TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES"

Transcrição

1 TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIES

2 Sorocaba - SP Porto Alegre - RS Betim - MG Recife - PE R. de Janeiro - RJ A CASCADURA Simões Filho - BA Fundada em 1950, na cidade de São Paulo. Atualmente, possui 06 fábricas estrategicamente localizadas nos principais polos industriais do país

3 REVESTIMENTOS METÁLICOS COATINGS METALLIC & CERAMICS NON METALLICS ELECTROPLATING THERMAL SPRAYING WELDING HARD CHROME FLAME SPRAY MIG, TIG CROMO DECORATIVO ARC SPRAY SUBMERGED ARC NÍQUEL QUÍMICO COBRE TERMO SELANTES PLASMA HP - HVOF CERAMICA LIQUIDA PTA LASER CLADDING ESTANHAGEM

4 CROMO DURO Deposição Eletrolítica por reações eletroquímicas em superfícies especialmente preparadas. Características: Elevada Dureza : da ordem de 950 a 1050HV( 65 a 70 Rc) Elevada Resistência ao Desgaste e Abrasão Resistente à Corrosão: camada de óxido de cromo Repelente : facilita a desmoldagem Baixo Coeficiente de Atrito Alto Brilho conseguindo-se superfícies espelhadas Resistente a Altas Temperaturas: até 350ºC Espessura da Camada: desde 0.01mm até 0.35mm

5 BANHOS CROMO DURO ROLOS DE CALANDRA ROLOS SECADORES ESTAMPO AUTOMOBILÍSTICO

6 ASPERSÃO TÉRMICA

7 ASPERSÃO TÉRMICA É um grupo de processos através dos quais deposita-se sobre uma superfície previamente preparada camadas de materiais metálicos ou não metálicos. Estes materiais são fundidos em uma fonte de calor gerado no bico de uma pistola e em seguida são finamente pulverizados e acelerados contra o substrato, atingindo-o em estado fundido ou semi-fundido. Ao se chocarem contra o substrato são achatadas e aderidas tanto ao substrato, quanto entre si, gerando uma estrutura tipicamente lamelar.

8 PRINCIPAIS MATERIAIS APLICADOS ALUMINIO, ZINCO AÇOS INOXIDÁVEIS COLMONOY INCONEL CARBETO DE TUNGSTENIO CARBETO DE CROMO MONEL HASTELLOY

9 Aspersão Térmica Hipersônica HVOF Utiliza-se de altíssimas pressões e velocidades, até três vezes maiores que a velocidade do som, para depositar camadas de carbetos metálicos ( Carbeto de Cromo e Tungstênio ) e Cermets extremamente compactas, duras e resistentes a corrosão.

10 Robô de 6 eixos para revestimento por Aspersão Térmica Hipersônica HVOF

11 Soldas Especiais Solda a Arco Submerso Soldas MIG e TIG Processo de Solda à Plasma a Arco Transferido PTA. Laser Cladding

12 FABRICAÇÃO DE PEÇAS E COMPONENTES EM METAIS E LIGAS ESPECIAIS AÇOS INOXIDÁVEIS : AISI 304,316,410,420 AÇOS DUPLEX, SUPERDUPLEX INCONEL 625,718, X 750 HASTELLOY MONEL

13 FABRICAÇÃO DE PEÇAS E COMPONENTES EM LIGAS ESPECIAIS

14 NOVAS TECNOLOGIAS 1. NÍQUEL QUÍMICO : CASCANIPLEX 2. Revestimento cerâmico, termoquímico, líquido CASCAPLEX 3. Revestimento selante líquido, cerâmico para densificação de camadas - CASCASEAL 4. LASER CLADDING 5. HP - HVOF

15 NÍQUEL QUÍMICO : CASCANIPLEX Liga Níquel Fósforo : 11 a 14% P Camadas padrão : 50 a 100 µm Camadas Especiais : 50 a 250 µm Dureza Convencional: 550 a 750 Hv Após tratamento térmico : 900 a 1050 Hv Banhos com 10 trocas / hora

16 CASCANIPLEX INTERDIFUSÃO DE NIQUEL QUIMICO : Fe + Ni + P

17 CASCANIPLEX Tratamento Térmico Grau Grade Temperatura (ºC) Tempo (h) Resfriamento Dureza HV (HRC) Dureza Faixa Intermediária No forno até 200ºC e Ar (58-64) Dureza Máxima 4 e Interdifusão No forno até 200º C e Ar No forno até 200º C e Ar 865 min. (66 min) (60-65)

18 TECNOLOGIA DE SUPERFÍCIE CASCANIPLEX

19 PEÇAS REVESTIDAS COM CASCANIPLEX

20 REVESTIMENTOS CERAMICOS TERMO SELANTES CASCAPLEX 1. CAMADAS : 1 a 250 µm 2. DUREZA : 1900 a 2900 Hv 3. ADESÃO : > PSI 4. RUGOSIDADE : 0,5 a 1,5 µm Ra 5. SALT SPRAY : 8 vezes superior ao Cromo 6. RESIST. TRAÇÃO : 68 MPa

21 CASCAPLEX MAIOR UNIFORMIDADE DE CAMADA E ÓTIMA PENETRAÇÃO EM REGIÕES DE DIFICIL ACESSO ELEVADA RESISTENCIA A CORROSÃO GRAÇAS A ESTABILIDADE QUIMICA E CAMADA TOTALMENTE ISENTA DE POROS MAIOR RESISTENCIA A DESGASTE MAIOR VIDA ÚTIL DAS PEÇAS REVESTIDAS

22 CASCAPLEX

23 CASCASEAL 1. SELAGEM TOTAL DE POROSIDADES 2. ALTA RESISTENCIA A CORROSÃO E AO DESGASTE 3. APLICÁVEL EM CAMADAS DE CROMO DURO E METALIZAÇÃO 4. CAMADAS DE 5µm a 25µm 5. DUREZA DE 2900 Hv

24 CASCASEAL

25 REVESTIMENTO EM MUD ROTOR : WC - HVOF + CASCASEAL 1. CAMADA : 150 µm 2. DUREZA : 1900 a 2900 Hv 3. SALT-SPRAY : > 1000 horas 4. Vida Útil : 7 a 10 vezes superior ao cromo

26 LASER CLADDING

27 LASER CLADDING Inovador processo de revestimento que utiliza como fonte de energia um Laser de Alta Precisão. O processo de Laser Cladding produz camadas com : 1. Perfeita união metalúrgica entre revestimento e metal base 2. Mínima ZTA (zona termicamente afetada), 3. Grau de diluição perfeitamente controlável, 4. Elevada Uniformidade na Espessura 5. Baixo nível de oxidação e descarbonetação

28 PRINCIPAIS LIGAS DEPOSITADAS CARBETOS DE TUNGSTENIO E CROMO AÇOS INOXIDÁVEIS : AISI 304,316,410,420 AÇOS DUPLEX, SUPERDUPLEX STELLITE 1,6,12,20,21 INCONEL 625,718 HASTELLOY MONEL

29 PEÇAS REVESTIDAS PELO PROCESSO LASER CLADDING

30 ASPERSÃO TERMICA HIPERSONICA HP HVOF

31 ASPERSÃO TERMICA HIPERSONICA HP HVOF Camada WC Metal Base

32 ASPERSÃO TERMICA HIPERSONICA HP HVOF TENSÕES RESIDUAIS DE COMPRESSÃO REPETIBILIDADE DE PROCESSO CAMADAS DENSAS E UNIFORMES POROSIDADE INFERIOR A 1,0 % BAIXO TEOR DE ÓXIDOS

33 PARCERIAS INTERNACIONAIS E TRANSFERENCIA DE TECNOLOGIA

34

35

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA

ASPERSÃO TÉRMICA EQUIPAMENTOS PLASMA SPRAY PROCESSO PLASMA ASPERSÃO TÉRMICA PROCESSO Resumidamente, Aspersão Térmica consiste em um grupo de processos em que materiais metálicos e não metálicos são projetados na forma fundida ou semifundida sobre uma superfície

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465

Programa. Conceitos e Tecnologia. Casos de Aplicação. Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Apresentação Programa Conceitos e Tecnologia Casos de Aplicação Francisco Sousa E-mail: fsousa@teandm.pt Skype: fj.sousa M.: 967 125 465 Ciência das Superfícies Problemas Corrosão Fadiga Propriedades físicas

Leia mais

Criando soluções para a indústria.

Criando soluções para a indústria. Criando soluções para a indústria. Principais segmentos de atuação Ogramac. A indústria do futuro começa aqui. ÌÌAÇÚCAR / ÁLCOOL ÌÌAERONÁUTICO ÌÌAGROINDÚSTRIA / CAMPO ÌÌALIMENTÍCIO ÌÌAUTOMOTIVO ÌÌBOMBAS

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS

BOLETIM TÉCNICO SOLDAGEM DE COBRE E SUAS LIGAS INTRODUÇÃO A união de cobre e suas ligas podem ser efetuadas por processos de soldagem e brasagem O processo de brasagem é adequado para componentes de dimensões relativamente pequenas, devido a grande

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Pós para metalização A sua melhor escolha

Pós para metalização A sua melhor escolha Pós para metalização A sua melhor escolha Por que metalização? A metalização é um método eficaz e econômico para alcançar propriedades de alta performance em superfícies metálicas expostas à desgastes.

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB.

Propriedades Mecânicas R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB. Eletrodos GD. GD 99 SX AWS- E-NiCI. R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB. Eletrodos GD GD 99 SX - E-NiCI GD 99 -E-NiCI GD 60 -E-NiFeCI GD 60S -E-NiFeS GD ST -E-ST Propriedades R: 480 MPa A: 27% D: 135 HB R: 500 MPa A: 20% D: 180 HB R: 520 MPa A: 20% D: 180 HB R: 530 MPa A: 18%

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015

ASPERSÃO TÉRMICA. Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015 ASPERSÃO TÉRMICA Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Engº. Departamento de Engenharia Mecânica da UFPR ramon@ufpr.br 2T 2015 LABORATÓRIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA - AT Os processos

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento.

Tecnologia Mecânica. Programa. Processamento Mecânico de Materiais Metálicos. Fundamentos. Estampagem. Luís Alves. Corte Arrombamento. Tecnologia Mecânica Programa Processamento Mecânico de Materiais Metálicos Fundamentos Estampagem Luís Alves Corte Arrombamento Forjamento Hydroforming Bárbara Gouveia Tecnologia Mecânica 1 Tecnologia

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO é um revestimento cerâmico bicomponente, na cor branca, ideal para promover proteção pintável às superfícies contra corrosão, abrasão

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DO AÇO AISI 420 DEPOSITADO POR PROCESSOS VARIADOS DE ASPERSÃO TÉRMICA L.C. Casteletti 1, F.A.P. Fernandes 1, G.S. Takeya 1, C.A. Picon 2, G. Tremiliosi-Filho 3 Universidade

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos

ANCORAS METALICAS. Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos ANCORAS METALICAS Projetos / Aplicações / Importância / Análise de danos Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de andorinha / Grampo Conceito Âncoras / Clipes / Chumbadores Grapas Rabo de

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros

METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros Soluções da Höganäs para metalização Desempenham um papel importante de proteção A metalização com ligas auto-fluxantes à base de Ni, desempenha

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: Dureza é a resistência à deformação permanente Aplicação de uma carga na superfície da peça com um penetrador padronizado Características da marca de impressão (área ou profundidade)

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO

DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO DESENVOLVIMENTO DE UM DISPOSITIVO PARA ASPERSÃO TÉRMICA POR ARCO ELÉTRICO Cristiano Borchate, cb000687@fahor.com.br¹ Richard Thomas Lermen, richard@fahor.com.br¹ Faculdade Horizontina (FAHOR), Avenida

Leia mais

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS

ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS ARAMES PARA SOLDA ARAME PARA SOLDA MIG GERDAU A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com Gerdau-MIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS METÁLICOS ASPERGIDOS TERMICAMENTE POR ARCO ELÉTRICO. Vinícius Ribeiro dos Santos de Sá Brito

CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS METÁLICOS ASPERGIDOS TERMICAMENTE POR ARCO ELÉTRICO. Vinícius Ribeiro dos Santos de Sá Brito CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS METÁLICOS ASPERGIDOS TERMICAMENTE POR ARCO ELÉTRICO Vinícius Ribeiro dos Santos de Sá Brito Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Revisão 02. Catálogo Geral de

Revisão 02. Catálogo Geral de Revisão 02 Catálogo Geral de ASPERSÃO TÉRMICA METALIZAÇÃO Sistemas modernos de Aspersão Térmica a chama, a arco elétrico, plasma de arco transferido e HVOF para aplicações em Produção e Manutenção O QUE

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ

METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ METALURGIA DO PÓ Prof. M.Sc.: Anael Krelling 1 O MERCADO DA METALURGIA DO PÓ Ligas de Ferro com grande precisão e elevada qualidade estrutural Materiais de difícil processamento, com alta densidade e microestrutura

Leia mais

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1

ISOFLAMA Indústria e Comercio de Equipamentos Ltda SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO. J.C.Vendramim 1 SELEÇÃO DE MATERIAIS PARA NITRETAÇÃO J.C.Vendramim 1 [1] João Carmo Vendramim Engenheiro metalurgista, mestrado em engenharia de materiais pela universidade de Campinas Unicamp. Introdução A seleção do

Leia mais

CATALOGO DE PRODUTOS 1

CATALOGO DE PRODUTOS 1 ATALOGO DE PRODUTOS 1 Índice geral de consumíveis para soldas 1 Varetas para o processo TIG 1.11.21.31.41.1.6 Aços carbono... 3 Aços inoxidáveis... 422 Aços baixa liga... 2327 Ferro fundido... 2830 Ligas

Leia mais

CastoLab Services. Compromisso com o Resultado

CastoLab Services. Compromisso com o Resultado CastoLab Services Compromisso com o Resultado Serviços de Manutenção & Reparo Fabricação de Peças Revestidas Serviços de Campo Revestimentos Antidesgaste ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001 n Disponibilidade

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

THE SWEDISH DOCTOR BLADE

THE SWEDISH DOCTOR BLADE THE SWEDISH DOCTOR BLADE SOBRE A PRIMEBLADE A PrimeBlade Sweden AB é uma empresa fabricante e fornecedora global de lâminas doctorblade para impressoras flexográfica, rotogravura e offset. Juntamente com

Leia mais

Revestimentos e Metalização

Revestimentos e Metalização Revestimentos e Metalização Conteúdo Iniciação à engenharia de superfície (conceitos e aplicações); Revestimento x tratamento de superfícies; Aspersão térmica a gás fundamentos, processos, equipamentos,

Leia mais

A figura acima mostra as denominações das três partes mais comuns do cilindro: CORPO PONTEIRAS BORDA DO CORPO

A figura acima mostra as denominações das três partes mais comuns do cilindro: CORPO PONTEIRAS BORDA DO CORPO 1 - CILINDROS OU ROLOS São peças de geometria cilíndrica, que normalmente possuem duas áreas distintas : uma ÁREA DE TRABALHO denominada CORPO e outra área, de fixação, apoio e transmissão denominada PONTEIRA.

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000

TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 TESTES DE CORROSÃO Domingos J C Spinelli SurTec do Brasil Ltda Abril/2000 1 O Teste de corrosão é a interpretação dos resultados que pode ser um dos mais controvertidos assuntos na indústria de galvanoplastia.

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Cimento A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros

METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros METALIZAÇÃO Soluções para a indústria de moldes para vidros Soluções da Höganäs para metalização Desempenham um papel importante de proteção A metalização com ligas auto-fluxantes à base de Ni, desempenha

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas

Juntas sobrepostas: sobreposição de 3 a 5 vezes a espessura das chapas SOLDAGEM 1. Introdução Junção de peças metálicas por contato e aquecimento. Processos por fusão: fusão local das partes, necessidade de metal de adição (geralmente). Processos por pressão: aquecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS i UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS MARCEL DIAS DA SILVA QUALIFICAÇÃO DO PROCESSO DE ASPERSÃO TÉRMICA DE PRODUTOS PARA APLICAÇÃO PETROQUÍMICA. FLORIANÓPOLIS

Leia mais

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC

ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO. Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ LESC ANÁLISE DE DESCONTINUIDADES EM REVESTIMENTOS DE CARBETOS SOBRE AÇO Haroldo de Araújo Ponte UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LESC hponte@engquim.ufpr.br Lígia Fernanda Kaefer UNIVERSIDADE FEDER AL DO PARANÁ

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

Catálogo Geral: Ligas especiais para Brasagem, Soldagem, Metalização e Revestimento. www.brastak.com.br

Catálogo Geral: Ligas especiais para Brasagem, Soldagem, Metalização e Revestimento. www.brastak.com.br Catálogo Geral: Ligas especiais para Brasagem, Soldagem, Metalização e Revestimento. www.brastak.com.br ISO 9001/2000 ISO 14001/2004 Índice... O processo de brasagem... Pag. 01 Metais de adição... Pag.

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade).

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade). TRATAMENTOS TÉRMICOS 1. Funções: remoção de tensões internas aumento ou diminuição de dureza aumento da resistência mecânica melhora da ductibilidade melhora da usinabilidade melhora da resistência ao

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Açúcar & Álcool A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um

Leia mais

ASPERSÃO TÉRMICA NA CONSTRUÇÃO METÁLICA CIÊNCIA E ARTE (1)

ASPERSÃO TÉRMICA NA CONSTRUÇÃO METÁLICA CIÊNCIA E ARTE (1) ASPERSÃO TÉRMICA NA CONSTRUÇÃO METÁLICA CIÊNCIA E ARTE (1) Autor: Luiz Cláudio de Oliveira Couto (2) Resumo: Este trabalho apresenta um breve histórico acompanhado do resumo teórico sobre uma forma eficiente

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW104 TW105 TW106 TW114 TW204 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS PARA APLICAÇÃO GERAL LENOX-TWILL DESENVOLVIDAS PARA FURAR UMA AMPLA GAMA DE MATERIAIS, PROPORCIONANDO DESEMPENHO EFICIENTE COM EXCELENTE

Leia mais

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos

Materiais cerâmicos e vítreos vítreos Materiais cerâmicos e vítreos Materiais inorgânicos e não-metálicos processados e / ou usados a elevadas temperaturas Cerâmicas / argilas / silicatos das mais velhas indústrias humanas (15000 AC) resistentes

Leia mais

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03

0,8 0,9 1,0 1,2 1,32 1,6 18-20 100-250 ROSETADO AWS A 5.18 ER70S-6 0,15 0,15 0,15 0,03 ARAMES PARA SOLDA A MELHOR OPÇÃO PARA INDÚSTRIAS Soldar com GerdauMIG é ter alto rendimento nos processos industriais em soldagens semiautomáticas, mecanizadas e robotizadas, nos mais diversos segmentos.

Leia mais

REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA RESUMO. chama de elevada velocidade utilizados na deposição do alumínio como revestimento

REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA RESUMO. chama de elevada velocidade utilizados na deposição do alumínio como revestimento REVESTIMENTOS DE ALUMÍNIO DEPOSITADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA Ramón S.Cortés P. 1, Augusto J.A. Buschinelli 2, Marcelo T. Piza P. 3 RESUMO Este trabalho avalia os processos de aspersão térmica a chama oxiacetilênica,

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE SOLDAGEM PROF. JAQUES JONAS SANTOS SILVA RESENDE, NOVEMBRO DE 2008. ÍNDICE 1. SOLDAGEM...

Leia mais

METAL DURO POR ESPECIALISTAS

METAL DURO POR ESPECIALISTAS METAL DURO POR ESPECIALISTAS A Durit emprega mais de 350 pessoas em todo o mundo. Os seus principais mercados são a Europa e a América do Sul Metal Duro sinterizado - caracterizado pela sua resistência.

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Francisco J. G. Silva. Seminário Tecnologias de Corte CENFIM Núcleo da Trofa 23 de Outubro 2012

Francisco J. G. Silva. Seminário Tecnologias de Corte CENFIM Núcleo da Trofa 23 de Outubro 2012 Seminário Tecnologias de Corte CENFIM Núcleo da Trofa 23 de Outubro 2012 Fonte: SANDVIK Fonte: TOOLS4INDUSTRY FERRAMENTAS PARA TORNEAMENTO Materiais para ferramentas, Revestimentos & Novos processos 2

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8

1 - ELÉCTRODOS ... 2 ... 3 ... 3 ... 4 ... 5 ... 6 ... 6 ... 7 ... 8 ... 8 ... 8 1 - ELÉCTRODOS Soldadura de aços carbono... Soldadura de aços resistentes à fluência... Soldadura de aços de baixa liga... Soldadura de aços com baixa soldabilidade... Soldadura de aços inoxidáveis e refractários...

Leia mais

Projeto de Iniciação Científica. Análise da Porosidade em Camadas Protetoras. Produzidas por Aspersão Térmica

Projeto de Iniciação Científica. Análise da Porosidade em Camadas Protetoras. Produzidas por Aspersão Térmica FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SOROCABA (FATEC) JOSÉ CRESPO GONZALEZ Projeto de Iniciação Científica Análise da Porosidade em Camadas Protetoras Produzidas por Aspersão Térmica Orientadora: Profª. Dra. Luciana

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Siderurgia A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO

TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS DE PROTEÇÃO TUBOS METÁLICOS São feitos em metal (normalmente aço inox), fechado em uma das extremidades através de solda ou caldeamento, e, quase sempre rosqueado na outra parte e fixo ao. TUBOS CERÂMICOS São muito

Leia mais

key words: Alonized; Thermal Spray, Aluminium Diffusion

key words: Alonized; Thermal Spray, Aluminium Diffusion Formação de intermetálicos Fe/Al através dos processos de Alonização e Aspersão Térmica. 1 Ramón Cortés P., 2 Ana Sofia C.M. D Oliveira., 3 André Capra. Resumo Os aços Alonizados tem reconhecida resistência

Leia mais

Componentes Eletrônicos. Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013)

Componentes Eletrônicos. Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013) Componentes Eletrônicos Resistores, Capacitores e Indutores J.R.Kaschny (2013) Resistores Símbolos comuns: Fixos Variáveis Potenciômetros Tipos usuais: Parâmetros relevantes: Modelo realístico: Fixos fio,

Leia mais

Palavras-chave: Revestimento, Aspersão Térmica, Carbonetos, HP-HVOF, Desgaste

Palavras-chave: Revestimento, Aspersão Térmica, Carbonetos, HP-HVOF, Desgaste ESTUDO E CARACTERIZAÇÃO DE REVESTIMENTOS PARA DESGASTE APLICADOS POR ASPERSÃO TÉRMICA A CHAMA OXICOMBUSTÍVEL DE ALTA VELOCIDADE - HVOF Carlos Roberto Camello Lima UNIMEP- Univ. Metodista de Piracicaba,

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

desgaste novacao como reduzir os custos com o CastoLab Services Soldagem em Alumínio Aspersão Térmica Aplicações Industriais

desgaste novacao como reduzir os custos com o CastoLab Services Soldagem em Alumínio Aspersão Térmica Aplicações Industriais novacao revista informativa trimestral da Eutectic Castolin nº 04-2013 como reduzir os custos com o desgaste E mais: CastoLab Services Soldagem em Alumínio Aspersão Térmica Aplicações Industriais editorial

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ADESÃO E DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS DE Cr e Co OBTIDOS ATRAVÉS DA TÉCNICA DE ASPERSÃO TÉRMICA. Fernando José Antunes

AVALIAÇÃO DA ADESÃO E DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS DE Cr e Co OBTIDOS ATRAVÉS DA TÉCNICA DE ASPERSÃO TÉRMICA. Fernando José Antunes AVALIAÇÃO DA ADESÃO E DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE REVESTIMENTOS DE Cr e Co OBTIDOS ATRAVÉS DA TÉCNICA DE ASPERSÃO TÉRMICA Fernando José Antunes Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA LABORATORIO DE ASPERSÃO TÉRMICA E SOLDAGEM ESPECIAIS ASPERSÃO TÉRMICA Professor Ramón S. Cortés Paredes, Dr. Eng. Curitiba PR 2012 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Forjaria A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE)

REBOLOS RESINÓIDES (LIGA RESINÓIDE) Com o emprego de novas tecnologias e surgimento de novos materiais e equipamentos modernos, pode-se afirmar que a utilização de rebolos resinóides tornou-se indispensável nas operações de retificação e

Leia mais

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO

MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO Centro Universitário de Brasília Disciplina: Química Tecnológica Geral Professor: Edil Reis MECANISMOS BÁSICOS DE CORROSÃO No estudo dos processos corrosivos devem ser sempre consideradas as variáveis

Leia mais

Informações Técnicas Uso Orientativo

Informações Técnicas Uso Orientativo Parafusos X Buchas de ylon Buchas º Auto-atarraxante s aplicáveis Madeira Sextavado soberba Parafusos mais utilizados 4 2,2 2,2 a 2,8 2,8 x 25-2,8 x 30 5 2,9 a 3,5 2,2 a 3,8 2,8 x 30-3,2 x 40-3,5 x 45

Leia mais

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume

Produto Rendimento Espessura Textura Catalisador Aplicações Características. K-4060 Catalise 5 X 1 em volume SISTEMA PU - 4000 - Tintas Industriais Esmalte E-4000 6,5 m2/litro sem diluição. 50 a 60 µm K-4060 Catalise 5 X 1 Excelente acabamento para pintura de caixa eletrônico, ônibus, baús, orelhões, painéis

Leia mais

AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS

AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS AÇOS PARA MOTORES DE CARROS HÍBRIDOS DESENVOLVIMENTOS DA ARCELORMITTAL INOX BRASIL Sebastião da Costa Paolinelli INTRODUÇÃO O PROBLEMA DE CORRELACIONAR RESULTADOS DE TESTES PADRONIZADOS COM DESEMPENHO

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS

MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS MEMBRANAS DE POLIURETANO DE ALTO DESEMPENHO SISTEMA A BASE DE POLIURETANO PARA LAJES C/ TRANSITO DE PEDESTRE E TRANSITO DE VEÍCULOS Angelo Derolle Filho SISTEMA VULKEM PRINCIPAIS VANTAGENS Sistema Impermeável

Leia mais

Proteção Superficial de Metais

Proteção Superficial de Metais Noções sobre corrosão Existem várias maneiras de definir-se a corrosão, a mais genérica seria: "deteorização do material pela sua interação com o meio que o envolve". No caso de metais ou ligas metálicas,

Leia mais