Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações"

Transcrição

1 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 1 Construção Empresas Alvará TIM Projecto de execução TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações Equipamentos CE, Documentação, Chapa de identificação, protecção Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 2 1

2 Materiais & Equipamentos Recepção: acondicionados e embalados, chegada de acordo com as necessidades do planeamento Verificação da sua conformidade com a ficha de características técnicas e catálogos Armazenagem e instalação: Protecção da humidade e quaisquer outras possibilidades de deterioração ou dano Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 3 Preparação de obra A empresa instaladora deverá assegurar: desenhos de preparação detalhados dos equipamentos e redes que indiquem claramente dimensões, espaços livres para acessibilidade e manutenção localização das ligações, peso e toda a demais informação que seja necessária para a sua correcta avaliação. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 4 2

3 Redes de Fluidos ISOLAMENTO Espessura definida no Anexo III do RSECE, Justo à tubagem Fecho seguro sem se degradar com o tempo. Contínuo atravessamento pendurais acessórios forra mecânica Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 5 Redes de Fluidos Vibrações. Gases combustíveis Distâncias Testar antes da oclusão Paralelismo Alinhar sem forçar Acessórios Limitação Adequados Raios de curvatura Ligações Rebarbas localização Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 6 3

4 Redes de Fluidos TUBAGENS Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 7 Redes de Fluidos TUBAGENS SEPARAÇÃO DE AR Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 8 4

5 Redes de Fluidos Condutas Pontas equipadas com tampões Níveis Durante o fabrico Durante o transporte Durante o armazenamento em obra Na montagem Básico Não Não Não Só nas verticais Médio Não Não Sim Sim Superior Sim Sim Sim Sim Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 9 Redes de Fluidos Condutas Limpeza Perda de carga Conservação da forma Ligação aos equipamentos Condutas flexíveis Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 10 5

6 EN Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 11 Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 12 6

7 Redes de Fluidos Condutas Todos os componentes devem ser instalados de forma a permitir a sua limpeza ou a a preverem-se aberturas de inspecção ao longo das condutas com dimensões e distâncias entre elas de acordo com o método indicado para a sua eventual limpeza. Antes Depois Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 13 Redes de Fluidos Limpeza de Condutas Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 14 7

8 Testes Antes de se fazerem os ensaios de funcionamento, devem limpar-se, retirando toda a sujidade a unidades terminais, equipamentos das centrais, instrumentos de medida e controlo, quadros eléctricos, etc., deixando-os em perfeito estado de limpeza. Preparação e limpeza dos circuitos Estanquidade Resistência Mecânica Livre Dilatação Correcções Correcções Correcções Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 15 Testes Limpeza de Condutas Parte LIMPA da rede de condutas Insuflação Retorno Extracção Limite de partículas depositadas g/m 2 mg/100 cm Método de medida Aspiração Aspiração Aspiração Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 16 8

9 Testes Estanquidade de Condutas Preparação e limpeza A limpeza interior da rede de condutas de ar deve efectuar-se assim que se complete a montagem da rede e da unidade de tratamento de ar, mas antes de ligar as unidades terminais e de montar os elementos de acabamento e os móveis. Para que a realização de testes possa acontecer as aberturas das condutas onde se vão ligar os elementos de difusão ou as unidades terminais devem ser fechadas rigidamente e ficar completamente vedadas. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 17 Testes Estanquidade de Condutas Resistência estrutural e estanquidade As redes de condutas devem ser submetidas a testes de resistência estrutural e estanquidade. O caudal de fuga admitido deve ser inferior ao indicado no projecto estabelecido para a classe de estanquidade acordada com o D.O.. Classe A B C D c f caudal de fuga[l.s -1.m -2 ] p pressão estática [Pa] c - coeficiente da classe f = c p 0.65 Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 18 9

