A Geologia no litoral do Alentejo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Geologia no litoral do Alentejo"

Transcrição

1 A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade de Évora) Departamento de Geociências, Centro de Geofísica de Évora O litoral do Alentejo, que se estende desde a península de Tróia a Odeceixe, apresenta uma grande variedade de rochas sedimentares e ígneas que representam cerca de 380 milhões de anos da história da Terra. Neste importante património geológico estão preservadas etapas do desenvolvimento de bacias sedimentares com magmatismo associado, distribuídas por três Eras do Fanerozóico (v.g. Carta Geológica de Portugal, folha sul, escala 1/ Serviços Geológicos de Portugal, 1992; Noticia Explicativa da folha 7, escala 1/ , Carta Geológica de Portugal, Serviços Geológicos de Portugal, 1984): Paleozóico (Devónico superior Carbónico inferior, ~ milhões de anos): etapas de formação do supercontinente Pangea; Mesozóico (Triásico-Jurássico superior, ~ milhões de anos): processos de fragmentação do supercontinente Pangea e abertura do Oceano Atlântico; e, Cenozóico (Paleogénico- Neogénico, < 65 milhões de anos): evolução da margem continental Atlântica da Península Ibérica. 1

2 Figura 1 - Mapa esquemático com a geologia do litoral Alentejano (adaptado de Carta Geológica de Portugal, folha sul, escala 1/ Serviços Geológicos de Portugal, 1992) As rochas que aqui afloram ao longo deste litoral mostram os efeitos de diferentes tensões que deformaram e ainda deformam a crosta continental, como consequência do movimento à escala global das placas litosféricas (tectónica de placas). No registo geológico gravado nestas rochas existe uma grande variedade de estruturas primárias que traduzem os processos sedimentares e ígneos que as originaram e também estruturas secundárias resultantes da deformação que sofreram. Paleozóico (Devónico superior Carbónico inferior, ~ milhões de anos): etapas de formação do supercontinente Pangea As rochas mais antigas que estão expostas neste litoral do Alentejo surgem perto de Melides na Serra de Grândola representadas por sedimentos e rochas vulcânicas pertencentes à Faixa Piritosa (subdivisão da Zona Sul-Portuguesa, ZSP). Da base para o topo temos uma sequência estratigráfica constituída por pelitos e arenitos do Devónico superior (PQ), um complexo vulcano-sedimentar constituído por tufos (incluindo os xistos borra de vinho ) e filões camada, essencialmente félsicos (VS) e por fim, espessos turbiditos representados por alternâncias de grauvaques, conglomerados e pelitos (Culm), do Carbónico inferior. O VS, também representado perto de Grândola, surge em extenso afloramento que se estende de Porto Covo a perto de Odemira, passando pelo Cercal, S. Luís e Vila Nova de Milfontes. Aqui para além de tufos felsicos, riolitos, pelitos e jaspes do VS também se observam diabases e tufos intermédios-máficos. Em Odemira, estratigraficamente sobreposto a este magmatismo, surge uma sequência monótona e espessa de turbiditos do Carbónico inferior a superior (Culm). Em S. Teotónio e estendendo-se para a linha costeira entre o Cabo Sardão e Odeceixe, incluindo também uma estreita faixa entre Vila Nova de Milfontes e Odemira, aflora uma espessa sequência monótona com repetições de pelitos e grauvaques (turbiditos) do Culm. 2

3 Figura 2 - Sequência monótona de pelitos e grauvaques (Culm; Carbônico ~320 milhões de anos) afectada por dobramento que provoca rotação dos planos de estratificação que estariam originalmente subhorizontais (Lapa das Pombas, Almograve) A evolução paleogeográfica do Devónico superior-carbónico (~ milhões de anos) para esta bacia sedimentar pode ser idealizada considerando várias etapas de desenvolvimento da margem continental de Gondwana: (1) Devónico superior (~ 370 milhões de anos) com a deposição de espessa sequência de arenitos e pelitos (PQ) num ambiente sedimentar de plataforma marinha superficial siliciclástica estável; esta teria sido posteriormente afectada por instabilidade tectónica e consequente compartimentação por rotura da plataforma, movimento de blocos e formação de relevos (deposição de barras, debris flows, cones deltaicos e construções carbonatadas); (2) Carbónico inferior (~ milhões de anos) com intensa actividade magmática e deposição de um volumoso complexo vulcano-sedimentar com sulfuretos maciços (Mina do Cercal) associados onde surgiriam piroclastos, escoadas e intrusões subvulcânicas (VS); (3) Carbónico inferior-superior (~ milhões de anos) com erosão das sequências anteriores e deposição de espessas e monótonas sequências de turbiditos, formação de escorregamentos por gravidade e, ainda, deposição litoral e de plataforma superficial (Culm). Esta sequência estratigráfica foi no Carbónico superior afectada pelo movimento de placas litosféricas que conduziram à colisão continental entre os continentes Gondwana e Laurussia (orogenia Alleganiana- Varisca), à formação da Pangea e à inversão tectónica da bacia sedimentar da ZSP. Em consequência do encurtamento as rochas foram deformadas, gerando-se dobramentos e fracturação. Desta forma, os planos de estratificação sofreram rotações (por vezes apresentando-se invertidos) descrevendo dobras a todas as escalas de observação, desenvolveram-se planos de clivagem e nalguns casos, os problemas de espaço geraram falhas. 3

4 Mesozóico (Triásico-Jurássico superior, ~ milhões de anos): processos de fragmentação do supercontinente Pangea e abertura do Oceano Atlântico As rochas sedimentares e magmáticas do Mesozóico que estão expostas no Litoral Alentejano (em Sines) são um prolongamento da sequência que aflora entre Santiago do Cacém e Grândola, incluindo o alinhamento montanhoso da Serra de Grândola, e que inclui evaporitos, margas, arenitos, basaltos, dolomitos e calcários. No Cabo de Sines afloram rochas magmáticas do Cretácico (~ ? milhões de anos) essencialmente gabros (Fig.3), dioritos, sienitos, doleritos, basaltos e traquitos) e rochas sedimentares do Jurássico superior (~ milhões de anos) calcários fossilíferos, calcários margosos, calcários detríticos e margas) sobre as quais se depositaram, em discordância, depósitos sedimentares do Plio-Quaternário (< 5 milhões de anos). Figura 3 - Rede de diques félsicos (sienitos) em rochas máficas plutónicas (gabros de Sines; Cretácico milhões de anos?) Cenozóico (Paleogénico-Neogénico, < 65 milhões de anos): evolução da margem continental Atlântica da Península Ibérica Entre a Península de Tróia e o Cabo de Sines, as arribas estão representadas por sequências sedimentares fluvio-marinhas essencialmente detríticas do Miocénico (~ 23-5 milhões de anos; areias silto-argilosas, argilas, arenitos lumachélicos e calcários) e do Plio-Plistocénico (~ 5 milhões anos areias finas a grosseiras, com níveis de cascalheiras, argilas e com crostas ferruginosas). Ao longo do arco litoral de 4

5 Tróia-Sines (Fig.4) observam-se ainda dunas atribuídas ao Holocénico (< anos, areias médias a finas) e depósitos de areia de praia (areias finas a muito grosseiras com fragmentos de conchas) que contactam com os cones de dejecção no sopé das arribas (formadas por areias finas a grosseiras com seixos) e das linhas de água que aí desaguam (aluviões). Os afloramentos do Cenozóico pertencentes à Bacia do Sado estendem-se ao longo de uma faixa contínua entre Sines e Odeceixe. Entre Odemira e Odeceixe, passando por S. Teotónio, observam-se afloramentos do Pliocénico mais antigo limitados a noroeste pela falha de Messejana, constituídos por sequências de argilas, margas, calcários, areias e cascalheiras que se encontram discordantes sobre as rochas mais antigas do Carbónico. A passagem do Neogénico ao Plistocénico (Quaternário) é, sem dúvida, o intervalo de tempo mais bem representado ao longo do litoral, com afloramentos de areias, arenitos e cascalheiras expostos no topo das arribas rochosas que se estendem desde Sines, passando por Vila Nova de Milfontes e Odeceixe. O Plistocénico mais recente aflora em Sines e Sagres, sendo constituído essencialmente por terraços fluviais e depósitos de vertente. O Holocénico (Quaternário) está representado por aluviões modernos em Sines, Vila Nova de Milfontes e Odeceixe, e ainda por dunas, areias de dunas e de praia. A importância de movimentações tectónicas recentes (Neotectónica) é demonstrada no Litoral Alentejano pelo desenvolvimento de sistemas de falhas e consequente basculamento de blocos que controlam o traçado das linhas de água e compartimentam a cobertura sedimentar Holocénica. Figura 4- Praia arenosa e dunas Holocenicas com arribas constituidas por depositos siliciclasticos Plio- Plistocenicos e, ainda alguns afloramentos de calcários do Jurássico superior que afloram na face da praia (Praia do Norte; norte do Cabo de Sines) 5

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve...

saídas de campo Outras saídas serão divulgadas em breve... almograve saídas de campo SAÍDAS DE GEOLOGIA COM O CENTRO CIÊNCIA VIVA DE ESTREMOZ. PORQUE A GEOLOGIA SE APRENDE NO CAMPO! LEVE OS SEUS ALUNOS A OBSERVAR AQUILO QUE APRENDEM NAS AULAS. Ciente da importância

Leia mais

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia

Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Projecto financiado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia A Península Ibérica é essencialmente constituída por um fragmento

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE

III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE III ENCONTRO DE PROFESSORES DE GEOCIÊNCIAS DO ALENTEJO E ALGARVE 1- Introdução Delminda Moura Universidade do Algarve e DPGA Zonas costeiras ou litorais, são zonas de interface entre as zonas continentais

Leia mais

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn

Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn 45 4. FÁCIES SEDIMENTARES E AMBIENTES DEPOSICIONAIS Os sedimentos da Formação Urucutuca foram originalmente interpretados por Bruhn e Moraes (1989) como complexos turbidíticos canalizados, com base nos

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

M O O MA M R AUTORES:

M O O MA M R AUTORES: CONTATO DA TERRA COM O MAR AUTORES: Tiago e Francisco 2010 Índice O QUE É A COSTA? FORMAS DE RELEVO DO LITORAL PRAIA DUNAS BAÍA ESTUÁRIO CABO ARRIBA OUTROS A COSTA PORTUGESA BIBLIOGRAFIA E NETGRAFIA O

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 24 Profº André Tomasini Brasil: estrutura Geológica e Relevo BRASIL - ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental (Alfred Wegener) Pangea. Teoria da Tectônica

Leia mais

Rochas e minerais. Professora Aline Dias

Rochas e minerais. Professora Aline Dias Rochas e minerais Professora Aline Dias Os minerais São substâncias químicas, geralmente sólida, encontradas naturalmente na Terra. São compostos pela união de vários tipos de elementos químicos (silício,

Leia mais

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas:

Quanto à sua origem, podemos considerar três tipos básicos de rochas: O que são rochas? Usamos rochas para tantos fins em nosso dia-a-dia sem nos preocupar com sua origem que esses materiais parecem ter sempre existido na natureza para atender as necessidades da humanidade.

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice:

Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente. Índice: Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 Localização geográfica do local da saída de campo...7 Descrição geológica do local...8

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

FICHA TÉCNICA Edição Textos e pesquisa Design Gráfico

FICHA TÉCNICA Edição Textos e pesquisa Design Gráfico FICHA TÉCNICA Edição Câmara Municipal de Óbidos Textos e pesquisa Dina Matias e Sérgio Pinheiro (Serviço de Arqueologia) João Pedro Tormenta (Arquivo Histórico) Design Gráfico Gabinete de Comunicação e

Leia mais

O QUE SÃO BACIAS SEDIMENTARES

O QUE SÃO BACIAS SEDIMENTARES BACIAS SEDIMENTARES O QUE SÃO BACIAS SEDIMENTARES Áreas com dimensões de 10 3-10 4 km 2 que representam um núcleo de acumulação de sedimentos durantes intervalos significativamente grandes de tempo (>10

Leia mais

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia -

Descobre a Mina no Museu. - A Geologia - Descobre a Mina no Museu - A Geologia - Há cerca de 280 milhões de anos (durante a Era Paleozóica, no período Pérmico), um magma ascendeu no interior da crosta e cristalizou dando origem a um granito.

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1)

SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) SISTEMA AQUÍFERO: COVÕES (M1) Figura M1.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Covões Sistema Aquífero: Covões (M1) 438 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Meridional Bacia Hidrográfica:

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo GEOGRAFIA DAVI PAULINO Relevo É a forma da superfície terrestre, que apresenta variação de nível de um local para outro. Tem uma influência pesada em outros fenômenos, como a urbanização e as atividade

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Geografia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 719/2.ª Fase 16 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS)

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) RELATÓRIO PRELIMINAR PARA INFORMAR SOBRE O INTERESSE CIENTÍFICO, PATRIMONIAL, PEDAGÓGICO E CULTURAL DA JAZIDA Vanda Faria dos Santos Lisboa Novembro

Leia mais

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar

OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar OS ESTUÁRIOS NA MARGEM CONTINENTAL SUL dialética do acontecimento sedimentar Publicado no site em 13/11/2014 Euripedes Falcão Vieira*/** Na margem continental sul-brasileira a presença de dois estuários

Leia mais

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria

I Revisão do. Caracterização biofísica. Leiria I Revisão do Plano Director Municipal de Caracterização biofísica Leiria Volume II 2004 1. ECOZONAS Ao percorrer o concelho de Leiria de Norte para Sul e de Este para Oeste a paisagem varia. Uma imagem

Leia mais

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo

Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil. Antonio Liccardo Estratigrafia das bacias costeiras do sul e sudeste do Brasil Antonio Liccardo ESCOPO As Bacias Sedimentares Brasileiras As bacias costeiras do Sul e Sudeste Importância econômica e disponibilidade de

Leia mais

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso

USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS. Pelo Geólogo Josué Barroso USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA REGIÃO OCEÂNICA: 1-INTRODUÇÃO OS CORDÕES ARENOSOS LITORÂNEOS Pelo Geólogo Josué Barroso No extenso litoral brasileiro, o do Estado do Rio de Janeiro está entre os de maior concentração

Leia mais

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS

ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS ESTUDO SEDIMENTOLÓGICO-AMBIENTAL DO MUNICÍPIO COSTEIRO DE BARRA DOS COQUEIROS Aracy Losano Fontes¹; Aracy Losano Fontes Correia²; Neise Mare de Souza Alves³; Débora Barbosa da Silva 4 aracyfontes@yahoo.com.br

Leia mais

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais?

Trabalho de campo Biologia e Geologia. Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem. Onde Vais? Trabalho de campo Biologia e Geologia Visita ao Cabo Mondego Serra da Boa Viagem Onde Vais? Batida do grande mar, tendo à direita a bonançosa baía de Buarcos e à esquerda os rochedos em que assenta o castelo

Leia mais

Hidrografia e Litoral

Hidrografia e Litoral Conferência Internacional ESTRUTURA ECOLÓGICA NACIONAL CONCEITOS E DELIMITAÇÃO Auditório da Torre do Tombo, 22 de Novembro de 2013 Hidrografia e Litoral João Silva Natália Cunha Ana Müller Lopes Manuela

Leia mais

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN

NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN NOVAS ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS PARA A DELIMITAÇÃO DA REN Portalegre 7 de Julho de 2015 1 RESERVA ECOLÓGICA NACIONAL DELIMITAÇÃO DE ACORDO COM O NOVO REGIME JURÍDICO Resolução do Conselho de Ministros n.º

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO-

PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- PLANIFICAÇÃO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 7º ANO- Tema / Capítulos Competências/Objectivos Estratégias / Actividades Recursos/Materiais Avaliação Aulas previstas (45 min) Articulação Tema I TERRA NO ESPAÇO Capítulo

Leia mais

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso

OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS ARTIGO 9. Pelo Geólogo Josué Barroso OS VENTOS, AS ONDAS E AS MARÉS COMO AGENTES GEOLÓGICOS DE SUPERFÍCIE MODELADORES DAS FAIXAS LITORÂNEAS 1 Origens dos Agentes Geológicos ARTIGO 9 Pelo Geólogo Josué Barroso Inicialmente, como base para

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de fundamentos de prospecção mineral e cartografia, julgue os itens a seguir. A abertura de trincheiras e de poços é recomendada para as investigações de subsuperfície em que o material a ser escavado

Leia mais

AULA 02 2.1 - DINÂMICA INTERNA DA TERRA COM CONSEQUÊNCIAS NA SUPERFÍCIE 2.2 - GEOLOGIA HISTÓRICA E DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AULA 02 2.1 - DINÂMICA INTERNA DA TERRA COM CONSEQUÊNCIAS NA SUPERFÍCIE 2.2 - GEOLOGIA HISTÓRICA E DO ESTADO DE SANTA CATARINA AULA 02 2.1 - DINÂMICA INTERNA DA TERRA COM CONSEQUÊNCIAS NA SUPERFÍCIE 2.2 - GEOLOGIA HISTÓRICA E DO ESTADO DE SANTA CATARINA Profᵃ. Drᵃ. Carolina Riviera Duarte Maluche Barettta carolmaluche@bol.com.br

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E

Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E Anexo 1 Definições dos Parâmetros úteis para o uso de V e E 133 134 Definições dos parâmetros úteis para o uso de V e E Definição das situações a, b, c, e d da construção a construções situadas no interior

Leia mais

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões.

Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa estrutura como os terremotos e vulcões. Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Estrutura Interna da Terra (pag. 59 a 69 Objetivo da aula: conhecer a estrutura interna da Terra, e os fenômenos associados a essa

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS

ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS ABILIO SOARES GOMES ORIGEM DOS OCEANOS Uma das perguntas mais persistentes da humanidade é sobre as origens do homem e do universo, tendo originado tantas cosmogonias quantas civilizações existentes. Para

Leia mais

Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo

Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo Depósitos marinhos do litoral da região do Porto: tectónica versus eustatismo Maria da Assunção Araújo Departamento de Geografia, Faculdade de Letras Universidade do Porto Portugal e-mail: ass.geo.porto@mail.telepac.pt

Leia mais

FORMAS E ESTRUTURAS GEOLÓGICAS 40 QUESTÕES

FORMAS E ESTRUTURAS GEOLÓGICAS 40 QUESTÕES 01 - (Acafe SC) O movimento e o contato entre as placas seriam responsáveis por: a) intemperismo e ação eólica. b) terremotos e vulcanismo. c) terremotos e ação glacial. d) orogênese e ação pluvial. e)

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

Geodiversidade e Geoengenharia do Arquipélago da Madeira. Registo Escrito de Avaliação

Geodiversidade e Geoengenharia do Arquipélago da Madeira. Registo Escrito de Avaliação CENTRO DE FORMAÇÃO DO SINDICATO DOS PROFESSORES DA MADEIRA Geodiversidade e Geoengenharia do Arquipélago da Madeira Registo Escrito de Avaliação Projeto: 002141/2013/124 Curso: 2 Ação: 1 Data: 2 de dezembro

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o BIMESTRE DE 2012 PROF. FERNANDO NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

Palavras de Pedra. História das Rochas do Algarve

Palavras de Pedra. História das Rochas do Algarve Palavras de Pedra História das Rochas do Algarve Palavras de Pedra História das Rochas do Algarve Arenitos, conglomerados e biocalcarenitos. Calcários, dolomites, margas e calcarenitos. Arenitos vermelhos,

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

Deriva Continental LITOSFERA

Deriva Continental LITOSFERA LITOSFERA Deriva Continental De acordo com determinadas teorias científicas, a crosta terrestre não é uma camada rochosa inteiriça, e sim, fragmentada. A primeira teoria a defender essa tese ficou conhecida

Leia mais

AULA 10a: BORDAS DE ASPECTOS GERAIS

AULA 10a: BORDAS DE ASPECTOS GERAIS GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 10a: BORDAS DE PLACAS CONVERGENTES ASPECTOS GERAIS EVOLUÇÃO DAS BORDAS CONVERGENTES Introdução As bordas convergentes envolvem a subducção, isto

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano)

Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) Teste diagnóstico de Geologia (10.º ano) 10.º Ano Objetivos Averiguar os conhecimentos prévios dos alunos acerca de alguns dos temas de Geociências que irão ser tratados ao longo do ensino secundário,

Leia mais

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO

ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO ESTUDO DA MORFODINÂMICA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS NO SEMIÁRIDO Ana Karolina de Oliveira Sousa (1); Antônio Sávio Magalhaes de Sousa (2); Maria Losângela Martins de Sousa (3); Eder

Leia mais

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento

Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento Estrutura da Terra Contributos para o seu conhecimento O Sistema Terra Lua e o passado da Terra O Sistema Terra Lua A conquista da Lua pelo Homem (em 21 de Julho de 1969), tornou possível conhecer com

Leia mais

MAR Alentejano. Um Oceano de Oportunidades. Roberto Grilo Vice-Presidente da CCDR Alentejo. Porto, 30 de maio de 2014

MAR Alentejano. Um Oceano de Oportunidades. Roberto Grilo Vice-Presidente da CCDR Alentejo. Porto, 30 de maio de 2014 MAR Alentejano Um Oceano de Oportunidades Roberto Grilo Vice-Presidente da CCDR Alentejo Porto, 30 de maio de 2014 1 MAR Alentejano, um Oceano de Oportunidades Roteiro: - Crescimento Inteligente/Crescimento

Leia mais

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012

PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROVA DE GEOGRAFIA 3 o TRIMESTRE DE 2012 PROFa. JULIANA NOME N o 8 o ANO A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta.

Leia mais

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir.

As características gerais dos tipos de relevo de ocorrência na região do PNSB e Zona de Amortecimento são apresentadas na Tabela A.42, a seguir. ANEXO 5.3 - CARACTERIZAÇÃO DO RELEVO DAS ÁREAS DO PNSB E ZONA DE AMORTECIMENTO A copartientação geoorfológica regional na qual insere-se os tipos de relevo das áreas do PNSB e Zona de Aorteciento é apresentada

Leia mais

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja

CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL. Eduardo Azambuja CONTENÇÕES DE ENCOSTAS NAS PROVÍNCIAS GEOLÓGICAS DA REGIÃO SUL Eduardo Azambuja Por que as obras viárias tanto se relacionam com a geologia? Obras deitadas; Escala do emprego de materiais naturais; Distância

Leia mais

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução

A Terra, um planeta único a proteger. Introdução A Terra, um planeta único a proteger Introdução A Terra não é apenas o nosso planeta, ela constitui a nossa única possibilidade de vida, ela é a herança para os nossos filhos e netos. A Terra, com a sua

Leia mais

3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ

3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ 3 O LITORAL ENTRE ESPINHO E NAZARÉ 3.1. DIVISÃO EM SECTORES A costa entre Espinho e Nazaré é predominantemente do tipo arenoso. Embora as arribas inscritas em dunas sejam bastante frequentes em toda esta

Leia mais

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B

Disciplina: Geografia. Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17. Turma: B Disciplina: Geografia Trabalho realizado por: Mónica Algares nº 17 Turma: B 1 Índice Introdução... 3 Principais fontes de poluição dos oceanos e mares... 4 Prejuízos irremediáveis... 5 As marés negras...

Leia mais

A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS

A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS Finisterra, XLIII, 85, 2008, pp. 77-81 A IBÉRIA, OS ATLÂNTICOS E OS MEDITERRÂNEOS HOMENAGEM A ORLANDO RIBEIRO* ANTÓNIO RIBEIRO 1 Orlando Ribeiro, meu pai, foi um geógrafo de dimensão internacional; a sua

Leia mais

Classificação de Aroldo de Azevedo

Classificação de Aroldo de Azevedo GEOGRAFIA DO BRASIL Relevo O relevo brasileiro apresenta grande variedade morfológica (de formas), como serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies e outras, - resultado da ação, principalmente,

Leia mais

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra

Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO. Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra Colégio Salesiano Dom Bosco GEOGRAFIA Prof. Daniel Fonseca 6 ANO Capítulo 7 Formas, Relevos e solos da Terra O que é relevo? O relevo terrestre pode ser definido como as formas da superfície do planeta,

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24)

SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) SISTEMA AQUÍFERO: CESAREDA (O24) Figura O24.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Cesareda Sistema Aquífero: Cesareda (O24) 348 Identificação Unidade Hidrogeológica: Orla Ocidental Bacia

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 18 às 20h Quarta 20 às 22h museu IC II Aula 15 Ambientes de transição Deltas Turma: 2016/01 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Retrogradante Progradante Retrogradante

Leia mais

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA

GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA GEOLOGIA GERAL GEOGRAFIA Segunda 7 às 9h Quarta 9 às 12h museu IC II Aula 2 Deriva continental e Tectônica de placas Turma: 2015/2 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Dinâmica da Terra Deriva

Leia mais

Programas Educativos 2015/2016 3º Ciclo ÍNDICE

Programas Educativos 2015/2016 3º Ciclo ÍNDICE ÍNDICE 1. Introdução----------------------------------------------------------------------- 3 2. Prepare-se para a saída e trabalho de campo-------------------------- 4 3. Programas Educativos 3.1 Programas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA

DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA DIVULGAÇÃO DO PATRIMÓNIO GEOLÓGICO DA ILHA DE SANTA MARIA EVA A. LIMA, JOÃO C. NUNES & SARA MEDEIROS Departamento de Geociências da Universidade dos Açores LAGE - Laboratório de Geodiversidade dos Açores

Leia mais

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA

APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA APÊNDICE H-DIAGNÓSTICO FÍSICO- CONSERVACIONISTA O DFC tem por objetivo determinar o estado de deterioração ou de conservação de uma região. É levado a efeito, correlacionando-se uma série de parâmetros

Leia mais

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Versão 2. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. Teste Intermédio de Biologia e Geologia Versão 2 Teste Intermédio Biologia e Geologia Versão 2 Duração do Teste: 90 minutos 18.05.2011 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na

Leia mais

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são:

Rochas sedimentares. Os estágios e fenômenos geológicos que levam a formar as rochas sedimentares são: Rochas sedimentares Sedimentos cobrem a maior parte da superfície terrestre. São divididos em três grandes grupos: - o dos sedimentos gerados pelo intemperismo continental, o dos gerados por organismos

Leia mais

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br

Geomorfologia. Professor: Cláudio custódio. www.espacogeografia.com.br Geomorfologia Professor: Cláudio custódio A um quilometro dali havia um morro com um grande desbarrancado a barreira, como se dizia lá no sítio. O Visconde levo-os para lá. Diante da barreira, parou e

Leia mais

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF

Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira. Gilberto T. M. Dias UFF Tipos de Depósitos de Algas Calcárias na Plataforma Continental Brasileira Gilberto T. M. Dias UFF Itens abordados na apresentação: Algas calcarias como geradoras de depósitos sedimentares Relações com

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1

GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS. Material G1 Centro Universitário Luterano de Palmas CEULP / ULBRA Departamento de Engenharia Civil - DEC Engenharia Civil GEOLOGIA APLICADA A OBRAS CIVIS Material G1 Prof. Msc. Roberta Mara Capitulo 1 Noções de Geologia

Leia mais

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição.

Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais. Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. RG2010 Conceitos e Classificações de Jazigos Minerais Morfologias. Estruturas internas. Texturas. Preenchimento. Substituição. Explorabilidade. Métodos de exploração. Tratamento mineralúrgico. Qual a importância

Leia mais

A Terra tem aproximadamente 4,6 bilhões de anos; Ela surge após o Big Bang, há 15 bilhões de anos;

A Terra tem aproximadamente 4,6 bilhões de anos; Ela surge após o Big Bang, há 15 bilhões de anos; Evolução da Terra A Terra tem aproximadamente 4,6 bilhões de anos; Ela surge após o Big Bang, há 15 bilhões de anos; A teoria do Big Bang é elaborada por Edwin Hubble, quando este observou que as galáxias

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

Boletim climatológico mensal dezembro 2012

Boletim climatológico mensal dezembro 2012 Boletim climatológico mensal dezembro 2012 CONTEÚDOS IPMA,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 06 Caracterização Climática Mensal 06 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES

AULA 9: BORDAS DE PLACAS TRANSFORMANTES GEOTECTÔNICA TECTÔNICA GLOBAL Prof. Eduardo Salamuni AULA 9: BORDAS DE PLACAS DIVERGENTES E TRANSFORMANTES EVOLUÇÃO DAS BORDAS DIVERGENTES A evolução se faz em 3 estágios Rifting: abertura de vale em rift

Leia mais

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR

Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Análise dos Fatores que Condicionam a Estrutura do Relevo em Piraí da Serra, PR Rafael KÖENE e Mário Sérgio de MELO Universidade Estadual de Ponta Grossa A região de Piraí da Serra é um representante remanescente

Leia mais

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m.

O grau interior da Terra é medido através do grau geotérmico com média de 1ºc a cada 30-35m. A FORMAÇÃO DA TERRA E SUA ESTRUTURA O planeta Terra se formou a cerca de 4,5 bilhões de anos, formado por vários materiais incandescentes que foram se resfriando ao longo do tempo, o material mais pesado

Leia mais

Geoideias: Earthlearningidea. Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais

Geoideias: Earthlearningidea. Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais Litorais mudando Investigando como a erosão, o transporte e a deposição das ondas podem mudar as formas dos litorais Os litorais, com suas falésias, praias, cabos e baías, estão constantemente mudando

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7)

SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) SISTEMA AQUÍFERO: FIGUEIRA DA FOZ-GESTEIRA (O7) Figura O7.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Figueira da Foz-Gesteira Sistema Aquífero: Figueira da Foz-Gesteira (O7) 224 Identificação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA

CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA CARACTERIZAÇÃO HIDROQUÍMICA DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DAS ROCHAS CRISTALINAS DO CONCELHO DE PORTALEGRE - NOTA PRÉVIA Paulo ANDRADE (1) ; António CHAMBEL (2) ; Jorge DUQUE (3) RESUMO O presente artigo pretende

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Ciências Naturais 7º Ano. Ano Lectivo: 2010/2011 PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Ciências Naturais 7º Ano Ano Lectivo: 2010/2011 Competências Temas/Unidades Conteúdos _ Conhecer a constituição do Universo e do Sistema Solar _ Conhecer as características

Leia mais

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos

PLURAL/OLIVEIRA DAS NEVES/BIODESIGN ANEXOS. Revisão do PDM de Vagos ANEXOS Revisão do PDM de Vagos ANEXO I CARACTERIZAÇÃO LITOLÓGICA, GEOTÉCNICA E PEDOLÓGICA (Plano Director Municipal de Vagos..., Gabinete de Apoio Técnico de Aveiro) Revisão do PDM de Vagos CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais