Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes"

Transcrição

1 Impacto das novas abordagens terapêuticas e financiamento da diabetes Helder Mota Filipe Vice-Presidente, INFARMED, I.P. Professor Associado, FFUL 25 Junho 2015

2 2

3 Prevalência da Diabetes em Portugal prevalência estimada em cerca de 13,0% da população portuguesa (população com idades compreendidas entre os 20 e os 79 anos) mais de 1 milhão de indivíduos. Observatório Nacional da Diabetes. Diabetes: Factos e Números 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes

4 Custo da Diabetes em Portugal o custo aparente desta doença representa 962 milhões de euros (para todos os indivíduos com diabetes diagnosticada entre os anos). Observatório Nacional da Diabetes. Diabetes: Factos e Números 2014 Relatório Anual do Observatório Nacional da Diabetes. Valores considerando o custo medio das pessoas com Diabetes, de acordo com os valores apresentados pela IDF.

5 Consumo de Antidiabéticos entre 2000 e 2013 Fonte de dados: Medicamentos prescritos e dispensados a utentes do Serviço Nacional de Saúde (conferência de facturas das farmácias/acss). Indicador de Utilização - Dados expressos em Doses Diárias Definidas (DDD) por 1000 habitantes Dia (ATC 2013). Indicador de Despesa Encargos do SNS

6 Evolução da utilização no SNS Entre 2000 e 2013, aumento da utilização de medicamentos para o controlo da Diabetes Mellitus (39 DHD em 2000 vs 79 DHD em 2013).

7 Evolução da utilização no SNS, excluindo insulinas A partir de 2009 verifica-se um aumento dos Inibidores das DPP 4, isoladas, mas principalmente em associação com as Biguanidas. A Metformina que, segundo a Norma de Orientação Clínica da DGS, é o fármaco de primeira linha na DM tipo 2 apresentou desde 2007 uma estabilização no consumo.

8 Evolução do peso dos encargos no total dos encargos do SNS 2000 a peso destes medicamentos rondava os 5%. a partir de 2007, e com a introdução dos inibidores das DPP-4 o investimento aumentou e atualmente corresponde a 18% do total dos encargos do SNS.

9 Consumo de Antidiabéticos em 2015 (jan-mar)

10 Mercado SNS (Janeiro Março 2015) Antidiabéticos orais constituem o subgrupo terapêutico com mais encargos para o SNS Classificação Farmacoterapêutica Encargos SNS % Encargos Variação Homóloga (%) Antidiabéticos orais ,0% 6,2% Modificadores do eixo renina angiotensina ,9% -22,0% Antipsicóticos ,8% 8,3% Anticoagulantes ,4% 30,6% Antiepilépticos e anticonvulsivantes ,4% 2,1% Insulinas ,3% 4,3% Antidislipidémicos ,2% 0,2% Agonistas adrenérgicos beta ,7% 11,3% Antidepressores ,8% -1,0% Outros (3.4.6) ,6% -2,3% Restantes CFT's ,0% -2,2% Total % -0,3%

11 Mercado SNS (Janeiro Março 2015) 3 Antidiabéticos orais e 1 insulina no Top 10 das DCIs com mais encargos no SNS DCI Encargos SNS % Encargos Variação Homóloga (%) Metformina + Vildagliptina ,6% -1,9% Metformina + Sitagliptina ,7% 2,3% Pregabalina ,5% 1,8% Fluticasona + Salmeterol ,4% 2,2% Rosuvastatina ,9% -3,6% Insulina glargina ,7% 9,5% Dabigatrano etexilato ,6% 17,3% Quetiapina ,6% 1,1% Sitagliptina ,5% -7,6% Olmesartan medoxomilo + Hidroclorotiazida ,4% 3,7% Restantes DCI's ,0% -0,8% Total % -0,3%

12 Mercado SNS (Janeiro Março 2015) Novas classes terapêuticas aprovadas em 2014 Liraglutido comparticipada em Fevereiro 2014 Exenatido comparticipado em Novembro 2014 Dapagliflozina comparticipado em Dezembro 2014 DCI Encargos SNS Quota em Valor Número de embalagens Quota em volume Liraglutido (agonista GLP-1) ,1% ,8% Exenatido (agonista GLP-1) ,5% ,1% Dapaglifozina (inibidor SGLT2) ,3% ,6%

13 Evolução dos encargos do SNS, excluindo insulinas Os inibidores das DPP-4, isolados ou em associação com as biguanidas, representam cerca de 80% dos encargos do SNS com estes medicamentos (excluindo insulinas).

14 Diferenças nos padrões de prescrição no contexto europeu Portugal, entre todos os países analisados, é dos que apresenta a menor proporção de insulinas e o que apresenta a maior proporção de Inibidores da DPP-4. Se Portugal adotasse o padrão de consumo médio destes países e assumindo os custos médios dos medicamentos em Portugal a poupança potencial seria de 34 M.

15 Em 2017 a Diabetes será a segunda patologia com mais necessidade de financiamento...

16 Propostas para a sustentabilidade do sistema - Promoção do uso racional - SiNATS - Reavaliação das Tecnologias - Cuidados Farmacêuticos

17 Propostas para a sustentabilidade do sistema - Promoção do uso racional

18 Promoção do uso racional Orientações Terapêuticas NOC Antidiabéticos Orais na Diabetes Mellitus tipo 2 No tratamento farmacológico oral da hiperglicemia da diabetes mellitus tipo 2 (DM2), a metformina (Met) é o fármaco de primeira linha A adição de um segundo fármaco só deve ser feita após otimização de medidas não farmacológicas Nas pessoas com DM2 que manifestem intolerância à Met ou contraindicação para o seu uso deve prescrever-se uma sulfonilureia (SU), gliclazida ou glimepirida ou glipizida, como primeira opção.

19 Promoção do uso racional Orientações Terapêuticas NOC - Insulinoterapia na Diabetes Mellitus tipo 2 A insulina é considerada uma opção no tratamento da diabetes tipo 2, quando a terapêutica não farmacológica associada aos antidiabéticos orais não for suficiente para uma adequada compensação metabólica. A terapêutica com insulina é iniciada com uma administração de insulina basal, de preferência ao deitar. A terapêutica com insulina basal é associada preferencialmente à terapêutica com antidiabéticos orais.

20 Promoção do uso racional Orientações Terapêuticas MÓDULO para o tratamento da Diabetes Mellitus Formulário Nacional de Medicamentos (FNM) e_farmacia_terapeutica/fnm/fnm_diabmell_cnft_word_altera%e7%f5es_maio15.pdf

21 Propostas para a sustentabilidade do sistema - Promoção do uso racional - SiNATS - Reavaliação das Tecnologias

22 SiNATS Tecnologia: Medicamentos + Dispositivos médicos Avaliação antes do mercado (avaliação ex-ante): a) Efetividade Relativa (Valor Acrescentado) b) Custo-Efetividade (Valor Económico) c) Outras dimensões Decisões: a) Preço b) Financiamento/comparticipação c) Controlo e limitação de encargos d) Partilha de risco e) Monitorização adicional da utilização -Reavaliação das tecnologias no mercado (avaliação ex-post) -Participação no modelo europeu 23

23 SiNATS : Sustentabilidade do Sistema de Saúde Oportunidades de melhoria: Melhor alocação dos recursos Avaliação dos resultados em saúde Maior transparência do processo de avaliação de tecnologias AUTORIZAÇÃO AVALIAÇÃO EX-ANTE DECISÃO/ CONTRATO AVALIAÇÃO EX-POST Inclusão/retirada de listas de utilização MEDICAMENTOS -Qualidade -Segurança -Eficácia Avaliação Técnica (regulamentar) Preço máximo Reavaliação de tecnologias Submissão Avaliação Terapêutica (efectividade relativa) Avaliação Económica (custo-efectividade) Negociação Partilha de risco Limites de encargos Acordo Priorização de tecnologias SI-HTA Monitorização da efectividade real DISPOSITIVOS MÉDICOS -Qualidade -Segurança -Desempenho Preços Atribuição e Revisão Comissão de Avaliação de Tecnologias de Saúde (CATS) - Debate interpares (PLENÁRIO) - Audiências de requerentes - Todos os avaliadores Monitorização adicional da utilização Ponderações em concursos publicos Condições de utilização Relatórios Recomendações gerais de utilização Intruções a entidades sobre utilização

24 Propostas para a sustentabilidade do sistema - Promoção do uso racional - SiNATS - Reavaliação das Tecnologias - Cuidados Farmacêuticos

25 A Importância da Intervenção Farmacêutica Prestadores de serviços e saúde especializados Centros de prevenção e terapêutica Contribuem ativamente para a promoção da saúde Promovem a utilização racional de medicamentos. A sua proximidade com os utentes é muito importante para a prossecução da missão das farmácias enquanto parceiros no Serviço Nacional de Saúde.

26 Acordo entre o MS e as Farmácias Foi assinado um acordo a 9 de julho de 2014 entre o MS e ambas as Associações de Farmácias em Portugal (ANF e AFP). As farmácias são encorajadas e contribuir para o aumento da quota de medicamentos genéricos. Está previsto um incentivo às farmácias pelo seu contributo para a redução da despesa do SNS e dos utentes Esta ação será combinada com a prestação de vários serviços de saúde farmacêuticos aos utentes.

27 Serviços Farmacêuticos e Programas de Saúde Pública Os serviços a desenvolver têm de ser enquadrados no âmbito dos programas de Saúde Pública e nas prioridades do Ministério da Saúde Foi criada uma Comissão de Acompanhamento do funcionamento e desempenho dos serviços inerentes aos programas de Saúde Pública a desenvolver pelas Farmácias As áreas identificadas estão sujeitas a um período experimental de 12 meses sem encargos para o Estado. Entidade independente irá estudar e avaliar os serviços a desenvolver nas Farmácias no âmbito dos programas de Saúde Pública Indicadores, métricas e objetivos para a avaliação da efetividade Proposta de regime remuneratório do serviço

28 Serviços Farmacêuticos e Programas de Saúde Pública Áreas a abranger : a)programa de Troca de Seringas Implementado em janeiro de 2015 b) Cuidados Farmacêuticos na Diabetes - em discussão com a DGS c) Administração de terapêutica de substituição opiácea em discussão com o SICAD d) [Outros programas previstos ]

29 Desafios nacionais nos cuidados às pessoas com Diabetes Diagnosticar precocemente as pessoas com diabetes - definir o grau de risco de diabetes em 50% dos utentes do SNS, através de questionário de risco e Reduzir a morbilidade e mortalidade por diabetes são alguns dos objetivos descritos no Programa Nacional para a Diabetes (PND). Assegurar o estabelecimento participado de metas concretas na área da diabetes, dentro das estratégias do PND, nas instituições de saúde da sua área geográfica e a coordenação necessária entre os diferentes níveis de cuidados para a realizar contribuindo para o cumprimento das metas regionais é uma das competências das Unidades Coordenadoras Funcionais da Diabetes (UCFD). Suster o crescimento da prevalência de diabetes evitar que em 5 anos pessoas desenvolvam a doença é um dos desafios mais importantes para Portugal de acordo com o relatório Um Futuro para a Saúde da Fundação Calouste Gulbenkian. DIRECÇÃO-GERAL DA SAÚDE. Programa Nacional para a Diabetes MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 2.ª série N.º 40. Despacho n.º 3052/2013, de 26 de fevereiro. CRISP, N. L. et al. Um Futuro para a Saúde. Fundação Calouste Gulbenkian

30 Serviços Farmacêuticos na Diabetes Proposta de intervenção Projeto piloto em discussão com a DGS: Prevenção e identificação precoce de indivíduos em risco de diabetes: Identificar e referenciar à consulta médica os indivíduos com risco alto e muito alto de diabetes. Educação terapêutica na primeira dispensa de antidiabéticos Contribuir para o uso correto, efetivo e seguro de antidiabéticos prescritos pela primeira vez, promovendo a adesão à terapêutica. CheckMed diabetes Identificar e resolver situações que comprometam o uso correto, efetivo e seguro dos medicamentos e promover a adesão e melhoria do conhecimento que os doentes têm dos medicamentos que tomam.

31 Pontos chave Articulação com o Programa Nacional para a Diabetes na definição dos serviços farmacêuticos a serem prestados assim como no delineamento do respetivo plano de ação; Assegurar a implementação e integração com os prestadores do Serviço Nacional de Saúde (médicos, enfermeiros) para assegurar a continuidade e efetividade dos cuidados prestados; Avaliar a possibilidade de enquadrar os cuidados farmacêuticos na missão das Unidades Coordenadoras Funcionais da Diabetes; Identificação e aproveitamento de ferramentas/instrumentos disponíveis nas farmácias para melhorar o controlo da doença (ex. alertas através de SMS para promover a adesão à terapêutica).

32 Conclusão A prevalência crescente da diabetes assim como a introdução de novos medicamentos requerem uma atualização constante sobre as opções terapêuticas mais adequadas e com melhor perfil de custo-efetividade. É essencial a implementação de uma estratégia para uma utilização mais racional dos medicamentos para o controlo da DM: Formação dos profissionais de saúde; Algoritmos de apoio à decisão Monitorização de consumos.

33 Obrigado Consulte também: https://twitter.com/infarmed_ip 22 anos de serviço público com valores e ética

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

SÍNTESE: FEVEREIRO 2013/2014 (COMPARAÇÃO EM PERÍODO HOMÓLOGO)

SÍNTESE: FEVEREIRO 2013/2014 (COMPARAÇÃO EM PERÍODO HOMÓLOGO) SÍNTESE: FEVEREIRO 2013/2014 ANÁLISE GLOBAL DO CONSUMO DE MEDICAMENTOS FATURADOS EM REGIME DE AMBULATÓRIO GERAL VALORES FATURADOS GERAIS Em janeiro e fevereiro de 2014 o SNS comparticipou 71.929.980,32

Leia mais

Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde. Análise da Evolução do Mercado Total de Medicamentos. entre 2003 e 2010

Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde. Análise da Evolução do Mercado Total de Medicamentos. entre 2003 e 2010 Observatório do Medicamento e Produtos de Saúde Direcção de Economia do Medicamento e Produtos de Saúde Análise da Evolução do Mercado Total de Medicamentos entre 2003 e Cláudia Furtado Rosália Oliveira

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011

Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Monitorização da Prescrição de Medicamentos Indicadores Nacionais Setembro 2011 Ministério da Saúde Lisboa, 19 de Setembro de 2011 0 1. Enquadramento A denominada prescrição electrónica de medicamentos

Leia mais

Despacho n.º 15700/2012, de 30 de novembro 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012)

Despacho n.º 15700/2012, de 30 de novembro 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012) 1 (DR, 2.ª série, n.º 238, de 10 de dezembro de 2012) Aprova os modelos de receita médica, no âmbito da regulamentação da Portaria n.º 137-A/2012, de 11 de maio A Lei n.º 11/2012, de 8 de março, regulamentada

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Investir melhor. 22 anos de serviço público com valores e ética

Investir melhor. 22 anos de serviço público com valores e ética Investir melhor. 22 anos de serviço público com valores e ética AGENDA: I- Objetivos e modelo II- Arquitetura legislativa III- Alterações fundamentais IV- Desafios europeus V- Desafio nacional I- Objetivos

Leia mais

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011

Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões de utilização e despesa em Portugal Continental entre 2000 e 2011 Título: Medicamentos do Aparelho Cardiovascular: Uma análise dos padrões

Leia mais

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia

2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia Análise e desenvolvimento do mercado, legislação e factores de crescimento do Mercado de Medicamentos Genéricos 2ª semana da Farmácia Angolana 3ª ExpoFarma Angola 07 de Outubro 2015 Paulo Lilaia APOGEN

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993

1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 1. BENEFÍCIOS DOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) Decreto-Lei nº11/93, DR. I série -A, Nº 12, 15.01.1993 "O S.N.S. engloba um conjunto de instituições e serviços que dependem do Ministério da

Leia mais

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016 Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro - Dezembro 2016 Sumário Executivo Janeiro-Dezembro 2016 Despesa do SNS com

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro-Agosto 2015

Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS. Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro-Agosto 2015 Monitorização mensal do consumo de medicamentos no ambulatório do SNS Direção de Informação e Planeamento Estratégico Janeiro-Agosto 2015 Sumário Executivo Janeiro Agosto 2015 Despesa do SNS com medicamentos

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE

DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE OBSERVATÓRIO DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE DIRECÇÃO DE ECONOMIA DO MEDICAMENTO E PRODUTOS DE SAÚDE 1. MERCADO TOTAL DE MEDICAMENTOS Fonte: IMS 1.1 - Mercado Total 23 2.733.558.9-229.723.613-24 2.979.4.479

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo

Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP. A experiência de Valongo Acreditação de Unidades de Saúde nos CSP A experiência de Valongo Direcção-Geral da Saúde Ministério da Saúde Filipa Homem Christo Departamento da Qualidade em Saúde Direcção Geral da Saúde Da Auto-avaliação

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

Serviço Nacional de Saúde

Serviço Nacional de Saúde Informação de Custos dos Cuidados de Saúde Serviço Nacional de Saúde A Informação de custos dos Cuidados de Saúde é uma iniciativa do Ministério da Saúde, de abrangência nacional, enquadrada no Programa

Leia mais

22 anos de serviço público com valores e ética

22 anos de serviço público com valores e ética 22 anos de serviço público com valores e ética SiNATS: 1- Modelo 2- Principais alterações Investir melhor. Atualmente -Tecnologia: Medicamentos SiNATS -Tecnologia: Medicamentos + Dispositivos médicos.

Leia mais

Política de investimento na Comunidade

Política de investimento na Comunidade Política de investimento na Comunidade Galp Energia in NR-006/2014 1. ENQUADRAMENTO Na sua Política de Responsabilidade Corporativa, aprovada em 2012, a GALP ENERGIA estabeleceu o compromisso de promover

Leia mais

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde

14 de novembro. Em 2012, o tema proposto é Diabetes: Proteja Nosso Futuro Ações do Ministério da Saúde 14 de novembro Em 2012, o tema proposto é "Diabetes: Proteja Nosso Futuro" Ações do Ministério da Saúde Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT) no

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA

DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA DOCUMENTO DE CONSULTA MODELO DE ABERTURA À INICIATIVA PRIVADA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DE LISBOA Fevereiro de 2014 AVISO: Este Documento de Consulta é exclusivamente informativo,

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE

PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE PROTOCOLO ENTRE O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E O MINISTÉRIO DA SAÚDE A promoção da educação para a saúde em meio escolar é um processo em permanente desenvolvimento para o qual concorrem os sectores da Educação

Leia mais

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012

Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 Resolução do Conselho de Ministros n.º 34/2012 A Resolução do Conselho de Ministros n.º 16/2012, de 14 de fevereiro, que aprova os critérios de determinação do vencimento dos gestores públicos, estabelece

Leia mais

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde

União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde União Europeia Acesso a cuidados de saúde Prestação de serviços de saúde Legislação da União Europeia Legislação nacional Jurisprudência TJUE Diretiva 2011/24 Proposta de Lei 206/XII Direitos e deveres

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

Inovação no Financiamento

Inovação no Financiamento Inovação no Financiamento José Mendes Ribeiro Covilhã,18 de Maio de 2007 UBI_JMR_Maio 2007 Três perguntas simples...... de resposta muito complexa! Quem financia, hoje, a SAÚDE? Onde é gasto o dinheiro?

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

Programa Operacional Regional do Algarve

Programa Operacional Regional do Algarve Programa Operacional Regional do Algarve Critérios de Seleção das Candidaturas e Metodologia de Análise Domínio Temático CI Competitividade e Internacionalização Prioridades de investimento: 11.2 Aprovado

Leia mais

Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt]

Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt] Portal da Hepatite C [hepc.infarmed.pt] Jorge Rodrigues 21 anos de serviço público com valores e ética [Portal da Hepatite C] Sumário 1. Importância do Portal da Hepatite C 2. Doente vs Anonimização 3.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor)

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA DOR (PENPCDor) 1. Introdução A dor é uma perceção pessoal que surge num cérebro consciente, tipicamente em resposta a um estímulo nóxico provocatório,

Leia mais

IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014

IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014 IMS Health Diabetes Mellitus Overview 2014 Portugal 2014 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas

Leia mais

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA

República de Angola DNME/MINSA/ ANGOLA DNME/MINSA/ ANGOLA 1 CONCEITO E ENQUADRAMENTO DA FARMÁCIA HOSPITALAR O Hospital é o local onde as intervenções mais diferenciadas, invasivas e salvadoras de vida devem ter lugar, constituindo-se, por isso

Leia mais

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE

CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE CONTRATO PROGRAMA AGRUPAMENTOS DE CENTROS DE SAÚDE Entre: A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO NORTE IP, representada pelo seu Presidente Prof. Doutor Fernando Araújo, com poderes para outorgar o acto,

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /XI/2ª Altera o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI), nos termos do artigo

Leia mais

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas

Programa Nacional para a Diabetes. Orientações Programáticas Programa Nacional para a Diabetes Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional de Controlo da Diabetes existe, em Portugal, desde a década de setenta, tendo sido atualizado e revisto

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

Combate à Fraude na Saúde

Combate à Fraude na Saúde Combate à Fraude na Saúde Estratégia adotada no Combate à Fraude Carla Costa, Adjunta do Ministro da Saúde Auditório da ACSS, IP Parque de Saúde de Lisboa, 22 de julho de 2015 Programa 1 - Estratégia 2

Leia mais

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO

ORDEM DOS FARMACÊUTICOS - RESPOSTA A PEDIDO DE CREDITAÇÃO Filipe Leonardo De: suporte@sensocomum.pt Enviado: terça-feira, 16 de Outubro de 2012 18:05 Para: mguedes.silva@mjgs.pt ; joanaviveiro@ordemfarmaceuticos.pt; joaomartinho@ordemfarmaceuticos.pt Assunto:

Leia mais

Alteração do mecanismo relativo ao limite máximo para a despesa com medicamentos nos acordos com a indústria farmacêutica;

Alteração do mecanismo relativo ao limite máximo para a despesa com medicamentos nos acordos com a indústria farmacêutica; 168 IV.12. Saúde (P012) IV.12.1. Políticas Os objetivos estratégicos e as prioridades do Ministério da Saúde (MS) para o ano de 2015 encontram-se explicitados em detalhe nas Grandes Opções do Plano para

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

FARMÁCIAS PORTUGUESAS

FARMÁCIAS PORTUGUESAS Abril de 2008 Maria da Luz Sequeira Praia - Cabo Verde, 25 Abril 2008 IX Congresso Mundial de Farmacêuticos de Língua Portuguesa FARMÁCIAS PORTUGUESAS Dados 1 FARMÁCIAS PORTUGUESAS Evolução do Número N

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA MEDIDA Versão:1 Data:28/10/2013 REDE RURAL NACIONAL NOTA INTRODUTÓRIA O desenvolvimento das fichas de medida/ação está condicionado, nomeadamente,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos.

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos. PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS Exposição de motivos. 1. Os medicamentos, no âmbito da política de saúde, assumem uma particular relevância não apenas pelos benefícios

Leia mais

PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE

PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE REGULAMENTO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Edição de 2013 1 Introdução: PBPS 2013 A edição do ano de 2013 do Prémio de Boas Práticas em Saúde- Qualidade e Inovação (PBPS)

Leia mais

Contratualização em Cuidados Continuados

Contratualização em Cuidados Continuados Um Outro Olhar sobre o Hospital Contratualização em Cuidados Continuados João Amado Santa Casa da Misericórdia de Portimão RNCCI o início O Decreto-Lei nº 101/2006 criou a Rede Nacional de Cuidados Continuados

Leia mais

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências

SICAD - Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências INFORMAÇÃO PARA POPH PROGRAMA OPERACIONAL DO POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA 3.6 QUALIFICAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE PRIORIDADES FORMATIVAS 2013

Leia mais

Os Serviços Partilhados do SUCH

Os Serviços Partilhados do SUCH Os Serviços Partilhados do SUCH ONI e-powered: 1ª Conferência sobre Soluções Integradas para o Sector Público 8 de Abril de 2008 Serviço de Utilização Comum dos Hospitais 7 áreas de negócio Todas operando

Leia mais

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD

PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE. Maria Candida Guedes de Oliveira Comisionada de la CNPD PROTEÇÃO DE DADOS NA INFORMAÇÃO DE SAÚDE Comisionada de la CNPD Novas Tecnologias na Saúde Perigos potenciais do uso da tecnologia: Enorme quantidade de informação sensível agregada Aumenta a pressão económica

Leia mais

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL

Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Reunião Nacional das Comissões de Ética PERSPECTIVAS FUTURAS DA INVESTIGAÇÃO CLÍNICA EM PORTUGAL Recursos Humanos Financiamento Condições Legais: Lei de Investigação Clínica Fundo para a Investigação em

Leia mais

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório

A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório A investigação participada de base comunitária na construção da saúde PROCAPS Resultados de um estudo exploratório Carta de Ottawa Promoção da saúde: Carta de Ottawa (1986) Processo que visa criar condições

Leia mais

Iniciativa de Água Potável e Saneamento

Iniciativa de Água Potável e Saneamento Banco Interamericano de Desenvolvimento Iniciativa de Água Potável e Saneamento Recife - PE, 11 de junho de 2007 Desde 1990 América Latina realizou avanços na provisão de água e saneamento... Coberturas

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Eixo Prioritário V Assistência Técnica

Eixo Prioritário V Assistência Técnica Eixo Prioritário V Assistência Técnica Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica no Âmbito da Delegação de Competências com os Organismos Intermédios na gestão dos

Leia mais

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação.

Assumir estas tarefas no contexto atual é, sem dúvida, um ato de coragem e de determinação. Discurso do Ministro da Saúde na tomada de posse do Bastonário e Órgãos Nacionais da Ordem dos Farmacêuticos 11 de janeiro de 2013, Palacete Hotel Tivoli, Lisboa É com satisfação que, na pessoa do Sr.

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 PROGRAMA CIDADANIA ATIVA 2013-16 FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN Luís Madureira Pires Lisboa, 22 de março de 2013 Enquadramento > O Mecanismo Financeiro EEE (MF/EEE) Desde a assinatura do acordo do Espaço

Leia mais

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE)

PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) PROGRAMA DE MELHORIA CONTÍNUA DA QUALIDADE DOS CUIDADOS DE ENFERMAGEM (PMCQCE) INSTITUIÇÃO Nome Morada Código Postal CONTEXTO PRÁTICA CLÍNICA ou UNIDADE DE SAÚDE FUNCIONAL Nome CONTATOS Enfermeiro(a) Chefe

Leia mais

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09)

R.N.C.C.I. Equipas Cuidados Continuados Integrados (Domiciliárias) 72 (Jan.09) R.N.C.C.I. Execução física até 31/12/2008 Capacidade da Rede Tipologia 2007 2008 Taxa Cresc. Convalescença 403 530 32,00% Média Duração e Reabilitação 646 922 43,00% Longa Duração e Manutenção 684 1325

Leia mais

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA EIXO PRIORITÁRIO VI ASSISTÊNCIA TÉCNICA Convite Público à Apresentação de Candidatura no Domínio da Assistência Técnica aos Organismos Intermédios Eixo Prioritário VI - Assistência Técnica Convite para

Leia mais

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: *

Diagnóstico de Situação em 2015. Diagnóstico de Situação em 2015 Prioridade II: Reforço da Segurança dos Doentes. Entidade: * Página 1 de 6 Entidade: * Centro Hospitalar do Porto, EPE Morada: Código Postal - N.º de camas: ARS: Tipologia: * ACES Hospital/Centro Hospitalar Unidade Local de Saúde PLANO DE ATIVIDADES Preenchimento

Leia mais

Consumo de Antidiabéticos

Consumo de Antidiabéticos Consumo de Antidiabéticos 2000-2013 Uma análise ao consumo e diferenças entre práticas médicas ao nível nacional e internacional Cláudia Furtado (Gabinete de Informação e Planeamento Estratégico) Rosália

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO MECANISMO DE APOIO À ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO Na sequência dos trabalhos desenvolvidos pelo Fórum para a Cooperação, implementado em 2008, e reconhecendo o papel que

Leia mais

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013

O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 O Desenvolvimento Local no período de programação 2014-2020 - A perspetiva do FSE - 10 de maio de 2013 Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 Conselho europeu 7 e 8 fevereiro 2013 Política de Coesão (Sub-rubrica

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1

POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS. luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS luciene@fortalnet.com.br 1 POLÍTICA? luciene@fortalnet.com.br 2 Política É um compromisso oficial expresso em um documento escrito. São decisões de caráter geral, destinadas

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES?

COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES? COMER DIFERENTE, COMER MELHOR: O QUE PODE A ORDEM DOS NUTRICIONISTAS FAZER PELA ALIMENTAÇÃO DOS PORTUGUESES? Alexandra Bento Bastonária da Ordem dos Nutricionistas O que pode a Ordem dos Nutricionistas

Leia mais

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde

O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde. Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde O COAP na perspectiva da gestão da Vigilância em Saúde Sonia Brito Secretaria de Vigilância em Saúde Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração

Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato. Mesa da Assembleia-geral. Não Aplicável. Conselho de Administração Modelo de Governo Cargo Órgãos Sociais Eleição Mandato Presidente Vice-Presidente Secretário Mesa da Assembleia-geral Não Aplicável Presidente Conselho de Administração Izabel Maria Nunes Rodrigues Daniel

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

MERCADO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM PORTUGAL

MERCADO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM PORTUGAL MERCADO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS EM PORTUGAL Elaborado por: Gabinete de Estudos e Projectos (GEP) Infarmed, I.P. Março 2014 1. Sumário Executivo Foi analisado o comportamento do mercado de medicamentos

Leia mais

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020

POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 INSTRUMENTOS FINANCEIROS NA POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 POLÍTICA DE COESÃO 2014-2020 A Comissão Europeia aprovou propostas legislativas no âmbito da política de coesão para 2014-2020 em outubro de 2011

Leia mais

Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia

Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia Questões Frequentes sobre Medicamentos de dispensa exclusiva em farmácia 1- O que são Medicamentos sujeitos a receita médica de dispensa exclusiva em farmácia (MSRM-EF)? É uma sub-categoria dos Medicamentos

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento

Programa Nacional de Diagnóstico Pré-Natal Contratualização Processo de Monitorização e Acompanhamento Introdução A saúde materna e infantil em Portugal tem vindo a registar melhorias significativas nos últimos anos, verificando-se expressiva diminuição das taxas de mortalidade perinatal e infantil por

Leia mais

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV

Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Bruno de Oliveira Sawan Rodrigo Ribeiro Incretinomiméticos e inibidores de DPP-IV Liga de Diabetes - UNIUBE GLP-1 GLP-1 é normalmente produzido pelas células neuroendócrinas L da mucosa intestinal Sua

Leia mais