RFID E SUAS APLICAÇÕES UM ESTUDO DE CASO COM PRATELEIRAS INTELIGENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RFID E SUAS APLICAÇÕES UM ESTUDO DE CASO COM PRATELEIRAS INTELIGENTES"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TELEINFORMÁTICA Marcelo Ferreira de Sousa RFID E SUAS APLICAÇÕES UM ESTUDO DE CASO COM PRATELEIRAS INTELIGENTES Fortaleza-CE Setembro de 2010

2 Marcelo Ferreira de Sousa RFID E SUAS APLICAÇÕES UM ESTUDO DE CASO COM PRATELEIRAS INTELIGENTES Dissertação submetida ao corpo docente da Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Teleinformática da Universidade Federal do Ceará como parte dos requisitos necessários para obtenção do grau de MESTRE EM ENGENHARIA DE TELEINFORMÁTICA. Área de concentração: Eletromagnetismo Aplicado Orientador: Prof. Dr. Antonio Sérgio Bezerra Sombra. Co-orientador: Prof. Dr. Giovanni Cordeiro Barroso. Fortaleza-CE Setembro de 2010

3 Marcelo Ferreira de Sousa RFID E SUAS APLICAÇÕES UM ESTUDO DE CASO COM PRATELEIRAS INTELIGENTES Dissertação submetida à coordenação do Programa de Pós- Graduação em Engenharia de Teleinformática da Universidade Federal do Ceará como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia de Teleinformática. Área de concentração: Eletromagnetismo Aplicado. Aprovada em 24/09/2010. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Antônio Sérgio Bezerra Sombra (Orientador) Universidade Federal do Ceará UFC Prof. Dr. Giovanni Cordeiro Barroso Universidade Federal do Ceará UFC Prof. Dr. José Ricardo Bergmann Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro PUC/RJ Prof. Dr. Daniel Xavier Gouveia Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará IFCE

4 Agradeço a Deus, pela Sua providência Divina, ao professor Giovanni, pelo seu apoio e motivação e a todos que colaboraram direta ou indiretamente na elaboração deste trabalho.

5 desconhecido). A diferença entre o ordinário e o extraordinário é aquele pequeno extra (Autor

6 RESUMO Neste trabalho é apresentado um estudo sobre a identificação por radiofrequência, RFID, analisando sua aplicação à logística de distribuição de produtos nos pontos de venda, enfocando o estoque de produtos no comércio de varejo, a fim de melhorar a eficiência da reposição dos produtos em um sistema de Suprimento Enxuto através da utilização de prateleiras inteligentes. Também é apresentada uma contribuição para um sistema de Suprimento Enxuto através da aplicação de prateleiras inteligentes com a tecnologia de RFID, prevenindo as situações de falta de estoque de produtos nas lojas. Inicialmente, é apresentado o embasamento teórico sobre RFID, abordando a teoria e os conceitos relacionados a esta tecnologia, bem como os seus princípios de funcionamento. Um estudo sobre a metodologia de Sistema Enxuto também foi realizado, buscando compreender melhor esta abordagem que vem sendo amplamente utilizada na indústria e na cadeia de suprimentos, trazendo melhoria da eficiência operacional das empresas. Nesta busca por eficiência, um dos objetivos do Sistema Enxuto é a redução de estoque, que demanda a automação da monitoração da quantidade de produtos disponíveis nos pontos de venda. É exatamente esta necessidade que motivou este trabalho. A tecnologia de RFID foi analisada como uma solução tecnológica para este problema. Para isto, foi realizado um estudo de caso, através de uma prova de conceito para investigar o desempenho de RFID em seu estado da arte. Em seguida, foi então proposta uma arquitetura de prateleiras inteligentes para o controle do estoque de produtos no varejo. Os desafios encontrados neste tipo de aplicação também são descritos detalhadamente. Nesta dissertação, também será apresentado todo o processo utilizado no projeto do protótipo das prateleiras inteligentes, bem como os procedimentos de testes realizados para avaliar o desempenho do sistema concebido. A conclusão deste estudo demonstra o grau de viabilidade da tecnologia RFID para o uso em sistemas de prateleiras inteligentes, visando atender às necessidades do Suprimento Enxuto. Palavras-chave: Identificação por Radiofrequência, RFID, Suprimento Enxuto, tag, etiqueta eletrônica, prateleiras inteligentes, Electronic Product Code (EPC), gerenciamento da cadeia de suprimentos.

7 ABSTRACT This work presents a thorough study about radiofrequency identification, RFID, analyzing its application to logistics of distribution of a specific product in its points of sale, focusing on the stock of products in the retailer, searching for the best efficiency in the replenishment of products in a Lean Supply system through the use of smart shelves. This work intends to enable a lean supply system through the application of a smart shelf with RFID technology, preventing out-of-stock situations in the retailer. Initially, the theoretical background about RFID is presented, covering the theory and concepts related to this technology, as well as the working principles. A study about Lean Systems is also presented, searching for a better understanding about this approach which is being broadly used in the industry and in supply chains, bringing an improvement in the operational efficiency of these organizations. In this search for efficiency, one of the goals of Lean System is the inventory reduction, which demands automation of monitoring the amount of products available in the points of sale. This is the real need which motivated this work. RFID technology was analyzed as a technological solution to this problem. So, a study case was developed through a proof of concept to investigate the performance of RFID in its state of the art. Following, it was proposed an architecture for the smart shelves to be used in the stock control of products in the retail market. The challenges in this type of application are fully described. In this dissertation, the whole process used in the project of the smart shelf prototype will be presented, as well as the test procedures conducted to evaluate the performance of the realized system. The conclusion of this work demonstrates the viability degree of RFID technology to be used in a smart shelf in order to meet the needs of a Lean Supply system. Keywords: Radio Frequency Identification, RFID, Lean Supply, tag, smart shelf, Electronic Product Code (EPC), supply chain management.

8 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 2.1 Onda plana se propagando no espaço em um dado instante de tempo...19 Figura 2.2 Regra da mão direita para identificar a direção do vetor de Poynting...20 Figura 2.3 Bandas de frequência de RFID...27 Figura 2.4 Alocações de banda no mundo para RFID em UHF...28 Figura 2.5 Componentes de uma tag e uma etiqueta inteligente na sua forma final...29 Figura 2.6 Tags passivas em UHF...30 Figura 2.7 Leitora UHF (esquerda) e leitora de HF com sua antena em circuito impresso..32 Figura 2.8 Polarizações lineares (esquerda) e circular interagindo com uma tag linear...34 Figura 2.9 Exemplos de configurações de antenas de tag para as frequências de RFID...35 Figura 2.10 Componentes básicos de um sistema de RFID...35 Figura 2.11 Representação dos sitemas full duplex, half duplex e sequencial no tempo...36 Figura 2.12 Alimentação de energia para a tag a partir do acoplamento magnético...37 Figura 2.13 Princípio de operação de uma tag com backscatter (reflexão)...37 Figura 2.14 Circuito equivalente de um sistema RFID com acoplado elétrico...38 Figura 2.15 Família de padrões para cartões inteligentes com e sem contato...39 Figura 2.16 Sistema de prateleiras inteligentes (GLOVER; BHATT, 2006)...44 Figura 3.1 Ford modelo T (WEBMOTORS, 2010)...49 Figura 3.2 Diagrama da casa do TPS...52 Figura 3.3 Ilustração dos fundamentos do Seis Sigma Enxuto...60 Figura 4.1 Produto a ser rastreado nas prateleiras...66 Figura 4.2 Estrutura de madeira para os testes iniciais...74 Figura 5.1 Posições dos ganchos no aparato experimental de madeira...80 Figura 5.2 Disposição da tag na embalagem, de acordo com o modelo...82 Figura 5.3 Sequência de testes em cada linha do aparato...83 Figura 5.4 Leiaute do protótipo desenvolvido para as prateleiras inteligentes...87 Figura 5.5 Disposição das antenas nas prateleiras...88

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 5.1 Atividade de RF no ambiente...78 Gráfico 5.2 Leitora desligada (esq.) e ligada (dir.), detectados pelo analisador de espectro.79 Gráfico 5.3 Distribuição de intensidade de sinal nos ganchos do aparato de testes...81 Gráfico 5.4 Melhor resultado de cada leitora...85

10 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Expressões para α e k para meios com perdas e sem perdas Tabela 2.2 Comparação entre tecnologias de identificação Tabela 2.3 Características e aplicações das faixas de frequência populares em RFID Tabela 2.4 Formato de um código EPC...41 Tabela 4.1 Pontos fortes das faixas de frequência HF e UHF para RFID...66 Tabela 4.2 Tags selecionadas para os testes...68 Tabela 4.3 Características das tags selecionadas para os testes Tabela 4.4 Leitoras selecionadas para os testes...71 Tabela 4.5 Antenas selecionadas para os testes...72 Tabela 5.1 Níveis de potência do sinal em cada posição de gancho do aparato...80 Tabela 5.2 Resultado do teste de cada combinação de leitora e tag no aparato...84 Tabela 5.3 Resultado do teste de carga com antenas laterais...88 Tabela 5.4 Resultado do teste de carga com antenas na vertical...89 Tabela 5.5 Resultado do teste de estresse...89

11 LISTA DE TERMOS E ABREVIATURAS AAR Sigla para Association of American Railroads. Associação da indústria ferroviária dos EUA. ANSI Sigla para American National Standards Institute. É uma organização privada sem fins lucrativos que administra e coordena o sistema de conformidade e padronização dos EUA. CONTRAN Acrônimo para Conselho Nacional de Trânsito do Brasil do Brasil. db Abreviatura para Decibel, que é uma unidade logarítmica de medida que expressa a magnitude de uma grandeza física relativa a um determinado nível de referência. dbm Ganho em decibéis relativo a uma referência de 1 miliwatt. CI Circuito Integrado. CRC16 sigla para o termo em inglês Cyclic Redundancy Check, ou verificação de redundância cíclica. É um código detector de erros que gera um valor expresso em 16 bits em função de um bloco maior de dados. DoD Sigla para Department of Defense. Departamento de defesa dos EUA. DSP Sigla para Digital Signal Processor. Processador digital de sinais. EAN Sigla para European Article Numbering. Padrão de simbologia de código de barras usado na europa. EAS Sigla para Electronic Article Surveillance. Tecnologia para identificar roubo de produtos em lojas de varejo. EIRP Sigla para Effective Isotropic Radiated Power. É uma medida da potência da antena de uma leitora usada nos Estados Unidos, normalmente expressa em Watts. EIRP = 1.64 ERP. EPC Sigla para Electronic Product Code. Padrão para identificação única de produtos na cadeia de suprimentos. ERP Sigla para Effective Radiated Power. É uma medida da potência da antena usada na Europa, normalmente expressa em Watts. ETSI Sigla para European Telecommunications Standards Institute. Organização independente cuja missão é definir e regulamentar padrões de telecomunicações na Europa. FCC Sigla para Federal Communications Commission. Agência ligada ao congresso dos EUA para regular as comunicações via radio, televisão, cabo e satélite nos EUA. GPRS Sigla para General Packet Radio Service. Melhoria do sistema 2.5G para o sistema GSM que usa a tecnologia de transmissão por chaveamento de pacotes de dados. HF Sigla para High Frequency. Faixa de alta frequência que compreende a faixa de 3 MHz a 30 MHz, sendo MHz a frequência típica usada em RFID nesta faixa. HTTP Acrônimo para Hypertext Transfer Protocol. Protocolo de transferência de hipertexto, utilizado para sistemas de informação distribuídos e colaborativos. Inlay Uma tag completamente montada em um substrato, ainda não pronta para o uso. Inlet Um inlay.

12 ISM Sigla para Industrial, Scientific, and Medical. Sigla para a faixa de frequência de 2.4 GHz que é aceita mundialmente para uso em equipamentos da área industrial científica e médica. ISO Sigla para International Organization for Standardization. A ISO é uma entidade não governamental formada por rede dos institutos nacionais de padrões de 46 países, na base de um membro por país, com secretariado sediado em Genebra, na Suíça. Joint venture Associação de empresas, que pode ser definitiva ou não, com fins lucrativos, para explorar determinado(s) negócio(s), sem que nenhuma delas perca sua personalidade jurídica. Lean Palavra de origem inglesa cuja tradução literal é enxuto. Este termo vem sendo utilizado como uma metodologia para melhoria da eficiência de processos baseada na eliminação de tudo que for desnecessário ou que não agregue valor. LF Sigla para Low Frequency. Faixa de baixa frequência que compreende a faixa de 30 khz a 300 khz, sendo 125kHz a frequência típica usada em RFID nesta faixa. OCR Optical Character Recognition. Termo em inglês que significa reconhecimento óptico de caracteres. POS Ponto de venda ou ponto de serviço, do inglês: Point of Sale. RF Sigla para Rádio frequência. RFID Sigla para Identificação por Radiofrequência. SINIAV Sigla para Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos. SKU Sigla para Stock Keeping Unit. Unidade de manutenção em estoque. SO Sigla para Sistema operacional. Tag Etiqueta eletrônica que contém um microchip. Transponder uma tag que pode atuar tanto como transmissor como receptor. Na prática, é comum usar transponder como sinônimo de tag. UCC Sigla para Uniform Code Council. Organização que administrava o UPC nos EUA. UHF Sigla para Ultra High Frequency. Faixa de altíssima frequência que compreende a faixa de 300 MHz a 3 GHz, sendo 915 MHz a frequência típica usada em RFID para sistema UHF passivos nos EUA e Brasil, e 868 MHz na Europa. Para sistemas ativos, as frequências típicas são 315 MHz e 433 MHz. UPC Sigla para Uniform Product Code. Sistema popular de código de barras usado nos EUA.

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO RFID PROPRIEDADES DAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS COMPARAÇÃO COM OUTRAS TECNOLOGIAS ORIGEM DO RFID FAIXAS DE FREQUÊNCIA E TIPOS DE ACOPLAMENTO TAGS LEITORAS ANTENAS PRINCÍPIOS DE OPERAÇÃO DE RFID PADRÕES E PROTOCOLOS APLICAÇÕES DE RFID SUPRIMENTO ENXUTO FALTA DE ESTOQUE PRODUÇÃO EM MASSA SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO SUPRIMENTO ENXUTO SEIS SIGMA ENXUTO PROJETO DAS PRATELEIRAS INTELIGENTES METODOLOGIA UTILIZADA PARA PROJETO E TESTES Definição das variáveis técnicas de RFID Análise das variáveis técnicas e da aplicação Escolha dos componentes e equipamentos Definição dos testes a serem realizados e critérios de avaliação Realização dos testes Análise dos resultados DEFINIÇÕES PRELIMINARES Produto a ser monitorado...65

14 4.2.2 Frequência de operação Padrão e protocolo ESCOLHA DOS COMPONENTES E EQUIPAMENTOS Tags Leitoras Antenas Infra-estrutura de testes DEFINIÇÃO DOS TESTES CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TESTES TESTE PARA ESPECIFICAÇÃO DO LAYOUT DAS PRATELEIRAS AVALIAÇÃO DO AMBIENTE AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO DE RF NO AMBIENTE MEDIÇÃO DO NÍVEL DE POTÊNCIA NA ÁREA DE COBERTURA TESTE DE POSICIONAMENTO E ORIENTAÇÃO DAS TAGS TESTES DE CARGA Testes com antenas nas laterais do móvel Testes com antenas na parte superior e inferior do móvel TESTE DE ESTRESSE DO PROTÓTIPO DA PRATELEIRA CONCLUSÃO...91 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...93 ANEXOS...96 ANEXO A FABRICANTES DE PRODUTOS PARA RFID...97 ANEXO B FONTES DE INFORMAÇÃO SOBRE RFID...98 ANEXO C TRABALHO APRESENTADO NO WIRELESS SYSTEMS INTERNATIONAL MEETING

15 14 1 INTRODUÇÃO Atualmente, no mundo corporativo moderno, as empresas buscam de forma sistemática atingir o máximo de eficiência operacional, através da redução dos custos e investimentos e do aumento do faturamento. A qualidade é um fator importante nesta busca, porque tanto ela afeta a percepção de valor dos clientes como ela também pode trazer muitos prejuízos se apresentar falhas. Portanto, toda a cadeia de suprimentos desempenha um papel crucial no resultado de uma empresa. Huber e Michael (2009) mostram que a falta de produtos em estoque é uma questão crucial na logística de fabricantes e varejistas, podendo levar a perdas enormes no volume de vendas. Os prejuízos afetam tanto os varejistas quanto os fabricantes dos produtos, fazendo com que ambos busquem soluções que evitem este problema. Este trabalho se propõe a realizar um estudo sobre a tecnologia de identificação por radiofrequência (Radio Frequency Identification RFID), fazer uma análise de suas várias aplicações e, mais especificamente, analisar a viabilidade de sua utilização como uma solução tecnológica para o fenômeno de falta de estoque de produtos no varejo. Desta forma, a tecnologia de RFID poderia atuar como uma forte aliada ao Sistema Enxuto da cadeia de suprimentos (Lean Supply). A tecnologia RFID fornece um mecanismo para identificação de itens à distância. RFID é um sistema de identificação automática que faz uso da eletrônica para armazenar informação e transportá-la através de ondas de rádio (GLOVER; BHATT, 2006). Utilizando esta tecnologia, cada produto pode ser identificado unicamente, permitindo saber qual o tipo de produto, fabricante e número de série, além de outros dados que o fabricante julgue necessários. O sistema de Suprimento Enxuto é baseado na metodologia Lean (enxuto), que é uma base de conhecimento e ferramentas que as empresas usam para remover qualquer tempo e atividades desnecessários de seus processos. De forma sucinta e geral, os benefícios do Sistema Enxuto são: remoção de atividades desnecessárias, redução de perdas, diminuição de prazos de entrega, redução de inventário, diminuição do tempo de ciclo, melhoria do fluxo de caixa, minimização de tempo parado, redução de defeitos e erros, melhoria da produtividade e melhoria da satisfação do cliente.

16 OBJETIVOS O objetivo central deste trabalho é o estudo da tecnologia de Identificação por Radiofrequência (RFID) e a verificação da viabilidade do seu uso em prateleiras inteligentes como forma de reduzir o problema de falta de estoque de um determinado produto no varejo, contribuindo para a formação de um sistema de Suprimento Enxuto. Para esta análise, será desenvolvido um protótipo de prateleiras inteligentes com a tecnologia de RFID, envolvendo a análise de vários modelos de dispositivos e equipamentos, bem como as definições do layout do protótipo. O desenvolvimento do protótipo físico das prateleiras e os testes realizados utilizarão uma metodologia que também será desenvolvida especificamente para este estudo de caso. Baseado nos vários testes de configuração e desempenho, será então feita a análise dos resultados obtidos. A viabilidade do protótipo desenvolvido será confirmada caso o protótipo consiga atingir a cobertura plena de todos os itens presentes na prateleira, o que comprovará que a informação fornecida por este sistema é precisa e confiável, que são as premissas básicas para as informações necessárias a um sistema de Suprimento Enxuto. 1.2 ORGANIZAÇÃO DA DISSERTAÇÃO Após a introdução feita neste Capítulo 1, será apresentada no Capítulo 2 a tecnologia de identificação por radiofrequência RFID. Serão apresentados os fundamentos teóricos desta tecnologia, bem como os principais componentes necessários para um sistema de prateleiras inteligentes, detalhando as características e especificidades de cada um. Neste capítulo serão apresentadas ainda algumas aplicações de RFID. No Capítulo 3, será feita uma introdução ao sistema de Suprimento Enxuto, onde será apresentada toda a evolução desta base de conhecimento, desde o seu surgimento, baseado nos primórdios da produção em larga escala que surgiu no início do século passado, até suas aplicações mais recentes nas grandes indústrias. No Capítulo 4 será descrito o desenvolvimento do projeto das prateleiras inteligentes com RFID, iniciando pela metodologia de desenvolvimento, juntamente com a

17 16 metodologia dos testes a serem realizados para avaliarem o seu desempenho e a viabilidade de aplicação em um Sistema Enxuto. Em seguida, serão apresentadas as várias etapas desenvolvidas para a escolha dos componentes mais adequados para as prateleiras inteligentes com RFID, chegando à concepção do protótipo final que será usado nos testes. Os testes serão abordados no Capítulo 5, que apresentará todos os procedimentos realizados para verificar o desempenho do protótipo desenvolvido, bem como todos os resultados dos testes realizados. As conclusões deste trabalho e perspectivas de trabalhos futuros serão apresentadas no Capítulo 6.

18 17 2 RFID O termo RFID é um acrônimo para a tecnologia de identificação por radiofrequência, oriunda da sigla em inglês para Radio Frequency Identification. Como será visto ao longo desta dissertação, várias expressões da língua inglesa são misturadas com expressões em português nesta tecnologia. Até mesmo a sigla apresenta uma confusão : ela é pronunciada metade em inglês e metade em português (usualmente, RFID lê-se: erre-efe-áidi). A tecnologia de identificação por radiofrequência usa ondas de rádio para identificar objetos de forma automática, sejam seres vivos ou objetos inanimados. Outra definição, dada por Glover e Bhatt (2006), descreve RFID como um sistema de identificação automática que faz uso da eletrônica para armazenar informação e transportá-la através de ondas de rádio. RFID é um dos tipos de tecnologia de identificação pelo qual um objeto pode ser identificado automaticamente (LAHIRI, 2005). Outros exemplos de tecnologias de identificação automática são: código de barras, sistemas de identificação biométrica (pela impressão digital, voz, geometria da mão e retina), cartões inteligentes de contato (smart cards) e reconhecimento ótico de caracteres. Para ilustrar melhor a palavra identificação, veja o seguinte exemplo: cartuchos de tinta para impressoras. Embora dois cartuchos do mesmo modelo presentes em uma mesma loja aparentem ser idênticos, várias diferenças podem ser apontadas, como: local de fabricação (um deles pode ter sido produzido na Malásia e o outro no Japão); as datas de validade; o número do pedido que o varejista solicitou os produtos ao distribuidor; as datas de entrega dos cartuchos na loja; etc. Ao ser usada no contexto de RFID, a palavra identificação se refere à unicidade de um objeto, permitindo distingui-lo de outro similar, mesmo que seja do mesmo fabricante, modelo e lote de fabricação.

19 PROPRIEDADES DAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Algumas propriedades das ondas eletromagnéticas se propagando no espaço aberto estabelecem a base necessária para compreender melhor os problemas de propagação e antenas relacionados à RFID. A existência de propagação de ondas eletromagnéticas foram previstas pelas equações de Maxwell, que especificam as relações entre as variações do vetor campo elétrico E e o vetor campo magnético H no tempo e no espaço em um determinado meio. Como os problemas nas aplicações sistêmicas de RFID raramente exigem as equações de Maxwell para resolvê-los, pode-se resumir as quatro equações de Maxwell conforme descrevem Saunders e Aragon (2007): Um campo elétrico é produzido por um campo magnético variante no tempo. Um campo magnético é produzido por um campo elétrico variante no tempo ou por uma corrente. Linhas de campo elétrico podem começar e terminar nas cargas ou são contínuas. Linhas de campo magnético são contínuas. As duas primeiras, as equações espirais de Maxwell, apresentam duas constantes relacionadas ao meio que influem nas intensidades dos campos. São a constante de permeabilidade do meio μ (H.m -1 ) e a constante de permissividade do meio ε (F.m -1 ). Normalmente, elas são expressas em relação ao vácuo: μ. = μ0 μ r ε = ε 0. ε r em que μ 0 e ε 0 são os valores no vácuo: 7 0 4π x 10 H. μ = m ,854 x 10 F. ε = m 36π 1 e μ r e ε r são os valores relativos (μ r = ε r = 1 no vácuo). Existem várias soluções para as equações de Maxwell e todas elas representam campos que poderiam ser reproduzidos na prática. Entretanto, todas elas podem ser representadas como um somatório de ondas planas, que representam a solução variante no tempo mais simples possível (SAUNDERS; ARAGON, 2007), conforme mostrado na Figura 2.1.

20 19 Figura 2.1 Onda plana se propagando no espaço em um dado instante de tempo Os campos elétrico e magnético são perpendiculares entre si e com a direção de propagação da onda, que é ao longo do eixo z. O vetor nesta direção é o vetor de propagação ou vetor de Poynting. Os dois campos estão em fase em qualquer ponto no tempo e no espaço. O campo elétrico oscilante produz um campo magnético, que por sua vez oscila, recriando um campo elétrico e assim por diante. Esta interação entre os dois campos armazena energia e então transmite potência ao longo do vetor de Poynting. A variação ou modulação das propriedades da onda (amplitude, frequência ou fase) então permite que a informação seja transmitida na onda entre sua fonte e o destino, que é o objetivo central dos sistemas de comunicação por radiofrequência. Os vetores dos campos seriam senoidais com amplitude constante, caso o meio não apresentasse perdas. Devido ao decaimento exponencial do campo, Saunders e Aragon (2007) sugerem que é conveniente representar a amplitude e a fase da onda usando números complexos, já que a onda varia senoidalmente tanto em relação ao tempo como à distância, resultando nas equações para os campos: Ε = E 0 Η = H e 0 j( wt kz) e xˆ j( wt kz) yˆ em que E 0 e H 0 são a amplitude dos campos elétrico e magnético, respectivamente, w = 2π f é a frequência angular, t é o tempo decorrido, k é o número de onda, z é a distância no eixo z, e xˆ e ŷ são vetores unitários na direção positiva dos eixos x e y, respectivamente. O número de onda representa a taxa de mudança da fase do campo com a distância, que, para o comprimento de onda λ, a fase da onda varia de 2π. Portanto: 2π k = λ

21 20 O vetor de Poynting S, medido em watts por metro quadrado, define a magnitude e a direção do fluxo de potência transmitido pela onda por metro quadrado de área paralela ao plano xy, ou seja, a densidade de potência da onda. Seu valor instantâneo é dado por: S = E x H* Usualmente, é necessária apenas a média do fluxo de potência em um período: S av = 1 E0H0zˆ 2 O vetor de direção na equação acima enfatiza que E, H e S av formam a regra da mão direita, conforme mostrado na figura abaixo: Figura 2.2 Regra da mão direita para identificar a direção do vetor de Poynting A velocidade de um ponto de fase constante na onda, que define a velocidade v na qual as frentes de onda avançam na direção S, é dada por: w v = = k 1 με Como k é definido em função do comprimento de onda, então este é dado por: λ = v f No vácuo, a velocidade de fase se torna: 1 8 v = c = 3 x 10 m / s μ ε 0 0 Quando o meio apresenta condutividade elétrica significativa, a amplitude da onda diminui com a distância percorrida, pois a energia é removida da onda e convertida em calor. Portanto, as equações para os campos podem ser substituídas por: Ε = E e Η = H [ j( wt kz) αz) 0 xˆ [ j( wt kz) αz] 0e yˆ

22 21 em que α é a constante de atenuação, que depende da permeabilidade e da permissividade do meio, da frequência da onda e da condutividade elétrica do meio σ, conforme mostrado na Tabela 2.1. Juntas, σ, μ e ε são conhecidas como os parâmetros constituintes do meio. Em consequência, as intensidades dos campos elétrico e magnético diminuem exponencialmente à medida que a onda avança pelo meio. A distância que a onda atravessa o meio até atingir uma redução no campo de e -1 = 36,8% do seu valor inicial é chamada de profundidade pelicular δ, que é dada por: 1 δ = α Portanto, a amplitude da intensidade do campo elétrico em um ponto z comparado com seu valor em z = 0 é dada por: z ( ) ( z) E(0) e δ E = Na Tabela 2.1 são apresentadas as expressões para α e k que se aplicam tanto para um meio sem perdas como para um meio com perdas. Tabela 2.1 Expressões para α e k para meios com perdas e sem perdas. n = ck/w em todos os casos Expressão exata Isolante (σ/ωε) 2 «1 Condutor (σ/ωε) 2» 1 Constante de atenuação α [m -1 ] ω μ σ ω 2 1 σ μ ωμσ 2 2 Número de onda k [m -1 ] ω μ σ ω ωμσ ω μ 2 Impedância da onda Z [Ω] jωμ σ + jω μ ωμ (1 + j) 2σ Comprimento de onda λ [m] 2π k ω 2π μ 2π 2 ωμσ Velocidade de fase ν [m.s -1 ] ω k μ 1 2ω μσ Com o campo predominantemente magnético presente na antena, um acoplamento indutivo pode ser feito nas proximidades da antena. A uma distância de λ/2π, o campo eletromagnético começa a se separar da antena e se propaga no espaço na forma de uma onda

23 22 eletromagnética (FINKENZELLER, 2003). A região entre a antena até o ponto onde o campo eletromagnético está se formando é denominada de campo próximo (near field) da antena. A partir do ponto onde o campo eletromagnético está totalmente formado e se separa da antena, é chamado de campo distante (far field). Na região do campo próximo, a intensidade do campo magnético decai com a distância em 60 db por década de distância, já que a intensidade do campo decai com a distância d pela relação de 1/d 3. No campo distante, esta taxa cai para 20 db por década, já que a intensidade do campo passa a variar com a distância pela razão de 1/d, pois nessa região se dá apenas a atenuação do espaço livre COMPARAÇÃO COM OUTRAS TECNOLOGIAS O código de barras é, provavelmente, o tipo de identificação automática de produtos mais utilizado (GLOVER; BHATT, 2006). Um dos motivos é o seu custo, que é o mais barato de todos, conforme mostrado na Tabela 2.2. Os códigos de barras apresentam a vantagem de serem rápidos e precisos de serem lidos, chegando a uma taxa de erro de apenas 1 em 3 milhões de leituras (LAHIRI, 2005). Outra vantagem é o custo da etiqueta, que é facilmente gerada por impressoras relativamente simples e baratas utilizando apenas papel ou etiquetas adesivas. Por outro lado, as etiquetas são sensíveis à sujeira, tinta, umidade e descoloração pela ação do sol. Além disso, o código de barras exige visada direta entre a leitora e a etiqueta, pois qualquer obstáculo entre eles inviabiliza a leitura. A biometria é definida como a ciência dos procedimentos de contagem e medição de características físicas que envolvem os seres vivos (FINKENZELLER, 2003). Nas aplicações de identificação de seres humanos, a biometria apresenta algumas vantagens interessantes. A unicidade de traços biométricos permite uma identificação eficaz, impede que uma pessoa se passe por outra e não precisa de etiquetas ou outros objetos associados à pessoa. Entretanto, a identificação biométrica é a mais lenta e a que exige um maior custo de implantação do sistema, como pode ser observado na Tabela 2.2, que sumariza a comparação entre RFID e outras tecnologias de identificação, ficando claras as vantagens de RFID sobre elas. RFID vem se destacando como uma das melhores ferramentas para automação da cadeia produtiva. Conforme descrevem Lee, Cheng e Leung (2004), o impacto da automação

RFID (Identificação por Radiofrequência)

RFID (Identificação por Radiofrequência) RFID (Identificação por Radiofrequência) Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de RFID, tecnologia wireless de identificação e coleta de dados. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica

Leia mais

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br

RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br RFID Você vai usar! Jean Pierre Borges de Sousa jeansousa@inf.ufg.br Graduado em Sistemas de Informação FASAM Mestrado em andamento em Ciência da Computação INF/UFG PRIMEIROS PASSOS Surgiu na Segunda Guerra

Leia mais

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA

ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO DA TECNOLOGIA DE IDENTIFICAÇÃO POR RÁDIO FREQUÊNCIA Camila de Brito Miranda 1 ; Rafaela do

Leia mais

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

A Física por trás da Tecnologia RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM A Física por trás da Tecnologia RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Espectro electromagnético 3 Espectro de frequência para o sistema RFID Tamanho da antena Existe uma razão de proporção

Leia mais

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM

Básico do RFID. Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM Básico do RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias, RFIDSCM 2 Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento do sistema RFID; 3. Aplicações. Organização da apresentação 1. História; 2. Funcionamento

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE RFID Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo mostrar o funcionamento do sistema de RFID, visando seu histórico, e principais atributos, assim servindo

Leia mais

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3

Brasil EPC. Código Eletrônico de Produto. Volume 3 Brasil EPC Código Eletrônico de Produto Volume 3 A implementação do código eletrônico de produto (EPC) e da tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID), promete importantes benefícios aos consumidores

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

Introdução à tecnologia RFID

Introdução à tecnologia RFID Sumário Como surgiu a tecnologia RFID... 2 Como funciona?... 2 Quais os benefícios e onde utilizar o sistema de RFID... 4 Utilização proposta... 4 Etapas para leitura de dados via RFID... 5 Diagrama de

Leia mais

2 Tecnologia de Identificação por Rádio Freqüência (RFID)

2 Tecnologia de Identificação por Rádio Freqüência (RFID) 2 Tecnologia de Identificação por Rádio Freqüência (RFID) A tecnologia de IDentificação por Rádio Freqüência (RFID) provê uma forma de identificar unicamente itens, distinguindo-os de qualquer outro, além

Leia mais

RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO

RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO WORKSHOP TECNOLOGIA CARDS 2009 RFID: APLICABILIDADE, CONFIABILIDADE, SEGURANÇA, PADRÕES E CASES DE SUCESSO São Paulo, 27.4.2009 Karina Prado Diretora Comercial GD Burti S.A. DEFINIÇÃO Radio-Frequency Identification

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência

RFID. RFID - Identificação por Radiofreqüência RFID RFID - Identificação por Radiofreqüência Sistema de Identificação por Radio Frequência O que é RFID? Objetivo e utilidade similares ao código de barras; Composto por 3 elementos: Uma antena; Um leitor;

Leia mais

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico

A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico A Tecnologia RFID Aplicada à Logística Instituto de Desenvolvimento Logístico Avenida Prudente de Morais, 290 4º andar Cidade Jardim (31) 2531 0166 contato@idel.com.br www.idel.com.br 1 Palestrante Mac

Leia mais

TM-RFID010: MODULO DE TREINAMENTO COMERCIAL DE LEITORES E TAGS

TM-RFID010: MODULO DE TREINAMENTO COMERCIAL DE LEITORES E TAGS TM-RFID010: MODULO DE TREINAMENTO COMERCIAL DE LEITORES E TAGS TM-RFID010: PALESTRANTES Antonio de Carvalho Administração de Empresas - FECAP Analise de Sistemas ADP Systems Gerente de Negócios Wagner

Leia mais

Entendendo a Tecnologia RFID

Entendendo a Tecnologia RFID Entendendo a Tecnologia RFID Como o próprio nome sugere a identificação por radiofreqüência é uma tecnologia de identificação automática que utiliza ondas eletromagnéticas como meio para capturar as informações

Leia mais

RFID: Identificação por Radiofrequência

RFID: Identificação por Radiofrequência RFID: Identificação por Radiofrequência 10 principais tendencias tecnológicas de 2015 - Gartner Computação em toda parte; Internet das coisas; Impressão 3D; Análises avançadas, pervasivas e invisíveis;

Leia mais

CH & TCR. Tecnologias de Identificação

CH & TCR. Tecnologias de Identificação Tecnologias de Identificação Código de barras O sistema de identificação conhecido por código de barras teve origem nos EUA, em 1973, com o código UPC (universal product code) e, em 1977, esse sistema

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE LONGA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Medição de alcance de transponders RFID na Empresa Fockink Panambi

Leia mais

Telefonia Celular. Renato Machado

Telefonia Celular. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 23 de Setembro de 2011 Sumário 1 2 3 Fórmula de Friis

Leia mais

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas

Setores Trilhas. Espaço entre setores Espaço entre trilhas Memória Externa Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou plástico, coberto com um material que poder magnetizado. Os dados são gravados e posteriormente lidos do

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião

REDES SEM FIO. Prof. Msc. Hélio Esperidião REDES SEM FIO Prof. Msc. Hélio Esperidião WIRELESS O termo wireless, significa sem fio, possui alguns sinônimos tais como: Rede sem fio Comunicação sem fio Computação Móvel Wi-FI? WI-FI? Wi-Fié uma marca

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados

Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Capítulo 12 Identificação automática e captura de dados Seções: 1. Visão geral dos métodos de identificação automática 2. Tecnologia de códigos de barra 3. Identificação por radiofrequência 4. Outras tecnologias

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Já é um ato que virou rotina na vida de todos: ao fazer uma compra, um leitor ótico faz a leitura do código de barra,

Já é um ato que virou rotina na vida de todos: ao fazer uma compra, um leitor ótico faz a leitura do código de barra, Desenvolvimento BM-1231 Integração com etiquetas RFID Versão 5 Release 28 Autor Jaciara Silva Processo: Nome do Processo: Integração com etiquetas RFID Acesso Vendas\Pedidos de Vendas Movimentações Compras\Pedidos

Leia mais

A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC

A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC A APLICAÇÃO DA TECNOLOGIA RFID NAS DIFERENTES ÁREAS DO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA-CBMSC Angelo João Heinzen Miguel 1 RESUMO Este artigo trata da tecnologia RFID (Radio Frequency Identification),

Leia mais

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID

Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID Localização de veículos em chão de fábrica usando tecnologia RFID José Lourenço Lemos Netto, Mauricio Duarte (Orientador), Bacharelado em Ciência da Computação Centro Universitário Eurípedes de Marília,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Cabeamento Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br Os cabos são usados como meio de comunicação há mais de 150 anos. A primeira implantação em larga escala de comunicações via

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA

CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA CONTROLE DO FLUXO DE PESSOAS UTILIZANDO IDENTIFICAÇÃO POR RADIOFREQUÊNCIA Matheus Stephano B. Moreira¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR - Brasil matheus_sbm@hotmail.com,

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Comunicações a longas distâncias

Comunicações a longas distâncias Comunicações a longas distâncias Ondas sonoras Ondas electromagnéticas - para se propagarem exigem a presença de um meio material; - propagam-se em sólidos, líquidos e gases embora com diferente velocidade;

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos

Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Aula 5 Componentes e Equipamentos Eletrônicos Introdução Componentes Eletrônicos Equipamentos Eletrônicos Utilizados no Laboratório Tarefas INTRODUÇÃO O nível de evolução tecnológica evidenciado nos dias

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias

Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias São Paulo, 21 de setembro de 2010 Sistema de Identificação, Rastreamento e Autenticação de Mercadorias e Dario Thober Centro de Pesquisas von Braun Centro de Pesquisa sem fins lucrativos Soluções inovadoras

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

O que é RAID? Tipos de RAID:

O que é RAID? Tipos de RAID: O que é RAID? RAID é a sigla para Redundant Array of Independent Disks. É um conjunto de HD's que funcionam como se fosse um só, isso quer dizer que permite uma tolerância alta contra falhas, pois se um

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Divisão de Subtransmissão / Departamento de Automação e Telecomunicação Especificação Técnica ETD 00.042 Rádio Comunicação Móvel VHF Dados e Voz Versão:

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

TEORIA GERAL DE SISTEMAS

TEORIA GERAL DE SISTEMAS TEORIA GERAL DE SISTEMAS A Internet global A World Wide Web Máquinas de busca Surgiram no início da década de 1990 como programas de software relativamente simples que usavam índices de palavras-chave.

Leia mais

SpinCom Telecom & Informática

SpinCom Telecom & Informática Rastreador GPS/GSM modelo Com as fortes demandas por segurança e gestão de frota, a SpinCom, acaba de lançar o rastreador GPS/GSM modelo. O rastreador é indicado para aplicações de rastreamento de automóveis,

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Coletores de Rádio Frequência PROF. DR. PAULO ROBERTO SCHROEDER DE SOUZA Introdução Com um mercado cada vez mais competitivo a automação dos processos é primordial; Uma central de

Leia mais

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto

ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto ROADSHOW PORTO RFID aplicado à Gestão Logística 26 de Maio 2011 Luis Peixoto The global language of business GS1 EPCglobal/RFID Uma ferramenta logística RASTREABILIDADE INFORMAÇÃO EM TEMPO REAL GS1 EPC

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Antena omni vs. antena direcional

Antena omni vs. antena direcional Antena omni vs. antena direcional Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Definições básicas e conceitos da antena Efeitos internos Prós e contras da antena Omni Prós

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Introdução ao sistema RFID

Introdução ao sistema RFID Introdução ao sistema RFID Profa. Renata Rampim de Freitas Dias Professora associada ao Centro de Excelência em RFID RFID _ Filme O que é RFID? RFID é um termo genérico denotando: A identifição de um objeto

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID

RFID. Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID Laird SEU FORNECEDOR DE ANTENAS RFID RFID A Identificação por Rádiofrequência permite a uma organização capturar, mover e gerenciar informações de e para cada ponto de atividade dentro do negócio

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3

IBM1018 Física Básica II FFCLRP USP Prof. Antônio Roque Aula 3 Linhas de Força Mencionamos na aula passada que o físico inglês Michael Faraday (79-867) introduziu o conceito de linha de força para visualizar a interação elétrica entre duas cargas. Para Faraday, as

Leia mais

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only.

Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004-2007 For Evaluation Only. BUG - Mini transmissor FM Os transmissores são as montagens favoritas dos rádios aficcionados: Temos um

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR

ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I: MEMÓRIA EXTERNA RAÍ ALVES TAMARINDO RAI.TAMARINDO@UNIVASF.EDU.BR DISCO MAGNÉTICO O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou de plástico,

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO

FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO FUNCIONAMENTO DE UM MONITOR CONTÍNUO DE OZÔNIO 1. Introdução A melhor tecnologia para o monitoramento de baixas concentrações de ozônio (O 3 ) no ar ambiente é a da absorção de luz na faixa do Ultra Violeta

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL. Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378

Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL. Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378 Centro Universitário Salesiano de Campinas UNISAL Tecnologia Maio 2006 Islei Tordin Ra 06030445 Saul Domingos Ra 06030378 Power Point Código de barras Utilização Facilidades Técnologia Podemos ficar ricos

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes

FTAD Formação Técnica em Administração. Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes FTAD Formação Técnica em Administração Módulo de Gestão de Materiais Aula 2 Prof. Marcus Fontes AULA PASSADA: CADASTRAMENTO DE MATERIAIS UMA REVISÃO RÁPIDA CONCEITO DE CADASTRAMENTO DE MATERIAIS E SUAS

Leia mais

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)?

Motivação. Sumário. Hierarquia de Memória. Como registramos nossas histórias (num contexto amplo)? Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Aplicadas e Educação Departamento de Ciências Exatas Motivação ACII: Armazenamento Secundário Prof. Rafael Marrocos Magalhães professor@rafaelmm.com.br

Leia mais

extras SOLO Estação Radio Base TETRA

extras SOLO Estação Radio Base TETRA Geyschlaegergasse 14, A-1150 Vienna, Austria, Europe +43/786 12 86-0 extras SOLO Estação Radio Base TETRA Utilidade Pública Indústria Governo Aeroportos Portos Transporte Segurança Pública 3T Communications

Leia mais