UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DEPTº DE ENGENHARIA AMBIENTAL - DEA MESTRADO PROFISSIONAL EM GERENCIAMENTO E TECNOLOGIAS AMBIENTAIS NO PROCESSO PRODUTIVO MARCIO FERRAZ MONTEIRO AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO FERTILIZANTE SUPERFOSFATO SIMPLES SALVADOR 2008

2 i MARCIO FERRAZ MONTEIRO AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO FERTILIZANTE SUPERFOSFATO SIMPLES Dissertação apresentada ao Mestrado Profissional em Gerenciamento e Tecnologias Ambientais no Processo Produtivo Ênfase em Produção Limpa, Escola Politécnica, Universidade Federal da Bahia, como requisito parcial para obtenção do grau de mestre. Orientadora: Drª Rosana Fialho V. de Melo Co-orientador: Dr. Asher Kiperstok Salvador 2008

3 ii Monteiro, Marcio Ferraz Avaliação do Ciclo de Vida do Fertilizante Superfosfato Simples/ Marcio Ferraz Monteiro. Salvador, p.: il.color Orientador: Prof a. Dr a. Rosana Fialho Vieira de Melo Co-orientador: Prof. Dr. Asher Kiperstok Dissertação (Mestrado) Universidade Federal da Bahia. Escola Politécnica, Ciclo de Vida (Avaliação) 2. Aspectos Ambientais 3. Superfosfato Simples. I.Melo, Rosana Fialho Vieira de. II.Titulo.

4 iii RESUMO Neste trabalho a Análise de Ciclo de Vida ACV, ferramenta para avaliação sistemática dos aspectos ambientais de um produto compreendendo todos os estágios do seu ciclo de vida, foi aplicada para efetuar uma avaliação da produção do superfosfato simples (SSP), usando a abordagem do berço ao portão de fábrica. As categorias selecionadas para o estudo foram as de potencial de aquecimento global (PAG), potencial de redução de ozônio (PRCO), criação de oxidantes fotoquímicos (PCOF), depleção abiótica (PDA), radiação radioativa (RRD), potencial de acidificação (PA) e potencial de eutrofização (PE). Os resultados do estudo apontaram que solubilização do concentrado fosfático por ácido sulfúrico traz consigo uma grande carga ambiental proveniente principalmente do estágio de produção do enxofre (41,6 %), além dos estágios de transporte marítimo do enxofre (18,4 %) e do processo produtivo do ácido sulfúrico (10,2 %). Outro fator importante é o tipo de sistema viário adotado pelo Brasil transporte rodoviário que acarreta na segunda maior contribuição à carga ambiental do produto (18,4%). Palavras-Chave: Avaliação do Ciclo de Vida, aspectos ambientais, superfosfato simples.

5 iv ABSTRACT In this work Life Cycle Assessment (LCA), a tool for systematic evaluation of the environmental aspects of a product through all stages of its life cycle, was applied to perform an environmental evaluation of super simple phosphate (SSP) production, using a cradle to gate approach. In order to perform the life cycle impact assessment (LCIA) the following impact categories were selected: global warming potential (GWP), ozone depletion potential (ODP), photochemical ozone creation (POCP), abiotic depletion (ADP), radioactive radiation (RAD), acidification potential (AP) and eutrophication potential (EP). The results show that the major environmental impact is due to the sulfur production stage (41,6%), further to the stages of maritime transport of sulphur (18.4%) and the production process of sulphuric acid (10.2%). Another important factor is the type of road system adopted by Brazil - road - which carries the second largest contribution to the total environmental score of the product (18,4%). Keywords: Life Cycle Assessment, environmental aspects, super simple phosphate.

