Gerenciamento de Chamadas e de Gatekeeper em Ambiente VoIP Utilizando Objetos da MIB ITU-T H.341 Estendida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Chamadas e de Gatekeeper em Ambiente VoIP Utilizando Objetos da MIB ITU-T H.341 Estendida"

Transcrição

1 Gerenciamento de Chamadas e de Gatekeeper em Ambiente VoIP Utilizando Objetos da MIB ITU-T H.341 Estendida Ana Flávia Marinho de Lima, Francisco Raphael Ribeiro José Neuman de Souza Universidade Federal do Ceará Resumo:. Monitorar as chamadas controladas por um gatekeeper no ambiente de voz sobre IP (VoIP) é de grande importância para se obter informações sobre as mesmas na rede. As informações obtidas serão valiosas para detectar algum problema que poderá surgir em relação às chamadas. A ITU-T padronizou a MIB H.341, que contêm grupos de objetos que proporcionarão o gerenciamento e monitoramento de chamadas VoIP. Este artigo vem propor o desenvolvimento de um agente que implementa a MIB H.341 (RAS e Gatekepeer) para o gerenciamento das chamadas com uso de um gatekeeper no ambiente de voz sobre IP. Palavras-chave: Voz sobre IP, Gatekeeper, Agente, MIB, Gerência. Introdução Voz sobre IP (VoIP) é uma tecnologia que permite a transmissão de voz humana utilizando a Internet como meio de comunicação entre pessoas no mundo inteiro. A grande contribuição que VoIP permite aos usuários é a significativa redução de custo na comunicação de longa distância entre pessoas. Como a localização do usuário é transparente pelo uso da Internet, o custo de uma chamada usando essa tecnologia não é calculado pela distância entre os pontos chamado e chamador. Para as redes de VoIP existem alguns protocolos que são responsáveis pela sinalização das chamadas, sendo eles a recomendação H ITU-T (International Telecommunication Union - Telecom Standardization Sector) [ITU-T H.323], SIP (Session Initiation Protocol) do IETF (Internet Engineering Task Force) [IETF SIP] e a recomendação H do ITU-T [ITU-T H.248.1]. Cada um deles contém sua própria arquitetura e conjunto de entidades que são responsáveis pela sinalização na rede.

2 32 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 O gerenciamento nas redes VoIP também se faz necessário, principalmente por se tratar de uma rede com transmissão em tempo real, característica que deve ser levada em consideração quando o serviço é disponibilizado aos usuários, que estimam tê-lo sempre apto ao uso. A ITU- T padronizou a MIB H.341 [ITU-T H.341], que contém um conjunto de MIBs (Management Information Base) para o gerenciamento nos sistemas multimídia baseados no H.323. Cada uma dessas MIBs contém um conjunto de objetos responsáveis por retornar alguma informação relevante ao módulo implementado. Este artigo apresenta a proposta de desenvolvimento de um agente de gerência para o monitoramento do gatekeeper (entidade H.323 responsável por autorizar ou não uma chamada entre os dispositivos H.323) e chamadas, na rede VoIP da RNP/UFC. Para alcançar esse objetivo, está sendo desenvolvida uma base de informações para esse agente, onde os objetos gerenciados foram especificados pela MIB ITU-T H.341 (RAS e Gatekeeper) e nessa mesma base de informações também está sendo estendido um grupo de objetos que retornam informações (hora, delay, fator R, MOS e número de pacotes perdidos) sobre a qualidade das chamadas. A próxima seção comenta alguns dos trabalhos relacionados à pesquisa realizada para a confecção deste artigo. A seção 3 descreve a sinalização H.323 e os elementos envolvidos na arquitetura. A seção 4 apresenta a proposta de gerenciamento em VoIP, baseado na implementação da MIB ITU-T H.341 estendida. Por fim, a seção 5 apresenta as conclusões e trabalhos futuros. 1 TRABALHOS RELACIONADOS Alguns trabalhos sobre gerenciamento nas redes de voz sobre IP foram desenvolvidos baseados no protocolo de sinalização H.323. [COSTA 2003] realizou todo um levantamento de um ambiente de gerência, analisando as possíveis MIBs a serem implementadas, inclusive a MIB ITU-T H.341, que é um dos objetos do presente artigo. Também, descreveu um modo de operação de tarifação e ainda uma proposta de ferramenta de gerência para as redes VoIP.

3 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, Um estudo sobre duas ferramentas que monitoram a avaliação da qualidade de redes VoIP de forma ativa e passiva foi realizada por [DAVID 2003]. A ferramenta ativa já se encontra implementada e em uso no NCE - Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ. A arquitetura da ferramenta passiva foi descrita em detalhes, de forma a auxiliar no desenvolvimento do módulo ferramenta de coleta do ambiente de gerência do presente trabalho. Uma ferramenta de medição de qualidade de chamada baseada no Modelo E estendido foi desenvolvida por [CARVALHO 2004], onde as informações retornadas sobre a qualidade da fala estão sendo utilizadas para compor um novo grupo de objetos na MIB H PROTOCOLO DE SINALIZAÇÃO H.323 O padrão H.323 provê uma base para comunicação de dados, vídeo e áudio através de redes de pacotes comutados (onde se destaca, particularmente, a tecnologia IP). H.323 é uma recomendação do ITU-T que agrupa padrões para comunicação multimídia sobre redes que não provêem qualidade de serviço (QoS - Quality of Service). O trabalho com o H.323v1 começou em maio de 1995, sendo que essa versão foi aprovada em junho de A versão 2 foi aprovada em fevereiro de 1998 com três anexos: mensagem H.245 usadas pelos pontos finais H.323; procedimentos para codecs de vídeo em camadas, H.323 sobre ATM (Asynchronous Transfer Mode). A versão 3 foi aprovada em setembro de 1999, trazendo três novos anexos: comunicação entre domínios administrativos diversos com o H.225, um novo mecanismo de sinalização de chamadas com base no protocolo UDP; a especificação de um subconjunto do H.323 possível de ser implementado em dispositivos de pequeno porte. O trabalho com o H.323v4 foi concluído em novembro de 2000, trazendo melhorias em aspectos de confiabilidade, escalabilidade e flexibilidade [HERSENT 2002]. O H.323 é uma especificação "guarda-chuva" que descreve de maneira completa a arquitetura e a operação de um sistema de videoconferência sobre uma rede de pacotes. Este protocolo não é específico para o IP: há seções no uso do H.323 sobre IPX/SPX ou ATM. O H.323, por si, apenas provê a concepção de sistema e da forma como sistemas de comunicação

4 34 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 multimídia devem trabalhar. Pelo fato de ser o padrão mais antigo na área, o H.323, particularmente, ainda influencia fortemente na concepção dos sistemas. O padrão define o protocolo de registro, admissão e status (RAS - Resgistration/Admission/Status) para roteamento de chamada, através do protocolo H.225, responsável pelos recursos necessários para preparar chamadas e através do protocolo H.245, que é o responsável pelos mecanismos necessários para troca de capacidades e negociação de recursos. O protocolo de sinalização H.323 é baseado no protocolo Q.931, Integrated Services Digital Network (ISDN), que permite fácil operabilidade com as redes de voz legadas como PSTN (Public Switched Telephone Network) ou SS7 (Signalling System Nº. 7), e isso pode ser visto como uma vantagem do sistema, já que na sua integração com sistemas telefônicos tradicionais fica simplificada - entretanto, a própria complexidade do protocolo impõe limites de escalabilidade que contrapõem essa facilidade. O padrão H.323 especifica um sistema composto por Terminais, Gatekeeper, Unidades de Controle Multiponto (MCU) e Gateway [BALBINOT 2003]. 2.1 Terminais São os clientes ou pontos finais da comunicação. O terminal H.323 equivale a um telefone incrementado com uma série de funcionalidades, que embute obrigatoriamente recursos para a transmissão de áudio e, opcionalmente, pode incluir recursos para a transmissão de vídeo e o compartilhamento de dados. Os terminais são configurados com uma interface de rede e são operados diretamente pelo usuário. Todos os terminais precisam implementar o protocolo H.225, que define um conjunto de mensagens para a sinalização das chamadas (Q.931) e para a comunicação com o gatekeeper (RAS). A sinalização é utilizada para o estabelecimento (setup), término (teardown) e controle de chamadas. Outro protocolo necessário é o H.245, utilizado na sinalização dos canais de mídia, pelos quais são negociadas as capacidades suportadas pelos dois dispositivos H.323 e iniciados os canais lógicos por onde serão transmitidos os fluxos de mídia. O terminal deve dar suporte ainda aos protocolos RTP (Real-Time Transport Protocol) e RTCP (RTP Control Protocol), utilizados para a transmissão da mídia e para o monitoramento da qualidade da chamada, respectivamente, conforme RFC 3550 [IETF RTP].

5 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, Gatekeeper GK Entidade H.323 responsável por manter o registro dos clientes, capaz de encontrar um cliente registrado em outro GK. É o principal elemento na arquitetura H.323. Estabelece quando os dispositivos podem iniciar ou receber chamadas. A arquitetura H.323 utiliza o conceito de zona, como apresenta a Figura 1, que compreende um GK e todos os dispositivos H.323 que este controla. O GK deve prover a todos os dispositivos registrados os serviços de controle de admissão (admission control), tradução de endereços (address translation) e controle de largura de banda (bandwidth control). Qualquer chamada realizada a partir de terminais e gateways deve ser autorizada pelo GK. Quando o destino da chamada é um dispositivo de outra zona, o GK remoto deve ser localizado para que possam ser obtidas informações sobre este dispositivo. Dois métodos podem ser utilizados com este objetivo: para apelidos tipo H.323 ID, deve ser utilizado o serviço DNS, e para endereços E.164, mensagens RAS (LRQ - Location request). Zona local H.323 PBX Gateway RAS Gatekeeper Terminal MCU Figura 1 (descrição da figura-modelo 1) A sinalização de chamadas (H.225), o controle de canais de mídia (H.245) e os próprios canais de mídia (RTP/RTCP) são normalmente estabelecidos diretamente entre o dispositivo que realiza a chamada e o dispositivo chamado, após receber a confirmação do pedido de admissão do gatekeeper [COSTA 2003].

6 36 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, Unidade de Controle de Multiponto MCU Contém função de controle para suporte a conferências entre três ou mais pontos terminais em uma conferência multiponto. O MCU consiste de um Multipoint Controller MC, e de zero ou mais Multipoint Processors MP. O MC manipula a negociação H.245 com todos os dispositivos que participam de uma conferência, identificando as capacidades de áudio e vídeo comum a todos, determinando assim o modo de comunicação a ser adotado. O protocolo H.245 é utilizado ainda para verificar se os dispositivos envolvidos suportam comunicação multicast. Cada conferência estabelecida é associada somente a um MC. Cada dispositivo H.323 estabelece uma sessão bidirecional com o MC. O MP é responsável por converter a mídia para diferentes formatos, por exemplo, de G.711 para G.723.1, ou por combinar o áudio proveniente de várias fontes, transmitindo o fluxo combinado para todos os dispositivos [COSTA 2003]. 2.4 Gateway O gateway realiza funções como a tradução da sinalização utilizada para o estabelecimento e término de chamadas e a conversão do formato da mídia de uma rede para outra. Este dispositivo é tratado na rede H.323 como mais um terminal H.323, implementando os protocolos para a sinalização de chamadas (H.225), sinalização de canais de mídia (H.245) e transmissão da mídia (RTP/RTCP) e chamadas realizadas com outros gateways, terminais ou MCUs. Em redes VoIP, os gateways são configurados com portas de voz para conexão a PBXs e comutadores de telefonia. Várias alternativas de conexão são possíveis, variando conforme o tipo de porta disponível no PBX e no gateway. O uso de dois ou mais gateways permite a realização de chamadas entre ramais de PBXs diferentes, utilizando-se a rede IP como transporte, em substituição à rede de telefonia pública.

7 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, PROPOSTA DE GERENCIAMENTO UTILIZANDO A MIB ITU-T H.341 ESTENDIDA Com a implementação das redes VoIP, surge a necessidade de um gerenciamento para que o serviço apresente uma qualidade que justifique o seu uso. A monitoração do sistema para que falhas que possam ocorrer sejam identificadas e corrigidas rapidamente é importante para manter a disponibilidade do sistema. O gerenciamento em voz sobre IP deve prover os recursos necessários para manter a funcionalidade do serviço com uma qualidade adequada, procurando atender as cinco áreas funcionais de gerenciamento de redes: falhas, contabilidade, desempenho, configuração e segurança, descritas em [STALLINGS 1999]. O monitoramento de falhas é importante para manter a disponibilidade do sistema, que deve estar sempre apto ao uso, principalmente no caso de aplicação como a de voz sobre IP. Se o serviço for tarifado, o gerenciamento de contabilidade será útil para fazer um levantamento sobre o uso do serviço, possibilitando ao gerente da rede elaborar um plano tarifário. A área de configuração trata das funções que identificam os elementos da rede e exerce controle sobre os mesmos. No caso de VoIP, monitorar os elementos da rede é de extrema importância para manter o serviço sempre disponível. A função de desempenho interage com a de falhas, através de indicativos de problemas provenientes de análises estatísticas coletadas, e com a de configuração, de forma que alterações possam ser realizadas decorrentes das conclusões derivadas da análise das informações coletadas. Na avaliação da qualidade é importante definir métricas que reflitam o desempenho da rede e de seus componentes e a metodologia de coleta e os valores limites para a classificação da qualidade [COSTA 2003]. A segurança em voz sobre IP é um dos quesitos que mais preocupam o usuário final. Para isso, o controle de acesso baseado em autenticação é um dos meios utilizados para tentar garantir que somente pessoas autorizadas tenham acesso ao serviço. Em se tratando da segurança da voz sendo transmitida no meio, o uso de criptografia na sinalização das chamadas (H.245) e nos codecs de áudio torna a escuta difícil de ser realizada.

8 38 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 Para gerenciar dispositivos em redes IP, utiliza-se o protocolo SNMP (Simple Network Management Protocol) [Net-SNMP]. Este protocolo tornou-se padrão para o gerenciamento na Internet e oferece aos usuários um conjunto simples de operações que permitem o gerenciamento remoto dos dispositivos, tendo sido especificado em três versões: SNMPv1, SNMPv2 e SNMPv3 [STALLINGS 1999], [MAURO 2001]. O SNMP é utilizado pelo gerente para a coleta das informações disponíveis na MIB dos agentes. Este protocolo utiliza o mecanismo de requisição/resposta (polling), pelo qual, através de operações periódicas, são recolhidas as informações necessárias ao monitoramento dos agentes, ou alteradas as condições de operação dos nós [COSTA 2003]. 3.1 Recomendação ITU-T H.341 A recomendação ITU-T H.341, publicada em 1999 com a versão 3 do protocolo H.323, definiu um conjunto de MIBs para o gerenciamento de sistemas multimídia baseados nos protocolos H.323 e H.320, conforme Tabela 1. Tabela 1 Aplicação dos módulos MIB H.341 por tipo de dispositivo H.323. Fonte: [ITU-T H.341]. Mandatório Mandatório se o módulo estiver instalado Terminal Gatekeeper MCU Gateway Callsignalling RAS Callsignalling Callsignalling H.245 Gatekeeper H.245 Gateway Terminal MC RTP RTP RTP RAS Callsignalling RAS RAS MC H.245 MP MC MP MC MP MP RTP O objetivo das MIBs apresentadas na Tabela 1 é padronizar as informações de gerenciamento disponíveis em sistemas de conferência multimídia, apresentando objetos que podem ser utilizados para fins de gerenciamento de falhas, desempenho e configuração.

9 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, O uso dessa MIB é opcional. Portanto, se for implementada em um dispositivo, deve ser dado suporte a todos os módulos pertinentes. Os módulos mandatórios devem ser implementados nos dispositivos referenciados [ITU-T H.341]. Como o objetivo deste artigo é apresentar um agente que monitore as chamadas e a configuração do gatekeeper em uso, apenas as MIBs do módulo Gatekeeper (RAS e Gatekeeper) serão apresentadas MIB RAS Apresenta informações relativas à sinalização RAS H.225, sendo organizada em 5 grupos funcionais: rasconfiguration(1), rasregistration(2), rasadmission(3), rasstatus(4) e rasevents(5). No grupo rasconfiguration(1) são definidas variáveis que descrevem como o dispositivo H.323 opera e em qual gatekeeper tentará se registrar. No caso de gatekeepers, apresenta informações sobre a própria configuração. O grupo rasregistration(2) apresenta informações sobre os dispositivos registrados no gatekeeper, incluindo endereços IP, portas de sinalização de chamadas e apelidos. O grupo rasadmission(3) identifica as chamadas permitidas pelo gatekeeper, indica o endereço IP e as portas TCP utilizadas para a sinalização de chamada do dispositivo que inicia a chamada e do chamado, a indicação de quem iniciou a chamada e o tempo de admissão. Os identificadores de chamadas (ConferenceID, CallReference Value e Call Identifier) são apresentados, os quais permitem reunir todas as informações sobre a chamada nos gateways, gatekeepers, terminais e mensagens de sinalização associadas à chamada. O grupo rasstats(4) apresenta contadores que permitem diagnosticar problemas em pedidos de registro e de admissões no gatekeeper e estatísticas das mensagens RAS enviadas e recebidas. O grupo rasevent(5) apresenta valores que identificam a razão para uma admissão rejeitada. O único evento previsto à sinalização RAS é o admissionreject. Caso seja habilitado no dispositivo, notificações são enviadas para a estação de gerenciamento quando um pedido de admissão é rejeitado, indicando o motivo.

10 40 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, MIB Gatekeeper Esta MIB apresenta informações relativas ao gatekeeper divididas em 6 grupos: h323gatekeeperzone(1), h323gatekeepersystem(2), h323gatekeeperconfiguration(3), h323gatekeeperstatistic(4), h323gatekeepercontrols(5) e h323gatekeepernotifications(6). O grupo de objetos h323gatekeeperzone(1) apresenta informações relacionadas às zonas local e remota a que o gatekeeper está associado, incluindo o nome da zona, endereço IP do gatekeeper, largura de banda máxima que pode ser alocada para todas as chamadas na zona, largura alocada às chamadas ativas e o número de admissões ARQs aceitas e rejeitadas na zona local. Os objetos dos grupos h323gatekeeper4system(2) e h323gatekeeperconfiguration(3), apresentam variáveis sobre versões de hardware e software, localização e fabricante do dispositivo e se está habilitando o envio de notificações associadas ao grupo. O grupo h323gatekeeperstatistic(4) apresenta um contador indicando a quantidade de erros no GK e os objetos definindo o erro mais recente, que podem ser utilizados na verificação de problemas associados ao gatekeeper. Os erros incluídos neste grupo são somente os relativos ao dispositivo, não incluem erros associados às chamadas. O grupo de objetos h323gatekeepercontrols(5) pode receber comandos remotos para controle do gatekeeper (Restart, shutdown e reset statistic). E por fim, o grupo h323gatekeepernotifications(6) sinaliza as notificações previstas que são enviadas nas mudanças no estado operacional do gatekeeper (h323gatekeeperstart e h323gatekeepergoingdown) ou na ocorrência de um erro (h323gatekeepererror). No caso de erros, são indicadas a severidade (critical, minor, major e warnin) e a provável causa do mesmo. 3.2 Objetos a serem estendidos Com a implementação do módulo Gatekeeper da MIB H.341 é possível obter um melhor monitoramento das chamadas e configuração do gatekeeper em uso na rede local. Embora sejam várias as informações retornadas pelos grupos de objetos RAS e Gatekeeper, os mesmos não abrangem todas as necessidades para um bom gerenciamento da rede VoIP, principalmente

11 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, quando se pretende obter informações sobre a qualidade das chamadas, quesito não abordado pelos grupos em questão. Para suprir essa necessidade, está sendo criado na MIB RAS um grupo de cinco objetos que irão retornar para a estação de gerência as informações referentes à qualidade das chamadas. Esses objetos são: hora, delay, fator R e MOS (explicados mais adiante), número de pacotes perdidos (por perda na rede ou por descarte do buffer de compensação de jitter). As informações referentes aos quatro primeiros objetos já podem ser colhidas e observadas através da ferramenta de medição de qualidade de chamada desenvolvida por [CARVALHO 2004], porém, o objeto que está relacionado a número de pacotes perdidos está sendo adicionado como contribuição ao trabalho da extensão da MIB. A análise de número de pacotes perdidos por perda na rede ou por descarte no buffer de compensação de jitter, facilita o diagnóstico do gerente em relação a problemas de perda, sendo as causas e as possíveis soluções tratadas de modos diferenciados, dependendo do tipo de perda ocorrida. A ferramenta desenvolvida permite controlar a qualidade das chamadas baseadas no Modelo E estendido, revisado em [LUSTOSA 2004]. Este modelo permite que a qualidade subjetiva de uma conversa seja avaliada como ela seria percebida por um usuário, associando cada fator de degradação na qualidade de voz percebida a um valor denominado fator prejuízo. Por sua vez, o fator prejuízo é processado pelo modelo E, que fornece como saída uma avaliação R entre 0 e 100. O valor R pode ser mapeado em um valor MOS (Mean Opinion Score índice de opinião médio). A Tabela 2 apresenta as escalas MOS de avaliação de qualidade da fala, e na Figura 2 apresenta-se o cenário para a geração e coleta de informações de entrada para o Modelo E.

12 42 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 Tabela 2 Escalas de qualidade de fala e de esforço de compreensão. Fonte: [CARVALHO 2004]. Pontuação Qualidade da fala Esforço para compreensão do significado 5 Excelente Relaxamento total completo; nenhum esforço é necessário. 4 Boa Atenção necessária, não é preciso muito esforço. 3 Regular Um certo esforço é necessário. 2 Pobre Muito esforço é necessário. 1 Péssima Ininteligível, apesar de qualquer esforço empregado Gerador de chamadas Localizado na máquina A, este módulo gera artificialmente chamadas de voz para serem avaliadas. O aplicativo OphenH323 Call Generation [Openh323], mais conhecido como CallGenH323, da mesma família do [GnuGk], permite as seguintes funcionalidades: gerar um número configurável de chamadas simultâneas; executar um arquivo de voz previamente gravado; encerrar uma chamada após um tempo pré-estabelecido; aguardar, durante um tempo ajustável, a repetição de uma nova chamada; armazenar um arquivo de trace contendo informações sobre a chamada; selecionar um codec de preferência e configurar o número de quadros por pacote (duração do pacote de voz) Coletor de chamadas Localizado na máquina B, este módulo coleta informações sobre as chamadas recebidas, tais como atraso, perda de pacotes, tipo de codec, entre outras. Esses dados alimentam a entrada do módulo avaliador. Figura 2 - Cenário para a geração e coleta de informações de entrada para o Modelo E. Fonte: [CARVALHO 2004].

13 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, Avaliador de qualidade Este módulo deve estar localizado na mesma máquina em que a MIB estiver instalada. Seu funcionamento depende dos dados recebidos do módulo coletor, os quais podem ser fornecidos a qualquer máquina na forma de um arquivo de trace. A saída do coletor de tráfego produz um arquivo trace com as informações: Hora Informa o horário de chegada do pacote à máquina B, de acordo com o relógio da mesma Delay Informa o atraso sofrido pelo pacote desde a saída da máquina A até a máquina B, considerando-se o atraso no buffer de compensação de jitter e o atraso de formação e reprodução de pacote Fator R Informa o fator de qualidade R do Modelo E para o período da chamada compreendido entre dois instantes consecutivos. O fator R é descrito em categorias de valores, que podem ser encontrados na Tabela 3. Tabela 3 - Categorias de qualidade de transmissão da fala. Fonte: [CARVALHO 2004]. Fator R MOS Satisfação do usuário 90 R < 100 4,34 4,50 Muito satisfeitos 80 R < 90 4,03 4,34 Satisfeitos 70 R < 80 3,60 4,03 Alguns insatisfeitos 60 R < 70 3,10 3,60 Muitos insatisfeitos 0 R < 60 1,00 3,10 Quase todos insatisfeitos MOS Corresponde à conversão do fator R para a pontuação MOS.

14 44 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, Número de pacotes perdidos Informa a quantidade de pacotes que foram perdidos até o momento. Sendo que essa perda será ocasionada por dois motivos distintos. Perda na rede, que pode ocorrer por congestionamentos e descarte de pacotes, e a perda por atraso dos pacotes para chegar ao destino, pois o buffer de compensação de jitter considera perdidos os pacotes que chegam atrasados. 3.3 Arquitetura de gerência O gerenciamento proposto para a rede VoIP no escopo deste artigo é composto por seis entidades funcionais, as quais estão relacionadas entre si através da troca de informações. A estação de gerenciamento é a interface entre o administrador da rede e o sistema de gerenciamento, permitindo que a rede seja monitorada e controlada. O Gerente é responsável por se comunicar com o agente através de mensagens SNMP (Simple Network Management Protocol) [STALLINGS 1999], [MAURO 2001] para obter informações disponíveis na MIB deste agente. O protocolo SNMP utiliza o mecanismo de requisição/resposta (polling), onde através de operações periódicas são recolhidas as informações necessárias à monitoração do agente, ou alteradas as condições de operação desses nós. A Figura 3 ilustra a arquitetura do ambiente de gerência em desenvolvimento. Gerente Agente Extensível Agente Estendido Gatekeeper Ferramenta de Coleta BD Figura 3 Arquitetura do ambiente de gerência O agente é um software executado no dispositivo da rede a ser gerenciado, podendo ser um programa separado ou pode ser incorporado ao sistema operacional. O agente fornece ao gerente as informações de gerenciamento requisitadas por ele. Quando algo de anormal ocorre

15 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, no lado agente o mesmo poderá notificar o gerente sobre o ocorrido enviando mensagens de trap. Existem basicamente dois tipos de agentes, os agentes extensíveis e os agentes estendidos [MAURO 2001]. Os agentes extensíveis usam o SNMP diretamente e possuem APIs (Application Program Interface) para desenvolvimento de outros agentes, já o agentes estendidos usam o SNMP indiretamente de um agente extensível e interagem com o mesmo através das APIs. O módulo agente extensível realiza a interface entre o gerente e os recursos requisitados. O agente extensível utilizado para arquitetura do gerenciamento VoIP é o NET- SNMP v5.2 [Net-SNMP]. Este agente é compatível com as três versões do SNMP, possuindo diversas ferramentas para geração de traps, acesso e modificação de informações disponíveis em agentes SNMP, além de contar com uma API que pode ser utilizada para o desenvolvimento de subagentes ou módulos a serem incorporados no próprio agente. A escolha do NET-SNMP se dá por ser uma ferramenta gratuita, de código-aberto e por trazer ferramentas como a mib2c, que trata da conversão de ASN.1 para código C, que facilitam na implementação dos objetos das MIBs. O agente estendido é desenvolvido como um subagente e nele são implementados os objetos da MIB H.341 estendida. Uma aplicação sendo executada em paralelo que é chamada pelo agente extensível quando uma estação gerente requisita dados dos objetos implementados neste subagente. Ele acessa o banco de dados gerado pela ferramenta de coleta e envia os dados requisitados para o agente extensível através da API do NET-SNMP. A Base de Dados - BD é composta pelo software [MySQL] que armazena as informações fornecidas pelo módulo coleta e irá encaminhá-las para o módulo MIBs. A ferramenta de coleta de dados, que está sendo desenvolvida para processar e armazenar os dados necessários na base de dados no MySQL, utiliza as saídas do programa de análise de tráfego [Ethereal] e da ferramenta de análise de qualidade de chamadas baseada no Modelo E estendido, descrito na Seção 3.2. Apesar do Ethereal atuar como um sniffer capturando todos os pacotes que passam pelo barramento de forma passiva, com a utilização de filtros é possível selecionar os pacotes referentes à pilha de protocolos H.323 (e.g., H.225, H.245, Q.931, RTP e RTCP) não comprometendo a segurança do ambiente interno.

16 46 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 O gatekeeper utilizado é o pacote GnuGK [GnuGK] na versão 2.0.7, por ser mais estável que as versões mais recentes. O GnuGK é um gatekeeper H.323 baseado na biblioteca OpenH323 [Openh323], que é implementação gratuita e de código-aberto da pilha H.323. Ele oferece suporte à autenticação via banco de dados, H.235 (autenticação RAS), LDAP (Lightweight Directory Access Protocol) e autenticação baseada no mapeamento IP-Usuário, sendo a última utilizada no ambiente em questão. O GnuGK é a fonte das informações dos objetos que estão sendo desenvolvidos, mas como ele não possui suporte à SNMP, faz-se necessário uma ferramenta de coleta para a obtenção dos dados. De acordo com a Recomendação H.323 [ITU-T H.323], um gatekeeper deverá prover os seguintes serviços: tradução de endereço, controle de admissão, controle de banda passante, gerenciamento da zona administrativa, sinalização de controle das chamadas, autorização de chamadas, gerenciamento da banda passante e gerenciamento das chamadas Implementação dos agentes O agente estendido está sendo desenvolvido como um subagente, em linguagem C, que é a linguagem nativa do NET-SNMP e sua API. O subagente funciona como uma aplicação conjunta com o agente extensível. As requisições de informações dos objetos que chegam ao agente extensível são repassadas ao subagente e este envia tais informações de volta ao agente. Toda a comunicação entre agente e subagente ocorre intermediada pelo protocolo AgentX [IETF-RFC 2741]. Este protocolo faz parte da implementação do framework AgentX do NET-SNMP, que foi criado com o intuito de ser o framework padrão para o desenvolvimento de agentes SNMP extensíveis. A estrutura básica do código, criada a partir da definição ASN.1 das MIBs Gatekeeper e Ras, foi gerada através da ferramenta mib2c que é fornecida junto com o pacote NET-SNMP. O acesso à base de dados ocorre através de chamadas à biblioteca de acesso nativa do MySQL, e os dados são processados por estruturas de dados geradas pela mib2c. O agente e o subagente estão na mesma máquina do gatekeeper - GnuGK.

17 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, Implementação da ferramenta de coleta Este módulo está sendo desenvolvido em PHP. Os dados do analisador de pacotes tethereal, versão modo texto do Ethereal, e da ferramenta de análise de qualidade de chamadas são armazenados em arquivos de texto. Estes arquivos são processados pela ferramenta de coleta de forma a extrair os dados relevantes para as MIBs e suas extensões. Os dados extraídos são armazenados na base de dados MySQL através da interface de comunicação nativa do PHP. Esta ferramenta localiza-se na mesma máquina onde estão os outros elementos do ambiente gerência. O tethereal captura os pacotes do barramento do gatekeeper retornando, através de filtros, somente os pacotes H.225, H.245, Q.931, RTP e RTCP. Os dados coletados pelo tethereal são armazenados no formato PDML (Packet Details Markup Language), um formato de dados baseado em XML para visualização de detalhes dos dados dos pacotes [Ethereal]. Conclusão Este artigo apresentou uma proposta de implementação de um agente extensível NET- SNMP, baseado na MIB ITU-T H.341 RAS e Gatekeeper. Este agente monitora o gatekeeper e as chamadas por ele gerenciadas. Também faz parte deste trabalho a extensão da MIB RAS, através das informações sobre qualidade de chamada, obtidas pela ferramenta de medição de avaliação de qualidade de chamada baseada no Modelo E estendido. A implementação do agente é baseada no modelo de gerência SNMP, o qual contém as entidades: gerente, agentes e objetos gerenciados. Os agentes estão divididos entre agentes extensíveis e agentes estendidos, pois o gatekeeper não possui suporte ao SNMP, e por isso é necessária a inclusão do agente extensível (compatível com SNMP), que faz a interface entre o gerente e o agente estendido (que contêm a base de informação de gerência - MIB). O agente estendido obtém informações através do MySQL. O BD recebe as informações referentes à sinalização H.323 (obtidas através das chamadas gerenciadas pelo GK) coletadas e filtradas pelo Ethereal. Como trabalho futuro pode-se implementar os outros módulos da MIB H.341, permitindo assim um melhor monitoramento e controle das entidades H.323. Outro trabalho interessante

18 48 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 seria aplicar gerenciamento de segurança de controle de acesso às entidades H.323. Também fica como sugestão futura a criação de uma ferramenta de gerência pró-ativa que notificará o gerente da rede sobre algo que esteja comprometendo o bom funcionamento da mesma, pois, em se tratando de voz sobre IP, é muito importante a rede estar sempre disponível. Management of Gatekeeper and calls in a VoIP environment using objects of a ITU-T MIB H.341 extension Abstract: Monitoring the calls controlled by a gatekeeper in a voice over IP (VoIP) environment has great importance to get information about those calls on the network. The obtained information will be valuable to detect any problem that may occur during the call. ITU-T standardized MIB H.341 contains groups of objects that provide management and monitoring of VoIP calls. This article proposes an agent that implements the H.341 MIB (RAS and Gatekeeper) for call management with use of a gatekeeper in a voice over IP environment. Key-words: Voice over IP, Gatekeeper, Agent, MIB, Management. Referências BALBINOT, R. et al. Voz sobre IP - Tecnologia e Tendências, In: Minicurso em 19 a 23 de maio de 2003, In: XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores, Anais da SBRC 03:, Natal - RN, Brasil, 2003, p COMBS, G. Ethereal. Disponível em: Acesso em novembro de CARVALHO, L. S. G. Implementação do Modelo E para Avaliação Objetiva da Qualidade da fala em Redes de Comunicação VoIP Dissertação (Mestrado em Redes de Computadores), Universidade Federal do Amazonas UFAM. COSTA, J. C. P. de A. Implementação e Gerência de uma Arquitetura de Voz sobre IP Dissertação (Mestrado em Redes de Computadores), Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ.

19 Rev. Cient. Fac. Lourenço. Filho - v.4, n.1, DAVID, F. Ferramenta de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP Dissertação (Mestrado em Redes de Computadores), Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Gnugk. Disponível em: Acesso em agosto de HERSENT, O.; GUIDE, D.; PIERRE PETIT, J. Telefonia IP Comunicação Multimídia Baseada em Pacotes. Addison-Wesley, ITU-T Rec. H Gateway Control Protocol. Revisada em março ITU-T Rec. H.323. Packet-based multimedia communications systems. Maio ITU-T Rec. H.341. Multimedia management information base. Maio LUSTOSA, L. C. G. et al. Utilização do Modelo E para avaliação da qualidade da fala em sistema de comunicação baseados em voz sobre IP. In: 22º Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores. Anais da SBRC 04, Gramado - RS, Brasil, MAURO, D. R.; SCHMIDT, K. SNMP Essencial. Campus, MySQL Network. Disponível em: Acesso em setembro de Net-SNMP. Disponível em: Acesso em outubro de Openh323 Project - CallGen323 - H.323 call generator. Disponível em Acesso em setembro de OpenH323 Project. Disponível: Acesso em julho de IETF: RFC SIP: Session Initiation Protocol. Disponível em: Acesso em agosto de IETF: RFC Agent Extensibility (AgentX) Protocol. Disponível: Acesso em novembro de 2004 IETF: RFC RTP: A Transport Protocol for Real-Time Applications. Disponível em: Acesso em novembro de STALLINGS, W. SNMP, SNMPv2, SNMPv3 and RMON1 and 2. Addison-Wesley, Ana Flávia Marinho de Lima 1 Analista de Sistemas pela UNIVERSO Universidade Salgado de Oliveira/RJ, Especialista em Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos pelo CEFET/RJ, Mestranda no DETI - Projeto de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa - RNP/UFC. Professora do Curso de Ciências da Computação da Faculdade Lourenço Filho -FLF, ministrando as disciplinas: Lógica Matemática, Redes de Comp., Téc. de Programação I e Arq. de Computadores.

20 50 Rev. Cient. Fac. Lour. Filho - v.4, n.1, 2005 Artigos: ICT2005 International Conference Telecommunications, SBRC2005 WGRS Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços, ISCC th IEEE Symposion on Computers and Comm. e LANOMS2005-4th Latin American Network Operations and Management Symposium. Francisco Raphael Ribeiro 1 Graduando em Ciências da Computação pela Universidade Federal do Ceará Bolsista da UFC e da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa, Trabalhos de Iniciação Científica nas áreas de Softwares Educativos, Agentes Móveis, Gerência e Voz sobre IP. É co-autor de 3 artigos aceitos em congressos nacionais e internacionais. José Neuman de Souza 1,2 Doutor em Informática pela Universidade de Paris VI (Pierre et Marie Curie), França, Coordenador Geral de 02 (duas) conferências internacionais IEEE/IFIP realizadas em Fortaleza (ICT'2004 e MMNS'2000). Editor de 03 livros publicados pela Springer Verlag na série Lecture Notes in Computer Science (LNCS). Membro de comitês de programa de várias conferências internacionais e nacionais. Representante brasileiro no IFIP/TC6 (communication systems). Membro permanente dos colegiados dos programas de pós-graduação (mestrado e doutorado) PPGETI e MDCC na UFC. Vários trabalhos publicados e 12 dissertações de mestrado orientadas e defendidas com sucesso. 01 tese de doutorado co-orientada e defendida com sucesso. 1 Departamento de Engenharia de Teleinformática (DETI) Universidade Federal do Ceará (UFC) Caixa Postal Fortaleza-CE-Brasil. 2 Departamento de Computação (DC) Universidade Federal do Ceará (UFC) Fortaleza-CE-Brasil

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância de Estatísticas de Qualidade Monitoramento

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura

Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Serviço fone@rnp: descrição da arquitetura Maio de 2005 Esse documento descreve a arquitetura do serviço fone@rnp. RNP/REF/0343a Versão Final Sumário 1. Arquitetura... 3 1.1. Plano de numeração... 5 1.1.1.

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003

GT-VOIP. Especificação de Compra de Gateways VoIP. Fevereiro de 2003 GT-VOIP Especificação de Compra de Gateways VoIP Fevereiro de 2003 Este relatório apresenta a especificação de cenários e do hardware necessário para a implantação do piloto VOIP na Rede Nacional de Pesquisa.

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Monitoramento baseado em análise estatística para avaliação da qualidade da fala em um ambiente de voz sobre IP

Monitoramento baseado em análise estatística para avaliação da qualidade da fala em um ambiente de voz sobre IP Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços 2005 Monitoramento baseado em análise estatística para avaliação da qualidade da fala em um ambiente de voz sobre IP Ana Flávia M. de Lima 1, Francisco

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com A CONVERGÊNCIA DE DADOS E VOZ NA PRÓXIMA GERAÇÃO DE REDES Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Introdução A convergência, atualmente um dos temas mais discutidos na indústria de redes,

Leia mais

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP

Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Arquitetura de Monitoração de Chamadas Telefônicas IP Defesa de Dissertação de Mestrado do IM/NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro Mestrando: Leandro Caetano Gonçalves Lustosa Orientador: Prof. Paulo

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 SNMPv1 Limitações do SNMPv1 Aspectos que envolvem segurança Ineficiência na recuperação de tabelas Restrito as redes IP Problemas com SMI (Structure Management Information)

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP

Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Gerenciamento de Equipamentos Usando o Protocolo SNMP Diego Fraga Contessa, Everton Rafael Polina Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 - CEP 91040-600 - Porto

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP

Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE INFORMÁTICA APLICADA ESTUDOS DE DOMÍNIO DE APLICAÇÃO Protocolo H323 vs. Protocolo SIP Utilizados na tecnologia VoIP por VICTOR MANAIA GONÇALVES

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ

GT-VOIP Avançado. Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VOIP Avançado Paulo Aguiar Tel. (0xx21) 2598-3165 e-mail: aguiar@nce.ufrj.br Núcleo de Computação Eletrônica da UFRJ GT-VoIP (maio/02-maio/04) Capacitar instituições para disseminação de VoIP Implantar

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia

Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Gerência de Redes e Serviços de Comunicação Multimídia Aula 3 Gerenciamento de Redes Cenário exemplo Detecção de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Princípios de Gerência de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Maio de 2011 1 / 13 Introdução Foi mostrado que uma rede de computadores consiste

Leia mais

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA Universidade Católica do Salvador CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA O Protocolo SNMP Por Lécia de Souza Oliveira Índice Página 2... O que é SNMP? Histórico Página 3 e 4... Estrutura Geral do Sistema

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP

VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP XXIX Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores e Sistemas Distribuídos 915 VoIPFix: Uma ferramenta para análise e detecção de falhas em sistemas de telefonia IP Paulo C. Siécola 1, Fabio Kon 1 1 Departamento

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ

H.323. Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ H.323 Laboratório VoIP Núcleo de Computação Eletrônica/UFRJ Histórico de H.323 Início: SG-16 do ITU-T (Maio 1995) H.323 v1, Jun 1996 H.323 v2, Fev 1998 H.323: Packet-based multimedia communication systems

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere:

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 30 de novembro de 2010. Exercício 1: Considere: TE090 - Prof. Pedroso 30 de novembro de 2010 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Considere: I. O serviço de DNS constitui-se, em última instância, de um conjunto de banco de dados em arquitetura

Leia mais

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP

VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP VQuality: Uma Biblioteca Multiplataforma para Avaliação de Qualidade de Chamadas Telefônicas IP NCE - UFRJ Leandro C. G. Lustosa Paulo Henrique de A. Rodrigues Fabio David Douglas G. Quinellato Importância

Leia mais

Capítulo 9. Gerenciamento de rede

Capítulo 9. Gerenciamento de rede 1 Capítulo 9 Gerenciamento de rede 2 Redes de computadores I Prof.: Leandro Soares de Sousa E-mail: leandro.uff.puro@gmail.com Site: http://www.ic.uff.br/~lsousa Não deixem a matéria acumular!!! Datas

Leia mais

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador.

Nesta sessão introduziremos os conceitos básicos do Cacti, e como fazer para instalá-lo em seu computador. Cacti é uma ferramenta gráfica de gerenciamento de dados de rede que disponibiliza a seus usuários uma interface intuitiva e bem agradável de se usar, sendo acessível a qualquer tipo de usuários. Este

Leia mais

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com

Gerência de Redes. Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Gerência de Redes Profa. Márcia Salomão Homci mhomci@hotmail.com Plano de Aula Histórico Introdução Gerenciamento de Redes: O que é Gerenciamento de Redes? O que deve ser gerenciado Projeto de Gerenciamento

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes

Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Aula 5 - Projeto de Lei 2126/11 (Marco Civil da Internet). Gerência de Redes de Computadores Objetivo Geral - Apender conceitos, protocolos e técnicas na gerencia de redes Objetivos Específicos - Entender

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

Desafios de Gerência e Segurança de Redes

Desafios de Gerência e Segurança de Redes Desafios de Gerência e Segurança de Redes Elias Procópio Duarte Jr. DInfo /UFPR Itaipu - Julho de 2003 E.P. Duarte Jr. - UFPR Roteiro Sistemas Integrados de Gerência de Redes Funcionalidade O Desafio da

Leia mais

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback

SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP. Professor Leonardo Larback SMTP, POP, IMAP, DHCP e SNMP Professor Leonardo Larback Protocolo SMTP O SMTP (Simple Mail Transfer Protocol) é utilizado no sistema de correio eletrônico da Internet. Utiliza o protocolo TCP na camada

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

Protocolo de Sinalização SIP

Protocolo de Sinalização SIP Protocolos de Sinalização Protocolos com processamento distribuído e clientes/terminais inteligentes SIP - Session Initiation Protocol, desenvolvido pelo IETF para comunicação multimídia pela Internet

Leia mais

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos

Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Um Agente de Software Orientado à Monitoração de Traços de Protocolos Ricardo Nabinger Sanchez Ciência da Computação - bolsista renovado Pibic/CNPq Luciano Paschoal Gaspary Orientador Universidade do Vale

Leia mais

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul

Estado de Santa Catarina Prefeitura de São Cristóvão do Sul 1 ANEXO VII QUADRO DE QUANTITATIVOS E ESPECIFICAÇÕES DOS ITENS Item Produto Quantidade 1 Aparelhos IP, com 2 canais Sip, visor e teclas avançadas, 2 70 portas LAN 10/100 2 Servidor com HD 500G 4 GB memória

Leia mais

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata.

MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. MIB (Management Information Base) Objetos Gerenciados Um objeto gerenciado é a visão abstrata. A MIB é o conjunto dos objetos gerenciados. Basicamente são definidos três tipos de MIBs: MIB II, MIB experimental

Leia mais

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA

USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA USO DO ASTERISK COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO NO ENSINO PRÁTICO DE TELEFONIA Caio Fernandes Gabi cfgabi@hotmail.com Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba IFPB Av. 1º de Maio, nº. 720,

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

efagundes com Como funciona a Internet

efagundes com Como funciona a Internet Como funciona a Internet Eduardo Mayer Fagundes 1 Introdução à Internet A Internet é uma rede de computadores mundial que adota um padrão aberto de comunicação, com acesso ilimitado de pessoas, empresas

Leia mais

Revisão de Literatura

Revisão de Literatura Revisão de Literatura VoIP é um conjunto de tecnologias que usa a Internet ou as redes IP privadas para a comunicação de Voz, substituindo ou complementando os sistemas de telefonia convencionais. A telefonia

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Slide 1 Gerenciamento de Redes Gerenciamento de redes inclui o fornecimento, a integração e a coordenação de hardware, software e elementos humanos para monitorar, testar, configurar,

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015

ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 ESCLARECIMENTO I EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº. 157/2015 O SESI/SENAI-PR, através de sua Comissão de Licitação, torna público o ESCLARECIMENTO referente ao edital de licitação acima relacionado, conforme

Leia mais

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011

Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Pedido de Esclarecimento 01 PE 12/2011 Questionamento 1 : 20.1.1.2 - Sistema de telefonia IP ITEM 04 - Deve ser capaz de se integrar e gerenciar os gateways para localidade remota tipo 1, 2 e 3 e a central

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Gerência e Segurança de Redes

Gerência e Segurança de Redes Gerência e Segurança de Redes Modelos filipe.raulino@ifrn.edu.br SNMP e CMIP SNMP x CMIP O ambiente de gerenciamento OSI é composto por gerentes, agentes e objetos gerenciados. Um gerente transmite operações

Leia mais

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores. Sérgio A. Meyenberg Jr. Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Utilizando o Cricket para monitoração de Servidores Sérgio A. Meyenberg Jr Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Curitiba, outubro de 2010 Resumo O objetivo deste Artigo é demonstrar as funcionalidades

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento

Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Gerência de Redes Padrões de Gerenciamento Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Sumário Padronizações Gerência OSI Gerência TCP/IP SNMP MIB-II RMON SNMPv2 11/5/2007 Gerência

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP

Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Metodologia para Análise de Tráfego de Gerenciamento SNMP Ewerton Monteiro Salvador Grupo de Redes de Computadores Instituto de Informática - UFRGS 26/06/2006 Grupo de Redes de Computadores 1 Agenda Introdução

Leia mais

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos

Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos Revisão Gerenciar consiste em supervisionar e controlar seu funcionamento para que ele satisfaça aos requisitos tanto dos seus usuários quanto dos seu proprietários. A sua rede deve está rigorosamente

Leia mais

1 Introdução 1.1. Contexto Atual

1 Introdução 1.1. Contexto Atual 1 Introdução 1.1. Contexto Atual Recentemente, o mercado de telecomunicações mundial tem enfrentado muitos dilemas. Como reduzir os custos, aumentar as receitas com novos serviços e manter a base de assinantes

Leia mais

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES 1 Resumo 2 INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES Parte 7 Introdução à Gerência de Redes Introdução Segurança SNMPv1, SNMPv2 Segurança SNMPv3 Prof. Pedro S. Nicolletti (Peter), 2013 Introdução 3 4 Com o

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Serviço fone@rnp: descrição geral

Serviço fone@rnp: descrição geral Serviço fone@rnp: descrição geral Este documento descreve o serviço de Voz sobre IP da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa. RNP/REF/0347 Versão Final Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Benefícios

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2

Técnico em Informática. Redes de Computadores 2ºE1/2ºE2 Técnico em Informática Redes de omputadores 2ºE1/2ºE2 SUMÁRIO 2.1 Introdução 2.2 Vantagens do Modelo de amadas 2.3 Modelo de inco amadas 2.4 Funções das amadas 2.5 Protocolos de Rede 2.6 Arquitetura de

Leia mais

H.323 E SIP - COMPARATIVO

H.323 E SIP - COMPARATIVO H.323 E SIP - COMPARATIVO Jean Seidi Ikuta Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Rua Passo da Pátria, 156 São Domingos Niterói RJ 24210-040 Brasil jeanseidi@yahoo.com.br Abstract. This paper

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes

Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes Apostila de Gerenciamento e Administração de Redes 1. Necessidades de Gerenciamento Por menor e mais simples que seja uma rede de computadores, precisa ser gerenciada, a fim de garantir, aos seus usuários,

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Diretoria de Operações RNP

Diretoria de Operações RNP Alexandre Grojsgold Diretoria de Operações RNP I Workshop POP-RS julho/2005 O que é VoIP? Conversas telefônicas feitas sobre a Internet, sem passar pela rede de telefonia convencional em oposição a...

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015

Redes de Computadores. 1 Questões de múltipla escolha. TE090 - Prof. Pedroso. 17 de junho de 2015 TE090 - Prof. Pedroso 17 de junho de 2015 1 Questões de múltipla escolha Exercício 1: Suponha que um roteador foi configurado para descobrir rotas utilizando o protocolo RIP (Routing Information Protocol),

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS. Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both

GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS. Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both GERENCIAMENTO DE REDES PARA SISTEMAS EMBARCADOS Jorge Luis Staub, Cristiano Bonato Both Departamento de Informática Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) Santa Cruz do Sul RS Brazil jlstaub@gmail.com,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos

BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1. Visão geral técnica e dos recursos BlackBerry Mobile Voice System Versão: 5.0 Service pack: 1 Visão geral técnica e dos recursos SWD-1031491-1025120324-012 Conteúdo 1 Visão geral... 3 2 Recursos... 4 Recursos para gerenciar contas de usuário

Leia mais