Caracterização geológico-estrutural de uma pedreira de dolerito com aplicação de prospecção geofísica e análise estrutural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caracterização geológico-estrutural de uma pedreira de dolerito com aplicação de prospecção geofísica e análise estrutural"

Transcrição

1 Versão online: Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: X; e-issn: X Caracterização geológico-estrutural de uma pedreira de dolerito com aplicação de prospecção geofísica e análise estrutural Geological and structural characterization of a dolerite quarry with geophysical prospecting and structural analysis J. A. M. Duarte 1,2*, F. P. O. Figueiredo 2, M. J. M. F. Mira 3 Artigo Curto Short Article 2014 LNEG Laboratório Nacional de Geologia e Energia IP Resumo: Com este estudo construiu-se um modelo geológicoestrutural para o dolerito da pedreira, tendo como objectivo principal a avaliação de reservas possíveis e planificação do futuro desmonte da pedreira. Foi feita a prospecção geológica do dolerito aflorante de modo a poder avaliar a disposição e relação espacial das litologias e fracturação, as principais orientações e frequência da fracturação, e a relação destes parâmetros com o plano de lavra das explorações existentes. Depois da conclusão desta fase fez-se o planeamento dos trabalhos de prospecção geofísica, de modo a obter informação em profundidade do corpo do dolerito. Os levantamentos geofísicos efetuados, com recurso ao método electromagnético no domínio tempo, permitiram definir localmente, zonas com maior potencial para exploração, tendo em conta as características geológicas e estruturais do maciço rochoso. Foram efectuadas 8 sondagens mecânicas e 15 sondagens de prospecção electromagnética, na área abrangida pela pedreira, de modo a localizar o enraizamento do corpo doleritico. Com a interpretação das 15 sondagens geofísicas foram construídos perfis que permitiram verificar que o corpo doleritico tem uma geometria tipo soleira com uma espessura máxima de aproximadamente 16 m, sendo as reservas de matéria-prima associadas à soleira relativamente pequenas, havendo no entanto algumas reservas consideráveis associadas ao corpo principal, que foi identificado em profundidade. Palavras-chave: Pedreira, Dolerito, Prospecção geofísica, Método electromagnético, Modelação geológica-estrutural. Abstract: With this study a geological - structural model for the studied quarry was built, having the assessment of possible reserves and planning for the future dismantling of the quarry as its main objective. Geological exploration of the outcropping dolerite was made in order to assess the layout and spatial relationship of lithology and fracturing, the fracture main orientation and frequency and the relationship of these parameters with the mining plan of the existing explorations. After completing this phase, the planning work of geophysical prospecting was carried out, in order to obtain in-depth information from the dolerite. The geophysical survey performed, using the time-domain electromagnetic method, allowed the definition of areas with the highest potential for exploitation, taking into account the geological and structural characteristics of the rock mass. Fifteen electromagnetic soundings, regularly spaced in the area covered by the quarry, were made in order to find the dolerite roots. The geophysical profiles interpretation pointed out that the dolerite body has sill geometry with a maximum thickness of approximately 16 m, with relatively small reserves of raw materials associated with the sill. Even so there are some important reserves associated to the main body, which was identified in depth. To confirm the data obtained with the geophysical surveys, eight drills were performed. Keywords: Quarry, Dolerite, Geophysical prospecting, Electromagnetic method, Geological and structural modeling. 1 IQGeo Serviços, Lda. 2 Centro de Geociências, UC e Departamento de Ciências da Terra, F.C.T.U.C. 3 Maria Mira Consultores, Lda. * Autor correspondente / Corresponding author: 1. Caracterização física da área de estudo 1.1. Localização geográfica A área de estudo, corresponde à pedreira da Jobasaltos, Extracção e Britagem, S.A., situa-se em Casais Gaiola, freguesia de Landal, concelho das Caldas da Rainha, distrito de Leiria (Fig. 1). A área que serve de objeto de estudo, encontra-se referenciada na Carta Geológica de Portugal, folha 30-B, na escala 1: (Fig. 1) Caracterização geológica A actividade ígnea de natureza transicional que ocorre na Bacia Lusitanica, bacia sedimentar que se desenvolveu na Margem Ocidental Ibérica (MOI) durante parte do Mesozóico, é representada por afloramentos intrusivos na forma de domas e filões que se distribuem ao longo dos alinhamentos oriental e ocidental que a limitam e ainda pelos associados às estruturas diapíricas (Kullberg et al., 2006). O local onde foi efetuado o estudo, situa-se no complexo vulcânico da Serra de Todo-o-Mundo que é constituída por um sill ou por um derrame lávico (?) em relação possível com uma chaminé. O dolerito aflorante, mostra nitidamente estrutura ofítica, por vezes grosseira estando implantado nos arenitos jurássicos. Na área, desenvolve-se um complexo de conglomerados, de grés e de argilas de cores diversas (Zbyszewski et al., 1966) (Fig. 1).

2 772 J. A. M. Duarte et al. / Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, Verifica-se, em alguns locais da pedreira, que existem rochas doleríticas intercaladas em arenitos argilosos e argilas, que evidenciam algum metamorfismo de contacto. Embora a rocha aflorante e explorada na pedreira seja um dolerito, esta é vulgarmente designada por basalto (nome comercial) Caracterização das estruturas A evolução tectónica da Bacia Lusitanica foi condicionada por falhas que se formaram durante o episódio de gracturação tardi-varisca aproximadamente entre os 300 e os 280 M.a. Este episódio tardi-orogénico resulta de imposição de regime de cisalhamento direito à micro-placa ibérica nos seus paleolimites E-W setentrional e meridional, dos quais resultariam as falhas de desligamento esquerdo de direcção aproximada NNE-SSW a NE-SW. Outras falhas orogénicas variscas de orientação N-S (falha de Porto-Tomar) e NW-SE foram também importantes na estruturação da Bacia Lusitânica (Kullberg et al., 2006). Do conhecimento actual da cartografia geológica, verifica-se que o complexo vulcânico é atravessado por vários acidentes tectónicos com orientação NW-SE e NE- SW. No terreno, para além das disjunções prismáticas, características destas estruturas, são identificáveis falhas com orientação E-W e atitude subvertical, bem como as falhas cartografadas e referidas. Não foram identificados critérios de movimento (espelho de falha, estrias de atrito, mudança brusca de litotipos) que permitissem caracterizar como estes acidentes controlam a massa mineral em análise. Fig. 1. Localização geográfica geral da área de estudo. Carta Administrativa Oficial de Portugal no mapas.igeo.pt. (consultado em 08/03/2014) e enquadramento da área de estudo no excerto da Carta Geológica de Portugal, folha 30-B Bombarral. Carta geológica simplificada na escala 1: Fig. 1. General geographic location of the study area. Official Administrative Map of Portugal on mapas.igeo.pt. (accessed on the 08/03/2014) and framework of the study area in excerpt of the Carta Geológica de Portugal, folha 30-B Bombarral. Simplified geological map, at the scale 1: Levantamento geofísico e sondagens mecânicas Para a realização deste levantamento foi utilizado o método eletromagnético, no domínio tempo, com a realização de 15 sondagens estrategicamente posicionadas (Fig. 2), de modo a abranger toda a área estudada, com aproximadamente 5,5ha, e contribuir para esclarecer as dúvidas existentes quanto à geometria e desenvolvimento da estrutura doleritica em profundidade (IQGeo, 2012). A utilização de métodos eletromagnéticos no domínio do tempo está, de uma forma geral, direcionada para o estudo da prospecção mineira de depósitos minerais profundos, fornecendo bons resultados na determinação da sua geometria e desenvolvimento vertical e horizontal. Neste método, o campo primário é gerado em pulsos da ordem dos milissegundos, é posteriormente desligado e o campo secundário induzido no subsolo é então medido. No entanto, é possível a utilização de apenas uma antena

3 Caracterização geológico-estrutural de dolerito 773 ( loop ) quer para a indução quer para a deteção do campo induzido, tornando os trabalhos de campo relativamente expeditos (Correia et al., 2010). A intensidade do campo magnético transmitido é função do número de espiras, da intensidade de corrente que circula na bobine, bem como da área da antena ou loop transmissor. Verifica-se que a propagação do campo transiente é função destas variáveis, em particular da condutividade elétrica uma vez que a variabilidade da permeabilidade magnética é baixa para a generalidade dos materiais geológicos podendo, no entanto, ser fator determinante na obtenção de modelos fidedignos particularmente em meios cuja mineralogia esteja associada a elementos metálicos. Esta técnica, permite a detecção e localização de formações que exibam valores de resistividade contrastantes com os do restante meio geológico (AEMR, 2007), condições essas que se encontram no local em estudo e que já foram aplicadas no estudo de outros doleritos (Cruz et al., 2010). Os levantamentos geofísicos foram realizados com um equipamento TEM FAST - 48 HPC (AEMR, 2007) e para a georreferenciação dos dados dos levantamentos e topografia do terreno utilizou-se um GPS Ashtech MobileMapper 100. Foram utilizadas antenas com geometria quadrada, com dimensões a variar entre os 10 e 25m. Essa diferença de dimensões foi devida às condicionantes físicas existentes no terreno. No entanto, sempre que possível foram utilizadas antenas com a maior dimensão, de modo a aumentar a profundidade de investigação A campanha de prospecção geofísica permitiu selecionar os melhores locais para a realização de uma campanha de oito sondagens mecânicas (MMC, 2012). Essas sondagens mecânicas permitiram confirmar alguns pormenores estruturais levantados pela campanha de prospecção geofísica e esclarecer algumas dúvidas, bem como utilizar essa informação para o ajuste do modelo geofísico. As oito sondagens mecânicas destrutivas foram efetuadas com uma perfuradora existente na pedreira, para identificação das litologias, estado de alteração e nível freático. Fig. 2. Localização das sondagens electromagnéticas, sondagens mecânicas, e falhas interpretadas (linha tracejada branco), adaptada de MMC. Fig. 2. Location of electromagnetic surveys, mechanical surveys, and interpreted faults (white dashed line), adapted from MMC.

4 774 J. A. M. Duarte et al. / Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, Resultados obtidos Para o processamento de dados, representação das superfícies topográficas, construção das secções de resistividade e modelação 3D utilizaram-se os suportes informáticos ArcGIS 10 da ESRI, RockWorks 15 e TEM-RES-WIN (IQGeo, 2012). Para o efeito, o algoritmo utilizado na modelação 3D, no RockWorks 15, foi a ponderação direcional ( Directional Weighting ), algoritmo esse que proporciona uma aproximação mais fidedigna do modelo à realidade. Dos 15 locais onde foram realizados levantamentos geofísicos, TEM 1 a TEM 15, foram elaborados perfis 2D e um modelo 3D interpretativo da disposição geológico-estrutural do maciço, elaborados a partir dos valores obtidos através da inversão no TEM-RES-WIN (AEMR, 2009), utilizando o RockWorks 15. O ajuste da modelação, foi possível através da combinação de dados da informação recolhida pelas sondagens mecânicas e dos dados das sondagens eletromagnéticas. Da análise das sondagens mecânicas efetuadas, com uma profundidade média de 25 metros, foi possível definir as litologias, nível freático e correlação espacial entre elas (MMC, 2012). Com a informação das sondagens mecânicas e das sondagens eletromagnéticas construíram-se as secções de resistividade, que mostram a disposição dos diversos tipos litológicos presentes, assim como a sua relação espacial. Os modelos 2D, permitiram numa primeira análise, definir a disposição espacial do dolerito, e a fracturação associada. A litologia correspondente ao dolerito, com valores de resistividade acima dos 800 ohm.m, foi assinalada com uma elipse, apresenta uma configuração descontínua, resultante das estruturas tectónicas existente, estando assinaladas com uma linha tracejada, nas figuras refentes às secções de resistividade. Os valores de resistividade que variam entre 10ohm.m e 800 ohm.m, corresponderam as litologias circundantes à intrusão doleritica e à escombreira da pedreira. Verifica-se que associado às descontinuidades do dolerito, em profundidade existe uma zona bem definida de resistividades inferior a 10ohm.m, correspondente a uma estrutura geológica bastante alterada, com direção aproximada N70ºE, e que foi confirmada pelas observações de campo. Esta estrutura está assinalada, nos perfis, com uma elipse a tracejado. Os dados obtidos na inversão, foram posteriormente tratados no RockWorks 15, obtendo-se uma modelação geológico-estrutural 3D (Figs. 3 a), b), c,)). Na verdade, a interpretação dos perfis de TEM, são interpretações 1D interpoladas em 2D e 3D. Para melhor efeito de visualização das estruturas descritas, foram construídos vários modelos com intervalos de resistividade e perspetivas diferentes. O modelo 3a) foi construído para valores superiores a 800 ohm.m e com perspetiva N-S. O modelo 3b) foi construído para valores superiores a 400 ohm.m e com perspetiva N-S. Por último, o modelo 3c) foi construído para valores superiores a 100 ohm.m e com perspetiva N-S. Da integração dos dados de 2D, 3D, sondagens mecânicas e dados de campo, obteve-se um modelo 3D onde se pode observar a disposição do dolerito em relação às litologias circundantes, assim como as falhas que estão na origem desta configuração (Fig. 4). Fig. 3. a) Modelo 3D, com valores de resistividade acima de 800 ohm.m, Direção N-S, b) Modelo 3D com valores de resistividade acima de 400 ohm.m, Direção N-S, c) Modelo 3D com valores de resistividade acima de 100 ohm.m, Direção N-S. Fig. 3. a) 3D model with resistivities above 800 ohm.m, N-S direction, b) 3D model with resistivities above 400 ohm.m, N-S direction, c) 3D model with resistivity values above 100 ohm.m Directing N-S.

5 Caracterização geológico-estrutural de dolerito 775 Fig. 4. Modelo 3D, com projecção da fracturação e relação espacial com o afloramento. Direção N-S. Fig. 4. 3D Model with projection of fracturing and spatial relationship to the outcrop. N-S direction. 4. Considerações finais A integração dos dados da prospecção electromagnética, sondagens mecânicas e observações de campo, permitiram construir um modelo geológico-estrutural que reflete o modelo das estruturas geológicas e que foi confirmado por informações sobre o desenvolvimento da exploração da pedreira. A disposição do dolerito, na área estudada, apresenta uma configuração tipo soleira (Fig. 4), com uma espessura máxima de aproximadamente 16m, que se prolonga entre as sondagens TEM1 à TEM 14. Na parte mais a Este da pedreira (TEM 10 a TEM 1) o dolerito é aflorante ao contrário do que se verifica a Oeste (TEM 11 a TEM 15), e que se encontra a uma profundidade superior a 10m, como se pode observar na sondagem TEM 12, e à profundidade de 30m, na TEM 13 e TEM14. Esta soleira está bastante fraturada (Fig. 4 (linha tracejada a negro)), apresentando mesmo um elevado grau de alteração, podendo essa estrutura ser encontrada a diferentes profundidades, em várias sondagens, sendo esse facto explicado pela tectónica regional. O afloramento do corpo principal encontra-se a Oeste, TEM 13 e TEM14, a partir do qual se desenvolve a soleira da estrutura doleritica. Para trabalhos futuros no desenvolvimento da exploração da pedreira, as reservas de matéria-prima associadas à soleira, são relativamente pequenas, dada a sua disposição e espessura, havendo no entanto algumas reservas consideráveis associadas ao corpo principal. A profundidade a que se encontra este corpo pode é uma das condicionantes à viabilidade técnica e económica da sua exploração. Agradecimentos Agradecemos à Sra. Fernanda Batista e ao Sr. João Carlos Batista, sócios da Jobasaltos, Extracção e Britagem, S.A, pela empenho e disponibilidade demostrada, durante a execução dos trabalhos de campo, assim como a autorização para a publicação dos dados. Os trabalhos de campo e de gabinete, que permitiram a elaboração deste estudo, foram realizados no âmbito da Bolsa de Investigação com a referência SFRH / BDE / / 2011, financiada pelo POPH - QREN - Tipologia Formação Avançada, comparticipado pelo Fundo Social Europeu e por fundos nacionais do MEC e pela IQGeo-Serviços,Lda. Referências Cruz, R.J.L., Machadinho, A., Correia, C.G., Figueiredo, F.P.O., Estudo preliminar da geometria do dolerito de Outeiro (Soure), pelo método electromagnético no domínio do tempo. Geosciences On-line Journal, 10(7), 3p. Correia, C.G., Cruz, R.J.L., Figueiredo, F.P.O., Azevedo, J.M.M., Rodrigues, N.V., Resultados de prospecção electromagnética nos domínios frequência e tempo. Caso de estudo: Montouro (Cantanhede). Anais do 10º Congresso da Água, APRH, Alvor, Portugal. Comunicação 116, CD-ROM, 16 p. Kullberg, J.C., Rochas, R.B., Soares, A.F., Rey, J., Terrinha, P., Callapez, P., Martins, L., A Bacia Lusitaniana: Estratigrafia, Paleogeografia e Tectónica. In: R. Dias, A. Araújo, P. Terrinha, J. C. Kullberg, (Eds). Geologia de Portugal no contexto da Ibéria. Univ. Évora, p. Zbyszewski, G., Veiga Ferreira, O., Manuppella, G., Assunção, C.F.T., Carta Geológica de Portugal, folha 30-B, Bombarra na escala 1: Notícia explicativa da Folha 30- B, Bombarral. Serviços Geológicos de Portugal, Lisboa, 22 p. AEMR, Manual TEM-FAST48HPC. Version 7.3. Applied Electromagnetic Research (AEMR), The Netherlands. AEMR, Manual TEM-RESEARCHER. Version 7. Applied Electromagnetic Research (AEMR), The Netherlands. IQGeo, Relatório de prospecção geofísica. Maria Mira Consultores, Lda. MMC, Relatório de sondagens mecânicas destrutivas. Jobasaltos, SA.

de Susceptibilidade Geotécnica

de Susceptibilidade Geotécnica II Congresso Internacional de Riscos 24-25 Maio 2010, Coimbra Classificação de Susceptibilidade Geotécnica João Narciso 1, Pedro Santarém Andrade 2 1 Instituto de Engenharia de Estruturas, Território e

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

F. Raquel R. F. Sousa

F. Raquel R. F. Sousa F. Raquel R. F. Sousa Geologia Aplicada e do Ambiente Geologia Hidrologia Hidrogeologia SIG Arcgis 9.3 10 Morada Data de nascimento Telemóvel E-mail Skype Rua Filipe da Mata, nº 26, 1º direito, 1600 071

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10)

SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) SISTEMA AQUÍFERO: S. JOÃO DA VENDA QUELFES (M10) Figura M10.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero S. João da Venda-Quelfes Sistema Aquífero: S. João da Venda-Quelfes (M10) 531 Identificação

Leia mais

O DESLIZAMENTO DA FONTE NOVA (ALCOBAÇA). CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E RISCOS ASSOCIADOS.

O DESLIZAMENTO DA FONTE NOVA (ALCOBAÇA). CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E RISCOS ASSOCIADOS. TEMA VII RISCOS NATURAIS 1/8 Versão CD - ComVII-5.pdf O DESLIZAMENTO DA FONTE NOVA (ALCOBAÇA). CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLÓGICA E RISCOS ASSOCIADOS. Rodrigues, M. L. E Zêzere, J. L. 1 RESUMO O movimento de

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica

Thirteenth International Congress of the Brazilian Geophysical Society. Copyright 2013, SBGf - Sociedade Brasileira de Geofísica Aplicação da Eletrorresistividade na avaliação de viabilidade de empreendimentos imobiliários Georgia Castro*¹, Debora Carvalho¹ and Rodrigo Machado², Geofisica Consultoria¹, AltaResolução² Copyright 2013,

Leia mais

PROSPECÇÃO, AVALIAÇÃO, MODELAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE JAZIGOS DE DIAMANTES. dos rios e savanas angolanas às selvas dos mercados

PROSPECÇÃO, AVALIAÇÃO, MODELAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE JAZIGOS DE DIAMANTES. dos rios e savanas angolanas às selvas dos mercados PROSPECÇÃO, AVALIAÇÃO, MODELAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE JAZIGOS DE DIAMANTES dos rios e savanas angolanas às selvas dos mercados Modelação da favorabilidade de ocorrência de jazigos primários e secundários de

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS

IMAGENS 3D DE POÇOS PETROLÍFEROS Copyright 2005, Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnico Científico foi preparado para apresentação no 3 Congresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, a ser realizado no período

Leia mais

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA

RESISTIVIDADE ELÉCTRICA RESISTIIDADE ELÉCTRICA A resistência eléctrica de um material é expressa pela sua resistividade eléctrica. Se a resistência entre as faces opostas de um corpo condutor de comprimento L e secção uniforme

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais?

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais? Trabalho de campo Biologia e Geologia Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem Onde Vais? Batida do grande mar, tendo à direita a bonançosa baía de Buarcos e à esquerda os rochedos em que assenta o castelo

Leia mais

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA

CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA 47 CAPÍTULO 4 GEOLOGIA ESTRUTURAL DA ÁREA Este capítulo se refere ao estudo das estruturas geológicas rúpteis e do resultado de sua atuação na compartimentação morfoestrutural da área. Para tanto, são

Leia mais

Escola Secundária da Baixa da Banheira. Ano lectivo 2009/2010. Geologia 12º ano

Escola Secundária da Baixa da Banheira. Ano lectivo 2009/2010. Geologia 12º ano Escola Secundária da Baixa da Banheira Ano lectivo 2009/2010 Geologia 12º ano Escola Secundária da Baixa da Banheira A nossa turma... 2 Geologia 12º ano 2009/2010 Índice Classificação 4 Descrição em amostra

Leia mais

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA*

SUELI YOSHINAGA * LUCIANA MARTIN RODRIGUES FERREIRA ** GERALDO HIDEO ODA* REGINALDO ANTONIO BERTOLO *** MARA AKIE IRITANI* SEIJU HASSUDA* CARTA ORIENTATIVA AO USUÁRIO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA: UMA PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO CARTOGRÁFICA DE ESTUDOS HIDROGEOLÓGICOS PARA O PLANEJAMENTO TERRITORIAL - REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS, SÃO PAULO, BRASIL.

Leia mais

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba.

Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Aplicação de geoprocessamento na avaliação de movimento de massa em Salvador-Ba. Campos, L. E. P. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, ledmundo@ufba.br Miranda, S. B. UFBA, Salvador, Bahia, Brasil, sbmiranda@gmail.com

Leia mais

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2)

Autores: Roberto Okabe (1) e Debora S. Carvalho (2) A UTILIZAÇÃO DO GEORADAR (GPR) COMO FERRAMENTA DE ENSAIO NÃO DESTRUTIVO (END) PARA LOCALIZAÇÃO DA MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO E VERIFICAÇÃO DA ESPESSURA DO CONCRETO NUM BLOCO TESTE Autores: Roberto Okabe

Leia mais

CALCÁRIOS ORNAMENTAIS DE OLHO MARINHO (CONCELHO DE ÓBIDOS) - RELATÓRIO -

CALCÁRIOS ORNAMENTAIS DE OLHO MARINHO (CONCELHO DE ÓBIDOS) - RELATÓRIO - CALCÁRIOS ORNAMENTAIS DE OLHO MARINHO (CONCELHO DE ÓBIDOS) - RELATÓRIO - 1. INTRODUÇÃO O presente relatório visa dar conta dos resultados obtidos por um reconhecimento de campo realizado na freguesia de

Leia mais

Modelagem Litológica do Maciço de Fundação da Barragem de Itaipu

Modelagem Litológica do Maciço de Fundação da Barragem de Itaipu Modelagem Litológica do Maciço de Fundação da Barragem de Itaipu Josiele Patias Itaipu Binacional, Foz do Iguaçu, Brasil, josielepatias@gmail.com / jpatias@itaipu.gov.br Diane Ubiali Malacrio Centro de

Leia mais

Métodos computacionais

Métodos computacionais Métodos computacionais Métodos Computacionais: Dependem de computadores para o cálculo de recurso/reserva e fazem uso de funções matemática de interpolação, as quais são aplicadas para o cálculo de teor

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Prospecção de PEGMATITOS LITINÍFEROS

Prospecção de PEGMATITOS LITINÍFEROS Mini-Fórum CYTED-IBEROEKA LNEG (auditório de Alfragide) 26 e 27 de Maio de 2011 A MODELAÇÃO GEOLÓGICA GICA 3D como ferramenta de apoio na Prospecção de PEGMATITOS LITINÍFEROS António Miguel P. J. Ferreira

Leia mais

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ Farias, R.N.S Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, Brasil, nonato@rdc.puc-rio.br

Leia mais

RELATÓRIO FINAL (Bolseiros) FINAL REPORT FORM (Fellowships)

RELATÓRIO FINAL (Bolseiros) FINAL REPORT FORM (Fellowships) UNIVERSIDADE DE évora Largo dos Colegiais, N.º 2 Apartado 94 7002-554 ÉVORA PORTUGAL Telefone (telephone): ++351.266.740872/3 Fax: ++351.266.740804 Mail: gia@uevora.pt Internet: http://www.uevora.pt RELATÓRIO

Leia mais

ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA. Março 2016

ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA. Março 2016 ACTIVIDADES GELÓGICO-MINEIRA Março 2016 ÍNDICE I- INTRODUÇÃO II- TIPOS DE DEPÓSITOS III- IGM Levantamento Geológico Reconhecimento Pesquisa Prospecção Avaliação IV- OPERAÇÕESMINEIRAS Exploração Tratamento

Leia mais

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 839-846. 1. INTRODUÇÃO

Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 839-846. 1. INTRODUÇÃO Anais XI SBSR, Belo Horizonte, Brasil, 05-10 abril 2003, INPE, p. 839-846. USO DA IMAGEM SPOT NO AUXILIO DO ESTUDO GEOESTATÍSTICO PARA CARACTERIZAÇÃO DO SUBSOLO DO MUNICIPIO DE CAMPOS DOS GOYTACAZES RAIMUNDO

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

ASPECTOS GEOLÓGICOS E MORFOLÓGICOS DA SERRA DA ARRÁBIDA

ASPECTOS GEOLÓGICOS E MORFOLÓGICOS DA SERRA DA ARRÁBIDA ASPECTOS GEOLÓGICOS E MORFOLÓGICOS DA SERRA DA ARRÁBIDA M. L. Ramalho Escola Secundária c/ 3C Manuel Cargaleiro, Amora, Seixal (leonor.ramalho@gmail.com) Resumo A Península de Setúbal, constituída por

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental APLICAÇÃO DA GEOMÁTICA PARA DEFINIÇÃO DE MODELOS GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO TRIDIMENSIONAL Alexandre Cerqueira de Jesus ; Talita Caroline Miranda

Leia mais

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1

Bruno Rafael de Barros Pereira 1 Venerando Eustáquio Amaro 1,2 Arnóbio Silva de Souza 1 André Giskard Aquino 1 Dalton Rosemberg Valentim da Silva 1 Análise de dados orbitais multitemporais para avaliação de linha de costa nas áreas adjacentes ao município de Areia Branca/RN, com enfoque na região próxima ao estuário do Rio Apodí-Mossoró. Bruno Rafael

Leia mais

Avaliação do património geológico em áreas com indústria extrativa do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

Avaliação do património geológico em áreas com indústria extrativa do Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial III, 1303-1307 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Avaliação

Leia mais

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG.

AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. AS REDES COMO UM MODELO DE DADOS GEOGRÁFICO EM EVOLUÇÃO: CASO PRÁTICO NUM SIG. Carla Vaz Paulo 1 1. INTRODUÇÃO O rápido desenvolvimento urbano nas duas últimas décadas, desencadeou um elevado crescimento

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Fernanda Almeida Executiva de Contas Janaína Gattermann Pereira Geóloga José Luis Ando Geólogo Agenda - O que é Geoquímica? - Geociências e Exploração

Leia mais

O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP)

O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP) O CONTATO ENTRE AS FORMAÇÕES PIRAMBÓIA E BOTUCATU NA ÁREA DE RIBEIRÃO PRETO (SP) Marcos MASSOLI 1 & Maria Rita CAETANO-CHANG 2 (1) Departamento Estadual de Proteção dos Recursos Naturais, Secretaria do

Leia mais

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva.

Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de forma objectiva. Ficha de trabalho Biologia e Geologia - 10º Ano A Geologia, os geólogos e os seus métodos I Nome: N º: Turma: Data: Professor: Encarregado(a) de Educação: Lê toda a informação com atenção e responde de

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014.

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO VOÇOROCAMENTO URBANO EM RANCHARIA-SP DE 1962 A 2014. Alyson Bueno Francisco 1 Resumo Este trabalho visa apresentar

Leia mais

MODELAGEM E LAVRA DE DEPOSITOS DE BENTONITA DA REGIÃO DE BOA VISTA, PARAIBA.

MODELAGEM E LAVRA DE DEPOSITOS DE BENTONITA DA REGIÃO DE BOA VISTA, PARAIBA. MODELAGEM E LAVRA DE DEPOSITOS DE BENTONITA DA REGIÃO DE BOA VISTA, PARAIBA. Tumkur Rajarao Gopinath, Departamento de Mineração e Geologia, CCT/Universidade Federal de Campina Grande, Campus I, C.P.10009,

Leia mais

Modelagem dos limites geológicos suaves

Modelagem dos limites geológicos suaves Modelagem dos limites geológicos suaves Introdução 7/2013 Antes de poder começar com o planejamento detalhado de uma mina, é necessário realizar uma minuciosa avaliação do recurso mineral. A avaliação

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos

egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos egs 3.0 (electrical GEOPHYSICS suite) Pacote de programas para modelagem e interpretação de dados geofísicos elétricos e eletromagnéticos Glauco Lira Pereira 1, Luiz Rijo 2, Rodrigo Erasmo da C. Silva

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

F. Cerqueira 1*, J. Neves 1

F. Cerqueira 1*, J. Neves 1 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial III, 1107-1111 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Caracterização

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS CAÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE ORTUGUESAS 263 VI.1. INTRODUÇÃO O modelo geral de correlação sismostratigráfica entre as Margens Continentais

Leia mais

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos.

Palavras-chave: Aquífero Furnas, qualidade da água subterrânea, poços tubulares profundos. 151 Anais Semana de Geografia. Volume 1, Número 1. Ponta Grossa: UEPG, 2014. ISSN 2317-9759 QUALIDADE DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NA REGIÃO DO GRÁBEN DE PONTA GROSSA (PR). PEREIRA Gabriela Kostrzewycz GOMES Ricardo

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.

MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ. TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com. MAPEAMENTO MORFOLITOLÓGICO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO ITÚ TRENTIN, R. 1 ² Universidade Federal de Santa Maria / tocogeo@yahoo.com.br ROBAINA, L. E. S. 2 ³ Universidade Federal de Santa Maria / lesro@hanoi.base.ufsm.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA DISCIPLINA: GEOLOGIA ESTRUTURAL Cap. 01 - Mapas e Seções Geológicas GEOLOGIA ESTRUTURAL - PRÁTICA Antes que se comece a estudar

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

Geologia ambiental associada a cemitérios: estudo de caso na região centro de Portugal

Geologia ambiental associada a cemitérios: estudo de caso na região centro de Portugal Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, 1037-1041 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Geologia

Leia mais

Aplicação do Método Eletromagnético no Domínio do Tempo (TDEM) para mapeamento do maciço rochoso da Formação São Roque, São Paulo - SP

Aplicação do Método Eletromagnético no Domínio do Tempo (TDEM) para mapeamento do maciço rochoso da Formação São Roque, São Paulo - SP Aplicação do Método Eletromagnético no Domínio do Tempo (TDEM) para mapeamento do maciço rochoso da Formação São Roque, São Paulo - SP Cassiano Antônio Bortolozo, IAG/USP e IAG Jr., David Nakamura Leite,

Leia mais

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR

V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR V-045 - ESTUDO DO ASSOREAMENTO DE CORPOS D ÁGUA PELO MÉTODO GEOFÍSICO DE GEO-RADAR Wagner França Aquino (1) Bacharel em Geofísica pelo Instituto Astronômico e Geofísico da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS Mestrado em Ciências da Documentação e da Informação Variante de Arquivo A EXTERNALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE ARQUIVO GESTÃO E CUSTÓDIA DE DOCUMENTOS CONTRIBUTO PARA

Leia mais

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos -

Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - MINERAÇÃO DE ATERROS EM PORTUGAL OPORTUNIDADE OU FICÇÃO CIENTÍFICA? Prospecção em aterros de resíduos - Condicionalismos - M.G.Brito 1 ; A.P. Silva 1 ; R. Araújo 2 1 GeoBioTec, FCT Universidade Nova Lisboa

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN

CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN CARACTERIZAÇÃO HIDROGEOLÓGICA DO AQUÍFERO DUNAS / BARREIRAS EM NATAL, RN Antonio Marozzi Righetto (1), Ana Miriam Câmara Vilela (2), Raul Omar de Oliveira Dantas (3) Resumo A importância do aqüífero Dunas

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

Estimativa de modelos de velocidade obtidos através de ensaios de refração sísmica e MASW, na localidade dos Flamengos (Ilha do Faial, Açores)

Estimativa de modelos de velocidade obtidos através de ensaios de refração sísmica e MASW, na localidade dos Flamengos (Ilha do Faial, Açores) Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 365-370 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Estimativa

Leia mais

Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização.

Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização. Dados Geotécnicos e Geofísicos: Exploração de novas formas de visualização. Vítor Gonçalves Instituto Politécnico de Castelo Branco vitor@esart.ipcb.pt Paulo Dias IEETA / DETI paulo.dias@ua.pt Fernando

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS

COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS COMPARTIMENTAÇÃO DO RIFTE GUARITAS, BACIA DO CAMAQUÃ - RS preissler; a.g.- rolim; s.b.a. - philipp, r.p. CEPSRM - UFRGS e-mail: dricagp@hotmail.com RESUMO O estudo contribui no conhecimento da evolução

Leia mais

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites.

Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano. Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. Atividade 11 - Exercícios sobre Relevo Brasileiro Cap. 03 7º ano Atenção: Pesquise PREFERENCIALMENTE em seu Livro e complemente a pesquisa em sites. 1. Comparação entre as Classificações do Relevo Brasileiro

Leia mais

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA A PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA define-se como: Um conjunto de operações com vista a averiguar a constituição, características mecânicas e outras propriedades do solo e do substrato do ou

Leia mais

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS

GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS GEOFÍSICA APLICADA A INVESTIGAÇÃO AMBIENTAL NOVAS TECNOLOGIAS E NOVAS TENDÊNCIAS V Seminário de Políticas de Gestão da Qualidade do Solo e das Águas Subterrâneas São Paulo/SP - Brasil Setembro / 2007 ÁREAS

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA.

DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA. DETERMINAÇÃO DAS CONDUTIVIDADES HIDRÁULICAS DAS ZONAS SATURADA E NÃO SATURADA DO AQUÍFERO FREÁTICO NAS ADJACÊNCIAS DO ATERRO CONTROLADO DE LONDRINA. Autores: André Celligoi 1 ; Diogo Lamônica 2 ; Andressa

Leia mais

Os Sistemas de Informação Geográfica como Ferramenta de Elaboração e Implementação dos Planos Diretores Municipais: o Caso de Icolo e Bengo, Angola

Os Sistemas de Informação Geográfica como Ferramenta de Elaboração e Implementação dos Planos Diretores Municipais: o Caso de Icolo e Bengo, Angola Os Sistemas de Informação Geográfica como Ferramenta de Elaboração e Implementação dos Planos Diretores Municipais: o Caso de Icolo e Bengo, Angola Sandra ALVES 1, Vilma SILVA 1, António RAMALHO 1, Sílvia

Leia mais

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica

Resumo Técnico Perfilagem Geofísica Resumo Técnico Perfilagem Geofísica PERFILAGEM GEOFÍSICA A perfilagem geofísica é um método de investigação indireta que tem se mostrado muito eficaz na identificação de anomalias petrofísicas e na caracterização

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D

DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D DEFINIÇÃO DE ESTRUTURAS NA BACIA PARAÍBA (NE DO BRASIL) COM MODELAGEM GRAVIMÉTRICA EM 2D ¹ Menor, E. N., ² Silva, E. P., 3 Motta, J. A. ¹ Universidade Federal de Pernambuco, Recife PE evertonmenor@hotmail.com

Leia mais

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica

Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Mapeamento do Campo Experimental de Geofísica (CEG) da FEUP pelo método da resistividade elétrica Unidade curricular: Projeto FEUP Supervisores: Alexandre Leite Feliciano Rodrigues Jorge Carvalho Monitores:

Leia mais

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009

SONDAGENS GEOFÍSICAS. Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 SONDAGENS GEOFÍSICAS Prof. Marcelo Ribeiro Barison 2009 Sondagens Geofísicas - estudo das propriedades físicas dos solos e rochas: - condutividade elétrica - densidade -velocidade das ondas elásticas -

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO.

RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO. RELAÇÃO ENTRE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA E ÁGUA SUBTERRÂNEA NO SETOR NORDESTE DA CIDADE DE BELÉM/PA - UM ESTUDO DE CASO. Márcia Cristina da Silva Moraes Concluinte do Curso de Meteorologia UFPA Milton

Leia mais

Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos

Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos Evolução do projeto do Lote 2 da Rodovia RS471/BR153 com base em condicionantes geológico-geotécnicos Flórez-Gálvez, Jorge Hernán Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, jhflorezg@gmail.com

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO

RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE O ESTUDO DO LEITO DE CHEIA NUM TROÇO DO RIO MONDEGO Instituto da Água - Direcção de Serviços de Recursos Hídricos Sónia Fernandes, Ana Catarina Mariano, Maria Teresa Álvares, Maria

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática DESENVOLVIMENTO DO PENSAMENTO GEOMÉTRICO COM VISUALIZAÇÃO DE FIGURAS ESPACIAIS POR MEIO DA

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO

16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO 16.10 - DIVERSOS DICIONÁRIO DE RÚBRICAS E CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Neste grupo inclui-se, o fornecimento dos meios e dos equipamentos explicitamente incluídos no contrato, e necessários ao apoio logístico

Leia mais

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS

Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Análise de Estratégias de Processamento de Dados GPS Gonçalo Prates 1 e Virgílio Mendes 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Algarve 2 LATTEX e Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social

As Novas Tecnologias como componente da. Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Instituto Superior Miguel Torga Escola Superior de Altos Estudos Cláudia Sofia da Costa Duarte As Novas Tecnologias como componente da Formação, de 1º ciclo, em Serviço Social Dissertação de Mestrado em

Leia mais

Recursos minerais e ordenamento do território os granitos de Vila Pouca de Aguiar

Recursos minerais e ordenamento do território os granitos de Vila Pouca de Aguiar Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial II, 859-863 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X Recursos

Leia mais

6200 Métodos geofísicos

6200 Métodos geofísicos 6200 Métodos geofísicos 1 Geofísica aplicada à detecção da contaminação do solo e das águas subterrâneas Os métodos geofísicos são técnicas indiretas de investigação das estruturas de subsuperfície através

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé

RELATÓRIO TÉCNICO. Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé RELATÓRIO TÉCNICO Centro de Formação Desportiva de Alfândega da Fé Trabalho realizado para: Câmara Municipal de Alfandega da Fé Trabalho realizado por: António Miguel Verdelho Paula Débora Rodrigues de

Leia mais

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO

TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO IC2 BATALHA SUL / PORTO (IC1) PLANO DE ACÇÃO RESUMO NÃO TÉCNICO Lisboa, Abril de 2015 Esta página foi deixada propositadamente em branco 2 ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. TROÇO

Leia mais