6 v AGRADECIMENTOS Aos docentes, colegas e funcionários principalmente a Jaqueline Mendonça e Loriana Reis da Rede de Tecnologias Limpas (TECLIM da UFBA), pelo aprendizado, convívio e prestatividade, respectivamente. À Cecília Makishi, sempre prestativa, pelo enorme ensino sobre o software Gabi 4.0. Aos colegas do projeto ACV-COELBA (TECLIM): Lucas Almeida, Flávia Melo e Priscilla Pereira pela troca de experiências a respeito do software Gabi 4.0, e a Mª de Lourdes Silva pelas discussões da temática ACV. À Ângela Lima pela gentileza e disponibilização de materiais relacionados ao tema da ACV. À Linda Carla Bulhosa pela atenção e compartilhamento do conhecimento de formatação do trabalho segundo as normas ABNT. Aos orientadores Drª Rosana Melo (UFBA) e Dr. Asher Kiperstok (UFBA/TECLIM), bem como ao Dr. Armando Caldeira (UNB) e ao Dr. Doneivan Ferreira (UFBA), cujas opiniões, sugestões e informações técnicas foram fundamentais ao trabalho. Aos meus irmãos, Daniel Monteiro pelos materiais didáticos e informações referentes aos processos produtivos do diesel refinado e recuperação de enxofre, e Juliana Monteiro pelo incentivo ao trabalho realizado. Aos meus pais, a quem devo minha formação pessoal e profissional que me possibilitaram chegar até este ponto da minha vida. Em especial à Virgínia Seixas, pelas horas de convívio subtraídas, pelo conforto, carinho, compreensão da importância deste trabalho para mim e enorme apoio. A todos aqueles que contribuíram de alguma forma para a realização deste trabalho.

7 vi Buliram muito com o planeta O planeta como um cachorro eu vejo Se ele não agüenta mais as pulgas Se livra delas num sacolejo Raul Seixas As aventuras de Raul Seixas na cidade de Thor

8 vii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACV Avaliação de Ciclo de Vida; AICV: Avaliação de Impactos de Ciclo de Vida; ANDA Associação Nacional para Difusão de Adubos; CML Center of Environmental Science; COV Compostos Orgânicos Voláteis; CPRM Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais; DA/DC Processo de Dupla Absorção e Duplo Contato; DALY Disability Adjusted Life Years; DAP Fosfato de Diamônio; DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral; FMP Termofosfato Magnesiano Fundido; IAP Indicador Ambiental Ponterado; ICV - Inventário de Ciclo de Vida; IFB - Instituto de Fosfatos Biológicos; ISO - International Organisation for Standardization; MAP Fosfato de Monoamônio; MME: Ministério das Minas e Energia; MRI Midwest Research Institute; PA Potencial de Acidificação; PAG Potencial de Aquecimento Global; PCOF Potencial de Criação de Oxidantes Fotoquímicos; PDA Potencial de Depleção Abiótica; PE Potencial de Eutrofização; PIP - Política Integrada de Produtos; PRCO Potencial de Redução da Camada de Ozônio; REPA Resource EnvironmentalProfile Analysis; RRD Radiação Radioativa; SETAC Society of Enviromental Toxicology and Chemistry; SSP Superfosfato Simples; TSP Superfosfato Triplo; UNEP United Nations Program Environmental; URE Unidade de Recuperação de Enxofre; WMO Organização Meteorológica Mundial.

9 viii SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivo específico REVISÃO DA LITERATURA Princípios da Avaliação de Ciclo de Vida Histórico Interface da ACV com a Produção Mais Limpa Aplicações da ACV Procedimentos para uma ACV Definição do escopo e objetivo Inventário do Ciclo de Vida (ICV) Avaliação dos Impactos Ambientais Interpretação dos resultados Softwares de Avaliação de Ciclo de Vida Gabi Nutrientes das plantas Fertilizantes fosfatados Super Fosfato Simples (SSP) Rocha fosfática Ácido sulfúrico Cadeia produtiva do SSP Mineração de rocha fosfática Beneficiamento de rocha fosfática Produção de ácido sulfúrico Produção de Superfosfato Simples (SSP) Recuperação de enxofre Produção de cal hidratada Tratamento de água Remoção de compostos orgânicos da água Desmineralização de água Produção de soda cáustica em escamas... 74

10 ix Commodities Diesel refinado e energia elétrica ACV Superfosfato Simples ACV DO FERTILIZANTE SUPERFOSFATO SIMPLES PRODUZIDO PELO GRUPO GALVANI Introdução Objetivos Escopo Sistema de Produto Subsistema de produção do enxofre elementar Subsistema de logística portuária de exportação do enxofre elementar Subsistema de transporte marítimo Subsistema de logística portuária de importação do enxofre elementar Subsistema de produção de cal hidratada Subsistema de tratamento de água Subsistema de produção de soda cáustica (escamas) Subsistema de produção do ácido sulfúrico Subsistema de lavra da rocha fosfática Subsistema de beneficiamento da rocha fosfática Subsistema de produção do fertilizante SSP Subsistema de transporte rodoviário Subsistema de produção do diesel refinado Subsistema de produção de energia em hidrelétrica Função do produto Unidade funcional Fronteiras do sistema de produto Fronteiras em relação ao sistema natural Fronteira em relação a outros sistemas Fronteira geográfica Fronteira temporal Fronteira relacionada aos bens de capital e pessoal Fronteira tecnológica Procedimentos de alocação Alocação - Subsistema de produção da soda cáustica Alocação - Subsistema de produção do ácido sulfúrico... 94

11 x Alocação - Subsistema de produção do fertilizante SSP Alocação - Subsistema de produção de diesel Tipos de impacto & metodologia de avaliação e interpretação Tipos de impactos ambientais Consumo de recursos energéticos Emissões Atmosféricas Efluentes líquidos Resíduos sólidos Metodologia de Avaliação e Interpretação Requisitos da qualidade dos dados iniciais Suposições Limitações Tipo de análise crítica Inventário do Ciclo de Vida ICV Modelagem do ICV Coleta de dados Fluxogramas de processos & identificação dos aspectos ambientais Avaliação do Inventário do Ciclo de Vida Procedimento RESULTADOS E DISCUSSÕES Avaliação do Impacto do Ciclo de Vida Apresentação dos Resultados Discussão dos resultados CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS

12 xi LISTA DE FIGURAS Figura 1: Fluxograma dos subsistemas vinculados diretamente ao processo produtivo do SSP Figura 2: Ciclo de vida de um produto Figura 3: Estrutura das fases da ACV Figura 4: Elementos da fase de AICV Figura 5: Etapas da Avaliação de Impacto de Ciclo de Vida Figura 6: Elementos da fase de Interpretação dentro da ACV Figura 7: Fixação do P por reações químicas Figura 8: Ação de microorganismos formando complexos estáveis com o Al, Ca e Fe. 45 Figura 9: Processos utilizados no Brasil para produção de fertilizantes fosfatados Figura 10: Fluxograma do processo de beneficiamento de rocha fosfática em rota úmida Figura 11: Fluxograma do processo de beneficiamento de rocha fosfática em rota a seco Figura 12: Diagrama do processo de dupla absorção para a produção de ácido sulfúrico Figura 13: Fluxograma esquemático do processo produtivo de SSP Figura 14: Fluxograma de uma Unidade de Recuperação de Enxofre Figura 15: Fluxograma do processo produtivo da cal hidratada Figura 16: Configurações típicas de projeto de desmineralização por troca iônica Figura 17: Fluxograma esquemático da produção de soda cáustica Figura 18: Modelagem qualitativa do ciclo de vida do fertilizante SSP Figura 19: Escopo geográfico delimitado pelas unidades de produção e logística Figura 20: Modelagem quali-quantitativa do ciclo de vida do fertilizante SSP Figura 21: Exemplo de utilização do processo de movimentação interna de insumos Subsistema: Produção de SSP Figura 22: Discriminação da carga ambiental do subsistema: Transporte Rodoviário. 143 Figura 23: Discriminação da carga ambiental do subsistema: Produção de Diesel Figura 24: Discriminação da carga ambiental do subsistema: Logística Portuária Figura 25: Contribuição das categoria de impacto nos subsistemas do ciclo de vida do produto

13 xii Figura 26: Reavaliação da contribuição das categoria de impacto nos subsistemas do ciclo de vida do SSP Figura 27: Porcentagem de contribuição de cada subsistema na carga ambiental do produto Figura 28: Porcentagem de contribuição de cada categoria de impacto na carga ambiental do produto Figura 29: Porcentagem de contribuição de cada subsistema no total de cada categoria de impacto

14 xiii LISTA DE FOTOS Foto 1: Planta de refino de enxofre Port Arthur / Texas (EUA) Foto 2: Logística de importação - Port Arthur / Texas (EUA) Foto 3: Transporte marítimo do transporte de enxofre elementar Foto 4: Logística de descarregamento/ armazenamento do enxofre importado Foto 5: Planta de produção de cal hidratada Formoso do Araguaia (TO) Foto 6: Processo de tratamento de água por filtragem (carvão ativado) e troca iônica.. 85 Foto 7: Planta de produção de soda cáustica Diadema (SP) Foto 8: Planta de produção de H 2 SO 4 Complexo Industrial Luiz Eduardo Magalhães (BA) Foto 9: Lavra de rocha fosfática Unidade de Mineração Angico (BA) Foto 10: Planta de beneficiamento de rocha fosfática Unidade de Mineração Angico (BA) Foto 11: Planta de produção de SSP Complexo Industrial Luiz Eduardo Magalhães (BA) Foto 12: Caminhões utilizados para o transporte de produtos e insumos Foto 13: Planta de produção de diesel Refinaria Landulfo Alves Mataripe (BA) Foto 14: Geração de energia elétrica Hidrelétrica de Sobradinho (BA)... 89

15 xiv LISTA DE TABELAS Tabela 1: Características dos principais fertilizantes fosfatados comercializados no Brasil Tabela 2: Principais produtores nacionais de superfosfato simples Tabela 3: Principais produtores nacionais de H 2 SO Tabela 4: Balanço Energético para a produção industrial de H 2 SO Tabela 5: Processos de remoção de sólidos dissolvidos Tabela 6: Subsistemas considerados e excluídos na ACV do SSP Tabela 7: Ecobalanço do subsistema de logística portuária (exportação) Tabela 8: Ecobalanço do subsistema do transporte marítimo Tabela 9: Ecobalanço do subsistema de logística portuária (importação) Tabela 10: Ecobalanço do subsistema de tratamento de água Tabela 11: Ecobalanço do subsistema de produção ácido sulfúrico Tabela 12: Ecobalanço do subsistema de lavra de rocha fosfática Tabela 13: Ecobalanço do subsistema de beneficiamento de rocha fosfática Tabela 14: Ecobalanço do subsistema de produção de SSP Tabela 15: Ecobalanço do subsistema de transporte rodoviário de enxofre elementar. 128 Tabela 16: Ecobalanço do subsistema de transporte rodoviário de cal hidratada Tabela 17: Ecobalanço do subsistema de transporte rodoviário de soda cáustica Tabela 18: Ecobalanço do subsistema de transporte rodoviário de concentrado fosfático Tabela 19: Fatores de normalização do método CML Tabela 20: Fatores de ponderação do método CML Tabela 21: Fatores de normalização: CML2001, World Tabela 22: Fatores de ponderação: CML2001, Experts IKP (Southern Europe) Tabela 23: Perfil ambiental do fertilizante SSP Tabela 24: Avaliação da qualidade dos dados utilizados nos planos e processos da ACV

16 xv LISTA DE ANEXOS Anexo 1: Softwares de análise do ciclo de vida Anexo 2: Ecobalanço do processo de produção de enxofre Anexo 3: Ecobalanço do processo produtivo de cal hidratada Anexo 4: Ecobalanço do processo produtivo de soda cáustica Anexo 5: Ecobalanço do processo produtivo de diesel (produzido nos E.U.A) Anexo 6: Ecobalanço do processo produtivo de diesel (produzido no Brasil) Anexo 7: Ecobalanço da usina de geração de energia (hidrelétrica)

17 1 1. INTRODUÇÃO A questão ambiental diz respeito ao modo contraditório pelo qual a espécie humana tem marcado sua atuação ao longo do tempo sobre a superfície da Terra. Ao mesmo tempo em que busca satisfazer suas necessidades básicas e melhorar as condições de vida, buscando o desenvolvimento, as atividades antrópicas têm gerado alterações significativas nos processos e recursos naturais terrestres, cujas conseqüências ambientais e socioeconômicas parecem hoje ameaçar sua própria existência e trazer incertezas em relação ao futuro do planeta (BITAR, 2004). Cresce a preocupação das questões voltadas para avaliação do impacto ambiental do produto, levando em consideração todas as etapas da sua vida. Este tipo de abordagem traz como estratégia necessária à inserção de políticas ambientais eficazes na empresa, particularmente ligada à produção limpa, a fim de não se transferir o impacto ambiental para outra etapa do ciclo de vida do produto. Quanto mais a empresa adiar as ações ambientais, menos tempo terá para conseguir as reduções exigidas pela legislação e mercado e, conseqüentemente, as medidas terão que ser ainda mais profundas. As empresas que hoje já empreendem de forma mais responsável estão conseguindo agregar valor aos seus produtos e serviços e à sua própria marca. Alguns desses valores, antes considerados intangíveis, atualmente encontram-se perceptivos para a sociedade, os acionistas e investidores, e principalmente os consumidores que já diferenciam esses valores (ROMM, 2004). Os recursos naturais se tornam cada vez mais escassos, e os diferentes atores da cadeia de valores devem estar conscientes de que, para competir, devem não só inovar produto ou serviço, mas também introduzir uma visão mais sustentável na forma de conduzir os negócios. É por isso que a introdução de uma gestão ambiental estratégica, envolvendo todo o ciclo de vida de um produto irá propiciar maiores possibilidades para sustentabilidade do negócio, de forma a ser um elemento que não só agregue valor, mas também contribua para o desenvolvimento dos membros envolvidos em todo o processo (ROMM, 2004). As oportunidades de redução da geração de rejeitos e do consumo de matérias primas e energia devem ser analisadas de forma sistêmica, visando interligar o destino de materiais e de sua transformação em produto por meio de vários processos. A Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) constitui uma ferramenta indispensável para o melhor acompanhamento dos ciclos de produção e a identificação de alternativas de interação entre processos.

18 2 Os solos do território brasileiro são, em geral, ácidos e mineralmente pobres dos nutrientes principais. Tais características condicionam ao país a necessidade do emprego maciço de fertilizantes, não só dos fosfatados, para repor as quantidades dos elementos vitais retirados do solo pelos processos de intemperismos geológicos (SOUSA, 2001). Considerando a importância do agronegócio no país e a larga escala da produção do fertilizante superfosfato simples (SSP) para o setor agropecuário, se faz necessário o conhecimento dos impactos ambientais das transformações industriais envolvidas no ciclo de vida do SSP. Assim poder-se-á estabelecer diretrizes para avaliar alternativas mais sustentáveis para o processo produtivo deste produto. No intuito exclusivo de situar o leitor quanto à dimensão do estudo é apresentado o contorno do sistema, contemplando os estágios vinculados diretamente ao ciclo de vida do SSP produzido pelo grupo GALVANI (figura 1). A modelagem qualiquantitativa do ciclo de vida do SSP está representada mais adiante na figura 23. Produção de: S & Ca(OH) 2 Produção de: H 2 SO 4 & H 2 O Desmin. Produção de SSP Uso de SSP Lavra da rocha fosfática Beneficiamento da Rocha fosfática Contorno do Sistema Figura 1: Fluxograma dos subsistemas vinculados diretamente ao processo produtivo do SSP. 2. OBJETIVOS Os objetivos do estudo pretendido estão relacionados ao conhecimento dos aspectos ambientais para um melhor planejamento de políticas ambientais,

19 3 especificamente ao planejamento ambiental do Grupo GALVANI. Ambos objetivos são individualizados a seguir Objetivo geral O presente trabalho tem por objetivo principal realizar a Avaliação do Ciclo de Vida do processo produtivo do fertilizante superfosfato simples SSP produzido pelo grupo GALVANI Objetivo específico De modo mais específico, pode-se afirmar que os objetivos deste trabalho são: - Conhecer melhor a ACV, suas limitações, dificuldades e vantagens; - Avaliar do desempenho ambiental das transformações industriais envolvidas no ciclo de vida do SSP; - Identificar os aspectos ambientais mais significativos para o caso das transformações industriais envolvidas no ciclo de vida do SSP; - Identificar o subsistema de maior impacto ambiental das transformações industriais envolvidas no ciclo de vida do SSP; - Propor ações para melhoria do desempenho ambiental das transformações industriais envolvidas no ciclo de vida do SSP. 3. REVISÃO DA LITERATURA 3.1. Princípios da Avaliação de Ciclo de Vida A análise do ciclo da vida (ACV) é uma ferramenta de gestão ambiental que permite avaliar todo os possíveis efeitos ambientais propiciados ao longo da trajetória do produto, desde a extração da matéria-prima, passando pela produção e uso, as possibilidades de reciclagem e reuso, até sua disposição final. Boustead (1995) entende que a ACV, sistematicamente, identifica e avalia oportunidades para minimizar as conseqüências globais sobre o meio ambiente referente ao uso de recursos naturais e as emissões. Benjamin (2002) esclarece que a ACV não irá determinar qual produto ou processo é melhor, apenas aquele que pode carregar menor carga ambiental. A informação desenvolvida em uma ACV deve ser usada como uma componente para uma decisão mais focada na análise do processo em relação a custo e performance.

20 4 A padronização dos procedimentos da ACV pela ISO se deu dentro da estrutura da ISO Sistema de Gestão Ambiental. As normas relacionadas a ACV são: - ISO 14040: ACV Princípios Gerais e Estrutura - ISO 14041: ACV Definição de Escopo e Avaliação de Inventário - ISO 14042: ACV Avaliação do Impacto do Ciclo de Vida - ISO 14043: ACV Interpretação do Ciclo de Vida A norma ISO Princípios e Estrutura - especifica a estrutura geral, princípios e requisitos para conduzir e relatar estudos de avaliação do ciclo de vida, não incluindo as técnicas de avaliação do ciclo de vida em detalhes. A norma ISO Definição de escopo e análise do inventário - orienta como o escopo deve ser suficientemente bem definido para assegurar que a extensão, a profundidade e o grau de detalhe do estudo sejam compatíveis e suficientes para atender ao objetivo estabelecido. Da mesma forma, esta norma orienta como realizar a análise de inventário, que envolve a coleta de dados e procedimentos de cálculo para quantificar as entradas e saídas pertinentes de um sistema de produto. A norma ISO Avaliação do impacto do ciclo de vida - especifica os elementos essenciais para a estruturação dos dados, sua caracterização, a avaliação quantitativa e qualitativa dos impactos potenciais identificados na etapa da análise do inventário. A norma ISO Interpretação do ciclo de vida - define um procedimento sistemático para identificar, qualificar, conferir e avaliar as informações dos resultados do inventário do ciclo de vida ou avaliação do inventário do ciclo de vida, facilitando a interpretação do ciclo de vida para criar uma base onde as conclusões e recomendações serão materializadas no Relatório Final. A norma ISO define a ACV como: Compilação dos fluxos de entrada e saída e avaliação dos impactos ambientais associados a um produto ao longo do seu ciclo de vida. Esta norma define ainda ciclo de vida como: Estados consecutivos e interligados de um produto, desde a extração de matérias-primas ou transformação de recursos naturais, até a deposição final do produto na Natureza. Para Kiperstok e outros (2003) a utilização da ACV, como ferramenta de análise de impacto ambiental, ajuda a evitar a substituição de um problema por outro, no sentido de evitar um possível deslocamento de impacto ambiental de um estágio do ciclo de vida para outro.

21 5 Um ponto extremamente importante para obter sucesso na ACV de um produto é a definição do que será avaliado, de modo a evitar a inclusão de impactos ambientais mínimos em relação aos impactos provenientes do processo produtivo. Desta forma a adoção e execução das recomendações do relatório final deverão ser mais factíveis. Chehebe (1998) alerta que na prática, o delineamento do contorno do sistema a ser estudado deve ser realizado com extremo cuidado, pois existe uma limitação natural dos recursos financeiros e do tempo. À medida que se adicionam detalhes profundos ao modelo de estudo, adiciona-se ao mesmo tempo complexidade, despesas e utilidade reduzida. Os limites do estudo devem ser analisados de acordo com o objetivo proposto. Kiperstok e outros (2002) afirmam que a definição dos limites do estudo deve levar em consideração os itens que representem maior custo ambiental. Segundo Tosta (2004), conhecer a ACV não se restringe ao domínio de sua definição, sendo necessário conhecer profundamente os objetivos, limitações, potencialidades e condições adequadas de uso, a fim de evitar resultados equivocados, e consequentemente a perda de credibilidade da ferramenta. A utilização desta ferramenta possibilita a saída dos limites da indústria e a realização de uma avaliação completa, definindo em que etapa da vida de um produto representa o maior risco ambiental. Desta forma, segundo Kiperstok e outros (2002) podem ser identificadas, adequadamente, oportunidades de melhorias ambientais. Na ACV são avaliados os descartes gerados nas diferentes etapas do ciclo, tais como as emissões atmosféricas, a geração de efluentes líquidos e resíduos sólidos, o consumo de energia e de matérias-primas e as conseqüências ambientais do uso e disposição do produto. Lindorfs e outros (1995) ressaltam que a ACV deve abordar os impactos ambientais relativos à saúde humana e ao ecossistema, levando em consideração a depreciação e degradação dos recursos naturais, não tendo o propósito de avaliar efeitos econômicos ou sociais. A Helsink University of Technology (1996) apud SANTOS (2006) elaborou um esquema simplificado do sistema de ACV, ilustrado na figura 2.

22 6 Meio Ambiente Natural Produção de Energia Matérias Primas Manufatura Distribuição Uso Materiais Auxiliares Reúso Disposição Reciclagem Incineração Contorno do Sistema Aterro Figura 2: Ciclo de vida de um produto (Helsink University of Technology, 1996 apud SANTOS,L., 2006) Histórico No final da década de 60, nos Estados Unidos, foram desenvolvidos os princípios que envolvem a técnica de ACV, com o objetivo de avaliar os impactos ambientais de produtos. O estudo mais conhecido desta fase inicial da ACV foi a análise que a Coca-Cola encomendou para o Midwest Research Institute - MRI, cujo relatório foi publicado em 1969, comparando diversas embalagens de bebida no que diz respeito a disposição de resíduos e consumo de recursos naturais (CHRISTIANSEN, 1996; VIGON e outros,1993 apud RIBEIRO, 2003 ). Este tipo de estudo passou a receber o nome de Resource EnvironmentalProfile Analysis -REPA (WENZEL e outros, 1997). Paralelamente, na Europa, desenvolvesse o método conhecido como Ecobalance (CHRISTIANSEN, 1996 apud RIBEIRO,2003), similar ao REPA. Esse modelo foi aprimorado em 1974 pelo MRI, durante a realização de um estudo para a EPA (Environmental Protection Agency), e é muitas vezes referenciado como um marco para o surgimento do que hoje conceituamos como Avaliação do Ciclo de Vida - ACV (Life Cycle Assessment). Posteriormente, na Europa, foi desenvolvido um procedimento similar chamado Ecobalance (CHEHEBE, 1998). Entre o final da década de 60 e o início da década de 70, Fava e outros (1993) apud Tosta (2004) contabilizaram cerca de 12 estudos desenvolvidos nos Estados Unidos sobre o ciclo do combustível, estimando custos e implicações ambientais

23 7 associadas com fontes alternativas de energia. Após este período, segundo Tosta (2004), alguns anos se passaram sem a ocorrência de grande evolução da ACV. Na década de 70, os estudos vincularam-se principalmente ao consumo de energia, devido à primeira crise do petróleo. Entre 1973 e 1975 governos começaram a demandar uma grande quantidade de estudos, do tipo ACV, a fim de viabilizar alternativas energéticas aos combustíveis fósseis. Com o fim do período crítico da crise o interesse pelos estudos, utilizando ACV, decresceu (RIBEIRO, 2003). No inicio da década de 80, a opinião pública européia passa a alertar sobre a crescente utilização dos recursos, a preocupação com o destino de resíduos, principalmente de embalagens de bebidas. Ressurge o interesse por ferramentas de comparação e avaliação de desempenho ambiental (VIGON e outros, 1993 apud RIBEIRO, 2003). Nesta época, vários paises europeus realizaram estudos para avaliar a carga ambiental e os potenciais impactos decorrentes de embalagens de bebidas (SANTOS, 2006). O final da década de 80 e toda a década de 90 foram pautados pelo esforço internacional para normalizar os princípios e técnicas da ACV e para desenvolver procedimento de boa conduta (SANTOS, 2006). A normalização da ACV, começou na International Organization for Standardization (ISO) e European Comitee for Standardization (CEN). Mais recentemente, na década atual, a Sociedade para Toxicidade e Química Ambiental (SETAC) na América do Norte e a Agência de Proteção Ambiental Americana (EPA) estão realizando workshops e outros projetos para desenvolver e promover um consenso sobre uma estrutura para a condução da análise de inventário do ciclo de vida e avaliação de impactos (TOSTA, 2004). Tosta (2004) entende que devido à grande demanda de tempo e dinheiro, associado à necessidade de tornar a ACV mais objetiva na sua aplicação a casos específicos, conduziu naturalmente ao desenvolvimento de estudos que otimizassem os procedimentos, através de cortes na sua extensão, profundidade ou largura, ou através da realização de estudos puramente qualitativos Interface da ACV com a Produção Mais Limpa A Produção Mais Limpa é definida pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA/UNEP) como a aplicação contínua de uma estratégia

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS ACV AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS Ângela M. Ferreira Lima (IFBA, antigo CEFET-BA); Asher Kiperstok (UFBA/TECLIM); Maria de Lourdes de Almeida Silva (UFBA/TECLIM);

Leia mais

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar Análise do Ciclo de Vida - ACV Vera Lúcia P. Salazar ACV Todo produto, não importa de que material seja feito (madeira, vidro, plástico, metal, etc.), provoca um impacto no meio ambiente, seja em função

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida A metodologia de (ACV) aplicada como ferramenta de gestão Prof. Dr. Bruno Fernando Gianelli 1 As respostas a estas dúvidas não estão fundamentadas em estudos técnicos profundos, que cubram todo o ciclo

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes Avaliação do Ciclo de Vida Ministrante: Claudio Marcondes Agenda Mudanças Climáticas Desenvolvimento Sustentável Série ISO 14040 - ACV Avaliando os Impactos Mudanças Climáticas CO 2 um dos grandes vilões

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SGA ISO 14.001:2004 O que é ISO? A ISO - International Organization for Standardization é uma organização sediada em Genebra, na Suíça. Foi fundada em 1946; A sigla ISO foi

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade

ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade GP2 Grupo de

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV -

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV - 1er. Taller Internacional de Gestión de Cadenas Productivas y de Suministros 1ra. Convención Internacional lde la Ciencia i y la Técnica de la Industria, CUBAINDUSTRIAS 2014 Avaliação do Ciclo de Vida

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental.

AUDITORIA AMBIENTAL. A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental está intimamente ligada ao Sistema de Gestão Ambiental. O SGA depende da auditoria para poder evoluir na perspectiva de melhoria contínua. Ao se implementar um

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV ROMEU, C. C. a, SILVA, G. A. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo, claromeu@hotmail.com a. Universidade

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO X PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS PROCESSOS DE TI 1. PI06 TI 1.1. Processos a serem Atendidos pelos APLICATIVOS DESENVOLVIDOS Os seguintes processos do MACROPROCESSO

Leia mais

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL TECLIM Rede de Tecnologias Limpas da Bahia Departamento de Engenharia Ambiental APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL Disciplina: ENG E76 Ecologia Industrial Professor:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão

ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA. ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão ISO 14001:2015 Tendências da nova revisão A ISO 14001 EM SUA NOVA VERSÃO ESTÁ QUASE PRONTA Histórico ECS -ASSESSORIA E CONSULTORIA TÉCNICA As normas da série ISO 14000 foram emitidas pela primeira vez

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

O papel da empresa na relação com o meio natural

O papel da empresa na relação com o meio natural Gestão Ambiental O papel da empresa na relação com o meio natural Visão Tradicional Empresa Consumidor Compreensão Básica: - Relações econômicas determinadas pela Oferta/Procura -Visão do lucro como o

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países)

Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça), fundada em 1947 (normatização de 140 países) A SÉRIE ISO 14.000 A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE NORMALIZAÇÃO (ISO) ISO => Internacional Organization for Standardization Organização de normas internacionais do setor privado, com sede em Genebra (Suíça),

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 83/COGEN/SEAE/MF Brasília, 10 de agosto de 2012. Assunto: Contribuição à Consulta Pública nº

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício

Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício Software BIM para a análise de ciclo de vida, compatível com o estudo térmico e acústico do edifício Benjamín González Cype Ingenieros, SA, Director de desenvolvimento corporativo Alicante, Espanha benjamin.gonzalez@cype.com

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015

Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa. Prof. Dr. Douglas Wittmann. São Paulo - 2015 Energia, Sustentabilidade e Produção Mais Limpa Prof. Dr. Douglas Wittmann São Paulo - 2015 Prof. Dr. Douglas Wittmann Doutor em Ciências (USP). Mestre em Engenharia de Produção (UNIP). Pós-graduado em

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov

O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS. Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov O PAPEL DO SECRETARIADO NA IMPLANTAÇÃO DE PROJETOS SUSTENTÁVEIS Cláudia Kniess e Maria do Carmo Todorov AGENDA INTRODUÇÃO Conceitos de Sustentabilidade x Desenvolvimento Sustentável Projetos Sustentáveis

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva

Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013. Prof. Dr. Sérgio Alfredo Rosa da Silva Texto para Coluna do NRE-POLI da Revista Construção e Mercado Pini Junho 2013 Gerenciamento de riscos na implantação de empreendimentos imobiliários residenciais no atual cenário de desvios de prazos e

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TI Verde: Sustentabilidade na área da tecnologia da informação TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TI VERDE: SUSTENTABILIDADE NA ÁREA DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Flávio Luiz de Azevedo BRAYNER Paulo Gustavo Sabino RAMOS Patrícia Verônica de Azevedo BRAYNER Resumo: Atualmente a Tecnologia da Informação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas.

CONTABILIDADE DE CUSTOS. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. CONTABILIDADE DE CUSTOS A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A Contabilidade de Custos que atende essa necessidade

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais