Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Submódulo 9.6. Acompanhamento e previsão meteorológica e climática"

Transcrição

1 Submódulo 9.6 Acompanhamento e previsão meteorológica e climática Rev. Nº Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 002/2011. Versão decorrente da Audiência Pública nº 020/2015. Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 09/11/2011 Resolução Normativa nº 461/11 16/12/16 Resolução Normativa nº 756/16 Endereço na Internet:

2 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO PRODUTOS ALTERAÇÕES DESTA REVISÃO RESPONSABILIDADES OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO ONS AGENTES DE GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DO PROCESSO ATIVIDADES DE PERIODICIDADE DIÁRIA ATIVIDADES DE PERIODICIDADE MENSAL ATIVIDADES SEM PERIODICIDADE DEFINIDA HORIZONTE, PERIODICIDADE E PRAZOS FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS... 8 Endereço na Internet: Página 2/8

3 1 INTRODUÇÃO 1.1 No planejamento, na programação, na coordenação e no controle da operação do Sistema Interligado Nacional SIN, as informações meteorológicas e climáticas são utilizadas para a realização das atividades de previsão de carga, previsão de geração eólica, previsão de vazões, manutenção de equipamentos, programação eletroenergética e operação em tempo real. 1.2 Os agentes considerados neste submódulo são os de transmissão, distribuição e os de geração detentores, por concessão ou autorização, de usinas classificadas nas modalidades de operação como Tipo I, conforme critérios e sistemática estabelecidos no Módulo 26 Modalidade de operação de usinas. 1.3 O módulo e o submódulo aqui mencionados são: (a) Submódulo Rotinas operacionais; (b) Submódulo 18.2 Relação dos sistemas e modelos computacionais; e (c) Módulo 26 Modalidade de operação de usinas. 2 OBJETIVO 2.1 O objetivo deste submódulo é atribuir responsabilidades pelos processos de acompanhamento e previsão meteorológica e climática, bem como descrever os processos que fornecem as informações meteorológicas e climáticas necessárias à realização das atividades de planejamento, programação e operação do SIN, principalmente para as bacias hidrográficas, instalações sob responsabilidade de transmissoras e centros de carga. 3 PRODUTOS 3.1 Os produtos dos processos descritos neste submódulo são: (a) Boletim de Precipitação nas Principais Bacias Hidrográficas; (b) Boletim Meteorológico Diário; (c) Boletim Climático Mensal; e. (d) Boletim de Tempo Severo O Boletim de Precipitação nas Principais Bacias Hidrográficas contém a precipitação prevista para as bacias hidrográficas do SIN O Boletim Meteorológico Diário contém as informações meteorológicas necessárias às atividades de planejamento, programação e operação do SIN, com ênfase nas bacias hidrográficas, sistemas de transmissão e centros de carga de interesse O Boletim Climático Mensal contém as tendências e os indicadores climáticos com ênfase nas bacias hidrográficas e centros de carga de interesse O Boletim de Tempo Severo é emitido quando há observação ou previsão de condições de tempo severo, associadas a rajadas de vento, precipitação e /ou descargas atmosféricas nas regiões das instalações estratégicas estabelecidas em rotina operacional do Submódulo 10.22, O Boletim de Tempo Severo estabelece em seu conteúdo a abrangência e o período de vigência do estado de tempo severo. Em caso de alteração nas condições de tempo que levaram Endereço na Internet: Página 3/8

4 a emissão do boletim, com modificação na abrangência das instalações sujeitas às condições de tempo severo e/ou no período de vigência destas condições, este documento poderá ser revisto ou cancelado. 3.2 Os produtos mencionados nos itens 3.1(a) (b) (c) deste submódulo são disponibilizados para todos os agentes de operação. 3.3 O produto mencionado no item 3.1(d) deste submódulo é disponibilizado internamente ao ONS para as equipes responsáveis pelos processos de Programação Diária e Operação em Tempo Real e aos agentes responsáveis pelas instalações de transmissão abrangidas pelo boletim. 3.4 Todos os produtos mencionados no item 3.1 deste submódulo são disponibilizados à Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. 4 ALTERAÇÕES DESTA REVISÃO 4.1 Alterações decorrentes da inclusão da etapa de elaboração do Boletim de Tempo Severo com abrangência sobre as instalações estratégicas do SIN, em conformidade com a diretriz de aprimoramento da gestão da segurança elétrica, da substituição da menção à Resolução ANEEL nº 396/1998 pela Resolução Conjunta ANEEL/ANA nº 03/2010 e legislação sucedânea, bem como da Audiência Pública 020/2015, realizada no período de 16 de abril de 2015 a 27 de outubro de RESPONSABILIDADES 5.1 Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS (a) Estabelecer, com a participação facultativa dos agentes de geração, transmissão e distribuição, o tipo, o formato, a periodicidade e os prazos de encaminhamento das informações relativas ao acompanhamento e à previsão meteorológica e climática a serem disponibilizadas para o ONS por esses agentes. (b) Obter dos agentes de geração, transmissão e distribuição, da Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL, da Agência Nacional de Águas - ANA e de entidades responsáveis por estações meteorológicas e pluviométricas os dados meteorológicos e pluviométricos horários e diários disponíveis, bem como outras informações necessárias para a realização do acompanhamento e previsão meteorológica e climática. (c) Analisar e consolidar as informações obtidas. (d) Informar aos agentes de geração, transmissão e distribuição as falhas no processo de aquisição de dados, bem como os erros observados nesses dados, e solicitar as correções necessárias. (e) Elaborar relatórios com as informações e os resultados de estudos meteorológicos e climáticos e divulgá-los para os agentes de geração, transmissão e distribuição. (f) Obter dos agentes de geração, transmissão e distribuição e de outras entidades responsáveis por estações meteorológicas e pluviométricas informações sobre as redes meteorológicas e pluviométricas disponíveis. (g) Analisar as redes meteorológicas e, caso necessário, propor à ANEEL a instalação de novas estações meteorológicas, de novos sensores e novos sistemas de transmissão de dados em tempo real para as estações existentes. Endereço na Internet: Página 4/8

5 (h) Analisar as redes pluviométricas disponíveis e, caso necessário, propor à ANEEL e à Agência Nacional de Águas ANA, no âmbito da Resolução Conjunta ANEEL/ANA nº 03/2010 e legislação sucedânea, a instalação de novos postos pluviométricos. 5.2 Agentes de geração, transmissão e distribuição (a) Fornecer ao ONS informações sobre a rede meteorológica e pluviométrica sob sua responsabilidade. (b) Fornecer ao ONS os dados meteorológicos sob sua responsabilidade coletados nas estações meteorológicas e postos pluviométricos localizados em áreas de interesse para a operação do SIN. 6 DESCRIÇÃO DAS ETAPAS DO PROCESSO 6.1 Atividades de periodicidade diária Estabelecimento do formato, a periodicidade e os prazos de encaminhamento dos dados meteorológicos e pluviométricos O formato, a periodicidade e os prazos de encaminhamento dos dados meteorológicos e pluviométricos é definido pelo ONS com a participação facultativa dos agentes Aquisição de informações e dados meteorológicos Nessa etapa, obtêm-se os dados meteorológicos e pluviométricos observados e outros imagens de satélite e de radar, descargas atmosféricas, previsões numéricas de tempo utilizados para o monitoramento e para a previsão do tempo Os dados meteorológicos e pluviométricos observados referem-se às redes de estações dos agentes de geração, transmissão e distribuição, do Instituto Nacional de Meteorologia, do Ministério da Defesa, dos sistemas estaduais de meteorologia e da ANA As demais informações meteorológicas são provenientes de outras entidades públicas e/ou privadas Análise dos dados e informações meteorológicas e atualização da base de dados do ONS Nessa etapa, o ONS analisa os dados e as informações coletadas com o objetivo de identificar falhas no processo de aquisição e de avaliar preliminarmente as condições meteorológicas. Qualquer falha eventualmente verificada nesses dados incorreção do dado ou seu não-recebimento deve ser informada ao agente responsável Os dados meteorológicos recebidos são submetidos a testes de validação e erro. Qualquer inconsistência eventualmente verificada deve ser informada ao agente responsável, juntamente com a solicitação de correção do dado. O agente deve enviar ao ONS o dado corrigido Após essas análises e eventuais correções, os dados são incorporados à base de dados do ONS Cálculo da precipitação média observada e elaboração de mapas de precipitação A precipitação média observada é determinada a partir dos totais diários de precipitação, previamente consistidos, coletados nas bacias de interesse do SIN e em suas bacias vizinhas. Endereço na Internet: Página 5/8

6 Os totais diário, semanal, mensal e anual de precipitação observados são representados, numericamente e por meio de isolinhas, sobre mapas com os limites das bacias hidrográficas e com a hidrografia Atualização das previsões numéricas Os resultados das previsões de precipitação provenientes de modelos numéricos são atualizados e representados graficamente por meio de isolinhas de precipitação e sobre uma base hidrográfica com a delimitação das bacias ou sub-bacias de interesse do SIN. Esses resultados são também apresentados quantitativamente. Os valores correspondem aos totais acumulados em 24 (vinte e quatro) horas As previsões horárias de temperatura do ar para as capitais brasileiras e para os centros de carga, provenientes de modelos numéricos de previsão do tempo, são atualizadas e representadas numericamente As previsões horárias de direção e velocidade do vento para locais de geração eólica, provenientes de modelos numéricos de previsão do tempo, são atualizadas e representadas numericamente Outras variáveis meteorológicas consideradas relevantes podem ser atualizadas e representadas graficamente ou numericamente Atualização das imagens de satélite As imagens de satélite, de alta resolução, são atualizadas e representadas para o acompanhamento da evolução do tempo nas bacias hidrográficas, nas instalações sob responsabilidade de transmissora e nos centros de cargas A frequência das imagens segue a agenda da operadora do satélite Elaboração do Boletim de Precipitação nas Principais Bacias Hidrográficas e do Boletim Meteorológico Diário As informações obtidas são analisadas de forma integrada para a elaboração dos boletins da precipitação e meteorológico diário Acompanhamento das condições de tempo Acompanhar a evolução das condições de tempo nas regiões das instalações estratégicas para a operação do SIN, com o objetivo de identificar eventuais situações de tempo severo nestas regiões, associadas a rajadas de vento,precipitação e /ou descargas atmosféricas. 6.2 Atividades de periodicidade mensal Aquisição dos dados e dos indicadores climáticos Nessa etapa, obtêm-se os indicadores de padrões climáticos e as previsões climáticas, ambos gerados por instituições públicas, nacionais ou internacionais externas ao setor elétrico Elaboração do Boletim Climático Mensal A partir das informações obtidas no item deste submódulo, é elaborado esse boletim, que apresenta as tendências climáticas, com ênfase nas bacias hidrográficas e nos principais centros de carga, e os indicadores de padrões climáticos. Endereço na Internet: Página 6/8

7 6.3 Atividades sem periodicidade definida Boletim de Tempo Severo Sempre que o acompanhamento da evolução das condições de tempo nas regiões das instalações estratégicas do SIN, de acordo com a atividade descrita no item deste submódulo, identificar uma situação de tempo severo, é emitido um Boletim de Tempo Severo no âmbito interno ao ONS para as equipes responsáveis pela Programação Diária e pela Operação em Tempo Real e aos agentes responsáveis pelas instalações de transmissão abrangidas pelo boletim, contendo as instalações sujeitas às condições de tempo severo e o seu período de vigência. A partir deste mesmo acompanhamento, em caso de alteração nas condições de tempo o boletim poderá ser revisto ou cancelado O ONS disponibilizará os boletins emitidos no site do ONS, segundo prazo definido no item Avaliação das redes meteorológica e pluviométrica A partir das informações sobre as estações meteorológicas e sobre os postos pluviométricos, fornecidas pelos agentes de geração, transmissão e distribuição e por outras entidades responsáveis por estações meteorológicas e pluviométricas, o ONS analisa a rede de estações meteorológicas e pluviométricas disponíveis nas bacias hidrográficas, instalações sob responsabilidade de transmissora e centros de carga Para aprimorar a qualidade dos dados meteorológicos e para conhecer a variabilidade desses dados, o ONS pode propor à ANEEL a instalação a instalação de novas estações meteorológicas, de novos sensores e novos sistemas de transmissão de dados em tempo real para as estações existentes e à ANEEL e à Agência Nacional de Águas ANA, no âmbito da Resolução Conjunta ANEEL/ANA nº 03/2010 e legislação sucedânea, a instalação de novos postos pluviométricos. A proposta deve conter a finalidade de cada estação meteorológica ou posto pluviométrico e explicitar os aproveitamentos hidroelétricos e de geração eólica, os centros de carga e as linhas de transmissão relacionadas. 7 HORIZONTE, PERIODICIDADE E PRAZOS 7.1 O acompanhamento e a previsão meteorológica e climática são executados com periodicidades diária e mensal. O Quadro 1 apresenta o cronograma das atividades diárias e o Quadro 2, o cronograma das atividades mensais. Quadro 1 Cronograma das atividades diárias Nº ETAPAS Prazo Horizonte 1 Aquisição de dados e informações meteorológicas até 10h00min - 2 Análise dos dados e informações meteorológicas e atualização da base de dados do ONS precipitação temperatura vento até 11h00min mínimo 7 (sete) dias mínimo 7 (sete) dias mínimo 48 (quarenta e oito) horas 3 Cálculo da precipitação média observada e elaboração de mapas de precipitação até 11h00min - 4 Atualização das previsões numéricas até 10h00min Endereço na Internet: Página 7/8

8 Nº ETAPAS Prazo Horizonte 5 Atualização das imagens de satélite a cada hora - 6 Elaboração do Boletim de Precipitação nas Principais Bacias Hidrográficas e do Boletim Meteorológico Diário até 12h00min mínimo 72 (setenta e duas) horas Nota: No período de adoção do horário de verão os prazos e horários estabelecidos nos itens 1, 2 e 3 do Quadro 1 poderão sofrer atraso de até 1 (uma) hora. Quadro 2 Cronograma das atividades mensais Nº ETAPAS Prazo Horizonte 1 Aquisição de dados e indicadores climáticos até o dia 15 (quinze) 2 Elaboração do Boletim Climático Mensal até o dia 18 (dezoito) mínimo 1 (um) mês mínimo 3 (três) meses 7.2 O estabelecimento do formato de encaminhamento dos dados meteorológicos e pluviométricos é realizado sem periodicidade definida. 7.3 A elaboração do Boletim de Tempo Severo é realizada sem periodicidade definida O ONS disponibilizará os boletins emitidos no site do ONS, até o primeiro dia útil subsequente à data de sua emissão. 7.4 A avaliação das redes meteorológicas e pluviométricas é realizada sem periodicidade definida. 8 FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS 8.1 O programa computacional utilizado no acompanhamento e previsão meteorológica está listado a seguir e se encontra detalhado no Submódulo 18.2: (a) Sistema de aquisição e visualização de imagens de satélite e dados meteorológicos. Endereço na Internet: Página 8/8

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL OPHEN ACOMPANHAMENTO DIÁRIO DA OPERAÇÃO HIDROENERGÉTICA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 13/04/2009 INTRODUÇÃO O Acompanhamento Diário da Operação Hidroenergética tem como objetivo apresentar a situação

Leia mais

Submódulo Identificação e tratamento das nãoconformidades. operação

Submódulo Identificação e tratamento das nãoconformidades. operação 19.1 Identificação e tratamento das nãoconformidades dos agentes de operação Rev. Nº. Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do 0.0 Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO

PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO PLANO DE RELACIONAMENTO NTO COM OS AGENTES PARA DESENVOLVIMENTO DE TEMAS RELACIONADOS À PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CRIAÇÃO DE COMISSÃO DE ESTUDOS DE PREVISÃO E ACOMPANHAMENTO DA CARGA - CEPAC

Leia mais

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 2 Medição. Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 2 Medição. Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 2 Medição Submódulo 2.1 Coleta e ajuste de dados de medição 1 Submódulo 2.1 Coleta e ajuste ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO

Leia mais

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação

Submódulo Operação das instalações da Rede de Operação Submódulo 10.12 Operação das instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.1 2016.12 Motivo da revisão Adequação ao artigo nº 20 da Resolução Normativa ANEEL nº 376/09, de 25 de agosto de 2009. Versão decorrente

Leia mais

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação

Submódulo Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Submódulo 21.2 Estudos pré-operacionais de integração de instalações da Rede de Operação Rev. Nº. 1.0 2016.12 Motivo da revisão Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação

Leia mais

Renewable Energy Projects

Renewable Energy Projects Grid Connectivity for Renewable Energy Projects 2nd REFF Latin America 2009 28 de abril de 2009 Roberto Gomes Diretor ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Sumário Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 172, DE 10 DE MAIO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS, EÓLICAS, HIDRELÉTRICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER, OU DOCUMENTO EQUIVALENTE, SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

Submódulo Norma de Operação - Relacionamento Operacional

Submódulo Norma de Operação - Relacionamento Operacional Submódulo 10.5 Norma de Operação - Relacionamento Operacional Rev. N.º Motivo da Revisão 1 Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. 2 Esta revisão tem como motivo

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS

CENTRAIS GERADORAS TERMELÉTRICAS (BIOMASSA E GÁS NATURAL), EÓLICAS, HIDRÁULICAS E PCH PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE SOBRE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AOS LEILÕES DE ENERGIA

Leia mais

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010

REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 REVISÃO DA CURVA BIANUAL DE AVERSÃO A RISCO PARA A REGIÃO SUL - BIÊNIO 2009/2010 2008/ONS Todos os direitos reservados. Qualquer alteração é proibida sem autorização. ONS NT 038/2009 REVISÃO DA CURVA BIANUAL

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001)

RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) Página 1 de 5 RESOLUÇÃO Nº 17, DE 29 DE MAIO DE 2001 (Publicada no D.O.U de 10 de julho de 2001) O Conselho Nacional de Recursos Hídricos, no uso das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 9.433,

Leia mais

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação

Destaque: Horizonte Operador Nacional do Sistema Elétrico Diretoria de Planejamento Programação da Operação PROPOSTA PARA DEFLUÊNCIAS DAS USINAS HIDROELÉTRICAS DA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO NOS ESTUDOS DE PLANEJAMENTO E PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO, DIANTE DO QUADRO DE ESCASSEZ HÍDRICA Destaque: Horizonte 2017-2018

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS Mário Daher 1 O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO

Leia mais

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias

capa Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias Dupla função Foto: Chico Ferreira Reservatórios geram energia e controlam cheias 8 Revista FURNAS - Ano XXXVI - Nº 372 - Fevereiro 2010 texto Gleice Bueno estação chuvosa chegou mais cedo e mais forte.

Leia mais

PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO PREVISÃO HIDROCLIMÁTICA DE VAZÕES NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO OBJETIVOS Melhorar a Previsão hidroclimática de curto e longo prazo 1. Avaliar as previsões hidroclimáticas de vazões afluentes aos reservatórios

Leia mais

- Banco de Dados Inglês Técnico 40

- Banco de Dados Inglês Técnico 40 Curso Técnico Subsequente em Meteorologia CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR 1 o Semestre Carga horária total: 400h Unidade Curricular C/H Semestral PréRequisito Meteorologia Fundamental 60 Física

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.10 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Parecer Técnico EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES CONSELHO CTF

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25. Brasília 22/Jan/2009

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25. Brasília 22/Jan/2009 Audiência Pública 061/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo Módulos 24 e 25 SRT Brasília 22/Jan/2009 Contextualização Lei nº 9.648/98, com redação dada pela Lei nº 10.848/04 estabelece

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

Anexo I, da Portaria nº 142/2014

Anexo I, da Portaria nº 142/2014 Anexo I, da Portaria nº 142/2014 MANUAL DE USO DO CADASTRO DE VEÍCULOS DE DIVULGAÇÃO DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (Midiacad) Conteúdo OBJETIVO:... 2 USUÁRIOS DO MIDIACAD:...

Leia mais

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN

Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN Ministério de Secretaria de Energia Elétrica Painel: Desafios e Caminhos para a Operação das Instalações Elétricas e do SIN 7º SENOP Brasília, junho de 2016. 1 Ambiente Institucional 2 Ambiente Institucional

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva

Módulo 7 Energia de Reserva. Submódulo 7.1 Apurações da energia de reserva Módulo 7 Energia de Reserva Submódulo 7.1 Apurações da energia ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE ATIVIDADES 6. DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES 7. ANEXOS Revisão Motivo

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13/2016 Aprova a Sistemática para Registro e Acompanhamento das Atividades de Ensino do IFPE. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco

Leia mais

Descrever o estado de tempo e distingui lo de clima; Explorar imagens de satélite e de radar utilizadas na observação e previsão do.

Descrever o estado de tempo e distingui lo de clima; Explorar imagens de satélite e de radar utilizadas na observação e previsão do. clima Nível de Ensino Anos de escolaridade Disciplina Tipo de trabalho Tema/Conteúdos Objectivos Básico 7º ano Geografia Trabalho de pares clima Descrever o estado de tempo e distingui lo de clima; Explorar

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 6 Projetos com Fontes Incentivadas Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA

Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA Universidade Federal do Oeste do Pará PROGRAMA DE MONITORIA ACADÊMICA 1. Quais são os requisitos para obtenção de bolsa monitoria? a) o discente deve estar regularmente matriculado no período letivo em

Leia mais

Operação Somos Todos Olímpicos

Operação Somos Todos Olímpicos SCI 202: PLANO DE AÇÃO DO INCIDENTE PAI 04/2016 Operação Somos Todos Olímpicos Para a prevenção e combate aos incêndios florestais no Município do Rio de Janeiro em especial próximo as arenas olímpicas

Leia mais

Reavaliação Periódica de Segurança das Usinas Nucleares Brasileiras. Simpósio LAS-ANS 21 a 25/06/2010. Edmundo Selvatici

Reavaliação Periódica de Segurança das Usinas Nucleares Brasileiras. Simpósio LAS-ANS 21 a 25/06/2010. Edmundo Selvatici Reavaliação Periódica de Segurança das Usinas Nucleares Brasileiras Simpósio LAS-ANS 21 a 25/06/2010 INDICE Reavaliação Períodica de Segurança (RPS) Definição (o que é?) Objetivo (para que serve?) Requisitos

Leia mais

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias

O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias O papel da Protecção Civil na Defesa contra as Cheias Núcleo de Riscos e Alerta Autoridade Nacional de Protecção Civil1 Lei de Bases da Protecção Civil (Lei 27/2006, de 3 de Julho): A protecção civil é

Leia mais

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos

Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos. Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos Sistema de Visualização de Sistemas Convectivos 1. Introdução: O aplicativo Previsão a Curto Prazo e Evolução dos Sistemas Convectivos denominado de FORTRACC, foi desenvolvido com o objetivo de obter a

Leia mais

Submódulo Requisitos mínimos de telecomunicações

Submódulo Requisitos mínimos de telecomunicações Submódulo 3.2 Requisitos mínimos de telecomunicações Rev. Nº. 0.0 0..0 2.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução Normativa

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADORIA GERAL DE PESQUISA A Iniciação Científica Junior (PIBIC-EM) são atividades que possibilitam o contato direto do aluno de ensino médio com a atividade científica da Universidade, incentivando a formação de novos pesquisadores

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 3/2007 ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1. Objeto 3 2. Justificativa 3 3. Diretrizes 4 3.1.

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES

HISTÓRICO DAS REVISÕES Página 1 de 7 HISTÓRICO DAS REVISÕES REVISÃO DATA DESCRIÇÃO 00 06/02/2015 Emissão inicial 1. OBJETIVO Criar uma sistemática de produção e disseminação de notícias institucionais para os diversos públicos

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094)

NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460) E DO PROJETO INTERDISCIPLINAR (30-094) UNIVERSIDADE REGIONAL INTEGRADA DO ALTO URUGUAI E DAS MISSÕES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NORMATIZAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO A - TCC (30-460)

Leia mais

APLICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE TELEMETRIA À ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS

APLICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE TELEMETRIA À ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS APLICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE TELEMETRIA À ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS Hans R. ZIMERMANN, Débora R. ROBERTI, Josué M. SEHNEM. 1 Introdução A telemetria é uma técnica na qual uma medição realizada

Leia mais

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS

POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS POLÍTICA DE MANUTENÇÃO E AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS Laboratórios da Área da Informática Política de Manutenção e Aquisição de Equipamentos Laboratórios da Área de Informática Universidade Anhembi Morumbi

Leia mais

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ

REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ REGULAMENTO DA GERÊNCIA DE SERVIÇOS DO IMA/UFRJ O presente regulamento visa estabelecer normas, procedimentos de funcionamento e atividades atribuídas à Gerência de Serviços, conforme estabelecido no Capítulo

Leia mais

ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: José Carlos S Pereira

ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: José Carlos S Pereira Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz ACOMPANHAR A LEGISLAÇÃO, NORMAS E DECISÕES JUDICIAIS DE RECURSOS HUMANOS. HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 10/03/2012

Leia mais

CRÉDITO PRESUMIDO PARA INDÚSTRIA FABRICANTE DE PRODUTOS COM MATERIAL RECICLÁVEL - Aspectos relacionados ao ICMS/SC

CRÉDITO PRESUMIDO PARA INDÚSTRIA FABRICANTE DE PRODUTOS COM MATERIAL RECICLÁVEL - Aspectos relacionados ao ICMS/SC CRÉDITO PRESUMIDO PARA INDÚSTRIA FABRICANTE DE PRODUTOS COM MATERIAL RECICLÁVEL - Aspectos relacionados ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 14.07.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7

PROCEDIMENTO PRC -07 Revisão: 17 Data: 14/10/2013 7 Página 1 de 8 ESTRUTURA: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5-Descrição do Procedimento: Data da Revisão Nº da Revisão Histórico das Alterações 20/08/200

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte.

2. Os Serviços de Suporte Técnico e Atualização da SOLUÇÃO compreenderão: Recepção e Resolução de Chamados de Suporte. Este documento descreve como deverão ser prestados os serviços de suporte técnico e atualização da solução de Gestão do Risco Operacional e Controles Internos, doravante chamada SOLUÇÃO, compreendendo

Leia mais

Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas X estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa

Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas X estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa Desafio da operação do SIN frente às tempestades severas estado-da-arte das informações meteorológicas para essa tarefa Marco Antonio Rodrigues Jusevicius Desafio de operar uma infraestrutura como o SIN

Leia mais

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO

DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO de Controle de Pedidos Versão 2.0 DOCUMENTO DE REGRAS DE NEGÓCIO Página 2 / 8 de Controle de pedidos HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 25/09/2010 1.0 Elaboração do Documento Bruno Mota

Leia mais

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP.

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani

Leia mais

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 FACULDADE FAUC/AUM CURSO EDUCAÇÃO FÍSICA - LICENCIATURA MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) 1 DEFINIÇÕES GERAIS 1.1 De acordo com o regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Projeto

Leia mais

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS

PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL. O Processo de Construção do PIUMA-RS PIUMA RS PLANO DIRETOR DE IRRIGAÇÃO NO CONTEXTO DOS USOS MÚLTIPLOS DA ÁGUA PARA O RIO GRANDE DO SUL O Processo de Construção do PIUMA-RS Resultados e Consequências Plano Diretor de Irrigação no Contexto

Leia mais

ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015

ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015 ETAPAS DA MIGRAÇÃO SITUAÇÃO DO ALUNO 2015 1ª ETAPA EXPORTAÇÃO PARA A MIGRAÇÃO A exportação de dados da Situação do Aluno visa exclusivamente a obtenção do Código de Identificação Única (ID) do aluno, do

Leia mais

Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015

Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015 Portaria DAEE nº 761, de 09 de Março de 2015 O Superintendente do Departamento de Águas e Energia Elétrica - DAEE, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no artigo 11, incisos I e XVI do Decreto

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB AUTORIZAÇÃO: DECRETO Nº92937/86, DOU RECONHECIMENTO: PORTARIA Nº909/95, DOU ANEXO 2 DO EDITAL PIBID UNEB CAPES Nº. 010/2014 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Candidato (a) Matrícula Curso / Depto. UNEB (iniciação à docência) Escola (supervisão) ENDEREÇO:...Nº... BAIRRO:...CIDADE:... CEP.:...

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer procedimentos para identificação de não-conformidades, assim como a implantação de ação corretiva e ação preventiva, a fim de eliminar as causas das não-conformidades

Leia mais

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL

NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL NORMA GERAL PARA O CREDENCIAMENTO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE COLETA DE RESÍDUO GERAL TÍTULO Capítulo Norma Geral 5 Área de Relações com o mercado e Comunidades 5 Meio Ambiente Seção Nome 01

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA - CÂMARA DOS DEPUTADOS 10 de abril de 2013 1 Estrutura da apresentação O SIN - Sistema Interligado Nacional Robustez do SIN Ações em curso para aprimorar

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46

COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO Nº 46 LIGAÇÕES ESPECIAIS NA VIA PÚBLICA COM MEDIÇÃO Diretoria de Planejamento e Planejamento Gerência de Engenharia Página 2 de 11 ÍNDICE OBJETIVO...3 1. APLICAÇÃO...4

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 1 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Manual de Normas e Procedimentos Capítulo PROCEDIMENTOS SETOR 2 Índice 1.1- Coordenadores técnicos, almoxarifes,

Leia mais

ANEXO III CRONOGRAMAS

ANEXO III CRONOGRAMAS ANEXO III CRONOGRAMAS 1 Cronograma Físico Com base nas quantidades de serviços previstas e no cronograma físico do Programa de Monitoramento Hidrometeorológico do empreendimento Sapiens Parque, estabeleceu-se

Leia mais

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS ISOLADOS MAIO / 2016 GTON / CTP 05/2016 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Objetivo... 2 3. Premissas Básicas... 2 4.

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Configuração

Plano de Gerenciamento de Configuração Plano de Gerenciamento de Configuração Controle de Versões Versão Data Autor Notas da Revisão 0.1 29/11/2016 Deborah Araujo Denis Ferreira Ezio Mendonça - Plano de gerenciamento de Configuração Página

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.1. Projeto de Monitoramento Batimétrico. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.1 Projeto de Monitoramento Batimétrico NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 2. Justificativa... 1 3. Objetivos... 2 4. Área de Abrangência...

Leia mais

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS

SUMÁRIO DE REVISÕES. Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS Página 1 de 10 SUMÁRIO DE REVISÕES Rev. Data DESCRIÇÃO E/OU ITENS REVISADOS 0 07/08/2013 Emissão original consolidando práticas adotadas no PSS, anteriormente não documentadas em forma de procedimento

Leia mais

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo

Demanda tempo real Produção de fontes intermitentes. Realidade: penetração de energia eólica e solar é uma realidade no mundo todo SMART-SEN: Um Modelo de Simulação do Sistema Elétrico Nacional com Presença de Geração de Renováveis Intermitentes: Impactos Operacionais, Regulatórios e Custos Equipe Básica: Prof. Dr. Paulo Barbosa Prof.

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE

ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE ADEQUAÇÃO DO SISTEMA DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DE CLIENTES OPTANTES AO MERCADO LIVRE Junho/2016 1 Objetivo Este documento tem por objetivo estabelecer os procedimentos técnicos relativos à adequação

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Operação Somos Todos Olímpicos

Operação Somos Todos Olímpicos SCI 202: PLANO DE AÇÃO DO INCIDENTE PAI 15/2016 Operação Somos Todos Olímpicos Para a prevenção e combate aos incêndios florestais no Município do Rio de Janeiro em especial próximo as arenas olímpicas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 1 COMUNICADO TÉCNICO Nº 21 PROCEDIMENTOS PARA HOMOLOGAÇÃO DE CON- JUNTOS BLINDADOS PARA UTILIZAÇÃO EM SEE 2 1. OBJETIVO Comunicar os procedimentos que devem ser adotados para homologação de conjuntos blindados

Leia mais

PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO

PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO Faculdade de Direito de Ipatinga FADIPA Programa de Pesquisa e Iniciação Científica - PROPFADIPA Assessoria de Pesquisa - APESQ PROGRAMA DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO 1 INFORMAÇÃO GERAL

Leia mais

Submódulo Controle da transmissão em operação normal

Submódulo Controle da transmissão em operação normal Submódulo 10.7 Controle da transmissão em operação normal Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovaçã o pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Este documento foi motivado

Leia mais

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA

CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência. Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.4 COMERCIALIZAÇÃO DE POTÊNCIA CÂMARA DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CCE Módulo 3: Contratação

Leia mais

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário

SISTEMA GUARDIÃO. Manual de Usuário SISTEMA GUARDIÃO Manual de Usuário Resumo Neste documento é apresentada uma breve descrição das funcionalidades e da utilização do sistema integrado de detecção de anomalias em redes GUARDIÃO. Versão 1.0

Leia mais

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS

Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Principais desafios e melhores práticas voltadas á operação na visão do ONS Flávio Guimarães Lins Gerente de Pré-operação e Tempo Real do ONS/COSR-NE Natal-RN, 27 de junho de 2017 Sumário Os Centros de

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE

PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE CT-21 PROCEDIMENTO PARA HOMOLOGAÇÃO DE CONJUNTOS BLINDADOS DE MÉDIA TENSÃO PARA UTILIZAÇÃO EM SEE Comunicado Técnico Diretoria de Planejamento, Engenharia e Obras da Distribuição Gerência de Tecnologia

Leia mais

Operação Somos Todos Olímpicos

Operação Somos Todos Olímpicos SCI 202: PLANO DE AÇÃO DO INCIDENTE PAI 18/2016 Operação Somos Todos Olímpicos Para a prevenção e combate aos incêndios florestais no Município do Rio de Janeiro em especial próximo às arenas olímpicas

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO, SISTEMATIZAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES PROCESSAMENTO DE DADOS GEOGRÁFICOS...

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO LEVANTAMENTO, SISTEMATIZAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES PROCESSAMENTO DE DADOS GEOGRÁFICOS... 1 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 2. LEVANTAMENTO, SISTEMATIZAÇÃO E ATUALIZAÇÃO DAS INFORMAÇÕES... 6 2.1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO... 6 2.2 ATIVIDADES REALIZADAS NAS ETAPAS ANTERIORES... 6 2.3 ATIVIDADES REALIZADAS

Leia mais

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ

FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ FUNDAÇÃO AGÊNCIA DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS PIRACICABA, CAPIVARI E JUNDIAÍ AGÊNCIA DAS BACIAS PCJ Represa Jaguari/Jacareí Reprodução/Sistema Ambiental Paulista/Governo do Estado BOLETIM DE MONITORAMENTO

Leia mais

ATUALIZADA EM 12/12/2013

ATUALIZADA EM 12/12/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 30, DE 5 DE JULHO DE 2013 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal de 1988, Título VIII, Capítulo

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

Termo de compromisso do bolsista de iniciação à docência

Termo de compromisso do bolsista de iniciação à docência Anexo IV Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Pibid Termo de compromisso do bolsista de iniciação à docência A nomenclatura a seguir será utilizada no presente instrumento: Bolsista

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Praia Grande São Paulo Dezembro de 2008 CAPÍTULO I DA NATUREZA Artigo 1º O presente regulamento tem como objetivo normatizar as atividades relacionadas com o estágio

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 08, DE 17 DE AGOSTO DE 2015 EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Excelentíssimo Senhor Presidente, Excelentíssimos Senhores Vereadores, A energia elétrica no Brasil é gerada predominantemente

Leia mais

Boas-vindas e direitos do consumidor. bandeirante

Boas-vindas e direitos do consumidor. bandeirante Boas-vindas e direitos do consumidor. bandeirante Índice Boas-vindas 3 Direitos do Consumidor 8 Boas-vindas A EDP Bandeirante tem satisfação em levar boa energia para a sua vida. bandeirante 3 Dados atualizados.

Leia mais

Cartografia Temática

Cartografia Temática Cartografia Temática Os mapas temáticos podem ser gerados por intituições públicas e privadas, especializadas em mapeamento. Servem para auxiliar o poder público e empresas privadas na tomada de decisões,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE AUDITORIA Coordenação Geral de Registro Acadêmico 1. CRONOGRAMA Período da Auditoria 16/03/2015 a 30/04/2015 Horas a serem trabalhadas 2. OBJETO: Avaliar riscos e identificar se os controles

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Comissão de Graduação do Curso de Ciências Biológicas COMGRAD/BIO DECISÃO 03/2015 - Altera: Decisão n o 03/2013 ESTÁGIO SUPERVISIONADO A, reunida em 18 de novembro de 2015, no uso de suas atribuições, DECIDE Regulamentar a atividade de Ensino de Estágio Supervisionado,

Leia mais

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico UPU UNIÃO POS TAL UNIVERSA L Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico Berna 2014 Lis 2 Índice Página 1. Introdução 3 2. Campo de aplicação 3 3. Referências normativas

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA AMBIENTAL EDUCACIONAL ESCOLA SENAI CELSO CHARURI UNIDADE SUMARÉ CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE E REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Programa Nº 03/2016 Sumário 1. Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4)

Validação das avaliações setoriais do Plano Plurianual - PPA por unidade orçamentária - por dia (4) PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Decreto nº.13.528, de 2 de maio de 2014 QUADRO DE DETALHAMENTO DE TAREFAS QDT (ANEXO I) CÓDIGO ATIVIDADE NÍVEL 1 2 3 4 5 6 7 8 Análise e validação das propostas setoriais

Leia mais