Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto"

Transcrição

1 Memória Virtual Prof Dr José Luís Zem Prof Dr Renato Kraide Soffner Prof Ms Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza

2 Tópicos Introdução Espaço de Endereçamento Virtual Mapeamento Paginação Segmentação Segmentação com Paginação Proteção Compartilhamento de Memória Swapping em Memória Virtual Trashing

3 Introdução Memória Virtual (virtual memory) é uma técnica bastante poderosa de gerenciamento de memória, onde as memórias principal e secundária são combinadas, oferecendo ao usuário a impressão de existir uma memória muito maior que a memória principal O conceito está baseado em desvincular o endereçamento feito pelo processo dos endereços físicos da memória principal Desta maneira, os processos e suas estruturas de dados deixam de estar limitados ao tamanho da memória física disponível

4 Introdução E n d e r e ç o F í s i c o V E T [ 1 ] V E T [ 2 ] V E T [ 3 ] V E T [ 4 ] V E T [ 5 ] V E T [ ]

5 Espaço de Endereçamento Virtual Um programa no ambiente de memória virtual não faz referência a endereços físicos de memória (endereços reais), mas apenas a endereços virtuais No momento da execução de uma instrução, o endereço virtual é traduzido para um endereço físico para poder ser atendido pela CPU O mecanismo de tradução do endereço virtual para o endereço físico é denominado mapeamento O conjunto de endereços virtuais que os processos podem endereçar é chamado espaço de endereçamento virtual Da mesma maneira, o conjunto de endereços reais é chamado de espaço de endereçamento real

6 Espaço de Endereçamento Virtual E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o v i r t u a l E n d e r e ç o v i r t u a l 0 E n d e r e ç o v i r t u a l 1 E n d e r e ç o v i r t u a l 2 E n d e r e ç o v i r t u a l 3 E n d e r e ç o v i r t u a l 4 E n d e r e ç o v i r t u a l 5 E n d e r e ç o v i r t u a l V E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o r e a l E n d e r e ç o r e a l 0 E n d e r e ç o r e a l 1 E n d e r e ç o r e a l 2 E n d e r e ç o r e a l 3 E n d e r e ç o r e a l R

7 Espaço de Endereçamento Virtual M e m ó r i a V i r t u a l M e m ó r i a P r i n c i p a l M e m ó r i a S e c u n d á r i a

8 Mapeamento Toda a estrutura do processo ou programa executado em seu contexto precisa estar no espaço de endereçamento real para poder ser referenciado pelo processador Portanto, deve existir um mecanismo que transforme endereços virtuais em endereços reais Cada processo tem o mesmo espaço de endereçamento virtual, como se possuísse memória própria O mecanismo de tradução se encarrega de manter as tabelas de mapeamento exclusivas para cada processo, relacionando os endereços virtuais do processo às suas posições na memória física

9 Mapeamento M e m ó r i a V i r t u a l M e m ó r i a P r i n c i p a l M a p e a m e n t o

10 Mapeamento E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o v i r t u a l d e A E n d e r e ç o v i r t u a l 1 T a b e l a d e m a p e a m e n t o d e A M e m ó r i a P r i n c i p a l P r o c e s s o A E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o v i r t u a l d e B E n d e r e ç o v i r t u a l 1 T a b e l a d e m a p e a m e n t o d e B P r o c e s s o B

11 Paginação É a técnica de gerência de memória onde o espaço de endereçamento virtual e o espaço de endereçamento real são divididos em blocos do mesmo tamanho, chamados páginas As páginas no espaço virtual são denominadas páginas virtuais, enquanto as páginas no espaço real são chamadas de páginas reais ou frames Todo o mapeamento é realizado em nível de página, através de tabelas de páginas Cada página virtual do processo possui uma entrada na tabela (Entrada na Tabela de Página - ETP), com informações sobre o mapeamento

