Modelagem dos limites geológicos suaves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem dos limites geológicos suaves"

Transcrição

1 Modelagem dos limites geológicos suaves Introdução 7/2013 Antes de poder começar com o planejamento detalhado de uma mina, é necessário realizar uma minuciosa avaliação do recurso mineral. A avaliação de recursos minerais define domínios geológicos homogêneos, diferenciando características -ou seja, mineralogia, alteração, litologia e propriedades geofísicas, etc.- com base no conhecimento e as informações da amostra do corpo de minério dos furos de sondagem exploratórios. A definição destes domínios é relevante para o processo do planejamento de uma mina, devido às diferentes recuperações de minérios, dentro dessas propriedades geológicas particulares. Definir os limites entre estes domínios geológicos pode ser problemático devido a vários fatores, incluindo: A definição dos domínios geológicos depende da interpretação do geólogo em relação ao corpo de minério, e várias interpretações poderiam ser viáveis. A informação da amostra é limitada e, portanto, os limites interpretados têm um grau de incerteza, que pode ser simulada (geração de cenários geológicos igualmente prováveis) utilizando técnicas de geoestadística, como a Simulação Sequencial Gaussiana. Os limites entre estes domínios são considerados duros. Os dados entre os limites não são considerados ao estimar teores dentro de um determinado domínio. Os limites duros são aqueles que, durante a análise geoestatística, indicam uma mudança abrupta em variabilidade ou teores médios no contato entre dois domínios (Figura 1). Os limites geológicos duros verdadeiros são raros por causa dos processos naturais que formam um corpo de minério. Os mecanismos geológicos envolvidos na formação de uma jazida são, na maioria dos casos, transitórios ou suaves. Por exemplo, uma zona supergênica em uma jazida de cobre pórfiro: o enriquecimento supergénico destes sistemas começa quando as porções acima do lençol freático são oxidadas, transportadas em solução e precipitadas embaixo do lençol freático substituindo os sulfuretos de ferro pré-existentes. Essa zona supergênica torna-se transicional na profundidade entre os óxidos e os sulfuretos originais. Um limite suave tem uma zona gradativa entre dois domínios adjacentes, tornando-se difícil identificar o limite exato. A plotagem de contatos na Figura 2 ilustra esse limite. Os limites suaves são comuns em diferentes tipos de jazidas e sua correta representação por métodos geoestatísticos tem um grande impacto no desenho do plano da mina, a diluição esperada e os recursos minerais finais. 1

2 Figura 1: Plotagem de contatos construída no MineSight Data Analyst (MSDA), demonstrando um limite rígido entre as zonas de óxido e sulfeto primário. O teor de cobre é mostrado como uma função da distância a partir do contacto e o histograma indica o número de amostras em cada distância. O tamanho do ponto da amostra é apresentado como uma função da variância (com pontos de variância baixos que aparecem maiores). Figura 2: Plotagem de contato construída usando o MSDA, demonstrando um limite suave ou transitório entre as unidades de óxido e o sulfeto secundário. As propriedades exibidas são as mesmas que para a Figura 1. 2

3 A prática comum na avaliação dos recursos é a utilização de krigagem ordinária em cada domínio geológico, assumindo limites duros. Para obter uma mais exata definição de domínio, os limites suaves precisam responder às técnicas de geoestatística utilizadas. Um método sugerido é krigagem ordinária em cada domínio geológico, que inclua todos os dados dentro de um vizinho dilatado do volume do domínio. Para determinar o tamanho / distância desta dilatação podem ser adotadas várias abordagens. Esses métodos podem incluir: usar plotagens de contatos para estimar a distância visual, trabalhos / estudos anteriores da jazida que fornecem diretrizes ou usar co-variância cruzada e os intervalos das distâncias de variogramas cruzados (raio de busca máxima quando os intervalos estão mais próximos das soleiras). Vários métodos podem ser usados no MineSight, que representam a existência de limites geológicos suaves para garantir que você possa definir melhor os domínios geológicos da jazida. Três métodos são apresentados a seguir. Opções para modelar limites suaves no MineSight 1. A primeira opção utiliza os sólidos dos domínios geológicos interpretados no MS3D e a interpolação de múltiplas passadas. Ao expandir esses sólidos originais, os dados de todos os limites originais podem ser incluídos na interpolação. Isso fornece uma máscara (skin) limite suave em torno de cada zona. Os sólidos podem ser expandidos manualmente fatiando o sólido em polígonos e depois compensando e religando esses polígonos (Slice View Polyline Offset Copy Offset Polygons to Object Linker Tool ou Implicit Modeler). O tamanho dele está baseado na distância que o usuário espera que a zona de transição cubra. Isso poderia se basear nos intervalos de distâncias de seus variogramas anteriores ou no seu conhecimento geral do comportamento da zona geológica. Então, o usuário pode codificar um novo item, com os furos de sondagem que serão utilizados nos seus procedimentos de interpolação com esses novos sólidos / superfícies expandidos. Figura 3: Vista em corte de sólidos originais (BLCK = 1 e 2) e de sólidos expandidos (CMPC = 1 e 2), com os seus códigos correspondentes a serem utilizados na interpolação. 3

4 No exemplo acima, os sólidos originais (azul celeste e laranja), são utilizados para codificar o modelo de bloco (BLCK = 1 e 2). Os sólidos expandidos (contorno azul escuro e vermelho) são utilizados para codificar os compósitos (CMPC = 1 e 2). Agora, os blocos são interpolados em uma zona de cada vez usando o procedimento do MSBasis pintrpq.dat. Na primeira passada, os blocos com BLCK = 1 usam compósitos com CMPC = 1. A opção de correspondência geológica no procedimento é utilizada para realizar esta configuração. Na segunda passada de interpolação, a mesma configuração é repetida, mas com BLCK = 2 blocos e CMPC = 2 compósitos. Este processo permite que os blocos dentro do sólido original usem valores de grau ligeiramente fora dos limites definidos para interpolar um limite geológico transitório mais preciso. 2. A segunda opção está disponível se o usuário estiver usando um método de krigagem de interpolação com um arquivo de variograma requerido, procedimento do MSBasis pintrpq.dat. Um painel de procedimento dos Parâmetros de Entrada Opcional está disponível, para que um produto compósito baseado nos domínios geológicos interpretados (o item controlador do variograma) - por exemplo, o tipo de rocha possa ser selecionado e os valores limite dos variogramas possam ser definidos. O item de controle selecionado deve ter valores codificados de 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 e 10, respectivamente, e os valores dos variogramas inseridos devem se corresponder com essa ordem. Para tentar interpolar um bloco de um compósito com o código correspondente, o valor do variograma entre o bloco e o compósito deve ser menor do que o valor inserido no painel ou o compósito será rejeitado. Um valor mais elevado de variograma significa uma menor correlação entre o compósito e o bloco a ser interpolado. Figura 4: A rocha ROCK = 1 corresponde ao valor limite do variograma 1, ROCK = 2 a 0.65 e ROCK = 3 a O programa funciona através da verificação de todos os blocos do modelo de blocos definidos pelo usuário e procura todos os compósitos para cada bloco individual com base nos parâmetros de pesquisa fixados nos painéis de procedimento. Depois, ele procura os valores de itens dos compósitos enumerados no painel (ver Figura 4, por exemplo, ROCK = 1, 2 e 3) e verifica a covariância entre os blocos e os compósitos codificados a partir do arquivo do variograma. Assim, para o exemplo da Figura 4, durante a primeira execução do procedimento, sem código geológico ou bloco de correspondência, um bloco de ROCK = 1 será interpolado principalmente por compósitos de ROCK = 1, mas também por alguns compósitos de ROCK 2 e 3, dependendo da proximidade do bloco, usando as variações definidas no painel de limites Variogram Limit. A próxima execução será para os blocos de ROCK = 2, portanto o usuário deve mudar os valores no painel a (0.65, 1 e 0.55), onde 0.55 agora representa o limite do variograma para entre os códigos 2 e 3. Pressupuseram-se os correlogramas no exemplo, assim 1 representa que não há limite (variância máxima) 3. A terceira opção para a modelagem de limites suaves dentro do MineSight calcula as probabilidades de cada bloco no modelo para pertencer a um certo domínio geológico. Por exemplo, o usuário tem as Áreas 1 e 2, que definem duas regiões com limite suave entre as duas. Então os compósitos podem ser codificados com um novo item, por exemplo, IND, usando o procedimento de cálculo do usuário no MineSight Compass (p50801.dat) para codificar o item IND = 1 onde furos de sondagem estão na Área 1 e IND = 0 na Área 2. 4

5 Figura 5: Área 1 (azul sólido) e Área 2 (amarelo sólido). O item do compósito IND é codificado com o valor 1 ao interceptar a Área 1 (azul) e 0 quando fora desta área (laranja). O passo seguinte neste processo seria calcular a probabilidade de que um bloco seja IND = 1. A krigeagem do item IND, nos procedimentos de interpolação pintrpq.dat, dará resultados entre 0 e 1, os quais, depois, podem ser armazenados em um item de modelo pertinente, por exemplo, PRB (ver Figura 6). Figura 6: Modelo de bloco mostrando a probabilidade de que os compósitos estajam dentro da área 1 (compósitos azuis). 5

6 O usuário pode, então interpolar a variável qualidade (teor) para a Área 1 e 2 em duas execuções -a primeira execução usa só compósitos (correspondência geológica) na Área 1, e a segunda execução usa só compósitos na Área 2- e armazena os resultados em itens de modelo de blocos pertinentes, por exemplo, Q1 e Q2. Assim que estes teores e probabilidades dos blocos são armazenados no modelo de blocos do MineSight, as estimativas finais para o limite geológico suave podem ser calculadas utilizando procedimentos de cálculo do usuário do modelo no MSBasis (p61201.dat ou cp-modelcalctool.pyz). O cálculo necessário neste exemplo seria Q1*PRB+Q2*(1-PRB), e o resultado será novamente armazenado no item do modelo de bloco da sua escolha. Discussão Existem limitações para qualquer um desses métodos já que todas elas são estimativas do comportamento dos limites de transição Contudo, as estimativas que os métodos produzem estão muito mais próximas da realidade do que o pressuposto de que os limites entre os domínios são duros. Antes de poder usar algum desses métodos de modelagem, deve-se realizar uma análise geoestatística detalhada da jazida, para definir se os domínios geológicos interpretados possuem limites duros ou suaves. Por exemplo, as plotagens de contatos construídas usando o MSDA (MineSight Data Analyst), como aquelas apresentadas nas Figuras 1 e 2 são essenciais e devem ser traçadas para todos os contatos / limites do domínio. Além disso, a precisão dessas técnicas de modelagem de limite suave depende da interpretação inicial do geólogo da mina sobre os domínios geológicos, a partir das amostras de sondagem, ou seja, naquilo que eles usam como base (por exemplo, a litologia), qualquer erro humano, etc. As opções de modelagem com base nas probabilidades limitantes e calculadas do variograma (os métodos 2 e 3, respectivamente) exigem a construção de variogramas que meçam a correlação espacial entre as amostras entre os domínios e dentro dos domínios. Resumo O MineSight fornece vários métodos para calcular e modelar limites suaves, substituindo os pressupostos tradicionais de limites duros entre os domínios geológicos. Finalmente, isto aumenta a precisão da avaliação dos recursos minerais e torna mais fácil e mais rentável a vida em uma mina. 6

O MINESIGHT PARA GEÓLOGOS: Uma abordagem integrada quanto à modelagem geológica

O MINESIGHT PARA GEÓLOGOS: Uma abordagem integrada quanto à modelagem geológica a série mintec: integrada quanto à modelagem geológica O MINESIGHT PARA GEÓLOGOS: Uma abordagem integrada quanto à modelagem geológica O MineSight oferece aos geólogos, engenheiros e topógrafos uma solução

Leia mais

Métodos computacionais

Métodos computacionais Métodos computacionais Métodos Computacionais: Dependem de computadores para o cálculo de recurso/reserva e fazem uso de funções matemática de interpolação, as quais são aplicadas para o cálculo de teor

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem

Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Utilizando ArcGIS para Geoquímica de superfície e sondagem Fernanda Almeida Executiva de Contas Janaína Gattermann Pereira Geóloga José Luis Ando Geólogo Agenda - O que é Geoquímica? - Geociências e Exploração

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Opções de seleção de wireframes.

Opções de seleção de wireframes. Validação de sólidos Validação de sólidos significa a verificação da integridade dos objetos criados sendo que para determinadas operações, por exemplo, cálculo de volumes se o sólido contiver problemas

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

Table of Contents. PowerPoint XP

Table of Contents. PowerPoint XP Table of Contents Finalizando a apresentação...1 Usando anotações...1 Desfazer e repetir...1 Localizar e substituir...2 Substituir...2 Efeitos de transição...3 Esquema de animação...6 Controlando os tempos

Leia mais

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst

Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst volume 2 número 3 p - Modelação espacial da temperatura na ilha de Santiago, Cabo Verde, com o GeoStatistical Analyst Amândio Furtado 1 João Negreiros 2 A utilização dos métodos de interpolação espacial

Leia mais

Figura 4-1 Fluxo da modelagem (modificado a partir de S. Houlding, 1994).

Figura 4-1 Fluxo da modelagem (modificado a partir de S. Houlding, 1994). 73 4. MODELAGEM A metodologia da modelagem geológica e geotécnica é uma modificação da metodologia de Houlding (1994), e esta dividida em modelagem geométrica e modelagem numérica. A modelagem geométrica

Leia mais

As fontes de incerteza na estimativa de recursos minerais (o que afeta a estimativa da massa e dos teores?) João Felipe Costa, DEMIN, UFRGS

As fontes de incerteza na estimativa de recursos minerais (o que afeta a estimativa da massa e dos teores?) João Felipe Costa, DEMIN, UFRGS As fontes de incerteza na estimativa de recursos minerais (o que afeta a estimativa da massa e dos teores?) João Felipe Costa, DEMIN, UFRGS Reflexões iniciais Devemos esperar que nossas estimativas sejam

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXPERIMENTAÇÃO AGRONÔMICA. Tutorial. Disciplina: Geoestatística

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXPERIMENTAÇÃO AGRONÔMICA. Tutorial. Disciplina: Geoestatística UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ESTATÍSTICA E EXPERIMENTAÇÃO AGRONÔMICA. Tutorial Disciplina: Geoestatística Professor: Dr. Paulo Justiano

Leia mais

SolidWorks Sustainability

SolidWorks Sustainability SolidWorks Sustainability A solução para um projeto sustentável no desenvolvimento de produtos 1. Torne a sustentabilidade parte integrante do seu processo de projeto O SolidWorks Sustainability fornece

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇO DE BACKUP. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS O que é o Backup do Windows Server? O recurso Backup do Windows Server no Windows Server 2008 consiste em um snap-in do Console de Gerenciamento Microsoft (MMC) e

Leia mais

O SOFTWARE SPP Eucalyptus

O SOFTWARE SPP Eucalyptus Rua Raul Soares, 133/201 - Centro - Lavras MG CEP 37200-000 Fone/Fax: 35 3821 6590 O SOFTWARE SPP Eucalyptus 1/7/2008 Inventar GMB Consultoria Ltda Ivonise Silva Andrade INTRODUÇÃO Um dos grandes problemas

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone

selecionado. DICAS 1. Explore, sempre, o ícone COMO USAR O MAPA COM INDICADORES DO GEOPORTAL DE INFORMAÇÕES EM SAÚDE DA BAHIA? Este documento fornece um passo a passo explicativo e ilustrado das principais ferramentas do Mapa com Indicadores do GeoPortal

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Banco de Dados Microsoft Access: Criar s Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na. 3. Criar uma no modo

Leia mais

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos

Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas. Vitor Valerio de Souza Campos Banco de Dados Microsoft Access: Criar tabelas Vitor Valerio de Souza Campos Objetivos do curso 1. Criar uma tabela no modo de exibição Folha de Dados. 2. Definir tipos de dados para os campos na tabela.

Leia mais

AULA 6 - Operações Espaciais

AULA 6 - Operações Espaciais 6.1 AULA 6 - Operações Espaciais Essa aula descreve as operações espaciais disponíveis no TerraView. Antes de iniciar sua descrição é necessário importar alguns dados que serão usados nos exemplos. Exercício:

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS

PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS PROPOSTA DE CURSO DE EXTENSÃO EM TECNOLOGIAS DE LAVRA DE MINAS Objetivos: Apresentar noções básicas atualizadas das principais tecnologias e conhecimentos técnico-científicos aplicados nas operações de

Leia mais

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal.

A barra de menu a direita possibilita efetuar login/logout do sistema e também voltar para a página principal. MANUAL DO SISCOOP Sumário 1 Menu de Navegação... 3 2 Gerenciar País... 5 3- Gerenciamento de Registro... 8 3.1 Adicionar um registro... 8 3.2 Editar um registro... 10 3.3 Excluir um registro... 11 3.4

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

Manual de Instruções TOPPER MAPS. MANU-7310-TMP Rev. A

Manual de Instruções TOPPER MAPS. MANU-7310-TMP Rev. A Manual de Instruções TOPPER MAPS MANU-7310-TMP Rev. A MANUAL DE INSTRUÇÕES TOPPER MAPS STARA S.A. - INDÚSTRIA DE IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS CNPJ: 91.495.499/0001-00 AV. STARA, 519 CEP 99470-000 - Não-Me-Toque/RS

Leia mais

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0

CT 3.1. PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 CT 3.1 PRODIM STAIRS Prodim Escadas / Manual versão 1.0 Informações Gerais Index 1 Prodim Escadas 1.1 A solução para escadas 3 3 2 Protocolo de medição de escadas 2.1 Começando 2.2 Configurando 2.3 Começando

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Word 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Barra de Ferramentas de Acesso Rápido

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Departamento de Engenharia Rural AGRICULTURA DE PRECISÃO. Jorge Wilson Cortez

Departamento de Engenharia Rural AGRICULTURA DE PRECISÃO. Jorge Wilson Cortez Unesp Jaboticabal Departamento de Engenharia Rural AGRICULTURA DE PRECISÃO Jorge Wilson Cortez Doutorado Produção Vegetal, UNESP, Jaboticabal (SP). E-mail: jorge.cortez@yahoo.com.br INTRODUÇÃO O que é

Leia mais

Recursos do Outlook Web Access

Recursos do Outlook Web Access Recursos do Outlook Web Access Este material foi criado pela Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação (SETIC) do Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região. Seu intuito é apresentar algumas

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1

PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA. Luís RIBEIRO 1 PROBABILIDADES E PROBABILIDADES CONDICIONAIS EM HIDROGEOLOGIA Luís RIBEIRO 1 RESUMO Nos problemas de poluição de águas subterrâneas, interessa mais a detecção dos valores anormais e o estudo da sua conectividade

Leia mais

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem.

CRIANDO MDT. Para criar o MDT Selecione o botão Modelagem ou clique na área esquerda da do programa onde se terá a opção criar Nova Modelagem. CRIANDO MDT Um MDT no programa AutoGeo tem como finalidade servir como base de dados para informações que servirão para os cálculos a serem realizados tudo que se for projetado a base vem do modelo digital

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS PROGRAMAS GS+ E VARIOWIN

UTILIZAÇÃO DOS PROGRAMAS GS+ E VARIOWIN GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS AGRÁRIAS GEORREFERENCIADAS UNIVERSIDADE ESTATUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRONÔMICAS UTILIZAÇÃO DOS PROGRAMAS GS+ E VARIOWIN Profa. Célia Regina Lopes Zimback Botucatu

Leia mais

3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos

3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos 3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Tabela dinâmica...3 Processo de construção...3

Leia mais

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR

Novell. Novell Teaming 1.0. novdocx (pt-br) 6 April 2007 EXPLORAR O PORTLET BEM-VINDO DESCUBRA SEU CAMINHO USANDO O NOVELL TEAMING NAVIGATOR Novell Teaming - Guia de início rápido Novell Teaming 1.0 Julho de 2007 INTRODUÇÃO RÁPIDA www.novell.com Novell Teaming O termo Novell Teaming neste documento se aplica a todas as versões do Novell Teaming,

Leia mais

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo

Seu objetivo é encontrar o valor de T que maximiza o lucro médio por mês. Usando o Crystal Ball Crystal Ball implementa o seu modelo Excel permitindo Política de Troca de Brocas de Perfuração Autor Crystal Ball Sumário Quando perfurando certos tipos de terrenos, a performance de uma broca de perfuração diminui com o tempo devido ao desgaste. Eventualmente,

Leia mais

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx

Conecta S_Line. 2.2 Downloads Para instalar o Conecta S_Line, basta acessar www.sline.com.br/downloads.aspx 1 Introdução O Conecta S_Line permite que o laboratório envie à Central S_Line os resultados de exames gerados pelo Sistema de Informação Laboratorial (LIS) em forma de arquivos digitais. Todo o processo

Leia mais

Geoestatística Análise de dados em outro software Gamma Design GS+

Geoestatística Análise de dados em outro software Gamma Design GS+ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Pós-graduação em Estatística e Experimentação Agronômica Aluno (a): Adriele Giaretta Biase Nº USP: 7039913 Tiago Viana Flor de Santana Nº USP: 6291278 Geoestatística

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de OCR e separação de documentos de código de correção Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de OCR com separação de código de correção no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se na

Leia mais

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html

http://www.if.ufrj.br/teaching/geo/sbgfque.html 1 de 5 12/8/2009 11:34 O Que é Geofísica? (* Adaptado por C.A. Bertulani para o projeto de Ensino de Física a Distância) Geofísica é o estudo da Terra usando medidas físicas tomadas na sua superfície.

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno

Computação Gráfica 3D Studio Max 2008.1 www.damasceno.info Prof.: Luiz Gonzaga Damasceno 12 Animação 12.1 - Criando Animação O 3Ds Max prevê uma série de maneiras diferentes para criar animação, e um conjunto de ferramentas para a gestão e edição de animação. Com o 3Ds Max, você pode criar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IA Departamento de Solos CPGA-CIÊNCIA DO SOLO IA 1328 - AGRICULTURA DE PRECISÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IA Departamento de Solos CPGA-CIÊNCIA DO SOLO IA 1328 - AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IA Departamento de Solos CPGA-CIÊNCIA DO SOLO IA 1328 - AGRICULTURA DE PRECISÃO GERAÇÃO DE MAPAS NO PROGRAMA ARCVIEW Carlos Alberto Alves Varella 1 André Luis

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

TRBOnet Standard. Manual de Operação

TRBOnet Standard. Manual de Operação TRBOnet Standard Manual de Operação Versão 1.8 NEOCOM Ltd ÍNDICE 1. TELA DE RÁDIO 3 1.1 COMANDOS AVANÇADOS 4 1.2 BARRA DE FERRAMENTAS 5 2. TELA DE LOCALIZAÇÃO GPS 6 2.1 MAPLIB 6 2.2 GOOGLE EARTH 7 2.3

Leia mais

1 LCE - ESALQ/USP. e-mail: iabita.fabiana@gmail.com 2 Agradecimento a CAPES e ao Cnpq pelo apoio financeiro. 3 UFPR. 4 Embrapa Meio-Norte.

1 LCE - ESALQ/USP. e-mail: iabita.fabiana@gmail.com 2 Agradecimento a CAPES e ao Cnpq pelo apoio financeiro. 3 UFPR. 4 Embrapa Meio-Norte. Variabilidade espacial de parâmetros físico-químicos de condutividade elétrica e dureza total em cálcio e magnésio da água de poços subterrâneos do semi-árido piauiense Iábita Fabiana de Sousa 1 2 Valiana

Leia mais

Referência de cores Fiery

Referência de cores Fiery 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 11 de junho de 2014 Conteúdo 3 Conteúdo Introdução à referência de cores

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO

ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1 ANÁLISE ESPACIAL E GEOPROCESSAMENTO 1.1 INTRODUÇÃO " #$%&' () +, # '$%&+ -+ + (. ) / - 0)( 0) / 01 0 23( 4 0 &5 ( 5, 3 0 23 ( 6 6 0 - / - ) + (7 ++" ), 3( ( ( 8(" " +9%9:$;) ?@ 5 A, 2 (3. 3 ( " 7

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

www.threedify.com Informações de Contato: O Poder da Modelagem em 3D e Software de Planejamento de Mina Empresa Inovadora de Software para Mineração

www.threedify.com Informações de Contato: O Poder da Modelagem em 3D e Software de Planejamento de Mina Empresa Inovadora de Software para Mineração Visite nossa página na web para informações mais detalhadas em: www.threedify.com Empresa Inovadora de Software para Mineração Informações de Contato: Endereço: 2720 Queensview Drive, Suite #1130, Ottawa,

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. 1 Link do Sistema 3. 2 Primeiro acesso 3. 3 Para entrar no Sistema 5. 4 Para registrar uma demanda 6

SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. 1 Link do Sistema 3. 2 Primeiro acesso 3. 3 Para entrar no Sistema 5. 4 Para registrar uma demanda 6 TUTORIAL SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA PÁG DO DEMANDANTE 1 Link do Sistema 3 2 Primeiro acesso 3 3 Para entrar no Sistema 5 4 Para registrar uma demanda 6 5 Acompanhamento da demanda 9 2 TUTORIAL DESCRIÇÃO

Leia mais

Configurações do ambiente. Figura 14.1 World Buttons. Com este efeito é possível simular o ambiente de uma neblina em nossa cena (Figura 14.2).

Configurações do ambiente. Figura 14.1 World Buttons. Com este efeito é possível simular o ambiente de uma neblina em nossa cena (Figura 14.2). Capítulo 14 Configurações do ambiente Neste capítulo abordaremos algumas configurações e efeitos do cenário do Blender. Como as possibilidades da cor de fundo do ambinte e de outros efeitos comuns. Todas

Leia mais

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística

Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística Avaliação da contaminação potencial de As numa zona de minas abandonadas uma abordagem geoestatística ALBUQUERQUE, MTD & ANTUNES, IMHR Polytechnic Institute of Castelo Branco Castelo Branco, Portugal.

Leia mais

SAJPG5. Primeiro Grau. Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.4.1-1

SAJPG5. Primeiro Grau. Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.4.1-1 SAJPG5 Primeiro Grau Novidades das Versões 1.3.0-0 a 1.4.1-1 Novidades da versão 1.3.0-0 a 1.4.1-1 Este documento contém um resumo das alterações e novidades liberadas nas versões 1.3.0-0 a 1.4.1-1 do

Leia mais

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Pag.2 Backup (cópia de segurança) Após acessar a Intranet da Unimep, para abrir o Ambiente Virtual de Aprendizagem-Moodle, clique sobre seu link

Leia mais

Ave: Manual do usuário

Ave: Manual do usuário As iniciais no canto superior esquerdo indicam a atual lista de espécies em uso. Clique neste campo para abrir uma grade com todas Ave: Manual do usuário Introdução A Janela Inicial O botão Listas Sobre

Leia mais

Tutoriais Geoprocessamento QGIS Acessando Imagens Versão 1.1

Tutoriais Geoprocessamento QGIS Acessando Imagens Versão 1.1 Tutoriais Geoprocessamento QGIS Acessando Imagens Versão 1.1 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/01/2014 1.0 Elaboração do documento Frederico dos Santos Soares 05/06/2014 1.1 Atualização

Leia mais

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados.

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados. INTRODUÇÃO O tribunal de Justiça de Santa Catarina, em um processo de evolução dos serviços disponíveis no portal e-saj, passa a disponibilizar a peritos, leiloeiros, tradutores e administradores de massas

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais

1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Lição 1 Fluxo de trabalho de desenho de quadros estruturais Visão geral do fluxo de trabalho de desenho de quadro estrutural Você pode criar segmentos de caminho e quadros estruturais usando o aplicativo

Leia mais

Aplicando Skin para um Personagem

Aplicando Skin para um Personagem Aplicando Skin para um Personagem O modificador Skin associa um esqueleto a uma malha, permite animar a malha, animando o esqueleto. Ele trabalha em estruturas animadas simples como nas malhas do personagem.

Leia mais

Moodlerooms Instructor Essentials

Moodlerooms Instructor Essentials Moodlerooms Instructor Essentials [Type the company address] 2015 Moodlerooms Índice VISÃO GERAL DO BOLETIM JOULE... 4 Benefícios do Boletim Joule... 4 Documentação do professor no Boletim Joule... 4 Acesso

Leia mais

Guia de qualidade de cores

Guia de qualidade de cores Página 1 de 5 Guia de qualidade de cores O Guia de qualidade de cores ajuda você a entender como as operações disponíveis na impressora podem ser usadas para ajustar e personalizar a saída colorida. Menu

Leia mais

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Ambiente Virtual: Balança Digital 1. Apresentação Quatro elementos estão disponíveis no ambiente virtual: Balança digital a ser calibrada Coleção de massas

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Painel de Fretes. Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial

Painel de Fretes. Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial Painel de Fretes Sistema Online e Ferramenta de Custo Referencial Agenda Análise Comparativa Sistema Online Análise Interativa Ferramenta de Custo Referencial 2 Página Inicial 3 Seleção do Gráfico 4 Gráfico

Leia mais

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos

1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos 1 Geometria de referências: pontos, eixos e planos Pontos, eixos e planos são entidades bastante usadas como referências em sistemas CAE/CAE/CAM. Por isso a importância em estudar como definir pontos,

Leia mais

Tutorial 5 Questionários

Tutorial 5 Questionários Tutorial 5 Questionários A atividade Questionário no Moodle pode ter várias aplicações, tais como: atividades de autoavaliação, lista de exercícios para verificação de aprendizagem, teste rápido ou ainda

Leia mais

Premiação por Produtividade

Premiação por Produtividade Versão 2.0 Manual destinado à implantadores, técnicos do suporte e usuários finais Sumário Configurações... 3 Definição das Metas... 5 Mês Referência... 5 Cotas por Funcionário... 8 Resultados... 9 Acompanhamento

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis 9.2 Carlos Alberto Alves Varella - varella@ufrrj.

IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis 9.2 Carlos Alberto Alves Varella - varella@ufrrj. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro IT- Departamento de Engenharia SEROPÉDICA-RIO DE JANEIRO MAIO-2008 IT 190- Princípios em Agricultura de Precisão Mapeamento com o programa computacional ArcGis

Leia mais

Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula

Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula Disciplina Desenho Técnico I ENG 1003 Material de Aula AULAS 01 a 03 Apresentando o AutoCAD. O AutoCAD é um software da Autodesk muito utilizado para fazer desenhos de projetos de engenharia e arquitetura

Leia mais

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite

Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos. Diver-Suite Dataloggers Diver e software para de águas subterrâneas confiáveis e precisos Diver-Suite TECNOLOGIA DE MONITORAMENTO INTELIGENTE O Diver-Suite* da Schlumberger Water Services oferece aos especialistas

Leia mais

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView

AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView 1.1 AULA 1 Iniciando o Uso do TerraView Essa aula apresenta o software TerraView apresentando sua interface e sua utilização básica. Todos os arquivos de dados mencionados neste documento bem como o executável

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

O que há de novo no PaperPort 11? O PaperPort 11 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O que há de novo no PaperPort 11? O PaperPort 11 possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O ScanSoft PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos que ajuda o usuário a organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos em papel e digitais no computador

Leia mais

Grande parte dos planejadores

Grande parte dos planejadores ARTIGO Fotos: Divulgação Decidindo com o apoio integrado de simulação e otimização Oscar Porto e Marcelo Moretti Fioroni O processo de tomada de decisão Grande parte dos planejadores das empresas ainda

Leia mais

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20

Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Avaliação da plataforma de armazenamento multiprotocolo EMC Celerra NS20 Relatório elaborado sob contrato com a EMC Corporation Introdução A EMC Corporation contratou a Demartek para realizar uma avaliação

Leia mais

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes

Dispositivos de Armazenamento. Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Dispositivos de Armazenamento Prof. Flávio Humberto Cabral Nunes Conteúdo 1. Discos 2. Fitas magnéticas 3. CD-ROM Capítulo: 2 (APOSTILA). Dispositivos de Armazenamento Armazenamento permanente Custo menor

Leia mais

Altere o modo de mesclagem do círculo com o efeito para Multiply na paleta Transparency, em seguida, reduza a opacidade para cerca de 15%.

Altere o modo de mesclagem do círculo com o efeito para Multiply na paleta Transparency, em seguida, reduza a opacidade para cerca de 15%. CRIANDO UM RELÓGIO O principal ingrediente que nós vamos adicionar a este projeto, além de um monte de círculos para construir a forma geral, é uma gama de preenchimentos de gradiente. Estes gradientes

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga

Manual do Artikulate. Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga Andreas Cord-Landwehr Ondrila Gupta Tradução: André Marcelo Alvarenga 2 Conteúdo 1 Introdução 5 1.1 Conceito de aprendizagem................................. 5 1.2 Primeiros passos no Artikulate..............................

Leia mais

Modelagem de transporte reativo para geração de drenagem ácida em pilha de estéril na Mina Osamu Utsumi (Minas Gerais - Brasil)

Modelagem de transporte reativo para geração de drenagem ácida em pilha de estéril na Mina Osamu Utsumi (Minas Gerais - Brasil) Modelagem de transporte reativo para geração de drenagem ácida em pilha de estéril na Mina Osamu Utsumi (Minas Gerais - Brasil) Henrique Guerzoni, Chuanhe Lu, Gustavo Morais, Heraldo Rangel, Olaf Cirpka

Leia mais

MANUAL DO ALUNO EAD 1

MANUAL DO ALUNO EAD 1 MANUAL DO ALUNO EAD 1 2 1. CADASTRAMENTO NO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Após navegar até o PORTAL DA SOLDASOFT (www.soldasoft.com.br), vá até o AMBIENTE DE APRENDIZAGEM (www.soldasoft.com.br/cursos).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE MINAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE MINAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM ENGENHARIA DE MINAS ALINE TEIXEIRA BICCA EDUARDO HILLER MARQUES FERNANDO ALVES CARDOZO CANTINI GRABRIEL

Leia mais

2. Método de Monte Carlo

2. Método de Monte Carlo 2. Método de Monte Carlo O método de Monte Carlo é uma denominação genérica tendo em comum o uso de variáveis aleatórias para resolver, via simulação numérica, uma variada gama de problemas matemáticos.

Leia mais

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga

Maya Live. M aya. por Gustavo L. Braga M aya por Gustavo L. Braga Maya Live Quando fazemos uma animação de algum elemento virtual que deve ser aplicado a uma cena capturada, temos o grande desafio de ambientar este elemento na cena. Este desafio,

Leia mais