CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12"

Transcrição

1 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão de Urbanismo no edifício sede do Município. CADERNO DE ENCARGOS Lote1: Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município Disposições Gerais Realização da manutenção do sistema Deveres Pessoal técnico e equipamento Seguro de responsabilidade civil Incompatibilidades Valor Base... 4 Lote 2: Manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta Disposições Gerais Realização da manutenção do sistema Deveres Pessoal técnico e equipamento Seguro de responsabilidade civil Incompatibilidades Valor Base :... 8 Lote 3: Manutenção do sistema de AVAC do DOL e DOP no edifício sede do Município Disposições Gerais Realização da assistência técnica ao sistema Deveres Pessoal técnico e equipamento Seguro de responsabilidade civil Incompatibilidades Valor Base : Pág.1/12

2 Lote1: Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município 1-Disposições Gerais 1-O presente documento estabelece as regras aplicáveis aos procedimentos a que deve obedecer a entidade que proceder a manutenção dos Equipamentos de climatização dos edifícios escolares do anexo I. 2-O levantamento do sistema bem como as necessidades do sistema será realizado pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 3-A entidade responsável pela manutenção deverá estabelecer uma rotina de visitas às escolas para verificação e afinação dos sistemas de climatização. 2-Realização da manutenção do sistema 2.1-Trabalhos a realizar Mensalmente: 1-Inspeccionar o rendimento da combustão da caldeira e actuar no queimador para o maximizar; 2-Inspeccionar e verificar a regulação da temperatura da água na saída da caldeira; 3-Inspeccionar o bom funcionamento dos comandos da caldeira e de segurança; 4-Inspeccionar a estanquidade e níveis de fluído frigorigéneo do Chiller; 5-Limpeza de filtros de ar em todas as UCA s, UTAN s e VC`s; 6-Verificar se há fugas de água nas electrobombas e se há comutação automática de serviço e em caso de avaria; 7-Medir e registar consumos eléctricos instantâneos em cada consumidor (chiller (compressores e ventiladores), queimador, electrobombas, electroventiladores e etc.); 8-Inspeccionar o funcionamento do tratamento de água e repor o nível máximo da cuba com mistura de água e produtos químicos correctores (dureza e Ph) adequados; 9-Inspeccionar a razão de ruídos e vibrações anormais; 10-Inspeccionar se o sentido de rotação de motores está correcto; 11-Inspeccionar e testar o bom funcionamento dos controladores programáveis, termóstatos e válvulas de controlo, tendo o cuidado de corrigir alguma anomalia; 12-Verificar se há pressão adequada na rede de alimentação de água aos circuitos; 2.2-Trabalhos a realizar Trimestralmente: 1-Verificação e limpeza da câmara de combustão e dos circuitos de fumos da caldeira; 2-Medir rendimentos térmicos na caldeira com equipamentos calibrados; 3-Limpeza da chaminé de fumos da caldeira; 4-Nas caldeiras a lenha, verificação do estado do termostato da porta, incluindo a sua substituição se necessário. 5-Nas caldeiras a gás verificação do estado dos termopares incluindo a sua substituição se necessário. 6- Verificação dos redutores, válvulas de segurança e sua substituição se necessário. 7- Proceder ao arranque do sistema incluindo o enchimento e verificação e purga da rede. 8-Inspeccionar e limpar as superfícies interiores das UCA s, UTAN s e VC s e lavagem adequada de baterias, incluindo as turbinas dos ventiladores; Pág.2/12

3 9-Inspeccionar e limpar as superfícies interiores dos electroventiladores, incluindo as turbinas; 10-Comparar consumos eléctricos em todos os motores para análise de avarias e eficiência nominal por equipamento; 10-Medição de pressões de linhas de gás no chiller; 11-Lavagem dos condensadores do Chiller; 12-Limpeza de filtros de água; 13-Verificar as ligações de condutas de ar para confirmar eventuais fugas e a necessidade de reapertos; 14-Verificar o estado das protecções eléctricas de cada equipamento; 15-Inspecção dos quadros eléctricos e funcionamento dos seus equipamentos de protecção e comando, reapertos e limpeza interior; 16-Limpeza de grelhas e difusores; 2.3-Trabalhos a realizar Semestralmente: 1-Verificação dos vasos de expansão, incluindo a sua válvula de segurança; 2-Verificação da estanquidade dos circuitos de água, incluindo as válvulas e acessórios; 3-Lavagem dos evaporadores do Chiller; 4-Inspeccionar o estado de conservação dos isolamentos das tubagens e condutas; 5-Inspeccionar o interior das condutas de ar e limpá-las de forma adequada sem poluição local; 6-Inspeccionar o estado de conservação (corrosão visual) de todos os equipamentos, condutas, tubagem e corrigir se necessário; 7-Medição e registo de caudais de ar nas UCA s, UTAN s e VE s; 2.4-Elementos e Materiais a incorporar na manutenção 1-Os encargos com todos os elementos e materiais necessários á manutenção dos equipamentos serão suportados pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 2-A verificação da correcção das anomalias resultantes de uma manutenção é da responsabilidade da entidade responsável pela manutenção e os encargos com esta verificação serão suportados por esta. 3-Deveres 4.1-Caso haja necessidade de realizar algum teste ao funcionamento correcto de algum equipamento o Adjudicatário deverá munir-se de registador de temperatura relativa para realizar "histórico" em período de tempo adequado para posterior análise e sustentação de relatório. 4.2-O adjudicatário deverá elaborar fichas de registo das Inspecções e operações realizadas de manutenção, onde registe os resultados obtidos para cada equipamento e assim comparar o seu comportamento ao longo do tempo de funcionamento. 4.3-No final de cada Inspecção ou operação de manutenção deverá ficar registado em documento os procedimentos a tomar e dar conhecimento ao responsável pelo Edifício para análise e decisão. 4.4-Deverá existir stock de órgãos que normalmente avariam frequentemente ou necessitam de substituição (filtros de ar, válvulas de controlo, sondas de temperatura e humidade relativa) 4-Pessoal técnico e equipamento 1-O Pessoal técnico da entidade responsável pela manutenção deve: a)ser constituído por profissionais devidamente credenciados. Pág.3/12

4 b)pertencer ao quadro técnico da entidade responsável pela manutenção. c)ter um director técnico, licenciado em Engenharia Mecânica, a quem compete dirigir as acções de manutenção. 2-As acções de manutenção serão realizadas por técnicos com experiência profissional e formação específica nas diferentes áreas de actuação. 3-As entidades responsáveis pela manutenção poderão recorrer ao serviço de técnicos especializados sempre que tal seja necessário. 4-As entidades responsáveis pela manutenção deverão manter os seus equipamentos devidamente aferidos, de acordo com a regulamentação aplicável. 5-Seguro de responsabilidade civil 1-A entidade responsável pela manutenção deve ter, obrigatoriamente, um seguro de responsabilidade civil para cobrir os danos materiais e corporais sofridos por terceiros, resultantes dos trabalhos realizados. 6-Incompatibilidades 1-O pessoal da entidade responsável pela manutenção fica obrigado a segredo profissional em relação a todos os documentos, e demais informações de que tiver tomado conhecimento no exercício das suas funções. 7-Valor Base 1- O valor base é de ,00 já inclui a redução remuneratória conforme Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro. Pág.4/12

5 Anexo I Pág.5/12

6 Lote 2: Manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta 1-Disposições Gerais 1-O presente documento estabelece as regras aplicáveis aos procedimentos a que deve obedecer a entidade que proceder a manutenção do sistema de AVAC no Arquivo Municipal Alfredo Pimenta. 2-O levantamento do sistema bem como as necessidades do sistema será realizado pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 2-Realização da manutenção do sistema 2.1-Trabalhos a realizar Mensalmente: 1-Inspeccionar o rendimento da combustão da caldeira e actuar no queimador para o maximizar; 2-Inspeccionar e verificar a regulação da temperatura da água na saída da caldeira; 3-Inspeccionar o bom funcionamento dos comandos da caldeira e de segurança; 4-Inspeccionar a estanquidade e níveis de fluído frigorigéneo do Chiller; 5-Limpeza de filtros de ar em todas as UCA s, UTAN s e VC`s; 6-Inspeccionar o bom funcionamento de cada humidificador a vapor e sua regulação; 7-Verificar se há fugas de água nas electrobombas e se há comutação automática de serviço e em caso de avaria; 8-Medir e registar consumos eléctricos instantâneos em cada consumidor (chiller (compressores e ventiladores), queimador, electrobombas, electroventiladores e etc.); 9-Inspeccionar o funcionamento do tratamento de água e repor o nível máximo da cuba com mistura de água e produtos químicos correctores (dureza e Ph) adequados; 10-Verificar se os sistemas de controlo de temperatura e humidade relativa, reagem conforme o esperado; 11-Inspeccionar a razão de ruídos e vibrações anormais; 12-Inspeccionar se o sentido de rotação de motores está correcto; 13-Inspeccionar e testar o bom funcionamento dos controladores programáveis, termóstatos e válvulas de controlo, tendo o cuidado de corrigir alguma anomalia; 14-Verificar se há pressão adequada na rede de alimentação de água aos circuitos; 15-Verificação do estado adequado de aberto/fechado dos RCF s e corrigir de imediato; 2.2-Trabalhos a realizar Semestralmente: 1-Verificação e limpeza da câmara de combustão e dos circuitos de fumos da caldeira; 2-Medir rendimentos térmicos na caldeira com equipamentos calibrados; 3-Limpeza da chaminé de fumos da caldeira; 4-Inspeccionar e limpar as superfícies interiores das UCA s, UTAN s e VC s e lavagem adequada de baterias, incluindo as turbinas dos ventiladores; 5-Inspeccionar e limpar as superfícies interiores dos electroventiladores, incluindo as turbinas; 6-Comparar consumos eléctricos em todos os motores para análise de avarias e eficiência nominal por equipamento; 7-Medição de pressões de linhas de gás no chiller; Pág.6/12

7 8-Lavagem dos condensadores do Chiller; 9-Limpeza de filtros de água; 10-Verificar as ligações de condutas de ar para confirmar eventuais fugas e a necessidade de reapertos; 11-Verificar e testar o estado de funcionamento dos drenos de condensados e esgoto de cada humidificador, VC, UCA e UTAN, incluindo os tabuleiros; 12-Verificar o estado das protecções eléctricas de cada equipamento; 13-Inspecção dos quadros eléctricos e funcionamento dos seus equipamentos de protecção e comando, reapertos e limpeza interior; 14-Limpeza de grelhas e difusores; 15-Testar o equipamento de desenfumagem em "modo simulado de incêndio" em automático com a inspecção total do comportamento adequado dos RCF s, RD s e electroventiladores (VD s); 2.3-Trabalhos a realizar Anualmente: 1-Verificação dos vasos de expansão, incluindo a sua válvula de segurança; 2-Verificação da estanquidade dos circuitos de água, incluindo as válvulas e acessórios; 3-Lavagem dos evaporadores do Chiller; 4-Inspeccionar o estado de conservação dos isolamentos das tubagens e condutas; 5-Inspeccionar o interior das condutas de ar e limpá-las de forma adequada sem poluição local; 6-Inspeccionar o estado de conservação (corrosão visual) de todos os equipamentos, condutas, tubagem e corrigir se necessário; 7-Medição e registo de caudais de ar nas UCA s, UTAN s e VE s; 2.4-Elementos e Materiais a incorporar na manutenção 1-Os encargos com todos os elementos e materiais necessários á manutenção dos equipamentos serão suportados pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 3-Deveres 1-Caso haja necessidade de realizar algum teste ao funcionamento correcto de algum equipamento o Adjudicatário deverá munir-se de registador de temperatura e humidade relativa para realizar "histórico" em período de tempo adequado para posterior análise e sustentação de relatório. 2-O adjudicatário deverá elaborar fichas de registo das Inspecções e operações realizadas de manutenção, onde registe os resultados obtidos para cada equipamento e assim comparar o seu comportamento ao longo do tempo de funcionamento. 3-No final de cada Inspecção ou operação de manutenção deverá ficar registado em documento os procedimentos a tomar e dar conhecimento ao responsável pelo Edifício para análise e decisão. 4-Deverá existir stock de órgãos que normalmente avariam frequentemente ou necessitam de substituição (filtros de ar, válvulas de controlo, sondas de temperatura e humidade relativa) 4-Pessoal técnico e equipamento 1-O Pessoal técnico da entidade responsável pela manutenção deve: a)ser constituído por profissionais devidamente credenciados. b)pertencer ao quadro técnico da entidade responsável pela manutenção. c)ter um director técnico, licenciado em Engenharia Mecânica, a quem compete dirigir as acções de manutenção. Pág.7/12

8 2-As acções de manutenção serão realizadas por técnicos com experiência profissional e formação específica nas diferentes áreas de actuação. 3-As entidades responsáveis pela manutenção poderão recorrer ao serviço de técnicos especializados sempre que tal seja necessário. 4-As entidades responsáveis pela manutenção deverão manter os seus equipamentos devidamente aferidos, de acordo com a regulamentação aplicável. 5-Seguro de responsabilidade civil 1-A entidade responsável pela manutenção deve ter, obrigatoriamente, um seguro de responsabilidade civil para cobrir os danos materiais e corporais sofridos por terceiros, resultantes dos trabalhos realizados. 6-Incompatibilidades 1-O pessoal da entidade responsável pela manutenção fica obrigado a segredo profissional em relação a todos os documentos, e demais informações de que tiver tomado conhecimento no exercício das suas funções. 7-Valor Base 1- O valor base é de ,00 já inclui a redução remuneratória conforme Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro. Pág.8/12

9 Anexo I Equipamento -1 Chiller ar-água -1 Caldeira alimentada a gás natural -2 electrobombas circuladoras simples com respectivo filtro -1 electrobomba circuladora dupla com filtro -1 conjunto de tratamento de água -2 unidades de tratamento e ar exterior (UTAN s) com controlo DDC da temperatura e HR -8 unidades de tratamento e ar com condutas (UCA s) com controlo DDC de temperatura e HR -3 unidades de tratamento e ar sem condutas (UCA s) com controlo DDC de temperatura e HR -21 ventiloconvectores com controlo termostático -2 ventiladores centrifugos em caixa -6 ventiladores de conduta -3 ventiladores de cobertura para desenfumagem -3 ventiladores axiais para desenfumagem -11 humidificadores a vapor -39 RCF s e registos motorizados -5 quadros eléctricos com controladores programáveis de marca SAUTER e do tipo DDC com sondas remotas de temperatura e HR -Instalação eléctrica de AVAC e alimentações em emergência -Sinalização e acção de comando via CDI na instalação de AVAC e Desenfumagem Pág.9/12

10 Lote 3: Manutenção do sistema de AVAC do DOL e DOP no edifício sede do Município. 1-Disposições Gerais 1-O presente documento estabelece as regras aplicáveis aos procedimentos a que deve obedecer a entidade que proceder a manutenção do sistema de ar condicionado da DOL e DOP no edifício da Câmara Municipal. 2-O levantamento do sistema bem como as necessidades do sistema será realizado pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 2-Realização da assistência técnica ao sistema 2.1-Trabalhos a realizar Mensalmente: 1-Inspeccionar a estanquidade e níveis de fluído frigorigéneo do Chiller; 2-Limpeza de filtros de ar em todas as unidades; 3-Verificar se há fugas de água nas electrobombas e se há comutação automática de serviço em caso de avaria; 4-Medir e registar consumos eléctricos instantâneos em cada consumidor (chiller (compressores e ventiladores), electrobombas, ventiloconvectores e etc.); 5-Inspeccionar a razão de ruídos e vibrações anormais; 6-Inspeccionar se o sentido de rotação de motores está correcto; 7-Inspeccionar e testar o bom funcionamento dos controladores programáveis, termóstatos e válvulas de controlo, tendo o cuidado de corrigir alguma anomalia; 8-Verificar se há pressão adequada na rede de alimentação de água aos circuitos; 2.2-Trabalhos a realizar Semestralmente: 1-Inspeccionar e limpar as superfícies interiores dos ventiloconvectores; 2-Comparar consumos eléctricos em todos os motores para análise de avarias e eficiência nominal por equipamento; 3-Medição de pressões de linhas de gás no chiller; 4-Lavagem dos condensadores do Chiller; 5-Limpeza de filtros de água; 6-Verificar as ligações de condutas de ar para confirmar eventuais fugas e a necessidade de reapertos; 7-Verificar o estado das protecções eléctricas de cada equipamento; 8-Inspecção dos quadros eléctricos e funcionamento dos seus equipamentos de protecção e comando, reapertos e limpeza interior; 9-Limpeza de grelhas e difusores; 2.3-Trabalhos a realizar Anualmente: 1-Verificação da estanquidade dos circuitos de água, incluindo as válvulas e acessórios; 2-Lavagem dos evaporadores do Chiller; 3-Inspeccionar o estado de conservação dos isolamentos das tubagens e condutas; 4-Inspeccionar o interior das condutas de ar e limpá-las de forma adequada sem poluição local; Pág.10/12

11 5-Inspeccionar o estado de conservação (corrosão visual) de todos os equipamentos, condutas, tubagem e corrigir se necessário; 2.4-Elementos e Materiais a incorporar na assistência técnica 1-Os encargos com todos os elementos e materiais necessários á manutenção dos equipamentos serão suportados pela entidade á qual for adjudicada a manutenção. 3-Deveres 1-Caso haja necessidade de realizar algum teste ao funcionamento correcto de algum equipamento o Adjudicatário deverá munir-se de registador de temperatura e humidade relativa para realizar "histórico" em período de tempo adequado para posterior análise e sustentação de relatório. 2-O adjudicatário deverá elaborar fichas de registo das Inspecções e operações realizadas de manutenção, onde registe os resultados obtidos para cada equipamento e assim comparar o seu comportamento ao longo do tempo de funcionamento. 3-No final de cada Inspecção ou operação de manutenção deverá ficar registado em documento os procedimentos a tomar e dar conhecimento ao responsável pelo Edifício para análise e decisão. 4-Deverá existir stock de órgãos que normalmente avariam frequentemente ou necessitam de substituição (filtros de ar, válvulas de controlo, sondas de temperatura e humidade relativa) 4-Pessoal técnico e equipamento 1-O Pessoal técnico da entidade responsável pela manutenção deve: a)ser constituído por profissionais devidamente credenciados. b)pertencer ao quadro técnico da entidade responsável pela manutenção. c)ter um director técnico, licenciado em Engenharia Mecânica, a quem compete dirigir as acções de manutenção. 2-As acções de manutenção serão realizadas por técnicos com experiência profissional e formação específica nas diferentes áreas de actuação. 3-As entidades responsáveis pela manutenção poderão recorrer ao serviço de técnicos especializados sempre que tal seja necessário. 4-As entidades responsáveis pela manutenção deverão manter os seus equipamentos devidamente aferidos, de acordo com a regulamentação aplicável. 5-Seguro de responsabilidade civil 1-A entidade responsável pela manutenção deve ter, obrigatoriamente, um seguro de responsabilidade civil para cobrir os danos materiais e corporais sofridos por terceiros, resultantes dos trabalhos realizados. 6-Incompatibilidades 1-O pessoal da entidade responsável pela manutenção fica obrigado a segredo profissional em relação a todos os documentos, e demais informações de que tiver tomado conhecimento no exercício das suas funções. 7-Valor Base 1- O valor base é de 3.190,00 já inclui a redução remuneratória conforme Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro. Pág.11/12

12 O Chefe da Divisão de Administração Directa (Parcídio Salgado) Pág.12/12

Equipamento: Chiller

Equipamento: Chiller Equipamento: Chiller Limpeza/lavagem de condensadores Medições e registos de temperatura e pressões de água Medição e registo de consumos dos compressores, reajustes dos térmicos, medições e registos de

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO INSTALAÇÕES

CONTRATO DE MANUTENÇÃO INSTALAÇÕES CONTRATO DE MANUTENÇÃO INSTALAÇÕES ViseuIn. Engenharia e Serviços Técnicos Lda Cliente: Data : ViseuIn Engenharia e Serviços Técnicos, Lda Rua Eng.º Manuel Silva Almeida 291 C Marzovelos 3510-590 Viseu

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

MAPA DE PONTOS Diálogos por Protocolos. Analógica SA PRODUÇÃO DE FRIO E CALOR. kwh

MAPA DE PONTOS Diálogos por Protocolos. Analógica SA PRODUÇÃO DE FRIO E CALOR. kwh CHILLER BOMBA DE CALOR Ligação protocolo e interface Contacto seco Ordem de entrada de funcionamento Selecção de regime Contacto seco Alarme reagrupado Contacto seco Manómetro na entrada bar Manómetros

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Modelo I. objeto deste contrato

Modelo I. objeto deste contrato Modelo I Aquisição de Equipamentos de Ar Condicionamento nos 4º, 5º e 8º Pisos do Edifício da Av. António Augusto Aguiar, em Lisboa objeto deste contrato Nos termos da cláusula 1.ª do caderno de encargos,

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

EDIFÍCIOS E HOTELARIA

EDIFÍCIOS E HOTELARIA EDIFÍCIOS E HOTELARIA Preparações de trabalho Navaltik Management Lda. Fevereiro 2009. [Edificios_Preparacoes_Master_03.doc] INSTRUÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO DA BIBLIOTECA... 5 ARCON APARELHOS AUTÓNOMOS

Leia mais

Cursos Sistemas Vapor 2015

Cursos Sistemas Vapor 2015 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia

Leia mais

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS

MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL MECÂNICO(A) DE APARELHOS DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar a instalação, a conversão e a reparação de aparelhos de queima de gás e executar soldaduras

Leia mais

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização

Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização Esquema de Certificação Técnicos de Instalação e Manutenção de Sistemas de Climatização 1. Introdução 1.1. O presente documento, descreve os requisitos particulares referentes à certificação de técnicos

Leia mais

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha

Albicalor, Lda. Rua Comendador Martins Pereira 3850-089 Albergaria-a-Velha Para produzir a cerâmica Majolica são necessárias duas semanas. O resultado é um produto exclusivo que não desgasta e tem propriedades termo condutoras. As imperfeições minusculas, tais como as micro pepitas,

Leia mais

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA

ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA ANEXO II PLANILHAS PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA E FOLHAS DE REGISTRO PROGRAMA DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA FINATEC - EDIFÍCIO SEDE ENDEREÇO: LOCALIZAÇÃO DO EQUIPAMENTO: UNIDADE MOD.: Nº DE SÉRIE: CÓDIGO

Leia mais

Medidas de Protecção Contra Explosão

Medidas de Protecção Contra Explosão Medidas de Protecção Contra Explosão a) Líquidos Inflamáveis/Combustíveis Gasóleo Grupos geradores depósito de gasóleo Depósito Enterrado Armazenamento do gasóleo Manutenção Abastecimento do depósito Armazenamento

Leia mais

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F.

Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Principais equipamentos utilizados nos sectores dos edifícios e da industria (a ter em consideração na análise energética) L. F. Roriz 1. Tipo de instalações A análise energética pode ter que cobrir os

Leia mais

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada

Energia. Sistemas de AVAC. Gestão Técnica Centralizada Energia Sistemas de AVAC Gestão Técnica Centralizada Edifícios e Energia - indicadores 85% do impacte ambiental dos edifícios ocorre no período em que são ocupados (em regime de operação); Só 15% do seu

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A A amplitude da manutenção e inspeção indicada no Termo de Referência está

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior.

24 25 e 29 25 e 29 25 e 31 25 e 31 25 a 31 25 e 29. sim sim sim. não não sim. atmosférico. atmosférico. mural interior. a gás gama completa CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS Tipo de Equipamento Potência (kw) Tipo de Combustível Aquecimento (alta temperatura) Aquecimento (baixa temperatura) AQS Instantânea AQS Acumulação Incorporada

Leia mais

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp

ETAMAX. Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência. versões. principais características. Feio & Comp ETAMAX Unidade de tratamento de ar autónoma de elevada eficiência Caudais: 4.000-25.000 m 3 /h alta eficiência ETAMAX, são unidades de tratamento de ar novo de elevada eficiência do tipo compacto com circuito

Leia mais

Sistemas térmicos aplicados

Sistemas térmicos aplicados Sistemas térmicos aplicados LNEG 8 Julho 2015 BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Temas gerais 1 hora - Teórica Legislação sobre Segurança

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. dos edifícios Qualidade do ar interior. Mediar Limpeza e desinfecção de sistemas AVAC, LDA

Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. dos edifícios Qualidade do ar interior. Mediar Limpeza e desinfecção de sistemas AVAC, LDA Mediar Limpeza e Desinfecção de Sistemas AVAC, Lda. Plano de Manutenção AVAC, segundo o regulamento dos sistemas it energéticos de climatização dos edifícios Qualidade do ar interior Mdid Medidas a serem

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

EXAUSTÃO POR HOTE CENTRAL

EXAUSTÃO POR HOTE CENTRAL EXAUSTÃO POR HOTE CENTRAL COM TERMOVENTILAÇÃO DE COMPENSAÇÃO CLIENTE: XPTO Local: Freixo de Espada à Cinta Índice 1 Objectivos... 3 2 Constituição do Sistema... 4 3 Colocação em marcha... 5 4 Funcionamento

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA

www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA www.setimep.com SETIMEP ENGENHARIA, AMBIENTE E ENERGIA Certificação ISO 9001:2008 ACTIVIDADE E SERVIÇOS Engenharia, construção e instalação de equipamentos industriais, destacando-se: - Tratamento de efluentes

Leia mais

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica:

Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: A V A C Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Aquecimento eléctrico Processos de produzir calor utilizando a energia eléctrica: Aquecimento por resistência eléctrica. Aquecimento por indução electromagnética.

Leia mais

CDP. Desumidificação de ar para piscinas

CDP. Desumidificação de ar para piscinas CDP Desumidificação de ar para piscinas Desumidificação eficiente para ambientes agressivos Em piscinas, spas, zonas de chuveiros a ginásios onde a humidade relativa é elevada e as condensações podem reduzir

Leia mais

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO

CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO BIOS CLASSE 5 NO X MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA BIOS, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM DOS

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP

Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP Manual Instalador e Utilizador Caldeira de Gaseificação a Lenha OFA WOOD GP ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1. DESCRIÇÃO GERAL DA CALDEIRA DE GASEIFICAÇÃO A LENHA OFA WOOD GP... 2. COMPONENTES FORNECIDOS COM A CALDEIRA...

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS

SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS SOLUÇÕES INTELIGENTES PARA EDIFÍCIOS ECOLÓGICAMENTE RESPONSÁVEIS Gás Climatização

Leia mais

Lista de verificações para a manutenção de caldeiras de condensação murais a gás e caldeiras de condensação compactas a gás

Lista de verificações para a manutenção de caldeiras de condensação murais a gás e caldeiras de condensação compactas a gás Lista de verificações para a manutenção de caldeiras de condensação murais a gás e caldeiras de condensação compactas a gás A partir da data de fornecimento, Outubro de 2012, é assegurada uma garantia

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

Manual de instruções. Caldeira de condensação a gás Logano plus GB312. Para o utilizador. Leia atentamente antes de utilizar o aparelho.

Manual de instruções. Caldeira de condensação a gás Logano plus GB312. Para o utilizador. Leia atentamente antes de utilizar o aparelho. Manual de instruções Caldeira de condensação a gás Logano plus GB312 Para o utilizador Leia atentamente antes de utilizar o aparelho. 7 747 010 152-01/2007 PT Índice 1 Para a sua segurança...........................................

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 30/2012 MAR Museu de Arte do Rio

ATO CONVOCATÓRIO 30/2012 MAR Museu de Arte do Rio ATO CONVOCATÓRIO 30/2012 MAR Museu de Arte do Rio 1. INTRODUÇÃO Considerando que o Museu de Arte do Rio MAR será uma das âncoras do plano de revitalização da região portuária da cidade e será instalado

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent)

Características Unidades Exteriores (Condições Eurovent) LG SINGLE A (1 ) UNIDADE EXTERIOR As unidades exteriores referenciadas UUxxWH marca LG, são unidades bomba de calor (Modo Reversível) de expansão directa a operar com o fluído frigorigénio R410A. A unidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES

UNIVERSIDADE DOS AÇORES UNIVERSIDADE DOS AÇORES MINUTA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA A APARELHOS DE AR CONDICIONADO, VENTILADORES E EXTRATORES Primeira Outorgante: Universidade dos Açores, Instituto

Leia mais

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8

Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2. Recuperadores de Energia RECUP...3.6. Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Índice Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia Recuperadores de Energia RIS H/V...3.2 Recuperadores de Energia RECUP...3.6 Recuperadores de Energia RIS P...3.8 Unidade de Fluxos Cruzados EBF...3.11

Leia mais

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E

AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E CALDEIRAS MURAIS DE CONDENSAÇÃO AQUASTAR GREEN S O L U Ç Õ E S D E Á G U A Q U E N T E Índice Gama Aquastar Green Condensação: Vantagens e características NOVO A nova caldeira mural de condensação Aquastar

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10. Anexo XII - PROJETO BÁSICO

CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10. Anexo XII - PROJETO BÁSICO 1 CONTRATO DE MANUTENÇÃO DE SISTEMA DO AR CONDICIONADO DO PAÇO MUNICIPAL, PRAÇA MONTEVIDÉU Nº10 Anexo XII - PROJETO BÁSICO 1. OBJETO Serviços de manutenção preventiva e corretiva de sistema do ar condicionado

Leia mais

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos

REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS. Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Orientações para o armazenamento de medicamentos, produtos farmacêuticos e dispositivos médicos 2009 1 INTRODUÇÃO Numerosas empresas, entidades, instituições

Leia mais

Smart Probes. Medição inteligente.

Smart Probes. Medição inteligente. Faça o download! Smart Probes. Medição inteligente. testo Smart Probes: Instrumentos de medição compactos e otimizados para smartphone e tablet com a qualidade profissional da Testo. Smart Probes para

Leia mais

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização!

Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho em funcionamento, ler as instruções de utilização! Manual de instalação e utilização Esquentadores a gás minimaxx WRD 11-2 KME... WRD 14-2 KME... WRD 17-2 KME... Ler as instruções de instalação antes de instalar o aparelho! Antes de colocar o aparelho

Leia mais

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado

Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Pedro Miranda Soares Manutenção de Equipamentos de Ar Condicionado Tal como todos os equipamentos mecânicos, o Ar Condicionado necessita da sua manutenção

Leia mais

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA)

1.1.2. Gama Platinum PLUS. Componentes opcionais GAMA PLATINUM. Caldeiras murais, de condensação, com painel digital BIOS PLUS (GRANDE POTÊNCIA) 1.1. Caldeiras murais a gás de condensação 1.1.2. Gama Platinum PLUS Componentes opcionais GAMA PLATINUM 140040385 Regulador climático programável THINK com cabos 145,00 140040437 Regulador climático programável

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

Controlo de Legionella em Hotelaria

Controlo de Legionella em Hotelaria Controlo de Legionella em Hotelaria Dra. Núria Adroer André Travancas Porto - 24 de outubro de 2013 WORKSHOP Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Objetivos Problemas das instalações

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

IBM FD Shelter Data Center

IBM FD Shelter Data Center IBM FD Shelter Data Center Site and Facilities Services Fevereiro de 2007 2007 IBM Corporation Data Center IBM FD Shelter Solução chave na mão, desenhada pela IBM, onde estão incluídas as mais avançadas

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em manutenção preventiva e corretiva, com reposição de peças originais, sem ônus adicional para a CONTRATANTE, em aparelhos

Leia mais

Curriculum da Empresa

Curriculum da Empresa 1/6 Curriculum da Empresa Firma: ECLICONTROL Engenharia de Climatização e Controlo, Lda. Sede: Urbanização Serrada do Pinhal, Lote 25 Cv. Esq., 2415-468 Leiria NIPC: 505256940 Capital Social: 10.000,00

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Registos Corta Fumo. Modelo JZ-RS PI/4/17/P/1. CONTIMETRA Lisboa. SISTIMETRA Porto

Registos Corta Fumo. Modelo JZ-RS PI/4/17/P/1. CONTIMETRA Lisboa. SISTIMETRA Porto PI/4/17/P/1 Registos Corta Fumo Modelo JZ-RS Rua do Proletariado15-B 2795-648 CARNAXIDE tel. 214 203 900 fax 214 203 902 contimetra@contimetra.com www.contimetra.com Rua Particular de São Gemil 85 4425-164

Leia mais

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO

MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO MANUAL DA TORRE ARREFECIMENTO Novembro de 2011 Índice 1. Regras básicas na realização da experiência... 2 2. Objectivos das experiências... 3 3. Descrição do equipamento... 4 3.1. Torre... 5 3.2. Pulverizadores

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA

IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA IMPORTÂNCIA DOS ENSAIOS DE RECEPÇÃO DAS INSTALAÇÕES DE CLIMATIZAÇÃO APLICAÇÃO AO CASO CONCRETO DE UMA PISCINA Castro, Manuel Dias - mcastro@fe.up.pt DEMEGI, Faculdade de Engenharia do Porto Rua Dr. Roberto

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.2 A proposta deverá ser elaborada, por lote, com base no Anexo I Relação de Ar Condicionado.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.2 A proposta deverá ser elaborada, por lote, com base no Anexo I Relação de Ar Condicionado. ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 A presente licitação, na modalidade PREGÃO PRESENCIAL, do tipo MENOR POR LOTE, destina-se a na CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade

As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade As Auditorias Energéticas e a Gestão da Energia como fator de competitividade Artur Serrano CTCV Sistemas de Energia 1 ÍNDICE DOS ASSUNTOS Sistemas de Energia do CTCV - Actividades Objectivos das Auditorias

Leia mais

EDIFICIO UNIFAMILIAR "CASA RESTELO" SANTA MARIA DE BELÉM, LISBOA INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE CLIMATIZAÇÃO E VENTILAÇÃO, SISTEMA SOLAR TÉRMICO

EDIFICIO UNIFAMILIAR CASA RESTELO SANTA MARIA DE BELÉM, LISBOA INSTALAÇÕES MECÂNICAS DE CLIMATIZAÇÃO E VENTILAÇÃO, SISTEMA SOLAR TÉRMICO Notas Prévias As eventuais referencias a marcas, de materiais, de produtos ou de equipamentos, são apresentadas a titulo meramente indicativo de qualidade pretendido, devendo entender-se associadas ao

Leia mais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais

2. Subárea: Instalações e Equipamentos de Processos Industriais SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE TECNOLOGIA E GEOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES DO MAGISTÉRIO SUPERIOR Edital nº 04, de

Leia mais

Kits solares para águas quentes sanitárias

Kits solares para águas quentes sanitárias Kit SOLAR A-2.4 e A1-2.4 - AQS 200 lts 1 a 3 pessoas com 1 Permutador apoio com resistência eléctrica 1 x Colector solar selectivo de alto rendimento de 2.4 m 2 1 x Acumulador 200lts de 1 Permutador c/resistência

Leia mais

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais;

Acessório misto - dispositivo destinado a reunir dois troços de tubagem de diferentes materiais; Para efeitos do Regulamento Técnico Relativo ao Projecto, Construção, Exploração e Manutenção das Instalações de Gás Combustível Canalizado em Edifícios, entende-se por: Acessibilidade de grau 1 - situação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro

EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro DATA: Terça feira, 23 de Outubro de 2007 NÚMERO: SÉRIE II - 204 EMISSOR: Ministério da Economia e da Inovação - Gabinete do Ministro DIPLOMA/ACTO: Despacho n.º 24 260/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica

Leia mais

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO

GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO República de Angola Ministério da Energia e Águas GERADORES DE EMERGÊNCIA ACCIONADOS POR MOTORES DE COMBUSTÃO Guia de recomendações e orientações para a operação e a manutenção Emissão: MINEA/DNEE Dezembro

Leia mais

Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios. 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho

Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios. 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho Centros Sonae Sierra medidas para a prevenção de incêndios 27-Fev-2015 Aurélio Carvalho Medidas para Medidas de Autoproteção Áreas Comuns e Lojas Índice: CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES ADMINISTRATIVAS CAPÍTULO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. (Serviço de Manutenção dos Condicionadores de Ar da Câmara Municipal de Sinop MT)

TERMO DE REFERÊNCIA. (Serviço de Manutenção dos Condicionadores de Ar da Câmara Municipal de Sinop MT) TERMO DE REFERÊNCIA (Serviço de Manutenção dos Condicionadores de Ar da Câmara Municipal de Sinop MT) 1. DO OBJETO 1.1 A presente licitação tem por objeto a seleção da proposta mais vantajosa para a CÂMARA

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA. PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR(A) DE ELECTRÓNICA PERFIL PROFISSIONAL Operador/a de Electrónica Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/16 ÁREA DE ACTIVIDADE - ELECTRÓNICA E AUTOMAÇÃO OBJECTIVO GLOBAL

Leia mais

Sistemas de recuperação de águas pluviais

Sistemas de recuperação de águas pluviais Ambietel Tecnologias Ambientais, Lda UPTEC P.MAR Av. Liberdade, s/n 4450-718 Leça da Palmeira Telef: +351 225 096 087 Sistemas de recuperação de águas pluviais A água da chuva é um recurso natural que

Leia mais

CALDEIRA MURAL A GÁS CM ACUMULAÇÃ DINÂMICA Conforto inteligente Agora com H-MD Alta modulação para um maior conforto e poupança Novo Acumulação dinâmica melhorada para o utilizador de água quente mais

Leia mais

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA

INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA Re Re INOVAÇÃO LG, O BEM-ESTAR INSTALA-SE EM SUA CASA THERMA V, UMA SOLUÇÃO QUE VAI DE ENCONTRO ÀS EXPECTATIVAS DO PÚBLICO Grande parte dos portugueses possuem habitação própria. Em 2006, 85% do consumo

Leia mais

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Medidas de Prevenção de Legionella em Sistemas Prediais o caso da Hotelaria Delfim Filho Director Regional de Operações Norte GRUPO HOTI HOTÉIS AGENDA

Leia mais

CATÁLOGO AQUECIMENTO SECÇÃO: AQUECIMENTO A GASÓLEO E SEUS ACESSÓRIOS

CATÁLOGO AQUECIMENTO SECÇÃO: AQUECIMENTO A GASÓLEO E SEUS ACESSÓRIOS CATÁLOGO AQUECIMENTO SECÇÃO: AQUECIMENTO A GASÓLEO E SEUS ACESSÓRIOS Torre de Mundão - Mundão - 3505-576 Viseu - Portugal Tel.: (+351) 232 440 061 - Fax: (+351) 232 440 063 Tlm: (+351) 917 570 415 - (+351)

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso

Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso por Isabel Sarmento e Marco Quaresma (Afaconsult) grafismo AVAC João Fitas Projecto de instalações mecânicas Novo Edifício do call center da PT em Santo Tirso O novo Edifício do CallCenter da PT localizar-se-á

Leia mais

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 Equipamento : Chillers ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO 1. PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Verificar a existência de ruídos e vibrações anormais

Leia mais

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2

Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE. Esterilização a Vapor - O papel do Técnico 2 Guarda, 8 e 9 de Fevereiro de 2013. Unidade Local de Saúde da Guarda, EPE 1 Manutenção Definição de manutenção: Manutenção é toda acção de controle e monitorização do equipamento. Manutenção não aumenta

Leia mais

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS

Sistemas solares compactos Solar Easy AQS Solar Easy AQS Os sistemas SOLAR EASY AQS integram no mínimo espaço possível grupo hidráulico, vaso de expansão e central de regulação, totalmente ligados e cablados. A gama está composta por 14 sistemas

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT

CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT CALDEIRAS DE CHÃO DE CONDENSAÇÃO POWER HT POWER HT MELHORAR A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA É UMA DAS GRANDES METAS DA NOSSA SOCIEDADE NO SÉCULO XXI. A GAMA POWER HT, BASEADA NA TECNOLOGIA DA CONDENSAÇÃO É UM

Leia mais