12 Paginação M e m ó r i a V i r t u a l P á g i n a v i r t u a l 0 M e m ó r i a P r i n c i p a l P á g i n a r e a l 0 P á g i n a v i r t u a l 1 P á g i n a v i r t u a l 2 T a b e l a d e p á g i n a s P á g i n a r e a l 1 E T P P á g i n a r e a l R M e m ó r i a S e c u n d á r i a P á g i n a v i r t u a l V

13 Paginação Quando um programa é executado, as páginas virtuais são transferidas da memória secundária para a memória principal e colocadas em frames Sempre que o programa fizer referência a um endereço virtual, o mecanismo de mapeamento localiza, na ETP da tabela do processo, o endereço físico do frame O endereço virtual é formado pelo número da página virtual e um deslocamento dentro da página

14 Paginação P á g i n a v i r t u a l D e s l o c a m e n t o E n d e r e ç o v i r t u a l N P V D e s l o c T a b e l a d e p á g i n a s E T P E n d d o f r a m e E n d d o f r a m e D e s l o c F r a m e D e s l o c a m e n t o E n d e r e ç o f í s i c o

15 Paginação Além da informação sobre a localização da página virtual, a ETP possui outras informações Bit de validade que indica se uma página está ou não na memória física (valid bit ou residence bit) Bit de indicação se uma página sofreu alteração após ser carregada (modify bit ou dirty bit)

16 P a g e f a u l t Paginação E n d e r e ç o v i r t u a l M e m ó r i a P r i n c i p a l T a b e l a d e p á g i n a s B i t d e v a l i d a d e 0 P a g e i n M e m ó r i a s e c u n d á r i a T a b e l a d e p á g i n a s M e m ó r i a P r i n c i p a l B i t d e v a l i d a d e 1 M e m ó r i a s e c u n d á r i a

17 Paginação Paginação por Demand (Demand Paging) As páginas dos processos são transferidas da memória secundária para a principal apenas quando são referenciadas Paginação por Antecipação (Antecipatory Paging) As páginas próximas àquela referenciada também são carregadas, simulando uma previsão de quais páginas serão necessárias, trazendo-as antecipadamente para a memória

18 Paginação O problema da fragmentação também existe em sistemas pagináveis A fragmentação só é encontrada, realmente, na última página, quando o código não a ocupa por completo A maior ou menor fragmentação é conseqüência do tamanho da página

19 Paginação P á g i n a 0 P R O G R A M F r a g ; V A R P á g i n a 1 P R O C E D U R E A ; P á g i n a 2 E N D ; P á g i n a 3 B E G I N P á g i n a 4 E N D F r a g m e n t a ç ã o

20 Paginação Páginas pequenas: necessitam de tabelas de mapeamento maiores; provocam maior taxa de paginação; aumentam o número de acessos à memória secundária; geram menor fragmentação O tamanho da página varia de sistema para sistema, mas normalmente está entre 512 bytes a 4 Kbytes

21 Paginação - Working Set O conceito de Working Set surgiu a partir da análise da taxa de paginação dos processos Quando um programa iniciava sua execução, percebia-se uma elevada taxa de page faults, que se estabilizava com o decorrer de sua execução Localidade é a tendência que existe em um programa de fazer referências às posições de memória relativamente próximas

22 Paginação - Working Set P á g i n a 0 I n i c i a l i z a ç ã o P á g i n a 1 W H I L E ( ) D O B E G I N P á g i n a 2 P á g i n a 3 E N D ; P á g i n a 4 I m p r i m e r e s u l t a d o s

23 Paginação - Working Set A localidade tem um forte relacionamento com a maneira com que a aplicação foi escrita Se um programa foi desenvolvido utilizando-se as técnicas estruturadas, o conceito de localidade estará presente com certeza Working Set é o conjunto de páginas que um processo referencia constantemente, e por isso deve permanecer na memória principal Caso contrário, aumenta-se a paginação, comprometendo o desempenho

24 Paginação - Working Set O Working Set deve possuir um limite de páginas Quanto maior for o Working Set, menor será a probabilidade de ocorrerem page faults Quanto maior o Working Set, maior o consumo de memória e menor a quantidade de processos carregados na memória principal ao mesmo tempo, consequentemente, menor o grau de multiprogamação

25 Paginação - Realocação de Páginas O maior problema na gerência de memória virtual por paginação não é decidir qual página carregar para a memória, mas sim, quais páginas remover Qualquer estratégia de realocação de página deve considerar se uma página foi ou não modificada, antes de liberá-la para outro processo Possíveis alterações feitas na página quando ocupada podem ser perdidas

26 Paginação - Realocação de Páginas O sistema possui um arquivo de paginação ( page file ) onde as páginas modificadas ficam armazenadas M e m ó r i a P r i n c i p a l A r q u i v o d e p a g i n a ç ã o P a g e o u t P a g e i n

27 Paginação - Realocação de Páginas Sempre que o sistema liberar uma página, deverá gravá-la no arquivo de páginas ( page out ), preservando o seu conteúdo M e m ó r i a P r i n c i p a l A r q u i v o d e p a g i n a ç ã o P a g e o u t P a g e i n

28 Paginação - Realocação de Páginas Quando uma destas páginas alteradas for referenciada novamente, ela será recuperada do arquivo de páginas e trazida para o Working Set do processo ( page in ) M e m ó r i a P r i n c i p a l A r q u i v o d e p a g i n a ç ã o P a g e o u t P a g e i n

29 Paginação - Realocação de Páginas O sistema sabe se uma página foi alterada ou não através do bit de modificação (modify bit ou dirty bit), que existe na ETP de cada tabela de página A melhor estratégia de realocação seria aquela onde a escolha caisse sobre uma página que não fosse referenciada num futuro próximo, porém o SO têm dificuldade em prever isso Assim, algumas estratégias são adotadas pelos SOs para a realocação de páginas

30 Paginação - Realocação de Páginas Aleatória (RANDOM) Esta escolha não utiliza critério algum para a seleção Todas as páginas do working set tem as mesmas chances de serem selecionadas, inclusive páginas que são freqüentemente referenciadas Apesar de ser uma estratégia que consome poucos recursos não é tão comum

31 Paginação - Realocação de Páginas First In First Out (FIFO) A página que primeiro foi utilizada será a primeira a ser escolhida Implementação bastante simples, sendo necessário apenas uma fila onde as páginas mais antigas estão no início da fila e as mais novas no final As páginas podem ter que voltar várias vezes à fila

32 Paginação - Realocação de Páginas Least Recently Used ( LRU ) Esta estratégia seleciona a página utilizada menos recentemente, ou seja, a página que está mais tempo sem ser referenciada Gera overhead causado pela atualização em cada paragina referenciada, do momento do último acesso, além do algoritmo de busca das páginas

33 Paginação - Realocação de Páginas Not Used Recently ( NRU ) Bastante semelhante a LRU Nesta estratégia existe um flag que permite ao sistema a implementação do algoritmo O flag de referência indica quando a página foi referenciada ou não, e está associado a cada entrada na tabela de páginas Inicialmente, todas as páginas estão com flag indicando que não foram referenciadas (0) A medida que as páginas são referenciadas, o flag é modificado pelo hardware (1), depois de certo tempo é possível saber quais páginas foram referenciadas ou não

34 Paginação - Realocação de Páginas Least Frequently Used ( LFU ) Neste esquema, a página menos referenciada, ou seja, a menos freqüentemente utilizada será a página escolhida Para isso, é mantido um contador di número de referências feitas às páginas A página que contiver o contador com o menor número de referências será a página escolhida Este algoritmo privilegia páginas que são mais utilizadas Páginas que acabaram de entrar na memória podem ser escolhidas para deixar a mesma

35 Segmentação A segmentação é uma técnica de gerência de memória, onde os processos são divididos logicamente em sub-rotinas e estruturas de dados, e colocados em blocos de informações na memória Os blocos tem tamanhos diferentes e são chamados de segmentos, cada um com seu próprio espaço de endereçamento A grande diferença entre a paginação e a segmentação é que, enquanto a primeira divide a memória em partes de tamanho fixos, sem qualquer ligação com a estrutura do processo, a segmentação permite uma relação entre a lógica do processo e sua divisão na memória

36 Segmentação P R O G R A M S e g m e n t o ; V A R A : A R R A Y C : P R O C E D U R E X ; E N D ; F U N C T I O N Y ; P r o c e d i m e n t o X P r o g r a m a P r i n c i p a l F u n ç ã o Y A r r a y A E N D ; B E G E N D I N V a r i á v e l C

37 Segmentação Os segmentos são mapeados através de tabelas de mapeamento de segmentos (TMS) Os endereços são compostos pelo número do segmento e um deslocamento dentro do segmento O número do segmento identifica unicamente uma entrada na tabela de segmentos (ETS), onde estão as informações sobre o segmento na memória real

38 Segmentação S e g m e n t o v i r t u a l D e s l o c a m e n t o E n d e r e ç o v i r t u a l D e s l o c T a b e l a d e s e g m e n t o s E T S E n d d o s e g m e n t o D e s l o c S e g m e n t o n a m e m ó r i a p r i n c i p a l D e s l o c a m e n t o E n d e r e ç o f í s i c o

39 Segmentação O SO mantém uma tabela com áreas livres e ocupadas da memória Quando um novo processo é carregado para a memória, o sistema localiza um espaço livre que o acomode As estratégias para escolha da área livre podem ser as mesmas utilizadas na Alocação Particionada Dinâmica, ou seja, best fit, worst fit ou first fit O problema da fragmentação também ocorre nesse modelo Um outro problema é sua complexidade, pois o SO deve manter tabelas de segmentos que variam de acordo com o número de segmentos

40 Segmentação com paginação Sistemas que implementam a segmentação com paginação permitem a divisão lógica dos processos em segmentos e, por sua vez, cada segmento é dividido, fisicamente, em páginas

41 Segmentação com paginação S e g m e n t o v i r t u a l E n d e r e ç o v i r t u a l N u m s e g m e n t o N u m p á g i n a D e s l o c a m e n t o T a b e l a d e s e g m e n t o s E T S E n d d a t a b e l a d e p á g i n a s T a b e l a d e p á g i n a s E T P E n d e r e ç o d o f r a m e E n d e r e ç o d o f r a m e D e s l o c a m e n t o E n d e r e ç o f í s i c o

42 Proteção A proteção é necessária para impedir que um processo, ao obter acesso a uma página ou segmento do sistema, a modifique ou mesmo tenha acesso a ela Este esquema é implementado utilizando-se as entradas das tabelas de mapeamento, onde alguns bits especificam os acessos permitidos a cada uma das páginas / segmentos L G E n d e r e ç o d a p á g i n a / s e g m e n t o B i t s d e p r o t e ç ã o

43 Proteção L G A D e s c r i ç ã o S e m a c e s s o A c e s s o d e l e i t u r a c e s s o p a r a l e i t u r a / g r a v a ç ã o

44 Compartilhamento de Memória Em ambientes multiprogramáveis, é comum a utilização de códigos reentrantes E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o v i r t u a l d e A E n d e r e ç o v i r t u a l 1 T a b e l a d e m a p e a m e n t o d e A M e m ó r i a P r i n c i p a l P r o c e s s o A P á g i n a E s p a ç o d e e n d e r e ç a m e n t o v i r t u a l d e B E n d e r e ç o v i r t u a l 1 T a b e l a d e m a p e a m e n t o d e B P r o c e s s o B

45 Swapping em Memória Virtual O conceito de swapping continua válido quando aplicado à memória virtual Em sistemas que utilizam esta técnica, quando existem novos processos que devem ser processados e não existe mais memória real suficiente, o SO seleciona um ou mais processos que deverão deixar a memória para ceder espaço aos novos processos Os critérios utilizados para escolha do processo são a prioridade e o estado do processo Na prioridade, escolhe-se, dentre os processos, os de menor prioridade e no critério estado do processo escolhe-se aqueles processos que estão aguardando algum evento (bloqueados)

46 Swapping em Memória Virtual M e m ó r i a P r i n c i p a l P r o c e s s o A P r o c e s s o B P r o c e s s o F P r o c e s s o C P r o c e s s o D S w a p o u t P r o c e s s o E M e m ó r i a P r i n c i p a l P r o c e s s o C P r o c e s s o A P r o c e s s o F S w a p i n P r o c e s s o B A r q u i v o d e s w a p p i n g P r o c e s s o B P r o c e s s o D

47 Trashing Trashing pode ser definido como sendo a excessiva transferência de páginas / segmentos entre a memória principal e a memória secundária Esse problema aplica-se tanto a sistemas que implementam paginação como para aqueles que implementam a segmentação O trashing ocorre quando existem mais processos competindo por memória do que espaço disponível

48 Trashing O SO tenta administrar a memória de maneira que todos os processos sejam atendidos De qualquer maneira, se existir mais processos para serem executados do que memória disponível, a solução seria acrescentar mais memória principal

49 Memória Virtual Prof Dr José Luís Zem Prof Dr Renato Kraide Soffner Prof Ms Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores MemóriaVirtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Gerência de memória convencional Divide um programa em unidades menores Partes

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Alocação Contígua

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1 Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Capítulo 10 Gerência de Memória Virtual Cap 10 Gerência de Memória Virtual 1 Introdução Espaço de Endereçamento Virtual Mapeamento

Leia mais

Exercícios Gerência de Memória

Exercícios Gerência de Memória Exercícios Gerência de Memória 1) Considerando o uso de particionamento Buddy em um sistema com 4 GB de memória principal, responda as seguintes perguntas: a) Esboce o gráfico que representa o uso da memória

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP;

Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP; Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; Diferença de velocidade 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP; Tecnologia semelhante à da CPU e,

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Arquivos Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Copyright Carlos Ferraz Cin/UFPE Implementação do Sistema de Arquivos Sistemas de arquivos são

Leia mais

Exercícios Gerência de Memória

Exercícios Gerência de Memória Exercícios Gerência de Memória 1) Considerando o uso de particionamento Buddy em um sistema com 4 GB de memória principal, responda as seguintes perguntas: a) Esboce o gráfico que representa o uso da memória

Leia mais

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Motivos: 1 Manter a CPU ocupada o máximo de tempo para não existir gargalos na busca de dados na memória; 2 Gerenciar os espaços de endereçamento para que processos executem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Memória cache. Prof. Francisco Adelton

Memória cache. Prof. Francisco Adelton Memória cache Prof. Francisco Adelton Memória Cache Seu uso visa obter uma velocidade de acesso à memória próxima da velocidade das memórias mais rápidas e, ao mesmo tempo, disponibilizar no sistema uma

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistemas Operacionais Conteúdo retirado de: SOsim: SIMULADOR PARA O ENSINO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Luiz Paulo Maia

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Fagner do Nascimento Fonseca a, Orientador(a): Flávia Maristela S. Nascimento b a Instituto Federal da Bahia b Instituto

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Sistemas Operacionais Gerenciamento de memória Capítulos 7 Operating Systems: Internals and Design Principles W. Stallings O problema Em um ambiente multiprogramado, é necessário: subdividir a memória

Leia mais

4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos)

4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos) 4. GERÊNCIA DE PROCESSADOR (Escalonamento de processos) Para implementar o compartilhamento da CPU entre diversos processos, um sistema operacional multiprogramável deve possuir um critério para determinar,

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Introdução. Principio de Localidade. Localidade temporal: Localidade Espacial:

Introdução. Principio de Localidade. Localidade temporal: Localidade Espacial: Memória Cache Introdução Devido a grande diferença de velocidade existente entre o processador e a memória principal, foi desenvolvido um elemento intermediário que tem o propósito de minimizar o impacto

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.1 Introdução Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.1 Introdução Tipos de Sistemas Operacionais Sistemas Monoprogramáveis / Monotarefa Voltados tipicamente para a execução de um único programa.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL. Nível de Sistema Operacional. Nível de Máquina Convencional. Nível de Microprogramação

CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL. Nível de Sistema Operacional. Nível de Máquina Convencional. Nível de Microprogramação CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL 6.1 Introdução Nível que automatiza as funções do operador do sistema. Nível 3 Nível de Sistema Operacional Sistema Operacional Nível 2 Nível de Máquina Convencional

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gerência de Memória RAM em Computadores com Mais de 4GB O sistema Windows x86 (32bits) não tem capacidade de reconhecer, fisicamente, mais que 3,X GB de RAM, a não ser que seja ativado, manualmente, o

Leia mais

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Escalonamento preemptivo com prioridades dinâmicas Prioridades entre 0 e 127 0 a 49 kernel 50 a 127 usuário 32 filas de pronto Processos executando em modo

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

4) Abaixo está representado o nó_i do arquivo SO.txt em um sistema UNIX.

4) Abaixo está representado o nó_i do arquivo SO.txt em um sistema UNIX. 1) Dadas as seguintes tabelas, de Páginas e de Molduras de Páginas, dar os endereços físicos para os seguintes endereços virtuais: Tabela de Molduras Páginas 0 4k 7 0 0 4k 4k 8k X 1 4k 8k 8k 12k X 2 8k

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DEPARTAMENTO DE DE CIÊNCIAS CIÊNCIAS EXATAS EXATAS E E NATURAIS NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Arquitetura

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866

ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 1866 6.7 Operações com as Memórias: Já sabemos, conforme anteriormente citado, que é possível realizar duas operações em uma memória: Escrita (write) armazenar informações na memória; Leitura (read) recuperar

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA DO PROCESSADOR MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 08 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Gerenciamento do Processador A gerência do processador pode ser considerada a atividade

Leia mais

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Sobre a apresentação (About( the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação foi modificada

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador A partir do momento em que diversos processos podem

Leia mais

Sistema de Memórias de Computadores

Sistema de Memórias de Computadores Sistema de Memórias de Computadores Uma memória é um dispositivo que permite um computador armazenar dados temporariamente ou permanentemente. Sabemos que todos os computadores possuem memória. Mas quando

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais rquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Complementado por Sidney Lucena (Prof. UNIRIO) Capítulo 11 Sistema de rquivos 11/1 Organização de rquivos Um arquivo é constituído

Leia mais

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Ricardo Mendes do Nascimento. Ciência da Computação Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil

Leia mais

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM

CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM CAPÍTULO 7 NÍVEL DE LINGUAGEM DE MONTAGEM 71 Introdução Difere dos níveis inferiores por ser implementado por tradução A tradução é usada quando um processador está disponível para uma mensagem fonte mas

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Recursos. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou Solicitar o recurso: esperar pelo recurso, até obtê-lo.

Recursos. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou Solicitar o recurso: esperar pelo recurso, até obtê-lo. Um recurso é ou um dispositivo físico (dedicado) do hardware, ou um conjunto de informações, que deve ser exclusivamente usado. A impressora é um recurso, pois é um dispositivo dedicado, devido ao fato

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

MODELAGEM E SIMULAÇÃO

MODELAGEM E SIMULAÇÃO MODELAGEM E SIMULAÇÃO Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Terminologia Básica Utilizada em de Sistemas Terminologia Básica Uma série de termos

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções

Arquitetura de Computadores. Tipos de Instruções Arquitetura de Computadores Tipos de Instruções Tipos de instruções Instruções de movimento de dados Operações diádicas Operações monádicas Instruções de comparação e desvio condicional Instruções de chamada

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquivos

Sistemas Operacionais Arquivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Arquivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução Os arquivos são gerenciados

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Material Baseado no Livro Sistemas Operacionais Modernos 2ª. Ed. da Pearson Education 1 Agenda Deadlocks Gerenciamento de Memória 2 1 DEADLOCKS 3 Recursos Exemplos de recursos de

Leia mais

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB

Capacidade = 512 x 300 x 20000 x 2 x 5 = 30.720.000.000 30,72 GB Calculando a capacidade de disco: Capacidade = (# bytes/setor) x (méd. # setores/trilha) x (# trilhas/superfície) x (# superfícies/prato) x (# pratos/disco) Exemplo 01: 512 bytes/setor 300 setores/trilha

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado / Luiz Paulo Maia Processo Profº Antonio Carlos dos S. Souza Estrutura do Processo Contexto de Software Contexto de Hardware Programa Espaço

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Memória Paginação e Segmentação Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Slides baseados nas apresentações dos prof. Tiago Ferreto e Alexandra

Leia mais

Manutenção de Arquivos

Manutenção de Arquivos Manutenção de Arquivos Manutenção de Arquivos Algoritmos e Estruturas de Dados II Prof. Ricardo J. G. B. Campello Projetista deve considerar modificações no arquivo Adição, atualização e eliminação de

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Como utilizar o Cross-Docking Logix WMS

Como utilizar o Cross-Docking Logix WMS Como utilizar o Cross-Docking Logix WMS fevereiro/2011 Como utilizar o cross-docking WMS Logix Objetivo: Permitir o recebimento, a armazenagem e a expedição de produtos controlados sob o conceito de cross-docking.

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Manual Geral do OASIS

Manual Geral do OASIS Manual Geral do OASIS SISTEMA DE GESTÃO DE DEMANDA, PROJETO E SERVIÇO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO OASIS Introdução Esse manual tem como objetivo auxiliar aos usuários nos procedimentos de execução do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Introdução. Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/68 Roteiro Arquivos Organização de arquivos Diretórios Métodos de acesso Métodos de alocação em disco Fragmentação Tamanho de bloco Proteção de acesso 2/68 Introdução

Leia mais

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1 Gestão de Memória Como organizar a memória de forma a saber-se qual o espaço livre para carregar novos processos e qual o espaço ocupado por processos já em memória? Como associar endereços de variáveis

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

Conceitos e Gerenciamento de Memória

Conceitos e Gerenciamento de Memória Conceitos e Gerenciamento de Memória Introdução à Ciência da Computação Professor Rodrigo Mafort O que é memória? Dispositivos que permitem armazenar dados temporariamente ou definitivamente. A unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA UFSC DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA INE BACHARELADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Xen Hypervisor Glauco Neves 07132022 Guilherme Pacheco 07232063 INE 5412-0432

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 20/2015 CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO I Campus Rio Pomba Questão 01 Assumindo um registrador de 10 bits e utilizando-se de representação binária, com valores negativos representados em código de 2, os valores em representação decimal 235, -189 possuem, respectivamente,

Leia mais

Sistema de Autorização Unimed

Sistema de Autorização Unimed Diretoria de Gestão Estratégica Departamento de Tecnologia da Informação Divisão de Serviços em TI Sistema de Autorização Unimed MANUAL DO USUÁRIO DIVISÃO DE SERVIÇOS EM TI A Divisão de Serviços em TI

Leia mais

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton

Capítulo 4 Gerência do Processador. O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano. Isaac Newton Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Instituto de Engenharia de Sistemas e Tecnologias da Informação IESTI CCO 004 Sistemas Operacionais Prof. Edmilson Marmo Moreira 4.1 Introdução Capítulo 4 Gerência

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Capítulo 10 Gerência de Memória Virtual Cap 10 Gerência de Memória Virtual 1 Sumário Introdução Espaço de Endereçamento Virtual

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE PROCESSOS E DE MEMÓRIA

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE PROCESSOS E DE MEMÓRIA ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES SISTEMAS OPERACIONAIS: GERENCIAMENTO DE PROCESSOS E DE MEMÓRIA Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Lembretes Apresentar o gerenciamento de processos Compreender a

Leia mais