PROTEÇÃO RADIOLÓGICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTEÇÃO RADIOLÓGICA"

Transcrição

1 PROTEÇÃO RADIOLÓGICA O ser humano não dispõe de sistemas próprios para a detecção da presença de radiação ionizante. O uso desenfreado das radiações mostrou que: A radiação ionizante é capaz de produzir alterações no ser humano Radiodermite provocado pela exposição aos raios-x 1

2 1928 II Congresso Mundial de Radiologia em Estocolmo resolve a criação da Comissão Internacional de Proteção Radiológica (ICRP). Tarefas: expressar as quantidades de radiação emitidas por materiais radioativos e equipamentos emissores de radiação ionizante. estimar a produção de efeitos biológicos criar e introduzir grandezas e suas unidades. 2

3 GRANDEZAS E UNIDADES USADAS EM RADIOPROTEÇÃO ATIVIDADE (A) Expressa a quantidade de radiação emitida por uma amostra durante um determinado tempo. Unidades: Becquerel. (Bq) 1 Becquerel = 1 desintegração por segundo Curie (Ci) 1 Curie = 3,7 x desintegrações por segundo. 3

4 ATIVIDADE (A) Unidades - Submúltiplos: 1 Ci 37 GBq (Giga) 1 mci (mili) 37 MBq (Mega) 1 µci (micro) 37 kbq (quilo) 1 ηci (nano) 37 Bq 4

5 GRANDEZAS E UNIDADES USADAS EM RADIOPROTEÇÃO DOSE ABSORVIDA (D) Quantidade de energia da radiação absorvida ( E) por um elemento de massa ( m). D = E m Válido para qualquer meio e qualquer tipo de radiação 5

6 Unidades de DOSE ABSORVIDA (D) No Sistema Internacional (SI): - Gray (Gy) D = E m 1 Gray corresponde a 1 J/kg - rad (radiation absorved dose) Relação entre ambas unidades: 1 Gray = 100 rad 6

7 Dose média de radiação recebida por diferentes órgãos de mamíferos adultos após a administração de 1 µci de fósforo ( P-32) Órgão de Referência % da Dose Fígado 10 Tubo Gastrointestinal 25 Ossos 41 Corpo Total 84 7

8 TIPOS DE FONTES E MODOS DE EXPOSIÇÃO EXEMPLO: VALORES TÍPICOS DE DOSES RADIAÇÃO DOSE (msv) Raios cósmicos (h = 0 m) 0,40 Raios cósmicos (h = 2,5 km) 0,80 Radônio 1,20 Potássio- 40 0,20 Radiografia de tórax 0,40 Radiografia dentária 0,20 Viagens intercontinentais 0,02 8

9 CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES Segundo sua apresentação: A. Fontes Não Seladas: (há possibilidade de contato Exemplos: com o material radioativo): Medicina Nuclear: Diagnóstico e terapia ( I-131) B. Fontes Seladas: (não há possibilidade de contato com o material radioativo): Exemplos: Na radioterapia, para o tratamento de tumores 9

10 Fontes Seladas Fonte: Apostila Aplicações da Energia Nuclear, Comissão Nacional de Energia Nuclear. 10

11 CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES Segundo sua forma de produção: A. Equipamentos emissores de radiação : - é necessário fornecer energia para o seu funcionamento. B. Materiais Radioativos: - são naturais ou produzidos artificialmente; - emitem radiação continuamente. 11

12 CLASSIFICAÇÃO DAS FONTES Segundo sua localização: A. Externas: (há irradiação) B. Internas: (há contaminação incorporação de material radioativo por ingestão, inalação ou absorção por contato direto com a pele) 12

13 Tempo FATORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA a exposição é instantânea o mito do rapidinho - caso do acidente em instalação de esterilização quanto menor o tempo de exposição, menor a dose definido a partir da Dose Máxima permissível (vide tabela abaixo) Tempo Distância Bindagem 13

14 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE RADIOPROTEÇÃO Limites Primários Anuais de Dose Equivalente Norma CNEN-NE-3.01 (Comissão Nacional de Energia Atómica) Região Trabalhadores Público Corpo Inteiro 50 msv 1 msv Cristalino 150 msv 50 msv Extremidades 500 msv 50 msv Órgão ou Tecido T 500 msv 1 msv/wt 14

15 FATORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Blindagem adequada ao tipo de radiação: chumbo para a radiação Gama acrílico ou Lucite para a radiação Beta materiais hidrogenados para nêutrons. A eficiência da blindagem depende da energia da radiação incidente. 15

16 Exemplos de Blindagem em Radiologia 16

17 Exemplos de Blindagem em Medicina Nuclear Protector L Óculos Protetor Seringa 17

18 Exemplos de Blindagem em Medicina Nuclear 18

19 FATORES DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Distância atenuação no Ar muito importante para radiação alfa e beta não desprezível para radiação gama de baixa energia Fator Geométrico -> Lei do inverso do quadrado da distância: Fonte Detector 19

20 PRINCÍPIOS BÁSICOS DE RADIOPROTEÇÃO Outros Limites Anuais de Dose Equivalente Norma CNEN-NE-3.01 Estudantes e estagiários maiores de 18 anos: 50 msv (limite para trabalhadores) Estudantes, aprendizes e estagiários entre 16 e 18 anos: 15 msv (3/10 do limite para trabalhadores) Estudantes, aprendizes e estagiários menores de 16 anos: proibida a exposição ocupacional. 20

21 Mulheres com capacidade reprodutiva: 10 msv no abdômen, em qualquer período de 3 meses consecutivos Mulheres grávidas: a dose acumulada no feto não deve exceder 1 msv, em todo o período de gestação. 21

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br

FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA. Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br FÍSICA APLICADA A RADIOLOGIA Proº. Lillian Lemos E-mail: lillianlemos@yahoo.com.br ESTADOS DA MATÉRIA Três tipos: -Estado Fundamental -Estado Excitado -Estado Ionizado ESTADOS DA MATÉRIA Estado Fundamental:

Leia mais

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia

22 - Como se diagnostica um câncer? nódulos Nódulos: Endoscopia digestiva alta e colonoscopia 22 - Como se diagnostica um câncer? Antes de responder tecnicamente sobre métodos usados para o diagnóstico do câncer, é importante destacar como se suspeita de sua presença. As situações mais comuns que

Leia mais

Noções Básicas de Proteção Radiológica. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares

Noções Básicas de Proteção Radiológica. Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares Noções Básicas de Proteção Radiológica Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares 2002 Noções Básicas de Proteção Radiológica Diretoria de Segurança Nuclear Divisão de Desenvolvimento de Recursos Humanos

Leia mais

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA RADIOLOGICA. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA RADIOLOGICA Prof. Emerson Siraqui RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA Para concluirmos o que é radiações de forma bem simples é um transporte de energia que se propaga a partir de uma fonte em todas direções.

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna a Papaiz edição XII Setembro 2015 de

Assessoria ao Cirurgião Dentista. 11 3894 3030 papaizassociados.com.br. Publicação mensal interna a Papaiz edição XII Setembro 2015 de Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna a Papaiz edição XII Setembro 2015 de Escrito por: Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030

Leia mais

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos

Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Exame de diagnóstico II: Técnicas Cintilográficas Princípio de radiotraçador Observação não invasiva de processos fisiológicos Algumas datas marcantes na história da Medicina Nuclear 1896 - Descobrimento

Leia mais

Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações

Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações Grandezas, Quantidades e Unidades usadas em protecção contra as radiações Maria Filomena Botelho O que é a radiação / radioactividade? O que torna a radiação perigosa? Dose de radiação quanto é demasiado?

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT

DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT DOSE E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT Gabriella M. Pinto Lidia Vasconcellos de Sá Introdução Motivação Objetivo Materiais e Métodos Resultados Conclusão Sumário 2 Introdução Por utilizar um radiofármaco

Leia mais

ANENT 12º Encontro Nacional de Enfermagem do Trabalho

ANENT 12º Encontro Nacional de Enfermagem do Trabalho ANENT 12º Encontro Nacional de Enfermagem do Trabalho Risco Radiológico e Saúde do Trabalhador Risco Radiológico e Saúde do Trabalhador Robson Spinelli Gomes Robson Spinelli Gomes Robson Spinelli Gomes

Leia mais

0.1 Introdução Conceitos básicos

0.1 Introdução Conceitos básicos Laboratório de Eletricidade S.J.Troise Exp. 0 - Laboratório de eletricidade 0.1 Introdução Conceitos básicos O modelo aceito modernamente para o átomo apresenta o aspecto de uma esfera central chamada

Leia mais

Radioproteção na Indústria. Por: Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br http://lattes.cnpq.br/8576030547171431

Radioproteção na Indústria. Por: Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br http://lattes.cnpq.br/8576030547171431 Radioproteção na Indústria Por: Luciano Santa Rita Oliveira http://www.lucianosantarita.pro.br http://lattes.cnpq.br/8576030547171431 Revisão de física e Proteção radiológica : Conceitos Revisão de Conceitos

Leia mais

RESULTADOS DO PROGRAMA DE MONITORAÇÃO OCUPACIONAL DO CENTRO TECNOLÓGICO DA MARINHA EM SÃO PAULO

RESULTADOS DO PROGRAMA DE MONITORAÇÃO OCUPACIONAL DO CENTRO TECNOLÓGICO DA MARINHA EM SÃO PAULO RESULTADOS DO PROGRAMA DE MONITORAÇÃO OCUPACIONAL DO CENTRO TECNOLÓGICO DA MARINHA EM SÃO PAULO Perez, Clarice F.A.; Bitelli, Ricardo D.; Oliveira, Rodemir Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo, -

Leia mais

Minicurso. Prof. Luciano Santa Rita

Minicurso. Prof. Luciano Santa Rita Minicurso CÁLCULO DE BLINDAGEM E DOSIMETRIA EM INDÚSTRIA Prof. Luciano Santa Rita http://www.lucianosantarita.pro.br http://facebook.com/spr.lucianosantarita E-mail: tecnologo@lucianosantarita.pro.br Cálculo

Leia mais

DOSE EFETIVA E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT

DOSE EFETIVA E RISCO DE CÂNCER EM EXAMES DE PET/CT IX Latin American IRPA Regional Congress on Radiation Protection and Safety - IRPA 2013 Rio de Janeiro, RJ, Brazil, April 15-19, 2013 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DOSE EFETIVA E

Leia mais

1) Unidades de Medida

1) Unidades de Medida CURSO DE INSTRUMENTAÇÃO Conceitos Fundamentais Cedtec 2007/2 Sem equivalente na Apostila 1 Pressão e NívelN 1) Unidades de Medida É necessário saber trabalhar com unidades de medida no Sistema Internacional

Leia mais

Proteção e Segurança Radiológica em Medicina Nuclear

Proteção e Segurança Radiológica em Medicina Nuclear Proteção e Segurança Radiológica em Medicina Nuclear Luís Freire (luis.freire@estesl.ipl.pt) 1. Introdução 1.1 Noções gerais Perceção do risco: A perceção do risco potencial associado a uma determinada

Leia mais

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida

Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida Conteúdo 5 Física das Radiações e suas aplicações em Ciências da Vida 5.1 Conceitos básicos sobre radiação Como discutimos em sala de aula a radiação é um tipo de propagação de energia que não deve ser

Leia mais

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL

CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL CALSAN COMPRIMIDO MASTIGÁVEL Novartis Biociências S.A. Comprimido mastigável 1.250 mg de carbonato de cálcio (equivalente a 500 mg de cálcio elementar) CALSAN carbonato de cálcio Comprimidos mastigáveis.

Leia mais

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano

Proteção Radiológica OBJETIVO. O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano Proteção Radiológica OBJETIVO O objetivo da proteção radiológica é o de garantir o uso das radiações ionizantes com o menor dano ao ser humano As recomendações da Proteção Radiológica são baseadas no conhecimento

Leia mais

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS

EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS EXPOSIÇÕES OCUPACIONAIS Silvia Maria Velasques de Oliveira INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÃO E DOSIMETRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL

Leia mais

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS

1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS Matemática 2 Pedro Paulo GEOMETRIA PLANA X 1 - POLÍGONOS REGULARES E CIRCUNFERÊNCIAS 1.2 Triângulo equilátero circunscrito A seguir, nós vamos analisar a relação entre alguns polígonos regulares e as circunferências.

Leia mais

O que é câncer de pele? Incidência. Fatores de Risco

O que é câncer de pele? Incidência. Fatores de Risco Câncer de Pele O que é câncer de pele? Como a pele é um órgão heterogêneo, esse tipo de câncer pode apresentar neoplasias de diferentes linhagens. As mais frequentes são o carcinoma basocelular, o carcinoma

Leia mais

EMBASAMENTO NORMATIVO:

EMBASAMENTO NORMATIVO: EMBASAMENTO NORMATIVO: ABNT NBR 5410/04 ABNT NBR 5419/05 IEC 61643-1 IEC 61312-1 A legislação sobre SPDAs no Brasil existe desde da década de 50. PARARRAIO ATRAI O RAIO OU NÃO? Objetivo de um SPDA: proteção

Leia mais

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Energia limpa Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Empilhadeira movida a hidrogênio H oje, quando se trata de escolher

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS Introdução à Biofísica Prof. Harriman Aley Morais Diamantina, 2011

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDENTE DA FUNDACENTRO Humberto Carlos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM RADIOTERAPIA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM RADIOTERAPIA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA EM RADIOTERAPIA PROFESSOR: Jony Marques Geraldo 1. EMENTA: Viabilizar o conhecimento dos procedimentos radioterapêuticos e planejamentos para diferentes tipos

Leia mais

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011

Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Apresentação dos Requisitos Do Edital Inmetro nº 01/2011 Anexo B Especificações do simulador Eduardo Lopes Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade Objetivos Apresentar o simulador de pista com

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém atualizada a comunicação

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe

Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe SCIENTIA PLENA VOL. 5, NUM. 11 2009 www.scientiaplena.org.br Riscos Ocupacionais e do Público Durante Exames Radiológicos em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de um Hospital Público de Sergipe W.S.

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Inteligência Artificial Aula 7 Programação Genética M.e Guylerme Velasco Programação Genética De que modo computadores podem resolver problemas, sem que tenham que ser explicitamente programados para isso?

Leia mais

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA

PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA PROTEÇÃO RADIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE MAMOGRAFIA Tânia Aparecida Correia Furquim 1 1 PRINCÍPIOS DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Radiação pode ser definida como a energia que vem de uma fonte e viaja através do vácuo

Leia mais

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S.

Leocadio J.C 1.; Ramalho A. T. 1 ; Pinho, A S. 1 ; Lourenço, M. M. J. 1 ; Nicola, M. S. 1 ; D Avila, R. L. 1 ; Melo, I. F 1.; Cucco, A C. S. CONTROLE DAS FONTES RADIOATIVAS NA INDÚSTRIA ATRAVÉS DE INSPEÇÕES REGULATÓRIAS Leocadio J.C.; Ramalho A. T. ; Pinho, A S. ; Lourenço, M. M. J. ; Nicola, M. S. ; D Avila, R. L. ; Melo, I. F.; Cucco, A C.

Leia mais

N este manual você encontra todas as informações necessárias a

N este manual você encontra todas as informações necessárias a N este manual você encontra todas as informações necessárias a cada expositor para sua participação no evento. Por favor, leia todos os itens com cuidado. Caso depois da leitura, ainda houver dúvidas,

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos e mobilidade 1.1 Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.2 Mantém atualizada a comunicação visual e sinalética 1.3 Está

Leia mais

REGULAMENTO APOIO 24 HORAS PARA ASSOCIADOS DA ASSOCIAÇÃO CLUBEMAX DE BENEFÍCIOS

REGULAMENTO APOIO 24 HORAS PARA ASSOCIADOS DA ASSOCIAÇÃO CLUBEMAX DE BENEFÍCIOS cortar REGULAMENTO APOIO 24 HORAS PARA ASSOCIADOS DA ASSOCIAÇÃO CLUBEMAX DE BENEFÍCIOS CONVÊNIO ÔMEGA SERVICE. DOCUMENTO REGISTRADO EM CARTÓRIO DE TÍTULOS PROIBIDA REPRODUÇÃO INTEIRA OU PARCIAL DIREITOS

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES RELATÓRIO 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES E PRINCIPAIS RESULTADOS ALCANÇADOS EM 2012.... 4 1. DIVISÃO DE DOSIMETRIA DIDOS... 4 2. DIVISÃO DE RADIOPROTEÇÃO

Leia mais

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com

Radiações na indústria. J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiações na indústria J. Gil Estevez - j.gil.estevez@gmail.com Radiação Fenómeno de transmissão de energia através do espaço sem suporte material. Esta transmissão de energia é feita por meio de ondas

Leia mais

Proteção Radiológica / Aspectos Industriais R i c a r d o A n d r e u c c i E d S e t. / 2 0 1 3 1 RICARDO ANDREUCCI

Proteção Radiológica / Aspectos Industriais R i c a r d o A n d r e u c c i E d S e t. / 2 0 1 3 1 RICARDO ANDREUCCI Ed. Set./ 2013 Proteção Radiológica / Aspectos Industriais R i c a r d o A n d r e u c c i E d S e t. / 2 0 1 3 1 RICARDO ANDREUCCI Set./ 2013 Proteção Radiológica / Aspectos Industriais R i c a r d o

Leia mais

Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho

Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho 15 Congresso Nacional da ANAMT CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM MEDICINA DO TRABALHO Doenças da Reprodução e Malformações Congênitas Relacionadas ao Trabalho São Paulo, SP, 11 de maio de 2013 Atualização sobre

Leia mais

Testes de Hipóteses Estatísticas

Testes de Hipóteses Estatísticas Capítulo 5 Slide 1 Testes de Hipóteses Estatísticas Resenha Hipótese nula e hipótese alternativa Erros de 1ª e 2ª espécie; potência do teste Teste a uma proporção; testes ao valor médio de uma v.a.: σ

Leia mais

Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante

Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes Designado pelo INMETRO IRD/CNEN/MCT Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante (Recomendações e definições) Coordenadores de redação: Manoel

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Iremar Alves da Silva Junior Dissertação apresentada como parte dos requisitos

Leia mais

Ações de Resposta da Área de Saúde nos Acidentes Radiológicos e Nucleares

Ações de Resposta da Área de Saúde nos Acidentes Radiológicos e Nucleares Ações de Resposta da Área de Saúde nos Acidentes Radiológicos e Nucleares MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Conteúdo: Contexto e Conceitos

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS João Mario Fernandes Manutenção Preditiva: É um conjunto de atividades de acompanhamento das variáveis ou parâmetros que indicam a performance ou desempenho dos

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 3 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Preparação Nesta etapa, a auditoria é organizada objetivando minimizar o tempo despendido pelos

Leia mais

Noções Básicas de Radioterapia -1

Noções Básicas de Radioterapia -1 Noções Básicas de Radioterapia -1 Histórico Conceitos Básicos Planejamento das Doses Braquiterapia Equipamentos Radioproteção Prof. Alwin Elbern, Ph.D. Histórico da Radioterapia 1 Histórico 1914 Primeira

Leia mais

RADIAÇÕES IONIZANTES E O PAPEL DO SESMT PATRICIA DE MELLO VIANNA FREIRE DE ANDRADE

RADIAÇÕES IONIZANTES E O PAPEL DO SESMT PATRICIA DE MELLO VIANNA FREIRE DE ANDRADE RADIAÇÕES IONIZANTES E O PAPEL DO SESMT PATRICIA DE MELLO VIANNA FREIRE DE ANDRADE Reverências 1.895 Roentgen observa uma radiação até então desconhecida. chama-a raios - X. 1.896 Becquerel descobre a

Leia mais

Transmissão de impulsos em banda-base

Transmissão de impulsos em banda-base Transmissão de impulsos em banda-base Códigos de linha Sequências pseudo-aleatórias Baralhadores Códigos de linha A transformação de uma sequência binária na sua representação eléctrica é feita através

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ARTE DA RADIOPROTEÇÃO PARA LACTANTES E ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES PARA EQUIPES MULTIDISCIPLINARES

AVALIAÇÃO DO ESTADO DA ARTE DA RADIOPROTEÇÃO PARA LACTANTES E ELABORAÇÃO DE RECOMENDAÇÕES PARA EQUIPES MULTIDISCIPLINARES 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 AVALIAÇÃO DO

Leia mais

Métricas de Software

Métricas de Software Métricas de Software Plácido Antônio de Souza Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, relativos à formação da imagem utilizando um equipamento de raios X convencional. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UnB/CESPE INCA Conforme as Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2010 (Do Sr. Homero Pereira)

PROJETO DE LEI N o, DE 2010 (Do Sr. Homero Pereira) PROJETO DE LEI N o, DE 2010 (Do Sr. Homero Pereira) Dispõe sobre a obrigatoriedade de informação nos dispositivos sonoros portáteis dos limites nocivos à audição e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA)

NORMA PROCEDIMENTAL RADIOPROTEÇÃO (SEGURANÇA) 50.05.005 1/5 1. FINALIDADE Estabelecer os requisitos básicos de proteção radiológica para as pessoas em relação à exposição à radiação ionizante. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Em toda a Instituição onde houver

Leia mais

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp

ANEXO A. NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp ANEXO A NORMAS DA CNEN www.cnen.gov.br/seguranca/normas/normas.asp A.1. GRUPO 1: INSTALAÇÕES NUCLEARES Resolução CNEN N o 109/2011, Licenciamento de Operadores de Reatores Nucleares, D.O.U. de 01/09/2011.

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama

Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para. Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Desenvolvimento e Implantação de um Sistema Automatizado para Adequação do Processo de Calibração de Monitores de Radiação Gama Iremar Alves da Silva Junior Dissertação apresentada como parte dos requisitos

Leia mais

Proteção Radiológica / Aspectos Industriais Ricardo Andreucci Ed Jan./ 2010 1 RICARDO ANDREUCCI

Proteção Radiológica / Aspectos Industriais Ricardo Andreucci Ed Jan./ 2010 1 RICARDO ANDREUCCI Ed. Jan./ 2010 Proteção Radiológica / Aspectos Industriais Ricardo Andreucci Ed Jan./ 2010 1 RICARDO ANDREUCCI Jan./ 2010 Proteção Radiológica / Aspectos Industriais Ricardo Andreucci Ed Jan./ 2010 2 Prefácio

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento

LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento LIXO ELETRÔNICO: origens e reaproveitamento Marcos Felipe Friske dos Santos 1 ; José Henrique Blenke de Almeida Lucena 2 ; Angelo Augusto Frozza 3 INTRODUÇÃO Segundo (MIGUEZ, 200-), "Lixo Eletrônico é

Leia mais

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG Nº 25, DE 16 DE JULHO DE 2008

SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG Nº 25, DE 16 DE JULHO DE 2008 SOLUÇÃO DE CONSULTA SF/DEJUG Nº 25, DE 16 DE JULHO DE 2008 Subitens 10.02, 15.01, 17.19 da Lista de Serviços da Lei nº 13.701/2003. Códigos de serviço 06157, 05835, 03654. Exportação de serviços. Observância

Leia mais

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO

O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO O PARTO NA PACIENTE SOROPOSITIVO 1. TRIAGEM SOROLÓGICA - É recomendada a realização de teste anti-hiv com aconselhamento e com consentimento para todas as gestantes na primeira consulta pré-natal; - Enfatiza-se

Leia mais

A radioatividade e a idade da Terra

A radioatividade e a idade da Terra A radioatividade e a idade da Terra Luiz Fernando Mackedanz luiz.mackedanz@unipampa.edu.br Centro de Ciências Naturais e Tecnológicas Universidade Federal do Pampa, Caçapava do Sul, RS, Brasil L. F. Mackedanz

Leia mais

SENADO FEDERAL PARECER Nº 545, DE

SENADO FEDERAL PARECER Nº 545, DE SENADO FEDERAL PARECER Nº 545, DE 2015 Da COMISSÃO DE SERVIÇOS DE INFRAESTRUTURA, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 166, de 2012, da Senadora Vanessa Grazziotin, que altera a Lei nº 10.233, de 5 de junho

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Impressora Latex série 300. Garantia limitada

Impressora Latex série 300. Garantia limitada Impressora Latex série 300 Garantia limitada 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 Avisos legais As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas

Leia mais

PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94

PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94 PUBLICADO EM D.O.E.; SEÇÃO I; SÃO PAULO - 14/12/94 GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SS 625, de 14-12-94 Aprova Norma Técnica que dispõe sobre o uso, posse e armazenamento de fontes de radiação ionizante,

Leia mais

Jogo da memória dos meios de transporte

Jogo da memória dos meios de transporte A atividade proposta visa desenvolver no aluno a capacidade de identificar os diferentes meios, compreendendo a importância deles em nosso cotidiano, e, além disso, para as relações sociais e econômicas

Leia mais

REGULAMENTO GERAL. Condições Legais. Normas de Atuação. Enquadramento

REGULAMENTO GERAL. Condições Legais. Normas de Atuação. Enquadramento REGULAMENTO GERAL Condições Legais A participação na LAN envolve a aceitação de todos os termos do regulamento geral e regulamentos dos respetivos jogos; O Núcleo de Estudantes de Informática (NESTI) da

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A LÂMPADAS LED COM DISPOSITIVO DE CONTROLE INTEGRADO À BASE (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA

Leia mais

Box POE / Patch Panel POE

Box POE / Patch Panel POE Box POE / Patch Panel POE (5 e 10 portas) MANUAL DO USUÁRIO Patch Panel POE CCN Telecom ideal para montar um sistema de alimentação para equipamentos wifi em caixas herméticas, acess points (AP), roteadores,

Leia mais

AVANÇOS NO DESENVOLVIMENTO DE FANTOMA ANTROPOMÓRFICO E ANTROPOMÉTRICO DE CABEÇA E PESCOÇO INFANTO-JUVENIL PARA DOSIMETRIA

AVANÇOS NO DESENVOLVIMENTO DE FANTOMA ANTROPOMÓRFICO E ANTROPOMÉTRICO DE CABEÇA E PESCOÇO INFANTO-JUVENIL PARA DOSIMETRIA 2005 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2005 Santos, SP, Brazil, August 28 to September 2, 2005 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 85-99141-01-5 AVANÇOS NO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER. Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA UFPB CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA Departamento de Solos e Engenharia Rural - DSER Prof. Dr. Guttemberg Silvino UNIDADES DE MEDIDAS LINEAR O metro (m) é uma unidade

Leia mais

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico:

Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Nota referente às unidades de dose registradas no prontuário eletrônico radiológico: Frente aos potenciais riscos envolvidos na exposição à radiação ionizante e com a reocupação de manter um controle transparente

Leia mais

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: renatachequer@yahoo. com.br. 2

Graduanda do Curso de Nutrição FACISA/UNIVIÇOSA. E-mail: renatachequer@yahoo. com.br. 2 AVALIAÇÃO DO PERFIL DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS DE TRABALHO EM UMA UNIDADE PRODUTORA DE REFEIÇÃO NA CIDADE DE VIÇOSA, MG Renata Chequer de Souza 1, Veydiana Costa Condé 2, Rayane Terezinha Teixeira 3, Cristiane

Leia mais

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer

Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer Tecnologias de Acesso Plataforma Elevatória por Cremalheira Engº Rafael Thalheimer 1) DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO A plataforma elevatória por cremalheira está baseada no princípio de transmissão através de

Leia mais

Aparelhos de medida. São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas para as

Aparelhos de medida. São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas para as Aparelhos de medida UFCD: 1289 - Eletricidade e eletrónica - eletricidade Sistema Internacional de Unidades (S.I.) São sete as unidades de base do SI, dimensionalmente independentes entre si, definidas

Leia mais

Irradiadores industriais e sua radioproteção

Irradiadores industriais e sua radioproteção Irradiadores industriais e sua radioproteção Ary de Araújo Rodrigues Júnior Edição do autor IRRADIADORES INDUSTRIAIS E SUA RADIOPROTEÇÃO ARY DE ARAÚJO RODRIGUES JÚNIOR IRRADIADORES INDUSTRIAIS E SUA

Leia mais

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR

ENERGIA SOLAR EDP AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR AGORA MAIS DO QUE NUNCA, O SOL QUANDO NASCE É PARA TODOS MANUAL DO UTILIZADOR A ENERGIA DO SOL CHEGOU A SUA CASA Com a solução de energia solar EDP que adquiriu já pode utilizar a energia solar para abastecer

Leia mais

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO

O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O JOVEM COMERCIÁRIO: TRABALHO E ESTUDO O comércio sempre foi considerado como porta de entrada para o mercado de trabalho sendo, assim, um dos principais setores econômicos em termos de absorção da população

Leia mais

CNEN NE 3.06 Março/1990 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA

CNEN NE 3.06 Março/1990 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA CNEN NE 3.06 Março/1990 REQUISITOS DE RADIOPROTEÇÃO E SEGURANÇA PARA SERVIÇOS DE RADIOTERAPIA 2 Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Radioterapia Publicação: D.O. U. 30/03/90 3 SUMÁRIO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia

ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Opções Estratégicas Para a Implantação de Novas Políticas Educacionais ECONOMIA DA EDUCAÇÃO Módulo 1 Princípios de Economia Bob Verhine Universidade Federal da Bahia verhine@ufba.br A divulgação desta

Leia mais

Radiação Ionizante: Riscos e Minimização dos seus efeitos. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI

Radiação Ionizante: Riscos e Minimização dos seus efeitos. Hélio Castello. Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Radiação Ionizante: Riscos e Minimização dos seus efeitos Hélio Castello Diretor de Qualidade Profissional SBHCI Os perigos do Raio X Conceitos Básicos EFEITOS BIOLÓGICOS Efeitos Estocáticos: Efeitos

Leia mais

São recursos mínimos necessários à atuação das Coordenações e Grupos de Atividades Operacionais

São recursos mínimos necessários à atuação das Coordenações e Grupos de Atividades Operacionais 5. ADMINISTRAÇÃO 5.1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS 5.1.1- Todos os órgãos envolvidos na Sistemática Operacional do PGASE deverão apresentar, ao Coordenador Geral das Operações, um Plano Setorial de Emergência

Leia mais

MÓDULOS PARA O ENSINO DE RADIOATIVIDADE

MÓDULOS PARA O ENSINO DE RADIOATIVIDADE Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Química Área de Educação Química MÓDULOS PARA O ENSINO DE RADIOATIVIDADE Marcelo L. Eichler Marcos Henrique Hahn Calvete Tânia D. Miskinis Salgado

Leia mais

Apresentação Maio de 2014

Apresentação Maio de 2014 Apresentação Maio de 2014 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Texto Texto 2003 Preocupação popular: aumento de casos de câncer Atribuídos à radiação e a agrotóxicos INCA: levantamento

Leia mais

Aula 1 Restrições temporais: origem e caracterização

Aula 1 Restrições temporais: origem e caracterização Sistemas de Tempo-Real Aula 1 Restrições temporais: origem e caracterização Conceitos básicos de tempo-real Requisitos dos Sistemas de Tempo-Real Adaptado dos slides desenvolvidos pelo Prof. Doutor Luís

Leia mais

RADIOATIVIDADE NATURAL EM AMOSTRAS ALIMEN- TARES +*

RADIOATIVIDADE NATURAL EM AMOSTRAS ALIMEN- TARES +* RADIOATIVIDADE NATURAL EM AMOSTRAS ALIMEN- TARES +* Fábio Luiz Melquiades Depto de Física Universidade Estadual do Centro Oeste Guarapuava PR Carlos Roberto Appoloni Depto de Física Universidade Estadual

Leia mais

MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA BLINDAGEM DE INSTALAÇÕES VETERINÁRIAS

MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS PARA BLINDAGEM DE INSTALAÇÕES VETERINÁRIAS InternationalJoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR MÉTODO CONSERVATIVO PARA DETERMINAÇÃO DE ESPESSURA DE MATERIAIS UTILIZADOS

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE PACIENTES DE MEDICINA NUCLEAR (DOSIMED)

IMPLANTAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE PACIENTES DE MEDICINA NUCLEAR (DOSIMED) 2009 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2009 Rio de Janeiro,RJ, Brazil, September27 to October 2, 2009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-03-8 IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Unidade 1: O Computador

Unidade 1: O Computador Unidade : O Computador.3 Arquitetura básica de um computador O computador é uma máquina que processa informações. É formado por um conjunto de componentes físicos (dispositivos mecânicos, magnéticos, elétricos

Leia mais

Avaliação da dose ocupacional oriunda dos procedimentos especiais guiados por fluoroscopia: cateterismo cardíaco

Avaliação da dose ocupacional oriunda dos procedimentos especiais guiados por fluoroscopia: cateterismo cardíaco INSTITUTO DE PESQUISAS ENERGÉTICAS E NUCLEARES Autarquia associada à Universidade de São Paulo Avaliação da dose ocupacional oriunda dos procedimentos especiais guiados por fluoroscopia: cateterismo cardíaco

Leia mais

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social

Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital. Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Avaliação Econômica Projeto de Inclusão Digital Naercio Aquino Menezes Filho Centro de Políticas Públicas Insper FEA-USP e Fundação Itaú Social Estrutura da Apresentação 1) O que é a Avaliação Econômica?

Leia mais

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA

COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO UTILIZANDO DOSÍMETROS TERMOLUMINESCENTES E CÂMARADE IONIZAÇÃO CILÍNDRICA Internationaljoint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADEBRASILEIRA DEPROTEÇÃO RADIOLÕGICA - SBPR COMPARAÇÃO DA CURVA DE RENDIMENTO DE UM APARELHO DE RAIOS X PEDIÁTRICO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO. Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê!

A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO. Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê! A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO Saiba quais os benefícios da amamentação para o seu bebê! IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO Sabemos que o começo do processo de amamentação nem sempre é fácil. Ele ocorre em um momento

Leia mais

Curso de Dermocosmética

Curso de Dermocosmética Curso de Dermocosmética Módulo 3 - Fotoproteção Formador: Pedro Miranda Pedro.jmiranda@netcabo.pt Curso de Dermocosmética Módulo 3 - Fotoproteção 1ª Sessão Formador: Pedro Miranda Índice: 1. Introdução:...

Leia mais