SER. V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de Vinícius dos Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SER. V Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 19 a 23 de outubro de 2009. Vinícius dos Santos"

Transcrição

1 SARTRE E A REALIDADE HUMANA ENQUANTO DESEJO-DE- SER Vinícius dos Santos Mestrado Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) Bolsista CAPES I A noção de desejo-de-sedefinição do Ser-Para-si em termos de nadificação. Trata-se ali de apontar que a aparece em O ser e o nada 70 intimamente ligada à nadificação encontra-se imbricada na origem da transcendência, esta concebida como a ligação essencial das duas regiões do Ser encontradas no estudo do fenômeno, o Para-si ao Em-si 71. Com efeito, o Para-si só pode relacionar-se com o Em-si, ou seja, sustentar a nadificação, determinando-se a si mesmo como falta de ser 72, isto é, fazendo-se determinar em seu ser como um ser que ele não é 73. De fato, a nadificação só pode ser entendida se considerarmos a relação do Para- e não- si com seu próprio ser em termos de falta. Dizer do Para-si que ele é-o-que-não-é é-o-que-é, ou seja, afirmá-lseu próprio ser. Isso se verifica, para Sartre, com a existência do desejo. Sinônimo de como liberdade, é, no fundo, dizer que falta ao Para-si o falta, porém, o desejo, ao contrário da necessidade, não se define em termos de uma ausência objetiva. Pelo contrário, o próprio do desejo é sua insatisfação permanente. Desejar é existir a si mesmo como falta, é ser assombrado (hanté) em seu ser mais íntimo pelo ser que ele deseja 74. De acordo com Sartre, a falta ontológica que origina o desejo deve ser pensada a partir de uma estrutura ternária: o que falta (ou faltante), aquele para quem falta (o existente) e uma totalidade que foi desagregada pela falta e seria restaurada pela 70 Doravante: EN. 71 Cf. EN, Introdução. 72 EN, p EN, p EN, p PPG-Fil - UFSCar

2 síntese entre o faltante e o existente: o faltado (manqué) 75. Se o existente é a realidade humana, ou o Para-si enquanto fundamento de seu próprio nada, o que falta é aquilo que Sartre chama de si, ou a si mesmo como Em-si 76. Quer dizer, o desejo do Para-si é tornar-se Em-si, conservando ao mesmo tempo seu caráter de Para-si, isto é, Ser-Em-si- Para-si. O sentido da realidade humana reside, portanto, na busca do si-faltado ao modo da síntese ideal das regiões es do Ser ou valor 77. Dito de outra forma, o homem é o ser que tende a ser Deus (a outra denominação do Ser-Em-si-Para-si). Mas, radicalmente distintos, a síntese do Ser-Para-si e do Ser-Em-si é impossível e a consciência humana resume-se a uma consciência infeliz: o homem é uma paixão inútil 78. II A constatação dessa irremediável frustração, que é a fortuna do Para-si, nos sugere duas indagações, que tentaremos responder na seqüência: 1- se a síntese futura é impossível, se o Para-si nunca pode ser ao modo do Em-si, porque ele deveria permanecer engajado nesse projeto? 2- ademais, é possível falar em uma totalidade prévia a ser destotalizada, a, isto é, que estaria na base do desejo enquanto falta-de-ser, a partir de uma ontologia que cinde radicalmente o Reino do Ser? A primeira pergunta pode ser respondida assim: é apenas assombrado por essa síntese que a consciência pode ser consciência, ou seja, falta. Para Sartre, o único modo de existir da consciência é existir engajada nesse movimento que visa suprimir o desejo, assombrada por esse fantasma que é o Em-si-Para-si. Por isso, não há prioridade ontológica entre a consciência e esse ser: ambos surgem ao mesmo tempo, formando uma díade paradoxal, mas irreversível: é o ser que a consciência inevitavelmente tem de ser (enquanto falta-de-ser), mas que não pode sê-lo 79. Já a segunda questão remete à conclusão da obra, e nos encaminha para a última parte dessa apresentação. Assumindo a crítica bergsoniana à ideia de Nada 80, parece 75 EN, p EN, p Podemos agora determinar r com mais clareza o que é o ser do si: é o valor. (...). O valor é o si na medida em que ele assombra o íntimo do Para-si como aquilo para o qual o Para-si é. O valor supremo na direção do qual a consciência se ultrapassa a todo instante por seu próprio ser é o ser absoluto do si, com seus caracteres de identidade, de pureza, de permanência, etc., e enquanto ele é fundamento de si (EN, p ). 78 EN, p Cf. EN, p Cf. PRADO JR., 1989, pp PPG-Fil - UFSCar

3 despropositado perguntar r por que há ser ao invés do nada. O mesmo, porém, não se aplica à interrogação por que há o Para-si e não apenas o Em-si?. Nesse sentido, devemos primeiramente notar que a relação do Para-si com o Em-si não é recíproca. O fenômeno do Em-si é uma abstração sem a consciência, pois só há mundo, fenômeno, com a aparição do Para-si. Contudo, o ser desse Em-si independe do Para-si para existir. Temos aqui uma complicação. É que, definido como acontecimento absoluto, o surgimento do Para-si escapa à ontologia, e sua elucidação se desenvolve no intricado chão (ou céu?) da metafísica, um domínio até então aparentemente ausente de EN. Bento Prado Júnior assinala que a passagem da ontologia à metafísica, em Sartre, é passagem do apodítico ao hipotético 81. Numa palavra, se cabe à ontologia descrever as estruturas do Ser (o Em-si como aquilo que é e o Para-si como projeto de autofundação), compete à metafísica formular hipóteses capazes de unificar os dados da ontologia 82, isto é, que possam esclarecer o acontecimento absoluto que vem coroar a aventura individual que é a existência do ser 83. Nesse sentido, a ontologia limita-se a alegar que tudo se passa como se o Em-si, em um projeto para fundamentar-se a si mesmo, se concedesse a modificação do Para-si 84. A metafísica, por sua vez, pensando o surgimento da negação, declara: Mas precisamente porque nos colocamos do ponto o de vista desse ser ideal [o ens causa sui, Em-si-Para-si V.S.] para julgar o ser real que chamamos ólon [i.e., o mundo após o bouleversment provocado pelo surgimento do Para-si V.S.], nós devemos constatar que o real é um esforço malogrado para atingir a dignidade da causa-de-si. Tudo se passa como se o mundo, o homem e o homem-no-mundo não chegassem a realizar senão um Deus malogrado. Tudo se passa, portanto, como se o Em-si em estado de desintegração em relação a uma síntese ideal 85 e o Para-si se apresentassemem. Se considerarmos o emprego do termo desintegração na passagem acima, nos parece permitido pensar em uma totalidade anterior à cisão do Ser, ainda que em termos ideais. Todavia, podemos explorar um pouco mais o tema. Para isso, recorremos à qualificada 81 PRADO JR, 2006, p EN, p EN, p EN, p EN, p PPG-Fil - UFSCar

4 crítica de Renaud Barbaras as acerca da ontologia de EN 86, com o intuito ito de trazer novos elementos para nossa reflexão. III Para Barbaras, se por um lado, a intencionalidade em Sartre pode ser corretamente compreendida em termos de desejo, por outro, uma fenomenologia do desejo não poderia satisfazer-se com a ontologia de EN. É que esta fracassaria justamente em dar conta da realidade do faltado que o desejo reclama. Resumidamente, segundo Barbaras, o desejado (ou o faltado) deve caracterizar-se por um surcroît d être, ou seja, por uma superioridade ontológica 87 em relação aos demais membros da estrutura ternária do desejo, o que parece realmente impossível nos marcos de EN. A dura acusação de fracassoso repousa, com efeito, na constatação de que Sartre, sem conseguir desvencilhar-se e das amarras do dualismo Em-si e Para-si, situa a totalidade do lado do acontecimento [i.e., do Para-si V.S.] e não do lado do Ser, quando deveria situar a totalidade do lado do Ser [que nesse caso não poderia ser definido como Em-si V.S.] e a cisão do lado do acontecimento absoluto 88. É que para o autor de Vie et intentionnalité, o desejado não pode ser uma síntese impossível, mas uma totalidade afetada por uma cisão ou por uma negação 89. Desse modo, invertendondo a ontologia de Sartre, Barbaras sugere que a totalidade pertence ao Ser, enquanto a destotalização é um acontecimento. Numa palavra, a ausência própria ao desejado seria o efeito de uma cisão metafísica contingentente que é o sentido primeiro do Ser 90. Se, de fato, as observações de Barbaras parecem justas, também m é verdade que o próprio crítico pode nos auxiliar, valendo-se da letra sartriana, a encontrar um meio de superar o obstáculo por ele avistado. Barbaras lembra, nesse momento, que Sartre delimita (propositalmente, e, como tentaremos mostrar a seguir) o alcance da ontologia fenomenológica: apesar da assumida a adequação do problema, lemos em EN que a questão da totalidade não pertence ao setor da ontologia 91, pois, para esta, as únicas regiões que podem ser elucidadas são as do Em-si, do Para-si e da região ideal da causa 86 Sur l ontologie sartrienne. Désir et totalité. In: BARBARAS, 2003, pp BARBARAS, op. cit., p BARBARAS, op. cit., p BARBARAS, op. cit., p BARBARAS, op. cit., p EN, p PPG-Fil - UFSCar

5 de si 92. É verdade que Sartre afirma termos uma consciência exaustiva da totalidade, mas apenas para fazer entrever que, com ela, deixamos a apodicidade da ontologia em direção ao hipotético campo da metafísica. De acordo com Barbaras, essa perspectiva é a de um sujeito que está engajado no ser, inscrito na totalidade, e tenta explicitar as regiões do ser 93. Por isso, desse ponto de vista, as indicações que podem auxiliar a metafísica não têm um valor definitivo 94, e se formulam em termos hipotéticos (o famoso tudo se passa como se ). Isso explica que Sartre, logo após eliminar o problema da totalidade dos domínios de sua ontologia, acrescente o seguinte parágrafo, que pode abrir uma via para a resolução dos problemas indicados por Barbaras (o que, diga-se de passagem, é assumido pelo próprio): Cabe à metafísica decidir se será mais proveitoso o ao conhecimento (em particular à psicologia fenomenológica, à antropologia, a, etc.) tratar de um ser que denominaremos o fenômeno, e que seria provido de duas dimensões de ser, a dimensão Em-si e a dimensão Para-si (desse ponto de vista haveria apenas um fenômeno: o mundo), do mesmo modo como, na física einsteniana, considerou-sese vantajoso falar de um acontecimento concebido como dotado de dimensões espaciais e uma dimensão temporal e localizado em um espaçotempo determinado; ou se será preferível, a despeito de tudo, conservar a antiga dualidade consciência-ser 95. Para terminar, e não obstante essa possível saída para os obstáculos sugeridos por Barbaras, não há como o contestá-lo quando ele denuncia certo enigma das relações entre ontologia e metafísica em Sartre. Se não nos cabe decifrá-lo, podemos ao menos arriscar um motivo para a descontinuidade evidente entre ambas as disciplinas. Como dissemos acima, a ontologia fenomenológica pretende-se uma descrição apodítica da realidade humana, cujo ponto de partida necessário é a interioridade do cogito. Em outros termos, a filosofia tem como princípio o homem engajado na totalidade, o ser-no-mundo. A nosso ver, com a adoção desse ponto de partida, Sartre parece insinuar que toda teoria que se ocupe da totalidade (i.e., toda metafísica) irá esbarrar nesse engajamentonto e, consequentemente, numa finitude diante da qual o tema 92 EN, p BARBARAS, op. cit., p A constatação é de Barbaras. 95 EN, p PPG-Fil - UFSCar

6 não poderia ser tratado senão de maneira hipotética. Apenas um ser capaz de superar sua própria sina e realizar r o Em-si-Para-si poderia tratar o todo da mesma forma que a ontologia pode descrever r as regiões do Ser. Polêmicas à parte, o fato é que, se nossa impressão se confirma, podemos igualmente declarar que essa concepção de Sartre não é de forma alguma casual: al: afinal, além da fenomenologia, EN também se inscreve na perspectiva filosófica inaugurada por Kierkegaard, fato, aliás, ao qual Barbaras parece não dar a devida importância. Nesse caso, é preciso considerar algumas das característicass das chamadas filosofias da existência. Primeiramente, o desdobramento por dentro 96 dos problemas concernentes à existência ia humana, que privilegia a subjetividade e (individual) em oposição a um ponto de vista sistêmico e exterior do Todo. Se compartilham de uma união profunda do existencial e do ontológico, como lembra Jean Wahl, essas filosofias são ontologias faltadas (manquées) e que se sabem faltadas, as, que se pensam necessariamente faltadas, pois, com elas, não podemos atingir (atteindre) o ser 97. Some-se a isso o fato de que, sendo o homem um ser irremediavelmente finito, o existencialismo pensa que [esse] homem persegue um fim inacessível 9 A nosso ver, isso se harmoniza, em Sartre, justamente com uma nova démarche metafísica, contrária à da tradição: em linhas gerais, reabilita-se o metafísico, mas apenas na medida em que esse metafísico exprima a conexão viva com o mundo 99. Assim, não é de se estranhar a opção sartriana de definir o homem comoo paixão inútil ; tampouco a de tomar como ponto de partida de sua filosofia o existente engajado na totalidade, limitando a ontologia fenomenológica a descrever as relações do homem com o mundo circundante, e imputando à metafísica um caráter apenas regulador 100. Trata-se para Sartre, afinal, de privilegiar a experiência vivida, o homem concreto e ontologicamente livre, nisto conciliando Husserl (o método fenomenológico e uma consequente ontologia) e Kierkegaard (o eixo temático do existencialismo) Cf. MOUNIER, 1963, p WAHL, op. cit., p MOUNIER, 1963, p ARANTES, Paulo. Bento Prado Jr. e a filosofia uspiana da literatura dos anos 60. In: PRADO JR., 2000, pp [posfácio]. 100 Cf. PRADO JR., op. cit., p. 33: A metafísica aparece como regulação, na sua oposição à constituição ontológica. 101 Há três planos de análise que operam em EN: um existencial (das atitudes concretas), um ontológico (dos seres transfenomenais que sustentam o aparecimento do fenômeno) e um metafísico (funcionando como uma espécie de marco regulatório). O privilégio conferido aos dois primeiros planos dá-se PPG-Fil - UFSCar

7 Terminamos, porém, com as palavras de outro filósofo. É que muito antes de Kierkegaard, ou de Sartre, encontramos em Pascal aquilo que, transposto para o cenário existencialista, descreveríamos como a condição paradoxal e dramática do homem que deseja, em vão, um fundamento para sua existência, mote privilegiado da filosofia sartriana, cujo núcleo (o desejo-de-ser) buscamos expor: Ardemos no desejo de encontrar uma plataforma a firme e uma base última e permanente para sobre ela construir uma torre que se erga até o infinito; mas os alicerces desmoronam e a terra se abre até o abismo 102. BIBLIOGRAFIA 1. BARBARAS, Renaud. (2003). Vie et intentionnalité é recherches phénoménologiques. Paris : Librairie Philosophique J. Vrin. 2. CLAIR, André. (1997). Kierkegaard existence et éthique. Paris: Presses Universitaires de France. 3. COOREBYTER, Vincent de. (2005). Les paradoxes du désir dans L être et le néant. In : BARBARAS, Renaud (org.). Sartre. Désir et liberté. Paris : Presses Universitaires de France. 4. DESCARTES, René. (1973). Meditações. In: Col. Os Pensadores. 1ª edição. Trad. J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. Notas de Gérard Lebrun. São Paulo : Ed. Abril Cultural. 5. LEBRUN, Gérard. (1983). Blaise Pascal voltas, desvios, reviravoltas. In: Col. Encanto radical.. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Editora Brasiliense. 6. MOUNIER, Emmanuel. (1963). Introdução aos existencialismos. Trad. João Bénard da Costa. São Paulo: Livraria Duas Cidades. 7. PASCAL, Blaise. (1999). Pensamentos. In : Col. Os Pensadores. Trad. Olívia Bauduh. São Paulo : Ed. Nova Cultural. 8. PRADO JR., Bento. (2000). Alguns ensaios filosofia, literatura, psicanálise. 2ª edição revista e ampliada. São Paulo: Editora Paz e Terra. principalmente por conta de duas das vertentes da herança sartriana: de um lado, a fenomenologia (que, na esteira de Heidegger, é primeiramente ontologia), e, do outro, a abordagem temática existencialista. 102 PASCAL, 1999, p. 47 (fr. 72 Desproporção do homem) PPG-Fil - UFSCar

8 9... (2006). O circuito da ipseidade e seu lugar em O ser e o nada. In: Revista a Dois Pontos: Sartre, v. 03, n (1989). Presença e campo transcendental al consciência e negatividade na filosofia de Bergson. São Paulo: EDUSP. 11. SARTRE, Jean-Paul. (1994). Consciência de si e conhecimento de si. In : A transcendência do ego. Trad. Pedro M. S. Alves. Lisboa : Edições Colibri (2007). L Être et le Néant essai d ontologie phénoménologique.. Édition corrigée avec index par Arlette Elkaïm-Sartre. Collection Tel. Paris: Gallimard. [(2003). O Ser e o Nada. 12ª edição. Trad. Paulo Perdigão. Petrópolis: Editora Vozes]. 13. WAHL, Jean. (1954). Les philosophies de l existence. Paris : Librarie Armand Colin PPG-Fil - UFSCar

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste

269- Anais - Congresso de Fenomenologia da Região Centro-Oeste HEIDEGGER: A REDUÇÃO FENOMENOLÓGICA E A PERGUNTA PELO SER 269 - Caderno de texto IV Congresso de Fenomenologia da Região Cenro-Oeste. Resumo: Maria Clara CESCATO - UFPB, Campus IV cescato@voila.fr Eixo

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

O Ser na Psicanálise Existencial

O Ser na Psicanálise Existencial O Ser na Psicanálise Existencial Paulo Roberto de Oliveira Resumo: Pretendemos abordar a questão do ser, pois, entendemos que a reflexão sobre o humanismo ou pós-humanismo passa por uma análise ontológica.

Leia mais

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS

KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS KANT E AS GEOMETRIAS NÃO-EUCLIDIANAS Gustavo Leal - Toledo 1 RESUMO Pretende-se mostrar, neste trabalho, que a Exposição Metafísica não depende da Exposição Transcendental nem da geometria euclidiana.

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico

Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Modelo, cópia e simulacro: Uma perspectiva deleuziana ao problema platônico Elemar Kleber Favreto RESUMO Este artigo tem por objetivo esclarecer alguns aspectos mais gerais da crítica que Deleuze faz à

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Atitude fenomenológica e atitude psicoterápica

Atitude fenomenológica e atitude psicoterápica COMUNICAÇÃO DE PESQUISA Atitude fenomenológica e atitude psicoterápica Phenomenological attitude and psychotherapeutic attitude Ihana F. de A. Leal* Joana L. Sant Anna** Joelma da C. Bueno*** Letícia R.

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER

A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER A NOÇÃO DE ANGÚSTIA NO PENSAMENTO DE MARTIN HEIDEGGER Leandro Assis Santos Voluntário PET - Filosofia / UFSJ (MEC/SESu/DEPEM) Orientadora: Profa. Dra. Glória Maria Ferreira Ribeiro - DFIME / UFSJ (Tutora

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

SARTRE E O EXISTENCIALISMO

SARTRE E O EXISTENCIALISMO SARTRE E O EXISTENCIALISMO Ilda Helena Marques (COFIL-FUNREI) Orientador: Alberto Tibaji (DELAC-FUNREI) Resumo: No livro o que é o existencialismo, João da Penha diz, de maneira explícita, que a repercussão

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico

Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Os registros do terapeuta na experiência psicoterápica em Gestalt-Terapia: um ensaio teórico Kelly Gonçalves da Silva gsilva.kelly@gmail.com Instituto de Psicologia 12º período Clara Castilho Barcellos

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA

FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA FORMAÇÃO DO HOMEM EM PAULO FREIRE DIÁLOGOS COM A PEDAGOGIA DA AUTONOMIA Adriano José da Silva, Patrícia Hetti Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em geografia adriano_hist@hotmail.com.

Leia mais

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ)

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) *Profa. Ms. Maria Celeste de Sousa Resumo: A filosofia de Lima Vaz é profundamente influenciada por Hegel e os dois conceitos que

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica

DIALÉTICA NEGATIVA. Theodor W. Adorno MARCO ANTONIO CASANOVA EDUARDO SOARES NEVES SILVA. Tradução. Revisão técnica DIALÉTICA NEGATIVA Theodor W. Adorno DIALÉTICA NEGATIVA Tradução MARCO ANTONIO CASANOVA Professor do Depto. de Filosofia, Uerj Revisão técnica EDUARDO SOARES NEVES SILVA Professor adjunto do Depto. de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA ESPÍRITA E ESPIRITISMO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA DOUTRINA ESPÍRITA 1 ESPÍRITA E ESPIRITISMO Para designar coisas novas, são necessárias palavras novas. A clareza de uma língua assim exige, a fim de evitar que uma mesma palavra

Leia mais

Tempo e temporalidade na filosofia de Sartre

Tempo e temporalidade na filosofia de Sartre Tempo e temporalidade na filosofia de Sartre Luciano Donizetti da Silva * Resumo: É consenso entre os comentadores de Sartre que sua filosofia segue os moldes do racionalismo cartesiano; para sustentar

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009

Panorama Critico #03 - Out/Nov 2009 Lia no infinitivo Vitor Butkus A análise de um objeto artístico pode se valer de procedimentos drásticos, mesmo cruéis. Um bom começo, para amenizar a situação, é a descrição da obra. Por aí, se elabora

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

A aceleração como processo histórico

A aceleração como processo histórico 2.3 A ACELERAÇÃO DA DISRITMIA Identificadas as características de cada componente do processo de mudanças, merecem consideração as seguintes características referentes ao processo globalmente considerado.

Leia mais

ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA

ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA ALTERIDADE E VERDADE HISTÓRICA FRANCISCO JOSÉ DIAS DE MORAES Departamento de Filosofia Instituto de Ciências Humanas e Sociais Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Tradicionalmente a verdade é

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO A INFLUÊNCIA DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO COTIDIANO Dennys Rodrigues de Sousa* (Graduando em psicologia pela Faculdades Metropolitanas de Maringá - UNIFAMMA, Maringá-PR, Brasil); André Henrique Scarafiz,

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

um TCC sem cometer PLÁGIO?

um TCC sem cometer PLÁGIO? Aula Reforço com base na NBR 10520 (ABNT) Prof. MSc Ricardo Aureliano Como transcrever textos para um TCC sem cometer PLÁGIO? Não há problema algum de se recortar e colar textos que se encontram na internet

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO

ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO ENSINO DE FILOSOFIA O DESAFIO EM TRANSITAR ENTRE A HISTÓRIA E OS TEMAS DO COTIDIANO HOFFMANN, Mara Lúcia Schuster Bolsista do Capes - PIBID/UNIFRA Acadêmica do Curso de Filosofia UNIFRA Email: maraluciahoffmann@yahoo.com.br

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

1 Introdução de alguns aspectos da Filosofia Fenomenológica

1 Introdução de alguns aspectos da Filosofia Fenomenológica A Postura Fenomenológica nas Pesquisas em Educação Matemática The Phenomenological Attitude in Researches in Mathematics Education Jamur Andre Venturin * Anderson Afonso da Silva Resumo Este trabalho tem

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO

O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO O CONCEITO DE DEUS NA DOUTRINA ESPÍRITA À LUZ DO PENSAMENTO ARISTOTÉLICO Ao longo da história da humanidade, crer na existência de Deus sempre esteve na preocupação do ser pensante, e foi no campo da metafísica

Leia mais

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL

FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL O Livro dos Espíritos, qq. 1 e 27 Obra codificada por Allan Kardec Figuras: Elio Mollo Deus é a inteligência s uprema, causa primária de todas as coisas. Resposta dada pelos Espíritos

Leia mais

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA

RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA RÁDIO ESCOLAR: UMA AÇÃO MULTIDISCIPLINAR COM ARTE E ENGENHARIA Área Temática: Tecnologia e Produção Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares 1 (Coordenador da Ação de Extensão) Prof. Reginaldo da Nóbrega Tavares

Leia mais

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA

AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA CAPÍTULO 1 AS LEIS DE NEWTON PROFESSOR ANDERSON VIEIRA Talvez o conceito físico mais intuitivo que carregamos conosco, seja a noção do que é uma força. Muito embora, formalmente, seja algo bastante complicado

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER

IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER IMPLICAÇÕES HUMANAS DO CUIDADO HOLÍSTICO NA ODONTOLOGIA: UM ESTUDO A PARTIR DA PERSPECTIVA DE MARTIN BUBER Enoque Fernandes de Araújo (autor); Wanderley Fernandes de Araújo; Margarida Fernandes de Araújo;

Leia mais

http://www.ieabrasil.com.br

http://www.ieabrasil.com.br http://www.ieabrasil.com.br Desenvolvimento da capacidade de antecipação pela identificação e captação de indícios antecipativos em contexto de Inteligência Estratégica Antecipativa Raquel Janissek-Muniz

Leia mais

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele

CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele CAPÍTULO 5: O EMPREGO DE: Este, Esse ou Aquele Em português existem três pronomes demonstrativos com suas formas variáveis em gênero e número e invariáveis [isto, isso, aquilo]. Eles assinalam a posição

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores

Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores Capítulo 4 - Roteamento e Roteadores 4.1 - Roteamento Roteamento é a escolha do módulo do nó de origem ao nó de destino por onde as mensagens devem transitar. Na comutação de circuito, nas mensagens ou

Leia mais

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO

A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE VER COMO A ICONICIDADE LEXICAL E A NOÇÃO DE "VER COMO Ana Lúcia Monteiro Ramalho Poltronieri Martins (UERJ) anapoltronieri@hotmail.com Darcilia Marindir Pinto Simões (UERJ) darciliasimoes@gmail.com 1- Da noção

Leia mais

QUEM GOVERNA A SI MESMO É MAIS PODEROSO DO QUE UM REI

QUEM GOVERNA A SI MESMO É MAIS PODEROSO DO QUE UM REI QUEM GOVERNA A SI MESMO É MAIS PODEROSO DO QUE UM REI Exemplos de Sakyamuni, Jesus Cristo, Masaharu Taniguchi. Preletora: Antônia dos Santos Alves Estudo em: A Verdade da Vida, vol. 39, capítulos 02 e

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E ANALISTA (EXCETO PARA O CARGO 4 e 8) GABARITO 1. (CESPE/2013/MPU/Conhecimentos Básicos para os cargos 34 e 35) Com a cloud computing,

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI

A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI A TEORIA DIALÉTICA DA HISTÓRIA NO JOVEM MARX ENTRE MARCUSE E GIANNOTTI André de Góes Cressoni Mestrado Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Bolsista CNPq cressoni@gmail.com De início, devemos, aqui,

Leia mais

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO

FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL RESUMO 1 FUNDAMENTAÇÃO DO DIREITO INTERNACIONAL Lucas Hage Chahine Assumpção 1 RESUMO Esse trabalho foi elaborado a partir de uma problemática levantada no livro Curso de Direito Internacional Público, de autoria

Leia mais

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice

Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Envelhecimento, erotismo e relacionamentos amorosos na velhice Thiago de Almeida O amor é um conceito que possui uma extensa cadeia de significados e interpretações distintas. Muito longe de ser meramente

Leia mais

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA SOBRE UM PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA COM MODELAGEM MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Susana Lazzaretti Padilha Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) Campus Cascavel susana.lap@hotmail.com

Leia mais

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico

Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Contribuições kierkegaardianas Para a Compreensão do Adoecimento Psíquico Myriam Moreira Protasio CRP 05/07251 Para este trabalho selecionamos três obras do filósofo dinamarquês, através das quais poderemos

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi)

CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi) Wilton C. L. SILVA CANDAU, Joel. Memoria e Identidad. Buenos Aires: Ediciones Del Sol, 2008, 208 p. (Título Original Mémoire e Identité, Traducción Eduardo Rinesi) Joel Candau é professor de Antropologia

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos).

Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). Antropologia Personalista (texto recortado e re-construído a partir da obra BIOÉTICA de José Roque Junges, Editora Unisinos). A sistematização antropológica que segue corresponde à perspectiva apresentada

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

6. Considerações Finais

6. Considerações Finais 6. Considerações Finais O estudo desenvolvido não permite nenhuma afirmação conclusiva sobre o significado da família para o enfrentamento da doença, a partir da fala das pessoas que têm HIV, pois nenhum

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

1 Um guia para este livro

1 Um guia para este livro PARTE 1 A estrutura A Parte I constitui-se de uma estrutura para o procedimento da pesquisa qualitativa e para a compreensão dos capítulos posteriores. O Capítulo 1 serve como um guia para o livro, apresentando

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO

FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO FACULDADE DE DIREITO DA UFMG PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO Disciplina: Fundamentos Filosóficos do Trabalho Professora: Daniela Muradas Aluno: Matheus Campos Caldeira Brant Maio de 2009 A DIALÉTICA MATERIALISTA

Leia mais

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite

IIIDomingo Tempo Pascal- ANO A «..Ficai connosco, Senhor, porque o dia está a terminar e vem caindo a noite Ambiente: Os comentadores destacaram, muitas vezes, a intenção teológica deste relato. Que é que isto significa? Significa que não estamos diante de uma reportagem jornalística de uma viagem geográfica,

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA?

TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? TEORIA SOCIAL CRÍTICA: DO QUE SE TRATA? 1 Ivo Tonet* 1. Introdução Costuma-se associar o termo teoria crítica à Escola de Frankfurt. Contudo, no presente texto, nosso objetivo não é discorrer sobre a teoria

Leia mais

A Consciência de Angústia: uma abordagem sobre a condição existencial em Sartre

A Consciência de Angústia: uma abordagem sobre a condição existencial em Sartre Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar www.urutagua.uem.br/008/08fil_santana.htm Quadrimestral Nº 08 Dez/Jan/Fev/Mar Maringá - Paraná - Brasil - ISSN 1519.6178 Centro de Estudos Sobre Intolerância

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A Curva Normal Luiz Pasquali

A Curva Normal Luiz Pasquali Capítulo 3 A Curva Normal Luiz Pasquali 1 A História da Curva Normal A curva normal, também conhecida como a curva em forma de sino, tem uma história bastante longa e está ligada à história da descoberta

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Departamento de Ciência Política Programa de Pós-Graduação em Ciência Política Área de Concentração: Teoria Política e Interpretações do Brasil Título da Disciplina: Ceticismo

Leia mais