Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007"

Transcrição

1 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual detém 65,5% do capital e que consolida nas suas contas pelo método integral, divulgou hoje o seguinte comunicado: No 3º trimestre de 2010, o Bank Millennium continuou a melhorar a rendibilidade, tendo o resultado líquido crescido 10% no 3T face ao 2T, atingindo 76,3 milhões de zlotys (19,0 milhões de euros), e o resultado líquido acumulado atingiu 213,9 milhões de zlotys (53,4 milhões de euros) nos 9M de Os principais factores do crescimento do resultado líquido foram o aumento dos proveitos base e a forte disciplina de custos. Destaca-se particularmente pela positiva a melhoria sustentada da margem financeira, que cresceu 9% numa base trimestral e 51% numa base anual. A forte melhoria do crédito com imparidade permitiu reduzir o custo do risco face ao ano anterior. O 3º trimestre registou também maiores vendas de crédito a particulares, tanto à habitação como ao consumo. a) Situação macroeconómica na Polónia no 3T 2010 O terceiro trimestre evidenciou a continuação da recuperação económica na Polónia. No segundo trimestre, o PIB cresceu 3,5% face a igual período do ano anterior, impulsionado pela reposição de inventários e pelo consumo privado. A dinâmica de investimento foi negativa, -1,7% face ao ano anterior, mas o valor foi muito melhor quando comparado com a queda de 12,4% no 1T2010 face ao ano anterior devido às difíceis condições climatéricas. No 3T, a construção e a produção de montagem aumentou mais de 7% em termos homólogos, após um crescimento de cerca de 2% no 2T Direcção de Relações com Investidores Sofia Raposo Telf Direcção de Comunicação Miguel Magalhães Duarte Telf Contacto de Imprensa Erik T. Burns Telf Tlm face a igual período do ano anterior, sugerindo que a dinâmica do investimento poderá voltar para território positivo. O investimento das empresas em produtos metálicos e máquinas foi provavelmente ainda atenuado devido à elevada incerteza e relativamente baixa, mas crescente, utilização da capacidade instalada. A produção industrial cresceu 11,9% no 3T2010 face ao trimestre homólogo, após o crescimento de 12,5% no 2T, 1/11

2 confirmando que a indústria continua a ser o principal motor do crescimento do valor acrescentado. A recuperação do sector parece estar a ser impulsionada pelas exportações e da procura interna. Os indicadores de confiança dos empresários sugerem que a economia deverá continuar a crescer, apesar da desaceleração prevista para a Zona Euro. O crescimento económico no 3T é estimado em cerca 3,6% face ao ano anterior. O consumo privado recuperou no 2T e cresceu 3,0% em termos homólogos, após crescer 2,2% no 1T em termos homólogos. O consumo foi suportado pelo crescimento dos salários e diminuição do desemprego. As condições do mercado de trabalho melhoraram no 3T2010, impulsionadas por factores sazonais e a melhoria do sentimento económico. O desemprego desceu para 11,4% em Setembro, de 11,6% em Junho. As empresas continuaram a aumentar o emprego, enquanto o crescimento salarial foi moderado. No terceiro trimestre de 2010, a inflação do IPC ficou abaixo da meta do Banco Nacional da Polónia. A inflação anual aumentou de 2,3% em Junho para 2,5% em Setembro, mas o aumento resultou de efeitos de base estatística e do preço da alimentação. Ao mesmo tempo, a inflação, excluindo alimentação e energia, caiu para 1,2% numa base anual, de 1,5% em Junho. O Conselho de Política Monetária manteve a taxa de juro inalterada em 3,50% no terceiro trimestre de No entanto, a expectativa de uma política monetária mais restritiva prevalece para este ano. No terceiro trimestre de 2010, os depósitos dos particulares cresceram de forma muito moderada, em linha com o crescimento estável dos salários. Os depósitos das empresas aumentaram ligeiramente, apoiados pela melhoria da situação financeira das empresas. Ao mesmo tempo, a elevada liquidez das empresas e a baixa actividade de investimento limitou a procura do crédito às empresas. O crédito a particulares registou um crescimento moderado no 3T2010. A carteira de crédito foi influenciada pela valorização do PLN, que reduziu o valor em zlotys dos empréstimos em moeda estrangeira. 2/11

3 b) Demonstração de resultados do 1ºS 2010 Proveitos operacionais 3T 2T 9M 9M Var Var (milhões de zlotys) trimestral anual Margem financeira * 261,1 240,2 734,8 485,4 8,7% 51,4% Comissões líquidas 135,4 136,2 419,4 354,5-0,6% 18,3% Proveitos base** 396,6 376, ,2 840,0 5,3% 37,4% Outros proveitos *** 21,0 26,9 90,2 196,9-21,8% -54,2% Proveitos operacionais 417,6 403, , ,8 3,5% 20,0% * Dados Pro-forma: Margem financeira inclui margens de todos os derivados. A partir de 1 de Janeiro de 2006, o Banco passou a tratar os empréstimos hipotecários em divisas e a taxa variável, os depósitos a taxa variável em e os swaps de divisas e de taxas de juro com eles relacionados de acordo com os princípios contabilísticos aplicáveis às coberturas (a partir de 1 de Abril de 2009, o Banco estendeu esses princípios também aos swaps de divisas). A margem destas operações reflecte-se na margem financeira desde que foi adoptada essa alteração. No entanto, como este tratamento contabilístico não abrange toda a carteira denominada em moeda estrangeira, o Banco disponibiliza dados pro-forma que incluem a margem dos produtos derivados na margem financeira, enquanto que em termos contabilísticos, parte da margem (60,3 milhões de zlotys nos 9M2010 e 82,4 milhões de zlotys nos 9M2009) é incluída em outros proveitos. É entendimento do Banco que esta metodologia permite uma melhor percepção da evolução deste item numa perspectiva económica. ** margem financeira e comissões líquidas *** incluindo outros proveitos e custos de exploração A margem financeira (pro-forma) continuou a mostrar um crescimento em linha com os trimestres anteriores e atingiu 734,8 milhões de zlotys (183,4 milhões de euros) nos nove meses de Isto representa um crescimento de 51% face ao período homólogo do ano anterior e uma aceleração do crescimento da margem para 9% em termos trimestrais. A taxa de margem financeira (sobre os activos geradores de juros) cresceu durante o 3T de 2,12% para 2,36% e o spread médio dos depósitos voltou a ser positivo: 0,03%. Do lado do activo, o Banco também conseguiu melhorar ligeiramente o spread médio para 2,98%. As comissões líquidas atingiram 419,4 milhões de zlotys (104,7 milhões de euros) durante os 9 meses de 2010, o que significa um aumento de 18% em relação a igual período do ano anterior. O crescimento foi impulsionado pelos cartões, produtos de poupança relacionados com o mercado de capitais e contas à ordem. Numa base trimestral, as comissões mantiveram-se estáveis, com comissões de cartões mais altas, que compensaram parcialmente as menores comissões em vendas de produtos de poupança de terceiros. Os outros proveitos (inclui o saldo líquido de outros proveitos e outros custos de exploração) atingiu 90,2 milhões de zlotys (22,5 milhões de euros) durante os nove meses de 2010 e 21 milhões de zlotys 3/11

4 (5,2 milhões de euros) durante o 3T. O montante do 3T foi ligeiramente inferior ao do 2T já que a melhoria dos proveitos cambiais foi compensado pelo impacto negativo da valorização dos swaps Os proveitos operacionais do Banco atingiram 1.244,2 milhões de zlotys (310,5 milhões de euros) nos nove meses de 2010, sendo 20% maior do que no período homólogo do ano anterior, devido a um crescimento de 37,4% dos proveitos base (margem financeira e comissões líquidas). Custos operacionais 3T 2T 9M 9M Var Var (milhões de zlotys) trimestral anual Custos com pessoal 135,3 133,1 390,8 363,4 1,7% 7,5% Custos administrativos 120,2 117,1 350,6 358,6 2,6% -2,2% Amortizações* 18,1 18,6 56,0 60,5-2,8% -7,4% Total custos operacionais 273,7 268,9 797,3 782,4 1,8% 1,9% * Inclui imparidades de activos não-financeiros Os custos totais mantiveram-se estáveis tanto em termos anuais (1,9% de crescimento), quer em termos trimestrais (+1,8% de crescimento), o que reflecte a forte disciplina de custos implementada no Bank Millennium. Os custos com pessoal cresceram 1,7% face ao 2T e o nível de colaboradores estabilizou nos pessoas. A estrutura de colaboradores do Millennium Bank é apresentado na tabela abaixo: Estrutura de colaboradores (em FTE s) Var. anual Bank Millennium S.A Millennium Leasing Sp. z o.o Millennium Dom Maklerski S.A Millennium TFI S.A Outras subsidiárias Total Os outros custos administrativos foram 2,2% inferiores nos 9 primeiros meses de 2010, quando comparado com o mesmo período de Em base trimestral, os custos aumentaram 2,6%, principalmente impulsionados pelos custos de marketing associados com as recentes campanhas publicitárias de produtos bancários (por exemplo, crédito à habitação e poupanças). 4/11

5 As amortizações (incluindo dotações para imparidades em activos não-financeiros) diminuiram 2,8% e 7,4% numa base trimestral e anual, respectivamente. O rácio de eficiência atingiu 64,1% nos nove meses de 2010 e foi muito inferior ao nível registrado nos nove meses de 2009 (75,5%), demonstrando uma melhoria significativa na eficiência do Banco. As dotações líquidas para imparidades durante os 9 meses de 2010 ascenderam a 180,7 milhões de zlotys (EUR 45,1 milhões) e foram 48% inferiores ao montante de 344,7 milhões de zlotys (86,0 milhões de euros) dos 9 meses de Em termos relativos, as dotações criadas nos 9 meses 2010 representavam 70 pontos base da carteira média de crédito (valor anualizado), o que representa um decréscimo face aos 133 pontos base durante os nove meses de As dotações para imparidades efectuadas durante o 3T (50,7 milhões zlotys ou 12,7 milhões de euros) foram semelhantes às 46,8 milhões de zlotys (11,7 milhões de euros) criadas no 2T2010. O resultado antes de impostos do Bank Millennium nos nove meses de 2010 ascendeu 266,4 milhões de zlotys (66,5 milhões de euros) e o resultado líquido foi de 213,9 milhões de zlotys (53,4 milhões de euros), enquanto que nos nove meses de 2009 se verificou uma perda causada por dotações para imparidades extraordinárias no 3T No 3 º trimestre de 2010, o resultado líquido atingiu 76,3 milhões de zlotys (19,0 milhões de euros), representando um crescimento de 10% face ao trimestre anterior. c) Resultados do negócio no 3ºT 2010 O total de activos do Banco atingiu milhões de zlotys ( milhões de euros) a 30 de Setembro de 2010, um valor 1,9% superior ao ano anterior. O total de depósitos e obrigações de retalho do Bank Millennium registou um crescimento visível de 9,8% face ao ano anterior, atingindo milhões de zlotys (8.450 milhões de euros), mantendo-se estável em base trimestral. Os depósitos de retalho cresceram 1,6% face ao ano anterior embora com uma redução de 1,5% no trimestre. Os depósitos de empresas evidenciaram um elevado aumento de 27,2% comparando com o período homólogo, crescendo 2,9% relativamente ao trimestre anterior. 5/11

6 Em simultâneo, os outros produtos de investimento (não reflectidos em balanço, como os fundos de investimento e produtos de poupança de seguros) mantiveram uma tendência de forte crescimento: 34,5% de crescimento anual, mais milhões de zlotys (259 milhões de euros), e 5,2% de crescimento trimestral, aumentando 197 milhões de zlotys (49 milhões de euros). A 30 de Setembro de 2010, o Banco registava um total de milhões de zlotys (1.009 milhões de euros) de produtos de investimento excluindo os depósitos vendidos aos clientes, incluindo milhões de zlotys (638 milhões de euros) em fundos de investimento, que permite ao Bank Millennium deter uma quota de mercado de 3,7%. O total de recursos de clientes do Banco, que inclui depósitos, obrigações vendidas aos clientes de retalho e outros produtos de investimento, atingem milhões de zlotys (9.458 milhões de euros) no final de Setembro de 2010, o que representa um aumento de 12,0% no ano e 0,6% no trimestre. A estrutura de recursos do Banco está apresentado na tabela abaixo: Recursos de Clientes Variação (PLN milhões) Trimestral Anual Depósitos de particulares * , , ,2-1,5% 1,6% Depósitos de empresas e sector público , , ,4 2,9% 27,2% TOTAL , , ,6 0,1% 9,8% Produtos de investimento 4.020, , ,1 5,2% 34,5% TOTAL de Recursos , , ,6 0,6% 12,0% * Inclui obrigações do retalho emitidas pelo Banco e depósitos sob forma de apólices de seguros O total de crédito do Bank Millennium atingiu milhões de zlotys (8.928 milhões de euros) no final de Setembro de 2010, o que significou um acréscimo em termos anuais de 5,6%, em grande medida causado pelas variações cambiais. Em base trimestral, a carteira de crédito diminuiu 2,5%, mas de facto registou um ligeiro crescimento de cerca de 0,5% se excluirmos as variações cambiais. O crédito a particulares, que representa 75% do total da carteira de crédito, registou um aumento de 6,6% face ao ano anterior, atingindo milhões de zlotys (6.693 milhões de euros) no final de Setembro de 2010, tendo o crédito à habitação atingido milhões de zlotys (5.937 milhões de euros). Apesar das elevadas vendas de crédito habitação no 3º trimestre (485 milhões de zlotys, 6/11

7 ou 121,7 milhões de euros), o total da carteira de crédito à habitação desceu 3,2% face a Junho de 2010 devido ao impacto do efeito cambial. O crédito ao consumo cresceu 2,3% em termos trimestrais, impulsionado pelo seu principal produto, o crédito automóvel, que aumentou 18% no trimestre para 280 milhões de zlotys (70 milhões de euros). O efeito cambial também condicionou a evolução do crédito ao segmento empresas, que evidenciou um modesto decréscimo de 1,9% no trimestre. Em base anual, o crédito a empresas cresceu 2,6%, tendo-se observado uma tendência positiva no leasing e factoring, onde o Banco mantém elevadas quotas de mercado de 7,1% e 6,8%, respectivamente. Se excluirmos o segmento de grande empresas (com volume de negócio superior a 200 milhões de zlotys / 50 milhões de euros), o crédito concedido aos outros segmentos de empresas no final de Setembro de 2010 aumentou 1,3 mil milhões de zlotys / 0,3 mil milhões de euros (+32%) quando comparado com o ano anterior, e representando 80% do crédito a empresas. A estrutura e evolução do crédito a clientes do Bank Millennium, por principais rúbricas, são apresentadas na tabela seguinte: Crédito a clientes Variação (PLN milhões) Trimestral Anual Crédito a particulares , , ,1-2,6% 6,6% - crédito à habitação , , ,1-2,7% 6,7% - outros créditos a particulares 3.012, , ,0-2,0% 5,3% Crédito a Empresas 8.904, , ,8-1,9% 2,6% - leasing 3.263, , ,8-3,4% -1,7% - outros créditos a empresas 5.641, , ,0-0,9% 5,3% Total de crédito , , ,9-2,4% 5,6% d) Qualidade dos activos, solvabilidade e liquidez O valor total do crédito com imparidade reduziu-se pela primeira vez desde o 3º trimestre de 2008 em 63 milhões de zlotys (15,8 milhões de euros), para milhões de zlotys (541,8 milhões de euros). A utilização de imparidades situou-se em apenas 20 milhões de zlotys (5,0 milhões de euros) 7/11

8 durante o trimestre, pelo que a melhoria efectiva do crédito com imparidade atingiu 43 milhões de zlotys (10,8 milhões de euros). A descida de exposições com imparidade refere-se a crédito a empresas (-105 milhões de zlotys/ -26,4 milhões de euros), enquanto que o aumento no segmento de particulares atingiu 43 milhões de zlotys (10,8 milhões de euros), dos quais 40 milhões de zlotys (10,0 milhões de euros) em crédito ao consumo. O crédito à habitação revelou uma boa evolução da qualidade de crédito, mantendose praticamente inalterada, e não tendo sido afectada pela apreciação do Franco Suiço (CHF) observada em especial no 2º trimestre. A evolução dos principais indicadores do Grupo em termos de qualidade de crédito é apresentada abaixo: Indicadores de qualidade da carteira de crédito Crédito com imparidade (Milhões de PLN) Crédito vencido a mais de 90 dias (Milhões de PLN) Provisões totais* (Milhões de PLN) Rácio de crédito com imparidade (%) 5,87 5,90 5,33 Rácio de crédito vencido a mais de 90 dias (%) 2,87 2,61 2,32 Provisões totais/crédito com imparidade 55% 53% 57% * Desde 30 de Setembro de 2009, o Grupo efectuou uma utilização de provisões no montante de 167,9 milhões de zlotys e, no 3T2010, de 19,5 milhões de zlotys. Em crédito vencido a mais de 90 dias, verificou-se um aumento de 73 milhões de zlotys (18,3 milhões de euros) devido à mudança de estado de alguns créditos a empresas e leasings, que já registavam imparidade. Na sequência da já referida evolução cambial na carteira, registou-se uma queda no rácio de imparidade total durante o trimestre para 5,87% (a média do sector situava-se em 8,6% em Agosto de 2010) e um aumento do rácio de crédito vencido a mais de 90 dias para 2,87%, que se mantém muito abaixo do rácio principal. 8/11

9 A evolução trimestral da qualidade da carteira de crédito por segmento é apresentada no quadro seguinte: Tipo de crédito Variação do crédito com imparidade (PLN m) Rácio crédito vencido > 90 dias Rácio crédito com Imparidade 30/06/10 30/09/10 30/06/10 30/09/10 Cobertura por total de provisões a Crédito Crédito vencido com a mais de imparidade 90 dias Habitação + 2,7 0,32% 0,33% 0,74% 0,77% 70% 163% Outros -particulares + 39,6 10,9% 12,1% 12,8% 14,1% 83% 98% Leasing - 60,3 2,8% 2,6% 14,4% 13,1% 34% 167% Empresas - 44,8 6,9% 7,7% 17,6% 17,0% 48% 107% Carteira total de crédito - 62,9 2,61% 2,87% 5,90% 5,87% 55% 112% O rácio de crédito à habitação com imparidade manteve-se a um nível reduzido, atingindo 0,77%. Neste segmento, o crédito vencido a mais de 90 dias era ainda mais baixo: 0,33%. No crédito ao consumo, o rácio de imparidade aumentou no trimestre para 14,1%. O rácio de imparidade do crédito a empresas, após um agravamento temporário no 2º trimestre, retomou a sua tendência positiva iniciada no 1º trimestre, atingindo 13,1% em leasing e 17,0% em outro crédito a empresas. Relativamente a rácios de cobertura, a cobertura do crédito com imparidade aumentou para 55% durante o trimestre. A cobertura do crédito vencido a mais de 90 dias mantém-se perto ou acima dos 100% em todos os segmentos de crédito. O rácio de Adequação de Capital (CAR) mantém-se a num nível elevado neste trimestre de 14,8% e o Tier I em 12,6%. A apreciação do zloty afectou os volumes de negócio durante o 3º trimestre de 2010, conduzindo a uma redução do rácio Crédito/Depósitos (de acordo com a definição indicada no quadro seguinte) para 102,2%, i.e., similar ao ano anterior. 9/11

10 Principais rácios de solvabilidade e liquidez (%) Situação líquida consolidada (em milhões de zlotys) Rácio Adequação de capital (CAR, consolidado) 14,8 14,0 11,4 Tier 1 (consolidado) 12,5 11,6 8,7 Rácio Crédito sobre Depósitos * 102,2 105,8 102,3 * Inclui passivos (obrigações) da securitização de leasing, obrigações colocadas no retalho e transacções de repos com clientes. e) Rating e principais indicadores da cotação da acção Nos primeiros nove meses de 2010, os principais índices de acções da Bolsa de Valores de Varsóvia (WSE) valorizaram cerca de 11%. O índice principal mwig40, que inclui o Bank Millennium, subiu 12%. No mesmo período, as acções do Bank Millennium valorizaram 17% (em comparação com a sua cotação ajustada), atingindo a capitalização bolsista 6,1 mil milhões de zlotys (1,5 mil milhões de euros) no final de Setembro 2010 (+46% desde o início do ano). Face ao período homólogo, as acções do Bank Millennium aumentaram 24% e a sua capitalização bolsista subiu 58%. Indicadores de Mercado * Cotação ajustada Durante o 3º trimestre de 2010, as notações de rating atribuídas pela Moody s mantiveram-se inalteradas. Em Julho, a agência de rating Fitch baixou os ratings atribuídos ao Bank Millennium (Issuer Default Rating de longo e de curto prazo) de A/F1/AA+(pol) para A-/F2/AA (pol), na sequência de alteração dos ratings do Millennium bcp em 21 de Julho de O rating individual do Banco manteve-se inalterado em C/D Var. desde 1-Jan (%) Var. anual (%) Número de acções (em milhares) ,9 42,9 Volume diário (PLN milhares) ,3 Preço das acções do Banco (PLN) 5, * 4,06* 16,5* 23,6* Capitalização bolsista (PLN milhões) ,1 57,6 WIG - índice principal ,9 88,2 WIG Banki ,7 137,5 mwig ,6 17,5 10/11

11 Abaixo estão elencadas as notações de rating actuais do Bank Millennium pelas agências de rating Moody s e Fitch: Tipo de rating FITCH MOODY S Rating de depósito de longo-prazo A- Baa2 (outlook negativo) Rating nacional de longo-prazo AA(pol) - Rating de depósito de curto-prazo F-2 Prime-3 Rating de solidez financeira C/D D (outlook estável) Suporte 1 Outlook Negativo elevada probabilidade de suporte pela casa-mãe f) Principais factores que poderão afectar a situação financeira do Banco no 4ºT2010 Os principais factores que poderão afectar a posição financeira do Banco no actual trimestre incluem: A taxa de desemprego poderá aumentar ligiramente devido a factores sazonais mas é expectável que as condições no mercado de trabalho melhorem, fruto da recuperação económica. Consequentemente, a taxa de desemprego no final do ano não deverá ser superior à verificada em Dezembro de 2009, o que poderá limitar o risco de crédito associado ao crédito a particulares. O crescimento estável dos salários e o crescimento do emprego poderão suportar a procura de depósitos e fundos de investimento. A melhoria da situação financeira das empresas na Polónia poderá reduzir o risco de crédito associado ao crédito a empresas. O crescimento da produção e do comércio poderá aumentar a procura de serviços bancários no segmento empresas (factoring, crédito à exportação, etc). A subida de taxa pelo Banco Central (NBP) poderá traduzir-se no aumento das taxas de juro no mercado. O elevado investimento em infra-estruturas poderá aumentar as necessidades de financiamento dos governos locais. Fim de comunicado Banco Comercial Português, S.A. 11/11

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro.

O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia e desceu 0.6 pontos na Área Euro. Julho 2012 Jun-02 Jun-03 Jun-04 Jun-05 Jun-06 Jun-07 Jun-08 Jun-09 Jun-10 Jun-11 Jun-12 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico em Junho manteve-se inalterado na União Europeia

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Novembro 2006 Associação Industrial Portuguesa Confederação Empresarial Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico de Outubro de 2006 apresenta uma melhoria

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Abril 2012 Indicador de Sentimento Económico Após uma melhoria em Janeiro e Fevereiro, o indicador de sentimento

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL INDIVIDUAL/CONSOLIDADA (Não Auditada) (aplicável às entidades sujeitas à disciplina normativa contabilística das IAS / IFRS) BANCO BPI, S.A. Sociedade com o capital aberto ao investimento

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública

Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública N.º 7 Abril 2015 Banco de Portugal divulga estatísticas das contas financeiras das administrações públicas e da dívida pública Na edição de abril de 2015 do Boletim Estatístico são divulgadas as contas

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos).

Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União Europeia (+0.2 pontos) quer na Área Euro (+0.7 pontos). Mai-04 Mai-05 Mai-06 Mai-07 Mai-08 Mai-09 Mai-10 Mai-11 Mai-12 Análise de Conjuntura Junho 2014 Indicador de Sentimento Económico Em maio de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou quer na União

Leia mais

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga)

Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) G1 Crédito ao sector privado não financeiro (taxas de variação homóloga) 35 3 25 Em percentagem 2 15 1 5 Jan-91 Jan-92 Jan-93 Jan-94 Jan-95 Jan-96 Jan-97Jan-98 Jan-99 Jan- Jan-1 Sociedades não Financeiras

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010

Resultados consolidados do Banco BPI entre Janeiro e Setembro de 2010 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 900 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria Análise de Conjuntura Maio 2011 Indicador de Sentimento Económico Os indicadores de sentimento económico da União Europeia e da Área

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

27 maio 2016. Informação financeira não auditada

27 maio 2016. Informação financeira não auditada Apresentação de Resultados 1T2016 27 maio 2016 Informação financeira não auditada Agenda 1. Destaques 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade dos Ativos 4. Capital 5. Resultados 6. Side Bank 7. Sumário Apêndice:

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Comunicado. em 31 de Março de 2011 DESTAQUES. 27 de Abril de 2011 Resultados consolidados do Millennium bcp

Comunicado. em 31 de Março de 2011 DESTAQUES. 27 de Abril de 2011 Resultados consolidados do Millennium bcp 27 de Abril de 2011 Resultados consolidados do Millennium bcp em 31 de Março de 2011 DESTAQUES Resultado líquido consolidado de 77,7 milhões de euros no primeiro trimestre de 2011; Rácio Tier I situou-se

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Ciências Económicas e Empresariais CONTABILIDADE FINANCEIRA II CONTABILIDADE FINANCEIRA II Equipa Docente: Data: 28 de Março de 2007 Cristina Neto de Carvalho Duração: 2 horas e 30 minutos Gioconda Magalhães Sílvia Cortês Joana Peralta Sofia Pereira Luiz Ribeiro 1ª

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

Santander Totta alcança Resultado Líquido de 30,9 milhões de euros

Santander Totta alcança Resultado Líquido de 30,9 milhões de euros Santander Totta, SGPS, SA Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa 3ª secção Sob o nº 507 096 851 (anterior nº 14.901) NIPC 507 096 851 Capital Social: 1.972.962.079,58 Sede: Rua do

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A.

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. De acordo com o disposto no artigo 8º do Regulamento n.º 11/2000 da CMVM transcreve-se a EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007

Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Lisboa, 29 de Outubro de 2007 Comunicado: Contas da IMPRESA em Setembro 2007 1. Principais factos em Setembro 2007 Receitas consolidadas de 62,6 M, uma subida de 10,8% no 3º trimestre, sendo de referir:

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011

Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Capa 2011 Relatório de Actividades 1.º Trimestre de 2011 Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif - Grupo Financeiro no 1.º Trimestre de 2011 Os resultados líquidos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008) Em cumprimento das obrigações legais aplicáveis (Código dos Valores Mobiliários) o Conselho de Administração da IMPRESA apresenta a INFORMAÇÃO relativa ao 3º

Leia mais

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Pessoa Colectiva N.º 500 852 367 Sede: Av. da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa Mat. N.º 1607 Conservatória Registo Comercial Lisboa Capital Social: 1.500.000.000,00

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas

Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas N.º 11 outubro 214 Banco de Portugal divulga novas séries estatísticas O Banco de Portugal publica hoje novas séries estatísticas nos seguintes domínios: Estatísticas de instituições financeiras não monetárias,

Leia mais

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Pessoa Colectiva N.º 500 852 367 Sede: Av. da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa Mat. N.º 1607 Conservatória Registo Comercial Lisboa Capital Social: 1.500.000.000,00

Leia mais

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;

Resultados de 2014. »» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros; COMUNICADO Ílhavo, 13 de Março de 2015 Destaques Resultados de 2014»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 20,3% face ao ano anterior atingindo os 65,2 milhões de euros;»» EBITDA de 2,3 milhões

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO

26 de Junho de 2015 DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA FINANCEIRO Apresentação ao mercado do modelo de adopção plena das IAS/IFRS e outras matérias inerentes ao processo de adopção plena das IAS/IFRS no sector bancário nacional DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO E ORGANIZAÇÃO

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Gabinete de Estudos da FESETE Julho 09 1 Introdução Foi efectuada uma análise a um conjunto de empresas das indústrias de

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013

Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013 2013 Relatório de Actividades 3.º Trimestre de 2013 Nos termos do n.º 3 do artigo 8.º do Código dos Valores Mobiliários informa-se que a presente informação trimestral não foi sujeita a auditoria ou revisão

Leia mais

Resultados 1ºTrimestre 2009

Resultados 1ºTrimestre 2009 Informação Privilegiada Resultados 1ºTrimestre 2009 Estabilidade de Resultados Operacionais As contas apresentadas são não auditadas, consolidadas e reportadas em International Financial Reporting Standards

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3T10) Capital Social: 115.000.000 Capital Próprio Individual a 30 de Junho de 2010: 7.933.916 Capital Próprio Consolidado a 30 de Junho de 2010: 7.438.971 Sede: Av. General Norton de Matos Estádio do Sport Lisboa

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAL 2015 FEVEREIRO 2016 Conferência de imprensa Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 2014. 19 de Março de 2015 APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAIS 19 de Março de 2015 1 Destaques No ano de, o Resultado líquido atingiu 112,8M, menos 7,0% do que em igual período de (-8,5M ), tendo sido penalizado pela contribuição

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Dezembro 2015

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Dezembro 2015 Disclaimer Este documento não representa uma oferta de valores mobiliários para venda nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão ou em qualquer outra jurisdição.

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T09

Teleconferência de Resultados 4T09 Teleconferência de Resultados 4T09 Índice Comentários de Mercado Pág. 3 Qualidade da Carteira de Crédito Pág. 10 Liquidez Pág. 4 Índice de Eficiência Pág. 14 Funding e Carteira de Crédito Pág. 5 Rentabilidade

Leia mais