Capítulo 3 Gerenciamento de memória

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 3 Gerenciamento de memória"

Transcrição

1 Sistemas operacionais modernos Terceira edição ANDREW S. TANENBAUM Capítulo 3 Gerenciamento de memória

2 Introdução Programas tendem a se expandir a fim de ocupar toda a memória disponível Programador deseja memória infinitamente grande, rápida e não volátil Por questões de preço, opta-se por utilizar uma hierarquia de memória Gerenciador de memória deve gerenciá-la de modo eficiente

3 Sem abstração de memória Cada programa simplesmente considera a memória física. 3 modelos de organização: ( a ) Antigos computadores de grande porte ( b ) Sistemas embarcados ( c ) primeiros computadores pessoais com MS-DOS

4 Múltiplos programas sem abstração de memória É possível através de swapping (1 por vez) Hardware especial pode permitir mais de um Problemas de referências absolutas incorretas Solução realocação estática = carregamento lento A história se repete em sistemas embarcados e cartões inteligentes

5 Abstração de memória: espaço de endereçamento Desvantagens da exposição da memória física: Danos intencionais ou acidentais Difícil executar múltiplos programas simultaneamente Solução Espaço de endereçamento, ou seja, conjunto de endereços que um processo pode usar para endereçar a memória

6 Registrador-base e limite Utilizados em versões simples da realocação dinâmica Limitam o endereçamento de um processo Desvantagem Necessidade de executar uma adição e uma comparação e, cada referência a memória.

7 Troca de memória Quantidade de RAM p/ todos os processos > memória pode comportar Solução: Swapping Memória virtual Alocação e desalocação de processos criam buracos na memória Podem ser combinados com a compactação de memória Não usada em virtude do tempo de processamento gasto Tamanho do espaço de locação Se processo possui tamanho fixo = alocação exata Se processo possui tamanho variável = alocação extra é uma boa idéia.

8 Troca de memória

9 Troca de memória

10 Gerenciando a Memória Livre Mapa de bits Tamanho da unidade de locação é inversamente proporcional ao tamanho do mapa de bits Unidade grande = muita memória desperdiçada Simples Problema para encontrar sequência de bits livres (busca muito lenta)

11 Gerenciando a Memória Livre Lista encadeada Lista com posições de memória livre Algoritmos de busca usados: First fit (primeiro encaixe) Next fit (próximo encaixe) Best fit (melhor encaixe) Mais lento Desperdiça mais memória Worst fit (pior encaixe) Pesquisas mostram não ser uma boa idéia Todos os 4 poderiam ser + rápidos se houvessem listas separadas Quick fit (encaixe mais rápido) Mantém listas separadas p/ alguns tamanhos de memória mais solicitados.

12 Gerenciamento de memória com mapa de bits

13 Gerenciamento de memória com listas encadeadas

14 Exercícios 1. Quais são as principais dificuldades encontradas para gerenciar uma memória sem abstração? 2. Defina espaço de endereçamento 3. Diferencie os algoritmos first fit e next fit. 4. Quais as dificuldades de se trabalhar com listas de unidades de memória livres e ocupadas separadas?

15 Memória virtual - paginação Tamanho dos softwares aumenta mais rápido que o tamanho das memórias 1960 Divisão manual e sujeita a erros, de programas em módulos chamados sobreposições Espaço de endereçamento dividido em blocos (páginas) MMU Mapeia endereços virtuais em endereços físicos Transferências de páginas completas

16 Memória virtual - paginação

17 Memória virtual - paginação Bit presente/ausente X na figura Falta de página

18 Memória Virtual Tabela de páginas

19 Estrutura de uma entrada de uma tabela de páginas

20 Acelerando a paginação Problemas na implementação da paginação: O mapeamento do endereço virtual para o endereço físico deve ser rápido. Se o espaço virtual for grande, a tabela de páginas será grande.

21 Buffers para Tradução de Endereços - TLB Mapeia endereços físicos sem passar pela tabela de páginas Apenas endereços mais usados Page miss (ausência de página) Page hit (presença de página)

22 Gerenciamento da TLB por software TLB feita pelo SO e não por hardware TLB grande = eficiência da TLB por software aceitável, com MMU simples com > área no CPU p/ outros recursos Estratégias p/ melhorar o desempenho SO usa intuição para descobrir páginas usadas e antecipar carregamento. Ausência na TLB Soft miss (ausência leve) Hard miss (ausência completa)

23 Tabelas de páginas multinível Pode possuir 3, 4 ou mais níveis Mais níveis = maior flexibilidade Duvidoso se complexidade de hardware > que 3 níveis seja vantajosa.

24 Tabelas de páginas invertidas

25 Exercícios 1. O que é falta de página? 2. Qual a função da TLB? 3. Diferencie soft miss e hard miss. 4. Como funciona a tabela de páginas multinível?

26 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmos de Substituição de Páginas A falta de página força uma escolha qual página deve ser removida? alocação de espaço para a página a ser trazida para a memória A página modificada deve primeiro ser salva se não tiver sido modificada é apenas sobreposta Melhor não escolher uma página que está sendo muito usada provavelmente precisará ser trazida de volta logo

27 Algoritmo de substituição de páginas Algoritmo ótimo de substituição de página. Algoritmo de substituição de página não usado recentemente. Algoritmo de substituição de página primeiro a entrar, primeiro a sair. Algoritmo de substituição de página segunda chance. Algoritmo de substituição de página de relógio. Algoritmo de substituição de página usado menos recentemente. Algoritmo de substituição de página de conjunto de trabalho. Algoritmo de substituição de página WSClock.

28 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Páginas Ótimo Se uma página será usada após instruções, e outra após 5000, a primeira deve ser substituída numa falta de página; Problema: não há como o SO saber quando uma página será novamente acessada; E se a próxima instrução for para acessar a primeira página citada acima? Algoritmo impossível de ser implementado;

29 slide 29 O Algoritmo de Substituição de Página Não Usada Recentemente (NUR) 2009 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Cada página tem os bits Referenciada (R) e Modificada (M) Bits são colocados em 1 quando a página é referenciada e modificada As páginas são classificadas, pelo SO Classe 0: não referenciada, não modificada Classe 1: não referenciada, modificada Classe 2: referenciada, não modificada Classe 3: referenciada, modificada NUR remove página aleatoriamente da classe de ordem mais baixa que não esteja vazia

30 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. O Algoritmo de Substituição de Página Não Usada Recentemente (NUR) É melhor remover uma página modificada, mas que não foi referenciada; Algoritmo fácil de entender e implementar; Desempenho não é ótimo, mas adequado;

31 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Página Primeira a Entrar, Primeira a Sair Mantém uma lista encadeada de todas as páginas página mais antiga na cabeça da lista página que chegou por último na memória no final da lista Na ocorrência de falta de página página na cabeça da lista é removida nova página adicionada no final da lista Desvantagem página há mais tempo na memória pode ser usada com muita freqüência Raramente usado em sua configuração pura

32 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Página Segunda Chance (SC) Modificação de FIFO; Desta vez, se o bit R for 1, a página será poupada, o bit R é colocado em 0 e a página vai para o final da fila; Se não, a página será removida; Dá-se chance às páginas que estão sendo utilizadas, mesmo sendo antigas; Se todas as páginas forem referenciadas, o algoritmo degenera-se para FIFO;

33 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Página Segunda Chance (SC) Operação do algoritmo segunda chance a) lista de páginas em ordem FIFO b) estado da lista em situação de falta de página no instante 20, com o bit R da página A em 1 (números representam instantes de carregamento das páginas na memória)

34 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Página Relógio Difere-se do Segunda Chance apenas na implementação; O SC é desnecessariamente ineficaz, já que coloca constantemente no final da fila de páginas; O Relógio cria simplesmente uma lista circular; Um ponteiro aponta para a cabeça da lista;

35 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Algoritmo de Substituição de Página Relógio

36 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Menos Recentemente Usada (MRU) Aproximação do desempenho teórico do algoritmo ótimo; Assume que páginas usadas recentemente logo serão usadas novamente retira da memória página que há mais tempo não é usada Implementação por SW muito onerosa, pois tem-se que atualizar uma lista encadeada;

37 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Menos Recentemente Usada (MRU) Uma lista encadeada de páginas deve ser mantida página mais recentemente usada no início da lista, menos usada no final da lista atualização da lista à cada referência à memória Implementação por HW: Uso do algoritmo NFU (Não usada frequentemente) Contador de 64 bits, que é incrementado a cada instrução Mantem-se contador em cada entrada da tabela de página escolhe página com contador de menor valor

38 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Menos Recentemente Usada (MRU) Outra maneira em HW: Para uma máquina com n molduras, gera-se matriz de n x n, inicialmente com todos os valores 0; Sempre que a moldura k for referenciada, o HW marcará os bits da linha k com 1, e todos os bits da coluna k com 0; Retira-se a página com menor valor binário

39 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Menos Recentemente Usada (MRU) MRU usando uma matriz páginas referenciadas na ordem 0,1,2,3,2,1,0,3,2,3

40 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Simulação do MRU em Software Embora implementações anteriores sejam realizáveis, não há máquinas com o HW descrito; Usa-se o algoritmo do envelhecimento: Coloca-se o bit R no bit mais à esquerda do contador, a cada tic; Desloca-se à direita todos os bits

41 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Simulação do MRU em Software

42 Algoritmo de substituição de página do conjunto de trabalho Precisa determinar a cada instante quais páginas pertencem ao conjunto de trabalho A idéia principal é encontrar uma página que não esteja presente no conjunto de trabalho e removê-la da memória.

43 Algoritmo de substituição de página do conjunto de trabalho

44 Algoritmo de substituição de página Amplamente utilizado WSClock Mistura do algoritmo do relógio com o do conjunto de trabalho (Continua)

45 Algoritmo de substituição de página (Continuação) WSClock

46 Resumo dos algoritmos de substituição de página

47 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Exercícios 1. Porque o algoritmo ótimo de substituição de página não pode ser implementado na prática? 2. Diferencie o algoritmo de substituição de página não usado recentemente e o algoritmo de substituição de página menos usado recentemente. 3. Qual o principal problema encontrado no algoritmo de substituição de página primeiro a entrar, primeiro a sair? 4. Como funciona o algoritmo de substituição de página segunda chance? 5. Explique o funcionamento do algoritmo de substituição de página de conjunto de trabalho.

48 Política de alocação local versus global Os algoritmos de substituição de página devem remover somente páginas do processo ou qualquer uma disponível? Local (somente do processo) Ultrapaginação; ou Desperdício de memória Global (toda a memória) Deve decidir continuamente quantas molduras alocar para cada processo Mesmo tanto para todos Injusto com processo de tamanhos diferentes Proporcional ao tamanho Boa idéia Deve estabelecer tamanho mínimo Utilizar algoritmo PFF (Frequência de faltas de páginas) para controlar o tamanho do conjunto de locação.

49 Política de alocação local versus global

50 Política de alocação local versus global PFF tentará manter a frequência de paginação para cada processo em limites aceitáveis. Os algoritmos de substituição algumas vezes independe da política de alocação. FIFO, MRU, LRU Outros porém são puramente baseados na alocação local WSClock, Conjunto de trabalho slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

51 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Controle de Carga Mesmo com um bom projeto, o sistema ainda pode sofrer ultrapaginação (thrashing) Quando o algoritmo PFF indica alguns processos precisam de mais memória mas nenhum processo precisa de menos Solução: Reduzir o número de processos que competem pela memória levar alguns deles para disco e liberar a memória a eles alocada reconsiderar grau de multiprogramação

52 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tamanho de Página Tamanho de página pequeno: Vantagens menos fragmentação interna menos programa não usado na memória Desvantagens programas precisam de mais páginas tabelas de página maiores Tempo para transferência de muitas páginas pequenas é maior do que tempo para transferência de poucas páginas grandes Maior parte do tempo é gasto no posicionamento para leitura/escrita

53 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tamanho de Página Um valor típico de tamanho de página era 1 KB, mas atualmente 4 KB ou 8 KB A medida que as memórias se tornam maiores, o tamanho da página também cresce Não linearmente Quadruplicar o tamanho da memória raramente duplica o tamanho da página

54 Espaços Separados de Instruções e Dados Em um computador com esse projeto, ambos os espaços de endereçamento podem ser paginados independente um do outro

55 Páginas Compartilhadas Compartilhar páginas é eficiente Nem todas as páginas são compartilháveis Dois processos que compartilham o mesmo código de programa e, por conseqüência, a mesma tabela de páginas para instruções 55 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

56 Bibliotecas compartilhadas Reduz arquivos executáveis Economiza espaço na memória Atualização de uma biblioteca não torna necessário recompilar os programas que a chamam

57 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Política de Limpeza Precisa de um processo que executa em background, um daemon de paginação Inspeciona periodicamente o estado da memória Quando apenas algumas molduras de página estão disponíveis Seleciona páginas a serem removidas usando um algoritmo de substituição Pode ser implementada através de lista circular (relógio) com dois ponteiros Ponteiro da frente controlado pelo daemon de paginação Ponteiro de trás usado para substituição de página (como no do relógio)

58 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Exercícios 1. Cite as vantagens e desvantagens da alocação global versus alocação local. 2. A política de alocação influencia na escolha do algoritmo de escalonamento. Justifique. 3. O que é melhor: páginas grandes ou pequenas? Justifique. 4. Cite as vantagens e desvantagens do compartilhamento de páginas.

59 Tratamento da falta de página O hardware cria uma cilada para o núcleo, salvando o contador do programa na pilha. Uma rotina em código é iniciada para salvar o conteúdo dos registradores de uso geral e outras informações voláteis. O sistema operacional descobre a ocorrência de uma falta de página e tenta descobrir qual página virtual é necessária. Uma vez conhecido o endereço virtual que causou a falta da página, o sistema verifica se esse endereço é válido e se a proteção é consistente com o acesso.

60 Tratamento da falta de página Se a moldura da página selecionada estiver suja, a página é escalonada para ser transferida para o disco e será realizado um chaveamento de contexto. Quando a moldura da página estiver limpa, o sistema operacional buscará o endereço em disco onde está a página virtual solicitada e escalonará uma operação para trazê-la. Quando a interrupção de disco indicar que a página chegou na memória, as tabelas de páginas serão atualizadas para refletir sua posição, e será indicado que a moldura de página está normal.

61 Tratamento da falta de página A instrução que estava faltando é recuperada para o estado em que se encontrava quando começou, e o contador de programa é reiniciado a fim de apontar para aquela instrução. O processo em falta é escalonado, o sistema operacional retorna para a rotina, em linguagem de máquina, que o chamou. Esta rotina recarrega os registradores e outras informações de estado e retorna ao espaço de usuário para continuar a execução como se nada tivesse ocorrido.

62 Backup de instrução Mais fácil de entender do que de explicar Se a interrupção acontecer no meio de uma instrução o SO ficará perdido Necessidade de registradores especiais, ou o SO terá que se virar

63 Fixação de Páginas na Memória Memória virtual e E/S interagem ocasionalmente Processo emite chamada ao sistema para ler do disco para o buffer enquanto espera pela E/S, outro processo inicia ocorre uma falta de página buffer do primeiro processo pode ser escolhido para ser levado para disco Solução possível Fixação de páginas envolvidas com E/S na memória (processo conhecido como retenção de página)

64 Memória secundária Onde alocar as páginas retiradas da memória. Junto ao sistema de arquivos (windows) Em um disco separado (Linux) Mapeamentos Estático (espaço de swap reservado antecipadamente do mesmo tamanho que as páginas) Dinâmico (alocação e liberação de espaço quando necessário)

65 Separação da política e mecanismo Torna mais fácil gerenciar a complexidade de qualquer sistema Sistema de gerenciamento de memória é dividido em três partes: Um manipulador de MMU de baixo nível Um manipulador de falta de página que faz parte do núcleo Um paginador externo executado no espaço do usuário Vantagens: Código mais modular e flexível Desvantagens Sobrecarga em chaveamentos núcleo/usuário Sobrecarga nas trocas de mensagens

66 Separação da política e mecanismo

67 Segmentação Em alguns casos ter 2 ou mais espaços de endereçamento separados é melhor do que ter apenas 1 Exemplo: Um compilador tem muitas tabelas que são construídas conforme a compilação ocorre, possivelmente incluindo: O código-fonte sendo salvo para impressão (em sistema em lotes). A tabela de símbolos os nomes e atributos das variáveis. A tabela com todas as constantes usadas, inteiras e em ponto flutuante. A árvore sintática, a análise sintática do programa. A pilha usada pelas chamadas de rotina dentro do compilador.

68 Segmentação Em um endereçamento único, podemos chegar em uma situação onde haverá entradas livres para determinada tabela e espaço esgotado para outros.

69 Segmentação Outra possibilidade é trabalhar com segmentos independentes onde o conteúdo do segmento poderá crescer sem encontrar nada em seu espaço de endereçamento capaz de impedir seu crescimento.

70 Segmentação

71 Implementação de Segmentação Pura (a)-(d) Desenvolvimento de fragmentação externa (e) Remoção da fragmentação via compactação 71 slide Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados.

72 Exercícios 1. Explique com suas palavras o tratamento de falta de página 2. O que é retenção de página? 3. Diferencie os tipos de mapeamentos na memória secundária. 4. Qual a vantagem de existir a segmentação? 5. Na sua opinião, quem é melhor: segmentação ou paginação

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado

Memória - Gerenciamento. Sistemas Operacionais - Professor Machado Memória - Gerenciamento Sistemas Operacionais - Professor Machado 1 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache MMU (Memory Management Unit) Processador Tabela de Páginas TLB 2 Conceitos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerenciamento de Memória Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Paula Prata e nas transparências

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas

Gerenciamento de memória. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Carlos Eduardo de Carvalho Dantas Motivos: 1 Manter a CPU ocupada o máximo de tempo para não existir gargalos na busca de dados na memória; 2 Gerenciar os espaços de endereçamento para que processos executem

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores MemóriaVirtual Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Gerência de memória convencional Divide um programa em unidades menores Partes

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto

Memória Virtual. Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Memória Virtual Prof Dr José Luís Zem Prof Dr Renato Kraide Soffner Prof Ms Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Espaço de Endereçamento Virtual

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Na memória principal ficam todos os programas e os dados que serão executados pelo processador. Possui menor capacidade e custo maior. S.O buscam minimizar a ocupação da memória e otimizar sua utilização.

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB

Exercícios de revisão V2. FAT: 300 GB / 2KB = 150MB X 8 bytes (64 bits / 8) = 1.2GB Exercícios de revisão V2 1 Uma empresa que possui partições FAT em seus servidores, estava impressionada com um processo em específico na memória, onde o mesmo ocupava um espaço grande. Este servidor dedicado

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Material Baseado no Livro Sistemas Operacionais Modernos 2ª. Ed. da Pearson Education 1 Agenda Deadlocks Gerenciamento de Memória 2 1 DEADLOCKS 3 Recursos Exemplos de recursos de

Leia mais

Capítulo 4 Gestão da memoria

Capítulo 4 Gestão da memoria Capítulo 4 Gestão da memoria 4.1 Gestão básica da memoria Os sistemas de gestão de memória podem se dividir em duas classes: sistemas que durante a sua execução levam e trazem processos entre memoria principal

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani

Sistema de Arquivos. Ambientes Operacionais. Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Sistema de Arquivos Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Gerência de Arquivos É um dos serviços mais visíveis do SO. Arquivos são normalmente

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistemas Operacionais Conteúdo retirado de: SOsim: SIMULADOR PARA O ENSINO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Luiz Paulo Maia

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br)

Sistemas Operacionais Arquivos. Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Sistemas Operacionais Arquivos Carlos Ferraz (cagf@cin.ufpe.br) Jorge Cavalcanti Fonsêca (jcbf@cin.ufpe.br) Copyright Carlos Ferraz Cin/UFPE Implementação do Sistema de Arquivos Sistemas de arquivos são

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória

Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Desenvolvimento de um Simulador de Gerenciamento de Memória Ricardo Mendes do Nascimento. Ciência da Computação Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) Santo Ângelo RS Brasil

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos

Fundamentos de Sistemas Operacionais. Sistema de Arquivos. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007. Unidade 03-002 Sistemas de Arquivos Sistema de Arquivos Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2007 1 Objetivos Facilitar o acesso dos usuários ao conteúdo dos arquivos; Prover uma forma uniforme de manipulação de arquivos, independente dos

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos - II Prof. Galvez Implementação de Arquivos Arquivos são implementados através da criação, para cada arquivo no sistema, de uma estrutura de dados

Leia mais

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO

E/S PROGRAMADA E/S PROGRAMADA E/S USANDO INTERRUPÇÃO E/S PROGRAMADA QUANDO A CPU FAZ TODO O TRABALHO RELACIONADO A UMA OPERAÇÃO DE E/S, NO CASO DO PROCESSO QUERER IMPRIMIR (NA IMPRESSORA) ABCDEFGH : ESTES CARACTERES SÃO COLOCADOS EM UMA ÁREA DE MEMÓRIA DO

Leia mais

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Memória Cache. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Memória Cache Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Projeto de Memórias Cache; Tamanho; Função de Mapeamento; Política de Escrita; Tamanho da Linha; Número de Memórias Cache; Bibliografia.

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução à gestão de memória Programação de Sistemas Gestão de memória : 1/16 Introdução (1) A memória central de um computador é escassa. [1981] IBM PC lançado com 64KB na motherboard,

Leia mais

Gerência de Memória. Paginação

Gerência de Memória. Paginação Gerência de Memória Paginação Endereçamento Virtual (1) O programa usa endereços virtuais É necessário HW para traduzir cada endereço virtual em endereço físico MMU: Memory Management Unit Normalmente

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos Introdução Alocação Contígua

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL. Nível de Sistema Operacional. Nível de Máquina Convencional. Nível de Microprogramação

CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL. Nível de Sistema Operacional. Nível de Máquina Convencional. Nível de Microprogramação CAPÍTULO 6 NÍVEL DE SISTEMA OPERACIONAL 6.1 Introdução Nível que automatiza as funções do operador do sistema. Nível 3 Nível de Sistema Operacional Sistema Operacional Nível 2 Nível de Máquina Convencional

Leia mais

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1

Cap. 10 Gerência de Memória Virtual 1 Arquitetura de Sistemas Operacionais Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Capítulo 10 Gerência de Memória Virtual Cap 10 Gerência de Memória Virtual 1 Introdução Espaço de Endereçamento Virtual Mapeamento

Leia mais

Gerência do Processador

Gerência do Processador Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência do Processador Desenvolvimento web II IMPORTANTE SABER Desenvolvimento web II DEADLOCK (interbloqueio, blocagem, impasse) Situação em

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 6 Estrutura de Sistemas Operacionais Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

Gerenciamento de memória

Gerenciamento de memória Sistemas Operacionais Gerenciamento de memória Capítulos 7 Operating Systems: Internals and Design Principles W. Stallings O problema Em um ambiente multiprogramado, é necessário: subdividir a memória

Leia mais

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário

Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Front-end Análises Geração RI (representação intermediária) Código Intermediário Back-End Geração de código de máquina Sistema Operacional? Conjunto de Instruções do processador? Ambiente de Execução O

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Memórias Prof. Galvez Gonçalves

Memórias Prof. Galvez Gonçalves Arquitetura e Organização de Computadores 1 s Prof. Galvez Gonçalves Objetivo: Compreender os tipos de memória e como elas são acionadas nos sistemas computacionais modernos. INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 2.1 CONCEITO DE BIT O computador só pode identificar a informação através de sua elementar e restrita capacidade de distinguir entre dois estados: 0

Leia mais

Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP;

Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP; Diminui o gargalo existente entre processador e memória principal; Diferença de velocidade 5 a 10 vezes mais rápidas que a memória principal; Ligada diretamente à MP; Tecnologia semelhante à da CPU e,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador

Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência do Processador A partir do momento em que diversos processos podem

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 08 Processos Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais Funções: máquina virtual

Leia mais

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória

Capítulo 4 Gerenciamento de Memória Capítulo 4 Gerenciamento de Memória 4.1 Gerenciamento básico de memória 4.2 Troca de processos 4.3 Memória virtual 4.4 Algoritmos de substituição de páginas 4.5 Modelagem de algoritmos de substituição

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 4 Memória cache Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Características Localização. Capacidade.

Leia mais

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks )

RAID. Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID (Redundant Array of Independent Disks ) RAID O que é um RAID? RAID RAID (Redundant Array of Independent Disks ) Matriz Redundante de Discos Independentes Propõe o aumento da confiabilidade e desempenho do armazenamento em disco. RAID Surgiu

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA

ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA ESTUDO DE CASO WINDOWS VISTA História Os sistemas operacionais da Microsoft para PCs desktop e portáteis e para servidores podem ser divididos em 3 famílias: MS-DOS Windows baseado em MS-DOS Windows baseado

Leia mais

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1

Gestão de Memória. DCC/FCUP Fernando Silva Sistemas de Operação 1 Gestão de Memória Como organizar a memória de forma a saber-se qual o espaço livre para carregar novos processos e qual o espaço ocupado por processos já em memória? Como associar endereços de variáveis

Leia mais

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual

Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Simulação do Processo de Substituição de Páginas em Gerência de Memória Virtual Fagner do Nascimento Fonseca a, Orientador(a): Flávia Maristela S. Nascimento b a Instituto Federal da Bahia b Instituto

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix

Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Gerência de processos Estudos de caso - BSD Unix Escalonamento preemptivo com prioridades dinâmicas Prioridades entre 0 e 127 0 a 49 kernel 50 a 127 usuário 32 filas de pronto Processos executando em modo

Leia mais

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware

O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 1 2 Revisão de Hardware 2.1 Hardware O hardware é a parte física do computador, como o processador, memória, placamãe, entre outras. Figura 2.1 Sistema Computacional Hardware 2.1.1 Processador O Processador

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com

Sistemas Operacionais 3º bimestre. Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistemas Operacionais 3º bimestre Dierone C.Foltran Jr. dcfoltran@yahoo.com Sistema de Arquivos (1) Todas as aplicações precisam armazenar e recuperar informações. Considerações sobre os processos: Espaço

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Deadlocks. Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Dispositivos e recursos são compartilhados a todo momento: impressora, disco, arquivos,

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt)

Sistemas Operativos. Gestão de memória. Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Sistemas Operativos Gestão de memória Rui Maranhão (rma@fe.up.pt) Gestão de memória idealmente a memória seria grande rápida não volátil contudo, na realidade existem limitações físicas! Portanto... hierarquia

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 04 - Concorrência. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 04 - Concorrência Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC, 2007. Mono x Multiprogramação

Leia mais

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho

Capítulo 3. Avaliação de Desempenho. 3.1 Definição de Desempenho 20 Capítulo 3 Avaliação de Desempenho Este capítulo aborda como medir, informar e documentar aspectos relativos ao desempenho de um computador. Além disso, descreve os principais fatores que influenciam

Leia mais

Exercícios Gerência de Memória

Exercícios Gerência de Memória Exercícios Gerência de Memória 1) Considerando o uso de particionamento Buddy em um sistema com 4 GB de memória principal, responda as seguintes perguntas: a) Esboce o gráfico que representa o uso da memória

Leia mais

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados.

O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. O mecanismo de alocação da CPU para execução de processos constitui a base dos sistemas operacionais multiprogramados. A multiprogramação tem como objetivo permitir que, a todo instante, haja algum processo

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador mbientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Multiprogramação Torna mais eficiente o aproveitamento dos recursos computacionais

Leia mais

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas

Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas slide 1 Capítulo 2 Processos e Threads Prof. Fernando Freitas Material adaptado de: TANENBAUM, Andrew S. Sistemas Operacionais Modernos. 3ª edição. Disponível em: http://www.prenhall.com/tanenbaum_br slide

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Professor: João Fábio de Oliveira jfabio@amprnet.org.br (41) 9911-3030 Objetivo: Apresentar o que são os Sistemas Operacionais, seu funcionamento, o que eles fazem,

Leia mais

Estruturas do Sistema de Computação

Estruturas do Sistema de Computação Estruturas do Sistema de Computação Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Estruturas do Sistema de

Leia mais