Miséria O Plano Brasil Sem Miséria foi lançado com o desafio de superar a extrema pobreza no país. O público definido como prioritário foi o dos brasileiros que estavam em situação de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LEME O QUE É O PROGRAMA BOLSA CAFÉ? Uma iniciativa do Executivo lemense, baseado em seu conceito e Plano de Governo: o combate a fome e à miséria extrema, um dos Objetivos do

Leia mais

Responda às questões abaixo tendo como referência o estudo de Colares & Freitas (2007):

Responda às questões abaixo tendo como referência o estudo de Colares & Freitas (2007): 01 Concurso Os trabalhadores de uma UAN de grande porte apresentam queixas de cansaço, desânimo e descontentamento no trabalho, afetando sua saúde, produtividade e qualidade do produto final. Responda

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 5 DE JUNHO DE 2014 Aprova metas e critérios de partilha para o cofinanciamento federal do Programa Nacional de Promoção da Integração ao Mundo do Trabalho para o exercício de 2014 e

Leia mais

JOÃO RAMALHO. OBRAS E AÇÕES - Gestão R$ ,00

JOÃO RAMALHO. OBRAS E AÇÕES - Gestão R$ ,00 JOÃO RAMALHO OBRAS E AÇÕES - Gestão 2007-2010 R$ 3.304.100,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 45.248 litros de leite, no período de Jan/2007 a Out/2008 Custo: R$ 51 mil, beneficiando 202

Leia mais

Diagnóstico Socioterritorial

Diagnóstico Socioterritorial Município: Porto Alegre / RS Apresentação Este Boletim de Diagnóstico Socioterritorial tem o objetivo de apresentar um conjunto básico de indicadores acerca de características demográficas, econômicas

Leia mais

Wanda Engel Outubro de 2009

Wanda Engel Outubro de 2009 O Instituto Unibanco como instrumento de responsabilidade social empresarial Wanda Engel Outubro de 2009 Um momento favorável: CENÁRIO ATUAL Avanços na estabilidade e na governabilidade democrática Crescimento

Leia mais

O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga

O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga O Regime de Fruta Escolar Desafios e Potencialidades para as Autarquias. Joana Russell Sampaio Município de Braga Enquadramento do RFE Início no ano letivo de 2009/2010 Iniciativa de âmbito europeu que

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE - DESO CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL - EM R$. 1,00 COMPANHIA DE SANEAMENTO DE SERGIPE DESO CNPJ. 13.018.171/000190 BALANÇO PATRIMONIAL EM R$. 1,00 A T I V O 31.12.2007 31.12.2006 ATIVO CIRCULANTE 138.417.550 134.143.301 Caixa e Bancos 1.286.238 3.838.555

Leia mais

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará ANEXO I APROVADO NA ATA DE ASSEMBLÉIA DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 TABELA DE HORONÁRIOS PARA O ANO DE 2015/2016 DEFINIDA E APROVADA EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 28/10/2014. Unidade de Serviço em Nutrição (USN)

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária.

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária. MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 032134/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE JUSTIFICATIVA: MUNICÍPIO: IBARAMA - RS está

Leia mais

VAGAS SUJEITAS A ALTERAÇÃO!!!!!!!

VAGAS SUJEITAS A ALTERAÇÃO!!!!!!! 11/10/2016 VAGAS SUJEITAS A ALTERAÇÃO!!!!!!! Ocupação Descrição Experiência Escolaridade Cursos Nº da Vaga Qtde. Vagas Analista de Planejamento Financeiro #VAGA PARA ANALISTA FINANCEIRO# IMPRESCINDÍVEL

Leia mais

NARANDIBA OBRAS E AÇÕES GESTÃO R$ ,00

NARANDIBA OBRAS E AÇÕES GESTÃO R$ ,00 NARANDIBA OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2007-2010 R$ 7.728.300,00 AGRICULTURA: Distribuição de leite: distribuídos 86.332 litros de leite, no período de Jan/2007 a Fev/2009 Custo: R$ 106 mil, beneficiando 190 famílias

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005372/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023931/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 47998.003161/2013-66

Leia mais

PRATÂNIA. OBRAS E AÇÕES Gestão R$ ,00

PRATÂNIA. OBRAS E AÇÕES Gestão R$ ,00 PRATÂNIA OBRAS E AÇÕES Gestão 2007-2010 2010 R$ 2.870.000,00 AGRICULTURA: Distribuição de Leite: distribuídos 54.840 litros de leite, de Jan/2007 a Jul/2009 Custo: R$ 69 mil, beneficiando 120 famílias

Leia mais

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP

Erly Catarina de Moura NUPENS - USP Erly Catarina de Moura NUPENS - USP erlycm@usp.br Evolução do estado nutricional de homens, 1974-1975, 1989, 2002-2003, Brasil déficit de peso sobrepeso obesidade eutrofia 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1974-75

Leia mais

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado

O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Patrícia Maria de Oliveira Machado O Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Patrícia Maria de Oliveira Machado Objetivos da webconferência - Apresentar os marcos históricos e legais da Política Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº /

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº / PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Balanço Orçamentário LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" - Anexo I Receitas Previsão p/ o Exercício Receitas Realizadas até RECEITAS CORRENTES 36.336,00 31.631,99

Leia mais

METODOLOGIA RESULTADOS

METODOLOGIA RESULTADOS Popularização de Kefir no Recôncavo da Bahia: um Relato de Experiência Edleuza Oliveira Silva, i Adna de Oliveira Barbosa, Carla Alves Barbosa ii, Ferlando Lima Santos iii, INTRODUÇÃO Embora o kefir seja

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO SEPN 511- Bloco C Edifício Bittar IV 4º andar - Brasília/DF CEP:775.543

Leia mais

COMPOSIÇÃO DAS COMISSÕES TÉCNICAS INTERINSTITUCIONAIS (inscrições até 14 de julho de 2011)

COMPOSIÇÃO DAS COMISSÕES TÉCNICAS INTERINSTITUCIONAIS (inscrições até 14 de julho de 2011) COMPOSIÇÃO DAS COMISSÕES TÉCNICAS INTERINSTITUCIONAIS (inscrições até 14 de julho de 2011) EIXO 1 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Tema 1 Promoção e proteção social 1. Associação dos Defensores Públicos de Minas

Leia mais

Página 1 de 5. Pobreza na Bahia recua 9,5% e a tendência é cair nos próximos anos

Página 1 de 5. Pobreza na Bahia recua 9,5% e a tendência é cair nos próximos anos Página 1 de 5 Terça-feira, 6 de Dezembro de 2005 11:08 Terça-feira, 29 de Novembro de 2005 Pobreza na Bahia recua 9,5% e a tendência é cair nos próximos anos A queda de 9,5% no número de pessoas que vivem

Leia mais

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS

DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS PLANO DE TRABALHO OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DO MUNICÍPIO DE DIADEMA e estudos sobre os pólos de autopeças e cosméticos no município de

Leia mais

As regras para COMPULSÓRIO, SUBSÍDIO e DESCONTO DE COPARTICIPAÇÃO mudaram:

As regras para COMPULSÓRIO, SUBSÍDIO e DESCONTO DE COPARTICIPAÇÃO mudaram: Renovação e reajuste do plano de saúde A renovação do contrato coletivo do Plano de Saúde foi concluída pela área de Remuneração e Relações Trabalhistas. Após pesquisa de mercado e estudo das propostas

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rio Branco, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 530,1 km² IDHM 2010 0,707 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 5070 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Araguaia, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5557,93 km² IDHM 2010 0,704 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 15644 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Várzea Grande, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 940,83 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 252596 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Maringá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11554,5 km² IDHM 2010 0,663 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6590 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Castanheira, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3966,38 km² IDHM 2010 0,665 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 8231 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Diamantino, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7657,48 km² IDHM 2010 0,718 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 20341 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Guarita, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1091,25 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 4932 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Bandeirantes, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9573,21 km² IDHM 2010 0,650 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 11643 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pedra Preta, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4205,57 km² IDHM 2010 0,679 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 15755 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Feliz Natal, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11491,38 km² IDHM 2010 0,692 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10933 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo São Joaquim, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5039,25 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6042 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pontes E Lacerda, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 8455,3 km² IDHM 2010 0,703 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 41408 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Chapada dos Guimarães, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5657,43 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17821 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Verde, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4810,5 km² IDHM 2010 0,750 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 31589 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santo Antônio do Leverger, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 12301,06 km² IDHM 2010 0,656 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 18463

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Barão de Melgaço, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11217,65 km² IDHM 2010 0,600 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7591 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Jaciara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1663,25 km² IDHM 2010 0,735 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 25647 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Confresa, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5819,29 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 25124 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Arapiraca, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 352,81 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 214006

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ

EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI CAMPUS URUÇUÍ EDITAL Nº 01/2015 PROCESSO DE SELEÇÃO PARA INGRESSO NA MORADIA ESTUDANTIL IFPI URUÇUÍ PI, 02 DE FEVEREIRO DE 2015 DIRETORIA GERAL Miguel Antônio Rodrigues DITERORIA DE ENSINO Dayonne Soares dos Santos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Olímpia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1572,86 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17515 hab. Densidade

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº 001/2014

TERMO DE CONVÊNIO Nº 001/2014 TERMO DE CONVÊNIO Nº 001/2014 TERMO DE CONVÊNIO QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE ENTRE RIOS E A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS DE ENTRE RIOS- APAE. Aos 04 dias do mês de novembro do ano

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Satuba, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 43,78 km² IDHM 2010 0,660 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 14603

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Maravilha, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 281,36 km² IDHM 2010 0,569 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10284

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Viçosa, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 356,67 km² IDHM 2010 0,586 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 25407

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de União dos Palmares, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 429,08 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais