10 GESTÃO DO CRÉDITO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "10 GESTÃO DO CRÉDITO"

Transcrição

1 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: GSTÃO O RÉITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das suas respostas. QUSTÃO 1 Na construção da história do rasil, o papel que o anco do rasil () desempenha no fortalecimento da economia nacional sempre foi relevante como financiador de diversas atividades econômicas. Introdução ao processo de crédito. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). e acordo com a compreensão da política de crédito adotada pelo, infere-se que QUSTÃO 4 decisão sobre oferecer crédito a um cliente não é absoluta nem irrestrita. ssim, existem critérios para decisão sobre limite de crédito, ou seja, sobre o valor máximo que o banco admite emprestar a um cliente. Risco de lientes: caderno 1. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. São critérios básicos para a definição do valor do limite de crédito de um cliente o é destaque na sua posição como banco de varejo, priorizando o atendimento a pessoas físicas de alta renda. o financiamento de atividades agrícolas e pecuárias, na tradição da política de crédito do, são, historicamente, excluídos. o é fomentador e principal parceiro do segmento das grandes empresas, sem foco nos negócios de crédito para micro e pequenas empresas. os instrumentos das políticas de crédito, as normas gerais e específicas e os procedimentos aplicáveis são relevantes no sistema normativo considerado no processo de crédito do. os procedimentos operacionais internos do banco ocupam o primeiro nível na hierarquia dos normativos voltados para a área de crédito e as políticas de crédito ocupam a posição secundária. nível de risco e capacidade de gerar riquezas. capacidade de gerar riquezas e confiança. capacidade de gerar riquezas e crédito. nível de risco e crédito. confiança e crédito. QUSTÃO 5 Por determinação do anco entral do rasil (acen) (Resolução MN 1.682/90), no caso de cheques devolvidos pelos motivos 11 a 14, 21, 22 e 31 desta resolução, o banco pode prestar informações ao beneficiário do cheque, desde que formalmente solicitadas. adastro. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. QUSTÃO 2 Um cliente do anco do rasil tornou-se inadimplente em um banco privado por atraso no pagamento de operações com recursos públicos. nte a ocorrência descrita, o banco deve anotar a ocorrência no adastro Informativo de réditos Não Quitados do Setor Público Federal (adin). anotar a ocorrência no cadastro do cliente no anco do rasil. ignorar o fato, pois não se refere a operações no banco. solicitar esclarecimentos ao cliente. anotar a ocorrência no Serasa. QUSTÃO 3 Sabe-se que não há consenso sobre quantos s compõem o crédito. Todavia, há unanimidade quanto a quatro deles, quais sejam: aráter, apacidade, ondições e apital. Introdução ao processo de crédito. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). s informações que podem ser prestadas ao beneficiário de um cheque devolvido por motivo de sustação do pagamento são nome completo e relação de bens do emitente. saldo em conta corrente e endereços do emitente. motivo da sustação, nome completo e endereços do emitente. saldo em conta corrente, relação de bens e endereços do emitente. motivo da sustação, relação de bens e saldo em conta corrente do emitente. QUSTÃO 6 Nos empréstimos, quanto maior for o tempo entre a concessão do crédito e o pagamento do valor emprestado, maior será o risco. Sobre crédito e risco, identifica-se que Introdução ao processo de crédito. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). cerca dos s que compõem o crédito, identifica-se que a relação existente entre os bens e os direitos do cliente é verificada no de capital, independentemente de suas obrigações, para definir sua capacidade bruta de adimplência. as variáveis econômicas e políticas fazem parte do macroambiente das condições, mas não as psicossociais. o poder pagar é mais relevante que o querer pagar na análise do de caráter. o de capacidade guarda relação com a experiência profissional do cliente. uma prioridade na análise dos quatro s é algo indefinido. a probabilidade de perda do valor emprestado sempre está presente no negócio. crédito é a entrega de bens ou valores a título gratuito ou oneroso ao beneficiário. a instauração do limite prévio de crédito gera para o banco a obrigação de atender a proposta do cliente. a tomada de decisão de conceder crédito com base na avaliação pessoal e experiência do agente é adequada. crédito, para os bancos, é a disponibilização de valores no presente mediante promessa de pagamento de valor a ser acordado com o cliente em data futura. 1

2 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 7 s garantias no anco do rasil são classificadas em reais e pessoais ou fidejussórias. Risco de operações: caderno 1. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). Quanto aos instrumentos de crédito, ao risco e às garantias inerentes às operações de crédito, infere-se que os títulos de crédito admitem fiança como garantia de pagamento ao. os títulos de créditos são classificados em cédulas ou notas, quando vinculados a garantias reais. a dívida garantida por fiança goza de preferência nas hipóteses de falência ou insolvência civil do devedor. a exigência de garantia é fator preponderante na concessão de crédito para o cliente, ainda que seja consolidado no mercado. a garantia real assegura ao credor o direito preferencial de receber a dívida, na hipótese de falência, liquidação ou insolvência civil do devedor, a não ser quando existirem débitos trabalhistas, nos termos da lei. QUSTÃO 8 terceirização da cobrança de dívida extrajudicial ou judicial consiste na contratação de empresas de cobrança e sociedades de advogados para prestar serviços de cobrança e recuperação de créditos inadimplidos dos clientes correntistas e não correntistas do anco do rasil e de suas subsidiárias. Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de réditos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil, Nesse contexto, está correto o entendimento que QUSTÃO 9 nalisar uma operação de crédito é estruturá-la de forma a minimizar os riscos, estabelecendo parâmetros que compatibilizem as possibilidades do cliente com os interesses do banco e definindo as condições em que o negócio poderá ser realizado. Risco de Operações: caderno 1. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). Quanto aos tipos de operações e aspectos relacionados aos negócios do anco do rasil, tem-se que as operações de crédito devem ser adequadas à capacidade de pagamento do cliente e sem necessidade de adequação à finalidade do crédito. financiamentos são operações de crédito com destinação específica, cujo contrato é feito englobando a modalidade de abertura de crédito fixo. títulos descontados são operações de crédito que antecipam valores que os clientes tenham a receber, sem dedução da parcela referente aos juros cobrados. os aspectos motivadores de um empréstimo são irrelevantes, independentemente de destinação específica para os recursos do empréstimo a ser concedido. empréstimos são operações realizadas essencialmente com destinação específica, como para o financiamento de ativos, capital de giro, crédito direto ao consumidor e cheque especial. QUSTÃO 10 onsidere o quadro de dados dos índices de Liquidez orrente (L), Liquidez Seca (LS) e Liquidez Geral (LG) das empresas lfa e eta, apresentado a seguir. MPRS L LS LG lfa 0,80 1,10 1,05 eta 1,20 0,90 1,30 nálise conômica Financeira. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. a terceirização é operacionalizada, de forma automática, pelo sistema acs, observadas as estratégias de cobrança e recuperação de créditos previamente definidas pelo anco. o cliente responsável por operação com acordo vigente firmado por empresa terceirizada de cobrança não poderá renegociar essa dívida em sua agência de relacionamento. o devedor não poderá formalizar o compromisso de pagamento diretamente com as empresas terceirizadas. a empresa que prestar serviço de cobrança pode ser contratada pelo anco sem a necessidade de licitação. a terceirização de cobrança onera a estrutura das agências. e acordo com os índices mostrados no quadro, a empresa eta possui maior grau de dependência da venda de estoque do que a empresa lfa. a empresa lfa possui maior capacidade de honrar suas dívidas de curto prazo do que a empresa eta. a empresa lfa possui maior capacidade de pagamento de todo o passivo exigível do que a empresa eta. os índices de L das empresas lfa e eta indicam, em princípio, que ambas têm capacidade para saldar suas dívidas de curto prazo. os índices de LG das empresas lfa e eta indicam, em princípio, que ambas estariam incapacitadas para pagar todas as suas dívidas de curto e de longo prazos. 2

3 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 11 m operações de financiamento, a comprovação da aplicação dos recursos é o primeiro momento da condução da operação. É essa comprovação que indica se o anco do rasil poderá contar com o retorno dos recursos emprestados. O cumprimento da etapa citada realiza-se por meio de um termo de aplicação de recursos assinado pelo cliente. da apresentação da nota de empenho, quando for o caso. da apresentação da duplicata quitada. de fiscalizações. da fatura. QUSTÃO 12 Uma gráfica solicitou ao banco a abertura de crédito para a aquisição de um novo equipamento. proposta foi analisada, aprovada e deferida. liberação do recurso financeiro deve ser realizada prioritariamente na conta do financiado. exclusivamente na conta do financiado para caracterizar a operação. prioritariamente na conta do financiado, admitido alternativamente o crédito direto ao fornecedor. exclusivamente para o fornecedor do bem, mediante entrega da primeira via da nota fiscal quitada ou equivalente. prioritariamente para o fornecedor do bem, mediante entrega da primeira via da nota fiscal quitada ou equivalente. QUSTÃO 14 O processo de crédito no banco inicia-se com a confecção/atualização do cadastro do cliente. m seguida, é atribuído um nível de risco e estabelecido um limite de crédito para, finalmente, realizar um negócio, ou seja, contratar uma operação de crédito. análise da operação é o processo que visa estruturar o negócio de forma a minimizar seus riscos e estabelecer parâmetros que compatibilizem os interesses do cliente com os do banco. s etapas para a estruturação da operação são Introdução ao Processo de rédito. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). confecção/atualização do cadastro do cliente, a análise do cliente, o deferimento ou a decisão pela realização do negócio, a formalização e a liberação dos recursos. confecção/atualização do cadastro do cliente, o estudo da operação, o deferimento ou a decisão pela realização do negócio, a formalização e a liberação dos recursos. acolhimento da proposta, o estudo da operação, o deferimento ou a decisão pela realização do negócio, a formalização e a liberação dos recursos. análise do cliente, o estudo da operação, o deferimento ou a decisão pela realização do negócio, a formalização e a liberação dos recursos. acolhimento da proposta, a análise do cliente, o deferimento ou a decisão pela realização do negócio, a formalização e a liberação dos recursos. QUSTÃO 15 onceder crédito significa conhecer o perfil de risco do tomador. Portanto, suas informações cadastrais e seu histórico de relacionamento com o banco são fundamentais na definição do perfil de risco e no estabelecimento do limite de exposição máxima no banco. o risco estabelecido, existe associada uma probabilidade de descumprimento. No mercado, existem diversos métodos e modelos de classificação de risco de clientes. Na figura a seguir, a ideia do modelo mostrado é distinguir bons e maus pagadores, o que permite a avaliação da qualidade do crédito dos clientes. QUSTÃO 13 vinculação de garantias em operações de crédito deve ser vista como fator complementar e acessório da análise e jamais ser considerada como aspecto determinante na concretização de um negócio. função da garantia vinculada na operação é servir de fonte de pagamento da operação. Risco de Operações: caderno 1. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. garantir o retorno dos recursos na forma e data aprazada. gerar comprometimento pessoal e patrimonial do tomador. reforçar o caráter do tomador do empréstimo/financiamento. transformar um empréstimo inadequado em um bom negócio. Introdução a Gestão de Riscos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. onsiderando-se estas explicações, qual seria o modelo indicado pela figura? Modelo estocástico. Modelo de portfólio. ehavior scoring. redit scoring. redit rating. 3

4 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 16 publicidade dos atos jurídicos envolvendo dois agentes econômicos pode ser realizada através do registro cartorário, que confere autenticidade, segurança e eficácia aos atos jurídicos. modificação do registro de um ato jurídico inscrito em cartório se dá através de uma averbação. uma matrícula. uma hipoteca. um registro. um aditivo. QUSTÃO 19 empresa Hipotética S/ apresentou o gráfico a seguir, com a evolução dos indicadores de Necessidade de apital de Giro (NG) e apital de Giro (G) num período de cinco anos. Os dados revelam sobre a saúde financeira da empresa no curto prazo e servem como subsídio para que o gestor financeiro tome decisões quanto ao financiamento dos ativos circulantes. QUSTÃO 17 Para manter seu papel no fortalecimento da economia nacional, o banco necessita de um conjunto de medidas que cumpram o objetivo básico de orientar as decisões de crédito, apontando os critérios e o nível de risco de crédito que a instituição considera aceitáveis. O conceito exposto refere-se ao sistema legal. normativo. organizacional. operacional. diretivo. QUSTÃO 18 Para o anco do rasil, a operação de crédito é considerada em curso anormal a partir de quatro indicadores: a) do vencimento; b) da data da exigibilidade de prestação de principal ou de acessórios não pagos; c) da constatação de infringência de qualquer outra obrigação convencional ou legal; d) do recebimento de pedido de recuperação extrajudicial, do deferimento do processamento da recuperação judicial, da decretação de falência ou da declaração de insolvência civil do devedor ou de seus coobrigados. Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de réditos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil, pós a caracterização da dívida como em curso anormal, uma das providências que deve ser tomada é determinar de imediato o registro do instrumento de crédito e protestar o título de crédito. considerar em curso anormal as demais responsabilidades do cliente em relação às quais não haja causa específica. solicitar reforço das garantias, inclusive pessoais, se o saldo devedor não estiver acobertado por margem regulamentar de adiantamento sobre as existentes. examinar as causas do inadimplemento e a real situação econômico-financeira do devedor, determinando, em todos os casos, a realização de vistoria especial. efetuar registro no tribunal de justiça para a imediata apreensão de bens registrados no nome do devedor e de eventuais coobrigados, com o objetivo de se recuperar o crédito. om base nos dados apresentados no gráfico, qual a real situação quanto ao equilíbrio financeiro da empresa? empresa Hipotética S/ apresenta equilíbrio financeiro em todo o período analisado. situação atual da empresa Hipotética S/ é confortável, pois a NG é maior que o G. No ano 3, a empresa Hipotética S/ apresenta desequilíbrio financeiro, pois o Saldo em Tesouraria (ST) é igual a zero. empresa Hipotética S/ apresenta equilíbrio financeiro nos quatro anos iniciais, com Saldo em Tesouraria (ST) positivo. empresa Hipotética S/ apresenta equilíbrio financeiro nos três primeiros anos, com Saldo em Tesouraria (ST) positivo nos anos 1 e 2. QUSTÃO 20 exigência de capital estabelecida no acordo de asileia I limitava-se a suportar o risco de crédito, de inegável importância para o sistema. ntretanto, algumas críticas levaram o comitê a promover ajustes para que o regulamento fosse mais abrangente. Introdução à Gestão de Riscos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). ssim, em janeiro de 1996, foi publicado um adendo ao acordo de asileia I chamado emenda de Risco de rédito. Risco de âmbio. Risco de Imagem. Risco de Mercado. Risco Operacional. 4

5 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 21 figura seguinte mostra a abrangência do risco de crédito e as modalidades em que ele pode se manifestar. QUSTÃO 23 Os índices de liquidez são medidas de avaliação da capacidade financeira da empresa em satisfazer os compromissos para com terceiros. videnciam quanto a empresa dispõe de bens e direitos em relação às obrigações assumidas no mesmo período. ada um fornece informações diferentes sobre a situação da empresa. tabela a seguir contém informações sobre uma determinada empresa. Introdução a Gestão de Riscos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). e acordo com estas modalidades de risco de crédito, considera-se que as operações de derivativos, a emissão de debêntures e a captação de recursos lastreada em títulos, trazem risco de intermediadoras. risco de taxa de juros. risco de desembolsos. risco de contraparte. risco país. QUSTÃO 22 recuperação judicial, a recuperação extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária foram disciplinadas pela Lei /2005. Nesse contexto, identifica-se que a Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de réditos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil, nálise conômico-financeira de mpresas. rasília: Universidade orporativa anco do rasil. om base nestas informações e, de acordo com os indicadores de liquidez, qual seria a avaliação da capacidade financeira desta empresa? O índice de liquidez seca, em princípio, é desfavorável. empresa possui recursos suficientes para pagar suas dívidas. O índice de liquidez geral demonstra a dificuldade da empresa em gerar caixa. empresa precisa se desfazer de seus estoques para saldar as dívidas de curto prazo. empresa deverá descontar suas duplicatas para antecipar o fluxo de caixa e garantir seus pagamentos. recuperação extrajudicial é o processo judicial de execução concursal do patrimônio do devedor empresário e da sociedade empresária. recuperação judicial, ao promover o afastamento do devedor de suas atividades, visa preservar e otimizar a utilização produtiva dos bens, ativos e recursos produtivos, inclusive os intangíveis, da empresa. falência é um instrumento de reestruturação empresarial destinado a viabilizar a superação de crise econômicofinanceira do devedor por intermédio de plano submetido à aprovação dos credores por ele abrangidos. falência tem como objetivo permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica. recuperação judicial abrange todos os créditos existentes na data do pedido, ainda que não vencidos, exceto os créditos fiscais, as operações de arrendamento mercantil (leasing), as operações garantidas por alienação fiduciária e /. QUSTÃO 24 O estudo do risco é necessário para quantificar as perdas prováveis para cada tipo de classificação do cliente. Neste contexto, um dos aspectos mais importantes é entender o risco por diversos fatores, dividindo assim seu estudo por tipos de risco. om base nos tipos de risco existentes, o risco de mudanças no comportamento de taxas de juros e câmbio e nos preços das ações/commodities é caracterizado como risco de liquidez. risco do negócio. risco de mercado. risco da concentração do crédito. risco da administração do crédito. 5

6 SPUn RSP ertificação/14.º ertame plicação: 2014 QUSTÃO 25 Operações de longo prazo são normalmente aquelas que visam conceder crédito para investimento com o objetivo de financiar a implantação, expansão, relocalização ou modernização de empreendimentos ou, ainda, reposição de máquinas, equipamentos e veículos, apoiando o incremento da produção e da produtividade, e promovendo a geração de emprego e de renda. Operações de investimento: prospecção, originação, avaliação e acompanhamento. aderno 1. rasília: Universidade orporativa anco do rasil (com adaptações). e acordo com o contexto, os conceitos de elasticidade-preço e elasticidade-renda, que são relevantes na análise de risco de projeto, estão ligados à avaliação do mercado. localização do negócio. prospecção de operações. demanda por crédito. oferta de produtos. QUSTÃO 26 No anco do rasil, foram definidas políticas que orientam e norteiam o processo decisório de crédito, estabelecendo a relação adequada entre as várias áreas e funções envolvidas no processo de concessão crédito. e acordo com o texto, a relação adequada entre as funções risco de crédito e negocial é de conflito. segregação. complementaridade. independência. oposição. QUSTÃO 27 s estratégias de cobrança e recuperação de créditos do anco do rasil são definidas pela iretoria de Reestruturação de tivos Operacionais (irao), em parceria com a iretoria de rédito (icre) e as unidades estratégicas. Introdução ao Processo de obrança e Recuperação de réditos. rasília: Universidade orporativa anco do rasil, 2014 (com adaptações). onsiderando as estratégias de cobrança e de recuperação de créditos, identifica-se que o Sistema de obrança ssistida para omputadores (acs) tem suas atividades executadas de acordo com as estratégias de cobrança e de recuperação de créditos do anco do rasil e fundamentadas na visão operação. o Sistema de obrança ssistida para omputadores (acs) realiza bloqueios externos (SP e Serasa) para os devedores, coobrigados e demais titulares das operações. os clientes com parcela/saldo devedor vencido de qualquer valor são incluídos automaticamente no Sistema de obrança ssistida para omputadores (acs). as ações, na premissa linha de tempo, ocorrem no menor prazo, independentemente da segmentação do portfólio de clientes inadimplentes. acolher promessas de pagamento e reagendar novos contatos é impossível por meio do Sistema de obrança ssistida para omputadores (acs). QUSTÃO 28 O estudo da operação é o momento da análise propriamente dita, quando todos os elementos são isolados e reagrupados em suas relações de causa e efeito, para formar segura convicção quanto à conveniência da realização do negócio. Introdução ao Processo de rédito. rasília: Universidade orporativa anco do rasil, p No estudo da operação quanto ao proponente, o analista de crédito enquadra as necessidades do cliente em uma das linhas de crédito disponíveis e verifica se ele faz parte do público-alvo da linha de crédito. classifica a proposta do cliente para efeito de competência para análise. analisa o projeto técnico que descreve a atividade a ser desenvolvida. observa se o cliente possui margem no limite de crédito. classifica o porte do cliente. QUSTÃO 29 Identificar as necessidades do cliente, oferecendo-lhe produtos que o satisfaça é um dos elementos essenciais para garantir a sustentabilidade da instituição e o seu papel de promotora do desenvolvimento nacional. correta identificação das necessidades do cliente associa-se ao portfólio de produtos bancários disponíveis. às habilidades pessoais dos funcionários. à política de crédito do banco. à gestão de risco de crédito. à qualidade do cadastro. QUSTÃO 30 Um funcionário público, pessoa física, que procura o anco do rasil para abrir uma conta corrente e obter um cartão de crédito deverá apresentar um conjunto mínimo de documentos indispensáveis para elaboração de cadastro. O referido conjunto de documentos é composto por comprovantes de residência, de renda e de propriedade de bens e documento de identificação. comprovantes de residência e de renda, título de eleitor, PF e documento de identificação. carteira de identidade, PF, comprovantes de residência, de endereço comercial e de renda. carteira de identidade, passaporte, carteira de trabalho e comprovante de residência. comprovantes de residência e de renda, PF e documento de identificação. 6

10 GESTÃO DO CRÉDITO

10 GESTÃO DO CRÉDITO SP RSP ertificação/15.º ertame plicação: 2014 10 GSTÃO O RÉITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a

Leia mais

10 GESTÃO DE CRÉDITO

10 GESTÃO DE CRÉDITO SP RSP ertificação/16.º ertame plicação: 2015 10 GSTÃO RÉITO QUSTÃO 1 esde a criação do omitê de asileia, em 1974, a regulamentação bancária vem apresentando avanços significativos. Nesse omitê, são discutidas

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM

POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO - CREDIAFAM POLÍTICA DE CRÉDITO DA COOPERATIVA DE CRÉDITO MÚTUO DOS SERVIDORES DA SEGURANÇA DAS DEFINIÇÕES 1. A política de crédito da Cooperativa de Crédito Mútuo dos Servidores da Segurança Pública de São Paulo

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES

REGULAMENTO DE OPERAÇÕES 1 GENERALIDADES As operações de crédito da Cooperativa serão realizadas dentro das normas fixadas pelo Estatuto Social, pelas normas legais, as do Banco Central do Brasil e por este Regulamento. 2 OBJETIVO

Leia mais

10 GESTÃO DO CRÉDITO

10 GESTÃO DO CRÉDITO Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO

4 - POLÍTICAS DE RISCO DE CRÉDITO 1. INTRODUÇÃO Este documento objetiva esclarecer as normas, políticas e procedimentos de controle utilizados pelo Banco Tricury S/A no processo de gestão de Risco de Crédito das operações, consoante a

Leia mais

10 GESTÃO DE CRÉDITO

10 GESTÃO DE CRÉDITO Un/SP _ertificação Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014

Melhoria do marco regulatório para o crédito. Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 Melhoria do marco regulatório para o crédito Ministério da Fazenda 20 de Agosto, 2014 1 Objetivo das medidas: melhorar a produtividade e a competitividade da economia Liberação de compulsório e redução

Leia mais

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9

PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS. Página 1 de 9 PROGRAMA APLICAÇÃO DE RECURSOS FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITOS Responsável Versão Última Atualização 15/07/2015 Página 1 de 9 PROGRAMA PARA APLICAÇÃO DE RECURSOS Exclusivo para Instituições Financeiras Associadas

Leia mais

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito

Caderno Eletrônico de Exercícios Títulos de Crédito 1) São exemplos de títulos de crédito, exceto: a) Cheque b) Testamento c) Duplicata d) Nota promissória 2) São características de títulos de crédito, exceto: a) Documentalidade b) Força executiva c) Autonomia

Leia mais

Linhas de Crédito. Capital de Giro

Linhas de Crédito. Capital de Giro Linhas de Crédito Capital de Giro Apresentação FIESP Jul/2015 Operações mais utilizadas NOME CONTA GARANTIDA CAIXA CH.EMPRESA CAIXA CREDITO ESPECIAL EMPRESA - PRE/PRICE - GARANTIA FGO GIROCAIXA RECURSOS

Leia mais

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO

PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO PROGRAMA DE FINANCIAMENTO PARA O TURISMO LINHAS DE CRÉDITO PARA MICRO, PEQUENA E MÉDIA EMPRESAS Novembro 2008 FUNGETUR Fundo Geral de Turismo Fomentar e prover recursos para o financiamento de atividades

Leia mais

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha

Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL. Prof. Amaury Aranha Unidade I CONTABILIDADE EMPRESARIAL Prof. Amaury Aranha Sumário Unidade I Unidade I Provisão para devedores duvidosos Operações financeiras (duplicatas) Unidade II Empréstimos (pré e pós) Aplicações financeiras

Leia mais

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte

Manual do sistema. Serasa Empresas Credito e Risco. Manual de operações. Belo Horizonte Manual do sistema Serasa Empresas Credito e Risco Manual de operações Belo Horizonte Agosto - 2007 Sumário Introdução ------------------------------------------3 Consulta --------------------------------------------4

Leia mais

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários:

MICROCREDITO. 1.2.1 Beneficiários: MICROCREDITO 1 OBJETIVO Conceder crédito ágil, desburocratizado, acessível e adequado aos empreendedores dos setores formal e informal, excluídos da política do sistema financeiro tradicional, auxiliando-os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS. Quadro Resumo INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DE GARANTIA DE PENHOR DE DIREITOS Quadro Resumo BANCO CNPJ/MF Banco Bradesco S.A. 60.746.948/0001 12 Sede Cidade de Deus, Município e Comarca de Osasco, Estado de

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM.

TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. TARIFAS BANCÁRIAS VOCÊ VALORIZA CADA CENTAVO DO SEU DINHEIRO. E A CAIXA TAMBÉM. Por norma do Conselho Monetário Nacional (CMN), foram padronizados os Serviços Prioritários e os serviços isentos para Pessoa

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012

POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 POLÍTICA DE CRÉDITO E COBRANÇA: nº 03/2012 de 01/06/2012 1 APRESENTAÇÃO Art. 1º - A política de crédito da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Servidores da Unesp - COOPUNESP é o meio pelo qual

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009

MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN N 643, DE 1º DE ABRIL DE 2009 Regulamenta as medidas de estímulo à liquidação ou renegociação de dívidas originárias de operações

Leia mais

Cidadão Perguntas e Respostas

Cidadão Perguntas e Respostas Cidadão Perguntas e Respostas 1. INFORMAÇÕES GERAIS... 2 1.1 O QUE É O SCR?... 2 1.2 QUEM PODE CONSULTAR AS INFORMAÇÕES ARMAZENADAS?... 2 1.3 PARA QUE SERVEM OS DADOS?... 2 1.4 OUTROS PAÍSES TÊM SISTEMAS

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI

AULA 12. Produtos e Serviços Financeiros VI AULA 12 Produtos e Serviços Financeiros VI Operações Acessórias e Serviços As operações acessórias e serviços são operações de caráter complementar, vinculadas ao atendimento de particulares, do governo,

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002

CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 BANCO CENTRAL DO BRASIL Diretoria de Normas e Organização do Sistema Financeiro Departamento de Normas do Sistema Financeiro CARTA-CIRCULAR Nº 2.999, DE 2 DE ABRIL DE 2002 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos

Recebíveis. Antecipação de Crédito Lojista ACL. BB Giro Cartões. BB Giro Recebíveis. Desconto de Cheques. Desconto de Títulos Atualizada em 29/04/2015 Capital de Giro BB Capital de Giro Mix Pasep Recebíveis Antecipação de Crédito Lojista ACL Financiamento de Investimentos BB Crédito Empresa BB Giro Empresa Flex BB Giro Cartões

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

CONDIÇÕES GERAIS APLICÁVEIS AO EMPRÉSTIMO CONSIGNADO DESTINADO À RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS O BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A., com sede na Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, 2041 e 2235, Bloco A, Vila Olímpia, São Paulo/SP, CEP 04543-011, CNPJ/MF sob n.º 90.400.888/0001-42, disponibiliza

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

V AL R Qualificação do Microempreendedor

V AL R Qualificação do Microempreendedor V AL R Qualificação do Microempreendedor Data: Nome Completo: CPF/CNPJ: Nº Identidade: Órgão Emissor : Sexo: Data de Nascimento: Estado Civil: Naturalidade: Nome do Pai: Nome da Mãe: Endereço: Bairro:

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

1. Público-alvo. 2. Objetivos

1. Público-alvo. 2. Objetivos LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL INFORMAÇÕES ÚTEIS SOBRE CONSIGNADO EMPRÉSTIMO, CARTÃO DE CRÉDITO E/OU SERVIÇOS CONTRATADOS - ANO 2015. 1) O que é Margem Consignável? Resposta: É o dado que indica os limites estabelecidos por lei específica

Leia mais

O que é desconto? O que é factoring? Cessão de crédito Quando um banco precisa transferir créditos e débitos? Quando um banco cede créditos? Empréstimos sindicalizados Securitizações Quando clientes cedem

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Diretoria Executiva / Dir. Risco de Credito Área de Crédito e Risco Área Comercial Área de Tecnologia da Informação Compliance Officer Elementos de Apoio:

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365

Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Página 1 de 9 COMUNICADO Nº 18.365 Comunica orientações preliminares relativas à utilização das abordagens baseadas em classificação interna de exposições segundo o risco de crédito, para fins da apuração

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

JSL Arrendamento Mercantil S/A.

JSL Arrendamento Mercantil S/A. JSL Arrendamento Mercantil S/A. Relatório de Gerenciamento de Riscos 2º Trimestre de 2015 JSL Arrendamento Mercantil S/A Introdução A JSL Arrendamento Mercantil S/A. (Companhia) se preocupa com a manutenção

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi

Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Aryelle de Brito Sousa Diana Romanha Roberto César Nascimento Avelino Pereira Victor Bragatto Luchi Waleska Fromholz Madi Prof. :Dalton Dutra Objetivo Estimular a participação de graduados em cursos de

Leia mais

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário

Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos Utilitários BNDES Pro- Utilitário Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 39/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de setembro de 2015. Ref.: Ass.: Produto BNDES Automático Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Veículos

Leia mais

SIMULADO ENADE GESTÃO FINANCEIRA

SIMULADO ENADE GESTÃO FINANCEIRA SIMULO N GSTÃO FINNIR Nome do(a) aluno(a): Matrícula: IS: MPUS: ata: / / 1. Questão om base no demonstrativo abaixo, analise as demonstrações contábeis da ia. Pedra do Muro e responda: om base nos demonstrativos

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional

Objetivo. Introdução. Gestão de Riscos. Risco operacional Objetivo Este relatório tem como objetivo atender a Circular 3.678, de 31 de outubro de 2013, apresentando as informações referentes a gestão de riscos, à apuração do montante dos ativos ponderados pelo

Leia mais

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO

POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO POLÍTICA GERAL PARA CONCESSÃO DE CRÉDITO Sumário Introdução... 2 Condições Gerais... 2 Definições... 2 Análise de crédito: principais critérios... 3 Contratos... 4 Acompanhamento de liquidez... 4 Principais

Leia mais

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás

Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS. Convênio. Banco do Brasil e Liquigás Produtos e Serviços Revendedores e Transportadores LIQUIGÁS Convênio Banco do Brasil e Liquigás 2 Senhores Revendedores e Transportadores, O convênio firmado com o Banco do Brasil propiciar aos Revendedores

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Março de 2011 Gerência de Risco de Crédito Diretoria de Economia e Riscos Diretoria Executiva de Administração e Finanças Banco Cooperativo Sicredi 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços

NOTA TÉCNICA 48 2013. Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços NOTA TÉCNICA 48 2013 Lei nº 12.873 de 24/10/2013: PROSUS Registros de preços Brasília, 29 de outubro de 2013 INTRODUÇÃO A Lei 12.873 de 24/10/13 trata de vários assuntos, altera algumas leis e entre os

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS;

CARTA-CIRCULAR N 2999. 1.4.3.00.00-2 Repasses Interfinanceiros; 3.0.1.30.00-5 BENEFICIÁRIOS DE GARANTIAS PRESTADAS; CARTA-CIRCULAR N 2999 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados na remessa de informações no âmbito da Central de Risco de Credito. Para fins da prestação das informações de que trata a Circular

Leia mais

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições:

Resolvem, na melhor forma de direito, celebrar o presente Contrato de Mútuo ( Contrato ), de acordo com os seguintes termos e condições: CONTRATO DE MÚTUO Prelo presente instrumento particular, [O Estudante, pessoa física proponente de empréstimo com determinadas características ( Proposta )], identificado e assinado no presente contrato

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. 2 Definição Seguro Garantia É o seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. Partes Seguradora - Sociedade de seguros garantidora,

Leia mais

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09

Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2013 Gestão de Riscos, Patrimônio de Referência Exigido (PRE) e Adequação do Patrimônio de Referência (PR) Circular Bacen 3.477/09 2 ÍNDICE: 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS...

Leia mais

Tabela de Tarifas - Pessoa Física

Tabela de Tarifas - Pessoa Física Tabela de Tarifas - Pessoa Física VIGÊNCIA A PARTIR DE 22/05/2014 SERVIÇOS PRIORITÁRIOS SERVIÇOS CANAIS E FORMAS DE ENTREGA TARIFA - R$ 1. CADASTRO 1.1. Confecção de cadastro para início de relacionamento

Leia mais

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC

TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC TARIFAS DE SERVIÇOS SICOOB BLUCREDI SC Valores vigentes a partir de: 01/08/2014. Cartão de débito Saque Transferências Extrato Consultas (Saldo e extrato) Compensação de cheques Talão de cheque SERVIÇOS

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE CRÉDITO A Um Investimentos S/A CTVM, conforme definição da Resolução nº 3.721/09, demonstra através deste relatório a sua estrutura do gerenciamento de risco de crédito.

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO

Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO CIRCULAR Nº 80/2009 Rio de Janeiro, 24 de julho de 2009 Ref.: FINAME e FINAME LEASING Ass.: Programa BNDES de Financiamento a Caminhoneiros - BNDES PROCAMINHONEIRO O Superintendente da Área de Operações

Leia mais

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO

CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CONVÊNIO DESCONTO CCB CONV DESC VJ 04/2011 (540) CÉDULA DE CRÉDITO BANCÁRIO CCB Nº VIA: Negociável (CREDOR) Não Negociável (EMITENTE) I - EMITENTE Nome/Razão Social CPF /CNPJ Banco Agência Conta Corrente nº II TERCEIROS

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

Risk & Permanent Control

Risk & Permanent Control Estrutura Organizacional Risco de Crédito Introdução Este documento apresenta a estrutura organizacional da área de Risco de Crédito do conglomerado CRÉDIT AGRICOLE Brasil e estabelece as suas principais

Leia mais

Sumário Executivo 7 1 430

Sumário Executivo 7 1 430 43017 Sumário Executivo SUMÁRIO EXECUTIVO CARTÃO DE CRÉDITO BANDEIRA VISA INTERNACIONAL: Este documento contém as informações essenciais e resumidas relacionadas ao seu cartão extraídas das Condições Gerais

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA

Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA. Renda Fixa. Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Renda Fixa Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio - CDCA Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio Viabiliza o financiamento da cadeia do agronegócio com recursos privados O produto

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br

REGIMENTO DO SCPC. Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO DO SCPC Rua XV de Novembro, 621 Fone: (41) 3320-2929 80020-310 Curitiba PR www.acpr.com.br REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PROTEÇÃO PROTEÇÃO AO AO CRÉDITO CRÉDITO

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados no Programa. Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI N 39/2014-BNDES Rio de Janeiro, 12 de setembro de 2014 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para Composição de Dívidas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e

Consultor Legislativo da Área VII Finanças, Direito Comercial, Direito Econômico, Defesa do Consumidor e SOBRE AS ALTERAÇÕES NO CRÉDITO IMOBILIÁRIO E OUTRAS REFERENTES À POLÍTICA HABITACIONAL CONTIDAS NA MP 2.212 DE 30/8/01 E NAS MPS 2.221 E 2.223 DE 4/9/01 EDUARDO BASSIT LAMEIRO DA COSTA Consultor Legislativo

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO DE CRÉDITO 1 - INTRODUÇÃO As exposições sujeitas ao risco de crédito são grande parte dos ativos da COGEM. Por isso, o gerenciamento do risco dessas exposições é fundamental para que os objetivos da Cooperativa sejam

Leia mais

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física

Contrato de Crédito Direto CAIXA - Pessoa Física CLÁUSULAS GERAIS CLÁUSULA PRIMEIRA - A CAIXA disponibiliza e o(s) CREDITADO(S) aceita(m) os valores de referência, sujeitos a confirmação até a data da efetivação da operação, observadas as normas operacionais

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO FINANCEIRA VICE-DIRETORIA ADMINISTRATIVA ABRIL 2011 1 1. APRESENTAÇÃO A expansão das atividades de ensino e melhoramento da infraestrutura física ofertada tem exigido da Faculdade

Leia mais

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos.

Cobrança Itaú. Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Cobrança Itaú Conheça como funciona o serviço de protesto de títulos. Para garantir uma gestão de Cobrança ainda mais eficiente, é preciso que você saiba como funciona o serviço de protesto de títulos

Leia mais

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice. GUIA DE SEGURO GARANTIA PARA CONSULTA FENSEG QUEM SÃO AS PARTES Seguro Garantia - Seguro que garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador perante o segurado, conforme os termos da apólice.

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples.

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES. 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS SIMPLES 1 OBJETIVO 1.1 Estabelecer as diretrizes para a concessão de empréstimo simples. 2 CONCESSÃO 2.1 O empréstimo simples poderá ser concedido exclusivamente

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros.

NEGÓCIO MISSÃO. Crédito e Serviços Financeiros. NEGÓCIO Crédito e Serviços Financeiros. MISSÃO Garantir acesso ao crédito, fomentando negócios, empreendedorismo e competitividade, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do Estado de Mato Grosso.

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA DP N.º 002/2013 Estabelece normas para o pagamento de semestralidade, mensalidades, taxas e outros emolumentos estabelecidos em portaria pelos serviços prestados pela FACCREI/FACED.

Leia mais

Consignação Manual do Correspondente Consignação

Consignação Manual do Correspondente Consignação Manual do Correspondente Consignação Banestes S.A. - Banco do Estado do Espírito Santo GCONS - Gerência de Consignação SUMÁRIO 1. Conceito...3 2. Apresentação...3 3. Informações Gerais...3 3.1. Condições

Leia mais

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO

CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO CLAÚSULAS E CONDIÇÕES DO EMPRÉSTIMO ANTECIPAÇÃO DO DÉCIMO TERCEIRO SALÁRIO Por este instrumento e na melhor forma de direito, o BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A, com sede na Rua Amador Bueno, nº 474, São Paulo/SP,

Leia mais

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL 790 E S A F 9. GANHOS POR COMPRA VANTAJOSA - JUSTO PAGO GANHO POR COMPRA VANTAJOSA CUSTO DE JUSTO 10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O JUSTO É IGUAL AO PATRIMONIAL goodwillvalor justoigual

Leia mais

Sistema de Informações de Crédito SCR

Sistema de Informações de Crédito SCR Sistema de Informações de Crédito SCR Consultas às Informações do Cliente Cidadão Versão 2.0 Este manual descreve a forma como os cidadãos e as pessoas jurídicas não financeiras acessam as informações

Leia mais