ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira"

Transcrição

1 ESTRUTURAS DE DADOS II MSc. Daniele Carvalho Oliveira

2 ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 2

3 Introdução Filas, pilhas» Estruturas Lineares Um dos exemplos mais significativos de estruturas não-lineares são as árvores. Muito utilizadas para representar uma hierarquia. ED2: MSc. Daniele Oliveira 3

4 Definição Uma árvore T é um conjunto finito, não-vazio de nós, T = r T 1 T 2 T n, com as seguintes propriedades: 1. Um nó especial, r, é chamado de raiz da árvore; 2. O restante dos nós é particionado em n 0 subconjuntos, cada um sendo uma árvore. ED2: MSc. Daniele Oliveira 4

5 Exemplos T a = {A} é uma árvore T b = {B, C } é uma árvore T c = D, E, F, G, H, I, K, L, M é uma árvore ED2: MSc. Daniele Oliveira 5

6 Terminologia Considere uma árvore T = {r, T 1, T 2,, T n }, n 0 O grau de um nó é o número de sub-árvores relacionadas com aquele nó. Um nó de grau 0 não possui sub-árvores. Esse nó é chamado de folha. Cada raiz r i da sub-árvore T i é chamada de filho de r. O termo neto é definido de forma análoga. O nó raiz r da árvore T é o pai de todas as raízes r i das sub-árvores T i, 1 < i n Duas raízes r i e r j das sub-árvores distintas T i e T j de T são ditas irmãs ED2: MSc. Daniele Oliveira 6

7 Caminho e Comprimento de Caminho Dada uma árvore T que contém um conjunto de nós S, um caminho P é definido como uma sequência não vazia de nós. P = { s 1, s 2,, s k } Onde s i S, 1 i k, tal que s i é o pai de s i+1 O comprimento do caminho é k 1. ED2: MSc. Daniele Oliveira 7

8 Caminho e Comprimento de Caminho O nível ou profundidade de um nó é o comprimento do único caminho entre a raiz e o nó. A altura de um nó é o comprimento do caminho mais longo do nó a uma folha. A altura de uma árvore T é a altura do nó raiz Uma árvore é homogênea se todos os seus nós possuem as mesmas características de conteúdo. Caso contrário é heterogênea. Para conhecermos os antepassados de um nó, basta identificarmos todos os nós ao longo do caminho entre a raiz e o nó. Um nó s j é descendente de um nó s i se há um caminho em T de s i a s j. ED2: MSc. Daniele Oliveira 8

9 Árvores n-árias Uma árvore N-ária T é um conjunto finito de nós com as seguintes propriedades: 1. O conjunto é vazio, T = ; ou 2. O conjunto consiste em uma raiz, r, e n árvores N-árias distintas Ou seja, os nós de uma árvore N-ária possuem grau 0 a N. ED2: MSc. Daniele Oliveira 9

10 Árvores n-árias Cheias Uma árvore n-ária T é dita cheia quando seus nós possuem grau 0 ou N. ED2: MSc. Daniele Oliveira 10

11 ÁRVORES BINÁRIAS ED2: MSc. Daniele Oliveira 11

12 Árvores Binárias Uma árvore binária se caracteriza pelo fato de todos os seus nós terem no máximo duas sub-árvores, ou seja, é uma árvore de grau 2. Toda árvore binária possui as seguintes propriedades: 1. Cada sub-árvore é também uma árvore binária. 2. O grau de um nó representa o seu número de sub-árvores. 3. Em uma árvore binária, o grau máximo de um nó é 2. Referimo-nos aos filhos de um nó em uma árvore binária como sendo sub-árvore esquerda ou subárvore direita, de acordo com seu posicionamento. ED2: MSc. Daniele Oliveira 12

13 ÁRVORES BINÁRIAS DE PESQUISA ED2: MSc. Daniele Oliveira 13

14 Árvores Binárias de Pesquisa (ABP) Também chamada de Árvore Binária de Busca Toda Árvore Binária de Pesquisa possui as seguintes propriedades: Todos os nós da sub-árvore direita são maiores que o nó raiz Todos os nós da sub-árvore esquerda são menores que o nó raiz Cada sub-árvore é também uma árvore binária de pesquisa. ED2: MSc. Daniele Oliveira 14

15 Inserção em ABP Após a inserção do novo elemento, a árvore deve manter as propriedades de árvore binária de pesquisa. O nó inserido é sempre uma folha. ED2: MSc. Daniele Oliveira 15

16 Remoção em ABP 3 casos 1. O nó a ser removido é uma folha 2. O nó a ser removido possui apenas um filho 3. O nó a ser removido possui dois filhos ED2: MSc. Daniele Oliveira 16

17 Percurso em Árvores Um percurso numa árvore binária é uma forma sistemática de acesso a todos os seus nós, em geral realizando algum tipo de operação. Duas categorias de percurso: Percurso em profundidade os nós da sub-árvore atual têm prioridade na ordem de acesso. Percurso em largura os nós de menor nível têm prioridade na ordem de acesso. ED2: MSc. Daniele Oliveira 17

18 Percurso em Profundidade Três tipos canônicos : Pré-ordem: Visitar a raiz Percorrer a sub-árvore esquerda em pré-ordem Percorrer a sub-árvore direita em pré-ordem Pós-ordem: Percorrer a sub-árvore esquerda em pós-ordem Percorrer a sub-árvore direita em pós-ordem Visitar a raiz In-ordem (simétrica): Percorrer a sub-árvore esquerda em ordem simétrica Visitar a raiz Percorrer a sub-árvore direita em ordem simétrica ED2: MSc. Daniele Oliveira 18

19 Percurso em Largura O percurso em largura primeiro visita todos os nós do nível 0, depois todos os nós do nível um, e daí por diante. Os nós são visitados da esquerda para a direita em cada um dos níveis. ED2: MSc. Daniele Oliveira 19

20 Árvores de Expressões Expressões algébricas como a/b + c d e possuem inerentemente uma estrutura de árvore. Os nós terminais de uma árvore de expressão são variáveis ou constantes da expressão. Os outros nós de uma árvore são operadores (+,,, ). Os parênteses não aparecem na árvore. A representação em árvore mantém a intenção dos parênteses. Árvores de Expressão são geralmente binárias, por que? Os operadores algébricos mais comuns são binários ou unários. ED2: MSc. Daniele Oliveira 20

21 Percurso O que podemos fazer com árvores de expressão? Imprimir a expressão representada na árvore. Um percurso em ordem simétrica visita os nós na ordem: a,, b, +, c,, d,, e Considere um percurso em ordem simétrica que, quando encontra um nó terminal, o imprime; e quando encontra um nó não terminal faz: 1. Imprime um parêntese esquerdo; 2. Percorre a sub-árvore da esquerda; 3. Imprime a raiz; 4. Percorre a sub-árvore da direita; e 5. Imprime um parêntese direito. Saída: ( a b + c d e ) ED2: MSc. Daniele Oliveira 21

22 Notação Infixa A notação dos exemplos anteriores é chamada de notação infixa, porque cada operador aparece entre seus operandos. Existe uma relação natural entre a notação infixa e o percurso em ordem simétrica. Só é possível para operações binárias (soma, divisão...) ED2: MSc. Daniele Oliveira 22

23 Notação Prefixa O operador é escruto antes dos seus operandos. Utiliza-se um percurso em pré-ordem para imprimir a expressão. Para cada nó não terminal: 1. Imprime a raiz; 2. Imprime um parêntese esquerdo; 3. Percorre a sub-árvore esquerda; 4. Imprime uma vírgula; 5. Percorre a sub-árvore da direita; e 6. Imprime um parêntese direito. Saída: + ( a, b, c, d, e ) soma (div a, b, mult sub c, d, e ) ED2: MSc. Daniele Oliveira 23

24 Notação Posfixa O percurso em pós-ordem produz uma expressão posfixa. Em uma expressão posfixa o operador vem depois dos operandos. A vantagem das expressões posfixas (e prefixas) é que parênteses não são necessários. Aplicando um percurso em pós-ordem, temos: a b c d e + ED2: MSc. Daniele Oliveira 24

25 Notação Posfixa Uma expressão posfixa pode ser avaliada usando uma pilha de avaliação durante o percurso, da seguinte forma: 1. Quando um nó terminal for visitado, seu valor é colocado na pilha 2. Quando um nó não terminal for visitado: a) São retirados dois valores da pilha b) A operação especificada pelo nó é feita com os dois valores c) O resultado é colocado na pilha. 3. Quando o percurso terminar, existirá apenas um valor na pilha, que corresponderá ao valor da expressão. Agora, em vez de fazer a computação de cada nó que for visitado, emite-se o código requerido para avaliar a expressão. Isso é exatamente o que um compilador faz para compilar uma expressão. ED2: MSc. Daniele Oliveira 25

26 Fim da Aula 2 PRÓXIMA AULA: BALANCEAMENTO DE ÁRVORES ED2: MSc. Daniele Oliveira 26

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006

Árvores. Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Algoritmos e Estruturas de Dados 2005/2006 Árvores Conjunto de nós e conjunto de arestas que ligam pares de nós Um nó é a raiz Com excepção da raiz, todo o nó está ligado por uma aresta a 1 e 1

Leia mais

Estruturas de Dados Árvores

Estruturas de Dados Árvores Estruturas de Dados Árvores Prof. Eduardo Alchieri Árvores (introdução) Importância de estruturas unidimensionais ou lineares (vetores e listas) é inegável Porém, estas estruturas não são adequadas para

Leia mais

EAD Árvore árvore binária

EAD Árvore árvore binária EAD Árvore árvore binária - Uma árvore binária é um conjunto finito de elementos (nodos) que pode ser vazio ou particionado em três subconjuntos: - raiz da árvore (elemento inicial, que é único); - subárvore

Leia mais

Métodos Computacionais. Árvores

Métodos Computacionais. Árvores Métodos Computacionais Árvores Árvores Vetores e Listas são ótimos para representar estrutura de dados lineares, mas não para modelar dados hierárquicos Exemplos de dados hierárquicos: sistema de arquivos

Leia mais

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estruturas de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estruturas de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Árvores Conceitos Árvores binárias Árvores binárias de pesquisa Árvores binárias balanceadas Árvores ESTRUTURAS

Leia mais

UFSC-CTC-INE INE5384 - Estruturas de Dados. Árvores. Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2. Árvore

UFSC-CTC-INE INE5384 - Estruturas de Dados. Árvores. Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2. Árvore US-T-IN IN5384 - struturas de ados Árvores Prof. Ronaldo S. Mello 2002/2 Árvore Uma árvore é uma estrutura que mantém uma relação de hierarquia ou composição entre os dados 1 xemplo João (P) Paulo () na

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores

Algoritmos e Estrutura de Dados III. Árvores Algoritmos e Estrutura de Dados III Árvores Uma das mais importantes classes de estruturas de dados em computação são as árvores. Aproveitando-se de sua organização hierárquica, muitas aplicações são realizadas

Leia mais

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques

Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Estruturas de Dados Pilhas, Filas e Deques Prof. Eduardo Alchieri Estruturas de Dados Pilhas Pilhas Lista LIFO (Last In, First Out) Os elementos são colocados na estrutura (pilha) e retirados em ordem

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados 2

Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Algoritmos e Estruturas de Dados 2 Unidade 1: Árvores binárias Rafael Beserra Gomes Universidade Federal do Rio Grande do Norte Material compilado em 21 de fevereiro de 201. Licença desta apresentação:

Leia mais

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo

Árvores Balanceadas. Árvore binária completamente balanceada. Ocorre quando a árvore está cheia ou quase cheia com o nível n-1 completo Árvores Balanceadas As árvores binárias de pesquisa são, em alguns casos, pouco recomendáveis para as operações básicas (inserção, remoção e busca) Árvores binárias de pesquisa degeneradas tornam as operações

Leia mais

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo

Árvores Binárias e Busca. Jeane Melo Árvores Binárias e Busca Jeane Melo Roteiro Parte 1 Árvores Relação hierárquica Definição Formal Terminologia Caminhamento em Árvores Binárias Exemplos Parte 2 Busca seqüencial Busca Binária Grafos Conjunto

Leia mais

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2

1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 Índice i Índice Capítulo 4 Estrutura de Dados não sequencial com armazenamento não sequencial ( Árvore ) 1. Introdução... 1 1.1. Definição... 1 1.2. Conceitos relacionados... 2 2. Árvores binárias... 2

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS DCC013

ESTRUTURA DE DADOS DCC013 ESTRUTURA DE DADOS DCC013 Árvores Pesquisa sequencial Preliminares Elementos pesquisados sucessivamente Comparação determina se o elemento foi encontrado ou não Exemplo: buscar 4 (Arrays e lista encadeada)

Leia mais

Árvores e Árvores Binárias

Árvores e Árvores Binárias MAC 5710 - Estruturas de Dados - 2008 Referência bibliográfica Os slides sobre este assunto são parcialmente baseados nas seções sobre árvores do capítulo 4 do livro N. Wirth. Algorithms + Data Structures

Leia mais

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br

BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I. Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco. jesus.mena@ufabc.edu.br BC1424 Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 16: Árvores (introdução) Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2015 1 2 Árvores Uma árvore é uma estrutura de dados mais geral que uma lista

Leia mais

Linguagem C: Árvores Binarias

Linguagem C: Árvores Binarias Instituto de C Linguagem C: Árvores Binarias Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Implementação

Leia mais

Estrutura de Dados Árvores. Prof. Robinson Alves

Estrutura de Dados Árvores. Prof. Robinson Alves Estrutura de Dados Árvores Prof. Robinson Alves O que é uma árvore Em Computação, é um modelo abstrato de uma estrutura hierárquica Uma árvore consiste de nós com uma relação pai-filho Brasil Vendas Internacional

Leia mais

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa.

Árvores Binárias. Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Observação: Material elaborado a partir do material do Professor Marcos Costa. Árvores Binárias Árvore binária é definida como um conjunto finito de nós que Ou está vazio Ou consiste de

Leia mais

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros

Pesquisa em Memória Primária. Prof. Jonas Potros Pesquisa em Memória Primária Prof. Jonas Potros Procedimento para Inserir na Árvore Binária Critérios: Atingir um ponteiro nulo em um processo de pesquisa significa uma pesquisa sem sucesso. O ponteiro

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Uma Árvore Binária de Busca T (ABB) ou Árvore Binária de Pesquisa é tal que ou T = 0 e a árvore é dita vazia ou seu nó contém uma chave e: 1. Todas as chaves da sub-árvore esquerda

Leia mais

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1

INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias. (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 INF1007: Programação 2 10 Árvores Binárias (c) Dept. Informática - PUC-Rio 1 Tópicos Principais Introdução Árvores binárias Representação em C Ordens de percurso em árvores binárias Altura de uma árvore

Leia mais

INF 1007 Programação II

INF 1007 Programação II INF 1007 Programação II Aula 14 Árvores Binárias Edirlei Soares de Lima Árvores Uma estrutura de dados do tipo árvore permite que dados sejam organizados de maneira hierárquica.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE

PROGRAMAÇÃO II 4. ÁRVORE 4. ÁRVORE PROGRAMAÇÃO II Prof. Jean Eduardo Glazar Uma árvore impõe uma estrutura hierárquica em uma coleção de itens. Um exemplo familiar é a árvore genealógica. Árvores despontam de forma natural em

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti

ESTRUTURAS DE DADOS I. Notas de Aula. Prof. Dr. Gilberto Nakamiti ESTRUTURAS DE DADOS I Notas de Aula 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1 Array (vetores)... 2 2. BUSCA DE ELEMENTOS... 3 2.1 Busca Seqüencial... 3 2.2 Busca Binária... 3 2.3 Busca Indexada... 3 2.4 Busca Hash...

Leia mais

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2

FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA MESTRADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Projeto e Análise de Algoritmos II Lista de Exercícios 2 Prof. Osvaldo. 1. Desenvolva algoritmos para as operações abaixo e calcule a complexidade

Leia mais

Árvores B + Prof Márcio Bueno. ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com. Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura

Árvores B + Prof Márcio Bueno. ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com. Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Árvores B + Prof Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Material da Prof a Ana Eliza Lopes Moura Árvore B + A árvore B + é uma variação da estrutura básica da árvore B. Características:

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Binárias Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

EAD Árvore - representação usando listas ligadas

EAD Árvore - representação usando listas ligadas 4.1. Definição É uma árvore binária em que os seus nodos têm associado uma chave, que - determina a sua posição de colocação na árvore e - obedece às seguintes regras: a chave de um nodo é - maior do que

Leia mais

Estruturas de Dados I

Estruturas de Dados I UFES - Curso de verão 2011 Estruturas de Dados I Profa. Juliana Pinheiro Campos jupcampos@gmail.com Árvores binárias de busca (ou São árvores projetadas para dar suporte a operações de busca de forma eficiente.

Leia mais

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa

Pedro Vasconcelos DCC/FCUP. Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Programação Funcional 15 a Aula Árvores de pesquisa Pedro Vasconcelos DCC/FCUP 2014 Árvores binárias Um árvore binária é um grafo dirigido, conexo e acíclico em que cada vértice é de um de dois tipos:

Leia mais

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11

ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS CES-11 CES-11 CES-11 ALGORITMOS E ESTRUTURAS DE DADOS Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac IECE - ITA Uma árvore binária é: uma árvore vazia; ou uma árvore onde qualquer

Leia mais

Árvores Binárias de Busca

Árvores Binárias de Busca Árvores Binárias de Busca Definição Uma Árvore Binária de Busca possui as mesmas propriedades de uma AB, acrescida da seguinte propriedade: Para todo nó da árvore, se seu valor é X, então: Os nós pertencentes

Leia mais

Árvore Binária de Busca

Árvore Binária de Busca Árvore Binária de Busca 319 Árvore Binária de Busca! construída de tal forma que, para cada nó:! nós com chaves menores estão na sub-árvore esquerda! nós com chaves maiores (ou iguais) estão na subárvore

Leia mais

{ fazer Pós-Ordem sem recursividade. Poderá cair na prova!!! }

{ fazer Pós-Ordem sem recursividade. Poderá cair na prova!!! } 1 Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná Curso Bacharelado em Informática Prof.: José Luiz A. Duizith A B D.. C E. E C Pré: A B C D E B In : B C A E D D Pos: C B E D A A Usando Pilha Procedimento

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 13 Estrutura de Dados: Árvores de Pesquisa Binária Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Uma árvore de pesquisa binária são estruturas de dados que admitem operações

Leia mais

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação

- UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação 1I Prof. Osório Árvores Genéricas Pag.: 1 - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Curso: Informática / Ciência da Computação Programação II Disciplina: Linguagem

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS PILHA

ESTRUTURA DE DADOS PILHA ESTRUTURA DE DADOS PILHA CONCEITO DE PILHAS - Pilhas são listas lineares onde a inserção de um novo item ou a remoção de um item já existente se dá em uma única extremidade, no topo. Pilha vazia Insere(A)

Leia mais

Busca. Pesquisa sequencial

Busca. Pesquisa sequencial Busca Banco de dados existem para que, de tempos em tempos, um usuário possa localizar o dado de um registro, simplesmente digitando sua chave. Uma tabela ou um arquivo é um grupo de elementos, cada um

Leia mais

Árvores Rubro-Negras. Árvores Rubro-Negras. (Vermelho-Preta) Estrutura da Árvore. Estrutura da Árvore

Árvores Rubro-Negras. Árvores Rubro-Negras. (Vermelho-Preta) Estrutura da Árvore. Estrutura da Árvore Árvores Rubro-Negras Árvores Rubro-Negras (Vermelho-Preta) Árvore Binária de Pesquisa (ABP) com nodos coloridos de vermelho e preto Árvore balanceada Qualquer caminho da raiz até as folhas, nenhum caminho

Leia mais

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011

Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Estruturas de Dados Aula 15: Árvores 17/05/2011 Fontes Bibliográficas Livros: Introdução a Estruturas de Dados (Celes, Cerqueira e Rangel): Capítulo 13; Projeto de Algoritmos (Nivio Ziviani): Capítulo

Leia mais

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio

TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS. Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TIPOS ABSTRATOS DE DADOS DEFINIÇÃO E EXEMPLOS Bruno Maffeo Departamento de Informática PUC-Rio TERMINOLOGIA BÁSICA ALGORITMO Um algoritmo pode ser visto como uma seqüência de ações expressas em termos

Leia mais

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43

Árvore B UNITINS ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS 3º PERÍODO 43 AULA A 3 ESTRUTURA RA DE DADOS Árvore B Esperamos que, ao final desta aula, você seja capaz de: identificar as vantagens da árvore B em relação às árvores binária de busca e AVL; conhecer as funções de

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS II

ESTRUTURAS DE DADOS II ESTRUTURAS DE DADOS II Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF Conteúdo Programático 1. Introdução

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA ASSOCIADA À UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CURSO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO PILHA E FILA Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com

Leia mais

Complexidade de Algoritmos

Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Complexidade de Algoritmos Envolvendo Estruturas de Dados Elementares Prof. Osvaldo Luiz de Oliveira Estas anotações devem ser complementadas por apontamentos em aula. Vetor

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária

Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Algoritmos e Estruturas de Dados: Árvore Binária Exemplo de árvore binária e são os filhos de Altura desta árvore é 4 é a raiz da sub-árvore esquerda de Rômulo Silva de Oliveira Departamento de Automação

Leia mais

B D. Árvores Ordenadas

B D. Árvores Ordenadas ÈUYRUHV 'HILQLomR Uma árvore 7 é um conjunto finito contendo um ou mais nós (vértices), onde existe um nó especial denominado UDL] e os demais estão organizados em 1 conjuntos disjuntos (T 1, T 2,...,

Leia mais

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados

Árvores AVL. Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Árvores AVL Prof. Othon M. N. Batista Estrutura de Dados Roteiro (/2) Árvore Binária de Pesquisa - Pior Tempo ABP Balanceada e Não Balanceada Balanceamento de Árvores Balanceamento de ABP Balanceamento

Leia mais

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo

Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa. Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Aula T20 BCC202 Pesquisa (Parte 2) Árvores de Pesquisa Túlio Toffolo www.decom.ufop.br/toffolo Árvore AVL n Árvore binária de busca tal que, para qualquer nó interno v, a diferença das alturas dos filhos

Leia mais

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras

Árvore Binária de Busca. Algoritmos e Estrutura de Dados II. Operações Busca e Sucessor. Árvore Binária de Busca. Árvores Rubro-Negras Árvore Binária de Busca Algoritmos e Estrutura de Dados II Árvores Rubro-Negras Prof. Marco Aurélio Stefanes marco em dct.ufms.br Propriedades Se está na subárvore esquerda de então chave() chave() Se

Leia mais

2ª Lista de Exercícios

2ª Lista de Exercícios Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Ciência da Computação Algoritmos e Estruturas de Dados II (Turmas M, N, W, F) 1º Semestre de 2012 Profs. Camilo Oliveira, Gisele Pappa, Ítalo Cunha,

Leia mais

Árvores. Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque. Engenharia da Computação. Poli - UPE

Árvores. Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque. Engenharia da Computação. Poli - UPE Árvores Prof. Byron Leite Prof. Tiago Massoni Prof. Fernando Buarque Engenharia da Computação Poli - UPE Motivação Para entradas realmente grandes, o acesso linear de listas é proibitivo Estrutura de dados

Leia mais

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais:

Estruturas de Dados. Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: Estruturas de Dados Pilhas Prof. Ricardo J. G. B. Campello Créditos Parte dos slides a seguir são adaptações, extensões e traduções para C dos originais: disponíveis em http://ww3.datastructures.net/ cedidos

Leia mais

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições

Árvore - Introdução. Teoria dos Grafos. Árvore Livre. Árvore Enraizada. Algumas Definições. Algumas Definições Árvore - Introdução Árvores Em nosso dia-a-dia nos deparamos com muitos exemplos de árvores: Árvore genealógica. Organograma de uma empresa. Tabela de um torneio esportivo. Na computação: Organização da

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 08 Pilhas

Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 08 Pilhas Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 08 Pilhas Profa. Alana Oliveira e Prof. Davi Viana alanaslz@gmail.com e davi.viana@lsdi.ufma.br Se não entender, pergunte! Dados e Tipos de Dados Um dado é uma informação

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

Filas COMANDOS EM C++ PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FILA. Biblioteca padrão <queue>

Filas COMANDOS EM C++ PARA IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FILA. Biblioteca padrão <queue> Filas Uma fila é uma lista linear em que as inserções são realizadas num extremo, ficando as remoções restritas a outro. palavra da língua inglesa, significa fila. Por tradição, as duas operações básicas

Leia mais

Árvores & Árvores Binárias

Árvores & Árvores Binárias Árvores & Árvores Binárias Problema Implementações do TAD Lista Linear Lista encadeada eficiente para inserção e remoção dinâmica de elementos, mas ineficiente para busca Lista seqüencial (ordenada) Eficiente

Leia mais

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; };

struct arv { char info; struct arv* esq; struct arv* dir; }; Estruturas Árvores 05/05/2008 Aula de (parte 16: Informação 2) ÁrvoreBinária Umaárvoreemquecadanótem Umaárvorebináriaé: umaárvorevazia; a nóraizcom subárvoredadireita(sad) subárvoredaesquerda(sae) duassub-árvores:

Leia mais

26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES

26/08/2013. Árvore. Árvore. Árvore. Floresta :: Exemplo. Floresta ÁRVORES 2 ÁRVORES Dado um grafo G G é chamado de árvore caso seja não direcionado, conectado e não possua circuitos simples Matemática Discreta Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento

Leia mais

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO

Geração de código. Ivan Ricarte INTRODUÇÃO À COMPILAÇÃO Geração de código Ivan Ricarte 2008 Sumário Geração de código intermediário Código de três endereços Notação pós-fixa Otimização de código Heurísticas de otimização Geração de código em linguagem simbólica

Leia mais

Árvores Binárias Balanceadas

Árvores Binárias Balanceadas Árvores Binárias Balanceadas Elisa Maria Pivetta Cantarelli Árvores Balanceadas Uma árvore é dita balanceada quando as suas subárvores à esquerda e à direita possuem a mesma altura. Todos os links vazios

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I

Algoritmos e Estruturas de Dados I Algoritmos e Estruturas de Dados I Aula 19: - Comparação empírica de algoritmos de ordenação - Árvores Prof. Jesús P. Mena-Chalco jesus.mena@ufabc.edu.br 1Q-2016 1 Comparação empírica de algoritmos de

Leia mais

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação

DAS5102 Fundamentos da Estrutura da Informação Árvores Existe uma ampla variedade de dados que são comumente organizados sob a forma de árvores hierárquicas utilizadas recorrentemente em nosso dia a dia. Exemplos são a organização administrativa de

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Curso de Ciência da Computação Disciplina: Estruturas de Dados Profª. Raquel Marcia Müller 1 Listas Lineares Dentre as estruturas de dados não primitivas, as listas lineares são as de manipulação mais simples. Uma lista linear agrupa informações referentes a um conjunto de elementos que, de

Leia mais

Avaliação de Expressões

Avaliação de Expressões valiação de Expressões valiação de Expressões - Como efetuar o cálculo de uma expressão em um computador? Exemplo: / B C D + E Regras usuais da matemática. Os parênteses alteram a ordem das expressões:

Leia mais

Exercícios: Árvores. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C

Exercícios: Árvores. Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C Universidade Federal de Uberlândia - UFU Faculdade de Computação - FACOM Lista de exercícios de estrutura de dados em linguagem C Exercícios: Árvores 1. Utilizando os conceitos de grafos, defina uma árvore.

Leia mais

Árvores Binárias. Disciplina de Algoritmos e Estrutura de Dados III. Prof. Marcos Antonio Schreiner 17/03/2015

Árvores Binárias. Disciplina de Algoritmos e Estrutura de Dados III. Prof. Marcos Antonio Schreiner 17/03/2015 Árvores Binárias Disciplina de Algoritmos e Estrutura de Dados III Prof. Marcos Antonio Schreiner 17/03/2015 1 Introdução Árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma decisão binária deve

Leia mais

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário

Árvores Binárias de Pesquisa. Programação II Prof. Mateus Raeder. Árvores Binárias de Pesquisa. Árvores Binárias de Pesquisa. Classe Nodo Binário Programação II Conhecida também como: Árvore binária ordenada Árvore binária de busca Aresenta relação de ordem entre os nodos Ordem definida através do camo chamado chave CHAVE Prof. Mateus Raeder Chaves

Leia mais

BCC204 - Teoria dos Grafos

BCC204 - Teoria dos Grafos BCC204 - Teoria dos Grafos Marco Antonio M. Carvalho (baseado nas notas de aula do prof. Haroldo Gambini Santos) Departamento de Computação Instituto de Ciências Exatas e Biológicas Universidade Federal

Leia mais

Tipo de Dados Abstractos: Pilha (stack)

Tipo de Dados Abstractos: Pilha (stack) Tipos de Dados Abstractos Estruturas Lineares Pilhas e Filas FEUP - MIEEC Programação - 008/009 Tipo de Dados Abstractos: Pilha (stack) Pilha estrutura de dados linear em que: inserção e a remoção de elementos

Leia mais

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor.

ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) (a) Seja um TAD definido por uma lista circular implementada em um vetor. PUC-Rio Departamento de Informática Período: 2015.1 Horário: 2as-feiras e 4as-feiras de 17-19 30 de março de 2015 ESTRUTURAS DE DADOS AVANÇADAS (INF 1010) 1 a Lista de Exercícios 1. Lista (a) Seja um TAD

Leia mais

Árvores Binárias - continuação

Árvores Binárias - continuação Tópicos Avançados em Estrutura de Dados 6º Período Ciência da Computação Uma Aplicação de Árvores Binárias Árvores Binárias - continuação As árvore binárias são estruturas importantes toda vez que uma

Leia mais

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 4) Árvores balanceadas AVL, Rubro-Negras, B-Trees Operações em árvores binárias de busca

Leia mais

SUMÁRIO. Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca

SUMÁRIO. Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca ÁRVORES SUMÁRIO Fundamentos Árvores Binárias Árvores Binárias de Busca 2 ÁRVORES Utilizadas em muitas aplicações Modelam uma hierarquia entre elementos árvore genealógica Diagrama hierárquico de uma organização

Leia mais

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo

Árvores. Thiago Martins, Fabio Gagliardi Cozman. PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PMR2300 / PMR3201 Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Árvore: estrutura composta por nós e arestas entre nós. As arestas são direcionadas ( setas ) e: um nó (e apenas um) é a raiz; todo nó

Leia mais

;(define conta-folhas ; (lambda ( ) ; (cond ; ( ( ) ) ; ( (and ) ) ; ( else ; ) ) ))

;(define conta-folhas ; (lambda ( ) ; (cond ; ( ( ) ) ; ( (and ) ) ; ( else ; ) ) )) ; ICC 00.2 PROVA 3 ; Gabarito ; QUESTAO 1 (1 ponto) (árvores binárias) ; Complete os espaços em branco na definição abaixo de maneira que ; a função receba uma Árvore Binária de números e retorne o número

Leia mais

INE5408 Estruturas de Dados

INE5408 Estruturas de Dados INE5408 Estruturas de Dados Introdução a Árvores - Conceitos - Árvores Binárias - Métodos e algoritmos de percurso - Métodos e algoritmos de balanceamento Introdução Árvores são estruturas de dados que

Leia mais

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas

Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri. Banco de Dados Processamento e Otimização de Consultas Processamento e Otimização de Consultas Banco de Dados Motivação Consulta pode ter sua resposta computada por uma variedade de métodos (geralmente) Usuário (programador) sugere uma estratégia para achar

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

2. ALGORITMOS. Unesp Campus de Guaratinguetá. Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro

2. ALGORITMOS. Unesp Campus de Guaratinguetá. Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 2. ALGORITMOS Unesp Campus de Guaratinguetá Curso de Programação Computadores Prof. Aníbal Tavares Profa. Cassilda Ribeiro 2 - Algoritmo 2.1: Introdução Antes de se utilizar uma linguagem de computador,

Leia mais

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios

Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Teoria da Computação - Programação OCaml Ficha de exercícios Simão Melo de Sousa Em parte, estes exercícios baseam-se nas fichas práticas retiradas do site OCaml Hump 1 Aritmética Exercício 1 (Fibbonacci)

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 05 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais

Linguagem Haskell. Maria Adriana Vidigal de Lima

Linguagem Haskell. Maria Adriana Vidigal de Lima em Haskell Linguagem Haskell Faculdade de Computação - UFU Dezembro - 2009 em Haskell 1 em Haskell Noções sobre Fundamentos em Haskell Noções sobre Uma árvore é uma estrutura de dados baseada em listas

Leia mais

ÁRVORES. Profa. Me. Andréa Zotovici

ÁRVORES. Profa. Me. Andréa Zotovici 1 ÁRVORES Profa. Me. Andréa Zotovici ÁRVORES BINÁRIAS É um conjunto finito de elementos, vazio ou particionado em três subconjuntos disjuntos. Nó Raiz A Subárvore Esquerda Nó Raiz da Subárvore Esquerda

Leia mais

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos

Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Teoria da Computação Linguagens e Expressões Regulares, Autómatos de Estados Finitos Simão Melo de Sousa 12 de Outubro de 2011 Conteúdo 1 Linguagens e Expressões Regulares 2 2 Autómatos de Estados Finitos

Leia mais

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com

Árvores Trie e Patricia. Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie e Patricia Márcio Bueno ed2tarde@marciobueno.com / ed2noite@marciobueno.com Árvores Trie Definida em 1960 por Edward Fredkin Vêm de Retrieval (Relacionado à Recuperação de Informações) Para

Leia mais

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola

Sistemas de Numeração. Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Sistemas de Numeração Introdução ao Computador 2010/1 Renan Manola Introdução Em sistemas digitais o sistema de numeração binário é o mais importante, já fora do mundo digital o sistema decimal é o mais

Leia mais

Árvores. N-árias, Binárias, Busca. Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação

Árvores. N-árias, Binárias, Busca. Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação Árvores N-árias, Binárias, Busca Vanessa Maia Berny Mestrado em Ciência da Computação Disciplina de Estrutura de Dados Prof. Dr. Luzzardi, Paulo Roberto Gomes Abril de 2008 Árvores N-árias São estruturas

Leia mais

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15

INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 INF1007 - PROGRAMAÇÃO II LISTA DE EXERCÍCIOS 15 1. Um número racional é expresso por dois inteiros: um numerador e um denominador (este último diferente de zero!). Implemente um TAD para representar números

Leia mais

Algoritmia e Estruturas de Dados

Algoritmia e Estruturas de Dados JOSÉ BRAGA DE VASCONCELOS JOÃO VIDAL DE CARVALHO Algoritmia e Estruturas de Dados Programação nas linguagens C e JAVA Portugal/2005 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução,

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

13 Números Reais - Tipo float

13 Números Reais - Tipo float 13 Números Reais - Tipo float Ronaldo F. Hashimoto e Carlos H. Morimoto Até omomentonoslimitamosaouso do tipo inteiro para variáveis e expressões aritméticas. Vamos introduzir agora o tipo real. Ao final

Leia mais

Linguagem C: Árvores AVL

Linguagem C: Árvores AVL Instituto de C Linguagem C: Árvores AVL Luis Martí Instituto de Computação Universidade Federal Fluminense lmarti@ic.uff.br - http://lmarti.com Árvores Balanceadas As árvores binárias de pesquisa são,

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 3

SUMÁRIO. Introdução... 3 SUMÁRIO Introdução..................................... 3 1 Consultas por Similaridade e Espaços métricos............. 5 1.1 Consultas por abrangência e consultas aos k-vizinhos mais próximos... 5 1.2

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA APOSTILA DE

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA APOSTILA DE CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DA PARAÍBA COORDENAÇÃO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM TELEMÁTICA APOSTILA DE ESTRUTURA DE DADOS PROF. CÂNDIDO EGYPTO JOÃO PESSOA / PB JULHO / 2003 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira

Algoritmos e Estrutura de Dados. Prof. Tiago A. E. Ferreira Algoritmos e Estrutura de Dados Aula 7 Estrutura de Dados: Listas Prof. Tiago A. E. Ferreira Introdução Um das formas mais usadas para se manter dados agrupados é a lista Lista de compras, itens de estoque,

Leia mais