CATÁLOGO DE METADADOS DE DADOS CARTOGRÁFICOS COMO SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CLEARINGHOUSE NACIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATÁLOGO DE METADADOS DE DADOS CARTOGRÁFICOS COMO SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CLEARINGHOUSE NACIONAL"

Transcrição

1 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ANNA LUCIA BARRETO DE FREITAS CATÁLOGO DE METADADOS DE DADOS CARTOGRÁFICOS COMO SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CLEARINGHOUSE NACIONAL Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia Cartográfica do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências em Engenharia Cartográfica. Orientador: Prof. Leonardo Castro de Oliveira D.E. Rio de Janeiro 2005

2 c2005 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA Praça General Tibúrcio, 80 Praia Vermelha Rio de Janeiro - RJ CEP: Este exemplar é de propriedade do Instituto Militar de Engenharia, que poderá incluílo em base de dados, armazenar em computador, microfilmar ou adotar qualquer forma de arquivamento. É permitida a menção, reprodução parcial ou integral e a transmissão entre bibliotecas deste trabalho, sem modificação de seu texto, em qualquer meio que esteja ou venha a ser fixado, para pesquisa acadêmica, comentários e citações, desde que sem finalidade comercial e que seja feita a referência bibliográfica completa. Os conceitos expressos neste trabalho são de responsabilidade do(s) autor(es) e do(s) orientador(es). F886 Freitas, Anna Lucia Barreto de Catálogo de Metadados de Dados Cartográficos como suporte para a implementação de Clearinghouse Nacional / Anna Lucia Barreto de Freitas. - Rio de Janeiro : Instituto Militar de Engenharia, p.: il., tab. Dissertação: (mestrado) - Instituto Militar de Engenharia Rio de Janeiro, Catálogo de Metadados Geoespaciais. 2. Informação Geográfica, normalização. 3. Cadastramento de Metadados. 4. Infra-estrutura de Dados Espaciais. I. Instituto Militar de Engenharia. CDD

3 INSTITUTO MILITAR DE ENGENHARIA ANNA LUCIA BARRETO DE FREITAS CATÁLOGO DE METADADOS DE DADOS CARTOGRÁFICOS COMO SUPORTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE CLEARINGHOUSE NACIONAL Dissertação de Mestrado apresentada ao Curso de Mestrado em Engenharia Cartográfica do Instituto Militar de Engenharia, como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Ciências em Engenharia Cartográfica. Orientador: Prof. Leonardo Castro de Oliveira D.E. Aprovada em 1 de julho de 2005 pela seguinte Banca Examinadora: Prof. Leonardo Castro de Oliveira D.E. IME (Presidente) Prof. Maria Luiza Machado Campos DCC/NCE UFRJ Prof. Luiz Felipe Coutinho Ferreira da Silva D.E. - IME Rio de Janeiro

4 Às minhas queridas, filhas Julia e Luna, ao meu companheiro José Luís e aos nossos bichanos: Black Jack (gato), Lua (gata) e Lua (cachorra), pelo carinho e paciência. 4

5 AGRADECIMENTOS A Deus por ter me concedido a benção de ser filha de Marina Briz Barreto de Freitas, mulher guerreira que nos criou e nos transmitiu tudo, princípios, educação, afeto, amor ao próximo e honestidade nas relações. Mãe, a você dedico não só mais esta realização como também toda a minha vida. As minhas filhas Júlia e Luna e ao meu companheiro José Luís, por terem me dado seu amor, carinho, compreensão e solidariedade durante a transposição de mais esse desafio. As minhas irmãs Iracema, Regina, Maria Cristina e Elizabeth pela força que sempre me deram ao longo da minha vida, e por terem me incentivado a realizar esse mestrado. A Cristina um agradecimento especial, não só pela revisão das versões e traduções efetivadas, mas também em me ouvir e dividir vários momentos de solidão, não apenas nos dois últimos anos, mas desde quando éramos pequenas. E ao meu cunhado Maurício Losada por seu carinho e palavras de estímulo. Ao IBGE, berço de minha consolidação enquanto profissional de Engenharia Cartográfica, que me possibilitou ter uma visão abrangente quanto à produção de informações sobre a realidade brasileira através de várias linguagens: estatística, geográfica e cartográfica. A Diretoria de Geociências e ao Departamento de Cartografia que propiciaram a realização de trabalhos internos e externos, que exigiram iteração com várias áreas, o que tem estimulado a evolução de meu aprendizado e o intercâmbio permanente de experiências e conhecimento. Agradeço a todos os colegas de trabalho, em especial: a Marilourdes Lopes Ferreira, ao Ângelo Pavan pela amizade e pela pressão para fazer o mestrado; a Isabel Teixeira pela indicação, pelo companheirismo e amizade; a Moema José Augusto pelo apoio, pela compreensão e amizade. A Maria Luiza Campos Machado pelas conversas de apoio e estímulo na formulação dos eixos e do fio condutor do tema da dissertação; ao Cláudio João Barreto dos Santos e a Teresa Cristina Veiga pela solidariedade e amizade, por terem criticado, sugerido e revisado os capítulos, além de terem me acudido e sacudido com palavras encorajadoras nos momentos de solidão durante a redação da dissertação; ao Márcio Imamura amigo e parceiro que me auxiliou na parte de implementação do padrão de metadados e sua disseminação na Internet. A todos os profissionais e companheiros do CCAR, da DGC e do IBGE que ao longo dos anos 5

6 dividiram comigo seu conhecimento e amizade. Obrigado, aos técnicos do IBGE com quem trabalho e aprendo. Agradeço ao corpo docente e administrativo do Departamento de Engenharia Cartográfica do Instituto Militar de Engenharia IME que no período de créditos e durante o desenvolvimento da dissertação contribuíram com discussões sobre conceitos, metodologias e pesquisa, me ensinando e orientando na evolução dos trabalhos. Agradeço de forma muito especial ao meu orientador Prof. DCE Leonardo Castro de Oliveira pelas discussões, críticas, sugestões e broncas com relação ao desenvolvimento da dissertação, e por sua amizade e pelas contribuições em meu desenvolvimento profissional. Grata por você compartilhar comigo seus conhecimentos, amizade e vida. À turma do mestrado de 2003, novos amigos que se tornaram companheiros de desafio, o meu agradecimento especial pela amizade, solidariedade e companheirismo. E não poderia deixar de agradecer a todos os meus amigos, em especial as minhas irmãs escolhidas: Lupe Seabra, Sonia Regina Bastos e Marisa de Lima Viana que com seus carinhos e palavras de afeto foram um alento nesse caminhar, e a Gisa Schreier, que soube me ajudar com orientações e ações para combater a solidão e as incertezas do processo de composição de uma dissertação. E a todos que me auxiliaram de diversas maneiras e nos momentos difíceis desse caminhar. A todos vocês dedico este trabalho. 6

7 O mais importante não é saber; é nunca perder a capacidade de aprender. Leonardo Boff 7

8 SUMÁRIO LISTA DE ILUSTRAÇÕES LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS INTRODUÇÃO Motivação / Posicionamento Objetivo Justificativa Estrutura INFRA-ESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS IDE A Importância da Informação Geográfica Dados, Informação (Geográfica) e Conhecimento Dados Informação Conhecimento Dados e Informações Espaciais e Geográficas Iniciativas para a estruturação de Informação Geográfica Agenda Comitê de Ciências de Mapeamento (USA) Evolução das tecnologias e impactos na produção Definição e requisitos para a INDE americana Papel das Conferências Regionais de Cartográfica UNRCC Contribuição do Mapa Global Infra-estrutura Global de Dados Espaciais Conceitos, componentes e evolução de Infra-estrutura de Dados Espaciais Referências cartográficas e geodésicas Referências geométricas para bases geoespaciais Conceituação de Infra-estrutura de Dados Espaciais Componentes de uma Infra-estrutura de Dados Espaciais

9 2.4.4 Evolução das Infra-estruturas de Dados Espaciais No mundo Nas Américas Catálogo de metadados e Clearinghouse, componentes vitais de uma Infra-estrutura de Dados Espaciais ESTÁGIO E AVALIAÇÃO DOS PADRÕES DE METADADOS ESPACIAIS Contextualização Padrões de intercâmbio de documentos eletrônicos Estruturação dos padrões de metadados Principais padrões de metadados espaciais ANZLIC CEN DIGEST DCMII FGDC/CSDGM GCMD GDF ISO TC Interoperabilidade e padrões de intercâmbio de dados geoespaciais SAIF FGDC/SDTS GEOBR /INPE Fatores favoráveis na implementação de metadados Fatores críticos na produção e na implementação de metadados Diagnóstico de uso de padrões de metadados, no Brasil Análise e apuração do levantamento Diagnóstico do uso de padrões de metadados espaciais Iniciativas de sucesso de serviços de metadados espaciais

10 4 CATÁLOGO DE METADADOS ESPACIAIS: CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA TERRESTRE Contextualização Proposição de Elementos Mínimos para Metadados Referentes aos Dados Cartográficos Produção, Qualidade e Utilização de Informaçâo Geoespacial (Cartográfica) Seleção de Elementos Mínimos para a Descrição de Produtos Cartográficos Escolha do Padrão de Metadados para Descrição de Produtos Cartográficos Padrão de Metadados FGDC Seções do Padrão de Metadados FGDC - Descrição Geral Rede de disseminação de metadados espaciais Clearinghouse Descrição e Componentes de uma Rede de Disseminação de Metadados Ambientes e Padrões de Comunicação de uma Rede de Disseminação de Catálogos de Metadados Catálogo de Metadados dos Produtos da Cartografia Terrestre Etapas de Disponibilização de Catálogos de Metadados Preparação, Compilação e Indexação de Catálogo de Metadados de Produtos do Mapeamento Terrestre Cadastramento e Compilaçâo dos Metadados de Produtos da Cartografia Terrestre Indexação dos Metadados / Geração dos Índices Configuração de Ambientes de Consulta a Catálogos de Metadados Procedimentos de Preparo para publicação na rede IGDN Acesso aos metadados de produtos cartográficos do IBGE pela rede IGDN CONCLUSÕES Introdução

11 5.2 Análise dos objetivos atingidos Recomendações Diretrizes e condicionantes para o desenvolvimento de uma IDE nacional Modelo FGDC de metadados espaciais Perspectivas Tendências Continuidade do trabalho REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES ª Geração de Estratégias Nacionais de Informação Geográfica Características de implementação de Infra-estrutura de Dados Espaciais, nos países e regiões Componentes principais de uma Infra-estrutura de Dados Espaciais, nos países e regiões Dados Fundamentais de uma Infra-estrutura de Dados Espaciais, nos países e regiões Características dos principais padrões de metadados para dados cartográficos Padrões de intercâmbio de dados geográficos Questionário de levantamento de uso de padrões de metadados espaciais, no Brasil Seleção de seções de metadados FGDC para mapas e cartas do SCN Configuração e teste de ambiente cliente / servidor da rede IGDN Listagem dos metadados (FGDC) da base cartográfica 1: Listagem dos metadados da base cartográfica bcimd formato html ANEXO Anexo 1 Pesquisa Bibliográfica, exemplos de catalogação de metadados da Biblioteca Nacional

12 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIG. 2.1 Da visão espacial à geográfica FIG. 2.2 Inter-relações entre conferências, fóruns e comitês dedicados à IDE...40 FIG. 2.3 Componentes do Programa de compartilhamento de dados (USA)...46 FIG. 2.4 Participação e estágio de desenvolvimento do Mapa Global...50 FIG. 2.5 Componentes de uma IDE...65 FIG. 2.6 Dados fundamentais de referência, por país FIG. 2.7 Dados fundamentais temáticos, por país FIG. 2.8 Pesquisa sobre iniciativas nas Américas...70 FIG. 2.9 Cartograma de densidade populacional na América Central FIG Evolução das iniciativas de IDE, no mundo FIG Contextualização dos enfoques de abordagem da dissertação FIG. 3.1 Tendência de padrão para intercâmbio de dados entre sistemas...84 FIG. 3.2 Sistema de dados integrados do Projeto LBA FIG. 3.3 Sistema de pesquisa de dados do Projeto LBA FIG. 3.4 Tela do Portal do BCDAM FIG. 3.5 Tela de informações cartográficas do Projeto BCDAM FIG. 3.6 Tela do INFORMS Sistema de Informações Geográficas da Bahia FIG. 3.7 Página de metadados de folhas de áreas urbanas do INFORMS FIG. 3.8 Página do visualizador de mapas da rede LabGeo.RJ FIG. 3.9 Informação das camadas dos mapas da rede LabGeo.RJ FIG Página de busca de informações da RISF FIG Página de busca de metadados na RISF FIG Metadados do mapa (folha de carta) de Abaeté FIG Tela de consulta/download de bases cartográficas do SICOPAR FIG Metadados do MMDE de Cachoeiras de Macacu FIG Seções: Referenciais, produção e insumos do MMDE de Cachoeiras de Macacu FIG Seleção e resultado de consulta de folhas de carta 1: FIG Dados do Mapa Índice para a folha SF-23-Z-D-I

13 FIG Tela do Sistema de Organização e Gerenciamento de arquivos da DSG FIG Módulo de Padronização de Nomes de Arquivos FIG Módulo de Carga de Dados FIG Módulo de Verificação de Dados FIG. 4.1 Estrutura geral do padrão de metadados FGDC FIG. 4.2 Diagrama dos componentes da Infra-estrutura Nacional de Dados - EUA..143 FIG. 4.3 Configuração básica de uma clearinghouse FIG. 4.4 Ambientes da clearinghouse americana FIG. 4.5 Distribuição dos gateways regionais da clearinghouse americana FIG. 4.6 Comunicação administrada por um gateway FIG. 4.7 Nós da clearinghouse americana no mundo FIG. 4.8 Etapas para a inserção de catálogo de metadados na rede FGDC FIG. 4.9 Procedimentos para a disponibilização de metadados na Web FIG Estrutura de diretórios para o pacote FGDC/ tools FIG Detalhamento do sub-diretório bin FIG Tela de entrada para cadastramento de metadados aplicativo TKME FIG Fluxo para compilação dos metadados cadastrados segundo FGDC FIG.4.14 Metadados gerados armazenados no sub-diretório bin FIG Relatório de erros dos metadados do Mapa da série Brasil 1: FIG Relatório de erros d os metadados do Mapa 1: , sem erros FIG Arquivos, diversas extensões, dos metadados de produtos cartográficos FIG Arquivos do pacote Isite para indexação e configuração BD FIG Detalhamento do sub-diretório Isite FIG Arquivos do pacote Isite para indexação e configuração do BD FIG Geração do BD Meta1, metadados nas extensões requeridas FIG Geração do BD Metacart, com os metadados das folhas incluídos FIG Aplicativos de configuração do ambiente servidor e cliente FIG Tela de abertura do portal do FGDC FIG Página para escolha do Gateway de gerenciamento da busca FIG Página para a escolha do tipo de pesquisa a ser efetivada

14 FIG Página para escolha do tipo de categoria de informação para a busca FIG Página para a escolha da região e país para a busca FIG Exibição do Brasil pelo Zoom to Location FIG Página para a escolha do servidor para a busca (Brasil IBGE) FIG Opções de busca por período de tempo e palavra chave FIG Resultado da busca no servidor Brasil IBGE FIG Detalhamento do resultado da busca no servidor Brasil IBGE FIG Exibição dos metadados (Summary) da Base Cartográfica Integrada Digital, 1: FIG Seções dos metadados da Base Cartográfica Integrada Digital, 1: FIG Produtos do Mapeamento Geográfico Portal IBGE FIG Produtos do Mapeamento de Unidades Territoriais Portal IBGE FIG Produtos do Mapeamento Topográfico Portal IBGE FIG. 5.1 Assuntos propostos para os componentes de uma INDE brasileira FIG. 5.2 Motivações para a implementação de um Programa de Acordos de Compartilhamento de Dados Espaciais FIG. 5.3 Arquitetura de uma rede Peer-to-Peer FIG. A1.1 Página principal do Portal da Biblioteca Nacional FIG. A1.2 Tela de detalhes da catalogação MARC do livro Aprendendo XML FIG. A1.3 Tela de formatos especiais de metadados bibliográficos para o livro Aprendendo XML FIG. A1.4 Tela de referência bibliográfica norma ABNT para o livro Aprendendo XML FIG. A1.5 Tela de referência bibliográfica norma ISO 2709 para o livro Aprendendo XML FIG. A1.6 Tela de ficha catalógrafica para o livro Aprendendo XML

15 LISTA DE TABELAS TAB. 2.1 Conferências GSDI, realizadas e prevista TAB. 2.2 Componentes estruturais de uma IDE (países) TAB. 2.3 Componentes estruturais de uma IDE (continentes) TAB. 2.4 Relações entre os componentes de diversos níveis de IDE TAB. 2.5 Quantitativos por modelo de liderança na constituição de IDE TAB. 2.6 Quantitativos, tipo de instituição de liderança na constituição de IDE TAB. 2.7 Existência de ações para constituição de IDE TAB. 2.8 Dados básicos digitais existentes nos países pesquisados TAB. 2.9 Forma de cobrança dos dados geoespaciais disponibilizados TAB Desafios a serem implementados na constituição de uma IDE TAB. 3.1 Tab. modelo para apresentação dos padrões de metadados espaciais TAB. 3.2 Síntese do levantamento de uso de padrões de metadados nas instituições brasileiras, por tipo TAB. 3.3 Síntese do cadastramento de metadados nas instituições brasileiras, por tipo TAB. 3.4 Seções relevantes para compor padrão de metadados geoespaciais TAB. 3.5 Categorias do padrão CPRMd adaptados para o INFORMS TAB. 4.1 Evolução histórica de qualidade TAB. 4.2 Problemas usuais no manejo de informação geoespacial TAB. 4.3 Processos, nos quais pode-se gerar erros na manipulação de dados geoespaciais TAB. 4.4 Classes de cartas segundo Padrão de Exatidão Cartográfica TAB. 4.5 Relação entre escala precisão e acurácia TAB. 4.6 Seção Informação de Identificação padrão FGDC TAB. 4.7 Seção de Informação de Qualidade dos Dados padrão FGDC TAB. 4.8 Seção de Informações sobre a Organização Espacial dos Dados padrão FGDC TAB. 4.9 Seção de Informações das Referências Espaciais padrão FGDC TAB Seção Entidades e Atributos padrão FGDC

16 TAB Seção de Informações de Distribuição padrão FGDC TAB Seção de Informações de Referência dos Metadados padrão FGDC TAB Características do software de gateway TAB Requisitos do ambiente cliente-servidor de uma rede de disseminação de metadados TAB Folhas do Mapeamento Topográfico Sistemático com cadastramento de metadados, no padrão FGDC TAB. 5.1 Vantagens e desvantagens da arquitetura Peer-to-Peer TAB. A1 1ª Geração de Estratégias Nacionais de Informação Geográfica TAB. A2 Características de implementação de IDE (países e regiões) TAB. A3 Componentes principais de IDE (países e regiões) TAB. A4 Dados fundamentais de IDE (países e regiões) TAB. A5.1 Tab. modelo para apresentação dos padrões de metadados espaciais TAB. A5.2 ANZLIC TAB. A5.3 CEN TAB. A5.4 DIGEST TAB. A5.5 DUBLIN CORE / DCMII TAB. A5.6 CSDGM / FGDC TAB. A5.7 GCMD / NASA TAB. A5.8 GDF TAB. A5.9 ISO TC 211 / TAB. A6.1 SAIF TAB. A6.2 SDTS / FGDC TAB A6.3 GEOBR / INPE TAB. A8 Seleção de seções de metadados do padrão FGDC para mapas e cartas (SCN Cartografia Terrestre)

17 LISTA DE SIGLAS ANZLIC ABNT BN CALCO CATIE CBERS CEN CERCO CIAT CIM CONCAR CORINE CSDGM DCMI DIGEST DGIWG DSG DW FGDC GCMD GDF GEF GEOBR Australia New Zealand Land Information Council Associação Brasileira de Normas Técnicas Biblioteca Nacional Padrão de Catalogação de publicações usado pela BN Centro de Agricultura Tropical para Pesquisa e Treinamento China Brazil Earth Resources Satellite European Committee for Standardization Comitê responsável pela Cartografia Oficial da Europa Centro Internacional de Agricultura Tropical Carta Internacional do Mundo, ao Milionésimo Comissão Nacional de Cartografia Coordination of Information on the Environment Content Standards for Digital Geospatial Metadata Dublin Core Metadata Initiative Digital Geographic Information Exchange Standards Digital Geographic Information Working Group Diretoria de Serviço Geográfico do Exército Data Warehouse Tecnologia de Banco de Dados Federal Geographic Data Committee Global Change Master Directory Geographic Data File Global Environment Facility Padrão de intercâmbio de dados geográficos (INPE) 17

18 GGIS GLONASS GM GPS GSDI G7 HTML IBGE IBM IDE IG IGDN INPE IHO IME INDE IPGH ISCGM ISO IT LANDSAT LC MARC MSC NASA Global Geospatial Information and Services Global Orbiting Navigation Satellite System Mapeamento Global Global Positioning System Global Spatial Data Infrastructure Grupo dos países mais desenvolvidos Hypertext Markup Language Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística International Business Machines Infra-estrutura de Dados Espaciais Informação Geográfica Inter-American Geographic Data Network Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais International Hydrographic Organization Instituto Militar de Engenharia Infra-estrutura Nacional de Dados Espaciais Instituto Pan-americano de Geografia e História International Steering Committee for Global Mapping International Organization for Standardization Information Technology Land Remote Sensing Satellite Library of Congress Machine Readable Cataloging Mapping Science Committee National Aeronautics and Space Administration 18

19 NCSA NSDI NOAA OEA ONU OCLC OMT OPENGIS National Center for Supercomputing Applications National Spatial Data Infrastructure National Oceanic and Atmospheric Administration Organização dos Estados Americanos Organização das Nações Unidas On Line Computer Library Center Object Modeling Technique Open GIS Consortium OTAN/NATO North Atlantic Treaty Organisation PCIDEA PCGIAP PNUMA PROCIG RSDI SABE SAD SAIF SCN SDI SEN SGBD SGML SGN SIG SPOT Comitê Permanente de Infra-estrutura de Dados Espaciais para as Américas Comitê Permanente de GIS para Ásia e Pacífico Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Central American Geographic Information Project Regional Spatial Data Infrastructure Seamless Administrative Boundaries of Europe Sistema de Apoio à Decisão Spatial Archive and Interchange Format Sistema Cartográfico Nacional Spatial Data Infrastructure Sistema Estatístico Nacional Sistema Gerenciador de Banco de Dados Standard Generalized Markup Language Sistema Geológico Nacional Sistema de Informação Geográfica Satellite pour l Observation de la Terre 19

20 SR SIRGAS TI TIC UML UNCED UNICODE UNRCC USA USGS XML WWW W3C Sensoriamento Remoto Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas Tecnologia de Informação Tecnologia de Informação e Comunicação Unified Modeling Language Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento Norma mundial de conversão de todos os formatos de alfabeto Conferência Regional de Cartografia das Nações Unidas United States of America United States Geological Survey extensible Markup Language World Wide Web World Wide Web Consortium 20

21 RESUMO Dados e informações geográficas têm sido essenciais e críticos para o caminhar da humanidade. A evolução da Tecnologia de Informação e Comunicação TIC e o estágio atual das geotecnologias de aquisição, tratamento, integração, análise, publicação e exibição de dados e informações vêm demandando o compartilhamento, integração e disponibilidade de dados e informações geoespaciais. A modernização do Estado exige a implantação de bases de dados e sistemas de informação necessários à gestão pública e privada, nos quais a componente espacial (territorial) é essencial. A abrangência e o conteúdo geográfico de um país se constituem como uma de suas infra-estruturas fundamentais para as ações da sociedade e do Estado. Constata-se que o Estado, na maioria dos países, é responsável pela normalização, compatibilização e disseminação de dados geoespaciais nacionais. Em paralelo, o desenvolvimento da Tecnologia de Informação - TI - têm exigido o conhecimento sobre as características dos dados e informações para a tomada de decisão territorial, ambiental, social e econômica. As iniciativas para a normalização de informação geográfica IG - no mundo, com o objetivo de evitar duplicação de recursos públicos e otimizar a aquisição, a produção e o provimento de bases geoespaciais para uso da sociedade são iniciadas na década de 90. A ONU em suas 6 a e 7 a Conferencias Regional de Cartografia para as Américas (UNRCC) explicita em suas recomendações a necessidade dos países implementarem suas INDE. A popularização crescente do uso de geotecnologias, nos órgãos públicos e privados, tem municiado a construção de Sistemas de Informação próprios. A documentação referente a essas bases é condição primordial para análise de sua qualidade, análise de sua aplicabilidade e seu uso consistente. Inúmeros (atualmente em torno de 200) países vêm constituindo sua Infra-estrutura Nacional de Dados Espaciais INDE proposta pela motivação de normalizar a aquisição, produção e disseminação de dados geoespaciais fundamentais, com o intuito de subsidiar os sistemas de apoio à decisão públicos e privados, e prover informações necessárias ao exercício da cidadania. A concepção de uma INDE envolve aspectos legais e técnicos. Os aspectos técnicos englobam os dados; seus metadados; a tecnologia e serviços de comunicação; e recuperação através da busca distribuída na Web. A duplicação de recursos deve ser evitada, e a normalização é a solução identificada por diversos países que apontam para a necessidade de ser implementado um catálogo nacional de metadados como documentação das bases geoespaciais existentes; para a composição de redes geograficamente distribuídas de disseminação de metadados; e programas de acordos de compartilhamento de dados geoespaciais. Estas são ações mínimas para uma política de informação geoespacial e para a construção de uma INDE para o Brasil. São apresentados os conceitos inerentes a IG, as iniciativas no mundo, a conceituação e os componentes de uma INDE, bem como o estágio, avaliação e uso de padrões de metadados. Os catálogos de metadados espaciais e a clearinghouse são identificados como vitais para a construção de IDE, e seus componentes estão evidenciados. Foi realizado um diagnóstico do uso de padrões de metadados em instituições brasileiras, produtoras e usuárias de dados geoespaciais e de mapeamento terrestre. 21

22 São discutidos, ainda, os critérios para a escolha do padrão de metadados a ser implementado no catálogo de metadados de produtos da Cartografia Terrestre, a implementação do referido catálogo segundo especificações e normas do FGDC e a sua publicação na rede IGDN /FGDC. A documentação de bases geoespaciais utilizando padrão internacional de metadados é percebida na TI como condição primordial à publicação de dados geoespaciais na Internet. A geração de metadados, dependendo do nível de detalhamento, pode ser complexa, porém factível (preferencialmente no momento de produção). O cadastramento de metadados espaciais de produtos cartográficos (mapeamento sistemático terrestre) foi efetivado contemplando as alternativas de cadastramento por profissional especializado e por migração de dados do Mapa Índice para o padrão FGDC. A publicação dos referidos metadados na rede IGDN/FGDC está implementada, contendo no momento 14 metadados de produtos cartográficos do IBGE (validados pela área produtora) e implementados durante a presente dissertação. A partir das especificações destes metadados a área de disseminação do IBGE (CDDI) implementou a migração de dados sobre o mapeamento geral do Brasil (contido no produto Mapa Índice) gerando metadados de produtos de Geociências. Nesses metadados, que não foram validados pelas áreas produtoras dos dados, observam-se inconsistências quanto ao conteúdo de alguns itens de seções dos metadados. O que corrobora, como a necessidade dos metadados serem gerados e validados pelas áreas de produção. As conclusões evidenciam as mudanças culturais e institucionais que são necessárias para que as organizações brasileiras saiam de uma visão personalista para uma visão mais pertinente, de articulação e cooperação na produção de bases geoespaciais de uso comum. Essa nova cultura propicia a geração e disponibilidade bases cartográficas com consistência e qualidade requeridas para subsidiar o planejamento, a gestão e desenvolvimento da nação brasileira. Por fim, a dissertação enumera algumas sugestões de temas a serem discutidos, no âmbito da CONCAR e do Ministério do Planejamento, Organização e Gestão MPOG com o objetivo de serem iniciadas ações para que o país se insira no conjunto de países que tem definida uma Política de Informação Espacial através da construção de sua INDE. 22

23 ABSTRACT Geographic data and information have been essential and critical elements in mankind evolution. The development of Information and Communication Technology ICT and the state of the art of geo-technologies applied to data and information acquisition, treatment, integration, analysis, publication and display requires that geospatial data and information be shared, integrated and made readily available. State modernization requires the construction of data bases and information systems needed for managing of public and private affairs, in which spatial dimension is an essential component. The geographic scope and contents of a country constitute a fundamental infrastructure to society and state actions. In most countries, the state is in charge of normalizing, making compatible and disseminating national geospatial data. Similarly, the development of Information Technology - IT has required that data and information characteristics be known in order to inform the decision making process concerning territorial, environmental, social and economic matters. In the 90 s, the first initiatives for normalizing geographic information GI took place in the world and their main goal was to avoid duplication of public resources and to optimize the acquisition, production and provision of geospatial bases for society s various uses. The United Nations in its 6 th and 7 th Regional Conferences on Cartography for the Americas (UNRCC) expressly stated in its recommendations that countries must implement their National Spatial Data Infrastructure NSDI. The increasing popularization of geotechnologies use in public and private organizations has supported the construction of distinct Information Systems. The documentation concerning those bases is the prime condition for assessing their quality as well as their applicability and consistent use. Many (today totaling 200) countries are building their National Spatial Data Infrastructure NSDI impelled by the motivation of normalizing the acquisition, production and dissemination of fundamental geospatial data in order to subsidize the supporting public and private decisions systems and also providing the necessary information for people exercise their citizen rights. The conception of a National Spatial Data Infrastructure NSDI includes legal and technical aspects. Technical aspects comprise data and their correspondent metadata, communication technology and services and also data retrieval through search in the Web. Resources duplication must be avoided and normalization is the solution found by many countries. They point out the need for implementing a national metadata catalogue as a way of documenting the existing geospatial bases as well as the building up of geographically distributed networks for metadata dissemination. They also stress the need for programs and agreements in order to share geospatial data. These are the key actions if a geospatial information policy is to be implemented and if a NSDI is to be built for Brazil. In the present dissertation, the key concepts concerning Geographic Information GI are discussed as well as the initiatives that have been taken around the world, the conceptualization and the main components of a NSDI. It is also shown the present stage, appraisal and use of metadata standards. Geospatial metadata catalogues and clearinghouse are seen as vital for NSDI construction and attention is drawn to its major components. The dissertation also presents a diagnosis of the use of metadata standards in Brazilian institutions which are producers and users of geospatial data and terrestrial mapping. It is discussed the criteria for choosing the metadata standard to be implemented 23

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING

ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING ESTRUTURAÇÃO DE UM BANCO DE DADOS DE IMAGENS ORBITAIS PARA WEBMAPPING RAFAELA S. NIEMANN 1 ; SOPHIA D. RÔVERE 2 ; WILSON A. HOLLER 3 N 10508 RESUMO A organização de imagens de satélite direcionada à implementação

Leia mais

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico

XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico XXX Congresso da SBC II Workshop de Computação Aplicada em Governo Eletrônico Recuperação de Informação em Infraestruturas de Dados Espaciais usando Mecanismos de Representação do Conhecimento Autores

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento

Palavras chave Sistema de Informações Geográficas, Banco de Dados, Geoprocessamento IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PARA O MUNICÍPIO DE TERESÓPOLIS, EM LABORATÓRIO DO UNIFESO José Roberto de C. Andrade Professor do Centro de Ciências e Tecnologia, UNIFESO Sergio Santrovitsch

Leia mais

ESFORÇOS EM DESENVOLVIMENTO PARA A CONSTITUIÇÃO DA INDE - BRASIL

ESFORÇOS EM DESENVOLVIMENTO PARA A CONSTITUIÇÃO DA INDE - BRASIL Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimento Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Diretoria de Geociências Coordenação de Cartografia ESFORÇOS EM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com

Bases de Dados Geoespaciais: Conceitos e Tendências. Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Paulo Costa Paulo.fernando.costa@vale.com Sumário Dados e informações Base de dados Normatização dos Dados Banco de dados único Interoperabilidade de dados Tendências DADOS E INFORMAÇÕES Dados são observações

Leia mais

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade

Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Bancos de Dados Geoespaciais Conheça os Requisitos para Coletar, Armazenar, Processar e Compartilhar Dados Espaço-temporais Com Qualidade Profª Drª Simone Sayuri Sato Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais

Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Governança: possibilidades de arranjos institucionais para realização de contas econômico-ambientais Wasmália Bivar Diretoria de Estatísticas Luiz Paulo Souto Fortes Diretoria de Geociências Seminário

Leia mais

Uso da Informação Geoespacial no Brasil

Uso da Informação Geoespacial no Brasil Uso da Informação Geoespacial no Brasil Seminário Gestores Públicos em Geoinformação Painel Gerenciamento de Informação Geoespacial Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo (SP) 7 à 9 de maio de 2014

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL POLÍTICA DE GEOPROCESSAMENTO DA ELETROSUL Abril - 2013 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 3.1. Geoprocessamento... 3 3.2. Gestão das Informações Geográficas... 3 3.3. Dado Geográfico

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

O EXÉRCITO BRASILEIRO E OS PADRÕES DE DADOS GEOESPACIAIS PARA A INDE

O EXÉRCITO BRASILEIRO E OS PADRÕES DE DADOS GEOESPACIAIS PARA A INDE p. 001-008 O EXÉRCITO BRASILEIRO E OS PADRÕES DE DADOS GEOESPACIAIS PARA A INDE 1 OMAR ANTÔNIO LUNARDI 2 ALEX DE LIMA TEODORO DA PENHA 2 RODRIGO WANDERLEY DE CERQUEIRA 1 Diretoria de Serviço Geográfico

Leia mais

O ambiente GeoNetwork

O ambiente GeoNetwork O ambiente GeoNetwork Catálogo Web para a documentação, edição e disseminação de metadados geográficos. Características principais: livre e de código aberto; mecanismos de busca avançados; edição de metadados

Leia mais

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica

Normalização e interoperabilidade da informação geográfica Normalização e interoperabilidade da informação geográfica perspetivas para a formação em Engenharia Geográfica João Catalão Departamento de Engenharia Geográfica, Geofísica e Energia Faculdade de Ciências

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal

Secretaria do Meio Ambiente. Fundação Florestal Secretaria do Meio Ambiente Fundação Florestal Governo do Estado de São Paulo Sistema Ambiental Paulista Projeto DataGEO Implantação de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Ambientais do Estado de São

Leia mais

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 354 METADADOS PARA A PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP) Bárbara Fadel (UNESP) 1. Introdução Com os avanços das tecnologias de informação e comunicação (TIC) as instituições

Leia mais

COMPATIBILIZANDO CADASTROS

COMPATIBILIZANDO CADASTROS COMPATIBILIZANDO CADASTROS EM PROJETO SIG Cristiane Vaz Domingues cristiane.vaz@uol.com.br FOTOGRAFIA Hoje nas instituiçõesições públicas existem: informações repetidas e/ou complementares distribuídas

Leia mais

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL

PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL PROPOSTA PRELIMINAR PARA A ADOÇÃO DE UM REFERÊNCIAL GEOCÊNTRICO NO BRASIL 1 Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil Rio de Janeiro - IBGE/CDDI 1 O que é um sistema geodésico de referência? É

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo

Governo Federal / Governo Estadual. Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Governo Federal / Governo Estadual Imagem suportando a Infraestrutura Nacional de Dados Espaciais INDE Carlos Toledo Plenária Desafios comuns Governança de dados espaciais; Informação geográfica é um ativo

Leia mais

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências.

TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS. Tecnologia. Geoprocessamento. Sistemas de Informações Geográficas. Sensoriamento Remoto. Geociências. TECNOLOGIAS GEOESPACIAIS INOVADORAS Tecnologia Geoprocessamento Sistemas de Informações Geográficas Sensoriamento Remoto Geociências Geofísica www.hexgis.com PIONEIRISMO E INOVAÇÃO Idealizada a partir

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

Centro de Trabalho Indigenista CTI

Centro de Trabalho Indigenista CTI Centro de Trabalho Indigenista CTI Termo de Referência para Contratação de Consultoria Técnica Junho de 2015 Projeto Proteção Etnoambiental de Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato na Amazônia

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS SECRETARIADO DE CIÊNCIAS DOCUMENTAIS A WEB 2.0 NAS BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS PORTUGUESAS: UM ESTUDO DA IMPLEMENTAÇÃO DO PARADIGMA DA BIBLIOTECA 2.0 Helena Sofia

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Comissão Nacional de Cartografia. Plano de Ação para Implantação da

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Comissão Nacional de Cartografia. Plano de Ação para Implantação da Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Comissão Nacional de Cartografia Plano de Ação para Implantação da JaneIro de 2010 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Comissão Nacional de Cartografia

Leia mais

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI

Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Melhores práticas para gerenciamento de suporte a serviços de TI Adriano Olimpio Tonelli Redes & Cia 1. Introdução A crescente dependência entre os negócios das organizações e a TI e o conseqüente aumento

Leia mais

Infra-estrutura de dados espaciais: O Papel das Instituições de Ensino Superior

Infra-estrutura de dados espaciais: O Papel das Instituições de Ensino Superior 1ªs Jornadas de Sistemas de Informação Geográfica da APDSI: Os SIG ao Serviço das Engenharias e da Sociedade 26 de Maio de 2010 Fundação Portuguesa das Comunicações Infra-estrutura de dados espaciais:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Por Dentro de uma Infraestrutura de Dados Espaciais

Por Dentro de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Por Dentro de uma Infraestrutura de Dados Espaciais Fabíola Andrade INEMA / UFBA O que é um Dado Geoespacial? Dados geográficos ou geoespaciais ou georreferenciados são dados em que a dimensão espacial

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil

II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil II Seminário sobre Referencial Geocêntrico no Brasil PMRG - Projeto Mudança do Referencial Geodésico RESUMO DOS PAINÉIS 1, 2 e 3 Perguntas: PAINEL 1: IMPACTOS NO MAPEAMENTO TOPOGRÁFICO SISTEMÁTICO Quais

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS do no OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM do no < ESCOPO objetivos origem > :: O modelo de referência Open Archival rmation System é um esquema conceitual que disciplina e

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG Carlos Alberto Moura CEMIG

Leia mais

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software

JOSÉ AUGUSTO FABRI. Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação e a Organização de Processos de Produção em um Contexto de Fábrica de Software São Paulo 2007 JOSÉ AUGUSTO FABRI Uma Proposta de Modelo para a Criação

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas utilizando o padrão da estrutura de dados geoespaciais vetoriais

Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas utilizando o padrão da estrutura de dados geoespaciais vetoriais Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.8896 Uma metodologia para auxiliar no processo de conversão de bases cartográficas

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Programa de Apoio Aos Municípios em Tributação Imobiliária

Programa de Apoio Aos Municípios em Tributação Imobiliária Oficina de Apoio Técnico às Questões Cadastrais: Discussão, Análise e Identificação de Soluções para Problemas e Casos Práticos Apresentação dos Painéis, Questões Debatidas, Síntese das Diretrizes, Conclusões

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI

O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI O POSICIONAMENTO DA ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO NA GOVERNANÇA DE TI Claudio Gottschalg Duque Professor Departamento de Ciência da Informação Universidade de Brasília (UnB) Brasil Mauricio Rocha Lyra Aluno

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos

Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Gerenciamento de Serviços de TI ITIL v2 Módulo 1 Conceitos básicos Referência: An Introductory Overview of ITIL v2 Livros ITIL v2 Cenário de TI nas organizações Aumento da dependência da TI para alcance

Leia mais

Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS

Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE DADOS ESPACIAIS 19 DE MAIO DE 2009 Este documento foi elaborado pelo CINDE Comitê de Planejamento da Infraestrutura

Leia mais

Metodologia para Representação da Estrutura de Dados Geoespacial Vetorial da Mapoteca Nacional Digital em Bancos de Dados Geográficos Relacionais

Metodologia para Representação da Estrutura de Dados Geoespacial Vetorial da Mapoteca Nacional Digital em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Metodologia para Representação da Estrutura de Dados Geoespacial Vetorial da Mapoteca Nacional Digital em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Rogério Luís Ribeiro Borba 3, Guilherme L. A. Mota 1,3,

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO EFMP PROF: Edson Marcos da Silva CURSO: Técnico em Administração Subsequente TURMAS: 1º Ano APOSTILA: nº 1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL Sistemas de Informação Campo

Leia mais

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados

Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Dublin Core e MARC 21 : um estudo de correspondência de elementos de metadados Maria das Dores Rosa Alves¹, Marcia Izabel Fugisawa Souza¹ ¹Embrapa Informática Agropecuária Caixa postal 6014 Campinas, SP

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems

IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems IV th WORLD WATER FORUM Developing and Implementing Shared Water Information Systems OFFICIAL SESSION n FT 5-13 March, 21 st 2005-16 H 30-18 H 30 BANAMEX CENTER ROOM ITURBIDE N 3 Mr. Oscar Cordeiro NETTO

Leia mais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais

Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Metodologia para Representação da Estruturação de Dados Geoespacial Vetorial (EDGV) em Bancos de Dados Geográficos Relacionais Rogério Luís Ribeiro Borba 3, Guilherme L. A. Mota 1,3, Jorge Luís Nunes e

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA NACIONAL DE DADOS ESPACIAIS

Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA NACIONAL DE DADOS ESPACIAIS Comissão Nacional de Cartografia PLANO DE AÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA NACIONAL DE DADOS ESPACIAIS DEZEMBRO DE 2009 Este documento foi elaborado pelo CINDE Comitê de Planejamento da Infraestrutura

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE E SEU USO NO EXÉRCITO BRASILEIRO LAURO DE SOUZA SILVA * Resumo: O presente trabalho versa sobre a importância de um processo de desenvolvimento padronizado na instituição

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional)

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Sílvio Glicério Mendonça O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação

ISO/IEC 20000. Curso e-learning. Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Curso e-learning ISO/IEC 20000 Sistema de Gerenciamento de Serviços da Tecnologia da Informação Este é um curso independente desenvolvido pelo TI.exames em parceria com a CONÊXITO CONSULTORIA que tem grande

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado Marcelo Novaes Coutinho Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008

Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Informação Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 REVISTA TELECOMUNICAÇÕES, VOL. 15, Nº01, JUNHO DE 2013 1 Um Modelo de Sistema de Gestão da Segurança da Baseado nas Normas ABNT NBR ISO/IEC 27001:2006, 27002:2005 e 27005:2008 Valdeci Otacilio dos Santos

Leia mais

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

Conceitos Básicos e Implementação. Entrega de Serviços. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) Conceitos Básicos e Implementação Pref. Mun. Vitória 2007 Analista de Suporte 120 A ITIL (information technology infrastructure library) visa documentar as melhores práticas na gerência, no suporte e na

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Data Warehousing Visão Geral do Processo

Data Warehousing Visão Geral do Processo Data Warehousing Visão Geral do Processo Organizações continuamente coletam dados, informações e conhecimento em níveis cada vez maiores,, e os armazenam em sistemas informatizados O número de usuários

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

LAS CIENCIAS DE LA TERRA Y LA AGENDA PANAMERICANA DEL IPGH 2010-2020. Luiz Paulo Souto Fortes, PhD Director de Geociencias

LAS CIENCIAS DE LA TERRA Y LA AGENDA PANAMERICANA DEL IPGH 2010-2020. Luiz Paulo Souto Fortes, PhD Director de Geociencias LAS CIENCIAS DE LA TERRA Y LA AGENDA PANAMERICANA DEL IPGH 2010-2020 Luiz Paulo Souto Fortes, PhD Director de Geociencias México, 25 de junio de 2008 Sumário Introdução Linhas de Trabalho 2010-2020 Interdisciplinariedade

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental

Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Proposta de um método para auditoria de projetos de desenvolvimento de software iterativo e incremental Francisco Xavier Freire Neto 1 ; Aristides Novelli Filho 2 Centro Estadual de Educação Tecnológica

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais. Deise Regina Lazzarotto SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS APLICADO AOS DADOS DO GRUPO DE PESQUISA BIODIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE DE ECOSSISTEMAS FLORESTAIS DE IRATI PR. Deise Regina Lazzarotto Departamento de Engenharia Florestal

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Sistema Geodésico de Referência: Figura geométrica da superfície terrestre: Época de referência das coordenadas:

NOTA TÉCNICA. Sistema Geodésico de Referência: Figura geométrica da superfície terrestre: Época de referência das coordenadas: NOTA TÉCNICA TÉRMINO DO PERÍODO DE TRANSIÇÃO PARA ADOÇÃO NO BRASIL DO SISTEMA DE REFERÊNCIA GEOCÊNTRICO PARA AS AMÉRICAS (SIRGAS), EM SUA REALIZAÇÃO DE 2,4 (SIRGAS2) A definição, implantação e manutenção

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com.

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com. UM SISTEMA PARA ORGANIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SOLOS BRASILEIROS FÁBIO O. SILVA 1 ; FERNANDO KUNINARI 2 ; STANLEY R. M. OLIVEIRA 3 12605 RESUMO Com o objetivo de possibilitar o armazenamento e a disponibilização

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite

Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Utilização da plataforma Ning para o desenvolvimento de rede social temática para o agronegócio do leite Leonardo Mariano Gravina Fonseca 1, Myriam Maia Nobre 1, Denis Teixeira da Rocha 1, Elizabeth Nogueira

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha

Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Relatório apresentado na reunião em Karlsruher Institut für Technologie Karlsruhe, Alemanha Arquitetura da Informação para o Sistema Brasileiro de Inventário de Ciclo de Vida (SICV BRASIL) Everson Andrade

Leia mais