O papel da Engenharia Civil na sociedade. Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O papel da Engenharia Civil na sociedade. Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade?"

Transcrição

1 O papel da Engenharia Civil na sociedade Como é que a Engenharia Civil contribui para garantir a segurança da Sociedade?

2 Sumário 1. Introdução 2. Áreas de atuação da Engenharia Civil 2.1 Especializações da Ordem dos Engenheiros 3. A Engenharia Civil e a segurança das suas realizações 3.1.Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC).Regulamentos e normas Elaboração e aprovação do projeto, acompanhamento e fiscalização da obra 3.3. Vias de comunicação e a segurança rodoviária 3.4. Edifícios recebendo público e a segurança dos utentes 3.5. Desrespeito das normas de segurança e suas consequências na sociedade 4. Conclusões

3 1. Introdução - A evolução da Engenharia.

4 2. Áreas de actuação da Engenharia Civil:

5 - Construção urbana A construção urbana está voltada para os aspetos ligados à física das construções e que envolve, entre outros aspetos, as questões térmicas, higrotérmicas, acústicas ou de resistência ao fogo.

6 - Estruturas e fundações A área das estruturas e fundações define as condições de estabilidade das estruturas e as fundações das construções.

7 - Saneamento Esta área encontra-se voltada para o planeamento e para a construção de redes de esgotos e estações de tratamentos de água.

8 - Transportes e infraestruturas O setor de transportes e infraestruturas projeta e coordena obras tais como estradas, pontes, viadutos, portos, etc..

9 - Hidráulica e recursos hídricos A área de hidráulica e recursos hídricos projeta e gere obras em canais, barragens, drenagem e obras costeiras

10 2.1. Especializações da Ordem dos Engenheiros Especializações verticais: Direção e Gestão da Construção Estruturas Hidráulica e Recursos Hídricos Planeamento e Ordenamento do Território Segurança no Trabalho da Construção Especializações horizontais: Transportes e Vias de Comunicação Engenharia Sanitária Engenharia Acústica Avaliações de Engenharia

11 3. A Engenharia Civil e a segurança das suas realizações

12 3.1. Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Regulamentos e normas.

13 Regulamentos relevantes na actividade de Engenharia Civil em Portugal: Regulamento Geral de Edificações Urbanas, Regulamento das Características de Comportamento Térmico dos Edifícios, Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização em Edifícios, Regulamento dos Requisitos Acústicos dos Edifícios, Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Regulamento Técnico de Segurança contra Incêndios em Edifícios Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Habitação Regulamento de Desempenho Energético dos Edifícios de Comércio e Serviços. Regulamentos Técnicos do Conselho Superior de Obras Públicas e Transportes Regulamento de Segurança e Ações para Estruturas de Edifícios e Pontes Regulamento de Estruturas de Betão Armado e Pré-esforçado

14 3.2 Elaboração e aprovação do projecto, acompanhamento e fiscalização da obra

15 Genericamente, todas as obras de Engenharia Civil pressupõem a existência de um projeto aprovado, precedido ou não por um estudo prévio de viabilidade, seguido de um projeto de execução com a correspondente fiscalização da mesma.

16 - Fiscalização e acompanhamento:

17 3.3 Vias de comunicação e a segurança rodoviária Factores e o seu impacto nos acidentes rodoviários

18 Evolução do volume de circulação e do n.º de vítimas mortais entre 1980 e 2006 (LNEC [])

19

20 Redução do campo de visão perifèrica com a velocidade

21 Variação do coeficiente de atrito com a velocidade para várias superfícies

22 3.4. Edifícios recebendo público e a segurança dos utentes

23 3.5. Desrespeito das normas de segurança e as suas consequências na sociedade Vista da ponte após a queda em 4 de Março de 2001

24 Parte do tabuleiro da ponte que colapsou

25 Conclusões A Engenharia Civil e as suas realizações são importantes para a vida em sociedade. A dimensão de algumas das obras que projeta e executa, muitas delas com carácter infra-estruturante, condicionam e determinam a forma como as pessoas vivem e se movimentam. Assim, a elevada responsabilidade que um Engenheiro Civil tem na sua atividade é a maior valia da sua profissão.

Mini MBA Gestão Avançada

Mini MBA Gestão Avançada Mini MBA Gestão Avançada FORMAÇÃO PARA EXECUTIVOS Gestão Curso FEXMMBA 10 Dia(s) 66:00 Horas Introdução Os Cursos de Formação para Executivos, promovidos pela Actual Training, têm por finalidade responder

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2014 231 ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR Paulo Sérgio de Almeida Barbosa pbarbosa@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2014 231 ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR Paulo Sérgio de Almeida Barbosa pbarbosa@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 231 ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR Paulo Sérgio de Almeida Barbosa pbarbosa@ufv.br 232 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete

Leia mais

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19 PÁGINA : 1 DESPESAS D (PREVISÃO) 1. FUNÇOES GERAIS 132.059,77 470.000,00 470.000,00 157.250,00 107.500,00 62.700,00 929.509,77 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 93.277,77 410.000,00 410.000,00 147.250,00 97.500,00

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Página : 1 1. FUNÇOES GERAIS 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇAO PUBLICA 1.1.1. ADMINISTRAÇAO GERAL 1.1.1. 01 2002 I 1 AQUISIÇAO/REPARAÇAO DE OUTRO MATERIAL

Leia mais

Vasco Peixoto de Freitas

Vasco Peixoto de Freitas VIDROS EM FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO SUMÁRIO I. VIDRO EM FACHADAS II. PROPRIEDADES DOS VIDROS

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES - 2012

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES - 2012 Pelouro do Urbanismo, Habitação e Infra-estruturas Municipais DMGUHT - Direcção Municipal de Gestão Urbanística, Habitação e Transportes (Gabinete Técnico) A DMGUHT apresenta um âmbito de intervenção que

Leia mais

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA ÓRGÃO: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Programa: 0252 - CAPTAÇÃO E DIFUSÃO DE NOTÍCIAS Objetivo: Divulgar material jornalístico sobre os atos governamentais nos campos social, político, econômico, educativo,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PASTOS BONS AVENIDA DOMINGOS SERTAO 1000 PROJETO DE LEI DO PLANO PLURIANUAL Projeto de Lei: Dispoe sobre o Plano Plurianual para o periodo 2015/2018 A CAMARA MUNICIPAL decreta: Art. 1o. Esta lei institui o Plano Plurianual para o quadrienio 2015/2018

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2011. Até ao mês de Rectificação

EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2011. Até ao mês de Rectificação EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE S ANO CONTABILÍSTICO 2011 Pagina : 1 1. FUNÇOES GERAIS 239.200,00 505.000,00 744.200,00 177.311,45 177.311,45 74.13 23.83 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇAO PUBLICA 232.200,00

Leia mais

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PROCESSO DE CANDIDATURA À LICENCIATURA EM ENGENHARIA CIVIL NA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA CURRICULUM PROFISSIONAL DE. (Nome) Bacharel em Engenharia de Construções Civis e Minas ou Civil ÍNDICE 1. DADOS

Leia mais

Controlo da velocidade em eixos rodoviários

Controlo da velocidade em eixos rodoviários Controlo da velocidade em eixos rodoviários Definição de soluções combinadas de acalmia de tráfego Sílvia SANTOS 1 ; Ana BASTOS SILVA 2 Departamento de Engenharia Civil Universidade de Coimbra Rua Luís

Leia mais

TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc.

TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc. Hipólito de Sousa, 2004 1 TIPOS PRINCIPAIS DE EMPREENDIMENTOS A PROJECTAR Edifícios habitações, escritórios, industriais, hotelaria, escolares, hospitalares, comerciais, etc. Instalações e equipamentos

Leia mais

Informação útil sobre Angola

Informação útil sobre Angola adso Comunicação Informação útil sobre Angola Este documento e o seu conteúdo são da responsabilidade do autor. A ADSO disponibiliza-o como suporte de informação às potencialidades do mercado angolano.

Leia mais

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000

Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 Administração Pública Central Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2000 NOTA TÉCNICA Universo de referência Organismos da Administração Pública Central Realização

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000227 - ENGENHARIA AMBIENTAL Nivel: Superior Area Profissional: 0007 - CONSTRUCAO CIVIL Area de Atuacao: 0152 - ATEND.CLIENTE/CONSTR.CIVIL

Leia mais

Rua Ilha de São Tomé, n.º 14 R/C Dto, 1170-185 Lisboa (Portugal) +351 913620537 hydrics.pedro@gmail.com

Rua Ilha de São Tomé, n.º 14 R/C Dto, 1170-185 Lisboa (Portugal) +351 913620537 hydrics.pedro@gmail.com Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Pedro Jorge Silva Rua Ilha de São Tomé, n.º 14 R/C Dto, 1170-185 Lisboa (Portugal) +351 913620537 hydrics.pedro@gmail.com Sexo Masculino Data de nascimento 02 de Agosto

Leia mais

DOC. 08 DEZEMBRO 2007. ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações

DOC. 08 DEZEMBRO 2007. ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações DOC. 08 DEZEMBRO 2007 ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Recomendações DIRECÇÃO-GERAL DO LIVRO E DAS BIBLIOTECAS RECOMENDAÇÕES PARA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL Introdução O presente documento tem como objectivo fornecer

Leia mais

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1 PÁGINA : 1 1. FUNCOES GERAIS 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00 7.095.218,46 1.1. SERVICOS GERAIS DE 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO DE JANEIRO - CREA-RJ. Certidão de Acervo Técnico nº 148151/2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO DE JANEIRO - CREA-RJ. Certidão de Acervo Técnico nº 148151/2012 PÁG: 1/ 13 Certidão de Acervo Técnico nº 148151/2012 Não há vinculação entre a presente Certidão e qualquer atestado (Artigo 30,P arágrafo 1º, Inciso I da Lei 8666/93), tendo sido a mesma emitida com a

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS

GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ÁREA DE CONSTRUÇÃO GESTÃO E SEGURANÇA DE OBRAS E ESTALEIROS 2008/2009 1º SEMESTRE GUIÃO DA DISCIPLINA Docentes: Anabela Mendes Moreira, Professora Adjunta NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

CONVÊNIOS PRESTAÇÃO DE CONTAS

CONVÊNIOS PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIOS PRESTAÇÃO DE CONTAS. PENDÊNCIAS PRESTAÇÕES DE CONTAS 1. DOCUMENTAÇÃO APRESENTADA INCOMPLETA, formulários padrão, notas fiscais, extratos bancários, certidão negativa de débitos da obra (quando

Leia mais

Energia 2030 1ª parte. Cláudio Monteiro Professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Energia 2030 1ª parte. Cláudio Monteiro Professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Energia 2030 1ª parte Cláudio Monteiro Professor da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ENERGIA 2030 Os Desafios Os três vértices do desafio ECONOMIA Competitividade, sustentabilidade económica,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas

Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas CENFIM, Trofa 6 de Maio de 2014 Normas Europeias para Projecto de Estruturas Metálicas Rui Ferreira Alves O Sector da Construção no contexto da União Europeia Sector estratégico: relevante para promover

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período 1º período EMC013 Desenho Projetivo para Engenharia A 6ª 09:25 11:55 1162 - BL 4 B 5ª 07:30 10:00 1162 - BL 4 C 5ª 10:15 12:45 1162 - BL 4 ENG011 Introdução à Engenharia Civil A 4ª 09:25 11:05 1165 - BL

Leia mais

consultor saneamento ambiental

consultor saneamento ambiental saneamento ambiental A ENGECORPS é uma empresa de engenharia consultiva pronta a responder a todos os desafios da retomada e manutenção de crescimento do país e globalização da economia. Interessada em

Leia mais

Plano de prevenção rodoviária LeasePlan. Com o SafePlan, todos contam!

Plano de prevenção rodoviária LeasePlan. Com o SafePlan, todos contam! Plano de prevenção rodoviária LeasePlan Com o SafePlan, todos contam! Quando se trata de segurança não a deixe entregue à sorte! sabia que... comportamentos de risco ao volante envio de mensagens e utilização

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas Conheça a Bacia do Alto Tietê Qualidade das Águas Sumário 1. QUALIDADE DAS ÁGUAS... 3 1.1. Caracterização... 3 1.2. Áreas Contaminadas... 8 2 1. QUALIDADE DAS ÁGUAS 1.1. Caracterização A péssima condição

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2015

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2015 PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2015 11:27 2014/10/27 Grandes Opções do Plano - Func. Plano Pag. 1 PÁGINA : 1 01 RENOVAR O MUNICIPIO 517.058,00 636.758,00 330.000,00 277.500,00 227.500,00 1352058,00

Leia mais

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES

MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES MESOESTRUTURA ESFORÇOS OS ATUANTES NOS PILARES DETERMINAÇÃO DE ESFORÇOS OS HORIZONTAIS ESFORÇOS ATUANTES NOS PILARES Os pilares estão submetidos a esforços verticais e horizontais. Os esforços verticais

Leia mais

Engenharia de Segurança 2/12

Engenharia de Segurança 2/12 Especialização em Engenharia de Segurança Um Contributo da Ordem dos Engenheiros para a Prevenção de Riscos A. Sérgio Miguel & Pedro Arezes Lisboa, Auditório da OE 27Abril2011 Engenharia de Segurança 2/12

Leia mais

1.1.1. 0103/070109 04 2002 142 AQUISICAO E REPARACAO DE OUTRA 100.0 CM 2014/01/01 2014/12/31 9 5.000,00 5.000,00 5.000,00

1.1.1. 0103/070109 04 2002 142 AQUISICAO E REPARACAO DE OUTRA 100.0 CM 2014/01/01 2014/12/31 9 5.000,00 5.000,00 5.000,00 MUNICIPIO SAO DO ANO 2014 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 114.600,00 114.600,00 114.600,00 1.1. Serviços gerais de 52.200,00 52.200,00 52.200,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 52.200,00

Leia mais

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho

CERSA. Centro de Referência em Segurança da Água. José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho Brasília 16 a 18 de março de 2015 CERSA Centro de Referência em Segurança da Água José Manuel Pereira Vieira Professor Catedrático da Universidade do Minho CERSA Projecto de futuro ao serviço da saúde

Leia mais

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras.

Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. 9.7 Notas sobre Desenhos de Projecto 9.7.1 Observações Gerais Os desenhos do projecto devem incluir desenhos de dimensionamento e desenhos de pormenorização de armaduras. Os desenhos de dimensionamento

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

Alcochete: Campo de Tiro, Sitio das Hortas, Salinas do Samouco; Rio Tejo e Rio Zêzere.

Alcochete: Campo de Tiro, Sitio das Hortas, Salinas do Samouco; Rio Tejo e Rio Zêzere. PROGRAMA 11ª Edição Locais: : Campo de Tiro, Sitio das Hortas, Salinas do Samouco; Rio Tejo e Rio Zêzere. Destinatários: Interessados em desenvolver esta profissão, a tempo inteiro ou parcial. Animadores

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA

A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA CORONEL JOAQUIM LEITÃO DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL E SOCORRO REGIMENTO DE SAPADORES BOMBEIROS A EDUCAÇÃO PARA O RISCO NA CIDADE DE LISBOA RISCOS NA

Leia mais

3 - Bacias Hidrográficas

3 - Bacias Hidrográficas 3 - Bacias Hidrográficas A bacia hidrográfica é uma região definida topograficamente, drenada por um curso d água ou um sistema interconectado por cursos d água tal qual toda vazão efluente seja descarregada

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 10º Ano Disciplina: Turismo Informação e Animação Turística Ano Letivo 2015/1 MÓDULO 1 CONCEITOS E FUNDAMENTOS DO TURISMO 1. O Conceito do Turismo 1.1. Noção de Turismo 1.2. Classificações do Turismo 1..

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO Representação do Relevo DO RELEVO 1 FINALIDADE Registrar e permitir visualizar a forma da superfície terrestre, fornecendo com precisão cotas altimétricas de pontos de interesse. Em topografia:

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL Ingenium Civitas

ENGENHARIA CIVIL Ingenium Civitas ENGENHARIA CIVIL Ingenium Civitas Prof. Dr. Rudney C. Queiroz Professor Adjunto Livre Docente Departamento de Engenharia Civil Unesp - Bauru 1. Definição Engenharia Civil vem do Latim, da época dos Romanos

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade ARQUITECTURA E ARTES Licenciatura ARQUITECTURA Unidade Curricular DIMENSIONAMENTO ESTRUTURAL Semestre: 8 Nº ECTS: 3,5 Regente Professor Doutor Artur Jorge de Oliveira

Leia mais

Transferência de Conhecimento e Tecnologia na Cooperação com os Laboratórios de Engenharia Civil dos PALOP, Timor-Leste e Macau

Transferência de Conhecimento e Tecnologia na Cooperação com os Laboratórios de Engenharia Civil dos PALOP, Timor-Leste e Macau Transferência de Conhecimento e Tecnologia na Cooperação com os Laboratórios de Engenharia Civil dos PALOP, Timor-Leste e Macau Carlos Pina Investigador Coordenador Vice-Presidente do LNEC Conferência

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Os Incêndios como um Problema de Engenharia Florestal

Os Incêndios como um Problema de Engenharia Florestal Contributo da Engenharia para a Defesa da Floresta Contra Incêndios DFCI, Auditório da Ordem dos Engenheiros, Lisboa, 14 de Abril 2014 Os Incêndios como um Problema de Engenharia Florestal Paulo Fernandes

Leia mais

Lisboa. uma cidade de bairros

Lisboa. uma cidade de bairros Lisboa uma cidade de bairros Fonte: Relatório do PDM Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, Setembro 2010 No PDM de Lisboa, foram identificadas Zonas de Moderação da circulação automóvel, que podem ser concretizadas

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico

22 al 27 de agosto de 2004 Hotel Caribe Hilton - San Juan, Puerto Rico SISTEMA ADUTOR METROPOLITANO DA RMSP MODELAGEM MATEMÁTICA COM A UTILIZAÇÃO DO PIPE 2000 Alexandre Miguel López* O Engº. Alexandre M. López é Diretor de Expansão da Encibra S.A. Estudos e Projetos de Engenharia.

Leia mais

Helena A Wada Watanabe 2012

Helena A Wada Watanabe 2012 Helena A Wada Watanabe 2012 Política * É uma atividade mediante a qual as pessoas fazem, preservam e corrigem as regras gerais sob as quais vivem. * É inseparável tanto do conflito como da cooperação (valores

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau1 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU I O Grau I corresponde à base hierárquica de qualificação profissional do treinador desportivo.

Leia mais

07/02/2014. Professor

07/02/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Disciplina: Introdução à Engenharia Aspectos Gerais sobre a Eng. Eng. Dr. André Luís Gamino Professor Aspectos Gerais da

Leia mais

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico

Divisão de Obras Particulares e Planeamento Urbanístico Licenciamento Administrativo de Operação Urbanística Espaço reservado aos Serviços Exmº Senhor Presidente da Câmara Municipal do Bombarral Nome Contribuinte fiscal n.º, B.I. n.º, Cartão do Cidadão, com

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

Um parceiro de confiança / www.portugalglobal.pt. RÚSSIA Mundial de Futebol 2018

Um parceiro de confiança / www.portugalglobal.pt. RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 RÚSSIA Mundial de Futebol 2018 Superfície: 17 milhões Km 2 Regiões: 85 População: 144 milhões Capital: Moscovo Língua oficial: russo Moeda: Rublo (RUB) 1 = +- 75 RUB** PIB:

Leia mais

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012

Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Seminário Integrado sobre Direito do Urbanismo Centro de Estudos Judiciários 26-01-2012 Construção civil Execução de obras, tais como moradias, edifícios, pontes, barragens, estradas, aeroportos e outras

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I

Avaliação Ambiental Estratégica Relatório Ambiental. PGRH-Açores 2016-2021. Anexo I Anexo I Diretivas Diretiva Quadro da Água (DQA) Diretiva Quadro Estratégia Marinha (DQEM) Diretiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, que estabelece um quadro de

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira

TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS. Laura Caldeira TENDÊNCIAS ACTUAIS DA LEGISLAÇÃO DE BARRAGENS Laura Caldeira Índice 1. Conceitos de segurança estrutural 2. Conceitos de risco 3. Utilização de sistemas de classificação 4. Considerações finais 2 1. Conceitos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA ENCONTRO NACIONAL DA ENGENHARIA CIVIL. Carta de Maceió

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA ENCONTRO NACIONAL DA ENGENHARIA CIVIL. Carta de Maceió ENCONTRO NACIONAL DA ENGENHARIA CIVIL Carta de Maceió Os Engenheiros Civis reunidos em Maceió AL, no período de 18 a 20 de maio de 2014, no Encontro Nacional da Engenharia Civil, promovido pelo CONFEA

Leia mais

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Unidades curriculares disponíveis para Programa IPL60+ 1º Semestre 15-16 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Introdução à Administração Pública Noções Fundamentais de Direito Ciência

Leia mais

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Listagem de UC por curso. Escola Superior de Tecnologia e Gestão Listagem de UC por curso Semestre * 2013-14 Escola Superior de Tecnologia e Gestão Administração Pública Direito Administrativo Contabilidade Financeira Introdução aos Estudos das Organizações Fundamentos

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Avaliação do desempenho estrutural de pontes

Avaliação do desempenho estrutural de pontes Avaliação do desempenho estrutural de pontes Luís Oliveira Santos Laboratório Nacional de Engenharia Civil Seminário Gestão da Segurança e da Operação e Manutenção de Redes Rodoviárias e Aeroportuárias

Leia mais

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS

MIEC MESTRADO INTEGRADO EM ENGENHARIA CIVIL 2014/2015 PROPOSTA DE TEMAS PARA DISSERTAÇÃO RAMO DE ESPECIALIZAÇÃO/ ÁREA CIENTÍFICA: ESTRUTURAS 1 EST1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE DEFORMAÇÃO DE ELEMENTOS TUBULARES EM AÇO José Miguel Castro CO Um dos passos essenciais no processo de avaliação da segurança sísmica de estruturas consiste na comparação

Leia mais

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret

CRIATIVIDADE VERSUS REGULAMENTAÇÃO DOIS PROJECTOS Adriana Floret DOIS PROJECTOS Adriana Floret Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente Existente localização 1. EDIFÍCIO DOS LÓIOS C.H. PORTO Existente 1ª Visita a obra: Construtivamente:

Leia mais

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS

A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS A NECESSIDADE DA COMUNICAÇÃO EM SITUAÇÃO DE PLENA MANIFESTAÇÃO DE RISCOS. A COORDENAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE SOCORRO NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA E A IMPORTÂNCIA VITAL DAS COMUNICAÇÕES Sumário Caracterização

Leia mais

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil

Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Critérios e Normas Técnicas para a Elaboração de Planos de Emergência de Protecção Civil Objectivos da Protecção Civil Domínios de Actividade Planeamento de Soluções de Emergência Aumentar os níveis de

Leia mais

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013

Exercício: 2013 Data base: 31/12/2013 Prefeitura Municipal de Alvorada Página: 000001 Orgão: 01 CAMARA MUNICIPAL DE VEREADORES 01 LEGISLATIVA 41.087,91 6.600.377,60 0,00 6.641.465,51 01.031 ACAO LEGISLATIVA 41.087,91 5.758.613,76 0,00 5.799.701,67

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009 PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 200.000,00 200.000,00 200.000,00 1.1. 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. ADMINISTRAÇÃO GERAL 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. 01 2005 ADMINISTRAÇÃO GERAL 55.000,00

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos 1.1. Acessos e mobilidade 1.1.1. SINAS@Hospitais Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.1.2. Mantém atualizada a comunicação

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas

Avaliação Ambiental Estratégica o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas o que investigam as nossas Universidades? André Mascarenhas MSc Engenharia do Ambiente Área de especialização Avaliação e Gestão Ambiental Faculdade de Ciências e Tecnologia - Universidade do Algarve 1

Leia mais

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Por: Antonio Lauro Valdivia* e Karênina Martins Teixeira** Resoluções Contran n os 21 o e 211 abrem espaço para novas combinações de veículos de carga O tradicional

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO CIÊNCIAS DA NATUREZA - 2º CICLO (PROVA 02) O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do ensino básico, a realizar em 2015 pelos alunos que

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

AGEREG P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P O G R A N D E

AGEREG P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P O G R A N D E AGEREG A G Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O D O S S E R V I Ç O S P Ú B L I C O S D E L E G A D O S D E C A M P O G R A N D E Águas Guariroba P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E C A M P O G R A N

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

AssuntO: Indica ao Poder Executivo Municipal

AssuntO: Indica ao Poder Executivo Municipal Estado de Sao Paulo / 2015 & Protocolo: (JfK.io: Aprovado 166O//S 7i> & Hora: na C I - "so. rea lizada^ em // 2 (

Leia mais

Lisboa, Museu de Marinha, 26 de março de 2014

Lisboa, Museu de Marinha, 26 de março de 2014 INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL Apresentação do Programa Praia Saudável Lisboa, Museu de Marinha, 26 de março de 2014 Só serão válidas as palavras

Leia mais

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações

SINAS@Hospitais Dimensão Adequação e Conforto das Instalações A - ADEQUAÇÃO DAS INSTALAÇÕES 1. Acessos e mobilidade 1.1 Garante a existência de rampas de acesso para pessoas com mobilidade reduzida 1.2 Mantém atualizada a comunicação visual e sinalética 1.3 Está

Leia mais

SEMINÁRIO O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10

SEMINÁRIO O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 O ESTADO ACTUAL DA IMPLEMENTAÇÃO DO NOVO MODELO INSTITUCIONAL PARA O SECTOR FERROVIÁRIO DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 DECRETO PRESIDENCIAL 195/10 SEMINÁRIO O TRANSPORTE FERROVIÁRIO EM ANGOLA - SITUAÇÃO ACTUAL

Leia mais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais

Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais Carta de Direitos e Deveres do Cliente do Centro de Actividades Ocupacionais APPACDM de Braga 2010 Tendo como pano de fundo a Convenção aprovada pelos Estados membros da ONU sobre os Direitos das Pessoas

Leia mais

ESTRADAS E INFRAESTRUTURAS DE SERVIÇOS INFRA-ESTRUTURAS NO DOMÍNIO PÚBLICO RODOVIÁRIO

ESTRADAS E INFRAESTRUTURAS DE SERVIÇOS INFRA-ESTRUTURAS NO DOMÍNIO PÚBLICO RODOVIÁRIO ESTRADAS E INFRAESTRUTURAS DE SERVIÇOS ENQUADRAMENTO Enquadramento A utilização do domínio público rodoviário por serviços de utilidade pública tem acompanhado a evolução de uma sociedade em desenvolvimento

Leia mais

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia

Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Lista de Exercícios - Unidade 6 Aprendendo sobre energia Energia Cinética e Potencial 1. (UEM 01) Sobre a energia mecânica e a conservação de energia, assinale o que for correto. (01) Denomina-se energia

Leia mais

Turismo de Natureza no Alto Minho:

Turismo de Natureza no Alto Minho: SEMINÁRIO FINAL VALOR GERÊS-XURÉS Turismo de Natureza: Balanço e Perspetivas 2014-2020 António Sá Melgaço, Porta de Lamas de Mouro 16 de dezembro de 2014 Turismo de Natureza no Alto Minho: Balanço 2007-2013

Leia mais

Plano de ação para franquias com problemas de recepção.

Plano de ação para franquias com problemas de recepção. Plano de ação para franquias com problemas de recepção. Curitiba 25 de maio de 2010 Ref: Restabelecimento de recepção do sinal satélite em franquias com dificuldades técnicas Prezados Franqueados do Curso

Leia mais

Casa de Saúde São João de Deus

Casa de Saúde São João de Deus Casa de Saúde São João de Deus Funchal Outubro 2013 Manuel Freitas CSSJD Funchal Caminho percorrido SGQ- Situação atual CSSJD Funchal CSSJD Inaugurada 10/08/1924 OHSJD Província Portuguesa ISJD Fins de

Leia mais

MUNICIPIO DE CALHETA DO ANO 2016

MUNICIPIO DE CALHETA DO ANO 2016 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 415.272,00 415.272,00 331.772,00 78.772,00 78.772,00 157.540,71 1.062.128,71 1.1. Serviços gerais de 400.272,00 400.272,00 325.772,00 78.772,00 78.772,00 157.540,71 1.041.128,71

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTAO DE CONSTRUÇÃO CIVIL ( LEGCC ) 1 A UNIVERSIDADE

Leia mais