O Saber em Psicanálise

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Saber em Psicanálise"

Transcrição

1 O Saber em Psicanálise Franciny Tenório Cavalcante Maiorano de Lima; Camila de Albuquerque Alves da Silva; Pedro Cerqueira de Almeida; Karla Julliana da Silva Sousa * ;Charles Elias Lang ** Nesse texto trabalharemos o saber em psicanálise partindo de dois caminhos. O primeiro compreende o saber em psicanálise no campo da formação do analista. O segundo, o saber em psicanálise a partir do Discurso Analítico. Para tanto, utilizamos como aporte metodológico a metodologia de leitura próxima, atenta e desconstrutiva. E tomamos como base os textos O Saber do Psicanalista (LACAN, / ), Os discursos na psicanálise (SOUZA, 2008), A estranheza da psicanálise (QUINET, 2009) e Os discursos e a cura (VEGH, 2001). A proposição desses dois campos de discussão surgiu a partir da leitura do Seminário XVII: O avesso da psicanálise (LACAN, /1992) realizada ao longo de um projeto de iniciação científica que ocorreu no período de agosto de 2012 a julho de Tal leitura possibilitou situarmos a noção de Discurso Analítico formalizada por Lacan, e, posteriormente, nos encaminhou para a discussão do saber em psicanálise a partir desses dois caminhos, a formação do analista e o Discurso Analítico. Com a psicanálise, e a descoberta Freudiana do inconsciente, o saber adquire um novo estatuto, o saber inconsciente. Um saber que estaria fora da religião e fora da filosofia. Como afirma Lacan ( , p.17) a novidade é que o que a psicanálise revela é um saber não sabido por si mesmo, um saber que não se sabe. Através das formações do inconsciente chistes, sonhos, atos falhos...- de seus pacientes, Freud inaugura esse novo saber, denominando-o Unbewusste. Lacan, em seu seminário O saber do psicanalista ( ) formula a pergunta Será que há necessidade de demonstrar que há na psicanálise, fundamental e primeiro, o saber? (p.16). Como resposta, ele menciona a primazia desse saber na psicanálise. E completa que esse novo estatuto do saber o saber inconsciente- deve * Graduandos em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas ** Professor Doutor nos cursos de graduação e pós graduação em Psicologia na Universidade Federal de Alagoas. Psicanalista. Analista membro da Associação Psicanalítica de Porto Alegre.

2 acarretar um tipo de discurso totalmente novo, que não é fácil de apreender e até, um certo ponto, ainda nem começou (grifo nosso, p.18), seja ele, o Discurso Analítico. Diante disso, buscamos discutir sobre a prática analítica que possibilidade a construção e o atravessamento desse saber. Optamos por iniciar nossos apontamentos discutindo o saber em psicanálise enquanto formação do analista. Tal escolha, pode-se dizer, justifica-se por considerarmos que o Discurso Analítico não opera por si só, fazse necessário que o analista, a partir do seu saber teórico-clínico, construído ao longo de sua formação, conduza o tratamento e o faça operar. As noções de Discurso Analítico serão trabalhadas posteriormente, para, enfim, voltarmo-nos para a discussão do saber no Discurso Analítico. Falar em formação do analista implica levantarmos questões ao que concerne ensino e transmissão, teoria e clínica. Buscando nortear essas questões, trabalhamos com a ideia da formação do analista segundo o tripé do psicanalista, que é sustentado por: atendimento de pacientes, análise pessoal, supervisão/estudo teórico; e um quarto pilar instaurado por Lacan o convívio com os pares, que consiste em ser reconhecido como analista pela comunidade analítica. Em Sobre o ensino da psicanálise nas Universidades (1919), Freud, se referindo ao estudante de medicina (mas que, aqui, se aplica a todos aqueles que almejam ser psicanalistas), diz que será suficiente que ele aprenda algo sobre psicanálise e que aprenda algo a partir da psicanálise (FREUD, 1919/1996, grifo do autor, p.189). Nesse sentido, podemos depreender que o saber sobre psicanálise está associado ao estudo teórico, atendimentos de pacientes e supervisão; e o saber a partir da psicanálise está associado à análise pessoal. E não pretendemos desarticular um do outro, pois, ambos, são fundamentais e complementares na formação do analista. Não há saber teórico que se sustente sem a prática clínica, e não há prática clínica que se sustente sem saber teórico. E, por sua vez, ambos não se sustentam sem a análise pessoal. Nesse mesmo sentido, Coelho (2006, p.119) aponta que a psicanálise é construída no entrelaçamento entre teoria e clínica, é uma práxis. Se nos debruçarmos sobre a palavra entrelaçamento, que tem origem na física quântica, e que corresponde a um evento em que a conexão entre dois ou mais elementos (ou objetos) se dá de tal forma que o que ocorre em um afeta igualmente o outro, podemos então, nos referindo à psicanálise, afirmar que esse entrelaçamento diz respeito a essa interdependência e

3 diálogo mútuo entre clínica e teoria, remetendo também a algo que não compreende uma segregação. Pensar em formação do analista implica pensarmos também em transmissão. Segundo Quinet (2009, p.53) transmissão da psicanálise é o que dela passa de um sujeito a outro sujeito. A partir dessa afirmação, podemos ter de um lado a transmissão da psicanálise enquanto ensino, pautada por uma discussão e reflexão teórica-clínica. E de outro, a transmissão da psicanálise por meio da própria análise pessoal do analista. Não descartamos a noção, pontuada por Quinet (2009, p.18) de que não há saber prévio em psicanálise, nem no campo teórico-clínico da análise, nem sobre a questão de como se faz um analista. Temos então que o saber em psicanálise é algo a ser produzido, elaborado e construído. Além disso, o autor também discute que não há um saber prévio que pode ser aplicado a todos os casos. É aí que se coloca a questão da singularidade do caso, pautada pela noção de que o trabalho da psicanálise é sem um a um caso a caso-. Contudo, não podemos desconsiderar que há um saber antecedente, fundamental e necessário, que vai ser construído ao longo da formação do analista. O que nas palavras de Quinet (2009, p.56) em resposta à pergunta o que o analista deve saber?, ele traz como uma das respostas possíveis: saber o que fundamenta a experiência analítica. 1 Dai decorre que esse saber vai possibilitar a condução do tratamento, desde o início, a partir das entrevistas preliminares, no estabelecimento do diagnóstico, transferência e na direção do tratamento. Não havendo esse aporte teórico, a ética falha. E é impensável haver clínica onde não há transferência e onde não faz o Discurso Analítico operar. Antes de falar propriamente do discurso que aqui nos interessa, a saber, o Discurso Analítico, faz-se necessário uma breve exposição nos limites que nos sabe de como foi construída essa noção de Discurso formalizada por Jacques Lacan. O Seminário XVII: O avesso da psicanálise proferido por Lacan entre 1969 e 1970 na Faculdade de Direito, marca, de certa forma, uma reformulação ou revolução 1 Nesse momento Quinet cita o texto de Lacan Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola, onde, segundo ele, Lacan enfatiza o saber textual que sustenta a psicanálise em extensão e intensão. Concluindo que é o texto freudiano que fundamenta e que torna consistente a psicanálise em intensão.

4 no campo do ensino e do saber. Contextualizando os fatos, data da mesma época, o movimento de Maio de 68 que ocorreu em toda Europa e particularmente na França e que se constituiu numa luta em defesa dos direitos à subjetividade e que ainda trazia como objetivo propiciar um hedonismo na cultura (SOUZA, 2008, p.91). Após receber uma carta da Escola Normal Superior, informando-o que em decorrência às críticas que o Movimento de Maio havia feito às instituições, sobretudo à instituição universitária, ele não poderia mais continuar ensinando na ENS, Lacan considerou que se a psicanálise não poderia ser enunciada ali como um saber e ensinada como tal, ele não teria o que fazer naquele lugar (SOUZA, 2008, p.90). Essa posição de Lacan expõe ainda mais sua preocupação com o ensino e transmissão da psicanálise, e ao conceito de Escola que é reformulado de forma peculiar e distinta por Lacan. 2 É então, em meio a esse contexto, que o Seminário XVII formaliza sua teoria dos quatro discursos. O discurso, como afirma Lacan ( /1992) é o que faz o laço social. Os discursos surgem como um meio de formalizar o vínculo social entre os sujeitos; os laços sociais possíveis entre o sujeito e o outro. Discurso é aquilo pelo qual, pelo efeito puro e simples da linguagem, se precipita um laço social (LACAN, /2001, p. 96). Dessa forma, a teoria dos discursos compreende quatro formas distintas de se estabelecer laço social, sejam elas o Discurso do Mestre, Discurso Universitário, Discurso Histérico e Discurso Analítico. Para cada discurso há um matema específico. Cada matema dispõe de quatro elementos a, $, S1, S2 distribuídos em quatro lugares (ou quadrantes) diferentes: o lugar do agente, lugar do outro, lugar da verdade, lugar da produção, estabelecendo uma permutação circular, com os termos permanecendo na mesma ordem (LACAN, /1992, p.40). O Discurso Analítico, este que tem o objeto a (a) no lugar de agente, o sujeito dividido ($) no lugar de outro, o saber (S2) no lugar da Verdade, e o significante mestre (S1) no lugar da produção, é o discurso que impulsiona o ato analítico (AMIGO, 2001). 2 A esse respeito ler o texto Proposição de 9 de outubro de 1967 sobre o psicanalista da Escola em : Outros Escritos (LACAN, /2003).

5 Vemos então que a psicanálise passa a estabelecer um novo laço social, peculiar e distinto, entre analista e analisante. a S2 $ S1 No Discurso Analítico, o objeto a ocupa o lugar de agente, aquele que põe em movimento o discurso, ou, nas palavras de Souza (2008, p.148) de onde se inaugura o discurso e ordena as outras relações. Amigo (2001) defende que o a está como objeto esvaziado de substância, que causa um movimento desejante. Esvaziado de substância no sentido de que não é o ser, a pessoa do analista que está em jogo; e causa um movimento desejante na medida em que, como discute Souza (2008, p.148) possibilita ao analisante [$], sob transferência, interrogar seu desejo e fazer cada vez uma outra leitura disso que se realiza em ato, como formação do inconsciente. O analisante, a partir dessa nova leitura que vai fazer dos conteúdos que vão surgindo ao longo da análise, a partir do que ele fala, constrói ou elucida- um saber (que até então era não sabido). A partir daí é que vão ser produzidos novos significantes mestres (S1), correspondendo ao lugar da produção que S1 ocupa no Discurso Analítico. Em torno disso, podemos nos remeter ao que Lacan em seu Seminário 1: Os escritos técnicos de Freud ( /1986, p.317) já enunciava, o analista não tem de guiar o sujeito num Wissen, num saber, mas nas vias de acesso a esse saber. É por meio do Discurso Analítico que serão estabelecidas as vias de acesso a esse saber. Quando o analista convoca o analisante a dizer tudo o que lhe vem à mente, a partir da regra da associação livre regra fundamental da psicanálise-, já se vê presente um dos dispositivos que o analista dispõe para estabelecer as vias de acesso ao saber inconsciente. É na posição de analisante que o sujeito ao interrogar seu desejo vai poder inferir o saber (S2), que não é simplesmente suposto, mas inventado como saber inconsciente e que se encontra no lugar da Verdade (SOUZA, 2008). Propõe-se então que a verdade que sustenta o discurso analítico é o saber inconsciente. O mesmo autor pontua que tudo o que se pode saber numa análise não se escreve no real, mas funciona

6 no registro da verdade (p.150). E funcionando no registro da verdade compreende um semi-dizer, como afirma Lacan ( /1992), um saber não todo, o saber como uma verdade meio-dita através da palavra. Por fim, cabem ainda algumas exposições em torno do que Lacan nos coloca, em O Saber do Psicanalista, seminário realizado na capela do Hospital de Sainte-Anne entre 1971 e que teve como público os psiquiatras residentes desse Hospital-, e que marca o retorno dele a Saint-Anne. No início deste seminário, Lacan postula que a ignorância está ligada ao saber. Para tanto, utiliza-se do que o cardeal Nicolau de Cusa chamava douta ignorância, o saber mais elevado (LACAN, ). Se o analista acredita que sua tarefa é transmitir um saber, está profundamente enganado acerca do que seja a psicanálise, já que esse saber não é o que está em jogo em análise, o saber a respeito do qual aquele que está na posição de analista se coloca numa posição de não-saber, não de ignorância;esse saber é aquilo que o paciente mesmo transmitirá sobre seu próprio inconsciente através da associação livre (RABINOVICH, 2000, p.37). Aproximamos assim, o saber do psicanalista à douta ignorância, articulando também o desejo do psicanalista, considerando assim, este saber como elaborado. Em que o psicanalista reconhece seus limites e sabe que não se trata de transmitir um saber ao analisante, ou de compreendê-lo ou ajudá-lo, mas sim, de estabelecer condições para que o analisante possa falar e elaborar esse saber inconsciente. Em torno da douta ignorância, desse saber mais elevado, elaborado e distinto, podemos associar outro ponto peculiar pelo qual o analista se distingue. Seja ela, a de fazer de uma função que é comum a todos os homens a fala/ a palavra um uso que não está alcance de todo mundo (LACAN, 1953/1998, p.352). Sobre a questão do saber do psicanalista, Lacan ( , p.24) irá dizer ainda que a questão é saber em que lugar é preciso estar para sustentá-lo. Entramos aí na questão da ética em psicanálise, apoiada em tudo o que gira em torno da formação do analista e transmissão da psicanálise. É então, a partir disso, que o analista, assumirá sua posição de analista, e falará a partir desse lugar nas análises que conduzir.

7 Diante desses breves apontamentos, situamos o saber em psicanálise em dois campos: formação do analista e Discurso Analítico. Apresentamos dessa forma, uma possível leitura do que pode ser entendido como saber em psicanálise, não pretendendo colocá-los como divergentes ou dignos de segregação. Mas, situá-los, de certo modo, como articulados, na medida em que a psicanálise só é possível a partir da operação do Discurso Analítico. E esse, por sua vez, só opera a partir da psicanálise enquanto teoria e clínica, por meio da análise conduzida por um analista. A partir dessa leitura passamos o enunciar o saber em psicanálise enquanto formação e discurso. Marcando, dessa forma, a subversão analítica que Lacan e a psicanálise traz para a sociedade. Com a psicanálise, o saber adquire um novo estatuto, o de saber inconsciente. Sendo assim, requer que seja permeado por um novo tipo de discurso, o Discurso Analítico, este que se dá de forma peculiar e distinta, na relação analítica entre analista e analisante. De todo modo, tanto em um campo quanto noutro, o saber em psicanálise tratase sempre de um saber a ser construído, ao longo de um percurso. Seja a partir das relações singulares que são estabelecidas pelo sujeito (enquanto analisante) na sua análise no que diz respeito ao saber inconsciente -; seja a partir das relações singulares que são estabelecidas pelo sujeito, (enquanto analista ou futuro analista), ao longo de sua formação. Esta última não excluindo a primeira. Por fim, temos que o que aqui é enunciado como saber em psicanálise, compreende o saber do sujeito (S2), o saber inconsciente, que ocupa o lugar da Verdade no Discurso Analítico. E o saber do analista que é construído ao longo da sua formação, no entrelaçamento entre teoria e clínica, e é sustentado pelos quatro pilares. REFERÊNCIAS AMIGO, S. Notas sobre o Discurso do Analista. Em: VEGH, I. Os discursos e a cura. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, COELHO, C. Psicanálise e laço social uma leitura do Seminário 17. Revista Mental, vol. IV, n.6. Barbacena, 2006, p

8 FREUD, S. Sobre o ensino da Psicanálise nas Universidades (1919 [1918]). Em: Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas: Volume XVII. Rio de Janeiro: Imago, LACAN, J. O Saber do Psicanalista: Seminário Publicação para circulação interna. Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife, O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise ( ). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, Variantes do tratamento-padrão. Em: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, QUINET, A. A estranheza da psicanálise: a Escola de Lacan e seus analistas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, RABINOVICH, D. A questão do saber do psicanalista: a douta ignorância. Em: O desejo do psicanalista: liberdade e determinação em psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, SOUZA, A. Os discursos na Psicanálise. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2008.

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO

A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO A OPERAÇÃO DO DISCURSO ANALÍTICO Este trabalho é um recorte do projeto de iniciação científica (PIBIC) Estruturas Clínicas e Discurso: a neurose, no qual trabalhamos o texto do Seminário XVII: O Avesso

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas 98 Referências Bibliográficas ALBERTI, S. Esse Sujeito Adolescente. Rio de Janeiro: Rios Ambiciosos, 1999. APOLINÁRIO, C. Acting out e passagem ao ato: entre o ato e a enunciação. In: Revista Marraio.

Leia mais

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1

O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da. identificação 1 O estudo teórico na formação do psicanalista Uma lógica que não é a da Arlete Mourão 2 identificação 1 Na formação do analista, o lugar e a função do estudo da psicanálise são conseqüências lógicas da

Leia mais

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES

ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES ANALISTAS E ANALISANDOS PRECISAM SE ACEITAR: REFLEXÕES SOBRE AS ENTREVISTAS PRELIMINARES 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica

Leia mais

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA?

A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? A ESSÊNCIA DA TEORIA PSICANALÍTICA É UM DISCURSO SEM FALA, MAS SERÁ ELA SEM ESCRITA? Maurício Eugênio Maliska Estamos em Paris, novembro de 1968, Lacan está para começar seu décimo sexto seminário. Momento

Leia mais

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise

De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise De Descartes a Lacan: a questão sujeito na psicanálise Joana Souza Psicanalista. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Psicanálise da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Especialização

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X A PSICANÁLISE NO CONTEXTO DA CLÍNICA-ESCOLA Bruna C. de Oliveira Danziger Rafael dos Reis Biazin O que se configura de forma premente no âmbito das práticas clínicas atuantes nas clínicas-escolas é a impossibilidade

Leia mais

Psicanálise: ética, discurso e ensino Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching

Psicanálise: ética, discurso e ensino Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching 180 issn 0101-4838 Psychoanalysis: éthics, discourse and teaching Rodrigo Afonso Nogueira Santos* RESENHA DE: Castro, J. E.. Curitiba: Appris, 2013. 250 páginas. O livro intitulado se anuncia, desde seu

Leia mais

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer

PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE. psicanálise com crianças, sustentam um tempo lógico, o tempo do inconsciente de fazer PSICANÁLISE COM CRIANÇAS: TRANSFERÊNCIA E ENTRADA EM ANÁLISE Pauleska Asevedo Nobrega Assim como na Psicanálise com adultos, as entrevistas preliminares na psicanálise com crianças, sustentam um tempo

Leia mais

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí

Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí DEBATE Fundamentação teórica da Clínica de Psicologia da Unijuí A Clínica surge do próprio projeto do curso de Psicologia. Este curso tem como base teórica fundamental as teorias psicanalítica e psicológica.

Leia mais

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na

ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE. Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na ENTRE PASSOS E IMPASSES: A PESQUISA EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE Ingrid de Figueiredo Ventura Roseane Freitas Nicolau Este trabalho propõe discutir a especificidade da pesquisa em psicanálise na universidade.

Leia mais

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU

Entretantos, 2014 LACAN COMENTÁRIO DO TEXTO: A DIREÇÃO DO TRATAMENTO E OS PRINCÍPIOS DO SEU Entretantos, 2014 Grupo: DE LEITURA: CASOS CLÍNICOS DE FREUD ACOMPANHADOS DE COMENTÁRIOS DE LACAN Integrantes: Ana Maria Leal, Célia Cristina Marcos Klouri, Claudia Justi Monti Schonberger, Cristina Petry,

Leia mais

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor?

Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Toxicomanias: contra-senso ao laço social e ao amor? Rita de Cássia dos Santos Canabarro 1 Eros e Ananke são, segundo Freud (1930/1987), os pais da civilização. De um lado, o amor foi responsável por reunir

Leia mais

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1

Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Um rastro no mundo: as voltas da demanda 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado no Simpósio de Intersecção Psicanalítica do Brasil. Brasília, 2006. Trabalho Publicado no livro As identificações

Leia mais

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PSICANÁLISE NO HOSPITAL: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Yuri Ximenes Ávila Siqueira Telles Este artigo trata de questões concernentes à minha experiência de um ano de estágio no

Leia mais

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão

DESEJO DE ANALISTA. Ana Lúcia Bastos Falcão 1. O x da questão DESEJO DE ANALISTA Ana Lúcia Bastos Falcão 1 O x da questão O desejo do analista sempre acompanhado de uma questão é o próprio x da questão. Tratando-se de escolha de profissão, carreira... O importante

Leia mais

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii.

O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL. Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii. O QUE SE PEDE NÃO É O QUE SE DESEJA: OS EFEITOS DA ESCUTA DO PSICANALISTA NO HOSPITAL Aline da Costa Jerônimo i, Roseane Freitas Nicolau ii Resumo Este trabalho é parte dos resultados da pesquisa realizada

Leia mais

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014

Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Curso de Extensão: LEITURAS DIRIGIDAS DA OBRA DE JACQUES LACAN/2014 Prof. Dr. Mario Eduardo Costa Pereira PROGRAMA - Io. SEMESTRE Março/2014 14/03/2014 CONFERÊNCIA INAUGURAL : Contextualização do seminário

Leia mais

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009

FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 FREUD E LACAN NA CLÍNICA DE 2009 APRESENTAÇÃO O Corpo de Formação em Psicanálise do Instituto da Psicanálise Lacaniana- IPLA trabalhará neste ano de 2009 a atualidade clínica dos quatro conceitos fundamentais

Leia mais

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS

OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS OS QUATRO DISCURSOS DE LACAN E O DISCURSO DA CIÊNCIA: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS Henrique Riedel Nunes Miguel Fernandes Vieira Filho Daniel Franco Abordaremos aqui algumas das diversas relações entre

Leia mais

Dois cubos e um analista: figuras do objeto segundo Tania Rivera ou a questão do sujeito na arte contemporânea. Cláudio Oliveira

Dois cubos e um analista: figuras do objeto segundo Tania Rivera ou a questão do sujeito na arte contemporânea. Cláudio Oliveira Viso Cadernos de estética aplicada Revista eletrônica de estética ISSN 1981-4062 Nº 15, 2014 http://www.revistaviso.com.br/ Dois cubos e um analista: figuras do objeto segundo Tania Rivera ou a questão

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Lopes Período: 8º TURNO: Noturno Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS CARGA

Leia mais

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite

CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS. Curso de Formação em Pasicanálise. Ciclo IV 3ª Noite CEP -CENTRO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS Curso de Formação em Pasicanálise Ciclo IV 3ª Noite O atravessamento da Psicanálise em meu cotidiano Nathália Miyuki Yamasaki 2014 Chego para análise e me ponho a

Leia mais

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano:

Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: CRÉDITOS Componente Curricular: Psicoterapia I Psicanálise Professor(a): Dalmir Peira Lopes Período: 8º TURNO: Matutino Ano: 2015.2 TOTAL DE AULAS(h/a) CARGA HORÁRIA ATIVIDADES EM ESPAÇOS DIVERSIFICADOS

Leia mais

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1

QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 QUE AMOR NA TRANSFERÊNCIA? Ana Paula de Aguiar Barcellos 1 Na descoberta do inconsciente Freud apontou que a transferência é um fenômeno espontâneo que adquire status de conceito na psicanálise. Ela é

Leia mais

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista?

Entrevista com Taciana Mafra Revista Antígona, Na sua opinião, como se dá a formação de um psicanalista? Entrevista com Taciana Mafra Taciana de Melo Mafra - Psicanalista, membro fundadora do Toro de Psicanálise em Maceió, editora da Revista Antígona, autora dos livros Um Percurso em Psicanálise com Lacan,

Leia mais

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL

PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL PSICANÁLISE E SAÚDE MENTAL Trabalho apresentado na Letra-Associação de Psicanálise em outubro de 2009. Considerando a grande quantidade de impasses relativos à relação entre a psicanálise e a saúde mental,

Leia mais

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1

MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO. Sara Guimarães Nunes 1 MULHERES MASTECTOMIZADAS: UM OLHAR PSICANALÍTICO Sara Guimarães Nunes 1 1. Aluna Especial do Mestrado em Psicologia 2016.1, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Tipo de Apresentação: Comunicação

Leia mais

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E

Escritores Criativos E Devaneio (1908), vol. IX. Fantasias Histéricas E Sua Relação Com A Bissexualidade (1908), vol. IX. Moral Sexual Civilizada E 6 Bibliografia ANDRÉ, S., A Impostura Perversa, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1995. BROUSSE, M. H., A Fórmula do Fantasma? $ a, in Lacan, organizado por: Gérard Miller, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed.,

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 6 Referências bibliográficas ABREU, T. Perversão generalizada. In: Agente: Revista digital de psicanálise da EBP-Bahia, n. 03. Salvador: EBP-Bahia, 2007. Disponível em: .

Leia mais

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1

Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Quando dar à castração outra articulação que não a anedótica? 1 Maria Isabel Fernandez Este título extraí do seminário...ou pior, livro 19, de Jacques Lacan, especificamente do capítulo III, intitulado

Leia mais

5 Referências bibliográficas

5 Referências bibliográficas 82 5 Referências bibliográficas BAKER, L. R. Attitudes in Action. Separata de: LECLERC, A.; QUEIROZ, G.; WRIGLEY, M. B. Proceedings of the Third International Colloquium in Philosophy of Mind. Manuscrito

Leia mais

A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1. Tassia Theves 2.

A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1. Tassia Theves 2. A POSIÇÃO DO TERAPEUTA NA DIREÇÃO DO TRATAMENTO 1 Tassia Theves 2. 1 Artigo realizado no curso de psicologia da Unijuí 2 Acadêmica de psicologia na Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em

O CARTEL FAZ ESCOLA. Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em O CARTEL FAZ ESCOLA Em 2004, no final de seu texto denominado Por uma Escola do Cartel (in Em torno do Cartel, org. por Barbara Guatimosin), Rithé Cevasco coloca a seguinte questão: saberemos fazer uso

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BARTHES, R. (1980) A Câmera Clara. Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1984. BARROS, R. R. (2004 a) O medo, o seu tempo e a sua política. In: A política do medo e o dizer

Leia mais

A TRANSMISSÃO NA ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE MOVIMENTO FREUDIANO (EBPMF): OS EFEITOS DA PSICANÁLISE EM EXTENSÃO NA PRÁTICA E NA CULTURA

A TRANSMISSÃO NA ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE MOVIMENTO FREUDIANO (EBPMF): OS EFEITOS DA PSICANÁLISE EM EXTENSÃO NA PRÁTICA E NA CULTURA A TRANSMISSÃO NA ESCOLA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE MOVIMENTO FREUDIANO (EBPMF): OS EFEITOS DA PSICANÁLISE EM EXTENSÃO NA PRÁTICA E NA CULTURA ISIDORO EDUARDO AMERICANO DO BRASIL Supondo que a Psiquiatria

Leia mais

Sofrimento e dor no autismo: quem sente?

Sofrimento e dor no autismo: quem sente? Sofrimento e dor no autismo: quem sente? BORGES, Bianca Stoppa Universidade Veiga de Almeida-RJ biasborges@globo.com Resumo Este trabalho pretende discutir a relação do autista com seu corpo, frente à

Leia mais

SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA

SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA SOCIEDADES E ASSOCIAÇÕES DE PSICOTERAPIA PROTOCOLADAS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICANÁLISE E PSICOTERAPIA PSICANALÍTICA Apresentação da psicoterapia e do(s) modelo(s) teórico(s) subjacente(s) A Associação

Leia mais

7 Referências Bibliográficas

7 Referências Bibliográficas 81 7 Referências Bibliográficas ARRIVÉ, M. Linguagem e psicanálise: lingüística e inconsciente. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1999. BAUMAN, Z. Vida líquida. (2009). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

Leia mais

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger

As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo. Sandra Freiberger As Implicações do Co Leito entre Pais e Filhos para a Resolução do Complexo de Édipo Sandra Freiberger Porto Alegre, 2017 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO: INTERVENÇÃO

Leia mais

PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR

PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR PSICOLOGIA E PSIQUIATRIA: UM DIÁLOGO TRANSDISCIPLINAR Trabalho de curso 2013 Maria Luiza da Cruz Cortizo Thayane Silva Aguiar Henrique Graduandas do Curso de Psicologia na União de Ensino Superior de Viçosa

Leia mais

Transferência e desejo do analista

Transferência e desejo do analista Transferência e desejo do analista Doris Rinald 1 i Originalmente a transferência é descoberta por Freud como um fenômeno espontâneo que, ao ser vinculado ao desenvolvimento da experiência psicanalítica,

Leia mais

O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan *

O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan * O lugar da terapêutica na psicanálise: Freud e Lacan * The place of therapeutical in psychoanalysis: Freud and Lacan El lugar del terapéutico en psicoanálisis: Freud y Lacan Ednei Soares ** A psicanálise

Leia mais

PETRI, R. Psicanálise e educação no tratamento da psicose infantil: quatro experiências institucionais. São Paulo, SP: Annablume, 2003

PETRI, R. Psicanálise e educação no tratamento da psicose infantil: quatro experiências institucionais. São Paulo, SP: Annablume, 2003 PETRI, R. Psicanálise e educação no tratamento da psicose infantil: quatro experiências institucionais São Paulo, SP: Annablume, 2003 Marise Bartolozzi B astos Eis um trabalho que traz uma importante contribuição

Leia mais

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo

DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUSSÃO AO TRABALHO DA INSTITUIÇÃO CARTÉIS CONSTITUINTES DA ANALISE FREUDIANA: A psicanálise: à prova da passagem do tempo DISCUTIDO PELA ESCOLA FREUDIANA DA ARGENTINA NOEMI SIROTA O trabalho permite

Leia mais

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud

Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Amor e precipitação: um retorno à história de Sidonie C., a paciente homossexual de Freud Alexandre Rambo de Moura Nosso trabalho se desdobra das questões que emergem a partir do livro Desejos Secretos,

Leia mais

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa

Carga horária total: 04 Prática: 04 Teórico Prática: Semestre Letivo 1º/2012 Ementa Unidade Universitária Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - 040 Curso Psicologia Disciplina Psicopatologia Psicodinâmica Professor(es) e DRTs Fernando Genaro Junior 114071-3 Sandra Fernandes de Amorim

Leia mais

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO

A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica A PSICOLOGIA COMO PROFISSÃO Profa. Ms. Joanna Heim PSICOLOGIA Contribuições Histórica Filosóficas Fisiológicas FILOSÓFICA(psyché = alma e logos=razão)

Leia mais

A estranheza da psicanálise

A estranheza da psicanálise Antonio Quinet A estranheza da psicanálise A Escola de Lacan e seus analistas Rio de Janeiro Prefácio: Ex-tranha Não ficaria surpreso, diz Freud, em ouvir que a psicanálise, que se preocupa em revelar

Leia mais

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano

Imaginário, Simbólico e Real. Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Imaginário, Simbólico e Real Débora Trevizo Dolores Braga Ercilene Vita Janaína Oliveira Sulemi Fabiano Roteiro: 1) Breve relato sobre a primeira concepção de inconsciente em Freud - o corte epistemológico.

Leia mais

Cartel: um in-cômodo: uma experiência.. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o

Cartel: um in-cômodo: uma experiência.. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o Cartel: um in-cômodo: uma experiência Tereza Oliveira 1. O título deste trabalho surgiu num dos encontros do cartel sobre o Seminário da Identificação, livro 9 que foi provocado por um dos cartelizantes

Leia mais

INVESTIGAÇÃO EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE

INVESTIGAÇÃO EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE INVESTIGAÇÃO EM PSICANÁLISE NA UNIVERSIDADE Gilberto Safra 1 Instituto de Psicologia USP E ste evento surge no momento em que o Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade

Leia mais

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO

FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO FORMULAÇÕES FREUDIANAS SOBRE A EXPERIÊNCIA DO INCONSCIENTE PARA O PSICANALISTA EM FORMAÇÃO Marcus Kleredis Monteiro Vieira O presente trabalho resulta da pesquisa realizada no Programa de Mestrado em Psicologia

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 102 7. Referências Bibliográficas ANSERMET, François. Clínica da Origem: a criança entre a medicina e a psicanálise. [Opção Lacaniana n 02] Rio de Janeiro: Contra capa livraria, 2003. ARAÚJO, Marlenbe

Leia mais

A psicanálise posta à prova na instituição pública de saúde mental: clínica e política

A psicanálise posta à prova na instituição pública de saúde mental: clínica e política A psicanálise posta à prova na instituição pública de saúde mental: clínica e política Fátima Oliveira Doris Rinaldi Manoel Ferreira (Delegados de Intersecção Psicanalítica do Brasil) "Governar, educar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 01/2017/PSI

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 01/2017/PSI UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE PSICOLOGIA CURSO DE PSICOLOGIA NORMAS COMPLEMENTARES Nº 01/2017/PSI A Direção do Instituto de Psicologia e a Coordenação do Curso de Psicologia, baseadas no

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Decanato Acadêmico Unidade Universitária: Centro de Comunicação e Letras Curso: Jornalismo Disciplina: Psicologia Professor(es): Nora Rosa Rabinovich Carga horária: 25,5h Ementa: (x) Teórica ( ) Prática Núcleo Temático:

Leia mais

Desejo do analista e a intervenção analítica

Desejo do analista e a intervenção analítica Desejo do analista e a intervenção analítica A função do escrito não constitui então o catálogo, mas a via mesma da estrada de ferro. E o objeto (a), tal como o escrevo, ele é o trilho por onde chega ao

Leia mais

CLÍNICA E UNIVERSIDADE. clínica em uma clínica-escola de atendimento psicológico inserida em uma

CLÍNICA E UNIVERSIDADE. clínica em uma clínica-escola de atendimento psicológico inserida em uma CLÍNICA E UNIVERSIDADE Etiene Silveira Ortmann Carlos Henrique Kessler Este trabalho foi pensado a partir de interrogações que surgiram da prática clínica em uma clínica-escola de atendimento psicológico

Leia mais

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1

AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 AS DUAS VERTENTES: SIGNIFICANTE E OBJETO a 1 Luiz Carlos Nogueira e Helena Bicalho 2 Instituto de Psicologia - USP Jair Abe 3 Instituto de Estudos Avançados - USP Este trabalho trata da relação entre a

Leia mais

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA

O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA O INTERMINÁVEL DAQUILO QUE TERMINA Por Arlete Mourão Simpósio de Olinda (agosto de 2005) Existem dois tipos de análises termináveis: aquelas cuja saída se dá pela père-version e aquelas cuja saída se dá

Leia mais

A SUPERVISÃO NA CLÍNICA-ESCOLA: VIA DE FORMAÇÃO E PESQUISA CLÍNICA. Acompanho desde 1986 as atividades da Clínica de Atendimento Psicológico do

A SUPERVISÃO NA CLÍNICA-ESCOLA: VIA DE FORMAÇÃO E PESQUISA CLÍNICA. Acompanho desde 1986 as atividades da Clínica de Atendimento Psicológico do A SUPERVISÃO NA CLÍNICA-ESCOLA: VIA DE FORMAÇÃO E PESQUISA CLÍNICA Carlos Henrique Kessler Acompanho desde 1986 as atividades da Clínica de Atendimento Psicológico do Instituto de Psicologia-UFRGS. Desde

Leia mais

QUADRO DE VAGAS 2018/1 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA

QUADRO DE VAGAS 2018/1 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE HOSPITAL PSIQUIÁTRICO SÃO PEDRO DIREÇÃO DE ENSINO E PESQUISA QUADRO DE VAGAS ESTÁGIO CURRICULAR 2018/1 QUADRO DE VAGAS 2018/1 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA

Leia mais

PsicoDom, v.1, n.1, dez

PsicoDom, v.1, n.1, dez PsicoDom, v.1, n.1, dez. 2007 13 Resenha do livro Categorias Conceituais da Subjetividade Jorge Sesarino 1 Fabio Thá, conhecido nome da psicanálise em Curitiba, foi um dos pioneiros no estudo da obra de

Leia mais

PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL

PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL PROJETO AIMEE: A CLÍNICA DA PSICOSE E SEU EFEITO NO SOCIAL Autoras: 1 BARRETO, Ellen Kelly Marinho; 2 FERNANDES, Regileide de Lucena; 3 LAVIERI, Maria Beatriz Ferreira; 4 MIGUEL, Isabelle Maria Duarte

Leia mais

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES

O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES O MANEJO DA TRANSFERÊNCIA NA PSICOSE: O SECRETÁRIO DO ALIENADO E SUAS IMPLICAÇÕES Roberto Lopes Mendonça O tratamento da psicose: impasses iniciais No trabalho clínico com a psicose, torna-se cada vez

Leia mais

Coordenadas para o desejo do analista?

Coordenadas para o desejo do analista? 1 Coordenadas para o desejo do analista? A ética de cunho moralista propagada tanto pela filosofia quanto pela religião pressupõe um ego psicologicamente capaz de tudo que lhe é exigido, ao atribuirlhe

Leia mais

Referências bibliográficas

Referências bibliográficas Referências bibliográficas BEZERRIL, C. (relatora). Imagens da letra. Opção Lacaniana Revista Brasileira Internacional de Psicanálise, n. 41, 2004. COTTET, S. La belle inertie. Note sur la depression en

Leia mais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais

Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Apresentação em pôster Quando o inominável se manifesta no corpo: a psicossomática psicanalítica no contexto das relações objetais Bruno Quintino de Oliveira¹; Issa Damous²; 1.Discente-pesquisador do Deptº

Leia mais

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado

INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA. Profa. Dra. Laura Carmilo granado INTRODUÇÃO À PSICOPATOLOGIA PSICANALÍTICA Profa. Dra. Laura Carmilo granado Pathos Passividade, paixão e padecimento - padecimentos ou paixões próprios à alma (PEREIRA, 2000) Pathos na Grécia antiga Platão

Leia mais

Ética e Desejo: da psicanálise em intensão à psicanálise em extensão Doris Rinaldi

Ética e Desejo: da psicanálise em intensão à psicanálise em extensão Doris Rinaldi Ética e Desejo: da psicanálise em intensão à psicanálise em extensão Doris Rinaldi Desde o início de sua elaboração, Lacan., ao referir-se à experiência psicanalítica, enfatizou o seu caráter triangular,

Leia mais

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa

O falo, o amor ao pai, o silêncio. no real Gresiela Nunes da Rosa Opção Lacaniana online nova série Ano 5 Número 15 novembro 2014 ISSN 2177-2673 e o amor no real Gresiela Nunes da Rosa Diante da constatação de que o menino ou o papai possui um órgão fálico um tanto quanto

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005

Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e identificação Lenita Bentes Ondina Machado * Abordaremos alguns aspectos do tema de nossa oficina, que dá título ao texto, através de dois pequenos escritos.

Leia mais

O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO. Laureci Nunes

O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO. Laureci Nunes O CARTEL E O DISCURSO ANALÍTICO Laureci Nunes Lacan, em 1964, quando fundou a Escola Freudiana de Paris, propôs o cartel, como o dispositivo privilegiado, onde ele esperava que o trabalho da Escola se

Leia mais

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina

Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina O corpo e os objetos (a) na clínica dos transtornos alimentares Lázaro Elias Rosa Coordenador do Núcleo de Psicanálise e Medicina Com este título, nomeamos o conjunto de nossos trabalhos, bem como o rumo

Leia mais

QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA

QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE HOSPITAL PSIQUIÁTRICO SÃO PEDRO DIREÇÃO DE ENSINO E PESQUISA QUADRO DE VAGAS 2017/2 ESTÁGIO CURRICULAR PSICOLOGIA LOCAL VAGAS MODALIDADE DE ESTÁGIO Data

Leia mais

Incurável. Celso Rennó Lima

Incurável. Celso Rennó Lima 1 Incurável Celso Rennó Lima Em seu primeiro encontro com o Outro, consequência da incidência de um significante, o sujeito tem de lidar com um incurável, que não se subjetiva, que não permite que desejo

Leia mais

Projeto de estágio. Coordenação do projeto: Prof. Dr. Antonio Augusto Pinto Junior

Projeto de estágio. Coordenação do projeto: Prof. Dr. Antonio Augusto Pinto Junior UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ICHS- INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE VOLTA REDONDA VPS - DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SPA SERVIÇO DE PSICOLOGIA AOLICADA Projeto de estágio Coordenação do projeto:

Leia mais

Resenha. Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses*

Resenha. Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses* Resenha Considerações sobre a teoria lacaniana das psicoses* SOUZA LEITE, M. P. Questões preliminares à psicanálise de psicóticos, Palestra. Iª Semana de Psicanálise. Novembro-1987, PUC-SP (www.marciopeter.com.br).

Leia mais

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos.

3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. 3) Interrogações sobre a Ética da Psicanálise na Clínica com Pacientes Psicóticos. Yzabelle dos Anjos Almeida (IP-UERJ), Rita Maria Manso de Barros (IP-UERJ) Resumo: Este trabalho pretende tratar da ética

Leia mais

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica

Resumos. Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Seminário de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Teoria Psicanalítica Inovação em psicanálise: rumos e perspectivas na contemporaneidade Quinta-feira 11/6 15h30-17h Mesa-redonda Filosofia e Psicanálise

Leia mais

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez *

Latusa digital N 12 ano 2 março de Sinthoma e fantasia fundamental. Stella Jimenez * Latusa digital N 12 ano 2 março de 2005 Sinthoma e fantasia fundamental Stella Jimenez * A palavra sinthoma aparece na obra de Lacan relacionada às psicoses, quando ele toma James Joyce como seu exemplo

Leia mais

SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1

SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1 SAMCDA: o discurso cientificista da terapia cognitivo-comportamental 1 Christiano Mendes de Lima 2 Resumo: Neste texto, pretende-se situar a terapia cognitivo-comportamental (TCC) como uma das formações

Leia mais

PRINCÍPIOS DIRETIVOS PARA UMA ESCOLA ORIENTADA PELO ENSINO DE SIGMUND FREUD E JACQUES LACAN. Novembro de 2012

PRINCÍPIOS DIRETIVOS PARA UMA ESCOLA ORIENTADA PELO ENSINO DE SIGMUND FREUD E JACQUES LACAN. Novembro de 2012 PRINCÍPIOS DIRETIVOS PARA UMA ESCOLA ORIENTADA PELO ENSINO DE SIGMUND FREUD E JACQUES LACAN Novembro de 2012 I - A IF e sua Escola A IF, Federação das Associações dos Fóruns do Campo Lacaniano, cria sua

Leia mais

Variantes do tratamento padrão: comentários 1

Variantes do tratamento padrão: comentários 1 Variantes do tratamento padrão: comentários 1 Miriam A. Nogueira Lima 2 Resumo Este trabalho toma o texto de Jacques Lacan [1955] conforme sua edição nos Escritos [1998], constando de quatro partes. Acrescenta

Leia mais

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum

Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Curso de Atualização em Psicopatologia 2ª aula Decio Tenenbaum Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica do Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro 2ª aula Diferenciação

Leia mais

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003

Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Latusa digital ano 0 N 3 outubro de 2003 Perguntas e respostas Sara Perola Fux * Sabemos que toda pergunta já contém em si mesma a resposta. Então, se deduz que a resposta antecede à pergunta é esta a

Leia mais

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal

A verdade e o seu caráter mítico: de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Opção Lacaniana online nova série Ano 6 Número 16 março 2015 ISSN 2177-2673 enunciado de um gozo 1 Gustavo Miranda Fonseca e Paulo Vidal Os escritos freudianos são especialmente caracterizados pela narrativa

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE - FACIBIS CURSO DE PSICOLOGIA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES: CURRÍCULO 2009.2 COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA BELO

Leia mais

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso.

Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Ingesta líquida e o Paciente Renal Crônico: A Restrição do Essencial e o Essencial da Restrição, a clínica do excesso. Bárbara Breder 1 Este trabalho surge do diálogo estabelecido sobre a clínica com pacientes

Leia mais

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi

Escrita e Invenção. Doris Rinaldi Escrita e Invenção Doris Rinaldi O poeta Manoel de Barros, em seu livro de memórias sobre a infância, intitulado Memórias Inventadas, abre o trabalho com a seguinte afirmação: Tudo o que não invento é

Leia mais

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise

Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Formação de grupos sociais diálogos entre Sociologia e Psicanálise Tópicos Especiais em Planejamento e Gestão do Território Prof. Arilson Favareto Aula 1 21/Setembro/2015 Introdução à temática, antecedentes

Leia mais

A Prática Da Escola PSICANÁLISE. Escola Ensino Transmissão 2016 CLÍNICA DE PSICANÁLISE IMPRESSO

A Prática Da Escola PSICANÁLISE. Escola Ensino Transmissão 2016 CLÍNICA DE PSICANÁLISE IMPRESSO CLÍNICA DE PSICANÁLISE A clínica está aberta a cada um que tenha demanda de tratar-se psicanaliticamente. Informações entre 13h e 21h - (21) 2704-8448 / 2710-3522 Consultórios em Niterói e no Rio de Janeiro

Leia mais

Psicanálise Integrativa

Psicanálise Integrativa Psicanálise Integrativa ENRIQUE DANIEL TOSI BENTANCUR Psicanalista 1 2 3 Quando você atinge a iluminação não se torna uma nova pessoa. Na verdade, você não ganha nada, apenas perde algo: se desprende de

Leia mais

SAÚDE MENTAL: ACOLHIMENTO DA QUEIXA, NECESSIDADE E DEMANDA. Psic. Felipe Faria Brognoli

SAÚDE MENTAL: ACOLHIMENTO DA QUEIXA, NECESSIDADE E DEMANDA. Psic. Felipe Faria Brognoli SAÚDE MENTAL: ACOLHIMENTO DA QUEIXA, NECESSIDADE E DEMANDA Psic. Felipe Faria Brognoli ACOLHIMENTO Dar acolhida, admitir, aceitar, dar ouvidos, dar crédito a, agasalhar, receber, atender, admitir (FERREIRA,

Leia mais

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi

Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição. Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi Do fenômeno ao sintoma: impasses e possibilidades na escuta do sujeito na instituição Claudia Escórcio Gurgel do Amaral Pitanga Doris Rinaldi O presente trabalho tem a intenção de discutir os impasses

Leia mais

O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO. O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele

O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO. O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele O PSICANALISTA SÓ SE AUTORIZA DE SI MESMO Inicio com três citações de Lacan: O analista só se autoriza de si mesmo, isso é óbvio (...) Aquilo que ele tem de cuidar é que, a autorizar-se por si mesmo, haja

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social A PSICANÁLISE DE FREUD E LACAN PODE CONTRIBUIR COM O CAMPO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL? Sara Mexko* (Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Estadual Paulista, Assis-SP, Brasil). contato: saramexko@gmail.com

Leia mais

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X

Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia Psicologia: de onde viemos, para onde vamos? Universidade Estadual de Maringá ISSN X ATENDIMENTO PSICANALÍTICO NA CLÍNICA ESCOLA DE PSICOLOGIA: EXPECTATIVAS E DESAFIOS Marana Tamie Uehara de Souza* Camila Soncine Baratto Silvia Nogueira Cordeiro Nara Akemi Hokama Penteado Alves Natalia

Leia mais

Bárbara da Silva. Português. Aula 26 Interpretação de textos do Enem II

Bárbara da Silva. Português. Aula 26 Interpretação de textos do Enem II Bárbara da Silva Português Aula 26 Interpretação de textos do Enem II Saber ler e interpretar um texto é o primeiro passo na resolução de qualquer questão do Enem. A compreensão do enunciado é uma chave

Leia mais