LEITURA E ESCRITA NAS ENGENHARIAS DO CEFET-MG *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEITURA E ESCRITA NAS ENGENHARIAS DO CEFET-MG *"

Transcrição

1 LEITURA E ESCRITA NAS ENGENHARIAS DO CEFET-MG * Ana Elisa RIBEIRO Ana Maria Nápoles VILLELA (Mestrado em Estudos de Linguagens/Propesq/CEFET-MG) Bárbara Rodrigues e SILVA Camila Rodrigues dos REIS Erika G. Alves ALCÂNTARA Izabella Ferreira GUIMARÃES Thiago Câmara Rodrigues de Souza (Engenharia de Materiais /CEFET-MG) RESUMO: O parecer 1.362/2001 do Conselho Nacional de Educação dispõe sobre a formação do engenheiro e teve grande repercussão entre as instituições de ensino superior. Nosso foco, neste trabalho, é a alínea (i) do documento, que determina que o engenheiro deve se comunicar eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica. Com base nos estudos do letramento, especialmente do letramento acadêmico, temos o objetivo de contribuir para a reflexão e a ação na formação do engenheiro. Nosso corpus é formado por aproximadamente 450 questionários respondidos por alunos que ingressaram no CEFET-MG no 1º semestre de Relatamos, aqui, os resultados relativos aos gêneros textuais do contexto acadêmico, além das expectativas que os ingressantes têm sobre aulas de português ou redação no curso superior. Nossa conclusão alinha-se aos estudos que defendem a necessidade de uma ampliação do letramento desses jovens em direção à comunicação no âmbito acadêmico, adotando-se uma abordagem de gêneros textuais. PALAVRAS-CHAVE: Letramentos; Ensino de Engenharia; Português Instrumental. 1. Formação do engenheiro: uma introdução Assim como em outras áreas de formação, os cursos de engenharia são regidos por documentos oficiais que sugerem e induzem determinadas orientações relacionadas ao tipo de conhecimento e prática que um estudante deve desenvolver, ao longo de seus estudos * Este projeto de pesquisa é financiado pelo CEFET-MG, por meio do Propesq, edital 2009, e pela Fapemig, na forma de bolsas de Iniciação Científica. Agradecemos todos os estudantes envolvidos na pesquisa e enfatizamos o apoio e a dedicação das estudantes Bárbara Silva e Erika Alcântara, alunas da Engenharia de Materiais, pela finalização dos dados aqui apresentados.

2 2 universitários, para que se torne um profissional ajustado às demandas da sociedade em que vive e do mercado em que atuará. O documento que orienta os cursos de engenharia na atualidade é o parecer do Conselho Nacional de Educação conhecido como CNE/CES 1.362/2001 de 12/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 25/2/2002 (BRASIL, 2002). Esse documento desencadeou uma série de revisões em projetos pedagógicos de cursos já consolidados de formação de engenheiros, além de orientar a criação de novos cursos pautados por suas diretrizes (SANTORO, 2001; ARAÚJO; SANTOS, 2001; COSTA; LETA, 2004). Neste trabalho, abordamos os tópicos do Parecer CNE/CES 1.362/2001 relacionados ao desenvolvimento de competências comunicacionais, notadamente a leitura e a escrita em língua materna. Para isso, os conceitos de letramento (SOARES, 2004) e especialmente o de letramento acadêmico (FISCHER, 2007) são de grande relevância, já que o ensino de português nesse contexto parece mais relacionado à ampliação de apropriações da leitura/escrita nas práticas acadêmicas e profissionais do estudante, futuro engenheiro. 2. Letramentos As competências e habilidades de comunicação são insistentemente abordadas em pesquisas sobre o ensino de engenharia, em estudos de caso de instituições por todo o Brasil. Leitura e escrita são consideradas competências importantes (se não fundamentais) para a formação do engenheiro (ou de profissionais técnicos de outras áreas), tanto por instâncias governamentais (que publicaram diretrizes em que a comunicação é mencionada), quanto por alunos, professores e empregadores (VERTICCHIO, 2006), que, segundo uma revisão da literatura (RIBEIRO; VILLELA, 2010), parecem ter consciência de que ler e escrever bem são aspectos valorizados e importantes. Fundamentando-nos em estudos do letramento, especialmente do letramento acadêmico, e em teorias sobre gêneros textuais, este trabalho tem como objetivo contribuir para a reflexão e a ação no campo do ensino de engenharia e da formação do engenheiro para as demandas comunicacionais do mundo contemporâneo. Compreende-se a atuação de docentes especializados no ensino de redação e de língua materna como de fundamental importância para uma abordagem comunicacional da língua, também focada na produção de textos. Conforme defendem diversos autores, os letramentos são vários e atingem âmbitos diferenciados. O ensino superior também é o espaço/tempo de conquistar novos letramentos, especialmente aqueles com os quais não se costuma ter contato até o ensino médio, nível

3 3 escolar do qual os novatos de engenharia do CEFET-MG, em sua maioria, acabaram de sair (conforme dados coletados na graduação). Este relato refere-se a parte de uma pesquisa intitulada Leitura e escrita na formação do engenheiro, em andamento no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, desde 2009 (PROPESQ). Nesta fase, apresentamos os dados relativos a algumas das perguntas do questionário aplicado aos alunos novatos dos cursos de engenharia de campi de Belo Horizonte e do interior. Tal questionário abordou aspectos como gêneros textuais conhecidos até o ensino médio (leitura e produção), hábitos de leitura, contato com o computador e a Internet, letramento literário, línguas estrangeiras, habilidades de leitura (com base na matriz de referência do Saeb), entre outros. Relatamos, aqui, os resultados que tocam os gêneros textuais que circulam em contexto acadêmico, como resenhas, resumos e artigos científicos, além das representações e expectativas que os ingressantes têm sobre aulas de português ou redação no curso superior que escolheram. Nosso corpus total de análise é formado por aproximadamente 450 questionários respondidos por alunos que ingressaram no CEFET-MG no primeiro semestre de Desses questionários, 157 foram tratados aqui. Nossa conclusão alinha-se aos estudos que defendem a necessidade de uma ampliação do letramento desses jovens em direção à sua instrumentalização para a comunicação no âmbito acadêmico, adotando-se uma abordagem de gêneros textuais e do letramento nas práticas de ensino dos professores que atuam nos cursos de graduação em engenharia da instituição. 3. Competências comunicacionais O parecer 1.362/2001 do Conselho Nacional de Educação (CNE/CES), que dispõe sobre diretrizes para a formação do engenheiro, teve grande repercussão entre as instituições de ensino superior, que, desde 2002, vêm tentando se ajustar aos parâmetros publicados no documento em relação aos projetos pedagógicos dos cursos de engenharia que oferecem. Entre esses parâmetros são especialmente notáveis as quatorze competências e habilidades que a formação em engenharia deve ensejar que os estudantes desenvolvam ao longo de seus cursos. Nosso foco, neste trabalho, recai sobre a alínea (i) do documento, que determina que o engenheiro deve se comunicar eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica. As quatorze competências e habilidades que um profissional da área deveria desenvolver ao longo de sua formação acadêmica são:

4 4 a) aplicar conhecimentos matemáticos, científicos, tecnológicos e instrumentais à engenharia; b) projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados; c) conceber, projetar e analisar sistemas, produtos e processos; d) planejar, supervisionar, elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia; e) identificar, formular e resolver problemas de engenharia; f) desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas; g) supervisionar a operação e a manutenção de sistemas; h) avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas; i) comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica; j) atuar em equipes multidisciplinares; k) compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais; l) avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental; m) avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia; n) assumir a postura de permanente busca de atualização profissional. (BRASIL, 2002) A alínea i, qual seja, comunicar-se eficientemente nas formas escrita, oral e gráfica, embora seja ainda vaga e pouco esclarecedora em relação ao que possa ser comunicar-se eficientemente, não deixa dúvidas sobre a necessidade de que os engenheiros tratem, de maneira dedicada, o desenvolvimento de habilidades que poderiam ser traduzidas na leitura, na escrita, na fala e no desenho (em especial). O que vem ocorrendo em relação a isso é a proposição de disciplinas de língua materna nos cursos de engenharia, especialmente as formuladas como Português Instrumental ou Redação Técnica. As competências de ler e escrever são consideradas importantes (se não fundamentais) para a formação do engenheiro (ou de profissionais técnicos de outras áreas), tanto por instâncias governamentais quanto por alunos, professores e empregadores (VERTICCHIO, 2006). Ao menos é isso o que se depreende do discurso acerca da formação linguística desse profissional, embora Buss e Reinert (2009) denunciem que, na prática, pouco tem sido feito em relação à formação de engenheiros comunicacionalmente competentes. A preocupação com o que se convencionou chamar de empregabilidade parece mover reformas curriculares por todo o país, além de estimular pesquisas sobre o que as empresas consideram necessário para o bom desempenho do engenheiro contratado ou, em outras palavras, o que as empresas procuram no perfil do técnico. Nesse sentido, Casagrande e Caten (2003, p. 1) afirmam haver uma grande inquietação do mercado quanto à exigência de profissionais que apresentem constituídas as competências básicas, ou seja, aquelas que são inerentes a qualquer profissional, independente da área ou função que ocupe. Entre essas competências básicas os autores citam a comunicação oral e escrita. É possível encontrar diversos trabalhos em que pesquisadores fazem mapeamentos de competências exigidas pelo mercado profissional em engenharia e, frequentemente, são citadas habilidades implicadas na leitura e na escrita, principalmente nesta. Em Minas Gerais,

5 5 por exemplo, Verticchio (2006) formula matrizes de habilidades e as confirma, inclusive as de ler e escrever, como importantes para a empregabilidade em engenharia mecânica. Além de uma preocupação com aplicações para o mercado de trabalho, parece haver uma outra relacionada a procedimentos acadêmicos, especialmente entre alunos que têm a intenção de partir para a pós-graduação, ou seja, trata-se de dois letramentos (SOARES, 2004), pelo menos, quando se mencionam aspectos relacionados, ainda que vagamente, à atuação na empresa e à atuação estudantil em nível superior. Fica implícita a concepção de que o ensino superior também é o espaço do desenvolvimento de competências comunicacionais, mesmo em engenharia. Oliveira e Santos (2005, p. 119), por exemplo, afirmam que o papel da universidade é planejar, desenvolver e administrar programas de superação das limitações relacionadas à dificuldade de leitura. Sá e Queiroz (2007, p. 2035) mencionam a necessidade de que o estudante aprenda as diversas maneiras de expressar um mesmo significado, as diferenças entre a linguagem cotidiana e a linguagem científica e as principais características de cada tipo de discurso. Trata-se, portanto, do entendimento de que a entrada dos jovens no ensino superior é feita, muitas vezes, sem qualquer preparo em relação às práticas universitárias. Isso decorre da compreensão de que os letramentos são variados e dependem de contextos e demandas diferentes. Nessa direção, Eberspächer e Martins (2001, p. 128) afirmam ser necessário minimizar o impacto dos novos alunos com a vivência universitária, já que os alunos são confrontados com uma nova realidade escolar, na qual são os elementos ativos, protagonistas de uma metodologia centrada na construção do conhecimento, precisando elaborar pessoalmente e de forma coletiva um conjunto de informações e experiências que os permita amadurecer e se apropriar de aptidões significativas para a realidade profissional. Esta posição de agente do saber, e não receptáculo de dados, não é ainda uma constante no cotidiano acadêmico, e exige do professor um tratamento cuidadoso e progressivo, principalmente nas turmas iniciais (EBERSPÄCHER; MARTINS, 2001, p. 128) 4. Proposta de letramento? De acordo com Eberspacher e Martins (2001), é nas turmas iniciais que os novos projetos pedagógicos encontram espaço para disciplinas como Metodologia, Português Instrumental e similares. Esse tem sido o momento considerado mais adequado para a inserção de disciplinas indiretamente ligadas à engenharia (UFSJ, 2005) nos currículos desses cursos de graduação.

6 6 Este trabalho, em desenvolvimento no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), reconhecido pela excelência em ensino técnico e de engenharia, pretende discutir, em âmbito institucional, o letramento acadêmico do estudante que lá se forma. Para isso, o projeto Leitura e Escrita na Formação do Engenheiro vem levantando uma discussão nas interfaces entre linguagem e tecnologia, além de construir elementos e instrumentos para uma metodologia de pesquisa que possa atender à formação do engenheiro em suas competências de comunicação oral e escrita. Com base na análise dos projetos pedagógicos dos cursos da instituição, é necessário tecer questões que possam nos fazer inferir, por exemplo: Que discursos há por trás das decisões oficiais e institucionais a respeito da formação do engenheiro em sua relação com a comunicação? Para alguns, esse posicionamento da oferta de cursos de redação ou leitura tem o intuito de nivelar alunos que viriam do ensino médio com dificuldades de leitura e escrita (RIOS; SANTOS; NASCIMENTO, 2001; OLIVEIRA; SANTOS, 2005; BORCHARDT et al., 2007; FERNADES; SANTOS; BURIN, 2008), em outra direção, há um discurso de que o aluno pode, nos primeiros períodos, desenvolver competências que aproveitará a aplicará no decorrer do curso. Que discursos e que práticas estão em jogo no CEFET-MG? De qualquer forma, conhecer aspectos do letramento dos jovens estudantes e, com base nisso, oferecer-lhes mais ajustadas condições de desenvolver seu letramento são responsabilidade da instituição formadora. No trabalho que ora se apresenta, focalizam-se os aspectos mais atinentes ao letramento acadêmico com o qual os alunos chegam aos cursos de engenharia do CEFET- MG, assim como as expectativas desses ingressantes em relação a disciplinas como Redação ou Português. 5. Pesquisa Este projeto, coordenado por professores-pesquisadores do Mestrado em Estudos de Linguagens do CEFET-MG, é uma proposta que pretende tecer análises mais pormenorizadas e interpretativas em relação ao perfil do aluno que ingressa nos cursos de engenharia da instituição, além de registrar e debater os discursos sobre leitura e escrita que circulam na escola e entre os formadores e estudantes vinculados às engenharias, cursos que, estereotipadamente, são considerados alheios à discussão sobre a linguagem. Na primeira etapa da pesquisa, uma equipe formada por professores, bolsistas de Iniciação Científica e voluntários compôs um questionário sobre letramentos, abordando gêneros de texto, leitura e escrita, além de competências de expressão oral desenvolvidas ou

7 7 supostamente desenvolvidas ao longo da educação básica. Tal questionário (aperfeiçoado após aplicações-piloto) foi aplicado aos alunos recém-chegados à instituição, nos cursos de engenharia, no primeiro semestre de Para ensejar comparações e dados diversificados, aplicou-se o instrumento também aos cursos de Administração do CEFET-MG e a alguns cursos de engenharia da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Posteriormente, uma amostra representativa desses alunos será submetida a testes de escrita e leitura, com efeito diagnóstico e para comparação entre as habilidades realmente demonstradas e as declaradas nos questionários. Com esses dados, pretende-se que seja possível conhecer o perfil do estudante que chega ao CEFET-MG, sendo também possível estabelecer propostas de intervenção para as aulas mais dedicadas ao desenvolvimento de letramentos, muito embora todas as disciplinas tenham essa responsabilidade. 6. Resultados Os resultados que vamos apresentar dizem respeito às questões do questionário mais voltadas à relação dos alunos novatos com alguns gêneros acadêmicos de grande circulação no novo ambiente escolar. Também serão discutidos os resultados das questões que procuram saber quais as expectativas dos alunos novatos em relação a disciplinas como Português ou Redação nos cursos de engenharia. São apresentados aqui os dados relativos aos cursos de Engenharia Mecânica, da Computação (unidade de Timóteo, MG), Controle e Automação, Ambiental e Produção Civil. Ao todo, foram 157 questionários respondidos nessas engenharias, com base nos quais foram feitos cálculos de porcentagem simples e gerados gráficos, com o objetivo de melhorar a visualização os resultados, conforme as questões propostas no questionário. Neste momento, relataremos apenas os resultados para as engenharias citadas em relação aos itens da seção que buscava conhecer as expectativas dos estudantes recémchegados ao curso de engenharia a respeito da existência de uma disciplina obrigatória de redação ou português. Além desses itens, apresentaremos os resultados de questões de V ou F (Verdadeiro ou Falso) que abordavam o conhecimento conceitual sobre gêneros textuais do domínio acadêmico, tais como resumos, resenhas e artigos científicos Expectativas Na seção intitulada Expectativas, os itens do questionário eram:

8 8 Você esperava encontrar uma disciplina de REDAÇÃO ou PORTUGUÊS na engenharia? ( ) Sim ( ) Não Acha importante que ela exista? ( ) Sim ( ) Não Explique o que você espera de uma disciplina como essa. O item aberto será analisado em trabalhos posteriores, de forma a produzir uma discussão mais ampla sobre as representações dos estudantes novatos sobre aulas de português em contexto tão específico. Talvez seja plausível também discutir as representações que esses alunos trazem de sua trajetória no ensino básico. Quanto às duas questões dicotômicas, foram encontradas as relações mostradas nos Gráficos 1 e 2, a seguir: 52% 48% GRÁFICO 1. Respostas sobre expectativas de encontrar uma disciplina como Português ou Redação na Engenharia. 85% 15% GRÁFICO 2. Respostas sobre a atribuição de importância à disciplina Português ou Redação para os cursos de engenharia pelos alunos Gêneros textuais acadêmicos Uma das seções do questionário trazia itens do tipo V ou F que apresentavam aos alunos afirmações conceituais sobre diversos gêneros textuais. Interessam-nos aqui aqueles mais voltados ao domínio acadêmico e que são, potencialmente, objeto do letramento acadêmico e das aulas de português.

9 9 Marque as opções que você considera VERDADEIRAS ou FALSAS, conforme o tipo de texto descrito: [V] [F] Resenhas analisam criticamente livros, CDs, filmes e outros produtos culturais. [V] [F] Resumos devem sumarizar a ideia central de outro texto ou peça verbal. [V] [F] Artigo científico é, em geral, o relato de resultados parciais ou finais de uma pesquisa acadêmica. [V] [F] Resenhas circulam apenas em jornais diários. [V] [F] Resumos circulam em anais de congressos e seminários científicos. [V] [F] Artigos científicos circulam em congressos e em revistas especializadas. [V] [F] Reportagens do tipo SuperInteressante são artigos científicos. Para essas questões, os resultados foram os que se apresentam nos gráficos a seguir: GRÁFICO 3. Respostas sobre o objetivo das resenhas. GRÁFICO 4. Respostas sobre o objetivo de resumos. 1% 23% 76% GRÁFICO 5. Respostas sobre a função do artigo científico.

10 10 GRÁFICO 6. Respostas sobre a circulação de resenhas. GRÁFICO 7. Respostas sobre a circulação de resumos acadêmicos. 1% 4% 96% GRÁFICO 8. Respostas sobre a circulação de artigos científicos. 34% 1% 65% GRÁFICO 9. Respostas sobre artigos científicos em relação com outros gêneros.

11 11 7. Discussão De maneira geral, os novatos de engenharia do CEFET-MG têm boas noções conceituais das funções, dos objetivos e da circulação de alguns gêneros acadêmicos. As resenhas acadêmicas parecem não ser confundidas com gêneros assemelhados do domínio jornalístico, por exemplo. Essa é uma confusão comum entre alunos egressos do ensino médio, que tiveram contato com textos de jornais e revistas, mas não muito com gêneros do discurso científico. De acordo com o cenário encontrado na pesquisa, estamos lidando, no CEFET-MG, com alunos que sabem que resenhas não circulam apenas em jornais e revistas e que elas não analisam apenas objetos culturais (como música ou literatura). Da mesma forma, para esses estudantes, resumos sumarizam ideias centrais, uma redução do gênero bastante comum até o ensino médio e que deve sofrer adaptações para o caso dos resumos acadêmicos (de artigos, por exemplo). Quanto à circulação, resumos estão em anais de eventos científicos para uma maioria. É importante considerar, no entanto, que uma porcentagem considerável dos novatos do CEFET-MG não relaciona os resumos a suas formas de circulação. Em relação aos artigos científicos, nossos estudantes, em geral, sabem que se trata de relatos de pesquisa científica, que circulam em revistas especializadas e que não estávamos falando de reportagens de revistas de popularização da ciência. Ainda assim, há um número considerável de alunos que não tem tanta certeza desses aspectos. De forma geral, os alunos ingressantes no CEFET-MG, nos cursos de engenharia, parecem ter boas noções conceituais dos gêneros abordados pelo questionário, muito embora isso não signifique que tenham a mesma qualidade em relação aos conhecimentos procedimentais desses gêneros, isto é, muito provavelmente não existe simetria entre o que os estudantes sabem sobre e o que eles sabem fazer. Este, no entanto, é um estímulo a novas pesquisas. Em relação às expectativas de encontrar uma disciplina como português (ou equivalente) na graduação em engenharia, os dados são enfáticos: embora a metade dos alunos esperasse se matricular em uma matéria como essa, a maioria maciça não atribui importância à existência dela na matriz curricular. Esse dado é relevante na medida em que provavelmente revela um discurso sobre a formação profissional do engenheiro e mesmo uma representação sobre os objetivos das aulas de português na vida escolar pregressa (e futura).

12 12 8. Considerações finais Este trabalho é o relato parcial de uma das etapas da pesquisa Leitura e escrita na formação do engenheiro, que vem sendo executada por uma equipe do CEFET-MG formada por estudantes de engenharia e professores do departamento de Linguagem & Tecnologia. Neste artigo, apresentamos e discutimos, brevemente, os dados quantitativos revelados pelas respostas dos alunos a um questionário aplicado a todos os estudantes ingressantes nas engenharias do CEFET-MG no primeiro semestre de Este tipo de método (aplicação de questionários) obviamente tem seus limites e vieses. Apesar do cuidado dos pesquisadores na composição do instrumento, é impossível garantir que os estudantes tenham feito avaliações sérias sobre si mesmos ou que tenham dado respostas sinceras. Por se tratar de um censo, espera-se, no entanto, que a maior parte das questões levantadas tenha sido respondida com seriedade. Se não formos capazes de levantar certezas sobre este perfil de estudante novato em relação ao estudo de língua e produção textual, ao menos poderemos ter levantado questões, proposto um debate e, quem sabe, ter tido elementos para repensar ementas e planos de curso. Ao que parece, em relação a esta etapa da pesquisa e a alguns itens do questionário, os estudantes demonstram conhecimentos consideráveis sobre os gêneros que circulam no meio acadêmico, isto é, não chegam à instituição, para cursar engenharia, completamente alheios a certos elementos do discurso científico. A despeito desse conhecimento conceitual bastante apropriado, nossa experiência empírica nos leva a relativizar estes dados quando observamos a produção inicial de artigos, resenhas e relatórios pelos estudantes calouros. Em sua maioria, esses textos, em suas primeiras versões, estão longe de atingir a forma e os objetivos do gênero e do domínio discursivo ao qual se ajustam. Procedimentos comuns aos gêneros, tais como citar, parafrasear (com fonte) e organizar em seções tais como introdução, metodologia, resultados e conclusão (para citar apenas algumas), não são comuns nas primeiras tentativas de produção textual com finalidade acadêmica. É preciso ensinar a citar, mostrar como funciona a paráfrase e insistir na organização formal de artigos e mesmo de resumos acadêmicos. Encontrar uma disciplina de Português na matriz curricular é surpresa para a maioria dos ingressantes. Frise-se, no entanto, que outra grande parte dos estudantes esperava por essa matéria, muito embora não atribua importância a ela. De fato, que impacto tem estudar mais quatro meses de português no curso de engenharia? Talvez sejam necessários dois movimentos, pelo menos: trabalhar na perspectiva dos letramentos, atuando diretamente nas

13 13 necessidades comunicacionais dos estudantes, de preferência mais adiante na matriz curricular (e não no primeiro período, como é o caso de vários cursos), considerando-se a hipótese de que a importância de disciplinas como as que focalizamos aqui seja melhor percebida por alunos mais maduros e mais apercebidos das demandas de leitura e escrita no ensino superior e na vida profissional; e desvelar, para os estudantes, uma experiência de disciplina diversa da que eles tiveram ao longo de sua formação básica, surpreendendo-os, talvez. Esses resultados nos trazem mais perguntas do que respostas, ensejando que mais cruzamentos sejam feitos, como, por exemplo: Alunos que têm Português em períodos mais avançados têm outra percepção da disciplina? Estudantes novatos saberiam explicitar suas necessidades comunicacionais, especialmente em relação à escrita na vida acadêmica e profissional? Esses são elementos para novas análises e investigações, que esperamos executar em um futuro próximo. 9. Referências ARAÚJO, Elenise Maria de; SANTOS, Fernando César Almada. Proposta de inclusão da disciplina Metodologia da pesquisa em engenharia de produção na graduação da EESC- USP. XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Porto Alegre, p , BORCHARDT, Miriam et al. Avaliação das competências necessárias ao engenheiro de Produção: a visão das empresas. XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Foz do Iguaçu, 9-11 de outubro de BRASIL. Ministério da Educação (MEC). MEC/CNE, Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia, Parecer CNE/CES 1.362/2001 de 12/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 25/2/2002. BUSS, Ricardo Niehues; REINERT, José Nilson. O humanismo na formação do administrador: caso UFSC. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 14, n. 1, p , mar CASAGRANDE, Ronaldo Vinícius; CATEN, Carla. Análise comparativa do grau de necessidade entre competências básicas do ensino profissionalizante: um estudo de caso. XXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Ouro Preto, 21 a 24 de out de 2003.

14 14 COSTA, Cleber C.; LETA, F. R. Características curriculares dos cursos de engenharia mecânica nas universidades públicas: subsídios para discussão sobre a reforma curricular. X Encontro de Educação em Engenharia, 2004, Búzios. X EEE, EBERSPÄCHER, Henri Frederico; MARTINS, Juliana Vermelho. De disciplinas para programas de aprendizagem: um repensar o ato pedagógico no curso de engenharia de computação. XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Porto Alegre, FERNANDES, Denise S. Cicaroni; SANTOS, Marcos A. Paladini dos; BURIN, Alessandra C. Hernandes. A questão do letramento na universidade: algumas reflexões e desafios. Revista de Ciências Gerenciais, v. XII, n. 15, p , FISCHER, Adriana. A construção de letramento na esfera acadêmica. Tese (Doutorado) Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2007, v.1. OLIVEIRA, Katya Luciane de; SANTOS, Acácia A. Angeli dos. Compreensão em Leitura e Avaliação da Aprendizagem em Universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 18, n.1, p , RIBEIRO, Ana Elisa; VILLELA, Ana Maria N. Engenheiro não sabe escrever : Estereótipos improdutivos e o ensino português. Anais do XV ENDIPE Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, Belo Horizonte, MG, UFMG, abril RIOS, Jaime R. Teixeira; SANTOS, Adilson Pereira dos; NASCIMENTO, Caroline. Evasão e retenção no ciclo básico dos cursos de engenharia da Escola de Minas da UFOP. XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Porto Alegre, SÁ, Luciana Passos; QUEIROZ, Salete Linhares. Promovendo a argumentação no ensino superior de química. Quim. Nova, V. 30, N. 8, , SANTORO, Maria Isabel. A influência da disciplina Metodologia da pesquisa e redação científica em dissertações e teses da faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP. XXIX Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Porto Alegre, SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, UFSJ - Universidade Federal de São João Del Rei. Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Elétrica, VERTICCHIO, Norimar de Melo. Análise comparativa das habilidades e competências necessárias para o engenheiro na visão da indústria, dos discentes e dos docentes. Dissertação (mestrado em Engenharia) Universidade Federal de Minas Gerais, 2006.

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO. Curso: Bacharelado em Administração de Empresas PROGRAMA INSTITUCIONAL DE NIVELAMENTO Curso: Bacharelado em Administração de Empresas São Paulo 2014 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Objetivos... 3 3. Política de Nivelamento... 3 4. Diretrizes do Nivelamento...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE

A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE A IMPORTÂNCIA DAS DISCIPLINAS DE MATEMÁTICA E FÍSICA NO ENEM: PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSO PRÉ- UNIVERSITÁRIO DA UFPB LITORAL NORTE ALMEIDA 1, Leonardo Rodrigues de SOUSA 2, Raniere Lima Menezes de PEREIRA

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Curso de Engenharia de Produção NORMAS DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Viçosa, Minas Gerais 2014 1 INTRODUÇÃO As atividades complementares, inseridas no projeto pedagógico, têm por finalidade proporcionar

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Lustre sem graxa Engenharia de Produção Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Falo sempre com a minha família que não

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Formação de professores do Ensino Médio

Formação de professores do Ensino Médio Formação de professores do Ensino Médio Etapa I Caderno VI Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio A Avaliação no Ensino Médio Ocimar Alavarse Gabriel Gabrowski Mediadora: Viviane Aparecida

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero.

PALAVRAS-CHAVE: PNLD, livro didático, língua estrangeira, gênero. PNLD 2011: ANÁLISE DE UMA COLEÇÃO DE LIVRO DIDÁTICO DE INGLÊS Universidade Federal de Goiás Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística Mestranda: Maria Letícia Martins Campos FERREIRA mleticiaf@hotmail.com

Leia mais

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM

RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM ISSN 2177-9139 RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA DO GRUPO DE APOIO EM FÍSICA E MATEMÁTICA DA UFSM - GAFM Samuel Sonego Zimmermann - samuel.sonego.zimmermann@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria, Campus

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão Curso: Engenharia Civil SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da UNESA tem por missão formar Engenheiros Civis com sólida formação básica e profissional, alinhada com as diretrizes

Leia mais

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência

Pibid 2013 Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Proposta Edital nº. 61/2013 Número da proposta 128395 ID Projeto - UFU Instituição de Ensino Superior Nome UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA/UFU Código INEP 17 CNPJ 25.648.387/0001-18 Categoria administrativa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS

PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS PROJETO DE LEITURA E ESCRITA LEITURA NA PONTA DA LÍNGUA E ESCRITA NA PONTA DO LÁPIS A língua é um sistema que se estrutura no uso e para o uso, escrito e falado, sempre contextualizado. (Autor desconhecido)

Leia mais

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade)

Identificação. PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1. Modalidade: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) PROEX - Projeto de Extensão Universitária Página 1 Modalidade: Trâmite Atual: Com solicitação de bolsas e/ou recursos (Em continuidade) Manifestação da CPEU Identificação Projeto Institucionalizado a quem

Leia mais

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES

ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS DO ENSINO DE CIÊNCIAS NO FUNDAMENTAL I: UMA ANÁLISE A PARTIR DE DISSERTAÇÕES Tamiris Andrade Nascimento (Mestranda do Programa Educação Cientifica e Formação de Professores da Universidade

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

Como elaborar um relatório de pesquisa

Como elaborar um relatório de pesquisa Como elaborar um relatório de pesquisa Profa. Dra. Maria José B. Finatto - UFRGS - Instituto de Letras www.ufrgs.br/textecc Seminários Temáticos PROPESQ - 2012 Preâmbulo - sério! O Programa Institucional

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO,

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM SERVIÇO E A DISTÂNCIA: O CASO VEREDAS BRANCO, Juliana Cordeiro Soares Branco CEFET MG Juliana.b@ig.com.br OLIVEIRA, Maria Rita Neto Sales CEFET MG mariarita2@dppg.cefetmg.br

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Resenhas 161 ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola, 2009. Márcia Moreira Pereira* marcia.moreirapereira@gmail.com *Possui graduação em Letras pela Universidade

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador

Metodologia Para a realização desse trabalho foi analisado o Documento orientador FORMAÇÃO CONTINUADA: UMA ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO SISMÉDIO NA ESCOLA PROFESSOR JOSÉ SOARES DE CARVALHO- GUARABIRA-PB Gyslâynne Mary dos Santos Hermenegildo Rodrigues EEEFM Professor José Soares de Carvalho

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR

CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR CREA-JÚNIOR UM FUTURO PROMISSOR LOMBARDO, Antonio lombardo@net.em.com.br, lombardo@crea-mg.com.br Universidade de Itaúna, Departamento de Engenharia Mecânica Campus Verde Universidade de Itaúna 35.680-033

Leia mais

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID

UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID UMA EXPERIÊNCIA EM ALFABETIZAÇÃO POR MEIO DO PIBID Michele Dalzotto Garcia Acadêmica do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Centro- Oeste/Irati bolsista do PIBID CAPES Rejane Klein Docente do

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR?

POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR? POR QUE FAZER ENGENHARIA FÍSICA NO BRASIL? QUEM ESTÁ CURSANDO ENGENHARIA FÍSICA NA UFSCAR? Póvoa, J. M, Ducinei Garcia Departamento de Física - Universidade Federal de São Carlos Via Washington Luiz, Km

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS MISSÃO DO CURSO A concepção do curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas está alinhada a essas novas demandas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II Edital Pibid n /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

O TRABALHO DE MONOGRAFIA

O TRABALHO DE MONOGRAFIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Módulo VI-a 27 a 29 de janeiro de 2011 O TRABALHO DE MONOGRAFIA PRINCÍPIO PARA O CONHECIMENTO E A FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prof. Ms. Adriana Fernandes

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS

Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Curso de Especialização Educação Infantil 2ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem da Criança de 0 a 5 anos Docente do Curso Gilza Maria Zauhy Garms Total da Carga

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA

EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA ISSN 2177-9139 EXPLORANDO O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL POR MEIO DA MODELAGEM MATEMÁTICA. Caroline Conrado Pereira 1 caroline_conrado@ymail.com Centro Universitário Franciscano, Rua Silva Jardim, 1175 Santa

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL

MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL MARKETING DE RELACIONAMENTO UMA FERRAMENTA PARA AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: ESTUDO SOBRE PORTAL INSTITUCIONAL Prof. Dr. José Alberto Carvalho dos Santos Claro Mestrado em Gestão de Negócios Universidade

Leia mais

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA

A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Revista Eletrônica de Educação de Alagoas - REDUC ISSN 2317-1170 V. 01, N. 02 (2013) A PROPOSTA DE ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA DOS PCN E SUA TRANSPOSIÇÃO ENTRE OS PROFESSORES DE INGLÊS DE ARAPIRACA Patrícia

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização

PLANO DE ENSINO. CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização PLANO DE ENSINO CURSO: Licenciatura em Pedagogia ANO/TRIMESTRE: 2014/1 DISCIPLINA: Alfabetização e Letramento: métodos de alfabetização CARGA HORÁRIA: 90h PROFESSOR: Lourival José Martins Filho 1 EMENTA

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA

Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Médio Regular e EJA Analisando a construção e a interpretação de gráficos e tabelas por estudantes do Ensino Fabiano Fialho Lôbo Universidade Federal de Pernambuco fabiano_lobo@yahoo.com.br Luciana Rufino de Alcântara Universidade

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC

AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br. INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC AUTORA: Djenane Sichieri Wagner Cunha - djenanewagner@uol.com.br INSTITUIÇÕES: Faculdade de Educação São Luís e Universidade Interativa COC TÍTULO: O TRABALHO COM OS PARADIDÁTICOS EM SALA DE AULA: Estratégias

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES

A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES A GENÉTICA NAS PROVAS DO ENEM: DADOS PRELIMINARES Edson Klug Bartz (Acadêmico de Licenciatura em Ciências Biológicas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense/IFSul Bolsista

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA PRESENCIAL DEB ANEXO II EDITAL Nº 001/2011/CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem

APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem APRESENTAÇÃO DO PROJETO e-jovem O Projeto e-jovem é uma iniciativa do Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Educação SEDUC, cuja proposta visa oferecer formação em Tecnologia da Informação

Leia mais

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES

AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DO 8º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL NA COMPREENSÃO DE EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES Silmara Cristina Manoel UNESP Ilha Solteira Silmaracris2@hotmail.com Inocêncio Fernandes Balieiro Filho

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA

ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA ELABORAÇÃO DE CATÁLOGO DESCRITIVO DE SITES PARA O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA Dayane Ribeiro da Silva (PICV/PRPPG/ UNIOESTE), Greice da Silva Castela (Orientadora), e-mail: greicecastela@yahoo.com.br

Leia mais

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO

OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA DAS ESCOLAS PÚBLICAS (OBMEP): EXPERIÊNCIAS VIVENCIADAS A PARTIR DO PIBID UEPB MONTEIRO Cícero Félix da Silva; Izailma Nunes de Lima; Ricardo Bandeira de Souza; Manoela

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP

SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP SISTEMA DE INFORMAÇÃO DOS ALUNOS EGRESSOS DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA EESC- USP Fábio S. Dragone fsdragone@hotmail.com Juliana A. Banik jubanik@yahoo.com.br Rodrigo X. Franco roxf@bol.com.br Fernando

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN.

A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Eixo temático: Educação e Ciências Exatas e Naturais A EXPERIÊNCIA DA MONITORIAINTEGRADACOMO AGENTE PROMOTOR NA FORMAÇÃO ACADÊMICA E PROFISSIONAL DO FORMANDO NO DBG/CB-UFRN. Daniella Regina Arantes Martins

Leia mais

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso

Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso Conhecimento e Compreensão do Tema Produção Mais Limpa em Cursos de Especialização: Um Estudo de Caso FRANKENBERG, C. L. C. a*, CANTELLI, M. a, DE OLIVEIRA, P. G. b a. Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO

OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO ISSN 2177-9139 OLIMPÍADAS DE CIÊNCIAS EXATAS: UMA EXPERIÊNCIA COM ALUNOS DO ENSINO PÚBLICO E PRIVADO André Martins Alvarenga - andrealvarenga@unipampa.edu.br Andressa Sanches Teixeira - andressaexatas2013@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

O PROJETO PASSO A PASSO

O PROJETO PASSO A PASSO O PROJETO PASSO A PASSO Aproveitando esta nossa conversa inicial e já nos pondo a trabalhar, vamos começar a pensar em seu projeto de trabalho final, no qual você formalizará seu compromisso acadêmico

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA

MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO: O QUE PENSAM PROFESSORES, ALUNOS E REPRESENTANTES DO COMÉRCIO DO MUNICÍPIO DE BOA VISTA ESTADO DE RORAIMA José Roberto da silva Almeida, Arno Bayer jrsa12@hotmail.com,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 36 / 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Graduação em Línguas Estrangeiras

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: História da Educação (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II

PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE PEDRO II CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO (LATO SENSU) LINGUAGEM E NOVAS TECNOLOGIAS APLICADAS À EDUCAÇÃO CREDENCIADA PELA PORTARIA MEC Nº 1.096, DE 29/05/06 (Resolução CNE/CES nº 01/2007)

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais