Data de publicação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Data de publicação 21.11.2008"

Transcrição

1 Data de publicação SERVIÇOS POSTAIS EXPLORADOS EM REGIME DE CONCORRÊNCIA Informação estatística 3º Trimestre de 2008

2 ÍNDICE 1. Prestadores de serviços postais Tráfego dos serviços postais explorados em regime de concorrência Indicadores da rede postal...10 Anexo. Prestadores de serviços postais habilitados no final do 3T ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1. Número de prestadores habilitados...4 Quadro 2. Tráfego postal explorado em concorrência por destino...5 Quadro 3. Quotas de tráfego postal por destino...6 Quadro 4. Tráfego postal explorado em concorrência por serviço...7 Quadro 5. Quotas de tráfego postal por serviço...8 Quadro 6. Capitação postal serviços explorados em concorrência (1)...9 Quadro 7. Meios humanos (1)...10 Quadro 8. Meios materiais (1)...11 Quadro 9. Cobertura postal (1)...11 Quadro 10. Densidade postal (1)...11 ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Evolução da quota de tráfego do Grupo CTT por destino de tráfego...7 Gráfico 2 Evolução da quota de tráfego do Grupo CTT por tipo de serviço...9 2

3 SERVIÇOS POSTAIS NOTAS PRÉVIAS: 1) Em virtude de actualizações de dados enviados por alguns prestadores, procedeu-se à correcção dos valores de tráfego e rede postal desde o início de ) Devido ao facto de alguns prestadores não terem remetido a informação estatística em tempo útil, não se considerou a informação destes prestadores no presente relatório. Estima-se que o peso destes operadores, em termos dos vários indicadores apresentados, seja inferior a 1 por cento do total. A informação que de seguida se divulga diz respeito aos serviços postais cuja exploração se encontra liberalizada. Consideram-se na categoria dos serviços postais explorados em concorrência, os envios de correspondência cujo preço seja superior a duas vezes e meia a tarifa de referência (Correio Azul até 20g), desde que o seu peso seja superior a 50g. Excluem-se os serviços reservados. 1. Prestadores de serviços postais Os serviços postais explorados em concorrência são prestados mediante a atribuição de uma autorização ou de uma licença 1. No terceiro trimestre de 2008 (3T08), o ICP-ANACOM concedeu duas novas autorizações para a prestação de serviços postais não reservados e não abrangidos no âmbito do 1 A entidade prestadora do Serviço Universal pode, igualmente, prestar serviços postais explorados em regime de concorrência. 3

4 serviço universal. Assim, passaram a ser 62 as entidades que dispunham de título habilitante para prestar serviços de correio expresso no final do 3T08 2 (Vd. Quadro 1). As entidades autorizadas encontram-se habilitadas a prestar serviços de Correio Expresso, os quais se caracterizam pela aceitação / recolha, tratamento, transporte e distribuição com celeridade acrescida, de envios de correspondência e encomendas, diferenciando-se dos respectivos serviços de base pela realização, entre outras, das seguintes características suplementares: prazo de entrega pré-definido; registo dos envios; garantia de responsabilidade do prestador autorizado; controlo do percurso dos envios. Quanto aos serviços não enquadrados na categoria de correio expresso, durante o 3T08 foi licenciada uma nova entidade, passando a existir 11 prestadores habilitados a prestarem estes serviços. Entre estes operadores encontra-se a concessionária do Serviço Postal Universal (CTT) que opera ao abrigo do respectivo Contrato de Concessão. As entidades licenciadas encontram-se legalmente habilitadas a prestar serviços postais não reservados mas abrangidos pelos limites do serviço universal. As entidades licenciadas estão habilitadas à prestação de serviços postais não reservados, abrangendo envios de correspondência, livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas, e encomendas postais (serviços postais não enquadrados na categoria de correio expresso). Quadro 1. Número de prestadores habilitados 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Serviços de correio expresso Serviços não enquadrados na categoria de correio expresso VD. Anexo. 4

5 Refira-se que a CTTexpresso, apesar de estar legalmente habilitada a prestar, simultaneamente, serviços de correio expresso e serviços não enquadrados na categoria de correio expresso, continua a dedicar-se exclusivamente à oferta de serviços de correio expresso. 2. Tráfego dos serviços postais explorados em regime de concorrência Durante o 3T08, o tráfego dos serviços postais explorados em regime de concorrência atingiu 60,8 milhões de objectos, menos 11 por cento do que no trimestre anterior e menos 13 por cento do que no mesmo trimestre de A queda registada é sobretudo explicada pelo comportamento das correspondências e da publicidade endereçada, segmentos onde os CTT detêm uma quota elevada a) Tráfego postal explorado em concorrência por destino No período em análise, o tráfego postal nacional totalizou 55,8 milhões de objectos, tendo o tráfego internacional de saída atingido cerca de 5 milhões de objectos (Vd. Quadro 2). O tráfego nacional representa 92 por cento do total do tráfego postal explorado em concorrência e o tráfego internacional de saída os restantes 8 por cento. Quadro 2. Tráfego postal explorado em concorrência por destino var. 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 trim. var. hom. Tráfego postal ,9% -13,3% Nacional ,1% -13,0% Internacional (saída) ,9% -16,8% Internacional (entrada) ,7% 13,5% Unidade: milhares de objectos 5

6 A redução do tráfego ocorrida no trimestre em análise é sobretudo explicada pelo comportamento do correio editorial, da publicidade endereçada e das correspondências endereçadas do grupo CTT. Em comparação com o trimestre homólogo do ano anterior, a diminuição de 13,3 por cento ocorrida foi explicada pelas correspondências nacionais, pela publicidade endereçada e, em menor medida, pelo correio internacional de saída dos CTT. Na área liberalizada, o Grupo CTT foi responsável por cerca de 91 por cento do tráfego nacional e por cerca de 85 por cento do tráfego internacional de saída (Vd. Quadro 3 e Gráfico 1). Quadro 3. Quotas de tráfego postal por destino 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Grupo CTT Outros Grupo CTT Outros Grupo CTT Outros Grupo CTT Outros Grupo CTT Outros Nacional 95,2% 4,8% 94,9% 5,1% 94,1% 5,9% 92,4% 7,6% 91,3% 8,7% Int. Saída 88,6% 11,4% 84,6% 15,4% 81,1% 18,9% 82,4% 17,6% 84,5% 15,5% Int. Entrada 82,5% 17,5% 79,2% 20,8% 80,8% 19,2% 79,1% 20,9% 80,9% 19,3% 6

7 Gráfico 1 Evolução da quota de tráfego do Grupo CTT por destino de tráfego 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Nacional Internacional de Saída b) Tráfego postal explorado em concorrência por serviço Neste período, dos 60,8 milhões de objectos postais explorados em regime liberalizado, 4,8 milhões enquadravam-se na categoria de correio expresso, enquanto os restantes 56 milhões integravam as outras categorias de serviços (Vd. Quadro 4). O correio expresso representava, assim, 7,8 por cento do total do tráfego explorado em concorrência, enquanto que as restantes categorias constituíam 92,2 por cento do total. Quadro 4. Tráfego postal explorado em concorrência por serviço var. 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 trim. var. hom. Tráfego postal ,9% -13,3% Expresso ,1% 19,3% Não enq. na cat. expresso ,4% -15,3% Unidade: Milhares de objectos 7

8 Como se pode verificar, o tráfego do correio expresso do 3T08 caiu 4,1 por cento em relação ao 2T08, à semelhança do que ocorreu em anos anteriores. Em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior verificou-se, no entanto, um crescimento de 19,3 por cento. Este crescimento é sobretudo resultado da evolução do segmento de encomendas nacionais (Vd. Quadro 4). O tráfego não enquadrado na categoria de correio expresso caiu de forma significativa devido aos factores mencionados na secção anterior, a propósito da redução do tráfego nacional. No que diz respeito à estrutura da oferta, verifica-se que no 3T08 as empresas do Grupo CTT detinham uma quota de 44,2 por cento do tráfego do correio expresso e de 94,7 por cento do tráfego dos serviços não enquadrados na categoria de correio expresso (Vd. Quadro 5 e Gráfico 2). Quadro 5. Quotas de tráfego postal por serviço 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo CTT Outros CTT Outros CTT Outros CTT Outros CTT Outros Expresso 46,4% 53,6% 44,6% 55,4% 45,1% 54,9% 44,4% 55,6% 44,2% 55,8% Não enq. na cat. expresso 97,5% 2,5% 97,6% 2,4% 96,5% 3,5% 95,4% 4,6% 94,7% 5,3% 8

9 Gráfico 2 Evolução da quota de tráfego do Grupo CTT por tipo de serviço 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1T06 2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Correio expresso Serviços não enquadrados na categoria de correio expresso c) Capitação postal (serviços liberalizados) A evolução do índice de capitação postal é apresentada no Quadro 6. No 3T08, este indicador caiu para os 5,7 objectos postais distribuídos por cada habitante, dos quais 5,3 dizem respeito a serviços postais de âmbito nacional. Quadro 6. Capitação postal serviços explorados em concorrência (1) 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Tráf. postal / habitante 6,6 7,3 6,5 6,4 5,7 Tráf. postal nacional / habitante 6,0 6,8 5,9 6,0 5,3 Tráf. postal int. saída / habitante 0,6 0,5 0,5 0,4 0,5 Tráf. postal int. entrada / habitante 0,4 0,4 0,5 0,4 0,4 (1) O total da população residente era de habitantes em 31 Dez (Fonte: INE). 9

10 3. Indicadores da rede postal Apresentam-se, de seguida, alguns indicadores referentes à rede postal, nomeadamente, meios humanos, meios materiais e cobertura e densidade postais. a) Meios humanos No final do 3T08 existiam mais de 17 mil trabalhadores afectos à exploração dos serviços postais liberalizados, mais 79 trabalhadores que no trimestre anterior (Vd. Quadro 7). Esta variação trimestral é normal em períodos de férias, uma vez que as empresas recorrem a contratos a termo. Quadro 7. Meios humanos (1) 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Emprego total Grupo CTT Outros prestadores Unidade: número de trabalhadores (1) No caso dos prestadores que não enviaram informação, foram considerados os valores dos trimestres anteriores. b) Meios materiais, cobertura postal e densidade postal No terceiro trimestre de 2008 registaram-se variações trimestrais pouco significativas do número de pontos de acesso (Vd. Quadro 8). Consequentemente o índice de cobertura postal voltou a fixar-se em torno dos 20,5 pontos de acesso por 100km 2, em média (Vd. Quadro 9). 10

11 Quadro 8. Meios materiais (1) 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Pontos de acesso (2) Grupo CTT Outros prestadores Centros de distribuição (3) Grupo CTT Outros prestadores Frota de veículos (4) Grupo CTT Outros prestadores (1) No caso dos prestadores que não enviaram informação, foram considerados os valores dos trimestres anteriores. (2) Locais físicos onde os utilizadores podem depositar os envios postais na rede postal, abrangendo, assim, os marcos de correio colocados ou não na via pública. (3) Espaço físico no qual se processa a divisão dos envios postais de acordo com a área a que se destinam. (4) Frota de veículos detidos e/ou subcontratados para a prestação dos serviços postais. Quadro 9. Cobertura postal (1) 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Pontos de acesso / 100Km 2 20,6 20,5 20,5 20,5 20,5 (1) Fonte: INE. A área total de Portugal é de Km 2 Da mesma forma, o índice de densidade postal, no 3T08, manteve-se nos 563 habitantes servidos por cada ponto de acesso disponível (Vd. Quadro 10). Quadro 10. Densidade postal (1) 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 Habitantes / pontos de acesso (1) Fonte: INE o total da população residente era de habitantes em 31 Dez

12 Anexo. Prestadores de serviços postais habilitados no final do 3T08 Serviços não enquadrados na categoria de correio expresso Entidade CTT Correios de Portugal, SA CTTexpresso - Serviços Postais e Logística, SA SDIM - Sociedade de Distribuição de Imprensa da Madeira, Lda Notícias Direct - Distribuição ao Domicílio, Lda Nº licença Data emissão A concessionária do serviço postal universal (CTT) tem a faculdade de explorar os serviços postais não reservados e não abrangidos no âmbito do serviço universal, com dispensa de título habilitante adicional. ICP-01/2001-SP ANACOM-01/2002-SP ANACOM-02/2002-SP 01 Out Dez Dez Serviços prestados Envios de correspondência, incluindo publicidade endereçada (Direct Mail), livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Encomendas postais. Envios de correspondência, incluindo publicidade endereçada (Direct Mail), livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Encomendas postais. Distribuição de livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Distribuição de livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. MEEST Portugal - Unipessoal, Lda. TEX - Transporte de Encomendas Expresso, Lda. ICP-01/2005-SP 07 Jul Encomendas postais. ICP-02/2005-SP 15 Jul Encomendas postais. IBEROMAIL - Correio Internacional, Lda. ICP-01/2006-SP 18 Mai Distribuição de livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. LORDTRANS - Transportes Urgentes, Lda. ICP-02/2006-SP 28.Dez.2006 Distribuição de envios postais e encomendas. POST 21 - Empresa de Correio, S.A. ICP-01/2007-SP 04.Mai.2007 Envios de correspondência, incluindo publicidade endereçada (Direct Mail), livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Encomendas postais. VASP PREMIUM - Entrega Personalizada de Publicações, Lda. ICP-ANACOM-02/ Jul.2007 Distribuição de livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Celeris ICP-ANACOM-01/2008- SP 22.Jul.2008 Envios de correspondência, incluindo publicidade endereçada (Direct Mail), livros, catálogos, jornais e outras publicações periódicas. Encomendas postais. 12

13 Serviços de correio expresso Entidade Nº autorização Data emissão Serv. prestados CTTexpresso - Serviços Postais e Logística, SA (1) ICP-01/2001-SP 01 Out Correio expresso DHL - Express Portugal, Lda ICP-03/2001-SP 13 Dez Correio expresso Chronopost Portugal - Transporte Internacional, SA ICP-04/2001-SP 13 Dez Correio expresso TNT Express Worldwide (Portugal), SA ICP-05/2001-SP 13 Dez Correio expresso UPS of Portugal - Transportes Internacionais de Mercadorias, Lda ANACOM-01/2002-SP 17 Out Correio expresso Rangel Expresso, SA ANACOM-02/2002-SP 19 Dez Correio expresso Federal Express Corporation - Sucursal em Portugal ANACOM-01/2003-SP 10 Abr Correio expresso Ibercourier - Serviço de Transporte Urgente, Lda. (MRW) (2) ANACOM-01/2005-SP 09 Fev Correio expresso Logista - Transportes, Lda. ANACOM-02/2005-SP 09 Mai Correio Expresso Lisespo - Transportes, Lda. (4) ANACOM-03/2005-SP 15 Jul Correio Expresso Transworld Express - Correio Expresso, Lda. (3) ANACOM-06/2005-SP 08 Set Correio Expresso Nuno Miguel Alves, Unipessoal, Lda. (3) ANACOM-07/2005-SP 08 Set Correio Expresso Globe Logistics - Empresa de Courier, Logística e Transportes (3) ANACOM-08/2005-SP 08 Set Correio Expresso Fozpost - Entrega e Recolha de Encomendas, Lda.(3) ANACOM-09/2005-SP 08 Set Correio Expresso Mensageiro Azul - Serviços de Courier, Lda. (3) ANACOM-10/2005-SP 08 Set Correio Expresso RANEXPRESS - Transportes Rodoviários, Lda. (3) ANACOM-11/2005-SP 08 Set Correio Expresso Francisco & Silvina - Transportes de Documentos e Encomendas, Lda. (3) ANACOM-13/2005-SP 08 Set Correio Expresso MAILGLOBE - Transporte de Correio Urgente, Lda.(3) ANACOM-14/2005-SP 08 Set Correio Expresso EXPRESSODÃO - Transporte de Mercadorias, Lda.(3) ANACOM-16/2005-SP 08 Set Correio Expresso FOXIL - Gestão de Transportes, Lda. (3) ANACOM-17/2005-SP 08 Set Correio Expresso Transportes António Garcia & César, Lda. (3) ANACOM-18/2005-SP 08 Set Correio Expresso P.P.Expresso - Transportes de Mercadorias, Lda. (3) ANACOM-19/2005-SP 08 Set Correio Expresso JáEstá - Tráfego e Serviços Logísticos, Lda. (3) ANACOM-21/2005-SP 08 Set Correio Expresso Multitagus - Transportes e Serviços, Lda. (3) ANACOM-22/2005-SP 27 Set Correio Expresso Iberenvios - Actividades Postais e Transportes, Unipessoal, Lda. (3) ANACOM-23/2005-SP 27 Set Correio Expresso Princeps, Comércio por Grosso, Lda. (3) ANACOM-24/2005-SP 04 Nov Correio Expresso Portomail - Tranporte de Documentos e Encomendas, Lda. (3) E.R. Encomendas Rápidas, Lda. (3) FELCOURIER - Distribuição de Encomendas Nacional e Internacional, Lda. (3) ANACOM-25/2005-SP 04 Nov Correio Expresso ICP-ANACOM -26/2005- SP 23 Nov Correio Expresso ANACOM-02/2006-SP 02. Fev Correio Expresso HMJ - Envio Rápido de Encomendas, Lda. (3) ANACOM-03/2006-SP 02. Fev Correio Expresso Flash Transportes Unipessoal, Lda. (3) ANACOM-04/2006-SP 02. Fev Correio Expresso 13

14 Entidade Nº autorização Data emissão Serv. prestados Transportes Ochôa, S.A. ANACOM-05/2006-SP 02. Fev Correio Expresso LHSTUR - Transportes Urgentes, Estafetagem, Lda.(3) Consigo Pelo Mundo - Transporte e Entrega de Documentos, Unipessoal, Lda. (3) António Carlos Santos - Entregas Rápidas, Unipessoal, Lda. (3) ANACOM-06/2006-SP 07. Fev Correio Expresso ANACOM-07/2006-SP 07. Fev Correio Expresso ANACOM-08/2006-SP 09. Mar Correio Expresso ASL Courier, Lda. (3) ANACOM-09/2006-SP 08 Jun Correio Expresso ABASTFROTA - Transportes, Lda. (5) ICP-ANACOM-01/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso TRANSALCAINÇA - Transportes, Lda (5) ICP-ANACOM-02/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso António Moreira Unipessoal, Lda. (5) ICP-ANACOM-03/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso SERVEXCELSO - Actividades postais e transportes, Lda. (5) PARMILHAR TRILHOS - Transportes, Unipessoal, Lda. (5) OBIK EXPRESS - Serviço de transportes, Unipessoal, Lda. (5) J. FARINHA - Transportes urgentes, Unipessoal Lda. (5) OVERSPEED - Transportes de correio expresso, Lda. (5) MEIA CURVA - Transporte de Correio Expresso, Lda.(5) ICP-ANACOM-04/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-05/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-06/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-07/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-08/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-09/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso URBEXPRESS - Transportes expresso, Lda. (5) ICP-ANACOM-10/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso MASTERPOST, Unipessoal, Lda. (5) ICP-ANACOM-11/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso VASTA SELECÇÃO - Comércio e serviços, Lda. (5) ICP-ANACOM-12/2007-SP 12.Out.2007 Correio Expresso MENDES & PEREIRA SOUSA, Lda. (5) ICP-ANACOM-13/2007-SP 23.Nov.2007 Correio Expresso JOAQUIM LUIZ MARTHA, Lda. (5) ICP-ANACOM-14/2007-SP 23.Nov.2007 Correio Expresso ATLANTILÉGUA - Serviços postais, Lda. (5) ICP-ANACOM-15/2007-SP 23.Nov.2007 Correio Expresso STARTJOB - Recolhas e Entregas, Unipessoal, Lda. (3) JOSÉ MANUEL ARAÚJO SILVA - Serviço de Transporte Urgente, Unipessoal, Lda. (3) EVOCARGO - Transportes e distribuição de mercadorias, Lda (5) ICP-ANACOM-16/2007-SP 27.Dez.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-17/2007-SP 27.Dez.2007 Correio Expresso ICP-ANACOM-01/2008-SP 10.Jan.2008 Correio Expresso TOTALMÉDIA - entregas ao domicílio, S.A. ICP-ANACOM-02/2008-SP 22.Jan.2008 Correio Expresso MANOBRA JOVEM - Transportes, Lda (5) ICP-ANACOM-03/2008-SP 12.Mar.2008 Correio Expresso VIANICLE - Unipessoal, Lda (5) ICP-ANACOM-04/2008-SP 27.Mar.2008 Correio Expresso RITMO VELOZ, Lda (3) ICP-ANACOM-05/2008-SP 14.Mar.2008 Correio Expresso LEVADO À LETRA - Transportes e Serviços, Lda (3) ICP-ANACOM-06/2008-SP 14.Mar.2008 Correio Expresso Adicional - distribuição e gestão comercial, SA ICP-ANACOM-07/2008-SP 18.Jun.2008 Correio Expresso 14

15 Entidade Nº autorização Data emissão Serv. prestados Serv. Postais da Lezíria (5) ICP-ANACOM-08/2008-SP 17.jul.2008 Correio Expresso Iberperímetro (5) ICP-ANACOM-09/2008-SP 28.Ago.2008 Correio Expresso (1) (2) (3) (4) (5) (6) Foi autorizada pela ANACOM, em 01 Set. 2003, a transmissão da licença de que era titular a POSTEXPRESSO - Correio de Cidade, Lda. para a POSTLOG - Serviços Postais e Logística, S.A que, a partir do 4T04, passou a designar-se CTTexpresso - Serviços Postais e Logística, S.A. A empresa IBERCOURIER é proprietária da marca MRW. Empresa a prestar serviços postais sob a marca MRW em regime de franchising. Empresa a prestar serviços postais sob a marca SEUR em regime de franchising. Empresa a prestar serviços postais sob a marca NACEX em regime de franchising. A empresa Logista é proprietária da marca Nacex. 15

16 Se imprimir este documento e pretender, posteriormente, localizá-lo no sítio siga o caminho abaixo ou copie/cole a URL (link) no campo address do seu navegador (browser). Página Inicial > Estatísticas > Relatórios Trimestrais > Arquivo de relatórios estatísticos trimestrais > Serviços Postais Explorados em Regime de Concorrência - 3º Trimestre de 2008 Url: Publicação: Autor: ANACOM Geração de ficheiro: ANACOM 2009

Serviços de Correio Expresso Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso

Serviços de Correio Expresso Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso 26 S E R V I Ç O S P O S T A I S E X P L O R A D O S E M C O N C O R R Ê N C I A N Ú M E R O D E P R E S T A D O R E S Número de Prestadores licenciados/ autorizados Serviços de Correio Expresso 1,2 5

Leia mais

8. Os serviços postais

8. Os serviços postais 226 227 8. Apresenta-se, neste capítulo, a situação dos serviços postais no final de 2005, assim como a evolução ocorrida durante o referido ano. 8.1 Principais aspectos da evolução em 2005 Entre 2002

Leia mais

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte

Evolução dos clientes de acesso móvel à Internet activos no período de reporte 10 S E R V I Ç O T E L E F Ó N I C O M Ó V E L Tráfego de roaming in 2008 Var. Trimestral Var. Homóloga 2º Trim. (+/-) % (+/-) % Chamadas em roaming in 32 617 8 525 35,4% 1 646 5,3% Nº de minutos em roaming

Leia mais

SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2014

SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2014 SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2014 Serviços Postais 1º trimestre 2014 Versão 1 / 16-05-2014 Índice SUMÁRIO... 4 1. Prestadores de serviços postais... 5 2. Tráfego dos serviços

Leia mais

Serviços Postais. Postal Services

Serviços Postais. Postal Services 002 Serviços Postais Postal Services 019 Serviços Postais Postal Services Prestadores de Serviços Postais Postal services Providers * Serviços não enquadrados na categoria de Correio Expresso Services

Leia mais

SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2016

SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2016 SERVIÇOS POSTAIS INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1º TRIMESTRE DE 2016 Serviços Postais 1º trimestre 2016 Versão 1 / 16-05-2016 Índice SUMÁRIO... 4 1. Prestadores de serviços postais... 5 2. Tráfego dos serviços

Leia mais

http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=133982

http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=133982 http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=133982 SERVIÇOS DE AUDIOTEXTO Informação estatística 3º trimestre de Serviços de Audiotexto 3º trimestre de ÍNDICE 1. Prestadores... pág. 2 2. Tráfego...

Leia mais

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP

AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP Data de publicação - 30.7.2008 AUTORIZAÇÃO Nº ICP ANACOM 08/2008 - SP O Vice-Presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional de Comunicações (ICP- ANACOM), decide, nos termos do artigo 5º

Leia mais

Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008

Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008 Data de publicação 24.9.2008 Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de 2008 Durante o primeiro semestre de 2008, foram recebidas na ANACOM, por escrito, 15.257 reclamações, 229 pedidos de informação,

Leia mais

Relatório Estatístico. Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Trimestre de 2009

Relatório Estatístico. Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Trimestre de 2009 Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Trimestre de 2009 Durante o primeiro trimestre de 2009, foram recebidas na ANACOM, por escrito, 10.365 reclamações, 119 pedidos de informação,

Leia mais

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 Índice INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO... 3 1. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS...

Leia mais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Apresentação Junho de 2008 ADVISORY SERVICES No contexto da actividade que o ICP-ANACOM desenvolve enquanto agente regulador do sector postal surgiu

Leia mais

RECLAMAÇÕES E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO

RECLAMAÇÕES E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO http://www.anacom.pt/template12.jsp?categoryid=253504 Data de Publicação 25.9.2007 RECLAMAÇÕES E PEDIDOS DE INFORMAÇÃO Relatório do 1.º Semestre de 2007 O presente relatório tem por objecto as reclamações

Leia mais

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação

Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação Relatório Estatístico Reclamações e Pedidos de Informação 1.º Semestre de Índice Preâmbulo 3 Análise estatística 4 Anexos 14 2 Preâmbulo O presente relatório tem por objecto as solicitações recebidas no

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2006 Elaborado por: Ana Paula Gomes Bandeira Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Deslocações turísticas de residentes aumentaram

Deslocações turísticas de residentes aumentaram PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 2º Trimestre 2013 31 de outubro de 2013 Deslocações turísticas de residentes aumentaram Entre abril e junho de 2013, os residentes em Portugal efetuaram 3,9 milhões de

Leia mais

DL 258/2009 de 25 de Setembro e DL 123/2009 de 21 de Maio. Mário de Freitas

DL 258/2009 de 25 de Setembro e DL 123/2009 de 21 de Maio. Mário de Freitas DL 258/2009 de 25 de Setembro e DL 123/2009 de 21 de Maio Mário de Freitas Junho de 2010 Objectivo do DL 258/2009 de 25 de Setembro e do DL 123/2009 de 21 de Maio Desenvolvimento e promoção do investimento

Leia mais

Licenciamento de Redes Sem Estrutura Fixa Do Serviço Móvel Terrestre

Licenciamento de Redes Sem Estrutura Fixa Do Serviço Móvel Terrestre + + Área reservada à ANACOM Licenciamento de Redes Sem Estrutura Fixa Do Serviço Móvel Terrestre Serviço de Entrada Nº de Cliente Radical Comum Nº de Processo 30. 35. AH / Pedido Plage Data Nº de Documento

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E INOVAÇÃO Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice Introdução Proveito Médio de Aposento Conceitos Anexos Proveitos

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE 2009 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 4.º TRIMESTRE DE Índice 1. Evolução do número de prestadores habilitados para a prestação do Serviço de Acesso à Internet... 3 2. Número de clientes

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015

SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 SERVIÇO DE TELEVISÃO POR SUBSCRIÇÃO INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Televisão por subscrição 1.º trimestre 2015 Versão 2 / 04-06-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Assinantes do serviço

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP

LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP LICENÇA Nº ICP 01/2001-SP O Conselho de Administração do Instituto das Comunicações de Portugal (ICP), em reunião efectuada em 1 de Outubro de 2001, deliberou, ao abrigo da alínea j) do nº 1 e do nº 2,

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Parte 3 Part 3. Empresas em Actividade no Sector das Comunicações em Portugal Companies in Activity in the Communications Sector in Portugal

Parte 3 Part 3. Empresas em Actividade no Sector das Comunicações em Portugal Companies in Activity in the Communications Sector in Portugal Parte 3 Part 3 Empresas em Actividade no Sector das Comunicações em Portugal Companies in Activity in the Communications Sector in Portugal 59 2. Serviços Postais Postal Services 144 (nota: Inclui informação,

Leia mais

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL 1 - Os níveis de qualidade do serviço postal universal previstos no artigo 5º, são os seguintes: a) no Correio Normal (D+3) Definido como a percentagem

Leia mais

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes

Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes PROCURA TURÍSTICA DOS RESIDENTES 4º Trimestre 2012 02 maio de 2013 Visita a familiares e amigos e alojamento gratuito impulsionam deslocações dos residentes No 4º trimestre de 2012, os residentes efetuaram

Leia mais

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente

Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente 26 de junho de 2014 Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação Maio de 2014 Valor médio de avaliação bancária aumentou ligeiramente O valor médio de avaliação bancária 1 do total do País foi de 995 euros/m

Leia mais

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio

Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência. Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio Novo regime de acesso e exercício da actividade de prestador de serviços postais explorados em concorrência Decreto-Lei nº 150/2001, de 7 de Maio 1. Licenças Está sujeita a licença a prestação dos seguintes

Leia mais

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6%

Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% 09 de janeiro de 2012 Estatísticas do Comércio Internacional Novembro de 2011 Comércio Internacional Saídas aumentam 15,1% e Entradas diminuem 3,6% No período de setembro a novembro de 2011, as saídas

Leia mais

OPERAÇÕES DE FRETE/2011

OPERAÇÕES DE FRETE/2011 JAN (lta) 213.840 213.840 48.693,90 213.840 213.840 48.693,90 FEV 48.300 48.300 4.859,10 91.839 91.839 8.767,52 722.756 722.756 45.937,39 MAR 862.895 862.895 59.564,01 142.600 142.600 12.482,77 290.232

Leia mais

Condições SMQVU Ambientais

Condições SMQVU Ambientais Condições SMQVU Ambientais O estado do ambiente condiciona decisivamente a qualidade de vida das pessoas. No inquérito realizado à população residente no Porto, em 23, foi pedido aos entrevistados que

Leia mais

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100)

Fevereiro de 2014 INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR (IPC) MOÇAMBIQUE, (Base Dez.2010 = 100) INDICE DE PREÇOS NO CONSUMIDOR Moçambique Fevereiro de 2015 Base: Dezembro de 2010 Instituto Nacional de Estatística Índice de Preços no Consumidor Boletim Mensal Reprodução autorizada, excepto para fins

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura

ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL. Análise de Conjuntura ASSOCIAÇÃO INDU STRIAL PORTU GU ESA CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL Análise de Conjuntura Maio 2008 Indicador de Sentimento Económico O clima económico na União Europeia volta a deteriorar-se em Abril. Comparativamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

Correios, um negócio em transformação

Correios, um negócio em transformação Correios, um negócio em transformação Pedro Coelho Conferência ANACOM, Liberalização do Serviço Postal: ano um 6 de Outubro de 2011 CTT. Consigo por um futuro sustentável. O negócio postal está em declínio,

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO

DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO L 86/22 Jornal Oficial da União Europeia 26.3.2013 DECISÃO DE EXECUÇÃO DA COMISSÃO de 22 de março de 2013 que isenta certos serviços do setor postal da Hungria da aplicação da Diretiva 2004/17/CE do Parlamento

Leia mais

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas

Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas Atividade Turística Dezembro de 2012 14 de fevereiro de 2013 Residentes no estrangeiro sustentam ligeiro aumento nas dormidas As dormidas na hotelaria atingiram 1,7 milhões em dezembro 2012, mais 1,9%

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005

Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Dezembro 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 07/2006-R. Data: 30-08-2006. Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 07/2006-R Data: 30-08-2006 Assunto: REGULAMENTAÇÃO DO DECRETO-LEI N.º 83/2006, DE 3 DE MAIO O Decreto-Lei n.º 83/2006, de 3 de Maio, transpôs parcialmente

Leia mais

Decisão sobre a proposta de tarifário no âmbito do serviço postal universal, comunicada pelos CTT Correios de Portugal, S.A.

Decisão sobre a proposta de tarifário no âmbito do serviço postal universal, comunicada pelos CTT Correios de Portugal, S.A. Versão Pública Decisão sobre a proposta de tarifário no âmbito do serviço postal universal, comunicada pelos CTT Correios de Portugal, S.A. Índice 1. Introdução... 1 2. Verificação da conformidade da proposta

Leia mais

Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011

Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011 Decisão sobre a revisão do cálculo da taxa de custo de capital dos CTT Correios de Portugal, S.A. para o exercício de 2011 setembro 2012 I. Enquadramento No âmbito do quadro regulamentar associado ao sector

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP

PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT. 46/2003 CTT/PAYSHOP INTRODUÇÃO Em 26 DE Novembro de 2003, os CTT CORREIOS DE PORTUGAL, SA, notificaram à Autoridade da Concorrência,

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos Atividade Turística Janeiro de 2014 19 de março de 2014 Hotelaria com aumentos nos hóspedes, dormidas e proveitos A hotelaria registou 1,7 milhões de dormidas em janeiro de 2014, valor que corresponde

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2.º TRIMESTRE DE 2010 Serviço de Acesso à Internet 2.º Trimestre de 2010 Índice de gráficos Gráfico 1 - Evolução do número de clientes de banda larga...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014

Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 Lisboa, 3 de junho de 2014 Associação da Hotelaria de Portugal divulga dados do Tourism Monitor do primeiro trimestre de 2014 De acordo com a Associação da Hotelaria de Portugal, houve um crescimento de

Leia mais

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal

População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal 13 de Dezembro 2007 População Estrangeira em Portugal 2006 População Estrangeira em Portugal A propósito do Dia Internacional dos Migrantes (18 de Dezembro), o Instituto Nacional de Estatística apresenta

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015)

QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015) QUESTIONÁRIO ANUAL DE SERVIÇOS POSTAIS (2015) Instruções de preenchimento: - Todas as questões dos pontos 1 e 2 são de preenchimento obrigatório. Nos casos em que o preenchimento não é aplicável à empresa,

Leia mais

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL

FASE DE FORMAÇÃO INICIAL FASE DE FORMAÇÃO INICIAL Durante o ano de 2003 realizaram-se dois cursos de estágio, o 1º e 2º Curso de Estágio de 2003, os quais foram frequentados por 412 e 711 Advogados Estagiários, respectivamente.

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 6º Diploma: CIVA Artigo: 6º Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Localização das operações Sujeito passivo na Holanda onde importa bens, os quais são vendidos a consumidores finais em território nacional, através de

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Programas de Acção. Page 34

Programas de Acção. Page 34 Page 34 Programas de Acção P.1 Aplicação do novo quadro regulamentar às comunicações electrónicas Transposição do novo quadro regulamentar. Acompanhamento da implementação das novas estruturas organizacionais

Leia mais

Construção continua em queda

Construção continua em queda Construção: Obras licenciadas e concluídas 2º Trimestre de 2012 - Dados preliminares 13 de setembro de 2012 Construção continua em queda O licenciamento de obras acentuou a sua trajetória descendente,

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1

Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 Cresce o numero de desempregados sem direito ao subsidio de desemprego Pág. 1 CRESCE O DESEMPREGO E O NUMERO DE DESEMPREGADOS SEM DIREITO A SUBSIDIO DE DESEMPREGO, E CONTINUAM A SER ELIMINADOS DOS FICHEIROS

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições)

CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM. Artigo 1.º. (Âmbito e Definições) CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA ONLINE WWW.ZILIANCHOOSE.COM Artigo 1.º (Âmbito e Definições) 1 As presentes condições gerais regulam a venda, incluindo o registo e a encomenda, de produtos através da página/sítio

Leia mais

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011

Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Reunião Pública APIMEC-SP NOVEMBRO DE 2011 Maringá Armazéns Gerais Ltda. e Maringá Serviços Auxiliares de Transporte Aéreo Ltda. Porto Seco Maringá -67.000 m² de área total -7.000 m² de armazéns -760m³

Leia mais

Comércio em Números. Brasil. meses.

Comércio em Números. Brasil. meses. Belo Horizonte MG Abril de 2015 O Comércio em Números é um acompanhamento sistemático das estatísticas econômicas. Trata-se de um estudo que busca acompanhar o comportamento das variáveis de desempenho

Leia mais

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005

Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Março 2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento

Leia mais

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal

Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal Data de publicação 22.9.2008 Disponibilidade geográfica da banda larga em Portugal A disponibilidade das ofertas de banda larga depende da existência de centrais da rede telefónica pública comutada nas

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010

RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 1 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Março/2010 Em março, a Ouvidoria recebeu 2.362 manifestações, distribuídas conforme gráfico abaixo. Também foram respondidas 220 mensagens dirigidas ao Ministério por meio do

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Serviço postal universal. Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas

Serviço postal universal. Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas Serviço postal universal Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas 20 de janeiro de 2017 Sector Postal em Portugal Abril 2012: liberalização plena do sector Parte do tráfego que antes era reservado

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011

ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011 ESTATÍSTICA DO MERCADO DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO EM CABO VERDE ANO DE 2011 INDICADORES ESTATÍSTICOS DO ANO DE 2011 Índice INTRODUÇÃO... 2 1. PANORAMA GERAL SOBRE O

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016

ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 2016 ORCAMENTO PARTICIPATIVO JOVEM Alcanena 20 Critérios de Participação Artigo 1º Missão O Orçamento Participativo Jovem do Município de Alcanena é um processo de envolvimento e auscultação da população jovem

Leia mais

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.

Cork Information Bureau 2015. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015. EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor. Informação à Imprensa 28 de Agosto de 2015 EXPORTAÇÕES DE CORTIÇA CRESCEM 7,8% (1º. Semestre 2015) apcor.pt Exportações de Cortiça crescem 7,8% As exportações portuguesas de cortiça registaram, no primeiro

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015

INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET. Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 INFORMAÇÃO ESTATÍSTICA DO SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 1.º TRIMESTRE DE 2015 Serviço de Acesso à Internet 1.º Trimestre de 2015 Versão / 8-5-2015 Índice SUMÁRIO... 4 1. Número de prestadores habilitados...

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE DEZEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento DEZEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Comunicações ICP-ANACOM. Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais. Relatório Final. Maio de 2008 ADVISORY SERVICES

Comunicações ICP-ANACOM. Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais. Relatório Final. Maio de 2008 ADVISORY SERVICES Comunicações ICP-ANACOM Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Relatório Final Maio de 2008 ADVISORY SERVICES Índice 0. Sumário Executivo 4 1. Enquadramento 12 2. Objectivos e Metodologia

Leia mais

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE taxa Indicadores IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2015 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Nelson

Leia mais