Nutrição Mineral de Plantas DIAGNOSE FOLIAR. Josinaldo Lopes Araujo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nutrição Mineral de Plantas DIAGNOSE FOLIAR. Josinaldo Lopes Araujo"

Transcrição

1 Nutrição Mineral de Plantas DIAGNOSE FOLIAR Josinaldo Lopes Araujo

2 1 CONSIDERAÇÕES GERAIS Diagnose foliar: Consiste na determinação dos teores foliares para compará-los com padrão. Análises das folhas (porquê?) Padrões: tabelas (literatura) Unidades: forma elementar: (N, P, K, Ca...) Macronutrientes: g/kg (= %x 10) Micronutrientes: mg/kg (=ppm)

3 APLICAÇÕES DA DIAGNOSE FOLIAR Avaliação do estado nutricional Identificação de deficiências nutricionais, quando a diagnose visual é dificultada Avaliação da necessidade de fertilizantes (ou ajustes) Nos dois primeiros casos ocorrem três situações: a) Teor na amostra > teor no padrão b) Teor na amostra = teor no padrão c) Teor na amostra < teor no padrão

4 1.2 Premissas (princípios) Dentro de certos limites dever haver relações diretas entre. 1) Dose do fertilizante x produção 2) Dose do fertilizante x teor foliar 3) Teor foliar x produção A premissa 3 é visualizada pela curva em C

5 Premissa 3 Figura Relação entre a dose do adubo e o crescimento ou produção.

6 Premissa 1 Figura Relação entre a dose do adubo e o crescimento ou produção.

7 2 AMOSTRAGEM 2.1 Princípios básicos Teores variam com: a) Planta (espécie, parte, idade, presença de frutos) b) Clima (chuvas) c) Práticas culturais (adubação, herbicidas,...) Implicações práticas: Teor adequado numa época não é a mesma em outra época. Necessidade de padronização por idade, época e parte da planta.

8

9 Imóveis e pouco móveis Teor móveis Idade da folha

10 Tendência da variação do teor foliar dos nutrientes com a idade das folhas. Espécie Diminuição Aumento Cacaueiro N, P, K Ca, Mg Cafeeiro N, P, K, Zn Ca, Mg, S, B, Mn Cana-de-açúcar N, P, K Ca Citros N, P, K, Ca, Mg, Zn Ca, B, Fe, Mn Hortaliças N, P, K Ca Macieira N, P, K Ca e Mg Milho e sorgo N, P, K Ca Pessegueiro N, P, K, Ca, Zn Ca, Mg, B, Mn, Fe Pinus K Ca Fonte: Malavolta et al. (1997)

11 2 AMOSTRAGEM Seguir as recomendações das tabelas (literatura). Folha adequada (tipo) Época certa Número de folhas Geralmente usa-se folhas recém - maduras Completou o crescimento e não entrou em senescência.

12 2 AMOSTRAGEM 2.2 Cuidados na amostragem a) Seguir rigorosamente a padronização. b) Escolher áreas homogêneas. c) Evitar plantas próximo a estradas. d) Não coletar plantas atacadas por pragas ou doenças. e) Não misturar variedades diferentes. f) Não misturar folhas de diferentes idades. g) Não misturar ramos com e sem frutos. h) Não amostrar após adubação foliar ou chuva.

13 Cultura Época Tipo de folha N folhas/ha Milho 30 Aparecimento da inflorescência feminina Folha oposta e abaixo da espiga Feijão Início da floração Primeira folha amadurecida a partir da ponta do ramo Tomateiro Florescimento pleno ou primeiro fruto maduro 4ª folha a partir da ponta Melancia Primeiro fruto Pecíolo da 6ª folha a partir da Melão Floração, 1 fruto, ou 1 fruto maduro ponta Pecíolo da 6ª folha a partir da ponta

14 SUGESTÃO DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação Número da amostra: Proprietário: Endereço: Responsável pela remessa: 2. Descrição da amostra Cultura: Variedade: Data da coleta: Data da última pulverização: Produto (se pulverizado):

15 3 PREPARO E ENCAMINHAMENTO DA AMOSTRA Menor tempo possível entre coleta e entrega. Laboratórios idôneos (programa de controle). Lavar folhas com água deionizada ou destilada Geladeira. Pré-secagem (ao ar). Remessa (Correios) em sacos de papel.

16 ANÁLISE EM LABORATÓRIO

17 4 INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS Comparar o resultado da amostra com um padrão. Aplicações: a) Acompanhamento dos resultados da adubação. b) Recomendação e ajuste da adubação (N para café e citrus em SP).

18

19 4.1 Métodos de interpretação a) Nível crítico e faixa de suficiência a1) Nível crítico (NC) Em geral teor que permite cerca de 90% da produção máxima. Interpretação Se o teor na amostra teor padrão planta bem nutrida Se o teor na amostra < teor da padrão planta pode apresentar problema nutricional relacionado com o nutriente Obtido com experimentos de adubação

20

21 Obtenção matemática ajustar equação (1) entre produção da cultura (Y) com as doses do nutriente adicionada ao solo (X); obter a 1ª derivada da equação 1 (Y ) e igualar a zero para obter a dose de máxima eficiência física (DMEF); ajustar equação (2) entre teor do nutriente no órgão analisado com as doses do nutriente adicionada ao meio (X); substituir na equação 2 a variável X pelo valor que resultou na DMEF, obtendo-se o NC

22 Produção de tomate (t/ha) Y max: 55,73 t/ha Dose de X para y max: 181, 45 kg N/ha Dose de X para 90% de y max: 106,95 kg N/ha 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 y = -0,001x 2 + 0,3629x + 22,81 R² = 0,9686 0, Doses de N (kg/ha)

23 Teor de N (g/kg) 80,0 70,0 60,0 y = 0,2x + 15 R² = 0, ,0 40,0 30,0 NC = 36,4 g/kg N 20,0 10,0 0, Doses de N (kg/ha)

24 NC PARA ALGUMAS ESPÉCIES Cultura N P K Ca Mg S dag/kg Abóbora 4,02 0,46 2,36 1,36 0,40 0,31 Banana 2,60 0,22 2,00 0,60 0,30 - Cenoura 3,60 0,22 6,34 1,84 0,39 0,38 Melão 3,51 0,39 4,21 3,74 1,09 0,19 Uva 2,50 0,20 1,50 0,40 0,40 - Fonte: Cantarutti et al. (2007) 24

25 a2) Faixa de suficiência (FS) NC = faixa de concentração do nutriente na planta acima da qual a cultura está adequadamente suprida do nutriente, e abaixo da qual há a produção será negativamente afetada. É uma extensão do NC: ao invés de ponto ótimo temse uma FAIXA ÓTIMA; Na FS o limite inferior equivale ao NC mínimo e o limite superior ao NC de toxidez

26 FS PARA ALGUMAS ESPÉCIES Cultura N P K Ca Mg S dag/kg Abacaxi 1,60-2,00 0,80-1,20 2,20-3,00 0,80-1,20 0,30-0,40 0,20-0,30 Alface 3,80-4,70 0,50-0,75 6,00-7,00 0,65-1,50 0,35-0,40 0,16-0,25 Batata 4,50-6,00 0,29-0,50 9,30-11,5 0,76-1,00 0,10-0,12 - Citrus 2,30-2,70 0,12-0,16 1,00-1,50 3,50-4,50 0,25-0,40 0,20-0,30 Tomate 4,00-5,00 0,55-0,70 3,00-6,00 2,30-4,60 0,50-0,75 - Fonte: Cantarutti et al. (2007) 26

27 EXEMPLO DE APLICAÇÃO Diagnose pela FS para Café na região de Viçosa-MG N P K Ca Mg S dag/kg Amostra 3,40 0,13* 1,30* 1,03 0,58 0,05* FS 2,47-3,15 0,15-0,19 2,13-2,89 0,92-1,20 0,35-0,56 0,16-0,22 Mn Fe Cu Zn B mg/kg Amostra 95* ,0* 41 - FS Fonte: Cantarutti et al. (2007) 27

28 b) Fertigrama Foliar Permite inferência sobre equilíbrio nutricional Teores foliares dos macro e micro nutrientes em duas lavouras de tomatgeiro tomateiro

29

30

31

32 d) DRIS =>Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação Também considera o equilíbrio nutricional Software realiza comparações das relações dos teores entre os nutrientes 2 a 2 com as do padrão. (N/K, P/K, P/N, P/Ca, etc.) Com base nas relações são calculados os índices DRIS - Índice negativo: Indica deficiência - Índice positivo: Indica excesso - Índice Zero (ou próximo): indica equilíbrio (ótimo)

33 OUTROS MÉTODOS DE DIAGNOSE NUTRICIONAL a) Análise da seiva Vantagem: resultados imediatos e precocidade na diagnose. Princípio: maior produtiv. associada a maiores teores na seiva. Ex: NO 3 - para tomate, batata, alface, brócolis e pimentão (Guimarães, 1998)

34 Existem KITS para macro e micronutrientes No Brasil há KITS para: N, P e K Baseia-se em reações específicas do nutriente com alguns reagentes dos KITS Nitrato: cor rosa Fosfato: cor azul Potássio: cor laranja avermelhado (turbidez)

35 b) Testes bioquímicos Consiste na avaliação da atividade enzimática ou acúmulo de metabólitos. Exs: Redutase de nitrato - N fosfatases -P Peroxidases Fe e Cu Acúmulo de putrescina- K Clorofila - N Fotossíntese P Método mais empregado na pesquisa

36 c) Aplicações foliares Testes simples de campo Técnicas: =>Roach: corte de folha em solução teste => Alvin: cortes em U imersa em cápsula de gelatina contendo solução teste. => Meia folha: aplicação da solução em meia folha d) Análise de clorofila Clorofilômetro (SPAD) é o mais utilizado

37 Aplicações: Clorofila Vs N: estimativa do teor de N Correlação com a produção Cálculo do índice de suficiência (IS) IS = (Leit. da amostra/leit. Padrão).100 Clorofilômetro SPAD 502 Minolta (Japão)

1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS

1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS DIAGNOSE DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Prof. Valdemar Faquin 1. INTRODUÇÃO CONSISTE EM COMPARAR A AMOSTRA COM O PADRÃO - AMOSTRA = 1 PLANTA; RAMOS; FOLHAS - PADRÃO = PLANTA SEM LIMITAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR

DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Agrárias Departamento de Solos e Engenharia Agrícola AL 320 - Nutrição Mineral de Plantas DIAGNÓSTICO NUTRICIONAL E ANÁLISE FOLIAR Professor: Volnei Pauletti

Leia mais

Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro

Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro Diagnose Foliar na Cultura do Maracujazeiro e do Abacaxizeiro Prof. Almy Junior Cordeiro de Carvalho Profª Marta Simone Mendonça Freitas Prof. Pedro Henrique Monnerat Abril - 2012 APRESENTAÇÃO Sociedade

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO

DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO I Simpósio Paulista Sobre Nutrição de Plantas Jaboticabal - SP, 15 a 17 de Abril de 2008 DIAGNOSE FOLIAR EM MILHO E SORGO ANTÔNIO MARCOS COELHO ESTRATÉGIAS DE MANEJO PARA ALTA PRODUTIVIDADE João Lorenti

Leia mais

PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas

PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas PCS 503 Parte Prática de Nutrição Mineral de Plantas PRÁTICA 1: CULTIVO DE PLANTAS EM AMBIENTE PROTEGIDO Notas de aula: TRABALHO PRÁTICO: EXERCÍCIOS (CENTRO XEROGRÁFICO) TRÊS PARTES I CULTIVO DE PLANTAS

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT. Manejo de nutrientes em cultivo protegido. Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo

Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT. Manejo de nutrientes em cultivo protegido. Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo Nutrição Mineral de Plantas-PPGHT Manejo de nutrientes em cultivo protegido Aula 2 Prof. Josinaldo L. Araujo APLICAÇÃO DO CULTIVO PROTEGIDO A) Pesquisa - Pesquisa básica em solos e nutrição de plantas

Leia mais

Coleta da Amostra de Tecido Foliar

Coleta da Amostra de Tecido Foliar A principal finalidade das análises de tecidos ou folhas é verificar as necessidades nutricionais das culturas através da utilização das folhas como indicativo nutricional das mesmas. A análise de tecidos

Leia mais

Orientações para coleta de amostras de solo

Orientações para coleta de amostras de solo Orientações para coleta de amostras de solo Os procedimentos aqui apresentados baseiam-se no capítulo de amostragem do solo (Cantarutti et al, 1999) que consta na Recomendação para o uso de corretivos

Leia mais

ANÁLISE FOLIAR E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS

ANÁLISE FOLIAR E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SOLO ANÁLISE FOLIAR E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL DAS PLANTAS Milton Ferreira de Moraes Técnico Agrícola, Eng. Agrônomo, M.Sc.

Leia mais

Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila

Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila Perspectivas de Uso de Métodos Diagnósticos Alternativos: Análise da Seiva e Medida Indireta da Clorofila Leandro José Grava de Godoy (CER-UNESP) Thais Regina de Souza (FCA-UNESP) Roberto Lyra Villas Bôas

Leia mais

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA

ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA. ONDINO C. BATAGLIA ADUBAÇÃO da SERINGUEIRA ONDINO C. BATAGLIA ondino@conplant.com.br CULTIVO DA SERINGUEIRA TOMAR A DECISÃO DE PLANTAR Talvez seja a fase mais difícil pois uma vez tomada a convivência com a planta será muito

Leia mais

INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE. Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil

INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE. Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil INOVACOES EM METOLOGIAS DE FERTILIZACAO DE CAFE Bernardo van Raij Instituto Agronômico Campinas, SP - Brasil RAMACAFÉ 2001 Objetivo Discutir a adubação do café em uma nova abordagem, para identificar pontos

Leia mais

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes

ABSORÇÃO FOLIAR. Prof. Josinaldo Lopes Araujo. Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes ABSORÇÃO FOLIAR Prof. Josinaldo Lopes Araujo 1 INTRODUÇÃO Plantas cultivadas dividem-se em: Folhas Caule Raízes Cada parte tem uma função definida As folhas absorvem água e nutrientes Porque essa capacidade?

Leia mais

Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido. (Aula 4)

Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido. (Aula 4) Cultivo de Plantas em Ambiente Protegido (Aula 4) APLICAÇÃO CULTIVO PROTEGIDO A) Pesquisa - Pesquisa básica em solos e nutrição de plantas - Estudos de biotecnologia e biologia molecular B) Prática - Hidroponia

Leia mais

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade

FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade FerDrrigação, a chave para ganhos em qualidade e produdvidade Roberto Lyra Villas Bôas, FCA/UNESP, Botucatu, SP Eng. Agron. João Roberto do Amaral Junior Abril 2013 Introdução: A adubação representa 18%

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do morango

Diagnose foliar na cultura do morango Polo Regional Leste Paulista Monte Alegre do Sul /SP Diagnose foliar na cultura do morango Flávio Fernandes Jr. - flaviof@apta.sp.gov.br Pesquisador - APTA Introdução Cenário mundial Situação Brasileira

Leia mais

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Magnésio Nutrição Mineral de Plantas MAGNÉSIO. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola MAGNÉSIO Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br COMPOSIÇÃO QUÍMICA MÉDIA DA CROSTA TERRESTRE NA PROFUNDIDADE DE 0 16 KM (MENEGEL & KIRKBY, 1987) Mg no solo

Leia mais

DIAGNOSE FOLIAR NA CULTURA DA MANGA

DIAGNOSE FOLIAR NA CULTURA DA MANGA III SIMPÓSIO Brasileiro sobre NUTRIÇÃO DE PLANTAS APLICADA a Sistemas de Alta Produtividade DIAGNOSE FOLIAR NA CULTURA DA MANGA Davi José Silva Paulo Guilherme S. Wadt Maria Aparecida C. Mouco Embrapa

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

Nutrição, Adubação e Calagem

Nutrição, Adubação e Calagem Nutrição, Adubação e Calagem Importância da nutrição mineral Embora o eucalipto tenha rápido crescimento, este é muito variável. Os principais fatores que interferem no crescimento estão relacionados com

Leia mais

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane.

MANEJO DA ADUBAÇÃO. Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane. CURSO DE FORMAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS E AUDITORES EM PI MÓDULO GOIABA CATI - CAMPINAS 07 a 11 de novembro de 2011 MANEJO DA ADUBAÇÃO Prof. Dr. Danilo Eduardo Rozane danilorozane@registro.unesp.br

Leia mais

Potássio, Cálcio e Magnésio

Potássio, Cálcio e Magnésio Nutrição Mineral de Plantas Potássio, Cálcio e Magnésio Josinaldo Lopes Araujo 1. POTÁSSIO 1.1 Aspectos gerais Segundo nutriente mais consumido como fertilizantes no Brasil. A sua principal fonte no solo

Leia mais

002

002 001 DIAGNOSE FOLIAR NAS CULTURAS DA MACIEIRA E VIDEIRA GILMAR R. NACHTIGALL Embrapa Uva e Vinho 002 003 004 005 Análise Visual: Identificação de desequilíbrios nutricionais através da observação de sintomas

Leia mais

Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona.

Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona. Sintomas visuais de deficiência de nutrientes em milho, cana de açúcar, café, citros e mamona. Sintomas de deficiência níquel em feijão, soja, cevada e pecan. Eurípedes Malavolta Milton Ferreira de Moraes

Leia mais

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos)

ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Volnei Pauletti ADUBOS FLUÍDOS (líquidos) Conceitos Uso Vantagens Matérias primas Fabricação 1 Adubos líquidos ou fluídos: CONCEITOS

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação NU REE Programa em Nutrição e Solos Florestais DPS - SIF - UFV - Viçosa - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação Contribuição

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO. Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc.

UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO. Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc. UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc. Felipe Santinato Premissa: A aplicação de fertilizantes foliares pode suprir

Leia mais

DOCENTE: Dr. Ribamar Silva

DOCENTE: Dr. Ribamar Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE DOCENTE: Dr. Ribamar Silva 1. Introdução Sistemas de Unidades - SI = MKS. Comprimento km hm dam m dm cm mm µm 1 0 0 0 1 0 0 1 0 0 0 1 km =...m 1.000 1 m =... 100 cm 1. Introdução

Leia mais

Nutrição Mineral de Plantas Magnésio. Francelize Chiarotti

Nutrição Mineral de Plantas Magnésio. Francelize Chiarotti Nutrição Mineral de Plantas Magnésio Francelize Chiarotti Origem É o 6 elemento em abundância ( 2,76% da crosta terrestre) e 3 terceiro mais abundante dissolvido na água de mar. Naturasis - Rochas eruptivas,

Leia mais

Magnésio. Antonio Roque Dechen. Francisco A. Monteiro. Quirino A. Carmello

Magnésio. Antonio Roque Dechen. Francisco A. Monteiro. Quirino A. Carmello Magnésio Antonio Roque Dechen. Francisco A. Monteiro. Quirino A. Carmello Freqüência Relativa das Deficiências de Magnésio no Brasil Roraima Amapá Acre Amazonas Rondônia Mato Grosso Pará Tocantins Maranhão

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009)

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009) Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 23 (2008/2009) Fortaleza - CE, Agosto de 2009 gcvitti@esalq.usp.br tvegetal@esalq.usp.br Foto: Corbis PROGRAMA INTERLABORATORIAL DE ANÁLISE DE

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

III SIMPÓSIO Brasileirosobre

III SIMPÓSIO Brasileirosobre III SIMPÓSIO Brasileirosobre sobre NUTRIÇÃO DE PLANTAS APLICADA em sistemas de alta produtividade DIAGNOSE FOLIAR NA CULTURA DO FIGO E DA PERA Francisco Maximino Fernandes Luiz de Souza Corrêa Gustavo

Leia mais

ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA

ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA ANÁLISE DE SOLO E FOLIAR: INÍCIO DO SUCESSO DA LAVOURA André Guarçoni M. D.Sc. Solos e Nutrição de Plantas Pesquisador do Incaper Dentro do processo produtivo de qualquer cultura, uma etapa de extrema

Leia mais

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO Corretivos Adubos e Adubações Prof. ELOIR MISSIO FORMULAÇÃO DE FERTILIZANTES Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Carlos A. Bissani; Clesio Gianello; Marino J. Tedesco; Flávio A. O.

Leia mais

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola

Enxofre Nutrição Mineral de Plantas ENXOFRE. Prof. Volnei Pauletti. Departamento de Solos e Engenharia Agrícola ENXOFRE Prof. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DOS PRINCIPAIS COMPONENTES E PROCESSOS DO CICLO DO ENXOFRE. Enxofre S -fontes Matéria

Leia mais

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M.

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M. Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1 Antônio M. Coelho 2 1 Parcialmente financiado pela Sul Óxidos Industria e Comércio

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ANDRÉ L.T. FERNANDES DR. ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO, PROF. UNIUBE E FACULDADES

Leia mais

MONITORAMENTO NUTRICIONAL DE CAFEZAIS USANDO O CRITÉRIO DE FAIXAS DE SUFICIÊNCIA E O DRIS

MONITORAMENTO NUTRICIONAL DE CAFEZAIS USANDO O CRITÉRIO DE FAIXAS DE SUFICIÊNCIA E O DRIS MONITORAMENTO NUTRICIONAL DE CAFEZAIS USANDO O CRITÉRIO DE FAIXAS DE SUFICIÊNCIA E O DRIS BATAGLIA, O.C. 1 ; SANTOS, W.R. 2 e QUAGGIO, J.A. 3 -Trabalho financiado pelo CONSÓRCIO BRASILEIRO DE PESQUISA

Leia mais

NUTRIÇÃO DE PLANTAS. Dr. Volnei Pauletti

NUTRIÇÃO DE PLANTAS. Dr. Volnei Pauletti NUTRIÇÃO DE PLANTAS Dr. Volnei Pauletti Departamento de Solos e Engenharia Agrícola vpauletti@ufpr.br Morretes, 17/11/2011 Introdução 3 critérios devem ser cumpridos (Arnon & Stout, 1939): A planta não

Leia mais

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho

Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho UNIPAC Faculdade Presidente Antônio Carlos Diagnose do estado nutricional de plantas de Milho Prof. Fernanda Basso Métodos de diagnóstico Diagnose Visual Diagnose Foliar Diagnose visual Consiste em se

Leia mais

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO

Corretivos Adubos e Adubações. Prof. ELOIR MISSIO Corretivos Adubos e Adubações Prof. ELOIR MISSIO ADUBAÇÃO ORGÂNICA Fertilidade dos solos e manejo da adubação de culturas. Carlos A. Bissani; Clesio Gianello; Marino J. Tedesco; Flávio A. O. Camargo. Porto

Leia mais

Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes. Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/

Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes. Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/ Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/ 1/ Pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, MG; CP 151, Email: amcoelho@cnpms.embrapa.br

Leia mais

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal Ano 20 (2005/2006)

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal Ano 20 (2005/2006) Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal Ano 20 (2005/2006) Bonito, MS Setembro de 2006 gcvitti@esalq.usp.br tvegetal@esalq.usp.br PROGRAMA INTERLABORATORIAL DE ANÁLISE DE TECIDO VEGETAL

Leia mais

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto

CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO. Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto CULTURA DA SOJA: NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO Disciplina: Culturas de Plantas Oleaginosas Curso: Agronomia Responsável: Fernando Celoto P fonte de energia; K parede celular; Ca comunicação da chegada de inóculo

Leia mais

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari

Adubação de Plantas Ornamentais. Professora Juliana Ferrari Adubação de Plantas Ornamentais Professora Juliana Ferrari Indícios que a planta pode precisar de nutrientes O crescimento se torna lento; Adubação É o método de corrigir as deficiências de nutrientes

Leia mais

unesp Sarita Leonel UNESP/Faculdade de Ciências Agronômicas Botucatu/SP

unesp Sarita Leonel UNESP/Faculdade de Ciências Agronômicas Botucatu/SP unesp Sarita Leonel UNESP/Faculdade de Ciências Agronômicas Botucatu/SP ADRIANO, 2011 ADRIANO, 2011 Brasil cultivos iniciais década de 1950 descoberto o alto teor de Vitamina C Brasil é o maior produtor,

Leia mais

Fertilidade do solo e nutrição das plantas

Fertilidade do solo e nutrição das plantas Ciclo de Colóquios comemorativos do Ano Internacional do Solo Fertilidade do solo e nutrição das plantas F. Calouro Fertilidade do solo e nutrição das plantas Oeiras, 22 de setembro de 2015 Fertilidade

Leia mais

Adubos fluídos Adubação foliar

Adubos fluídos Adubação foliar Universidade Federal do Paraná Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Adubos fluídos Adubação foliar Volnei Pauletti ADUBOS FLUÍDOS - ADUBAÇÃO FOLIAR Adubos fluídos adubação foliar Adubos fluídos

Leia mais

RESULTADOS E DISCUSSÃO

RESULTADOS E DISCUSSÃO ISSN 1983-6015 PESAGRO-RIO - Nº 22 - agosto/2014 - Niterói - RJ ATRIBUTOS NUTRICIONAIS DE LAVOURAS 1 DE CAFÉ CONILON NO NORTE FLUMINENSE 2 2 Wander Eustáquio de Bastos Andrade ; José Márcio Ferreira ;

Leia mais

FERTILIZAÇÃO DE MACIEIRAS E DE PEREIRAS

FERTILIZAÇÃO DE MACIEIRAS E DE PEREIRAS FERTILIZAÇÃO DE MACIEIRAS E DE PEREIRAS Silvia M. Faria 1, Rui M. Sousa 2, Idália M. Guerreiro 1, Osvaldo P. Silva 1 & Mariana D. Regato 1 1 Escola Superior Agrária de Beja Rua Pedro Soares Apartado 158

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05

Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05 Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Recife/Julho/05 Programa Interlaboratorial de Análise de Tecido Vegetal ANO 19 (2004/2005) Godofredo Cesar Vitti (1) Ana Carolina

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências do Solo LSO 526 Adubos e Adubação Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Leia mais

O POTÁSSIO NO SOLO CLASSIFICAÇÃO DO POTÁSSIO TOTAL DO SOLO: 1. Tisdale & Nelson (1975): Critério de disponibilidade no nutriente no solo:

O POTÁSSIO NO SOLO CLASSIFICAÇÃO DO POTÁSSIO TOTAL DO SOLO: 1. Tisdale & Nelson (1975): Critério de disponibilidade no nutriente no solo: INTRODUÇÃO POTÁSSIO: Segundo elemento mais exigido pelas culturas; Aumento da quantidade utilizada, originada pela agricultura intensiva e tecnificada; Solos brasileiros não possuem teores adequados de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES VI CURSO DE FERTILIDADE DO SOLO E PLANTIO DIRETO UTILIZAÇÃO DE ICRONUTRIENTES Carlos Alberto Bissani Clesio Gianello UFRGS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Departamento de Solos Faculdade de Agronomia

Leia mais

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho

Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho Atualmente, pode-se dizer que um dos aspectos mais importantes no manejo da adubação nitrogenada na cultura do milho refere-se à época de aplicação e

Leia mais

ANÁLISE DE FOLHAS. Descubra tudo em nutrientes e doenças foliares para investir na medida certa.

ANÁLISE DE FOLHAS. Descubra tudo em nutrientes e doenças foliares para investir na medida certa. Descubra tudo em nutrientes e doenças foliares para investir na medida certa. NÁLISE DE FOLHS MOSTRGEM DO SOLO Uma boa análise de solo depende da correta amostragem da área. Para tanto, recomendase seguir

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia

AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia AS RELAÇÕES ENTRE MACRONUTRIENTES E MICRONUTRIENTES E A FERTILIDADE DO SOLO Pedro Lopes Ferlini Salles Orientadora: Marisa Falco Fonseca Garcia Coorientador: Flávio Ferlini Salles RELEVÂNCIA O solo é importante

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA

OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA OTIMIZAÇÃO DE INSUMOS NO SISTEMA DE PRODUÇÃO SOJA-MILHO SAFRINHA Aildson P. Duarte Heitor Cantarella IAC-APTA IAC INSTITUTO AGRONÔMICO Recomendação de adubação para soja e milho-safrinha Análise do solo

Leia mais

Aula 02 Agricultura Geral

Aula 02 Agricultura Geral Aula 02 Agricultura Geral NOÇÕES DE FERTILIDADE DO SOLO a. Conhecendo os elementos essências para as plantas b. Adubação: métodos e princípios c. Necessidade de correção do solo Prof. Ednei Pires Eng.

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO

PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPTO DE CIÊNCIA DO SOLO E ENG. AGRÍCOLA PROGRAMA DE MONITORAMENTO E ADUBAÇÃO Prof. Dr. Adriel F. da Fonseca Professor Adjunto Bolsista PQ do CNPq Estratégia da Apresentação

Leia mais

Assimilação de Nutrientes Minerais

Assimilação de Nutrientes Minerais Assimilação de Nutrientes Minerais plantas são organismos fotoautoróficos: todos os compostos orgânicos necessários são formados em seu próprio corpo (macro e micro moléculas) a energia necessária para

Leia mais

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP

NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO. ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP NUTRIÇÃO EQUILIBRADA DO CAFEEIRO ROBERTO SANTINATO 40º CBPC Serra Negra - SP Nutrição equilibrada em cafezais Equilíbrio Desequilíbrio Importância e respostas da correção do solo no equilíbrio nutricional

Leia mais

BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO. Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI

BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO. Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI BALANÇO DE NUTRIENTES NA AGRICULTURA DO CERRADO Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI IPNI ü O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos, dedicada

Leia mais

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades.

Quadro 1 - Fatores para conversão de unidades antigas em unidades do Sistema Internacional de Unidades. Informação sobre interpretação de Análise de Solo, segundo o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Solos e Recursos Ambientais, Instituto Agronômico de Campinas. Quadro 1 - Fatores para conversão de

Leia mais

ADUBOS FLUIDOS E ADUBAÇÃO FOLIAR

ADUBOS FLUIDOS E ADUBAÇÃO FOLIAR UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação ADUBOS FLUIDOS E ADUBAÇÃO FOLIAR Prof. Dr. Rafael Otto Piracicaba, SP

Leia mais

11/03/2013 DADOS DA DISCIPLINA. Benefícios do consumo regular de f&h. ImportâncIa das f&h DEFINIÇÃO - FRUTAS ALGUNS PROBLEMAS. Carga horária: 80h

11/03/2013 DADOS DA DISCIPLINA. Benefícios do consumo regular de f&h. ImportâncIa das f&h DEFINIÇÃO - FRUTAS ALGUNS PROBLEMAS. Carga horária: 80h INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA CAMPUS SANTA ROSA RS DADOS DA DISCIPLINA Curso: Técnico em AgroindúsTriA Disciplina: Tecnologia de FruTas e HorTaliças Tema: INTRODUÇÃO AO

Leia mais

CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO NUTRICIONAL PARA A CULTURA DO ALGODOEIRO PRODUZIDO DO CERRADO GOIANO

CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO NUTRICIONAL PARA A CULTURA DO ALGODOEIRO PRODUZIDO DO CERRADO GOIANO CRITÉRIOS DE INTERPRETAÇÃO NUTRICIONAL PARA A CULTURA DO ALGODOEIRO PRODUZIDO DO CERRADO GOIANO Nara Rúbia de Morais 1, Wilson Mozena Leandro 2, Vladia Correchel 2, Roberta de Freitas Souza 3 ( 1 Doutoranda

Leia mais

ADUBOS E ADUBAÇÃO HAMILTON SERON PEREIRA

ADUBOS E ADUBAÇÃO HAMILTON SERON PEREIRA ADUBOS E ADUBAÇÃO HAMILTON SERON PEREIRA INTRODUÇÃO O GRANDE DESAFIO MUNDIAL 1990 2000 2025 POPULAÇÃO MUNDIAL (BILHÕES) 5,2 6,2 8,3 DEMANDA DE ALIMENTOS (BILHÕES t) 1,97 2,45 3,97 PRODUTIVIDADE (t/ha)

Leia mais

Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência

Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Evaluation of the soybean nutritional

Leia mais

Interpretação de análise de solo. Fertilização e avaliação do estado nutricional

Interpretação de análise de solo. Fertilização e avaliação do estado nutricional "Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina" Cora Coralina Interpretação de análise de solo. Fertilização e avaliação do estado nutricional USP/Esalq Piracicaba/SP agosto - 2016 Prof.

Leia mais

Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação DRIS

Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação DRIS CEN 5715 Avaliação da Fertilidade do Solo e do Estado Nutricional Antonio Enedi Boaretto Cássio Hamilton Abreu Junior José Lavres Junior Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação DRIS (Diagnosis and

Leia mais

Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado. Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG)

Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado. Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG) Construção da fertilidade do solo no ambiente Cerrado Carlos Alberto Silva (UFLA) Paulo T. G. Guimarães (EPAMIG) Parte I Solo fértil? Solos do Brasil sob condições naturais: grau de fetilidade Solo ph

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

TEORES DE NUTRIENTES NAS FOLHAS DE BANANEIRA, CV. PACOVAN, SOB IRRIGAÇÃO

TEORES DE NUTRIENTES NAS FOLHAS DE BANANEIRA, CV. PACOVAN, SOB IRRIGAÇÃO TEORES DE NUTRIENTES NAS FOLHAS DE BANANEIRA, CV. PACOVAN, SOB IRRIGAÇÃO Nutrient levels in banana leaves, cultivar Pacovan, grown under irrigation Ana Lúcia Borges 1, Ranulfo Corrêa Caldas 2 RESUMO Por

Leia mais

Culturas arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas

Culturas arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas NORMAS DE COLHEITA DE MATERIAL VEGETAL s arvenses, forrageiras, pratenses, hortícolas, agroindustriais e florícolas Na colheita de material vegetal para análise, tendo em vista o diagnóstico do estado

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS

37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS 37º CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISAS CAFEEIRAS Fertilizante de liberação lenta e controlada (Polyblen ) em cafeeiros Coffea arabica em produção. Duas safras (2011/2012 e 2012/2013) no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

DOENÇAS ABIÓTICAS E INJÚRIAS

DOENÇAS ABIÓTICAS E INJÚRIAS DOENÇAS ABIÓTICAS E INJÚRIAS 1. INTRODUÇÃO DOENÇAS ABIÓTICAS DOENÇA: é o MAL FUNCIONAMENTO DE CÉLULAS E TECIDOS do hospedeiro (planta) que resulta da sua CONTÍNUA IRRITAÇÃO por um AGENTE PATOGÊ- NICO OU

Leia mais

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES

O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES O SOLO COMO F0RNECEDOR DE NUTRIENTES LIQUIDA (SOLUÇÃO DO SOLO) ÍONS INORGÂNICOS E ORGÂNICOS/MICROPOROS SÓLIDA - RESERVATORIO DE NUTRIENTES - SUPERFÍCIE QUE REGULA A CONCENTRAÇÃO DOS ELEMENTOS NA SOLUÇÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 140 CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FISIOLÓGICAS DE SEMENTES DE FEIJÃO EM FUNÇÃO DO TEOR DE FÓSFORO NA SEMENTE E DOSES DE FÓSFORO NO SOLO 1 JULIANE DOSSI SALUM 2, CLAUDEMIR ZUCARELI 3, EDUARDO GAZOLA 4, JOÃO

Leia mais

ISSN Dezembro, Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha

ISSN Dezembro, Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 205 Guia Prático para a Adubação da Laranjeira com Base em Análises de Solo e Folha ISSN 1678-1953 Dezembro, 2015 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Tabuleiros

Leia mais

MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO

MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO MAGNÉSIO E AS ALTAS PRODUTIVIDADES DO CAFEEIRO André Guarçoni M. D.Sc. em Solos e Nutrição de Plantas Pesquisador do Incaper 1) Magnésio no Solo Em geral, o magnésio (Mg) é o 8º mineral em abundância na

Leia mais

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Produtividade: Pomar A:70 ton/ha Pomar B:10 ton/ha 52 fatores influenciam a produção vegetal: 07 deles são

Leia mais

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Introdução PLANTA SOLO FERTILIZANTES ADUBAÇÃO (kg/ha) = (PLANTA - SOLO) x f Introdução O que aplicar? Fontes e Nutrientes

Leia mais

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES

INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES INTERESSE PELA UTILIZAÇÃO DE MICRONUTRIENTES Solos dos cerrados são originalmente deficientes em micronutrientes; O aumento da produtividade com > remoção de micronutrientes; A incorporação inadequada

Leia mais

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT

APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT APRESENTAÇÃO: FERTILIZANTE TERRAPLANT DESCRIÇÃO DO PRODUTO Fertilizante proveniente de cama de aviário; Fonte de macro e micro nutrientes; Fonte excepcional de matéria orgânica. DESCRIÇÃO DO PRODUTO Para

Leia mais

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva.

Composição do solo e relação entre as fases. Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva. Composição do solo e relação entre as fases Atributos físicos e químicos do solo -Aula 3- Prof. Alexandre Paiva da Silva Introdução Conceito de solo Formação e tipos de solo Importância dos solos Função

Leia mais

Recomendação de calagem e adubação

Recomendação de calagem e adubação Recomendação de calagem e adubação Na agricultura, a recomendação de calagem e adubação para as culturas é geralmente efetuada com base nas doses de corretivos e fertilizantes que assegurem entre 80% e

Leia mais

Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação

Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciência dos Solos LSO 0526 Adubos e Adubação Cultura da Soja Recomendação de Correção e Adubação Lucas Papadópoli

Leia mais

Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira. Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico

Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira. Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico 1 Manejo sustentável da fertilidade do solo em bananeira Luiz A. J. Teixeira Centro de Solos/Instituto Agronômico teixeira@iac.sp.gov.br Tópicos 4 Saúde do solo Sustentabilidade Manejo do solo... Fertilidade

Leia mais