10 Regulação & Equilíbrio As instalações devem ser ajustadas aos valores das prestações requeridas pelo projecto de execução, dentro das margens admissíveis de tolerância. Para cada ensaio devem ser previamente estabelecidas as metodologias de execução e os critérios de aceitação. Dos ensaios indicados deve ser feito relatório adequado comprovativo da data da sua realização, dos respectivos técnicos responsáveis, bem como dos resultados obtidos que satisfaçam os critérios pretendidos, devidamente validado pelo Dono da Obra ou seu representante. Os ensaios que não produzirem resultados satisfatórios deverão ser repetidos, após as medidas de correcção apropriadas na instalação, até que os critérios pretendidos sejam integralmente satisfeitos. Este relatório é condição necessária para que o edifício, ou as suas fracções autónomas, possam receber licença de utilização, devendo ser entregue cópia do mesmo ao Perito para emissão do Certificado Energético. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 19 Regulação & Equilíbrio Registo de todos os ensaios efectuados, validados pela entidade fiscalizadora e nomeadamente os especificados no anexo XIV do Rsece : a) Estanquidade da rede de condutas: As perdas na rede de condutas têm de ser inferiores a 1,5l/s.m2 de área de conduta quando sujeitas a uma pressão estática de 400 Pa O ensaio pode ser feito, em primeira instância, a 10% da rede, escolhida aleatoriamente Caso o ensaio da primeira instância não seja satisfatório, o ensaio da segunda instância deve ser feito em 20% da instalação, também escolhidos aleatoriamente, para além dos 10% iniciais Caso esta segunda instância também não satisfaça o critério pretendido, todos os ensaios seguintes devem ser feitos a 100% da rede de condutas Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 20 10

11 EN l/(s.m 2 ) 400 Pa Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 21 Regulação & Equilíbrio Anexo XIV b) Medição dos caudais de água e de ar: em cada componente do sistema (radiador, ventiloconvector, UTA, registo de insuflação e de extracção), para o que devem ser previstos em projecto os acessórios que permitam estas medições de forma prática e precisa c) Medição da Temperatura e da Humidade Relativa (nos circuitos de ar): em complemento das medições indicadas no número anterior d) Medição dos consumos: em cada propulsor de fluido, caldeira e máquina frigorífica e) Verificação das protecções eléctricas: em todos os propulsores de fluido, caldeira e máquina frigorífica f) Verificação do sentido de rotação: em todos os motores e propulsores de fluidos Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 22 11

12 Regulação & Equilíbrio Anexo XIV g) Verificação da Eficiência Nominal: em todos os motores e propulsores de fluidos, bem como das caldeiras e máquinas frigoríficas h) Verificação de sentidos de colocação de filtros e válvulas anti-retorno: confirmação de que todos estes componentes estão devidamente montados i) Drenagem de condensados: deve ser comprovado que os condensados, produzidos em cada local onde possam ocorrer, drenam correctamente j) Sistema de controlo: deve ser verificado que este reage conforme esperado em resposta a uma solicitação de sentido positivo ou negativo Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 23 Regulação & Equilíbrio Anexo XIV k) Pontos obrigatórios para monitorização: deve ser verificado o funcionamento de todos os pontos indicados no Anexo IV do presente Regulamento l) Sistemas especiais: devem ser verificados todos os componentes especiais e essenciais, tais como sistemas de anticorrosão das redes de tubagem, bombas de calor desumidificadoras, desgaseificadores, sistemas de detecção de gás, válvulas de 2 e 3 vias motorizadas, etc. m) Limpeza das redes e componentes: deve ser confirmada a limpeza e desempenho de todos os componentes que têm influência directa na qualidade do ar interior Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 24 12

13 Regulação & Equilíbrio Anexo IV Devem ser previstos em projecto todos os acessórios necessários à monitorização dos seguintes parâmetros, quando aplicáveis, dependendo do tipo de instalação: 1. Consumo eléctrico de todos os motores com potência superior a 5,5 kw; 2. Estado de colmatagem dos filtros de ar; 3. Estado de colmatagem dos filtros de água; 4. Estado aberto/fechado dos registos corta-fogo; 5. Gases de combustão de caldeiras com potência superior a 100 kw; 6. Temperatura do ar exterior; 7. Temperatura média do ar interior, ou de cada zona controlada a temperatura distinta; 8. Temperatura da água em circuitos primários ida/retorno; 9. Temperatura de insuflação das Unidades de Tratamento de Ar (UTA); 10. Qualidade do Ar Interior por grande zona a climatizar (sempre que existirem espaços especiais com índices de ocupação elevados ou condições de funcionamento específicas, estes devem considerar sistemas de QAI próprios). Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 25 Regulação & Equilíbrio Distribuição & Difusão O instalador realizará e documentará o procedimento de ajuste e equilíbrio dos sistemas de distribuição e difusão de ar de acordo com o seguinte: Em cada circuito devem ser conhecidos o caudal nominal e pressão. Assim como os caudais nominais em ramais e unidades terminais. O ponto de trabalho de cada ventilador, do qual se deve conhecer a curva característica, deve ser ajustado ao caudal e pressão correspondente ao projecto. As unidades terminais de insuflação e retorno serão ajustadas ao caudal de projecto através dos seus dispositivos de regulação. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 26 13

14 Regulação & Equilíbrio Distribuição & Difusão O instalador realizará e documentará o procedimento de ajuste e equilíbrio dos sistemas de distribuição e difusão de ar de acordo com o seguinte: Para cada espaço deve conhecer-se o caudal nominal de insuflação e extracção previsto no projecto, assim como o número, tipo e localização das unidades terminais de insuflação e retorno. O caudal das unidades terminais deve ajustar-se ao valor especificado no projecto. Em unidades terminais com fluxo direccional, devem ajustar-se as suas lâminas para minimizar as correntes de ar e estabelecer uma distribuição adequada do ar de insuflação. Em locais onde a hierarquia de pressões seja exigida os ajustes da pressão diferencial devem fazer-se por regulação dos caudais de insuflação e extracção. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 27 Regulação & Equilíbrio Distribuição de água O instalador realizará e documentará o procedimento de ajuste e equilíbrio dos sistemas de distribuição de água de acordo com o seguinte: Em cada circuito hidráulico devem ser conhecidos o caudal nominal e pressão. Assim como os caudais nominais em ramais e unidades terminais. No caso da existência de fluido anticongelante na instalação, deve comprovar-se que este cumpre as especificações do Projecto. Cada bomba de circulação, da qual se deve conhecer a curva característica, deve ser ajustada ao caudal de projecto, como passo prévio à regulação dos produtores de energia térmica aos caudais e temperaturas de projecto. As unidades terminais, ou os dispositivos de equilíbrio dos ramais, serão regulados para o caudal máximo de projecto. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 28 14

15 Regulação & Equilíbrio Distribuição de água O instalador realizará e documentará o procedimento de ajuste e equilíbrio dos sistemas de distribuição e difusão de água de acordo com o seguinte: Em circuitos hidráulicos equipados com válvulas de controlo de pressão diferencial, deve regular-se o valor do ponto de controlo do mecanismo à gama de variação da queda de pressão do circuito controlado. Devem conhecer-se a potência, temperaturas e caudais de projecto de cada permutador de calor para regulação dos caudais que o atravessam. Quando exista mais que um grupo de colectores solares no circuito primário do subsistema de energia solar, deve comprovarse o correcto equilíbrio hidráulico dos diferentes ramais da instalação, mediante o procedimento previsto no projecto de execução. No caso de risco de ocorrência de geadas, deve comprovar-se que o fluido do circuito primário da energia solar cumpre o projecto. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 29 Regulação & Equilíbrio Controlo Automático tico O sistema de controlo automático será regulado para os valores especificados no projecto, devendo-se comprovar o funcionamento de todos os componentes que configuram o sistema de controlo. Para isso serão estabelecidos os critérios baseados na estrutura do sistema, tendo em conta os seguintes níveis: unidades de campo, processo, comunicações, gestão e telegestão. Os níveis de processo serão verificados para constatar a sua adaptação à aplicação de acordo com a base de dados especificados no projecto. São válidos para este efeito os protocolos estabelecidos na EN ISO Quando a instalação disponha de uma GTC a sua manutenção e actualização das versões dos programas deve ser realizada por pessoal qualificado ou pelo fornecedor do equipamento. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 30 15

16 Regulação & Equilíbrio Eficiência Energética O instalador realizará e documentará os seguintes testes de eficiência energética da instalação: Verificação do funcionamento da instalação nas condições de regime normal. Verificação da eficiência energética das unidades de produção térmica nas condições de trabalho. O rendimento de caldeiras não deve ser inferior em mais de 5 unidades do limite inferior da gama de variação marcada para a categoria indicada na etiquetagem energética do equipamento. Verificação dos permutadores de calor, unidades de tratamento de ar e demais equipamentos nos quais se efectue uma transferência de energia térmica. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 31 Regulação & Equilíbrio Eficiência Energética O instalador realizará e documentará os seguintes testes de eficiência energética da instalação: Verificação da eficiência e aporte energético da produção de sistemas produtores de energia térmica de origem renovável. Verificação do funcionamento dos elementos de regulação e controlo. Verificação das temperaturas e respectivos diferenciais de todos os circuitos de produção, distribuição e unidades terminais em regime normal de funcionamento. Verificação dos consumos energéticos e se estes estão dentro das margens previstas no projecto. Verificação do funcionamento e consumo dos motores eléctricos nas condições reais de trabalho. Verificação das perdas térmicas de distribuição da rede hidráulica. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 32 16

17 Acto de Recepção Uma vez terminados os testes finais com resultados satisfatórios na presença da fiscalização deve proceder-se ao acto da recepção provisória das instalações com o qual se dará por concluída a montagem. É neste momento que a empresa instaladora deve entregar ao dono da obra toda a documentação seguinte: Telas finais das instalações realmente executadas em que figure, como mínimo, os esquemas de princípio, os esquemas de controlo e segurança, os esquemas eléctricos, desenhos de implantação de equipamentos com o percurso das redes de distribuição de todos os fluidos, bem como a implantação das unidades terminais. Memória descritiva e justificativa da instalação realmente executada, onde se incluam as bases de projecto e os critérios adoptados para o seu desenvolvimento. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 33 Acto de Recepção Uma vez terminados os testes finais com resultados satisfatórios na presença da fiscalização deve procederse ao acto da recepção provisória das instalações com o qual se dará por concluída a montagem. É neste momento que a empresa instaladora deve entregar ao dono da obra toda a documentação seguinte: Relação dos materiais e dos equipamentos empregues, onde se indique o fabricante, a marca, o modelo e as características de funcionamento, junto com catálogos e certificados de origem e garantia. Manuais com instruções de condução, funcionamento e manutenção, juntamente com a lista de peças de substituição recomendadas. Documento contendo a compilação dos resultados dos testes realizados Certificado do responsável pela execução Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 34 17

18 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e a QAI Objectivos e princípios pios gerais Evitar que os sistemas de climatização ão: representem qualquer perigo para a saúde produzam odores ou qualquer desconforto térmico provoquem distúrbios no meio ambiente Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 35 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e a QAI Objectivos e princípios pios gerais Os sistemas de climatização deverão funcionar e serem mantidos de modo a que os requisitos de higiene sejam também permanentemente verificados: Limpeza de todas as superfícies em contacto com o ar Inspecção e substituição regular dos filtros Inspecção e limpeza periódica do sistema de humidificação, incluindo desinfecção da água e partes sujas (Verificação da necessidade de desinfecção através de teste rápido dip slides ) Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 36 18

19 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e a QAI Objectivos e princípios pios gerais A desinfecção química só pode ser realizada usando apenas substâncias biocidas cujo efeito e inofencividade já foram comprovados sob condições práticas. No caso da humidificação por vapor, o vapor não deverá conter substâncias nocivas. Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 37 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e a QAI Objectivos e princípios pios gerais Os equipamentos e os componentes deverão ser adequadamente limpos depois que qualquer trabalho realizado neles, antes do sistema de climatização ser novamente ligado. Depois de qualquer desinfecção, é necessário assegurar que nenhuma substância tóxica ou substâncias odorosas possam ser introduzidas na entrada de ar antes do sistema recomeçar a funcionar Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 38 19

20 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e a QAI Manutenção Preventiva QAI Operações Medidas a serem tomadas se necessárias Periodicidade em meses Inspecção higiénica Entradas de ar novo e descargas de ar extraído Verificar o estado de contaminação, deterioração e corrosão Limpar e corrigir X UTAs (geral) Verificar o estado de contaminação, deterioração e corrosão Limpar e corrigir X Verificação da existência de depósitos ou manchas de água Limpar e determinar a causa X Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 39 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e as Inspecções Do Plano de Manutenção Preventiva - PMP devem constar medições e registo de: Caldeiras e Sistemas de Aquecimento Periodicidade Consumo de combustível Determinação do caudal térmico Determinação do rendimento de combustão, η Temperaturas da água à entrada e saída da caldeira Temperatura ambiente do local de instalação da caldeira Temperatura dos gases de combustão Percentagem volúmica de CO, CO 2, NO x e O 2 nos produtos da combustão Índice de opacidade dos fumos no caso de combustíveis sólidos ou líquidos e concentração de partículas sólidas no caso dos combustíveis sólidos Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 40 20

21 O Plano de Manutenção Preventiva PMP e as Inspecções Do Plano de Manutenção Preventiva - PMP devem constar medições e registo de: Sistemas de Ar Condicionado Periodicidade Temperaturas do fluido exterior à entrada e saída do evaporador Idem para o condensador Perda de pressão no evaporador no caso de unidades de produção de água arrefecida Perda de pressão no condensador no caso de unidades arrefecidas por água Pressões e temperaturas características do circuito frigorífico Consumos eléctricos instantâneos, desagregados por consumidores Potência térmica instantânea dos produtores EER ou COP Caudais de água no evaporador e no condensador Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 41 Obrigado pela vossa atenção! Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado 42 21

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios

O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios O Decreto-Lei nº 79/2006 de 4 de Abril: Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios Questões fundamentais elaboradas por Alfredo Costa Pereira Formador de Peritos Qualificados Nº

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. dos edifícios Qualidade do ar interior. Mediar Limpeza e desinfecção de sistemas AVAC, LDA

Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. dos edifícios Qualidade do ar interior. Mediar Limpeza e desinfecção de sistemas AVAC, LDA Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. Plano de Manutenção AVAC, segundo o regulamento dos sistemas it energéticos de climatização dos edifícios Qualidade do ar interior Mdid Medidas a serem

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

7. Jornadas de Climatização

7. Jornadas de Climatização 7. Jornad de Climatização As qualificações exigid para os Técnicos de Manutenção e Responsáveis pelo Funcionamento Fernando Brito 8 de Novembro de 2007 Introdução O que diz o Regulamento: Artº 19 Condução

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVI Armazenamento de Produtos Químicos Perigosos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda.

GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. GET GESTÃO DE ENERGIA TÉRMICA Lda. HÁ MAIS DE ENGENHEIROS CONSULTORES DESDE 1985 ESPECIALISTAS EM ENGENHARIA DE CLIMATIZAÇÃO de: Alfredo Costa Pereira e Raul Vasconcelos Bessa A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

Leia mais

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento

Bombas de Calor. O calor é o nosso elemento Bombas de Calor 2º Seminário PPGS Carlos Barbosa TT/SPO-TRTR 1 Bombas de Calor Geotérmicas Índice Definições Funcionamento Performance Instalação Fontes de Problemas 2 Definições Definição de bomba de

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Cursos Sistemas Vapor 2015

Cursos Sistemas Vapor 2015 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia

Leia mais

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior.

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior. a gás gama completa CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Tipo de Equipamento Potência (kw) Tipo de Combustível Aquecimento (alta temperatura) Aquecimento (baixa temperatura) AQS Instantânea AQS Acumulação Incorporada

Leia mais

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos

Laboratório de Sistemas de Energia. Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos e Módulos Fotovoltaicos LSE 05-2013 1 Laboratório de Sistemas de Energia Ensaio de Colectores Solares Térmicos segundo as Normas:

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt)

Alfredo Costa Pereira. (www.get.pt) FUNDAMENTOS DO RSECE Regulamento dos Sistemas Energéticos e de Climatização em edifícios. Decreto lei nº 78/2006 de 4 de Abril. Apontamentos elaborados por Alfredo Costa Pereira O RSECE é aplicado em vários

Leia mais

Geradores de calor ( Produção de calor )

Geradores de calor ( Produção de calor ) Geradores de calor ( Produção de calor ) 2007-2008 2008 L. Roriz Temas Equipamentos: Geradores de vapor, Caldeiras, Bombas de calor. Uso de: Fluido térmico (óleo), Vapor, Água quente. estanques e atmosféricas,

Leia mais

CDP. Desumidificação de ar para piscinas

CDP. Desumidificação de ar para piscinas CDP Desumidificação de ar para piscinas Desumidificação eficiente para ambientes agressivos Em piscinas, spas, zonas de chuveiros a ginásios onde a humidade relativa é elevada e as condensações podem reduzir

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada

Pack Tempérys. Tempérys. Ventilação de conforto com regulação integrada > ventilação. caixas com bateria de aquecimento integrada e auto-regulada ventilação Tempérys caixa de insuflação com revestimento duplo e bateria de aquecimento eléctrico Pack Tempérys caixa de insuflação + caixa de extracção com revestimento duplo, sistema de comando e de

Leia mais

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura

Leia mais

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno

Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno Dispositivos Médicos: Requisitos para a esterilização por óxido de etileno A eficácia do processo de esterilização de um dispositivo médico é avaliada com base numa série de experiências e protocolos que

Leia mais

PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril

PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril PROJECTAR DE ACORDO COM O REGULAMENTOS DOS SISTEMAS ENERGÉTICOS E DE CLIMATIZAÇÃO EM EDIFÍCIOS RSECE Decreto Lei nº 79/2006 e 4 de Abril Alfredo Costa Pereira 1 ÂMBITO DE APLICAÇÃO RCCTE Edifícios de Habitação

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Índice. Página 1 de 36

Índice. Página 1 de 36 Índice 1.Objectivos...2 2.Introdução...2 3.Regulamento base...2 4.Requisitos de concepção dos sistemas de climatização...2 4.1 - Requisitos de conforto...2 4.2 - Limites de potência térmica instalada...3

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira

Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira Os aspectos fundamentais do RSECE por Alfredo Costa Pereira O Indicador de Eficiência Energética (IEE) é o indicador fundamental utilizado pelo RSECE para determinar o cumprimento, ou não, dos requisitos

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

EDIFICIO UNIFAMILIAR "CASA RESTELO" SANTA MARIA DE BELÉM, LISBOA INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE CLIMATIZAÇÃO E VENTILAÇÃO, SISTEMA SOLAR TÉRMICO

EDIFICIO UNIFAMILIAR CASA RESTELO SANTA MARIA DE BELÉM, LISBOA INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE CLIMATIZAÇÃO E VENTILAÇÃO, SISTEMA SOLAR TÉRMICO Notas Prévias As eventuais referencias a marcas, de materiais, de produtos ou de equipamentos, são apresentadas a titulo meramente indicativo de qualidade pretendido, devendo entender-se associadas ao

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

7. Exemplos de Aplicação

7. Exemplos de Aplicação 7. Exemplos de Aplicação Neste parágrafo vamos procurar exemplificar o tipo de informação que é possível obter com a leitura deste manual. Pretende-se, a partir de dados típicos, dar uma ideia geral do

Leia mais

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão

A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas Exemplo: Abordagem do Radão A QAI nos edifícios de serviços. Identificação de Fontes Poluidoras Internas ou Externas O Perito Qualificado deve confirmar se há: Quaisquer actividades a desenvolverem no interior do edifício que sejam

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR

CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR Nº CER 1234567/2007 CERTIFICADO DE DESEMPENHO ENERGÉTICO E DA QUALIDADE DO AR INTERIOR TIPO DE EDIFÍCIO: EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Morada / Situação: Localidade Concelho Data de emissão do certificado Nome

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013

6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 6624-(18) Diário da República, 1.ª série N.º 232 29 de novembro de 2013 Portaria n.º 349-B/2013 de 29 de novembro O Decreto -Lei n.º 118/2013, de 20 de agosto, aprovou o Sistema de Certificação Energética

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

Sistemas térmicos aplicados

Sistemas térmicos aplicados Sistemas térmicos aplicados LNEG 8 Julho 2015 BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Temas gerais 1 hora - Teórica Legislação sobre Segurança

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume XIII Trabalho em Espaços Confinados um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Gama Aquastar Green Condensação: Vantagens e características NOVO A nova caldeira mural de condensação Aquastar

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T P o r t u g u ê s Manual de Instruções 810769-01 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção...

Leia mais

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras.

Armazenamento Todas as matérias primas são organizadas por secções no armazém, através de prateleiras. Recepção de matérias primas Após a chegada das matérias primas à fábrica, estas são transportadas para o armazém através do empilhador, porta paletes ou através de transporte manual. Armazenamento Todas

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7

Referência do modelo 3. Especificações 4. Antes de usar 5, 6. Peças e acessórios 7 Página Referência do modelo 3 Especificações 4 Antes de usar 5, 6 Peças e acessórios 7 Instalação 8, 9 Modo de operação para modelos mecânicos Modo de operação para modelos electrónicos 10, 11 12, 13 Drenagem

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Pedro Miranda Soares Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Tal como todos os equipamentos mecânicos, o Ar Condicionado necessita da sua manutenção

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min.

www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min. www.kaeser.com Compressores Portáteis MOBILAIR M 200 Com o mundialmente reconhecido PERFIL SIGMA Caudal: 14,5 a 21,2 m³/min. Made in Germany Os MOBILAIR compressores portáteis da KAESER COMPRESSORES são

Leia mais

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA

A escolha. atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA A escolha atural BOMBA DE CALOR DAIKIN ALTHERMA 2 A escolha natural 3 em1: aquecimento, arrefecimento e água quente sanitária O sistema Daikin Altherma é a solução integrada de conforto, promovendo aquecimento,

Leia mais

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA Certificação ISO 9001:2008 ACTIVIDADE E SERVIÇOS Engenharia, construção e instalação de equipamentos industriais, destacando-se: - Tratamento de efluentes

Leia mais

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009

Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior. Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior em Edifícios Qualidade do Ar Interior Dília Jardim MUNICÍPIOS E CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS 18 de Junho de 2009 Qualidade do Ar Fontes de

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA)

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA) 1.1. Caldeiras murais a gás de condensação 1.1.2. Gama Platinum PLUS Componentes opcionais GAMA PLATINUM 140040385 Regulador climático programável THINK com cabos 145,00 140040437 Regulador climático programável

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

BK 212. Instruções de Instalação 810769-00 Purgador BK 212

BK 212. Instruções de Instalação 810769-00 Purgador BK 212 BK 212 Instruções de Instalação 810769-00 Purgador BK 212 1 Índice Advertências Importantes Seite Instruções de segurança... 7 Perigo... 7 Notas Explicativas Conteúdo da embalagem... 8 Descrição... 8 Funcionamento...

Leia mais

Regras de procedimentos para transporte de bens e

Regras de procedimentos para transporte de bens e Regras de procedimentos para transporte de bens e Os Sistemas de Gestão Técnica na nova regulamentação para a eficiência energética mercadorias em edifícios Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net

Armário Outdoor com. Free Cooling ou Ar Condicionado. www.facemate.net Armário Outdoor com Free Cooling ou Ar Condicionado NOTAS Os armários outdoor estão desenhados para instalação em ambientes de exterior sujeitos a condições de chuva, vento, calor ou radiação solar. O

Leia mais

6 colectores solares térmicos ÍNDICE

6 colectores solares térmicos ÍNDICE ÍNDICE constituição e tipologias -2 armazenamento de energia -3 termossifão -4 avaliação de desempenho -5 experiência 1 - experiência 2-7 experiência 3-8 para saber mais... -9-1 constituição e tipologias

Leia mais

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO

ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA & SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO ENERGIA GEOTÉRMICA Definição Recurso geotérmico -Fluidos e formações geológicas do sub-solo, de temperatura elevada, cujo calor seja suscetível de aproveitamento

Leia mais

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos

Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Equipamento de manutenção de pressão e separação da Grundfos Grundfos: Mais do que um Fornecedor de bombas Ao optimizar a eficiência dos seus sistemas de aquecimento e de refrigeração, a Grundfos disponibiliza

Leia mais

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE BOMBAS DE CALOR PARA A.Q.S. AQUASMART AQUASMART SPLIT SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Bombas de Calor para A.Q.S. Um novo grau de eficiência Sistemas eficientes de aquecimento de águas 03 Serviços de Apoio

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba:

DE FERTILIZANTES E Outras características específicas da bomba: BOMBAS INJECTORAS DE FERTILIZANTES E SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS As bombas injectoras de fertilizantes da Amiad não precisam de fonte externa de alimentação, dado que nelas está incorporado um motor hidráulico

Leia mais

O conceito do conforto. térmico humano

O conceito do conforto. térmico humano O conceito do conforto 1 térmico humano Projeto FEUP 2014/2015 MIEQ Equipa Q1FQI04_1 Supervisor: José Inácio Martins Monitor: Helder Xavier Nunes 2 1.INTRODUÇÃO Como ocorre a regulação da temperatura corporal

Leia mais

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS

CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS CALDEIRAS DE CONDENSAÇÃO A GÁS EFICIÊNCIA, FIABILIDADE E TRANQUILIDADE Como funciona uma caldeira de condensação? Os gases de exaustão da caldeira passam através de um condensador, para recuperar o calor

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

O impacto da difusão de ar na QAI

O impacto da difusão de ar na QAI www.decflex.com 2 Dec. Lei 79/2006 - Artigo 4º Requisitos exigenciais Enquadramento legal 1 Os requisitos exigenciais de conforto térmico de referência para cálculo das necessidades energéticas, no âmbito

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA

IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA Castro, Manuel Dias - mcastro@fe.up.pt DEMEGI, Faculdade de Engenharia do Porto Rua Dr. Roberto

Leia mais

CALDEIRA MURAL A GÁS CM ACUMULAÇÃ DINÂMICA Conforto inteligente Agora com H-MD Alta modulação para um maior conforto e poupança Novo Acumulação dinâmica melhorada para o utilizador de água quente mais

Leia mais