Correios, um negócio em transformação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Correios, um negócio em transformação"

Transcrição

1 Correios, um negócio em transformação Pedro Coelho Conferência ANACOM, Liberalização do Serviço Postal: ano um 6 de Outubro de 2011 CTT. Consigo por um futuro sustentável.

2 O negócio postal está em declínio, num movimento estrutural recentemente agravado pela conjuntura Evolução do tráfego postal (1) Unid.: M. objectos Comunicações electrónicas (Internet, e- mail, SMS ) com elevado crescimento, em penetração e grau de utilização Mudança dos hábitos de comunicação (C2C, B2B, B2C ) com a mudança de gerações -2,2% -4,6% Redução de custos e optimização de processos por parte dos grandes expedidores ,8% -3,5% -2,5% 2,0% 0,0% -5,2% 0,9% -1,5% -5,5% -3,7% Crise económico-financeira que acelerou a substituição tecnológica e a quebra dos volumes Taxa de crescimento anual Taxa de crescimento média anual (1) Correspondências endereçadas e encomendas 2

3 Produtos Necessidades de Mercado tendo os CTT integrado uma visão mais dinâmica dos mercados para contrabalançar essa tendência Primado da procura Maior interacção dos mercados Antes... Agora... Correspondência Mensagens - Depósitos - Créditos - Seguros -... Mercado Financeiro Direct Mail - Televisão, Rádio, Imprensa - Internet, MKT Directo -... Mercado Publicitário Encomendas CEP + Logística Vale/Cobrança Certificados Transferências Sector Postal Encomendas Expressso Serviços Financeiros Postais Estações de Correio Serviços Financeiros Conveniência e Multi-serviços - Telefone - SMS - - Mercado das Comunicações Correio Normal Correio Azul Expresso Outsourcing Mercado de Transporte/ Logística - Comércio electrónico - Transporte de mercadorias - Gestão de Stocks

4 Têm sido várias as iniciativas estratégicas conduzidas ao longo dos últimos anos para garantir a criação de valor accionista 1 Promover o crescimento e manter a liderança nos negócios actuais (negócios core) Produtividade e redução de custos (sinergias operacionais e de redes, serviços partilhados ) Qualidade de serviço / percepção do cliente Portfolio alargado e rebalanceamento de preços 2 Desenvolver novas áreas de negócio 3 Gerar crescimento através da inovação CEP & Logística (B2B e B2C, e-commerce) Serviços de retalho (rede de lojas CTT) Serviços Financeiros e Payshop Telcos / MVNO (Phone-Ix) Produtos conveniência, merchandising, bilhética Gestão Documental Serviços da Administração Pública (e-gov) Internacionalização (parcerias e M&A) Liderança do físico para o electrónico (Hybrid Mail) Caixa postal electrónica (ViaCTT) Factura electrónica (B2C e B2B) Serviços de e-logistics / e-commerce Serviços de certificação electrónica Serviços de mailing room digital (mailmanager) Serviços de geo-marketing Criar valor para o accionista, através de eficiência e crescimento 4

5 sendo hoje os CTT um Grupo Empresarial com uma presença alargada em várias linhas de negócio Unid.: M.euros; Ano ,4 69,8% 17,8% 6,8% 2,5% 3,1% Correio CEP Serviços Financeiros Dados e Documentos Outros 554,5 141,4 54,0 19,9 24,6 CTT (empresa-mãe) Correspondências Direct Mail Encomendas USO Filatelia PostContacto Correio nãoendereçado CTT Expresso (Portugal) Tourline Express (Espanha) Corre (Moçambique) CTT (empresa-mãe) Serv. Financeiros Postais PayShop Pagamentos electrónicos e carregamentos telemóveis CTT Gest Mailtec Holding Printing & Finishing Correio Híbrido EAD Gestão documental Phone-ix Produtos terceiros 5

6 e com uma liderança clara do Mercado Postal em Portugal Valor do Mercado Postal em Portugal (estimativa 2010) Valor Global: Grupo CTT: 995 milhões de euros 657 milhões de Euros Quota de Mercado dos CTT: 66% Estimativas CTT 6

7 Esta estratégia tem resultado numa rendibilidade consistente nos últimos anos, comparando favoravelmente com os peers Rendimentos operacionais consolidados e rendibilidade Comparação da margem EBITDA com os peers Unid.: M.euros La Poste (BE) 18,9% Grupo CTT 11,4% Poste Italiane 11,1% Austrian Post 10,7% La Poste 9,7% Post Denmark 9,5% TNT 8,7% Correos* 7,2% Itella 6,7% ,0% 11,9% 13,8% 12,4% 11,4% DPWN Royal Mail* 4,2% 5,8% 6,0% 9,2% 11,2% 11,7% 8,6% An Post 3,9% Margem EBITDA ROIC Fonte: Relatório e Contas 2006, 2007, 2008, 2009, ,8% média dos peers Fonte: Relatórios e Contas 2010; * Dados de

8 e tem permitido proporcionar uma remuneração accionista que em 5 anos representa 214% do Capital Social Dividendos e respectivo peso no Capital Social Unid.: M.euros Dividendos 214% 36,1 173% 148% 21,3 46,5 95% 87,3 58,2 20% 24,8 Capital Social

9 De salientar também a redução gradual de efectivos e o controlo de custos, apesar da rigidez da sua estrutura Efectivo global (CTT, S.A.) (1) Custos operacionais (CTT, S.A.) Unid.: M.euros Estrutura de custos (CTT, S.A.) 2% 9% CMVMC Outros 32% FSE % Pessoal (1) Inclui efectivos do quadro e contratados a termo ,3% 94,1% 92,9% 93,1% 2010 Fonte: Relatório e Contas 2006, 2007, 2008, 2009, 2010 Em % dos rendimentos operacionais 9

10 Neste contexto, a liberalização é um desafio central que agora entrará na sua última e mais importante fase Calendário da liberalização Aspectos chave do quadro regulatório 2000 > 350g e 3,5xTBN Sustentabilidade do Serviço Universal 2003 > 100g e 3,0xTBN Âmbito do Serviço Universal Flexibilidade no pricing/tarifários 2006 > 50g e 2,5xTBN Financiamento do Serviço Universal Acesso ao mercado postal 2011 Liberalização Total Acesso à rede do prestador do Serviço Universal Importância do equilíbrio entre garantia do Serviço Universal e possibilidade de exercer uma actividade rentável e capacidade de actuação em mercado concorrencial. 10

Em busca de um Novo Portfolio de Negócios

Em busca de um Novo Portfolio de Negócios Em busca de um Novo Portfolio de Negócios - Case Study - 11 Outubro 2005 Índice Quem somos e onde estamos? Situação de Partida Que pressões enfrentamos? Desafios Quais as nossas ambições? Estratégia Que

Leia mais

Manuel Castelo-Branco

Manuel Castelo-Branco Manuel Castelo-Branco índice 1. Desafios e tendências da industria postal 2. Quem somos 3. Como nos posicionamos na era do digital 4. Visão sobre o e-commerce 5. Conclusões 2 A substituição tecnológica

Leia mais

A Experiência dos CTT

A Experiência dos CTT A Experiência dos CTT Workshop: Introdução ao SIADAP1 Direcção Geral da Política de Justiça 8 Janeiro 2008 Helena Camacho DATA 00.00.00 ÍNDICE: O Grupo CTT Processo de Planeamento Sistema de KPI Contrato

Leia mais

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Francisco de Lacerda 08 julho 2015 1

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Francisco de Lacerda 08 julho 2015 1 20 março 2015 1 SETOR POSTAL EM TRANSFORMAÇÃO, COM O CRESCIMENTO GLOBAL DA RECEITA A CONTRARIAR A QUEDA DO VOLUME DE CORREIO 429,8 m.m. Receita setor postal +3,7% Crescimento da receita 45 Operadores Postais

Leia mais

Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006

Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006 Estudo sobre o Desenvolvimento da Concorrência no Mercado Postal Português Maio Agosto de 2006 Lisboa, Setembro de 2007 Apresentação do estudo e dos autores Sumário do estudo 2006 Accenture Estudo sobre

Leia mais

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing

Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing A perspetiva do cliente - 18 de Junho de 2013 - Agenda Enquadramento Atividades em Outsourcing Caraterísticas do Modelo Prestação de

Leia mais

CTT. Consigo por um futuro sustentável.

CTT. Consigo por um futuro sustentável. Contexto CTT História/ Evolução Missão e Visão Negócios Macroestrutura, Empresas Participadas, Ciclo Operativo e Cadeia de Valor Alguns Indicadores Os serviços postais têm desempenhado ao longo dos séculos

Leia mais

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Francisco de Lacerda AESE, 21 abril 2015 1

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Francisco de Lacerda AESE, 21 abril 2015 1 20 março 2015 1 AGENDA 1 2 3 Contexto: As tendências chave no sector postal Os CTT hoje: Uma empresa privada e com excelência no desempenho Olhar para o futuro: As prioridades no contexto dos pilares estratégicos

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 28/2005 Mailtec / Equipreste 1

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 28/2005 Mailtec / Equipreste 1 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 28/2005 Mailtec / Equipreste 1 I INTRODUÇÃO 1. Em 12 de Abril de 2005, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação relativa

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO E CONTAS 2008

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO E CONTAS 2008 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE RELATÓRIO E CONTAS 2008 01 INDÍCE ÍNDICE 0 COMPROMISSO 4 Mensagem do Presidente A razão de ser deste relatório 5 1 EMPRESA SUSTENTÁVEL 9 1.1 A empresa visão e estratégia

Leia mais

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

Versão Pública. Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência Versão Pública Ccent. 76/2005 GRUPO CTT / NOVA EAD Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência 18/01/2006 Versão Pública DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA AC I Ccent. N.º

Leia mais

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Manuel Castelo-Branco, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015

Francisco de Lacerda. 20 março 2015. Manuel Castelo-Branco, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015 Francisco de Lacerda 20 março 2015, Vice-Presidente Crescer com o E-Commece, APDC, 19 maio 2015 1 AGENDA 1 2 3 Contexto: E-Commerce como tendência chave no sector postal Os CTT hoje: Um Grupo preparado

Leia mais

Relatório de. Sustentabilidade

Relatório de. Sustentabilidade 2010 Relatório de Sustentabilidade 1 Relatório de Sustentabilidade 2010 Índice Empresa sustentável Criação de valor para os stakeholders Relação com o ambiente Empresas participadas Compromissos 1.1 1.2

Leia mais

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001

Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 Portugal Telecom Resultados do 1º Semestre de 2001 13 de Setembro de 2001 Princípios Contabilísticos Internacionais Síntese do 1º Semestre de 2001 Principais Acontecimentos do 1º Semestre Forte liderança

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2008

RELATÓRIO E CONTAS 2008 CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 Contas Individuais Contas Consolidadas Pessoa Colectiva Nº 500 077 568 - Capital Social 87.325.000 Euros Matrícula Nº 1697 4ª Secção CRCL - Rua S. José,

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital V Fórum Lusófono e Mostra das Comunicações O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital Maputo, 23-24 de Abril de 2013 Luís Rego 1 QUESTÕES DE FUNDO Qual será o papel do sector

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os Resultados Consolidados do 1º semestre de 2014.

Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os Resultados Consolidados do 1º semestre de 2014. Comunicado - Lisboa, 29 de julho de 2014 Informação Privilegiada Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os Resultados Consolidados do 1º semestre de 2014. CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. SOCIEDADE

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização

28-06-2011. Onde? Como? O quê? Fórum Exportações AÇORES. - Caracterização e Potencial das Exportações Regionais - 1. Internacionalização Fórum Exportações AÇORES Caracterização e Potencial das Exportações Regionais Gualter Couto, PhD Ponta Delgada, 27 de Junho de 2011 1. Internacionalização Internacionalização: Processo Estrutura Organizacional

Leia mais

CTT Correios de Portugal, S.A. Âmbito e limite do Relatório Tem sido objectivo da empresa fazer uma cobertura de reporte progressivamente alargada das empresas do Grupo. Estas são bastante diversas entre

Leia mais

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão

egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão egovernment & ehealth 2007 O papel fundamental das tecnologias no bem estar do Cidadão 01 02 03 Indra A Nossa Visão do Sector Público A Administração ao serviço do Cidadão Página 2 Quem Quiénes somos somos

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão

Serviços Postais: Serviço Postal Universal Liberalização. Privatização. Concessão 1 2 Liberalização: Evolução do setor 3 Privatização: Caso CTT 4 Concessão: Impacto 2 1. Serviços Postais Instrumento essencial de comunicação e intercâmbio de informações Serviços de Interesse Económico

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

CTT e Mobilidade Sustentável

CTT e Mobilidade Sustentável CTT e Mobilidade Sustentável Margarida Silva Direção de Qualidade e Sustentabilidade CTT. Consigo por um futuro sustentável. Grupo CTT Correios de Portugal, SA CTT, SA - pessoa colectiva de direito privado

Leia mais

Solução de Tratamento de Documentos Contabilísticos. Apresentação de Solução

Solução de Tratamento de Documentos Contabilísticos. Apresentação de Solução Solução de Tratamento de Documentos Contabilísticos Apresentação de Solução Confidencialidade A informação contida neste documento é propriedade dos CTT e o seu conteúdo é confidencial, não podendo ser

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

EDP Soluções Comerciais. A perspectiva do Cliente. Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing

EDP Soluções Comerciais. A perspectiva do Cliente. Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing EDP Soluções Comerciais Business Transformation Outsourcing Os novos modelos de outsourcing A perspectiva do Cliente Associação Portugal Outsourcing 18 de Junho 2013 A EDP Soluções Comerciais nasceu com

Leia mais

Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os resultados consolidados do ano de 2013.

Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os resultados consolidados do ano de 2013. Comunicado - Lisboa, 12 de março de 2014 Informação Privilegiada Os CTT Correios de Portugal, S.A. informam sobre os resultados consolidados do ano de 2013. CTT CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. SOCIEDADE ABERTA

Leia mais

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução

Solução de Gestão de Contraordenações - STICO. Apresentação de Solução Solução de Gestão de Contraordenações - STICO Apresentação de Solução A Oferta dos CTT Expresso e encomendas Courrier Estafetagem Logística Serviços Financeiros Produtos Poupanças Seguros Soluções Pagamentos

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem Capítulo 6 1 Telecomunicações e redes 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Identificar as principais tendências e os grandes desenvolvimentos nas empresas, nas tecnologias e nas aplicações de negócio, das telecomunicações

Leia mais

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha

Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados. Carlos Rocha Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Implementação e Consolidação da Unidade de Serviços Partilhados

Leia mais

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo

Consortia e-market da Fileira Moda. para o Mercado Externo Consortia e-market da Fileira Moda para o Mercado Externo O que é? Consórcio entre empresas da Fileira Moda e a Exponor Digital destinado a criar e explorar uma ou mais lojas online, orientada(s) para

Leia mais

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL

ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL ANEXO INDICADORES DE QUALIDADE DO SERVIÇO POSTAL UNIVERSAL 1 - Os níveis de qualidade do serviço postal universal previstos no artigo 5º, são os seguintes: a) no Correio Normal (D+3) Definido como a percentagem

Leia mais

Projecto Restaurante do Futuro - Apresentação Pública - Mário Pereira Gonçalves Presidente da Direcção da ARESP

Projecto Restaurante do Futuro - Apresentação Pública - Mário Pereira Gonçalves Presidente da Direcção da ARESP Projecto Restaurante do Futuro - Apresentação Pública - Mário Pereira Gonçalves Presidente da Direcção da ARESP PROJECTO RESTAURANTE DO FUTURO Agradecimento CCDRN Aprovação Candidatura Fomento da Inovação

Leia mais

aedição de 2001 da PME Excelência

aedição de 2001 da PME Excelência 26 PME Excelência com mais qualidade Criado com o objectivo de distinguir as PME que apresentem em cada ano os melhores desempenhos económico-financeiros e de gestão, o Estatuto PME Excelência tem associado

Leia mais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais

Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Estudo sobre o consumo empresarial de serviços postais Apresentação Junho de 2008 ADVISORY SERVICES No contexto da actividade que o ICP-ANACOM desenvolve enquanto agente regulador do sector postal surgiu

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA

A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA A INDÚSTRIA TÊXTIL E VESTUÁRIO PORTUGUESA Maio 2013 ATP Associação Têxtil e Vestuário de Portugal A ITV Portuguesa 2012 Volume de Negócios: 5.800 M * Produção: 4.910 M * Emprego: cerca de 150.000* Importações:

Leia mais

Estar mais presente para ir mais longe.

Estar mais presente para ir mais longe. Estar mais presente para ir mais longe. Os negócios, como a vida, são feitos de projetos, objetivos e desafios. Se para uma empresa, a sustentabilidade financeira é o principal objetivo, este apenas é

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Pilão Networking. Quarta-feira, 11 de Novembro de 2015 18H30

Pilão Networking. Quarta-feira, 11 de Novembro de 2015 18H30 Pilão Networking Quarta-feira, 11 de Novembro de 2015 18H30 Quem Somos Iniciou actividade em Janeiro 2012 A Ship4You é uma empresa portuguesa de multisserviços, multilingue, multicanal, particularmente

Leia mais

Introdução Sumário Executivo Objectivos. Mundo Digital

Introdução Sumário Executivo Objectivos. Mundo Digital Mundo Digital Tudo e toda a gente está online Números que nos fazem pensar 2.405.518.376 n.º de utilizadores de internet 566.4% taxa de crescimento 2010/2012 1.056.000.000 n.º de utilizadores Facebook

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2009

RELATÓRIO E CONTAS 2009 CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2009 Contas individuais Contas consolidadas Pessoa Colectiva Nº 500 077 568 - Capital Social 87.325.000 Euros Matrícula Nº 1697 4ª Secção CRCL - Rua S. José,

Leia mais

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA

ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, SA 8º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTES & NEGÓCIOS O PAPEL DO SISTEMA AEROPORTUÁRIO NAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS Outubro 2006 Preâmbulo Atendendo ao modelo económico de desenvolvimento

Leia mais

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI

PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI (1) PLANEAMENTO ESTRATÉGICO DE SI/TI Docente: Turma: T15 Grupo 5 Mestre António Cardão Pito João Curinha; Rui Pratas; Susana Rosa; Tomás Cruz Tópicos (2) Planeamento Estratégico de SI/TI Evolução dos SI

Leia mais

Relatório e Contas. Pessoa colectiva n.º 504 581 945 Capital Social 250.000,00 - Matricula n.º 7838 4ª secção CRCL Rua de S. José 20, 1166 001 Lisboa

Relatório e Contas. Pessoa colectiva n.º 504 581 945 Capital Social 250.000,00 - Matricula n.º 7838 4ª secção CRCL Rua de S. José 20, 1166 001 Lisboa Relatório e Contas 2009 Pessoa colectiva n.º 504 581 945 Capital Social 250.000,00 - Matricula n.º 7838 4ª secção CRCL Rua de S. José 20, 1166 001 Lisboa 1. SÍNTESE DO ANO A POSTCONTACTO, Correio Publicitário

Leia mais

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia

Marketing. Objectivos. Alterações ocorridas no mercado. O Marketing na Nova Economia Marketing O Marketing na Nova Economia Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Explorar a forma como a internet mudou a a utilização de bases de dados de clientes. Compreender como os marketers exercem a

Leia mais

DISCLAIMER. Aviso Legal

DISCLAIMER. Aviso Legal ANÁLISE FINANCEIRA DISCLAIMER Aviso Legal Esta apresentação inclui afirmações que não se referem a factos passados e que se referem ao futuro e que envolvem riscos e incertezas que podem levar a que os

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

AICEP Crescer com e Commerce. CTT Correios de Portugal Francisco de Lacerda

AICEP Crescer com e Commerce. CTT Correios de Portugal Francisco de Lacerda AICEP Crescer com e Commerce CTT Correios de Portugal Francisco de Lacerda AGENDA Digitalização / e-commerce: como peça central na estratégia dos CTT Deep-Dive: O Potencial do e-commerce em Portugal Como?:

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI APDSI Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Um Caminho

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011

Índice. QLD_MN_ManualQualidade_03_Pt; Data: 17/01/2011 Manual da Qualidade 1 Índice Índice Apresentação da Empresa.. Politica da Qualidade Organograma. Âmbito da Certificação Exclusões Estrutura do SGQ. Processos.. Interligação Processos 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Leia mais

Anexo II Relatório de Sustentabilidade

Anexo II Relatório de Sustentabilidade Anexo II Relatório de Sustentabilidade 2011 348 Índice 0.0 Compromisso Mensagem do Conselho de Administração A razão de ser deste relatório 1.0 Empresa Sustentável pp. 350 1.1 A empresa visão e estratégia

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

Via Verde um exemplo Português de criatividade e inovação ao serviço do Cliente

Via Verde um exemplo Português de criatividade e inovação ao serviço do Cliente Via Verde um exemplo Português de criatividade e inovação ao serviço do Cliente IV Congresso Rodoviário Português Abril de 2006 João Pecegueiro Administrador Delegado Evolução das Adesões Via Verde Clientes

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY

ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY ILIMITADOS THE MARKETING COMPANY _ CURRICULUM Composta por uma equipa multidisciplinar, dinâmica e sólida, Sobre Nós A ilimitados - the marketing company é uma empresa de serviços na área do Marketing,

Leia mais

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid

Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística. Feira de Valladolid Seminário Internacional Cooperação Internacional e Inovação em Logística Feira de Valladolid Copyright 2011 APLOG All Rights Reserved. 1 Desde 1991 20 anos de existência É uma associação de conhecimento,

Leia mais

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004

Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 Acompanhamento e Avaliação dos Hospitais SA em 2003 / 2004 A Empresarialização dos Hospitais 28.06.2005 Índice 1. Introdução 2. Situação Económica e Financeira em 2003 e 2004 Rede SA 3. Produção Hospitalar

Leia mais

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil

Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK. Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Our innovative solutions wherever you need us. ABREU ADVOGADOS BRAZILIAN DESK Estabelecendo pontes para o futuro Portugal Brasil Abreu Advogados Brazilian Desk 2015 ABREU ADVOGADOS Quem Somos A Abreu Advogados

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

João Carvalho das Neves

João Carvalho das Neves ANÁLISE FINANCEIRA João Carvalho das Neves Professor Associado e Director do MBA - ISEG Sócio ROC Neves, Azevedo Rodrigues e Batalha, SROC 1 Análise dos fluxos de caixa 52 1 Análise dos fluxos de caixa

Leia mais

Relatório de Sustentabilidade. Cada vez mais presentes

Relatório de Sustentabilidade. Cada vez mais presentes Relatório de Sustentabilidade Cada vez mais presentes Cada vez mais sustentáveis. A sustentabilidade, mais do que um esforço diário para ir ao encontro da melhoria constante, é um compromisso para com

Leia mais

Sonae Shared Services Centers. Domingos Sequeira

Sonae Shared Services Centers. Domingos Sequeira Apresentação do Estudo: Serviços Partilhados na Administração Pública 20 de Outubro de 2010 Sala do Senado, Reitoria da Universidade Nova de Lisboa Sonae Shared Services Centers Domingos Sequeira Patrocinadores

Leia mais

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO O papel da Assistência Empresarial do IAPMEI António Cebola Sines, 11 de Dezembro de 2009 MISSÃO DO IAPMEI Promover a inovação e executar políticas de estímulo

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

CIRCULAR. Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014)

CIRCULAR. Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014) CIRCULAR N/REFª: 04/2015 DATA: 05 de Janeiro de 2015 Assunto: Publicação de Relatório sobre emprego e competências no sector do Comércio a nível Europeu (2014) Exmos. Senhores, Pelo eventual interesse,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 2012 13 MARÇO 2013 AGENDA Destaques do ano Desempenho dos negócios e consolidado Desenvolvimentos estratégicos Desafios e prioridades DESTAQUES VOLUME DE NEGÓCIOS: EBITDA RECORRENTE:

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda

NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda NORMALIZAÇÃO Comércio Electrónico e a sua Importância na Cadeia de Distribuição 14 de Dezembro 2010 Nuno Miranda The global language of business O que é ecommerce? Da perspectiva de processo de negócio,

Leia mais

Orientações estratégicas para 2011. Lisboa, 21 Outubro, 2010

Orientações estratégicas para 2011. Lisboa, 21 Outubro, 2010 Orientações estratégicas para 2011 Lisboa, 21 Outubro, 2010 O Plano de Estabilidade e Crescimento materializou um conjunto relevante de medidas, com vista a um SEE mais eficiente e transparente Maior transparência

Leia mais

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande

Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo. Auditório do Centimfe Marinha Grande Financiamento de Projectos Empresariais e Apoio ao Empreendedorismo Auditório do Centimfe Marinha Grande 02 de Março de 2005 O que é o negócio do Capital de Risco O Capital de Risco e o Crédito Bancário

Leia mais

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013

RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 COMUNICADO Ílhavo, 30 de Agosto de 2013 RESULTADOS PRIMEIRO SEMESTRE DE 2013 Destaques»» As vendas da VAA no primeiro semestre de 2013 atingiram 24,7 M ;»» O mercado nacional apresentou um crescimento

Leia mais

E-PME. Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs. Lisboa, 03 de Abril de 2009

E-PME. Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs. Lisboa, 03 de Abril de 2009 E-PME Iniciativa para a Modernização Tecnológica e Competitividade Global das PMEs Lisboa, 03 de Abril de 2009 1 Preâmbulo A economia portuguesa é cada vez mais aberta Exportações são 33% do PIB e importações

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em CONTROLADORIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 24/08/2015 Término das aulas: 14/08/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada

CONTABILIDADE FINANCEIRA II. 2ª Frequência. Responda a cada grupo em folha separada CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 8 de Janeiro de 2008 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas Sofia Pereira 2ª Frequência Responda a cada grupo em folha separada A Ibersol tem como

Leia mais

Mestrado em CoMérCio internacional

Mestrado em CoMérCio internacional Mestrado em Comércio FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto Europeu de

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Relatório & Contas. Um futuro presente.

Relatório & Contas. Um futuro presente. Relatório & Contas Um futuro presente. Um futuro presente. Os CTT são uma empresa de futuro. Desde sempre que a sua visão está um passo à frente. Procuram acompanhar a evolução dos tempos criando um leque

Leia mais

Eng.º João Melo ( CTT - Correios )

Eng.º João Melo ( CTT - Correios ) e justiça O que o sector da justiça em Portugal tem a ganhar com o desenvolvimento da SI 12 e 13 de Janeiro de 2004 Fundação Calouste Gulbenkian Eng.º João Melo ( CTT - Correios ) Patrocínio COMUNICAÇÕES

Leia mais

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto:

Exemplos de Inovação. Inovações de produto: Exemplos de inovações de produto: Exemplos de Inovação Neste documento apresenta-se uma descrição dos vários tipos de inovação e respectivos exemplos para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com a introdução de inovações.

Leia mais

Mestrado em MarKetING digital

Mestrado em MarKetING digital Mestrado EM MARKETING DIGITAL FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA Instituto Europeu

Leia mais

CTT Correios de Portugal, S.A.

CTT Correios de Portugal, S.A. 1º Semestre de 2014 CTT Correios de Portugal, S.A. Sociedade Aberta Avenida D. João II, n.º 13, 1999-001 Lisboa Número de matrícula na C.R.C. de Lisboa e de pessoa coletiva 500 077 568 Capital social EUR

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo

GESTÃO FINANCEIRA. Objectivo GESTÃO FINANCEIRA MÓDULO V Objectivo Análise do Risco Operacional e Financeiro Grau de Alavanca Operacional Grau de Alavanca Financeiro Grau de Alavanca Combinado O Efeito Alavanca Financeiro RISCO E ANÁLISE

Leia mais

AUDIOVISUAL EM PORTUGAL

AUDIOVISUAL EM PORTUGAL AUDIOVISUAL EM PORTUGAL O Peso Económico do Sector Manuel Duque 11-10-2013 1 Com esta apresentação pretende-se: Analisar o comportamento económico do mercado nos últimos anos; Sensibilizar os presentes

Leia mais

CTT. Consigo por um futuro sustentável.

CTT. Consigo por um futuro sustentável. CTT. Consigo por um futuro sustentável. Boas práticas no fornecimento de serviços/produtos CTT. Consigo por um futuro sustentável. CTT. Consigo por um futuro sustentável. Porquê e para quê? CTT. Consigo

Leia mais

1. Resultados do Exercício

1. Resultados do Exercício PARAREDE, SGPS, SA Sociedade Aberta Sede Social: Av. José Malhoa nº 21, 1070157 Lisboa Pessoa Colectiva nº 503.541.320 Capital Social de 125.087.500 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais