Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informatização e software para bibliotecas comunitárias"

Transcrição

1 Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número considerável de brasileiros, apresenta-se um panorama de organização de bibliotecas comunitárias. Esse panorama aborda os aspectos de construção de coleções para o acervo, baseando-se em princípios da informatização, materializados no uso de softwares livres que automatizam os procedimentos inerentes à gestão de um acervo de biblioteca de pequeno ou médio porte. Para tanto, propõe-se o conceito de biblioteca comunitária relacionado à idéia de informação pública. Esse conceito emerge do sentido contido na construção da biblioteca que, normalmente surge de ações idealizadas e concretizadas por agentes individuais ou coletivos, sem muito apoio institucional. Neste sentido, Badke explica que uma biblioteca comunitária, a qual ele denomina biblioteca popular, caracteriza-se por surgir da vontade, necessidade e trabalho da comunidade: [ ] ela emerge do esforço de pessoas que lutam juntas, tendo como principal objetivo realizar um trabalho baseado na proposta de transformar a realidade vigente. Estas bibliotecas, normalmente, aparecem em bairros onde vivem pessoas de uma classe social menos favorecida com experiências de lutas sociais. 1 A biblioteca comunitária deve favorecer a consolidação de um centro ativo de inclusão sociocultural. Deste modo, deve ser planejada como núcleo ligado à cidadania e à partilha cultural. A biblioteca que trabalha com a comunidade deve estar integrada com seu publico leitor em uma convivência harmoniosa com o mundo das ideias, da cultura e da informação. Em sua função cultural, a biblioteca comunitária pode oferecer múltiplas possibilidades de leitura e, com isso, levar a comunidade a ampliar seus conhecimentos e suas ideias acerca do mundo. Deste modo têm-se algumas enumerações, baseadas em Fragoso (2002), sobre os objetivos de uma biblioteca comunitária: 1 BADKE. Biblioteca popular: uma experiência no bairro das Laranjeiras, p. 18.

2 Estimular e orientar a comunidade em suas consultas e leituras, favorecendo o desenvolvimento da capacidade de selecionar e avaliar informações; Incentivar os cidadãos a pensar de forma crítica, reflexiva, analítica e criativa; Proporcionar aos leitores materiais diversos e serviços bibliotecários adequados ao seu aperfeiçoamento, desenvolvimento individual e coletivo; Oferecer um mecanismo para a democratização da educação, permitindo o acesso de um maior número de crianças e jovens a materiais educativos e, através disso, dar oportunidade ao desenvolvimento de cada indivíduo a partir de suas atitudes individuais. Pensar na elaboração de uma biblioteca comunitária significa pensar no conceito de cidadania como uma postura social de pertencimento de indivíduos a uma comunidade politicamente articulada, a qual lhe atribui um conjunto de direitos e obrigações. Neste sentido, a biblioteca comunitária pressupõe tanto uma articulação social no seu projeto de construção, quanto uma articulação administrativa/informacional mediada pelas Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs). Nessa perspectiva, orienta-se de forma sucinta o gerenciamento de coleções e usuários de biblioteca comunitária, através da automação do catalogo 2 do acervo. Nessa sistematização de processos inerentes à uma administração básica de biblioteca, serão demonstrados processos manuais transportados para o meio informatizado, através da apresentação de um software de automação de bibliotecas. Organização de uma biblioteca comunitária Antes de pensar nos processos de automação é preciso compreender os processos básicos inerentes à sua administração. Neste sentido, sugere-se que se elabore uma organização baseada em normas de classificação que auxiliem os usuários a recuperarem informações de maneira eficaz e produtiva. Diante disso, têm-se a necessidade de preparação de um plano de ação baseado em objetivos que norteiem a construção do acervo. Esse plano tem como principal desígnio a organização das informações e das políticas administrativas da biblioteca comunitária. Os escopos 2 Conjunto de entradas de informações respeitantes a uma coleção documental. Pode ser organizado por pontos de acesso (autor, título, coleção).

3 específicos inerentes à organização do acervo podem ser enumerados da seguinte forma: Organizar o acervo bibliográfico, iconográfico e multimídia; Elaborar atividades de integração entre a biblioteca e a população de usuários; Disponibilizar material para pesquisa escolar; Incentivar a leitura através de atividades programadas e orientadas; Despertar a competência informacional dos usuários; Proporcionar dinâmicas que aumentem o potencial investigativo crítico dos usuários; Promover a integração cidadã da comunidade escolar no ambiente informacional da biblioteca; Fazer integração com a informação impressa e a informação digital através de trabalhos integrados entre a biblioteca e o telecentro. A princípio pode-se pensar num plano de classificação para o acervo. Neste momento é interessante o uso do Código decimal de Dewey (CDD), que possui um sistema organizado de classes num agrupamento homogêneo, fornecendo vários assuntos para organização e pesquisa bibliográfica. O CDD possui o seguinte esquema de classificação geral: 000 Obras Gerais 100 Filosofia 200 Religião 300 Ciências Sociais Linguística Ciências Puras 600 Ciências Aplicadas 700 Belas Artes 800 Literatura 900 História, Geografia, Biografia Para obter maior especificidade na descrição da obra, sugere-se a complementação da notação, que irá identificar o item com as iniciais do nome do autor e as iniciais do livro, antecedidas pela adequada numeração do CDD (como a notação demonstrada no exemplo): Titulo do livro: O Grande Mentecapto Autor: Fernando Sabino Notação: 800 FS GM

4 800 significa literatura na CDD e FS GM são as iniciais do autor e do livro. Outra forma de classificação sugerida, também baseada na CDD, é o uso de iniciais que identificam a faixa etária ideal para leitura do livro, como no exemplo: Inf 800 = Literatura infantil Infj 800 = Literatura infanto-juvenil 800 = Literatura 869 = Literatura de Língua Portuguesa Para facilitar a construção da notação através da CDD pode-se usar um modelo eletrônico denominado BiblioIndex. Ele é um programa gratuito que auxilia na classificação e organização de livros em bibliotecas utilizando o código CDD (Classificação Decimal de Dewey). A figura 4 apresenta a interface do BiblioIndex com alguns campos da CDD plausíveis de especificações. Figura 1 Interface do BiblioIndex Os processos de catalogação e organização do acervo estão interligados, pois a disposição dos livros nas prateleiras obedece as notações determinadas na classificação da obra. Essa classificação só se consolida após uma análise descritiva do livro, na qual se percebe elemento como titulo, autoria, assunto, que são alguns dos elementos delimitados no processo de catalogação. A figura 2, a seguir, apresenta o processo de seleção de uma obra para compor o acervo. O

5 processo desmontado pelo fluxograma assinala a seleção, catalogação e a classificação do item que comporá o acervo da biblioteca. Figura 2 Fluxograma processamento técnico Diante da constatação de valor da obra para composição do acervo, deve-se carimbar o item informacional para identificá-lo como patrimônio da biblioteca. Feito isso, passa-se a uma descrição no processo de catalogação identificando: titulo, autor, data de publicação, local, assunto em que se enquadra a classificação, etc. Posteriormente deve-se identificar o item com

6 uma ficha contida no papelete que fica dentro do bolsinho anexado ao livro para em seguida colar uma etiqueta com a notação de classificação que identifica o item (como nos exemplos mostrados anteriormente utilizando a CDD). É de extrema importância no processo de automação da biblioteca que se tenha conhecimento sobre o processo demonstrado no fluxograma de processamento técnico (figura 2). Além disso, deve-se destacar também o procedimento de identificação dos usuários demonstrado no fluxograma da figura 3, pois esse também será fundamental no processo de informatização do acervo da biblioteca. Figura 3 - Fluxograma de identificação de usuários O fluxograma de identificação de usuários é utilizado para controle de empréstimos das coleções e também para identificação do público para o qual se organiza o acervo da biblioteca. É importe que cada usuário tenha um número de identificação, pois o banco de dados gerado com a movimentação de empréstimos feitos pelos usuários fornece dados importantes para a aquisição de novas obras.

7 Os fluxogramas apresentados acima oferecem um panorama de processos inerentes à administração das bibliotecas. Dito isso, passa-se a apresentação desses processos em softwares de automação de bibliotecas. Organização do acervo de forma automatizada Para exemplificar o processo de informatização do catalogo de uma biblioteca, apresentaremos o software MiniBiblio. Segundo a empresa Athenas, que desenvolveu o MiniBiblio, ele é um sistema utilitário distribuído de maneira livre. Seu objetivo é o cadastro e o gerenciamento de livros, revistas, vídeos, manuais, discos e/ou dados. Possibilita o controle de empréstimos sabendo o dia em que um material foi retirado e quando foi (ou deve ser) devolvido. Além disso, apresenta diferentes possibilidades de configuração visual e funcional. A principal interface do MiniBiblio apresenta a seguinte caracterização: Figura 4 Interface principal do MiniBiblio Na interface principal notamos com clareza a apresentação dos diferentes materiais a serem catalogados pelo software. A barra lateral esquerda traz os icones (desenhos) dos materiais a

8 serem inseridos no sistema. Diante da identicação do tipo de material a ser inserido no banco de dados do MiniBiblio, pode-se passar a catalogação dos diferentes materiais. Ela consiste na identificação do item para orientar os processo de emprestimo, a recuperação de informação e a iventarização do acervo. As figuras 4 e 5 mostram o processo de catalogação no software MiniBiblio. Figura 5 Interface de catalogação de livros Figura 6 Interface de catalogação de vídeos Cada campo a ser preenchido na catalogação demonstra uma especificidade da obra, por exemplo, no item livros identificam-se elementos como: titulo, autor, editora, ISBN, etc. Também temos o exemplo de catalogação de vídeos no qual os elementos descritivos podem

9 ser: titulo traduzido, autores principais, direção, produtor, nacionalidade, distribuidor, etc. A especificidade de catalogação de cada item demonstra a capacidade do software de gerenciar informações de forma organizada e direcionada. Essa característica possibilita a importação de informações gerais como língua, editora, produtores, etc, auxiliando nos processo de identificação para empréstimo e devolução de itens. Outro elemento relevante a ser apresentado é o procedimento de identificação dos usuários. Esse processo está descrito na figura 7. Figura 7 Identificação do usuário Nessa etapa, tem-se a opção de coligar o usuário com um numero de identificação. Esse número incorpora a descrição completa do individuo informando o nome, a senha de acesso e as informações complementares Extras, que podem ser: endereço, número da carteira de identidade, filiação etc. Identificando o usuário de forma automatizada é possível fazer as relações necessárias com o acervo catalogado, como por exemplo, ajustar o sistema de locação a fim de fazer buscas de locatários por ID, Nome e extras, identificando e relacionando o material que está pendente ou disponível na biblioteca com os usuários ativos. Algumas considerações As ações no processo de construção e automatização de um acervo bibliográfico variam de acordo com o tamanho das coleções de livros, revistas, cds, etc. Uma biblioteca comunitária

10 normalmente tem um acervo pequeno, baseado em literatura brasileira e literatura estrangeira traduzida para o português. Também possui obras de referência, como dicionários e enciclopédias, além de provavelmente ter mapas e livros didáticos. Essas características marcam um acervo simples de pequeno porte. Uma biblioteca com essas características não exige um sistema informatizado altamente sofisticado. O sistema adequado para esse contexto deve conter as seguintes características básicas como: 1. Possibilitar a identificação de diferentes itens informacionais; 2. Autorizar a identificação de usuários e fazer correlação com os itens do acervo; 3. Permitir um eficiente sistema de empréstimos; 4. Mapear com dinamicidade as devoluções pendentes; 5. Imprimir o inventário do acervo da biblioteca para controle do patrimônio. Um software que auxilie nesta caracterização seria ideal para um projeto de biblioteca comunitária. Neste sentido, o MiniBiblio é um software adequado para o contexto descrito, uma vez que assimila todas as características listadas. Entretanto, diante da identificação de um software que congregue essas características e possua sistemas mais sofisticados de interação, como o PHL (Personal Home Library) apresentado em tutorial no anexo 1, sugere-se uma avaliação coerente com a realidade da biblioteca para a consolidação do projeto de automação condizente com o padrão sociocultural do usuário.

11 Anexo 1 Tutorial PHL Interface principal do PHL - Personal Home Library Desenvolvido por PHL Elysio, o PHL é uma aplicação web desenvolvida para administração de coleções e serviços de bibliotecas. Sua principal característica é a automatização de rotinas e serviços contando com o auxilio da web. O PHL possui as características funcionais de um software de automação de biblioteca, mas, além disso, seu acesso via Internet permite a importações ou exportação de acervos, auxiliando uma alimentação cooperativa do catálogo de dados. Deste modo, possibilita o acesso simultâneo de usuários conectados à Internet. O PHL funciona em qualquer navegador da Internet: Mozila Firefox Intenet Explorer Safari Outros Basta baixá-lo em seu computador que o processo de edição será estabelecido com o navegador da Internet.

12 Site para download do PHL: 1 Inicio do processo de edição do PHL 2 - Iniciando a inserção de conteúdos no Catálogo Login: Login: super Senha: super

13 3 - Interface após o login e senha que permite a in inserção serção de conteúdos no catálogo Também permite o gere gerenciamento da coleção catalogada 4 - Ferramentas de organização do catálogo

14 5 - Ferramentas de gerenciamento de coleções 6 - A leitura do manual disponibilizado no software pode ajudar a solucionar eventuais dúvidas

15 7 - Iniciando o processo de catalogação Processo de descrição do item Metadados descritivos do MARC 21

16 8 - Catalogação pronta Lateral esquerda: opções administrativas 9 Tombar o item É muito importante o tombamento do item. Neste momento define-se define o status de: circulante, consulta local ou indisponível. Também são definidos prazos e observações inerentes à circulação do item.

17 10 - Entradas de usuários Na barra lateral esquerda tem tem-se se a opção de: Editar, Deletar, Extrato, Copiar, Copia Histórico, Gerar Carteirinha etc.

18 Essas são algumas funções básicas para gerenciar de maneira automatizada uma biblioteca comunitária. Deste modo, MÃOS A OBRA!!! Dowload:

19 Referências BADKE, Todêsca. Biblioteca popular: uma experiência no bairro das Laranjeiras. Palavra-Chave, São Paulo, n. 4, p. 18-9, maio, DAMASIO, Edilson; RIBEIRO, Carlos Eduardo N. Software livre para bibliotecas, sua importância e utilização: o caso Gnuteca. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/7915/ 1/RDBCI [1].pdf>. Acesso em: 25 nov FRAGOSO, Graça Maria. Biblioteca na escola. Disponível em: <http://dici.ibict.br/archive/ /01/Rev[1].AC pdf>. Acesso em: 25 nov

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico

1. Biblioteca. 2. Infra-Estrutura. 2.1 Espaço físico Biblioteca UPIS 1 SUMÁRIO 1. Biblioteca... 3 2. Infra-Estrutura... 3 2.1 Espaço físico... 3 Campus I... 3 Instalações para estudos individuais... 3 Instalações para estudos em grupo... 3 3. Acervo Bibliográfico...

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO ÁREA DE DOCUMENTAÇÃO E DIVULGAÇÃO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR SALGADO PROJETO CRIAÇÃO DO SETOR DE PROCESSAMENTO TÉCNICO DA BIBLIOTECA CÉSAR

Leia mais

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira

Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Biblioteca Ramiro da Silva Oliveira Bibliotecária Juliana Ribeiro de Campos Solla CRB-8 201/2013 Provisório Horário de Atendimento de segunda a sexta-feira das 8:00 h às 12:00 h e das 17:00 h às 21:00

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

RESUMO DE CATALOGAÇÃO

RESUMO DE CATALOGAÇÃO RESUMO DE CATALOGAÇÃO CLASSIFICAÇÃO DISTINTA Contatos: Cirineo Zenere (c.zenere@pucpr.br) Eulália M. Soares (eulalia.soares@pucpr.br) Josilaine O. Cezar (josilaine.cezar@pucpr.br) SUMÁRIO INICIANDO A CATALOGAÇÃO...2

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA. Socioambiental & Sustentabilidade

GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA. Socioambiental & Sustentabilidade GUIA DO USUÁRIO BIBLIOTECA Socioambiental & Sustentabilidade APRESENTAÇÃO A Biblioteca Nossa Senhora das Mercês Itpac Porto do Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos ITPAC-PORTO proporciona suporte

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ

CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ CEAD BIBLIOTECA FACULDADES SÃO JOSÉ Gerencia a informação e o conhecimento; Organiza, conserva e dissemina todo tipo de informação; Importante fonte de apoio bibliográfico e não bibliográfico para formação

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DO PHL82 PARA BIBLIOTECÁRIOS Belo Horizonte, 22 de maio 2009. Ilário Zandonade

CONFIGURAÇÃO DO PHL82 PARA BIBLIOTECÁRIOS Belo Horizonte, 22 de maio 2009. Ilário Zandonade 1 CONFIGURAÇÃO DO PHL82 PARA BIBLIOTECÁRIOS Belo Horizonte, 22 de maio 2009. Ilário Zandonade 1. Introdução 2. Senha 3. Permissões 4. Configurações 5. Bibliotecas 6. Calendário 7. Tipo de usuário 8. Prazos

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143.

