Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Trabalho de Conclusão de Curso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Trabalho de Conclusão de Curso"

Transcrição

1 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Trabalho de Conclusão de Curso RISCO DE LESÃO DO NERVO ALVEOLAR INFERIOR ASSOCIADO À EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR Aluno: Caio Vitor Lima de Jesus Salvador 2013

2 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Odontologia Caio Vitor Lima de Jesus RISCO DE LESÃO DO NERVO ALVEOLAR INFERIOR ASSOCIADO À EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR Trabalho de conclusão de curso apresentado a Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia para obtenção do diploma de Cirurgião-Dentista. Orientador(a): Prof. Dra. Sandra de Cássia Santana Sardinha. Salvador 2013

3

4 RISCO DE LESÃO DO NERVO ALVEOLAR INFERIOR ASSOCIADO A EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR RISK OF INJURY OF THE INFERIOR ALVEOLAR NERVE ASSOCIATED WITH THIRD MOLAR TOOTH EXTRACTION Resumo Este trabalho tem como objetivo realizar uma revisão de literatura sobre os riscos de lesão do nervo alveolar inferior associado à exodontia de terceiros molares inclusos. A não irrupção do dente em determinado tempo esperado é caracterizado como impactação ou inclusão dentária, sendo o terceiro molar inferior o dente com maior freqüência de impactação. Quanto maior o nível de impactação, maior é a probabilidade de contato entre o dente impactado com o canal mandibular, que é considerado o principal fator de risco de lesão ao nervo alveolar inferior. A extração desses dentes pode causar dentre outras, alterações neurossensoriais, que podem ser de caráter temporário ou permanente. O risco de causar lesão ao nervo alveolar inferior varia de 0,26 a 8,4%, sendo a parestesia o principal dano neurossensorial, e sintomas como desconforto e dor são relatados por pacientes que sofreram injúria no nervo. Podemos concluir como fatores de risco para lesão ao nervo alveolar inferior à proximidade entre o dente e o canal mandibular, técnica operatória empregada, presença de sinais radiográficos, posicionamento e angulações dos dentes, que influenciará no grau de dificultade da extração. Assim, a realização de exame radiográfico pré-operatório consiste numa ferramenta importante de diagnóstico e planejamento cirúrgico, visando à redução de danos ao nervo. Unitermos: dente não-erupcionado, dente serotino, nervo mandibular, parestesia.

5 Abstract The aim of this work is to review the literature about the risks of inferior alveolar nerve damage associated with extraction of unerupted third molars. The uneruption of the tooth in the expected time given is characterized as impaction or inclusion of the tooth, being the third molar tooth with a higher frequency of impaction. The higher the level of impaction, the greater the likelihood of contact between the impacted tooth with the mandibular canal, which is considered the main risk factor of injury to the inferior alveolar nerve. The extraction of these teeth can cause among others, neurosensory changes, which may be permanent or temporary. The risk of causing injury to the inferior alveolar nerve varies from 0.26 to 8.4%, being the paresthesia the mains sensorineural damage, and symptoms such as pain and discomfort are reported by patients who have suffered injury to the nerve. As risk factors for injury to the inferior alveolar nerve there are proximity between the tooth and the mandibular canal, the surgical technique, the presence of radiographic signs, the position and angulation of the teeth, which influences the degree of the difficulty of extraction. Thereby, performing preoperative radiographic examination is an important tool for diagnosis and surgical planning, in order to reduce damage to the nerve. Uniterms: unerupted tooth, third molar, mandibular nerve, paresthesia.

6 Introdução Dentes impactados são aqueles que não conseguiram irromper na cavidade oral em determinado tempo esperado, ficando retido total ou parcialmente no osso. Essa impactação dentária tem se tornado cada vez mais freqüente, fato que se deve a diversos fatores como o crescimento craniano em detrimento do crescimento dos maxilares, uma dieta processada industrialmente que exige cada vez menos do aparelho estomatognático, os avanços na odontologia preventiva levando o indivíduo à fase adulta com todos os dentes resultando em falta de espaço, o comprimento inadequado do arco ósseo e do pouco espaço para a irrupção 1,2,3. Estudos realizados mostram que dentre os dentes que sofrem de impactação, o que se apresenta em maior freqüência são os terceiros molares inferiores, seguidos pelos terceiros molares superiores 1,2,3. A permanência de terceiros molares impactados pode levar a problemas de saúde, podendo comprometer a integridade do sistema estomatognático e refletir também na saúde do indivíduo. Dentre as patologias associadas à impactação desses dentes encontram-se cárie, tumores e cistos odontogênicos, desordens oclusais, doenças periodontais, dor orofacial, reabsorções internas e abscesso pericoronário. Tendo em vista todos esses problemas que muitas vezes são indicações para sua extração, faz-se necessário uma análise criteriosa para avaliar a necessidade de remoção como medida profilática 1,2. A extração do terceiro molar inferior impactado pode causar complicações neurosensoriais. Tais alterações podem ser de caráter temporário ou permanente, devido aos danos ao nervo alveolar inferior, com sua frequencia variando de 0,5 a 1% para os casos envolvendo danos permanentes e 5 a 7% para casos que envolvem dano temporário 7. A prevalência de acidentes e complicações é relativamente alta em cirurgias de terceiros molares inferiores inclusos. Danos neurossensoriais são relatados por pacientes como sendo um dano desconfortável, desagradável e, algumas vezes, acompanhado por dor. Diante do exposto, esse trabalho tem como objetivo apresentar uma revisão de literatura acerca dos riscos de lesão do nervo alveolar inferior associado à exodontia de terceiros molares inclusos. 5

7 Revisão de Literatura A ocorrência de impactação dentária vem sendo estudada na literatura, e em diversas pesquisas, observou-se que os molares são os dentes que mais sofrem de impactação, sendo os terceiros molares inferiores os dentes que se apresentam em maior freqüência, seguido pelos terceiros molares superiores 1,2,3,18. Vasconcelos et al. (2003), analisaram 530 radiografias panorâmicas de pacientes com faixa etária ente 21 e 25 anos de ambos os sexos, numa clínica de radiologia na cidade de Recife.Os laudos radiográficos foram emitidos por profissionais especialistas em Radiologia Odontológica, onde foi considerado impactado todo elemento dentário que não se apresentava irrompido nas radiografias. Foram diagnosticados 673 dentes impactados, dos quais observou uma prevalência de 59,57% de impactação para os terceiros molares inferiores, seguido por 34,99% para terceiros molares superiores, e 1,89% para caninos superiores 1. Farias et al. (2003), realizaram um estudo retrospectivo revisando 88 prontuários de pacientes atendidos na disciplina de cirurgia da UEFS no período de janeiro de 2001 a janeiro de 2002 para avaliar a prevalência de dentes impactados. Foram incluídos nesse estudo prontuários que continham radiografia panorâmica, sendo que a mesma foi analisada por um único examinador e eram selecionadas apenas quando a região ou regiões onde se encontravam os dentes inclusos eram visualizadas de forma clara. Dos 209 dentes impactados encontrados nas radiografias panorâmicas, os terceiros molares inferiores se apresentavam em maior freqüência, 49,3% (103 dentes), seguidos pelos terceiros molares superiores (36,9%), supranumerários (6,7%), caninos superiores (3,8%), incisivos (1,9%) e pré-molares inferiores (1,4%) 3. Chu et al. (2003) realizaram um estudo retrospectivo para investigar a prevalência de dentes inclusos e patologias associadas na população de Hong Kong. De um total de 3853 dentes retidos encontrados em 2115 pacientes, observou-se uma prevalência de (82,5%) para os terceiros molares inferiores, 15,6% para os terceiros molares superiores e 0,8% para os caninos superiores 18. Observa-se que a prevalência de impactação dentária é altamente relacionada com os terceiros molares inferiores, necessitando assim, maior atenção voltada a esses dentes, principalmente no que se refere a sua extração. 6

8 A extração do terceiro molar impactado tem se tornado freqüente na prática clínica do cirurgião-dentista, e os benefícios e riscos para a realização desse procedimento cirúrgico vem sendo amplamente discutido, fato que o cirurgião-dentista deve estar atento a fim de evitar complicações que podem surgir em decorrência da extração do terceiro molar como o edema, trismo, hemorragia, fratura óssea, e lesões neurosensoriais 4,5,6,7. Em muitas situações o terceiro molar inferior se encontra em relação de contato com o canal mandibular, o que torna o processo cirúrgico ainda mais cuidadoso, exigindo maior habilidade, conhecimento e experiência do cirurgiãodentista. Essa proximidade com o canal mandibular, normalmente é vista através da radiografia panorâmica, porém, muitas vezes será necessário a utilização da tomografia computadorizada para melhor localização e visualização da unidade dental e sua relação mais detalhada com o canal mandibular, e assim avaliar previamente os riscos envolvidos para sua remoção 5,8,7,9,10. A proximidade do canal mandibular com as raízes do terceiro molar inferior é considerado o principal fator de risco para lesão do nervo alveolar inferior, devendo ser avaliada através de radiografia panorâmica e tomografia computadorizada 13, sendo a posição do canal mandibular de suma importância para o cirurgião dentista que realiza cirurgias mandibulares como ortognáticas, reconstruções mandibulares, exodontias de terceiros molares inferiores ou ainda procedimentos de implantodontia 8. O canal mandibular pode apresentar diferentes trajetos, variando sua relação com o terceiro molar no sentido ínfero-superior e médio-lateral, sendo que bifurcações e até trifurcações podem estar presentes. Assim a sua relação com as raízes de terceiros molares podem ocorrer de forma variada. Deste modo, é importante que essa relação seja diagnosticada por meio de imagem, pois estas estruturas podem estar muito próximas ou ate mesmo em contato, fato que aumenta significativamente os riscos de lesão ao nervo alveolar inferior em cirurgias de terceiros molares inferiores 8. As radiografias panorâmicas são muito utilizadas e parece ser muito útil no diagnóstico das variações anatômicas do canal mandibular bem como na angulação do dente impactado, porém deve ser usada com cuidado, pois apresenta limitações referentes à bidimensionalidade e distorções 8,14. Apesar dessas limitações, o diagnóstico radiográfico pré-operatório é um guia cirúrgico importante no planejamento e na execução de exodontias de terceiros 7

9 molares, podendo servir de parâmetro para avaliar o grau de dificuldade da cirurgia. Dependendo da posição, morfologia e relação do dente com as estruturas adjacentes, pode-se determinar possíveis complicações, principalmente relacionadas à possibilidade de lesão ao nervo alveolar inferior 8,9. A presença de sinal radiográfico que revela indício de relação de contato entre o canal mandibular e o terceiro molar é considerada um fator de risco relevante no que se refere à lesão no nervo alveolar inferior, sendo esses sinais: ápice em ilha 8 superposição, aumento da radiolucidez, interrupção da fronteira radiopaco do canal mandibular, desvio do canal mandibular, estreitamento do canal mandibular 7. A tomografia computadorizada é o exame que apresenta maior nitidez e melhor definição de imagem revelando de maneira mais fiel a relação do terceiro molar com o canal mandibular sendo, portanto, o método mais preciso e melhor na identificação anatômica do canal mandibular. Para a obtenção de um planejamento cirúrgico envolvendo regiões próximas ao canal mandibular a imagem mais confiável é aquela obtida através da tomografia computadorizada 7,8,10. A tomografia computadorizada está indicada quando há necessidade de imagens mais precisas ou quando a proximidade entre o canal mandibular e o terceiro molar apresenta uma relação muito estreita, fornecendo exata localização entre essas estruturas 8. Apesar de ser o exame imaginológico mais preciso, a tomografia computadorizada é um método mais oneroso e que submete o paciente a uma maior carga de radiação, devendo ser usado apenas em casos selecionados 7,8,10. Complicações cirúrgicas como parestesia, anestesia ou desanestesia do lábio, mento e gengiva do lado afetado, são sintomas relatados pelos pacientes que sofreram injúria no nervo. Tais alterações neurosensoriais podem ser de caráter temporário ou permanente 4,5,7,9,12. A paresteria é uma condição local de insensibilização da região inervada pelo nervo em questão, que ocorre quando se provoca a lesão dos nervos sensitivos. Tem como principal sintoma a ausência de sensibilidade da região afetada, sendo que em casos mais avançados, pode ser relatado pelo paciente sensação de dormência, coceira, fisgadas, alteração da sensação ao calor, frio e dor 11,19. É a deficiência neurosensorial de maior ocorrência, sendo decorrente de fatores sistêmicos e locais 19. 8

10 Como fatores sistêmicos causadores da parestesia, podem-se citar as doenças degenerativas, infecções virais, desordens metabólicas e algumas reações medicamentosas 19. Relacionado aos fatores locais temos os traumas mecânicos, compressão e ou estiramento do nervo, a presença de hematomas, hemorragias, edema e tumor; o excesso de calor durante a osteotomia gerado pelo refrigeramento insuficiente de brocas; aplicação de medicamentos como os anestésicos locais; presença de infecção decorrente de necrose pulpar e lesão periapical que atinja as proximidades do canal mandibular 11. O retorno da normalidade depende da regeneração das fibras nervosas lesadas ou da remissão das causas secundárias que estão gerando a parestesia, como a reabsorção do sangramento local, a redução do edema e da inflamação. Em casos mais brandos, o retorno a sensibilidade, quanto não há rompimento das fibras nervosas, ocorre em 2 a 3 semanas 19,20. A maioria dos pacientes não recorre ao tratamento e em mais de 96% dos casos ocorre o retorno sensitivo espontâneo em até 24 meses 19,21. Porém, outros estudos mostram que após 12 meses, a deficiência neurosensorial se torna permanente 19,22. Diversos tipos de tratamento têm sido propostos para a parestesia, como a administração de medicação sistêmica (antibiótico, corticoides, vitamina B1 associada a estricnina, histamina, medicamentos vasodilatadores) fisioterapia local, estimulação elétrica, microneurocirurgia, aplicação de laser em baixa intensidade e outras terapêuticas como homeopatia e acupuntura, sendo que a etiologia da parestesia está associada ao tipo de tratamento a ser realizado 11, e o prognóstico de recuperação varia consideravelmente de acordo com o grau de injúria 19. A regeneração nervosa é melhorada quanto mais cedo for feita a descompressão, pois assim haverá uma menor quantidade de tecido cicatricial. As indicações para reparo de nervo por microneurocirurgia incluem: observação ou suspeita de laceração ou transecção do nervo, não melhora da anestesia três meses após a cirurgia, dor decorrente da formação de neuroma, dor causada por objeto estranho ou deformidade do canal e, ainda, decréscimo sensitivo progressivo ou aumento da dor Por ser um método muito invasivo a microneurocirurgia, é indicado como última opção de escolha no tratamento da deficiência neurosensorial e somente quando há a transecção total nervosa. Porém o uso de laser de baixa intensidade tem sido 9

11 estudado como uma alternativa ao tratamento cirúrgico por não ser invasivo nem traumático para o paciente 19, sendo capaz de reagir com proteínas fotossensíveis presentes em diferentes áreas do sistema nervoso, recuperando os tecidos nervosos ou afetando a percepção da dor em nervos sensitivos 11. Estudos mostram que os riscos de causar lesão ao nervo alveolar inferior variam de 0,26 a 8,4%, porém esse dano nervoso pode ser evitado e está relacionado à técnica operatória e a proximidade do terceiro molar com o canal mandibular 9,11,12. Damiani & Céspedes (2007), 14 realizaram um estudo para avaliar a relação entre o terceiro molar inferior e o nervo alveolar inferior. Foram realizadas nesse estudo 20 radiografias periapicais (técnica do paralelismo) em mandíbulas secas e após a revelação, foi obtida a mensuração da distância entre o ápice radicular do terceiro molar inferior e o canal mandibular (local onde se situa o nervo alveolar inferior em vida). Esse estudo revelou que das 20 radiografias 8 delas apresentaram uma distância entre 0 a 1 mm entre os ápices radiculares e o canal da mandíbula no sentido supero-inferior. Dessa forma, em média, 40% dos casos apresentaram uma distância considerada de risco entre os ápices radiculares e o canal da mandíbula, fator que é preocupante, pois pode haver contato entre o tecido conjuntivo da cápsula do elemento dental com o do tecido que envolve o feixe nervoso alveolar inferior e durante a remoção cirúrgica do dente levar a um trauma, gerando lesão ao nervo. Nesse mesmo estudo, os autores também analisaram a prevalência de lesões ao nervo alveolar inferior. Foram enviados questionários a 10 clínicas odontológicas particulares, com questionamentos sobre procedimentos cirúrgicos e possíveis lesões. O resultado mostrou que em média 6% dos profissionais já promoveram qualquer tipo de lesão ao nervo alveolar inferior. Oliveira et al. (2006) 6, em um estudo pra avaliar os riscos e complicações associados a exodontia de terceiros molares. Os autores observaram que dentre os 83 pacientes envolvidos na pesquisa, 7 deles (8,43%) apresentam parestesia do nervo alveolar inferior. Sendo que nesses pacientes foi necessária a realização de osteotomia e odontoseccão e as parestesias resolveram-se em ate 90 dias, espontaneamente. Para os autores, a alta incidência de parestesia está relacionada provavelmente ao fato da proximidade anatômica entre as raízes dos terceiros molares e o nervo alveolar inferior e que essa relação pode ser vista no pré-operatório por meio de radiografias. 10

12 Wonse Park et al. (2010) 15, realizaram um estudo para avaliar a relação entre a parestesia (que pode ocorrer como uma complicação da extração do terceiro molar inferior) e a integridade da cortical do canal alveolar inferior visto através de tomografia computadorizada. O estudo revelou que onde não havia a continuidade da integridade da cortical do canal mandibular 11,8 % (3 de 10 casos) apresentaram parestesia pós extração dos terceiros molares. Nos casos onde a integridade da cortical do canal mandibular estava mantida apenas 01 caso de parestesia foi observado. A prevalência de parestesia do nervo alveolar inferior após a extração de terceiros molares inferiores foi de 4,2 % (11 dos 259 dentes extraídos). Assim o estudo mostrou que os pacientes que apresentaram descontinuidade da cortical do canal tiveram um risco 20 vezes maior de sofrer parestesia após extração do terceiro molar inferior, comparado aos pacientes que apresentaram as margens corticais do canal intactas, revelando que a integridade da cortical do canal mandibular é um fator predictor importante na parestesia do nervo alveolar inferior. Outro fator importante no que se refere ao terceiro molar inferior é o seu posicionamento e relação com as estruturas adjacentes. Duas importantes classificações foram desenvolvidas, uma em 1926 por George Winter, que classificou esses dentes quanto às suas angulações, e outra em 1933 por Pell e Gregory, que os classificaram quanto à profundidade de inclusão e, nos inferiores, nas suas relações com o ramo mandibular. Essa classificação além de facilitar a comunicação entre os dentistas auxilia também no planejamento cirúrgico 16. Santos et al. 16 (2009) em seu estudo, analisam 232 radiografias panorâmicas. As radiografias foram analisadas por apenas um observador, utilizando como auxílio um negatoscópio e uma lupa, registrando a presença ou não de terceiros molares inclusos, assim como sua classificação segundo Winter e Pell e Gregory. Dos 320 molares inferiores encontrados nas radiografias panorâmicas, de acordo com a classificação de Winter a maior prevalência foi de 46,56% para angulação vertical, seguida pela mesioangular (43,75%) e a menor prevalência foi a disto-angular (0,62%). Em relação à classificação de Pell e Gregory a de maior prevalência foi a classe A (54,06%), seguida pela classe B (31,25%), sendo a classe C (14,68%), e em relação ao ramo da mandíbula a mais prevalente foi a classe I (51,56%), seguida pela classe II (41,56 %) e a menos prevalente foi a classe III (6,87 %). Para Farias et al. 3 (2003), num mesmo estudo citado anteriormente, também avaliou o posicionamento do terceiro molar inferior em relação a classificação de Pell e 11

13 Gregory e Winter. De acordo a classificação de Pell e Gregory a posição de maior prevalência foi a classe A (47,6%) e a classe II com 72,8%. Em relação à classificação de Winter a posição vertical apresentou-se em maior prevalência (36,9%), seguida pela mesioangular (3%). Dos 2290 prontuários analisados para avaliar o posicionamento de terceiros molares impactados nas clínicas de Cirurgia da FOB-USP, no período de janeiro de 1997 a dezembro de 2002, os terceiros molares inferiores representaram 3476 de um total de 7222 dentes, em um estudo realizado por Xavier et al. 17 (2010). De acordo a classificação de Pell e Gregory a posição mais comum foi a IIA, seguida pela posição IIB, IA e IIIC e em relação à classificação de Winter a maioria estava na posição vertical, seguida pela mesial. O risco de lesão ao nervo aumenta dramaticamente quando há contato entre o molar impactado e canal, e quanto maior o nível de impactação maior a probabilidade de relação de contato com o nervo alveolar inferior 7. 12

14 Discussão Atualmente o número de cirurgias envolvendo terceiros molares inferiores têm se tornado cada vez mais frequente. O cirurgião-dentista deve está atento aos riscos inerentes a esse procedimento cirúrgico, principalmente no que diz respeito à localização desses dentes e seu relacionamento com estruturas nobres adjacentes, como o nervo alveolar inferior. Devido à proximidade que esses dentes apresentam com o canal mandibular, torna-se elevado o risco de causar lesão ao nervo alveolar inferior durante sua extração. A parestesia, que se caracteriza pela ausência de sensibilização da região inervada pelo nervo, é a deficiência neurossensorial de maior ocorrência e relatada pelos pacientes como extremamente desagradável. Os terceiros molares inferiores são os dentes que apresentam a maior ocorrência de impactação dentária, não havendo divergência na literatura quando a prevalência de impactação desses dentes. Farias et al 3 (2003) encontrou no seu estudo a prevalência de impactação de 49,3% para os terceiros molares inferiores, Vasconcelos et al 3. (2003) 59,57% e Chu et al 18 (2003) 82,5%. Dessa forma percebemos que há alta prevalência de impactação associado aos terceiros molares o que corresponde a um fator importante para parestesia, já que, com a impactação, a proximidade entre o dente e o canal mandibular aumenta e o processo cirúrgico é dificultado, aumentando assim as possibilidades de lesionar o nervo alveolar inferior. Como forma de visualizar melhor o relacionamento entre o terceiro molar inferior e o canal mandibular a radiográfica panorâmica é o método mais difundido e utilizado, sendo muito importante para o planejamento cirúrgico. A visualização do posicionamento, morfologia e angulação do dente, do trajeto do canal mandibular auxilia no diagnóstico do grau de dificuldade da cirurgia e no prognóstico de lesão ou não ao nervo alveolar inferior. Porém a radiografia panorâmica apresenta limitações 8,14. Em casos onde parece ter contato entre o dente e o canal, há consenso entre os autores 7,8,10 que a tomografia computadorizada deverá ser o exame de escolha, por apresentar exata relação entre o canal e o dente, sendo o método mais preciso. Outro fator importante para lesão ao nervo alveolar inferior é o posicionamento do terceiro molar quanto à profundidade de inclusão e ao ramo mandibular 13

15 (classificação de Pell e Gregory). De acordo com Xavier et al 17. (2003), Farias et al 3. (2003), a posição de maior frequência foi a IIA, já para Santos et al 16. (2003) a posição de maior prevalência foi a IA, mostrando que a literatura é divergente e que há grande variação de posicionamento desses dentes. Levando em consideração a classificação de Winter, esses mesmos autores concordam que a posição mais prevalente foi à vertical. Assim podemos concluir que quanto maior o grau de profundidade de impactação do dente e variações de sua angulação, maior será a dificuldade para sua extração, o que aumenta o risco de trauma a estruturas adjacentes, como o nervo alveolar inferior, podendo gerar parestesia. A proximidade entre o dente e o canal é o principal fator de risco para lesão ao nervo alveolar inferior 13. Damiani e Céspedes 14 (2007) mostram que a prevalência de proximidade entre o terceiro molar inferior e canal mandibular é alta. Cerca de 40 % dos casos apresentaram uma distancia entre 0 e 1 mm, considerada de risco, entre ápices radiculares e o canal mandibular 14, assim esse autores corroboram com a ideia de que a distância entre dente e canal mandibular é fator de risco importante no que diz respeito a lesão ao nervo, devendo o cirurgião dentista ficar atento a possibilidade de causar parestesia no paciente em exodontia de terceiros molares inferiores. Relacionando o risco de parestesia e a integridade da cortical do canal, Wonse Park et al. 6 (2006), observou que quando havia descontinuidade da cortical do canal mandibular, 11, 8 % dos casos apresentaram parestesia após extração e que apenas 1 caso de parestesia foi encontrado quando a cortical do canal se encontrava integra. Assim pode-se perceber a que presença de sinal radiográfico como a descontinuidade da cortical do canal 6, bem como o desvio do canal, radiolucidez, sobreposição ou qualquer outra presença de sinal radiográfico que indique relação de contato entre o terceiro molar e o canal manbidular 8, são fatores preditivos importantes para lesão ao nervo alveolar inferior. A técnica operatória também é vinculada ao risco de lesão ao nervo alveolar inferior 9,11,12. De acordo com Oliveira et al. 6 (2006), 8,43% dos pacientes que apresentaram parestesia após exodontia de terceiros molares, foi necessário realizar durante o procedimento cirúrgico osteotomia e odontosecção. Isso sugere que a técnica cirúrgica envolvida durante a exodontia tem ligação com os riscos de lesão ao nervo, exigindo assim maior experiência e habilidade do cirurgião, já que envolve procedimentos mais invasivos, como uso de alta rotação e remoção de osso 14

16 adjacente, o que aumenta os riscos de causar elevação de temperatura na região, trauma ou secção do nervo. 15

17 Considerações finais O risco de lesão ao nervo alveolar inferior é relativamente alto em cirurgias envolvendo terceiros molares inferiores, e esse risco está relacionado a: 1. Alta prevalência de impactação dos terceiros molares inferiores. 2. Proximidade ou contato entre o dente e o canal mandibular. 3. O grau de impactação desses dentes e seu posicionamento e angulações. 4. Presença de sinal radiográfico que indique contato entre essas estruturas. 5. Técnica cirúrgica empregada. Dessa forma, o diagnóstico radiográfico pré-operatório é de extrema importância para auxiliar no planejamento cirúrgico que envolve terceiros molares inferiores, a fim de minimizar possíveis danos ao nervo alveolar inferior. 16

18 Referências 1. Vasconcellos RJH, Oliveira DM, Melo LUZ AC, Gonçalves RB. Ocorrência de Dentes impactados. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., v.3, n.1, jan/mar Peterson LJ et al. Cirurgia Oral e Maxilo Facial Contemporânea. 2ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p Farias JG, Santos FAP, Campos PSF, Sarmento VA, Barreto S, Rios V. Prevalência de Dentes Inclusos em Pacientes Atendidos na Disciplina de Cirurgia do Curso de Odontologia da Universidade Estadual de Feira de Santana. Pesq Bras Odontoped Clin Integr, João Pessoa, v. 3, n. 2, p , jul./dez Prado MMB. Estudo sobre a parestesia do nervo alveolar inferior pós cirurgias de terceiros molares inferiores. 43 f. Dissertação (Mestre em Cirurgia Traumatologia Buco-Maxilo-Facial). Faculdade de Odontologia, Universidade São Paulo, ChecchiL, Bonetti GA, Pelliccioni GA. A removing high-risk impacted mandibular third molars: a surgical-orthodontic approach. JADA, Vol. 127, August Oliveira LB. et al. Avaliação dos acidentes e complicações associados à exodontia dos 3º molares. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe. v.6, n.2, p , abril/junho Monaco G, Montevecchi M, Bonetti GA, Gatto MRA, Checchi L. Reliability of panoramic radiography in evaluating the topographic relationship between the mandibular canal and impacted third molars. JADA, Vol. 135, March Flores JA, Flores FW, Unfer MK, Ferrari R. Relação entre os terceiros molares inferiores com o nervo alveolar inferior. Int J Dent, Recife, 8(4): , out./dez., Santos TS, Neto JSF, Raimundo RC, Frazão M, Gomes ACA. Relação topográfica entre o canal mandibular e o terceiro molar inferior em tomografias de feixe 17

19 volumétrico. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., Camaragibe v.9, n.3, p , jul./set Gomes ACA, Vasconcelos BCE, Oliveira e Silva ED, Albert DGM. Verificação dos sinais radiográficos mais freqüentes da relação do terceiro molar inferior com o canal mandibular. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-Fac., v.4, n.4, p , out/dez Rosa FM, Escobar CAB, Brusco LC. Parestesia dos nervos alveolar inferior e lingual pós cirurgia de terceiros molares. Rev Gaúcha Odontol., Porto Alegre, v. 55, n.3, p , jul./set Leung YY; Cheung LK. Risk factors of neurosensory deficits in lower third molar surgery: a literature review of prospective studies. Int J Oral Maxillof. Surg; 40: 1-10, Paulesini Junior W, Caixeta Neto LS, Leporace AA, Rapoporat A. Complicações associadas à cirurgia de terceiros molares: revisão de literatura. Rev. odontol. Univ. Cid. São Paulo, maio-ago; 20(2): 181-5, Damiani GJ, Céspedes IC. Prevalência de lesões dos nervos alveolar inferior, bucal e lingual em procedimentos operatórios. Revista Odonto, São Bernardo do Campo, SP, Metodista. Ano 15, n.29, p.50-57, jan-.jun, Park W, Choi JM, Kim JY, Kim BC, Kim JH, Lee SH. Cortical integrity of the inferior alveolar canal as a predictor of paresthesia after third-molar extraction. JADA, v. 141, p , March Santos DR, Quesada GAT. Prevalência de terceiros molares e suas respectivas posições segundo as classificações de Winter e de Pell e Gregory. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., Camaragibe v.9, n.1, p , jan./mar Xavier CRG, Ribeiro ED, Rocha JF, Duarte BG, Ferreira Júnior O, Sant ana E, Gonçalves ES. Avaliação das posições dos terceiros molares impactados de acordo com as classificações de Winter e Pell& Gregory em radiografias 18

20 panorâmicas. Rev. Cir. Traumatol. Buco-Maxilo-fac., Camaragibe v.10, n.2, p , abr./jun Chu FC, Li TK, Lui VK, Newsome PR, Chow RL, Cheung LK. Prevalence of impacted teeth and associated pathologies - a radiographic study of the Hong Kong Chinese population. Hong Kong Med J, 9(3):158-63, Nakajima EK. Avaliação da eficácia do laser em baixa intensidade de 808nm no tratamento da deficiência neurosensorial pós-cirurgias orais. [Dissertação Mestrado Profissional Lasers em Odontologia - Faculdade de Odontologia, Universidade São Paulo, 2009]. 20. Schulze-Mosgau S, Reich RH. Assesment of inferior alveolar and lingual nerve disturbances after dentoalveolar surgery, and of recovery of sensitivity. Int J Oral Maxillof. Surg, v.22, p , Pogrel MA. The results of microneurosurgery of the inferior alveolar and lingual nerve. J Oral Maxillofac Surg.; 60(5):485-9, Pogrel MA, Thamby S. Permanent nerve involvement resulting from inferior alveolar nerve blocks. JADA, v.131, p ,

Parestesia do nervo alveolar inferior após exodontia de terceiros molares

Parestesia do nervo alveolar inferior após exodontia de terceiros molares Parestesia do nervo alveolar inferior após exodontia de terceiros molares Paresthesia of the inferior alveolar nerve after third molar inferior extraction Gabriela Barros Lopes 1 João Batista de Freitas

Leia mais

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO.

WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. WALABONSO BENJAMIN GONÇALVES FERREIRA NETO FRATURA DA CABEÇA DA MANDÍBULA. CARACTERÍSTICAS, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO. Monografia apresentada à Fundação para o Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico da

Leia mais

Prevalência de dentes retidos presentes em radiografias panorâmicas. Prevalence of impacted teeth in panoramic radiographs

Prevalência de dentes retidos presentes em radiografias panorâmicas. Prevalence of impacted teeth in panoramic radiographs Recebido em 10/12/2009 Aprovado Gondim, em et al. 06/04/2010 V10N3 Prevalência de dentes retidos presentes em radiografias panorâmicas Prevalence of impacted teeth in panoramic radiographs Candice Regadas

Leia mais

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL

INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA POR ACADÊMICO DE ENFERMAGEM: PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL Davide Carlos Joaquim 1, Ana Caroline Rocha Melo de Leite 2, Ciro Benevides

Leia mais

POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM

POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM POSIÇÃO DO ÁPICE DENTÁRIO EM RELAÇÃO AO PROCESSO ALVEOLAR DO OSSO MAXILAR. ESTUDO EM TOMOGRAFIAS DE CONE-BEAM Sabrina Vieira Botelho(PIBIC/CNPq-FA/UEM), Cléverson de Oliveira e Silva (Orientador) e Maurício

Leia mais

Métodos radiográficos no diagnóstico de quartos molares mandibulares

Métodos radiográficos no diagnóstico de quartos molares mandibulares Métodos radiográficos no diagnóstico de quartos molares mandibulares Radiographics methods in the diagnosis of fourths molars Daniela Nascimento Silva* Marcelo Ferraro Bezerra** Karis Barbosa Guimarães**

Leia mais

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr.

Patologia Buco Dental Prof. Dr. Renato Rossi Jr. Cistos Odontogênicos Introdução Os cistos derivados dos tecidos odontogênicos são caracterizados como lesões de extraordinária variedade. O complexo desenvolvimento das estruturas dentárias é refletido

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Qualidade de Vida. Cirurgia Bucal. Terceiro Molar.

PALAVRAS-CHAVE Qualidade de Vida. Cirurgia Bucal. Terceiro Molar. 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE RAÍZES FUSIONADAS, SEPARADAS DIVERGENTES, SEPARADAS CONVERGENTES, SEPARADAS RETILÍNEAS E DILACERADAS DOS TERCEIROS MOLARES

FREQÜÊNCIA DE RAÍZES FUSIONADAS, SEPARADAS DIVERGENTES, SEPARADAS CONVERGENTES, SEPARADAS RETILÍNEAS E DILACERADAS DOS TERCEIROS MOLARES Rev. Odont. UNESP, São Paulo, 19:277-282,1990. FREQÜÊNCIA DE RAÍZES FUSIONADAS, SEPARADAS DIVERGENTES, SEPARADAS CONVERGENTES, SEPARADAS RETILÍNEAS E DILACERADAS DOS TERCEIROS MOLARES Roberto Antonio NICODEMO*

Leia mais

Curso de Especialização em Endodontia

Curso de Especialização em Endodontia Curso de Especialização em Endodontia Associação Brasileira de Odontologia Secção Ceará Coordenador: Prof. Nilton Vivacqua EndodontiaAvancada.com OBJETIVOS DO CURSO Este curso tem como objetivos colocar

Leia mais

CAPÍTULO SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1. CAPÍTULO 2 Anatomia maxilar e mandibular 13

CAPÍTULO SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1. CAPÍTULO 2 Anatomia maxilar e mandibular 13 CAPÍTULO SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1 I Período antigo (a.c. a 1000 d.c.)... 1 A Localização geográfica... 1 B Materiais utilizados... 1 C

Leia mais

Prevalência de Inclinações e Profundidade de Terceiros Molares Inferiores, segundo as Classificações De Winter e De Pell & Gregory

Prevalência de Inclinações e Profundidade de Terceiros Molares Inferiores, segundo as Classificações De Winter e De Pell & Gregory ISSN - 1519-0501 DOI: 10.4034/PBOCI.2012.124.10 Prevalência de Inclinações e Profundidade de Terceiros Molares Inferiores, segundo as Classificações De Winter e De Pell & Gregory Prevalence of Inclination

Leia mais

PREVALÊNCIA E ETIOLOGIA DA RETENÇÃO DE CANINOS PERMANENTES SUPERIORES PREVALENCE AND ETIOLOGY OF IMPACTATION UPPER PERMANENT CANINES

PREVALÊNCIA E ETIOLOGIA DA RETENÇÃO DE CANINOS PERMANENTES SUPERIORES PREVALENCE AND ETIOLOGY OF IMPACTATION UPPER PERMANENT CANINES 431 PREVALÊNCIA E ETIOLOGIA DA RETENÇÃO DE CANINOS PERMANENTES SUPERIORES PREVALENCE AND ETIOLOGY OF IMPACTATION UPPER PERMANENT CANINES Marcelo Matos ROCHA * Rafael Nogarete SCARDUELLI ** Andresa Nolla

Leia mais

O MANUAL DA DOR DE DENTE

O MANUAL DA DOR DE DENTE E S C R I T O P E L A D R A. C R I S T I N A S H I D O M I O MANUAL DA DOR DE DENTE Vamos conhecer melhor as estruturas dos dentes, assim podemos entender porque ocorre a sensação incômoda da dor de dente,

Leia mais

TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ODONTOMA COMPLEXO EM MANDÍBULA COM O AUXÍLIO DE MOTOR ULTRASSÔNICO. Odontologia de Araçatuba UNESP;

TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ODONTOMA COMPLEXO EM MANDÍBULA COM O AUXÍLIO DE MOTOR ULTRASSÔNICO. Odontologia de Araçatuba UNESP; TRATAMENTO CIRÚRGICO DE ODONTOMA COMPLEXO EM MANDÍBULA COM O AUXÍLIO DE MOTOR ULTRASSÔNICO Lara Carvalho Cunha 1; Gustavo Antonio Correa Momesso 2 ; Valthierre Nunes de Lima 2 ; Sormani Bento Fernandes

Leia mais

REDE CREDENCIADA ATHUS BRASIL TABELA ODONTOLÓGICA - V

REDE CREDENCIADA ATHUS BRASIL TABELA ODONTOLÓGICA - V CÓDIGO GRUPO DESCRIÇÃO VALOR GARANTIA (DIAS) 81000065 CONSULTA Consulta odontológica inicial (exame clínico e plano de tratamento) R$ 22,00 90-81000111 CIRURGIA ODONTOLÓGICA Acompanhamento de tratamento/

Leia mais

PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO FACE A FACE FRENTE A ANSIEDADE E DOR EM JOVENS SUBMETIDOS À EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR SUPERIOR

PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO FACE A FACE FRENTE A ANSIEDADE E DOR EM JOVENS SUBMETIDOS À EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR SUPERIOR PROCEDIMENTO PREPARATÓRIO FACE A FACE FRENTE A ANSIEDADE E DOR EM JOVENS SUBMETIDOS À EXODONTIA DE TERCEIRO MOLAR SUPERIOR Ingrid Claudino Ribeiro; Nara Régia da Silva Domingos; Naiane Vieira Campos; Diego

Leia mais

26 28 Conclusão Referências bibliográficas... 31

26 28 Conclusão Referências bibliográficas... 31 Índice: Pág. Resumo VI Abstract... VII Introdução 1 1. Princípios biológicos... 3 1.1. Cicatrização do ligamento periodontal...... 3 1.2. Regeneração pulpar.... 5 1.3. Cicatrização óssea.. 6 1.4. Desenvolvimento

Leia mais

REMOÇÃO CIRÚRGICA DE RAÍZES DO TERCEIRO MOLAR SUPERIOR DESLOCADAS PARA O INTERIOR DO SEIO MAXILAR RELATO DE CASO

REMOÇÃO CIRÚRGICA DE RAÍZES DO TERCEIRO MOLAR SUPERIOR DESLOCADAS PARA O INTERIOR DO SEIO MAXILAR RELATO DE CASO REMOÇÃO CIRÚRGICA DE RAÍZES DO TERCEIRO MOLAR SUPERIOR DESLOCADAS PARA O INTERIOR DO SEIO MAXILAR RELATO DE CASO Siqueira MFR, Lopes MAM, Picosse LR, Nicolau RA Universidade do Vale do Paraíba (Univap),

Leia mais

Coronectomia em terceiros molares inferiores: Relato de dois casos

Coronectomia em terceiros molares inferiores: Relato de dois casos RELATO DE CASO Coronectomia em terceiros molares inferiores: Relato de dois casos Coronectomy in Inferior Third Molars. Two cases case reports RESUMO A parestesia do nervo alveolar inferior, uma complicação

Leia mais

IMPORTÂNCIA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA DA TOPOGRAFIA DO NERVO LINGUAL

IMPORTÂNCIA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA DA TOPOGRAFIA DO NERVO LINGUAL IMPORTÂNCIA NA PRÁTICA ODONTOLÓGICA DA TOPOGRAFIA DO NERVO LINGUAL Carla Maria de Carvalho Leite Leal Nunes NOVAFAPI Karla Venithias Cavalcante de Araújo NOVAFAPI INTRODUÇÃO O nervo trigêmeo, quinto par

Leia mais

CIRURGIA DE TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO PELA TÉCNICA MEDIATA RELATO DE CASO CLÍNICO. RESUMO

CIRURGIA DE TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO PELA TÉCNICA MEDIATA RELATO DE CASO CLÍNICO.   RESUMO CIRURGIA DE TRANSPLANTE DENTÁRIO AUTÓGENO PELA TÉCNICA MEDIATA RELATO DE CASO CLÍNICO Nayanne Barros Queiroz 1 ; Herlânia Silva Freire 1 ; Ana Roberta de Almeida Cabral 1 ; Ivna Freitas de Sousa Alves¹;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Evento: Concurso Público para Provimento de Cargos Técnico-Administrativos em Educação Edital N 101/2014 PARECER A Comissão Examinadora da Prova

Leia mais

ENUCLEAÇÃO DE CISTO RADICULAR MAXILAR DE GRANDE EXTENSÃO: RELATO DE CASO

ENUCLEAÇÃO DE CISTO RADICULAR MAXILAR DE GRANDE EXTENSÃO: RELATO DE CASO ENUCLEAÇÃO DE CISTO RADICULAR MAXILAR DE GRANDE EXTENSÃO: RELATO DE CASO Ivna Freitas de Sousa Alves¹; Jordanna Paiva de Mesquita¹; Nayanne Barros Queiroz¹; Gislyane Lima de Queiroz¹; Ana Roberta de Almeida

Leia mais

ANÁLISE DA TOPOGRAFIA AXIAL DOS TERCEIROS MOLARES INCLUSOS ATRAVÉS DA RADIOGRAFIA PANORÂMICA DOS MAXILARES EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO DE WINTER

ANÁLISE DA TOPOGRAFIA AXIAL DOS TERCEIROS MOLARES INCLUSOS ATRAVÉS DA RADIOGRAFIA PANORÂMICA DOS MAXILARES EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO DE WINTER ARTIGO ANÁLISE DA TOPOGRAFIA AXIAL DOS TERCEIROS MOLARES INCLUSOS ATRAVÉS DA RADIOGRAFIA PANORÂMICA DOS MAXILARES EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO DE WINTER MOLAR ANALYSIS OF THE AXIAL TOPOGRAPHY OF THIRD ENCLOSED

Leia mais

ANEXO II TABELA DO IAMESC. Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL

ANEXO II TABELA DO IAMESC. Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL ANEXO II TABELA DO IAMESC Valor do CHO em reais- R$0,32 CLÍNICO GERAL COD PROCEDIMENTOS CHO Valor seg. Valor inst. Valor total 01 70110000 Consulta Inicial 157 15,07 35,16 50,24 02 70115000 Profilaxia

Leia mais

U.C. I 7ª e 8ª Aulas. DentaScan Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1

U.C. I 7ª e 8ª Aulas. DentaScan Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1 U.C. I 7ª e 8ª Aulas DentaScan 15-11-2012 Joaquim Agostinho - Unidade Clinica I 1 História para corresponder aos anseios dos doentes, de substituição de dentes em falta, por próteses funcional e estéticamente

Leia mais

INTRODUÇÃO. Carlos Eduardo Parente Settanni*

INTRODUÇÃO. Carlos Eduardo Parente Settanni* TRABALHO DE PESQUISA Estudo Comparativo das Técnicas Radiográficas de Clark e de Keur com a Tomografia Linear no Diagnóstico Topográfico do Dente Canino Superior Impactado 1 Comparative Study of the Radiographic

Leia mais

EMINECTOMIA COMO TRATAMENTO DE LUXAÇÃO RECIDIVANTE DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO

EMINECTOMIA COMO TRATAMENTO DE LUXAÇÃO RECIDIVANTE DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO EMINECTOMIA COMO TRATAMENTO DE LUXAÇÃO RECIDIVANTE DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR RELATO DE CASO CLÍNICO-CIRÚRGICO EMINECTOMY FOR TREATMENT OF RECURRENT DISLOCATION OF THE TEMPOROMANDIBULAR JOINT CLINICAL

Leia mais

ANORMALIDADE DE COMPRIMENTO DOS TERCEIROS MOLARES: APRESENTAÇÃO DE DOIS CASOS

ANORMALIDADE DE COMPRIMENTO DOS TERCEIROS MOLARES: APRESENTAÇÃO DE DOIS CASOS ANORMALIDADE DE COMPRIMENTO DOS TERCEIROS MOLARES: APRESENTAÇÃO DE DOIS CASOS ANORMALITY OF SIZE IN DESPITE OF LENGHT A THIRD MOLARS: RELATED OF TWO CASES Leandro de Carvalho CARDOSO 1 Rafael Akira MURAYAMA

Leia mais

O presente estudo remete-nos para as causas de extração e perda dentária na dentição permanente, durante um período de 12 meses. Neste estudo foram incluídos todos os pacientes atendidos na clínica de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA MARINA BULLEGON CARNIEL PARESTESIA DO NERVO ALVEOLAR INFERIOR: UMA REVISÃO DE LITERATURA Porto Alegre 2016 MARINA BULLEGON CARNIEL PARESTESIA

Leia mais

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia.

Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Apresentação clínica e histológica da utilização do substituto ósseo sintético Gen Phos ( ßTCP) em odontologia. Resumo: Este estudo tem como objetivo apresentar o comportamento do substituto ósseo sintético

Leia mais

UNIODONTO PORTO ALEGRE

UNIODONTO PORTO ALEGRE UNIODONTO PORTO ALEGRE CÓDIGO PROCEDIMENTO U.S. Flex 30% GRUPO Valor da US 0,32 Coeficiente 0,30 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS 72,00 R$ 6,91 CONSULTAS

Leia mais

TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO. Termo de ciência e consentimento

TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO. Termo de ciência e consentimento TERMO DE CIÊNCIA E CONSENTIMENTO Termo de ciência e consentimento Por este instrumento particular o(a) paciente ou seu responsável, Sr.(a), declara, para todos os fins legais, que dá plena autorização

Leia mais

EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA

EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA EFEITOS COLATERAIS BUCAIS DA RADIOTERAPIA NAS REGIÕES DE CABEÇA E PESCOÇO E A ATUAÇÃO DO CIRURGIÃO-DENTISTA: REVISÃO DE LITERATURA Ana Caroline Cavalcante do Nascimento¹; Nathally Nadia Moura de Lima¹;

Leia mais

Parestesia dos nervos alveolar inferior e lingual pós cirurgia de terceiros molares

Parestesia dos nervos alveolar inferior e lingual pós cirurgia de terceiros molares REVISÃO REVIEW Parestesia dos nervos alveolar inferior e lingual pós cirurgia de terceiros molares Paresthesia of lingual and inferior alveolar nerve after third molars surgery Franncine Miranda da ROSA

Leia mais

ENSALAMENTO. Terça-feira, dia 12 de Setembro. Acadêmico iniciante Painel (apresentações em Banner) M10 Horário: Tarde

ENSALAMENTO. Terça-feira, dia 12 de Setembro. Acadêmico iniciante Painel (apresentações em Banner) M10 Horário: Tarde OBSERVAÇÃO: ENSALAMENTO Aconselhamos aos participantes que cheguem ao local da apresentação 30 minutos antes do início das apresentações (turno da manhã chegar às 07:30, e turno da tarde chegar às 13:30);

Leia mais

RESUMO INTRODUÇÃO. Braz J Periodontol - September volume 21 - issue 03

RESUMO INTRODUÇÃO. Braz J Periodontol - September volume 21 - issue 03 Braz J Periodontol - September 2011 - volume 21 - issue 03 AVALIAÇÃO DA POSIÇÃO DO FORAME MENTUAL EM RELAÇÃO AOS DENTES E BASE DA MANDIBULA NA RADIOGRAFIA PANORÂMICA CONVENCIONAL Evaluation of the position

Leia mais

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO. Departamento Odontologia

UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO. Departamento Odontologia UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA PROGRAMA DE ENSINO DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome da disciplina Cirurgia e traumatologia bucomaxilofacial II Departamento Odontologia

Leia mais

TABELA DE FRANQUIA - PLANO ODONTOLÓGICO ESSENCIAL - Nº REG. ANS: /17-7. Valor em Reais Diagnóstico

TABELA DE FRANQUIA - PLANO ODONTOLÓGICO ESSENCIAL - Nº REG. ANS: /17-7. Valor em Reais Diagnóstico Diagnóstico 81.000.065 Consulta Odontológica Inicial R$ - Emergência 81.000.049 Consulta odontológica de Urgência 81.000.057 Consulta odontológica de Urgência 24 hs 82.000.468 Controle de hemorragia com

Leia mais

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta?

Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Lesão neurológica pós-bloqueio periférico: qual a conduta? Profa Dra Eliana Marisa Ganem CET/SBA do Depto. de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP BNP - 50.233 lesão neurológica - 12

Leia mais

Profa Dra Lilia de Souza Nogueira Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica - EEUSP

Profa Dra Lilia de Souza Nogueira Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica - EEUSP ENC 240 Enfermagem na Saúde do Adulto e do Idoso em Cuidados Clínicos e Cirúrgicos Controle da Imobilidade: contusão, entorse, distensão, luxação e fratura Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica -

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO ORTOCIRÚRGICA

MOVIMENTAÇÃO ORTOCIRÚRGICA Trabalho original MOVIMENTAÇÃO ORTOCIRÚRGICA DE DENTES ANQUILOSADOS ORTHO SURGICAL MOVIMENTATION OF ANKYLOSED TEETH PAULO RENATO DIAS DA SILVA* PEDRO PAULO DIAS DA SILVA** SILVIO ANTONIO BERTACCHI UVO***

Leia mais

TABELAS DE ODONTOLOGIA

TABELAS DE ODONTOLOGIA TABELAS DE ODONTOLOGIA 710001- Clínico Geral. 01 70110000 Consulta Inicial 178,57 15,00 35,00 50,00 02 70115000 Profilaxia + Raspagem Coronária 90,85 7,63 17,81 25,44 03 73910000 Rest. de Amálgama 1 face

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RECONHECIMENTO DA ANATOMIA DO SEIO MAXILAR EM. EXAMES RADIOGRÁFICOS: relato de caso

RECONHECIMENTO DA ANATOMIA DO SEIO MAXILAR EM. EXAMES RADIOGRÁFICOS: relato de caso RECONHECIMENTO DA ANATOMIA DO SEIO MAXILAR EM EXAMES RADIOGRÁFICOS: relato de caso Wilson Gustavo CRAL 1 Gabriela Moura CHICRALA 2 Ana Lúcia Alvares CAPELOZZA 3 1 Mestre em Estomatologia pela Faculdade

Leia mais

C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: RADIOLOGIA Código: ODO-014 Pré-requisito: ANATOMIA

Leia mais

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes.

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. A Clínica O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. Localizada nas cidades de Fortaleza, Itapipoca e Pentecoste,

Leia mais

Andrea de Castro Dayube; Larissa Pompermayer enilson Pena Neto Segundo

Andrea de Castro Dayube; Larissa Pompermayer enilson Pena Neto Segundo ARTIGO ORIGINAL ISSN 1677-5090 2010 Revista de Ciências Médicas e Biológicas Levantamento das anomalias dentárias de número (supranumerários) em radiografias panorâmicas de um serviço de documentação odontológica

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA

PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA PRINCÍPIOS BÁSICOS PARA INTERPRETAÇÃO RADIOGRÁFICA - CONCEITOS ESSENCIAIS OBJETO RADIOPACO OBJETO RADIOLÚCIDO CONCEITOS ESSENCIAIS LUZ OBJETO TRANSPARENTE OBJETO OPACO I BOA QUALIDADE DA IMAGEM II CONHECIMENTO

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO NA AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE TERCEIROS MOLARES INFERIORES E O CANAL MANDIBULAR

IMPORTÂNCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO NA AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE TERCEIROS MOLARES INFERIORES E O CANAL MANDIBULAR IMPORTÂNCIA DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO NA AVALIAÇÃO DA RELAÇÃO ENTRE TERCEIROS MOLARES INFERIORES E O CANAL MANDIBULAR IMPORTANCE OF CONE-BEAM COMPUTED TOMOGRAPHY IN THE EVALUATION OF

Leia mais

TCC em Re vista FERREIRA, Marília Alves 17. Palavras-chave: dente molar; coroa dentária; dentição permanente; dentição decídua.

TCC em Re vista FERREIRA, Marília Alves 17. Palavras-chave: dente molar; coroa dentária; dentição permanente; dentição decídua. TCC em Re vista 2009 109 FERREIRA, Marília Alves 17. Presença e morfologia do tubérculo molar de acordo com a dentição, hemiarco e sexo. 2009. 8 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Odontologia)

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face.

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Dores na mandíbula e na face. ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Dores na mandíbula e na face. O que é ATM? ATM significa articulação temporomandibular, que é a articulação entre a mandíbula e o crânio. Portanto, temos duas ATM, cada

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO INTEGRADO DE SAÚDE - FACULDADE DE ODONTOLOGIA PPG MESTRADO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO INTEGRADO DE SAÚDE - FACULDADE DE ODONTOLOGIA PPG MESTRADO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO INTEGRADO DE SAÚDE - FACULDADE DE ODONTOLOGIA PPG MESTRADO EM CLÍNICA ODONTOLÓGICA PRISCILA FERREIRA DE ANDRADE AVALIAÇÃO TRIDIMENSIONAL DE TERCEIROS MOLARES

Leia mais

Etiologia, Diagnóstico e Tratamento do Mesiodens Relato de Caso Clínico Atípico

Etiologia, Diagnóstico e Tratamento do Mesiodens Relato de Caso Clínico Atípico Etiologia, Diagnóstico e Tratamento do Mesiodens Relato de Caso Clínico Atípico Etiology, diagnosis and treatment of mesiodens - case report atypical Stephanie de Cássia Carvalho Rocha 1 Bruno LadeiraVidigal

Leia mais

Síndrome de Eagle Relato de Caso

Síndrome de Eagle Relato de Caso Síndrome de Eagle Relato de Caso Walkíria d Oliveira Matheus UFRJ / IHB X ENCONTRO DO AMBULATÓRIO ESCOLA PROF. KAMIL CURI Síndrome de Eagle, conceito: É um conjunto de sintomas e sinais resultante da ossificação

Leia mais

USO DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NAS FRATURAS FACIAIS USE OF TOMOGRAPHY COMPUTADORIZED IN THE FACIAL FRACTURES

USO DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NAS FRATURAS FACIAIS USE OF TOMOGRAPHY COMPUTADORIZED IN THE FACIAL FRACTURES USO DA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA NAS FRATURAS FACIAIS USE OF TOMOGRAPHY COMPUTADORIZED IN THE FACIAL FRACTURES Recebido em 07/01/2004 Aprovado em 23/01/2004 Ana Cláudia Amorim GOMES* Belmiro Cavalcanti

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Divergências de Tratamento do Cisto Dentígero: Revisão Sistemática. Differences in the treatment of a dentigerous cyst: a systematic review

Divergências de Tratamento do Cisto Dentígero: Revisão Sistemática. Differences in the treatment of a dentigerous cyst: a systematic review Recebido em 15/06/2011 Aprovado em 13/10/2011 V12N1 Divergências de Tratamento do Cisto Dentígero: Revisão Sistemática Differences in the treatment of a dentigerous cyst: a systematic review Natália Medella

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO RADIOGRÁFICO DA PNEUMATIZAÇÃO DO TUBÉRCULO ARTICULAR E FOSSA DA MANDÍBULA DO OSSO TEMPORAL, POR MEIO DAS ELIPSOPANTOMOGRAFIAS

TÍTULO: ESTUDO RADIOGRÁFICO DA PNEUMATIZAÇÃO DO TUBÉRCULO ARTICULAR E FOSSA DA MANDÍBULA DO OSSO TEMPORAL, POR MEIO DAS ELIPSOPANTOMOGRAFIAS 16 TÍTULO: ESTUDO RADIOGRÁFICO DA PNEUMATIZAÇÃO DO TUBÉRCULO ARTICULAR E FOSSA DA MANDÍBULA DO OSSO TEMPORAL, POR MEIO DAS ELIPSOPANTOMOGRAFIAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA CONSULTAS 81000073 CONSULTA

Leia mais

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano

DOS TECIDOS BUCAIS. Periodontopatias. Pulpopatias. Periapicopatias TIPOS: -INCIPIENTE -CRÔNICA -HIPERPLÁSICA. Causada pelo biofilme bacteriano LESÕES INFLAMATÓRIAS DOS TECIDOS BUCAIS PERIODONTOPATIAS PERIODONTOPATIAS DOENÇAS DO PERIODONTO Periodontopatias Pulpopatias Periapicopatias Inflamação limitada aos tecidos moles que circundam os dentes(tec.peridentais).

Leia mais

NEURALGIA DO TRIGêMEO. uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real

NEURALGIA DO TRIGêMEO. uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real NEURALGIA DO TRIGêMEO Segundo a IASP ( International Association for Study of Pain ), a DOR é uma experiência sensorial e emocional desagradável, associada a uma lesão real ou em potencial do tecido, ou

Leia mais

EXTENSÕES DOS SEIOS MAXILARES DETECTADAS EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS*

EXTENSÕES DOS SEIOS MAXILARES DETECTADAS EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS* ARTIGO EXTENSÕES DOS SEIOS MAXILARES DETECTADAS EM RADIOGRAFIAS PERIAPICAIS* MAXILLARY SINUS EXTENSION DETECTED BY PERIAPICAL RADIOGRAPHIES Arieta, Luciana Correa** Silva, Mariana Álvares de Abreu e**

Leia mais

EXAMES E DOCUMENTAÇÃO PARA A IMPLANTODONTIA

EXAMES E DOCUMENTAÇÃO PARA A IMPLANTODONTIA 2 EXAMES E DOCUMENTAÇÃO PARA A IMPLANTODONTIA SANTOS, Annie Gabrielle Nabiça Perez Odontologia/ESAMAZ BEZERRA, Francisco de Assis Pinto Economista/UFPA 1 Sinopse Avalia-se a importância dos exames e da

Leia mais

COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS NA REMOÇÃO DE TERCEIROS MOLARES INCLUSOS

COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS NA REMOÇÃO DE TERCEIROS MOLARES INCLUSOS Vol.20,n.1,pp.30-34 (Out - Dez 2014) Revista UNINGÁ Review COMPLICAÇÕES PÓS-CIRURGICAS NA REMOÇÃO DE TERCEIROS MOLARES INCLUSOS COMPLICATIONS IN POST-SURGICAL REMOVAL THIRD MOLAR DAIANA SEGURO¹ *, RENATO

Leia mais

Tratamento cirúrgico radical de terceiro e quarto molares fusionados: Relato de caso

Tratamento cirúrgico radical de terceiro e quarto molares fusionados: Relato de caso 80 Tratamento cirúrgico radical de terceiro e quarto molares fusionados: Relato de caso Luis Eduardo Schneider 1 Paulo Valério Presser Lima 1 Sandro Grasselli 1 Lucas Eduardo Galvagni 2 Alexsandra Quoos

Leia mais

Autogenous transplantation surgery through the immediate technique

Autogenous transplantation surgery through the immediate technique Cirurgia de transplante autógeno pela técnica imediata Autogenous transplantation surgery through the immediate technique Recebido em 13/09/2007 Aprovado em 10/01/2008 Ana Amélia Barbieri I Ana Clara Maria

Leia mais

CISTO DENTÍGERO, UM RELATO DE CASO DENTIGEROUS CYST, A REPORT CASE

CISTO DENTÍGERO, UM RELATO DE CASO DENTIGEROUS CYST, A REPORT CASE CISTO DENTÍGERO, UM RELATO DE CASO DENTIGEROUS CYST, A REPORT CASE Autores: Dr. Reinaldo Jose de Oliveira Coordenador do curso de Especialização em Radiologia Odontogica e Imaginologia na FMU Faculdades

Leia mais

PORTARIA Nº 1,032, DE 5 DE MAIO DE 2010

PORTARIA Nº 1,032, DE 5 DE MAIO DE 2010 PORTARIA Nº 1,032, DE 5 DE MAIO DE 2010 Inclui procedimento odontológico na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses e Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde - SUS, para atendimento

Leia mais

TABELAS DE ODONTOLOGIA

TABELAS DE ODONTOLOGIA TABELAS DE ODONTOLOGIA 710001- Clínico Geral COD PROCEDIMENTO CHO V. PREV. V. IPASGO V. TOTAL 01 70110000 Consulta Inicial 142,85 15,00 35,00 50,00 02 70115000 Profilaxia + Raspagem Coronária 72,00 5,87

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CANINOS E MOLARES INCLUSOS E SUA RELAÇÃO COM A REABSORÇÃO RADICULAR

PREVALÊNCIA DE CANINOS E MOLARES INCLUSOS E SUA RELAÇÃO COM A REABSORÇÃO RADICULAR Edited by Foxit PDF Editor Copyright (c) by Foxit Software Company, 2004 For Evaluation Only. PREVALÊNCIA DE CANINOS E MOLARES INCLUSOS E SUA RELAÇÃO COM A REABSORÇÃO RADICULAR IMPACTED CANINES AND MOLARS

Leia mais

ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS DA UNIODONTO CATARINENSE MARFIM EMPRESARIAL

ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS DA UNIODONTO CATARINENSE MARFIM EMPRESARIAL ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS DA UNIODONTO CATARINENSE MARFIM EMPRESARIAL Produto Nº 463.787/11-9 Edição outubro/2011 - Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS) Essa tabela é

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca!

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca! ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Periodontite. Sua saúde começa pela boca! O que é doença periodontal ou periodontite? ESMALTE DENTINA GENGIVAS POLPA PERIODONTITE OSSO ALVEOLAR CEMENTO NERVOS E VASOS

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS

CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS INAPÓS - Faculdade de Odontologia e Pós Graduação DISCIPLINA DE PERIODONTIA CLASSIFICAÇÃO E EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS PERIODONTAIS Parte II Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira http://lucinei.wikispaces.com

Leia mais

Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XIX Setembro de papaizassociados.com.

Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XIX Setembro de papaizassociados.com. Assessoria ao Cirurgião Dentista Publicação mensal interna da Papaiz edição XIX Setembro de 2016 Dr. André Simões, radiologista da Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem 11 3894 3030 papaizassociados.com.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CCS ODT - CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA P L A N O D E E N S I N O DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Semestre: 2011/2 Nome da disciplina ODT - 7121 Departamento

Leia mais

*** Iane Souza Nery Silva Titulação: * Especialista. ** Cirurgiã Dentista, Especialista em Endodontia. *** Mestre.

*** Iane Souza Nery Silva   Titulação: * Especialista. ** Cirurgiã Dentista, Especialista em Endodontia. *** Mestre. C U R S O O D O N O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Radiologia Código: - Pré-requisito: Anatomia II: Cabeça

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, ETIOLOGIA, SINTOMATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE CÁLCULOS EM GLÂNDULAS SALIVARES: UMA REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA

DESENVOLVIMENTO, ETIOLOGIA, SINTOMATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE CÁLCULOS EM GLÂNDULAS SALIVARES: UMA REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA DESENVOLVIMENTO, ETIOLOGIA, SINTOMATOLOGIA, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE CÁLCULOS EM GLÂNDULAS SALIVARES: UMA REVISÃO CRÍTICA DA LITERATURA José Lucas Soares Ferreira 1 ; Abrahão Alves de Oliveira Filho

Leia mais

RESUMO ABSTRACT ISSN Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo 2016; 28(2): 101-9,mai-ago

RESUMO ABSTRACT ISSN Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo 2016; 28(2): 101-9,mai-ago AVALIAÇÃO DA LOCALIZAÇÃO DE CANINOS SUPERIORES NÃO IRROMPIDOS EM RADIOGRAFIAS PANORÂMICAS DIGITAIS RADIOGRAPHIC LOCALIZATION OF UNERUPTED MAXILLARY CANINE Lirêda Assunção Sousa * Elis Janaina Lira dos

Leia mais

O referido processo de seleção seguirá as seguintes instruções:

O referido processo de seleção seguirá as seguintes instruções: EDITAL SELEÇÃO DE CANDIDATOS AO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCO MAXILO FACIAIS DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EVANGÉLICO DE CURITIBA. O Serviço de Cirurgia e Traumatologia Buco Maxilo

Leia mais

ODONTOMA COMPOSTO COMO FATOR DE RETENÇÃO DENTÁRIA - RELATO DE CASO CLÍNICO

ODONTOMA COMPOSTO COMO FATOR DE RETENÇÃO DENTÁRIA - RELATO DE CASO CLÍNICO ODONTOMA COMPOSTO COMO FATOR DE RETENÇÃO DENTÁRIA - RELATO DE CASO CLÍNICO Dario GCS 1, Santos GLF 2, Canettieri ACV 3,Picosse LR4 4 1 UNIVAP- Universidade do Vale do Paraíba,Curso de Odontologia, 2 Av.

Leia mais

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Data: 20/08/2014. Resposta Técnica 01/2014. Medicamento Material Procedimento X Cobertura Resposta Técnica 01/2014 Solicitante: Dr. Renato Dresch Juiz de direito Nº Processo: 9010665.22.2014.813.0024 Ré: Unimed de Belo Horizonte Data: 20/08/2014 Medicamento Material Procedimento X Cobertura

Leia mais

Caderno de Prova. Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilo-facial

Caderno de Prova. Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilo-facial Prefeitura Municipal de Joinville Hospital Municipal São José Processo Seletivo para Odontólogo Residente 2010/2011 Edital n o 02/2010 http://hmsj.fepese.org.br Caderno de Prova novembro 23 23 de novembro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CIRURGIA E TRAUMATOLOGIA BUCOMAXILOFACIAL MÉTODOS DE FIXAÇÃO DE FRATURAS DE ÂNGULO MANDIBULAR: REVISÃO DE LITERATURA

Leia mais

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA PROXIMIDADE DAS RAÍZES DOS MOLARES COM O NERVO ALVEOLAR INFERIOR

ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA PROXIMIDADE DAS RAÍZES DOS MOLARES COM O NERVO ALVEOLAR INFERIOR ARTIGO ANÁLISE RADIOGRÁFICA DA PROXIMIDADE DAS RAÍZES DOS MOLARES COM O NERVO ALVEOLAR INFERIOR RADIOGRAPHIC ANALYSIS OF THE PROXIMITY OF THE MOLAR ROOTS TO THE INFERIOR ALVEOLAR NERVE Batista, Paulo Sérgio*

Leia mais

CIRURGIAS PERIODONTAIS

CIRURGIAS PERIODONTAIS CIRURGIAS PERIODONTAIS Classificação das Técnicas Cirúrgicas empregadas em Periodontia I Quanto à área a ser atingida: - Gengivais - Periodontais - Mucogengivais II Quanto à intenção: - eliminação de bolsas

Leia mais

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura

Traumatologia Infantil. O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura O Esqueleto da Criança Não É O Esqueleto do Adulto em Miniatura Formação do Osso e Ossificação Esboço Cartilaginoso Pontos de Ossificação Primária Pontos de Ossificação Secundária Formação da Epífise

Leia mais

TABELA DE COBERTURA 01. DIAGNÓSTICO

TABELA DE COBERTURA 01. DIAGNÓSTICO Garante a manutenção da estética de seu sorriso e a funcionalidade de sua mastigação, através de acesso a todos os tratamentos do PLANO MASTER, além de coberturas exclusivas ARM como clareamento dentário,

Leia mais

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz

Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz 1 2 3 Procedimentos Cirúrgicos de Interesse Protético/Restaurador - Aumento de Coroa Clínica - Prof. Luiz Augusto Wentz Aumento de Coroa Clínica Qualquer procedimento (cirúrgico ou não-cirúrgico) que vise

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL INTERPRETAÇÃO DE IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Na imagem radiográfica de um dente íntegro todas as partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Agora começamos

Leia mais

TABELA DE PROCEDIMENTOS UNIODONTO - Catarinense Produto ANS nº: e BRILHANTE INTEGRAL OPERACIONAL

TABELA DE PROCEDIMENTOS UNIODONTO - Catarinense Produto ANS nº: e BRILHANTE INTEGRAL OPERACIONAL TABELA DE PROCEDIMENTOS UNIODONTO - Catarinense Produto ANS nº: 463.788.11.7 e 463.720.11.8 BRILHANTE INTEGRAL OPERACIONAL Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição janeiro/2014 - Terminologia Unificada da

Leia mais

O uso da tomografia computadorizada multislice como meio auxiliar no diagnóstico do Ameloblastoma: relato de um caso clínico

O uso da tomografia computadorizada multislice como meio auxiliar no diagnóstico do Ameloblastoma: relato de um caso clínico O uso da tomografia computadorizada multislice como meio auxiliar no diagnóstico do Ameloblastoma: relato de um caso clínico The use of multislice computed tomography as an aid in the diagnosis of ameloblastoma:

Leia mais

MORDIDAS CRUZADAS. Etiologia

MORDIDAS CRUZADAS. Etiologia MORDIDAS CRUZADAS Mordida Cruzada é uma alteração da oclusão dentária normal, no sentido ântero-posterior para os dentes anteriores, ou no sentido transversal para os dentes posteriores. Etiologia Baseia-se

Leia mais

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 18. MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 18 MIOMAS SUBMUCOSOS: ESTADIAMEnTOS PARA TRATAMEnTO HISTEROSCÓPICO 1. INTRODUçãO Leiomiomas uterinos são os tumores mais frequentes do trato genital feminino, clinicamente aparentes em 25% das

Leia mais

IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA

IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA IMAGENS DA ANATOMIA RADIOGRÁFICA DA MAXILA O exame radiográfico periapical para avaliação dos dentes e estruturas da maxila permite a observação de imagens de estruturas anatômicas, características de

Leia mais