Análise comparativa das diferentes tecnologias de carbonização e recuperação de subprodutos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise comparativa das diferentes tecnologias de carbonização e recuperação de subprodutos"

Transcrição

1 !! Análise comparativa das diferentes tecnologias de carbonização e recuperação de subprodutos Nota Técnica referente à letra (B) do estudo técnico 2 do Termo de Referência do contrato 49, do ano de 2013, entre CGEE e MDIC, para subsídios em: Modernização da Produção do Carvão Vegetal

2 # $%&'()*+,-.%&,/(%&0-.%&% 1,(2.%2'3'4,5!! )67849:;<:8

3 3 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Presidente Mariano Francisco Laplane Diretor Executivo Marcio de Miranda Santos Diretores Antonio Carlos Filgueira Galvão Gerson Gomes Nota Técnica: Análise comparativa das diferentes tecnologias de carbonização e recuperação de subprodutos. Subsídios 2014 ao Plano Siderurgia do MDIC: Modernização da Produção de Carvão Vegetal. Contrato Administrativo CGEE/MDIC 49/2013. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, (Produto 1). 28 p. 1. Produção de gusa. 2. Carbonização da madeira. I. CGEE. II. Título. Centro de Gestão e Estudos Estratégicos - CGEE SCS Qd 9, Lote C, Torre C Ed. Parque Cidade Corporate - salas 401 a Brasília, DF Telefone: (61) Fax. (61) Este relatório é parte integrante das atividades desenvolvidas no âmbito do Contrato Administrativo CGEE/MDIC 49/2013/Ação: Subsídios para Revisão do Plano Siderurgia (Carvão Vegetal) Todos os direitos reservados pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE). Os textos contidos neste relatório não poderão ser reproduzidos, armazenados ou transmitidos.

4 T $%&'()*+,-.%&,/(%&0-.%&' 1,(2.%2'3'4,5!! )67849:;<:8 Consultor!#$%&'()$%*+,-+./% % Equipe Técnica do CGEE %

5 5 CONTEÚDO RESUMO EXECUTIVO 6 1. INTRODUÇÃO 8 2. FORNOS 8 3. CUSTO DA MADEIRA 9 4. DESCRIÇÃO DAS TECNOLOGIAS FORNOS CIRCULARES FORNOS RETANGULARES VÁRIOS MODELOS MODELO RAC MODELO PLANTAR TECNOLOGIA BRICARBRAS TECNOLOGIA DPC TECNOLOGIA CARBONIZAÇÃO CONTÍNUA & SUBPRODUTOS ESTUDO COMPARATIVO DAS TECNOLOGIAS E VIABILIDADE ECONÔMICA GEOMETRIA E CAPACIDADE DE CARGA DOS FORNOS CICLO OPERACIONAL E PRODUTIVIDADE CAPACIDADE DE PRODUÇÃO E INVESTIMENTO PESSOAL COMPOSIÇÃO DO CUSTO UNITÁRIO DE PRODUÇÃO CENÁRIOS DE PRODUÇÃO E LIMITAÇÕES PARA FORNOS DE MAIOR EFICIÊNCIA CENÁRIO 1: PEQUENOS PRODUTORES CENÁRIO 2: GRANDES PRODUTORES COM FLORESTAS PRÓPRIAS CENÁRIO 3: FORNOS DE ALTA PRODUTIVIDADE LIMITAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE FORNOS DE ALTA EFICIÊNCIA 25

6 REFERÊNCIAS 27 6

7 f ('X0$%'a'104*2% &'X1(*-.%&,X4'1)%5%3*,X /8D8 AGA<76 FA :6BC8D8KL6 G6D8B nm87d6 FA CD6FMKL6 FA :8DEL6 'X40&%1%$/,(,4*2%&,X4'1)%5%3*,X'2*,O*5*&,&''1%)i$*1, 4MF6 CMFAD G8JAD F6 H8;p6 FA <;:DABA;76 FA CD6FMKL6 FA ;8 1')d(*%X&'/(%&0-.%'5*$*4,-j'X/,(,R%()%X&'$,*%('R*1*k)1*, )8 G<HMD8 bwu 9 nma B8<6D :6;7AuF6 FA A;HA;p8D<8Q 8?9B FA CADB<7<D 8 CD6FMKL6 8F<:<6;8? FA :8DEL6 CA?6 B8<6D DA;F<BA;76Q 78BI9B CADB<7<D> 8 AGA7<E8 FA C6FADL6 8<;F8 ;8 C6D nma<b8 F<DA78 AB /$,./ FA :8DI6;<J8KL6W %M

8 8 A implantação de unidades de demonstração de fornos de alta produtividade é um imperativo para a melhoria da competividade do carvão vegetal como insumo siderúrgico e para que todo o potencial de mitigação de emissões de gases de efeito estufa possa ser praticado em escala industrial. LIMITAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE FORNOS DE ALTA EFICIÊNCIA Embora o Brasil tenha uma grande produção de carvão vegetal, é fato que existe uma grande dificuldade na implantação de fornos de carbonização de alta produtividade. Aqui foram apontados alguns dos fatores de ordem cultural, legal e econômica que contribuem para esta dificuldade.

9 9 1. INTRODUÇÃO Temos vários cenários de produção de carvão vegetal no Brasil, vamos inicialmente analisar a produção nos grandes produtores que geralmente têm a produção verticalizada para atender o fornecimento de redutor para o negócio siderúrgico do grupo. Nestas siderúrgicas integradas são consumidos 500 a 630 kg de carvão para cada tonelada de ferro- gusa produzido. A produção de carvão vegetal pode ser feita diretamente por empresas pertencentes a grupos empresariais que tenham o aço como produto final como: Vallourec produtora de tubos sem costura, APERAM produtora de aço inoxidável, ArcelorMittal, Gerdau, Votorantim produtoras de vergalhões e trefilados. Ou por empresas produtoras de ferro- gusa como: Plantar, Queiroz Galvão, Viena, entre outras. Ou por empresas que produzam apenas carvão vegetal e o vendem para estas grandes consumidoras. 2. FORNOS O forno é um tipo de equipamento que atinge alta temperatura e é utilizado em uma variedade de processos, como por exemplo, na torrefação de lúpulo para cerveja, para a fabricação de cerâmica, entre outros. Muitos fornos são projetados de forma especial para atender a uma necessidade particular. Os desenhos desses fornos levam em consideração condições específicas como: clima, local, tipo de material, temperaturas desejadas, carga térmica, forma de aquecimento. A troca térmica no forno acontece seguindo Leis da Termodinâmica, podendo ser realizada através dos mecanismos da condução, da convecção e da radiação. Enfim são os fenômenos pelos quais um corpo quente cede parte de seu calor a outro mais frio. Em um forno a condução é importante ao estabelecer a parte de calor que sai pelas paredes e se perde no ambiente externo. Esta quantidade de calor, fluxo térmico perdido guarda relação proporcional com a diferença de temperatura entre os dois meios em contato e à superfície que eles têm em comum. A convecção, por sua vez, é a transmissão de calor entre líquidos e gases em circulação. Se a corrente de ar, gás ou líquido for provocada por um ventilador, uma bomba ou qualquer outro

10 !S nma 8 :6;EA:KL6 9 G6DK8F8W, :6;EA:KL6 ;87MD8? 8 4# 5*/&(!)6!76)8$'6! 9 6 CD<;:<C8? :6BC6;A;7A FA F8 CD6FMKL6 F6 :8DEL6 EAHA78? G6DB8KL6 9 C8D CAD8KL6 FA 7D8K8BA;76Q nma 9 8 DAFMKL6 G<HMD8 UW# 6 AwABC?6 FA MB C<:8F6D nma 7D8I8?p8 8:6C?8F6 86 8E8?<8F6 :6B6 BA?p6D<8 FA 8?76 &/1 A 11 e 18DI6;<J8KL6 16;7P;M8W CADB<7<D<8 6 A :6B6 ;8 G<HMD8 UWUQ 6 7ABC6 C8D8 8nMA:AD 879 U_S 1

11 !! 9# )8/5'$+,(!)6/!&85%(:(;$6/!! 9##.('%(/!5$'5*:6'8/!!! )8 G<HMD8 TW! 9 M;<F8FA FA CD6FMKL6 F6 3DMC6 lma<d6j 38?EL6 AB

12 !# 9#-#.('%(/!'8&6%;*:6'8/!<!=>'$(/!7()8:(/!! 9#-## F8 86 HDMC6,D:A?6D$<778?W (,1efSS 6M7D6 :8;8?Q A F<?M<KL6 :6B 8DQ DA76D;8B 8 C8D8 G8JAD 8 AB #S!! A 879 6;FA ;L6 G6< AwC8;F<F6 EAHA78?Q 8?A;p8 :6B I<76?8 FA TQUB 9 A;G6D;8F8 A C6D C8D8 G6D8B CA?6 ';HA;pA<D6 ~8;FADA?} /8D8;8PI8Q nma DAC6D76M 9 MB8 CD>7<:8 AGA7<E8 A 8 <;7A;KL6 FA 7AD!SSr 6CAD8;F6 CD>7<:8W % 6CKL6 9 E8?A?ABID8D nma 6 F8F6 FA DA;F<BA;76 FA UTQ_r 9 MB E8?6D B9F<6 AGA7<E8BA;7A :8?:M?8F6 C6D <;F<E<FM8? FA FA lma<d6j 38?EL6 X<FADMDH<8Q A;7DA FA :8DEL6Q 7AB 6

13 !U 9#-#-# 7()8:(!B:6%&6'! 9#4# &85%(:(;$6!C'$56'C'6/!

14 !T 9#9# &85%(:(;$6!)B5! DA8?<J8F6 AB f# % &/1 7D8I8?p8 :6B 6M FA D6??6;W BA?p6D8 F6 G?Mw6 F8 B8FA<D8 F8 86 G6D;6Q A?<B<;8;F6 ;6 BP;<B6 FA A FA 8?:87DL6 8:6C?8F8 &/1W FA :6;7D6?A :6B6 8 CADB<7<F8 CA?8 8?:87DL6EAHA78?W nma C8D8 8nMA:<BA;76 AY6M HAD8KL6 FA A;ADH<8 A?97D<:8W 8BI<A;7AW

15 !_ FA _ :BW, (<B8 8 F8 :6B :8DH8 A A :6BI<;8KL6 DA:AIAM 8 FA;6B<;8KL6 FA &85%(:(;$6! )B5! 78:M('6)6W 9#N# &85%(:(;$6!)8!56'C(%$O6+,(!5(%&P%*6!Q!/*CB'()*&(/! :8DI6;<J8KL6 :6;7P;M8 6CAD8D8B ;6 7ADD<7^D<6 AMD6CAM A ;6D7A 8BAD<:8;6W % 6ItA7<E6 AD8 6 F8 B8FA<D8 A C8D8 8 CD6FMKL6 FA E8C6D C8D8 6 DAG<;6 16B 6 8FEA;76 F8 X*R*1Y5,$O*%44' 6CAD8D8B 8<;F8 ;8 'MD6C8W 18IA 8 M;<F8FA AB /DABAD} ;8 RD8;K G<;8? F8 F9:8F8 FA!Z]SW :6B 8 \ AA?8I6D8KL6

16 !b Å6tA 9 BP;<B6Q 78;76 nma 6 A;HA;pA<D6 1?8MF<6 BA:z;<:6

17 17 grupo de pesquisadores usou as verbas indenizatórias empregatícias e criou a Biocarbo, que recém completou 20 anos de desenvolvimento de P&D de maneira autossustentável. Onde projetos de P&D têm recursos provenientes de receita com a venda de especialidades químicas. Cerca de 60% do faturamento é obtido com óleos para a formulação de aromas de fumaça, com maior parte da produção sendo exportada para os Estados Unidos. O faturamento, por volta de R$1,5 milhão, tem permitido sustentar iniciativas para o desenvolvimento de aplicações de demanda de mercado. Biopirol é a marca da Biocarbo, para o Extrato Pirolenhoso de uso agrícola, o qual se revela como uma oportunidade promissora, juntamente com alcatrão como combustível para aquecimento industrial. A combinação destes dois produtos permitiria a agregação de receita de R$250,00 ~ R$500,00 por tonelada de carvão vegetal. Para efeito deste estudo consideramos receita de apenas R$125,00/t CV. Para efeito de evoluir nesta tecnologia também foi considerado o uso de cavacos com 5 cm visando reduzir investimento na mesa de corte dos toletes e redução do tempo de residência e consequentemente otimização do investimento neste tipo de tecnologia. Nas figuras esta tecnologia recebeu a denominação de CARBONIZAÇÃO CONTÍNUA MELHORADA. 5. ESTUDO COMPARATIVO DAS TECNOLOGIAS E VIABILIDADE ECONÔMICA Vale ressaltar que os custos aqui apresentados foram, em grande parte, fornecidos pelas próprias empresas; também, que precisávamos equalizar os custos da madeira, e sua preparação exigida pela tecnologia conforme discutido no item GEOMETRIA E CAPACIDADE DE CARGA DOS FORNOS A Figura 5.1 apresenta as dimensões básicas dos fornos que serão avaliados ao longo desta nota técnica. Nesta figura também são apresentados a bitola da lenha para enfornamento, capacidade de carga do forno. Também é apresentado o rendimento gravimétrico garantido pelo fornecedor da tecnologia. Foram tomados os seguintes dados auxiliares: a densidade da madeira como 500 kg/m 3 ; índice ou fator de empilhamento: 1,5 estéreo/m 3 e 230 kg/m 3 para a densidade granel do carvão vegetal.

18 18 Cabe a crítica do rendimento apresentado pela ArcelorMittal para o rendimento típico do forno RAC 700, conforme discutido no item CICLO OPERACIONAL E PRODUTIVIDADE Pela figura 5.2 pode ser observado que, entre os fornos de alvenaria, o forno circular é o de melhor produtividade. Faz 0,47 kg/m 3 h de carvão para cada metro cúbico de forno, enquanto os fornos retangulares não ultrapassam 0,3kg/m 3 h. Isto se deve tanto à carga manual, que deixa menos vazios, que à carga mecanizada; quanto ao maior tempo de resfriamento nos retangulares. O trocador de calor ao reduzir cerca de 120 horas no período de resfriamento, consegue elevar este índice de 0,176 para 0,265, conforme dados da Queiroz Galvão. Tecnologias com maior conteúdo de engenharia, como a DPC, têm produtividades bem superiores, da ordem de 1,7 kg/m 3 h por m 3 de forno e 8,9kg/m 3 h para a carbonização contínua. Ao reduzir as dimensões das peças com uso de cavacos, estes valores sobem substancialmente CAPACIDADE DE PRODUÇÃO E INVESTIMENTO Para efeito comparativo foi avaliado a quantidade de fornos, pessoal, etc. para atender capacidade instalada próxima a t/mês. Pela figura 5.3 se verifica que seriam necessários fornos circulares com investimento total de 11,72 milhões de reais ou R$97,69/t.ano de capacidade instalada. Este tipo de forno apresenta o menor investimento unitário entre as alternativas avaliadas. O investimento mais alto se destinaria à tecnologia de carbonização contínua: R$98,76 milhões de investimento para instalar 22 fornos levando a investimento unitário de R$823,00 por cada tonelada/ano instalada. Para o forno RAC- 700 da APERAM o investimento se aproxima de R$29,36 milhões, sendo que o investimento unitário seria de R$244,00 por tonelada instalada. Este mesmo forno instalado no Maranhão tem seu investimento elevado para R$50,88 milhões; e individual, de R$424,01 por tonelada- ano instalada. O uso de trocadores de calor, que encurtam o ciclo operacional do forno RAC- 700, provoca redução de quase 5% na

19 19 necessidade de investimento. Outra vantagem do uso de trocadores são: unidades menores e a otimização da logística. O uso de cavacos e recuperadores de subprodutos na melhoria das tecnologias de alto desempenho, como a DPC e a Carbonização Contínua, levam a uma redução importante no investimento. A redução do tempo de residência da carga nos fornos deve ser uma busca incessante pela melhoria do desempenho.

20 PESSOAL Para atender a operação dos 1649 fornos circulares seriam necessárias 670 pessoas divididas em 4~5 UPCs, que demandariam 12 pessoas para administração em campo e 9 pessoas no escritório central. Tem- se então um total de 691 pessoas e uma produtividade de 14,47 toneladas de carvão vegetal por pessoa, incluindo o efetivo da administração. O componente pessoal participa com R$132,03 no do custo de produção. Como mostrado na Figura 5.4, todas as demais tecnologias promovem uma redução acentuada do efetivo em número de funcionários e custos. Novamente se tem uma discrepância entre valores da prática da Queiroz Galvão Siderurgia e da ArcelorMittal, para o número de funcionários e custo de pessoal na formação do custo do carvão vegetal. Isto é provavelmente devido ao maior uso de terceirizados pela Arcelor Mittal e maior pessoal na gestão operacional e no controle de qualidade pela Queiroz Galvão Siderurgia. Para os fornos RAC- 700 na Queiroz Galvão Siderurgia, no total, 198 pessoas são necessárias para estes fornos sem trocador e 211 para os fornos com trocador, levando a redução de quase 70% em relação ao efetivo para os fornos circulares. O custo fica na faixa de R$46~48/t de carvão. A produtividade fica próxima a 45 t/mês de carvão para cada funcionário, incluindo a administração. A redução na conta custo com pessoal é da ordem de 65%. A tecnologia DPC precisaria de 108 pessoas para produzir t/mês de carvão vegetal. A redução do efetivo é da ordem de 82% em relação ao forno circular, a produtividade fica na faixa de 80 t/mês por funcionário, incluindo a administração. A redução no custo de pessoal ficaria em torno de 66%; devido a maior qualificação e salários do pessoal operacional. A carbonização contínua leva à redução adicional de pessoal, apenas cerca de 10% do efetivo necessários aos fornos circulares produziriam as mesmas t/mês de carvão. Dependendo da localização das plantas esta pode ser uma vantagem adicional desta tecnologia.

21 #! N#N# 5(7B(/$+,(!)(!5*/&(!*%$&>'$(!)8!B'()*+,(! :<D:M?8DQ 6 AGA<76 FA ;8 DAFMKL6 FA :6B 9 /A?6 C8D8 6 R6D;6 &/1Q 6 B8<6D DA;F<BA;76Q 76B8F6 :6B6 TSrv A 8 B8<6D D8:<6;8?<F8FA 6 F8 B8FA<D8QC8D8(Ä!bTQ_S:6;7D8(ÄUSUQSSC8D86G6D;6:<D:M?8DW CD6FMKL6 FA ;8 C8D8 DAFMKL6 F6 FA B8FA<D8 CA?8 BA?p6D<8 F6

22 ## :6?pA<78 nma BA?p6D8DL6 8 :6BCA7<7<E<F8FA FA nm8?nmad 7A:;6?6H<8W 6 AGA<76 F6 FA FA 8?76 &/1 A 18DI6;<J8KL616;7P;M8W, DA:MCAD8KL6 FA #_S yh FA 8 (Ä_SSQSSY7Q 8HDAH8 DA:A<78 FA (Ä!#_QSSY7 12 v6 nma :6;7D<IM< C8D8 DAFMJ<D AB #_r F6 FA CD6FMKL6W C8D8 AGA7<E8D C67A;:<8?W s MDHA;7A MB CD6tA76 FA GM7MD6 A 7D8I8?p8D S# 58%>'$(/!)8!B'()*+,(!8!:$7$&6+T8/!B6'6!.('%(/!)8!76$('!8.$5$U%5$6!! S## 58%>'$(!V!B8W*8%(/!B'()*&('8/! FA <;:A;7<E6 FA H6EAD;6 A FA G6< A?AE8F8 ;6 B6BA;76 )8 G<HMD8 bw! 9 MB8 :A;>D<6Q 6;FA FA I8<w6 F8 0R2 nma 7D8D<8B FA % FA C8D8 FA B8FA<D8Q 8 <BC6D78;7A :6?6nMA A;HA;p8D<8 :A;>D<6Q 76D;8D R*30(,bW!V

23 #U S#-# 58%>'$(!-V!;'6%)8/!B'()*&('8/!5(7!.:('8/&6/!B'XB'$6/! /8D8 :6;tM;76 FA 8 BA:8;<J8KL6 A :6;7D6?A FA 9 6 HD8;FA 16B6 /$,./ FA :8DI6;<J8KL6 AB 8 CD6FMKL6 FA!SWSSS FA :8DEL6 EAHA78? FA % 7D8I8?p6 FA G6D;A<D6 [_Sr F6 :6;7<;HA;7A\ 9 BM<76 8HD8F8B F8 GM;KL6 F<8;7A FA MB 8 A MB8 HD8;FA AE6?MKL6 C8D8 :6;tM;76 FA R*30(,bW#V )8 G<HMD8 bw# :A;>D<6 9 A :8IA A;G87<J8D 86?6;H6 ;678 79:;<:8V 8 I8<w8 CD6FM7<E<F8FA FAE<F6 86?6;H6 7ABC6 FA CD>7<:8 AB A 8 B<7<H8KL6 FA FA BA78;6W % 8C6<6 C8D8 DAFMKL6 9 MB8 GADD8BA;78 C8D8 FA S#4#

24 A;ADH<8 A 8:6;7A:A 6 nma CA?8 nma<b8 FA A F8 :8DI6;<J8KL6W 7oB :<:?6 FA 6CAD8KL6 BM<76 :MD76Q U :6;7D8!T 8!f @L6 FA )8 G<HMD8 bwu 9 nma B8<6D :6;7AuF6 FA A;HA;p8D<8Q 8?9B FA CADB<7<D 8 CD6FMKL6 8F<:<6;8? FA :8DEL6 CA?6 B8<6D DA;F<BA;76Q 78BI9B CADB<7<D> 8 AGA7<E8 FA C6FADL6 8<;F8 ;8 C6D nma<b8 F<DA78 AB /$,./ FA :8DI6;<J8KL6v 6M C8D8 8nMA:<BA;76 AB 6M HAD8D A;ADH<8 A?97D<:8 AB MB8 HD8;FA FA CD6FM7<E<F8FA AB % Aw7D876 78BI9B :6BAD:<8?<J8KL6 FA A FA C6FAB 8HDAH8D DA:A<78 A FA 8HDAH8DQ C8D8 :8F8 76;A?8F8 FA :8DEL6 CD6FMJ<F6Q (Ä!#_QSS :6B8 C8D8 8 BA?p6D<8 F8 :6BCA7<E<F8FA F6 :8DEL6 EAHA78? A C8D8 nma

25 25 Este cenário, que também permite a mitigação de emissão de gases de efeito estufa de modo impressionante, é um dos mais interessantes exercícios de sustentabilidade aguardando seu desenvolvimento pela humanidade. Esta prática coloca novíssimos conceitos para a integração de negócios, onde resíduos são insumos para outros setores, formando uma teia de maior eficiência, a semelhança do que acontece na cadeia alimentar da natureza. No início da década de 1990, este conceito recebia a denominação de ecossistema de manufatura LIMITAÇÕES PARA IMPLANTAÇÃO DE FORNOS DE ALTA EFICIÊNCIA Embora o Brasil tenha uma grande produção de carvão vegetal, é fato que existe uma grande dificuldade na implantação de fornos de carbonização de alta produtividade. Aqui serão apontados fatores de ordem cultural, legal e econômica que contribuem para esta dificuldade. Fatores culturais: Medidas por volume: Todo o sistema de comercialização do carvão vegetal e os indicadores de desempenho na produção são baseados em volume. As unidades em largo uso pelo setor são: MDC metro cúbico de carvão; estéreo de madeira, que representa um metro cúbico de pilha de madeira. O indicador de desempenho é índice de conversão de estéreos em MDC. Por ser altamente dependente da granulometria e densidade do carvão como também do diâmetro e densidade da madeira. Estas medições de volume estão sujeitas a erros e imprecisões que dificultam o refinamento de medidas de gestão para ganhos efetivos de produtividade. O conceito do rendimento gravimétrico e seu efeito no custo de produção não são percebidos pela elite técnica e pela alta direção das empresas do setor. Na prática os esforços de controle dos custos são direcionados para ganhos de produtividade nas florestas e melhoria nas práticas de colheita e transporte. Desenvolvimento interno: o setor tem clara opção por desenvolver suas próprias tecnologias, tecnologia desenvolvida por terceiros não é bem recebida. Como equipes internas não agregam todo o conjunto de conhecimento técnico necessário, a quebra de paradigmas na forma de produzir carvão vegetal fica limitada. Distanciamento dos sites de carbonização: como é praticada geralmente a centenas de quilômetros da planta siderúrgica e dos escritórios da alta administração, a produção de carvão perde sinergia com as demais áreas de conhecimento e gestão das grandes empresas. Falta de especialistas: a formação de engenheiros e técnicos para o setor fica restrita ao âmbito das ciências agrárias, à contribuição ou parceria com outras áreas da engenharia praticamente não existe. Fatores legais: Medidas por volume: As autoridades fiscais e ambientais usam os indicadores por volume, por ser a prática da indústria. Todo o sistema de comercialização do carvão vegetal e os indicadores de desempenho na produção são baseados em volume. As unidades em largo uso pelo setor são: MDC metro cúbico de carvão; estéreo de madeira, que representa um metro cubico de pilha de madeira. O indicador de desempenho é índice de conversão de estéreos em MDC.

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos

&DUYRHMDPHQWR. Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos &DUYRHMDPHQWR Aumentando o Rendimento dos Fornos Possibilidades a Curto e Longo Prazos :25.6+230$'(,5$(1(5*e7,&$ %1'(60DLR $35(6(17$d 2 Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants

Leia mais

Pensamento estratégico Percepções/Visão

Pensamento estratégico Percepções/Visão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL - LAPEM 36.570-000 VIÇOSA MG - BRASIL (Texto oferecido ao CGEE em 20/5/2014 pela profa. Angélica de Cássia

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL. Subsídios 2014 ao Plano Siderurgia do MDIC (estudo) VERSÃO PRELIMINAR DO ESTUDO

MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL. Subsídios 2014 ao Plano Siderurgia do MDIC (estudo) VERSÃO PRELIMINAR DO ESTUDO MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Subsídios 2014 ao Plano Siderurgia do MDIC (estudo) VERSÃO PRELIMINAR DO ESTUDO Brasília, Junho 2014 1 CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos) Presidente

Leia mais

Sustentabilidade da produção de gusa a CV: ações em curso no país

Sustentabilidade da produção de gusa a CV: ações em curso no país MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Sustentabilidade da produção de gusa a CV: ações em curso no país Túlio Raad e Vamberto de Melo Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 OBJETIVO

Leia mais

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013

Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Protocolo de Sustentabilidade do Carvão Vegetal Rio de Janeiro, 8 de maio de 2013 Histórico O Protocolo foi assinado em 03 abril de 2012, pelas empresas: Aperam South America ArcelorMittal Gerdau Siderúrgica

Leia mais

#$%&'()%*!+,!-!./$)(*!01"2

#$%&'()%*!+,!-!./$)(*!012 ! Sugestões de medidas para superação dos obstáculos econômicos, técnicos e regulatórios à meta de redução de emissões, com avaliação dos benefícios sócio-ambientais. #$%&'()%*!+,!-!./$)(*!01"2 Nota Técnica

Leia mais

Panorama do Setor Siderúrgico

Panorama do Setor Siderúrgico Panorama do Setor Siderúrgico 0 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico NT CONVERSÃO DA BIOMASSA EM CARVÃO VEGETAL Ronaldo Santos Sampaio/ RSConsultants LTDA 1 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Presidenta

Leia mais

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008

Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos. 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 Carvão vegetal Aspectos Sociais e Econômicos 1º SEMINÁRIO MADEIRA ENERGÉTICA INEE 2-3 Setembro 2008 APRESENTAÇÃO Apresentação preparada por: Ronaldo Sampaio PhD. - Diretor da RSConsultants Paulo César

Leia mais

Mapeamento de ações institucionais para sustentabilidade da produção de ferro-gusa a partir de carvão vegetal

Mapeamento de ações institucionais para sustentabilidade da produção de ferro-gusa a partir de carvão vegetal Mapeamento de ações institucionais para sustentabilidade da produção de ferro-gusa a partir de carvão vegetal!"#$%&'"'&()*(&*#$"'+(,'(-.*,'*&'/01,"')(1(',0,$*#$(2343+(+*'+(')1"+0-5"'+*' 6*11"780,('(')(1$31'+*'/(195"'9*8*$(4:'1*(43;(+(,')*4(,'*&)1*,(,',3+*1

Leia mais

CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL

CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL CONHECIMENTO E GESTÃO COMO FATORES TRANSFORMADORES DA INDUSTRIA DE CARVÃO VEGETAL CONTATO: biocarbo@biocarbo.com emilia@charconsulting.com 31 9129 8722 EQUIPE BIOCARBO EQUIPE ENERGIA VERDE EQUIPE CHARCONSULTING

Leia mais

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL

SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL II ENCONTRO BRASILEIRO DE SILVICULTURA Campinas, Abril 2011 SITUAÇÃO E DESAFIOS DO USO DA MADEIRA PARA ENERGIA NO BRASIL JOSÉ OTÁVIO BRITO Professor Titular jobrito@usp.br CONJUNTURA MUNDIAL CONSUMO MUNDIAL

Leia mais

ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. 19 de outubro de 2007

ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo. 19 de outubro de 2007 ArcelorMittal Timóteo / Jequitinhonha Projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo 19 de outubro de 2007 Tópicos 1. Introdução 2. ArcelorMittal Timóteo - Aços Inoxidáveis e Elétricos Brasil 3. ArcelorMittal

Leia mais

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br

Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Projeto Container de Carbonização Rima Industrial S/A www.rima.com.br Ricardo Antônio Vicintin José Urbano Alves Adriana de Oliveira Vilela Flávio Lúcio Eulálio de Souza Belo Horizonte, Outubro 2008 Rima

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL 1º SEMINÁRIO PARANAENSE DE ENERGIA DE BIOMASSA RESIDUAL AGRÍCOLA 06 DE DEZEMBRO DE 2013 LOCAL: SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PRODUÇÃO DE ENERGIA ATRAVÉS DA BIOMASSA: PROCESSOS E PANORAMA NACIONAL E MUNDIAL

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Guimarães, Rosalvo Maciel; Santos Pimenta, Alexandre; Lopes da Silva, Marcio; Silva Soares, Naisy; Rocha Vital, Benedito;

Leia mais

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões

Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL Medidas para superação de obstáculos para redução de emissões Túlio Jardim Raad e Vamberto de Melo Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 OBJETIVO

Leia mais

Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável

Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável Produção de carvão vegetal em fornos cilíndricos verticais: um modelo sustentável Sueli de Fátima de Oliveira Colombo (PPGEP-UTFPR) suelifom@hotmail.com Dr. Alexandre Santos Pimenta (BRICARBRAS) alexandrepimenta@bricarbras.com.br

Leia mais

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO

USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO MODERNIZAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL USOS DA ENERGIA GERADA NA COMBUSTÃO DOS GASES DA CARBONIZAÇÃO Sergio Scherer Seminário CGEE & DECOI da SDP/MDIC - Brasília, 20.05.2014 Os elementos básicos na

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL

APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL APROVEITAMENTO DA BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA FLORESTAL XIV Seminário de Atualização Sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Curitiba, Agosto 2006 1. Introdução O preço do petróleo

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Panorama do Setor Siderúrgico

Panorama do Setor Siderúrgico Panorama do Setor Siderúrgico 0 Estudo Prospectivo do Setor Siderúrgico NT USO DE CARVÃO VEGETAL EM MINI ALTOS-FORNOS Ronaldo Santos Sampaio/ RSConsultants LTDA 1 Centro de Gestão e Estudos Estratégicos

Leia mais

Redimensionamento do esforço necessário para atingimento da meta de redução de emissões de GEE no Brasil

Redimensionamento do esforço necessário para atingimento da meta de redução de emissões de GEE no Brasil 1 Redimensionamento do esforço necessário para atingimento da meta de redução de emissões de GEE no Brasil Brasília, DF - Maio 2014 Nota Técnica referente à letra (b) do estudo técnico 1 do Termo de Referência

Leia mais

RESIDUOS DE INDÚSTRIA MADEIREIRA: CARACTERIZAÇÃO, CONSEQUÊNCIAS SOBRE O MEIO AMBIENTE E OPÇÕES DE USO.

RESIDUOS DE INDÚSTRIA MADEIREIRA: CARACTERIZAÇÃO, CONSEQUÊNCIAS SOBRE O MEIO AMBIENTE E OPÇÕES DE USO. REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 5 JANEIRO DE 2005 - ISSN 1678-3867 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL CALIBRAÇÃO DO MUG-M75 MEDIDOR PORTÁTIL DE UMIDADE DESENVOLVIDO POR MARRARI AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional

Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Roadmap Tecnológico para Produção, Uso Limpo e Eficiente do Carvão Mineral Nacional Elyas Medeiros Assessor do CGEE Líder do Estudo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação

Leia mais

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012

Indústria brasileira de pellets. Texto publicado na Revista da Madeira Edição n 133 de Dezembro/2012. As Indústrias de Pellets no Brasil 01/10/2012 Prof. MSc. Dorival Pinheiro Garcia Diretor de Pesquisa da ABIPEL Engenheiro Industrial Madeireiro Especialista em pellets de madeira pelletsdemadeira@gmail.com 01/10/2012 Texto publicado na Revista da

Leia mais

Florestas Energéticas: As florestas cultivadas como opção para a produção de carvão

Florestas Energéticas: As florestas cultivadas como opção para a produção de carvão Florestas Energéticas: As florestas cultivadas como opção para a produção de carvão Congresso Internacional de Agroenergia e Biocombustíveis. Teresina, PI. 12 de junho Engenheiro Florestal Thiago Rodrigues

Leia mais

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE

USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE USO DE BIOMASSA NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NA INDÚSTRIA DE CELULOSE 1 Wanderlei David Pereira, 2 João Lages Neto 1 Gerente de Recuperação e Utilidades Fibria Unidade Aracruz. 2 Especialista de Meio

Leia mais

Mario Sant Anna Junior 1 ; Douglas Seibert Lazaretti 2 ; Alberto Souza Vieira 3

Mario Sant Anna Junior 1 ; Douglas Seibert Lazaretti 2 ; Alberto Souza Vieira 3 Logística em Operações Florestais EFICIÊNCIA LOGÍSTICA NA CADEIA DO GUSA A BIORREDUTOR Mario Sant Anna Junior 1 ; Douglas Seibert Lazaretti 2 ; Alberto Souza Vieira 3 RESUMO O aço é um produto essencial

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão

Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Investimentos e Controles Ambientais da ArcelorMittal Tubarão Desde a inauguração, em 1983, a ArcelorMittal Tubarão segue uma gestão orientada pela busca contínua da inovação e da qualidade em processos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA. Prof. Dr. Álvaro Lúcio

UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA. Prof. Dr. Álvaro Lúcio UTILIZAÇÃO DA BIOMASSA NA INDÚSTRIA SIDERÚRGICA Prof. Dr. Álvaro Lúcio 1 INTRODUÇÃO Uma das medidas do padrão de vida de um país é o seu PIB. A análise de dados mundiais mostra uma relação direta entre

Leia mais

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas MODULO 1 - AULA 1 Aula 1 Áreas de Superfícies Planas Superfície de um polígono é a reunião do polígono com o seu interior. A figura mostra uma superfície retangular. Área de uma superfície é um número

Leia mais

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos:

No que diz respeito à siderurgia em nível mundial, podemos destacar como principais pontos: Setor Siderúrgico 1 O setor siderúrgico brasileiro passou por profundas transformações na década de 90, tendo como principal elemento de mudança o processo de privatização do setor, que desencadeou, num

Leia mais

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA.

O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA DENSIFICADA. É É uma madeira densificada, 100% natural, com altíssima concentração energética. É, portanto, um combustível ecologicamente correto. Energia limpa e renovável. O H.D.B. NÃO é briquete. O H.D.B. é MADEIRA

Leia mais

Termos para indexação: silvicultura, gases de efeito estufa, carvoejamento, sistemas agroflorestais.

Termos para indexação: silvicultura, gases de efeito estufa, carvoejamento, sistemas agroflorestais. PANORAMA ATUAL DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL NO BRASIL E NO CERRADO Eny Duboc 1 ; Caroline Jácome Costa 1 ; Rui Fonseca Veloso 1 ; Leonardo dos Santos Oliveira 2 ; Adriano Paludo 2 ( 1 Embrapa Cerrados,

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Aracruz Celulose principais dados

Aracruz Celulose principais dados ARACRUZ CELULOSE Aracruz Celulose principais dados Fundada em 1972, e iniciou a produção em 1978 400.000 t/ano Hoje produz 3.000.000 t/ano. Responde por 33% do mercado mundial de celulose de eucalipto.

Leia mais

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR

CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM GERADOR DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br CÁLCULO DO RENDIMENTO DE UM 1 INTRODUÇÃO: A principal forma

Leia mais

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade.

Aço. Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Ciclo de Vida Ciclo de vida é o conjunto de todas as etapas necessárias para que um produto cumpra sua função na cadeia de produtividade. Sua análise permite a quantificação das emissões ambientais e o

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

2 Descrição dos Sistemas Estudados

2 Descrição dos Sistemas Estudados 33 2 Descrição dos Sistemas Estudados A seguir são descritos em detalhes os dois ciclos objetos de comparação. O ciclo tradicional é baseado em uma planta existente. O ciclo inovador é o resultado do estudo

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Uma das formas mais empregadas para produção

Leia mais

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará

Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará 1 Potencial de Geração de Energia Utilizando Biomassa de Resíduos no Estado do Pará G. Pinheiro, CELPA e G. Rendeiro, UFPA Resumo - Este trabalho apresenta dados referentes ao potencial de geração de energia

Leia mais

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA

BIOELETRICIDADE: A ENERGIA ELÉTRICA DA CANA Tecnologia atual Cana-de-Açúcar Tecnologia em desenvolvimento Caldo Bagaço Palha Açúcar Etanol Bioeletricidade Melaço Vinhaça Biogás Conceitos de mercado de bioeletricidade Venda do excedente de energia

Leia mais

#$ %& $!"#" $ ' " $ ) *+,- #$ %&.

#$ %& $!# $ '  $ ) *+,- #$ %&. !" #$ %& $!"#" $ ' ($ " $ ) *+,- #$ %&. 1 1 1 2 % & '... 3 ( )#* % #... 6 (+'!,!"-#!"."...6 (+'+'!"/0... 6 (+'+(!, "1/2 "34 5... 6 /'/' 0... 6 (+'+(+'+' 102 " 3 5... 7 (+'+(+'+( -, 6",!... 8 (+'+(+'+7

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS

IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS IMPORTAÇÃO DO CADASTRO DE PESSOAS 1. Objetivo: 1. Esta rotina permite importar para o banco de dados do ibisoft Empresa o cadastro de pessoas gerado por outro aplicativo. 2. O cadastro de pessoas pode

Leia mais

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13

Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Author: Michael Vahrenkamp / Marcio Teixeira Date: 25/11/13 Geração de Energia a partir de Cavaco de Madeira (Biomassa) Necessidade de projetos

Leia mais

Cobresul Metais Ltda. semimanufaturados de cobre.

Cobresul Metais Ltda. semimanufaturados de cobre. Cobresul Metais Ltda. semimanufaturados de cobre. A Cobresul Metais Ltda., afiliada e controlada pela Plasinco Empreendimentos Ltda. proprietária das empresas Plasinco Ltda, Plasinco Importação e Exportação

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 COMBUSTÃO MULTICOMBUSTÍVEL EM LEITO FLUIDIZADO PARA APLICAÇÃO EM PCTS L.D. Zen*, M.J. Soaresº, G. F. Gomesºº *CIENTEC,

Leia mais

Fórum de Logística Perspectivas para 2014

Fórum de Logística Perspectivas para 2014 Fórum de Logística Perspectivas para 2014 Oportunidades e Desafios da Logística Reversa Lienne C Pires, Ph.D LCA Sustentabilidade Corporativa Dept EHS 3M do Brasil 1. Quem somos nós 2. Sobre a 3M Global

Leia mais

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade

1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade Artigo por: Suani T Coelho, Javier Escobar Como implementar a Biomassa na Matriz Energética Brasileira? 1. A biomassa como energia complementar à hidroeletricidade O tema das energias renováveis na matriz

Leia mais

Redução de GEEs e Oportunidades de Negócio na Mineração Brasileira

Redução de GEEs e Oportunidades de Negócio na Mineração Brasileira Redução de GEEs e Oportunidades de Negócio na Mineração Brasileira MUNIR SOARES 13 o Congresso Brasileiro de Mineração A Mineração e o Novo Cenário Sócio Econômico 2009 AGENDA INSTITUTO TOTUM UM BREVE

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 14:30. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, Exercícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfredo Carlson Gallas professor titular de física teórica Doutor em Física pela Universidade Ludwig Maximilian de Munique Alemanha Universidade Federal da

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação

Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação Resumo Executivo Brasília,

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS

VIABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS VIABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM DOIS SISTEMAS PRODUTIVOS Aylson Costa Oliveira 1, Thiago Taglialegna Salles 1, Bárbara Luísa Corradi Pereira 2, Angélica de Cássia Oliveira Carneiro

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA

CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA Projeto Energia Construção Sustentável www.cezero.pt / www.cezero.com.br CENTRO ESCOLAR DAS LAGOAS PONTE DE LIMA PROJETO Arquitetura e sistemas construtivos Maximização

Leia mais

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes-

Metodologia de Inventário de. Federativo -Energia e Transportes- Metodologia de Inventário de Emissões de GEE DO Estado Federativo -Energia e Transportes- Alexandre d Avignon davignon@lima.coppe.ufrj.br Curitiba, 21 de novembro de 2007 Emilio La Rovere Professor PPE

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS Slide 1 O que fazer para melhorar a competitividade da indústria? Mobilização Empresarial pela Inovação MEI Melhorar a infraestrutura Disseminar a cultura

Leia mais

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa

Índice. 3 Resultados da pesquisa. 17 Conclusão. 19 Questionário utilizado na pesquisa Índice 3 Resultados da pesquisa 17 Conclusão 19 Questionário utilizado na pesquisa Esta pesquisa é uma das ações previstas no Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense,

Leia mais

O PAPEL DO AÇO BRASILEIRO NOS PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO

O PAPEL DO AÇO BRASILEIRO NOS PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO O papel do aço brasileiro nos projeots de créditos de carbono O PAPEL DO AÇO BRASILEIRO NOS PROJETOS DE CRÉDITOS DE CARBONO Resumo: Este trabalho apresenta a iniciativa desenvolvida pela V & M do BRASIL

Leia mais

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com

biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com biomassa florestal calor, aquecimento e água quente www.silvaplus.com A biomassa florestal As florestas portuguesas são constituídas por uma enorme variedade de espécies que apresentam poderes caloríficos

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS

CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS CAPITULO 1 INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS TÉRMICAS 1.1 CIÊNCIAS TÉRMICAS Este curso se restringirá às discussões dos princípios básicos das ciências térmicas, que são normalmente constituídas pela termodinâmica,

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Aperam - Alto Forno 2 - Timóteo (MG) AÇOS PLANOS ESPECIAIS

Aperam - Alto Forno 2 - Timóteo (MG) AÇOS PLANOS ESPECIAIS Aperam - Alto Forno 2 - Timóteo (MG) AÇOS PLANOS ESPECIAIS 1 A Aperam Bioenergia administra um patrimônio de florestas de eucalipto no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais e produz energia renovável dentro

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA INVESTIMENTO NA INDÚSTRIA QUÍMICA NO BRASIL Bilhões US$ FOB Balança comercial brasileira A balança comercial brasileira de bens tipicamente produzidos pela indústria de transformação

Leia mais

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal

Obtenção e Uso do Carvão Vegetal UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA DISCIPLINA: SEMINÁRIO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA Obtenção e Uso do Carvão Vegetal Doutoranda: Teresa Raquel Lima

Leia mais

NOME :... NÚMERO :... TURMA :...

NOME :... NÚMERO :... TURMA :... 1 TERCEIRA SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO Relações métricas envolvendo a circunferência Prof. Rogério Rodrigues NOME :... NÚMERO :... TURMA :... X - RELAÇÕES MÉTRICAS NO DISCO (Potência de Ponto) X.1) Relação

Leia mais

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil

Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Difusão e Desenvolvimento de Tecnologias para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil Marcelo Pinho (DEP/UFSCar) Brasília, 7 de maio de 2015 Seminário Políticas Ambientais como Fonte de Novos Negócios

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE

APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE ISSN 1984-9354 APLICAÇÃO DA LEAN CONSTRUCTION EM EMPRESAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE Danielle Meireles de Oliveira, Mariana Del Carlo Pereira (Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG)

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Rio de Janeiro Maio de 2012 Apoio do BNDES à Infraestrutura Rio de Janeiro Maio de 2012 Aspectos Institucionais Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União; Instrumento chave para implementação

Leia mais

REVISTA DON DOMÊNICO SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF

REVISTA DON DOMÊNICO SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF SEGURANÇA NO REAPROVEITAMENTO DE FINOS NO PROCESSO MDF Marcos Santos Lima 1 Júnior dos Santos Gomes 2 Mayara Nascimento Fontes 3 Vinícius Roveri 4 Rodrigo Tognotti Zauberas 5 Resumo Os finos são denominados

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

Importações de aço acima do previsto em 2013

Importações de aço acima do previsto em 2013 Aço AÇO BRASIL DEZEMBRO 5 anos 0 I N F O R M A 23ª 23EDIÇÃO DEZEMBRO 2013 Importações de aço acima do previsto em 2013 As importações de produtos siderúrgicos deverão ser de 3,8 milhões de toneladas em

Leia mais

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA

Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA Relatório de Emissões de Gases de Efeito Estufa da TKCSA 2011 Preparado Por ThyssenKrupp CSA Siderúrgica do Atlântico Avenida João XXIII, Santa Cruz Rio de Janeiro, RJ CEP 2356-352 Tel (21) 2141-2550 Thyssenkrupp-csa.com.br

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

Informativo da ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE SILVICULTURA nº 07 de 18 de agosto de 2014.

Informativo da ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE SILVICULTURA nº 07 de 18 de agosto de 2014. Informativo da ASSOCIAÇÃO MINEIRA DE SILVICULTURA nº 07 de 18 de agosto de 2014. Associação Mineira de Silvicultura (AMS) marca presença na III Mostra de Oportunidades, do Programa Jovens Construindo a

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

PR - presente / CO - convidado. Desenvolvimento. Página 1 de 6

PR - presente / CO - convidado. Desenvolvimento. Página 1 de 6 Dados da Reunião Câmara: Câmara Setorial de Florestas Plantadas Título: Reunião Ordinária N. 21 Local: Sala de Reuniões do CNPA - MAPA Data da reunião: 20/08/2013 Hora de início: 14:00 Hora de encerramento:

Leia mais