BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS"

Transcrição

1 BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional de Angola, como supervisor do sistema bancário o monitoramento contínuo das instituições financeiras sob sua jurisdição, ou seja, velar pela estabilidade e confiança do sistema financeiro nacional. O Departamento de Supervisão de Instituições Financeiras DSI é o principal executor das funções de supervisor do sistema financeiro angolano, atribuídas ao BNA pela Lei Nº 16/10, de 15 de Julho, em seu artigo nº 20, a este cabe, o acompanhamento inloco e a distância (on-site e off-site), da situação patrimonial, liquidez, rentabilidade, adequação de capital e solvência, bem como avaliar o cumprimento das normas e regulamentos por parte dos bancos. Para o cumprimento da sua missão institucional, o DSI conta com a seguinte estrutura orgânica aprovada pelo Despacho Nº 34/2011 do Banco Nacional de Angola: ORGANIGRAMA DO DSI

2 1.2. Síntese de Actividades Organização do Sistema Financeiro Angolano O Sistema financeiro conta actualmente com 23 (vinte e três) instituições financeiras bancárias, das quais, estão em funcionamento 21 (vinte e um) Bancos, sendo que 2 (dois) ainda não iniciaram as suas actividades. Também estão autorizadas a funcionar 30 (trinta) casas de câmbio, sendo que 1 (uma) casa câmbio ainda não iniciou a sua actividade. Importa também referir que, estão em funcionamento uma sociedade de remessa de valores e uma sociedade de micro crédito Estrutura e composição do Sistema Bancário Angolano Das 23 (vinte e três) instituições financeiras bancárias autorizadas a funcionar em Angola, 3 (tres) são Bancos públicos, 12 (doze) são Bancos privados, 7 (sete) são filiais de Bancos estrangeiros privados e 1 (um) banco Misto, conforme o mapa abaixo.

3 Bancos Dez-05 Dez-06 Dez-07 Dez-08 Dez-09 Dez-10 Jun-11 Públicos Mistos 1 1 Privados Nacionais Filiais de Bancos Estrangeiros Total Localização de Rede de Agências No final do segundo trimestre de 2011, de acordo com os dados disponíveis na base de dados deste Departamento, existiam em todo território nacional cerca de 902 (novecentas e duas) agências de Bancos comerciais, sendo que a maior parte das mesmas encontram-se localizadas na província de Luanda que detém 490 (quatrocentas e noventa) agências. O mapa abaixo, ilustra a distribuição geográfica das agências por província.

4 Central de Informação de Risco de Crédito (CIRC) No âmbito do funcionamento da Central de Informação de Risco e Crédito (CIRC), foram realizados ao longo do segundo trimestre de 2011, vários encontros com os bancos no sentido de serem informados sobre a necessidade do envio da informação para a base de dados da CIRC. Procedeu-se ao cadastramento dos nomes e perfis dos usuários das instituições para o aplicativo da CIRC. No período em referência o aplicativo contava com a informação de crédito de 15 (quinze) bancos, 2 (dois) bancos com tentativas de envio de informação e 4 (quatro) bancos sem tentativas de envio de informação a CIRC.. I - INDICADORES DE DIMENSÃO DO SISTEMA BANCÁRIO ANGOLANO

5 EVOLUÇÃO DOS ACTIVOS E PASSIVOS DOS BANCOS No que diz respeito a dimensão do Sistema Bancário Angolano, na óptica da escala dos activos dos Bancos a operar em Angola, o mercado continua a registar uma tendência de crescimento, apesar de três (3) instituições evidenciarem uma diminuição do seu volume de negócios. O activo total do sistema bancário cresceu 5%. ao longo do primeiro semestre de 2011, em que atingiu cerca de kz 4.410,39 mil milhões No final do primeiro semestre de 2011 os activos dos bancos em moeda nacional totalizaram kz 2.239,11 mil milhões, e os activos em moeda estrangeira foram de kz 2.171,28 mil milhões. Entre Dezembro de 2010 a Junho de 2011 os activos em moeda nacional cresceram cerca de 7% e os activos em moeda estrangeira cresceram em 3% respectivamente. rever o gráfico, o período não esta visivel As fontes de financiamento em moeda estrangeira à semelhança dos activos em moeda estrangeira evidenciaram o mesmo comportamento, enquanto os passivos em moeda nacional apresentavam um comportamento contrário dos activos em moeda nacional ao registarem uma diminuição absoluta em cerca de kz 203,59 mil milhões no final do primeiro trimestre de O decréscimo dos passivos em moeda nacional de cerca de 3 pp. foi compensado pelo aumento do passivo em moeda estrangeira em mais de kz 63,91 mil milhões. Esta tendência evidencia o comportamento do mercado em recorrer a moeda estrangeira. Por outro lado, ao longo do primeiro semestre de 2011, o sistema bancário evidenciou uma maior captação de depósitos a prazo e outros depósitos (depósitos obrigatórios, cheques e outros), pois, as poupanças cresceram de cerca de 23% e os outros depósitos cresceram mais do que o dobro.

6 COMPOSIÇÃO DA ESTRUTURA DE ACTIVOS DOS BANCOS COMERCIAIS No final do primeiro trimestre de 2011, a estrutura de activos da banca comercial apresentava uma composição heterogénea resultante de diferentes estratégias, posicionamento no mercado e grau de maturação de cada uma das Instituições Financeiras. O crédito mantém-se como a rubrica com maior expressão na estrutura do activo com cerca de 38,72%, seguidos pelas aplicações em títulos e valores mobiliários, disponibilidades e aplicações de liquidez com cerca de 24,52%, 17,10% e 10,93% respectivamente. Em termos de ranking, os bancos BESA e BAI matem-se na primeira e segunda posição respectivamente, sendo que no segundo trimestre 2011 os bancos BFA e o BPC alternam a terceira e quarta posições e o banco BIC matem-se na quinta posição. Foi notável a evolução dos activos do BPA que matem-se na sexta posição do ranking dos Bancos, posicionando-se a frente de outros bancos com volume de activos idêntico, se tivermos em conta o tempo de actividade de cada um destes Bancos no mercado.

7 COMPOSIÇÃO DA ESTRUTURA DO PASSIVO DOS BANCOS COMERCIAIS No final do primeiro semestre de 2011, o sistema bancário continuo a revelar maior capacidade de captação de recursos, na qual se destaca os depósitos de clientes com 73,85%, assim como o incremento das operações de mercado monetário interfinanceiro para a cedência de liquidez entres os bancos com 14,86%. No decurso do primeiro semestre de 2011 cinco bancos absorviam a maior porção das captações através de depósitos de clientes, com realce para o BAI que no primeiro trimestre de 2011 caiu para a segunda posição a favor do BFA e no segundo trimestre de 2011 voltou a liderança em contrapartida o BFA voltou a segunda posição. Em Dezembro de 2010 o BPC posicionava-se na terceira posição e passou a ocupar a quarta posição a favor do BIC no mês de Março e Junho de 2011, já o BESA que durante o primeiro semestre de 2011 liderou o ranking em termo de activos mantém-se na quinta posição em termos de depósitos. Alguns Bancos apesar de estarem a poucos anos a operar no mercado financeiro angolano, registaram no final do período em análise, maior volume de depósitos em relação aos bancos com mais tempo de actuação no mercado, o que aumenta a concorrência e melhora a prestação de serviços e atendimento ao cliente.

8 II- ADEQUAÇÃO DE CAPITAL E FUNDOS PROPRIOS REGULAMENTARES Tendo em conta os riscos a que o sistema bancário está exposto, o Banco Nacional de Angola, no âmbito das suas competências, através do Instrutivo N.º 03/2011, de 08 de Junho, determinou novos factores de ponderação de risco para o património das instituições bancárias autorizados a funcionar em Angola, com efeito, o rácio de solvabilidade que durante o primeiro trimestre de 2011 situou-se em torno dos19% e 18%, diminuiu para 15% no final do segundo trimestre de Apesar da diminuição de cerca de cerca de 3 pp. o sistema bancário manteve-se solvente, o rácio de solvabilidade manteve-se acima dos 10%, limite mínimo estabelecido pelo Aviso nº 05/07,de 12 de Setembro. Convém frisar que ao longo do primeiro semestre de 2011 um (1) Banco apresentou rácio de solvabilidade regulamentar abaixo dos 10%, limite mínimo estabelecido para instituições bancárias. Todavia, para que este Banco apresente um rácio de solvabilidade em conformidade o estabelecido no referido aviso, está em curso um processo de autorização para aumento de Capital Social e emissão de obrigações de caixa. Por outro lado, três (3) Bancos que se encontravam em situação de alerta melhoraram os seus rácios de solvabilidade. O mapa a direita ilustra a posição de cada Banco em termos de solvabilidade no sistema bancário. Neste indicador os Bancos que detêm maior volume de activos e que se posicionam nos cinco primeiros lugares, em termos de activo total, crédito e depósitos, aparecem a ocupar as últimas posições do ranking do sistema em termos de solvabilidade. Portanto, os Bancos com menor rácio de solvabilidade revelam maior apetite ao risco, ao contrário dos Bancos que apresentam rácios de solvabilidade maiores, com margens consideráveis de aplicação dos recursos que poderiam ser melhor rentabilizado em operações de crédito ou títulos de dívida pública.

9 III-QUALIDADE DOS ACTIVOS DOS BANCOS O total do crédito concedido a economia no primeiro semestre de 2011 ascendeu o valor de kz 1.819,44 mil milhões, contra cerca de kz 1.615,24 milhões em Dezembro de 2010, ou seja, um crescimento relativo de 13%. Importa referir que, no primeiro trimestre de 2011 a carteira de crédito cresceu apenas 5 %. No final do primeiro trimestre de 2011 o crédito em moeda estrangeira representava cerca de 63,2% (kz 1.075,35 mil milhões) do total da carteira. Importa realçar que, cerca de 61,8% da carteira de crédito foi concedida em dólar dos estados unidos e 1,4% em Euro. Apesar, de no final do segundo trimestre de 2011, o crédito concedido em dólares dos estados unidos, continuar a dominar a carteira de crédito com cerca de 57,5%, a mesma registou uma diminuição absoluta de Kz 5,37 mil milhões, a favor do crédito em moeda nacional que registou um aumento absoluto de Kz 117,18 mil milhões, representando cerca de 36,8% em Mar/11 e 40,8% em Jun./11. Este comportamento evidencia uma valorização da moeda nacional em relação a moeda estrangeira. Durante o período em análise o sistema bancário concedeu mais crédito ao sector privado empresarial e particulares, seguido pelos sectores público empresarial e publico administrativo na ordem dos kz 1.689,14 mil milhões, kz 103,81 mil milhões e kz 26,49 mil milhões respectivamente. No final do primeiro semestre de 2011 o crédito desembolsado ao sector privado empresarial e particular apresentam uma tendência crescente. Importa também referir que, do total de crédito desembolsado ao sector privado cerca de 76,7% (kz 1.295,08 mil milhões) foi desembolsado ao sector privado empresarial.

10 Por outro lado, no final do primeiro semestre de 2011, o crédito concebido a particulares liderou a carteira de crédito por sector económico, com cerca de 19,59% do total da carteira de crédito, seguido pelos sectores económicos de comércio a grosso e retalho (18,59%), outras actividades de serviços colectivos (14,73%), imobiliária, alugueres e serviços prestados as empresas (13,99%), indústrias transformadoras (8,54%), construção (8,46%) e os restantes destinados a outros sectores económicos. No final do primeiro semestre de 2011 o crédito vencido situou-se em Kz 134,22 mil milhões, menos 7% (kz 10,14 mil milhões) em relação a Março de 2011,por outro lado, o peso do crédito vencido no crédito total diminuiu de 8,48% (Mar/11) para 7,38% (Jun./11), esta redução poderá estar associada a recuperação do crédito mal parado, bem como, melhoria de classificação e registo das informações contabilísticas por parte dos Bancos.

11 Importa realçar que, no final do primeiro semestre de 2011, o crédito vencido aos sectores económicos comércio a grosso e a retalho, actividades imobiliárias e particulares representavam cerca de 73% do total de crédito vencido. Por outro lado, o crédito vencido com atrasos inferiores ou igual a 30 dias que no primeiro trimestre de 2011 representava cerca 41% do total do crédito vencido diminuiu para cerca 23% no segundo trimestre de 2011, enquanto que, o peso do crédito vencido com atrasos entre 30 a 60 dias que no primeiro trimestre de 2011 representava 18% do total de crédito vencido aumentou para 25%. Importa também referir, que no final Junho de 2011 ocorreu um agravamento do crédito vencido com nível de risco G. Porém, apesar das variações verificadas nos prazos e níveis de risco, no final do segundo trimestre do ano em curso, o crédito vencido apresentou uma tendência decrescente.

12 No segundo trimestre os bancos da praça reforçaram as provisões para os riscos inerentes a carteira de crédito, pois, a carteira de crédito aumentou significativamente de Kz 1.701,50 mil milhões (Mar/11) para Kz 1.819,44 mil milhões, acautelando-se da probabilidade de incumprimento por parte dos mutuários, foram constituídas provisões no valor de kz 111,53 mil milhões, contra os cerca de kz 122,24 mil milhões necessários. Relativamente as provisões para o crédito vencido, registou-se uma diminuição desta rubrica na ordem dos 10,5%, devido a tendência decrescente do crédito mal parado, com efeito, o rácio de provisões de crédito vencido sobre o crédito vencido caíram 0,78 p.p. ou de 21,11% (Mar/11) para 20,33% (Jun/11). No período em análise cinco bancos detinham a maior quota de mercado em termos de crédito ou seja cerca de 79% da carteira de crédito do sistema bancário e os restantes 21% era detida pelas restantes instituições.

13 IV-LIQUIDEZ As instituições financeiras bancárias em funcionamento detinham em Junho de 2011 cerca de kz 2.907,52 mil milhões de depósitos de clientes, dos quais cerca de kz 1.568,84 milhões detidos em moeda estrangeira e kz 1.336,68 mil milhões em moeda nacional. Os depósitos em moeda estrangeira cresceram em 13% e os depósitos em moeda nacional cresceram 7% entre Dezembro de 2010 e Junho de 2011, respectivamente. Os dados evidenciam a preferência do público em manter ainda as suas poupanças em moeda estrangeira. Os activos líquidos com títulos em relação as captações, nas duas moedas, evidenciam ser suficientes para suportar as obrigações dos credores quando lhes forem exigidos, após, uma ligeira diminuição no decurso do primeiro trimestre de 2011, no segundo trimestre de 2011 verificou-se uma tendência crescente. Em contrapartida, os activos líquidos sem os títulos sobre as captações nas duas moedas que mantiveram-se constantes no primeiro trimestre de 2011, no segundo trimestre de 2011, apresentaram uma tendência decrescente. O indicador de liquidez imediata em moeda nacional que no primeiro trimestre de 2011 denotava uma tendencia expansionista, no segundo trimestre de 2011, mantiveram-se constantes, situação contraria para a liquidez imediata em moeda estrangeira que continua a denotar uma tendencia descrescente. Importa referir que, a capacidade do sistema bancario em horar os seus compromissos de longo prazo em MN e ME mantem-se acima dos 100%. Ao longo do primeiro semestre de 2011 o sistema bancário registou um aumento da taxa de transformação do crédito sobre os depósitos, revelando que o sistema bancario angolano esta a exercer mais actividades de intermediação financeira com captações com depositos em moeda nacional.

14 V-RENTABILIDADE A dinâmica da economia angolana tem propiciado um ambiente favorável ao desempenho do sistema bancário. Os proveitos de intermediação financeira, com destaque para os proveitos de crédito e proveitos de títulos e valores mobiliários, contribuíram para a expansão da margem financeira. De igual modo, contribuíram significativamente para a expansão do resultado de intermediação financeira às operações cambiais e prestação de serviços financeiros. No final do segundo trimestre de 2011, o sistema bancário apresentou uma margem de ganho com aplicações em activos renumerados na ordem dos 5,20%, mais 2,19 pontos percentuais em relação ao primeiro trimestre de 2011, contra a margem de custos com captações de passivos remunerados de 3,93%. O negócio bancário em angolano continua a registar níveis de rentabilidade aceitáveis, pois o spread da margem financeira juros de activos e passivos renumerados situou-se na ordem dos 1,27% em Junho de 2011.

15 No final do primeiro semestre de 2011, o sistema bancário angolano apresentou um rácio de eficiência com tendência decrescente, devido ao crescimento significativo do produto bancário de cerca de 45% (Kz 64,48 mil milhões) em relação aos custos administrativos e de comercialização que cresceram apenas cerca de 38% (Kz 21,90 mil milhões), o Cost-to-Income diminuiu de 45,5% em Mar/11 para 40,3% em Jun/11. Importa referir que, o aumento das despesas de provisões de crédito e garantias e dos outros custos operacionais não tiveram impacto comprometedor no resultado das instituições no período em análise. No final do segundo trimestre 2011 o sistema bancário apresentou um resultado líquido kz 66,61 mil milhões mais da metade do resultado líquido apurado no exercício de 2010 (kz 125,54 mil milhões), prova da existência de condições propícias para o negócio bancário e do ainda tímido nível de concorrência entre os actores do mercado. Os indicadores de rendibilidade, retorno de activos (ROA) e retorno de capital (ROE) situaram-se em 1,52% e 15,87% respectivamente.

16 ANEXOS: Bancos Públicos Bancos Privados Nacionais Filias de Bancos Estrangeiros BCI BDA BPC BAI BANC BCA BIC BNI BPA BQC KEVE BMF SOL BCH BESA BFA BMA BTA FNB VTB SBA Anexo 1: Composição Activo em ME e MN Anexo 2: Composição dos Activos Líquido em ME e MN

17 Anexo 2: Aplicações em Títulos Anexo 5: Carteira de Crédito

18 Anexo 6: Carteira de Depósitos Anexo 9: Endividamento

19 Anexo 12: Rendibilidade

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

Banco Nacional de Angola

Banco Nacional de Angola Banco Nacional de Angola RELATÓRIO 3º TRIMESTRE DE. Introdução: Em, entrou em vigor o novo plano de conta das instituições financeiras - CONTIF, tendo-se fixado o mês de Março como o período de reporte

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del.

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del. FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA Por Sebas*ão Franque Banganga Del. Regional da BRC 26 de Março de 2015 001 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. ANTECEDENTES

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

A Bancarização da Economia em Angola

A Bancarização da Economia em Angola A Bancarização da Economia em Angola O que os dados estatísticos nos dizem Níria Lopes Oramalu V Fórum de Economia e Finanças 11 de Dezembro de 2013 Agenda 1. Indicadores de Bancarização 2. Disponibilidade

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO

RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO RELATÓRIO DE RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO 2013 MARÇO DE 2014 2 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 3 1. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE CRÉDITO... 3 2. RISCO DE CONCENTRAÇÃO DE MERCADO... 4 3. CONCENTRAÇÃO DE RISCO

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15

BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 BRB ANUNCIA RESULTADOS DO 2T15 Brasília, 26 de agosto de 2015 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Banco Nacional de Angola DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DE SUPERVISÃO 2009. Índice

Banco Nacional de Angola DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DE SUPERVISÃO 2009. Índice Banco Nacional de Angola DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DE SUPERVISÃO 2009 Índice Prólogo... 2 Introdução... 2 Estrutura e composição do sistema bancário... 4 Estrutura

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano Outubro 2014 kpmg.co.ao KPMG ANGOLA OUTUBRO 2014 ANÁLISE AO SECTOR BANCÁRIO ANGOLANO 3 Índice 1. Breve Descrição da Metodologia do Estudo 5 2. Enquadramento

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano Outubro 2014 kpmg.co.ao KPMG ANGOLA Introdução Dando continuidade ao nosso posicionamento no mercado Angolano, a KPMG Angola vem apresentar mais uma

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa

Caraterização do setor dos serviços em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa Caraterização do setor dos serviços em Portugal Paula Menezes Coordenadora da Área da Central de Balanços 1 dezembro 2014 Lisboa 1. Estrutura e dinâmica do setor: o que mudou em 10 anos? 2. Análise económica

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012

Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 2012 Nota de Informação Estatística Lisboa, 8 de novembro de 212 Divulgação dos Quadros do Setor das empresas não financeiras da Central de Balanços dados de 211 O Banco de Portugal divulga hoje no BPStat Estatísticas

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto

INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto INSTRUTIVO N.º 07/2011 de 18 de Agosto ASSUNTO: MERCADO MONETÁRIO INTERBANCÁRIO OPERAÇÕES EM MOEDA ESTRANGEIRA Havendo necessidade de criar condições para a adequada e completa comunicação de informação

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015

RELATÓRIO INTERCALAR DO EXERCÍCIO DE 2015 Sumário executivo No decurso do primeiro semestre de 2015, a Administração do BNI prosseguiu de forma consistente a missão, visão e objectivos do Banco orientados no objectivo central de contribuir para

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM REDE MILLENNIUM 24 25 Millennium bank - Roménia 2011 2010 2009 Var. % 2010 Var. % 11/10 excluindo efeito cambial Ativo total 522 521 472 0,3% 513 1,7% Crédito a clientes (bruto) 398 344 268 15,6% 339 17,3%

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA

WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA WORKSHOP INCLUSÃO E FORMAÇÃO FINANCEIRA PAPEL DO BANCO DE CABO VERDE NA PROMOÇÃO DA INCLUSÃO FINANCEIRA Banco de Portugal, 11 de Julho de 2013 Solange Lisboa Ramos Gabinete de Apoio ao Consumidor do Banco

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Gabinete de Estudos da FESETE Julho 09 1 Introdução Foi efectuada uma análise a um conjunto de empresas das indústrias de

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015

ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da Central de Balanços Novembro 2015 23 23 ANÁLISE SETORIAL DAS SOCIEDADES NÃO FINANCEIRAS EM PORTUGAL 2010-2015 Estudos da

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal

Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal. Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Caracterização das empresas do setor do turismo em Portugal Paula Menezes Coordenadora da área da Central de Balanços 22 outubro 2014 Funchal Setor do Turismo I. Estrutura e dinâmica do setor II. III.

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

2002 - Serviços para empresas

2002 - Serviços para empresas 2002 - Serviços para empresas Grupo Telefónica Data. Resultados Consolidados 1 (dados em milhões de euros) Janeiro - Dezembro 2002 2001 % Var. Receita por operações 1.731,4 1.849,7 (6,4) Trabalho para

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

! " # $%&' (") *+)( *+)* , " # - %. " / 012 $ )"* *+)( 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6! ! " '.! " 7 . % "' *+)( $%, % " ## *++* -. - ! $ ." )+#.

!  # $%&' () *+)( *+)* ,  # - %.  / 012 $ )* *+)( 012+4 # *+)( 012 55  6! !  '.!  7 . % ' *+)( $%, %  ## *++* -. - ! $ . )+#. !! " # $%&' (") *+)( *+)*, " # %. " / 012 $ )"* *+)( 3 012+"4 "# *+)( 012 5"5 " 6!! " '.! " 7. % "' *+)(!, $%, % " ## *++*. 7! $." )+#. *+)*!! 28" *+)(. "' $%981!5": *+)(*+);!)5) *++**++

Leia mais

INSTRUTIVO Nº. 01/96

INSTRUTIVO Nº. 01/96 INSTRUTIVO Nº. 01/96 ASSUNTO: VENDA PVBLICA DE DIVISAS.REGULAMENTACAO DO AVISO Nº. 08./96 DE 17 DE ABRIL Considerando que um dos principais objectivos da reestruturação da economia angolana, no âmbito

Leia mais

Divulgação dos Resultados 1T15

Divulgação dos Resultados 1T15 Divulgação dos Resultados 1T15 Sumário Resultado Itens Patrimoniais Índices Financeiros e Estruturais Guidance 2 Resultado Margem Financeira (em e %) * 1T15 / 1T14 1T15 / 4T14 1T15 / 1T14 21,1% 5,4% 21,1%

Leia mais

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro

Destaques Operacionais. Desempenho Financeiro Press Release Destaques Operacionais O Banrisul apresentou, nos nove meses de 2011, trajetória ascendente de crescimento no crédito. Os indicadores de inadimplência e de qualidade da carteira mantiveram-se

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01 /99

INSTRUTIVO N.º 01 /99 REVOGADO INSTRUTIVO N.º 01 /99 ASSUNTO: POLÍTICA MONETÁRIA - Reservas Obrigatórias Havendo necessidade de se divulgar o regulamento relativo à constituição de Reservas Obrigatórias, no uso da faculdade

Leia mais

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015

Tabela de Taxas de Juro. Anexo II. Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional. Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Anexo II Instituição Financeira Bancaria com Sede em Território Nacional Entrada em vigor: 26 de Outubro de 2015 Preçário pode ser consultado nas Agências e locais de atendimento ao público do Banco Keve

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano kpmg.co.ao KPMG ANGOLA a Section or Brochure name Índice 1. Prefácio e agradecimentos 3 2. Breve descrição da metodologia do estudo 4 3. Enquadramento

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010

Sexta-feira 14.05.2010 Divulgação do Resultado do Primeiro Trimestre de 2010 Press Release 9 Bovespa: BRSR3, BRSR5, BRSR6 Este Press Release pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos, mas refletiriam os desejos e as expectativas

Leia mais

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A.

4 trimestre de 2010. Sumário Executivo. Itaú Unibanco Holding S.A. 4 trimestre de 2010 Sumário Executivo Apresentamos, abaixo, informações e indicadores financeiros do (Itaú Unibanco) do quarto trimestre de 2010 e do exercício findo em 31 de dezembro de 2010. (exceto

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos

Relatório de Gerenciamento de Riscos. Informações Adicionais e. Dados Quantitativos Relatório de Gerenciamento de Riscos Informações Adicionais e Dados Quantitativos Avaliação da adequação do Patrimônio de Referência (PR) face à estrutura e contexto operacional O processo de monitoramento

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Publicado no Diário da República, I série, nº 221, de 17 de Dezembro AVISO N.º 11/2014 ASSUNTO: REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Havendo necessidade de se rever a regulamentação relativa

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão

Leia mais

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0

Documento Trabalho. 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 2006 Deloitte. Todos os direitos reservados. 0 Setembro, 2006 Índice: 1. Posição relativa dos Municípios face às Administrações Públicas; 3 2. Enquadramento da Proposta de Lei das Finanças Locais com o

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services BANCO NACIONAL DE ANGOLA Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services Orador: Ramos da Cruz Lisboa, Centro Cultural de Belém,

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira

Relatório de Estabilidade Financeira Relatório de Estabilidade Financeira 2011 Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DE ESTABILIDADE FINANCEIRA 2011 Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 2012 Ficha Técnica Título: Relatório de Estabilidade Financeira

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais