Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo 4: Gerenciamento de Dados"

Transcrição

1 Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não conseguiria sobreviver ou ter sucesso sem dados de qualidade sobre suas operações internas e seu ambiente externo. Os gerentes precisam praticar a administração de recursos de dados uma atividade administrativa que aplica tecnologia de sistemas de informação como gerenciamento de bancos de dados e outras ferramentas gerenciais para uma organização atender as necessidades de informação dos usuários. BASE DE DADOS Conjunto de dados armazenados logicamente Conteúdo representa o estado atual de uma determinada aplicação Modelo de uma determinada parte da realidade Propriedades de uma Base de Dados Coleção de dados logicamente relacionados, Projetada e construída para um propósito específico, Concebida para atender a um grupo de usuários, Representação de algum aspecto do mundo real, Qualquer mudança na realidade provocará mudanças nesta base, Possui alguma fonte de dados. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS DE DADOS Os gerentes que são usuários finais devem encarar os dados como um recurso importante que eles precisam aprender a manejar adequadamente para garantir o sucesso e sobrevivência de suas organizações. O gerenciamento de bancos de dados é uma aplicação importante da tecnologia de sistemas de informação à administração de recursos de dados de uma empresa. A administração de recursos de dados inclui: Administração de Bancos de Dados É uma importante função de gerenciamento de recursos de dados responsável pelo uso adequado da tecnologia de gerenciamento de bancos de dados. A administração de bancos de dados possui mais responsabilidades operacionais e técnicas do que outras funções de gerenciamento de recursos de dados. Isto inclui responsabilidade pelo: Desenvolvimento e manutenção do dicionário de dados da organização Projeto e monitoração do desempenho dos bancos de dados Aplicação de padrões para uso e segurança dos bancos de dados. Planejamento de Dados O planejamento de dados é uma função de planejamento e análise empresarial que se concentra no gerenciamento de recursos de dados. Ela inclui a responsabilidade pelo:

2 2 Desenvolvimento de uma arquitetura global de dados para os recursos de dados da empresa vinculada à missão e planos estratégicos da empresa e aos objetivos e processos de suas unidades de negócios. O planejamento de dados é um componente importante do processo de planejamento estratégico de uma organização. Ele é feito por organizações que assumiram um compromisso formal com o planejamento de longo alcance para o uso e administração estratégicos de seus recursos de dados. Administração de Dados É outra função da administração de recursos de dados. Ela envolve: O estabelecimento e execução de políticas e procedimentos para gerenciamento de dados como um recurso estratégico das empresas. A administração da coleta, armazenamento e disseminação de todos os tipos de dados de tal forma que os dados se tornem um recurso padronizado disponível para todos os usuários finais na organização. O planejamento e controle de dados no apoio às funções e objetivos estratégicos de uma organização. O estabelecimento de uma atividade de planejamento de dados para a organização. O desenvolvimento de políticas e definição de padrões para arranjos de concepção, processamento e segurança e seleção do software para gerenciamento de bancos de dados e dicionário de dados. ELEMENTOS LÓGICOS DOS DADOS Caracter É o elemento de lógico mais básico dos dados. Consiste em um único símbolo alfabético, numérico ou outro. Campo É a menor unidade de informação existente em um arquivo de banco de dados. Consiste em um grupamento de caracteres. Um campo de dados representa um atributo (uma característica ou qualidade número, nome, cep...) de alguma entidade (objeto, pessoa, lugar ou evento produto, aluno, cidade, inscrição...). Tipos de campos: Simples: são aqueles que possuem uma única opção. Ex: Identidade. Determinante: garante a unicidade de cada ocorrência. Ex: Matrícula. Composto: pode ser dividido em outros atributos. Ex: Endereço (Rua + Número + Bairro + Cidade). Registro Conjunto de campos. Campos de dados afins são agrupados para formarem um registro, que representa uma coleção de atributos que descrevem uma entidade. Exemplo: um registro de um aluno pode ter os seguintes campos: matrícula, nome, telefone, cidade, além de outros. Chave Uma chave permite a distinção dos registros de uma tabela. Pode ser formada por um campo ou um conjunto de campo (chaves compostas). Uma chave primária determina a ordem dos registros dentro da tabela.

3 3 Exemplo: a matrícula é diferente para cada aluno não existem 2 alunos com a mesma matrícula. Portento, além do cpf, a matrícula pode ser o campo chave da tabela aluno. Tipos de Chaves Chave Primária: É o atributo ou grupamento de atributos cujo valor identifica unicamente um registro dentre todas as outras de uma identidade. Chave Candidata: É o atributo ou grupamento de atributos que tem a propriedade de identificação única. Pode vir a ser a chave primária. Chave Estrangeira: Atributo de uma entidade que é a chave primária de outra entidade. Chave Composta ou Concatenada: É formada pelo grupamento de mais de um atributo. Tabela Representam as estruturas de armazenamento de dados dos sistemas. Um grupo de registros afins é conhecido como uma tabela de dados. Exemplos: tabela dos clientes, tabela dos fornecedores e tabela dos produtos. Arquivo Várias tabelas que se relacionam podem formar um arquivo. Os arquivos muitas vezes são classificados pelo tipo de dados que contêm, tais como um arquivo de folha de pagamento ou um arquivo de estoque, etc. Os arquivos também podem ser classificados pelo seu tipo, como cadastro e movimento. O arquivo cadastro contém os dados básicos de determinada entidade e pode ficar períodos sem armazenamento novo, O arquivo movimento pode ser manipulado a todo instante. Exemplo: Num banco de dados de uma clínica médica pode conter uma tabela cadastro dos médicos e uma tabela movimento consulta contendo os dados que são armazenados a todo instante sobre as consultas realizadas diariamente. Banco de Dados É um conjunto integrado de registros logicamente afins. Representa o arquivo físico de dados, armazenado em dispositivos periféricos, para consulta e atualização pelo usuário. Possui uma série de informações relacionadas a um determinado assunto. Um banco de dados consolida registros previamente armazenados em arquivos separados em uma fonte comum de registros de dados. Os dados armazenados em um banco de dados são independentes dos programas aplicativos que os utilizam e do tipo de dispositivos de armazenamento secundário nos quais estão armazenados. Dado É o valor do campo quando é armazenado no Banco de Dados. Exemplo. O valor do campo "nome do cliente" para quem está entrando com os dados. Informação É o valor que este campo representa para as atividades da empresa. Exemplo. Resposta a uma consulta: Qual os nomes dos clientes do Estado de São Paulo?

4 SGBD (SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE BASE DE DADOS) ou DBMS (Data Base Management System) Software responsável pelo gerenciamento dos dados no Banco de Dados. É uma coleção de programas que permitem aos usuários: definirem, construírem e manipularem uma base de dados. 4 A abordagem do gerenciamento de bancos de dados envolve três atividades básicas: Definir: especificação de tipos de dados a serem armazenados. Construir: armazenamento dos dados em algum meio controlado pelo SGBD. Manipular: utilização de funções para consulta, recuperação de dados, modificação da base nas mudanças na realidade e geração de relatórios. O SGBD funciona como uma interface de software entre usuários e bancos de dados. Dessa forma, o gerenciamento de bancos de dados envolve o uso de software de gerenciamento de bancos de dados para controlar como os bancos de dados são criados, consultados e mantidos para fornecerem as informações necessitadas por usuários finais e suas organizações. CAPACIDADES DO SGBD Eliminação de Redundâncias Possibilita a eliminação de dados privativos de cada sistema. Os dados comuns a mais de um sistema são compartilhados por eles, permitindo o acesso a uma única informação por vários sistemas. Eliminação de Inconsistências Armazenamento da informação em um único local com acesso descentralizado e compartilhado por vários sistemas. A inconsistência ocorre quando um mesmo campo tem valores diferentes em sistemas diferentes. Compartilhamento dos Dados Permite a utilização simultânea e segura de um dado, por mais de uma aplicação ou usuário. Deve ser observado apenas o processo de atualização simultâneo do mesmo campo ou registro, para não gerar erros de processamento. Restrições de Segurança Define para cada usuário o nível de acesso a ele concedido ao arquivo e/ou campo (leitura, leitura e gravação ou sem acesso). Este recurso impede que pessoas não autorizadas utilizem um determinado arquivo. Padronização dos Dados Permite que os campos armazenados na base de dados sejam padronizados segundo um determinado formato de armazenamento segundo critérios preestabelecidos pela empresa. Independência dos Dados Representa a forma física de armazenamento dos dados e a recuperação das informações pelos programas. Quando há inclusão de novos campos no arquivo, será feita manutenção apenas nos programas que utilizam esses campos, não sendo necessário mexer nos demais programas.

5 5 Manutenção da Integridade Consiste em impedir que um determinado código ou chave em uma tabela não tenha correspondência em outra tabela. Fornecimento de backup e restauração Realização de cópias de segurança completas ou incrementais sempre que necessário, de acordo com a necessidade. Os quatro maiores usos de um SGBD incluem: Desenvolvimento de Bancos de Dados Consulta de Bancos de Dados Manutenção de Bancos de Dados Desenvolvimento de Aplicações a. Desenvolvimento de Bancos de Dados Desenvolver bancos de dados pequenos e pessoais é relativamente fácil utilizando-se pacotes SGBD para microcomputador. Entretanto, desenvolver um grande banco de dados pode ser uma tarefa complicada. Em muitas empresas, desenvolver e gerenciar bancos de dados empresariais são responsabilidades principais do administrador do banco de dados (DBAs) e dos analistas de projeto de bancos de dados. Isto melhora a integridade e segurança dos bancos de dados organizacionais. Pacotes de gerenciamento de bancos de dados permitem aos usuários finais desenvolverem seus próprios bancos de dados. No desenvolvimento de bancos de dados, uma linguagem de definição de dados (DDL) é utilizada para desenvolver e especificar o conteúdo, relações e estruturas dos dados em cada banco de dados e para modificar suas especificações sempre que necessário. Essas informações são catalogadas e armazenadas em um banco de dados de definições e especificações de dados chamado dicionário de dados. b. Consulta do Bancos de Dados A capacidade de consulta é um benefício maior de um SGBD. Os usuários finais podem pedir informações de um banco de dados utilizando uma linguagem de consulta ou um gerador de relatórios. Características de uma linguagem de consulta: Os usuários recebem uma resposta imediata na forma de telas de vídeo. Não é necessária nenhuma programação complexa. Os usuários podem obter respostas imediatas a pedidos específicos. Exemplo: Quais clientes compraram produtos eletrônicos na cidade do Rio de Janeiro no mês de maio e pagaram à vista? Características de um gerador de relatórios: Os usuários recebem uma resposta imediata na forma relatórios impressos. Não é necessária nenhuma programação complexa. Os usuários podem especificar um formato padronizado de relatório para as informações que desejam.

6 6 c. Manutenção de Bancos de Dados Os gerentes precisam de informações precisas para tomar decisões eficazes. Quanto mais precisa, relevante e oportuna for a informação, melhor será o gerenciamento informado ao se tomar decisões. Dessa forma, os bancos de dados de uma organização precisam ser constantemente atualizados para refletirem as novas transações empresariais e outros eventos. Este processo de manutenção de bancos de dados é acompanhado por programas de processamento de transações e outros pacotes de aplicativos para o usuário final, com o apoio do SGBD. d. Desenvolvimento de Aplicações O desenvolvimento de aplicações se torna mais fácil por meio de formulações em linguagem de manipulação de dados (DML) que podem ser incluídas em programas de aplicativos para permitir que o SGBD realize as atividades necessárias de manipulação de dados. Programadores podem também utilizar a linguagem interna de programação fornecida por muitos pacotes SGBD ou um gerador embutido de aplicativos para desenvolver programas de aplicação complexos. TIPOS DE DADOS O tipo escolhido dependerá da natureza da informação que você deseja. Texto Armazena caracteres alfanuméricos (texto e número). É o tipo indicado para armazenar informações que não requerem cálculo. Exemplo: nome de pessoas ou endereços. Obs: cep , cpf , telefone (24) são texto, pois além de números possuem parênteses, traços, pontos. Memorando Armazena caracteres, no entanto, ele é utilizado para aguardar grandes blocos de texto que são divididos em parágrafos. Número Armazena valores numéricos inteiros ou fracionários. Este tipo deverá ser escolhido como padrão quando desejarmos efetuar cálculos com os campos. Data/Hora Faz com que o banco de dados trate os caracteres como datas ou horas, dependendo da forma como serão digitados. Moeda O tipo de dados Moeda tem todas características de um dado do tipo numérico, porém com acréscimo do símbolo monetário. Exemplo: R$ AutoNumeração Utilizado para contagem de registros. A cada registro inserido na tabela ele é automaticamente incrementado em um valor por parte do próprio software. Sim/Não Permite a entrada de valores dos tipos: Sim ou Não, Verdadeiro ou Falso, Certo ou Errado.

7 O Sim seria uma caixa de seleção preenchida com O Não seria uma caixa de seleção vazia. 7 Objeto OLE Esse tipo de dado é uma grande vantagem do ambiente gráfico Windows, pois você pode definir que o dado seja uma imagem gráfica. Ex: associar à ficha dos funcionários uma foto do mesmo. Hiperlink É um tipo de campo que irá armazenar um texto que permite saltar para um arquivo, um local em um arquivo, uma página HTML na Web. Exemplo: Assistente de pesquisa Cria um campo que permite que você escolha um valor a partir de uma tabela ou de uma lista de valores, utilizando uma caixa de combinação. No caso do sexo do cliente, ao invés de digitar, escolha as opções existentes. ESTRUTURAS DOS BANCOS DE DADOS: As relações entre os muitos registros individuais nos bancos de dados são baseadas em uma das diversas estruturas ou modelos lógicos de dados. Os SGBD são projetados para fornecer aos usuários finais acesso rápido e fácil a informações armazenadas em bancos de dados. As cinco estruturas de bancos de dados fundamentais são: Estrutura Hierárquica Os primeiros pacotes SGBD para computador central utilizavam a estrutura hierárquica, na qual: As relações entre os registros formam uma hierarquia ou estrutura de tipo árvore. Os registros são dependentes e dispostos em estruturas de níveis múltiplos, que consistem em um registro raiz e qualquer número de níveis subordinados. As relações entre os registros são de um-para-muitos, já que cada elemento de dados se relaciona apenas com um elemento acima dele. O elemento de dados ou registro no nível mais alto da hierarquia é chamado de elemento raiz. Todo elemento de dados pode ser acessado passando-se progressivamente para baixo a partir da raiz e ao longo dos ramos da árvore até que o registro desejado seja localizado. VANTAGENS Facilidade com que os dados podem ser armazenados e recuperados em tipos estruturados e rotineiros de transações. Facilidade com que os dados podem ser extraídos para fins de apresentação de relatórios. Os tipos estruturados e rotineiros de processamento de transações são rápidos e eficientes. DESVANTAGENS Relações hierárquicas um-para-muitos devem ser estipuladas de antemão e não são flexíveis. Não pode manipular facilmente requisições de informação específica. A modificação de uma estrutura hierárquica de bancos de dados é complexa. Muita redundância. Exige conhecimento de uma linguagem de programação.

8 Estrutura em Rede Pode representar relações lógicas mais complexas e ainda é utilizada por muitos pacotes SGBD de computador central. Permite relações de muitas-para-muitas entre os registros. Em outras palavras, o modelo em rede pode acessar um elemento de dados seguindo um dentre vários caminhos, porque qualquer elemento ou registro de dados pode ser relacionado com qualquer número de outros elementos de dados. VANTAGENS Mais flexível que o modelo hierárquico. Capacidade de fornecer relações lógicas sofisticadas entre os registros. DESVANTAGENS As relações muitos-a-muitos em rede devem ser estipuladas de antemão. O usuário está limitado a recuperar dados que podem ser acessados utilizando os links estabelecidos entre os registros. Não pode manipular facilmente requisições de informação específica. Exige conhecimento de uma linguagem de programação. 8 Estrutura Relacional Tornou-se a mais popular das três estruturas de bancos de dados. É utilizada pela maioria dos pacotes SGBD para microcomputadores. Os elementos dos dados dentro do banco de dados são armazenados na forma de tabelas simples. As tabelas são relacionadas se incluírem campos comuns. Os pacotes SGBD baseados no modelo relacional podem vincular elementos de dados de várias tabelas para fornecer informações para os usuários. VANTAGENS Flexível uma vez que pode manipular requisições de informação específica. Os programadores trabalham facilmente com ela. Os usuários finais podem utilizar este modelo com pouco esforço ou treinamento. Mais fácil para manutenção do que os modelos hierárquico e em rede. DESVANTAGENS Não pode processar grandes quantidades de transações empresariais tão depressa e com tanta eficiência como os modelos hierárquico e em rede. Estrutura Multidimensional É uma variação do modelo relacional que utiliza estruturas multidimensionais para armazenar dados e relações entre os dados. Um benefício maior dos bancos de dados multidimensionais é que eles são uma maneira compacta e inteligível de visualizar e manipular elementos de dados que possuem muitas inter-relações. Os bancos de dados multidimensionais se tornaram a estrutura mais popular para os bancos de dados analíticos que suportam aplicações de processamento analítico on-line (OLAP). VANTAGENS

9 9 Forma compacta e de fácil compreensão para visualização e manipulação de elementos de dados que possuem muitas inter-relações. Suporta aplicações OLAP na qual respostas rápidas para consultas empresarias complexas são requisitas. DESVANTAGENS Não desenvolvida atualmente para amplo uso de aplicações empresariais. Estrutura Baseada em Objetos É considerada como uma das tecnologias chaves de uma nova geração de aplicativos multimídia baseados na rede. Em uma estrutura baseada em objetos, um objeto consiste em valores de dados que descrevem os atributos de uma entidade, mais as operações que podem ser executadas sobre os dados. Esta capacidade de sintetização permite manipular melhor tipos mais complexos de dados (gráficos, voz, texto) do que outras estruturas de bancos de dados. Suporta herança, ou seja, novos objetos podem ser automaticamente criados mediante a reprodução de algumas ou todas as características de um ou mais objetos pais. As capacidades e herança dos objetos tornaram populares os sistemas de gerenciamento de bancos de dados orientados a objetos (OOSGBD) nas aplicações do projeto assistido por computador (CAD). Os projetistas podem desenvolver desenhos de produtos, armazená-los como objetos em um banco de dados baseado em objetos e reproduzi-los e modificá-los para criar novos desenhos de produto. As aplicações de multimídia baseadas em rede para a Internet e intranets e extranets se tornaram uma área de aplicação importante para a tecnologia de objetos. VANTAGENS Manipula tipos complexos de dados (gráficos, imagens, voz e texto) melhor do que outras estruturas. Relativamente fácil de utilizar. Tecnologia chave sendo utilizada em aplicações de multimídia baseadas na rede para a Internet e intranets e extranets empresariais. Suporta herança novos objetos podem ser automaticamente criados mediante a reprodução de algumas ou de todas as características de um ou mais objetos pais. DESVANTAGENS Não desenvolvida atualmente para amplo uso empresarial. TIPOS DE BANCOS DE DADOS: Avanços contínuos na informática e suas aplicações empresariais têm resultado na evolução de diversos tipos principais de bancos de dados. Algumas categorias conceituais importantes de bancos de dados que podem ser encontradas nas organizações usuárias de computadores. Figura 23: Principais Tipos de Banco de Dados Fonte: O BRIEN, 2004.

10 10 Bancos de Dados Operacionais: Esses bancos de dados armazenam dados detalhados necessários para apoiar as operações da organização como um todo. Eles também são chamados de bancos de dados de produção. São exemplos os bancos de dados de clientes, bancos de dados de pessoal, bancos de dados de estoque e outros bancos de dados contendo dados gerados pelas operações empresariais. Bancos de Dados em Hipermídia na Rede: O rápido crescimento dos sites na Internet e intranets e extranets tem aumentado drasticamente o uso de bancos de dados em documentos em hipertexto e hipermídia. Um site de rede armazena essas informações em um banco de dados em hipermídia que consiste em uma homepage e outras páginas de multimídia ou mídias mistas (texto, som, etc.) com hiperlinks. Data Warehouse e Data Mining: Data Warehouse Um data warehouse armazena dados do ano em curso e anos anteriores que foram extraídos dos vários bancos de dados operacionais e gerenciais de uma organização. É uma fonte central de dados que foram classificados, editados, padronizados e integrados de tal forma que podem ser utilizados por gerentes e outros profissionais usuários finais ao longo de toda uma organização. Data Mining No data mining, os dados de um depósito de dados são processados para identificar fatores e tendências chaves nos padrões históricos das atividades das empresas que podem ser utilizados para ajudar os gerentes a tomarem decisões sobre mudanças estratégicas nas operações das empresas para obter vantagens competitivas no mercado. Através do Data Mining podemos fazer uma mineração de dados e personalizar cada cliente, levantando quais são suas tendências de compras e antecipar a venda, fazendo uma oferta para ele antes que ele procure a empresa. MODELAGEM DE DADOS (Estrutura Relacional) MINI MUNDO: Descrição formal da realidade a ser representada. Exemplo: suponhamos que uma empresa funcione assim: Cada Empregado pode fazer vários Pedidos Cada Pedido pode ser feito por um único Empregado O Empregado é cadastrado pelo Cpf, Nome e Endereço O Pedido é armazenado por um Número único, sua Data e Situação Não existem 2 Pedidos com o mesmo Número Cada Pedido pode conter muitos Materiais Cada Material pode estar contido em inúmeros Pedidos Cada Pedido pode conter quantidades diferentes para cada Material Cada Material é registrado por um Código único, Descrição e Tipo. Não existem 2 Materiais com o mesmo Código.

11 No final da Apostila vamos apresentar um possível Mini Mundo da AEDB, fazer um estudo completo e dar o resultado final com tabelas e relacionamentos para o Mini Mundo apresentado. Relacionamentos As tabelas se relacionam através das chaves principais e estrangeiras. As chaves secundárias são aquelas que são principais em uma tabela e são colocadas em outra tabela para que haja um relacionamento. 11 RELACIONAMENTO 1 para N Suponhamos que nós tenhamos as seguintes tabelas: Cliente e Pedido No exemplo acima, temos o seguinte: A tabela Cliente possui os seguintes campos ou atributos: Cpf, Nome, Fone e Cep. Não existem dois Clientes com o mesmo Cpf, por isso o campo Cpf foi escolhido para ser a chave principal. A tabela Pedido possui os seguintes campos ou atributos: Número, Data e Situação (que pode ser: atendido, pendente, cancelado, alterado, etc...) Não existem dois Pedidos com o mesmo Número, por isso o campo Número foi escolhido para ser a chave principal. Os nomes da tabela devem estar em maiúsculo As chaves principais estão com sublinhado simples e em negrito.

12 12 Para que uma tabela se relacione com a outra, é necessário que a chave principal de uma tabela esteja no outra tabela, como chave secundária. Devemos considerar ainda o seguinte no raciocínio: Um Cliente pode fazer muitos (N) Pedidos. Cada Pedido pode ser feito por um único (1) Cliente REGRA do 1 para N Então, a tabela Cliente está com o 1 e a tabela Pedido está com o N A tabela que está com o 1 envia sua chave principal para ser a chave estrangeira na tabela que está com o N. A tabela que está com o N recebe a chave principal da tabela que está com o 1. Portanto, a tabela Pedido recebe o campo Cpf-Cliente para ser sua chave estrangeira. Layout de Relacionamento A chave estrangeira está representada pelo sublinhado duplo. As duas tabelas estão relacionadas pelo campo Cpf-Cliente. O 1 e o N indicam que 1 Cliente pode fazer muitos (N) Pedidos. 1 e N são chamados de Cardinalidade. Cardinalidades A chave principal fica com a cardinalidade 1, enquanto que a chave estrangeira fica com a cardinalidade N. Se fosse colocada a chave principal da TAB-PEDIDO (Número-Pedido) na TAB-CLIENTE como chave estrangeira, a situação absurda seria a seguinte: Cada Cliente só poderia fazer um único Pedido. Cada Pedido poderia ser feito por vários Clientes. Esquema de Tabelas O Layout de Relacionamento acima poderia ser representado conforme um Esquema de Tabelas, como veremos a seguir: TAB-CLIENTE (Cpf-Cliente, Nome-Cliente, Fone-Cliente, Cep-Cliente) TAB-PEDIDO (Número-Pedido, Data-pedido, Situação-Pedido, Cpf-Cliente)

13 Tanto no Layout de Relacionamentos como no Esquema de Tabelas, o nome de cada campo fica acompanhado do nome da tabela (Nome-Cliente) pelo seguinte motivo: - No caso de uma consulta por qualquer usuário, fica fácil de identificar se o Nome é do Cliente, do Produto, do Funcionário, do Fornecedor, etc RELACIONAMENTO N para N Mini Mundo: Cada Produto é distribuído por vários (N) Fornecedores. Cada Fornecedor pode distribuir vários (N) Produtos. Cada Produto tem um Preço diferente para cada Fornecedor O Produto é cadastrado por Código e Descrição. Não existem 2 Produtos com o mesmo Código O Fornecedor é cadastrado por Cnpj e Nome. Não existem 2 Fornecedores com o mesmo Cnpj REGRA do N para N É criada uma tabela entre as tabelas Produto e Fornecedor com qualquer nome. No caso abaixo, demos o nome de TAB-DISTRIBUIÇÃO. A tabela Distribuição recebe a chave principal das 2 tabelas que a enquadram. As 2 chaves juntas ficam sendo a chave principal da tabela Distribuição e não chave estrangeira. A tabela Distribuição se relaciona com as outras duas tabelas pelos campos chaves. Layout de Relacionamentos

14 14 Esquema de Tabelas TAB-FORNECEDOR (Cnpj-Fornec, Nome-Fornec) TAB-DISTRIBUIÇÃO (Cnpj-Fornec, Código-Prod, Preço-Distrib) TAB-PRODUTO (Código-Prod, Descrição-Prod) Obs: A TAB-PRODUTOS está relacionada com a TAB-DISTRIBUIÇÃO pelo campo Código- Prod A TAB-DISTRIBUIÇÃO está relacionada com a TAB-FORNECEDOR pelo campo Cnpj- Fornec RESPOSTA DO MINI MUNDO DA AEDB Mini Mundo da AEDB Cada aluno pertence a um curso, que por sua vez pode ter vários alunos. O curso é armazenado por um código único e pelo seu nome. Os alunos são cadastrados pela matrícula, nome e endereço. Não existem 2 alunos com a mesma matrícula. Cada curso possui algumas disciplinas que são identificadas por um controle único e pela sua descrição. A mesma disciplina pode ser lecionada em outros cursos em dias diferentes. Cada professor pode ministrar mais de uma disciplina, mas cada disciplina só pode ser lecionada por um único professor. CPF, nome e telefone são os atributos de cada professor. Resposta: Layout de Relacionamentos

15 15. Resposta: Esquema de Tabelas TAB-ALUNO (Matrícula-Alu, Nome-Alu, Rua-Alu, Bairo-Alu, Cep-Alu, Código-Cur) TAB-CURSO (Código-Cur, Descrição-Cur) TAB-AULAS (Código-Cur, Controle-Dis, Dias-Aula) TAB-DISCIPLINA (Controle-Dis, Descrição-Dis, Cpf-Prof) TAB-PROFESSOR (Cpf-Prof, Nome-Prof, Tel-Prof) Referências: O BRIEN. James A. Sistemas de Informação e as decisões gerenciais na era da Internet. 2 ed. São Paulo: Saraiva, SANTOS, Miguel C. Damasco. Banco de Dados. Resende: AEDB, FIM

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados

UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados UD 4: Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados 1 Assunto 1: Conceitos 1. BASE DE DADOS conjunto de dados armazenados logicamente conteúdo representa o estado atual de uma determinada aplicação modelo

Leia mais

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados.

CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. CAPÍTULO 5. Introdução ao Gerenciamento de Bancos de Dados. VISÃO GERAL DO CAPÍTULO O objetivo do capítulo é enfatizar o gerenciamento dos recursos de dados de organizações que utilizam computadores. O

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados

SISTEMA DE BANCO DE DADOS. Banco e Modelagem de dados SISTEMA DE BANCO DE DADOS Banco e Modelagem de dados Sumário Conceitos/Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Arquiteturas de um Sistema Gerenciador... 5 3. Componentes de um Sistema... 8 4. Vantagens

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

Bases de Dados aplicadas a Inteligência de Negócios

Bases de Dados aplicadas a Inteligência de Negócios Agenda Bases de Dados aplicadas a Inteligência de Negócios Professor Sérgio Rodrigues professor@sergiorodrigues.net Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados (SGBD) Tipos de Banco de Dados Noções de

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS

SISTEMA GERENCIADOR DE BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SISTEMA GERENCIADOR

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

ESTRATÉGIAS E TÉCNICAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS. Resumo: O uso de TI é uma tendência na gestão atual das empresas, tendo como

ESTRATÉGIAS E TÉCNICAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS. Resumo: O uso de TI é uma tendência na gestão atual das empresas, tendo como ESTRATÉGIAS E TÉCNICAS DE GERENCIAMENTO DE BANCO DE DADOS Iremar Nunes de Lima 1 Pablo Achilles Guimarães 2 Resumo: O uso de TI é uma tendência na gestão atual das empresas, tendo como objetivo simplificar,

Leia mais

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados

Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados. Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 2 1 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 3 Exemplo de Necessidade de Modelagem de Dados 4 2 Exemplo de

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados

Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e de bancos de dados slide 1 1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Como um banco de dados

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação ão? Como um sistema de gerenciamento

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP

Banco de Dados. Introdução. João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai. jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Banco de Dados Introdução João Eduardo Ferreira Osvaldo Kotaro Takai jef@ime.usp.br DCC-IME-USP Importância dos Bancos de Dados A competitividade das empresas depende de dados precisos e atualizados. Conforme

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados.

Hoje é inegável que a sobrevivência das organizações depende de dados precisos e atualizados. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Hoje é

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt

INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS. Prof. Ronaldo R. Goldschmidt INTRODUÇÃO E CONCEITOS BÁSICOS Prof. Ronaldo R. Goldschmidt Hierarquia Dado - Informação - Conhecimento: Dados são fatos com significado implícito. Podem ser armazenados. Dados Processamento Informação

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS

ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS. usuário 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS ESTUDOS DE BANCO DE DADOS I - CONCEITO BÁSICOS 1- SISTEMAS DE PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS - Redundância e inconsistência - Problema de integração - Associação a aplicações - Dificuldade de acesso ( solicitações

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Banco de Dados I Ementa:

Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados I Ementa: Banco de Dados Sistema Gerenciador de Banco de Dados Usuários de um Banco de Dados Etapas de Modelagem, Projeto e Implementação de BD O Administrador de Dados e o Administrador

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos:

Tela Inicial: O Banco de Dados e seus objetos: Access 1 Tela Inicial: 2 ÁREA DE TRABALHO. Nosso primeiro passo consiste em criar o arquivo do Access (Banco de Dados), para isto utilizaremos o painel de tarefas clicando na opção Banco de Dados em Branco.

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD)

MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) AULA 07 MATERIAL DIDÁTICO: APLICAÇÕES EMPRESARIAIS SISTEMA DE APOIO À DECISÃO (SAD) JAMES A. O BRIEN MÓDULO 01 Páginas 286 à 294 1 AULA 07 SISTEMAS DE APOIO ÀS DECISÕES 2 Sistemas de Apoio à Decisão (SAD)

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista

Banco de Dados Capítulo 1: Introdução. Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista Banco de Dados Capítulo 1: Introdução Especialização em Informática DEINF/UFMA Cláudio Baptista O que é um Banco de Dados (BD)? É uma coleção de dados relacionados e armazenados em algum dispositivo. Propriedades

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados

05/06/2012. Banco de Dados. Gerenciamento de Arquivos. Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Banco de Dados Gerenciamento de Arquivos Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelos de Dados Gerenciamento de Arquivos Gerenciamento de Arquivos 1 Gerenciamento de Arquivos Em uma indústria são executadas

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Revisão de Banco de Dados

Revisão de Banco de Dados Revisão de Banco de Dados Fabiano Baldo 1 Sistema de Processamento de Arquivos Antes da concepção dos BDs o registro das informações eram feitos através de arquivos. Desvantagens: Redundância e Inconsistência

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Banco de Dados. Microsoft Access

Banco de Dados. Microsoft Access Banco de Dados Microsoft Access PARTE 01 edição 2007 Índice 01-) Conceito... 2 02) Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional (SGBDR)... 3 03) Access... 3 04) Etapas para elaboração de um Banco de

Leia mais

Laboratório de Banco de Dados

Laboratório de Banco de Dados Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Banco de Dados Prof. Clóvis Júnior Laboratório de Banco de Dados Conteúdo Administração de Usuários de Papéis; Linguagens

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Modelagem de Sistemas de Informação

Modelagem de Sistemas de Informação Modelagem de Sistemas de Informação Professora conteudista: Gislaine Stachissini Sumário Modelagem de Sistemas de Informação Unidade I 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO...1 1.1 Conceitos...2 1.2 Objetivo...3 1.3

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

DATA WAREHOUSE. Introdução

DATA WAREHOUSE. Introdução DATA WAREHOUSE Introdução O grande crescimento do ambiente de negócios, médias e grandes empresas armazenam também um alto volume de informações, onde que juntamente com a tecnologia da informação, a correta

Leia mais

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc.

04/08/2012 MODELAGEM DE DADOS. PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS. Aula 1. Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. MODELAGEM DE DADOS PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO, M.Sc. @ribeirord MODELAGEM DE DADOS Aula 1 Prof. Rafael Dias Ribeiro. M.Sc. @ribeirord 1 Objetivos: Apresenta a diferença entre dado e informação e a importância

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados

Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados CONCEITOS Modelo de Dados Conjunto de conceitos que podem ser usados para descrever a estrutura de um banco de dados Tipos de dados, relacionamentos e restrições Operações dinâmicas alto nível: ou modelo

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Lembrando... Aula 4 1 Lembrando... Aula 4 Sistemas de apoio

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br

Data Warehousing. Leonardo da Silva Leandro. CIn.ufpe.br Data Warehousing Leonardo da Silva Leandro Agenda Conceito Elementos básicos de um DW Arquitetura do DW Top-Down Bottom-Up Distribuído Modelo de Dados Estrela Snowflake Aplicação Conceito Em português:

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática.

Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. Documento de Requisitos Projeto SisVendas Sistema de Controle de Vendas para Loja de Informática. 1 Introdução 1.1 Propósito O propósito deste documento de especificação de requisitos é definir os requisitos

Leia mais

Banco de Dados - Senado

Banco de Dados - Senado Banco de Dados - Senado Introdução Ilka Kawashita Material preparado :Prof. Marcio Vitorino Ementa do Curso n Banco de Dados n Sistemas de Apoio à Decisão (SAD) n ORACLE BANCO DE DADOS (BD) n Modelo Entidade

Leia mais

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos

Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE. Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Unidade II ADMINISTRAÇÃO DE BANCOS DE DADOS Prof. Luiz Fernando de Lima Santos Modelagem de Dados Coleção de ferramentas conceituais para descrever dados, suas relações e restrições Modelo Conceitual:

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Definição

Introdução à Banco de Dados. Definição Universidade Federal da Bahia Departamento de Ciência da Computação (DCC) Disciplina: Banco de Dados Profª. Daniela Barreiro Claro Introdução à Banco de Dados Definição Um banco de dados é uma coleção

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados

Chapter 3. Análise de Negócios e Visualização de Dados Chapter 3 Análise de Negócios e Visualização de Dados Objetivos de Aprendizado Descrever a análise de negócios (BA) e sua importância par as organizações Listar e descrever brevemente os principais métodos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere

LISTA DE EXERCÍCIOS. 1. Binário: Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere 1. Binário: LISTA DE EXERCÍCIOS Bit: Menor unidade de dados; dígito binário (0,1) Byte: Grupo de bits que representa um único caractere Campo: Grupo de palavras ou um número completo Registro: Grupo de

Leia mais

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas

Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Prova INSS RJ - 2007 cargo: Fiscal de Rendas Material de Apoio de Informática - Prof(a) Ana Lucia 53. Uma rede de microcomputadores acessa os recursos da Internet e utiliza o endereço IP 138.159.0.0/16,

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

E-Business global e colaboração

E-Business global e colaboração E-Business global e colaboração slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. 2.1 Copyright 2011 Pearson Education, Inc. publishing as Prentice Hall Objetivos de estudo Quais as principais

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Introdução a Banco de Dados e Access Edson Ifarraguirre Moreno Porto Alegre, maio de 2011 Baseado no material da professora Isabel Harb Manssour Roteiro 1. Conceitos Básicos de BD 2. Microsoft Access 3.

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais