CASAMENTO. 3. É permitido o casamento de pessoas menores de idade? Sim, os menores de 18 anos podem se casar, mas precisam da autorização dos pais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASAMENTO. 3. É permitido o casamento de pessoas menores de idade? Sim, os menores de 18 anos podem se casar, mas precisam da autorização dos pais."

Transcrição

1 CARTILHA DA FAMÍLIA 9ª Vara de Família e Sucessões: Acesso fácil, rápido e eficiente ao Poder Judiciário em busca de soluções aos conflitos de Família.

2 SUMÁRIO Apresentação...6 Casamento...7 Divórcio...10 Declaratória de União Estável...11 Dissolução de União Estável...12 Averiguação de Paternidade...14 Alimentos...16 Guarda e Regulamentação de Visitas...20 Tutela...22 Interdição...22 Busca e Apreensão...24 Alvará...25 Inventário e Arrolamento de Bens...27

3 APRESENTAÇÃO Funcionando no Fórum Lúcio Fonte de Rezende, no bairro Cidade Nova, em Manaus-AM, a 9ª Vara de Família e Sucessões atende exclusivamente as demandas promovidas pela Defensoria Pública do Estado do Amazonas em favor da população de baixa renda residente na Zona Norte da cidade. Os processos que tramitam na 9ª Vara de Família são todos digitais, o que diminui bastante o tempo de espera em busca de uma efetiva prestação jurisdicional. A presente Cartilha da Família foi preparada com o objetivo de esclarecer a população sobre como proceder para ter acesso fácil e rápido ao Poder Judiciário a fim de resolver os conflitos de família. Para obter mais informações ou ingressar com um processo basta procurar a Defensoria Pública instalada no Fórum Lúcio Fonte de Rezende, munido com os documentos necessários, conforme os casos a seguir detalhados.

4 CASAMENTO 1. O que é o casamento? O casamento é a união entre um homem e uma mulher, regulamentada pelas regras da lei civil. O casal deve manifestar a vontade de se unir em matrimônio na frente do Juiz. 2. Existem pessoas que não podem se casar? Sim. A lei proíbe o casamento entre parentes muito próximos e não reconhece o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Assim, não podem se casar: pessoas do mesmo sexo, pais e filhos, avós e netos, irmã e irmão, tia e sobrinho ou tio e sobrinha, genro e sogra ou nora e sogro, e as pessoas já casadas e não divorciadas. 3. É permitido o casamento de pessoas menores de idade? Sim, os menores de 18 anos podem se casar, mas precisam da autorização dos pais. 5. O casamento realizado somente na Igreja tem valor para a lei? No Brasil só o casamento feito através do cartório é válido. Mas o casamento religioso pode ter efeitos civis, desde que o padre ou o pastor tenha autorização legal para tal procedimento ou haja posterior registro no Cartório. 6. Marido e mulher são obrigados a ouvir a opinião um do outro antes de tomar uma decisão importante? Em alguns casos, sim. Como por exemplo, quando da venda de um imóvel do casal. Também antes de ser fiador, isto é, quando 7

5 marido ou a mulher promete que irão pagar uma dívida de outra pessoa caso ela não pague. 9. Marido e mulher devem morar sob o mesmo teto? Sim, a convivência entre homem e mulher casados deve acontecer sob o mesmo teto. Agora, se um dos dois for trabalhar em outra cidade ou precisar viajar por muito tempo, com o conhecimento do outro, não há problema. 10. A mulher é obrigada a usar o sobrenome do marido? Não, fica à escolha da mulher se quer acrescentar ao seu nome o sobrenome do marido. A lei também diz que se o homem quiser, poderá acrescentar o sobrenome da esposa ao seu. 11. O que é regime de bens? Quais são os regimes de bens que regem o casamento? Regime de bens é o conjunto de normas que regulam as relações patrimoniais entre os cônjuges. Comunhão Universal de Bens: é o regime em que são reunidos todos os bens dos cônjuges. Todos os bens que existiam antes do casamento e os que serão adquiridos durante ele formam um todo pertencente ao casal. Comunhão Parcial dos Bens: é o regime em que somente os bens adquiridos durante o casamento serão divididos entre os cônjuges. Os bens recebidos por herança ou doação não são divididos. Separação dos Bens: é o regime em que os bens de cada cônjuge serão apenas dele e não do outro, ainda que adquiridos durante o casamento. Em certas circunstâncias a lei obriga a adoção desse regime. Participação Final nos Aqüestos: é um regime misto. Durante o casamento aplicam-se as regras da separação, mas terminado o casamento a partilha dos bens do casal será realizada segundo as regras da comunhão parcial, igualando-se os lucros conquistados e as dívidas adquiridas. 8

6 12. Qual será o regime de bens caso o casal não estabeleça nada a respeito? A lei prevê que será o da comunhão parcial de bens. No entanto, se os noivos quiserem escolher um outro regime deverão fazer um pacto antenupcial, que é um contrato elaborado antes do casamento, mediante escritura pública, no cartório, e só terá validade se o casamento ocorrer. 13. O regime de bens pode ser mudado durante o casamento? Sim, desde que haja acordo entre os cônjuges, justificativa e ausência de prejuízos a outras pessoas, dependendo, sempre, de decisão do Juiz. 9

7 DIVÓRCIO 1. O que é o divórcio? Divórcio é o processo que põe fim ao casamento de forma definitiva. Somente com o divórcio decretado pelo Juiz a pessoa poderá se casar novamente. 2. De que outra forma termina definitivamente o casamento? Com a morte de um dos cônjuges. 3. Depois de divorciadas, se as pessoas quiserem se reconciliar, poderão ser consideradas casadas novamente? Não. O divórcio põe fim ao casamento. Se as pessoas se arrependerem e quiserem voltar, para serem consideradas casadas terão que se casar novamente. 4. E o nome do cônjuge, como fica após a separação ou divórcio? É comum o cônjuge voltar a usar o nome de solteiro, mas poderá manter o nome de casado se: a mudança prejudicar sua identificação, houver diferença entre seu sobrenome e o dos filhos a mudança lhe causar dano grave (por exemplo, 5. Como ocorre a partilha de bens? Conforme o regime de bens adotado no casamento. Os bens podem ser divididos por ocasião do divórcio ou, se as partes quiserem, posteriormente ao divórcio podem requerer em Juízo somente a partilha dos bens. Documentos Necessários para o processo: Certidão de Casamento Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Certidão de nascimento dos filhos menores Documentos dos bens do casal 10

8 DECLARATÓRIA DE UNIÃO ESTÁVEL (CONSENSUAL) 1. O que é união estável? É a convivência pública entre duas pessoas, contínua e duradoura, estabelecida com o objetivo e constituição de família. Assim, quando um casal junta-se para constituir uma família, mesmo não havendo casamento, são considerados conviventes ou companheiros. As pessoas que vivem juntas têm direitos e deveres umas para com as outras e para com os filhos. 2. O que significa constituir família? Constituir família não é somente ter filhos, é muito mais: significa o amor, a união, a partilha, a comunhão e a responsabilidade dos dois. 3. Qual o tempo necessário de convivência para que se caracterize a união estável? Não há tempo mínimo ou máximo para caracterizar uma união estável. O Juiz analisará segundo o caso concreto e a intenção dos conviventes. Documentos Necessários para o processo: Comprovante de Residência. RG e CPF do(a) requerente. Certidão de nascimento dos filhos menores. Declaração de duas testemunhas que saibam da convivência do casal. 11

9 DISSOLUÇÃO DE UNIÃO ESTÁVEL 1. O que poderá servir de prova ao Juiz para demonstrar que ocorreu a união estável? Poderá servir de prova, nesta situação: Cartas enviadas pelo companheiro; Fotos que mostrem o casal juntos; Fotos que mostrem o casal com os filhos; Fotos de aniversário e outras reuniões; Certidão de nascimento dos filhos; Recibos de bens comprados em conjunto; Testemunhas (vizinhos, por exemplo). 2. A quem pertence o patrimônio dos conviventes? Os bens adquiridos durante a união estável pertencem aos dois em partes iguais, salvo se houver contrato escrito entre eles fixando maneira diferente. Os bens adquiridos por compra, doação ou herança antes do início da união continuam a pertencer apenas a quem os comprou ou os recebeu. 3. Como ficam os bens que já existiam antes da união, mas que foram modificados durante a constância do relacionamento? Não haverá divisão do bem que já existia antes da união. No xentanto, há o direito de divisão do valor de todas as construções feitas, seja de uma residência ou mesmo reformas feitas em construções já existentes, ou seja, vigora o sistema da comunhão parcial de bens existente no casamento. 12

10 4. É preciso que o casal que vive junto tenha filhos para que seja reconhecida a união estável? Não existe esta necessidade, mas se o casal já possui filhos registrados pelo pai e pela mãe, fica mais fácil provar a união estável. 5. É preciso que homem e mulher vivam na mesma casa para que seja caracterizada união estável? Não existe esta necessidade, mas a convivência precisa ser conhecida por outras pessoas. Assim, morar junto facilita a comprovação da união estável. Além disso, ela deve ser constante, isto é, é preciso que o casal esteja junto, frequente encontros, festas dos parentes, entre outros eventos, como se casados fossem. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do(a) requerente Documentos dos bens do casal Certidão de nascimento dos filhos menores Declaração de 2 (duas) testemunhas que saibam da convivência do casal. 13

11 AVERIGUAÇÃO DE PATERNIDADE 1. O que é ação de averiguação de paternidade? É um processo judicial com o fim de provar a paternidade biológica. Seu objetivo é que, após a realização do exame de DNA, o Juiz declare que certa pessoa é pai de outra e determine ao Cartório que coloque no registro do filho o nome do pai, mesmo contra a sua vontade. Para tanto é preciso provar a paternidade, sendo a prova mais importante o exame de DNA. 2. Existe o chamado reconhecimento de paternidade. O que é isso? É a inclusão do nome do pai no registro de nascimento do filho, depois da criança já ter sido registrada apenas em nome da sua mãe. 3. De que modo ele pode ser feito? No caso dos filhos menores de 18 anos o próprio pai poderá regularizar a situação se dirigindo a um Cartório, desde que haja a concordância da mãe. Quanto aos filhos maiores de 18 anos, só podem ser reconhecidos pelo pai caso concordem. Para tanto, basta comparecerem a um Cartório de Notas ou no Cartório onde foi feito o primeiro registro de nascimento, para lavrar escritura pública de reconhecimento de filho. 4. E se o pai quiser reconhecer a paternidade e a mãe não deixar? O pai deverá procurar a Defensoria Pública para ingressar com ação declaratória de paternidade. 14

12 5. E se o pai não quiser registrar o filho, como fazer para que ele reconheça a paternidade? Somente o Juiz poderá determinar, por sentença, que o Cartório faça o registro em nome de determinada pessoa. Assim, caso o pai não registre seu filho, este, representado pela mãe (caso seja menor de 18 anos), deverá procurar a Defensoria Pública e ingressar com ação de averiguação de paternidade. 6. Se o filho não for registrado, pode pedir pensão? A certidão de nascimento é o documento que prova que se é filho. Se a pessoa não é registrada e precisa de pensão, deve provar que é filho. Hoje, a comprovação da paternidade é realizada através do exame de DNA. Comprovada a paternidade, o pai deverá registrar o filho em seu nome e pagar a pensão. Portanto, quanto mais cedo for ajuizada a ação de averiguação da paternidade, logo terá a criança direito à pensão alimentícia. 7. Quanto custa o exame de DNA? Onde posso fazer? O exame é feito por laboratório conveniado com o Tribunal de Justiça. A coleta do material genético (sangue/saliva) é feita em uma audiência, na qual devem comparecer a mãe, o filho e o suposto pai. O exame custa R$ 280,00 e deve ser pago à vista na data da audiência. Não existem exames gratuitos oferecidos pelo Estado. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Certidão de nascimento do(s) filho(s Declaração de nascido vivo 15

13 ALIMENTOS 1. O que é pensão alimentícia? A pensão alimentícia consiste no pagamento mensal de valor suficiente para atender a necessidade de alimentação, escola, roupas, tratamento de saúde, medicamentos etc. 2. Quem deve pagar e quem tem direito a receber pensão alimentícia? Os pais devem pensão aos filhos menores, quando da separação do casal. Importante dizer que, tanto o homem quanto a mulher são responsáveis pelo sustento e cuidado para com os filhos. Esta obrigação não termina quando o casal se separa. A pensão também é devida ao ex-marido ou ex-mulher quando um deles não tem condições de se sustentar por meios próprios. 3. Qual o valor desta pensão? Quando o Juiz determina o valor, ele leva em consideração não só a necessidade de quem irá receber a pensão, mas também as condições de quem irá pagar. Assim, é preciso saber quais são as despesas necessárias para o sustento de quem vai receber a pensão e a renda de quem vai pagá-la. 4. Só a pessoa casada é que pode pedir pensão para o filho? Não, a nossa lei não faz diferença entre filho nascido durante o casamento ou fora dele. Filho é filho, e como tal, tem direito à pensão. 16

14 .5. E no caso do casal somente morar junto, sem ter casado, pode algum dos companheiros pedir pensão para o outro companheiro quando se separarem? Sim, mesmo sem ter casado no papel, o ex-companheiro ou excompanheira poderá pedir pensão se tiver necessidade dela para sobreviver. Documentos necessários para o processo: Certidão de Nascimento dos filhos Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Certidão de casamento (somente em caso de alimentos para a mulher) REVISÃO DE ALIMENTOS 1. O valor da pensão pode ser modificado? Sim, havendo mudanças na vida de quem paga, por exemplo, se ela perde o emprego ou tem seu salário diminuído. Da mesma forma, quando houver mudanças na vida de quem recebe pensão, como, por exemplo, gastos com remédios caros em decorrência de doença, pode ser solicitada a revisão do valor da pensão. 2. Se a pessoa não esta conseguindo pagar a pensão, pois seu salário diminuiu ou nasceram mais filhos, o que pode fazer? Após o Juiz ter fixado o valor da pensão, qualquer alteração na vida ou no salário do alimentante deve ser informada, para que possa ser mudado o valor da pensão. Se a situação financeira alterou, o Defensor Público deverá entrar com ação revisional de alimentos. Documentos necessários para o processo: Certidão de Nascimento dos filhos Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Cópia da sentença na qual foram fixados os alimentos. 17

15 EXECUÇÃO DE ALIMENTOS 1. O responsável parou de pagar pensão. O que fazer? Deve-se procurar a Defensoria Pública para cobrar a pensão devida. O juiz manda notificar o devedor para pagar em 3 dias. Caso não pague ou deixe de justificar a razão de não poder pagar, pode ter sua prisão decretada ou ter bens penhorados e vendidos para o pagamento. 2. Se a pessoa for presa, ela fica perdoada da dívida? Não. Mesmo com a prisão o(a) devedor continua obrigado(a) a pagar a pensão dos meses cobrados. Documentos necessários para o processo: Certidão de Nascimento dos filhos Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Cópia da sentença na qual foram fixados os alimentos. Número do CPF do devedor EXONERAÇÃO DE ALIMENTOS 1. Até quando dura a obrigação de pagar pensão para o filho? A princípio até o filho se tornar maior de idade, aos 18 anos. Após a maioridade, a pensão será devida quando a pessoa interessada demonstrar ao Juiz que tem necessidade de continuar recebendo pensão, como ocorre no caso do filho que está estudando e não tem condição de trabalhar e se sustentar. 2. Se o alimentando tornar-se maior ou casar-se, o que pode fazer o alimentante? É necessário, por meio da Defensoria, solicitar ao Juiz que seja desobrigado de pagar a pensão. Isso pode ser pedido no próprio processo onde a pensão foi fixada, ou em outro específico chamado de ação de exoneração de alimentos. 18

16 3. Em que casos o ex-marido ou a ex-mulher não precisam mais pagar pensão? Quando quem recebe passa a viver com outra pessoa ou se casa, ou quando pode se sustentar sozinho, não necessitando da pensão. Documentos necessários para o processo: Certidão de Nascimento dos filhos Comprovante de Residência RG e CPF do(a) autor(a) Certidão de casamento do ex- cônjuge ( se for o caso) 19

17 GUARDA E REGULAMENTAÇÃO DE VISITAS 1. O que é Poder Familiar? É o conjunto de direitos e obrigações dos pais em relação aos filhos menores, independentemente dos pais serem casados ou não. Podem também exercer este poder os responsáveis legais pelos menores quando os pais se encontram impossibilitados por morte, ausência temporária ou pela perda deste poder. 2. O que significa ter a guarda do filho? E quem a determina? Significa ter a obrigação de manter o filho em sua companhia, dandolhe os cuidados necessários de acordo com sua idade e se responsabilizando por seus atos. Em caso de separação, se os pais não entrarem em acordo, quem decidirá a guarda será o Juiz sempre analisando o que for melhor para a criança. Porém, se ambos concordarem, a escolha da guarda será deles. 3. Como se decide com quem ficará a guarda? O Juiz analisará quem tem as melhores condições para a criação, não significando que aquele que tem a melhor condição financeira permanecerá com a guarda, mas sim quem atender melhor as necessidades do menor, dando-lhe atenção, amor, carinho e estiver mais preocupado com seu crescimento e bem-estar. 4. O que é direito de visitas e como é regulamentado? É o direito daquele que não tem a guarda do filho. Havendo acordo entre os pais as visitas serão estabelecidas por eles, da forma que acharem melhor. Caso não haja acordo, o Juiz decidirá em quais dias e horários as visitas serão realizadas. 20

18 5. Quem tem a guarda pode impedir que o outro veja o filho, caso não esteja pagando a pensão alimentícia? Não. As visitas não podem ser condicionadas, porque o direito de visitas independe do pagamento da pensão alimentícia e é importantíssimo para a criança. Aliás, impedir o exercício do direito de visitas pode configurar crime. 6. A guarda ou o regime de visitas pode ser modificado após decisão judicial? Sim, tanto por acordo entre os pais, quanto pelo Juiz, quando a outra parte passou a oferecer algum tipo de prejuízo ou risco ao menor. Neste último caso, em se tratando de guarda, poderá aquele que não possui a guarda ingressar com ação de busca e apreensão do menor, devendo comprovar o descaso ou maus tratos sofridos pela criança. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do requerente Certidão de Nascimento dos filhos 21

19 INTERDIÇÃO 1. O que é interdição? É a medida judicial pela qual a autoridade priva a pessoa (maior de idade) sem discernimento/incapaz de gerir seus próprios bens e de praticar atos da vida civil, nomeando-lhe curador. 2. Quem pode ser interditado? O deficiente mental, o ébrio habitual (embriaguez com freqüência), o viciado em tóxicos, o excepcional com insuficiência mental ou o pródigo (aquele que gasta imoderadamente seu dinheiro e seus bens, comprometendo o seu patrimônio). 3. Quem pode ser curador? Geralmente, o cônjuge, o pai, a mãe ou um parente próximo. O curador, que deverá ser pessoa idônea, passará a gerir os bens do interdito. 4. Se a pessoa melhorar e não mais precisar do Curador, o que fazer? Deve-se procurar a Defensoria Pública, solicitando ao Juiz o levantamento da Interdição. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do requerente Laudo médico acerca da doença RG e CPF do interdito 22

20 BUSCA E APREENSÃO 1. O que fazer quando aquele que não tem a guarda leva a criança e se recusa a devolvê-la no dia e hora marcados? Deverá procurar a Defensoria Pública para ajuizar a ação de busca e apreensão de menor, indicando-se testemunhas que tenham presenciado a recusa na entrega do filho, assim como o exato local onde ele se encontra. 2. Como é feita a devolução da criança? O Juiz poderá conceder liminar autorizando um oficial de justiça a ir buscá-lo, onde quer que ele esteja. Por ser medida urgente não se deve deixar passar muitos dias da recusa em devolver a criança. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do requerente Certidão de Nascimento do menor Termo de guarda 23

21 TUTELA 1. O que é Tutela? É o poder familiar exercido por terceiro sobre o menor, nos casos em que o pai e a mãe perderam tal poder ou, ainda, no caso de morte dos dois. 2. Quem pode ser tutor? Pode assumir a Tutela qualquer parente da criança ou adolescente. Em caso de não haver parentes ou destes serem desconhecidos, poderá ser tutor uma pessoa próxima, desde que seja idônea, não tenha causas que venham contra os interesses do tutelado, e que esteja disposta a zelar pelo mesmo. 3. Quais são os deveres do tutor? Cabe ao tutor reger a vida da criança ou adolescente, protegê-lo quando necessário, velar por ele e administrar-lhe os bens. Deve defendê-lo, prover alimentação, saúde e educação de acordo com seus recursos e condições. 4. E se o tutor vier a falecer? O fato deve ser informado imediatamente e solicitada a substituição do falecido por outra pessoa, junto à Defensoria Pública. A comunicação e substituição são necessárias para dar continuidade à administração dos bens, recebimento de pensão ou rendas etc. Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do requerente Certidão de Nascimento do menor Certidão de óbito dos pais do menor 24

22 ALVARÁ JUDICIAL 1. O que é alvará? É a medida judicial pela qual a autoridade concede autorização para levantamento de valores retidos. 2. O que é possível levantar através de alvará judicial? Os valores devidos pelos empregadores aos empregados e os montantes das contas individuais do FGTS e do PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares. Serve também para levantamento do percentual de alimentos na Rescisão Contratual e no FGTS do alimentante. 3. Como é feito o pagamento? A quem se destina? Os valores serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, independentemente de inventário ou arrolamento. Também pode requerer alvará o alimentando nos casos referentes ao percentual de alimentos. 25

23 Documentos necessários para abrir o processo: Comprovante de Residência RG e CPF do requerente Documento relativo ao valor a ser levantado (extrato de FGTS, PIS/PASEP, rescisão contratual, seguro de vida). Acordo ou sentença onde consta o percentual de alimentos. Se for pessoa falecida, trazer também: Certidão de óbito Certidão de casamento (se requerente for cônjuge). Declaração de União Estável (se requerente for companheiro(a). Certidão de dependentes do INSS, se for o caso. 26

24 INVENTÁRIO E ARROLAMENTO DE BENS 1. O que é inventário e partilha? É a forma processual em que os bens do falecido passam para o seus sucessores (herdeiros - legatários etc.), e a partilha é a forma processual legal para definir os limites da herança que caberá a cada um dos herdeiros e legatários. Resume-se na divisão dos bens e direitos deixados pelo falecido. 2. Quem são os herdeiros? Herdeiros necessários são os descendentes e ascendentes que obrigatoriamente têm direito à sucessão, e mais, são detentores da metade da herança chamada de legítima. 3. Quem não é parente pode herdar bens? O dono da herança pode deixar bens para quem quiser, parentes ou não, mas, se possuir descendentes ou ascendentes vivos, não poderá deixar mais que 50%, porque estes 50% se constituem na legítima, que é uma parte indisponível da herança. 4. O que é o arrolamento? O arrolamento é um procedimento simplificado do inventário e partilha. É admissível quando os herdeiros optam pela partilha amigável (arrolamento sumário). Documentos necessários para o processo: Comprovante de Residência RG e CPF dos requerentes Certidão de óbito Documentos do bens do falecido 27

25 PRÊMIO INNOVARE Edição VI 2009 Pela implantação do processo eletrônico e automatizado na 9ª Vara de Família e Sucessões da comarca de Manaus Roberto Santos Taketomi Categoria: Juiz individual

26 EXPEDIENTE 9ª Vara de Família e Sucessões: Acesso fácil, rápido e eficiente ao Poder Judiciário em busca de soluções aos conflitos de Família. Idealização Roberto Santos Taketomi Edição e Revisão Lara Simone Chaves dos Santos Nayara de Lima Moreira Concepção Gráfica Daniel Brazão Assis de Oliveira Apoio Defensoria Pública do Estado do Amazonas José Ricardo Vieira Trindade Ariosto Lopes Braga Neto DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Manaus, AM Cartilha de autoria do Dr. Roberto Taketomi, gentilmente cedida à Defensoria Pública do Estado para publicação e distribuição.

27 A Guardiã dos Direito da Cidadania DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO AMAZONAS - SEDE Rua: Maceió, nº Nossa Senhora das Graças CEP: Manaus - Amazonas Fones: (92) (92) Site: 2011

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL

3. SERVIÇOS ATENDIMENTO JURISDICIONAL ATENDIMENTO JURISDICIONAL DOCUMENTOS PARA O ATENDIMENTO Documento de identificação pessoal (identidade ou certidão de nascimento) Certidão de casamento (se for casado) CPF Comprovante de renda de até 3

Leia mais

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO

DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO DIVÓRCIO CONSENSUAL OU DIVÓRCIO LITIGIOSO Xerox da certidão de casamento; Xerox da carteira de identidade e do CPF do autor (aquele que está procurando a Defensoria Pública) (No caso de Divórcio Consensual,

Leia mais

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões.

Nele também são averbados atos como o reconhecimento de paternidade, a separação, o divórcio, entre outros, além de serem expedidas certidões. No Cartório de Registro Civil das Pessoas Naturais são regis- trados os atos mais importantes da vida de uma pessoa, como o nascimento, o casamento e o óbito, além da emancipação, da interdição, da ausência

Leia mais

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA

CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA CARTILHA JUSTIÇA E FAMÍLIA Orientação aos acadêmicos que atuarão em ações comunitárias relacionadas ao Direito da Família. Em caso de dúvida sobre a orientação jurídica e ser repassada, o aluno deverá

Leia mais

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros)

TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) TODAS AS INFORMAÇÕES SÃO EXTREMAMENTE IMPORTANTES!!! CASAMENTO CIVIL (Brasileiros) PREENCHER O FORMULÁRIO - MEMORIAL - DE CASAMENTO (MODELOS NAS FL 4, 5 E 6), ASSINAR E RECONHECER FIRMA DAS ASSINATURAS

Leia mais

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394

16.7.1 Execução de alimentos. Prisão do devedor, 394 1 Introdução ao Direito de Família, 1 1.1 Compreensão, 1 1.2 Lineamentos históricos, 3 1.3 Família moderna. Novos fenômenos sociais, 5 1.4 Natureza jurídica da família, 7 1.5 Direito de família, 9 1.5.1

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO 1. AÇÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA

DOCUMENTAÇÃO 1. AÇÃO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA A Faculdade de Ensino Superior de Floriano - FAESF trabalhando para você ter Direito e Cidadania traz a JUSTIÇA ITINERANTE para Floriano e região, em convênio com o Tribunal de Justiça e a Defensoria Pública.

Leia mais

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO ORIENTAÇÕES DIREITO CIVIL ORIENTAÇÕES CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO IGUALDADE ENTRE SEXOS - Em conformidade com a Constituição Federal de 1988, ao estabelecer que "homens e mulheres são iguais em direitos e

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009

OAB 139º - 1ª Fase Regular Modulo II Disciplina: Direito Civil Professor João Aguirre Data: 24/07/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA 9ª Aula: Sucessão SUCESSÃO 1. Tipos 1.1. Sucessão Legítima: surgiu pela lei (legislador deu a lei) 1.2. Sucessão Testamentária: Surgiu o testamento Em regra vale a legítima quando

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Estatuto das Familias

Estatuto das Familias Estatuto das Familias Princípios: a dignidade da pessoa humana, a solidariedade familiar, a igualdade de gêneros, de filhos e das entidades familiares, a convivência familiar, o melhor interesse da criança

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Regime de Bens no Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Regime de Bens no Casamento Regime de Bens no Casamento Regime de bens é o conjunto de determinações legais ou convencionais, obrigatórios e alteráveis, que regem as relações patrimoniais entre o casal,

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Casamento. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Casamento Casamento É a união permanente entre o homem e a mulher, de acordo com a lei, a fim de se reproduzirem, de se ajudarem mutuamente e de criarem os seus filhos. Washington de Barros Monteiro Capacidade

Leia mais

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório.

O oficial deve declarar no registro o número da DNV e arquivar essa via no cartório. Registro Civil das Pessoas Naturais temas práticos parte 2 Temas práticos de registro civil das pessoas naturais Priscila de Paula, registradora civil em Cajamar Vamos tratar de alguns aspectos relacionados

Leia mais

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade

6Estabilidade. 7Justiça. 8Independência. 9Confidencialidade Fazer um testamento público 1Harmonia O testamento evita brigas de família e disputas patrimoniais entre os herdeiros acerca dos bens deixados pelo falecido. 2Tranquilidade O testamento pode ser utilizado

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL 76 A UNIÃO ESTÁVEL NO NOVO CÓDIGO CIVIL CLAUDIA NASCIMENTO VIEIRA¹ O artigo 226 da Constituição Federal equiparou a união estável entre homem e mulher ao casamento, dispondo em seu parágrafo 3º que é reconhecida

Leia mais

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1.

DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. DOCUMENTOS QUE DEVEM SER APRESENTADOS NO MOMENTO DA COMPROVAÇÃO DE INFORMAÇÕES PELO CANDIDATO OU MEMBRO DO GRUPO FAMILIAR 1. A documentação deve estar completa e ser apresentada na ordem descrita abaixo.

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO

GUIA DE FUNCIONAMENTO GUIA DE FUNCIONAMENTO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RUI BARBOSA - FASETE EQUIPE NPJ ADV. CARLOS HENRIQUE BRANDÃO GOMES OAB/BA 44.165 COORDENADOR GERAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RUI BARBOSA FASETE ADV.

Leia mais

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA

INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA INTERDIÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA TUTELA O que é tutela? É um encargo atribuído pelo Juiz a uma pessoa que seja capaz de proteger, zelar, guardar, orientar, responsabilizar-se

Leia mais

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde

3 Benefícios. 3.1 Plano de Saúde 3 Benefícios O Processo de Benefícios atua como agente visando minimizar as situações problemas existentes na relação homem-trabalho, através de orientações e esclarecimentos aos empregados sobre os benefícios

Leia mais

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal

Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Capítulo 3 Da dissolução da sociedade e do vínculo conjugal Leia a lei: arts. 1.571 a 1.582 CC. Como se trata de uma relação de base contratual, o casamento

Leia mais

TRIBUTAÇÃO - DEDUÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

TRIBUTAÇÃO - DEDUÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE TRIBUTAÇÃO - DEDUÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE Conceito Toda pessoa física titular de remuneração ou proventos de qualquer natureza é contribuinte do imposto de renda, sendo o mesmo devido na

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE No ato de entrega dos documentos o candidato deve apresentar os originais e as cópias para conferência. 1.Documentos Diversos a) Cópia de documento de identificação (ou certidão de nascimento, quando menor

Leia mais

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a);

Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Solicitação de Pensão Previdenciária por morte do(a) Associado(a); Quem são os dependentes: Cônjuge, companheiro(a), filhos menores de 21 anos, não emancipados ou inválidos e filhos até 24 anos cursando

Leia mais

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico

Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Destituição de Síndico NOVO CÓDIGO CIVIL Clique com o mouse sobre o livro escolhido (continua na página seguinte) Adoção do Nome Casamento Gratuito Adultério Casamento Religioso Autenticação Condômino Anti-Social Casamento Contratos

Leia mais

Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular

Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular Sinistro de Morte Natural do Segurado Titular Os documentos desta lista marcados com (*) não se aplicam a seguros individuais ou contratados pelo próprio segurado titular, mas somente a seguros corporativos,

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL

CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL 7PENSÃO CARTA DE SERVIÇOS AO SERVIDOR POLÍCIA FEDERAL CARTA DE SERVIÇOS A Carta de Serviços é uma ferramenta de gestão criada pelo Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública. A

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação)

DEFENSORIA PÚBLICA E PROCURADORIAS NOTURNO Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO. SUMÁRIO (continuação) Direito Civil Professor Murilo Sechieri Data: 02/10/2012 Aula 07 RESUMO SUMÁRIO (continuação) I. DIREITO DE FAMÍLIA 5. FILIAÇÃO 5.2. Tipos de reconhecimento 5.3. Ação investigatória de paternidade 5.3.1.

Leia mais

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo:

O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples ou originais de todo o grupo familiar os documentos abaixo: LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado;

DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA. Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; DOCUMENTOS DO VENDEDOR PESSOA FÍSICA Cópia da Carteira de Identidade com o nome correto, conforme comprovante de estado civil atualizado; Nota: caso o proponente for casado(a), enviar também os documentos/certidões

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA MUNICIPAL DE GOV. VALADARES Departamento de Benefícios DIREITOS PREVIDENCIÁRIOS DO SERVIDOR PÚBLICO O RPPS é estabelecido por lei elaborada em cada um dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal, e se destina exclusivamente aos servidores públicos titulares

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento.

PONTO 1: Sucessões. SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. 1 DIREITO CIVIL DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões SUCESSÃO LEGÍTIMA SUCESSÃO TESTAMENTÁRIA art. 1845 do CC. A dispensa tem que ser no ato da liberalidade ou no testamento. Colação não significa devolução

Leia mais

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO

CHECKLIST DETALHADO PARA AQUISIÇÃO DE IMÓVEL PESSOA JURÍDICA 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE DE CRÉDITO Após a aprovação do crédito e a avaliação do imóvel, retorne à sua Agência com a relação completa dos documentos descritos nos itens abaixo, para a efetivação de seu financiamento. 1. DOCUMENTOS DE ANÁLISE

Leia mais

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana

Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana Modular Direito de Família Disposições Gerais Sobre o Casamento Incapacidade e Impedimento Causas Suspensivas Fernando Viana 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Leia mais

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007

Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 Simpósio sobre a Aplicabilidade da Lei 11.441, de 04.01.2007 (Escrituras de Inventário, Separação e Divórcio) Antonio Carlos Parreira Juiz de Direito da Vara de Família e Sucessões de Varginha MG Art.

Leia mais

Cartilha da Cidadania

Cartilha da Cidadania Cartilha da Cidadania Fórum Permanente de Educação e Segurança Pública Ministério Público do Estado de São Paulo www.camaraatibaia.sp.gov.br de e Índice Casamento 03 Separação e Divórcio 08 UniãoEstável

Leia mais

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS

DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS DIREITO CIVIL DIREITO DE FAMÍLIA PROF. FLÁVIO MONTEIRO DE BARROS MÓDULO I Conceito de família; Conteúdo e Conceito do Direito de Família; Natureza da Divisão; Divisão da matéria; Eficácia horizontal dos

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA.

LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. LISTA DE DOCUMENTOS RELAÇÃO DE DOCUMENTOS QUE DEVERÃO SER APRESENTADOS PELO REQUERENTE JUNTAMENTE COM A FICHA PREENCHIDA E ASSINADA. O Responsável Financeiro deverá entregar cópias autenticadas/ simples

Leia mais

N e w s l e t t e r AAPS

N e w s l e t t e r AAPS Caros Associados, A AAPS interessada nos temas que possam ser de utilidade aos associados, tem participado em eventos sobre o assunto em questão. No contexto das atividades desenvolvidas pelo GEPS (Grupo

Leia mais

Mariângela Sarrubbo Subprocuradora Geral do Estado Área da Assistência Judiciária. Direitos da Família 2

Mariângela Sarrubbo Subprocuradora Geral do Estado Área da Assistência Judiciária. Direitos da Família 2 A área da Assistência Judiciária, da Procuradoria Geral do Estado de São Paulo, registrou no primeiro semestre de 2005 mais de 330 mil atendimentos. Somente na Capital, foram atendidas mais de 100 mil

Leia mais

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO

CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL SEXO CARTILHA UNIÃO ESTÁVEL DE CASAIS DO MESMO SEXO Prefácio: A recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), reconhecendo a união de casais do mesmo sexo e ofertando a esses o mesmo grau de legalidade

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIOS PARA ENTREVISTA DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO Cópia da identidade Cópia CPF Comprovante de ensino médio (histórico original e cópia) Se cursou todo ou parte do ensino médio na rede

Leia mais

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010

Regime de bens no casamento. 14/dez/2010 1 Registro Civil Registro de Pessoas Jurídicas Registro de Títulos e Documentos Regime de bens no casamento 14/dez/2010 Noções gerais, administração e disponibilidade de bens, pacto antenupcial, regime

Leia mais

Perguntas mais frequentes

Perguntas mais frequentes Perguntas mais frequentes 01. Quando começo a pagar o condomínio? Caso adquira o imóvel durante a construção, o pagamento do condomínio começa após a primeira reunião de instalação do condomínio, que é

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade DOCUMENTAÇÃO QUE DEVE SER APRESENTADA PELO CANDIDATO E MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR NO MOMENTO DA

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR.

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR. RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE DADOS DO CANDIDATO, DO FIADOR E DOS MEMBROS DO GRUPO FAMILIAR. Documentos de Identificação: - Carteira de Identidade ou Carteira Nacional de Habilitação, no prazo

Leia mais

FICHA CADASTRAL. Empreendimento: Box: Imobiliária: Gerente: Corretor: CÓDIGO: FCO 001.05 ELABORAÇÃO: CLARISSE XAVIER APROVAÇÃO: JULIANO MELNICK

FICHA CADASTRAL. Empreendimento: Box: Imobiliária: Gerente: Corretor: CÓDIGO: FCO 001.05 ELABORAÇÃO: CLARISSE XAVIER APROVAÇÃO: JULIANO MELNICK FICHA CADASTRAL Empreendimento: Torre: Imobiliária: Gerente: Corretor: Unidade: Box: PÁGINA: 01 de 06 PROPONENTE - 1º Comprador (Se pessoa jurídica, dados do representante da empresa) Data de Pagamento:

Leia mais

LISTA DE DOCUMENTOS PARA OS CANDIDATOS A ASSISTÊNCIA SOCIAL EDUCACIONAL (BOLSA DE ESTUDO) 2013.2

LISTA DE DOCUMENTOS PARA OS CANDIDATOS A ASSISTÊNCIA SOCIAL EDUCACIONAL (BOLSA DE ESTUDO) 2013.2 LISTA DE DOCUMENTOS PARA OS CANDIDATOS A ASSISTÊNCIA SOCIAL EDUCACIONAL (BOLSA DE ESTUDO) 2013.2 Documentos Pessoais e do Grupo Familiar: ( )Uma foto atual 3x4 do aluno; ( )Cópia do comprovante de residência

Leia mais

Todos a favor da agilidade

Todos a favor da agilidade Todos a favor da agilidade Você sabia que agora os inventários, partilhas, separações e divórcios podem ser feitos no cartório? Pois é! Agora os cidadãos tiveram suas vidas facilitadas! Esses atos podem

Leia mais

Caro aluno preencha TODO o formulário e APRESENTE A DOCUMENTAÇÃO solicitada, para que não haja prejuízo na avaliação de seu pedido.

Caro aluno preencha TODO o formulário e APRESENTE A DOCUMENTAÇÃO solicitada, para que não haja prejuízo na avaliação de seu pedido. FOTO 3X4 CAMPUS SOUSA COORDENAÇÃO GERAL DE ASSISTÊNCIA AO EDUCANDO/SERVIÇO SOCIAL QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO Caro aluno preencha TODO o formulário e APRESENTE A DOCUMENTAÇÃO solicitada, para que não haja

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial PARA INSCRIÇÃO/REINGRESSO NO PLANO GEAPEssencial TITULARES Co-patrocinado - Ativo, Inativo ou no exercício de função comissionada. Autopatrocinado - Aposentado pelo Regime Geral de Previdência Social (CLT)

Leia mais

Inventário e Partilha

Inventário e Partilha 108 Inventário e Partilha Flávia de Azevedo Faria Rezende Chagas 1 O palestrante, Dr. Sérgio Ricardo de Arruda Fernandes, iniciou sua explanação abordando a abertura da via extrajudicial, prevista na Resolução

Leia mais

Aqui você vai encontrar esclarecimentos importantes a respeito de seus direitos.

Aqui você vai encontrar esclarecimentos importantes a respeito de seus direitos. ESTIMADO MORADOR, SAUDAÇÕES! ESTA É A CARTILHA QUE A CDHU PREPAROU PARA FALAR DO IMÓVEL QUE VOCÊ ESTÁ ADQUIRINDO, COM INFORMAÇÕES SOBRE O SEU CONTRATO COM A CDHU. Aqui você vai encontrar esclarecimentos

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO

DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO DOCUMENTAÇÃO DO CANDIDATO Cópia da identidade Cópia CPF Comprovante de ensino médio (histórico original e cópia) Se cursou todo ou parte do ensino médio na rede privada, apresentar documento fornecido

Leia mais

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA

DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA DOS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO PROCESSO DE SELEÇÃO E MATRÍCULA A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato(a) ou pelo(a) pai, mãe e/ou responsável legal e, apresentada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO

ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGULAMENTO DO ESTATUTO TÍTULO I DOS ASSOCIADOS Art.1º. Os associados distribuem-se pelas seguintes categorias: I - fundadores:

Leia mais

ANEXO I GRAUS DE DEPENDÊNCIA

ANEXO I GRAUS DE DEPENDÊNCIA ANEXO I GRAUS DE DEPENDÊNCIA Código Descrição 1 Cônjuge Feminino 34 Cônjuge Masculino 7 Companheiro(a)/ Convivente 30 Ex-Cônjuge Feminino com Pensão Alimentícia 3 Filho(a) Solteiro(a) 17 Enteado(a) Solteiro(a)

Leia mais

Desejo requerer o Benefício de Prestação Continuada na(s) seguinte(s) opção(ões):

Desejo requerer o Benefício de Prestação Continuada na(s) seguinte(s) opção(ões): Nome do(a) Participante DADOS DO(A) PARTICIPANTE Matrícula Data de Nascimento CPF Telefone ( ) Conta bancária para recebimento do benefício Nº da Agência Código de Operação Nº da Conta - DV Endereço do(a)

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

2. O que é ser cidadão? Ser cidadão é possuir as qualidades realçadas na questão anterior.

2. O que é ser cidadão? Ser cidadão é possuir as qualidades realçadas na questão anterior. ADID DA CIDADANIA 1. O que é cidadania? A cidadania constitui um dos princípios fundamentais do estado Democrático. Significa o estado de quem ostenta direitos e obrigações, resguardando a sua dignidade,

Leia mais

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO CIVIL VI Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito 111111111111111111111111111111111111111

Leia mais

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014

Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Decreto Nº 46.651, de 21 DE NOVEMBRO de 2014 Dispõe sobre os critérios para inscrição de beneficiários no Instituto de Previdência dos Servidores Militares do Estado de Minas Gerais e dá outras providências.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SETOR JURÍDICO DA ASSEMP

REGIMENTO INTERNO DO SETOR JURÍDICO DA ASSEMP REGIMENTO INTERNO DO DA ASSEMP O Setor Jurídico da ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE, doravante denominado Jurídico-ASSEMP, será regido de acordo com este regimento e

Leia mais

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto.

idade da mãe na ocasião do parto Idade, em anos completos, da mãe na ocasião do parto. Glossário A pesquisa abrange os assentamentos de nascidos vivos, casamentos, óbitos e óbitos fetais informados pelos Cartórios de Registro Civil de Pessoas Naturais, e de separações e divórcios declarados

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SGPe Nº 075/2014 Dispõe sobre o reconhecimento e o registro de união estável e sobre o instituto da dependência econômica em relação aos magistrados e servidores do Tribunal Regional

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS P/ HABILITAÇÃO À PENSÃO E AUX. RECLUSÃO (CÓPIA E ORIGINAL)

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS P/ HABILITAÇÃO À PENSÃO E AUX. RECLUSÃO (CÓPIA E ORIGINAL) RELAÇÃO DE DOCUMENTOS P/ HABILITAÇÃO À PENSÃO E AUX. RECLUSÃO (CÓPIA E ORIGINAL) 1 VIÚVA (O) E FILHOS MENORES DE 18 ANOS: ( ) Requerimento do IPERN preenchido e assinado na presença do atendente; ( ) Certidão

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte

PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE. Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte PROCEDIMENTO PARA OBTENÇÃO DE PASSAPORTE Siga os seguintes passos para retirar seu Passaporte Verifique a documentação necessária. Atenção: Não há renovação nem prorrogação de passaporte, se o seu está

Leia mais

TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004. Considerando o que consta do processo TRT nº 9791/2004, e

TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004. Considerando o que consta do processo TRT nº 9791/2004, e TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA Nº 23/2004 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA DÉCIMA NONA REGIÃO, na sessão administrativa realizada nesta data, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Poder Judiciário Conselho Nacional de Justiça PROVIMENTO Nº 37 Dispõe sobre o registro de união estável, no Livro "E", por Oficial de Registro Civil das Pessoas Naturais. O CORREGEDOR NACIONAL DE JUSTIÇA

Leia mais

INTERDIÇÃO PARCIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA

INTERDIÇÃO PARCIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA INTERDIÇÃO PARCIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL TUTELA E CURATELA É importante compreender sobre a interdição da pessoa com deficiência intelectual? Sim porque a pessoa com deficiência intelectual

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011

DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 DJe de 29/09/2011 (cópia sem assinatura digital) DIREÇÃO DO FORO DA COMARCA DE BELO HORIZONTE PORTARIA N 001/2011 Esclarece quanto ao procedimento de ajuizamento da ação de adoção, diretamente pelos requerentes

Leia mais

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão

Morada Código Postal - Localidade. N.º Identificação Bancária talão comprovativo) Banco Balcão PRESTAÇÕES DE ENCARGOS FAMILIARES REEMBOLSO DE DESPESAS DE FUNERAL REQUERIMENTO DE SUBSÍDIO POR MORTE DESTINADO AOS SERVIÇOS Registo de Entrada Núcleo de Pessoal Docente/Não Docente Registo de Entrada

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1) Quem passará a receber por meio de conta no BRADESCO e quem deverá providenciar a sua formalização? a. Magistrados, bem como, seus pensionistas e cotistas b. Serventuários ativos

Leia mais

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN.

CARTILHA DPVAT. Todo proprietário de veículo é obrigado a pagar anualmente o seguro obrigatório, sob pena de não licenciar o veículo junto ao DETRAN. CARTILHA DPVAT - Apresentação Esta cartilha nasceu da constatação dos Promotores de Justiça, que atuam nas Varas de Delitos de Trânsito e nos Juizados Especiais Criminais, de que grande parte das vítimas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS 1 - O que é Beneficiário Indicado? Qualquer pessoa física indicada pelo Participante conforme definido no regulamento do Plano. 2 - O que

Leia mais

AUXÍLIO FUNERAL E RESTOS DEIXADOS DE RECEBER

AUXÍLIO FUNERAL E RESTOS DEIXADOS DE RECEBER INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 16/2012 AUXÍLIO FUNERAL E RESTOS DEIXADOS DE RECEBER A GERENTE GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, no uso de suas atribuições deliberadas pela Portaria SE Nº 1495, de 01/03/2011,

Leia mais

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE

GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE GUIA PRÁTICO DOENÇA PROFISSIONAL - PRESTAÇÕES POR MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/11 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Doença Profissional Prestações por Morte (N13 v4.07) PROPRIEDADE

Leia mais

ANEXO V DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA A BOLSA SOCIAL

ANEXO V DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA A BOLSA SOCIAL ANEXO V DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA A BOLSA SOCIAL 1. INFORMAÇÕES GERAIS Para participar da entrevista de avaliação socioeconômica é necessário apresentar os documentos abaixo relacionados (com cópia autenticada),

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO BAHIA. Presidente: Des. Mario Alberto Hirs. 1ª Vice Presidente: Des. Eserval Rocha

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO BAHIA. Presidente: Des. Mario Alberto Hirs. 1ª Vice Presidente: Des. Eserval Rocha TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO BAHIA Presidente: Des. Mario Alberto Hirs 1ª Vice Presidente: Des. Eserval Rocha 2º Vice Presidente Desa. Vera Lúcia Freire de Carvalho Corregedor Geral da Justiça Des. Sinésio

Leia mais

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08.

Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV. Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar. Apresentação 10.08. Grupo de Estudos de Empresas Familiares GVlaw/ Direito GV Reflexos Familiares e Sucessórios na Empresa Familiar Apresentação 10.08.10 Luiz Kignel Karime Costalunga F 1 F 2 F 3 F 1 F 2 F 3 F 4 Fundador

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12

Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 Conselho Nacional de Justiça Corregedoria PROVIMENTO Nº 12 O Corregedor Nacional de Justiça, Ministro Gilson Dipp, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que durante as inspeções

Leia mais

EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA

EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA EDITAL Nº 01 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - CMDCA O (A) PRESIDENTE DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE GROAÍRAS-CE CMDCA, no uso da atribuição

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL

ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL ORIENTAÇÕES SOBRE A ATUALIZAÇÃO CADASTRAL DO SERVIDOR MUNICIPAL Apresentação A Prefeitura Municipal de Goiânia realizará a atualização cadastral dos Servidores

Leia mais

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge;

PONTO 1: Sucessões. I descendentes concorrendo com o cônjuge; 1 DIREITO CIVIL PONTO 1: Sucessões CONCORRÊNCIA NO NCC herdeiros. Art. 1829 do CC É a primeira vez que o código enfrenta a concorrência entre I descendentes concorrendo com o cônjuge; Indignidade: art.

Leia mais

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/RETORNO PLANOS: GEAPSAÚDE II, GEAPCLÁSSICO, GEAPESSENCIAL, GEAP-REFERÊNCIA

DOCUMENTOS PARA INSCRIÇÃO/RETORNO PLANOS: GEAPSAÚDE II, GEAPCLÁSSICO, GEAPESSENCIAL, GEAP-REFERÊNCIA TITULARES DOCUMENTOS (ENTREGAR NO RH DA CONVENIADA) Copatrocinado Servidor ou empregado ativo, inativo, incluído na folha de pagamento da patrocinadora/conveniada e o ocupante de cargo em comissão, enquanto

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É um benefício concedido ao servidor, ativo ou inativo,

Leia mais

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ

PROVIMENTO N 001/2003 CGJ PROVIMENTO N 001/2003 CGJ Estabelece normas de serviço acerca dos Procedimentos de Registro de Nascimento, Casamento e Óbito de Brasileiros ocorridos em País Estrangeiro, bem como o traslado das certidões

Leia mais

Orientações sobre Benefícios do INSS

Orientações sobre Benefícios do INSS Orientações sobre Benefícios do INSS A PREFEITURA DE GUARULHOS MANTÉM UM CONVÊNIO COM O INSS AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DE GUARULHOS PARA REQUERIMENTO DOS SEGUINTES BENEFÍCIOS: AUXÍLIO DOENÇA PREVIDENCIÁRIO,

Leia mais