Rodovia Washigton Luis km 173,3, s/n, Chácara Lusa Centro CEP: 13501600 - Rio Claro SP Inscr. Estadual: Isento CNPJ nº 05.143. SUMÁRIO CAPÍTULO I: CONSTITUIÇÃO, FINALIDADES E COMPETÊNCIAS... 2 CAPÍTULO II: DO CADASTRO DE USUÁRIOS... 3 CAPÍTULO III: DA CONSULTA AO ACERVO... 4 CAPÍTULO IV: DOS EMPRÉSTIMOS... 5 CAPÍTULO V: DO ATRASO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS TUTORIAL CATALOGO PERGAMUM Elaboração: Karyn Munyk Lehmkuhl Acadêmica da 9ª do curso de Biblioteconomia UFSC - Semestre 2003/2

Leia mais

Manual do Usuário. Manual do Usuário - Versão 1.0. 1

Manual do Usuário. Manual do Usuário - Versão 1.0. 1 Manual do Usuário Manual do Usuário - Versão 1.0. 1 Índice 1. Visão Geral... 3 2. Acessar o sistema... 3 3. Módulo Inicial... 6 3.1. Cabeçalho do sistema... 6 3.2. Fale Conosco... 6 3.3. Meu Cadastro...

Leia mais

Catálogo Online das Bibliotecas da ULBRA - Liber. Guia do Usuário

Catálogo Online das Bibliotecas da ULBRA - Liber. Guia do Usuário Catálogo Online das Bibliotecas da ULBRA - Liber Guia do Usuário Ji-Paraná 2015 1 LIBER é o sistema de informatização das Bibliotecas da ULBRA. O Catálogo On-line oferece além da pesquisa ao acervo das

Leia mais

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina

André Boaventura Gomide Universidade Federal de Santa Catarina 2, 3 e 4 de Julho de 2009 ISSN 1984-9354 A INFORMATIZAÇÃO DO CONTROLE DE DOCUMENTOS DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM A UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE LIVRE MEDIAWIKI: PROPOSTA DE UMA CONFIGURAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

Sua mais nova e completa ferramenta

Sua mais nova e completa ferramenta TUTORIAL PORTAL CLIENTE LUCIOS Sua mais nova e completa ferramenta SOLICITE SEU ACESSO PRÉ-REQUISITO NAVEGADOR IE MICROSOFT O Navegador IE - Internet Explore, vem instalado como padrão em qualquer distribuição

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos

Coordenação Geral de Tecnologia da Informação - CGTI. SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos SIGED - Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos MANUAL DO USUÁRIO Módulo de Arquivos O objetivo deste Manual é permitir a reunião de informações dispostas de forma sistematizada, criteriosa e segmentada

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Sistema de Devolução Web

Sistema de Devolução Web Manual Sistema de Devolução Web Usuário Cliente ÍNDICE Sumário 1. Prazos...3 2. Solicitação de Devolução... 4 3. Autorização de Devolução... 4 4. Coleta de Mercadoria... 4 5. Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN5018 Informatização em Unidades de Informação Professora: Ursula Blattmann PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

Manual Do Usuário ClinicaBR

Manual Do Usuário ClinicaBR Manual Do Usuário ClinicaBR SUMÁRIO 1 Introdução... 01 2 ClinicaBR... 01 3 Como se cadastrar... 01 4 Versão experimental... 02 5 Requisitos mínimos p/ utilização... 03 6 Perfis de acesso... 03 6.1 Usuário

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário

SGB Sistema de Gestão de Bolsas Manual do Usuário Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário-Executivo José Henrique Paim Fernandes Subsecretário de Assuntos Administrativos Jose Eduardo Bueno de

Leia mais

3 - Tela Principal. Itens importantes da página

3 - Tela Principal. Itens importantes da página SUMÁRIO 1 1 - Conceitos Gerais O CRQ é um sistema de controle de qualidade utilizado na etapa de recrutamento de estudos de natureza qualitativa. Ele é um banco de dados que tem como principal objetivo

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB

SISTEMA PATRIMÔNIO WEB UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Subcomissão de Patrimônio - GEFIM REITORIA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO COMPATRIM/GEFIM SISTEMA PATRIMÔNIO WEB Manual do usuário v.1.1 Sumário Introdução... 4 Fluxo das Principais

Leia mais

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012

SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 SIPAC- SISTEMA INTEGRADO DE PATRIMÔNIO, ADMINISTRAÇÃO E CONTRATOS MÓDULO DE PROTOCOLO MANUAL DE OPERAÇÃO Versão 1.0 Dezembro/2012 Caro Gestor, Este manual de operação tem por objetivo instruí-lo sobre

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião

BVS Site. Aplicativo para geração de portais BVS. Cláudia Guzzo Patrícia Gaião BVS Site Aplicativo para geração de portais BVS Cláudia Guzzo Patrícia Gaião Gerência de Produção de Fontes de Informação / Projetos e Instâncias da BVS BIREME/OPAS/OMS Biblioteca Virtual em Saúde (BVS)

Leia mais

O SID e a Tecnologia

O SID e a Tecnologia O SID e a Tecnologia A evolução da automação na Biblioteca do INPE 1966-1969: o início 1966 : Criação da Biblioteca: modelo digital stricto sensu ( a dedo, ou seja, manual...) Modelo manual Cadastramento

Leia mais

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC

Manual de Usuário. Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual de Usuário Gestion Libre de Parc Informatique (Gestão Livre de Parque de Informática) Versão 1.1 NRC Manual do Usuário GLPI 1. Introdução 3 2. Acessando o GLPI 4 3. Entendendo o processo de atendimento

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

Manual de Utilização do SALICWEB

Manual de Utilização do SALICWEB Manual de Utilização do SALICWEB Versão 1.0 TELA 1 Para apresentar uma proposta cultural, é necessário antes fazer o cadastro de usuário, clicando em Não sou cadastrado. Caso já tenha se cadastrado, deve-se

Leia mais

SGD - Sistema de Gestão de Documentos

SGD - Sistema de Gestão de Documentos Agosto/2012 SGD - Sistema de Gestão de Documentos Manual do Módulo Documentos Características Orientações de utilização do Módulo Documentos. Apresentação das funcionalidades. Telas explicativas e passo

Leia mais

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 12 de novembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor

Leia mais

SCC - Serviço de Controle de Consignação MANUAL DO USUÁRIO DO PORTAL DO CONSIGNADO SERVIDOR

SCC - Serviço de Controle de Consignação MANUAL DO USUÁRIO DO PORTAL DO CONSIGNADO SERVIDOR SCC - Serviço de Controle de Consignação MANUAL DO USUÁRIO DO PORTAL DO CONSIGNADO SERVIDOR Neste manual, você encontrará todas as informações necessárias para que possa navegar com facilidade no Portal

Leia mais

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS

CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS CESMAR- CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE MARILIA CNPJ: 07.064.432/0001-05 FACULDADE DE SÃO CARLOS REGULAMENTO BIBLIOTECA SÃO CARLOS/SP - 2013 FACULDADE DE SÃO CARLOS Mantida pela CESMAR Centro de Ensino Superior

Leia mais

MULTIACERVO Implementações da versão 19 - Completa

MULTIACERVO Implementações da versão 19 - Completa Data: Fevereiro / 2014 Tela de detalhes dos empréstimos Passa a exibir a matrícula do leitor e sua quantidade de itens emprestados. Gestão de doações Permite registrar as doações, tanto de entrada como

Leia mais

manual Sistema de Gestão de Contribuições

manual Sistema de Gestão de Contribuições manual Sistema de Gestão de Contribuições Conteúdo 1. Login 4 2. Home 5 3. Informações básicas 3.1. Menus 6 3.2. Números e status 7 3.3. Ações 8 4. Ambientes da ferramenta 4.1. Sindicato 13 4.2. Empresas

Leia mais

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014 Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação 23 julho 2014 AFASTAMENTOS: A inclusão e exclusão de afastamentos é restrita às chefias. A versão atual está permitindo ao auxiliar fazer

Leia mais

A informação jurídica e seus desdobramentos: a experiência de implantação de uma biblioteca especializada em um escritório de advocacia

A informação jurídica e seus desdobramentos: a experiência de implantação de uma biblioteca especializada em um escritório de advocacia XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 A informação jurídica

Leia mais

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003):

Razões que contribuíram para o processo de automação das bibliotecas, citado por Cardoso (2003): No que diz respeito ao mundo do trabalho, profundas transformações aconteceram (e acontecem!) tanto no nível estrutural transformação de postos de trabalho, surgimento, extinção e transformação de profissões,

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a utilização da Biblioteca Comunitária do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP) e Regulamenta os Prodecimentos. O Diretor Geral,

Leia mais

Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7

Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7 Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7 Prezados Professores, a atualização do ambiente Moodle da versão 2.5 para a versão 2.7 gerou algumas mudanças na interface visual do Moodle.

Leia mais

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO

ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO Tutorial de Pesquisa do Portal de Periódicos da CAPES Manaus 2014 ACESSO AO PORTAL DE PERIÓDICOS DA CAPES APRESENTAÇÃO A Biblioteca Aderson Dutra da Universidade Nilton Lins disponibiliza um moderno conjunto

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-3 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-0 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DE MATERIAIS... 3-1 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS PARA CERTAMES SIGEDCERT - MODO USUÁRIO 1. Acesse através do navegador (preferencialmente Mozilla Firefox ou Google Chrome) o endereço web do sistema:

Leia mais

Prontuários eletrônicos práticos, com recursos textuais e de multimídia

Prontuários eletrônicos práticos, com recursos textuais e de multimídia Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Circulação de Materiais Manual APC Manual PER-MAN-001 Circulação de Materiais Sumário 1. EMPRÉSTIMO/DEVOLUÇÃO/DÉBITOS/RENOVAÇÃO... 1-1 1.1 1.2 EMPRÉSTIMO... 1-3 DEVOLUÇÃO... 1-7 1.3 DÉBITOS... 1-10 1.4

Leia mais

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução

Regulamento Interno AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012. Introdução AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS BIBLIOTECA ESCOLAR 2011 / 2012 Regulamento Interno Introdução A Biblioteca Escolar do Agrupamento de Escolas Martim de Freitas é parte integrante do processo educativo

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 023/2008

ATO NORMATIVO Nº 023/2008 EDIÇÃO Nº: 4600 DATA DE PUBLICAÇÃO:1/11/2008 SEXTA-FEIRA ANO:18 ATO NORMATIVO Nº 023/2008 Aprova o Regulamento do Sistema de Bibliotecas do Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

Guia Prático de Acesso

Guia Prático de Acesso Guia Prático de Acesso 1. Como acessar o novo e-volution? O acesso ao novo e-volution é feito através do endereço novo.evolution.com.br. Identifique abaixo as possíveis formas de acesso: 1.1 Se você já

Leia mais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais

Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais Direitos Autorais nas Bibliotecas Virtuais 1 Prof. Omer Pohlmann Filho Prof.. Marco Gonzalez Edicarsia Barbiero José Mauricio Maciel Karen Borges Profª ª Elisa Corrêa dos Santos Jiani Cardoso Convênio

Leia mais

Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum. Rio do Sul, maio de 2014

Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum. Rio do Sul, maio de 2014 Pergamum - Sistema Integrado de Bibliotecas Consulta ao Acervo e Meu Pergamum Rio do Sul, maio de 2014 Consulta ao Acervo www.ifc-riodosul.edu.br Clique no item Consulta ao Acervo. Pesquisa Geral Na pesquisa

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Projeto/Software/Programa. CDAeM Cadastro de Artistas e Modelos JunioNet. Objetivo desse manual

MANUAL DO USUÁRIO. Projeto/Software/Programa. CDAeM Cadastro de Artistas e Modelos JunioNet. Objetivo desse manual MANUAL DO USUÁRIO Projeto/Software/Programa CDAeM Cadastro de Artistas e Modelos JunioNet Objetivo desse manual Elucidar o instrutor e/ou o utilizador final desse programa de computador. Objetivo desse

Leia mais

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica

e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Página1 e-nota NFS-e Sistema de Geração e Emissão de Nota Fiscal de Serviço eletrônica Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa Página2 Índice 1. O que é Nota Fiscal de Serviço eletrônica

Leia mais

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES

BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES BIBLIOTECA MUNICIPAL DAS CALDAS DA RAINHA PERGUNTAS FREQUENTES CARTÃO DE LEITOR 1- Efectuar a inscrição como leitor? Para poder efectuar a inscrição como leitor, tem de residir no concelho. Os não residentes

Leia mais

www.siteware.com.br Versão 2.6

www.siteware.com.br Versão 2.6 www.siteware.com.br Versão 2.6 Sumário Apresentação... 4 Login no PortalSIM... 4 Manutenção... 5 Unidades... 5 Unidades... 5 Grupos de CCQ... 5 Grupos de unidades... 6 Tipos de unidades... 6 Sistema de

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

LILDBI-Web. Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula

LILDBI-Web. Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula LILDBI-Web Objetivo: Aplicar as funcionalidades do LILDBI-Web para alimentação de bases de dados bibliográficas. Conteúdos desta aula LILDBI-Web: conceitos Criação de novos usuários no sistema Perfis de

Leia mais

Regulamento da Biblioteca

Regulamento da Biblioteca Regulamento da Biblioteca SANTA CRUZ DO RIO PARDO SP 2015 I. Do regulamento e sua aplicação Art. 01. O presente Regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pela

Leia mais

Circulação de Materiais

Circulação de Materiais Manual Pergamum Manual PER-MAN-001 Empréstimo Sumário 1 APRESENTAÇÃO...2 2 UTILIZANDO O MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DE MATERIAIS...4 1.1 1.2 1.3 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR...4 ACESSANDO O SISTEMA...6

Leia mais

Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7

Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7 Tutorial para Professores com as alterações do Ambiente Moodle 2.7 Prezados Professores, a atualização do ambiente Moodle da versão 2.5 para a versão 2.7 gerou algumas mudanças na interface visual do Moodle.

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Curso Básico Sistema EMBI

Curso Básico Sistema EMBI Curso Básico Sistema EMBI Módulo Atendentes e Administradores Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho pode ser reproduzida em qualquer forma por qualquer meio gráfico, eletrônico ou

Leia mais

Manual do Usuário Layout Novo CMS WordPress Versão atual: 3.5.1

Manual do Usuário Layout Novo CMS WordPress Versão atual: 3.5.1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA UFJF Secretaria de Sistemas de Informação SSI Centro de Gestão do Conhecimento Organizacional CGCO Equipe de Desenvolvimento de Sites Manual do Usuário Layout Novo

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

ADAPTAÇÃO: Diogo Victor Gonçalves Mancini Robert Bonifácio da Rocha

ADAPTAÇÃO: Diogo Victor Gonçalves Mancini Robert Bonifácio da Rocha ADAPTAÇÃO: Diogo Victor Gonçalves Mancini Robert Bonifácio da Rocha 1 SUMÁRIO: Apresentação...3 Introdução...5 Acessando GLPI...6 Abrindo chamado...8 Anexando arquivo a um chamado...9 Acompanhamento de

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9

Channel. Visão Geral e Navegação. Tutorial. Atualizado com a versão 3.9 Channel Visão Geral e Navegação Tutorial Atualizado com a versão 3.9 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014

MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 MANUAL DE INSTRUÇÕES SISTEMA OPERACIONAL MÉTODO QUANTUM 2014 ÍNDICE Apresentação Principais Botões Login Usúario Resultado Método Quantum Preencher Método Quantum Extrato On-Line Engenharia de Função Grupos

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Documento de Análise e Projeto VideoSystem

Documento de Análise e Projeto VideoSystem Documento de Análise e Projeto VideoSystem Versão Data Versão Descrição Autor 20/10/2009 1.0 21/10/2009 1.0 05/11/2009 1.1 Definição inicial do documento de análise e projeto Revisão do documento

Leia mais

KalumaFin. Manual do Usuário

KalumaFin. Manual do Usuário KalumaFin Manual do Usuário Sumário 1. DICIONÁRIO... 4 1.1 ÍCONES... Erro! Indicador não definido. 1.2 DEFINIÇÕES... 5 2. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 7 3. ACESSAR O SISTEMA... 8 4. PRINCIPAL... 9 4.1 MENU

Leia mais

André Boaventura Gomide (UFSC) andregomide@hotmail.com

André Boaventura Gomide (UFSC) andregomide@hotmail.com XV INTERNATIONAL CONFERENCE ON INDUSTRIAL ENGINEERING AND OPERATIONS MANAGEMENT The Industrial Engineering and the Sustainable Development: Integrating Technology and Management. Salvador, BA, Brazil,

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia.

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia. Sumário Introdução... 1 Objetivos... 1 Instruções para utilização do Tutorial... 1 Metodologia... 2 Apresentação do Editor de Roteiro de Aprendizagem... 2 Inserir Roteiro de Aprendizagem... 3 Meus Roteiros...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE BIB001 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACCENTRO PORTO ALEGRE Rua Mal. Floriano Peixoto, 185 8º andar Porto Alegre/RS e-mail: biblioteca@faccentro.com.br SUMÁRIO 1. DO REGULAMENTO

Leia mais

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos

Ricardo Roberto de Lima UNIPÊ 2008.1 APS-I. Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Históricos e Modelagem Orientada a Objetos Histórico Diversas metodologias e métodos surgiram para apoiar OO. Evolução a partir de linguagens C++ e SmallTalk. Anos 80 Anos 80-90: diversidade de autores.

Leia mais

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA DE ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS DE INFORMÁTICA GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário Setor de Tecnologia da Informação 2012 AUTORES Aurélio Ricardo Batú Maicá Laura

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais