Efeito do licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Efeito do licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata"

Transcrição

1 REVISÃO / REVIEW PAPER / REVISIÓN Efeito do licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata Lycopene s effect of tomato on prevention of prostate cancer El efecto del lipoceno del tomate en la prevención del cáncer de próstata Ademar Pereira Soares Júnior Graduando do curso de Nutrição da Faculdade NOVAFAPI. Luciana Melo de Farias Especialista em Distúrbios Metabólicos e Nutrição. Nutricionista. Docente do curso de Nutrição da Faculdade NOVAFAPI. com.br RESUMO Estudos apontam o licopeno como eficiente inibidor da proliferação celular, evidenciando seu fator preventivo ao câncer de próstata. Neste levantamento bibliográfico, foram utilizadas dissertações, teses, artigos originais e de revisão com o objetivo de abordar o efeito do licopeno presente no tomate e seus derivados como preventivo ao câncer de próstata. Foram incluídos estudos publicados nos idiomas português, inglês e espanhol, no período de 2001 a Para a busca, os termos de indexação utilizados foram: alimentos funcionais, câncer, licopeno, tomate. Cerca de 85% do licopeno consumido vem do tomate ou de seus derivados, e muitos estudos têm comprovado seu efeito protetor ao câncer de próstata. O tratamento térmico e a homogeneização mecânica do tomate aumentam a absorção do licopeno nos tecidos corporais. O tomate possui antioxidantes que atuam na proteção do organismo, podendo impedir a formação de radicais livres, interceptar os radicais livres gerados pelo metabolismo celular ou por fontes exógenas, evitando a formação de lesões e perda da integridade celular. Também podem reparar lesões causadas pelos radicais livres, removendo danos da molécula de DNA e reconstituindo membranas celulares danificadas. Assim, considera-se que o consumo de tomates e de seus produtos está associado à redução do risco de câncer. Descritores: Alimento funcional. Câncer. Próstata. ABSTRACT Searches lead that lycopene as an effective inhibitor of cell proliferation emphasizing the preventive factor of prostate cancer. On this bibliographic research has been used reports, theses, original articles and reviews which the main purpose is approach the effect of lycopene attendant on tomato and itself derivatives in prevention of Prostate Cancer. It has been seen in Portuguese, English and Spanish languages between 2001 and For the researches the used terms were: functional food, Cancer, lycopene, Tomato. There about 85% of consumed lycopene comes from tomatoes and itself derivatives and plenty of studies have verified the powerful effect to prevent prostate cancer. The thermal treatment and mechanical homogenization of tomato increase the lycopene s absorption in our skin. Tomato has antioxidant effect that helps to protect our organism, so it mays prevent formation of free radicals, to intercept the free radicals made by cellular metabolism or even exogenous sources avoiding the formation of injuries and also losing cellular integrity. We can also repair injuries caused by the free radicals removing damage from DNA molecule and rebuilding cell membrane which was damaged. In short, we can consider the consumption of tomatoes and itself products is associated to the reduction of the risk to get cancer. Descriptors: Functional foods. Neoplasms. Prostate. RESUMEN Submissão: 05/01/2012 Aprovação: 28/02/2012 Los estudios demuestran lipoceno como inhibidor eficaz de la proliferación celular, demostrando su factor de prevención de cáncer de próstata. Este estudio bibliográfico utilizó tesis, trabajos originales y de revisión a fin de abordar el efecto del lipoceno en tomates y sus derivados como preventivo para el cáncer de próstata. Se incluyeron los estudios publicados en idioma: portugués, inglés y español, 50

2 Efeito do licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata del periodo de 2001 hasta Para la búsqueda, los términos de la indexación utilizados fueron: alimentos funcionales, cáncer, lipoceno, tomate. Aproximadamente 85% del lipoceno se consume del tomate o sus derivados, y muchos estudios han probado su efecto protector para el cáncer de próstata. El tratamiento térmico y homogenización mecánica del tomate aumentan la absorción de lipoceno en tejidos corporales. El tomate tiene antioxidantes que trabajan en la protección del cuerpo, puede impedir formación de radicales libres e interceptar los generados por el metabolismo celular o por fuentes exógenas, evitando al mismo tiempo la formación de lesiones y pierda de la integridad celular. También puede reparar los daños causados por los radicales libres, quitando daños de la molécula de DNA y reconstituyendo las membranas celulares dañadas. Por lo tanto, se considera que el consumo de tomates se asocia con menor riesgo de cáncer. Descriptores: Alimentos funcionales. Neoplasia. Próstata. 1 INTRODUÇÃO O licopeno é um carotenóide antioxidante de cor avermelhada encontrado em vegetais como tomate, goiaba, pitanga, melancia, etc. (LEMOS JÚNIOR, BRUNELLI e LEMOS, 2011). Existem em média 600 pigmentos carotenóides encontrados na natureza e 25 no plasma e tecidos humanos, estando o licopeno incluído em ambos. Este caracteriza-se por estrutura simétrica e acíclica, constituído por átomos de carbono e hidrogênio, com 11 ligações duplas conjugadas e 2 ligações não conjugadas. Sendo ainda um pigmento sem atividade pró-vitamina A, apesar do seu efeito protetor contra radicais livres. (WALISZEWSKI e BLASCO, 2010). Estudos apontam uma ação antioxidante dessa substância, sendo portanto, sugerido na prevenção de câncer e doenças cardiovasculares (SHAMI e MOREIRA, 2004; PALOMO et al. 2010). Cerca de 85% do licopeno consumido vem do tomate ou seus derivados, com evidência de que 80 a 90% dos carotenóides presentes nesse vegetal é de licopeno, servindo assim como corante natural ou como um complemento nutricional (MORITZ e TRAMONTE, 2006; GALICIA et al. 2008). O câncer de próstata (CaP) é a neoplasia mais diagnosticada entre homens nos países desenvolvidos, apresentando-se como a segunda causa de morte por câncer nesses países. É uma patologia relacionada com o avanço da idade e sua incidência aumenta progressivamente com esse processo (FONTANA et al. 2009). Esses autores apontam também que há evidências de que o aparecimento do câncer de próstata é favorecido pelos hábitos alimentares ocidentais, como o consumo de alimentos hipercalóricos e hiperlipídicos, ricos em ácidos graxos saturados, assim como pobre em vitamina E, selênio, licopeno e fibras. Este estudo de revisão bibliográfica tem como objetivo abordar o efeito do licopeno presente no tomate e seus derivados como preventivo ao câncer de próstata, usando textos, dissertações, teses, artigos originais e de revisão selecionados em bases de dados como Scielo, Lilacs, Bireme e Pubmed, no período de agosto a outubro de 2011, inseridos no recorte temporal dos últimos 10 anos. Foram incluídos estudos experimentais envolvendo animais, selecionando publicações científicas nas línguas espanhol, inglês e português que se inseriam de alguma forma na discussão do tema proposto. Para a pesquisa foram usados os termos de indexação: tomate, licopeno, biodisponibilidade e câncer de próstata, isoladamente e associados, nas três línguas delimitadas para o estudo. 2 BIODISPONIBILIDADE DO LICOPENO A biodisponibilidade representa a parte do nutriente ingerido que tem o potencial de suprir as necessidades fisiológicas dos tecidos; e em geral não corresponde à quantidade ingerida do nutriente. Estando, assim, relacionada a vários fatores, entre eles a forma de apresentação do alimento, a digestão, a captação intestinal e sua absorção, distribuição para os tecidos e sua utilização por eles (MOURAO et al. 2005). Muitos fatores podem influenciar na biodisponibilidade dos carotenóides, entre eles podem ser citados a matriz alimentar; a quantidade do carotenóide na dieta; a presença de fatores inibidores ou facilitadores da absorção; a forma isomérica em que ele se apresenta; a quantidade e tipo de gordura dietética; o processo de absorção; as interações entre os carotenóides; a presença de fibra alimentar na dieta; o processamento de alimentos fontes; o estado nutricional do indivíduo; fatores genéticos; fatores relacionados com o indivíduo e interação entre estas variáveis. Desses fatores aqueles relacionados à dieta têm sido os mais estudados, sendo o principal deles o tipo de alimento em que o nutriente em questão está presente (CAMPOS e ROSADO, 2005). A absorção do licopeno se processa da seguinte forma: após ser consumido, o licopeno se incorpora às micelas dos lipídios da dieta e são absorvidos na mucosa intestinal através de difusão passiva, onde se incorporam aos quilomícrons e são liberados para o sistema linfático para serem transportados ao fígado. Assim, o licopeno é transportado pelas lipoproteínas através do plasma para a distribuição a vários órgãos. Por possuir natureza lipofílica, o licopeno pode ser encontrado também em partes das lipoproteínas LDL, VLDL e HDL. Sendo que essa absorção por humanos é de 10 a 30%, o restante é excretado pelo organismo (WALISZEWSKY e BLASCO, 2010). Moritz e Tramonte (2006) falam de uma pesquisa sobre a biodisponibilidade do licopeno de diferentes matrizes alimentares com 22 mulheres não-fumantes fator que também influencia na biodisponibilidade dessa substância bioativa, divididas em três grupos, aos quais foram submetidas à ingestão diária de 5mg de licopeno durante seis semanas. O grupo 1 ingeriu cápsulas de licopeno oleaginoso (lic-o-mat); o grupo 2 ingeriu uma quantidade equivalente de tomate cru; e o grupo 3 ingeriu suco de tomate. Verificaram que a absorção foi semelhante nos grupos que recebeu as 5mg do licopeno administrado em cápsula oleaginosa e em suco de tomate. Já no grupo que ingeriu o tomate cru, não foi observado diferença estatisticamente significativa em sua biodisponibilidade, se comparado aos demais grupos, sendo essa menor absorção devida à presença da matriz alimentar, que pela presença de outros carotenóides, diminuiu a biodisponibilidade do licopeno. Esses autores ainda ressaltam que a absortividade do licopeno pode ser aumentada quando se utiliza derivados do tomate em detrimento ao produto in natura. O calor, o processamento e a associação com lipídios favorecem esse aumento. Isso é mostrado através de um estudo em que o consumo de molho de tomate cozido em óleo resultou em um aumento, um dia após a sua ingestão, de duas a três vezes da concentração sérica de licopeno, embora nenhuma alteração tenha sido observada no consumo do suco de tomate fresco. 3 OS RADICAIS LIVRES E O CÂNCER DE PRÓSTATA O câncer é definido como uma doença crônica de várias etiologias, que se caracteriza pelo crescimento descontrolado das células. É apon- 51

3 Júnior, A. P. S.; Farias, L. M. tada como uma das principais causas de mortalidade no mundo e sua prevenção se tornou uma meta importante no campo da ciência. O desenvolvimento do câncer está associado a fatores endógenos, ambientais e da interação entre eles, sendo a dieta um dos principais fatores (GARÓFOLO et al. 2004). O CaP envolve a proliferação de células epiteliais localizadas na zona periférica da glândula prostática. No entanto, a causa exata dessa patologia ainda é desconhecida. Pode ir de uma lesão latente focal para um estágio avançado, ou ainda para uma doença metastática sem a formação de nódulos no interior da glândula (BOZZETTO, 2009). Os radicais livres são átomos ou moléculas produzidas nos processos metabólicos. Eles atuam como mediadores para a transferência de elétrons nas reações bioquímicas. As mais relevantes fontes de radicais livres são as organelas citoplasmáticas que geram grande quantidade de metabólitos. Metabolizam o oxigênio, o nitrogênio e o cloro e o seu alvo celular (proteínas, lipídeos, carboidratos e moléculas de DNA) está relacionado com seu sítio de formação. O desequilíbrio no organismo pela geração excessiva de radicais livres ou redução da velocidade de remoção destas espécies, é conhecida como estresse oxidativo e pode conduzir à oxidação maciça de substratos biológicos. A cronicidade desse estresse oxidativo pode estar envolvida, além do próprio processo de envelhecimento, com o aparecimento e desenvolvimento de um grande número de doenças, entre elas o câncer e a aterosclerose (SHAMI e MOREIRA; SCHNEIDER e OLIVEIRA, 2004). Como fontes exógenas de radicais livres encontramos as radiações gama e ultravioleta, os medicamentos, a dieta, o cigarro e os poluentes ambientais. As modificações oxidativas do DNA são uma das causas mais importante da mutagenicidade. Com isso, as moléculas de teor antioxidante se mostram como potenciais preventivos dos processos oxidativos na oncogênese. Muitos estudos mostram que o consumo de frutas e verduras reduzem o risco de aparecimento de alguns tipos de câncer. Nisso, pesquisas demonstram que o licopeno do tomate diminui especialmente o risco do CaP (PALOMO et al. 2010). Bozzeto (2009) realizou um ensaio clínico, randomizado, controlado com 156 homens, com idade entre 45 e 75 anos, com diagnóstico histológico de hiperplasia prostática benigna (HPB) e níveis séricos do antígeno protástico específico (PSA) entre 4 e 10 ng/ml. Foram distribuídos em três grupos de tratamento: licopeno (15 mg/dia), extrato de tomante (50 g/dia) e placebo. Ao final o único grupo em que os valores séricos de PSA total não se elevaram foi o do extrato de tomate. Encontrou-se também efeito dos três grupos de tratamento sobre as variáveis estudadas, evidenciando um efeito placebo. No entanto, o estudo mostra uma redução dos níveis séricos de PSA livre nos indivíduos que utilizaram extrato de tomate, em comparação ao grupo que recebeu licopeno. O autor evidencia a necessidade de ensaios clínicos que comparem indivíduos ingerindo extrato de tomate com indivíduos que restrinjam esse alimento por longo tempo, para assim determinar se a ingestão de extrato de tomate tem impacto em desfechos clínicos, em homens com HPB. Um estudo semelhante foi realizado por Edinger e Koff (2006) com 43 homens, com idade de 45 a 75 anos, histologicamente diagnosticados com HPB e PSA de 4 a 10 ng/ml. Todos os pacientes receberam 50 g de pasta de tomate por dia durante 10 semanas consecutivas, sendo que os níveis de PSA foram analisados antes, durante e após o consumo da pasta de tomate. A ingestão diária de 50 g de pasta de tomate durante as 10 semanas reduziu significativamente os níveis de PSA no plasma dos pacientes com HPB, provavelmente como resultado da alta quantidade de licopeno na pasta de tomate. O desenvolvimento de CaP é tipicamente acompanhado por um aumento nos níveis plasmáticos de PSA, portanto, qualquer intervenção que afeta esses níveis pode sugerir um impacto na progressão da doença. Em outro estudo realizado por Sendão (2004), investigou-se o efeito mutagênico de diferentes doses do licopeno e o seu possível efeito protetor sobre as aberrações cromossômicas induzidas pela cisplatina (cddp), que é um agente antineoplásico usado para o tratamento de pacientes com cânceres, mas que está associada com vários efeitos colaterais, incluindo indução de aberrações cromossômicas. Os animais tratados de forma aguda e subaguda com diferentes doses do licopeno e com o antitumoral cddp, mostraram uma redução significativa no total de aberrações cromossômicas e no número de metáfases com aberrações cromossômicas, comparado com os animais tratados apenas com a cddp. Esta proteção do licopeno sobre os danos cromossômicos induzidos pela cddp pode ser atribuída à capacidade deste carotenóide de seqüestrar radicais livres. 4 O FATOR ANTIOXIDANTE Os antioxidantes são substâncias que mesmo em baixas concentrações, quando comparadas a um substrato oxidável, reduzem ou inibem a oxidação desse substrato. O sistema de anti-oxidação é composto por agentes enzimáticos e não-enzimáticos, podendo estar presentes no organismo ou nos alimentos ingeridos. Os carotenóides reagem com radicais livres, em especial com os radicais peróxidos e com o oxigênio molecular, sendo essa a base de sua ação antioxidante. Carotenóides, incluindo o licopeno, exercem funções antioxidantes em fases lipídicas, bloqueando os radicais livres que danificam as membranas lipoprotéicas (SHAMI e MOREIRA, 2004). Embora as defesas antioxidantes endógenas sejam efetivas, não são infalíveis, e constantemente há formação de radicais livres que interagem em diferentes níveis com o ambiente celular antes de serem eliminadas. A eliminação desses radicais não é favorecida em condições fisiológicas normais, devido às baixas concentrações dos agentes antioxidantes, que são a principal forma de eliminação e interrupção de reações em cadeias propagadas pelos radicais livres (CERQUEIRA, MEDEIROS e AUGUSTO, 2007). Matos et al. (2006), mostraram através de um estudo in vivo o efeito de proteção do licopeno e do ß-caroteno contra danos causados pelo estresse oxidativo induzido por ferro na próstata de ratos. Para o estudo eles se utilizaram da análise de 8 oxo 7,8 dihidro 2 desoxiguanosin a (8 oxodguo), um importante marcador de estresse oxidativo do DNA. Segundo eles os ratos suplementados com licopeno ou ß-caroteno por 05 dias antes do tratamento de oxidação induzida mostrou uma redução de cerca de 70% dos níveis de 8-oxodGuo. Concluindo-se que o pré-tratamento com o Licopeno ou ß-caroteno impediram quase que completamente o dano lipídico nesses animais. Devido ao seu sistema de ligações duplas conjugadas, o licopeno é uma substância rica em elétrons, susceptíveis de serem atacados por reativos eletrofílicos. Assim, o licopeno pode se unir ao oxigênio singleto e aos radicais livres como o radical hidroxila (HO) e vários radicais peróxidos. Este comportamento é a base de sua ação antioxidante nos sistemas biológicos, sendo, portanto, um eficiente agente quimiopreventivo (VITALE, BERNATENE e POMILIO, 2010; CARVALHO et al. 2005). 52

4 Efeito do licopeno do tomate na prevenção do câncer de próstata 5 O USO PREVENTIVO E A RECOMENDAÇÃO DIÁRIA O principal objetivo dos oncologistas no tratamento de pacientes com câncer é tentar melhorar a taxa de sobrevida dos pacientes, o que inclui a combinação quimioterápica com ou sem terapia de radiação. Devido a constante sensação de tristeza, medo, raiva, como resultado do alto índice de mortalidade, os pacientes freqüentemente optam também por terapias complementares e alternativas. Entre elas o uso de substâncias antioxidantes, recomendada para pacientes oncológicos durante o tratamento neoplásico citoredutor. Sabe-se que os antioxidantes podem ser úteis na redução dos efeitos colaterais da quimioterapia e radioterapia, por reduzir sua toxicidade. No entanto, há a necessidade de mais estudos para avaliar se os antioxidantes podem ou não reduzir a eficiência dos tratamentos radio ou quimioterápico sobre as células cancerosas (SENDÃO; ZAPATERO, 2004). Fontana et al. (2009), realizaram um estudo com o objetivo de analisar e comparar o índice de massa corporal (IMC) e o histórico alimentar, especialmente o consumo de gorduras e antioxidantes, em sujeitos diagnosticados com CaP e sujeitos sem a patologia. Observou-se que o IMC foi maior nos sujeitos com CaP em comparação ao grupo controle, porém sem variações significativas. Embora tenha sido observada uma correlação direta entre o IMC e a agressividade do tumor. O consumo de gorduras totais, saturadas, monoinsaturadas e poliinsaturadas foi significativamente maior pelos sujeitos com CaP. Enquanto que o consumo de ácidos graxos ω3, vitamina C e licopeno foi significativamente menor. Os autores concluíram que um peso saudável e uma alimentação pobre em gorduras totais, saturadas, monoinsaturadas e poliinsaturadas; e ricas em ácidos graxos ω3, vitamina C e licopeno se associam a um menor risco de CaP. Atualmente não se sabe a quantidade exata da ingestão diária de licopeno. Estudos epidemiológicos podem trazer informações importantes sobre os níveis de licopeno que se pode utilizar, ainda que não se tenha chegado a uma dose padrão devido à grande variedade de concentração de licopeno em suas diversas fontes. Alguns estudiosos não reconhecem a importância do licopeno para a saúde por sua falta de atividade pró- -vitamina A. No entanto a evidência do efeito preventivo do licopeno para a saúde humana despertou um grande interesse por parte dos nutricionistas e outros profissionais da saúde que sugerem níveis de ingestão diária baseados em conhecimentos científicos (WALISZEWSKI e BLASCO, 2010). Lemos Júnior et al. (2011), sugerem que o consumo de uma porção por dia de tomate ou derivados pode apresentar um efeito protetor contra danos ao DNA. É sabido também que altas concentrações de licopeno no sangue estão associadas ao menor risco de desenvolvimento de CaP (SANTILLO e LOWE, 2006; NUNES e MERCADANTE, 2004). No entanto, não existe uma quantidade específica, mínima ou máxima, prescrita de licopeno a ser considerada segura para ingestão. Estudos apontam que consumir entre 05 e 10 mg de licopeno por dia é suficiente para a obtenção dos benefícios desse nutriente. Alguns autores sugerem o consumo médio de 04 mg/dia de carotenóides, não ultrapassando 10 mg/dia. Contudo, pesquisas foram realizadas utilizando uma dose de licopeno de 25 mg/dia, sendo que 50% desse valor foi obtido através da ingestão de tomates frescos. Devido ao fato de os tomates frescos serem menos biodisponíveis que os processados, os autores aconselham uma maior ingestão de alimentos processados. Com isso, sugere-se o consumo de 35 mg/dia de licopeno (SHAMI e MOREIRA, 2004; MORITZ e TRAMONTE, 2006). O uso de tomate na prevenção ao câncer é facilitado pelo fato desse ser um alimento comum, presente em muitas dietas e preparações típicas. Tanto o tomate in natura como seus derivados são considerados alimentos saudáveis pelo baixo teor calórico e lipídico, estando portando livre de colesterol e por ser uma boa fonte de fibra e proteína. (WA- LISZEWSKI e BLASCO, 2010). 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Muitos estudos evidenciam a importância de se estudar o efeito do licopeno sobre o organismo humano, principalmente no que diz respeito ao seu efeito preventivo a diversas patologias. Em análise dos estudos já realizados é possível observar os benefícios do licopeno proveniente do tomate, que é um produto largamente consumido em todo o mundo. Estudos experimentais e clínicos destacam a propriedade antioxidante dessa substância, assim como seu papel na prevenção de alguns tipos de câncer, em especial ao câncer de próstata. Ainda que se reconheça a importância do licopeno para a saúde humana, mesmo este sendo um carotenóide sem atividade pró-vitamina A, não se tem nenhum consenso sobre seus reais efeitos no câncer, sendo considerado apenas o fator preventivo. Não há também consenso sobre a quantidade mínima ou máxima da substância a ser ingerida por dia, fazendo-se necessários mais estudos com esse fim. Neste estudo foi apresentado um levantamento bibliográfico acerca do efeito do licopeno na prevenção do câncer de próstata, evidenciando seu fator antioxidante. Estudos dessa natureza têm sua importância pelo fato de alertar os profissionais da Nutrição para a correta prescrição de alimentos ricos em licopeno, que é encontrado em um número limitado de fontes alimentares. Considera-se importante o incentivo ao consumo de tomates e derivados, visando a redução do risco de desenvolvimento do câncer de próstata e de outras doenças crônicas. Diante disso, deve ser fortalecido o incentivo a novos estudos que visem complementar o conhecimento acerca do licopeno e seus efeitos sobre o organismo humano, em especial para se chegar a um valor de recomendação diária; novos esclarecimentos acerca de sua biodisponibilidade e sua ação sobre o sistema imunológico. 53

5 Júnior, A. P. S.; Farias, L. M. REFERÊNCIAS BOZZETTO, M. E. S. Efeito do Licopeno e do Extrato de Tomate Sobre os Níveis Séricos de PSA Total e Livre, Testosterona, IGF-1 e Sintomas Prostáticos em Pacientes com Hiperplasia Prostática Benigna: Um Ensaio Clínico Randomizado Controlado f. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) Faculdade de Medicina, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul CAMPOS, F. M.; ROSADO, G. P. Novos fatores de conversão de carotenóides provitamínicos A. Ciênc. Tecnol. Aliment. Campinas, v. 25, n.3, p , jul.-set CARVALHO, W. et al. Estimativa indireta de teores de licopeno em frutos de genótipos de tomateiro via análise colorimétrica. Hortic. Bras. Brasília, v. 23, n.3, p , jul.-set CERQUEIRA, F. M.; MEDEIROS, M. H. G.; AUGUSTO, O. Antioxidantes dietéticos: controvérsias e perspectivas. Quím. Nova. São Paulo, v. 30, n. 2, p , mar.- abr EDINGER, M. S.; KOFF, W. J. Effect of the consumption of tomato paste on plasma prostate-specific antigen levels in patients with benign prostate hyperplasia. Braz.J. Med Biol. Res. Ribeirão Preto, v.39, n.8, p , ago FONTANA, C. M. L.; et al. El índice de masa corporal y la dieta afectan el desarrollo del cáncer de próstata. Actas Urol Esp. Madrid, v.33, n.7, p , jul.-ago GALICIA, R. M. et al. Stability of lycopene in cv. Saladette tomatoes (Lycopersicon esculentum Mill.) stored under differente conditions. Rev. Mex. Ing. Quím. México, v.7, n.3, p , dez GARÓFOLO, A. et al. Dieta e câncer: um enfoque epidemiológico. Rev. Nutr. Campinas, vol.17, n.4, p , out.-dez LEMOS JÚNIOR, H. P.; BRUNELLI, M. J.; LEMOS, A. L. A. Licopeno. Diagn Tratamento. São Paulo, v. 16, n.2, p.71-74, out.-dez, MATOS, H. R. et al.lycopene and ß-carotene protect in vivo ironinduced oxidative stress damage in rat prostate. Braz J Med Biol Res. Ribeirão Preto, v. 39, n. 2, p , fev MORITZ, B.; TRAMONTE, V. L. C. Biodisponibilidade do licopeno. Rev. Nutr. Campinas., vol.19, n.2, p Mar.-abr MOURAO, D. M. et al. Biodisponibilidade de vitaminas lipossolúveis. Rev. Nutr. Campinas v.18, n.4, p , jul.-ago, NUNES, I. L.; MERCADANTE, A. Z. Obtenção de cristais de licopeno a partir de descarte de tomate. Ciênc. Tecnol. Aliment. Campinas, v. 24, n. 3, p , jul.-set PALOMO, I. et al. El consumo de tomates previene el desarrollo de enfermedades cardiovasculares y cáncer: antecedentes epidemiológicos y mecanismos de acción. Idesia. Chile, v. 28, n. 3, p , set.-dez SANTILLO, V. M.; LOWE, F. C. Role of vitamins, minerals and supplements in the prevention and management of prostate cancer. Int. braz j urol. Rio de Janeiro, v.32, n.1, p. 3-14, jan.-fev SCHNEIDER, C. D.; OLIVEIRA, A. R. Radicais livres de oxigênio e exercício: mecanismos de formação e adaptação ao treinamento físico. Rev. Bras. Med. Esporte. v. 10, n.4, p , jul.-ago SENDÃO, M. C. Efeito do Licopeno na Mutagenicidade Induzida pela Cisplatina em Ratos f. Dissertação (Mestrado em Alimentos e Nutrição) Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade Estadual Paulista, Araquara SHAMI, N. J. I. E.; MOREIRA, E. A. M. Licopeno como agente antioxidante. Rev. Nutr. Campinas, v. 17, n.2, p , abr.-jun, VITALE, A. A.; BERNATENE, E. A.; POMILIO, A. B. Carotenoides en quimioprevención: Licopeno. Acta bioquím. clín. Latinoam, La Plata, v. 44, n. 2, p , mar.-jun WALISZEWSKI, K. N.; BLASCO, G. Propiedades nutraceúticas del licopeno. Salud pública Méx, Cuernavaca, v.52, n.3, p , jun ZAPATERO, A. Cáncer de próstata. Oncología (Barc.). Madrid, v. 27, n.7, p , jul

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES

SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Universidade de Évora Departamento de Química Vânia Pais Aluna do Curso de Mestrado em Química Aplicada SEGREDOS DO MUNDO DA QUÍMICA: OS MISTERIOSOS RADICAIS LIVRES Com o passar dos anos, o aumento da

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Protéica

Atividade Física e Alimentação Protéica Atividade Física e Alimentação Protéica Para obter um bom desempenho o atleta não necessita somente de um bom treinamento, precisa de uma dieta balanceada que contenha quantidades adequadas de proteína,

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de castanha do pará e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0093.001-2 Concentração: 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas

VEGESOY FIBER. Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY FIBER Fibra de soja: extrato insolúvel de soja em pó INTRODUÇÃO A soja é uma leguminosa cultivada na China há mais de 5 mil anos. Ao longo do tempo passou a ser consumida por

Leia mais

Funções dos lípidos:

Funções dos lípidos: Gorduras ou Lípidos Os lípidos são componentes essenciais de todos os organismos podendo ser obtidos a partir da alimentação ou ser sintetizados pelo nosso organismo. Constituem um grupo heterogéneo de

Leia mais

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista Secretaria de Estado da Saúde - SESAU Superintendência de Assistência em Saúde SUAS Diretoria de Atenção Básica - DAB Gerência do Núcleo do Programa Saúde e Nutrição Sybelle de Araujo Cavalcante Nutricionista

Leia mais

3ªsérie B I O L O G I A

3ªsérie B I O L O G I A 3.1 QUESTÃO 1 Três consumidores, A, B e C, compraram, cada um deles, uma bebida em embalagem longa vida, adequada às suas respectivas dietas. As tabelas abaixo trazem informações nutricionais sobre cada

Leia mais

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3

LITERATURA ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 ÔMEGA 3 Introdução O cérebro humano representa apenas 2% do nosso peso total, mas usa aproximadamente 20% do oxigênio consumido por todo nosso corpo quando está em repouso. Ele é um órgão complexo que

Leia mais

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de açaí e vitamina E. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0095.001-3 Concentração: 500 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

Açaí, Agora No Combate Ao Câncer

Açaí, Agora No Combate Ao Câncer Açaí, Agora No Combate Ao Câncer Açaí Benefícios O minúsculo fruto da Amazônia ganha cada vez mais crédito entre nutricionistas renomados. Novas pesquisas sinalizam que o açaí ajuda a prevenir contra o

Leia mais

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas

VEGESOY ISOLATED. Proteína Isolada da Soja. Informações Técnicas Informações Técnicas VEGESOY ISOLATED Proteína Isolada da Soja INTRODUÇÃO A soja é uma planta leguminosa que está na cadeia alimentar há 5 mil anos e tem sido parte essencial da dieta asiática há muitos

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES

ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES ALIMENTOS FUNCIONAIS NA REDUÇÃO DOS RISCOS DAS DOENÇAS CARDIOVASCULARES SIAN, N.C.; LOURIVAL, N. B. S. RESUMO As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis por um terço das mortes em todo o mundo.

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol

Colesterol. Você pode verificar os rótulos nutricionais (como este de uma lata de atum) para obter informações sobre o colesterol Colesterol Fonte: http://hsw.uol.com.br/ Introdução Segundo a Associação Americana do Coração (em inglês), altos níveis de colesterol são fatores de risco para doenças do coração, principal motivo de mortes

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ANTIOXIDANTES COMO MEDIDA DE PREVENÇÃO E ADJUVANTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER

INFLUÊNCIA DOS ANTIOXIDANTES COMO MEDIDA DE PREVENÇÃO E ADJUVANTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER INFLUÊNCIA DOS ANTIOXIDANTES COMO MEDIDA DE PREVENÇÃO E ADJUVANTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER PINTO, J. M.; ROCHA, B. A. Resumo: O câncer é uma doença que se manifesta através de mais de 100 formas, proporcionadas

Leia mais

Valor nutricional da carne

Valor nutricional da carne Composição do tecido muscular Valor nutricional da carne Espécie Água % Proteína % Lipídios % Cinzas % Bovinos 70-73 20-22 4-8 1 Suínos 68-70 19-20 9-11 1,4 Ana Maria Bridi Departamento de Zootecnia Universidade

Leia mais

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI

Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI Biomassa de Banana Verde Integral- BBVI INFORMAÇÕES NUTRICIONAIS Porção de 100g (1/2 copo) Quantidade por porção g %VD(*) Valor Energético (kcal) 64 3,20 Carboidratos 14,20 4,73 Proteínas 1,30 1,73 Gorduras

Leia mais

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi

NUTRIÇÃO. Prof. Marta E. Malavassi Prof. Marta E. Malavassi Conceito: processo orgânico que envolve ingestão, digestão, absorção, transporte e eliminação das substâncias alimentares para a manutenção de funções, a formação e regeneração

Leia mais

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe!

Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Aula: 31 Temática: Vitaminas parte I Nestas últimas aulas irei abordar acerca das vitaminas. Acompanhe! Introdução O termo vitamina refere-se a um fator dietético essencial requerido por um organismo em

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Último Encontro: Vila Velha 1 Escolha dos temas a serem trabalhados. Tema de hoje: Oficina sobre alimentação saudável 1) Alimentos Alimentos construtores: fornecem proteínas

Leia mais

Propriedades: Ação terapêutica:

Propriedades: Ação terapêutica: Originada da Europa e Oriente Médio, a uva (Vitis vinifera), pertence a família Vitaceae, é um fruto da videira que apresenta troncos retorcidos e flores esverdeadas. Vittinis é um extrato da semente de

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno

Figura 1: peridrociclopentanofenantreno COLESTEROL A n a L a u r a B u e n o Esteróides são álcoois de alto peso molecular. São compostos lipossolúveis muito importantes na fisiologia humana. Os esteróis possuem uma estrutura básica chamada

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

American Dietetic Association

American Dietetic Association É um método sistemático para resolução de problemas que os profissionais de nutrição empregam para pensar de modo crítico e tomar decisões para resolver problemas nutricionais e prestar assistência nutricional

Leia mais

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais;

Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Lipídios Os lipídios são substâncias com estrutura variada sendo muito abundantes em animais e vegetais; Eles compartilham a característica de apresentarem baixa solubilidade em água sendo solúveis em

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E BIOFUNCIONAL

CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E BIOFUNCIONAL CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E BIOFUNCIONAL Coordenação: Prof. Dra. Fernanda da Silveira Osso Prof. Dra. Cristina Fajardo Diestel Prof. MSc. José Aroldo L. Gonçalves Filho Carga Horária:

Leia mais

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA

NOVEMBRO AZUL: COMBATE E PREVENÇÃO AO CÂNCER DE PRÓSTATA COMBATE E PREVENÇÃO AO ÍNDICE 03 04 07 12 19 24 Introdução Novembro Azul O câncer Você precisa se importar! Prevenção: Vencendo o preconceito Bons hábitos e Diagnóstico precoce são a melhor prevenção 27

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3

Tema: Informações técnicas sobre o NUTRI-RENAL para pacientes em tratamento dialítico 1. ANÁLISE CLÍNICA DA SOLICITAÇÃO 3. 1.1. Pergunta estruturada 3 Consultoria 06/2012 Solicitante Dr. Enismar Kelley de Souza e Freitas Juiz de Direito - Comarca de Cristina MG Data:22/10/2012 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Tema: Informações técnicas sobre

Leia mais

Alimentos para limpar as artérias e prevenir a aterosclerose

Alimentos para limpar as artérias e prevenir a aterosclerose Alimentos para limpar as artérias e prevenir a aterosclerose Fonte:http://melhorcomsaude.com/10-alimentos-limpar-as-arterias-prevenir-aterosclerose/ A aterosclerose é uma doença de nome complicado, mas

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROPOSTA DE PROTOCOLO E FLUXO ASSISTENCIAL PARA CÂNCER DE PRÓSTATA Autor: Paulo Roberto F. de Oliveira, Rodrigo Alves Tristão e Wilson Alvarenga

Leia mais

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares

Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Suco de Laranja diminui o Estresse Oxidativo, Diabetes e o Risco de Doenças Cardiovasculares Ms. Jacqueline Queiroz Silveira Nutricionista e Doutoranda Faculdade de Ciências Farmacêuticas - UNESP Araraquara

Leia mais

Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes

Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes Envelhecimento Cutâneo e Uso de Antioxidantes Nutr. Ana Luísa Kremer Faller Doutora em Ciências Nutricionais - UFRJ Profª Adjunto Departamento de Nutrição e Dietética Instituto de Nutrição Josué de Castro

Leia mais

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista

O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O ATLETA VEGETARIANO Priscila Di Ciero - Nutricionista O consumo de dietas vegetarianas tem sido associado a muitos benefícios à saúde, incluindo menores taxas de mortes por doenças cardiovasculares, diabetes

Leia mais

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA

INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA INTERAÇÃO DOS RAIOS-X COM A MATÉRIA RAIOS-X + MATÉRIA CONSEQUÊNCIAS BIOLÓGICAS EFEITOS DAZS RADIAÇÕES NA H2O A molécula da água é a mais abundante em um organismo biológico, a água participa praticamente

Leia mais

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira

Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil. Maria Rita Marques de Oliveira Panorama Nutricional da População da América Latina, Europa e Brasil Maria Rita Marques de Oliveira 1- MEIO AMBIENTE E PRODUÇÃO DE ALIMENTOS 2- ACESSO AOS ALIMENTOS 3- ALIMENTO SEGURO 4- PREVENÇÃO E CONTROLE

Leia mais

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado?

Colesterol 3. Que tipos de colesterol existem? 3. Que factores afectam os níveis de colesterol? 4. Quando está o colesterol demasiado elevado? Colesterol Colesterol 3 Que tipos de colesterol existem? 3 Que factores afectam os níveis de colesterol? 4 Quando está o colesterol demasiado elevado? 4 Como reduzir o colesterol e o risco de doença cardiovascular?

Leia mais

Manual de Rotulagem de Alimentos

Manual de Rotulagem de Alimentos Manual de Rotulagem de Alimentos Agosto 2013 Programa Mesa Brasil Sesc O Mesa Brasil Sesc é um programa de segurança alimentar e nutricional sustentável, que redistribui alimentos excedentes próprios para

Leia mais

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP

Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcardores Karina Pfrimer Pós-graduanda da FMRP-USP Mestre pelo Departamento de Clínica Médica da FMRP-USP Biomarcadores Os biomarcadores são componentes corporais de fluidos ou tecidos que apresentam

Leia mais

Alimentação na Gestação

Alimentação na Gestação ESPAÇO VIDA Nut. Fabiane Galhardo Unimed Pelotas 2012 Alimentação na Gestação 1 GESTAÇÃO PERÍODO MÁGICO DE INTENSA TRANSIÇÃO, ONDE A NATUREZA MODIFICA O CORPO E A MENTE PARA TRANSFORMAR MULHER EM MÃE A

Leia mais

A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável

A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável A Contribuição Da Carne Bovina Para Uma Alimentação Saudável Nutricionista: Semíramis Martins Álvares Domene Profa. Titular da Faculdade de Nutrição PUC Campinas Nutrição e alimentação são assuntos cada

Leia mais

Biologia. 8 o ano. Caderno 2

Biologia. 8 o ano. Caderno 2 Biologia 8 o ano Caderno 2 Módulos 7 e 8 1 A atividade das enzimas no organismo humano varia em função do grau de acidez do meio. Observe o gráfico e responda: Qual curva representa o local da ação da

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E BIOFUNCIONAL

CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E BIOFUNCIONAL CURSO DE EXTENSÃO EM NUTRIÇÃO ORTOMOLECULAR E Coordenação: Prof. Dra. Fernanda da Silveira Osso Prof. Dra. Cristina Fajardo Diestel Prof. MSc. José Aroldo L. Gonçalves Filho Duração: 04 meses Carga Horária:

Leia mais

Nutrientes. E suas funções no organismo humano

Nutrientes. E suas funções no organismo humano Nutrientes E suas funções no organismo humano O corpo humano necessita de uma série de substâncias básicas indispensáveis para a formação de tecidos, para obtenção de energia, para a realização de atividades

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDCFMT02-P NUTRACÊUTICOS, ALIMENTOS FUNCIONAIS E FITOTERÁPICOS: O USO DAS PLANTAS NA PROMOÇÃO, PREVENÇÃO E RESTAURAÇÃO DA SAÚDE Evi Clayton de Lima Brasil (2), André de Lima Gomes (1), Monnara Lúcio

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? TIPOS

O QUE É COLESTEROL? TIPOS O QUE É COLESTEROL? O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal (carne, leite integral, ovos etc.). Em nosso

Leia mais

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas

Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas Aumentar o Consumo dos Hortofrutícolas As doenças crónicas não transmissíveis são responsáveis por 63% das causas de morte no mundo Fonte: WHO; Global status report on noncommunicable diseases, 2010 O

Leia mais

Kelly Chaves - Nutricionista

Kelly Chaves - Nutricionista Kelly Chaves - Nutricionista Alimentos Saudáveis e Funcionais Substâncias consideradas funcionais Alimentos mais consumidos Boas fontes alimentares de cálcio A Importância do Cálcio na Nutrição O que são

Leia mais

A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável

A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável A contribuição da carne bovina para uma alimentação saudável Por Semíramis Martins Ávares Domene 1 Nutrição e alimentação são assuntos cada vez mais abordados quando o tema é qualidade de vida e adoção

Leia mais

Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.).

Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.). Extração de β -caroteno por cromatografia em coluna em cenouras (daucus carota l.). Professor Doutor Paulo Cesar Dantas Esteves (Curso de Nutrição UNIFOA) pcesteves@hotmail.com Professora Doutora Anete

Leia mais

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl

O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O QUE É COLESTEROL? Sinônimos: colesterol hdl, colesterol ldl O colesterol pode ser considerado um tipo de lipídio (gordura) produzido em nosso organismo. Ele está presente em alimentos de origem animal

Leia mais

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO

Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO Unidade I: BRASILEIRA 0 Unidade: GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA O Guia Alimentar é um instrumento que define as diretrizes alimentares a serem utilizadas

Leia mais

PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03. Patricia Cintra

PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03. Patricia Cintra PROCESSAMENTO DE LIPÍDEOS Aula 03 Patricia Cintra Processamento de lipídeos À frio À quente Processamento de lipídeos Os triacilgliceróis são extraídos de fonte de origem animal e vegetal. A fluidização

Leia mais

Qualidade dos alimentos: novas desafios. Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8

Qualidade dos alimentos: novas desafios. Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8 Qualidade dos alimentos: novas desafios Braganc;:a, 2012 16-19 Setembro ISBN 978-972-745-141-8 Caracterização nutricional e propriedades bioativas de quatro variedades tradicionais de tomate (Lycopersicon

Leia mais

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano.

Oficina CN/EM 2012. Alimentos e nutrientes (web aula) H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo humano. Oficina CN/EM 2012 Alimentos e nutrientes (web aula) Caro Monitor, Ao final da oficina, o aluno terá desenvolvido as habilidade: H34 Reconhecer os principais tipos de nutrientes e seu papel no metabolismo

Leia mais

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS?

O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? O QUE SÃO ALIMENTOS FUNCIONAIS? São alimentos que além de fornecerem energia para o corpo e uma nutrição adequada, produzem outros efeitos que proporcionam benefícios à saúde, auxiliando na redução e prevenção

Leia mais

COLESTEROL DEFINIÇÃO

COLESTEROL DEFINIÇÃO COLESTEROL DEFINIÇÃO Colesterol é um esterol (álcool) que pode ser encontrado nas membranas celulares sendo transportado no plasma ligado à proteínas, pois é insolúvel em água e, conseqüentemente, insolúvel

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

Lipídios. Dra. Aline Marcellini

Lipídios. Dra. Aline Marcellini Lipídios Dra. Aline Marcellini LIPÍDEOS Nutrição = 9 Kcal/g Grande diversidade de moléculas. Palatabilidade e retenção de voláteis. Definição: compostos insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos.

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Epidemiologia sexo masculino : pulmão, próstata, estômago, cólon e reto, boca e faringe, fígado, esôfago e bexiga

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM

NOVEMBRO. NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM NOVEMBRO AZUL NAO SE ESCONDA ATRaS DOS SEUS PRECONCEITOS CUIDAR DA SAUDE TAMBEM e COISA DE HOMEM O movimento internacional, conhecido como Novembro Azul, é comemorado em todo o mundo, quando teve início

Leia mais

Suplementos de A a Z

Suplementos de A a Z Suplementos de A a Z Hoje existe uma enorme lista de suplementos nas lojas. Mas para que servem? Descubra o que a tecnologia alimentícia pode fazer por você. Otimizar os resultados dos treinos, aumentar

Leia mais

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro

Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Prof.: Luiz Fernando Alves de Castro Dia Nacional de Combate ao Câncer O Dia 27 de Novembro, Dia Nacional de Combate ao Câncer, é uma data que deve ser lembrada não para comemorarmos e, sim, para alertarmos

Leia mais

Relación entre la grasa de la leche y las enfermedades cardiovasculares:

Relación entre la grasa de la leche y las enfermedades cardiovasculares: Relación entre la grasa de la leche y las enfermedades cardiovasculares: reconstruyendo la historia bajo la luz de la ciencia Jornada técnica Embrapa-INTA-INTI Marco Antônio Sundfeld da Gama Investigador

Leia mais

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO

ESTADO D O AMAZONAS CÂMARA MUNICIPAL DE MAN AUS GABINETE VEREADOR JUNIOR RIBEIRO PROJETO DE LEI Nº. 253 / 2014 Dispõe sobre a obrigatoriedade do uso de equipamentos de Ionização de água potável em Unidades de Tratamento de doenças degenerativas da Rede Pública Municipal e de Organizações

Leia mais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais

Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Imunodepressão em Atletas Os marcadores Laboratoriais Quem Sou? Carlos Ballarati : Formação Medicina: Formado em Medicina pela PUC-SP Sorocaba em 1988. Residência Médica: Clinica Medica Unicamp em 1989

Leia mais

Menos calorias com alimentação termogenica

Menos calorias com alimentação termogenica Menos calorias com alimentação termogenica Eliane Petean Arena Nutricionista CRN Rua : Conselheiro Antonio Prado N: 9-29 Higienópolis Bauru - SP Telefone : (14) 3243-7840 ALIMENTOS TERMOGENICOS Todo alimento

Leia mais

NeOpuntia (Bio Serae/França) Nutracêutico do cacto, Opuntia ficus-indica como auxiliar do emagrecimento

NeOpuntia (Bio Serae/França) Nutracêutico do cacto, Opuntia ficus-indica como auxiliar do emagrecimento NeOpuntia (Bio Serae/França) Nutracêutico do cacto, Opuntia ficus-indica como auxiliar do emagrecimento Inúmeros fatores afetam a qualidade da vida moderna, de forma que a população deve conscientizar-se

Leia mais

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE

DESVENDANDO 8 MITOS SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 1 DESVENDANDO 8 S SOBRE A INTOLERÂNCIA À LACTOSE 2 3 Conhecendo a INTOLERÂNCIA À LACTOSE DESVENDANDO S Contém lactose A lactose, encontrada no leite e seus derivados é um carboidrato, e é conhecida popularmente

Leia mais

DOSSIER INFORMATIVO ANTIOXIDANTES

DOSSIER INFORMATIVO ANTIOXIDANTES DOSSIER INFORMATIVO ANTIOXIDANTES JUNHO 2011 O PAPEL DOS ANTIOXIDANTES O estilo de vida actual, associado aos maus hábitos alimentares, leva à necessidade da suplementação com vitaminas e minerais antioxidantes

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC

COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC 20 a 22 de agosto de 2008 - Bento Gonçalves-RS COMPORTAMENTO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS DE FLORIANÓPOLIS - SC Silvia Cristina Ferreira Iop 1,2, Evanilda Teixeira 2 e Rosires Deliza 3 1 Universidade

Leia mais

Uniquímica lança novo canal de comunicação. Informativo Bimestral

Uniquímica lança novo canal de comunicação. Informativo Bimestral Informativo Bimestral Uniquímica lança novo canal de comunicação A Uniquímica, através da Gerência de Ovos PUFA, lança um novo veículo de Comunicação. É o Jornal VIDA PUFA. O Informativo será enviado via

Leia mais

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO

FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO FACULDADE SANTO AGOSTINHO - FSA DIRETORIA DE ENSINO COORDENAÇÃO DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA I-IDENTIFICAÇÃO 1. CURSO: NUTRIÇÃO 2. DISCIPLINA: NUTRIÇÃO E METABOLISMO 3. SEMESTRE DO CURSO: 4º 4. PROFESSOR(A):

Leia mais

ALIMENTOS FUNCIONAIS: UMA REVISÃO 1

ALIMENTOS FUNCIONAIS: UMA REVISÃO 1 ALIMENTOS FUNCIONAIS: UMA REVISÃO 1 BELLINASO, Julia. 2 ; MARTINI, Letícia. 2 ; VALENTE, Thiele. 2 ; KIRSTEN, Vanessa R.³ 1 Trabalho de levantamento bibliográfico desenvolvido na Disciplina de Alimentos

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

AULA VITAMINAS LIPOSSOLÚVEIS. Patricia Cintra

AULA VITAMINAS LIPOSSOLÚVEIS. Patricia Cintra AULA VITAMINAS LIPOSSOLÚVEIS Patricia Cintra Vitamina A (ingestão, absorção, biodisponibilidade e metabolismo) Em condições normais, cerca de 70 a 90% do retinol da dieta são absorvidos; A vitamina A

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL O QUE É ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL? Qualidade e quantidades adequadas de alimentos que proporcionam os nutrientes necessários ao organismo PRINCÍPIOS PIOS E CARACTERÍSTICAS Variada Colorida

Leia mais

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4

Prof a Dr a Camila Souza Lemos IMUNOLOGIA. Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos. camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 IMUNOLOGIA Prof a. Dr a. Camila Souza Lemos camila.souzabiomedica@gmail.com AULA 4 Imunidade contra tumores Linfócitos T-CD8 (azul) atacando uma célula tumoral (amarela) A imunologia tumoral é o estudo

Leia mais

Nutrição e Oncologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Taxa de mortalidade por cancro.

Nutrição e Oncologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Epidemiologia. Taxa de mortalidade por cancro. Nutrição e Oncologia Taxa de mortalidade por cancro Paula Ravasco p.ravasco@fm.ul.pt Unidade de Nutrição e Metabolismo, Instituto de Medicina Molecular Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Mundialmente

Leia mais

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA

ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA ALIMENTAÇÃO NA ADOLESCÊNCIA Maria Sylvia de Souza Vitalle (Texto extraído de Manual de atenção à saúde do adolescente. Secretaria da Saúde. Coordenação de Desenvolvimento de Programas e Políticas de Saúde

Leia mais