ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade"

Transcrição

1 FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas ACV: Uma ferramenta para os desafios da Sustentabilidade GP2 Grupo de Prevenção da Poluição EPUSP Gil Anderi da Silva 24/03/2015

2 APRESENTAÇÃO GP2 Grupo de Prevenção da Poluição EPUSP GRUPO DE PREVENÇÃO DA POLUIÇÃO GP2 GP2 ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ACV desde 1998: desenvolvimento de metodologia; execução de estudos de ACV (acadêmicos e não acadêmicos); construção de banco de dados; capacitação de recursos humanos. Produção na área acadêmica: 2 Teses de doutorado Grupo de 14 Dissertações de mestrado 9 Trabalhos Prevenção publicados em da periódicos Poluição internacionais 89 Trabalhos em congressos nacionais e internacionais 6 Capítulos Escola de livros publicados Politécnica Produção na área não acadêmica 11 Estudos de ACV USP 25 Cursos oferecidos 39 Palestras proferidas.

3 ACV: CONCEITO A Avaliação do Ciclo de Vida ACV é uma técnica da gestão ambiental que avalia (quantificadamente) TODOS os impactos ambientais associados ao ciclo de vida dos produtos (do nascimento à morte), desde a extração dos recursos naturais, passando por todos os elos da cadeia industrial, distribuição, uso e destinação final. Avaliação do ciclo de vida (ACV) Compilação e avaliação das entradas, saídas e dos impactos ambientais potenciais de um sistema de produto ao longo do seu ciclo de vida ABNT NBR ISO 14044

4 ACV: COMO SE FAZ Identificação e quantificação das causas dos impactos ambientais (aspectos ambientais). Identificação e quantificação dos potenciais impactos ambientais associados ao ciclo de vida do produto.

5 ACV: COMO SE FAZ Identificação e quantificação das causas dos impactos ambientais (aspectos ambientais). Análise de inventário do ciclo de vida (ICV) Fase da avaliação do ciclo de vida envolvendo a compilação e quantificação das entradas e saídas de um sistema de produto ao longo do seu ciclo de vida. ABNT NBR ISO 14044

6 ACV: COMO SE FAZ IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS Causas: interações homem-meio ambiente (antrópicas) Aspecto ambiental Elemento das atividades, produtos ou serviços de uma organização que pode interagir com o meio ambiente. ABNT NBR ISO Impacto ambiental Qualquer modificação do meio ambiente que resulte, no todo ou em parte, das atividades, produtos ou serviços de uma organização. ABNT NBR ISO 14040

7 INTERAÇÕES HOMEM-MEIO AMBIENTE IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS Extração de recursos naturais Descarte de rejeitos Transformação e uso do meio físico

8 ACV: COMO SE FAZ CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS ENTRADAS Extração de rec. naturais Elos da cadeia industrial Distribuição Uso Destinação final SAIDAS

9 ACV: COMO SE FAZ IDENTIFICAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS MODELAGEM DA TECNOSFERA ANÁLISE DE INVENTÁRIO ICV CO 2 (kg/uf) SO 2 (kg/uf) NO x (kg/uf) CH 4 (kg/uf) PO 4 (kg/uf) CFCs (kg/uf)

10 ACV: COMO SE FAZ Identificação e quantificação das causas dos impactos ambientais (aspectos ambientais). Identificação e quantificação dos potenciais impactos ambientais associados ao ciclo de vida do produto.

11 ACV: COMO SE FAZ AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS ICV CO 2 (kg/uf) SO 2 (kg/uf) NO x (kg/uf) CH 4 (kg/uf) PO 4 (kg/uf) CFCs (kg/uf) CO 2 CH 4 CFCs CATEGORIA DE IMPACTO MUDANÇAS CLIMÁTICAS Modelagem científica da tecnosfera kg eq CO 2 /UF

12 ACV: COMO SE FAZ ESTRUTURA DA ACV Definição de objetivo e escopo Análise de inventário Interpretação Avaliação de impacto FASES DE UMA ACV NBR ISO 14040

13 ACV: COMO SE FAZ DEFINIÇÃO DE OBJETIVO Público alvo: se externo, fazer revisão crítica. DEFINIÇÃO DO ESCOPO Função do sistema Unidade funcional/fluxo de referência Sistema de produto/fronteiras do sistema

14 ACV: COMO SE FAZ PRODUTO A SER ESTUDADO COMBUSTÍVEL DE MOTOR VEICULAR (diesel/biodiesel) FUNÇÃO Gerar XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX energia para motor veicular Contribuir para o deslocamento do veículo UNIDADE FUNCIONAL Contribuir para o deslocamento do veículo por km. FLUXO DE REFERENCIA Diesel: 12 km/l > l Biodiesel: 10 km/l > l

15 ACV: COMO SE FAZ SISTEMA DE PRODUTO/FRONTEIRAS DO SISTEMA Extração RN i Extração RN j Cadeia prod. MP i Cadeia prod. MA j Fabricação MP i MP s Fabricação MA j MA s Reaproveitamento Fabricação PP Distribuição Subprodutos Outros sistemas Uso Rejeitos Descarte

16 ACV - CARACTERÍSTICAS CARATER SISTÊMICO Avalia todos os efeitos (nascimento à morte) Analisa todos os meios (ar, água, solo) Analisa todas as categorias de impacto ESSENCIALMENTE COMPARATIVA Única que compara desempenho ambiental de produtos Compara desempenho ambiental (consumo de recursos naturais) de produtos que exerçam uma mesma função (atendam a uma mesma ND) TOMADA DE DECISÃO Não resolve problemas Gera informações para o tomador de decisão

17 ACV - LIMITAÇÕES Falta de metodologia consolidada Critérios subjetivos para tomada de decisões Fragilidade dos modelos de avaliação de impactos Grande número de dados

18 ACV - LIMITAÇÕES GRANDE NÚMERO DE DADOS

19 ACV - LIMITAÇÕES ca Energia: Termoelétrica Hidroelétrica Água Equipamentos Recursos Minerais Fertilizante Defensivos Madeira Soda Celulose Papel Transporte Edificações Veículos Estradas Combustível

20 ACV - LIMITAÇÕES ca Energia: Termoelétrica Hidroelétrica Água Equipamentos Recursos Minerais Fertilizante Defensivos Madeira Soda Celulose Papel Transporte Edificações Veículos Estradas Combustível

21 ACV - LIMITAÇÕES sa Energia: Termoelétrica Hidroelétrica Água Equipamentos Recursos Minerais Fertilizante Defensivos Madeira Soda Celulose Papel Transporte Edificações Veículos Estradas Combustível

22 ACV APLICAÇÕES Comparação do desempenho ambiental de produtos. Identificação de oportunidades de melhoria. Ecodesign.

23 ACV APLICAÇÕES ECODESIGN Concepção de produtos considerando o CV. Avaliação do desempenho ambiental na prancheta. Incorporação de critérios ambientais no projeto, com redução da carga ambiental associada ao produto.

24 ACV APLICAÇÕES ECODESIGN EXEMPLO DE APLICAÇÃO American Fiber Manufacturers Association ACV de camisa 100% poliester Produção (18%) Uso (82%) Consumo de energia

25 ACV APLICAÇÕES ECODESIGN EXEMPLO DE APLICAÇÃO American Fiber Manufacturers Association ACV de camisa 100% poliester

26 ACV APLICAÇÕES Comparação do desempenho ambiental de produtos. Identificação de oportunidades de melhoria. Ecodesign. Comunicação ambiental.

27 ACV APLICAÇÕES COMUNICAÇÃO AMBIENTAL

28 ACV APLICAÇÕES Comparação do desempenho ambiental de produtos. Identificação de oportunidades de melhoria. Ecodesign. Comunicação ambiental. Rotulagem ambiental.

29 ACV APLICAÇÕES ROTULAGEM AMBIENTAL RÓTULO TIPO III (ISO 14025) Principal requisito: estudo de ACV Programa de terceira parte COMÉRCIO INTERNACIONAL (OMC) Proibido impor barreiras técnicas (não tarifárias) Permitido exigir cumprimento de normas internacionais

30 ACV APLICAÇÕES Comparação do desempenho ambiental de produtos. Identificação de oportunidades de melhoria. Ecodesign. Comunicação ambiental. Rotulagem ambiental. Indicadores de sustentabilidade.

31 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Rótulos e declarações ambientais: ferramentas da gestão ambiental que fornecem informações sobre um produto em termos de suas características ambientais. Proliferação de rótulos ambientais: Der Blaue Engel (Blue Angel Scheme) Alemanha European Flower União Europeia Eco Mark Program (World embrace) Japão Green Seal EUA Ecolabel Program Austrália Green Label (leaf green) Hong Kong

32 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Construção civil LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) Green Building Council/Brasil AQUA (Alta Qualidade Ambiental) Fundação Vanzolini/Démarche HQE (Haute Qualité Environmentale). Afirmativas: minha empresa é sustentável... meu produto é sustentável... meu produto é mais sustentável...

33 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA GERENCIAR É PRECISO MEDIR

34 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Consolidação dos conceitos de sustentabilidade e desenvolvimento sustentável necessidade de avaliação do desempenho das economias por novos indicadores. PIB, PNB,... Gerir e gerenciar economias com base na sustentabilidade = estabelecer objetivos, metas e indicadores para monitorar desenvolvimento dos diferentes sistemas econômicos (países, regiões, organizações, etc.

35 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Indicadores de sustentabilidade (IS): parâmetros selecionados para avaliar determinadas condições da sustentabilidade do sistema em análise. Exemplos: Pegada de carbono Pegada hídrica Pegada ecológica: calcula a quantidade de recursos naturais necessária para sustentar um estilo de vida. Classificação (quanto à natureza): Ambientais Econômicos Sociais SUSTENTABILIDADE

36 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Aplicações Produtos Organizações Grupos sociais Regiões geográficas...

37 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE IS = f(is a, IS e, IS s ) IS a = indicador de sustentabilidade ambiental. Avalia o desempenho ambiental dos produtos. IS e = indicador de sustentabilidade econômica. Avalia o desempenho econômico dos produtos. IS s = indicador de sustentabilidade social. Avalia o desempenho social dos produtos. IS = indicador de sustentabilidade.

38 ACV APLICAÇÕES INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE Todos os indicadores de sustentabilidade ambiental devem indicar consumo de recursos naturais. Todo o consumo dos recursos naturais está associado aos produtos. Os indicadores de sustentabilidade ser baseados na lógica do Ciclo de Vida. Os indicadores de sustentabilidade devem contemplar os aspectos ambientais, econômicos e sociais.

39 FÓRUM MINEIRO DE PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL Avaliação do Ciclo de Vida: Tendências, Aplicabilidade Oportunidades e Perspectivas OBRIGADO PELA ATENÇÃO. Gil Anderi da Silva (11) GP2 Grupo de Prevenção da Poluição EPUSP 24/03/2015

Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade?

Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade? WORKSHOP ABIVIDRO MEIO AMBIENTE Novas demandas ambientais e seus impactos econômicos na indústria do vidro Certificação Ambiental: Custo ou Oportunidade? Gil Anderi da Silva Grupo de Prevenção da Poluição/EPUSP

Leia mais

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007

GP2. AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil. GIL ANDERI DA SILVA Outubro - 2007 Meio Ambiente em Debate Ciclo de Debates sobre Construção Civil Sustentável Insumos e Resíduos AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Sua importância para a sustentabilidade da construção civil GIL ANDERI DA SILVA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA 2 - Metodologia 3 - Aplicação x Legislação 4 - Análise de Inventário 5 - Avaliação de Impacto 6 - Interpretação Avaliação A Análise de Ciclo de Vida (ACV) avalia as interações

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV

Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicadores de Sustentabilidade utilizando ACV Indicator selection in life cycle assessment to enable decision making: issues and solutions. Int J Life Cycle

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida

Avaliação de Ciclo de Vida A metodologia de (ACV) aplicada como ferramenta de gestão Prof. Dr. Bruno Fernando Gianelli 1 As respostas a estas dúvidas não estão fundamentadas em estudos técnicos profundos, que cubram todo o ciclo

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável

O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável O ECODESIGN e o Desenvolvimento Sustentável Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA

PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA VII WORKSHOP INTERNACIONAL DE AC DO INMETRO PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Elizabeth Cavalcanti Rio de Janeiro 15 de maio de 2012 PBACV: OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do

Leia mais

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015

Normas ISO 14000. Haroldo Mattos de Lemos. Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do RJ 27/11/2015 Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Conselho Técnico da ABNT; Superintendente, ABNT/CB 38 Vice Presidente do ISO/TC 207 (Normas ISO 14000) Presidente, Conselho Empresarial de Meio Ambiente

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes

Avaliação do Ciclo de Vida. Ministrante: Claudio Marcondes Avaliação do Ciclo de Vida Ministrante: Claudio Marcondes Agenda Mudanças Climáticas Desenvolvimento Sustentável Série ISO 14040 - ACV Avaliando os Impactos Mudanças Climáticas CO 2 um dos grandes vilões

Leia mais

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental

O uso do poder de compra para a melhoria do meio ambiente: o papel da rotulagem ambiental A rotulagem ambiental Informações disponibilizadas nos rótulos de embalagens para que os consumidores possam optar por adquirir produtos de menor impacto ambiental em relação aos produtos concorrentes

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP)

Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Avaliação do Ciclo de Vida de Roupeiro Composto por Material Aglomerado (MDP) Diogo Aparecido Lopes Silva¹, Diego Rodrigues Iritani¹ Paulo Grael¹ e Aldo Roberto Ometto¹ 1- Universidade de São Paulo, Escola

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS ACV AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA (ACV) - ESTUDOS DE CASOS DE PROJETOS COOPERATIVOS Ângela M. Ferreira Lima (IFBA, antigo CEFET-BA); Asher Kiperstok (UFBA/TECLIM); Maria de Lourdes de Almeida Silva (UFBA/TECLIM);

Leia mais

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira

Instituto Superior Politécnico de Viseu. SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental. José Vicente Ferreira Instituto Superior Politécnico de Viseu SÉRIE - ISO 14000 - Gestão Ambiental José Vicente Ferreira SÉRIE ISO 14000 Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Análise Ciclo Vida Avaliação Performance Ambiental

Leia mais

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009

PBACV Avaliação do Ciclo de Vida UNEP/SETAC Norma ABNT NBR ISO 14040:2009 PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA PBACV OBJETIVO Estabelecer diretrizes, no âmbito do SINMETRO, para dar continuidade e sustentabilidade às ações de ACV no Brasil com vistas a apoiar o

Leia mais

Informação de Imprensa

Informação de Imprensa Informação de Imprensa L Fundação Espaço ECO apresenta ferramentas de gestão que tornam possível a medição da sustentabilidade Com análise de dados científicos precisos, organização colabora para a melhor

Leia mais

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar

Análise do Ciclo de Vida - ACV. Vera Lúcia P. Salazar Análise do Ciclo de Vida - ACV Vera Lúcia P. Salazar ACV Todo produto, não importa de que material seja feito (madeira, vidro, plástico, metal, etc.), provoca um impacto no meio ambiente, seja em função

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Fundação Vanzolini. Universidade Educação continuada Projetos GTE Certificação Mercado

Fundação Vanzolini. Universidade Educação continuada Projetos GTE Certificação Mercado Certificação Fundação Vanzolini 1960 1970 1980 1990 2000 2010 Em 1967, nasce a Fundação Vanzolini Instituição criada, mantida e gerida pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da POLI-USP

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 11 Sistema de proteção física Sistema de proteção de equipamentos Sistema de proteção individual Normas da ABNT 1 Normas ABNT s Certificado de

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos

Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Iniciativa Compras Sustentáveis & Grandes Eventos Premissas e Etapas do Ciclo de Vida Resultados Pegada de Carbono Características: Sacola plástica descartável de PEAD (Polietileno de Alta Densidade),

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR

Avaliação do Ciclo de Vida. Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Avaliação do Ciclo de Vida Cássia Maria Lie Ugaya, Dra. UTFPR Ciclo de Vida de Produto Avaliação do Ciclo de Vida ACV Evitar transferência de poluição Extração de petróleo Indústria petroquímica Geração

Leia mais

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000

A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 A Avaliação do Ciclo e Vida e as Normas ISO 14000 Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice Presidente do ISO/TC 207 Presidente, Conselho Técnico T da ABNT Presidente, Conselho Empresarial

Leia mais

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV

1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV 1ª REUNIÃO GT Materiais e Componentes Construção Civil do Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida PBACV Maria Aparecida Martinelli / Inmetro FIESP SP, 24/02/2014 ACV : Projeto SICV Brasil Projeto

Leia mais

Ciclo de vida do alumínio é mais ecológico que aço e magnésio

Ciclo de vida do alumínio é mais ecológico que aço e magnésio + Entrevista: Alumínio deve substituir cobre em componentes de eletrônica embarcada + Rodas: Montadoras apostam em rodas forjadas de alumínio para veículos de passeio + Transportes: Alumínio aumenta capacidade

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: POTENCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA INTEGRAÇÃO DE CONCEITOS DE GESTÃO AMBIENTAL À CERTIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES

SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: POTENCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA INTEGRAÇÃO DE CONCEITOS DE GESTÃO AMBIENTAL À CERTIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: POTENCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA INTEGRAÇÃO DE CONCEITOS DE GESTÃO AMBIENTAL À CERTIFICAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Leticia O. Neves (1); Flávio A. Picchi (2) (1) Faculdade de Engenharia

Leia mais

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

Planejamento e gestão ambiental. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Planejamento e gestão ambiental Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 7 SérieISO 14000: definição, breve histórico, escopo, terminologia,

Leia mais

Certificação. xxx@vanzolinicert.org.br

Certificação. xxx@vanzolinicert.org.br Certificação Fundação Vanzolini FUNDAÇÃO CARLOS ALBERTO VANZOLINI ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 2 Fundação Vanzolini Instituída em 1967 por professores do Departamento de Engenharia de Produção

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL

A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL A ROTULAGEM AMBIENTAL NO CONTEXTO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Diego Castro 1 Selene Castilho 2 Silvia Miranda 3 Artigo elaborado em maio/2004 Nas últimas décadas, verificou-se no cenário mundial o desenvolvimento

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

VII Seminário Rio- Metrologia Processos de Certificação, Acreditação e Controle Ambiental: instrumentos de aumento da competitividade das organizações. Ferramenta de Avaliação do Ciclo de Vida ACV Leydervan

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Experiencias en la implementación de la ISO 50.001

Experiencias en la implementación de la ISO 50.001 Experiencias en la implementación de la ISO 50.001 Alberto J. Fossa ONUDI / ICA/Procobre Quito Mayo 2013 Motivación y Justificativas Desafíos y Implementación Novidades e Perspectivas Motivación y Justificativas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA

SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA SUSTENTABILIDADE DE EDIFÍCIOS NO BRASIL: ANÁLISE DO MÉTODO ALTA QUALIDADE AMBIENTAL AQUA Sibelli Paula Corsani (1); Andreza Kalbusch (2); Doalcey Antunes Ramos (3) (1) Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV -

Avaliação do Ciclo de Vida do Produto - ACV - 1er. Taller Internacional de Gestión de Cadenas Productivas y de Suministros 1ra. Convención Internacional lde la Ciencia i y la Técnica de la Industria, CUBAINDUSTRIAS 2014 Avaliação do Ciclo de Vida

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT Desenvolve site de ACV 2004 PBAC destaca ACV como questão

2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT Desenvolve site de ACV 2004 PBAC destaca ACV como questão Workshop Mercosul PROGRAMA BRASILEIRO DE AVALIAÇÃO DE CICLO DE VIDA PBACV Elizabeth Cavalcanti esantos@inmetro.gov.br t 2001 Edição das normas NBR ISO 14000 pela ABNT CB 38 2002 Fundada a ABCV 2003 IBICT

Leia mais

A Fundação Espaço ECO

A Fundação Espaço ECO www.espacoeco.org Sustentabilidade que se mede A Fundação Espaço ECO (FEE ) é um Centro de Excelência em Educação e Gestão para a sustentabilidade, que mede e avalia a sustentabilidade por meio de metodologias

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Tuesday, April 3, 12

Tuesday, April 3, 12 No começo, era apenas a eco-eficiência Zerar emissões Reduzir, reutilizar, reciclar Minimizar o impacto ecológico Reduzir o consumo Eco produtos Sustentável Neutralizar carbono Eficiência energética No

Leia mais

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008.

Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Produzido por CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem e ABRE - Associação Brasileira de Embalagem, 2008. Sumário As Normas ISO 14000 4 A Rotulagem Ambiental 5 Rotulagem Tipo I NBR ISO 14024 5

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Preocupada com o meio ambiente, a Grosfillex encomendou um Estudo do Balanço Ecológico sobre Móveis de Jardim.

Preocupada com o meio ambiente, a Grosfillex encomendou um Estudo do Balanço Ecológico sobre Móveis de Jardim. Apresentação: Preocupada com o meio ambiente, a Grosfillex encomendou um Estudo do Balanço Ecológico sobre Móveis de Jardim. Este estudo foi feito em 27 num laboratório independente especializado nas problemáticas

Leia mais

Indicadores de sustentabilidade. Tadeu F. Malheiros

Indicadores de sustentabilidade. Tadeu F. Malheiros Indicadores de sustentabilidade Tadeu F. Malheiros O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL Bernardo Reyes COMO SEMPRE, QUANDO A GENTE PÕE O PÉ NO CHÃO, ACABA A DIVERSÃO SUSTENTABILIDADE QUESTÕES

Leia mais

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis

Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis 4 e 5 de junho de 2007 World Trade Center São Paulo, Brasil SÃO PAULO ETHANOL SUMMIT Novas Fronteiras do Etanol: Desafios da Energia no Século 21 Oportunidades no Mercado de Biocombustíveis Arnaldo Walter

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios A certificação muitas vezes é um incentivo necessário para implementação de práticas sustentáveis pelo mercado. Isso porque quantifica e confere

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Seminário sobre Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Cidades

Seminário sobre Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Cidades Seminário sobre Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa em Cidades 23 de Maio 2013 Igor Reis de Albuquerque Gerente de Mudanças Climáticas ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade Secretariado

Leia mais

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa

A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa Título 10 / 11 A primeira análise do ciclo de vida da embalagem de leite UHT em toda a Europa A análise do IFEU compara os impactos ambientais das embalagens cartonadas, as garrafas PEAD e PET: as embalagens

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria

CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria CONSULTA PÚBLICA Planos Setoriais de Mitigação e Adaptação à Mudança do Clima Plano Indústria Processo de Construção do Plano Indústria O art. 11 da Lei 12.187/2009 determinou realização de Planos setoriais

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

São Paulo- Maio - 2015. Assunta Camilo

São Paulo- Maio - 2015. Assunta Camilo São Paulo- Maio - 2015 Assunta Camilo Assunta Camilo Engenheira Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), especialista em Administração Industrial na Fundação Carlos Alberto

Leia mais

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV

Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV Comparação do Desempenho Ambiental de dois Sabonetes Cosméticos utilizando a Técnica da ACV ROMEU, C. C. a, SILVA, G. A. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo, claromeu@hotmail.com a. Universidade

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL

NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL 1 NORMAS TÉCNICAS NORMA TÉCNICA - DEFINIÇÃO INTERNACIONAL Uma norma técnica é um documento definido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece, para uso comum e repetitivo, regras,

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO

AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Colocar foto de autor AVALIAÇÃO DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL: ESTUDO DE CASO DA FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO Autoras: Queiroz, Helena Maria Gomes Coelho, Michelle Queiroz Introdução Objetivo Geral:

Leia mais

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP

1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da. 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida pela UNIDO/UNEP 3 - Metodologias 1. Metodologias de gestão ambiental com enfoque em prevenção da poluição e minimização de resíduos 2. Histórico de produção mais limpa no Brasil 3. Metodologia de produção mais limpa desenvolvida

Leia mais

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS

TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS TECNOLOGIAS E PRODUTOS SUSTENTÁVEIS ENGº. MARCOS CASADO Gerente Técnico LEED Tópicos a serem abordados: Objetivos Conceitos: ECOPRODUTOS - Produtos recomendados - Produtos corretos - Produtos aceitáveis

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC)

Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) Avaliação de Ciclo de Vida Estudo comparativo de perfil extrudado Alumínio e Poli Cloreto de Vinila (PVC) ESPITIA, A. C. a*, GONDAK, M. O. a, SILVA, D. A. L. a a. Universidade de São Paulo, São Paulo *Corresponding

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

São Paulo/2014. Assunta Camilo

São Paulo/2014. Assunta Camilo Assunta Camilo Engenheira Mecânica pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), especialista em Administração Industrial na Fundação Carlos Alberto Vanzolini (USP), pós-graduada em Marketing

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES. Alcir Vilela Junior AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DOS EMPREGOS VERDES Alcir Vilela Junior ROTEIRO DA CONVERSA Nossa perspectiva ao abordar o tema Como se configura este mercado O perfil profissional e o design instrucional Os resultados

Leia mais

III Seminário Nacional Sobre Dragagem

III Seminário Nacional Sobre Dragagem III Seminário Nacional Sobre Dragagem Engenharia, Tecnologia e Meio Ambiente Mª Luíza Almeida Gusmão Maio/2008 Painel: Monitoramento Ambiental das Dragagens Termo de Referência para o Planejamento das

Leia mais

As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão

As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão As compras institucionais sustentáveis e o papel da rotulagem como ferramenta de suporte na tomada de decisão Luciana Stocco Betiol Professora FGV Coordenadora Programa Consumo Sustentável GVces CENÁRIOS

Leia mais

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores Economia de Energia Na Modernização de elevadores Importância do Elevador O elevador é o equipamento mais importante do edifício. Moradores de prédios passam em média meia hora por semana dentro do elevador.

Leia mais

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos

11/05/2015. Quem somos. Clientes BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO. Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM. O que oferecemos O que oferecemos 11/05/2015 BIM MERCADO & IMPLANTAÇÃO Rogerio Suzuki Consultor BIM/4D/FM Quem somos Clientes 1 2 3 Agenda 1. Introdução 2. O que é BIM? 3. Por que BIM? 4. O que ganho com BIM? 5. BIM &

Leia mais

PROJETO DE NEUTRALIZAÇÃO DE EMISSÕES DE CO2 EQUIVALENTE DO CARNAVAL VILA ISABEL 2013

PROJETO DE NEUTRALIZAÇÃO DE EMISSÕES DE CO2 EQUIVALENTE DO CARNAVAL VILA ISABEL 2013 PROJETO DE NEUTRALIZAÇÃO DE EMISSÕES DE CO2 EQUIVALENTE DO CARNAVAL VILA ISABEL 2013 D. FALCHETTI 1, F. CIRILO 1, B. FRIZZARIN 1 e S.A.OLIVEIRA 1 1 FEE - Fundação Espaço ECO Estrada Ribeirão do Soldado,

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18

A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 Pré-Fabricação: O Contexto Habitacional e a Sustentabilidade A SUSTENTABILIDADE E A NORMALIZAÇÃO Enga. Inês Laranjeira da Silva Battagin Superintendente do ABNT/CB-18 27 de agosto de 2009 ISO = International

Leia mais

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde

Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde Questões Resolvidas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008)

AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA. Fernanda Margarido (2008) AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA Fernanda Margarido (2008) ACV - Avaliação do Ciclo de Vida dos Produtos ou Serviços Uma técnica de quantificação do impacte ambiental de um produto ou Serviço. Responsabilização

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE

RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE RASTREAMENTO DE FROTAS COMO FORMA DE ECONOMIZAR COMBUSTÍVEL E TORNAR MAIS SUSTENTÁVEL O TRANSPORTE por Cileneu Nunes Painel 3: Tecnologias para monitoramento de risco e produtividade logística O mercado

Leia mais

Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil

Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil Ciclo de palestras Certificação Ambiental Green Ports (portos verdes): Conceitos e Certificação para Projetos e Operação no Brasil Dr. Newton Narciso Pereira Centro de Inovação em Logística e Infraestrutura

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Gráfico Comparativo de Espessuras

Gráfico Comparativo de Espessuras AUDAX-Renitherm PMA é a série de revestimentos intumescentes à base de água para estruturas metálicas, que oferece elevada qualidade de MALL OF EMIRATES, DUBAI acabamento e praticidade de aplicação. Oferecidas

Leia mais

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira

Projeto ACV Modular para Construção Brasileira MODULAR Projeto ACV Modular para Construção Brasileira Vanderley M. John (Poli USP) Flávio Pacca (EACH USP) Universidade de São Paulo A proposta a ser apresentada foi elaborada pelo Comitê de Materiais

Leia mais

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL

APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL TECLIM Rede de Tecnologias Limpas da Bahia Departamento de Engenharia Ambiental APLICAÇÃO DO PROGRAMA SIMAPRO NA AVALIAÇÃO DO CICLO DE VIDA DO GERADOR A DIESEL Disciplina: ENG E76 Ecologia Industrial Professor:

Leia mais

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva

Apresentação Aliança Consultoria. José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva Apresentação Aliança Consultoria José Carlos de Oliveira e Marcus Vinicius Abrahão Porto Silva SOBRE A ALIANÇA Empresa fundada em 1993, através de uma parceria com a Fundação Christiano Otoni da Universidade

Leia mais

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto

Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Avaliação comparativa do ciclo de vida das telhas de cerâmica versus telhas de concreto Um estudo realizado pela Quantis para: Nome e data da palestra + apresentador 1 Objetivos do estudo Metodologia da

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais