Universidade Fernando Pessoa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Fernando Pessoa"

Transcrição

1 Universidade Fernando Pessoa Pós-graduação em Ciências da Informação e da Documentação Tecnologias de Informação Documental Ana Lúcia Matos dos Reis Os tesauros e as vantagens do formato XML Porto, Junho de 2006 Universidade Fernando Pessoa Praça 9 de Abril, 349 P Porto Tel Fax

2 0. Resumo Tesauro vem do latim thesaurus, que significa tesouro. É-o de facto pois os tesauros têm como produtos finais uma base de conhecimento sobre a terminologia de um determinado domínio, permitindo inserir dados e recuperar informação através de pontos de acesso. Cada tesauro funciona como um sistema, cuja estrutura assenta em relações hierárquicas ou associativas entre os termos (numéricos, a alfabéticos ou alfanuméricos), que permitem uma visão sistémica da área. No entanto, é imperativo reforçar a consistência do vocabulário e relações estabelecidas para que os tesauros on-line possam transferir dados entre si. O formato xml parece ser aos olhos dos especialistas na área o mais adequado para a automatização do tesauro, a gestão de informação e o intercâmbio de dados estruturados via internet, pois gere devidamente a complexidade dos sistemas, adapta-se aos termos a descrever, é flexível e quase sem ambiguidades devido à simplicidade das linguagens de marcação utilizadas.

3 1. Índice Resumo pág. 2 Introdução pág. 5 Descrição do problema pág. 5 Revisão bibliográfica pág. 6 Aspectos importantes pág. 13 Conclusões pág.14 Bibliografia pág. 15 i

4 2. Introdução A sociedade da informação é uma realidade incontornável do mundo actual. Contudo, tal como explanado no seminário de Tecnologias da Informação Documental, para além do acesso a dados, importa organizá-los, dando origem a informação e também ao conhecimento. Eis a razão pela qual a temática dos tesauros é actual, pertinente e transversal pois pode abranger múltiplas áreas do saber. Cada tesauro deve ser uma teia de conceitos entralaçados em função das relações que se estabelecem entre os termospermitindo assim aceder à informação sob diferentes ângulos. Qual a origem do tesauros? O que é um tesauros? Como construir um tesauros à luz da era informática? Que formato tecnológico utilizar? Que vantagens são apresentadas pelos especialistas acerca do formato XML? Eis os principais objectivos que servirão de pano de fundo ao presente trabalho, 3. Descrição do problema O presente trabalho reflecte acerca do tesauros e do modo como se adapta ao mundo das Novas Tecnologias e da World Wide Web,. Procurando adoptar a perspectiva do especialista em Ciências da Informação e da Documentação, a questão central reside em descobrir por que razão o formato XML é considerado o mais vantajoso para os tesauros Dada a complexidade e abrangência do tema, este será organizado em subsecções a desenvolver no ponto seguinte, revisão bibliográfica: A origem e a história do tesauros Definição e caracterização de um tesauros Algumas considerações acerca da criação de um tesauros Vantagens do formato XML 2

5 4. Revisão bibliográfica 4.1 A origem e a história dos tesauros Thesaurus Linguae Romanae e Britannicae, publicado em 1565 foi uma das primeiras obras a incluir o termo tesauro no seu título. Contudo, o sentido actual da palavra aproxima-se mais do então aplicado por Mark Roget, médico inglês que em 1805 criou para seu uso particular um catálogo classificado de palavras, reunindo-as pela ordem alfabética, de acordo com as idéias que exprimem : conceitos abstractos, espaço, matéria, intelecto, vontade e afeição. Mais tarde, em 1852, a obra foi publicada pela primeira vez como Roget s Thesaurus, atingindo as trinta edições. No entanto, só mais tarde, por volta dos anos 50 os tesauros começam a surgir em maior número, em consequência do aumento da produção de documentos científicos e técnicos, requerendo assim uma representação de conteúdo mais elaborada, para além dos cabeçalhos de assunto. Na década de 70, é editado o primeiro padrão internacional para construção de tesauro, a ISO (International Organization For Standardization), que foi revista em 1986 (Guidelines for the Establishment and Development of Monolingual Thesauri). Em 1971, Mikhailov define o tesauro com referência ao conceito de recuperação de informação: es un diccionario de reenvíos destinado a ayudar al usuario a establecer sus necesidades de información en un lenguaje de descriptores, proporcionar una indización fina y detallada de los documentos y solicitar información por esos términos. (http://www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/1999/julio/tesauros_tesauros_automa ticos_tesauros_automaticos_online.html) O desafio actual lançado ao tesauro é a sua adaptação às novas tecnologias, nomeadamente à World Wide Web, como veremos no seguimento deste trabalho. 3

6 4.2 Definir e caracterizar um tesauro O Tesauro é uma ferramenta da linguagem artificial de um domínio do conhecimento, construído por especialistas, especificando as relações entre os conceitos. Assim sendo, os tesauros são úteis não só a profissionais da informação, mas também a cientistas, tradutores, engenheiros, especialistas,... O tesauro é utilizado na indexação das informações (entrada de dados numa base) e na recuperação da informação (saída de dados de uma base), independentemente da área do saber em que se enquadre. Segundo Domènec Turuguet, o tesauros é um vocabulario controlado de términos, tanto alfabéticos como numéricos o alfanuméricos, con relaciones jerárquicas y asociativas entre ellos, el cual contiene tanto los términos aceptados (descriptores) como aquellos que remiten a los aceptados, con indicación del alcance de uso de cada uno de los términos aceptados y, en general, con un esquema clasificatorio amplio, dentro del cual pueden adscribirse todos los términos aceptados. (www.elprofessionaldelainformacion.com/contenidos/1994/febrero/consideraciones_sobre_los_ tesauros.html) Na verdade, a elaboração de um tesauros parte da ideia de sistema. Neste sistema os conceitos relacionam-se entre si e são representados por termos. Cada termo tem obrigatoriamente uma vinculação com outro termo e esta vinculação é que forma a estrutura do Tesauro. Podem existir três tipos de relações entre os termos: equivalência ou substituição (relação entre termos sinónimos ou quase sinónimos a nível do tesauros), hierarquia (relação entre um termo mais genérico e outro mais específico; a parte pelo todo ou o todo pela parte), associação (relação de causa e efeito; estabelecimento de relações livres no âmbito do tesauros). A propósito deste último tipo de relações entre os termos, o autor já citado afirma que el principal espíritu tesaurístico de flexibilidade há-de permitir la realización de búsquedas creativas e acrescenta mi opinión es que un 4

7 tesauro no ha de ser un simple vocabulario controlado, pero tampoco una red de encorsetamiento que impida la creatividad del indizador o recuperador de la información Tal como expõe a Wikipédia, em sintonia com a ANSI/NISO Z X, cada relacionamento possui a propriedade de reciprocidade. Os indicadores de relacionamentos são operadores binários (ou pares). Alguns indicadores são simétricos, e alguns são assimétricos: RT é simétrico: se A RT B, então B RT A. USE e UF são assimétricos: se A USE B, então B UF A. Igualmente para BT e NT: se A BT B, então B NT A. Relacionamento Indicador de relacionamento Abreviação Equivalência USE/USED FOR Nada ou UUF Hierarquia BROADER TERM/NARROWER TERM BT/NT Associação RELATED TERM RT A título de exemplo vejamos com brevidade e parcialmente o funcionamento do tesauro da Unesco (http://databases.unesco.org/thesfr/) Liste alphabétique Taper les premières lettres du terme puis cliquer sur - 'Recherche' pour afficher la liste alphabétique ou sur -'Index' pour afficher la liste permutée des termes education Liste hiérarchique Liste des sept principaux domaines classés en microthésauri, permettant d'avoir un rapide aperçu du sujet traité > Choisir un domaine > Choisir un microthésaurus São-nos apresentadas pelo menos duas modalidades para recuperarmos informação, atendamos de modo especial à estrutura da lista hierárquica e ao tipo de relações que podem estabelecer-se entre os termos. Exemple: MT 1.65 Évaluation de l'éducation > Signification des symboles 5

8 Évaluation de l'éducation TS Évaluation de l'enseignant....ts2 Compétence pédagogique... TS2 Rendement de l'enseignant TS Évaluation de l'étudiant...ts2 Contrôle scolaire...ts3 Contrôle de rendement scolaire...ts3 Épreuve à choix multiple NE Note explicative (Scope Note) : explication de l'emploi d'un terme MT Microthesaurus : numéro et nom du microthésaurus auquel le descripteur appartient. EP TG Employé pour (Used For) : synonyme ou terme proche d'un descripteur. Terme générique (Broader Term) : descripteur générique ou apparenté au descripteur, situé un niveau au-dessus dans la structure du thésaurus. TS Terme spécifique (Narrower Term) : descripteur(s) spécifique(s), situé un niveau audessous dans la structure du thésaurus TA Terme associé (Related Term) : descripteur(s) associé(s)...ts3 Test d'aptitudes...ts3 Test d'intelligence...ts3 Test de lecture Importa igualmente referir a diferença entre o conceito tradicional de tesauros e o tesauros automático Tradicionalmente se concebía como un lenguaje de indización desarrollado por instituciones individuales para cubrir sus necesidades específicas (...) Se ha producido en los últimos años una serie de factores que han obligado a cambiar esta concepción tradicional. Entre ellos el aumento de la cooperación internacional a todos los niveles y, por lo tanto, del intercambio de información, el crecimiento ingente de las redes de comunicación de datos, especialmente de internet, y sobre todo el web, sendo a UNESCO exemplo de uma organização internacional, de alcance mundial. (www.elprofesionaldelainformacion.com/contenidos/1999/julio/tesauros_tesauros_automaticos_tesauros_ automaticos_online.html) 4.3 Algumas considerações acerca da criação de um tesauros automático Em primeiro lugar, a construção de um tesauros exige conhecimento muito consolidado e profundo acerca da área em questão. Importa delimitar o campo temático e investigar a existência de tesauros na mesma área através da realização de um diagnóstico na interface. Além disso, é necessário considerar os meios financeiros, assim como os recursos 6

9 humanos e informáticos disponíveis, porque a construção de um tesauros é dispendiosa. Los requisitos básicos para cualquier software de automatización son, además del campo para el término, uno destinado a notas de alcance que definan su sentido e otro dedicado a anotaciones para facilitar la estruturación del vocabulario. O software deve prever um tamanho adequado aos termos, deve admitir os três tipos de relações entre os termos e controlar a consistência dos termos e respectivas relações. (www.elprofessionaldelainformacion.com/contenidos/1994/febrero/consideraciones_sobre_los_ tesauros.html) 4.4 Vantagens do formato XML O formato XML parece ser aos olhos dos especialistas o mais adequado para a gestão de informação, o intercâmbio de dados estruturados via internet e a automatização do tesauros. Comecemos por investigar o significado da abreviatura XML: Extensible Markup Language, tradução em português, linguagem de marcação de dados estruturados, XML is a simple, very flexible text format derived from SGML (Standard Generalized Markup Language) (ISO 8879). Originally designed to meet the challenges of large-scale electronic publishing, XML is also playing an increasingly important role in the exchange of a wide variety of data on the Web and elsewhere. (http://www.w3.org/xml/) O XML é baseado em padrões de tecnologia comprovadamente optimizados para a Web. Os padrões que compõem o XML são definidos pelo W3C (World Wide Web Consortium), Extensible Markup Language (XML) - é uma Recomendação, que é vista como o último estágio de aprovação do W3C. Isso significa que o padrão é estável e pode ser aplicado à Web e utilizado pelos desenvolvedores de ferramentas. ( Por que razão será o formato XML tão utilizada para transferência e intercâmbio de informação? Vejamos algumas das vantagens que apresenta em detrimento de outros formatos (HTML, RDF). 7

10 Segundo Pedro Coelho, o XML é uma tecnologia de conteúdos alternativa e também complementar ao HTML (...) Por ser altamente adaptável aos dados que pretende descrever, por facilitar a interacção entre aplicações e documentos, e por produzir documentos auto-descritivos, a tecnologia XML vai com toda a certeza tornar-se um standard para a publicação, armazenamento e transferência de documentos por via electrónica, a muito curto prazo (Coelho, 2001, pág. 28). Las ventajas que presenta xml se basan en su carácter de especificación independiente de cualquier sistema, por un lado, y de lenguaje de marcas por otro. Permite a integração de dados de outros sistemas e de diferentes tipos, por exemplo um elemento XML pode ter dados declarados como sendo preços de venda, taxas de preço, um título de livro, a quantidade de chuva, ou qualquer outro tipo de elemento de dado. Paulo Heitlinger afirma que vemos os dialectos xml avançar céleres nos mais variados sectores: Medicina, Química, Biologia, Matemática, Ensino e Formação, Publicidade, Comunicação Social, Artes Gráficas, Desktop Publishing, Bibliotecas e Arquivos (www.centroatl.pt/titulos/tecnologias/guia_pratico_xml.php3) Na verdade, O XML proporciona um padrão que pode codificar o conteúdo, as semânticas e as esquematizações para uma grande variedade de aplicações desde simples até às mais complexas (http://www.gta.ufrj.br/grad/00_1/miguel/). Heitlinger explica que o formato xml facilita declarações precisas não só dos conteúdos de um documento, como também dos elementos convenientes à estruturação desses conteúdos (...) [Vejamos] um exemplo bem simples: <pessoa> <nome>pedro Tripeiro</nome> <morada>rua dos Prazeres, 233</morada> <codigo.postal> </codigo.postal> <localidade>porto</localidade> <telefone> </telefone> </pessoa>... Este pequeno exemplo demonstra de forma evidente que este formato serve magnificamente para a estruturação de dados e para descrevê-los sem dúvidas ou ambiguidades em forma de um texto. Isto porque permitiu ao autor 8

11 do documento definir os seus próprios <elementos>, criando e usando os <marcadores> (=Tags) mais adequados à descrição e à estruturação dos dados O mesmo autor avança que o xml tornou-se, em pouco tempo, um formato universal para a partilha de dados entre aplicações. O conceito e a filosofia da xml são simples, os seus derivados e as possíveis aplicações são inúmeras (...): transacções comerciais, catálogos de produtos, relatórios financeiros ou estatísticos, grafismos vectoriais, equações matemáticas, anúncios publicitários, todos os dados que necessitem de uma representação estruturada. Sus implicaciones en cuanto a intercambio vía web de datos terminológicos en particular, e información muy estruturada en general, son claras e importantes, sin olvidar la estructuración y la géstion de bases de datos. Relativamente a este último aspecto, este formato possibilita várias apresentações, por exemplo o desenho das estruturas arbóreas, o documento como base de dados, a apresentação gráfica. Assim, apresentamos seguidamente a estrutura de uma árvore XML, composta por: um nó externo, contendo, entre outros elementos, dados de caracteres e instruções de processamento; um nó interno, contendo um nome, um conjunto de atributos. (www.gta.ufrj.br/grad/00_1/miguel/) De notar igualmente la flexibilidad y compatibilidad de la especificación xml y sus más que probable futura implantación en algunos editores como Word de Microsoft. (www.elprofessionaldelainformacion.com/contenidos/1994/febrero/consideraciones_sobre_los_ 9

12 tesauros.html) A referida flexibilidade deste formato poderá dever-se também à capacidade de interoperação dos computadores por ter um padrão flexível e aberto e independente de dispositivo. As aplicações podem ser construídas e actualizadas mais rapidamente e também permitem múltiplas formas de visualização dos dados estruturados e actualizações granulares do conteúdo (http://www.gta.ufrj.br/grad/00_1/miguel/) Procurámos apresentar uma série de vantagens do formato XML que o coroam como formato universal e que além disso, nas palavras de Paulo Heitlinger é a "língua-mãe de outras linguagens. Em só três anos (...) serviu para gerir um sem número de linguagens de marcação. Entre os mais conhecidos dialectos (também chamados "vocabulários") derivados da xml figuram MathML, SVG, AdXML, ICE, SMIL, SOAP, BML, BizTalk, UDDI, WML, e muitos mais. 5. Aspectos importantes Um tesauros é uma linguagem artificial que permitir organizar o saber de forma estruturada, O tesauros parte da ideia de sistema, pois os conceitos relacionam-se entre si e são representados por termos. Cada termo tem obrigatoriamente uma relação com outro termo (relação de sinonímia, de hierarquia ou de associação) e esta vinculação forma a estrutura do Tesauro. É imperativo passar do tesauro tradicional ao tesauro automático pois aquele deixou de ser uma ferramenta de uso restrito em contexto de empresa ou de um grupo limitado de pessoas para ser consultado on-line à escala mundial. O formato XML é o mais vantajoso para criação de um tesauro automático devido às suas características: XML is a simple, very flexible text format (http://www.w3.org/xml/), adapta-se a dados de natureza muito diversa, provenientes de áreas do saber díspares, desde a Biologia à Comunicação Social, da Biologia a Marketing (www.centroatl.pt/titulos/tecnologias/guia_pratico_xml.php3), facilita a interacção entre aplicações e documentos, fornece elementos destituídos de 10

13 ambiguidade quer a nível dos conteúdos de um documento, como também dos elementos necessários à sua estruturação. Ainda relativamente à versatilidade e à flexibilidade deste formato, possibilita várias apresentações e visualizações dos conteúdos, por exemplo o desenho das estruturas arbóreas, o documento como base de dados, a apresentação gráfica (www.centroatl.pt/titulos/tecnologias/guia_pratico_xml.php3). 6. Conclusões A realização deste trabalho foi um verdadeiro desafio por ter implicado mergulhar em terreno totalmente desconhecido e ir-se construindo um puzzle virtual acerca dos tesauros e do formato XML ao ritmo de navegações cibernáuticas e leituras. Atrevemo-nos a confirmar que os tesauros automáticos podem de facto corresponder ao sentido etimológico da palavra thesaurus, tesouro, pois guardam e organizam de forma dinâmica e flexível informação proveniente de múltiplas áreas do Saber, além de estarem virtualmente acessíveis e disponíveis para intercâmbios. Contudo, o puzzle virtual ficou muito incompleto, por imperativos temporais e de pouca experiência pessoal. Como repto final, elegeriámos a problemática do formato XML. Embora apresente inúmeras vantagens, não está isento de fragilidades. Segundo Paulo Heitlinger A enorme profusão de dialectos e vocabulários XML demonstra a versatilidade desta meta-linguagem. Mas quais destes dialectos XML serão verdadeiros padrões? E quais são os standards que, por carência de adesão geral, já hoje são de facto standards puramente fictícios? 11

14 7. Bibliografia ANDRADE, Julietti de. As Contribuições das Linguagens Documentárias e da Terminologia à Arquitetura da Informação em Websites. São Paulo, Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) Curso de Biblioteconomia e Documentação, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. Disponível em: Texto completo. COELHO, Pedro. HTML 4 & XHTML. Lisboa, 2001.FCA HEITLINGER, Paulo. O Guia Prático da XML,2001.Tecnologias MURAKAMI, Tiago R. M. Tesauros e a World Wide Web. São Paulo, Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) Curso de Biblioteconomia e Documentação, Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo. Disponível em: Texto completo NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION (U.S.). Guidelines for the construction, format and management of monolingual controlled vocabularies / developed by the National Information Standards Organization: Ballot Period: April 11 May 25, ANSI/NISO Z X. Bethesda (USA): NISO Press, ISBN: Wikipédia/Biblioteconomia - s_automaticos_tesauros_automaticos_online.html

O Guia Prático da XML

O Guia Prático da XML Centro Atlântico O Guia Prático da XML Portugal/2001 Guia prático da XML Conceito, exemplos, prática e aplicações da linguagem universal. Áreas de Uso, Exemplos, Normas, Elementos, Atributos, Sintaxe,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia 1 da Informaçao 2 Figura: Tela do IBM Mainframe Fonte: Arquivo próprio

Leia mais

Desenvolver ou adquirir um software de acordo com as especificações técnicas do Manual de integração;

Desenvolver ou adquirir um software de acordo com as especificações técnicas do Manual de integração; O projeto NFe Conforme a definição, o Projeto de Nota Fiscal Eletrônica tem como objetivo a implantação de um modelo nacional de documento fiscal eletrônico para a substituição da sistemática atual de

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos

Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos UNIVERSIDADE TECNOLOGICA FEDERAL DO PARANA MINISTERIO DA EDUCAÇÃO Câmpus Santa Helena Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Linguagem de Estruturação e Apresentação de Conteúdos Prof. Me. Arlete

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1.

Unidade 4 Concepção de WEBSITES. Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Unidade 4 Concepção de WEBSITES Fundamentos do planeamento de um website 1.1. Regras para um website eficaz 1.1.1. Sobre o conteúdo 1 Regras para um website eficaz sobre o conteúdo Um website é composto

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Documentos Electrónicos

Documentos Electrónicos Documentos Electrónicos Define-se como Documento electrónico todo o documento produzido em computador integrado em sistemas e redes, não tendo existência própria se for deslocado do sistema de informação

Leia mais

XBRL como instrumento da contabilidade

XBRL como instrumento da contabilidade REUNIÃO GTSIS - 23/05/2012 XBRL como instrumento da contabilidade Paulo Roberto da Silva Fone : 0xx-51-3323-2219 E-mail: paulo.silva@gerdau.com.br REUNIÃO GTSIS - 23/05/2012 Objetivo: Identificar as facilidades

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06

Tutorial. Introdução ao XML e tecnologias associadas. Aplicações e dialectos XML. Sessão 4. 8-10 Fevereiro XATA 06 Tutorial Introdução ao XML e tecnologias associadas Sessão 4 Aplicações e dialectos XML Miguel Ferreira mferreira@dsi.uminho.pt Departamento de Sistemas de Informação Universidade do Minho Conteúdo Vantagens

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos

24-05-2011. Web. Técnico de Organização de Eventos Módulo III Criação de Páginas Web. Técnico de Organização de Eventos Sumário Tecnologias de Informação e Comunicação Introdução ao módulo III. Importância das Páginas Web. Conceitos básicos. Bases de funcionamento de um sistema WWW. Técnicas de implantação e regras básicas

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Desenvolvimento em Ambiente Web. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Desenvolvimento em Ambiente Web Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com No início A Web é criada em 1989, para ser um padrão de publicação e distribuição de textos científicos e acadêmicos.

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C

CSS. Oficina de CSS Aula 10. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets Roteiro. Cascading Style Sheets. Cascading Style Sheets W3C Roteiro Oficina de Aula 10 s Selos de conformidade Prof. Vinícius Costa de Souza www.inf inf.unisinos..unisinos.br/~vinicius outubro de 2006 W3C São um conjunto de normas, diretrizes, recomendações, notas

Leia mais

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores)

INTERNET. TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) TCP/IP protocolo de comunicação sobre o qual se baseia a Internet. (conjunto de regras para a comunicação entre computadores) A cada computador integrado na rede é atribuído um número IP que o identifica

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML

BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML BREVE INTRODUÇÃO À LINGUAGEM XML Por Carlos H. Marcondes marcon@vm.uff.br Rio de Janeiro Abril 2008 PROGRAMA 1.Problema, motivações e conceitos 2.Estrutura de um documento XML 1.DTDs, Schemas 2.Folhas

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Web Design Aula 11: XHTML

Web Design Aula 11: XHTML Web Design Aula 11: XHTML Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação HTML 1.0-2.0: Havia hipertextos, não havia preocupação com a apresentação HTML 3: Guerra dos Browser (Microsoft

Leia mais

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados UFCD 786 Instalação e configuração de sistemas de bases de dados 1 Noção de Base de Dados De uma forma genérica uma base de dados é um conjunto de dados (BD) Exemplos de BD s: Uma agenda de moradas Uma

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida HTTP. Décio Jr. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP Décio Jr. Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida HTTP de Décio Jr. Copyright 2001 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados. É proibida

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Internet Internet é o conjunto de diversas redes de computadores que se comunicam entre si Internet não é sinônimo de WWW (World Wide

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação

... Calendarização: 2 blocos de 90 m Metas/Objetivos Descritores Conceitos/Conteúdos Estratégias/Metodologias Avaliação DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E INFORMÁTICA DISCIPLINA: TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO PLANIFICAÇÃO DE 7º ANO... 1º Período Domínio INFORMAÇÃO I7 A Informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de:

Capítulo 1. Introdução. 1.1 Linguagens. OBJETIVOS DO CAPÍTULO Ao final deste capítulo você deverá ser capaz de: i Sumário 1 Introdução 1 1.1 Linguagens....................................... 1 1.2 O que é um Compilador?................................ 2 1.3 Processadores de Programas: Compiladores, Interpretadores

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos

Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Web Design Aula 01: Conceitos Básicos Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação Motivação Motivação Motivação Roteiro Introdução Papéis e Responsabilidades Construindo um site

Leia mais

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET

Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Módulo I MOTORES DE BUSCA NA INTERNET Introdução Pesquisa de Informação de carácter genérico Pesquisa de Informação em Bases de Dados Utilização de dicionários on-line Ferramentas de tradução on-line 1

Leia mais

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração

SHAREPOINT 2010. Ligação e autonomização das pessoas. Plataforma de colaboração prorm Microsoft Projectos SharePoint e Recursos 2010 SHAREPOINT 2010 Plataforma de colaboração O SharePoint 2010 é uma plataforma de colaboração de negócios que lhe permite ligar e autonomizar as pessoas

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões

Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Capítulo 7 Linguateca e Processamento de Linguagem Natural na Área da Saúde: Alguns Comentários e Sugestões Liliana Ferreira, António Teixeira e João Paulo da Silva Cunha Luís Costa, Diana Santos e Nuno

Leia mais

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação

Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação Departamento de Inovação, Ciência e Tecnologia Licenciatura em Informática Ramo Educacional Ano Lectivo 2006/2007 Manual de conteúdos da Aula Técnicas de Implantação GRUPO 2 N.º Aluno Licenciatura Nome

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB

UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB UMA ABORDAGEM SOBRE OS PADRÕES DE QUALIDADE DE SOFTWARE COM ÊNFASE EM SISTEMAS PARA WEB Alan Francisco de Souza¹, Claudete Werner¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil alanfsouza.afs@gmail.com,

Leia mais

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f

Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre. Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Tecnologia para Sistemas Inteligentes Apontamentos para as aulas sobre Introdução à Representação e Processamento de Ontologias: Framework O3f Luís Miguel Botelho Departamento de Ciências e Tecnologias

Leia mais

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart

Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Memórias de Tradução Distribuídas Alberto Manuel Simões, José João Almeida, and Xavier Gomez Guinovart Departamento de Informática, Universidade do Minho {albie@alfarrabio. jj@}di.uminho.pt Universidade

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB

IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB IMPORTÂNCIA DOS PADRÕES DE DESENVOLVIMENTO WEB Isadora dos Santos Rodrigues, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil isadora.santosrodrigues@hotmail.com, bonetti@unipar.br

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional Visão geral do Microsoft Office Word 2007 Bem vindo ao Microsoft Office Word 2007, incluído na versão 2007 do Microsoft Office system. O Office Word 2007 é um poderoso programa de criação de documentos

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

1 Representação de texto

1 Representação de texto O texto é uma das principais formas de comunicação assíncrona entre seres humanos. São exemplo os livros, os jornais, as revistas, etc. Mais recentemente, podemos dar como exemplo as mensagens SMS (Short

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Desenvolvimento de um integrador de sistemas por meio de leiautes

Desenvolvimento de um integrador de sistemas por meio de leiautes Desenvolvimento de um integrador de sistemas por meio de leiautes parametrizáveis Marlon Fernando Dirksen Orientador: Jacques Robert Heckmann Agenda Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online (GRH) Acessar o sistema pelo site: http://www.sdas.org.br/ Acessar o sistema com o Usuário: 9999 e Senha: PMG52 Será disponibilizado o ambiente

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO

Planificação Anual TIC 8º Ano 2012/2013 1 PERÍODO Ano Letivo 2012/2013 TIC 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS 1 PERÍODO 1 TEMPO- 45 MINUTOS Domínio Duração Objectivos Gerais Objectivos Específicos Estratégias/ Actividades Subdomínio 7ºA 7ºB Informação

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 23 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 23-07/12/2007 1 Histórico da Internet Início dos anos 60 Um professor do MIT (J.C.R. Licklider) propõe a idéia de uma Rede

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes

QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Manuel Antunes Microfil QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Manuel Antunes Faculdade de Letras da Universidade do Porto 4 de Novembro de 2005 Tema A transferência de suporte e o desenvolvimento de software

Leia mais

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O

Escola Secundária da Trofa Aplicações Informáticas A 11º Ano Curso Tecnológico de Informática T E S T E T I P O Grupo I (Utilização de Sistemas Multimédia) 1. Indique os atributos elementares das imagens 2. Complete as seguintes afirmações de forma a torná-las verdadeiras: a. A resolução de uma imagem digital é

Leia mais

MIG - Metadados para Informação Geográfica

MIG - Metadados para Informação Geográfica MIG - Metadados para Informação Geográfica Introdução à Norma ISO 19115 Henrique Silva, Instituto Geográfico Português, hsilva@igeo.pt Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 Metadados para Informação Geográfica

Leia mais

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites

A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites Ciclo de Workshops Departamento de Informática A Nova Comunidade EU.IPP Google Apps for Education IGoogle, Google Mail, Talk, Calendar, Docs e Sites 16 de Dezembro - ESEIG Ricardo Queirós (ESEIG) e Paulo

Leia mais

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION

ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION ONTOLOGIA PARA PUBLICAÇÃO CIENTÍFICA 1 ONTOLOGY FOR SCIENTIFIC PUBLICATION Andrenizia Aquino Eluan Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo.

MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES. MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com. URL: http://esganarel.home.sapo. MÓDULO MULTIMÉDIA PROFESSOR: RICARDO RODRIGUES MAIL: rprodrigues@escs.ipl.pt esganarel@gmail.com URL: http://esganarel.home.sapo.pt GABINETE: 1G1 - A HORA DE ATENDIMENTO: SEG. E QUA. DAS 11H / 12H30 (MARCAÇÃO

Leia mais

Sumário. 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação. 2. Fluxos da busca e recuperação da informação

Sumário. 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação. 2. Fluxos da busca e recuperação da informação Sumário 1. Requisitos de Busca e Recuperação de Informação 1. Conhecimento sobre temas pesquisados 2. Padronização da Linguagem 3. Tesauros 4. Critérios de Confiabilidade da Informação Online 5. Bom Senso

Leia mais

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE

PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PUBLICIDADE DIGITAL E NEW MEDIA 2009-2010 / 6º SEMESTRE PRÓXIMA AULA: APRESENTAÇÃO DE PLANO DE COMUNICAÇÃO E O FILME DO YOUTUBE? AULA 12 A. EMAIL MARKETING - Objectivos e problemas - Ideias - Vantagens

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Ricardo Alexandre G. C. Martins, José Carlos Ramalho, and Pedro Rangel Henriques \{ram,jcr,prh\}@di.uminho.pt Departamento de Informática

Leia mais

Tesauro. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Tesauro. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Tesauro Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília ANSI/NISO Z39.19 Tesauro é um vocabulário controlado organizado em uma ordem preestabelecida e estruturado de

Leia mais

Aplicativos para Internet Aula 01

Aplicativos para Internet Aula 01 Aplicativos para Internet Aula 01 Arquitetura cliente/servidor Introdução ao HTML, CSS e JavaScript Prof. Erika Miranda Universidade de Mogi das Cruzes Uso da Internet http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/paginas/world-wide-web-ou-www-completa-22-anos-nesta-terca-feira.aspx

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo

Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo Mestrado Integrado em Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Optimização de processos e ferramentas de Controlo e Gestão em Sistemas de Protecção, Comando e Controlo PDI Preparação para Dissertação

Leia mais

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO

HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO HTML5 E WEB SEMÂNTICA, A WEB COM SIGNIFICADO Djalma Gonçalves Costa Junior¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil djalma.g.costajr@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

o r g a n i z a ç ã o : Taxonomia do planejamento à implantação > > > > Tornado-a Real! i n f o @ e x p e r i e n c i a s e m a n t i c a.

o r g a n i z a ç ã o : Taxonomia do planejamento à implantação > > > > Tornado-a Real! i n f o @ e x p e r i e n c i a s e m a n t i c a. o r g a n i z a ç ã o : Taxonomia do planejamento à implantação > > > > > Tornado-a Real! i n f o @ e x p e r i e n c i a s e m a n t i c a. c o m Sinônimos afetam o e-commerce! A ideia central foi testar

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Motivação

1 Introdução. 1.1. Motivação 1 Introdução A adoção do Ginga-NCL como middleware declarativo do SBTVD (Sistema Brasileiro de Televisão Digital) estabeleceu um marco no desenvolvimento de aplicações interativas para TV Digital terrestre

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais