Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010"

Transcrição

1 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução recente da economia, uma secção especial dedicada ao sistema bancário de Angola, intitulada Breve panorama do mercado bancário em Angola. Nessa secção apresenta-se, com base em informação recentemente divulgada pelo BNA, um conjunto de dados que permitem aferir a posição dos 10 principais bancos com actividade em Angola, tanto em depósitos como em crédito. Pretende-se desta forma oferecer aos nossos leitores uma perspectiva muito objectiva da estrutura do mercado bancário em Angola, das suas instituições mais representativas bem como da evolução recente das principais variáveis monetárias e do seu significado económico. 1

2 II. Evolução da economia 1. Economia estabiliza As mais recentes informações das diversas fontes disponíveis FMI e BNA sobretudo indicam que a economia angolana estará a entrar numa fase de alguma estabilidade, passado o período mais conturbado das sequelas da crise internacional. Esta fase de estabilidade significa que a economia terá atingido o ponto em que: - O nível de actividade é compatível com a geração de receitas em divisas e o reforço das reservas em meios de pagamentos sobre o exterior; - Ao mesmo tempo, o ritmo de actividade não implica qualquer agravamento da situação dos atrasos de pagamento a credores do sector público, como sucedeu em 2009 e no primeiro semestre do corrente ano. Assim, de acordo com a informação mais recente disponibilizada pelo BNA, as reservas internacionais em divisas no final do mês de Junho somavam USD milhões, um aumento de quase USD 3 mil milhões em relação ao final de Um sinal da estabilização económica é também a moderação do ritmo de crescimento do crédito bancário à economia que, no primeiro semestre do corrente ano, progrediu a uma taxa de apenas 5% - sendo que o crédito ao Sector Privado aumentou 8,25% enquanto que o crédito ao Estado sofreu uma diminuição de 6,2%. Relembra-se que a mais recente previsão do FMI quanto ao desempenho quantitativo da economia de Angola, já referida na anterior edição deste Boletim, aponta para um crescimento do PIB de 6,7% em Apreciação positiva do FMI Data de 6 de Agosto último a mais recente apreciação do FMI sobre o desempenho da economia e da política económica em Angola. Essa apreciação consta de uma declaração emitida por uma missão do FMI que se deslocou a Luanda no final de Julho e primeiros dias de Agosto tendo como objectivo apreciar, com as autoridades do País, o desenvolvimento de diversos aspectos da política económica no quadro da segunda e terceira revisões do Stand-By Arrangement (SBA) acordado em Novembro de

3 Dessa apreciação ressaltam os seguintes aspectos: - Desde a aprovação do SBA, a economia tem vindo a evoluir de acordo com as expectativas, notando-se sinais de uma recuperação sólida da actividade, como reflexo da subida dos preços e da produção de petróleo os quais beneficiaram as receitas orçamentais e as reservas de divisas internacionais; - A implementação da política económica ao abrigo do SBA tem sido satisfatória, contribuindo para uma melhoria sustentada das condições macroeconómicas; - As pressões sobre o mercado cambial, que eram bastante sensíveis no início da aplicação do SBA, encontram-se dissipadas; - A inflação, em torno de 14%, mostra-se sem alteração; - Como aspecto menos positivo, os atrasos de pagamento do sector público estão produzindo um impacto negativo na produção e no emprego nos sectores não petrolíferos, nomeadamente na construção e nos serviços; - Embora as perspectivas económicas sejam genericamente favoráveis, serão necessárias medidas adicionais para criar uma situação orçamental sustentável, reduzir a inflação e repor o nível de reservas de divisas internacionais. Em conclusão, refere o FMI que as discussões com as autoridades do País em torno da política económica se centram nesta fase nos seguintes aspectos: (i) Medidas dirigidas a uma redução mais acentuada do défice orçamental excluindo as receitas do petróleo, para a parte restante de 2010 e para 2011, aproximando este défice do que se considera uma trajectória sustentável de médio prazo e contribuindo, do mesmo passo, para um reforço das reservas em divisas internacionais; (ii) Execução da estratégia do Governo para a redução dos atrasos de pagamento ao sector privado empresarial; (iii) Medidas dirigidas à melhoria da gestão das finanças públicas e da dívida pública interna; (iv) Acções tendo em vista melhorar o funcionamento do mercado de câmbios e reforçar a gestão da liquidez do sistema pelo BNA. 3. As flutuações da taxa de câmbio A condução da política cambial, ao longo dos primeiros 9 meses do ano, tem conhecido oscilações, como de resto se observou na anterior edição deste Boletim: - Desde o início do ano e até meados de Abril, assistiu-se ao ajustamento em baixa do valor externo do KWZ, tendo o USD atingido KWZ 94,155 a meio de Abril, câmbio médio mais elevado do ano até ao momento; - A partir de meados de Abril e até final de Maio o KWZ evidenciou um movimento de apreciação, tendo estabilizado na taxa de câmbio média de 1USD = KWZ 92, 572; 3

4 - Essa taxa de câmbio manteve-se inalterada até 18 de Agosto, altura em que se regista um novo movimento de apreciação que se prolonga até ao final desse mês em que a taxa de câmbio média USD/KWZ atingiu 90,283; - Após os primeiros dias de Setembro assiste-se a um movimento inverso, com um ligeiro reforço do USD que á taxa de câmbio média de 24 de Setembro valia KWZ 91,588. É admissível que a inversão da trajectória de valorização do USD, observada a partir de meados de Abril do corrente ano como atrás se referiu, tivesse como objectivo a desejada estabilidade de preços, depois de um ajustamento significativo do câmbio desde o início de Outubro de 2009 (quando a taxa de câmbio USD/KWZ era ainda de 78). Com efeito, não obstante as medidas de estabilização adoptadas no âmbito financeiro e monetário, a inflação continua a mostrar valores bastante elevados, em torno de 14%, bem longe pois do nível de um dígito, objectivo que as autoridades gostariam de ver realizado. Por outro lado também se admite que o abrandamento da actividade económica nos sectores não petrolíferos tenha propiciado uma menor pressão sobre a procura de divisas deixando de impulsionar a subida do câmbio do USD. Em qualquer caso, estes movimentos erráticos da taxa de câmbio oficial - certamente não determinadas em exclusivo por factores de mercado - podem suscitar alguma dúvida quanto aos objectivos últimos da utilização deste instrumento ao serviço da política económica. Por isso se aguarda com alguma expectativa os próximos movimentos da taxa de câmbio, que poderão evidenciar uma tendência mais definida e esclarecedora quanto ao objectivo final da política económica que com este instrumento se visa prosseguir. 4. Regularização dos atrasos de pagamento Embora este problema não se encontre ainda solucionado, como assinalou o FMI no comentário atrás mencionado, parecem confirmadas as informações entretanto divulgadas quanto ao início da sua regularização, esperando-se que se venham a verificar novos progressos ao longo dos próximos meses. Uma nota divulgada por fonte governamental no final de Agosto dava conta de uma lista de empresas um número significativo das quais empresas portuguesas ou de capital português - contempladas com o pagamento de uma primeira parcela dos valores em atraso. Essa nota sinalizava também a vontade de normalizar esta situação. 4

5 É de esperar que, com o reforço gradual da posição das reservas em divisas internacionais do País, este problema possa ser ultrapassado em toda a sua extensão em 2010 e 2011 contribuindo para a normalização das relações entre o Estado e o sector privado da economia bem como para a criação de um clima mais favorável ao investimento, nomeadamente o investimento directo estrangeiro. III. Breve panorama do mercado bancário em Angola 1.Introdução - Com base em dados divulgados pelo BNA sobre a situação do mercado bancário em Angola, referentes a 30 de Junho último Estatísticas Monetárias e Financeiras Situação do Crédito Interno e Estrutura dos Depósitos dos Bancos - apresenta-se uma breve descrição das posições dos diversos bancos em relação aos items Depósitos e Crédito. De um total de dezanove bancos incluídos na informação do BNA optou-se por tomar uma amostra de dez, tendo em conta que essa amostra concentra a quase totalidade do negócio em cada um daqueles items (listagem apresentada no final). Com efeito, de acordo com a informação divulgada pelo BNA, constata-se que os dez maiores bancos detêm 95,8% dos depósitos totais e 95,02% do crédito total. - Começamos por analisar a posição de cada um dos dez maiores bancos em relação aos items Depósitos e Crédito, complementando depois essa análise com a decomposição seguinte: - Para os Depósitos, consideraremos os depósitos em Moeda Nacional (M/N) e em Moeda Estrangeira (M/E), tanto à ordem como a prazo; - Para o Crédito, consideraremos o Crédito em M/N e em M/E, tanto a curto como a médio prazo, distinguindo ainda o crédito ao Estado, ao Sector Público Empresarial e ao Sector Privado. - Analisaremos ainda o grau de concentração do negócio bancário em função da quota detida pelos cinco maiores bancos em cada um dos items considerados. Concluiremos esta análise com uma breve apreciação sobre a evolução dos Depósitos e do Crédito ao longo do 1º semestre de

6 Cumpre esclarecer entretanto que o BNA adoptou metodologias distintas na divulgação desta informação: - Para os Depósitos e suas diferentes componentes, a posição de cada banco é indicada em % do total respectivo (Depósitos Totais, Depósitos em M/N, Depósitos em M/E), sem indicação dos valores correspondentes; - Para o Crédito e suas diferentes componentes, a posição de cada banco é dada segundo o valor absoluto do respectivo saldo. 2. Posições relativas dos 10 maiores bancos em Depósitos e em Crédito 2.1 Depósitos Passando à apresentação da posição global dos dez maiores bancos em relação ao total dos Depósitos, deparamos com a seguinte classificação (valores em % do total): QUADRO 1 BAI 24,68 BFA 18,42 BPC 16,53 BIC 11,86 BESA 9,17 Sub-total 80,66% BPA 4,33 SOL 4,06 BNI 2,39 BMA 2,35 BCI 2,02 Note-se que os cinco primeiros bancos detêm 80,66% do total de depósitos, evidenciando um elevado grau de concentração do mercado bancário. No caso dos Depósitos a liderança é do BAI, com quase 25% dos depósitos totais do sistema bancário. 6

7 2.2 Crédito No tocante ao Crédito, a classificação do grupo de dez maiores bancos é a indicada no Quadro seguinte: QUADRO 2 Banco Saldos em Kwanzas (milhões) % do Total BESA ,78 21,58 BAI ,75 18,84 BPC ,86 17,16 BFA ,40 13,85 BIC ,27 9,78 Sub-total 81,21% BPA ,08 4,30 BMA ,03 2,70 BNI ,97 2,59 SOL ,57 2,41 BDA ,93 1,81 Tal como observado em relação aos Depósitos também no crédito se verifica um elevado grau de concentração, detendo os primeiros cinco bancos 81,21% do total. No Crédito Total é o BES que lidera a classificação, em função da forte posição do Crédito em M/E, tanto ao Estado como ao Sector Privado, como adiante se analisa. Em relação ao grupo anterior, regista-se a saída do BCI substituído pelo BDA. 3. Análise da posição dos Bancos nos Depósitos em M/N e em M/E, à Ordem e a Prazo Passando a analisar os Depósitos com decomposição por Depósitos em M/N e em M/E, começase por notar que os Depósitos em M/N representam 52,74% do total, enquanto que os Depósitos em M/E representam 47,26%, o que diz bem da importância da M/E no conjunto dos meios de pagamento ao dispor da economia. A posição dos dez maiores bancos em Depósitos em M/N e em M/E, tanto à Ordem como a Prazo (em qualquer dos casos em % dos depósitos totais) é a indicada no Quadro seguinte): 7

8 QUADRO 3 Banco Depósitos em Moeda Nacional Depósitos em Moeda Externa Total** Ordem Prazo Total Ordem Prazo Total BAI 8,26 5,19 13,45 9,34 0,69 10,03 23,48 BFA 2,95 2,66 5,61 5,53 7,04 12,57 18,18 BPC 5,83 4,34 10,17 2,11 0,68 2,79 12,96 BIC 2,92 2,87 5,79 3,09 2,49 5,58 11,37 BESA 0,47 0,94 1,41 4,75 2,57 7,32 8,73 BPA 0,52 1,10 1,62 1,83 0,85 2,68 4,30 SOL 1,29 2,00 3,29 0,34 0,33 0,67 3,96 BNI 0,35 1,59 1,94 0,18 0,01 0,19 2,13 BMA 0,39 0,53 0,92 0,70 0,72 1,42 2,34 BCI 0,72 0,31 1,03 0,45 0,11 0,56 1,59 **Os valores indicados nesta Coluna correspondem à soma dos Totais das % em M/N e em M/E. A diferença entre estes valores e os do Quadro 1 deve-se aos Depósitos do Governo Central e dos Fundos e Serviços Autónomos que, encontrando-se incluídos nos totais do Quadro 1, não são considerados neste Quadro. Essa diferença é especialmente significativa no caso da BPC, em que os Depósitos do Governo Central+ Fundos Públicos Autónomos representam 3,35 pontos percentuais da posição do Banco no total de depósitos (sendo por si só superior ao total de Depósitos de qualquer um dos últimos 3 bancos da classificação). Também se registam diferenças com algum significado, embora de menor expressão, no BAI (1,2%), no BESA (0,43%), no BCI (0,42%) e no BNI (0,24%). Nesta análise dos depósitos entre Depósitos em M/N e Depósitos em M/E, verifica-se que há bancos com um peso bastante maior de Depósitos em M/N casos do BPC, do SOL, do BNI e do BCI. Noutros bancos verifica-se uma situação oposta, com os Depósitos em M/E em maior destaque casos do BFA e do BESA em especial. Nos casos do BAI e do BIC encontra-se uma mais equilibrada estrutura dos depósitos em M/N e em M/E. 8

9 4. Análise da posição dos Bancos no Crédito à economia Analisa-se no quadro seguinte (Quadro 4) a posição de cada banco no crédito à economia, detalhando as posições segundo o crédito ao Estado (curto prazo), ao Sector Público Empresarial (curto e médio prazo) e ao Sector Privado (curto e médio prazo), em qualquer dos casos distinguindo o crédito em M/N e o crédito em M/E. QUADRO 4 Estado (curto prazo) Sector Público Empresarial (curto e médio prazo) Sector Privado (curto e médio prazo) Total Banco M/N M/E M/N M/E M/N M/E BESA , , , , , ,5 BAI , , , , , , ,5 BPC , , , , , ,4 BFA , , , , , , ,4 BIC , , , , , , ,2 Sub Total 76,7% 94,2% 89,1% 46,9% 75,0% 84,3% 86,0% BPA , ,3 0 15, , , ,7 BMA , ,1 185, , , ,8 BNI 2.688, , , , , , ,4 SOL , , , , ,1 BDA , , , ,3 Como se pode verificar, em qualquer desta modalidades de crédito com excepção do crédito ao Sector Público Empresarial é muito elevado o grau de concentração, detendo os 5 maiores bancos posições que oscilam entre os 75% (crédito em M/N ao Sector Privado) e os 94,2% (crédito em M/E ao Estado). É interessante ainda notar que, de acordo com a informação divulgada pelo BNA, o Crédito em M/E ao Sector Privado (equivalente a KWZ ,3 milhões) representa mais de 63% do Crédito Total a este Sector (equivalente a KWZ ,02). E no total do crédito em M/E a este mesmo Sector, quase 75% (equivalente a KWZ ,97 milhões) é crédito a médio prazo. 9

10 Estes dados, ao mesmo tempo que espelham o já referido fenómeno da elevada Dolarização da economia angolana, constituem um significativo indicador do peso do investimento no total da despesa do Sector Privado, uma vez que o Crédito a Médio Prazo está normalmente associado a projectos de investimento nos mais variados sectores de actividade, em especial os sectores da industria transformadora e da construção. 5. Evolução global do Crédito e dos Depósitos em 2010 Passamos agora para o plano da análise do comportamento global dos Depósitos e do Crédito no 1º semestre de 2010, recorrendo neste caso à informação inserta nos documentos das Estatísticas Monetárias e Financeiras Consolidado da Banca Comercial e Situação do Crédito Interno. 5.1 Evolução dos Depósitos Regista-se uma evolução negativa dos Depósitos Totais (Ordem+Prazo), de KWZ milhões em para KWZ em ou seja uma diminuição de - 4,25%. Esta diminuição foi devida aos Depósitos à Ordem, que baixaram de KWZ para KWZ , ou seja - 5,4%, enquanto que nos Depósitos a Prazo a evolução foi positiva, de KWZ para KWZ , ou seja +2,5%. Numa análise em maior detalhe, constata-se que os Depósitos à Ordem que apresentam maior quebra são os do Sector Privado, tanto em M/N como em M/E. Com efeito, os Depósitos à Ordem do Sector Privado em M/N passaram de KWZ milhões em para KWZ milhões em , ou seja uma perda de 7,3%, enquanto que os expressos em M/E passaram de KWZ milhões para KWZ milhões, ou seja uma perda de 16,8%. Evolução inversa verificou-se nos Depósitos do Sector Público (Empresas Públicas Não Financeiras), os quais registaram uma variação positiva, tanto em M/N (de KWZ milhões para KWZ milhões) como em M/E (de KWZ milhões para KWZ milhões). Relativamente à estrutura por moedas, constata-se que os Depósitos em M/E perderam posição para os depósitos em M/N, conforme se depreende do quadro seguinte: Depósitos Totais em M/N 49,17% 52,74% Depósitos Totais em M/E 50,23% 47,26% 10

11 5.2 Evolução do Crédito Relativamente ao Crédito à economia, regista-se uma evolução positiva no período em análise, com um aumento do Crédito Total è economia de KWZ milhões no final de 2009 para KWZ milhões em (+5%). Cabe referir que para esta evolução global positiva do Crédito contribuem o Crédito ao Sector Empresarial do Estado, que regista uma subida percentual muito elevada (+53,2%) de KWZ milhões para KWZ milhões, e o Crédito ao Sector Privado (+8,25%), que sobe de KWZ para KWZ milhões. O Crédito ao Estado evidencia uma evolução inversa, registando uma diminuição de KWZ milhões para KWZ milhões, ou seja 6,2%. No que se refere à estrutura por moedas, cabe referir que no Crédito à economia se verificou uma evolução inversa da dos depósitos: o Crédito em M/E viu o seu peso aumentar, tendo diminuído o peso do Crédito em M/N, com se observa no quadro seguinte: Crédito em M/N 49,59% 47,66% Crédito em M/E 50,41% 52,34% Numa breve conclusão final, poderá inferir-se desta informação relativa à evolução tanto dos Depósitos como do Crédito no 1º semestre de 2010 que ela constitui certamente um reflexo do endurecimento da política monetária do BNA, que conta com o apoio do FMI, visando salvaguardar a solvabilidade externa da economia, através de um significativo abrandamento da procura e da oferta de moeda. Listagem dos bancos mencionados nesta informação BAI Banco Africano de Investimentos SOL Banco SOL BPC Banco de Poupança e Crédito BNI Banco de Negócios Internacional BESA Banco Espírito Santo Angola BMA Banco Millennium Angola BFA Banco de Fomento Angola BDA Banco de Desenvolvimento de Angola BIC Banco Internacional de Crédito BCI Banco de Comércio e Indústria BPA Banco Privado Atlântico Nota Final (Disclaimer) Fontes principais de informação utilizada nesta edição do Boletim: FMI e Banco Nacional de Angola. As observações e conclusões que se encontram expressas neste documento acerca do significado da informação objectiva apresentada, não constituem opinião do Banco BAI Europa, reflectindo exclusivamente a opinião das pessoas que elaboraram o respectivo texto. 11

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 3º Trimestre de 2015 1. Processo de ajustamento macroeconómico: uma evolução aparentemente paradoxal O ajustamento do nível de actividade económica em Angola tornou-se inevitável

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS BANCO NACIONAL DE ANGOLA DEPARTAMENTO DE SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO SISTEMA FINANCEIRO ANGOLANO NO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2011 1. INTRODUÇÃO É missão do Banco Nacional

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA

UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA REPÚBLICA DE ANGOLA ---------- --------- MINISTÉRIO DAS FINANÇAS UNIDADE DE GESTÃO DA DÍVIDA PÚBLICA TÍTULOS DO TESOURO RELATÓRIO TRIMESTRAL 2014 Luanda, Novembro de 2014 Ficha Técnica Propriedade Ministério

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014

NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 NOTA CEMEC 02/2015 COMO AS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS SE FINANCIAM E A PARTICIPAÇÃO DO MERCADO DE DÍVIDA CORPORATIVA 2010-2014 Fevereiro de 2015 NOTA CEMEC 1 02/2015 SUMÁRIO São apresentadas estimativas

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

OSVALDO LIMA Administrador

OSVALDO LIMA Administrador REGIME CAMBIAL EM CABO VERDE IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÓMICA Banco de Cabo Verde OSVALDO LIMA Administrador I. CARACTERÍSTICAS DO REGIME CAMBIAL II. ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL COM PORTUGAL III.

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.2.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Cabo Verde Capítulo II II.2.1. Síntese Como pequena economia aberta numa envolvente cada vez mais globalizada e competitiva, Cabo Verde é muito condicionado pela conjuntura externa, tendo também em conta

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno

Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno COMISSÃO EUROPEIA COMUNICADO DE IMPRENSA Bruxelas/Estrasburgo, 25 de fevereiro de 2014 Previsões do inverno de 2014: recuperação económica ganha terreno As previsões do inverno da Comissão Europeia preveem

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012

Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Avaliação do Instrumento de Apoio a Políticas Económicas (PSI) 2010-2012 Elaborado Por: Ministério das Finanças Ministério da Planificação e Desenvolvimento Banco de Moçambique

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del.

FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA. Por Sebas*ão Franque Banganga Del. FÓRUM EMPRESARIAL ANGOLA E ESTADOS UNIDOS DE AMÉRICA SECTOR BANCÁRIO NA PROVÍNCIA DE CABINDA Por Sebas*ão Franque Banganga Del. Regional da BRC 26 de Março de 2015 001 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO II. ANTECEDENTES

Leia mais

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril

AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril AVISO N.º 20/2012 de 12 de Abril Considerando que incumbe ao Banco Nacional de Angola (BNA) definir a regulamentação aplicável às operações cambiais previstas na Lei nº 2/12, de 13 de Janeiro de 2012,

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes

Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Análise aos dados recentes das principais empresas do sector Cordoaria e Redes Gabinete de Estudos da FESETE Julho 09 1 Introdução Foi efectuada uma análise a um conjunto de empresas das indústrias de

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Portugal Forte crescimento no início do ano

Portugal Forte crescimento no início do ano 8 Abr ANÁLISE ECONÓMICA Portugal Forte crescimento no início do ano Miguel Jiménez / Agustín García / Diego Torres / Massimo Trento Nos primeiros meses do ano, a retoma do consumo privado teria impulsionado

Leia mais

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública).

O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Ao Jornal I Jornalista Liliana Valente ENQUADRAMENTO PRÉVIO O SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos ( pessoa colectiva de utilidade pública). Com 44

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro)

Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) Guia para a elaboração dos relatórios sobre o projeto (Relatório descritivo e Relatório financeiro) A elaboração de relatórios deve servir, em primeiro lugar, ao próprio projeto: como retrospecção das

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa

Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa Indicadores de Sustentabilidade Fiscal e Externa A instabilidade registrada nos mercados financeiros internacionais de maio a junho de 26, a exemplo da turbulência observada recentemente, impactou negativamente

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013

ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO SETOR EXTERNO BRASILEIRO NO SEGUNDO BIMESTRE DE 2013 QUIRINO, José Renato Dias 1 ; MEDEIROS 2, Rennan Kertlly de; RAMOS FILHO 3, Hélio S. RESUMO O estudo das relações econômicas

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A.

Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco Espírito Santo, S.A. 1 de 5 04-08-2014 8:34 www.bportugal.pt O Banco e o Eurosistema > Intervenções públicas Intervenção do Governador Carlos da Silva Costa sobre a decisão de aplicação de uma medida de resolução ao Banco

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano Outubro 2014 kpmg.co.ao KPMG ANGOLA Introdução Dando continuidade ao nosso posicionamento no mercado Angolano, a KPMG Angola vem apresentar mais uma

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2013 N.º fevereiro Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a Estatísticas de balanço Aplicações Crédito interno Em e pelo terceiro ano consecutivo, o crédito interno

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Nova Estrutura de Dados de Crédito

Nova Estrutura de Dados de Crédito Nova Estrutura de Dados de Crédito Este boxe apresenta as principais alterações introduzidas recentemente nas estatísticas de crédito publicadas pelo Banco Central 1. A reformulação objetivou ampliar a

Leia mais

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0

Produto Interno Bruto 100.0 0.3 1.2 1.5 0.3 0.8 1.0 Textos de Política e Situação Económica Verão 26 PERSPECTIVAS PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 26-27 1. INTRODUÇÃO Neste artigo apresenta-se o cenário macroeconómico para a economia portuguesa projectado pelo

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Resultados para Portugal Outubro de 2015 I. Apreciação Geral De acordo com os resultados obtidos no inquérito realizado em outubro aos cinco grupos bancários

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Sem figuras nem imagens, Entrelinha 1,5. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Sem figuras nem imagens, Entrelinha

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º/12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Análise ao Sector Bancário Angolano

Análise ao Sector Bancário Angolano FINANCIAL SERVICES Análise ao Sector Bancário Angolano Outubro 2014 kpmg.co.ao KPMG ANGOLA OUTUBRO 2014 ANÁLISE AO SECTOR BANCÁRIO ANGOLANO 3 Índice 1. Breve Descrição da Metodologia do Estudo 5 2. Enquadramento

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Teleconferência Resultados 3T10

Teleconferência Resultados 3T10 Teleconferência Resultados 3T10 Sexta-feira, 5 de Novembro de 2010 Horário: 14:00 (horário de Brasília) 12:00 (horário US EDT) Tel: + 55 (11) 4688-6361 Código: LASA Replay: + 55 (11) 4688-6312 Código:

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Na folha de respostas, indique de forma legível a versão da prova. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 11.º ou 12.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 11 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov.

CAFÉ. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000 www.conab.gov. CAFÉ Jorge Queiroz 1. MERCADO INTERNACIONAL Segundo o USDA, a produção mundial de café deverá atingir no ano 2009/2010, um total de 127,4 milhões de sacas. Entretanto, a OIC (Organização Internacional

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais