Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Sistemas de Informação Sistemas Operacionais

2 GERÊNCIA DE MEMÓRIA VIRTUAL SUMÁRIO 6 GERÊNCIA DE MEMÓRIA VIRTUAL: 61 Introdução; 62 Espaço de Endereçamento Virtual; 63 Mapeamento; 64 Memória Virtual por Paginação; 65 Memória Virtual por Segmentação; 66 Memória Virtual por Segmentação com Paginação; 67 Swapping em Memória Virtual; 68 Thrashing

3 61 Introdução Memória virtual é uma técnica sofisticada de gerência de memória, onde as memórias principal e secundária são combinadas dando ao usuário a ilusão de existir uma memória muito maior que a memória principal O conceito de memória virtual fundamenta-se em não vincular o endereçamento feito pelo programa com os endereços físicos da memória principal Outra vantagem da técnica de memória virtual é permitir um número maior de processos compartilhando a memória principal Existe um forte relacionamento entre a gerência da memória virtual e a arquitetura de hardware do sistema computacional

4 62 Espaço de Endereçamento Virtual Endereço Físico VET [1] VET [2] VET [3] VET [4] VET [5] VET [100]

5 62 Espaço de Endereçamento Virtual A memória virtual utiliza abstração semelhante, só que em relação aos endereços dos programas e dados Um programa no ambiente de memória virtual não faz referência a endereços físicos de memória (endereços reais), mas apenas a endereços virtuais

6 62 Espaço de Endereçamento Virtual Espaço de endereçamento virtual Endereço virtual 0 Endereço virtual 1 Endereço virtual 2 Endereço virtual 3 Endereço virtual 4 Endereço virtual 5 Endereço virtual V Espaço de endereçamento real Endereço real 0 Endereço real 1 Endereço real 2 Endereço real 3 Endereço real R

7 62 Espaço de Endereçamento Virtual Memória Virtual Memória Principal Memória Secundária

8 63 Mapeamento No momento da execução de uma instrução, o endereço virtual referenciado é traduzido para um endereço físico, pois o processador manipula apenas posições da memória principal O mecanismo de tradução do endereço virtual para o endereço físico é chamado de mapeamento

9 63 Mapeamento Memória Virtual Memória Principal Mapeamento

10 63 Mapeamento Nos sistemas modernos, a tarefa de tradução de endereços virtuais é realizada por hardware juntamente com o sistema operacional, de forma a não comprometer seu desempenho O dispositivo de hardware responsável por essa tradução é conhecido como Unidade de Gerência de Memória (Memory Management Unit - MMU) Depois de traduzido, o endereço real pode ser utilizado pelo processador para acesso à memória principal

11 63 Mapeamento Espaço de endereçamento virtual de A Endereço virtual 1 Tabela de mapeamento de A Memória Principal Processo A Espaço de endereçamento virtual de B Endereço virtual 1 Tabela de mapeamento de B Processo B

12 63 Mapeamento

13 64 Memória Virtual por Paginação É a técnica de gerência de memória em que o espaço de endereçamento virtual e o espaço de endereçamento real são divididos em blocos de mesmo tamanho chamados páginas A definição do tamanho da página é um fator importante no projeto de sistemas que implementam memória virtual por paginação O tamanho da página está associado à arquitetura do hardware e varia de acordo com o processador, mas normalmente está entre 512 e 16MB

14 64 Memória Virtual por Paginação As páginas no espaço virtual são denominadas páginas virtuais, enquanto as páginas no espaço real são chamadas páginas reais ou frames Todo o mapeamento de endereço virtual em real é realizado através de tabelas de páginas Cada processo possui sua própria tabela de páginas, e cada página virtual do processo possui uma entrada na tabela de páginas (ETP)

15 64 Memória Virtual por Paginação Memória Virtual Página virtual 0 Memória Principal Página real 0 Página virtual 1 Página virtual 2 Tabela de páginas Página real 1 ETP Página real R Memória Secundária Página virtual V

16 64 Memória Virtual por Paginação Página virtual Deslocamento Nessa técnica, o endereço virtual é formado pelo número da página virtual (NPV) e por um deslocamento NPV Endereço virtual Desloc O endereço físico é obtido, então, combinando-se o endereço do frame, localizado na tabela de páginas, com o deslocamento contido no endereço virtual ETP Tabela de páginas End do frame Além da informação sobre a localização da página virtual, a ETP possui outras informações, como o bit de validade (valid bit): 0 a PV não está na memória principal; 1 a página está localizada na memória End do frame Desloc Frame Deslocamento Endereço físico

17 Page fault 64 Memória Virtual por Paginação Endereço virtual Memória Principal Tabela de páginas Bit de validade 0 Page in Memória secundária Tabela de páginas Memória Principal Bit de validade 1 Memória secundária

18 64 Memória Virtual por Paginação O número de page faults (falhas de página) gerados por cada processo em um determinado intervalo de tempo é definido como taxa de paginação do processo O overhead (considerado qualquer processamento ou armazenamento em excesso, seja de tempo de computação, de memória, de largura de banda ou qualquer outro recurso que seja requerido para ser utilizado ou gasto para executar uma determinada tarefa) gerado pelo mecanismo de paginação é inerente à gerência de memória virtual Quando um processo referencia um endereço e ocorre um page fault, o processo em questão passa do estado de execução para o estado de espera, até que a página seja transferida do disco para a memória principal

19

20

21 641 Políticas de Busca de Páginas A política de busca de páginas determina quando uma página deve ser carregada para a memória Basicamente, existem duas estratégias: Paginação por demanda (demand paging): as páginas dos processos são transferidas da memória secundária para a principal apenas quando são referenciadas; Paginação antecipada (antecipatory paging): o sistema carrega para a memória principal, além da página referenciada, outras páginas que podem ou não ser necessárias ao processo ao longo do seu processamento Pode ser empregada no momento da criação de um processo ou na ocorrência de um page fault

22 642 Políticas de Alocação de Páginas A política de alocação de páginas determina quantos frames cada processo pode manter na memória principal São, basicamente, duas alternativas: Alocação fixa: cada processo tem um número máximo de frames que pode ser utilizado durante a execução do programa Caso o número de páginas reais seja insuficiente, uma página deve ser descartada para que uma nova seja carregada; Alocação variável: o número máximo de páginas alocadas ao processo pode variar durante sua execução em função de sua taxa de paginação e da ocupação da memória principal

23 643 Políticas de Substituição de Páginas Quando um processo atinge o seu limite de alocação de frames e necessita alocar novas páginas na memória principal, o SO deve selecionar, dentre as diversas páginas alocadas, qual deverá ser liberada Qualquer estratégia de substituição de páginas deve considerar se uma página foi ou não modificada antes de liberá-la O sistema operacional consegue identificar as páginas modificadas através de um bit que existe em cada ETP, chamado bit de modificação (modify bit) A política de substituição de páginas pode ser classificada conforme seu escopo, ou seja, dentre os processos residentes na memória principal quais são os candidatos a ter páginas realocadas

24 643 Políticas de Substituição de Páginas Memória Principal Arquivo de paginação Page out Page in

25 643 Políticas de Substituição de Páginas Em função desse escopo, a política poder ser definida como: Política de substituição local: apenas as páginas do processo que gerou o page fault são candidatas a realocação; Política de substituição global: todas as páginas alocadas na memória principal são candidatas à substituição, independente do processo que gerou o page fault Algumas páginas, como as do núcleo do sistema, são marcadas como bloqueadas e não podem ser realocadas Existe uma relação entre o escopo da política de substituição e a política de alocação de páginas

26 644 Working Set Como cada processo possui na memória principal apenas algumas páginas alocadas, o sistema deve manter um conjunto mínimo de frames buscando uma baixa taxa de paginação Ao mesmo tempo, o SO deve impedir que os processos tenham um número excessivo de páginas na memória O conceito de working set (criação de trabalho) surgiu como objetivo de reduzir o problema do thrashing e está relacionado ao princípio da localidade: Espacial: tendência a novas referências a endereços próximos de uma posição de memória referenciada; Temporal: tendência que uma mesma posição seja novamente referenciada em um curto intervalo de tempo

27 644 Working Set O princípio da localidade significa, na prática, que o processador tenderá a concentrar suas referências a um conjunto de páginas do processo durante um determinado período de tempo Página 0 Inicialização Página 1 WHILE () DO BEGIN Página 2 Página 3 END; Página 4 Imprime resultados

28 644 Working Set A partir da observação do princípio da localidade, Peter Denning formulou o modelo de working set, que é definido como o conjunto de páginas referenciadas por um processo durante um determinado intervalo de tempo Janela do working set ( t) P2 P3 P2 P8 t 1 t 2 W(t, t) 2 tempo

29 644 Working Set Tamanho do working set: P2 P3 P4 P5 P2 P5 P5 P5 P5 P6 t 1 t 2 t 3 tempo t a t b

30 644 Working Set O intervalo de tempo Δt é denominado janela do working set O número de páginas distintas referenciadas é conhecido como tamanho do working set O working set refletirá a localidade do programa, reduzindo a taxa de paginação e evitando, consequentemente o thrashing Considerando que a localidade de um programa varia ao longo da sua execução, o tamanho do working set também varia, ou seja, o seu limite de páginas reais deve acompanhar essa variação

31 644 Working Set Para implementar esse modelo, o SO deve garantir que o working set de cada processo permaneça na memória principal, determinando quais páginas devem ser mantidas e retiradas em função da última janela de tempo Em função disso, o modelo de working set deve ser implementado somente em sistemas que utilizam a política de alocação de páginas variável, onde o limite de páginas reais não é fixo Uma maneira de implementar o modelo de working set é analisar a taxa de paginação de cada processo, conhecida como estratégia de frequência de page fault

32 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Os algoritmos de substituição de páginas têm o objetivo de selecionar os frames que tenham as menores chances de serem referenciados em um futuro próximo A melhor estratégia de substituição de páginas seria aquela que escolhesse um frame que não fosse mais utilizado no futuro ou levasse mais tempo para ser referenciado novamente A seguir, analisaremos os principais algoritmos existentes para a substituição de páginas

33 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Ótimo; Aleatório; Relógio; LFU (Least-Frequently-Used); LRU (Least-Recently-Used); NRU (Not-Recently-Used)

34 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Ótimo: O melhor algoritmo de troca de páginas é fácil de descrever, mas impossível de implementar O algoritmo opera da seguinte maneira: no momento que ocorre uma falta de página, um certo conjunto de páginas está na memória Uma dessas páginas será referenciada em muitas das próximas instruções Outras páginas não serão referenciadas antes de 10, 100 ou talvez 1000 instruções Cada página pode ser rotulada com o número de instruções que serão executadas antes que a página seja inicialmente referenciada

35 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Ótimo: O algoritmo ótimo simplesmente diz que a página com o maior rótulo deve ser removida, adiando-se o máximo possível a próxima falta de página (A exemplo das pessoas, os computadores também tendem a adiar o quanto possível a ocorrência de eventos desagradáveis)

36 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Aleatório: Escolhe uma página qualquer do working set, sem critério Qualquer página tem a mesma chance de ser escolhida Porém esse algoritmo é pouco eficiente

37 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Relógio: Lista circular com ponteiro apontando para a página mais antiga, na forma de um relógio e a seta aponta para a página mais antiga

38 645 Algoritmos de Substituição de Páginas

39 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Relógio: Quando ocorre um page fault, inspecionasse o apontador da lista; Se R = 0: Substitui a página da cabeça pela nova página

40 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Relógio: Quando ocorre um page fault, inspecionasse o apontador da lista; Se R = 0: Substitui a página da cabeça pela nova página; Avança o ponteiro em uma nova posição

41 645 Algoritmos de Substituição de Páginas Relógio: Quando ocorre um page fault, inspecionasse o apontador da lista; Se R = 1: Avançasse a cabeça em uma posição; Repetisse o processo até encontrar página com R = 0

42 645 Algoritmos de Substituição de Páginas LFU (Least-Frequently-Used): A página escolhe a menos acessada dentre todas Um contador controla o número de referências feitas a cada página e será selecionada a página com o menor contador Problema: As páginas que entraram mais recentemente no Working Set terão maior probabilidade de serem selecionadas

43 645 Algoritmos de Substituição de Páginas LRU (Least Recently Used): Página Menos Recentemente Usada Uma boa aproximação para o algoritmo ótimo é baseada em uma observação comum que as páginas muito usadas nas últimas instruções, provavelmente o serão nas próximas instruções Da mesma forma, páginas que não têm sido usadas por um longo tempo provavelmente continuarão sem uso Esta observação sugere um algoritmo realizável Na ocorrência de uma falta de página, este algoritmo irá remover as páginas menos referenciadas nas últimas instruções, pois ele parte do princípio que as páginas que foram referenciadas nas últimas instruções continuarão sendo acessadas

44 645 Algoritmos de Substituição de Páginas LRU (Least Recently Used): Embora o algoritmo LRU seja teoricamente realizável, seu custo é alto Para implementação completa do LRU, é necessário manter uma lista ligada de todas as páginas em memória, com a página mais recentemente usada no início e a menos recentemente usada no final A dificuldade é que a lista deve ser atualizada em toda referência de memória Encontrar a página na lista, removê-la de sua posição corrente, e movê-la para o início representa um esforço não desprezível

45 645 Algoritmos de Substituição de Páginas LRU (Least Recently Used):

46 645 Algoritmos de Substituição de Páginas NUR (Not Recently Used): É a página não utilizada recentemente Para permitir que o sistema operacional colete estatísticas sobre quais páginas estão sendo usadas e quais não estão, muitos computadores com memória virtual têm 2 bits associados a cada página Um bit, R ou bit de referência, é ativado pelo hardware sempre que a página a ele associada for referenciada O outro bit, M ou bit de modificação, é ativado pelo hardware quando uma página é escrita É importante que estes bits sejam atualizados em qualquer referência de memória, assim, é essencial que eles sejam ativados pelo hardware Uma vez que um bit for ativado, ele permanece ativado até que o sistema operacional o desative (por software)

47 645 Algoritmos de Substituição de Páginas NUR (Not Recently Used): Os bits R e M podem ser usados para construir um algoritmo de paginação simples como se segue Quando um processo é iniciado, ambos os bits de página para todas estas páginas são declarados 0 pelo sistema operacional Periodicamente (ie a cada interrupção de tempo), o bit R é zerado, para distinguir páginas que não foram referenciadas recentemente daquelas que tenham sido

48 645 Algoritmos de Substituição de Páginas NUR (Not Recently Used): Quando uma falta de página ocorre, o sistema operacional examina todas as páginas e as classifica em 4 categorias baseado nos valores correntes de seus bits R e M: Classe 0: não referenciada, não modificada Classe 1: não referenciada, modificada Classe 2: referenciada, não modificada Classe 3: referenciada, modificada

49 645 Algoritmos de Substituição de Páginas FIFO (First-In-First-Out); saída entrada Página mais antiga Página mais recente

50 645 Algoritmos de Substituição de Páginas FIFO com buffer de páginas; início Lista de páginas livres fim (a) (c) (b) fim Lista de páginas alocadas início

51 645 Algoritmos de Substituição de Páginas FIFO circular (clock) BR= 1 BR= 0 P1 P1 BR= 1 BR= 0 Pn página mais antiga P2 Pn P2 BR= 0 P3 página selecionada BR= 0 P3 P5 P4 P5 P4 (a) (b)

52 646 Tamanho de Página O tamanho da página está associado à arquitetura do hardware e varia de acordo com o processador, mas normalmente está entre 512 e 16M endereços O tamanho da página tem impacto direto sobre o número de entradas na tabela de páginas e, consequentemente, no tamanho da tabela e no espaço ocupado na memória principal Com o aumento do espaço de endereçamento e da velocidade de acesso à memória principal, a tendência no projeto de SOs com memória virtual por paginação é a adoção de páginas maiores, apesar dos problemas citados

53 646 Tamanho de Página Fragmentação interna: Página 0 PROGRAM Frag; VAR Página 1 PROCEDURE A; Página 2 END; Página 3 BEGIN Página 4 END Fragmentação

54 647 Paginação em Múltiplos Níveis Em sistemas que implementam apenas um nível de paginação, o tamanho das tabelas de páginas pode ser um problema 0 Tabela de páginas Endereço Virtual NPV Desloc 20 bits 12 bits Mb 20 (2-1) 32 bits

55 647 Paginação em Múltiplos Níveis A ideia é que o princípio da localidade seja aplicado também às tabelas de mapeamento NPV 1 10 bits Endereço Virtual NPV 2 10 bits Desloc 12 bits Tabela diretório Tabela de páginas frame

56 647 Paginação em Múltiplos Níveis Tabela de páginas 0 frame 100 frame Tabela diretório Tabela de páginas 1 frame 4000 frame Memória Principal Tabela de páginas

57 648 Translation Lookaside Buffer Os projetistas de computadores estudam esse problema há anos e encontraram uma solução, com base na observação de que a maioria dos programas tende a trazer um grande número de referências a um mesmo pequeno conjunto de páginas virtuais Assim, somente uma reduzida parte das entradas da tabela de páginas é intensamente lida; as entradas restantes são raramente referenciadas A solução concebida foi equipar os computadores com um pequeno dispositivo em hardware para mapear os endereços virtuais para endereços físicos sem passar pela tabela de páginas Esse dispositivo, denominado Translation Lookaside Buffer ou TLB (Tabela de Tradução de Endereço) ou às vezes memória associativa

58 648 Translation Lookaside Buffer Endereço Virtual NPV Desloc Translation Lookaside Buffer (TLB) BV Tag End Físico Memória principal 1 Tabela de mapeamento BV End Físico Memória secundária

59 648 Translation Lookaside Buffer

60 649 Proteção da Memória Mecanismo de proteção: L G Endereço da página/ segmento Bits de proteção LG Descrição Sem acesso Acesso de leitura Acesso para leitura/ gravação

61 6410 Compartilhamento de Memória Espaço de endereçamento virtual de A Endereço virtual 1 Tabela de mapeamento de A Memória Principal Processo A Página Espaço de endereçamento virtual de B Endereço virtual 1 Tabela de mapeamento de B Processo B

62 65 Memória Virtual por Segmentação Para muitos problemas, ter dois ou mais espaços de endereços separados pode ser muito melhor do que ter somente um Por exemplo, um compilador tem muitas tabelas construídas em tempo de compilação, possivelmente incluindo: 1 O texto-fonte sendo salvo para impressão (em sistemas em lote); 2 A tabela de símbolos que contém os nomes e os atributos das variáveis; 3 A tabela com todas as constantes inteiras e em ponto flutuante usadas; 4 A árvore sintática, a qual contém a análise sintática do programa; 5 A pilha usada pelas chamadas de procedimentos dentro do compilador Cada uma das primeiras quatro tabelas cresce continuamente quando a compilação prossegue A última cresce e diminui de modo imprevisível durante a compilação

63 65 Memória Virtual por Segmentação Segmentação: PROGRAM Segmento; VAR A: ARRAY C: PROCEDURE X; END; FUNCTION Y; Procedimento X Programa Principal Função Y Array A END; BEGIN END Variável C

64 65 Memória Virtual por Segmentação Segmento virtual Tradução do endereço virtual: Deslocamento Endereço virtual Desloc Tabela de segmentos ETS End do segmento Desloc Segmento na memória principal Deslocamento Endereço físico

65 65 Memória Virtual por Segmentação

66 65 Memória Virtual por Segmentação

67 66 Memória Virtual por Segmentação com Paginação Técnica em que os processos são divididos logicamente em SEGMENTOS e cada SEGMENTO é dividido fisicamente em PÁGINAS Endereço Virtual é formado por: Número do segmento; Número de página dentro do segmento; Deslocamento dentro da página

68 66 Memória Virtual por Segmentação com Paginação Memória virtual por segmentação com paginação é a técnica de gerência de memória onde o espaço de endereçamento é dividido em segmentos e, por sua vez, cada segmento dividido em páginas Esse esquema de gerência de memória tem o objetivo de oferecer as vantagens tanto da técnica de paginação quanto da segmentação Nessa técnica, um endereço virtual é formado pelo número do segmento virtual (NSV), um número de página virtual (NPV) e um deslocamento Através do NSV, obtém-se uma entrada na tabela de segmentos, que contém informações da tabela de páginas do segmento O NPV identifica unicamente a página virtual que contém o endereço, funcionando como um índice na tabela de páginas

69 66 Memória Virtual por Segmentação com Paginação O deslocamento indica a posição do endereço virtual em relação ao início da página na qual se encontra O endereço físico é obtido, então, combinando-se o endereço do frame, localizado na tabela de páginas, com o deslocamento, contido no endereço virtual O sistema trata cada segmento como um conjunto de páginas de mesmo tamanho, mapeadas por uma tabela de páginas associada ao segmento Dessa forma, um segmento não precisa estar contíguo na memória principal, eliminando o problema da fragmentação externa encontrado na segmentação pura Vários sistemas importantes têm suportado segmentos paginados

70 66 Memória Virtual por Segmentação com Paginação Segmento virtual Endereço virtual Num segmento Num página Deslocamento Tabela de segmentos ETS End da tabela de páginas Tabela de páginas ETP Endereço do frame Endereço do frame Deslocamento Endereço físico

71 67 Swapping em Memória Virtual A técnica de swapping também pode ser aplicada em sistemas com memória virtual, permitindo aumentar o número de processos que compartilham a memória principal e, consequentemente, o grau de multiprogramação do sistema Quando existem novos processos para serem executados e não há memória principal livre suficiente para alocação, o sistema utiliza o swapping, selecionando um ou mais processos para saírem da memória e oferecer espaço para novos processos Depois de escolhidos, o sistema retira os processos da memória principal para a memória secundária (swap out), onde as páginas ou segmentos são gravados em um arquivo de swap (swap file)

72 67 Swapping em Memória Virtual Com os processos salvos na memória secundária, os frames ou segmentos alocados são liberados para novos processos Posteriormente, os processos que foram retirados da memória devem retornar para a memória principal (swap in) para serem novamente executados

73 67 Swapping em Memória Virtual Memória Principal Processo A Processo B Processo F Processo C Processo D Swap out Processo E Memória Principal Processo C Processo A Processo F Swap in Processo B Arquivo de swapping Processo B Processo D

74 68 Thrashing Pode ser definido como sendo a excessiva transferência de páginas/segmentos entre a memória principal e a memória secundária Na memória virtual por paginação e por segmentação, o thrashing ocorre em dois níveis: no do próprio processo e no do sistema Em sistemas por paginação, no nível do processo, ocorre devido ao elevado número de page faults gerado pelo programa em execução e no sistema ocorre quando existem mais processos competindo por memória principal que espaço disponível Em sistemas por segmentação, no nível do processo, ocorre devida à modularização extrema do programa e no sistema é semelhante ao da paginação

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1 Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Capítulo 10 Gerência de Memória Virtual Cap 10 Gerência de Memória Virtual 1 Introdução Espaço de Endereçamento Virtual Mapeamento

Leia mais

Aula 09. Gerenciamento de Memória Virtual Paginação. Capítulo 10 PLT Pág. 174-214. Gerenciamento de Memória Virtual

Aula 09. Gerenciamento de Memória Virtual Paginação. Capítulo 10 PLT Pág. 174-214. Gerenciamento de Memória Virtual Aula 09 Sistemas Operacionais Prof Esp André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerenciamento de Memória Virtual Paginação Capítulo 0 PLT Pág 74-24 2

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 3ª. Lista de Exercícios

SISTEMAS OPERACIONAIS. 3ª. Lista de Exercícios SISTEMAS OPERACIONAIS INF09344 - Sistemas Operacionais / INF02780 - Sistemas Operacionais / INF02828 - Sistemas de Programação II Prof a. Roberta Lima Gomes (soufes@gmail.com) 3ª. Lista de Exercícios Data

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva

Organização e Arquitetura de Computadores. Ivan Saraiva Silva Organização e Arquitetura de Computadores Hierarquia de Memória Ivan Saraiva Silva Hierarquia de Memória A Organização de Memória em um computador é feita de forma hierárquica Registradores, Cache Memória

Leia mais

Microprocessadores. Memórias

Microprocessadores. Memórias s António M. Gonçalves Pinheiro Departamento de Física Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt Arquitectura de Microcomputador Modelo de Von Neumann Barramento de Endereços µprocessador Entrada/Saída Barramento

Leia mais

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Memória Virtual Prof Dr José Luís Zem Prof Dr Renato Kraide Soffner Prof Ms Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Espaço de Endereçamento Virtual

Leia mais

Gerência de Memória. Algoritmos de Substituição de Páginas

Gerência de Memória. Algoritmos de Substituição de Páginas Gerência de Memória Algoritmos de Substituição de Páginas Introdução Quando ocorre um Page Fault, o S.O. deve escolher que página remover para abrir espaço em memória. Se a página foi alterada (bit Modified

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores MemóriaVirtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Gerência de memória convencional Divide um programa em unidades menores Partes

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza

Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados. Prof. Hugo Souza Tópicos Avançados em Banco de Dados Dependências sobre regime e controle de objetos em Banco de Dados Prof. Hugo Souza Após vermos uma breve contextualização sobre esquemas para bases dados e aprendermos

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 1- Visão Geral de Testes de Software Aula 2 Estrutura para o Teste de Software SUMÁRIO 1. Introdução... 3 2. Vertentes

Leia mais

Memórias Cache. Memória

Memórias Cache. Memória Memórias Cache Memória Organização da cache de memória Funcionamento: CPU regs controlo da cache memória cache Memória central CPU referencia memória Se está em cache acede à cache Senão acede à memória

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro O volume de dados está crescendo sem parar Gigabytes, Petabytes, etc. Dificuldade na descoberta do conhecimento Dados disponíveis x Análise dos Dados Dados disponíveis Analisar e compreender os dados 2

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Introdução Slide 1 Nielsen C. Damasceno Introdução Tanenbaum (2007) definiu que um sistema distribuído é aquele que se apresenta aos seus usuários como um sistema centralizado, mas

Leia mais

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1 Gestão de Memória Como organizar a memória de forma a saber-se qual o espaço livre para carregar novos processos e qual o espaço ocupado por processos já em memória? Como associar endereços de variáveis

Leia mais

Tabelas Hash. Aleardo Manacero Jr.

Tabelas Hash. Aleardo Manacero Jr. Tabelas Hash Aleardo Manacero Jr. Introdução O uso de listas ou árvores para organizar informações é interessante e produz resultados bastante bons Entretanto, em nenhuma dessa estruturas se obtém o acesso

Leia mais

Emparelhamentos Bilineares Sobre Curvas

Emparelhamentos Bilineares Sobre Curvas Emparelhamentos Bilineares Sobre Curvas Eĺıpticas Leandro Aparecido Sangalli sangalli@dca.fee.unicamp.br Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP FEEC - Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação

Leia mais

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma

Aula 03. Processadores. Prof. Ricardo Palma Aula 03 Processadores Prof. Ricardo Palma Definição O processador é a parte mais fundamental para o funcionamento de um computador. Processadores são circuitos digitais que realizam operações como: cópia

Leia mais

Aula 10: Escalonamento da CPU

Aula 10: Escalonamento da CPU Aula 10: Escalonamento da CPU O escalonamento da CPU é a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A partir da redistribuição da CPU entre processos, o sistema operacional pode tornar o computador

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/06/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores

Sistemas Operacionais. Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Sistemas Operacionais Sincronização: Semáforos Problema dos Leitores/Escritores Autoria Autores Eduardo André Mallmann 0905/96-9 João Paulo Reginatto 1530/96-0 Local Instituto de Informática UFRGS disciplina:

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Tipos de Sistemas Operacionais De Sistemas Embarcados (PalmOS,WinCE,WinXPEmbbeded,Linux) Hardware simples, especifico

Leia mais

Modelo Lógico: Tabelas, Chaves Primárias e Estrangeiras

Modelo Lógico: Tabelas, Chaves Primárias e Estrangeiras Modelo Lógico: Tabelas, Chaves Primárias e Estrangeiras Apresentar a próxima etapa da modelagem de dados: o modelo lógico e os conceitos de tabelas, chaves primárias e estrangeiras e como o banco de dados

Leia mais

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas

,QVWDODomR. Dê um duplo clique para abrir o Meu Computador. Dê um duplo clique para abrir o Painel de Controle. Para Adicionar ou Remover programas ,QVWDODomR 5HTXLVLWRV0tQLPRV Para a instalação do software 0RQLWXV, é necessário: - Processador 333 MHz ou superior (700 MHz Recomendado); - 128 MB ou mais de Memória RAM; - 150 MB de espaço disponível

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva

ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Professor: Clayton Rodrigues da Siva ARQUITETURA DE COMPUTADORES Professor: Clayton Rodrigues da Siva OBJETIVO DA AULA Objetivo: Conhecer a estrutura da arquitetura da Máquina de Von Neumann. Saber quais as funcionalidades de cada componente

Leia mais

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores

Processamento de Dados aplicado à Geociências. AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores 1 Processamento de Dados aplicado à Geociências AULA 1: Introdução à Arquitetura de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

MÓDULO 2 Topologias de Redes

MÓDULO 2 Topologias de Redes MÓDULO 2 Topologias de Redes As redes de computadores de modo geral estão presentes em nosso dia adia, estamos tão acostumados a utilizá las que não nos damos conta da sofisticação e complexidade da estrutura,

Leia mais

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos

Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Roteiro 12: Gerenciando Compartilhamentos Objetivos: Ativar e gerenciar compartilhamentos locais e remotos; Ativar e gerenciar o sistema de arquivos distribuídos (DFs); Gerenciar compartilhamentos ocultos;

Leia mais

Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa

Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa Classificação de Ativo Orçamento e Provisão de Despesa Produto : Microsiga Protheus Ativo Fixo versão 11 Requisito : 154.03 Data da publicação : 28/02/13 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Esta

Leia mais

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens

Roteiro... Sistemas Distribuídos Aula 4. Troca de mensagens. Comunicação entre processos. Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Roteiro... Conceitos de SD, vantagens e desvantagens Infra-estrutura de um SD Considerações de projeto Sistemas Distribuídos Aula 4 Karine de Pinho Peralta Modelos de Comunicação - comunicação entre processos

Leia mais

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios

Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios Comandos de Eletropneumática Exercícios Comentados para Elaboração, Montagem e Ensaios O Método Intuitivo de elaboração de circuitos: As técnicas de elaboração de circuitos eletropneumáticos fazem parte

Leia mais

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves

Modelo Entidade Relacionamento (MER) Professor : Esp. Hiarly Alves Tópicos Apresentação Entidade, Atributo e Relacionamento Cardinalidade Representação simbólica Generalizações / Especializações Agregações Apresentação O Modelo Entidade-Relacionamento tem o objetivo de

Leia mais

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Arquitetura de von Neumann

Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores. Arquitetura de von Neumann Notas de Aula Guilherme Sipahi Arquitetura de Computadores Burks, Goldstine e von Neumann (1946): Arquitetura de von Neumann Concluído em 1952 - IAS (Institute for Advanced Studies) Computer Na proposta

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 02: Organização e Arquitetura de Computadores / Lógica Digital (Parte I) O conteúdo deste documento tem por objetivo

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I AULA 09 Estruturas de Interconexão (Barramentos) II Existem algumas questões relacionadas ao desempenho do sistema e os barramentos que merecem ser destacadas. 1. a quantidade de dispositivos conectados

Leia mais

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br

Banco de Dados I. Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Banco de Dados I Prof. Edson Thizon ethizon@bol.com.br Conceitos Dados Fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado implícito Banco de dados (BD) Conjunto de dados interrelacionados

Leia mais

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados

LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS. Estrutura de Dados LISTAS ENCADEADAS OU NÃO- SEQÜENCIAIS Listas Lineares Como visto anteriormente, as operações básicas para o nosso TAD Lista Linear são: FLVazia Vazia Retira Insere Imprime A implementação através de arrays

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática : ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Um conjunto estruturado

Leia mais

Conceitos básicos sobre computadores

Conceitos básicos sobre computadores SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Conceitos básicos sobre computadores Prof. Vanderlei Bonato: vbonato@icmc.usp.br Sumário O que é um computador e onde podemos encontrá-los? Divisão:

Leia mais

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 2. Definição de atividades Sequenciamento das atividades. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 2 Definição de atividades Sequenciamento das atividades 1 6.1 Definir as atividades 1 Lista das atividades A lista das atividades é uma lista abrangente que inclui todas as atividades necessárias

Leia mais

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial

Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens. Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico. Mestrado em Engenharia Aeroespacial Álgebra Linear Aplicada à Compressão de Imagens Universidade de Lisboa Instituto Superior Técnico Uma Breve Introdução Mestrado em Engenharia Aeroespacial Marília Matos Nº 80889 2014/2015 - Professor Paulo

Leia mais

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Orientações de Utilização do Sefaz Virtual Ambiente Nacional para as Empresas Versão 1.0 Fevereiro 2008 1 Sumário: 1. Introdução... 3 2. O que é o Sefaz Virtual... 4 3. Benefícios

Leia mais

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções...

10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10. CPU (Central Processor Unit)... 10 2 10.1 Conjunto das instruções... 10 2 10.2 Estrutura interna... 10 4 10.3 Formato das instruções... 10 4 10. CPU (CENTRAL PROCESSOR UNIT) Como vimos no capítulo

Leia mais

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma

Controlador de DMA. Gustavo G. Parma Controlador de DMA Gustavo G. Parma Controlador de DMA Transferência de um dado de um dispositivo I/O para a memória Iniciada pela CPU Transferência efetuada e terminada pelo controlador de DMA CPU pode

Leia mais

Capítulo 3 Gerenciamento de memória

Capítulo 3 Gerenciamento de memória Sistemas operacionais modernos Terceira edição ANDREW S. TANENBAUM Capítulo 3 Gerenciamento de memória Introdução Programas tendem a se expandir a fim de ocupar toda a memória disponível Programador deseja

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Nível de rede Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Nível de rede Aula 6 Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Enlace Físico Protocolo nível de aplicação Protocolo nível

Leia mais

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3

Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Sumário Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo TXT 3 Capítulo 2. Importação de Dados de Instituições Financeiras - Arquivo XML 12 Capítulo 1. Importação de Dados de Instituições

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante

Microcontroladores e Microprocessadores. Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Microcontroladores e Microprocessadores Conversão de Bases Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Conversão de Qualquer base para Decimal Decimal para Binário Hexadecimal para binário Componentes básicos de

Leia mais

Backup. O que é um backup?

Backup. O que é um backup? Backup O que é um backup? No capítulo sobre software conhecemos o conceito de dados, agora chegou o momento de observarmos um procedimento para preservarmos nossos dados. A este procedimento damos o nome

Leia mais

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access

CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS. Criação de Tabelas no Access CRIAÇÃO DE TABELAS NO ACCESS Criação de Tabelas no Access Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Criação de um Banco de Dados... 4 3. Criação de Tabelas... 6 4. Vinculação de tabelas...

Leia mais

Processamento Digital de Sinais. Conversão A/D e D/A. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti

Processamento Digital de Sinais. Conversão A/D e D/A. Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Processamento Digital de Sinais Conversão A/D e D/A Prof. Dr. Carlos Alberto Ynoguti Introdução A maioria dos sinais encontrados na natureza é contínua Para processá los digitalmente, devemos: Converter

Leia mais

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4

Avaliando e Compreendendo o Desempenho. Capítulo 4 Avaliando e Compreendendo o Desempenho Capítulo 4 Desempenho Mensurar, analisar e informar Fazer escolhas inteligentes Por que um hardware é melhor que outro para programas diferentes? Que fatores do desempenho

Leia mais

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases)

MDS II Aula 04. Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) MDS II Aula 04 Concepção Requisitos Diagrama de Casos de Uso (Use Cases) 55 DIAGRAMA DE CASOS DE USO BENEFÍCIOS DOS CASOS DE USO ILUSTRAR POR QUE O SISTEMA É NECESSÁRIO OS REQUISITOS DO SISTEMA SÃO COLOCADOS

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede.

Experiência 04: Comandos para testes e identificação do computador na rede. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão

Árvores. ! utilizada em muitas aplicações. ! modela uma hierarquia entre elementos. ! O conceito de árvores está diretamente ligado à recursão Árvores 1 Árvores! utilizada em muitas aplicações! modela uma hierarquia entre elementos! árvore genealógica! diagrama hierárquico de uma organização! modelagem de algoritmos! O conceito de árvores está

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Comunicação em Grupo Referência Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Seção 10.4 pág. 304-311 2 Comunicação em Grupo Suponha que se deseja um serviço de arquivos único

Leia mais

Gerenciamento de Memória Minix 3.1.7

Gerenciamento de Memória Minix 3.1.7 Gerenciamento de Memória Minix 3.1.7 Prof. Alexandre Beletti Introdução Não utiliza paginação Não faz swapping (está disponível, mas inativo) PM = gerencia processos e memória Chamadas de sistemas: Memória

Leia mais

Introdução. Aula 02. Estrutura de Dados II. UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox

Introdução. Aula 02. Estrutura de Dados II. UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox Introdução Estrutura de Dados II Aula 02 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Estrutura de Dados estuda o que? 2 A programação habilita os computadores a cumprirem imensa

Leia mais

Disponibilizada a rotina Vale Presente (LOJA830) no módulo Controle de Lojas (SIGALOJA), assim como já é utilizada no módulo Front Loja (SIGAFRT).

Disponibilizada a rotina Vale Presente (LOJA830) no módulo Controle de Lojas (SIGALOJA), assim como já é utilizada no módulo Front Loja (SIGAFRT). Vale Presente para Controle de Lojas Produto : Microsiga Protheus - Controle de Lojas - Versão 10 Chamado : TFDI16 Data da publicação : 12/07/12 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos Esta melhoria

Leia mais

Exercício. Exercício

Exercício. Exercício Exercício Exercício Aula Prática Utilizar o banco de dados ACCESS para passar o MER dos cenários apresentados anteriormente para tabelas. 1 Exercício oções básicas: ACCESS 2003 2 1 Exercício ISERIDO UMA

Leia mais

3 Metodologia de pesquisa

3 Metodologia de pesquisa 3 Metodologia de pesquisa Esta pesquisa foi concebida com o intuito de identificar como a interação entre o gerenciamento de projetos e o planejamento estratégico estava ocorrendo nas empresas do grupo

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar CATÁLOGO DE APLICAÇÕES Rateio CC Contas a Pagar Objetivo do projeto Possibilitar fazer lançamentos no Contas a Pagar, rateando por várias contas e/ou vários centros de custos. Escopo Este projeto englobará

Leia mais

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar?

2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 2 Workshop processamento de artigos em serviços de saúde Recolhimento de artigos esterilizados: é possível evitar? 3 Farm. André Cabral Contagem, 19 de Maio de 2010 Rastreabilidade É definida como a habilidade

Leia mais

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS

DISTRIBUIÇÕES ESPECIAIS DE PROBABILIDADE DISCRETAS VARIÁVEIS ALEATÓRIAS E DISTRIBUIÇÕES DE PROBABILIDADES 1 1. VARIÁVEIS ALEATÓRIAS Muitas situações cotidianas podem ser usadas como experimento que dão resultados correspondentes a algum valor, e tais situações

Leia mais

Memória. Memória Secundária

Memória. Memória Secundária Memória Memória Secundária Revisão - Memória Cache Memória rápida, porem cara e de menor capacidade Contudo, associada à memória principal, (barata e de grande capacidade), resulta num sistema: razoavelmente

Leia mais

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010

Flávia Rodrigues. Silves, 26 de Abril de 2010 Flávia Rodrigues STC5 _ Redes de Informação e Comunicação Silves, 26 de Abril de 2010 Vantagens e Desvantagens da Tecnologia Acessibilidade, quer a nível pessoal quer a nível profissional; Pode-se processar

Leia mais

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Motivos: 1 Manter a CPU ocupada o máximo de tempo para não existir gargalos na busca de dados na memória; 2 Gerenciar os espaços de endereçamento para que processos executem

Leia mais

Conceito Básicos de Programação com Objetos Distribuídos. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Conceitos de POD 1

Conceito Básicos de Programação com Objetos Distribuídos. Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Conceitos de POD 1 Conceito Básicos de Programação com Objetos Distribuídos Programação com Objetos Distribuídos (C. Geyer) Conceitos de POD 1 Autoria Autor C. Geyer Local Instituto de Informática UFRGS disciplina : Programação

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 3.1 CPU: Unidade de Processamento Central Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Unidade de Processamento Central (CPU): Memória Principal Unidade de Processamento

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE

MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE MANUAL DE INSTALAÇÃO SAT DIMEP PDV CAKE INSTALAÇÃO DO EQUIPAMENTO O procedimento de instalação do SAT (Dimep) é bastantes simples, para equipamentos Dimep basta seguir as etapas abaixo. 1. Instalação do

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. PESQUISA OPERACIONAL -PROGRAMAÇÃO LINEAR Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. ROTEIRO Esta aula tem por base o Capítulo 2 do livro de Taha (2008): Introdução O modelo de PL de duas variáveis Propriedades

Leia mais

Arquitetura de referência de Streaming sob demanda para desktop (ODDS) DELL

Arquitetura de referência de Streaming sob demanda para desktop (ODDS) DELL Arquitetura de referência de Streaming sob demanda para desktop (ODDS) DELL Um informativo técnico da Dell Dell Mohammed Khan Kailas Jawadekar ESTE INFORMATIVO É APENAS PARA FINS INFORMATIVOS E PODE CONTER

Leia mais

TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 2 PERÍODO MÓDULO 3 AVALIAÇÃO MP2 DATA 2/10/2008 ESTRUTURAS DE DADOS 2008/2

TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 2 PERÍODO MÓDULO 3 AVALIAÇÃO MP2 DATA 2/10/2008 ESTRUTURAS DE DADOS 2008/2 TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008/1 2 PERÍODO MÓDULO 3 AVALIAÇÃO MP2 DATA 2/10/2008 ESTRUTURAS DE DADOS 2008/2 Dados de identificação do Acadêmico: Nome: Login: CA: Cidade:

Leia mais

Manual de Utilização. Ao acessar o endereço www.fob.net.br chegaremos a seguinte página de entrada: Tela de Abertura do Sistema

Manual de Utilização. Ao acessar o endereço www.fob.net.br chegaremos a seguinte página de entrada: Tela de Abertura do Sistema Abaixo explicamos a utilização do sistema e qualquer dúvida ou sugestões relacionadas a operação do mesmo nos colocamos a disposição a qualquer horário através do email: informatica@fob.org.br, MSN: informatica@fob.org.br

Leia mais

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran

Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Estudo sobre a dependência espacial da dengue em Salvador no ano de 2002: Uma aplicação do Índice de Moran Camila Gomes de Souza Andrade 1 Denise Nunes Viola 2 Alexandro Teles de Oliveira 2 Florisneide

Leia mais

Esta melhoria depende de execução do update de base U_UPDFIN, conforme procedimento para implementação.

Esta melhoria depende de execução do update de base U_UPDFIN, conforme procedimento para implementação. Solicitação de Fundos Novas Funcionalidades Produto : Microsiga Protheus Financeiro versão 11 Chamado : TEIXDG Data da publicação : 01/08/12 País(es) : Argentina Banco(s) de Dados : Todos Esta melhoria

Leia mais

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1

T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 T.I. para o DealerSuite: Servidores Versão: 1.1 Lista de Figuras T.I. para o Dealer Suite: Servidores Figura 1 Tela Principal do ESXi...4 Figura 2 Tela VMware Player...5 Figura 3 Arquivo /etc/exports do

Leia mais

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Deadlocks. Sistemas Operacionais - Professor Machado Deadlocks Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Deadlock - Definição Um conjunto de processos está em situação de deadlock se todo processo pertencente ao conjunto estiver esperando por um evento

Leia mais

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael

Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael Programação Orientada a Objetos SANTOS, Rafael É parte do software, e deve atender os requisitos do usuário Controla o hardware, incluindo periféricos de entrada e saída Usa um conjunto de comandos e regras:

Leia mais

Backup. José Antônio da Cunha CEFET-RN

Backup. José Antônio da Cunha CEFET-RN José Antônio da Cunha CEFET-RN Introdução Sendo as informações o bem mais valioso da empresa e estando estas informações armazenadas nos bancos de dados da empresa, é de fundamental importância que tenhamos

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H

Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Warthog Robotics USP São Carlos www.warthog.sc.usp.br warthog@sc.usp.br Acionamento de Motores: PWM e Ponte H Por Gustavo C. Oliveira, Membro da Divisão de Controle (2014) 1 Introdução Motores são máquinas

Leia mais

Impressora Latex série 300. Garantia limitada

Impressora Latex série 300. Garantia limitada Impressora Latex série 300 Garantia limitada 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 Avisos legais As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas

Leia mais

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos)

HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS HEMOVIDA (CICLO DO SANGUE - Gerenciamento de estoque para grandes eventos) Manual do Usuário Versão 1.0 Fevereiro, 2014 Índice

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA ENG 008 Fenômenos de Transporte I A Profª Fátima Lopes Equações básicas Uma análise de qualquer problema em Mecânica dos Fluidos, necessariamente se inicia, quer diretamente ou indiretamente, com a definição das leis básicas que governam o movimento do fluido.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Questões do Provão de Fevereiro/2005 Disciplina: Sistemas Operacionais 1. Um sistema operacional é um programa que

Leia mais

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS

MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS MANUAL DO INSTALADOR XD EM AMBIENTES MICROSOFT WINDOWS Está disponível a partir da versão 2014.73 do XD Rest/Pos/Disco um novo formato no instalador em ambientes Microsoft Windows. O instalador passa a

Leia mais

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho

REITORA Ulrika Arns. VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto. DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho 2014 Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC 17/01/2014 REITORA Ulrika Arns VICE-REITOR Almir Barros da Silva Santos Neto DIRETOR DO NTIC Leonardo Bidese de Pinho COORDENADOR DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais