RELATÓRIO DE COACHING. Ano Lectivo 2009/2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE COACHING. Ano Lectivo 2009/2010"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE COACHING Ano Lectivo 2009/2010 Lúcia Coelho Isabel Gonçalves (Coord. GATu) Julho, 2010

2 0 Índice 1 Introdução Objectivos Actividades Cursos... 6 LEAN... 6 LEGI... 7 LEGM... 7 LEIC A... 7 LEIC T... 7 LEMat... 8 LERC... 8 LMAC... 8 MA... 8 MEAero... 9 MEAmb... 9 MEBiom...10 MEC...10 MEEC...10 MEFT...11 MEMec...11 DEQB Sugestões e Considerações Finais Anexos...13 Anexo 1 Guião de Coaching de Tutores...13 Anexo 2 Guião de Coaching de Coordenadores Bibliografia...16 pág. 2

3 1 Introdução Sê fiel a ti mesmo William Shakespeare O Coaching é amplamente definido como um processo planeado e contínuo de desenvolvimento pessoal, que envolve as competências de ouvir tendo em atenção o contexto, de perguntar e de validar o outro, ajudando-o a estabelecer o foco para o processo de mudança, a descobrir possibilidades, a planear acções e a remover barreiras de modo a que as metas a que se propôs sejam alcançadas. Esquematicamente: concretização de objectivos maior auto-eficácia influência mútua aprender com a acção melhor desempenho desenvolvimento O Gabinete de Apoio ao Tutorado (GATu) tem vindo a associar as metodologias de Coaching ao Tutorado desde o ano lectivo de 2005/06, quer no acompanhamento dos tutorandos pelos tutores quer no acompanhamento dos tutorandos. O Coaching pode ser definido de diversas formas mas aquela que mais se adapta ao nosso contexto talvez seja a definição de Whitmore 1 que refere que a essência do Coaching consiste em libertar o potencial de uma pessoa para o aumentar ao máximo o seu desempenho, ajudando-o a aprender em vez de o ensinar. A palavra Coaching que hoje tem função de disciplina, começou por ser usada no campo desportivo, mas rapidamente se expandiu por muitas outras áreas, tendo como vectores comuns em todas aquelas em que está presente, o desenvolvimento pessoal, o alcançar de objectivos, a adaptação à mudança, e, finalmente a promoção de competências que permitam ultrapassar obstáculos sempre, aspirando sempre a ser ou fazer melhor. Os imperativos de Bolonha, em que o foco é, precisamente, no aprendente e no processo de ensino aprendizagem e não tanto no docente e no processo de ensino (exclusivamente) abrem caminho para uma maior aceitação do Coaching permitir aos alunos uma educação baseada na sua própria experiencia e autoconhecimento, aprendendo de uma forma activa e não passiva. 1 Coaching para Docentes Motivar para o Sucesso (2009) de Juan Fernando Bou Pérez, Porto Editora. pág. 3

4 2 Objectivos Se quer um ano próspero, cultive grãos. Se quer dez anos prósperos, cultive árvores. Se quer cem anos de prosperidade, cultive pessoas Provérbio Chinês O GATu desenvolveu um conjunto de actividades de apoio aos Tutores, baseadas nos princípios do Coaching, em que no fundo se procura potenciar as competências dos Docentes para apoiarem o desenvolvimento pessoal dos seus Alunos, partindo do pressuposto de que o Coaching, enquanto atitude, se transmite por modelagem e que a equipa do Tutorado deve, nos seus contactos com os Tutores, modelar precisamente os comportamentos que se pretende promover no contexto da relação Docente Aluno, ou mais especificamente, Tutor Tutorando. Essas actividades consistem, essencialmente: no apoio individualizado ao Tutor (presencial, telefónico ou por ); no apoio à resolução das dificuldades apresentadas por Tutores e Tutorandos (intervindo, por solicitação dos Tutores, junto de Tutorandos que apresentam dificuldades que transcendem o âmbito de actuação do Tutor); na formação dos Tutores (nomeadamente em metodologias de Coaching) e, finalmente, no apoio às actividades propostas pelos Tutores para um melhor funcionamento do Programa de Tutorado. Assim, através da metodologia de Coaching, a equipa acompanha, docente a docente, curso a curso, semestre a semestre, os passos do docente na tutoria, ajudando-o a lidar com as situações que vão surgindo em cada caso, o que permite fazer um ponto da situação personalizado com o docente e generalizado do Tutorado em cada curso. Desta forma, antes do final do 1º semestre, são efectuados contactos telefónicos individuais a cada Tutor e Coordenador de Tutorado, seguindo um guião de questões pré-definidas específicas para este semestre (anexo1). No início do ano lectivo, o objectivo passa por verificar se está tudo a funcionar (Portal do Tutor, contactos com os alunos; grelha de desempenho), por saber se já ocorreu e como correu a primeira reunião com os tutorandos, por identificar as dificuldades sentidas e recolher o feedback dos Tutores sobre o Programa. Mediante o feedback obtido, analisam-se as situações nas quais é necessária a intervenção do GATu (atendimento de alunos, encaminhamento para workshops, NAPE ou SMAP). Já no 2º semestre, partindo da informação obtida no semestre anterior dá-se continuidade ao acompanhamento feito aos docentes, verificando se já realizaram alguma reunião, se houve um aumento ou diminuição de participação dos tutorandos, se ainda se pode fazer algo nos caso críticos antes de fechar o ano lectivo e aproveitam-se todas as sugestões feitas ao Programa para possíveis melhorias no ano seguinte. pág. 4

5 3 Actividades Os preparativos de cada ano lectivo começam com as reuniões entre os Coordenadores de Curso e a Equipa dp GATu, tendo como objectivo analisar o que tem sido feito nesse curso, melhorar as boas práticas e em conjunto com os docentes elaborar novos planos para colmatar as falhas existentes. Já as formações são realizadas, no mínimo duas vezes por ano lectivo, preferencialmente em períodos sem aulas e sobre temáticas solicitadas pelos docentes. As formações fixas elaboradas pela equipa do Tutorado são: Modelos e Práticas de Tutoria I e II e Coaching & Tutorado; as formações externas realizadas mediante solicitações específicas e necessidades identificadas pelos tutores (e outros docentes do IST, que também podem participar) são: The Coaching Clinic ; Como Ser Eficaz; Técnicas de Apresentação em Público; Técnicas vocais; etc. Todas têm o intuito de auxiliar os professores, não só nas suas actividades de Tutoria, como também de docência ou investigação. No que respeita aos alunos, o Tutorado tem igualmente um conjunto de workshops previamente definidos, sendo o Para Prescrever e prescrição, o De Bom a Excelente e as Sessões de Relaxamento, os que mais importam referir neste relatório, uma vez que, dependendo da problemática identificada, o Tutor encaminha o aluno para a nossa equipa para que lhe indiquemos o workshop adequado. pág. 5

6 4 Cursos O presente relatório pretende apresentar um resumo das actividades de Coaching realizadas no decorrer do 1º e 2º semestre de 09/10 nos vários cursos abrangidos: Curso Coord. de Tutorado Coord. de Curso Nº de Tutores % Tutores Contactados LEAN Prof. Falcão de Campos 2 100% LEGI Prof. José Figueiredo 3 67% LEGM Prof. Garcia Pereira Prof. Carlos Guimarães 2 100% LEIC A Prof. Pavão Martins 8 94% LEIC T Prof. Nuno Mamede 15 66% LEMat Prof. Fernanda Margarido 4 100% LERC Prof. Luís Rodrigues 4 100% LMAC Prof. Pedro Girão 2 65% MA Prof, Teresa Heitor Prof. Nuno Matos Silva 6 71% MAero Prof. Luís Costa Campos Prof. Fernando Lau 9 94% MEAmb Prof. António Jorge de Sousa 3 71% MEB Prof. Isabel Sá Correia Prof. Jorge Leitão 11 69% MEBiom Prof. Paulo Freitas 7 71% MEC Prof. Jaime Santos Prof. Dídia Covas 41 82% MEEC Prof. Leonel Sousa Prof. Luís Miguel Silveira 8 100% MEFT Prof. João Seixas Prof. Pedro Sebastião 8 75% MEMec Prof. Hélder Rodrigues 20 75% MEQ Prof. Sebastião Alves Ferreira Prof. Jorge Leitão 13 69% O Coordenador do Tutorado é responsável por adaptar o Programa à realidade do Curso e acompanhar a sua execução. LEAN Licenciatura Bolonha em Engenharia e Arquitectura Naval 100% de Tutores contactados O coordenador ajuda a divulgar o programa nas suas aulas, embora informalmente. Este ano lectivo o grupo era muito equilibrado e bem integrado, à excepção de um aluno que entrou em 3ª fase. O Tutor nomeado para o 1º ano, embora tenha sido nomeado apenas em Dezembro, acabou por funcionar de forma bastante satisfatória, na medida em que, por dar aulas aos alunos de LEAN no 1º semestre teve maior proximidade com os alunos. pág. 6

7 Os Tutores consideram o Programa muito importante, para informação dos diferentes hábitos a adoptar, devido à diferenças (já conhecidas) entre o ensino secundário e o ensino superior fazer diferença para uma pessoa já é contribuir positivamente, principalmente num curso tão pequeno. LEGI Licenciatura Bolonha em Engenharia e Gestão Industrial 67% de Tutores contactados O programa está a decorrer sem problemas. O grupo de tutorandos é equilibrado e bem integrado, com excepção de um aluno que entrou em 3ª fase. No 1º semestre não foi identificado nenhum problema de maior, mas no 2ºsemestre o programa sofreu uma quebra de adesão. No 1º semestre a equipa sentiu dificuldade em chegar ao contacto com os tutores, apenas o coordenador foi contactado; mas essa dificuldade foi colmatada uma vez que no 2º semestre o contacto foi feito a 100%. O facto de o tutor ser, simultaneamente, um docente do 1º ano facilitou seguramente o contacto tutor-tutorando. LEGM Licenciatura Bolonha em Engenharia Geológica e Minas 100% de Tutores contactados No 1º ano, o empenho e motivação da única tutora permitiu-lhe fazer um excelente trabalho, embora sem resultados imediatos. Já no 2º ano, a tutora tem tido poucos contactos pessoais com os tutorandos, apenas via , que parece ser a forma de actuação que tem funcionado melhor. No 3º ano, como o tutor não tinha enviado aos tutorandos, foi-lhe sugerido que enviasse para relembrar a sua disponibilidade. Os principais problemas enfrentados neste curso são: a falta de adesão dos estudantes às actividades do Programa; falta de motivação e sobranceria dos alunos face ao curso, mesmo considerando os seus fracos resultados académicos. Existe também a frustração de a maioria dos tutorandos deste curso não estarem na sua primeira opção. LEIC A Licenciatura Bolonha em Engenharia Informática e Computadores, Alameda 94% Contactados O Coordenador de Tutorado fez a atribuição dos tutorandos aos tutores com o apoio da equipa técnica do Tutorado. A tardia atribuição dos tutorandos aos tutores levou a um atraso nos contactos com os alunos, assim, todos os tutores foram contactados telefonicamente e por , com o intuito de serem alertados para o facto da atribuição já estar feita, bem como para a urgência de reunir com os tutorandos. Da mesma forma, tranquilizou-se os tutores relativamente ao elevado número de tutorandos que ficou a cargo de cada um. Ainda assim, esta situação originou taxas de participação, em geral, inferiores a 50%, mesmo existindo muitos alunos com dificuldades. LEIC T Licenciatura Bolonha em Engenharia Informática e Computadores 66% de Tutores contactados Os Tutores estão desmotivados com a falta de adesão dos alunos. Consideram que estes têm as prioridades trocadas enquanto receptores de uma ajuda que eles não valorizam. Nas reuniões aparecem pág. 7

8 poucos e são poucos também os que chegam a responder aos s. Tendencialmente, os que aparecem são bons alunos. Os Tutores são empenhados com os alunos que demonstram interesse e com eles trabalham as questões relacionadas com a gestão de tempo (incluindo o horário de estudo), com o planeamento e organização do estudo e com os métodos de trabalho propriamente ditos; os tutores aproveitam ainda alguns encontros informais para fazer um ponto da situação com os alunos (estes encontros informais não são complicados no campus do Taguspark). Os casos de tutoria bem sucedida devem-se a muito esforço, preocupação e insistência por parte dos Tutores. LEMat Licenciatura Bolonha em Engenharia dos Materiais 100% de Tutores contactados No 1º semestre a maioria dos tutores contactaram os seus tutorandos mas apenas uma média de aproximadamente 20% respondeu e apareceu. No caso do 2ºano houve contactos por parte de tutorandos a solicitar reuniões. Os tutores consideram ter uma boa relação com os seus tutorandos, especialmente quando estes são seus alunos, ainda assim eles recorrem pouco à tutoria. LERC Licenciatura Bolonha em Engenharia de Redes e Comunicações 100% de Tutores contactados A atribuição de tutorandos aos respectivos Tutores demorou mais tempo por causa dos alunos de 2ª fase. Os tutores revelaram sentir-se desmotivados com a pouca receptividade dos alunos, referindo que a experiência tem sido muito desanimadora no Taguspark. Existe muita vontade de desenvolver o programa no Taguspark mas a receptividade por parte dos alunos tem sido muito fraca ou mesmo quase inexistente. Tentou-se mais uma vez este ano dar uma nova oportunidade para ver se a situação muda e os Tutorandos começam envolver-se e a participar no programa mas infelizmente ainda sem resultados significativos. LMAC Licenciatura Bolonha em Matemática Aplicada e Computação 65% de Tutores contactados Os dois tutores do 1º ano reuniram-se em grupo para se apresentarem e falarem sobre o programa e obtiveram uma taxa de participação em torno dos 95%. Demonstraram estar muito empenhados e atentos aos tutorandos, uma vez que houve a preocupação de contactar pessoalmente os alunos com baixo rendimento no 1º semestre; registou-se ainda um acompanhamento detalhado no caso de alunos que apresentavam dúvidas sobre a vocação para o curso. MA Mestrado Integrado em Arquitectura 71% de Tutores contactados No 1ºSemestre a mudança de responsáveis atrasou a atribuição de Tutores que, por sua vez, atrasou todos os contactos entre Tutores a tutorandos. Alguns laços que deveriam ter sido criados no início do ano lectivo não foram consolidados fazendo com que existisse uma crescente quebra da adesão inicial. O coordenador começou com muita motivação e algumas iniciativas, mas no final do 2º Semestre já se encontrava algo desmotivado por sentir que o seu esforço não teria muitos resultados. Neste curso, a tutoria decorre de num formato muito informal e descontraído, na sua grande maioria, sendo para pág. 8

9 alguns professores mais fácil de obter maior adesão no 2º Semestre, contactando os tutorandos em contexto de sala de aula. As principais dificuldades sentidas pela equipa relacionaram-se sobretudo com os contactos com os Tutores no 1º Semestre. Ainda assim, o Coordenador de Tutorado facilita imenso esse contacto respondendo aos s e telefonando às horas previamente marcadas. No 2º Semestre, com a ajuda da secretária do departamento a percentagem de Tutores contactados chegou aos 100% e essa dificuldade foi ultrapassada. Por fim, gostaríamos ainda de sublinhar que neste curso existem Tutores muito empenhados e preocupados na sua actividade, que procuram fomentar o espírito de equipa e conhecimento das várias arquitecturas urbanas ao vivo, procedendo alguns deles inclusivamente ao envio de s com notícias sobre Arquitectura para lhes incutir vontade de conhecimento. Na verdade, o ensino da arquitectura corresponde frequentemente a um modelo tutorial, correndo-se apenas o risco de se considerar que este tipo de ensino dispensa um tutorado mais transversal (tal como o que é proposto pelo GATu). MEAero Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial 94% de Tutores contactados O Coordenador de Tutorado, embora pouco activo no 1º Semestre, no 2º Semestre tornou-se bastante participativo através do workshop realizado na sua aula de seminário. Houve um grande empenho neste workshop, quer por parte da equipa do Tutorado quer do coordenador mas infelizmente os alunos não se mostraram muito receptivos (para ver os resultados da avaliação deste workshop consultar https://dspace.ist.utl.pt/bitstream/2295/687644/1/aval_dbe_meaero.pdf) Os tutores parecem gradualmente passivos com o decorrer do ano lectivo, o que está directamente relacionado com o desinteresse manifestado por alguns tutorandos aliás, o workshop De bom a excelente especialmente inserido na UC de Seminário de 2º ano tem precisamente como objectivo promover as competências de relacionamento interpessoal entre os estudantes o típico aluno de Aeroespacial, de acordo com os tutores, é muito desenvolvido do ponto de vista cognitivo, mas apresenta algumas limitações ao nível do relacionamento interpessoal, o que os leva a não encararem de forma positiva, nomeadamente, o tutorado, de que precisariam (do ponto de vista dos tutores) precisamente para desenvolver competências nestas áreas. No 1º Semestre a adesão foi bastante superior à do 2º Semestre, uma vez que no 1º Semestre a maioria dos Tutores ainda não se tinha reunido com os alunos (à data da entrevista - finais de Abril). As reuniões individuais embora constituam uma carga excessiva para os Tutores, pelo que indica o Coordenador que tem recebido muitas queixas, são também o motivo de maior adesão por parte dos alunos, o que acaba por deixar os tutores mais satisfeitos com o seu esforço acrescido. MEAmb Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente 71% de Tutores contactados Apenas um tutor do 1º ano ficou por contactar. Contudo, o outro tutor já reuniu com os tutorandos e detectou um problema com um professor de cálculo, que terá sido ultrapassado no 2º semestre. No 2º ano foram identificados cerca de dez alunos com baixos resultados académicos. À reunião de 1º semestre foram cerca de 10 tutorandos igualmente e neste grupo estavam 5 alunos identificados como de baixo rendimento académico. pág. 9

10 MEBiom Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica 71% de Tutores contactados Os tutores do 1º ano, dois do Técnico e dois da Faculdade de Medicina, foram contactados. Os dois primeiros têm realizado reuniões individuais com os seus tutorandos e os alunos têm aparecido na sua maioria. Já os dois tutores da Faculdade de Medicina têm tido maior dificuldade em iniciar o acompanhamento aos seus tutorandos, pelo desconhecimento em relação ao programa e por não terem acesso ao portal do tutor. No 2º ano existe alguma desmotivação, devido à pouca adesão dos alunos nesta fase, mas o trabalho do Tutorado é considerado excelente. No 2º semestre, em que os alunos estão cada vez mais independentes e como responsáveis que são já seguem o seu caminho, sendo normal não haver tanta adesão. MEC Mestrado Integrado em Engenharia Civil 82% de Tutores contactados Para se reduzir o número de tutorandos por Tutor no 1º ano, aumentou-se consideravelmente a listagem de Tutores. Infelizmente muitos já foram informados ou tiveram tutorandos atribuídos muito tarde, perto do final do 1º Semestre, o que atrasou consecutivamente as primeiras reuniões, reflectindose num Coaching, em alguns casos, inconclusivo no 1º semestre. Ainda assim, todas estas alterações permitiram-nos verificar que os Tutores que foram contactados a tempo e que, por sua vez, contactaram os seus tutorandos logo no início do 1º Semestre (através de entrevista individual) obtiveram uma adesão acima dos 50% por parte dos alunos. Contudo, os professores queixam-se de pouca adesão ao programa e sentem-se desmotivados, nomeadamente, pela crescente falta de interesse, alegadamente por falta de tempo, por parte dos alunos, neste 2º semestre. A fraca adesão dos alunos, foi a dificuldade mais sentida pelos docentes. Os professores consideram que enquanto não for obrigatório comparecer a uma primeira reunião, os alunos não aderem por falta de percepção do que o Tutor pode fazer por eles. Consideram ainda que os alunos continuam a não dar prioridade ao como contacto privilegiado, o que acaba por dificultar a comunicação. Foram identificadas como boas práticas de tutoria: o acompanhamento individualizado aos que, efectivamente, procuram; as reuniões de balanço dos semestres; e o encaminhamento de alunos para os nossos workshops. MEEC Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e Computadores 100% de Tutores contactados O Programa de Tutorado em Meec funciona de forma diferente dos restantes cursos, são atribuídos Tutores apenas aos alunos que o solicitam uma vantagem deste sistema consiste no facto de os tutorandos assim atribuídos comparecerem a quase todos nas reuniões, faltando apenas um ou outro. Ainda assim, existem alunos que não aparecem e isso preocupa e desmotiva os docentes. A maioria dos Tutores optou pelas reuniões individuais, ou a pares na primeira reunião, e consideram estar a resultar melhor. Existem Tutores ainda sem tutorandos atribuídos - estes demonstraram claramente o seu desagrado face ao programa tudo leva a crer que o Coordenador tem optado pelos docentes mais interessados e motivados. As notas do 1º teste de Química, entre outras UC com rendimento académico igualmente baixo, são representativas da falta de apoio que deveria chegar a todos os alunos do curso. Cada vez mais pág. 10

11 alunos nos contactam no sentido de terem acesso à tutoria, o que nos leva a acreditar que se esta informação chegasse de igual forma a todos os alunos, haveria uma maior adesão ao Programa. Identificamos como boas práticas de tutoria: o envio de s a fazer o ponto da situação com alguma regularidade, tentar fazer mais que duas reuniões por semestre; organização e planeamento mais detalhado com alunos de 2ª ou/e 3ª fase. MEFT Mestrado Integrado em Engenharia Física e Tecnológica 75% de Tutores contactados A Coordenação de Tutorado não tem no seu portal acesso à funcionalidade para atribuir tutores aos alunos, sendo que terá sido a Coordenação de Curso a desempenhar essa função. As funções do coordenador de Tutorado deveriam ficar mais bem esclarecidas no início e o trabalho deveria ser reconhecido (por ex. atribuição de créditos à semelhança do que acontece com o trabalho dos tutores). Todos os tutores do 1º ano contactados pareceram motivados por fazerem parte do programa e satisfeitos pelo Programa estar efectivamente a funcionar (e bem) este ano. Relativamente aos tutores do 2º ano, dos dois tutores contactados, um deixou de ter disponibilidade para ser tutor e o outro não tem recebido qualquer solicitação dos seus tutorandos, à semelhança do que aconteceu no ano anterior. MEMec Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica 75% de Tutores contactados O Coordenador do Tutorado sentiu algumas dificuldades no início do ano pelas indicações recebidas terem assustado os Tutores, nomeadamente o excesso de informação condensada e as reuniões individuais. Não obstante, o Coordenador tranquilizou os Tutores e mesmo os mais resistentes ficaram mais entusiasmados com o programa e perceberam que o trabalho envolvido não seria tanto como inicialmente pensaram. Alguns tutores de 1º ano iniciaram o contacto com os seus tutorandos através de reuniões individuais, outros fizeram primeiro uma reunião de grupo e depois contactaram os alunos que não compareceram para reuniões individuais. As taxas de participação, no 1º semestre começaram por ser inferiores a 50%, mas no 2º semestre, devido à colaboração com portfolio a adesão subiu consideravelmente No 2º ano, apesar do contacto com os tutorandos ser quase inexistente, na generalidade os tutores mostraram-se motivados. DEQB Departamento de Engenharia Química e Biológica 69% Contactados O Coordenador do Tutorado tem estado em contacto com os Tutores do Departamento. Sugeriu-lhes que reunissem primeiro com os tutorandos em grupo e depois de identificadas as dificuldades fazerem as reuniões individuais. Considera ser uma estratégia intermédia, mas que permite economizar mais tempo e centralizar esforços. Relativamente ao 1º ano, os tutores queixam-se de uma fraca adesão, mesmo depois de vários esforços de sua parte, ainda assim, continuaram motivados e estão a planear fazer as reuniões para o final dos semestres. No 2º semestre, a adesão aumentou nos casos em que os tutores passaram a ser professores dos seus tutorandos. Quanto aos tutores de 2º ano, como não receberam quaisquer contactos no 1º semestre, acabaram por desmotivar e fazer pouco no 2º semestre, excepto uma tutora que acompanhou um aluno com alguma regularidade. pág. 11

12 5 Sugestões e Considerações Finais Coaching é o desejo profundo de fazer diferença, seja na vida do indivíduo, do grupo, ou de toda a organização Robert Hargrove, Master Coach Através de toda a análise feita, detalhadamente, curso a curso, e que deverá ser complementada pela consulta dos dados relativos aos inquéritos aos tutorandos, podemos verificar que embora o Programa esteja em franca ascensão cerca de 50% dos estudantes participam no Programa com alguma regularidade na maior parte dos cursos - ainda existem algumas barreiras a ultrapassar. Acreditamos que quem está no terreno poderá contribuir proficuamente com sugestões de melhoria. Desta forma, de entre os diversos tutores, surgiram as seguintes sugestões: O programa deveria ser obrigatório, pelo menos numa primeira reunião de esclarecimento, e a sua assiduidade controlada de alguma forma; Numa primeira reunião não é produtivo que seja individual sugere-se que as primeiras reuniões sejam feitas em grupos pequenos (4 a 6 alunos) e depois mediante as problemáticas apresentadas se convoquem reuniões individuais; Melhorias à ficha do tutor: repete informação, é complicada e demorada de preencher; A equipa do Tutorado deveria ter acesso ao Portal do Tutor, nomeadamente no caso de MEC, uma vez que facilitaria no sentido de se saber exactamente a situação de cada tutorando; Formações para docentes mais compactas, palestras de poucas horas (ou horários repartidos) com temáticas novas e variadas; Divulgação do Programa no inicio do ano lectivo em ambos os campus; Existência de um mês zero para preparar os alunos - sem matéria nova, mas com uma forma nova de olhar para a mesma matéria; Criação de ferramentas no Fénix que assegurem uma distribuição mais equitativa de tutorandos pelos tutores; Os alunos que entram em 2ª fase deviam poder fazer apenas 2 disciplinas, porque é muito desmotivante para eles tentarem fazer as 5 e não conseguirem. Como teremos margem para verificar, muitas destas sugestões já serão implementadas no próximo ano lectivo, nomeadamente o controlo da assiduidade ao programa ou a melhoria significativa da ficha do tutor, mas existirão algumas medidas mais complicadas de aplicar e não igualmente eficazes em todos os cursos, que terão que ser melhor analisadas. Assim, importa referir que as alterações implementadas são fruto da cooperação de todos os intervenientes, para que o programa chegue de forma eficaz e eficiente a todos os alunos do 1º e 2º anos do IST. O Coaching realizado a todos os docentes não só tem valor pelo o acompanhamento prestado aos docentes e discentes como também pela colaboração de todos para uma escola melhor e um ensino de excelência. pág. 12

13 6 Anexos Anexo 1 Guião de Coaching de Tutores GUIÃO DE COACHING TUTORES C O N S E L H O PEDAGÓGICO Data.. Horário Atendimento: Nome Ano Curso 1. Acesso ao portal Sim Não Visualiza o contacto ( institucional e pessoal) e a foto dos alunos? Acede à grelha de desempenho? 2. Está disponível para receber novos alunos que não tenham Tutor atribuído e que o solicitem à equipa técnica (Tutorandos motivados)? Sim Não 3. J á s e r e u n i u c o m o s Tutorandos? Sim Não Q u a i s a s q u e s t õ e s q u e o s a l u n o s m a i s c o l o c a m? pág. 13

14 4. P r i n c i p a i s vantagens que v ê n o p r o g r a m a ( a c t u a i s e p o t e n c i a i s )? 5. Sugestões 6. Principais problemas identificados pelo tutor pág. 14

15 Anexo 2 Guião de Coaching de Coordenadores GUIÃO DE COACHING COORDENADORES C O N S E L H O PEDAGÓGICO Data.. Horário Atendimento: Nome Ano Curso 1º Semestre: 1. Atribuição de Tutorandos aos respectivos Tutores Sim Não 2. Como prefere ser contactado / qual o horário que mais lhe convém? 3. Que tipo de informação gostaria de receber sobre os assuntos tratados com os Tutores? 4. Antevê algumas dificuldades / Quais? 5. Tem algum pedido especial / algo que possamos fazer para ajudar? 2º Semestre: 6. Ideias para Tutores no próximo ano lectivo? 7. Como proceder com alunos de baixo/elevado rendimento identificados? pág. 15

16 7 Bibliografia PÉREZ, Juan Fernando Bou, Coaching para Docentes Motivar para o Sucesso, 2009, Porto Editora pág. 16

I S T R E L A T Ó R I O D E C O A C H I N G 0 8 / 0 9 - R E S U M O O D A R O T U T P r o g r a m a T u t o r a d o A g o s t o 2 0 0 9

I S T R E L A T Ó R I O D E C O A C H I N G 0 8 / 0 9 - R E S U M O O D A R O T U T P r o g r a m a T u t o r a d o A g o s t o 2 0 0 9 TUTORADO IST RELATÓRIO DE COACHING 08/09 - RESUMO Programa Tutorado A g o s t o 2 0 0 9 Programa Tutorado Índice 1 C oa c hi ng Obj e c ti v o 2 C oor de na dor e s 3 Ponto de Situação Parte 1 4 Ponto

Leia mais

Relatórios de Actividades de Coaching

Relatórios de Actividades de Coaching AVALIAÇÃO DO PROGRAMA Relatórios de Actividades de Coaching O Coaching é um processo continuado e planeado de aperfeiçoamento pessoal e profissional, baseado na aprendizagem-acção. O Coach, no âmbito de

Leia mais

PÁGINA 241 CRONOLOGIA DO PROGRAMA DE TUTORADO (PT) DO IST

PÁGINA 241 CRONOLOGIA DO PROGRAMA DE TUTORADO (PT) DO IST CRONOLOGIA DO PROGRAMA DE TUTORADO (PT) DO IST PÁGINA 241 XO Ano Lectivo 2002/03 Fórum Insucesso Académico no IST (GEP/NAMP) Participação no Congresso Internacional Desenvolvimento e Aprendizagem: do Ensino

Leia mais

O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR

O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR O QUE PRECISA PARA SER UM BOM TUTOR Bem-vindo: O Professor será a primeira cara do IST a comunicar com os cerca de 15 alunos de seu curso que lhe foram atribuídos pelo fénix. Reunimos para si um conjunto

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Assunto: 26ª Edição da Jobshop AEIST A Associação dos Estudantes do através do seu Gabinete de Emprego, Formação e Empreendedorismo (GEFE) tem o prazer de vos convidar a participar

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE

ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE ACEF/1112/22947 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Departamento de Economia, Gestão e Engenharia Industrial CURSO Mestrado em Engenharia e Gestão Industrial (2.º Ciclo) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE

ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE ACEF/1112/25172 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E Desenvolvimento

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado

Fevereiro de 2012. Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento. Ano Letivo 2011/2012. Gabinete de Apoio ao Tutorado Fevereiro de 2012 Relatório de Avaliação das Sessões de Relaxamento Ano Letivo 2011/2012 Gabinete de Apoio ao Tutorado ÍNDICE 1. Introdução & Enquadramento... 3 2. Avaliação 1º semestre de 2011/2012...

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA Ano 2008/2009 Data 30/12/2009 Página 1 de 11 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2008/2009 (em cumprimento do Artigo 66º do Decreto-Lei nº 107/2008, de 25 de Junho)

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 -

Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Relatório de Actividades do Provedor do Estudante - 2009/2011 - Caros Estudantes e restante Comunidade Académica do IPBeja, No dia 29 de Abril de 2009 fui nomeado Provedor do Estudante pelo Presidente

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO

COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO COMISSÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MESTRADO EM ENSINO DE DANÇA ANO LECTIVO DE 2011/2012-1º SEMESTRE RELATÓRIO O Curso de Mestrado em Ensino de Dança, cuja 1ª edição teve início em Outubro de 2011 foi, sem

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA Divisão do Centro de Documentação e Biblioteca 214 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E BIBLIOTECA REALIZAÇÃO MARIA JOÃO T.M.BARREIRO COORDENAÇÃO NATÉRCIA GODINHO APOIO

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9 PLANO TIC 2 0 0 8-2 0 0 9 O Coordenador TIC E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o [1] ESCOLA EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Análise Matemática II

Análise Matemática II Página Web 1 de 7 Análise Matemática II Nome de utilizador: Arménio Correia. (Sair) LVM AM2_Inf Questionários INQUÉRITO ANÓNIMO» AVALIAÇÃO de AM2 e dos DOCENTES Relatório Ver todas as Respostas View Todas

Leia mais

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO

UNIVERSIDADE POPULAR DO PORTO ACÇÃO DE FORMAÇÃO OS ARQUIVOS DO MUNDO DO TRABALHO TRATAMENTO TÉCNICO ARQUIVÍSTICO RELATÓRIO FINAL Enquadramento A acção de formação Os arquivos do mundo do trabalho tratamento técnico arquivístico realizou-se

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2009 Agenda EM DESTAQUE Estágios e Suplemento ao Diploma- uma aposta no futuro! Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Manz

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009

Ano Lectivo 2007/2008. Junho de 2009 RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA Ano Lectivo 2007/2008 Junho de 2009 ÍNDICE Objectivos do Relatório Fases de Elaboração do Relatório Universo do Relatório

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos)

ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) http://www.dges.mcies.pt/bolonha/ ECTS: European Credit Transfer System (Sistema europeu de transferência de créditos) A razão de um novo sistema de créditos académicos Um dos aspectos mais relevantes

Leia mais

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender.

Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. 2009-2010 Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender. Paulo Freire 1 ÍNDICE Introdução... 3 Objectivos... 3 Actividades... 3 Localização... 4 Horário provável de funcionamento...

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE RECUPERAÇÃO / DESENVOLVIMENTO / ACOMPANHAMENTO 15.9.7/9 Relatório Planos 8-9. Canas de Senhorim Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim (Cód. 161755) Escola EB 2,3/S Engº Dionísio A. Cunha (Cód. 345842) Canas

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis

CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis CRIE > Iniciativa Escolas, Professores e Computadores Portáteis Resumo do projecto Com a candidatura a este projecto, e envolvendo todos os departamentos, alunos e encarregados de educação, a nossa escola

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA

EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA EDITAL N o 03 1º SEMESTRE 2012 SELEÇÃO DE TUTORES A DISTÂNCIA 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS CAMPUS MUZAMBINHO CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - CEAD SELEÇÃO

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 [DEPARTAMENTO de EDUCAÇÃO] [Anabela Sousa Pereira] [Mestrado em Psicologia na especialização de Psicologia Clínica e da Saúde] 1.

Leia mais

Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC

Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC Autores: Aprovação: Comissão Executiva do DEEC Comissão Executiva do DEEC Data: 3 de Fevereiro de 2011 Distribuição: Docentes do DEEC

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

Logótipo ALUMNI FDUNL 2011/2012

Logótipo ALUMNI FDUNL 2011/2012 Programa de Mentoria ALUMNI FDUNL Proposta de Regulamento 1. Objectivos do Programa de Mentoria Com o Programa de Mentoria da ALUMNI FDUNL ( Programa de Mentoria ), a ALUMNI FDUNL pretende, fundamentalmente,

Leia mais

Programa de Formação

Programa de Formação Programa de Formação Designação da acção: Curso de Formação Contínua Treino Funcional CFC_TFI_TOT Área Científica: Educação Física e Desporto Área de Estudo: Código 81, Designação Serviços Pessoais Área

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Relatório. Turística

Relatório. Turística Relatório anual de avaliação de curso Gestão do Lazer e da Animação Turística 2008 2009 Estoril, Março 200 Francisco Silva Director de Curso de GLAT Conteúdo Introdução... 3 2 Dados do Curso... 3 3 Avaliação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE SANTARÉM

ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE SANTARÉM ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO DE SANTARÉM COORDENAÇÃO DE CURSO GESTÃO DE EMPRESAS PLANO 2003/ Apresentado por Fernando dos Santos Lucas Jan. Plano de Actividades da Coordenação do Curso de Gestão de Empresas

Leia mais

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/27636 Relatório final da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n.

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006. Resolução n. UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Faculdade de Ciências e Tecnologia Diário da República, 2 série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Resolução n.º 94/2006 Por resolução do conselho directivo da Faculdade de Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS)

REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) REGULAMENTO DE APLICAÇÃO DO SISTEMA DE CRÉDITOS CURRICULARES (ECTS) (Ratificado pelo Conselho Científico em 20 de Abril de 2006) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1.º Objecto Em conformidade

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%)

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%) Período em avaliação: 2007 a 2009 ESCOLA S/3 ARQUITEO OLIVEIRA FERREIRA Identificação dos Intervenientes Nome do avaliado - Patrícia Cunha Melo Campos Corado Carvalhais Fonseca Categoria - PQZPND Departamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação

LEARNING MENTOR. Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219. Perfil do Learning Mentor. Módulos da acção de formação LEARNING MENTOR Leonardo da Vinci DE/09/LLP-LdV/TOI/147 219 Perfil do Learning Mentor Módulos da acção de formação 0. Pré-requisitos para um Learning Mentor 1. O papel e a função que um Learning Mentor

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa

Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Regulamento dos cursos do ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado O presente regulamento estabelece as normas que complementam as que decorrem do regime

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa

Programa de Licenciaturas Internacionais CAPES/ Universidade de Lisboa Programa de Licenciaturas Internacionais / (23 Dezembro de 2011) 1. Introdução 2. Objectivos 3. Organização e procedimentos 4. Regime de Titulação do Programa de Licenciaturas Internacionais /UL 5. Regime

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira

AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira AS UNIDADES DE ENSINO ESTRUTURADO E ESPECIALIZADO AO SERVIÇO DE ALUNOS COM NEE: UMA VIVÊNCIA. Eduardo Domingues & Paula Ferreira Doutorandos em Ciências da Educação pela Universidade Lusófona Docentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO E DESIGN MULTIMÉDIA Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação e Design Multimédia

Leia mais

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica

Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Direção de Gestão de Informação e Comunicação Centro de Informação e Conhecimento Avaliação do inquérito de satisfação ao Centro de Documentação Técnica e Científica Lisboa, janeiro de 2015 Introdução

Leia mais

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória

A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória A Implementação do Processo de Bolonha em Portugal e os Relatórios Institucionais da sua Concretização uma Análise Exploratória António M. Magalhães CIPES/FPCEUP Apresentação: 1. A implementação do Processo

Leia mais

Braga, 10 de Janeiro de 2011.

Braga, 10 de Janeiro de 2011. Braga, 10 de Janeiro de 2011. Página 1 de 20 INDICE INTRODUÇÃO... 3 Págs. CARACTERIZAÇÃO DO SERVIÇO DE FORMAÇÃO... 10 BALANÇO DAS ACTIVIDADES DEP. FORMAÇÃO.11 PRIORIDADES DE MELHORIA. 15 CONCLUSÃO.. 16

Leia mais

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK)

DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) DIAGNÓSTICO ORGANIZACIONAL E APRESENTAÇÃO DE MEDIDAS DE MELHORIA PARA A ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA CAF (COMMON ASSESSMENT FRAMEWORK) Equipa de Auto-Avaliação da CAF: Anabela Silva, Ercilia Braga,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004)

FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) FORMAÇÃO EM GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS NOS SECTORES HOTELEIRO E TURÍSTICO (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Março/Abril 2004) por António Jorge Costa, Presidente do Instituto de Planeamento

Leia mais

Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009

Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009 Avaliação da The Coaching Clinic Ano Lectivo 2008/2009 No 1º semestre do ano lectivo 2008/2009 realizou-se a primeira formação em The Coaching Clinic no IST. Esta formação da responsabilidade da Corporate

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO

AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO AVALIAÇÃO DO CURSO DE TURISMO Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Turismo sobre a ESEC 4 3.2. Opinião dos alunos sobre

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA 1. Área de formação Saúde (729) 2. Itinerário de Qualificação Naturopata - Naturologista 3. Modalidade da formação Qualificação Inicial e Profissional 4. Saída profissional Naturopata - Naturologista 5.

Leia mais

Manual de Procedimentos POSI-E3

Manual de Procedimentos POSI-E3 Manual de Procedimentos POSI-E3 13 de Abril de 2012 1 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. COORDENAÇÃO GERAL 5 3. DOCENTES E DISCIPLINAS 7 3.1 INFORMAÇÃO AOS ALUNOS 7 3.2 RELAÇÕES ALUNOS / DOCENTES 8 4.1 ÁREA PEDAGÓGICA

Leia mais

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.

INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR. Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho. INDAGAR E REFLECTIR PARA MELHORAR Elisabete Paula Coelho Cardoso Escola de Engenharia - Universidade do Minho elisabete@dsi.uminho.pt Este trabalho tem como objectivo descrever uma experiência pedagógica

Leia mais

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional.

«As organizações excelentes gerem, desenvolvem e libertam todo o potencial dos seus colaboradores ao nível individual, de equipa e organizacional. A melhoria não é um acontecimento pontual ( ) um processo que necessita de ser planeado, desenvolvido e concretizado ao longo do tempo em sucessivas vagas, produzindo uma aprendizagem permanente. De acordo

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase

4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase ACÇÃO - C 340-0 PAPEL DO PROFESSOR TUTOR NA ORIENTAÇÃO EDUCATIVA E NA GESTÃO DA DIVERSIDADE" 4.1. PLANO DE ACÇÃO TUTORIAL (Individual) - 1 a Fase Etapas Implementação de actividades Responsáveis Calendarização

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO

RELATÓRIO FINAL DO EVENTO RELATÓRIO FINAL DO EVENTO Outubro 2010 1. INTRODUÇÃO Uma vez terminado o evento Start Me Up Alto Minho, apresentam-se de seguida um conjunto de elementos que, em jeito de conclusão, se revelam oportunos

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO

CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL. Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO CURSO DE 2º CICLO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS E COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Manual de ESTÁGIOS A COORDENAÇÃO DO CURSO DE 2º CICLO EM GRHCO Coimbra 2014-2015 1 Introdução 1. Competências gerais do estágio

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST

AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST AVALIAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO NO IST (2º ciclo) APFIST PG4 Processo de Gestão da Qualidade SP4 Inquéritos de Avaliação dos Processos de Realização - Ensino/Aprendizagem 1- Objectivos No âmbito do SIQUIST,

Leia mais

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0)

Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Código de Ética do Estudante do Departamento de Informática da FCT/UNL (Versão 1.0) Departamento de Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Nova de Lisboa

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais