O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA"

Transcrição

1 Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 6 de Janeiro de 2006 Competências para a Elaboração de Projectos de Construções Rurais Vasco Fitas da Cruz 1

2 O que é, hoje, entendido como uma CONSTRUÇÃO RURAL: É pura e simplesmente um edifício construído no meio rural? Se sim, os Engenheiros Civis e os Arquitectos, deverão ser os projectistas ou é mais do que isso? Pensando nas construções rurais como as construções ligadas às actividades agropecuárias, podendo-se aqui incluir algumas agro-industrias, estas devem ser encaradas como um elo (factor) do sistema de produção. Deste modo, devem estar adaptadas à agricultura moderna, estando sujeitas às condições impostas pela sociedade. Sendo assim, o projecto de uma construção rural deve contemplar os seguintes aspectos: Edificação (Localização, Estrutura e Materiais de Construção) Condicionamento Espacial: - Dimensionamento - Organização do espaço 2

3 Condicionamento ambiental: - Isolamento térmico e outros isolamentos (materiais de construção) - Ventilação - Sistemas de climatização Relações com o meio envolvente: - Enquadramento paisagístico - Maneio de efluentes A Realidade Portuguesa Proliferação das construções rurais por todo o País, muitas financiadas através de subsídios Projectos executados por Arquitectos, Desenhadores, Engenheiros Civis, Técnicos de Construção Civil, etc. ou por empresas tipo chave na mão. O Engenheiro da área Agronómica não tem aqui uma participação activa (quando muito de consultoria) 3

4 Regulamentação da actividade Não há legislação especifica sobre construções rurais, recorrendo-se ao Decreto Lei 73/73. (Qualificação profissional exigível aos Técnicos responsáveis pela elaboração e coordenação de projectos) e à portaria nº 193/2005, a qual actualiza a relação das disposições legais e regulamentares a observar pelos técnicos responsáveis dos projectos de obras e a sua execução. Esta portaria no seu capitulo VI estabelece algumas normas no que se refere à Agricultura, Produção Animal, Silvicultura e Pesca A proposta de revisão do Decreto-Lei 73/73, elaborada pelo Conselho Directivo Nacional da Ordem dos Engenheiros é mais uma vez omissa quanto à participação dos Engenheiros da área Agronómica. Refere somente Engenheiros senso lato, Arquitectos ou Engenheiros ou Engenheiros Técnicos de outras áreas de especialidade que não a Agronómica (Civil, Electrotecnia, Informática, Mecânica, Química). Excepção feita aos projectos de drenagem. 4

5 Noutros Países a realidade é diferente O exemplo de Espanha Neste país a legislação básica é a lei 39/199, Ley de Ordenácion de la Edificación Esta lei atribui competências exclusivas aos Arquitectos em edifícios residenciais e comerciais e permite realizar projectos de outros edifícios aos Engenheiros, dentro de cada especialidade. No número 1 do seu artigo segundo diz: Esto ley es de aplication al processo de la edification,, cuyo uso principal esté compreendido en los siguintes grupos : a) Administrativo, sanitario. b) Aeronáutico, agropecuario, de la energía 5

6 No seu artigo 10, nº 1 diz: Cuando el proyecto se desarrolle o complete mediante proyectos parciales, cada proyectista assumirá la titularidad de su proyecto. Cuando el proyecto a realizar tenga por objecto la construción de edificios para los casos indicados em b), la titularidad académica y profesional habilitante, será la de Ingeniero o Arquitecto y vendrá determinada por las disposiciones legales vigentes para cada profésion, de acuerdo con sus respectivas especialidades y competencias especificas. Dado que as competências especificadas, em Espanha, são definidas pelas Universidades o articulado desta lei permite aos Engenheiros Agrónomos espanhóis serem os projectistas das construções rurais (edifícios agro-pecuários) Tal é possível porque o curricula das licenciaturas em Engenharia Agronómica das Universidades Espanholas inclui uma sólida formação em Construções Rurais, o que não se verifica na generalidade dos curricula das Universidades portuguesas 6

7 Isto leva-nos à questão das competências para a elaboração dos projectos de construções rurais Competências adquiridas formação académica Competências a adquirir formação profissional Será necessária? Competências adquiridas no ensino superior português A designação dos cursos é bastante heterogénea e excessiva Não há uniformização dos currículos de escola para escola 7

8 Domínios de intervenção e competências adquiridas Edificações só algumas escolas conferem competências bastantes rudimentares Condicionamento espacial a maioria das escola conferem competências Condicionamento ambiental algumas escolas conferem competências Relação com o meio ambiente competências conferidas nalgumas escolas Recordando que o Engenheiro deve dispor de competências profissionais necessárias para ser capaz de: Elaborar, rever, coordenar e executar projectos; Propor soluções tecnicamente adequadas e economicamente viáveis; Decidir com espírito critico; Gerir e controlar processos; 8

9 Verifica-se a necessidade de os licenciados na área de Engenharia Agronómica que desejam elaborar projectos de Construções Rurais, adquirirem algumas competências sobretudo no domínio da Edificação, além da sua formação académica. Estas competências, a adquirir, deverão ser definidas em função do perfil académico. A Ordem dos Engenheiros, Associação pública dos profissionais de Engenharia com competências para regular o exercício da profissão de Engenheiro em Portugal, pode ser o motor para a atribuição desta formação complementar, incentivando ou criando um curso de especialização profissional na área dos Projectos de Construções Rurais (à semelhança do que se verifica no projecto de instalação de rega). Este curso teria como objectivo atribuir as competências mínimas no domínio da edificação e conferir e/ou complementar as competências adquiridas ao longo da formação académica nos domínios do condicionamento ambiental e espacial e da relação com o meio envolvente. 9

10 Este curso teria como objectivo atribuir as competências mínimas no domínio da edificação e conferir e/ou complementar as competências adquiridas ao longo da formação académica nos domínios do condicionamento ambiental e espacial e da relação com o meio envolvente. Isto já é praticado desde há longa data nos USA e Canadá com a atribuição dos títulos de Professional Engineer. Via alternativa: Licenciatura e Especialidade em Engenharia Rural Os Actos de Engenharia podem existir isoladamente ou integrar-se em trabalhos de Engenharia onde, para além dos Engenheiros, intervêm outros profissionais com diferentes qualificações e competências. É, talvez segundo esta ultima perspectiva de intervenção, que se vê a participação do Engenheiro da área Agronómica em Elaboração de Projectos de Construções Rurais. Não se pretende assumir a responsabilidade exclusiva de todo o projecto, mas também não se pretende que o papel de Engenheiro desta área seja quase nulo, tal como agora acontece. 10

11 Em suma, constata-se que o Engenheiro da área Agronómica adquire na sua formação académica competências que lhe permitem participar na elaboração de Projectos de Construções Rurais. Estas competências devem ser cimentadas com alguma formação profissional. No entanto a sua participação não se encontra minimamente regulamentada, apesar de ela ser o garante de projectos bem elaborados, integrando os conhecimentos inerentes às Construções Rurais. A Ordem dos Engenheiros deverá, à semelhança do que conseguiu para outras áreas da Engenharia, com base na definição dos Actos de Engenharia Agronómica, negociar com as entidades competentes, as regras para a elaboração deste tipo de projectos. Se tal não acontecer a Engenharia Agronómica será o parente pobre da Ordem e os seus membros interrogam-se sobre o interesse de pertencerem a esta tão prestigiada entidade. 11

12 OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO 12

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 342/2014 Regulamento dos Núcleos de Especialização A Ordem dos Engenheiros Técnicos (OET), atribui aos engenheiros técnicos o

Leia mais

Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios

Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios Ordem dos Engenheiros Comissão Executiva da Especialização em Engenharia Acústica Nota Técnica Elaboração do projecto de condicionamento acústico de edifícios Setembro 2009 Conteúdo 1. INTRODUÇÃO... 2

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS

PERGUNTAS & RESPOSTAS PERGUNTAS & RESPOSTAS O presente documento inclui um conjunto de perguntas e respostas sobre Formação de Peritos Qualificados no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do

Leia mais

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO

COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO COMENTÁRIOS AO DOCUMENTO Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular 1- Projecto de Instalações Eléctricas Técnicos

Leia mais

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular ORDEM DOS ENGENHEIROS Colégio Nacional de Engenharia Electrotécnica Linhas Gerais para uma Proposta de Alteração Legislativa relativa a Projectos e Obras de Instalações Eléctricas de Serviço Particular

Leia mais

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro

Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Portaria nº 1379/2009, de 30 de Outubro Anexo B A Lei n.º 31/2009, de 3 de Julho, que revogou o Decreto n.º 73/73, de 28 de Fevereiro, aprovou o regime jurídico que estabelece a qualificação exigível aos

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e

ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Regulamento de Inscrição nos Colégios de Especialidade A Lei 157/2015, de 17 de setembro, altera e republica o Estatuto da Ordem dos Engenheiros Técnicos

Leia mais

Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR. Papel de Ordem dos Engenheiros

Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR. Papel de Ordem dos Engenheiros 10º ENCONTRO NACIONAL DO COLÉGIO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA Actos de Engenharia - Projectos de Telecomunicações ITED / ITUR Papel de Ordem dos Engenheiros Coimbra, 6 de Outubro de 2010 Sousa Oliveira

Leia mais

Ano lectivo: 2007/2008. Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco

Ano lectivo: 2007/2008. Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco Ano lectivo: 2007/2008 Trabalho Elaborado por: João Costa André Franco Neste trabalho falo sobre: A Empregabilidade de um Engenheiro Agrónomo. Falo sobre os seguintes temas: As Funções de um Engenheiro

Leia mais

Elaboração de projectos de instalações de Rega

Elaboração de projectos de instalações de Rega Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 Ordem dos Engenheiros O Acto de Engenharia Agronómica Elaboração de projectos de instalações

Leia mais

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO

ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO ENGENHEIRO AGRÔNOMO: ATRIBUIÇÕES, FORMAÇÃO, PERFIL PROFISSIONAL E MERCADO DE TRABALHO 0110113 INTRODUÇÃO À ENGENHARIA AGRONÔMICA PIRACICABA 22/02/2016 ATRIBUIÇÕES Biológicas (23%) 1. Biologia Geral 2.

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ECONOMIA

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO DE ECONOMIA Parecer da Comissão de Economia sobre a proposta de Decreto Legislativo Regional - REGULAMENTO DO SISTEMA TARIFÁRIO DOS PORTOS DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES. A Comissão de Economia reuniu, no dia 11 de

Leia mais

9. as Jornadas de Climatização

9. as Jornadas de Climatização 9. as Jornadas de Climatização A Fronteira entre as Responsabilidades dos Projectistas e dos Peritos Qualificados do SCE Ordem dos Engenheiros 15 de Outubro de 2009 Grupo de Trabalho dos PQs Especialistas

Leia mais

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos.

AOS NOVOS. b. Os outros casos enquadram-se no novo regime de acesso ao ensino superior para os maiores de 23 anos. PEDIDOS DE EQUIPARAÇÃO OU EQUIVALÊNCIA AOS NOVOS PLANOS DE ESTUDO E TÍTULOS ACADÉMICOS EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS RELIGIOSAS 1. Cursos Básicos de Teologia O Mapa em anexo ao Despacho Normativo n.º 6-A/90,

Leia mais

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha

O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos. Maria José Cunha 20-03-2014 1 O contributo da ESAC para a formação no âmbito do uso sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos Maria José Cunha 20-03-2014 2 ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE COIMBRA MISSÃO Formar profissionais

Leia mais

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal

Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal Os programas de ensino superior de engenharia e o futuro das instalações elétricas em Portugal 26/04/2017 José Rui Ferreira Lei 14/2015 Artigo 5.º Técnico responsável pela execução 1 - Para o acesso e

Leia mais

Regulamento de Estágios

Regulamento de Estágios Regulamento de Estágios 01.10.05 Conteúdo Enquadramento... 3 1 Caracterização... 3 2 Candidatura... 3 2.1 Estágios organizados pelos estudantes... 3 2.1.1 Trabalhadores estudantes... 3 3 Colocação... 4

Leia mais

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO

XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO XX CONGRESSO ENGENHARIA 2020 UMA ESTRATÉGIA PARA PORTUGAL 17 a 19 de outubro de 2014 ALFÂNDEGA DO PORTO DESAFIOS DA EDUCAÇÃO E QUALIFICAÇÃO Fontainhas Fernandes UTAD 18 de outubro de 2014 Fontainhas Fernandes

Leia mais

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008

JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS. José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 JESSICA NO ORDENAMENTO JURÍDICO PORTUGUÊS José Brito Antunes Lisboa, 18 de Fevereiro de 2008 ESTRUTURA FINANCEIRA CONCEPTUAL IDEIAS CHAVE FLEXIBILIDADE na estruturação jurídica Fundos de Participação e

Leia mais

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos

Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Colégio de Engenharia Agronómica O ACTO DE ENGENHARIA AGRONÓMICA Ordem dos Engenheiros 6 de Janeiro de 2006 O Acto de Engenharia Agronómica Prescrição e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos Paulo Cruz

Leia mais

PARECER N.º 267 / 2010

PARECER N.º 267 / 2010 PARECER N.º 267 / 2010 ASSUNTO: ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENFERMEIRO ESPECIALISTA, NO MOMENTO ACTUAL A atribuição do título enfermeiro especialista certifica um profissional com um conhecimento aprofundado

Leia mais

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO

Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Regulamento Prémios SIL do Imobiliário 1/6 Prémios SIL do Imobiliário REGULAMENTO Considerandos A Entidade Promotora do presente Concurso é a Associação Industrial

Leia mais

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS

REGULAMENTOS ESPECÍFICOS Programa Operacional Factores de Competitividade Deliberações CMC POFC: 16/07/2008 Assistência Técnica do POFC Entrada em vigor DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO em 17/07/2008 Artigo 1.º Objecto O presente regulamento

Leia mais

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO

DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO 1 DIPLOMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEAMENTO E ENGENHARIA DE AEROPORTOS 1. Objectivos O Diploma de Especialização em Planeamento e Engenharia

Leia mais

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque

Nota Introdutória. Artigo 1.º Instrução dos Pedidos de Emissão de Certidão de Destaque NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS PARA A Nota Introdutória Os elementos instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação (RJUE) estão definidos na Portaria nº 113/2015,

Leia mais

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica

Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica Regulamento de Estágios CET- Cursos Especialização Tecnológica A Objectivos dos Estágios 1) Os Estágios que integram a componente de formação em contexto de trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

Artigo N.º 1 Objectivos

Artigo N.º 1 Objectivos PREÂMBULO A Engenharia Civil é uma actividade ancestral que visa proporcionar o bem-estar e o desenvolvimento da sociedade, aumentando, assim, a sua qualidade de vida. Edifícios, estradas, pontes, barragens,

Leia mais

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório,

Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, Junho/2010.1 Esta engenharia tem muito pouco dessa disciplina. O profissional de química é formado para transformar uma coisa em outra, analisando em laboratório, por exemplo, as reações e a energia que

Leia mais

ORDEM DOS ENGENHEIROS

ORDEM DOS ENGENHEIROS ORDEM DOS ENGENHEIROS RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA A ELABORAÇÃO E SUBSCRIÇÃO DE PROJETOS DE CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS 1. Introdução De acordo com o disposto no nº 2 do artº 3 do Regulamento

Leia mais

ENGENHARIA INFORMÁTICA Porquê ser Engenheiro da ordem? 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos

ENGENHARIA INFORMÁTICA Porquê ser Engenheiro da ordem? 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos 15 de MaRÇO de 2016 / vitor santos Breve História Objetivos ORGANIZAÇÃO Membros da ordem ADMISSÃO E QUALIFICAÇÃO Serviços e atividades Prestigio/benefícios O COLÉGIO DE ENGENHARIA DE INFORMÁTICA NOVOS

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINSITÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CONTRATAÇÃO DE TÉCNICOS SUPERIORES

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINSITÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CONTRATAÇÃO DE TÉCNICOS SUPERIORES REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINSITÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS E HABITAÇÃO DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS CONTRATAÇÃO DE TÉCNICOS SUPERIORES No âmbito do reforço da capacidade institucional na área de recursos humanos,

Leia mais

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa

O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras. O caso da Câmara Municipal da Trofa O Papel das Câmaras Municipais no Licenciamento das Explorações Leiteiras O caso da Câmara Municipal da Trofa Diagnóstico das Explorações Bovinas no Concelho da Trofa Trofa - Representatividade das explorações

Leia mais

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola

PDR Jovens Agricultores Investimentos na Exploração Agrícola PDR 2014-2020 Jovens Agricultores + 3.2 - Investimentos na Exploração Agrícola PSZ CONSULTING 2015 Índice Índice... 1 1 Prémio aos Jovens Agricultores... 2 1.1 Enquadramento... 2 1.2 Beneficiários... 2

Leia mais

Requerimento. sujeitas a licenciamento

Requerimento. sujeitas a licenciamento Requerimento Comunicação Prévia para alterações ao projecto Licenciado ou com Admissão de Comunicação Prévia durante a execução da obra Alterações que se fossem obra nova estariam sujeitas a licenciamento

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas Dr. Vieira de Carvalho SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO 1 OBJECTIVOS Os cursos profissionais são uma modalidade de ensino que pretende desenvolver competências pessoais e profissionais específicas para o exercício de uma profissão a partir de uma preparação

Leia mais

FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO (FPCEUP)

FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO (FPCEUP) FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO PORTO (FPCEUP) Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto (1980-) No contexto dos anos subsequentes

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A.

REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO DA EDP ENERGIAS DE PORTUGAL, S.A. Fevereiro 2012 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXECUTIVO EDP Energias de Portugal, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito)

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Federação Portuguesa de Pesca Desportiva REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO E SELECÇÕES NACIONAIS

Federação Portuguesa de Pesca Desportiva REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO E SELECÇÕES NACIONAIS Federação Portuguesa de Pesca Desportiva REGULAMENTO DE ALTA COMPETIÇÃO E SELECÇÕES NACIONAIS Aprovado em Assembleia Geral de 16 de Novembro de 2002 Preambulo A Alta Competição é um importante factor de

Leia mais

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...)

Introduz áreas adicionais de conhecimento (reabilitação, segurança, sustentabilidade...) Aprofunda conhecimentos específicos já introduzidos nos anos anteriores nas cadeiras de Materiais de Construção, Física das Construções, Tecnologia das Construções e Direcção de Obras; Introduz áreas adicionais

Leia mais

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural

Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural Decreto executivo n.º 1/06 de 9 de Janeiro Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento, estruturação e organização do Secretariado Executivo do

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FISIOTERAPIA CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina a oferta, o funcionamento e o registro acadêmico das

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA ORGANIZAÇÃO GERAL ROCA 21-4 REGULAMENTO DO INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO 2005 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO E AMBIENTE PLANO DE ESTUDOS Componentes de Formação Componente de Formação Sociocultural Português (b) Língua Estrangeira I ou II (c) Área

Leia mais

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE

Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Segurança Contra Incêndio em Edifícios Dificuldades Frequentes dos Projectistas na Aplicação do RJSCIE Ordem dos Engenheiros, 21 de Novembro de 2011 Mário Grilo DECRETO LEI nº 220/2008, de 12 de Novembro

Leia mais

Eficiência Energética na Agro-Indústria

Eficiência Energética na Agro-Indústria Eficiência Energética na Agro-Indústria Marta Viegas 12 junho 2014 I II III IV V Aplicação e Registo de Instalações Impacto expectável com a Isenção de ISP Planos de Racionalização do Consumo de Energia

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade ARQUITECTURA E ARTES Licenciatura ARQUITECTURA Unidade Curricular CONCEPÇÃO ESTRUTURAL Semestre: 7 Nº ECTS: 3,5 Regente Professor Doutor Artur Jorge de Oliveira

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA

CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA CLÍNICAS FORENSES INSOLVÊNCIA Março 2006 ÍNDICE 1. Boas Vindas 3 2. Horário e Funcionamento 4 3. Metodologia das Sessões 5 4. Programa 6 5. Calendarização das Sessões 7 6. Objectivos e Planificação das

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DA ECONOMIA DO ALGARVE ANÚNCIO DE CONCURSO DE CONCEPÇÃO Serviços Serviços Especiais SECÇÃO I: ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO E ENDEREÇO OFICIAIS

Leia mais

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo

Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada. Preâmbulo Formação Pós-Graduada Cursos de Especialização e Cursos de Formação Avançada Preâmbulo Considerando que, nos termos do nº 1 do artigo 15º da Lei de Bases do Sistema Educativo, Lei nº 46/86, de 14 de Outubro,

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL

TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL TERMOS DE REFERÊNCIA POLÍTICA E ESTRATÉGIAS REGIONAL DA INFORMAÇÃO SANITÁRIA NO ESPAÇO DA CEDEAO PARA O CONSULTOR PRINCIPAL 1. CONTEXTO E JUSTIFICAÇÃO A informação sanitária tem uma importância crucial

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA. Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA Cursos de Especialização Tecnológica Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica A componente de formação em contexto

Leia mais

Plano de formação do IEFP. 2007

Plano de formação do IEFP. 2007 APRENDIZAGEM Formação Inicial com Certificação Escolar e Profissional Estes cursos, com duração aproximada de 3 anos, desenvolvem-se em alternância, entre um Centro de Formação Profissional e uma empresa,

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Engenharia Civil Cabo Frio SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Missão O Curso de Engenharia Civil da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólidos conhecimentos tecnológicos

Leia mais

Desenho e Registo Digital de Imagem - módulo 7. Desenho e Registo Digital de Imagem - professor Ricardo Ramalho

Desenho e Registo Digital de Imagem - módulo 7. Desenho e Registo Digital de Imagem - professor Ricardo Ramalho Desenho e Registo Digital de Imagem - módulo 7 O Módulo de Organização do Projecto de pretende possibilitar a compreensão das diversas fases de projecto, da sua organização e metodologia de concepção,

Leia mais

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos

Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP. Enquadramento e Objetivos Promoção da Etiquetagem Energética de Produtos - PEEP Enquadramento e Objetivos ITeCons Missão do ITeCons Dinamizar a transf. de tecnologia entre a Universidade, a Indústria e a Sociedade Prestar apoio

Leia mais

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO

INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 (2º SEMESTRE) APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA PROFª ANA AMBRÓSIO DE SOUSA LISBOA, MARÇO DE 2009 INSTALAÇÕES DE TRATAMENTO ANO LECTIVO 2008/2009 2º SEMESTRE APRESENTAÇÃO

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS

CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS CLÍNICAS FORENSES PRÁTICAS PROCESSUAIS ADMINISTRATIVAS MARÇO 2006. ÍNDICE 1. Boas Vindas. 3 2. Horário e Funcionamento.. 4 3. Metodologia das Sessões....... 5 4. Programa...... 6 5. Calendarização das

Leia mais

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle.

PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. PMOC Plano de Manutenção, Operação e Controle. Portaria No 3523, de 28 de Agosto de 1998, Ministério da Saúde; Resolução ANVISA - RE No 174 de 24 de Outubro de 2000. Resolução ANVISA - RE No 09 de 16 de

Leia mais

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO

PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Instituto Superior Técnico MESTRADO em CONSTRUÇÃO e REABILITAÇÃO 2013/2014 PLANEAMENTO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO Pedro Gameiro Henriques pgameiro@civil.ist.utl.pt ENQUADRAMENTO LEGAL Livro de obra e responsabilidades

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM COMUNITÁRIA E DE SAÚDE PÚBLICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL

REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL REGULAMENTO DO 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA MECÂNICA NA FCT-UNL PREÂMBULO O programa de doutoramento organiza, estrutura e explicita o percurso dos estudantes de doutoramento

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL. Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro ACESSIBILIDADES LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO CÓDIGO CIVIL Lei n.º 150/2015, de 10 de Setembro Altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 47 344, de 25 de Novembro de 1966, e procede à primeira

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologias

Faculdade de Ciências e Tecnologias Faculdade de Ciências e Tecnologias Universidade Nova de Lisboa Mestrado Integrado em Engenharia do Ambiente Duração: 5 anos Grau: Mestrado Coordenador: Maria de Graça Martinho Objectivos: A Engenharia

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA QUESTIONÁRIO AOS TREINADORES DE FUTEBOL Este questionário faz parte de um estudo sobre a Análise do perfil de competências e das necessidades

Leia mais

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA

INOVAÇÃO NA AGRICULTURA, AGRO-INDÚSTRIA E FLORESTA O Futuro do Território Rural JOVENS EMPRESÁRIOS NO ESPAÇO RURAL Firmino Cordeiro Director-Geral da AJAP Organização: Apoio Institucional: AGRICULTURA NACIONAL - Agricultura profissional deve continuar

Leia mais

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada

Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Workshop Os Aspectos Energéticos na Concepção de Edifícios Os Resultados da Verificação do RCCTE em Almada Carlos Sousa Elisabete Serra AGENEAL, Agência Municipal de Energia de Almada Fórum Romeu Correia

Leia mais

1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ]

1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ] 1. Designação do Curso: [CET em ; Licenciatura em ; Curso de Especialização em ; Curso de Especialização Pós-Graduada em ; Curso de Mestrado em ] Curso de Especialização Pós-Graduada em Instalações Eléctricas

Leia mais

Regulamento Geral de Exames

Regulamento Geral de Exames Versão: 01 Data: 14/07/2009 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-07 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das Escolas do IPB GPGQ Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos

Leia mais

PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL

PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINAL DE PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Domingos Martins Eva Miranda Kátia Lemos

Leia mais

PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA ( )

PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA ( ) PROFESSOR PEDRO AUGUSTO LYNCE DE ABREU DE FARIA (1943 - ) Nasceu em Lisboa, a 06 de fevereiro de 1943. Professor Emérito da Universidade Técnica de Lisboa. Agregação em Ciências Agronómicas, Instituto

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ARQUITECTURA NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA CURRICULUM PROFISSIONAL DE. (Nome) Bacharel ou Licenciado em Engenharia Civil ÍNDICE 1. DADOS BIOGRÁFICOS 2. GRAU

Leia mais

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide

Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA. Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Responsabilidade Ambiental Obrigações do operador no âmbito do Regime RA Vera Lopes, 27 de Junho, Alfragide Índice Decreto-Lei n.º 147/2008, de 29 de Julho Obrigações do operador Formulário de reporte

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007

JORNAL DA CONSTRUÇÃO. Lisboa, 28 de Maio de 2007 JORNAL DA CONSTRUÇÃO Lisboa, 28 de Maio de 2007 1. LISBOA OCIDENTAL, SRU (ENQUADRAMENTO) O Município de Lisboa criou a Sociedade de Reabilitação Urbana Lisboa Ocidental, SRU, em Julho de 2004. A Empresa,

Leia mais

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto:

Emitente: CONSELHO DIRECTIVO. Norma Regulamentar N.º 21/2002-R. Data: 28/11/2002. Assunto: Emitente: CONSELHO DIRECTIVO Norma Regulamentar N.º 21/2002-R Data: 28/11/2002 Assunto: POLÍTICA DE INVESTIMENTO DOS FUNDOS DE PENSÕES - REGRAS DE COMPOSIÇÃO DO PATRIMÓNIO E MECANISMOS DE DEFINIÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO & AMBIENTE

NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO & AMBIENTE NOTA INFORMATIVA ÁREA DE PRÁTICA DE DIREITO PÚBLICO & AMBIENTE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA: EDIFÍCIOS SAUDÁVEIS E SUSTENTÁVEIS A qualificação dos edifícios, tendo em vista a sua sustentabilidade, é um dos

Leia mais

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 1º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia

Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Conselho Regional de Engenharia e Agronomia da Bahia Introdução PROFISSÕES REGULAMENTADAS O QUE SÃO? POR QUE EXISTEM? CONSELHOS PROFISSIONAIS O QUE SÃO? O QUE FAZEM? Profissões regulamentadas * Medicina

Leia mais

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Documentos instrutórios (preenchimento obrigatório) Pág. 0. Requerimento... a Acompanhado de cópia do documento de identificação do requerente 1. Documento comprovativo

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO Proposta de Lei nº 310/XII/4ª (Aprova o Estatuto da Ordem dos Notários e altera o Estatuto do Notariado aprovado pelo Decreto-Lei 26/2004, de 4 de Fevereiro) A Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos,

Leia mais

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.)

GUIAS PARA INSTRUÇÃO DE PEDIDOS DE AUTORIZAÇÃO OU DE LICENCIAMENTO DE OBRAS (NA ÁREA DE COMPETÊNCIAS DA APSS, S.A.) 1. De acordo com a legislação em vigor (Decreto-Lei n.º 338/98, de 3 de Novembro), na sua área de jurisdição, compete à APSS, S.A. conceder licenças para a execução de obras directamente relacionadas com

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM Regulamento da PGDEEC 0 Departamento Engenharia Electrotécnica e de Computadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES (PDEEC) Departamento de Engenharia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE 2016. CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI Dispõe sobre o processo de prestação de serviços pela Universidade Federal do Cariri

Leia mais

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios

A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios A importância da legislação na eficiência energética dos Edifícios Lisboa, 8 de Maio de 2012 ADENE Agência para a Energia sce@adene.pt ÍNDICE A Directiva Europeia EPBD Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores

Serra do Saber. Formação Pedagógica Inicial de Formadores Formação Pedagógica Inicial de Formadores Fundamentação Este curso apresenta de uma forma clara e recorrendo a uma metodologia teórico-prática, os conhecimentos necessários para a formação de formadores

Leia mais

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP)

Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) ESCOLA SECUNDÁRIA D. MANUEL I 7800-478 BEJA Regulamento da Prova de Aptidão Profissional (PAP) CURSOS PROFISSIONAIS Artigo 1.º Enquadramento Legal O Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, rectificado

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo. Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa BIBLIOTECA ESCOLAR Organização do acervo Maria da Luz Antunes Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa mluz.antunes@estesl.ipl.pt Missão da Biblioteca Escolar A biblioteca escolar oferece um serviço

Leia mais

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico

Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Planos Directores Municipais Enquadramento Jurídico Lei de Bases de OT e Urbanismo Lei n.º 48/98 de 11 de Agosto - Lei de Bases da Política de Ordenamento do Território e de Urbanismo Lei n.º 54/2007 de

Leia mais

NBR Aspectos polêmicos da NBR : Avaliação de bens -Procedimentos Gerais. Sérgio Antão Paiva Teresina 2016

NBR Aspectos polêmicos da NBR : Avaliação de bens -Procedimentos Gerais. Sérgio Antão Paiva Teresina 2016 NBR 14.653-1 Aspectos polêmicos da NBR 14653-1: Avaliação de bens -Procedimentos Gerais. Sérgio Antão Paiva Teresina 2016 Responsabilidade pela vistoria Na NBR 14.653-1 atual : 7.3.2 A vistoria deve ser

Leia mais

A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça

A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça Faculdade de Arquitectura Universidade de Lisboa Presidente Arq. Doutor João Pardal Monteiro A recomendação nº2/b/2015 do Provedor de Justiça 1. Decreto nº 73/73 de 28 de fevereiro Os engenheiros Civis

Leia mais

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002.

RESOLUÇÃO. Currículo revogado conforme Res. CONSEPE 71/2002, de 18 de dezembro de 2002. RESOLUÇÃO CONSEPE 44/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, DO CÂMPUS ITATIBA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição que

Leia mais

Os projectos ou pedidos de participação devem ser enviados para o seguinte endereço:

Os projectos ou pedidos de participação devem ser enviados para o seguinte endereço: ANÚNCIO DE CONCURSO DE CONCEPÇÃO O presente anúncio está abrangido pela: Directiva 2004/18/CE* Directiva 2004/17/CE («sectores especiais»)* SECÇÃO I: ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO, ENDEREÇOS E PONTOS

Leia mais

Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA

Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE PÚBLICA Coordenação do Internato Complementar de Saúde Pública PROGRAMA DO INTERNATO COMPLEMENTAR DE SAÚDE

Leia mais

processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia

processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia O que significa produção? Produção pode ser definida como: processo pelo qual se criam bens e serviços nos vários setores da economia Pode também ser definida: atividade económica orientada para a obtenção

Leia mais

Rui Miguel Raínho Peres

Rui Miguel Raínho Peres Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Rua Abel Manta, nº14 R/c dto, 2780-174 Lisboa (Portugal) 916350362 peresright@gmail.com Sexo Masculino Data de nascimento 05/01/1988 Nacionalidade Portuguesa POSTO DE

Leia mais