Cursos Sistemas Vapor 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cursos Sistemas Vapor 2015"

Transcrição

1 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia Gestores de compras Técnicos de operação Técnicos de manutenção Spirax Sarco, Lda. Rua Quinta do Pinheiro, 8 e 8ª Portela Carnaxide CARNAXIDE (Lisboa) Tel.: Fax:

2 Conteúdo O compromisso da Spirax Sarco com a formação... Pág. 3 Escritório e centro de formação Introdução aos sistemas de vapor e condensado Este curso de dois dias é adequado a quem deseje iniciar ou melhorar o conhecimento sobre vapor e a sua utilização, incluindo instaladores, gestores de desenho, energia e compras, técnicos de projecto, processo e manutenção. Pág. 4 Sala de formação teórica Técnicas para o uso eficiente do vapor.. Este curso de três dias é apropriado para gerentes, directores, engenheiros e técnicos que desenvolvem a sua actividade em instalações de vapor e desejam melhorar conhecimentos em temas relacionados com o desenho da instalação e especificação de equipamentos. Pág. 5 O vapor na indústria É um curso de um ou mais dias, dirigido ao pessoal de uma só empresa que deseje iniciar ou melhorar o conhecimento do vapor e a sua utilização em sistemas de produção. Está baseado no curso introdução aos sistemas de vapor dando-se especial ênfase a algum tema em concreto relacionado com o tipo de indústria. Pág. 6 Área de formação prática Palestra Vapor e Condensado Palestra de 1 dia dedicada a clientes para iniciação sumária à tecnologia do vapor. Pág. 6 Formulário de inscrição. Pág. 7 Programa de cursos. Calendário Pág. 8 Demonstração na sala de caldeira 2

3 Spirax Sarco proporciona conhecimento, serviço e suporte técnico. O conhecimento é a chave de um processo eficiente e de conservação da energia. O programa de cursos Spirax Sarco foi concebido para proporcionar uma variedade de opções, que permitam desenvolver um plano de formação adaptado da melhor forma às necessidades de formação da indústria e seus parceiros. O nosso objectivo é ajudar clientes desenhadores, instaladores, utilizadores, operadores e equipas de manutenção de sistemas de vapor, a conseguir o máximo rendimento da sua instalação fabril, com segurança e eficácia. Oferecemos o nosso curso básico de vapor (ISV) e o curso dedicado a engenharia e desenho (TEV). Outra opção de escolha é um dos nossos cursos específicos (VAI), que combina princípios de vapor e sua utilização com ênfase numa indústria em particular. O local de realização dos cursos será principalmente o nosso centro de formação Anel Ensaios Vapor Spirax Vapor Lab nas nossas instalações em Carnaxide, nos arredores de Lisboa, onde se poderá utilizar uma instalação de vapor real, para práticas em cursos específicos. Nos programados ISV e TEV será feita uma pequena demonstração, porém o tempo disponível não permite entrar em muito detalhe. O uso da nossa instalação de vapor não fica limitado unicamente á realização de um curso. Pode ser solicitada e agendada uma visita a qualquer momento e sem compromisso algum. Também poderemos realizar alguns cursos em salas de hotel ou em empresas em diversas zonas do país, que facilitem a assistência aos que não possam deslocar-se, dependendo a sua concretização dos pedidos recebidos e registados. Na página 7 encontra o formulário de inscrição, que necessitamos receber com uma antecedência mínima de duas semanas antes da realização das acções de formação em Carnaxide e de três semanas para as acções de outro âmbito. Na página 8 encontrará o programa básico. A realização das acções formação estará condicionada em função do número de inscrições. Equipamentos e demonstrações no Centro de Formação: Caldeira de vapor Anel Demonstração Purgadores Material seccionado Sistema de Troca de calor Controlo electropneumático Redutoras Auto accionadas 3

4 Introdução aos sistemas de vapor e condensado Curso ISV Duração 2 Dias (10 h.) Custo % IVA Quem deve assistir? Quem quer que deseje iniciar ou melhorar o conhecimento do vapor e a sua utilização, incluindo Instaladores, Gestores de Projecto, energia e compras, Técnicos de projecto, processo e manutenção. Objetivo Proporcionar conhecimentos básicos sobre vapor, sua utilização prática e componentes da instalação, para que os responsáveis pelo desenho, montagem, operação e manutenção possam obter melhorias na produção, segurança e eficiência energética. Programa Princípios básicos do vapor Produção, condensação, transferência de calor Tipos, qualidade e uso do vapor Circuito de vapor e condensado Equipamento da Casa de caldeiras Tanque alimentação água Controlo e alarmes de nível. Purgas de caldeira Distribuição de vapor Medição de caudal. Tubagens, drenagem do condensado Dilatações. Redução de perdas térmicas Equipamentos de processo Tipos de controlo. Qualidade do vapor em equipamentos de controlo Redução de pressão e regulação de temperatura Purgadores para drenagem de condensado Retorno do condensado Recuperação de condensado. Bombas mecânicas Manutenção em instalações de vapor Factores que afectam a manutenção correctiva Equipamentos para a manutenção preventiva Datas e Local Lisboa Março 2015 data actualizada Porto Abril 2015 Lisboa Maio 2015 Ver também programação na página 8 Se necessário e dependendo do número de inscrições, podem ser anulados ou mudar a data. Carga Horária e Horário A duração será de 5 horas em cada dia. Inicio: 9:00 Fim: 14:00 Esquema geração de vapor 4

5 Técnica para o uso eficiente do vapor Curso TEV Duração 3 Dias (15 h.) Custo % IVA Quem deve assistir? Gerente, Directores, Engenheiros e Técnicos que desenvolvem a sua actividade em instalações de vapor e desejam melhorar conhecimentos em temas relacionados com a concepção, desenho da instalação, especificação de equipamento e poupanças de energia. Objectivo Proporcionar conhecimento de práticas habituais na engenharia de vapor e factores a considerar na selecção dos sistemas que incorporam as instalações, para optimizar o rendimento produtivo e a eficiência energética. Programa Princípios básicos do circuito vapor (resumido) Selecção equipamento na casa de caldeiras Tanque alimentação água (tratamento, atmosférico, pressurizado). Caldeira (controlo nível, seguranças, cálculo de purga, sistemas de purga). Cálculo custo do vapor e poupança recuperando calor purga e combustão. Selecção do sistema de distribuição vapor Medidores de caudal. Dimensionamento de tubagens. Condensação e sistemas de drenagem. Compensadores de dilatação Cálculo da poupança de energia com isolamento térmico. Selecção equipamento de controlo de processos Componentes, tipos e selecção de controlos. Selecção e dimensionamento de válvulas. Controladores. Dimensionamento e instalação de redutores de pressão e sistemas de controlo de temperatura. Selecção de drenos de condensado Tipos, aplicação e dimensionamento de purgadores Cálculo e detecção de fugas de vapor Selecção sistema de recuperação condensado Cálculo da reevaporação e sistemas de recuperação calor. Cálculo da poupança recuperando condensado. Selecção de bombas mecânicas. Dimensionamento de tubagem. Ponto estagnação em permutadores de calor. Local e Datas Lisboa Outubro Ver também programação na página 8 Se necessário e dependendo do número de inscrições, podem ser anulados ou mudar a data. Carga Horária e Horário A duração será de 5 horas em cada dia. Inicio: 9:00 Fim: 14:00 Esquema controlo de processos e recuperação de energia 5

6 O vapor na indústria Curso VAI Duração a definir 1Dia (5 h) ou mais Custo segundo cálculo Quem deve assistir? Quem deseje iniciar ou melhorar o conhecimento em vapor e a sua utilização, incluindo Instaladores, Gestores e Técnicos de Processo, manutenção, energia e compras. Nota: É um curso dirigido a pessoal de uma só empresa. Objectivo Proporcionar conhecimentos básicos sobre vapor, sua utilização prática e componentes da instalação, para que responsáveis pelo desenho, montagem, operação e manutenção possam obter melhorias na produção, segurança e eficiência energética. Programa Princípios básicos do vapor Produção, transferência de calor, tipos de vapor, qualidade, utilização Circuito de vapor e condensado Geração, Distribuição, Processos e Retorno de condensado Elementos que formam parte da instalação Tanque alimentação água. Caldeira (controlo e alarmes de nível, purgas de caldeira). Medição de caudal de vapor. Drenagem de linhas. Compensadores de dilatação. Isolamento. Controlos El &PN, Controlo de pressão. Controlo de temperatura. Purgadores de condensado. Recuperação de condensado. Bombas mecânicas a vapor. Manutenção em instalações de vapor Factores que afectam a manutenção correctiva e equipamentos de manutenção preventiva. Nota: Enfâse especial aos temas relacionados com o tipo de Indústria (ex. Alimentar, Pasta e Papel, Farmacêutica, etc.) Local e Datas Os cursos podem ser realizados no Anel de Ensaios de Vapor Spirax Vapor Lab na sede em Carnaxide (Lisboa) ou nas instalações da empresa requerente. Palestra Vapor e Condensados Curso PVC Duração 1 dia (5 h.) Custo % IVA Quem pode assistir Por convite dirigido e no máximo Dois Funcionários de empresas clientes. (Limite de 24 pessoas por curso) Objectivo Proporcionar conhecimentos básicos sobre vapor, sua utilização prática e componentes da instalação Programa (Igual ao ISV resumido) Princípios básicos do vapor Circuito de vapor e condensado Equipamento da Casa de caldeiras Distribuição de vapor Equipamentos de processo Retorno do condensado Manutenção em instalações de vapor Datas e Local 5 horas Inicio: 9:00 Fim: 14:00 Lisboa 2 Junho e 10 Novembro Porto 4 Junho e 12 Novembro Ver também programação na página 8 Se necessário e dependendo do número de inscrições, podem ser anulados ou mudar a data. 6

7 Formulário de Inscrição Cursos 2015 Complete este formulário e envie-o com a antecedência de três semanas do curso para: Departamento Formação Fax: Desejamos ser inscritos nos cursos indicados como abaixo indicado: Nome e apelidos Cargo Curso* Cidade Datas * ISV: Introdução aos sistemas de vapor e condensado VAI O Vapor Na Industria TEV: Técnica para o uso eficiente do vapor PVC Palestra Vapor e Condensados Empresa: NIF: Morada: Cód. postal: Localidade: Solicitado por: Cargo: Tel: Fax: Nº Encomenda: Data: Preço por participante: Pagamento: Curso ISV: % IVA, Curso TEV: % IVA Curso PVC %IVA No preço está incluído o certificado de presença e documentação Na Palestra está apenas considerado um DVD com informação da acção de formação Transferência prévia até 5 dias antes do início do curso Cheque até 5 dias úteis antes do início do curso Dados da Spirax Sarco: Conta Nº NIF: Assinatura: Nota: A marcação e não presença no curso PVC implicará a perda de elegibilidade da empresa para acções similares gratuitas. Receberá confirmação da inscrição com informação complementar. Em função do número mínimo/máximo de inscrições os cursos podem anular-se ou mudar a data. Se deseja mais informação contacte com: SPIRAX SARCO Equipamentos Industriais, Lda. Rua Quinta do Pinheiro, 8 e 8ª Portela de Carnaxide CARNAXIDE (Lisboa) Departamento Formação Tel: Fax:

8 PROGRAMA CURSOS 2015 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D F Lisboa E F P Porto F Lx Pt F Lisboa Lx Pt ISV Introdução a sistemas de vapor e condensado F Lisboa TEV Técnica para o uso eficiente do vapor N PVC - Palestra Vapor e Condensado 8

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios

RELATÓRIO DE ESTÁGIO HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS. Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTALAÇÕES TÉCNICAS HOSPITAL DOUTOR MANOEL CONSTÂNCIO Mestrado em Manutenção Técnica de Edifícios Fernando Jorge Albino Varela de Oliveira Abrantes Dezembro 2014 ÍNDICE Objectivos

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS

FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS FREECOOLING COMO COMPLEMENTO DE SISTEMAS DE CLIMATIZAÇÃO EM DATA CENTERS Medida apoiada pelo Plano de Promoção da Eficiência no Consumo de Energia Eléctrica (PPEC) para o ano de 2008 PPEC PLANO DE PROMOÇÃO

Leia mais

Plano de Formação 2015 Criar conhecimento

Plano de Formação 2015 Criar conhecimento Plano de Formação 2015 Criar conhecimento Perguntas. Respostas! Caros amigos e parceiros, Boas respostas começam com as perguntas certas. Por esta razão, a Hager ouve as sugestões dos seus clientes há

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

PROGRAMA DE CURSOS 2012

PROGRAMA DE CURSOS 2012 PROGRAMA DE CURSOS 2012 CENTRO DE FORMAÇÃO CALENDÁRIO PROGRAMA DE CURSOS 2012 CURSOS INSTALAÇÃO DE SOLUÇÕES SOLARES TÉRMICAS DOMÉSTICAS Sistemas autónomos e em circulação forçada: Termossifão STS Autocalor

Leia mais

Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008

Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008 Auditorias a Sistemas de Gestão da Qualidade ISO 9001 : 2008 DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares. Guia para Especificações técnicas para Ar Comprimido Industrial em EdifíciosHospitalares ET 08/2010 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11

índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar índice Rigsun 04 Sistema SANI 06 Sistema POLI 08 Sistema MEGA 10 Sistema GIGA 10 Legislação 11 A sua energia solar.rigsun. A Rigsun é a nova marca nacional de sistemas solares térmicos.

Leia mais

// catálogo de FOrmaçãO

// catálogo de FOrmaçãO // catálogo de FOrmaçãO 2010 /2011 AF_cataĺogo_final.indd 1 // índice 3 CFT - CENTRO DE FORMAÇÃO TÉCNICA 5 Formação é peça fundamental! 6 ENERGIA SOLAR TÉRMICA (Profissionais de Distribuição) 7 ENERGIA

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis

Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Aplicação de Chillers a 4 tubos em Hotéis Lisboa, 27 de Outubro de 2011 - Funcionamento de chillers 4 tubos AERMEC-NRP - Especificações hidráulicas - Avaliação energética de soluções em hotéis Chillers

Leia mais

CONCURSO INOVAÇÃO HOTSPOT DESIGN. Desenvolvimento Novo Aquecedor de Esplanada a Gás

CONCURSO INOVAÇÃO HOTSPOT DESIGN. Desenvolvimento Novo Aquecedor de Esplanada a Gás CONCURSO INOVAÇÃO HOTSPOT DESIGN Desenvolvimento Novo Aquecedor de Esplanada a Gás Outubro 2009 CONDIÇÕES GERAIS DO CONCURSO ASPECTOS GENÉRICOS DO CONCURSO Objectivo: Desenvolvimento de um novo aquecedor

Leia mais

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses

Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Como Vender em Alemanha Uma acção à medida dos seus interesses Ficha de Inscrição Encontre a resposta às suas dúvidas! Identifique a sessão pretendida: Porto AICEP (Rua António Bessa Leite, 1430-2.º andar)

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12

CADERNO DE ENCARGOS. Pág.1/12 Manutenção do Sistema de climatização dos edifícios escolares da responsabilidade do Município, manutenção do Sistema de AVAC do Arquivo Municipal Alfredo Pimenta e manutenção do sistema de AVAC da Divisão

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S.

Índice. Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores. Aquecimento Central e A.Q.S. PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2013 Índice ENTRADA DO CENTRO DE FORMAÇÃO - AVEIRO Centros de Formação Vulcano 03 Programa de Formação 04 Cursos: Esquentadores e Termoacumuladores E1 Águas Quentes Sanitárias 04

Leia mais

Sistemas térmicos aplicados

Sistemas térmicos aplicados Sistemas térmicos aplicados LNEG 8 Julho 2015 BUILD UP Skills FORESEE IEE/13/BWI 702/SI2.680177 BUILD UP Skills FORESEE September 2014 to February 2017 Temas gerais 1 hora - Teórica Legislação sobre Segurança

Leia mais

MÊS DA ENERGIA - AÇORES

MÊS DA ENERGIA - AÇORES MÊS DA ENERGIA - AÇORES SEMINÁRIO Eficiência Energética Credenciação de Técnicos no âmbito do SCE Fernando Brito Ponta Delgada 6 de Maio de 2008 1 1 COMISSÃO TRIPARTIDA CTAQAI DIRECÇÃO GERAL DE ENERGIA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Data Preparado por Aprovado por Página

MANUAL DA QUALIDADE Data Preparado por Aprovado por Página 12-07-2013 Paula Assis Paula Assis 2/23 12-07-2013 Paula Assis Paula Assis 3/23 12-07-2013 Paula Assis Paula Assis 4/23 1.... e só melhoramos se aprendermos! 12-07-2013 Paula Assis Paula Assis 5/23 2.

Leia mais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais

Programas Operacionais das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas. Acções ambientais Página: 1 de 14 das Organizações de Produtores de Frutas e Produtos Hortícolas Acções ambientais Acção 7.3 Recuperação de energia a partir de resíduos de colheitas e outras matérias orgânicas Acção 7.4

Leia mais

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA

MODELO DE INQUÉRITO PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA PARA EXECUÇÃO DE UMA AUDITORIA ENERGÉTICA A. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1.SEDE 1.1 NOME... 1.2 ENDEREÇO.. 1.3 CÓDIGO POSTAL... 1.4 LOCALIDADE... 1.5 CONCELHO. 1.6 DISTRITO... 1.7 TELEFONE.. 1.8 TELEFAX...

Leia mais

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016

Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 PROGRAMA DE FORMAÇÃO 2016 Ficha de Inscrição Cursos de Formação 2016 Para que a proposta de inscrição nos Cursos de Formação da Vulcano seja válida, é obrigatório o preenchimento de todos os campos de

Leia mais

GUIA PARA COMPRA ONLINE

GUIA PARA COMPRA ONLINE GUIA PARA COMPRA ONLINE www.tipsal.pt QUEM SOMOS A TIPSAL - Técnicas Industriais de Protecção e Segurança, Lda foi fundada em 1980. Somos uma empresa de capitais exclusivamente nacionais com sede social

Leia mais

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista)

Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) Sistemas Solar Fotovoltaicos (Projectista) DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª e 4ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das

Leia mais

Formação e Consultadoria Plano de Cursos 2013

Formação e Consultadoria Plano de Cursos 2013 Formação e Consultadoria Plano de Cursos 2013 www.festo.pt O melhor computador do mundo é o Homem, e é o único que pode ser produzido em massa por mão de obra não especializada. Wernher von Braun 1912-1977

Leia mais

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL

SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais de equipamentos sob pressão. TEXTO INTEGRAL DATA: 12 de Junho de 2007 NÚMERO: 112 SÉRIE II EMISSOR: Ministério da Economia e Inovação DIPLOMA / ACTO: Despacho nº 11 551/2007 SUMÁRIO: Aprova a instrução técnica complementar para conjuntos processuais

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt Colectores Solares para Aquecimento de Água S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt POTENCIAL DE APLICAÇÃO DE COLECTORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Hotéis Apartamento Moteis Pousadas Estalagens

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE

WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE WEBSITE SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice Novo Website Vulcano 03 Descubra toda a informação do website Vulcano 04 Área de acesso profissional 06 E-Newsletter Vulcano também com nova imagem 07 02 SOLUÇÕES

Leia mais

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm

Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção. MD 50-2500 88-2500 l/s / 185-5297 cfm Atlas Copco Secadores de Ar de Adsorção MD 5-25 88-25 l/s / 185-5297 cfm Capacidade total, responsabilidade total Com um papel fundamental no seu trabalho, a Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

A importância da marca

A importância da marca A importância da marca Vantagens dos compressores BOGE Eficiência energética, optimização de custos e fiabilidade Todos os compressores e acessórios BOGE são desenhados para obter a melhor relação qualidade

Leia mais

Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003

Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003 Certificação da Qualidade ISO 9001 : 2003 DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 3ª, 4ª e 5ª, das 19h00 às 23h00 ou Sábado, das 9h00 às 13h00 e das

Leia mais

Curriculum de Mecânica dos Fluidos

Curriculum de Mecânica dos Fluidos Curriculum de Mecânica dos Fluidos A Nível I Introdução à Mecânica dos Fluidos (30 horas) A.1 - Princípios e grandezas físicas em Mecânica dos Fluidos A1.1 Conceitos físico-matemáticos elementares A.1.1.1

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

PROGRAMA DE CURSOS 2016 Centro de Formação

PROGRAMA DE CURSOS 2016 Centro de Formação PROGRAMA DE CURSOS 2016 Centro de Formação a nova climatização C M Y CM MY CY CMY K CENTRO DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE CURSOS 2016 CENTROS DE FORMAÇÃO A sociedade em que vivemos, altamente tecnológica e competitiva,

Leia mais

AutoCAD 2D. Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 22h30 (duas das sessões terminam às 22h00)

AutoCAD 2D. Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 22h30 (duas das sessões terminam às 22h00) AutoCAD 2D DATAS A definir (assim que seja atingido o número mínimo de inscrições) HORÁRIO Pós-Laboral, à 2ª, 3ª e 5ª, das 19h00 às 22h30 (duas das sessões terminam às 22h00) ou Sábado, das 9h30 às 13h00

Leia mais

Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP)

Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP) Inspeção de Equipamento de Pulverização Centros de Inspeção Periódica de Pulverizadores (Centros IPP) Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária Direcção de Serviços de Meios de Defesa Sanitária Divisão

Leia mais

CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA

CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA CURSO PREVISÃO, GESTÃO E CONTROLO DE TESOURARIA ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris

Leia mais

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares.

ACSS ACSS. ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos. Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares. Guia para Especificações técnicas para Gás Combustível em Edifícios Hospitalares ET 02/2006 V. 2013 ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ACSS ACSS Unidade de Instalações e Equipamentos Especificações

Leia mais

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo

Bomba como bomba de água potável altamente eficiente. Calio-Therm S. Folheto do modelo Bomba como bomba de água potável altamente eficiente Calio-Therm S Folheto do modelo Ficha técnica Folheto do modelo Calio-Therm S Todos os direitos reservados. Os conteúdos aqui disponibilizados não podem

Leia mais

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6

Apresentação Wintek.Center... 4. Programa das Ações de Formação... 3. Básico de Refrigeração e Climatização... 6 ÍNDICE Apresentação Wintek.Center... 4 Programa das Ações de Formação... 3 Básico de Refrigeração e Climatização... 6 Automação, Controlo e Instrumentação... 7 Electricidade de Sistemas de Refrigeração

Leia mais

Auditoria Energética - Definição

Auditoria Energética - Definição Auditoria Energética - Definição Levantamento e análise crítica das condições de utilização da Energia, com vista à detecção de oportunidades de racionalização energética, através de medidas com uma viabilidade

Leia mais

Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável

Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável Série e-svtm Electrobombas verticais multicelulares em aço inoxidável Campo de rendimentos hidráulicos extra efficient: extra eficiente A hidráulica recentemente concebida da e-sv TM, combinada com um

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ

FORMAÇÃO. PROFISSIONAIS de electricidade. pour PARA les professionnels. de l ÉleCTRICITÉ pour PARA les professionnels PROFISSIONAIS de electricidade de l ÉleCTRICITÉ FORMAÇÃO Corte e Protecção Concepção e certificação de quadros e armários eléctricos até 400 A Curso ref. M.11.001.12 Objectivos

Leia mais

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa.

Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Mais Questões Isildo M. C. Benta, Assistência Técnica Certificada de Sistemas Solares Quanto poupo se instalar um painel solar térmico? Um sistema bem dimensionado permite poupar, em média, 70% a 80% da

Leia mais

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações

Associação Portuguesa dos Engenheiros de Frio Industrial e Ar Condicionado. TREx Executado=Projectado Total acordo nas alterações 7 as JORNADAS DE CLIMATIZAÇÃO Verificação do Comissionamento e da Manutenção Certificados Energéticos e da QAI do SCE Ernesto F. Peixeiro Ramos Ordem dos Engenheiros 8 de Novembro de 2008 Associação Portuguesa

Leia mais

Programa de Treinamentos 2014

Programa de Treinamentos 2014 Programa de Treinamentos 2014 Introdução A Bosch Rexroth tem compromisso com a qualidade de seus treinamentos. Baseado nesse compromisso, a Divisão Service - Didática da Bosch Rexroth desenvolveu uma série

Leia mais

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010)

Guia de declaração para equipamentos de AVAC&R. (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) (Aplicação dos DL 230/2004 e 132/2010) ÍNDICE 1 Objectivo... 3 2 Porquê esta legislação?... 3 3 Quem está abrangido?... 3 4 Quais os equipamentos abrangidos?... 3 5 Dúvidas frequentes... 5 5.1 Equipamentos

Leia mais

CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS

CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS CURSO FINANÇAS PARA NÃO FINANCEIROS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy

Leia mais

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL

WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL WORKSHOP 'EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - DESAFIOS E OPORTUNIDADES PARA PORTUGAL Eficiência Energética na Industria Experiencia Save to Compete Sofia Tavares EDP Comercial sofia.tavares@edp.pt Lisboa, 6 Março,

Leia mais

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações.

A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. GESTÃO DE OPERAÇÕES A gestão de operações encarrega-se do estudo dos mecanismos de decisão relativamente à função operações. Os Directores de Operações são os responsáveis pelo fornecimento de bens ou

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa CONSULTORIA E ESTUDOS TÉCNICOS DE AMBIENTE E SEGURANÇA, S.A. Apresentação Corporativa Dezembro 2011 Propriedade da Enviprime 12/2011. Proibida a Cópia Sem Autorização Prévia SOBRE A ENVIPRIME, S.A. é uma

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015

CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015 LUANDA PROGRAMA AVANÇADO PARA DECISORES CONCURSOS INTERNACIONAIS COMO OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO Skyna Hotel 22 de Junho de 2015 2.ª EDIÇÃO Inscrições e mais informações em: www.ambienteonline.pt/luanda-concursos-internacionais-2015

Leia mais

Lean Management na Indústria Alimentar

Lean Management na Indústria Alimentar Lean Management na Indústria Alimentar de 1.) Introdução O atual desafio colocado às empresas para a sua sobrevivência, demonstra que só aquelas que são ágeis e magras são competitivas nos mercados exigentes

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 9001:2008 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

Estes cursos estão organizados de acordo com o Sistema Europeu de Transferência de créditos (ECTS).

Estes cursos estão organizados de acordo com o Sistema Europeu de Transferência de créditos (ECTS). Lisboa, 23 de Fevereiro de 2007 Exmo. Senhor Engenheiro Técnico, O Instituto Superior de Educação e Ciências (ISEC) é um estabelecimento de ensino superior privado reconhecido oficialmente em 9 de Agosto

Leia mais

D E S P A C H O Nº 16/2012

D E S P A C H O Nº 16/2012 D E S P A C H O Nº 16/2012 Por proposta do Conselho Pedagógico, foram aprovados os Calendários Escolares (1.º, 2.º e 3.º ciclos) para o ano lectivo de, que se anexam ao presente Despacho e dele fazem parte

Leia mais

CURSO MICROSOFT OUTLOOK

CURSO MICROSOFT OUTLOOK CURSO MICROSOFT OUTLOOK ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 03 2. DESENVOLVIMENTO A. Proposta pedagógica B. Investimento C. Condições de participação 03 03 04 04 3. FICHA DE INSCRIÇÃO 05 02 Moneris Academy Microsoft

Leia mais

Engenharia de Accionamentos \ Accionamentos Electrónicos \ Integração de Sistemas \ Serviços. CDS Complete Drive Service A gama modular de serviços

Engenharia de Accionamentos \ Accionamentos Electrónicos \ Integração de Sistemas \ Serviços. CDS Complete Drive Service A gama modular de serviços Engenharia de Accionamentos \ Accionamentos Electrónicos \ Integração de Sistemas \ Serviços CDS Complete Drive Service A gama modular de serviços 2 Overline CDS Complete Drive Service A estratégia de

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO: Associações Distritais, Clubes e Câmaras Municipais

DISTRIBUIÇÃO: Associações Distritais, Clubes e Câmaras Municipais CIRCULAR Nº 17/06 06/04/07 DISTRIBUIÇÃO: Associações Distritais, Clubes e Câmaras Municipais ASSUNTO: CURSO DE MANUTENÇÃO DE PISCINAS 2006 1. Objectivos - Dotar os responsáveis pela manutenção dos equipamentos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS Fundo de Eficiência Energética PERGUNTAS E RESPOSTAS Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 Perguntas e Respostas Aviso 12 Requalificação de Sistemas Solares Térmicos 2015 v0 0 ÍNDICE

Leia mais

CALDEIRA MURAL A GÁS CM ACUMULAÇÃ DINÂMICA Conforto inteligente Agora com H-MD Alta modulação para um maior conforto e poupança Novo Acumulação dinâmica melhorada para o utilizador de água quente mais

Leia mais

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar

Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Curso de Formação Avançada Criação e Desenvolvimento de Novos Negócios no Sector Agro-Alimentar Em colaboração com 9 de Maio a 21 de Junho de 2008 Instituto Superior de Agronomia / Universidade Técnica

Leia mais

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica.

As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. GUILHOTINAS As soluções de janelas de guilhotina ZENDOW são a escolha adequada para obras de renovação arquitectónica. Com um sistema de ferragens de elevado desempenho, a solução de janelas de guilhotina

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Grupos de Circulação AGS. www.vulcano.pt. (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) Agosto 2013

FICHA TÉCNICA. Grupos de Circulação AGS. www.vulcano.pt. (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) Agosto 2013 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351. 218 500 300 Agosto 2013 FICHA TÉCNICA (AGS 5, AGS 10, AGS 20 e AGS 50) www.vulcano.pt

Leia mais

Arrefecimento solar em edifícios

Arrefecimento solar em edifícios Arrefecimento solar em edifícios Introdução A constante procura de conforto térmico associada à concepção dos edifícios mais recentes conduziram a um substancial aumento da utilização de aparelhos de ar

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Objectivos...2 2 - Legislação aplicável...2 3 - Enquadramento legal...2 3.1 - Limites de fornecimento...2 3.2 - Descrição de encargos...2 3.2.1 - Encargos do adjudicatário...2 3.3 - Encargos

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

ESQUENTADORES SENSOR GREEN

ESQUENTADORES SENSOR GREEN ESQUENTADORES SENSOR GREEN SOLUÇÕES DE ÁGUA QUENTE Índice A eficiência na produção de água quente em grandes quantidades 03 Aplicações e Utilizações 05 Benefícios para o Instalador 06 Líder em Tecnologia

Leia mais

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais:

PROPOSTA. 1. Introdução. Com base nos textos legais: RESPONSABILIDADES DOS PROJECTISTAS DE INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E SISTEMAS DE AQUECIMENTO, VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO VERSUS RESPONSABILIDADES DOS PERITOS QUALIFICADOS NO ÂMBITO DO SCE (SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO

Leia mais

Pipe xperience. Amiantit. Amitech

Pipe xperience. Amiantit. Amitech Um mundo em PRFV Pipe xperience Amiantit Amitech EQUIPA HUMANA: A FORÇA DA AMITECH FLOWTITE fabrico COMPROMISSO DE QUALIDADE E RESPEITO PELO MEIO AMBIENTE GAMA DE PRODUTOS ACOPLAMENTOS FLOWTITE Água potável

Leia mais

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CURSO DE ECO-EFICIÊNCIA DOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 13 de Dezembro 2011 Sabóia Estoril Hotel Adquira os conhecimentos fundamentais para uma construção mais sustentável Este curso permite a obtenção de

Leia mais

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas

Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Dimensionamento de Solar T. para aquecimento de Piscinas Pedro Miranda Soares Dimensionamento de Sistemas Solares Térmicos para aquecimento de Piscinas No dimensionamento de colectores solares para aquecimento

Leia mais

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1

O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética. www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 O Solar- Térmico na Melhoria da Eficiência Energética www.kleanenergie.c om www.selfenergysolu tions.eu 1 Áreas de Actividade Fornecedor Equipamentos de Energias Renováveis a Escolas. Fornecedor Equipamento

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

Equipamentos de queima em caldeiras

Equipamentos de queima em caldeiras Equipamentos de queima em caldeiras Notas das aulas da disciplina de EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS 1 Objectivo do sistema de queima 1. Transportar o combustível até ao local de queima 2. Proporcionar maior

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8

Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 Acção de Formação Contabilidade de Gestão - Primavera v8 MoreData, Sistemas de Informação Campo Grande 28, 10º E 1700-093 Lisboa 213520171 info@moredata.pt Índice de Conteúdos Introdução...3 Sobre o Curso...4

Leia mais

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004

CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 CURSO CERTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DO AMBIENTE ISO 14001:2004 O curso de Certificação/Qualificação de Auditores Internos é constituído por 2 módulos com avaliação escrita: 1. Interpretação

Leia mais

Novo Membro do Portal

Novo Membro do Portal NOTÍCIAS: "OBJECTIVO 2013" - POPH na TSF TI 1.4 Cursos de Especialização Tecnológica (Regiões Convergência) Candidaturas Abertas - INOV-JOVEM EVENTOS: Seminário "Coaching para a Excelência Empresarial"

Leia mais

II Curso de E-learning

II Curso de E-learning Associação Portuguesa dos Técnicos de Natação Complexo de Piscinas Municipais de Rio Maior Estradas das Marinhas 2040 Rio Maior II Curso de E-learning O Técnico de Manutenção de Piscinas de Uso Colectivo

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Métodos de Avaliação Imobiliária

Métodos de Avaliação Imobiliária Métodos de Avaliação Imobiliária DATAS Ver cronograma (sujeitas a eventuais alterações). HORÁRIO Pós-Laboral, das 19h00 às 23h00 DURAÇÃO 30 Horas LOCALIZAÇÃO Instalações da AS Formação Urbanização CHAVE,

Leia mais

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente

Corinthia Hotel Lisbon. Hotel Energeticamente Eficiente Corinthia Hotel Lisbon Hotel Energeticamente Eficiente O CORINTHIA HOTEL LISBON O Maior 5 estrelas em Portugal 27 pisos Área total aproximada de 50 000 m 2 518 quartos no total: 360 quartos superiores

Leia mais

Projecto Eco-condução Portugal

Projecto Eco-condução Portugal Projecto Eco-condução Portugal Apresentação e Principais Actividades Hélder Pedro, ACAP 20 de Maio 2009 Introdução O conceito de Eco-condução tem nos últimos anos sido alvo de muito interesse em toda a

Leia mais