PERCEPÇÃO DA ATITUDE AMBIENTAL DOS ALUNOS DO CEFET-UBERABA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERCEPÇÃO DA ATITUDE AMBIENTAL DOS ALUNOS DO CEFET-UBERABA"

Transcrição

1 PERCEPÇÃO DA ATITUDE AMBIENTAL DOS ALUNOS DO CEFET-UBERABA FRAGA, D.F. 1 ; SILVA SOBRINHO, J.B.F. 1 ; SILVA, A.M. 2 ; ABDALA, V.L. 2 1 Estudante 6 módulo em Tecnologia em Gestão Ambiental no CEFET Uberaba MG. 2 Prof. CEFET Uberaba MG, Ms. em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia. RESUMO Este estudo tem por finalidade analisar o nível de conhecimento adquirido pelos discentes em relação ao meio ambiente, partindo de que o CEFET-Uberaba caracteriza-se como uma Instituição de ensino que possui a gestão ambiental integrada ao cotidiano de seus alunos. Tal objetivo foi atingido através da análise dos resultados obtidos no Questionário sobre a Atitude Ambiental dos discentes da instituição, formulado pelos alunos do 6º Período do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do ano de Esta Atitude Ambiental foi caracterizada pela análise das opiniões dos discentes em relação a ações ambientais pertinentes ao seu dia-a-dia. Os resultados demonstram que, dentre os Ensinos Médio e Técnico, o Curso Técnico de Informática demonstra maior sensibilidade (86,8 %) sobre assuntos relacionados a questões ambientais e o Curso Técnico de Nutrição e Dietética apresenta menor atitude ambiental (76,3 %) quando comparado aos demais. Analisando os Cursos Superiores da Instituição, nota-se que o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental possui maior atitude ambiental por parte dos discentes (86,84 %). O Curso Superior de Zootecnia demonstrou uma menor atitude ambiental (71,05%). Palavras-chave: educação ambiental; questionário ambiental; ações individuais. INTRODUÇÃO No Brasil, atribui-se à educação básica a formação para o exercício da cidadania ao propor um currículo que tenha vínculos com as diversas dimensões da vida dos alunos e voltado a um ensino contextualizado e fundamentado na interdisciplinaridade. No ensino fundamental, as temáticas relacionadas à cidadania (Meio Ambiente, Ética, Diversidade Cultural, Sexualidade) foram previstas de forma transversal a todas as áreas disciplinares (Português, Matemática, Biologia, Química, etc). O tema meio ambiente, incluído nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), pretende contribuir para a formação de 159

2 cidadãos conscientes, aptos a decidirem e atuarem na realidade socioambiental de um modo comprometido com a vida, com o bem-estar de cada um e da sociedade local e global (BRASIL, 1998a, p. 11). Conforme Dias (2004), o ensino formal é o que ocorre dentro do sistema escolar; o nãoformal, obviamente, fora das escolas. A Educação Ambiental deve estar presente em todas as etapas, inclusive começando em casa, mesmo antes do pré-escolar. Conforme a Lei 9.795, de 27 de abril de 1999, a educação ambiental é entendida como o conjunto de processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade (Artigo 1º), sendo um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal (Artigo 2º) (ANDRADE JÚNIOR, 2004; PNEA, 1999). Segundo Dias (2004), a utilização do questionário como mecanismo para a diagnose da Educação Ambiental contribui para o desenvolvimento de um conjunto de questões ordenadas a ser submetido a um determinado público. As respostas analisadas dão uma variedade de indicativos. É usado para obter informações e/ou efetuar amostragem de opinião das pessoas em relação a uma dada questão. Pode ajudar a definir a extensão de um problema. MATERIAL E MÉTODOS Este projeto foi realizado nas 2 unidades do CEFET-Uberaba, pelos alunos do 6º Período do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental do ano de Foi feita uma análise quantitativa e qualitativa dos aspectos ambientais referentes à Atitude Ambiental (AA) dos discentes, ou seja, avaliou-se o nível de entendimento adquirido no que corresponde a assuntos voltados ao meio ambiente, nos diversos cursos existentes na Instituição. A obtenção de dados ocorreu por meio da aplicação de questionário sobre a Atitude Ambiental, fundamentado em 7 questões de múltipla escolha. O fator norteador das questões do questionário foi o interesse em buscar elementos presentes nos alunos que pudessem ressaltar o conhecimento adquirido no decorrer de sua vida acadêmica. A partir daí, tomou-se ciência de como é abordada a temática ambiental no contexto das atividades realizadas no espaço institucional. 160

3 Foram aplicados 514 (quinhentos e quartorze) questionários, distribuídos entre os cursos e turmas da seguinte forma: Total Ensino Médio/Técnico: 310 questionários; Total Ensino Superior: 204 questionários. Uma vez aplicados os questionários, foi realizada a tabulação dos dados onde se atribuiu pontuação a cada questão do questionário. A pontuação das questões 1, 2, 3, 4, 5 e 6 correspondeu a valores que variavam entre 1 (um) e 5 (cinco) pontos. Na sétima questão, devido a um número maior de alternativas (8 alternativas), a pontuação teve uma variação de 1 (um) a 8 (oito) pontos. Feitas essas considerações, as questões foram analisadas individualmente para as turmas de cada curso. Assim, estabeleceram-se quais os valores que mais se repetiam para cada questão, obtendo assim, um valor médio. Este processo se repetiu em cada turma analisada. Após este procedimento, foi repetido o mesmo método de tabulação, porém desta vez entre as turmas, buscando atingir valores em comum para as questões. A metodologia presente na tabulação dos dados foi adaptada de Rocha (2001), sendo a mesma utilizada em sala de aula durante a disciplina de Recuperação de Áreas Degradadas. Para o autor ela é fundamentada no modelo estatístico modal e é utilizada para a determinação do percentual de deterioração de uma microbacia hidrográfica, baseado em valores que demonstraram ser significativos sobre os demais. Tendo por base esta posição, fora estabelecidos valores mínimos e máximos permitidos para a variável estudada. Esta convenção corresponde aos valores definidos para cada questão. De acordo com estes valores, foi determinado o índice encontrado para a variável analisada. O Y (%) em questão corresponde ao valor percentual obtido através da correlação entre o valor máximo permitido e o encontrado durante a pesquisa. Os valores de Y (%) obtidos no Questionário sobre a Atitude Ambiental da comunidade educativa (alunos, funcionários e professores) representam que quanto maior for o valor encontrado na média, maior a atitude ambiental de cada discente. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os resultados obtidos a partir dos questionários aplicados com os discentes contribuirão para a formação de uma base de dados mais precisos que servirão para futuros projetos realizados dentro da instituição, valorizando o conhecimento aplicado aos alunos. 161

4 Nesta primeira etapa, serão apresentados os dados referentes aos Cursos Técnicos e o Ensino Médio do CEFET-Uberaba. A TAB. 1 demonstra os valores percentuais relacionados à Política de Gestão Ambiental oriundos de questionários aplicados aos discentes do Ensino Técnico, Médio e Superior do CEFET Uberaba. TABELA 1 Percepção da Atitude Ambiental dos discentes do CEFET-Uberaba. Ensino Técnico - Médio Ensino Superior Curso AA AA Curso (%) (%) Nutrição e Dietética 76,3 Alimentos 81,58 PROEJA 84,2 Análise e Desenvolvimento de Sistemas 78,95 Informática 86,8 Desenvolvimento Social 81,58 Açúcar e Álcool 84,2 Gestão Ambiental 86,84 Médio e Técnico (Agricultura/Zootecnia) 78,9 Irrigação e Drenagem 78,95 Zootecnia 71,05 Média: 82,08 Média: 79,83 Analisando os resultados, pode-se constatar que a percepção dos discentes do Ensino Técnico Médio sobre a Atitude Ambiental (AA) foi alta (82,08 %) quando comparada ao Ensino Superior (79,83 %) do CEFET-Uberaba. Ressalta-se que este valor é médio, não sendo característico de avaliações individuais para cada curso. Os Gráficos 1 e 2 representam a distribuição espacial dos resultados provenientes desta pesquisa dando enfoque na análise individual dos cursos presentes e avaliados na instituição. GRÁFICO 1 Análise da Atitude Ambiental dos discentes do Ensino Médio e Técnico do CEFET Uberaba. 162

5 Através destes resultados é possível afirmar que, dentre o Ensino Médio e Técnico, o Curso Técnico em Nutrição e Dietética apresentou uma menor atenção dos seus discentes em relação a Atitude Ambiental (76,3 %), sendo que o Curso Técnico em Informática apontou uma maior percepção das atitudes ambientais (86,8 %) por parte dos seus discentes. GRÁFICO 2 Análise da Atitude Ambiental dos discentes do Ensino Superior do CEFET-Uberaba. Os resultados acima descritos apontam que o Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental apresentou valores altos de Atitude Ambiental (86,84 %) por parte dos discentes questionados, o que representa uma alta percepção quando se trata de questões ambientais. Já o Curso Superior de Zootecnia apresentou um menor índice (71,05 %) quando comparado aos demais cursos do mesmo nível. CONCLUSÕES Os resultados deste trabalho apontaram que os discentes do Ensino Médio Técnico possuem uma visão ativa sobre as questões ambientais, freqüentes no contexto do seu cotidiano. Para os discentes dos Cursos Superiores esta percepção ainda não está clara, sendo que a inserção do meio ambiente nos diálogos disciplinares auxiliaria a ampliar a participação dos alunos e esclarecer a importância desta questão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANDRADE JUNIOR, Hermes de; SOUZA, M.A. de; BROCHIER, J.I. Representação social da educação ambiental e da educação em saúde em universitários. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, v. 17, n. 1, Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng =pt&nrm=iso>. Acesso em: 25 mar doi: /S

6 BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998 a. DIAS, G. F. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. 9.ed.São Paulo: Gaia, p. ROCHA, J.S.M. Educação Ambiental Técnica para os ensinos fundamental, médio e superior. 2.ed. Brasília: Associação Brasileira de Educação Agrícola Superior, p.15. ROCHA, J.S.M.; KURTZ, S.M.J. Manual de manejo integrado de bacias hidrográficas. 4.ed. Santa Maria(RS): Edições UFSM CCR/UFSM, p. Lei N 9.795, de 27 de abril de Disponível em: <http://www.lei.adv.br/ htm> Acesso em: 20 mar

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM PASSO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM PASSO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UM PASSO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Fonsêca de Oliveira Nascimento (*), Tércia Oliveira Castro, Franciele Santos Torres. * Instituto Federal

Leia mais

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença.

Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. Projeto Ambienta Rio: A escola faz a diferença. E/SUBE/CED/GPEC Semana de Meio Ambiente Mostra de Trabalhos de Educação Ambiental das Escolas da Rede Pública Municipal de Ensino Justificativa A Secretaria

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA - RIO DE JANEIRO

INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA - RIO DE JANEIRO INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA - RIO DE JANEIRO Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação

Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação Eixo Temático 3-Currículo, Ensino, Aprendizagem e Avaliação CONCEPÇÕES DOS EDUCANDOS SOBRE A UTILIZAÇÃO DO LIVRO DIDÁTICO DE BIOLOGIA NA ESCOLA PÚBLICA Leandra Tamiris de Oliveira Lira-UFRPE Leonardo Barbosa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - FLORIANÓPOLIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - FLORIANÓPOLIS Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Aula 2. Módulo I Educação Ambiental e Sustentabilidade. Curso de Atualização em Educação Ambiental e Sustentabilidade. Jaqueline Figuerêdo Rosa

Aula 2. Módulo I Educação Ambiental e Sustentabilidade. Curso de Atualização em Educação Ambiental e Sustentabilidade. Jaqueline Figuerêdo Rosa www.cursoeduambientalifbaiano.wordpress.com Curso de Atualização em Educação Ambiental e Sustentabilidade Módulo I Educação Ambiental e Sustentabilidade Aula 2 Jaqueline Figuerêdo Rosa Mas, o que é Educação

Leia mais

GT-PEDE PLANTA. Momento Pedagógico. Grupo de Trabalho para definições estratégicas, táticas e operacionais para o projeto PEDE PLANTA

GT-PEDE PLANTA. Momento Pedagógico. Grupo de Trabalho para definições estratégicas, táticas e operacionais para o projeto PEDE PLANTA Momento Pedagógico GT-PEDE PLANTA Grupo de Trabalho para definições estratégicas, táticas e operacionais para o projeto PEDE PLANTA - Lei n 9.795/1999 - Brasília/DF, 21 de julho de 2016 Filipy Andrade

Leia mais

O TEMA MEIO AMBIENTE NAS COLEÇÕES DE CIÊNCIAS RESUMO

O TEMA MEIO AMBIENTE NAS COLEÇÕES DE CIÊNCIAS RESUMO O TEMA MEIO AMBIENTE NAS COLEÇÕES DE CIÊNCIAS Camylla Alves do Nascimento Mestranda em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará. Raquel Crosara Maia Leite Professora do programa de pós graduação

Leia mais

O PERCURSO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DENTRO E FORA DO CONTEXTO EDUCACIONAL

O PERCURSO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DENTRO E FORA DO CONTEXTO EDUCACIONAL O PERCURSO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DENTRO E FORA DO CONTEXTO EDUCACIONAL Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1 - Introdução A humanidade vai assumindo uma consciência

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário

Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário Escola Secundária de Felgueiras 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação para o Ensino Secundário (Decreto-Lei 139/2012, de 5 de julho, e Portaria 243/2012, de 10 de agosto) O processo de avaliação de alunos

Leia mais

ENADE Relatório da IES. Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes

ENADE Relatório da IES. Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Faculdade de Nova Serrana no município: NOVA SERRANA SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA - PETROLINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA - PETROLINA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PETROLINA - PETROLINA Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE CARTILHA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

UTILIZAÇÃO DE CARTILHA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL UTILIZAÇÃO DE CARTILHA COMO FERRAMENTA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Vanessa Ribeiro dos Reis i ; Aline Santos dos Santos¹; Poliana Brandão Machado ii2 ; Girlene Santos de Souza iii3 RESUMO A Educação Ambiental

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - PORTO ALEGRE Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO 6.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO 6.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO SEGUNDO CICLO DO ENSINO BÁSICO 6.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO SOBRE O DESCARTE INDEVIDO DE ÓLEO DE COZINHA COM ÊNFASE NA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO SOBRE O DESCARTE INDEVIDO DE ÓLEO DE COZINHA COM ÊNFASE NA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DA REDE PÚBLICA DE ENSINO SOBRE O DESCARTE INDEVIDO DE ÓLEO DE COZINHA COM ÊNFASE NA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL Vitória, A. Freire 1 ; Kaline, R. M. Ferreira 2 ; Didiane, S.Silva 2. 1

Leia mais

A ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO

A ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO A ABORDAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS LIVROS DIDÁTICOS DE QUÍMICA DO ENSINO MÉDIO José Ijaelson do Nascimento Júnior; Catalyne Maria de Jesus Lins; Cynthia Maria de Jesus Lins; Ana Paula Freitas da Silva.

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PELOTAS G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais O V E R N O F E D E R A L PAÍS

Leia mais

ABORDAGENS DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO MÉDIO DA ETSC/UFCG

ABORDAGENS DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO MÉDIO DA ETSC/UFCG ABORDAGENS DE ENSINO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO MÉDIO DA ETSC/UFCG Renato de Freitas Souza (1); Ariel Rodrigues Holanda (2); Onireves Monteiro de Castro (3) (1) Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Tecnológica Federal do Paraná no município: APUCARANA SUMÁRIO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - CHOPINZINHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - CHOPINZINHO Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal de Goiás no município: JATAI SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N , DE 13 DE JUNHO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.295, DE 13 DE JUNHO DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em,

Leia mais

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014

AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO INTERNA TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO. Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO TERCEIRO CICLO DO ENSINO BÁSICO 7.º ANO Ano letivo 2013/2014 AVALIAÇÃO INTERNA A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa que permite a recolha

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade do Extremo Sul Catarinense no município: CRICIUMA SUMÁRIO

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal do Rio Grande do Sul no município: PORTO ALEGRE SUMÁRIO

Leia mais

Tabela 4. Estrutura curricular do curso de Licenciatura em Química do Câmpus Matão do IFSP.

Tabela 4. Estrutura curricular do curso de Licenciatura em Química do Câmpus Matão do IFSP. Tabela 4. Estrutura curricular do curso de Licenciatura em Química do Câmpus Matão do IFSP. 31 7.3. Representação gráfica do perfil de formação A Figura 1 mostra a representação gráfica do perfil de formação

Leia mais

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS

MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS MÉTODOS INTERDISCIPLINARES APROXIMANDO SABERES MATEMÁTICOS E GEOGRÁFICOS Celso Gomes Ferreira Neto, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB Profª. Drª. Filomena Maria G. S. Cordeiro Moita, Universidade

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal de Goiás no município: GOIANIA SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal da Bahia no município: SALVADOR SUMÁRIO Apresentação...

Leia mais

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES

ENADE 2010 ENADE. Relatório da IES EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE EXAME NACIONAL DE DESEMPENHO DE ESTUDANTES ENADE 2010 Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE NATAL G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ

ENADE Relatório da IES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ ENADE 2011 Relatório da IES G Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE MOSSORÓ O V E R N O F E D E R A L PAÍS RICO

Leia mais

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA

A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014 A CONTEXTUALIZAÇÃO COMO AGENTE FACILITADOR NO PROCESSO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA BARROSO, Poliana Polinabarroso@saocamilo-es.br BICALHO, Alessandro Erick alessandrobicalho@saocamilo-es.br

Leia mais

Curso: Pedagogia Componente Curricular: Fundamentos da Interdisciplinaridade

Curso: Pedagogia Componente Curricular: Fundamentos da Interdisciplinaridade FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: Pedagogia Componente Curricular: Fundamentos da Interdisciplinaridade Carga Horária: 50 horas Semestre letivo/ Módulo 8º Semestre Professor(es): Cristiana Jorge

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO. EDUCAÇÃO AMBIENTAL ANÁLISE DA INSERÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DOS MUNÍCIPIOS DE ALVORADA DO OESTE E POMENTA BUENO- RO. Lila Francisca de. O. R. Matos - lila@unescnet.br UNESC Faculdades

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES PITANGA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - BRASILIA

ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - BRASILIA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - BRASILIA Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO

CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO CURSO TÉCNICO EM AGROECOLOGIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 1 MATRIZ CURRICULAR O curso está organizado em itinerários formativos definidos como anos (séries), e envolve disciplinas distribuídas em quatro

Leia mais

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil

Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil 102 Resumos Expandidos: XI Mostra de Estagiários e Bolsistas... Uso da terra na bacia hidrográfica do alto rio Paraguai no Brasil Cezar Freitas Barros 1 João dos Santos Vila da Silva 2 Resumo: Busca-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - OURO PRETO Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES CHOPINZINHO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R

Leia mais

MAPA MENTAL: ESTUDO DO LUGAR COMO RECURSO DIDÁTICO NA ESCOLA DOUTOR JOSÉ CURSINO DE AZEVEDO NA CIDADE DE MARABÁ-PA. ¹

MAPA MENTAL: ESTUDO DO LUGAR COMO RECURSO DIDÁTICO NA ESCOLA DOUTOR JOSÉ CURSINO DE AZEVEDO NA CIDADE DE MARABÁ-PA. ¹ MAPA MENTAL: ESTUDO DO LUGAR COMO RECURSO DIDÁTICO NA ESCOLA DOUTOR JOSÉ CURSINO DE AZEVEDO NA CIDADE DE MARABÁ-PA. ¹ Rubernéia da Silva de Oliveira Graduanda do Curso de Geografia Universidade Federal

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES FLORIANÓPOLIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Município: Uruguaiana ZOOTECNIA

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Município: Uruguaiana ZOOTECNIA Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Município: Uruguaiana ZOOTECNIA Apresentação O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) apresenta o Relatório

Leia mais

ÁREA: Turismo e meio ambiente

ÁREA: Turismo e meio ambiente ÁREA: Turismo e meio ambiente EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO PROPOSTA PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO SUSTENTÁVEL NO PARQUE SALTO DA PEDREIRA LOCALIZADO NO MUNICÍPIO DE RIO AZUL PR COELHO, Mariely de Andrade

Leia mais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais

Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto referência para a audiência pública sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Relações Internacionais Comissão da Câmara de Educação Superior

Leia mais

O PERSONAGEM ALUNO DENTRO DA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: O CURSO DE HISTÓRIA DA UNIDADE DE SILVÂNIA E DE ANÁPOLIS - CSEH.

O PERSONAGEM ALUNO DENTRO DA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: O CURSO DE HISTÓRIA DA UNIDADE DE SILVÂNIA E DE ANÁPOLIS - CSEH. O PERSONAGEM ALUNO DENTRO DA PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR: O CURSO DE HISTÓRIA DA UNIDADE DE SILVÂNIA E DE ANÁPOLIS - CSEH. Humberto Irineu Chaves Ribeiro 1,, Juliana Guimarães Faria 3,, 1

Leia mais

Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS

Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS Conscientização ambiental na Educação Infantil da escola Dr. Vasco da Gama e Silva, RS Pâmela Cunha da Silva¹, Email: paamelacunhaa@gmail.com ; Yuri Hoesel dos Santos¹ ; Camila Daiane Bittencourt Leite¹;

Leia mais

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES

Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Relatório da IES Sinaes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior ENADE 2009 Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Relatório da IES Universidade Federal de Santa Catarina no município: FLORIANOPOLIS SUMÁRIO

Leia mais

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO

O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO O ENSINO DE BIOLOGIA E AS RELAÇÕES ENTRE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE: O QUE PENSAM OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO Ana Beatriz Conejo, Josyane Fernanda Sgarbosa, Gabrielly Silva Guandalino, Lorenna Luciano

Leia mais

Texto produzido a partir de interações estabelecidas como bolsistas do PIBID/UNIJUÍ 2

Texto produzido a partir de interações estabelecidas como bolsistas do PIBID/UNIJUÍ 2 ÁLGEBRA E FUNÇÕES NO CURRÍCULO DOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA ANÁLISE A PARTIR DA BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR E DE DOCUMENTOS OFICIAIS 1 Maira Simoni Brigo 2, Bruna Maroso De Oliveira 3,

Leia mais

Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro. Processo de construção coletiva

Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro. Processo de construção coletiva Programa Estadual de Educação ambiental do Rio de Janeiro Processo de construção coletiva ProEEA A presente versão foi objeto de Consulta Pública que envolveu educadores ambientais dos 92 municípios fluminenses,

Leia mais

Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof.

Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof. Prof. Renato da Anunciação REITOR Profª Aurina Oliveira Santana DIRETORA GERAL Prof. Durval de Almeida Souza DIRETOR DE ENSINO Prof. Juliano Marques de Aguilar DIRETOR ADMINISTRATIVO Cursos FIC Os Cursos

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo. Ano Letivo 2016/2017. A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 A Presidente do Conselho Pedagógico Felicidade Alves Princípios Orientadores - Processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

UMA REFLEXÃO SOBRE A DEMANDA POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

UMA REFLEXÃO SOBRE A DEMANDA POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO (ISBN N. 978-85-98092-14-0) Eixo Temático: (E4 - Formação de professores) UMA REFLEXÃO SOBRE A DEMANDA POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Vinicius dos Santos Oliveira

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LETIVO 2015-2016

Leia mais

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO

ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO ENQUADRAMENTO A relação entre o indivíduo e o mundo que o rodeia, construída numa dinâmica constante com os espaços físico, social, histórico

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 007 /2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NUEMA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR

Leia mais

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006)

FACULDADE DE AGRONOMIA. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) FACULDADE DE AGRONOMIA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) PRIMEIRO PERÍODO NDC113 Biologia Celular 72 60 - AGR151

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - IRATI

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - IRATI UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE - IRATI Apresentação O Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) constitui-se em um componente do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES)

Leia mais

A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa

A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa A prática como componente curricular na licenciatura em física da Universidade Estadual de Ponta Grossa Da Silva, Silvio Luiz Rutz 1 ; Brinatti, André Maurício 2 ; De Andrade, André Vitor Chaves 3 & Da

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA QUÍMICA NO ESTUDO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Introdução

CONTRIBUIÇÃO DA QUÍMICA NO ESTUDO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Introdução CONTRIBUIÇÃO DA QUÍMICA NO ESTUDO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Camila Cristina Dias Moura,Thiago Pereira da Silva Universidade Estadual da Paraíba, CampinaGrande-PB Crys.mila@gmail.com Palavras Chave:Química,

Leia mais

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA

ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA ENSINO MÉDIO INOVADOR: AS EXPERIÊNCIAS NA COMPREENSÃO DA BIOLOGIA Adiene Silva Araújo Universidade de Pernambuco - UPE adienearaujo@hotmail.com 1- Introdução A Biologia como ciência, ao longo da história

Leia mais

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO

161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 DISCIPLINA CARGA HORÁRIA TIPO PÁGINA: 1 INGRESSOS DE 20041 161-1 LICENCIATURA PLENA EM PEDAGOGIA Regime Regular NÚMERO MÍNIMO DE PERÍODOS 1 NÚMERO MÁXIMO DE PERÍODOS 9 CARGA HORÁRIA 3640 1 132 FUNDAMENTOS ÉTICOS DE EDUCAÇÃO 30 OBRIGATORIA

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCADZMT1 IMPORTÂNCIA DA MONITORIA NA DISCIPLINA DE NUTRIÇÃO ANIMAL PARA O PROFISSIONAL ZOOTECNISTA Aldivan Rodrigues Alves (1), Ariosvaldo Nunes de Medeiros (2), Ludmila da Paz Gomes da Silva (3) Centro

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO

O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO O CURRÍCULO ESCOLAR EM FOCO: UM ESTUDO DE CASO Introdução Mayara Carvalho Peixoto (UFCG) mayaracarvalho-@hotmail.com O currículo é tido como um resultado das tensões, conflitos e concessões culturais,

Leia mais

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas

Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado Interdisciplinar em Ciências Humanas 1. Perfil do

Leia mais

TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis

TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis TRABALHANDO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NO ENSINO FUNDAMENTAL I. Andreza Barboza da Silva; Ana Paula Santos Fidelis Universidade Federal de Pernambuco andrezabarbozasilva@hotmail.com ppfidelis@gmail.com

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO COM O PERFIL DESEJADO DO EGRESSO

COERÊNCIA DO CURRÍCULO COM O PERFIL DESEJADO DO EGRESSO ORGANIZAÇÃO DO CURSO COERÊNCIA DO CURRÍCULO COM O PERFIL DESEJADO DO EGRESSO O currículo do curso pretende manter coerência com o perfil profissional, pois além de conjugar as atividades teóricas e práticas,

Leia mais

Avaliação Institucional Estudantes

Avaliação Institucional Estudantes Avaliação Institucional Estudantes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino. Nesse sentido, a CPA (Comissão Própria de Avaliação) do Instituto

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

Plano de Ensino Docente. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º

Plano de Ensino Docente. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 1º Plano de Ensino Docente IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Matemática FORMA/GRAU:( ) integrado ( ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado (x) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial

Leia mais

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos

CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos REGULAMENTO GERAL TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC Ensino Técnico do Centro Paula Souza CAPÍTULO I - Conceituação e Objetivos Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC constitui-se numa atividade

Leia mais

ENSINO APRENDIZAGEM DA FUNÇÃO AFIM DE FORMA INTERDISCIPLINAR. Educação Matemática nos Anos Finais no Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10

ENSINO APRENDIZAGEM DA FUNÇÃO AFIM DE FORMA INTERDISCIPLINAR. Educação Matemática nos Anos Finais no Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 ENSINO APRENDIZAGEM DA FUNÇÃO AFIM DE FORMA INTERDISCIPLINAR Educação Matemática nos Anos Finais no Ensino Fundamental e Ensino Médio GT 10 Kennedy Ferreira GOMES kennedy.profmat@gmail.com Kenned Barbosa

Leia mais

Avaliação Institucional Docentes

Avaliação Institucional Docentes Avaliação Institucional Docentes A avaliação é um processo fundamental para a qualidade do trabalho desenvolvido nas Instituições de Ensino Superior. Nesse sentido, a Comissão Própria de Avaliação (CPA)

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Alunos Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Indicador Objetivos do Curso 02 - Conheço o Projeto Pedagógico do Curso e os

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL RESUMO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Ana Paula Scherer de Brum* Patrícia Wolf** Paula Masiero*** RESUMO Para termos um corpo e uma mente sadia, devemos ter uma alimentação saudável, com propriedades que ajudam no desenvolvimento

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO - ENSINO BÁSICO 1º CICLO Nos termos das disposições constantes da legislação em vigor, o Conselho Pedagógico do Agrupamento de Escolas Garcia de Orta aprovou, em sessão ordinária

Leia mais

QUÍMICA VERDE: DOCENTES CONSCIENTIZADOS EM UM NOVO ENSINO DA QUÍMICA.

QUÍMICA VERDE: DOCENTES CONSCIENTIZADOS EM UM NOVO ENSINO DA QUÍMICA. QUÍMICA VERDE: DOCENTES CONSCIENTIZADOS EM UM NOVO ENSINO DA QUÍMICA. Maria Luana da Silva (1); Ione Almeida Querino (1); Camila Macaúbas da Silva (2); Paulo Gomes Pereira Junior (3); Dayse das Neves Moreira

Leia mais

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual

Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual Avaliação da Educação Básica em Nível Estadual. SARESP Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo Avaliação de Aprendizagem em Processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Matriz Curricular do Curso de Agronomia Matriz Curricular do Curso de Agronomia Total 240 120 360 24 2º Período Letivo: Componentes curriculares 1º Período Letivo: Componentes curriculares Prérequisito AGR 100 Biologia Celular Inexistente AGR

Leia mais

NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO NOVAS METODOLOGIAS DE ENSINO: UMA PESQUISA SOBRE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA NO PRIMEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Maria Francisca Duarte Jatobá; Bruno Lopes Oliveira da Silva. Instituto Federal de Ciência e

Leia mais

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015

Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Seminário A infância em debate. Uma leitura a partir de Portugal: resposta educativa para as crianças dos 3 aos 6 anos. Salamanca 27 a 30 Abril 2015 Amélia de Jesus Marchão ameliamarchao@esep.pt 1 Objetivo

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA VISÃO DOS ESTUDANTES DO ENSINO FUNDAMENTAL SOBRE O MEIO AMBIENTE Ana Paula Martins Santos (1); Angélica Sousa Santos (2) (1) Licenciada em Ciências Biológicas, Centro de Educação

Leia mais

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático.

MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES. Palavras-chave: Matemática; Agropecuária; Interdisciplinaridade; Caderno Temático. MATEMÁTICA, AGROPECUÁRIA E SUAS MÚLTIPLAS APLICAÇÕES Josislei de Passos Vieira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais Câmpus Rio Pomba. josisleipassos@gmail.com

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA

PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA PLANO DE NEGÓCIOS, DA TEORIA À PRÁTICA LUZ, V. V. DA¹, VASQUES, A. F. ¹, SCHEBEK, J.P.H.R.¹, OLIVEIRA, L. R. DE² ¹ Estudantes do Curso Superior do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSUL) Bagé RS Brasil

Leia mais

AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR NA FURG

AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR NA FURG AMBIENTALIZAÇÃO CURRICULAR NA FURG Esther Jannet Educação Ambiental A lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999, que dispõe sobre a Educação Ambiental e institui a Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA),

Leia mais

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA VARIAÇÃO LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIAS NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA Ana Paula de Souza Fernandes Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: Aplins-@hotmail.com Beatriz Viera de

Leia mais

Plano de Melhoria 2016/2019

Plano de Melhoria 2016/2019 Plano de Melhoria 20162019 Outubro 2016 20162017 Índice INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVO... 4 ÁREAS DE MELHORIA... 4 IMPLEMENTAÇÃO E MONITORIZAÇÃO... 5 PLANO DE MELHORIA... 6 CONCLUSÃO... 18 ANEXOS... 19 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta

Aprovação do curso e Autorização da oferta MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Regimento do Projeto Interdisciplinar. Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda

Regimento do Projeto Interdisciplinar. Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda Regimento do Projeto Interdisciplinar Escola de Ciências Humanas e Sociais Curso de Comunicação Social - Jornalismo - Publicidade e Propaganda Regimento do Projeto Interdisciplinar 1. Elementos introdutórios

Leia mais

1ª fase: 27/08 6ª feira

1ª fase: 27/08 6ª feira COLÉGIO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo Rua Aristides Caire, 141 Méier Rio de Janeiro / RJ CEP: 20.775-090 Tel: 2281-5088 Fax: 2501-0811 E-mail: ssps@cicm.com.br

Leia mais

FACULDADE DE AGRONOMIA

FACULDADE DE AGRONOMIA FACULDADE DE AGRONOMIA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE AGRONOMIA (Adequada conforme as exigências da Resolução CNE/CES n. 1, de 2 de fevereiro de 2006) PRIMEIRO PERÍODO NDC113 Biologia Celular 72 60 - AGR151

Leia mais

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL

A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL A DISCIPLINA DE DIDÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: SEU PAPEL NA FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL Kelen dos Santos Junges - UNESPAR/Campus de União da Vitória Mariane de Freitas - UNESPAR/Campus de União da Vitória

Leia mais

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland

A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA. Timothy Mulholland A ATUALIDADE DO PLANO ORIENTADOR DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Timothy Mulholland O Plano Orientador de Anísio Teixeira e Darcy Ribeiro e o início da Universidade de Brasília 1962 Universidade de Brasília

Leia mais

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL S enado Federal S ubsecretaria de I nfor mações LEI Nº 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar

Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Iª JORNADAS IGOT DOS PROFESSORES DE GEOGRAFIA Educar para a Cidadania Contributo da Geografia Escolar Maria Helena Esteves 7 de Setembro de 2013 Apresentação O que é a Educação para a Cidadania Educação

Leia mais