A CONCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM MATEMÁTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM MATEMÁTICA"

Transcrição

1 A CONCEPÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO INFANTIL SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS EM MATEMÁTICA Amanda Karinne B.de O. e Silva 1 Manuela Karla S. do Nascimento 2 Ana Coelho Vieira Selva 3 RESUMO Esta pesquisa teve como objetivo conhecer e analisar as concepções de professores da Educação Infantil sobre a importância da utilização de jogos nas aulas de matemática. Foram realizadas entrevistas com oito professoras da Educação Infantil da rede municipal de ensino. Verificamos que os jogos, apesar de serem considerados pelos professores recursos importantes para facilitar o trabalho em diversas disciplinas, inclusive na matemática, são pouco utilizados, e em muitos casos apenas para ocupar o tempo ocioso dos alunos.observamos ainda que o trabalho com jogos aparece na sala de aula geralmente sem um acompanhamento adequado por parte das professoras. Os dados coletados abrem discussão sobre a falta de preparo das professoras da Educação Infantil para trabalhar adequadamente com jogos em matemática, e também sobre a falta de materiais e de espaço físico para viabilizar tais atividades. Palavras-Chave: Jogos, Matemática e Educação Infantil INTRODUÇÃO Diante dos variados problemas que ocorrem no sistema educacional brasileiro, de âmbito intra ou extra-escolar e através do entendimento que adquirimos sobre educação matemática durante nossa formação no curso de Pedagogia, interessamo-nos em investigar duas temáticas que, em nossa pesquisa, se complementam: jogos matemáticos e educação infantil. Para isto procuraremos conhecer e analisar as concepções de professores da educação infantil sobre a importância da utilização de jogos nas aulas de matemática. 1 Concluinte de Pedagogia Centro de Educação UFPE. 2 Concluinte de Pedagogia Centro de Educação UFPE. 3 Professora do Departamento de Psicologia e Orientação Educacionais Centro de Educação UFPE. 1

2 Baseados em leituras preliminares e em observações cotidianas pudemos perceber o quanto o ensino da matemática é negligenciado nas salas de aula de educação infantil das escolas brasileiras. Contrapondo-se a esta realidade, o RCNEI (Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil, Brasil, 1998) recomenda que todas as áreas do conhecimento sejam trabalhadas desde o início da escolarização, sendo para isso necessária uma formação docente que se adeqüe a esta multiplicidade. Como auxílio para o trabalho do professor da educação infantil, o RCNEI (Brasil,1998) recomenda a utilização dos jogos como suporte do trabalho pedagógico em todas as áreas do conhecimento, inclusive na matemática. Além desta recomendação dos Referenciais, diversas pesquisas, tal como Kishimoto (1994), Moura (1992), Piaget (1997) e Vygostsky (1988), defendem a utilização de jogos como importante aliado do ensino formal, por ser uma atividade lúdica que auxilia na ordenação da realidade. Na matemática, a importância do jogo está na possibilidade de aproximar o conhecimento científico da realidade do aluno, configurando um contexto significativo para a aprendizagem. Considerando que não basta haver um ótimo recurso didático como o jogo para resolver o problema da defasagem da matemática na educação infantil, mas, percebendo o potencial do uso de jogos para trabalhar conceitos matemáticos, este estudo tem por objetivo saber o que os professores desse nível de ensino pensam sobre jogos matemáticos e sua utilização, para em seguida analisar tais informações, em busca de uma melhor compreensão. Apesar de existirem autores que fazem uma distinção entre os termos jogos e brincadeiras, optamos nesta pesquisa tomá-los em conjunto... 2

3 Conhecendo um pouco da história... Para compreender as concepções atuais acerca do jogo na Educação Infantil, parece essencial analisarmos brevemente a história do uso de jogos e materiais lúdicos na prática pedagógica, principalmente em matemática. A interação entre o universo lúdico e a educação tem existido desde as épocas mais remotas. Kishimoto (1996) afirma que desde a Antigüidade grecoromana o jogo aparece no ambiente educativo, embora ainda limitado à recreação. Passando pela Idade Média, quando foi considerado não-sério por estar ligado aos jogos de azar, o jogo ressurge durante o Renascimento, período de compulsão lúdica, para divulgar princípios de moral, ética e conteúdos da história, geografia e outros. Segundo esta mesma autora, o Renascimento vê a brincadeira como conduta livre que favorece o desenvolvimento da inteligência e facilita o estudo. Novas percepções de infância surgidas no Renascimento, que consideram a criança como um ser de valor positivo e de natureza boa, impulsionaram a evolução do conceito do jogo no Romantismo. Kishimoto (1996) enuncia que é dentro do Romantismo que o jogo aparece como conduta típica e espontânea da criança. O surgimento da psicologia, segundo Kishimoto (1996), traz forte influência da biologia, o que resulta no pensamento que considera o jogo como uma necessidade biológica, um instinto, uma ação espontânea, natural prazerosa e livre. Partindo da mesma ênfase no papel das estruturas biológicas na aprendizagem das crianças, Piaget (1977, 1978) vê a brincadeira como conduta livre, espontânea, que a criança expressa por sua vontade e pelo prazer que lhe dá. Para ele, ao manifestar a conduta lúdica, a criança demonstra o nível de seus estágios cognitivos e constrói conhecimentos. Para Piaget(1977): 3

4 O jogo é um meio poderoso para a aprendizagem tanto da leitura como do cálculo ou da ortografia (...) os jogos são o instrumento que mais favorecem o intercâmbio entre o pensamento e a realidade, promovendo, assim, o desenvolvimento da cognição. (p.40) Na teoria sócio-construtivista de Vygotsky, a influência social supera os fatores biológicos, considerando toda conduta do ser humano, incluindo suas brincadeiras, construída como resultado de processos sociais. O aparecimento desse paradigma oferece novos fundamentos teóricos ao papel dos brinquedos e brincadeiras na educação pré-escolar (Kishimoto, 1996). Em Vygotsky (1989) a brincadeira aparece como uma projeção da criança nas atividades adultas de sua cultura. Através dela, a criança adquire motivação, as habilidades e atitudes necessárias para sua participação social. Para o autor, o brincar é o caminho pelo qual a criança compreende o mundo em que vive, a partir de uma nova relação entre o campo do significado e o campo da percepção. Na teoria vygotskyana, os jogos e brincadeiras favorecem a criação de ZDP Zona de Desenvolvimento Proximal que o autor sintetiza como: A distância entre o nível de desenvolvimento real, que se costuma determinar através da solução independente de problemas, e o nível de desenvolvimento potencial, determinado através da solução de problemas sob a orientação de um adulto ou em colaboração com os companheiros mais capazes. Assim, segundo Vygotsky (1989), os jogos, ao criarem a ZDP, permitem às crianças um avanço na compreensão conceitual dos conteúdos. Piaget (1978), considerava a não utilização do jogo um caso de negligência na escola tradicional, embora desenvolva as percepções da criança, sua inteligência, suas tendências à experimentação e seus instintos sociais. Segundo o autor, os métodos ativos de educação das crianças exigem que forneçam um material conveniente, com o fim de assimilação as realidades intelectuais. Para Vygotsky (1989), as brincadeiras usadas na situação escolar 4

5 podem criar condições para a criança avançar no seu desenvolvimento cognitivo. Na atualidade, autores como Kishimoto (1996), Moura (1996) e Dias (1996) enfatizam a importância do jogo educativo como instrumento para situações de ensino-aprendizagem e de desenvolvimento infantil. Para Kishimoto (1996), ao permitir a ação intencional, a construção de representações mentais, a manipulação de objetos, o desempenho de ações sensório-motoras e as trocas nas interações, o jogo contempla várias formas de representação da criança ou suas múltiplas inteligências, contribuindo para a aprendizagem e o desenvolvimento infantil. A autora considera ainda que a utilização do jogo potencializa a exploração e a construção do conhecimento, por contar com a motivação interna, típica do lúdico. Analisando a história da utilização dos jogos no século XX, Kishimoto (1996) entende que a importância desse recurso para o ensino deve-se ao fato de que o brincar educativo introduz, nas situações de aprendizagem, propriedades lúdicas de prazer, de capacidade de criação, de ação motivadora e ativa. Relacionando o papel do lúdico na matemática, Moura (1996) considera que a importância do jogo está nas possibilidades de aproximar a criança do conhecimento científico, levando-a a vivenciar virtualmente situações de solução de problemas que a aproximem daquelas que o homem realmente enfrenta ou enfrentou. Para o autor, colocar o aluno diante de situações de jogo pode ser uma boa estratégia para aproximá-lo dos conteúdos culturais a serem veiculados na escola, além de poder promover o desenvolvimento de novas estruturas cognitivas. Nesse pensamento, Dias (1996, apud Cória Sabini, 2004) defende que, na criança, a imaginação criadora surge na forma de jogos que se transformam num primeiro instrumento de enfrentamento da realidade. 5

6 Tomando como referência a visão de jogo como importante aliado na ação educativa, o RCNEI (Brasil 1998) confirma que o brincar oportuniza às crianças a experimentação do mundo e a internalização de uma compreensão particular sobre as pessoas, os sentimentos e os diversos acontecimentos. Segundo o documento, é imprescindível que sejam oferecidas às crianças, atividades voltadas para as brincadeiras ou para as aprendizagens que ocorrem por meio de ações em grupo, para que elas possam exercer a capacidade de criar. Em ambiente escolar, o RCNE (Brasil, 1998) recomenda que o professor deve ter presente que, nas brincadeiras, as crianças criam e estabilizam aquilo que conhecem sobre o mundo, e por isso, deve direcionar as ações no sentido de ensinar os conteúdos exigidos pela escola. Assim, o jogo pode ser um importante auxílio para o desenvolvimento da aprendizagem da criança em várias áreas do conhecimento, incluindo a matemática, onde é extremamente importante que o aluno possa fazer as conexões necessárias entre o pensamento e a realidade. O Jogo e a Matemática O uso do jogo como recurso pedagógico tem sido constante em várias áreas do conhecimento, principalmente na matemática. Cronologicamente, as referências ao uso do jogo no ensino da matemática tornaram-se constantes, segundo Moura (1992), na década de 80, período no qual o tema foi abordado nos congressos brasileiros realizados na Universidade de São Paulo (em 1989 e em 1990), nos encontros nacionais de educação matemática - ENEM - realizados desde 1987, e nos encontros regionais de educação matemática. Os problemas de aprendizagem da matemática e a pressa por respostas às reivindicações para uma melhoria imediata do ensino nesta disciplina no final dos anos 80 e início dos anos 90, incentivaram uma reflexão no intuito de encontrar novas metodologias para o trabalho na área. 6

7 A evolução das teorias psicológicas, notadamente construtivistas, segundo Driver (1988, apud Kishimoto, 1996) enfatizaram a necessidade de considerar os conhecimentos prévios dos sujeitos e de se observar os elementos culturais como sendo relevantes para a formação dos alunos. Estudos como os desenvolvidos por Carraher, Carraher & Schliemann (1988), por exemplo, também apontaram nesta direção. Segundo Moura (1992) o jogo, na educação matemática, passa a ter o caráter de recurso de ensino quando considerado promotor de aprendizagem, graças a influência da psicologia construtivista desenvolvida pelos teóricos, principalmente Piaget e Vygotsky. Baseado na evolução do jogo na educação matemática, este autor ainda ressalta que os jogos passaram a ser incorporados no ensino, tornando-o cada vez mais lúdico e propiciando o tratamento dos aspectos afetivos que caracterizam o ensino e a aprendizagem de uma atividade. O jogo na educação matemática para Moura (1992), justifica-se ao introduzir uma linguagem matemática, ao desenvolver a capacidade de lidar com informações e ao criar significados culturais para os conceitos matemáticos e estudos de novos conteúdos. Analisando a relação entre a matemática e o brincar, Griffites (2006) conclui que estes são parceiros muito úteis. Para ela, precisamos demonstrar às crianças que a matemática é divertida e útil e que pode ser uma atividade sociável e cooperativa, bem como tranqüila e individual, e isso pode ser feito através de brincadeiras e jogos. Concordando com esse pensamento Smole, Diniz e Cândido (2000) acreditam que uma das formas de viabilizar uma ação pedagógica em matemática que crie situações favoráveis ao desenvolvimento da sociabilidade, da cooperação e do respeito mútuo entre os alunos, possibilitando aprendizagens significativas, é utilizar brincadeiras infantis. Para as autoras, a valorização das brincadeiras infantis na matemática significa a conquista de um 7

8 forte aliado nos processos de construção e de expressão do conhecimento e permite ao observador atento interpretar as sensações, os avanços e as dificuldades que cada criança tem na construção e expressão do seu saber. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil RCNEI (Brasil, 1998) afirma que, pelo seu caráter coletivo, os jogos e as brincadeiras permitem que o grupo se estruture, que as crianças estabeleçam relações ricas de troca, aprendam a esperar sua vez, acostumem-se a lidar com regras, concretizando-se que podem ganhar ou perder. O RCNEI (Brasil, 1998) corrobora a importância da utilização dos jogos e brincadeiras na matemática, começando na educação infantil, mas lembra que, apesar de a natureza do jogo propiciar o trabalho com instrumento, não significa, necessariamente, a realização de um trabalho matemático. Para que isso ocorra, segundo o documento, é necessária uma intencionalidade educativa, o que implica planejamento e previsão de etapas pelo professor, para alcançar objetivos predeterminados, sendo o principal o desenvolvimento da aprendizagem dos alunos. Considerando os aspectos abordados que mostram a importância de umtrablho em matemática que também envolva os jogos e brincadeiras apresentmaos no tópico a seguir os objetivos desta pesquisa. Objetivos Objetivo Geral: Conhecer e analisar as concepções de professores da Educação Infantil sobre a importância da utilização de jogos matemáticos em sala de aula e como os utilizam em sua prática pedagógica. Objetivos Específicos: Investigar a utilização dos jogos matemáticos como suporte pedagógico e didático na prática dos docentes entrevistados; 8

9 Conhecer a freqüência com que os professores utilizam jogos em suas aulas; e Saber que tipos de jogos são utilizados pelos professores e com que objetivos. METODOLOGIA Foram realizadas oito entrevistas com professoras da Educação Infantil da rede municipal, que seguiram o seguinte roteiro de perguntas : Roteiro para entrevista: 1) Qual a sua concepção de criança? 2) Qual a sua concepção de Educação Infantil? 3) Como você tem trabalhado matemática? 4) Que recursos você utiliza no trabalho de matemática? 5) O que você acha da utilização de jogos na educação infantil? 6) Você utiliza jogos nas aulas de matemática? 7) Com que freqüência você utiliza os jogos? 8) Em que momento você utiliza os jogos nas aulas de matemática? 9) Que tipos de jogos são utilizados? 10) Com que objetivos são utilizados estes jogos? 11) Como o uso de jogos é planejado? 12) Como é a sua participação nos jogos e brincadeiras? 13) Como é a participação das crianças nos momentos dos jogos? 14) Dê um exemplo de um trabalho que você fez utilizando jogos. 15) Como você avalia o papel dos jogos para o desenvolvimento do conhecimento matemático? Quais as vantagens e desvantagens? 16) Você quer fazer mais algum comentário sobre o uso de jogos. As entrevistas foram realizadas por dois pesquisadores que tinham flexibilidade em realizar novas questões de modo a esclarecer as repostas 9

10 dadas pelas professoras entrevistadas. As entrevistas foram realizadas em horários agendados com as entrevistadas e foram gravadas, transcritas e, posteriormente, analisadas. ANÁLISE DOS RESULTADOS A partir dos dados coletados nas entrevistas com as professoras, analisaremos seis aspectos, categorizados na seguinte seqüência: 1- Concepção de Educação Infantil; 2- A importância do uso dos jogos na Educação Infantil; 3- Forma de planejar o uso dos jogos; 4- Tipos de jogos matemáticos utilizados; 5- Participação das professoras nos momentos dos jogos; e 6- Dificuldades no uso dos jogos. 1- Concepção de Educação Infantil Observamos que todas as oito professoras entrevistadas concebem a criança como um ser em formação, que tem especificidades a serem desenvolvidas na Educação Infantil. Entretanto, quando consideramos a concepção de Educação Infantil, observamos diferentes ênfases por parte das professoras. Duas professoras consideram que a Educação Infantil é um momento em que os aspectos lúdicos e socializadores devem ser enfatizados, como mostra a fala abaixo: É trabalhar principalmente o lado lúdico. (E.). As duas professoras que destacam o aspecto lúdico da Educação Infantil, também apontam o aspecto socializador desse nível de ensino, como se verifica no extrato a seguir: A Educação Infantil é o momento que a criança vem para a escola (...) onde eles vão dividir um espaço novo, onde vão conviver com pessoas diferentes (...). (R.) Quatro professoras salientam a importância apenas do desenvolvimento cognitivo como eixo do trabalho na Educação Infantil, como vemos abaixo: 10

11 A Educação Infantil é à base da criança (...) você está preparando ela para se alfabetizar mais tarde, para desenvolver as habilidades cognitivas dentro da linguagem da matemática, do raciocínio (...). (W.). Duas professoras dão destaque ainda para a Educação Infantil como um momento para o desenvolvimento integral da criança (físico, afetivo, social, cognitivo, etc.), como demonstra o extrato da fala de F, abaixo: De modo mais amplo, penso que a Educação da Infância deve promover o desenvolvimento integral da criança, nas suas dimensões física, psicológica, afetiva, emocional e cognitiva. (F.). O gráfico 1, abaixo, sintetiza estes resultados obtidos. Gráfico 1: Concepção de Educação Infantil por parte de professores da rede municipal Frequência lúdico social cognitivo desenv. Integral Aspectos enfatizados Percebemos que todas as entrevistadas destacam alguns dos objetivos que devem nortear a atuação na Educação Infantil, mas apenas duas delas afirmam que se deve trabalhar no intuito de desenvolver as crianças integralmente, como é apropriado, já que, como todas as professoras afirmaram, trata-se de seres em formação. 2- A Importância do Uso dos Jogos na Educação Infantil. Questionadas sobre a importância da utilização de jogos na Educação Infantil, uma professora disse que não se deve desenvolver um trabalho com jogos nesse nível de ensino. Ilustramos a fala desta professora abaixo: 11

12 Eu acho muito importante, mas agora, na fase em que eles estão não. Só se colocar depois para montar um quebra-cabeça. Só se for para fazer todos juntos, mas se for de um em um não dá não (C.). Esta mesma professora citada acima, afirma que na Educação infantil o uso de jogos deve ser realizado simplesmente com o objetivo de ocupar o tempo ocioso dos alunos. Ainda em relação à importância dos jogos na Educação Infantil, quatro professoras entrevistadas afirmam que o jogo é importante para vários aspectos: desenvolver o raciocínio lógico, a socialização e a construção de conhecimentos, além de propiciar diversão para as crianças. Os extratos abaixo ilustram essa categoria: Fantástico, um recurso que só vai facilitar, em todos os sentidos. Desperta o raciocínio lógico (...) contribui para a concentração. É um material atrativo. (R.) A utilização de jogos na educação Infantil é fundamental para garantir a ludicidade. Os jogos proporcionam a internalização de regras de convivência e também a construção de conhecimentos. (F.). Diferentemente das anteriores, três professoras, ao analisarem a importância dos jogos enfatizam apenas o aspecto cognitivo, afirmando que o jogo aumenta a capacidade de concentração e auxilia na construção de conhecimentos de uma forma prazerosa, como confirmamos com a fala a seguir: Eu acho muito importante porque é a maneira mais fácil de adquirir conhecimento (...) É mais prazeroso para eles, mais fácil (L.). Assim, observamos no Gráfico 2 que a grande maioria das professoras (sete) são de opinião de que o jogo é importante na Educação infantil para desenvolver o aspecto cognitivo das crianças, porque desenvolve a concentração e o raciocínio, facilitando a aprendizagem de forma prazerosa. O aspecto socializador, por sua vez, foi considerado por quatro das professoras entrevistadas. 12

13 Frequência Gráfico 2: Concepção de professores da rede municipal sobre a importância da utilização de jogos na Educação infantil lúdico e social cognitivo não vê importância Aspectos enfatizados 3- Formas de Planejar e Freqüência no uso dos Jogos em Matemática Acerca do planejamento que fazem para utilização de jogos matemáticos, seis professoras afirmam incluir os jogos nos seus planos de aulas semanais e duas declaram não incluir. Das professoras entrevistadas, apenas uma utiliza jogos diariamente, como podemos observar no extrato abaixo: Eu uso sempre. Diariamente. (...) De acordo com o assunto que a gente está dando, incluo o jogo no meu planejamento para trabalhar todos os dias e reforçar a aprendizagem. (G). Uma relata ter um dia certo para trabalhar jogos, realizando-os em decorrência das necessidades dos alunos em aprender o conteúdo que está sendo trabalhado, como observamos no seguinte trecho: Vou planejando de acordo com as necessidades daquilo que o aluno está sentindo, assim... de forma que facilite o entendimento do aluno. (A.P.). Seis educadoras utilizam tal recurso apenas ocasionalmente. Três, justificam o uso ocasional dos jogos em função do desenvolvimento de 13

14 determinados conteúdos, duas com o objetivo de ocupar o tempo ocioso dos alunos e uma em função da falta de espaço físico da sala de aula em que atua.. Exemplos de professoras que usam o jogo ocasionalmente podem ser vistos nos extratos abaixo: Quando estou planejando, sempre vejo a oportunidade de utilizar algum jogo, procuro fazê-lo (...) quando determinado jogo pode auxiliar no projeto que está sendo vivenciado pela turma. (F.). Não temos aqui nem muito tempo, nem espaço para brincar. O jogo e a brincadeira ficam para diversão. (E.). Porque, assim... esse espaço aqui é terrível (...) aí eu faço uma vez por semana, duas... (L.). Estes dados relativos à freqüência podem ser melhor visualizados no Gráfico 3, abaixo: Gráfico 3: Freqüência com que os professores da Educação Infantil da rede municipal utilizam jogos Frequência diariamente dia certo ociosamente Os dados apresentados acima demonstram a existência de uma certa contradição nas falas das professoras, pois, como vimos na categoria anterior, sete professoras reconhecem a importância do trabalho com jogos na Educação Infantil, mas nem todas planejam sua utilização ou o utilizam apenas com o objetivo de ocupar o tempo ocioso das crianças. 4- Tipos de Jogos utilizados nas aulas de Matemática. Questionadas sobre quais recursos costumam utilizar no trabalho de matemática, das oito professoras, apenas três falam espontaneamente que 14

15 utilizam jogos. Cinco entrevistadas relatam utilizar jogos apenas quando perguntadas diretamente sobre se usam jogos no trabalho com matemática. Sobre os tipos de jogos utilizados na matemática, todas as professoras afirmaram criar jogos com materiais de sucata (tampinhas de garrafa, palitos, canudos, etc.), como constatamos nas falas abaixo: Bingo dos números, dominó dos números. Tem uns que a gente constrói, assim, com material de sucata mesmo. (L.). São joguinhos com tampinha de garrafa, palitos de picolé, que explore cores diferentes, formas diferentes, texturas diferentes, quantidades... (R.). Dentre os jogos, o dominó foi citado por quatro educadoras, o bingo por três professoras, duas destacaram o uso do boliche e do tangram; uma citou os blocos lógicos, e uma afirmou utilizar ainda os jogos de trilha. Observamos que nesta questão houve citações de mais de um jogo por professora. O Gráfico 4 aponta os jogos utilizados no trabalho em matemática mais citados pelas professoras: Frequência Gráfico 4: Tipos de jogos mais utilizados em matemática pelos professores da Educação Infantil da rede municipal dominó bingo boliche tangram bloco lógico trilha Os jogos formulados pelas professoras com sucata são, segundo elas, um meio de conseguir ampliar os recursos disponíveis para diversificar o processo de ensino aprendizagem em várias disciplinas, inclusive na matemática, já que as escolas nas quais trabalham, segundo as professoras, não dispõem de material adequado em seus acervos, como descrito nas seguintes falas: O grande problema na minha realidade é a falta de recurso; adquirir mais jogos de boa qualidade. (N.). 15

16 A gente aqui, por ser uma escola pública, trabalha muito material de sucata (...) porque o que nós temos de material é muito pouco. (R.). Ao solicitarmos que as entrevistadas exemplificassem um trabalho que tivessem realizado com jogos em matemática, todas se remetiam inicialmente a um jogo ou atividade na área de linguagem. Somente quando reforçávamos que queríamos um exemplo de jogo para trabalhar matemática é que as professoras detinham-se a essas atividades, como fica evidente nos trechos destacados abaixo: Professora: Aqui é assim, sempre a gente trabalha com histórias, toda semana sempre tem um tema ou história (...) Pesquisadora: E em matemática? Professora: Não tem assim uma coisa específica para matemática e isto é até uma falha, porque a gente sempre acha que matemática é um complemento na sala de aula, quando não é. (N.). O jogo do dominó foi uma experiência muito boa, porque eu cheguei aqui eles não estavam sabendo contar e a partir deste trabalho com dominó foi feito todo processo de aprender e identificar de imediato os numerais, coisas que eles não estavam sabendo fazer (...). (A.P.). 5- Participação das Professoras nos Momentos dos Jogos. Sobre a participação nos momentos de trabalho com os jogos em matemática, todas as professoras declararam que jogam junto com seus alunos, variando apenas as formas de intervir nas brincadeiras. Entretanto quando questionamos sobre o tipo de participação, observamos que a ênfase era muito mais em ensinar regras, estimular o jogo e resolver conflitos do que realmente jogar junto com os alunos. Vejamos estes resultados, abaixo, em maiores detalhes. Todas entrevistadas disseram intervir geralmente para ensinar regras, para exemplificar os procedimentos dos jogos e estimulá-los para participar, como exemplificam as falas abaixo: 16

17 Eu brinco muito com eles, vejo as regras. Criança é muito assim, você é o espelho (...). (E.). (...) Ensino o jogo, participo da primeira partida para eles terem uma noção de como é o jogo e em seguida eles vão jogando e vão entendendo...com meu incentivo eles se sentem muito mais estimulados. A resposta é muito boa.. (A.P.). Duas professoras dizem participar também resolvendo conflitos entre as crianças, como salientamos no extrato abaixo: Ás vezes, dependendo da turma que se está trabalhando, cria uma espécie de desentendimento, de disputa entre eles... aí eu tenho que interferir (...) (A.P.). O Gráfico 5 demonstra a finalidade da participação das professoras nos momentos dos jogos: Frequência Gráfico 5: Participação das professoras da Educação Infantil da rede municipal nos momentos de utilização de jogos ensinar regras resolver conflitos estimular Notamos que, apesar de todas as professoras afirmarem brincar junto com seus alunos, elas o fazem ou para ensinar regras ou para resolver conflitos; nenhuma entrevistada diz participar dos momentos de jogos para acompanhar o desenvolvimento das crianças, intervindo quando necessário e analisando o desempenho de cada uma delas nas atividades. Estes resultados parecem sugerir que as professoras usam os jogos muito mais com o objetivo de trabalhar regras e entreter as crianças do que com o objetivo de 17

18 desenvolver conhecimentos, pois neste caso seria esperado que citassem em suas respostas a importância de uma participação maior do professor como observador, como participante e atuando como um mediador daquele conhecimento que estaria sendo mobilizado a partir do jogo. O fato do professor não ser citado em nenhuma das repostas como também alguém que pode intervir provocando a reflexão de conteúdos a partir dos jogos parece incoerente com o fato da maioria dos professores dizerem que jogos são importantes porque auxiliam na aprendizagem. Ou está existindo uma distância grande entre o que se fala e o que se faz, ou permanece a idéia de que basta jogar um jogo para se aprender um conteúdo, sem ser necessário maior participação e mediação do professor. 6- Dificuldades no uso de Jogos em Matemáticos Perguntadas sobre as desvantagens ou dificuldades em utilizar jogos para trabalhar com matemática, duas professoras afirmaram que não existem dificuldades. Uma professora afirmou que a sua principal dificuldade está na sua formação, segundo ela, insuficiente para que possa desenvolver um trabalho adequado com jogos, como enfatizamos no trecho abaixo: Não acho que tenha desvantagens, acho que o problema é a minha prática (...)Sei da necessidade, mas não tenho experiência nesse tipo de trabalho, e nas próximas capacitações de matemática, será a minha meta. (E.). Três professoras declaram que enfrentam como maior dificuldade para trabalhar os jogos a falta de espaço físico para a realização das brincadeiras. O extrato de entrevista, abaixo, ilustra essa resposta: A principal dificuldade no trabalho com jogos é a falta de espaço e a forma de organização da sala (...). (F.). Duas professoras ressaltaram em suas entrevistas que a dificuldade maior era lidar com os atritos entre as crianças durante o jogo e também atender a todos os questionamentos e dúvidas dos alunos durante os jogos. 18

19 Às vezes dependo da turma que se está trabalhando cria aquela espécie de desentendimento, de disputa entre eles (...). (A.P.). O Gráfico 6, abaixo, sintetiza as repostas sobre as dificuldades encontradas pelos professores no uso de jogos. Gráfico 6: Concepção de professores da Educação Infantil sobre as dificuldades na utilização de jogos matemáticos Frequência não há dificuldade falta de espaço atritos não acompanhar o aluno CONCLUSÃO Diante das entrevistas analisadas, concluímos que as professoras reconhecem, o papel dos jogos e brincadeiras como recursos importantes para auxiliar os alunos na construção de conhecimento nas mais diversas áreas, por propiciarem uma aprendizagem prazerosa. Apesar disso, a maioria não aproveita todo o potencial dos jogos em sua prática em sala de aula. Embora estejam cientes da importância dos jogos como facilitadores do desenvolvimento social e cognitivo, tal como salientado por Piaget (1977) e Vygotsky (1988), as educadoras entrevistadas não fazem um planejamento que possa ajudá-las a explorar o potencial didático das brincadeiras. Na matemática, onde o uso de jogos é importante, segundo Moura (1992), por permitir que o aluno vivencie concretamente situações abstratas, trazendo problemas imaginários para serem solucionados em sua realidade, evidenciamos que uma professora chamou atenção para o fato de que não possui uma formação que viabilize uma ação pedagógica eficiente. Este nos parece um problema sério a ser enfrentado nas escolas, pois nas entrevistas observamos que muitas professoras demonstram interesse em proporcionar 19

20 às crianças um trabalho com jogos, mas que parecem não saber como aproveitar este recurso para apoiar o processo de ensino e aprendizagem. Esta falta de preparo das entrevistadas para trabalhar jogos, principalmente em matemática, fica clara quando as mesmas afirmam participar das brincadeiras apenas para ensinar regras e resolver conflitos, deixando de intervir diretamente, para auxiliar na construção dos conhecimentos dos alunos, acompanhando o desempenho individual deles, esclarecendo dúvidas e ampliando informações. Constatamos também, nas declarações das professoras, que a falta de materiais (jogos) e de espaço físico nas escolas, configura-se como uma das dificuldades para que realizem atividades com jogos. Este estudo parece confirmar que ainda há, na Educação Infantil, uma ênfase na área de linguagem, pois em muitos momentos durante as entrevistas, as professoras relatavam apenas experiências de jogos de Língua Portuguesa.Em um caso, especificamente, a professora afirmou que sua prática está focada intencionalmente para o ensino da escrita e da leitura. Essa ênfase em linguagem diverge da concepção de formação integral da criança, abordando várias áreas de conhecimento, que o RCNEI (Brasil, 1998) adota como ideal para a Educação Infantil. Contudo, acreditamos que apesar de não ainda realizarem um trabalho adequado com jogos em matemática, as professoras já têm consciência da importância destes recursos. É necessário, assim, que sejam oferecidas formações sobre o tema e que o mesmo passe a fazer parte de discussões periódicas na escola para que elas possam realmente se apropriar deste tipo de recurso e aproveitar sua potencialidade. Além disso, as escolas devem lutar pela existência de um espaço físico suficiente para a realização de jogos e brincadeiras, e também de materiais próprios para tais atividades. 20

21 Referências Bibliográficas CÖRIA-SABINI,Maria A parecida. Jogos e Brincadeiras e o Desenvolvimento da Criança. In Jogos e Brincadeiras na Educação Infantil. Campinas, SP Papirus,. (p.13-26). GRIFFITES, Rose. A Matemática e o Brincar. In: MOYLES, Janet R. A excelência do brincar. Porto Alegre: Art. Méd, (p ) MOURA, Oriosvaldo de Oliveira. Educação Matemática e o Lúdico. In: KISHIMOTO, Tizuko M. (org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo. Cortez, (p ). Piaget, J. A formação do Símbolo na criança. Rio de Janeiro, RJ: Zahar, O julgamento moral na criança. São Paulo, SP: Difusão Européia do Livro, 1977 RCNEI, Referencial Curricular Nacional da Educação Infantil. Brasil, SMOLE, Kátia Stocco.DINIZ, Maria Ignz. CÂNDIDO, Patrícia. Por que brincar e as brincadeiras. In Brincadeiras Infantis nas Aulas de Matemática. Porto Alegre, Art Méd, (p ) 21

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO

LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO LUDICIDADE E EDUCAÇÃO: O ENCANTAMENTO DE APRENDER BRINCANDO Tatiane Testa Ferrari e-mail: tatitferrari@ig.com.br Ticiane Testa Ferrari e-mail: ticiferrari@ig.com.br Araceli Simão Gimenes Russo e-mail:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem.

Palavras-chaves: Jogos matemáticos; Ensino e aprendizagem. Emanuella Filgueira Pereira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia O JOGO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa mais ampla que

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA

TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA TEMA: O LÚDICO NA APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA RESUMO Os educadores têm se utilizado de uma metodologia Linear, que traz uma característica conteudista; É possível notar que o Lúdico não se limita

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES

O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? DIOGO SÁ DAS NEVES 1 O BRINCAR E SUA FUNÇÃO NA INTERVENÇÃO PSICOPEDAGÓGICA EM INSTITUIÇÕES ESCOLARES: O QUE DIZEM OS PSICOPEDAGOGOS? Introdução DIOGO SÁ DAS NEVES A Psicopedagogia compromete-se primordialmente com o sistema

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL O BRINCAR, A BRINCADEIRA, O JOGO, A ATIVIDADE LÚDICA E A PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Josiane Lima Zanata (Seduc) josianezanata@hotmail.com Ivani Souza Mello (UFMT) ivanimello1@hotmail.com

Leia mais

O JOGO E A APRENDIZAGEM

O JOGO E A APRENDIZAGEM O JOGO E A APRENDIZAGEM O JOGO E A APRENDIZAGEM Enquanto brinca, a criança amplia a sua capacidade corporal, sua consciência do outro, a percepção de si mesmo como um ser social e a percepção do espaço

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS

O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS ISSN 2177-9139 O USO DO TANGRAM COMO QUEBRA-CABEÇA PARA UMA APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA SOBRE MULTIPLICAÇÃO DE POLINÔMIOS Morgana Fernandes da Silva 1 morganaf60@gmail.com Faculdades Integradas de Taquara,

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA

ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA ANALISANDO O USO DE JOGOS COMO AUXÍLIO NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM MATEMÁTICA Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB - amanda.souza13@hotmail.com) Carla Manuelle Silva de Almeida

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS

ASSESSORIA PEDAGÓGICA PORTFÓLIO DE PALESTRAS E OFICINAS Dificuldades de Palestra EF e EM Todas Conscientizar sobre as dificuldades de aprendizagem aprendizagem que podem ser manifestadas pelos alunos numa sala de aula e sugerir ações de encaminhamento, conforme

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) A contribuição dos jogos Matemáticos na formação cidadã de crianças e adolescentes usuárias do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Eixo Temático: Educação Matemática na educação Infantil

Leia mais

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e

Tecnologia do Pará IFPA. gomesisaias68@yahoo.com.br. 1 Graduando do Curso de Licenciatura em Geografia do Instituto Federal de Educação, Ciência e GEOGRAFANDO BELÉM Isaias Gomes de Jesus Junior 1 Resumo O presente artigo vem apresentar a Tecnologia Educacional Geografando Belém. Esta Tecnologia Educacional, de princípio, foi desenvolvida para apresentar

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental

A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES. GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental A EXPLORAÇÃO DE SITUAÇÕES -PROBLEMA NA INTRODUÇÃO DO ESTUDO DE FRAÇÕES GT 01 - Educação Matemática nos Anos Iniciais e Ensino Fundamental Adriele Monteiro Ravalha, URI/Santiago-RS, adrieleravalha@yahoo.com.br

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PROJETO DE ESTÁGIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRIZOLA, Silene Francisca dos Santos. (UNEMAT) silenefsb@hotmail.com SILVA, Maria Ivonete da. (UNEMAT) ivonete0304@hotmail.com RESUMO Este projeto foi desenvolvido

Leia mais

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento.

Palavras chaves: Criança, Educação Infantil, Corpo e Movimento. CORPO E MOVIMENTO: CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tamiris Andrade dos Santos (UEL) tamiris_152@hotmail.com Gilmara Lupion Moreno gilmaralupion@uel.br RESUMO: Sabe-se da importância

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico

As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico As diferentes linguagens da criança: o jogo simbólico Mariana Antoniuk 1 Dêivid Marques 2 Maria Angela Barbato Carneiro ( orientação) 3 Abordando as diferentes linguagens da criança neste ano, dentro do

Leia mais

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo.

Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu. Internacional de Ufologia, História e Ciência. Victor Mostajo. Projeto de Atuação Pedagógica junto ao Museu Internacional de Ufologia, História e Ciência Victor Mostajo. Cátia Bairro Ferreira Santa Maria, RS 2009. 1 Oficina Lúdico Pedagógica - Dinossauros A criança

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL ATIVIDADES PERMANENTES PARA APRENDER MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Daniele Barros Vargas Furtado Universidade Federal de Santa Maria dbvfurtado@yahoo.com.br Resumo Sendo a matemática tão presente em

Leia mais

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM.

OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. OS JOGOS MATEMÁTICOS: UM RECURSO QUE FAVORECE NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM. UCHÔA, Yasmim Figueiredo Graduanda de Pedagogia/ UEPB. Bolsista PIBID CABRAL, Isabel Cristina Gomes de Morais Graduanda

Leia mais

JOGOS ENQUANTO RECURSOS METODOLÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA

JOGOS ENQUANTO RECURSOS METODOLÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA JOGOS ENQUANTO RECURSOS METODOLÓGICOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA Joyciane Oliveira Saraiva Graduanda de Licenciatura em Pedagogia da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Juvena de Freitas Brito- Graduanda

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky

Conceitos de Identidade Relação eu e outro Para Vygotsky FAMOSP - FACULDADE MOZARTEUM DE SÃO PAULO PEDAGOGIA - 1 o SEMESTRE PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Conceitos de Identidade Relação "eu" e "outro" Para Vygotsky Deyse Maria Souza Almeida Eliete Pereira Nunes

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas DOMÍNIO E IMAGEM DE UMA FUNÇÃO: UMA ABORDAGEM POR MEIO DO JOGO BINGO DAS FUNÇÕES Educação Matemática nos Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio (EMAIEFEM) GT 10 ADELSON CARLOS MADRUGA Universidade

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS

UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS UMA PROPOSTA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE INTERVALOS REAIS POR MEIO DE JOGOS Jéssica Ayumi Uehara Aguilera 1 j.ayumi@hotmail.com Alessandra Querino da Silva 2 alessandrasilva@ufgd.edu.br Cintia da Silva

Leia mais

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A LUDICIDADE COMO EIXO DE FORMAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LIMA, Márcia Regina Canhoto de - FCT/UNESP marcialima@fct.unesp.br LIMA, José Milton de - FCT/UNESP miltonlima@fct.unesp.br ORLANDI, Leonardo

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR

A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR A IMPORTÂNCIA DO JOGO XADREZ NO AMBIENTE ESCOLAR Introdução OBERJAN ROCHA KOZAN FABIANA LEIFELD RAFAEL TRENTIN SCREMIN FACULDADE SANT ANA, PONTA GROSSA/ PARANÁ/ BRASIL oberjan_15@hotmail.com O objeto de

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA.

FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. FORMAÇÃO CONTINUADA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA VIVÊNCIA DE UM PROGRAMA. Rosângela de Fátima Cavalcante França* Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Este texto apresenta de forma resumida

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS

A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS 1 A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ATRAVÉS DE JOGOS E BRINCADEIRAS Santana, Maria Rosangela Silva, Braz Ribeiro Guimarães, Maria Ivone Pereira RESUMO A preocupação básica deste estudo é refletir sobre a aprendizagem

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO

LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO LUDICIDADE E ENSINO: UMA PARCERIA QUE CONTRIBUI COM A EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Ana Lucia da Silva 1 Franchys Marizethe Nascimento Santana Ferreira 2 O presente projeto justifica-se pela necessidade verificada,

Leia mais

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA

UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA 1 UMA RELEITURA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA BIBLIOTECA NO CONTEXTO ESCOLAR MARIA MAZARELO RODRIGUES DE LIMA INTRODUÇÃO Compreende-se que na promoção de ações de estímulo à leitura, a escola tem como instrumento

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

1. Capacitação Docente em Informática na Educação

1. Capacitação Docente em Informática na Educação DO EDITOR DE TEXTOS A PLATAFORMA MOODLE: UM PROJETO PILOTO INOVADOR DE CAPACITAÇÃO DOCENTE CONSTRUCIONISTA EM UMA ESCOLA DA REDE MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Maria Beatriz

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS

A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS A IMPORTÂNCIA DOS JOGOS NO ENSINO DE MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS SILVA, Bárbara Tavares da 1 ARAÚJO, Junivan Gomes de 2 ALVES, Suênha Patrícia 3 ARAÚJO, Francinário Oliveira de 4 RESUMO Sabemos que

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA

TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: MATEMÁTICA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: JOGOS DE MATEMÁTICA: EXPERIÊNCIAS NO PROJETO PIBID CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1

CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 . PREFEITURA MUNICIPAL DO SALVADOR Secretaria Municipal de Educação e Cultura SMEC Coordenadoria de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP CONTRIBUIÇÕES TEÓRICAS DE LEV VYGOTSKY (1896-1934) 1 Angela Freire 2

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Como aconteceu essa escuta?

Como aconteceu essa escuta? No mês de aniversário do ECA - Estatuto da Criança e do Adolescente, nada melhor que ouvir o que acham as crianças sobre a atuação em Educação Integral realizada pela Fundação Gol de Letra!! Conheça um

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: COMO INTERLIGAR OS LIVROS DE LITERATURA INFANTIL COM OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS TRABALHADOS NA

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais